RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013"

Transcrição

1 SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE RORAIMA SEBRAE RORAIMA Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 BOA VISTA RR 2014

2 SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE RORAIMA SEBRAE/RR Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Relatório de Gestão do exercício de 2013 apresentado aos órgãos de controle interno e externo, como prestação de contas anual a que esta Unidade está obrigada, nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da IN TCU nº 63/2010 e IN TCU nº 72/2013, da DN TCU nº 127/2013 e DN TCU nº 129/2013 e da Portaria TCU nº 175/2013. BOA VISTA RR

3 SUMÁRIO 1 Identificação e Atributos Introdução Cenário de Atuação O Ambiente Econômico O Ambiente Legal e Institucional das MPE Organograma Planejamento e Resultados Alcançados Estratégia de Atuação Objetivos Estratégicos Prioridades para o Ambiente da Empresa (Cliente) Medidas de Gestão do Plano Metas Indicadores Institucionais Metas Mobilizadoras Metas de Atendimento Programas Nacionais Agentes Locais de Inovação ALI Negócio a Negócio SEBRAE Mais SEBRAETec SEBRAE no Território da Cidadania Carteiras de Projetos Agronegócio/Projetos Comércio/Projetos Indústria/Projetos Serviços/Projetos Territorial/Projetos Turismo/Projetos Desenvolvimento de Produto e Serviço/Projetos Articulação Institucional/Projetos Gestão Operacional/Projeto Construção e Reformas/Projetos Gestão Operacional/Atividade Suporte a Negócios/Atividades

4 4 Estruturas de Governança e de Autocontrole da Gestão Estrutura de Governança Dirigentes e Membros de Conselhos Remuneração a Dirigentes Atuação da Auditoria Avaliação dos Controles Internos Sistema de Correição Programação Orçamentária das Receitas e Despesas Informações sobre Transferências Contribuição Social do SEBRAE Nacional CSN Convênios Gestão Administrativa Gestão de Pessoas, Terceirização de Mão de Obra e Custos Relacionados Estrutura de Pessoal Mão de Obra Terceirizada e Estagiários Gestão do Patrimônio Mobiliário e Imobiliário Veículos Próprios ou Locados de Terceiros Patrimônio Imobiliário Próprio ou Locados de Terceiros Gestão da Tecnologia da Informação Outros assuntos administrativos Sustentabilidade Sustentabilidade Ambiental na Aquisição de Bens e Materiais de TI e na Contratação de Serviços ou Obras Gestão Ambiental e Sustentabilidade Conformidades e Tratamento de Disposições Legais e Normativas Tratamento das deliberações exaradas em acórdãos do TCU Estrutura da Auditoria Interna e Procedimentos de Acompanhamento de seus Trabalhos Informações Contábeis Demonstrações Contábeis e Parecer dos Auditores Resultados e Conclusões Outras Informações Sobre a Gestão ANEXO I DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE ANEXO II PARECER DA EMPRESA DE AUDITORIA EXTERNA ANEXO III PARECER DO CONSELHO FISCAL DO SEBRAE/RR

5 ANEXO IV RESOLUÇÃO DO CDE ANEXO V - LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS

6 Lista de Figuras, Gráficos, Tabelas e Quadros Quadro 1 - Identificação do SEBRAE Relatório de Gestão Individual... 7 Quadro 2 - Dirigentes e Membros de Conselhos Quadro 3 - Contribuição Social Nacional Quadro 4 Convênios Firmados Quadro 5 - Avaliação da infraestrutura e Gestão da TI no SEBRAE/RR Figura 1 - Organograma do SEBRAE/RR Figura 2 - Mapa Estratégico do Sistema Sebrae Tabela 1- Análise da Contribuição dos Projetos Tabela 2 - Demonstrativo das Prioridades Locais Tabela 3 - Demonstrativo das Prioridades Nacionais Tabela 4 - Indicadores Institucionais Tabela 5 - Metas Mobilizadoras Tabela 6 - Metas de Atendimento Tabela 7 - Metas de Atendimento/Instrumentos Tabela 8 - Programas Nacionais Tabela 9 - Agronegócio/Projetos Tabela 10 - Comércio/Projetos Tabela 11 - Serviços/Projetos Tabela 12 - Territorial/Projetos Tabela 13 - Turismo/Projetos Tabela 14 - Desenvolvimento de Produto e Serviço/Projetos Tabela 15 - Articulação Institucional/Projetos Tabela 16 - Gestão Operacional/Projeto Tabela 17 - Construção e Reformas/Projetos Tabela 18 - Gestão Operacional/Atividade Tabela 19 - Suporte a Negócios/Atividades Tabela 20 - Remuneração de Dirigentes Tabela 21 - Avaliação dos Controles Internos Tabela 22 - Ocorrências Tabela 23 - Programação Orçamentária das Receitas e Despesas Tabela 24 - Execução Orçamentária das Receitas e Despesas Tabela 25 Processos Licitatórios Tabela 26 - Desempenho Orçamentário Tabela 27 - Custos com manutenção de Recursos Humanos Tabela 28 - Contratos De Prestação De Serviços De Limpeza e Higiene e Vigilância Ostensiva Tabela 29 - Contratos de Prestação de Serviços com Locação de Mão De Obra Tabela 30 - Índice de Consumo de Energia Tabela 31 - Índice de Consumo de Água

7 1 Identificação e Atributos Quadro 1 - Identificação do SEBRAE Relatório de Gestão Individual Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Roraima Denominação abreviada: SEBRAE/RR Vinculação Ministerial: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC CNPJ: / Situação: ativa Natureza Jurídica: Serviço Social Autônomo Principal Atividade: Entidade associativa de direito privado, sem Código CNAE: fins lucrativos, instituída sob a forma de serviço social autônomo. 4/00 Telefones/Fax de contato: (95) /(95) Endereço Eletrônico: Página na Internet: Endereço Postal: Av. Major Williams 680, São Pedro Boa Vista/ RR Lei nº de 12/04/1990 Lei nº de 28/12/1990 Decreto nº de 09/10/1990 Normas relacionadas à Unidade Jurisdicionada Resolução CDN nº 53/2003 Estatuto Social Resolução CDN nº 120/2005 Regimento Interno 7

8 1.1 Introdução O Relatório de gestão foi estruturado de forma que contemple os atos de gestão praticados pelo SEBRAE/RR durante o exercício de 2013, cujo detalhamento das estratégias de atuação adotadas, das atividades desenvolvidas e dos resultados atingidos que estão descritos no item Planejamento e Resultados Alcançados. Buscamos evidenciar de forma sucinta a gestão, as realizações, observando atender os procedimentos estabelecidos, como também atingir a eficácia, eficiência e efetividade das ações realizadas. O respectivo documento foi elaborado de acordo com as disposições da IN TCU nº 63/2010 e IN TCU nº 72/2013, da DN TCU nº 127/2013 e DN TCU nº 129/2013 e da Portaria TCU nº 175/2013, a que esta unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal. Esta estruturado em nove tópicos, conforme, a saber: 1.Identificação e Atributos; 2.Cenário de Atuação; 3.Planejamento e Resultados Alcançados; 4.Estruturas de Governança e de Autocontrole da Gestão; 5.Programação e Execução Contábil e Financeira; 6.Gestão Administrativa; 7.Sustentabilidade; 8.Conformidades e Tratamento de Disposições Legais e Normativas; 9.Informações Contábeis; 10.Resultados e Conclusões e 11.Outras Informações Sobre a Gestão. Seguindo as orientações do Anexo II da Decisão Normativa TCU n.º 127 de 15 de Maio de 2013, a seguir estão indicados os itens que não constam do presente documento, bem como a correspondente justificativa: Parte A Conteúdos Gerais Itens 1 a 12 Justificativa: Não se aplicam a realidade da unidade Parte B Conteúdo Específicos por Unidade Jurisdicionada ou grupo de Unidades Afins Itens 1 a 49 Justificativa: Não se aplicam a realidade da unidade Parte C Unidades Jurisdicionadas com Relatórios de Gestão Customizados Item 20. Conformidade e Tratamento de Disposições Legais e Normativas* (Subitem 19.1 e 19.2) Justificativa: não há conteúdo a ser declarado para o exercício em referência. *Item 8 do presente relatório - Conformidades e Tratamento de Disposições Legais e Normativas. O Plano Plurianual do quadriênio desenvolvido a partir das informações levantadas por meio de pesquisas e necessidades do público alvo delineou um conjunto de ações que foram executadas no decorrer do ano, por meio de projetos e atividades, que atenderam aos objetivos estratégicos e as prioridades definidas pelo SEBRAE/RR com o devido alinhamento com as estratégias do Sistema SEBRAE. 8

9 Os projetos desenvolvidos nos segmentos e atividades econômicas prioritárias contribuíram para efetivar as estratégias de desenvolvimento do Estado de Roraima. Desta forma, o SEBEAE/RR pôde compor o esforço local para a qualificação e especialização dos pequenos negócios de Roraima, atuando principalmente como agente do seu desenvolvimento. As estratégias de articulação das parcerias, de grande importância e necessárias a execução da Instituição, possibilitaram o avanço do grau de eficiência nos pequenos negócios de Roraima. Podem-se destacar os resultados obtidos com os projetos desenvolvidos nos segmentos de agronegócio, em especial com a pecuária, piscicultura e produção agroecológica, onde novas práticas de gestão e produção foram disseminadas ao longo de 2013, caracterizando a viabilidade das atividades agropecuárias, desde que os conceitos de gestão, inovação, sustentabilidade e planejamento sejam implementados efetivamente. Desta forma, o SEBRAE/RR por meio da sua rede de parceiros, contribuiu com a construção de empreendimentos rurais que passam a servir de referência para os investidores locais e nacionais. Da mesma forma os empreendimentos de comércio e serviços identificados e selecionados para serem atendidos em 2013, receberam ações intensivas de consultorias e capacitações nas áreas de gestão, inovação e mercado que foram fundamentais para a manutenção e crescimento dos empreendimentos já instalados no Estado de Roraima. A Feira do Empreendedor 2013, um dos principais instrumentos de inserção da cultura empreendedora, se consolidou como o maior evento de empreendedorismo do Estado. Contou com a capacitação de mais de empreendedores nas 185 capacitações realizadas, gerando durante o evento um montante de R$ 1,8 milhões de reais em negócios, bem como R$ 3,5 milhões de reais injetados na econômica local. O evento alcançou a segunda faixa de pontuação a 800 pontos - do Concurso Melhor Feira do Empreendedor, realizado pela Fundação Nacional da Qualidade FNQ, conquistando o valor de R$ 250 mil reais para serem investidos no atendimento dos empreendedores. A 5 Semana do Microempreendedor Individual atuou na disseminação da categoria de Micro Empreendedores Individuais MEI, por meio de atendimentos descentralizados em 06 pontos estratégicos da capital Boa Vista. Houve ainda o atendimento desta categoria, de microempresas e potenciais empresários e empreendedores de forma intensiva nos 14 municípios do Estado, em especial nos de maior densidade empresarial, por meio do SEBRAE Itinerante. Os programas Nacionais SEBRAETec, Agentes Locais de Inovação ALI, Negócio a Negócio e SEBRAE Mais trabalharam com temas como Inovação, Gestão e Finanças, atendendo os pequenos negócios e foram fundamentais para proporcionar o acesso dos empreendedores que tem suas atividades nos pólos comerciais populares de Boa Vista. O Programa Território da Cidadania por meio de instrumentos como consultorias, produtos e serviços do SEBRAE chegou com maior ênfase aos municípios do sul do Estado. Para cumprir o plano de trabalho foram utilizadas medidas de gestão internas, com a intensificação das capacitações dos colaboradores, em especial sobre temas de Desenvolvimento de Equipes e Liderança, bem como individuais e coletivas com foco no Programa de Acompanhamento e Desenvolvimento Individual PADI, além de 9

10 capacitações realizadas via Universidade Corporativa do SEBRAE UCSEBRAE. Outro ponto fundamental foi a ampliação do quadro funcional da Instituição, por meio de processo seletivo público, que contribuiu no desempenho das ações propostas. Estes fatores auxiliaram a Instituição no crescimento da satisfação dos colaboradores, que este ano atingiu 77,77% em comparação com os 55,95% em 2012, gerando um acréscimo de 21,82%, fato que demonstra os esforços e o êxito na melhoria do clima organizacional da Instituição. Outro fator importante na gestão da Instituição foi a atuação do Programa SEBRAE de Excelência em Gestão - PSEG, com a implantação e manutenção dos Planos de Melhoria da Gestão PMG, que possibilitaram que o SEBRAE/RR se mantivesse na mesma faixa da régua de pontuação do Programa Nacional da Qualidade PNQ, com ampliação na pontuação de 351 adquiridos em 2012, para 389 em 2013, sendo o segundo SEBRAE mais pontuado na Região Norte. O SEBRAE/RR atuou como ator fundamental na criação do ambiente legal em todas as esferas governamentais por meio da disseminação da Lei Geral, junto às lideranças políticas e empresariais nos 15 municípios do Estado, bem como na divulgação dos benefícios aos pequenos negócios. Neste ano foi atendida a meta de implementação em 04 municípios, sendo que nos demais as negociações encontram-se avançadas. Para tanto contou-se ainda com a importante parceria das Instituições Membro do Conselho Deliberativo Estadual - CDE nas ações ocorridas por meio das reuniões itinerantes do CDE. As medidas de gestão do plano plurianual, foram estabelecidas com o intuito de sanar as principais dificuldades de execução, dentre estas pode-se citar o número reduzido de credenciados no Sistema de Gestão de Credenciados SGC, pois o Estado ainda conta com um número pequeno de profissionais que atendam ao edital nacional de credenciamento, bem como a mudança de cultura de captação de recursos, com o pagamento pelos serviços executados pela Instituição. Que mesmo não tendo alcançado o limite mínimo de 10%, o SEBRAE/RR atingiu a marca histórica de 9,5% contando com importantes parcerias financeiras das Instituições representantes do CDE, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC, Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia - SUDAM, Governo do Estado de Roraima, Prefeitura Municipal de Boa Vista e Fundação Banco do Brasil. Outro ponto que dificultou a prospecção de clientes do setor de agronegócios foi o processo de regularização fundiária, que ainda não esta finalizado, impedindo os empreendedores rurais de obterem os registros necessários para que possam ser atendidos pelos projetos do SEBRAE/RR. O SEBRAE/RR não tem medido esforços para resolver as dificuldades encontradas na realização de contratações de serviços e produtos, tanto de fornecedores locais quanto regionais. Uma das medidas de gestão implantada foi o Programa de Desenvolvimento de Fornecedores PDF, de caráter nacional, que busca minimizar problemas e alavancar a economia local. 10

11 2 Cenário de Atuação 2.1 O Ambiente Econômico 2.2 O Ambiente Legal e Institucional das MPE O SEBRAE/RR atua no cenário Estadual com a missão de Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das MPE e fomentar o empreendedorismo no Estado de Roraima no intuito de contribuir com o aperfeiçoamento dos pequenos negócios dos setores da indústria, comércio, agronegócios e de serviço. Com base no Estatuto Social da Instituição, a missão do Sistema SEBRAE, o Direcionamento Estratégico e as Diretrizes Nacionais estabelecidas para o PPA , as ações do SEBRAE/RR estiveram voltadas para o atendimento de seu público alvo: empreendedores individuais; microempresas; empresas de pequeno porte; produtores rurais e pescadores que possuem registro próprio nos órgãos reguladores estaduais e/ou municipais; potenciais empresários classificados com negócio ou sem negócio próprio e potenciais empreendedores. Para nortear a atuação do SEBRAE/RR no plano plurianual deste ano, procurou-se identificar ainda, pontos vitais e fortalezas da economia do Estado, priorizando os segmentos econômicos de impacto no desenvolvimento local que foram estabelecidos como potencialidades dos setores de comércio, serviço, indústria, agronegócio, turismo, e fomento ao empreendedorismo. Na definição dos setores e segmentos foram considerados ainda, a densidade empresarial; o público alvo; a contrapartida financeira; os parceiros; os resultados a serem alcançados; os territórios de atuação; os focos estratégicos e as prioridades da Instituição. Desta forma, alguns setores foram trabalhados com atuação direta do SEBRAE/RR e outros por meio de importantes parcerias. Um estudo da Fundação Getúlio Vargas - FGV em parceria com o SEBRAE Nacional apontou a Copa do Mundo de 2014 como uma possível geradora de oportunidades de negócios para as micro e pequenas empresas, onde foram identificados 09 setores como de maior potencial para os próximos anos, por conta dos investimentos a serem injetados antes, durante e depois do evento, sendo eles: construção civil; tecnologia da informação; turismo; produção associada ao turismo; comércio varejista; serviços; vestuário; madeira e móveis; e agronegócio. Tais setores estão em sintonia com as potencialidades identificadas pelo SEBRAE/RR localmente, para atuação neste PPA. Ao analisar as conjunturas internacionais foi possível avaliar os impactos sofridos pelas economias e os processos de recuperação lenta e gradual, em especial dos Estados Unidos; o agravamento da crise da zona do euro, com possibilidades de afetar de forma negativa, em nível mundial a liquidez do sistema financeiro e até as transações comerciais; a desaceleração do ritmo de crescimento da economia chinesa estando mais forte do que se esperava, com reflexos na economia global, contribuindo para deprimir os preços das commodities, principalmente, minerais e metálicas; a retração dos mercados globais, com o risco da China direcionar prioritariamente seus produtos para países emergentes, como o Brasil, acirrando ainda mais a concorrência como os produtos nacionais, interna e externamente. 11

12 A inclusão da Venezuela no Mercosul, foi outro fator considerado, embora ainda não tenha gerado condições favoráveis para os empreendimentos locais, em 2013 foram iniciados os trabalhos de aproximação governamental e institucional, no intuito de estreitas as relações comerciais. Com a Guiana, o Estado de Roraima apresenta um bom relacionamento onde as Instituições locais realizam intercâmbios governamentais, institucionais e empresariais. Nacionalmente foram observadas e analisadas as variáveis da economia brasileira com um comportamento mais dependente dos mercados interno e externo; o consumo das famílias e os investimentos que continuariam a alavancar o PIB brasileiro neste e nos próximos anos; as medidas de estímulo à economia, como o câmbio de desvalorização que apresentaria tendência para uma maior competitividade à indústria nacional; a sinalização de uma inflação controlada, embora houvesse a previsão de que em 2013 ficasse acima da meta de 4,5%; a redução das taxas de juros com intenções de alavancar o consumo e reduzir custos financeiros das empresas; o elevado nível de endividamento e inadimplência da população que poderia comprometer um crescimento maior do consumo, frustrando expectativas do governo quanto à magnitude de crescimento do PIB. Outros fatores observados foram a inserção de novos consumidores na classe C e a continuidade do crescimento da massa salarial dando sustentação à elevação do PIB, pelo lado da demanda, juntamente com a perspectiva de aumento dos investimentos; o Plano Brasil Maior com benefícios para as empresas dos setores de confecções, couros, calçados, call center e software; as medidas de estímulo à economia, lançadas pelo Governo Federal, algumas complementares ao Plano Brasil Maior, visando o incremento do consumo e o favorecimento as empresas que atuam nos setores têxtil, naval, aeronáutico, material elétrico, autopeças, bens de capital, plásticos, móveis, ônibus, hotéis e design house (chips); o crescimento do comércio a uma taxa média anual de 6,0%, enquanto a Indústria, apresentará uma taxa de 3,2%, perspectivas para este e os próximos dez anos. Em comparação com o Cenário Nacional, Roraima é um dos estados com menor índice populacional do país, (IBGE 2012) apresentando um crescimento populacional que é considerado um dos maiores entre os estados brasileiros. A capital Boa Vista, reúne a maior parte da população (65,3%) segundo dados do IBGE e conta com 84,58% das atividades econômicas do Estado, conforme dados da Receita Federal, seguido pelos municípios de Rorainópolis e Caracaraí, que apresentam uma população de e , respectivamente e trabalham no desenvolvimento das atividades econômicas primárias e secundárias, com base no crescimento da população e a busca pelo desenvolvimento do município. A economia local tem se afirmado com o amplo crescimento de estabelecimentos comerciais no modelo de franquias, em especial nos setores de alimentação e vestuário, bem como a projeção de instalação de novos negócios por meio da abertura de 02 Shopping Center, que irão gerar benefícios em um primeiro momento para o setor de construção civil e posteriormente para a população do Estado com a geração de novos empregos e arrecadação de impostos. Após a demarcação das áreas indígenas, que já representaram uma ameaça ao desenvolvimento do Estado, existem perspectivas de oportunidades de convivência pacífica entre a preservação dos recursos naturais, a atividade empresarial e o 12

13 desenvolvimento de atividades econômicas com foco na economia verde e solidária. A partir disto já ocorreram investimentos na produção de soja, bem como o fortalecimento da rizicultura que migrou da Terra Indígena Raposa Serra do Sol para outras áreas produtivas. O tema inovação continua como um diferencial competitivo, por agregar valor aos produtos e serviços oferecidos aos pequenos negócios, possibilitando assim uma concorrência mais justa com os produtos importados, contribuindo para a geração de novos negócios e a consolidação no mercado em que atuam. A atuação da Instituição foi baseada na projeção de atendimento de 31% do universo de MPE em Entretanto, neste ano foi possível superar o previsto e atingir 34,25% de atendimentos e garantir uma taxa de sobrevivência de 72,6% dos negócios, demonstrando assim os resultados efetivos da atuação. 2.3 Organograma Figura 1 - Organograma do SEBRAE/RR O SEBRAE/RR até o mês de agosto de 2013 estabelecia competências específicas, por meio do caderno de competências e competências genéricas e por espaço ocupacional, além de habilidades e atitudes por meio do Sistema de Gestão de Pessoas - SGP. No entanto, com a aprovação da versão do Sistema de Gestão de Pessoas - SGP 7.0 em agosto conforme Resolução CDE N.º 109/13, as competências deixam de ser por unidades e passam a ser vinculadas diretamente a Instituição, sendo denominadas de competências essenciais vinculadas ao negócio do SEBRAE/RR e ao cumprimento de sua missão. Elas dão origem às competências profissionais, pelas quais os empregados são avaliados. As competências essenciais do SEBRAE/RR são: 13

14 a) Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das MPE; b) Promover o desenvolvimento da cultura empreendedora e fomentar o empreendedorismo; c) Promover a gestão de conhecimentos sobre as MPE e seu ambiente; d) Articular e formular soluções inovadoras para o desenvolvimento das MPE; e) Articular parcerias para a criação de ambiente institucional favorável às MPE. Os macroprocessos são representados pelas 15 Unidades, Assessorias e Chefias de Gabinete, distribuídas em Unidades de Atuação Finalística, Unidades de Conhecimento e Articulação, e Unidades de Suporte e Gestão. Demonstram-se ainda, suas atribuições por meio da missão estabelecida para cada Unidade, conforme descrição a seguir: Unidades de Atuação Finalística Essas Unidades têm como função básica à elaboração, gestão, monitoramento e avaliação de projetos e carteiras de projetos orientados para resultados finalísticos junto ao público alvo às micro e pequenas empresas, em linha com Direcionamento Estratégico do Sistema SEBRAE. Unidade Técnica Geral - UTGER Unidade de Projetos Urbanos e de Atendimento UPUA Unidade de Projetos de Agronegócios UPAGRO Unidade de Projetos Estratégicos UPE Missão: garantir o atendimento às micro e pequenas empresas e empreendedores, de forma extensiva, intensiva, continuada e com foco em resultados efetivos. Unidades de Conhecimento e Articulação Essas Unidades têm como função básica o desenvolvimento e disponibilidade para o SEBRAE/RR e clientes, de metodologias, referências, métodos, produtos e serviços, e de suas aplicações em apoio a atuação finalística e função de articulação com instituições públicas e privadas visando ao aperfeiçoamento do ambiente econômico, legal e institucional favorável ao desenvolvimento das MPE e em apoio ao SEBRAE/RR. Unidade de Competitividade Empresarial UCE - Área de Educação; - Área de Acesso a Inovação e Tecnologia; - Área de Acesso a Mercados; - Área de Acesso a Serviços Financeiros. Missão: prover o SEBRAE/RR e clientes de conhecimentos e soluções em inovação e tecnologia, acesso a mercados e educação empreendedora e articular, estimular e induzir o sistema financeiro ao segmento das micro e pequenas empresas para ampliar o acesso e reduzir custos do crédito e demais serviços financeiros. Unidade de Políticas Públicas UPP Missão: estabelecer relações destinadas ao intercâmbio de melhores práticas e a cooperação institucional para o desenvolvimento das micro e pequenas empresas. 14

15 Unidades de Suporte e Gestão Essas Unidades têm como função básica a prestação de serviços de suporte necessários ao SEBRAE/RR e o desenvolvimento e disponibilização de instrumentos e métodos adequados ao ambiente corporativo. Unidade de Gestão Estratégica UGE Missão: criar condições para o SEBRAE/RR atuar estrategicamente para o alcance de sua missão, utilizando processos de conhecimento e gestão. Unidade de Administração e Finanças UAF Missão: propiciar um ambiente seguro para a gestão dos recursos administrativos e financeiros do SEBRAE/RR, através do desenvolvimento de ações de suporte às operações do SEBRAE/RR. Unidade de Tecnologia da Informação e Comunicação UTIC Missão: Atuar integrado às estratégias do SEBRAE, em sintonia com o mercado de tecnologia da informação, provendo soluções inovadoras que contribuam para o aumento da competitividade e sustentabilidade de seus clientes. Unidade de Gestão de Pessoas UGP Missão: promover a gestão de pessoas visando suprir e desenvolver competências para o alcance dos objetivos organizacionais do SEBRAE/RR. Unidade de Gestão Orçamentária, Controle e Contabilidade UGOC Missão: atuar junto às demais áreas do SEBRAE/RR no processo de gestão de controle por meio de sistemas de informações gerenciais de contabilidade, orçamento e controle, com observância dos procedimentos normatizados inerente aos processos internos. Unidade de Auditoria Interna UAUDIN Missão: prover assessoramento para a efetiva e transparente aplicação dos recursos do SEBRAE/RR, tendo como referencial os normativos de controle internos e externos e os emanados do SEBRAE/NA. Unidade de Marketing e Comunicação UMC Missão: promover a divulgação da atuação do SEBRAE/RR junto à sociedade empreendedora, promovendo a compreensão de sua missão e a acessibilidade aos seus projetos e serviços. Unidade de Comissão Permanente de Licitação UCPL Missão: prover assessoramento para a efetiva aplicação dos recursos de forma prevista no Regulamento de Licitações e de Contratos do Sistema SEBRAE. 15

16 Unidade de Captação de Recursos Financeiros UCRF Missão: buscar a captação de recursos de fontes não previstas expressamente na Contribuição Social Ordinária - CSO, a fim de ampliar as ações do SEBRAE/RR. Assessorias Missão: prestar assessoramento à presidência do Conselho Deliberativo Estadual - CDE e à Diretoria Executiva - DIREX, contribuindo para o cumprimento da missão institucional do SEBRAE/RR. Chefia de Gabinete Missão: prestar apoio administrativo à presidência do CDE e à DIREX. 3 Planejamento e Resultados Alcançados 3.1 Estratégia de Atuação O Planejamento Estratégico do SEBRAE/RR foi elaborado para o período de , tendo como documentos norteadores o Direcionamento Estratégico , as Diretrizes para a Elaboração do Plano Plurianual e Orçamento 2013 do Sistema SEBRAE, aprovados pelo Conselho Deliberativo Nacional - CDN. Os trabalhos são realizados por meio de uma oficina de planejamento estratégico, que conta com a participação da DIREX, gerentes, assessores, além de colaboradores responsáveis por programas, projetos e atividades com o objetivo de identificar o cenário de atuação, validação e/ou revisão da missão, visão, valores e abrangência territorial, além da identificação ou validação dos objetivos estratégicos e prioridades locais, construindo assim a estratégia da Instituição no período estabelecido para o PPA. São realizadas ainda atividades como workshops com parceiros, representantes do CDE e Conselho Fiscal para identificação de parcerias institucionais; análises de consistência dos projetos, para identificação da gestão e seus resultados para a efetiva continuação; além de rodadas de negócios envolvendo programas nacionais e projetos, visando uma atuação conjunta das ações, com o objetivo de otimizar os recursos financeiros e humanos em suas realizações e as rodadas técnicas administrativas, para análise das demandas como, infraestrutura e pessoal. A proposta elaborada para o PPA do SEBRAE/RR atendeu ainda as etapas de validação pela Diretoria Executiva Nacional e aprovação dos Conselhos Deliberativos em nível Estadual e Nacional. Os projetos e atividades são elaborados após reuniões e workshops, análises de cenário econômico, social e ambiental, das possibilidades de parcerias e da contribuição do público alvo a ser beneficiado. Considerando ainda, os documentos que norteiam os processos e o planejamento estratégico federal, estadual e municipal visando fortalecer as MPE e contribuir com o desenvolvimento econômico do país. 16

17 Figura 2 - Mapa Estratégico do Sistema SEBRAE Fonte: Direcionamento Estratégico O SEBRAE/RR adota o mapa estratégico do SEBRAE Nacional observando as peculiaridades e realizando as adequações pertinentes à realidade local. A seguir serão relacionados os objetivos estratégicos e as prioridades de atuação do SEBRAE/RR definidos no PPA , que foram elaborados considerando o cenário local, suas peculiaridades e as potencialidades da economia. Adotaram-se ainda como critérios de priorização, o atendimento ao ambiente da empresa, o ambiente externo e o ambiente interno, além da análise da densidade empresarial, a capacidade de investimento do público alvo e as parcerias institucionais. 3.2 Objetivos Estratégicos 1. Contribuir para a sustentabilidade das MPE no Estado de Roraima com foco na excelência em gestão, inovação e tecnologia, e na competitividade empresarial; 2. Ampliar a visibilidade institucional e fortalecer a imagem do SEBRAE; 3. Promover e disseminar a cultura empreendedora no Estado de Roraima; 4. Articular e apoiar a implantação de políticas públicas voltadas à criação do ambiente favorável ao desenvolvimento sustentável das MPE; 5. Atuar no desenvolvimento de negócios com foco em gestão, mercado, inovação e tecnologia, com sustentabilidade em regiões de baixo IDH no Estado de Roraima; 6. Ampliar o atendimento às MPE e empreendedores; 7. Estimular a formalização e o desenvolvimento de novos negócios no Estado de Roraima; 8. Ser excelência em gestão com foco em resultados; 9. Estimular e promover o desenvolvimento das competências e a retenção dos talentos internos e externos no SEBRAE/RR; 17

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA PLANO PLURIANUAL 2010 2012 Brasília, outubro de 2009. ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO DO SEBRAE/DF CENÁRIO DE RECURSOS DO SEBRAE/DF RESUMO DE RECEITA LIMITES ORÇAMENTÁRIOS RESUMO POR TIPOLOGIA CARTEIRA DE PROJETO

Leia mais

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO 20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Brasília / 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Relatório de Gestão 2014. Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2014

Relatório de Gestão 2014. Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2014 Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2014 1 SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE RORAIMA. Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE RORAIMA. Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE RORAIMA Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC Boa Vista- RR / 2015 1 SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE RORAIMA. Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE RORAIMA. Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE RORAIMA Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC Boa Vista- RR / 2015 1 SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014

II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014 II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014 FORTALECIMENTO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS NA CIDADE DE MONTES CLAROS ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E AÇÕES

Leia mais

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Hulda O. Giesbrecht Enqualab 2013 Congresso da Qualidade em Metrologia São Paulo, 27 de agosto de 2013 Diretoria

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado Tocantins SEBRAE TOCANTINS

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado Tocantins SEBRAE TOCANTINS Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado Tocantins SEBRAE TOCANTINS Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC. RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 Palmas - TO

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Relatório de Gestão do

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Parte 1: Objetivos, instrumentos de apoio e quem pode participar Geral 1.1 Qual o objetivo

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA AMÉRICA PAINEL: Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas (PMES). HENRIQUE Jorge

Leia mais

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES A Feira do Empreendedor é promovida pelo Sebrae desde 1992 em todos os estados do país. É considerado o maior evento presencial de

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV)

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) Termo de Referência para contratação de Gestor de Projetos Pleno 14 de Agosto de 2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE GESTOR DE PROJETOS PLENO O presente

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Grandes números do Banco do Brasil Ativos totais: R$ 598 bilhões Clientes: 48,1 milhões Carteira

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas O Brasileiro é Empreendedor Fonte:GEM 2010 O Brasileiro é Empreendedor Dados Oficiais Público-Alvo POTENCIAL do Sebrae 22,9 milhões de empreendedores 23% da PEA

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Relatório de Gestão 2013. Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2013

Relatório de Gestão 2013. Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2013 Relatório de Gestão 2013 Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2013 1 Relatório de Gestão 2013 SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ Vinculado ao MINISTÉRIO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS AÇÕES E PROGRAMAS DOS ORGÃOS E ENTIDADES EXERCÍCIO 2014 5703 - AGENCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A - GOIASFOMENTO

CONSOLIDAÇÃO DAS AÇÕES E PROGRAMAS DOS ORGÃOS E ENTIDADES EXERCÍCIO 2014 5703 - AGENCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A - GOIASFOMENTO INSTITUCIONAL 1. Gestor HUMBERTO TANNÚS JÚNIOR 2. Visão Institucional 2.1 Objetivo Institucional Ser um instrumento de execução de políticas públicas de desenvolvimento do Estado de Goiás e ter por objetivo

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

OBS: Há outra listagem com o resultado dos Profissionais Indicados e Profissionais Individuais. Consulte os arquivos no site www.egaion.com.br.

OBS: Há outra listagem com o resultado dos Profissionais Indicados e Profissionais Individuais. Consulte os arquivos no site www.egaion.com.br. SEBRAE AL Edital 01/ 2011 Credenciamento de Profissionais Individuais e Pessoas Jurídicas para Compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE RESULTADO FINAL DA ETAPA 02 HABILITAÇÃO (Pessoa

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Apresentação Programas...5 Cursos... 19

Apresentação Programas...5 Cursos... 19 - SEBRAE CAPA 2011 SUMÁRIO Apresentação Programas...5 Cursos... 19 Cursos pela Internet...43 Cursos no Formato Kits Educativos...49 Consultorias... 54 Oficinas... 56 Palestras... 60 Jogos Empresariais...

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR?

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? São Paulo 16 de abril de 2013 Missão do SEBRAE Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

2ºSeminário Experiência dos Estados com Editais de Apoio a APL de Baixa Renda -BNDES. Apoio a Projetos Produtivos - Ceará

2ºSeminário Experiência dos Estados com Editais de Apoio a APL de Baixa Renda -BNDES. Apoio a Projetos Produtivos - Ceará 2ºSeminário Experiência dos Estados com Editais de Apoio a APL de Baixa Renda -BNDES Apoio a Projetos Produtivos - Ceará Política Estadual de Desenvolvimento Estabelecer mecanismos de estímulo ao processo

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP:

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: A oportunidade de se tornar um facilitador de aprendizagem e/ou consultor para o sucesso das micro e pequenas empresas APRESENTAÇÃO Esta cartilha

Leia mais

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de

Leia mais

Gestão de Projetos: o caso SEBRAE

Gestão de Projetos: o caso SEBRAE Gestão de Projetos: o caso SEBRAE Preparado pelos Acadêmicos: Rômulo Machado Professora orientadora; Greice de Bem Noro e Alexandre Oliveira Destinado exclusivamente ao estudo e discussão em classe, sendo

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

MENSAGEM 055/2015. Senhor Presidente, Senhores Vereadores,

MENSAGEM 055/2015. Senhor Presidente, Senhores Vereadores, MENSAGEM 055/2015 Senhor Presidente, Senhores Vereadores, É com elevada honra que submeto à apreciação de Vossas Excelências e à superior deliberação do Plenário dessa Augusta Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios

Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios João Pessoa - PB Arnaldo Júnior Farias Doso OBJETIVO E DESAFIO DE TODOS EMPREGO EDUCAÇÃO RENDA INFRA ESTRUTURA TRABALHO

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo 11 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo 13 1. Considerações iniciais O programa SEBRAEtec é um serviço de consultoria tecnológica. Sua finalidade é facilitar o acesso dos empreendedores

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Estadual João Martins da Silva Júnior. Diretor-Superintendente Edival Passos Souza

Presidente do Conselho Deliberativo Estadual João Martins da Silva Júnior. Diretor-Superintendente Edival Passos Souza Presidente do Conselho Deliberativo Estadual João Martins da Silva Júnior Diretor-Superintendente Edival Passos Souza Diretor Técnico Lauro Alberto Chaves Ramos Diretor Administrativo e Financeiro Luiz

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO SEBRAE AMAPÁ. Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO SEBRAE AMAPÁ. Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO SEBRAE AMAPÁ Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 Macapá-AP/2015 2 SERVIÇO DE APOIO

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Relatório de Gestão do exercício 2012 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO PARCERIAS Governo do Estado do Espírito Santo por meio do Instituto Jones

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA n 49/13 Esta resolução tem por objetivo aplicar no âmbito da vigilância sanitária as diretrizes e os objetivos do Decreto nº 7.492,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 1 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Relatório de Gestão do exercício 2012, apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas anual a que esta Unidade está obrigada

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais