Gestão por Competências, Remuneração e Carreiras

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão por Competências, Remuneração e Carreiras"

Transcrição

1 Gestão por Competências, Remuneração e Carreiras Prof. Edison Artur Aranda

2 Edison Artur Aranda GESTÃO POR COMPETÊNCIAS, REMUNERAÇÃO E CARREIRAS Educação a Distância

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 06 1 A GESTÃO E O PROFISSIONAL DE CARGOS E SALÁRIOS 10 2 SISTEMA DE REMUNERAÇÃO CONCEITOS 13 3 O SISTEMA TRADICIONAL DE REMUNERAÇÃO OBJETIVOS DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PRINCIPAL FINALIDADE DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS Equilíbrio Interno e Externo PLANO DE ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS ELABORAÇÃO DE UM SISTEMA DE CARGOS E SALÁRIOS FASES DE PREPARAÇÃO Diagnóstico Organizacional 17 4 O PLANEJAMENTO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS ELABORAÇÃO E DIVULGAÇÃO DO PLANO ANÁLISE E DESCRIÇÃO DE CARGOS AVALIAÇÃO DOS CARGOS PESQUISA SALARIAL CONSTRUÇÃO DA ESTRUTURA SALARIAL ELABORAÇÃO DA POLÍTICA SALARIAL DEMAIS ETAPAS 20 5 DIVULGAÇÃO E ENVOLVIMENTO DOS EMPREGADOS 21 6 FASES DE ELABORAÇÃO 23 7 INTRODUÇÃO À ANÁLISE E DESCRIÇÃO DE CARGOS TERMINOLOGIAS ETAPAS DA ANÁLISE DE CARGOS Coleta de Dados 25

4 Método de Coleta de Dados DESCRIÇÃO DE CARGOS Regras Gerais para Descrever e Especificar Cargos A Descrição deve ser Clara e Objetiva Palavras Úteis para Facilitar o Preenchimento da Descrição de Cargo Titulação dos Cargos Especificação do Cargo 35 8 AVALIAÇÃO DE CARGOS CONJUNTO DE CARGOS-CHAVE COMITÊ DE AVALIAÇÃO DE CARGOS CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS GRUPO OCUPACIONAL 41 9 MÉTODOS TRADICIONAIS DE AVALIAÇÃO MÉTODOS NÃO QUANTITATIVOS MÉTODOS QUANTITATIVOS Método de Avaliação de Pontos Método de Comparação de Fatores PESQUISA SALARIAL CONCEITOS OBJETIVOS TIPOS BÁSICOS DE PESQUISAS SALARIAIS ETAPAS DE ELABORAÇÃO DA PESQUISA SALARIAL ANÁLISE E APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS CRONOGRAMA SELEÇÃO DE CARGOS DA PESQUISA SELEÇÃO DAS EMPRESAS PARTICIPANTES DEFINIÇÃO DAS INFORMAÇÕES A SEREM PESQUISADAS PREPARO DO CADERNO DE COLETA DE DADOS TABULAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS MEDIDAS ESTATÍSTICAS MAIS COMUNS 65

5 11.8 EMISSÃO DO RELATÓRIO DA PESQUISA SALARIAL Análise do Resultado Análise da Política Salarial Caderno de Tabulação Relatório da Empresas Participantes CONSTRUÇÃO DA TABELA SALARIAL ESTRUTURA SALARIAL DEFINIÇÃO DOS TERMOS UTILIZADOS NA ESTRUTURA SALARIAL POLÍTICA SALARIAL MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SALÁRIOS REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA LIMITAÇÕES DO SISTEMA TRADICIONAL DE REMUNERAÇÃO FUNDAMENTOS DA REMUNERAÇÃO TRADICIONAL SISTEMA DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA ALGUNS ASPECTOS ESSENCIAIS DE UMA IMPLANTAÇÃO FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO 80 ESTRATÉGICA 16 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS HISTÓRICO PRESSÕES PARA GERAÇÃO DE NOVAS COMPETÊNCIAS FINALIDADE DEFINIÇÃO DE COMPETÊNCIAS PREMISSAS DO SISTEMA POR COMPETÊNCIAS CARACTERÍSTICAS DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS VANTAGENS DE REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS REMUNERAÇÃO POR HABILIDADES HISTÓRICO DEFINIÇÃO DE HABILIDADES IDENTIFICANDO AS HABILIDADES 88

