GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: O PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM - PA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: O PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM - PA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE URBANO Roberta Moura Martins Oliveira GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: O PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM - PA BELÉM - PA 2012

2 Roberta Moura Martins Oliveira GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: O PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM - PA Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano da Universidade da Amazônia como requisito para a obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano. Orientador: Profº. Dr. Leonardo Augusto Lobato Bello. BELÉM - PA 2012

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Suzana Cardoso / CRB O48 Oliveira, Roberta Moura Martins. Gestão e gerenciamento de resíduos sólidos urbanos : o programa de coleta seletiva da região metropolitana de Belém - PA / Roberta Moura Martins Oliveira Belém, f. ; il. ; 21 x 30 cm. Dissertação (Mestrado)-Universidade da Amazônia, Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano, Orientador: Prof. Dr. Leonardo Augusto Lobato Bello. 1. Resíduos sólidos urbanos. 2. Produção de lixo-belém. 3. Coleta seletiva de lixo. I. Bello, Leonardo Augusto Lobato (orient.). II. Título.

4 Roberta Moura Martins Oliveira GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: O PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM - PA Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano da Universidade da Amazônia como requisito para a obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano. Orientador: Profº. Dr. Leonardo Augusto Lobato Bello. Banca Examinadora Profº. Dr. Leonardo Augusto Lobato Bello Orientador - UNAMA Profº. Dr. Marco Aurélio Lobo Orientador - UNAMA Profª. Dra. Janete G.C. de Oliveira PPGEO/UFPA Apresentado em: / / Conceito: BELÉM - PA 2012

5 Sei que as mães são sempre eternas... À memória de minha mãe, Doralice Moura, de quem estarei sempre próxima, aos meus irmãos e familiares.

6 AGRADECIMENTOS À coordenação, professores e secretaria do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano da Universidade da Amazônia UNAMA pelo apoio durante o andamento do curso. Ao querido orientador Prof Dr. Leonardo Augusto Lobato Bello pelo carinho, amizade e principalmente por ter depositado sua confiança em mim desde o momento de minha entrevista na admissão ao programa, bem como durante todo o processo de elaboração desta pesquisa. À Profª Dra. Rosália do Socorro da Silva Correa, pela paciência por me mostrar o caminho e confiança no desenvolvimento de suas aulas, imprescindível para o desenvolvimento desta pesquisa. À Profª Drª Luciana Costa da Fonseca pelas orientações e discussões sobre o projeto facilitando o seu desenvolvimento. A Diretora de Licenciamento Ambiental de Atividades Poluidoras - DILAP/SEMA Francisca Lucia Porpino pelo carinho, amizade e oportunidade de trabalho na SEMA possibilitando a realização desta pesquisa. A artista plástica Sidvera Rezende pelo enorme carinho e afinidades de toda ordem que desfrutamos como também pelas belíssimas ilustrações utilizadas nesta pesquisa. A Assistente Social Elvira Pinheiro de Oliveira pelo seu empenho na obtenção dos documentos para este trabalho junto a Prefeitura Municipal de Belém. As amigas de corrida e muita reflexão Jaqueline Cunha e Leandra Miranda pelas prazerosas corridas matutina no Parque do Sabiá, paciência, carinho e ajuda nas horas difíceis de criatividade. A querida amiga Sheilla Dourado pela amizade e conversas esclarecedoras. A sincera amizade de Elizabeth Yamasaki e família, carinhosamente conhecida como vovis que me acolheu nas horas mais difíceis em sua calorosa casa e pelas conversas maduras e cabeça de sempre. A Galvanda Queiroz Galvão por simbolizar a renovação de minha visão de mundo e por conseguinte, ser a possibilidade de um novo perceber e significar a vida. A Patrícia Daibes de Oliveira, por toda sua dedicação, companheirismo e contribuição com tabelas, figuras e mapas usados neste trabalho. A bióloga Suely Melo, por ter desenvolvido o melhor de um biólogo: a observação e com isso, ter me possibilitado uma nova reinterpretação do que a vida reservou para eu ser.

