American Heart Association. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular. Autoavaliação escrita Pré-Curso. 7 de março de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "American Heart Association. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular. Autoavaliação escrita Pré-Curso. 7 de março de 2012"

Transcrição

1 A C E American Heart Association Suporte Avançado de Vida Cardiovascular Autoavaliação escrita Pré-Curso 7 de março de American Heart Association

2 Autoavaliação Pré-curso Escrito de SAVC Dez minutos após uma mulher de 85 anos entrar em colapso, os paramédicos chegam e iniciam a RCP pela primeira vez. O monitor mostra FV (amplitude baixa). Quais ações devem ser executadas em seguida? a. Realizar pelo menos 5 minutos de RCP vigorosa antes de tentar a desfibrilação b. Inserir um tubo ET e depois tentar a desfibrilação c. Administrar até 3 socos precordiais ao observar a resposta do paciente no monitor d. Iniciar ciclos de RCP ao preparar o desfibrilador para uso assim que possível 2. Um paciente com parada cardíaca chega ao depto. de emergência com AESP e uma frequência cardíaca de 30/min. A RCP continua, o posicionamento correto do tubo de ET é confirmado e o acesso IV é estabelecido. Qual medicamento é o mais apropriado para administração em seguida? a. Solução IV de cloreto de cálcio de 5 ml a 10% b. Epinefrina 1 mg IV c. Atropina 1 mg IV d. Bicarbonato de sódio 1 meq/kg IV 3. Cite uma vantagem do uso de eletrodos, em vez das pás de desfibrilação: a. Os eletrodos oferecem mais energia do que as pás b. Os eletrodos aumentam o arco elétrico c. Os eletrodos permitem a desfibrilação mais rápida d. Os eletrodos têm adaptadores universais que podem funcionar com qualquer máquina 4. Qual ação deve ser executada enquanto você se prepara para a descarga do desfibrilador? a. Pedir à pessoa que está gerenciando as vias aéreas para intubar rapidamente o paciente antes de tentar a desfibrilação b. Desconectar os eletrodos do monitor para prevenir danos por choque ao monitor c. Continuar as compressões ao carregar o desfibrilador d. Verificar o pulso ao carregar o desfibrilador 5. Uma mulher com um histórico de TSV de complexo estreito chega ao depto. de emergência. Ela está alerta e orientada, mas pálida. A frequência cardíaca é 165/min e o ECG mostra TSV. A pressão arterial é 105/70 mmhg. O acesso IV foi estabelecido. Qual é o tratamento inicial mais apropriado? a. Adenosina 6 mg por injeção IV rápida b. Manobra vagal c. Cardioversão sincronizada d. Atropina 1 mg por injeção IV 2

3 6. Qual destes é um erro comum, porém às vezes fatal no tratamento da parada cardíaca? a. Não obtenção do acesso vascular b. Períodos prolongados sem ventilação c. Não realização de intubação endotraqueal d. Interrupções prolongadas nas compressões torácicas 7. Você tentou a intubação endotraqueal para um paciente em parada respiratória. Quando você tenta a ventilação de pressão positiva, ouve um ruído no estômago sobre o epigastro, mas não ouve sons de respiração. A capnografia com forma de onda é zero ou plana. Qual das opções a seguir é a explicação mais provável para essas descobertas? a. Intubação do esôfago b. Intubação do brônquio esquerdo c. Intubação do brônquio direito d. Tensão do tórax por pneumotórax bilateral 8. Qual afirmação sobre a administração IV de medicamentos durante a tentativa de ressuscitação é verdadeira? a. Administrar epinefrina via intracardíaca se o acesso IV não for obtido em 3 minutos b. Acompanhar medicamentos IV via veias periféricas com um bolus de fluido c. Não acompanhar medicamentos IV via veias centrais com um fluido de bolus d. Infundir solução salina normal misturada com bicarbonato de sódio via intravenosa durante a RCP contínua 9. Um homem de 60 anos com FV recorrente agora apresenta um ritmo de complexo largo sem pulso após a administração de epinefrina 1 mg IV e um terceiro choque. Qual medicamento é o mais apropriado para administração em seguida? a. Amiodarona 300 mg por injeção IV b. Lidocaína 150 mg por injeção IV c. Magnésio 3 g por injeção IV diluído em 10 ml de D 5 W d. Procainamida 20 mg/min por infusão IV, até a dose máxima de 17 mg/kg 10. Ao tratar um paciente com parada cardíaca com FV persistente após 2 choques, você considera usar a vasopressina IV. Qual diretriz de uso da vasopressina é verdadeira? a. Administrar 40 unidades de vasopressina a cada 3 a 5 minutos b. A vasopressina tem uma meia-vida mais curta do que a epinefrina c. A vasopressina é uma alternativa à primeira ou segunda dose de epinefrina na parada sem pulso d. Administrar vasopressina como o agente pressor de primeira linha para choque clínico causado por hipovolemia 11. Qual causa de AESP apresenta maior probabilidade de responder ao tratamento imediato? a. Embolismo pulmonar maciço b. Hipovolemia c. Infarto agudo do miocárdio extenso d. Ruptura miocárdica 3