6 17.4 CARACTERÍSTICAS DA REMUNERAÇÃO POR HABILIDADES BASE DO SISTEMA DE REMUNERAÇÃO POR HABILIDADES VANTAGENS DA REMUNERAÇÃO POR HABILIDADES BENEFÍCIOS CONCEITO TIPOS DE BENEFÍCIOS REMUNERAÇÃO VARIÁVEL ORIGEM OBJETIVOS FORMAS DE CONCESSÃO DA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL COMPARAÇÃO ENTRE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL X PLR PLANEJAMENTO DE CARREIRAS PLANO DE CARREIRA PLANEJAMENTO DE CARREIRA TIPOS ADOTADOS EM CARREIRAS VANTAGENS DO PLANEJAMENTO DE CARREIRAS PLANEJAMENTO PESSOAL DE CARREIRA GESTÃO DE CARREIRA EXPECTATIVA DO INDIVÍDUO GESTÃO DE CARREIRA EXPECTATIVA DA ORGANIZAÇÃO 107 REFERÊNCIAS 109

7 6 INTRODUÇÃO O salário tem sido sempre o principal elo entre empresas e empregados, especialmente em economias instáveis, onde o salário está constantemente sob ameaça e, por isso, constantemente questionado individual e coletivamente. Nos países onde o padrão de vida está entre os mais elevados, o salário já não ocupa o primeiro lugar nas discussões, por duas razões básicas: é uma questão já resolvida e garantida e aqueles gastos onde os assalariados dos países pobres gastam boa parte dos seus rendimentos já é assegurada pelo Estado. Além disso, em razão da demanda de mãode-obra menos qualificada, as diferenças salariais são bastante reduzidas, o que torna menos acentuada a discussão sobre o valor relativo dos cargos. A importância do salário pode ser analisada sob dois enfoques distintos: a importância para o empregado e para a empresa. Para o empregado significa sustento, padrão de vida, reconhecimento. Para a empresa representa custo e fator influenciador do clima organizacional e da produtividade. Se para a grande maioria dos trabalhadores o salário significa exclusivamente a subsistência, para muitas empresas a folha de pagamento representa o item mais importante dos seus custos. Há, portanto, evidências de sobra para que a questão salarial seja bem equacionada e administrada. Além das questões intrínsecas ao salário, como seu poder de compra, ele tem um significado psicológico importante, que não devemos ignorar, sob pena de falharmos em sua administração. Na verdade, o salário não é o único condicionante do comportamento das pessoas no trabalho. Outros fatores estão presentes e o salário deve ser analisado nesse contexto para que não tendamos a tratar como salário questões não salariais ou pelo menos não só salariais. É sumamente importante conhecermos alguns aspectos do comportamento das pessoas no trabalho para orientarmos nossas análises, políticas e decisões. Os estudos mais conhecidos sobre os fatores condicionantes do

8 7 comportamento humano do trabalho foram feitos pelos cientistas Herzberg e Maslow. Conhecendo estes estudos, temos indicações importantíssimas para pensar a questão dos aumentos salariais, a concessão de benefícios, a troca de salário por benefícios, o cargo estático e rígido versus a necessidade de realização etc. Herzberg desenvolveu a teoria de que os fatores relacionados com a satisfação no trabalho podem ser classificados em dois grupos: os fatores Higiênicos e os Motivacionais. Os Fatores Higiênicos dizem respeito aos aspectos considerados como obrigações da empresa e que o fato de estarem atendidos é encarado com naturalidade, porém se ocorrer o contrário causa desmotivação. Os Fatores Motivacionias estão ligados ao algo mais, aquilo que a empresa faz embora não seja entendido como obrigação dela. Se não acontecerem, passam desapercebidos e se ocorrerem, causam motivação. Vejamos alguns exemplos de ambos os fatores: Fatores Higiênicos Fatores Motivacionais Boas condições de trabalho Pagamento do salário em dia Justiça na remuneração Padrões claros e estáveis de supervisão e organização Operações bem coordenadas Suficiência de informações Comunicação correta Realização profissional Reconhecimento das realizações Trabalhos desafiantes Status Definição precisa de responsabilidades Participação nas decisões Herzberg e outros estudiosos entendem que o salário é Fator Higiênico, ou seja, dado corretamente Não Motiva, mas qualquer incoerência, mesmo aparente, Causa Desmotivação. Aqui devemos distinguir o salário propriamente e o aumento salarial. Este último, por significar perspectivas de realizar desejos e por trazer implícito