7 Aos Colegas Ana Júlia Cunha Brito, Daniel Augusto Nunes da Cruz, Eden Fernando batista Ferreira, Edila Araújo de Castro Silva, Elinalva Freitas Pantoja, Elizabeth Yamasaki, Francimário Aroverde Gomes, Iranete Corpes de Oliveira, Jerônimo Cardoso Nunes, José Clodoaldo Machado Lopes Fernandes, Leudes Sarges Filho, Marly Lobato Maciel, Raimundo Farias de O. Junior, e Valéria Chicre Quemel Anadrade, companheiros dessa jornada. Ao meu cunhado-pai e minha irmãe, Fábio Polaro e Ana Flávia Polaro que juntos sempre me acompanharam, acreditaram e se dedicaram para que eu pudesse seguir os melhores caminhos nessa vida. Aos meus sobrinhos lindos, Fábio Martins Polaro e Alice Martins Polaro, pelo amor, carinho, alegria e compreensão. Ao meu pai, Luiz Fabiano, por ter me apresentado ao mundo e de todos os caminhos possíveis, eu escolhi este. A todos os meus amigos, que de perto ou de longe, fizeram-se presente colaborando, incentivando e ajudando nos momentos bons e difíceis, em especial, Larissa Rodrigues da Cunha, pelo apoio, amizade e cumplicidade, José Ribeiro, Fernando, Weverton, Thiago, Ueslei Oliveira pela atenção e cordialidade. A jornalista Maria Clara, por despertar uma enorme alegria em meu coração. Ao biólogo Paulo Formagio, em nome de toda equipe de Furnas, pelo carinho, atenção, colaboração e compreensão, que de longe ou perto, me ajudaram a mais esta conquista. A todas as pessoas que direta e indiretamente colaboram para o desenvolvimento deste estudo, os meus sinceros agradecimentos.

8

9 RESUMO Neste estudo o objetivo geral foi investigar como se caracteriza e como funciona as relações formadas para gestão e gerenciamento do programa de coleta seletiva de resíduos sólidos da Região Metropolitana de Belém considerado este como estratégia de promoção à geração de trabalho e renda, inclusão social e cidadania para as pessoas envolvidas na gestão integrada dos resíduos sólidos. Para atingir esse propósito, mas sem esgotar o tema, que é complexo e abrangente, foram delimitados os seguintes objetivos específicos: (1) Identificar e analisar o arranjo institucional preparada para a gestão e gerenciamento do programa de coleta seletiva; (2) Identificar os desafios e limitações encontrados no planejamento e gestão do programa de coleta seletiva; e, por fim, (3) Caracterizar os impactos ambiental, social e econômico do programa de coleta seletiva. A metodologia da pesquisa empregada está fundamentada em uma abordagem qualitativa de natureza teórico-empírica, que utiliza como método de pesquisa o estudo de caso. A coleta de dados ocorreu por meio de pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e realização de entrevistas com os atores-chave envolvidos na gestão do programa de coleta seletiva de Belém. O universo de atores entrevistados foi composto por membros de órgãos governamentais representados pela Prefeitura Municipal de Belém, por meio da Secretaria Municipal de Saneamento SESAN e Ministério Público do Estado do Pará e membros de órgãos não governamentais representados, neste caso, pela ONG No Olhar e Associação de Catadores de Coleta Seletiva de Belém ACCSB. A coleta de dados ocorreu no período de janeiro a março de De acordo com os resultados obtidos, verifica-se, que o programa de coleta seletiva de Belém apresenta fragilidade institucional manifestada, sobretudo, pela descontinuidade de suas ações, e que, quando acontecem, são pontuais e desconectadas as dimensões ambientais, socioeconômicas e políticas, além da dificuldade em relação a fonte de recursos financeiros estáveis e seguros, os quais limitam e comprometem sua efetividade e sustentabilidade ao longo da história. Palavras-chaves: Gestão e gerenciamento de resíduos sólidos urbanos. Política pública. Catadores. Programa de coleta seletiva.

10 ABSTRACT In this study, the overall objective was to investigate how the relationships made for the administration and management of Belém s metropolitan area selective waste collection program work as well as its features, which is considered a strategy to promote employment and income generation, social inclusion and citizenship for the people involved in the integrated management of solid waste. To achieve this purpose, but without any claim to covering this issue exhaustively, which is complex and extensive, the following specific aims were enclosed: (1) Identifying and analyzing the institutional arrangement prepared for the management and administration of the selective waste collection program; (2) Identifying the challenges and limitations encountered in the planning and management of the selective waste collection program; and, at last, (3) Characterizing the environmental, social and economic impacts of the selective waste collection program. The research methodology applied is based on a theoretical-empirical qualitative approach that uses study cases as its research method. The data was collected through bibliographic research, desk research and interviews with key actors involved in the management of Belém s selective waste collection program. The universe of actors interviewed was composed by governmental members represented by Belém City Hall, through the City Department of Sanitation - SESAN and the Office of the State Public Prosecutor, and members of Non-Governmental Organizations, represented in this case by the NGO "No Olhar" [ In The Gaze ] and by the Selective Waste Collectors Association of Belém - ACCSB. The data collection occurred from January to March, in According to the results obtained, it appears that the selective waste collection of Belém has institutional weakness manifested mainly by the discontinuity of their actions, and that, when they happen, they are isolated and disconnected from the environmental, socioeconomic and political dimensions, besides the difficulty regarding the source of stable and secure financial resources, which limit and undermine their effectiveness and sustainability throughout history. Keywords: Management and solid waste management. Public policy. Selective waste collectors. Selective waste collection program.

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Modelo tradicional de tratamento de resíduos sólidos 32 Figura 2 - Modelo de gestão de resíduos sólidos incluindo a reciclagem 33 Figura 3 - Modelo de gestão de resíduos sólidos adaptados as novas prioridades da 34 política ambiental Figura 4 - Catador na prática da catação dentro da área do aterro do Aurá em Figura 5 - Catadoras da cooperativa de trabalho dos profissionais do Aurá 55 Figura 6 - Catadores (as) da ACCSB coletando material com carrinhos de metalon 56 Figura 7 - Equipe de educadores ambientais da SESAN/ PMB 57 Figura 8 - Equipe de educadores ambientais da SESAN/ PMB 58 Figura 9 - Localização do aterro do Aurá 59 Figura 10 - Localização do aterro do Aurá 60 Figura 11 - Aterro controlado do Aurá 60 Figura12 - Modelo de interpretação das informações obtidas 68 Figura 13 - Centro de triagem, Aurá 71 Figura 14 - Catadores (as) da COOTPA coletando material 72 Figura 15 - Jogo de coletor do Ponto de Entrega Voluntária PEV s instalado em 73 condomínio residencial Figura 16 - Catadores realizando o trabalho de coleta porta-a-porta nas residências do 74 Umarizal Figura 17 - Novo galpão em construção, localizado no Canal São Joaquim, Belém 76 Figura 18 - Associados da ACCSB 81 Figura 19 - Galpão cedido a ACCSB 82 Figura 20 - Galpão cedido a ACCSB 83 Figura 21 - Galpão de triagem da ACCSB 83

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Destino final dos resíduos sólidos, por unidades de destino dos Resíduos (%) 39 - Brasil /2008 Tabela 2 - Quantidade de resíduos produzido no Estado do Pará, em Tabela 3 - Responsabilidade sobre os resíduos sólidos conforme origem e classe 40 Tabela 4 - Preço aferido aos materiais coletados pela associação 83 Tabela 5 - Relatório de comercialização dos materiais coletados pela ACCSB 84

13 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico1 - Quantidade diária de lixo coletado, por unidade de destino final do lixo 41 coletado, segundo as grandes regiões, unidades da federação, regiões metropolitanas e municípios das capitais Gráfico 2 - Quantidade diária de lixo coletado, por unidade de destino final do lixo 42 coletado, segundo as grandes regiões, unidades da federação, regiões metropolitanas e municípios das capitais Gráfico 3 - Estimativa de volume de resíduos sólidos domésticos gerados por município 51 da RMB em 2010 Gráfico 4 - Estimativa da contribuição de cada município na geração dos resíduos 51 sólidos domésticos na RMB em 2010 Gráfico 5 - Demonstrativo por gênero da composição dos associados da ACCSB 80 Gráfico 6 - Demonstrativo da estimativa da faixa etária dos associados da ACCSB 81

14 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Princípios de sustentabilidade aplicados a gestão dos RSU 48 Quadro 2 - Instituições representantes participantes da pesquisa 66 Quadro 3 - Desafios e limitações enfrentadas pela associação 88 Quadro 4 - Comparação entre os princípios de sustentabilidade e a situação atual do 91 gerenciamento dos RSU, por meio do programa de coleta seletiva de Belém Quadro 5 - Comparação entre os princípios de sustentabilidade e a situação atual do 92 gerenciamento dos RSU, por meio do programa de coleta seletiva de Belém (cont.)

15 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABNT ABRELPE ACCSB BNDS CAPES CEE CEMPRE CONAMA COOTPA CPTR DRES EIA EMBRAPA EPI GEE GT IBGE IBICT IDH IPEA MPE ONG PAC PEV PGRS PIB PMB PNRS RIMA RMB Associação Brasileira de Normas Técnicas Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais Associação de Catadores da Coleta Seletiva de Belém Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Comunidade Econômica Europeia Compromisso Empresarial para a Reciclagem Conselho Nacional do Meio Ambiente Cooperativa de Trabalhadores Profissionais do Aurá Central de Processamento e Tratamento de Resíduos Departamento de Resíduos Sólidos Estudo de Impacto Ambiental Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Equipamento de Proteção Individual Gases do efeito estufa Grupo de Trabalho Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Banco de Teses e Dissertações do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Índice de Desenvolvimento Humano Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Ministério Público Estadual Organização não Governamental Programa de Aceleração do Crescimento Posto de Entrega Voluntário Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Produto Interno Bruto Prefeitura Municipal de Belém Política Nacional de Resíduos Sólidos Relatório de Impacto Ambiental Região Metropolitana de Belém

16 RSD RSU SEDU SEMA SESAN SNVS SINIR SISNAMA UFRA Resíduos Sólidos Domiciliar Resíduos Sólidos Urbanos Secretaria de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Estado de Meio Ambiente Secretaria Municipal de Saneamento Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos Sistema Nacional do Meio Ambiente Universidade Federal Rural da Amazônia

17 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 17 2 GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONCEITOS E PRINCÍPIOS CONSUMO CONSCIENTE E A GERAÇÃO DE RESÍDUOS DO MODELO TRADICIONAL AS NOVAS PRIORIDADES DA POLÍTICA 31 NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS 2.4 A GESTÃO E GERENCIAMENTO DOS RSU NO MUNDO E NO BRASIL 37 3 GERENCIAMENTO DOS RSU EM BELÉM PRODUÇÃO DE LIXO EM BELÉM Resíduos sólidos domiciliares Coleta regular Coleta seletiva Disposição final dos resíduos 58 4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS METODOLOGIA DE PESQUISA Natureza e método de investigação Foco de análise Definição da população e universo da pesquisa Procedimentos para coleta dos dados Análise das informações coletadas 66 5 ANÁLISE E DISCUSSÃO - PROGRAMA DE COLETA SELETIVA ORIGEM E INSTITUCIONALIZAÇÃO PARTICIPAÇÃO DOS ATORES SOCIAIS A SESAN na gestão do programa Ministério Público Associação de catadores da coleta seletiva de Belém ACCSB ONG No olhar DESAFIOS E LIMITAÇÕES DA GESTÃO INTEGRADA AVALIAÇÃO DAS DIMENSÕES AMBIENTAIS, SOCIOECONÔMICAS E 89 POLÍTICAS 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS 95

18 REFERÊNCIAS 98 Apêndice A - Roteiro de Entrevista a ser aplicado ao Membro da Secretaria 103 Municipal de Saneamento (SESAN), Departamento de Resíduos Sólidos (DRES) Sra. Elvira Pinheiro de Oliveira - Coordenadora do Programa de Coleta Seletiva Apêndice B - Roteiro de Entrevista a ser aplicados aos Membros Fábia de Melo- 105 Fournier e Nilton Gurjão das Chagas da área de meio ambiente do Ministério Público do Estado (MPE) Apêndice C - Roteiro de Entrevista a ser aplicado ao Membro da ONG No Olhar 107 Sr. Marcos Wilson Representante Legal da ONG Apêndice D - Roteiro de Entrevista a ser aplicado ao Membro da Associação de 109 Catadores da Coleta Seletiva de Belém (ACCSB) Sra. Maria José de Moraes Representante Legal Roselino Ribeiro (13 pessoas) Apêndice E - Roteiro de Entrevista a serem aplicados aos membros representante dos 111 bairros partícipes do Programa, Bairros Umarizal e Marco (Rua Marquês)

19 17 1 INTRODUÇÃO A partir da década de 1980, período de intensa urbanização vivido no país, a integração da questão dos resíduos sólidos 1 ganha força nos debates sobre saneamento no Brasil, devido ao agravamento dos problemas socioambientais urbanos decorrentes da destinação inadequada de resíduos sólidos. Em 1985 foi criado o programa PROSANEAR com uma abordagem integrada do saneamento o qual tinha como objetivo financiar ações conjuntas em relação à água, esgoto, drenagem urbana e aos resíduos sólidos. Para Serrano (2001) tratava-se de um marco histórico, pois foi a primeira vez que os resíduos sólidos passaram a ser contemplados em linhas de financiamento. A partir de 1988, com a publicação da nova Constituição, o governo federal repassa a competência aos municípios sobre a responsabilidade do gerenciamento dos resíduos sólidos. Na década de 1990 a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, ocorrida no Rio de Janeiro - Rio 92 e a publicação da Agenda 21 impulsionaram para dar maior visibilidade à questão ambiental e da reciclagem que aliados a abertura de novos canais democráticos no processo de tomada de decisão no âmbito municipal, colaboraram para reestruturação dos programas de resíduos sólidos na perspectiva de uma gestão mais integrada e participativa. No entanto, na prática se a competência foi descentralizada para os municípios o mesmo não ocorreu com os recursos financeiros que segundo Serrano (2001) foram reduzidos para programas de saneamento. Esta situação somada ao crescente processo de urbanização representa enormes desafios para os municípios uma vez que embora os recursos sofressem redução, aumentou significativamente a necessidade de investimentos para a ampliação dos serviços de gerenciamento dos resíduos sólidos, tais como: coleta, transportes e construção de novas instalações de tratamento e destinação final. De acordo com Lajopo (2003) enquanto a população mundial aumentou em 18% em uma década, o lixo produzido cresceu 25%. No Brasil estima-se que 240 mil toneladas de lixo 1 Conforme a Lei nº de 02 de agosto de 2010 que estabelece a Política Nacional de Resíduos Sólidos em seu Art. 3º, entende-se por resíduos sólidos: material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível.