4 12. Qual combinação de medicamento-dose é recomendada como o medicamento inicial para um paciente em assístole? a. Atropina 0,5 mg IV b. Atropina 3 mg IV c. Epinefrina 1 mg IV d. Epinefrina 3 mg IV 13. Um paciente com a frequência cardíaca de 40/min relata dor no peito. Ele está confuso e o oxímetro de pulso mostra a saturação de oxigênio em 91% no ar ambiente. Após a administração de oxigênio, qual o primeiro medicamento que você deve administrar para esse paciente? a. Atropina 0,5 mg por bolus IV b. Epinefrina 1 mg por injeção IV c. Infusão IV de isoproterenol 2 a 10 mcg/min d. Adenosina 6 mg por injeção IV rápida 14. Qual afirmação descreve corretamente as ventilações que devem ser fornecidas após a inserção do tubo ET, insuflação do cuff e verificação da posição do tubo? a. Administrar 1 ventilação a cada 6 a 8 segundos (8 a 10 ventilações por minuto) sem pausas nas compressões torácicas b. Administrar ventilações o mais rapidamente possível, desde que a elevação visível do tórax ocorra a cada respiração c. Administrar ventilações com um volume corrente de 3 a 5 ml/kg d. Administrar ventilações no ar ambiente até a exclusão de DPOC 15. Um paciente no depto. de emergência relata 30 minutos de dor torácica severa, subesternal e com compressão. A pressão arterial é 110/70 mm Hg, a frequência cardíaca é 58/min e o monitor mostra bradicardia sinusal regular. O paciente recebeu aspirina 325 mg via oral, oxigênio 4 L/min via cânula nasal e 3 comprimidos sublinguais de nitroglicerina em intervalos de 5 minutos, mas continua sentindo muita dor. Qual agente deverá ser administrado em seguida se não houver contraindicações? a. Atropina 0,5 a 1 mg IV b. Furosemida 20 a 40 mg IV c. Lidocaína 1 a 1,5 mg/kg IV d. Morfina 2 a 4 mg IV 16. Qual agente é usado com frequência no tratamento precoce da isquemia coronária aguda? a. Bolus IV de lidocaína b. Aspirina mastigável c. Inibidor de ECA oral d. Bloqueador dos canais de cálcio administrado oralmente 4