9 8 o reconhecimento da chefia e da empresa, causa uma certa euforia e motivação. Entretanto, a realidade não deixa dúvidas: esse sentimento efêmero e o estado de espírito do empregado logo volta ao ponto anterior. Portanto, não nos iludamos com as possibilidades motivacionais e fiquemos sempre alertas para as desmotivações que ele pode causar. A motivação duradoura deve ser buscada através de chefias bem preparadas, enriquecimento dos trabalhos (torná-los mais interessantes e desafiantes), etc. Por outro lado, a desmotivação causada por outros fatores higiênicos costumam aparecer sob a máscara da questão salarial e, se não examinarmos bem as condições, poderemos ser levados a ceder à pressões salariais além da conta e não resolvermos o problema porque outros condicionantes permanecem causando desmotivação. Em suma, antes de buscarmos um clima motivador na empresa, devemos resolver a satisfação dos fatores higiênicos. Maslow desenvolveu a teoria da Hierarquia das Necessidades, segundo a qual as necessidades humanas aparecem numa certa ordem de prioridade: subsistência, relacionamento social, reconhecimento e realização. As necessidades ligadas à Subsistência, também chamadas Básicas e Fisiológicas, compreendem tudo que mantém viva a pessoa: alimentação, repouso, abrigo etc. Por Segurança, entende-se a proteção contra todo tipo de ameaça a violência, a privação das condições de subsistência, instabilidade no emprego etc. Por Relacionamento Social, entende-se a necessidade de ser aceito em grupos de pessoas, ter amigos, poder conviver com outras pessoas. Por Reconhecimento, mais conhecido como Auto-Estima entende-se a necessidade de que nossas ações sejam aceitas, validadas e elogiadas pelas outras pessoas. Por Realização, também dito Auto-Realização, entende-se a necessidade que temos de estarmos fazendo o que gostamos, de estarmos vencendo desafios, de estarmos construindo algo a partir de nossa capacidade. Como essas necessidades estão numa Hierarquia, sua satisfação é

10 9 buscada nessa ordem, de forma que só passamos a nos preocupar com a necessidade seguinte quando sentimos que a necessidade presente está satisfeita. Assim, após garantirmos nossa subsistência, passamos a nos preocupar em mantê-la, isto, com a Segurança. Dentro dessa teoria, o salário está em geral ligado às necessidades básicas, embora os salários mais altos satisfaçam as necessidades de segurança e de relacionamento social. A distinção salarial, feita através de aumentos e outras formas, satisfaz em parte a necessidade de reconhecimento. Entretanto, como o efeito da distinção salarial tem curta duração, se essa for a única manifestação de reconhecimento recebida pelo empregado, a necessidade pode não ser satisfeita e o empregado tende a se desmotivar e se fixar na necessidade anterior ou buscar outras fontes de reconhecimento fora do trabalho. Entre outras coisas, essa teoria nos mostra que não adianta tentar satisfazer necessidades superiores, se as básicas não estiverem resolvidas, entre elas, o salário. Muitas empresas têm visto frustrarem seus programas de benefícios por não atentarem para este aspecto. Um meio de verificar como os empregados estão em termos de necessidades, é através da Pesquisa de Clima, que deve ser orientada para identificar o estágio de satisfação de necessidades em que estão os empregados por estratos, setores etc. Além disso, o caráter de reconhecimento implícito nas distinções salariais não pode ser ignorado e deve ser considerado na política salarial, na questão dos aumentos ou gratificações. A realidade nos tem mostrado que podemos pagar o salário mais alto do mercado, mas, se o damos todo de uma vez o empregado se sente esquecido.

11 10 1 A GESTÃO E O PROFISSIONAL DE CARGOS E SALÁRIOS A Gestão de Cargos e salários (GCS) é uma especialização dentro da função Recursos Humanos que, por sua vez, é uma especialização dentro da Administração. É uma atividade hoje largamente empregada nas grandes empresas e, cada vez mais, também entre as empresas de médio porte. Não só as empresas utilizam essa atividade, mas todo tipo de organização que empregue mão-de-obra. Aliás, a Gestão de Cargos e Salários, como atividade, existe em toda organização, de qualquer tamanho, que mantenha vínculo remunerado com mão-deobra. É sob a forma de função organizada, estruturada, formalizada e, sobretudo, instrumentalizada, que só existe nas organizações médias e grandes. A GCS é tão mais complexa quanto for variada, numerosa e complexa a mão-de-obra de cuja remuneração se incumbe. De uma forma geral, seu grande objetivo é Auxiliar a empresa a remunerar o pessoal de forma adequada, com justiça interna e competitividade externa, dentro das possibilidades econômicas da empresa. As principais atividades usualmente desempenhadas pela área são: Identificação, levantamento, descrição análise e titulação dos cargos; Determinação do valor relativo dos cargos; Levantamento dos salários, benefícios e políticas de remuneração praticadas pelo mercado; análise e comparação com a situação da empresa; Estabelecimento e atualização das faixas salariais e outros parâmetros de remuneração para os cargos; Desenvolvimento de propostas de política salarial para a empresa, sua implementação, operacionalização e controle; Preparação de procedimentos de administração e controle da movimentação salarial, sua implementação e operacionalização; Participação nas negociações com sindicatos, de forma direta ou

12 11 subsidiando com informações; Estudo e análise de solicitações de aumentos salariais e promoções; Participação em estudo de problemas de contratação e evasão de mãode-obra; Classificação dos cargos, montagem e manutenção de Manual de Cargos da empresa; Controle do custo de pessoal e estatística de movimentações salariais; Fornecimento de subsídios para a empresa em processos trabalhistas. A GCS deve buscar sempre um alto padrão de atuação. Para o profissional da área poder avaliar sua atuação, deve estabelecer padrões e objetivos a ser perseguidos e validá-los com seus superiores. Abaixo alguns desses objetivos e padrões permanentes: Desenvolver uma política salarial coerente com a política e planos de RH da empresa, mantê-la atualizada e cuidar para que seja sistematicamente praticada; Assessorar eficazmente as chefias em geral, buscando em conjunto as soluções para os problemas com o pessoal; Analisar e identificar a real natureza dos problemas com pessoal para não usar indevidamente a solução salarial; Desenvolver ou buscar fora metodologias que garantam a justiça interna na valorização dos cargos e implementá-las, de forma que as chefias as entendam e assumam; Buscar informações confiáveis sobre o mercado, analisando-as e interpretando-as de forma tecnicamente correta; Fazer com que as chefias conheçam, compreendam, assumam e pratiquem o sistema de remuneração e a política salarial; Conhecer as técnicas e manter-se atualizado em relação às metodologias

13 12 mais apropriadas à estratégia da empresa; Manter vivo, atual e em perfeito funcionamento o sistema de remuneração da empresa; Buscar a pronta e correta interpretação das leis, políticas e normas salariais e oficiais e acordos / convenções coletivas. A GCS, tal como a conhecemos hoje, teve seus primeiros passos nos anos quarenta, através de algumas empresas estatais e órgãos governamentais. Durante os anos cinquenta, a atividade se firmou e começou a ser conhecida de um círculo mais amplo, em função da chegada de muitas empresas multinacionais, principalmente as ligadas ao ramo automobilístico. A partir dos anos setenta, algumas mudanças começaram a acontecer, como a revisão do conceito de cargo estático para uma visão mais dinâmica da carreira: foram introduzidas novas técnicas de avaliação de cargos e sistemas de executivos e especialistas, tais como Hay, Curva de Maturidade e outros. Ultimamente, a área vem experimentando uma grande disseminação junto às empresas e a convivência com negociações e acordos sindicais. A tendência é a crescente influência dos sindicatos nas políticas e sistemas de remuneração através das negociações. Cada vez mais a empresa terá menos espaço para estabelecer unilateralmente suas regras. A importância da GCS para a empresa é evidente na mesma medida que é evidente a importância da questão salarial, não só sob a ótica do custo, mas principalmente, do ponto de vista da sua influência na motivação e na produtividade do pessoal. A questão salarial é fundamental por ser a base para toda a política e estratégia de Recursos Humanos. O profissional de Cargos e Salários tem uma característica pouco encontrada: tem que ser eclético. Deve ter ótimo raciocínio abstrato e numérico, ter grande facilidade verbal e escrita, entender a natureza humana e a organização empresarial. Espera-se, também, que o profissional de Cargos e Salários tenha seriedade, atualização, lealdade, precisão técnica, atitude anti-burocrática, tratamento ético das questões confidenciais e, sobretudo, respeito humano.