20 18 domiciliar são geradas diariamente, perfazendo uma produção média maior do que 1kg/habitante/dia. Assim, dada a complexidade da tarefa, novas prioridades foram incorporadas ao sistema de gerenciamento dos resíduos sólidos e, a partir da década de 1990, surgem às primeiras iniciativas de programas de gestão compartilhada de coleta seletiva em cidades como Belo Horizonte, Curitiba e São Paulo. Este novo modelo rompe com uma visão estritamente tecnicista para uma visão mais ampla da problemática dos resíduos sólidos o qual passa a contemplar na implantação de seus programas parcerias entre governos municipais, empresas privadas e cooperativas de catadores visando à geração de trabalho e renda, inclusão social, cidadania, bem como o respeito ao meio ambiente. De acordo com o Compromisso Empresarial para a Reciclagem (CEMPRE) a coleta seletiva em 2002, era adotada por somente 192 municípios, em 2004 por 237 e em 2006, 327. Segundo a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico realizada em 2008 este número sobe para 994 sendo desenvolvidos, sobretudo nas regiões sul e sudeste. Em 2010, segundo o CEMPRE, este numero cai para 443 municípios operando a coleta seletiva, cerca de 8%. E, apesar do número de cidades serem crescente, na maior parte delas a coleta não cobre mais que 10% da população local. Na coleta seletiva tais materiais são separados na fonte geradora residências, empresas, escritórios, escolas, comércio, etc. e são transportados e destinados a reciclagem. De acordo com IBGE (2010) estes materiais representam cerca de 30% da composição dos resíduos domestico, uma vez que em sua maioria é composto por matéria orgânica. A coleta seletiva facilita e estimula a reciclagem porque os materiais coletados separadamente, por serem limpos, têm maior potencial de aproveitamento e comercialização, sendo os catadores os principais responsáveis pela separação da maior parte dos materiais recicláveis nos municípios. Para Zaneti e Sá, [2003] a separação dos materiais recicláveis cumpre um papel estratégico na gestão integrada de resíduos sólidos sob vários aspectos: estimula o hábito da separação do lixo na fonte geradora para o seu aproveitamento, promove a educação ambiental voltada para a redução do consumo e do desperdício, gera trabalho e renda e melhora a qualidade da matéria orgânica para a compostagem. Segundo Waite (1995), entre as vantagens ambientais da coleta seletiva destacam-se: a redução do uso de matéria-prima virgem e a economia dos recursos naturais renováveis e não renováveis, e a redução da disposição de lixo nos aterros sanitários e dos impactos ambientais decorrentes.

21 19 De acordo com Demajorovic (2006) programas de coleta seletiva com modelo de gestão participativa propiciam benefícios socioambientais e financeiros ao valorizar o trabalho do catador gerando trabalho e renda, promovendo o resgate a cidadania, bem como ao desviar parcela de resíduos dos aterros sanitários para a reciclagem. E ainda, segundo Singer (2002) contribui significativamente para a sustentabilidade urbana, incorporando gradativamente um perfil de inclusão social e geração de renda para os setores mais carentes e excluídos do acesso aos mercados formais de trabalho. Mas para isto, os gestores públicos municipais, por meio dos programas de coleta seletiva, têm a responsabilidade de promover uma gestão participativa que tenha como base: fortalecer a articulação entre políticas setoriais e as ações voltadas à geração de trabalho, promover a qualificação dos trabalhadores, estimular a construção de instrumentos legais que contribuem para o fortalecimento e a sustentabilidade dos empreendimentos. Corrobora com esta ideia, Silva e Guimarães (2010) ao afirmar que diversos municípios têm construído políticas públicas municipais conciliando a necessidade de geração de trabalho e renda para contingentes populacionais atendidos pela política pública de assistência social e a instituições de coleta seletiva de materiais recicláveis a partir da formação e apoio a associações e cooperativas de catadores organizados na forma de empreendimentos econômicos solidário. Diante deste cenário, a pesquisa em curso se justifica, num primeiro plano, pela contemporaneidade da discussão. Desde a publicação da Lei /2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos novas prioridades foram incorporadas ao sistema de gestão e gerenciamento de resíduos sólidos incumbindo as administrações públicas municipais a implementação de um conjunto de instrumentos e ações de gestão participativa com vistas à gestão integrada e ao gerenciamento ambientalmente adequado dos resíduos sólidos. Para a Política Nacional de Resíduos Sólidos, devem ser seguidos, basicamente os seguintes instrumentos, entre outros: a coleta seletiva, os sistemas de logística reversa e outras ferramentas relacionadas à implementação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos; o incentivo à criação e ao desenvolvimento de cooperativas ou de outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis 2. Sob tal premissa, os programas de coleta seletiva são concebidos. No entanto, Zaneti e Sá [2003], identificam alguns pontos comuns em experiências brasileiras na gestão de resíduos sólidos urbanos: as políticas públicas para o setor não adotam como ponto de partida 2 Art. 7º da Lei nº de 02 de agosto de 2010, o qual institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

22 20 um conhecimento objetivo da complexidade do sistema socioeconômico que gera os resíduos; Não existe também, na ideologia da reciclabilidade, uma atitude crítica quanto aos valores e a hierarquia de necessidades: 1º reduzir (consumo e obsolescência planejada); 2º reutilizar; 3º reciclar (interesse das empresas - redução de custos de produção). Os projetos implantados pelo poder público restringem-se aos aspectos técnicos do sistema de gestão, descuidando-se da dimensão educativa/comunicativa que é o instrumento básico para priorizar o reduzir e o reutilizar na hierarquia dos valores da gestão. Tanto as unidades familiares, que geram lixo pelo consumo, quanto as empresas, que geram lixo no processo de produção e colocação no mercado, não são atingidas por propostas concretas de mudança dos hábitos de consumo e produção. Não existe, portanto, nas políticas públicas para o setor, a intenção explícita de gerar novas formas organizativas capazes de dar autonomia, consciência crítica e poder de modificar sua qualidade de vida, aos indivíduos e grupos ligados aos serviços de catação, separação e comercialização do lixo urbano. Outro ponto crítico a ser destacado é que as práticas de inserção desses segmentos sociais no sistema de gestão gera conflitos de interesses (quanto ao acesso ao lixo de melhor qualidade e ao controle dos preços) tanto entre catadores e os outros atores do sistema, tais como escolas, poder público, empresas, quanto entre os próprios grupos de catadores, que passam a concorrer entre si a partir de uma variedade de formas organizativas. A pesquisa se justifica ainda diante da afirmação do CEMPRE, o qual reconhece Belém como o único município do Estado do Pará a desenvolver um Programa de Coleta seletiva. Programa este que para Leão (2006) ainda é incipiente na cidade. De acordo com este autor o montante de lixo produzido pela Grande Belém, chegou a toneladas/dia, o que representa a produção de cerca de 684 gramas por habitante naquele ano. Ademais, ao analisar os dados do novo ranking das cidades com mais de um milhão de habitantes pelo percentual de ruas com acesso/cobertura de cada uma das características do entorno dos domicílios, recentemente divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, realizada com base no Censo 2010, classifica Belém entre as piores em sete indicadores analisados, entre eles: identificação das ruas com 35,5%; iluminação pública 93,7%; pavimentação 69,3%; calçada com 51,2%; arborização 22,4%; esgoto a céu aberto revelando 44,5% dos domicílios e ainda Belém lidera o ranking negativo, no tocante ao lixo acumulado nas ruas, indicando que na capital do Pará, 10,4% dos domicílios têm lixo acumulado no entorno. Diante do exposto, observa-se a importância de refletir sobre esse contexto e suas implicações políticas e sociais no sentido da operacionalização dessas normas no

23 21 gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos. Na perspectiva da compreensão desta temática, a presente pesquisa tem como objeto de estudo a política de resíduos sólidos urbanos, por meio do programa de coleta seletiva, considerado este, como alternativa para a geração de trabalho e renda e cidadania as pessoas envolvidas no processo de gestão e gerenciamento de resíduos sólidos urbanos na Região Metropolitana de Belém (RMB), e busca enfatizar o aspecto socioambiental dessa política pública marcada por articulações entre o Estado - na posição de direcionador (e/ou redirecionador) dos rumos de ações de intervenção e/ou de investimentos, e catadores (as), na condição de sujeitos de direitos relativos à sua emancipação pessoal e familiar. Atualmente, a maioria dos centros urbanos encontra dificuldades em dispor corretamente seu lixo no solo. Assim sendo é necessário que as medidas tomadas para seu gerenciamento sejam muito bem analisadas e selecionadas, adotando-se técnicas diferenciadas de manejo evitando elevados custos que possam inviabilizar sua execução. A estratégia da Coleta Seletiva têm se mostrado como um instrumento de gestão ambiental participativa visando à recuperação de material reciclável para fins de reciclagem, bem como oportunidade de geração de trabalho e renda. No entanto, no Brasil os programas de coleta seletiva são desenvolvidos na maioria dos casos por iniciativas e ações pontuais e informais. Estas constatações sinalizam que a sociedade contemporânea convive com um problema socioambiental na forma de manejar adequadamente os resíduos sólidos urbanos. Neste contexto, a política pública de resíduos sólidos, é abordada como portadora de uma nova concepção de gestão e gerenciamento dos resíduos por voltar-se para as dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social, com controle social e sob a premissa do desenvolvimento sustentável e ainda por sinalizar a adoção, por parte do governo, de uma perspectiva de gestão participativa. Entretanto, na prática, o que se evidencia no âmbito de atuação do Estado, no que diz respeito às ações de intervenção junto à sociedade, são ações pautadas em relações de dependência. Desse modo, políticas públicas representam o Estado em ação ou mesmo uma das formas de o Estado gerir a sociedade. Assim sendo, a forma ou o tipo de administração que assume o Estado influenciará decisivamente nas características que identificam a gestão de uma política pública. O enfoque na política pública decorre do pressuposto de que o caráter holístico do campo das políticas públicas permite que ela comporte vários olhares não se restringindo

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos: As mudanças que influenciarão o dia a dia das empresas Carlos R V Silva Filho ABRELPE agosto/2010 2 Resíduos Sólidos Urbanos: Situação 3 Quantidade de RSU gerados

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZAÇÃO: O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS O Município é estratégico na gestão dos resíduos sólidos. As atividades geradoras e de gestão de resíduos se desenvolvem no âmbito local.

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais 1 Índice PALAVRA DO PRESIDENTE 03. Palavra do Presidente 04. Introdução 06. Resíduos Sólidos 07. Classificação dos Resíduos Sólidos

Leia mais

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Gestão de resíduos sólidos impactos ambientais negativos BASE LEGAL 1/2 Lei 11.107/05 - Consórcios Públicos

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7]

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7] Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7] LEI N 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. A política Nacional de resíduos sólidos é muito importante na história do gerenciamento de

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DOS DESCARTES DA POPULAÇÃO DE ALTO PARANÁ - PR

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DOS DESCARTES DA POPULAÇÃO DE ALTO PARANÁ - PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL EM MUNICÍPIOS CLEBIO GIROLDO ROELA DA SILVA ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DOS DESCARTES

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Setembro de 2010 Esquema de funcionamento DISPOSIÇÕES GERAIS DO OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO DEFINIÇÕES DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS Texto de apoio à discussão sobre o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do município de Osasco Secretaria de Planejamento

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ - 2011 CURSO DE GERENCIAMENTO DE RSS LEI 12.305 DE 02 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional

Leia mais

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988:

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PIGIRS Arcabouço legal Constituição Federal de 1988: Artigo 225 Lei Federal Nº 11.445/2007 e Decreto Federal Nº 7.217/2010; Lei Federal Nº 12.305/2010

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Nelson R. Bugalho Vice-Presidente da CETESB Promotor de Justiça do Meio Ambiente e Urbanismo Mestre em Direito Penal Supraindividual

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Caro, candidato(a) à prefeito(a), após mais de 20 anos de tramitação

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

Página 1 de 23 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Regulamento Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n

Leia mais

Política nacional de. resíduos. sólidos. www.fecomercio-rs.org.br. SC-0139-11 Cartilha.indd Spread 1 of 10 - Pages(20, 1)

Política nacional de. resíduos. sólidos. www.fecomercio-rs.org.br. SC-0139-11 Cartilha.indd Spread 1 of 10 - Pages(20, 1) Política nacional de resíduos www.fecomercio-rs.org.br SC-0139-11 Cartilha.indd Spread 1 of 10 - Pages(20, 1) sólidos 21/06/11 11:25 Apresentação dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social,

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público WORKSHOP NOVAS DEMANDAS AMBIENTAIS E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS NA INDÚSTRIA DO VIDRO Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público SÃO PAULO - MARÇO/2015 LEI DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (Lei

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA REGULAMENTAÇÃO Simone Paschoal Nogueira Coordenadora de Legislação da ABLP WORKSHOP PNRS ABLP 1º de março de 2011 - Instituto de Engenharia Legislação Leie Federal

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO 09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO Maria Lucimar Maranhão Lima (1) Engenheira Química pela UFC. Especialista em Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrado ao

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A

TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A Para se compreender a tributação ecológica é necessário que se tenha uma noção ampla da necessidade e importância

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN Allyson Leandro Bezerra Silva (*), Paulo Alexandre da Rocha Morais. * UFERSA, Universidade Federal Rural do Semi-Árido Campus

Leia mais

ECOPOINT - MÓDULO COLETOR DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS, NÃO RECICLÁVEIS E PERIGOSOS, SÓLIDOS E LÍQUIDOS PELO SISTEMA PARTICIPATIVO DA SOCIEDADE.

ECOPOINT - MÓDULO COLETOR DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS, NÃO RECICLÁVEIS E PERIGOSOS, SÓLIDOS E LÍQUIDOS PELO SISTEMA PARTICIPATIVO DA SOCIEDADE. ECOPOINT - MÓDULO COLETOR DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS, NÃO RECICLÁVEIS E PERIGOSOS, SÓLIDOS E LÍQUIDOS PELO SISTEMA PARTICIPATIVO DA SOCIEDADE. GEATA Grupo de Estudos Ambientais e Tecnologia Avançada Centro

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental.

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental. PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados e Setores da Sociedade. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015

A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015 A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015 * Dados da Abrelpe 2009 e 2010 e IBGE (Contagem da população 2009 e Censo 2010) PROBLEMAS A SEREM ENFRENTADOS

Leia mais

JOSÉ LUCIANO RODRIGUES ALVES NETO

JOSÉ LUCIANO RODRIGUES ALVES NETO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE MESTRADO EM POLITICAS E GESTÃO AMBIENTAL LOGISTICA REVERSA AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE ATUAÇÃO RESPONSAVEL QUANTO A GERAÇÃO DO LIXO DESCARTAVEL

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS Wagner José de Aguiar 1 ; Fernando Joaquim Ferreira Maia 2 Núcleo Multidisciplinar

Leia mais

CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO

CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO Joana Fidelis da Paixão (*), Esaú Alisson Sousa Santos, Lizza Adrielle Nascimento Santos * Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

PROGRAMA Goiânia, 2008

PROGRAMA Goiânia, 2008 PROGRAMA Goiânia, 2008 A Problemática dos Resíduos Sólidos Ambiental A Problemática dos Saúde Social Resíduos Sólidos A Problemática dos Resíduos Sólidos Gestão Geração Aterro Sanitário 1.200 ton./dia

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 09 de Novembro 2011 Política Nacional de Resíduos Sólidos Responsabilidade Compartilhada entre Prefeituras, Empresas, Cidadãos e Catadores BRASIL ESTADO DE SÃO PAULO Região Metropolitana FONTE:

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano de ações para incrementar a reciclagem de embalagens pósconsumo de produtos não perigosos PILARES DOS ACORDOS SETORIAIS Os acordos setoriais devem promover a

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 I - Dos objetivos do Decreto Quase cinco meses após a publicação da lei 12.305/10, que instituiu a chamada Política Nacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL Erica Bento SARMENTO 1 Diêgo Lima CRISPIM 2 Jucielio Calado ALVES 3 Alan Del Carlos Gomes

Leia mais

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Tema: A importância da Lei e os prazos José Valverde Machado Filho 28.04.2014 Apresentação Eventos e Mídias; Indicadores: geração, coleta e destinação;

Leia mais

Programa Municipal de Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de Resende com o foco na Coleta Seletiva Domiciliar como ação da Agenda 21 Local

Programa Municipal de Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de Resende com o foco na Coleta Seletiva Domiciliar como ação da Agenda 21 Local Programa Municipal de Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de Resende com o foco na Coleta Seletiva Domiciliar como ação da Agenda 21 Local RESUMO A Agência do Meio Ambiente do Município de Resende

Leia mais

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Lei 12.305/2010 Estão sujeitos à elaboração de plano de gerenciamento de resíduos sólidos: I - os geradores de resíduos sólidos previstos

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados, o Primeiro e o Segundo Setor da Sociedade. Tem como objetivo

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL 3 Art. 16. É a PPSA autorizada a patrocinar entidade fechada de previdência complementar, nos termos da legislação vigente. Parágrafo único. O patrocínio de que trata o caput poderá ser feito mediante

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: S UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES A PARA

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental III-032 - PROPOSTA ALTERNATIVA PARA A COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DE CAMPO GRANDE/MS, VALORIZANDO A PARTICIPAÇÃO DOS CATADORES. Ana Luzia de Almeida Batista Martins Abrão (1)

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

PGIRS PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PGIRS PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS IV Conferência Municipal de Meio Ambiente Reelaboração Participativa do PGIRS PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Implementando a Política Nacional de Resíduos Sólidos na Cidade de São Paulo

Leia mais

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO REGIÃO DO SERTÃO ALAGOANO 1º PARTE CAPACITAÇÃO TÉCNICA O que é o Plano de Resíduos? O que é o Plano de Resíduos?

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação AUDIÊNCIA PÚBLICA - PGIRS Engenheira Sanitarista Kátia Cristina de Souza Assessoria Técnica da Preifeitura de Cuiabá Cuiabá, 24 de Novembro de 2014 PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

Legislação. Câmara dos Deputados. Política Nacional de. Resíduos Sólidos

Legislação. Câmara dos Deputados. Política Nacional de. Resíduos Sólidos Legislação Câmara dos Deputados Política Nacional de Resíduos Sólidos Brasília 2010 Legislação Política Nacional de Resíduos Sólidos Apresentação São crescentes o interesse da sociedade brasileira pela

Leia mais

BOAS PRÁTICAS SANITÁRIAS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PONTOS DE ENTRADA

BOAS PRÁTICAS SANITÁRIAS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PONTOS DE ENTRADA BOAS PRÁTICAS SANITÁRIAS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PONTOS DE ENTRADA Leonardo Oliveira Leitão Gerência de Infraestrutura, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras

Leia mais