5 17. Um homem de 50 anos que está profusamente diaforético e hipertensivo relata dor torácica subesternal opressiva e falta de ar grave. Ele tem um histórico de hipertensão. Ele mastigou 2 aspirinas de baixa dosagem em casa e agora está recebendo oxigênio. Qual sequência de tratamento é a mais apropriada no momento? a. Morfina e nitroglicerina, mas somente se a morfina não aliviar a dor b. Nitroglicerina e morfina, mas somente se o supradesnivelamento do ST for >3 mm e não houver contraindicações c. Nitroglicerina e morfina, mas somente se a nitroglicerina não aliviar a dor e se não houver contraindicações d. Nitroglicerina somente, pois a hipertensão crônica é uma contraindicação para morfina 18. Um homem de 50 anos tem um supradesnivelamento do ST de 3 mm nas derivações V 2 a V 4. A dor torácica foi aliviada com nitroglicerina sublingual. A pressão arterial é 130/80 mm Hg e a frequência cardíaca é 65/min. Qual tratamento é o mais apropriado para esse paciente no momento? a. Bloqueador dos canais de cálcio IV b. Estimulação transcutânea em 85/min c. Intervenção coronária percutânea (ICP) d. Fibrinolíticos 19. Uma mulher de 70 anos relata uma dor de cabeça moderada e dificuldade para caminhar. Ela apresenta paralisia facial, fala indistinta e dificuldade para levantar o braço direito. Ela afirma que toma vários medicamentos para pressão alta. Qual ação a mais apropriada no momento? a. Acionar o sistema de resposta de emergência; informar ao atendente que você precisa de assistência para uma mulher que está apresentando sinais e sintomas de uma hemorragia subaracnoide aguda b. Acionar o sistema de resposta de emergência; informar ao atendente que você precisa de assistência para uma mulher que está apresentando sinais e sintomas de um AVC c. Acionar o sistema de resposta de emergência; fazer a mulher tomar aspirina 325 mg d. Levar a mulher para o depto. de emergência mais próximo no seu carro 20. Em 45 minutos após a chegada dela no depto. de emergência, qual sequência de avaliação deve ser realizada para uma mulher de 70 anos com início rápido de dor de cabeça, fala confusa e fraqueza no braço e na perna direitos? Histórico, exame físico, avaliações neurológicas e a. TC do crânio sem contraste com interpretação por um radiologista b. TC do crânio sem contraste. Iniciar o tratamento fibrinolítico se o exame de TC for positivo para AVC c. punção lombar (PL) e TC do crânio com contraste se a PL for negativa para sangue d. TC do crânio com contraste. Iniciar o tratamento fibrinolítico quando a melhora nos sinais neurológicos for observada 21. Qual ritmo será uma indicação apropriada para estimulação transcutânea se a atropina não funcionar? a. sem sintomas b. com hipotensão e choque c. Bloqueio AV completo com falta de ar d. Assistolia que persiste após 6 ou mais choques de desfibrilação 5

6 22. Qual causa de assistolia extra-hospitalar apresenta maior probabilidade de responder ao tratamento? a. Parada cardíaca prolongada b. Submersão prolongada em água morna c. Overdose de drogas d. Politraumatismo grave 23. Uma mulher de 34 anos com um histórico de prolapso da válvula mitral chega ao depto de emergência com palpitações. Os sinais vitais dela são os seguintes: a frequência cardíaca está em 165/min, a frequência respiratória está em 14/min, a pressão arterial é 118/92 mm Hg e a saturação de oxigênio é 98% no ar ambiente. Seus pulmões parecem limpos e ela não relata falta de ar ou dispneia ao fazer esforços. O ECG e o monitor exibem uma taquicardia de complexo estreito regular. Qual termo melhor descreve sua condição? a. TSV estável b. TSV Instável c. Frequência cardíaca apropriada para a condição clínica d. Taquicardia secundária à função cardiovascular deficiente 24. Um homem de 75 anos chega ao depto. de emergência com um histórico de sensação de desfalecimento, palpitações e intolerância a exercícios brandos há uma semana. O ECG inicial com 12 derivações mostra fibrilação atrial, que continua aparecendo no monitor em uma frequência cardíaca irregular de 120 a 150/min e uma pressão arterial de 100/70 mm Hg. Qual terapia é a mais apropriada após a intervenção? a. Sedação, analgesia e cardioversão imediata b. Lidocaína 1 a 1,5 mg/kg por bolus IV c. Amiodarona 300 mg por bolus IV d. Buscar consulta especializada 25. Você se prepara para a cardioversão de uma mulher de 48 anos com taquicardia instável. O monitor/desfibrilador esta no modo sync. O paciente subitamente para de responder e fica sem pulso enquanto o ritmo muda para um padrão irregular, caótico, semelhante à FV. Você carrega em 200 J e pressiona o botão SHOCK (Choque), mas o desfibrilador não administra um choque. Por quê? a. A bateria do desfibrilador/monitor falhou b. A chave de sincronização falhou c. Você não pode administrar choque FV no modo sync d. Um eletrodo do monitor perdeu o contato, causando o pseudo-ritmo de FV 26. A vasopressina pode ser recomendada para qual dos seguintes ritmos? a. TSV b. Bloqueio AV de segundo grau c. AESP d. Taquicardia de complexo largo monomórfico com pulso 6

7 27. Compressões torácicas e ventilações eficazes com bolsa-válvula-máscara estão sendo aplicadas em um paciente sem pulso. O ECG mostra bradicardia sinusal a uma taxa de 30/min. Qual ação deve ser realizada em seguida? a. Administrar atropina 1 mg IV b. Iniciar estimulação transcutânea a uma taxa de 60/min c. Iniciar uma infusão IV de dopamina em 15 a 20 mcg/ kg por minuto d. Administrar 1 mg de epinefrina IV 28. Os seguintes pacientes foram diagnosticados com AVC isquêmico agudo. Qual destes pacientes pode ser candidato à terapia fibrinolítica IV? a. Uma mulher de 73 anos que mora sozinha e foi encontrada inconsciente por um vizinho b. Um homem de 65 anos que procura ajuda aproximadamente 5 horas após o início dos sintomas c. Uma mulher de 62 anos que procura ajuda 1 hora após o início dos sintomas d. Um homem de 58 anos diagnosticado com úlceras hemorrágicas 1 semana antes do início dos sintomas 29. Uma mulher de 25 anos chega ao depto. de emergência e afirma que está tendo outro episódio de TSV. Seu histórico médico inclui um estudo da estimulação eletrofisiológica (EEE) que confirmou uma taquicardia de reentrada, sem síndrome de Wolff-Parkinson-White e sem pré-excitação. A frequência cardíaca é 180/min. A paciente relata palpitações e falta de ar branda. Manobras vagais com massagem do seio carotídeo não têm efeito sobre a frequência ou ritmo cardíaco. Qual é próxima intervenção mais apropriada? a. Cardioversão de corrente contínua b. Diltiazem IV c. Propranolol IV d. Adenosina IV 30. Um paciente com frequência cardíaca de 30 a 40/min relata tontura, extremidades frias e viscosas e dispneia. Todas as modalidades de tratamento estão presentes. O que você faria primeiro? a. Administrar atropina 0,5 mg por bolus IV b. Administrar epinefrina 1 mg por bolus IV c. Iniciar infusão de dopamina IV 2 a 10 mcg/min d. Iniciar a estimulação transcutânea imediata, sedando o paciente, se possível 7

8 Identificar os seguintes ritmos

9

10

11

12

13 Autoavaliação Pré-curso Escrito de SAVC 2012 Chave de respostas 1. d [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 57 e 62, Choque primeiro versus RCP primeiro e Interrupções Mínimas das Compressões Torácicas ] 2. b [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 65, Choque e Vasopressores (Quadro 6) ] 3. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 57, Fundamentos: Posições Alternativas para Colocação das Pás do DEA/DAE ] 4. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 57, Diretrizes 2010 para a sua informação: Coordenação da Administração de Choque e a RCP ] 5. b [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 129, QRS Estreito, Ritmo Regular (Quadro 7) ] 6. d [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 64, Fundamentos: Pás Manuais x Pás] 7. a [consulte Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Manejo de Via Aérea Avançada ] 8. b [consulte Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Princípios Gerais de IV ] 9. a [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 65-66, Choque e Antiarrítmicos (Quadro 8) ] 10. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 65, Choque e Vasopressores (Quadro 6) ] 11. b [consulte Choque e Antiarrítmicos, páginas 83-84, Tabela 3 e Hipovolemia ] 12. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 88, Administrar Vasopressores (Quadro 10) ] 13. a [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 111, Sequência de Tratamento: Atropina ] 14. a [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 48, Fundamentos: Ventilações de Resgate para PCR com Via Aérea Avançada Colocada ] 15. d [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 97-98, Administrar Oxigênio e Fármacos ] 16. b [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 96-97, Começo do Atendimento e Administrar Oxigênio e Fármacos ] 17. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 97-98, Administrar Oxigênio e Fármacos ] 18. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas , Tratamento de Reperfusão Precoce e Uso de ICP ] 19. b [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas , Sinais e Sintomas de Aviso e Acionar o Sistema de Serviço Médico de Emergência Imediatamente ] 13

14 20. a [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas , Exame de TC: Hemorragia ou Sem Hemorragia (Quadro 5) ] 21. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 111, Sequência de Tratamento: Estimulação ] 22. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 87 e 90, Assistolia como Endpoint e Duração dos Esforços de Ressuscitação ] 23. a [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 128, Ponto de Decisão: Estável ou Instável (Quadro 3) ] 24. d [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 128, Taquicardias de Complexo Largo (Amplo) (Quadro 6) ] 25. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 123, Técnica ] 26. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 78 e 81, Medicamentos para AESP e Administrar Vasopressores (Quadro 10) ] 27. d [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 81, Administrar Vasopressores (Quadro 10) ] 28. c [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas 133 e 135, Metas do Tratamento do AVE/AVC e Períodos de Tempo Críticos ] 29. d [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, página 129, QRS Estreito, Ritmo Regular (Quadro 7) ] 30. a [consulte Manual de SAVC para Profissionais de Saúde, páginas , Resumo da Sequência de Tratamento (Quadro 4) ] 31. [consulte o Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 32. [consulte Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 33. [consulte o Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 34. Flutter atrial [consulte o Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 35. [consulte Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 36. [consulte Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 37. Fibrilação atrial [consulte o Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 38. [consulte Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 39. [consulte Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos não-pcr ] 40. [consulte Site do aluno de SAVC, Material suplementar, Ritmos de parada principais ] 14

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

Auto-Avaliação Escrita Pré-Curso (Somente para PC) Materiais Complementares em SAVC. Principais Medicamentos em SAVC

Auto-Avaliação Escrita Pré-Curso (Somente para PC) Materiais Complementares em SAVC. Principais Medicamentos em SAVC Auto-Avaliação Escrita Pré-Curso (Somente para PC) Materiais Complementares em SAVC Principais Medicamentos em SAVC 2008 Edição em português: American Heart Association American Heart Association Suporte

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

Suporte Avançado de Vida em Cardiologia

Suporte Avançado de Vida em Cardiologia Aprenda e Viva Suporte Avançado de Vida em Cardiologia Cenários Modelo do Programa do Curso de Reciclagem do SAVC Alunos Instrutores de SAVC (mais Instrutores de SAVC de SBV para as Aulas e ) Aproximadamente

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual. Marcelo De Carli Cardiologista

Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual. Marcelo De Carli Cardiologista Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual Marcelo De Carli Cardiologista 26/11/2011 14:00 às 14:40 Parada cardiorrespiratória Aula baseada nos manuais de Suporte Básico de Vida e de Suporte Avançado

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

American Heart Association. Suporte Avançado de Vida Pediátrico. Pré-Teste de Autoavaliação do Curso. Chave de Perguntas e Respostas para Alunos

American Heart Association. Suporte Avançado de Vida Pediátrico. Pré-Teste de Autoavaliação do Curso. Chave de Perguntas e Respostas para Alunos E C C American Heart Association Suporte Avançado de Vida Pediátrico Pré-Teste de Autoavaliação do Curso Chave de Perguntas e Respostas para Alunos Setembro de 2012 Autoavaliação Escrita do Pré-Curso de

Leia mais

American Heart Association. Suporte Avançado de Vida em Pediatria. Teste Escrito de Auto-Avaliação Pré-Curso

American Heart Association. Suporte Avançado de Vida em Pediatria. Teste Escrito de Auto-Avaliação Pré-Curso ECCECACE Aprenda e Viva American Heart Association Suporte Avançado de Vida em Pediatria Teste Escrito de Auto-Avaliação Pré-Curso Questões e Gabaritos para os Alunos Outubro de 2008 2006 Edição original

Leia mais

Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian Acadêmicos: Amauri Viana Patrícia Brois Rebeca Appel Liga Acadêmica de Cardiologia e Cirurgia

Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian Acadêmicos: Amauri Viana Patrícia Brois Rebeca Appel Liga Acadêmica de Cardiologia e Cirurgia Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian Acadêmicos: Amauri Viana Patrícia Brois Rebeca Appel Liga Acadêmica de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular 35% das mortes são por causa cardiovascular

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck

Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck PROTOCOLO ASSISTENCIAL CLÍNICO PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck Código: PACL 013 PC Data: 12/2014 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA

CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Profª Msc. Andreia Coutinho Profº Dr. Christian Negeliskii CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Objetivos: - Reconhecer uma PCR;

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

[129] 50. TAQUIARRITMIAS

[129] 50. TAQUIARRITMIAS [129] d. ALGORITMO DE BRADICARDIA Algoritmo de atendimento a pacientes com bradicardia. 50. TAQUIARRITMIAS a. CONSIDERAÇÕES GERAIS Frequentemente encontradas nas emergências. São definidas como ritmos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

cárdio-respiratóriarespiratória

cárdio-respiratóriarespiratória Suporte Avançado de Vida Parada Cardiorrespiratória (PCR) Tratamento da parada cárdio-respiratóriarespiratória Drogas Vasoativas Estado de ineficiência do coração, onde há débito cardíaco inadequado para

Leia mais

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012)

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Frans Rutten, Carel Bakx, Madeleine Bruins Slot, Bernadette van Casteren, Con Derks, Ravee Rambharose, Jako Burgers, Tjerk Wiersma, Paul

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais Arritmias Cardíacas para Enfermagem Elaine Morais Elementos do ECG normal Onda P Onda T Espaço PR Complexo QRS Ponto J Segmento ST Intervalo QT Onda U Percurso Elétrico Plano Frontal Plano Horizontal ECG

Leia mais

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA () Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo FLUXO DE CORRENTE NO TÓRAX Traçado típico de um normal 1 mv 0,20 s DERIVAÇÕES

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

AULA 10: EMERGÊNCIAS CARDIOLOGICAS- PCR. É o registro das forças elétricas produzidas pelo coração.

AULA 10: EMERGÊNCIAS CARDIOLOGICAS- PCR. É o registro das forças elétricas produzidas pelo coração. AULA 10: EMERGÊNCIAS CARDIOLOGICAS- PCR 1- ELETROCARDIOGRAMA (ECG) É o registro das forças elétricas produzidas pelo coração. O traçado obtido forma uma série de ondas e complexos que são rotulados em

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber...

Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber... Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber... rof. Moacir Leomil Neto M.V. Msc. hd. UC Minas VES - Especialidades Veterinárias Campinas NOME DAS ARRITMIAS: Da maneira geral... Ritmo (ritmo

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados - O que são palpitações cardíacas? A palpitação ocorre quando passamos a perceber os batimentos cardíacos ECG demonstrando batimento

Leia mais

SAVC. Arritmias e seus tratamentos. AmericanHeart.~ Association@ AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA

SAVC. Arritmias e seus tratamentos. AmericanHeart.~ Association@ AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA AVC UPORTE AmericanHeart.~ Association@ Learn and Live," AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA Arritmias e seus tratamentos Algoritmo para bradicardia (pacientesem parada cardíaca) Bradicardias o Lenta (bradicardia

Leia mais

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [297] Avançar o guia através da agulha. Monitorizar o ECG, devido a risco de produção de arritmias. Remover a agulha deixando o fio guia. Empregar

Leia mais

Tiziane Rogério Madureira Andréa Carla Leite Chaves

Tiziane Rogério Madureira Andréa Carla Leite Chaves Tiziane Rogério Madureira Andréa Carla Leite Chaves SEQUÊNCIA DIDÁTICA USO DO APLICATIVO ACLS SIMULATOR NO ENSINO DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR (RCP) Belo Horizonte 2013 Tiziane Rogério Madureira Andréa

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006. Arritmias Cardíacas. acas. O Sistema de Condução aco. aco

ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006. Arritmias Cardíacas. acas. O Sistema de Condução aco. aco DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Arritmias Cardíacas acas ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006 Murilo Guérios Bittencourt Uma arritmia cardíaca é uma anormalidade na freqüência, regularidade

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Principais Arritmias Cardíacas

Principais Arritmias Cardíacas Principais Arritmias Cardíacas Arritmia É qualquer mudança na freqüência ou configuração das ondas individuais do eletrocardiograma. Chamamos de arritmias cardíacas toda alteração na condução elétrica

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA: TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO- PULMONA R-CEREBRAL (RCPC)

RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO- PULMONA R-CEREBRAL (RCPC) RCPC EM MEDICINA VETERINÁRIA - Dois tipos de paciente Processos reversíveis (sobredose anestésica, estimulação vagal, obstrução respiratória, hemorragia, distúrbios eletrolíticos) RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO-

Leia mais

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador Qual a importância do Desfibrilador Externo Automático (DEA) em praias e balneários e especialmente em casos de afogamento? (versão datada de 24/03/2013) Aprovado pela Diretoria da Sociedade Brasileira

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA O ELETROCARDIOGRAMA É O REGISTRO DA ATIVIDADE ELÉTRICA DO CORAÇÃO Aplicações do Cardiologia Eletrocardiograma Isquemia miocárdica e infarto Sobrecargas (hipertrofia) atriais

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Solução injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Solução injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Aramin hemitartarato de metaraminol Solução injetável 10 mg/ml Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Aramin hemitartarato de metaraminol APRESENTAÇÕES: Solução

Leia mais

American Heart a1. Association@V Learn and Live", AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA

American Heart a1. Association@V Learn and Live, AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA SAVC SUPORTE American Heart a1. Association@V Learn and Live", AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA Parada cardíaca ACE é uma ciência dinâmica para mudanças nas doses e usos dos medicamentos, confirme na bula.

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Cardizem cloridrato de diltiazem

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Cardizem cloridrato de diltiazem IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Cardizem cloridrato de diltiazem FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimido de 30 mg: embalagem com 20 e 50 comprimidos. Comprimido de 60 mg: embalagem com 20 e 50

Leia mais

Ressuscitação Cárdio- Pulmonar-Cerebral

Ressuscitação Cárdio- Pulmonar-Cerebral Ressuscitação Cárdio- Pulmonar-Cerebral Fabio Guimarães de Miranda Especialista em Medicina Intensiva AMIB Chefe do CTI do Hospital dos Servidores do Estado ANM 08/03/2010 Após a RCPC Durante a RCPC???

Leia mais

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma (ECG) é o registro das forças INTERPRETAÇÃO BÁSICA DO ELETROCARDIOGRAMA elétricas produzidas pelo coração. O corpo age como um condutor gigante de corrente elétricas.

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

A Parada cardiorespiratória em assistolia

A Parada cardiorespiratória em assistolia CAPÍTULO 142 A Parada cardiorespiratória em assistolia Paulo Cézar Medauar Reis * Introdução A isquemia do miocárdio secundária a degeneração arterioesclerótica das artérias coronárias é das doenças mais

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Ataque cardíaco. Os homens têm uma probabilidade três vezes maior de sofrerem um ataque cardíaco do que as mulheres.

Ataque cardíaco. Os homens têm uma probabilidade três vezes maior de sofrerem um ataque cardíaco do que as mulheres. Ataque cardíaco Introdução Um ataque cardíaco, também conhecido como enfarte do miocárdio, ou trombose coronária, ocorre quando parte do músculo cardíaco morre por falta de oxigénio. O ataque cardíaco

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino Serviço de Arritmia, Eletrofisiologia e Estimulação Cardíaca Artificial CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ARRITMIA CLÍNICA E MÉTODOS DIAGNÓSTICOS NÃO

Leia mais

Suporte Avançado de Vida: Taquicardias Ventriculares

Suporte Avançado de Vida: Taquicardias Ventriculares CAPÍTULO 145 Suporte Avançado de Vida: Taquicardias Ventriculares Fabiano Timbó Barbosa* As arritmias cardíacas podem ser sumariamente definidas como ritmos cardíacos diferentes do ritmo sinusal. Paul

Leia mais

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Conceito de PCR : interrupção súbita da atividade mecânica cardíaca. É a falência cardio-pulmonar aguda que torna insuficiente o fluxo sangüíneo para manter a função cerebral.

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

Arritmias. Taquiarritmias

Arritmias. Taquiarritmias Arritmias Taquiarritmias ECG Somente o coração possui células que deflagram seu potencial de ação automaticamente: seja NSA; NAV; seja o feixe de His... O NSA comanda o sistema de condução cardíaca. Na

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL DO OESTE ASSOCIAÇÃO HOSPITALAR LENOIR VARGAS FERREIRA Rua Florianópolis, 1448 E Bairro Santa Maria Chapecó/SC - CEP: 89812 121

HOSPITAL REGIONAL DO OESTE ASSOCIAÇÃO HOSPITALAR LENOIR VARGAS FERREIRA Rua Florianópolis, 1448 E Bairro Santa Maria Chapecó/SC - CEP: 89812 121 HOSPITAL REGIONAL DO OESTE ASSOCIAÇÃO HOSPITALAR LENOIR VARGAS FERREIRA Rua Florianópolis, 1448 E Bairro Santa Maria Chapecó/SC - CEP: 89812 121 www.hro.com.br PROTOCOLO DE PARADA CARDÍACA 2013 Este protocolo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 10. A equação para o cálculo do stress de parede (lei de Laplace) é:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 10. A equação para o cálculo do stress de parede (lei de Laplace) é: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 10 QUESTÃO 17 A equação para o cálculo do stress de parede (lei de Laplace) é: a) pressão x raio / 2 x espessura da parede. b) espessura da parede / pressão x

Leia mais

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio 2 Índice Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio... 3 Quantas mortes são causadas por AVC?... 3 Como dimininuir o risco de AVC?... 3 Quais as pessoas com

Leia mais

Assistências de enfermagem em cardiointensivismo. Monitorização Não Invasiva. Monitorizar. Monitorização hemodinâmica. O que monitorizar?

Assistências de enfermagem em cardiointensivismo. Monitorização Não Invasiva. Monitorizar. Monitorização hemodinâmica. O que monitorizar? Monitorização Não Invasiva Assistências de enfermagem em cardiointensivismo # Monitorização cardíaca não invasiva; # Noções básicas de eletrocardiograma; # Arritmias cardíacas (TS, BS, FAs, BAVs). Monitorizar

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS ASHI

PRIMEIROS SOCORROS ASHI PRIMEIROS SOCORROS ASHI Alteração de Protocolo A American Heart Association é uma entidade americana responsável por grande parte dos protocolos de primeiros socorros e emergências médicas que são utilizados

Leia mais

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso Sammylle Gomes de Castro Catharina Serafin e Hugo von Ziemssen 1950 primeiros marcapassos móveis com fonte de energia elétrica Auxilio dos experimentos com hipotermia

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Introdução ao Eletrocardiograma ACD: Damito Robson Xavier de Souza Enganoso é o

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES Definição: Arritmias que necessitam das estruturas localizadas acima da bifurcação do feixe de His para sua manutenção ão.

Leia mais

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA 26 2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA O coração normal (Figura 2), é um órgão predominantemente muscular que funciona como uma bomba de ejeção pulsante. A sua função é ejetar o sangue para o sistema

Leia mais

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório Nélia Luciana Pires Plano de intervenções

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Co-Editores Guilherme Fenelon, Martino Martinelli Filho Coordenadores Cesar Grupi, Jacob Atié Participantes Adalberto

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

Boletim Informativo 6-2006

Boletim Informativo 6-2006 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS NNOVVI IIDDAADDEESS NNO SS IITTEE I Estamos constantemente disponibilizando em nosso site novidades em serviços, dowloads e notícias, visite-o e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO DE PARADA CARDÍACA FIBRILAÇÃO VENTRICULAR / TAQUICARDIA VENTRICULAR SEM PULSO ASSISTOLIA

Leia mais

ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO

ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO Cristina Gavina* Teresa Pinho** IV. TRATAMENTO DO ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO Como já foi referido, o enfarte miocárdico ocorre quando uma artéria coronária fica ocluída, geralmente

Leia mais

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Curosurf alfaporactanto (fração fosfolipídica de pulmão porcino) Surfactante de origem porcina. APRESENTAÇÕES Suspensão estéril disponibilizada em frasco-ampola de dose unitária.

Leia mais

MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA

MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA Dr. J. Sokhi Professor J. Kinnear Southend University Hospital, UK Tradução autorizada do Anesthesia

Leia mais

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST Nome do paciente: Atendimento: Idade: Sexo: ( ) M ( ) F Peso: Altura: Chegada ao hospital: / / Hora: ALERGIAS: Início da dor anginosa Data: Hora: Marcar o que se aplica: ESCORE TIMI PARA IAM COM SST HISTÓRIA

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Figura 1: Primeiro eletrocardiograma realizado. Figura 2: Segundo eletrocardiograma realizado. Figura 3: Radiografia de tórax nas incidências

Leia mais

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 Coordenação Dr. Luciano Cesar Pontes Azevedo Doutor em medicina pela Universidade de São Paulo - USP

Leia mais

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DA ASFIXIA DURANTE O NASCIMENTO Certas condições durante a gravidez estão associadas com o aumento do risco de asfixia ao nascer

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Código: PC.PA.004 Data: 08/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 12

Código: PC.PA.004 Data: 08/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 12 Versão: 1 Página: 1 de 12 INTRODUÇÃO A dor torácica é um dos problemas mais comuns na clínica médica, e uma das causas mais prevalentes de internação. Ocorrem 3 a 6 milhões de atendimentos por ano por

Leia mais

Angina. Prof. Claudia Witzel

Angina. Prof. Claudia Witzel Angina Angina Angina de peito ou angor pectoris é uma dor no peito devida ao baixo abastecimento de oxigênio ao músculo cardíaco; São devidas a aterosclerose nas artérias cardíacas (coronárias). O termo

Leia mais

OMISSÃO DE SOCORRO SEGUNDO A RESOLUÇÃO 311/2007 (CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM)

OMISSÃO DE SOCORRO SEGUNDO A RESOLUÇÃO 311/2007 (CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM) 1. URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Conceito Formal: Segundo o Conselho Federal de Medicina, em sua Resolução CFM n 1451, de 10/03/1995, temos: Urgência: ocorrência imprevista de agravo à saúde com ou sem risco potencial

Leia mais