14 13 2 SISTEMA DE REMUNERAÇÃO 2.1 CONCEITOS Quando falamos em administrar salários, para compreendermos bem a missão que temos pela frente devemos, antes de tudo, refletir sobre o significado Administrar. Sabemos que, no sentido geral, administrar significa governar, gerir etc. Particularizando, podemos dizer que administrar ou gerir um recurso, é fazer com que esse recurso seja eficaz, que seja despendido na dose certa, no momento certo, de forma a propiciar retorno. Como o salário é um recurso, administrar salário significa dosá-lo na medida certa para que atinja seus objetivos. E quais objetivos são esses? Como salário é um recurso que une duas partes, ele deve atender a essas duas partes. Para a empresa ele deve ser suficiente para atrair e manter as pessoas de que ela necessita, dentro de suas possibilidades econômicas. Para as pessoas, ele deve ser compatível com suas responsabilidades e suficiente para que elas não se sintam compelidas a ir para outra empresa. Em suma, o salário deve ser: Justo internamente; Competitivo externamente; Compatível com as possibilidades econômicas da empresa. O conceito de justiça interna pressupõe que o valor atribuído a cada cargo ou ocupação seja correto, isto é, que respeite os diversos aspectos, condições de trabalho etc. Entretanto, a justiça interna somente se configura se, além de os cargos estarem justamente hierarquizados, os ocupantes forem compatíveis com os cargos. Para administrar de forma eficaz os cargos e salários, garantindo a equidade interna e a coerência externa dentro de suas possibilidades econômicas, a empresa necessita contar com um conjunto de instrumentos, políticas e procedimentos que chamamos Sistema Tradicional de Remuneração.

15 14 3 O SISTEMA TRADICIONAL DE REMUNERAÇÃO Inclui modelos desenvolvidos na primeira metade do Século XX e ainda encontra larga aplicação na maioria das empresas. A base do sistema tradicional de remuneração é o denominado Plano de Administração de Cargos e Salários, ou simplesmente Plano de Cargos e Salários. A empresa que não conta com um Plano de Administração de Cargos e Salários, além de não conseguir equacionar convenientemente a questão, sujeita a Direção a decidir no caso-a-caso, sem instrumentos, sem parâmetros e de forma assistemática. Se a empresa dispõe do Sistema, a Direção decide a estrutura e a política e delega a administração dos salários sem perder o controle. Muitas empresas tentam resolver sua questão salarial quase exclusivamente com pesquisas salariais. É evidente que a questão fica mal resolvida, pois a pesquisa não leva ao equilíbrio interno. Aliás, até a competitividade externa fica duvidosa, porque a empresa não tem um sistema interno para checar os dados de mercado, ficando sujeita a erros comuns nas pesquisas. Além da adequada administração dos cargos e salários, o Sistema ainda traz outros benefícios importantes: Informações sobre os cargos para Seleção, Treinamento, Segurança e Medicina de Trabalho e Administração de Pessoal; Tratamentos uniformes e equitativos; Viabilidade para implantação de Plano de Carreira e Sucessão; Maior facilidade para as chefias; 3.1 OBJETIVOS DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS Definição de atribuições, autoridades e responsabilidades de cada cargo; Estabelecimento de uma adequada estrutura salarial;

16 15 Desenvolvimento de sistemas de incentivos que compensem o desempenho individual; Oferecimento de oportunidade de remuneração que motive continuamente os empregados, buscando assegurar crescentes índices de produtividade. 3.2 PRINCIPAL FINALIDADE DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS Criar condições para o melhor aproveitamento dos Recursos Humanos da Empresa, através de uma Política Salarial que seja norteada pelas seguintes etapas: Equilíbrio Interno e Externo A preocupação central da área de Administração de Cargos e Salários é a manutenção do equilíbrio interno e externo. Equilíbrio Interno: É conseguido pela correta avaliação dos cargos, de forma a manter uma hierarquia. O equilíbrio interno é muito importante, porque os colaboradores comumente julgam a equidade de suas remunerações, comparando-as com os demais colaboradores. Temos que remunerar cada colaborador, levando-se em consideração o seu cargo em relação aos demais cargos da empresa (percepção justiça). Equilíbrio Externo: É conseguido com a adequação salarial da organização diante do mercado de trabalho. Também é muito importante o equilíbrio externo, uma vez que os colaboradores julgam a equidade de suas remunerações, comparando-as com as dos ocupantes de cargos similares em outras organizações. Devemos remunerar os empregados a níveis competitivos com o mercado de trabalho, evitando a perda de seus talentos profissionais.

17 16 Para que os equilíbrios Interno e Externo sejam mantidos, é necessário o desenvolvimento criterioso de um programa de Cargos e Salários, conforme segue: 3.3 PLANO DE ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS O plano de administração de cargos e salários, como outros planos de Recursos Humanos, deve ser implantado com a colaboração das gerências, uma vez que são os gerentes os responsáveis pela motivação e produtividade dos recursos humanos e serão eles que terão que conviver com as políticas e regras traçadas. Portanto, nada melhor do que fazê-los participar da implantação. Dessa forma, a unidade de Gestão de Recursos Humanos terá amplo apoio durante a elaboração do Programa, além de maior certeza de que este será mais condizente com as necessidades organizacionais. 3.4 ELABORAÇÃO DE UM SISTEMA DE CARGOS E SALÁRIOS As etapas de elaboração de um Plano de Administração de Cargos e Salários são as seguintes: Fase de Preparação Fase de Elaboração Fase de Implantação Diagnóstico Análise e Descrição de Disseminação das Organizacional Cargos Políticas e Normas junto aos Gestores Planejamento Avaliação de Cargos Divulgação Pesquisa Salarial Montagem da Estrutura Salarial Definição da Política e das Normas Divulgação aos Empregados

18 FASES DE PREPARAÇÃO Diagnóstico Organizacional O diagnóstico se constitui na primeira etapa para o desenvolvimento de um sistema de remuneração, assim como deveria ser considerado em qualquer trabalho que intervenha de alguma forma na organização. Em especial, o desenvolvimento de um sistema de remuneração envolve questões de poder, status, influência, organização, espaço etc., e seu planejamento não pode ignorar importantes informações sobre o contexto da empresa. É natural que não se trata de um diagnóstico profundo no sentido clássico, mas a identificação de alguns aspectos mais relevantes para o trabalho, que podem ser obtidos em entrevistas com o corpo executivo da organização. (JORGE, 2007, p. 24). Este levantamento de informações deve necessariamente identificar os seguintes itens: Histórico da Empresa; Estrutura Organizacional; Sistema de remuneração vigente, sistematizado ou empírico; Nível de insatisfação com o sistema vigente; Cargos utilizados e dispersão salarial; Reclamações trabalhistas com foco em cargos e salários; Tentativas anteriores de sistematização da administração de salários; Sistema de comunicação usual; Relações com o sindicato - histórico de greves; Visão dos trabalhadores sobre o assunto; Existência de representações internas; Estágio de Desenvolvimento Organizacional; Principais valores da organização

19 18 4 O PLANEJAMENTO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS Segunda etapa do desenvolvimento de um sistema estruturado de remuneração, o planejamento deve, necessariamente, considerar as características da empresa identificadas na etapa anterior, entretanto existe um esquema padrão para orientá-lo: O planejamento deverá prever nossas ações em cada etapa do trabalho, além de incluir a preparação do material a ser utilizado nas demais etapas. Na sequência apresentamos os principais itens que devem ser enfocados em cada uma das etapas de desenvolvimento do projeto: (JORGE, 2007, p. 24). 4.1 ELABORAÇÃO E DIVULGAÇÃO DO PLANO Elaboração do Plano; Discussão do Plano com as Gerências; Aprovação do Plano; Divulgação do Plano aos Colaboradores. (forma, meios, material necessário). 4.2 ANÁLISE E DESCRIÇÃO DE CARGOS Definição da metodologia de levantamento, necessidade de treinamento de equipes de análise. Coleta de Dados; Descrição dos Cargos; Titulação dos Cargos; Classificação dos cargos conforme os grupos ocupacionais; Catálogo de Cargos.

20 AVALIAÇÃO DOS CARGOS Metodologia a ser utilizada. Escolha de Cargos Chaves; Formação do Comitê de Avaliação; Escolha do Método de Avaliação; Avaliação dos cargos Chaves; Avaliação dos demais Cargos. 4.4 PESQUISA SALARIAL Definição dos cargos; Escolha do Painel das Empresas; Elaboração do Manual de Coleta de dados; Convite às Empresas Participantes; Coleta de dados/ Tabulação; Análise dos Dados; Relatório Final aos Participantes. 4.5 CONSTRUÇÃO DA ESTRUTURA SALARIAL Cálculo da Curva Básica; Determinação do Número de Graus da Tabela Salarial; Cálculo da Amplitude dos Graus da Tabela Salarial;

21 20 Análise de sobreposição dos Graus da Tabela Salarial. 4.6 ELABORAÇÃO DA POLÍTICA SALARIAL Salário Admissão; Promoção Horizontal e Vertical; Reavaliação de cargos; Reajustes Salariais; Nível Hierárquico para a aprovação do Plano. 4.7 DEMAIS ETAPAS Recursos de informática disponíveis para realização de estudos estatísticos e definição de cenários de enquadramento e custos. Detalhamento do cronograma.

22 21 5 DIVULGAÇÃO E ENVOLVIMENTO DOS EMPREGADOS A elaboração de um Plano de Cargos e Salários implica na criação de expectativas entre os empregados tais como: conclusões prévias de que o plano necessariamente trará aumentos salariais, receios de que o levantamento de informações sobre os cargos será utilizado para a tomada de decisão de futuros cortes etc. (JORGE, 2007, p. 25). O sucesso de qualquer programa, não necessariamente em Cargos e Salários, envolve a tarefa de mudar a mentalidade, o que não é muito fácil. Portanto, a fixação e ampla comunicação dos objetivos é muito importante nesta fase. Seu estabelecimento revela o que e em que grau se pretende alcançar. Esclarecer os objetivos do programa a serem atingidos com o projeto; Processo de sensibilização dos executivos, administrativos e operacionais, com relação ao trabalho a ser desenvolvido, destacando a participação e a responsabilidade de cada um; Explicar a metodologia e os resultados que serão obtidos com o programa. A ausência de comunicação adequada gera reações negativas, tais como: Desconfiança dos propósitos da empresa; Indiferença quantos aos argumentos dos líderes; Especulações infundadas (boatos, rádio-peão); Desestímulo e irritação; Falsas expectativas de aumentos salariais. As informações aos funcionários devem ser de teor generalizado, envolvendo apenas os objetivos do programa e a definição sumária de cada uma de suas etapas básicas. A comunicação às lideranças deve ter mais detalhes, pois a participação dos gestores da empresa no processo é mais ativa e responsável.

23 22 Assim, é de vital importância que o assunto seja amplamente divulgado com o objetivo de combater falsas expectativas e garantir a credibilidade futura do instrumento. Usualmente a divulgação é realizada através de: Palestras com todos os empregados; Livretos explicativos; Distribuição de boletins informativos; Quadro de avisos; Intranet e Internet. Podemos complementar a divulgação através de cartilhas explicativas, uso do jornal interno, comunicados etc. É possível manter o público interno informado mediante a utilização de uma comissão de acompanhamento do projeto.

24 6 FASES DE ELABORAÇÃO 23

25 24 7 INTRODUÇÃO À ANÁLISE E DESCRIÇÃO DE CARGOS A eficiência de um sistema de avaliação de cargos e administração de salários repousa no desenvolvimento aprimorado da descrição e especificação de cargos. As descrições e especificações de cargos fornecem o alicerce para a avaliação dos cargos, da qual resultará a fixação de salários internamente coerentes. Na administração de cargos e salários são utilizados muitos termos técnicos e não há padronização nesse sentido, portanto, é possível que nas empresas possam ser aplicados outros termos que signifiquem os mesmos conceitos para os termos estabelecidos. (PONTES, 2007, p. 45). 7.1 TERMINOLOGIAS Embora possamos observar alguma variedade no conceito de determinadas expressões utilizadas na Análise de Cargos e Descrição de Cargos, gostaríamos de fixar as seguintes para nossa utilização: Tarefa - É a atividade executada por um indivíduo na empresa. Exemplo: arquivo de documentos, apontar cartão de ponto, atendimento telefônico. Função - Conjunto de tarefas atribuídas a cada indivíduo na organização. Exemplo: Contratação de novos colaboradores, manutenção do programa de treinamento da empresa, serviços de secretaria na área de negócios. Cargo - É o conjunto de funções similares quanto à natureza das atividades e às especificações exigidas dos ocupantes. Exemplo: Analista de Recursos Humanos, Secretária, Assistente Administrativo, Gerente Financeiro. Análise de Cargo - Processo de levantamento de informações sobre as ações realizadas pelos empregados nos diversos postos de trabalho existentes na empresa. Da análise resulta a descrição e a especificação do cargo. Descrição de Cargo - É o relato das tarefas descritas de cada cargo de

26 25 forma organizada, permitindo ao leitor a compreensão das atividades narradas. Especificação de Cargo - É o relato dos requisitos, responsabilidades e incômodos impostos aos ocupantes do cargo. Grupo Ocupacional - É o conjunto de cargos que se assemelham quanto à natureza do trabalho. Os grupos mais utilizados pelas empresas são: Gerencial, Profissionais de Nível Superior, Técnicos de Nível Médio, Administrativo e Operacional. (PONTES, 2007, p. 46 e 47) ETAPAS DA ANÁLISE DE CARGOS Para analisar os cargos, duas etapas são necessárias: coleta de dados e a descrição e especificação dos cargos. Uma vez concluída esta etapa, o produto resultante é o catálogo de Cargos Coleta de Dados O processo de descrição de cargos visa a registrar as informações sobre as diversas atividades e tarefas que constituem o conjunto de atribuições e responsabilidades de cada cargo dentro da empresa. As formas ou processos mais usados para obter as informações necessárias e preparar descrições de cargo são descritos a seguir Métodos de Coleta de Dados Questionário a ser preenchido pelo ocupante Esse processo consiste no fornecimento de um questionário ou o próprio formulário de Descrição de Cargo para os funcionários preencherem com

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU REENGENHARIA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book O Caderno de Evidências (Book) acompanhará o questionário da empresa na pesquisa. É importante lembrar que o envio desse material,

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos Equipe: Administradores de Sucesso Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos CONCEITOS PERFIS DE CARGOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TIPOS DE AVALIAÇÃO FEEDBACK CASES SUMÁRIO

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

competências e habilidades

competências e habilidades Remuneração e Carreira com base em competências e habilidades Reflexão inicial Qual o percentual de pessoas desmotivadas nas organizações? Até que ponto e de que forma a remuneração influencia na desmotivação

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS Brasília, dezembro de 2014 1 APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354.

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. PLANEJAMENTO DE CARREIRA Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. CARREIRA Conceito: Podemos dizer que a carreira

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Pessoas APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Atualizado em 14/10/2015 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Recrutamento é um conjunto de técnicas e procedimentos que visa a atrair candidatos potencialmente qualificados

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e Prof. Fernando Lopes Unidade II Administração de Cargos e Salários Conforme Chiavenato (2004, p. 267), a avaliação de cargos visa a obtenção de dados que permitirão uma conclusão acerca do valor interno

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Pessoas e negócios em evolução.

Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria Pessoas e negócios em evolução. 1 Silvestre Consultoria desde 2001 Nossos Serviços: Pesquisa de Clima Cargos e Salários Avaliação de Desempenho Recrutamento Especializado Mapeamento

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS MANUAIS ADMINISTRATIVOS Manual é todo e qualquer conjunto de normas, procedimentos, funções, atividades, políticas, objetivos, instruções e orientações que devem ser obedecidas e cumpridas pelos funcionários

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Just to remember... Interação entre os processos segundo PMBOK... Cada processo

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Administração de Cargos e Salários

Administração de Cargos e Salários Carlos Ferreira Manaia Administração de Cargos e Salários Adaptada/Revisada por Ailton Luiz Pereira Takayama APRESENTAÇÃO É com satisfação que a Unisa Digital oferece a você, aluno(a), esta apostila de

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais