Poderá o carvão ser mais limpo?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Poderá o carvão ser mais limpo?"

Transcrição

1 É o combustível fóssil mais sujo. Queimamos oito mil milhões de toneladas de carvão por ano. O mundo precisa agora de fazer a seguinte pergunta: Poderá o carvão ser mais limpo? Texto de Michelle Nijhuis e fotografias de Robb Kendrick JULIETTE, GEÓRGIA Vapor e fumo elevam-se das torres de arrefecimento e das chaminés da central Robert W. Scherer, a maior emissora de gases com efeito de estufa dos EUA. Queimam-se aqui 12 milhões de toneladas de carvão por ano.

2 Parte I O carvão invisível Segundo os ambientalistas, o carvão limpo é um mito. É claro que é. Basta olhar para o estado da Virgínia Ocidental, onde cumes dos Apalaches foram arrasados e despejados no fundo dos vales para chegar ao carvão subjacente e onde os rios adquirem tons cor de laranja devido às águas ácidas. Em alternativa, também se pode passear pela Baixa de Pequim, onde o ar é frequentemente mais espesso do que numa zona reservada a fumadores de um aeroporto. Na China, a poluição atmosférica, muita da qual causada pela combustão do carvão, é responsável por mais de um milhão de mortes prematuras por ano. Até aqui, nada de novo. Em finais do século XVII, quando o carvão extraído no País de Gales e em Northumberland acendia os primeiros fogos da revolução industrial na Grã-Bretanha, o escritor inglês John Evelyn já se queixava do fedor e escuridão do fumo que envolvia Londres. Três séculos mais tarde, em Dezembro de 1952, uma espessa camada de nevoeiro carregado de carvão caiu sobre a cidade e demorou-se durante um longo fim-de-semana, provocando uma epidemia de doenças respiratórias. Nos meses seguintes, é provável que tenham morrido 12 mil pessoas. Acontecimentos traumáticos semelhantes registaram-se em muitas outras cidades. Para aplicar o eufemismo dos economistas, o carvão está eivado de externalidades os pesados custos com que sobrecarrega a sociedade. É a fonte energética mais mortífera e suja de que dispomos. No entanto, também é, na maioria dos critérios, a mais barata e nós dependemos dela. Portanto, a grande pergunta actualmente formulada não é se o carvão poderá alguma vez tornar-se limpo. Não pode. A pergunta é se poderá alguma vez tornar-se suficientemente limpo de maneira a prevenir catástrofes a nível local e também uma alteração radical do clima planetário. Em Junho de 2013, num dia quente e húmido em Washington, DC, o presidente norteamericano Barack Obama proferiu o discurso sobre o clima que as indústrias do carvão e da electricidade temiam e os ambientalistas aguardavam com expectativa desde a sua tomada de posse em Obama anunciou que, em Junho de 2014, a Agência para a Protecção do Ambiente dos EUA (EPA) apresentaria novos regulamentos destinados a pôr fim à geração sem restrições de poluição por carbono feita pelas nossas centrais electroprodutoras. Os regulamentos seriam promulgados ao abrigo da Lei do Ar Limpo, inspirada em parte pela catástrofe acontecida em Donora, na Pensilvânia, em Essa legislação já foi aplicada para reduzir as emissões de dióxido de enxofre, óxidos de azoto e partículas de fuligem originadas pelas centrais electroprodutoras, mas o dióxido de carbono, causa principal do aquecimento global, é um problema de magnitude bem diferente. Em 2012, o planeta emitiu um valor recorde de milhões de toneladas de dióxido de carbono originado por combustíveis fósseis. O carvão foi o maior responsável por estas emissões. Ultimamente, a disponibilidade de gás natural barato tem feito diminuir a procura de

3 carvão nos EUA, mas, em todos os outros países, em especial na China, a procura está a aumentar. Nas próximas duas décadas, várias centenas de milhões de pessoas em todo o mundo terão acesso à energia eléctrica pela primeira vez e, a manterem-se as tendências actuais, consumirão na sua maioria electricidade gerada a partir de carvão. Mesmo o mais agressivo apoio às fontes de energia alternativas e à conservação de energia não seria capaz de substituir o carvão, pelo menos não de imediato. A que velocidade irá o Árctico derreter, até que altura irá subir o nível dos mares, quão quentes irão tornar-se as vagas de calor? Todas estas dúvidas do nosso futuro incerto dependem do que o planeta fizer com o seu carvão, em particular do que os EUA e a China fizerem. Iremos continuar a queimar carvão e a libertá-lo na atmosfera sem limites? Ou encontraremos uma forma de captar o carbono, tal como fazemos com o enxofre e o azoto gerados por combustíveis fósseis, armazenando-o debaixo do solo? Precisamos de desenvolver todos os esforços que pudermos em prol das energias renováveis, da eficiência energética e da redução das emissões de carbono originadas pelo carvão, afirma Sally Benson, investigadora da Universidade de Stanford especializada em armazenagem do carbono. O problema do carbono é demasiado grande. A CENTRAL MOUNTAINEER, pertencente à American Electric Power, situada junto ao rio Ohio, em New Haven, devora mais de 450 mil quilogramas de carvão dos Apalaches por hora. Acabado de extrair do solo, o carvão é transportado por barcaças ou por uma correia de transmissão que o traz da mina do outro lado da estrada. No interior da central, os pedaços de carvão, do tamanho de bolas de golfe, são triturados até formarem uma poeira fina e, de seguida, soprados para o interior da fornalha de uma das maiores caldeiras do mundo. As três turbinas da central, alimentadas a vapor, fornecem electricidade 24 horas por dia a 1,3 milhões de clientes em sete estados. Esses clientes pagam cerca de 7 cêntimos por quilowatt-hora, ou aproximadamente 85 euros por mês, para alimentar os seus frigoríficos, máquinas de lavar, máquinas de secar, ecrãs planos e telefones inteligentes, sem contar com a iluminação, de um agregado familiar médio. E como me disse muitas vezes Charlie Powell, director da central Mountaineer, até os ambientalistas gostam de ter as luzes sempre acesas. No entanto, os clientes não pagam um único cêntimo, nem a American Electric Power (AEP) o faz, pelo privilégio de libertar para a atmosfera seis a sete milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano através da chaminé da Mountaineer. E o problema é esse mesmo. O carbono é despejado sem limites porque, na maioria dos lugares, não custa nada fazê-lo e porque ainda não existe nos EUA qualquer lei que o proíba. Em 2009, contudo, tudo apontava para que fosse aprovada em breve legislação: nesse Verão, a Câmara dos Representantes já aprovara uma lei. A AEP, numa iniciativa louvável, decidiu antecipar-se.

4 Em Outubro desse ano, a central Mountaineer dava início a uma experiência pioneira de captação de carbono, supervisionada por Charlie Powell. Segundo ele, a tarefa era simples: Nós queimamos carvão, fabricamos vapor e fazemos funcionar turbinas. Durante a experiência, porém, o processo tornou-se mais complexo. A AEP instalou uma unidade química nas traseiras da sua central electroprodutora, que refrigerava cerca de 1,5% dos fumos gerados pela Mountaineer, canalizando-os através de uma solução de carbonato de amónia, para absorver o CO₂. O CO₂ era então purificado, comprimido e injectado numa formação de arenito porosa, menos de dois quilómetros abaixo das margens do rio Ohio. O sistema funcionou. Nos dois anos que se seguiram, a AEP captou e armazenou mais de 37 mil toneladas de dióxido de carbono puro. O CO₂ ainda se encontra debaixo de terra e não na atmosfera. Tratava-se somente de 0,25% do gás libertado pela chaminé, mas seria um começo. A AEP planeou aumentar a dimensão do projecto de maneira a captar um quarto das emissões da central, ou seja, 1,5 milhões de toneladas de CO₂ por ano. A empresa concordara investir 253 milhões de euros e o Ministério Norte-Americano da Energia (DOE) aceitou investir um montante idêntico. Mas o negócio dependia da capacidade de recuperação do investimento por parte da AEP. E quando a legislação sobre as alterações climáticas foi chumbada pelo Senado, as entidades estaduais reguladoras do serviço público informaram a empresa que não podia cobrar aos seus clientes uma tecnologia ainda não exigida por lei. No Verão de 2011, a AEP pôs termo ao projecto, desmantelando o equipamento instalado. Embora de pequena dimensão, o sistema da central Mountaineer fora o primeiro a nível mundial a captar e a armazenar dióxido de carbono directamente a partir de uma central electroprodutora alimentada a carvão, atraindo centenas de visitantes curiosos de todo o mundo. O processo funcionou e foi pedagógico, disse Charlie Powell. Mas, agora, vai ser preciso outro avanço significativo para torná-lo economicamente viável. Acima de tudo, esse avanço terá de ser legislativo, como o prometido por Obama no Verão passado. E, pelo meio, serão necessários mais avanços técnicos.

5 ARTE: ÁLVARO VALIÑO FONTES: HOWARD HERZOG, MIT; AGÊNCIA DE INFORMAÇÃO ENERGÉTICA DOS EUA A CAPTAÇÃO DE DIÓXIDO DE CARBONO, o armazenamento ou o sequestro debaixo do solo, em formações rochosas com porosidade, afigura-se, para aqueles que criticam este sistema, uma solução tecnológica fantasista. No entanto, nas últimas três décadas, o DOE despendeu cerca de cinco mil milhões de euros nesta tecnologia, em investigação e testes. E há mais de quatro décadas que a indústria petrolífera injecta dióxido de carbono comprimido no interior de jazidas petrolíferas esgotadas, utilizando-o para empurrar até à superfície o petróleo remanescente aí retido. Nas Grandes Planícies do Canadá, esta prática transformou-se numa das maiores operações mundiais de armazenagem subterrânea de carbono.

6 Desde 2000, mais de vinte milhões de toneladas de dióxido de carbono foram captadas numa central no Dakota do Norte, que transforma carvão em gás natural sintético, sendo transportadas por gasoduto para norte até Saskatchewan. Uma vez ali recebidas, a companhia petrolífera canadiana Cenovus Energy injecta o CO₂ nas profundezas dos campos Weyburn e Midale, uma extensa área petrolífera quase desactivada. Dois a três barris de petróleo são extraídos por cada tonelada de CO₂, o qual é depois injectado de novo no reservatório para armazenagem. E ali fica ele, quase a um quilómetro e meio de profundidade, retido debaixo de camadas impermeáveis de xisto e sal. Durante quanto tempo? Alguns depósitos naturais de dióxido de carbono permanecem incólumes há milhões de anos. O CO₂ existente nalguns deles tem sido extraído e vendido às companhias petrolíferas, mas a libertação repentina de CO₂ em grandes quantidades pode ser mortífera para pessoas e animais, em particular quando se acumula e se concentra num espaço confinado. Até ao momento, nenhuma grande fuga foi documentada em Weyburn, monitorizada pela Agência Internacional de Energia, nem em nenhum dos outros grandes locais de armazenagem, dispersos por várias regiões do planeta. Para a comunidade científica, o risco de uma fuga catastrófica é extremamente baixo. Na verdade, as pequenas fugas crónicas geram mais preocupação, pois podem minar o objectivo deste empreendimento. Segundo os geofísicos Mark Zoback e Steven Gorelick, em lugares onde a rocha seja quebradiça e tenha falhas, a injecção de dióxido de carbono poderá desencadear pequenos sismos que, apesar de inofensivos em todos os restantes aspectos, talvez façam estalar o xisto localizado sobre eles, permitindo as fugas de CO₂. Para Mark e Steven, a armazenagem de carbono é uma estratégia extremamente dispendiosa e arriscada". Mas até eles concordam que o carbono poderá ser armazenado com eficácia em alguns lugares por exemplo, a jazida de gás Sleipner, no mar do Norte, onde, nos últimos 17 anos, a companhia petrolífera norueguesa Statoil injectou cerca de um milhão de toneladas de CO₂ por ano, numa camada de arenito saturado de água salgada um quilómetro abaixo do fundo do mar. É uma formação tão espaçosa que todo o CO₂ já injectado não gerou aumento da pressão interna. Não se registaram sinais de sismos ou fugas. Segundo cálculos de investigadores europeus, o equivalente a um século de emissões geradas por centrais electroprodutoras poderia ser armazenado debaixo do mar do Norte. De acordo com o DOE, outros aquíferos salinos de profundidade semelhantes sob o solo dos EUA terão capacidade para guardar o equivalente a mais de mil anos de emissões das centrais electroprodutoras do país. Outros tipos de rocha também têm potencial como sequestradoras de carbono. No âmbito de experiências em curso na Islândia e na bacia do rio Colúmbia, no estado de Washington, pequenas quantidades de dióxido de carbono estão a ser injectadas em basalto vulcânico. Prevê-se que, uma vez no seu interior, o gás reaja com o cálcio e o magnésio e forme uma rocha carbonatada, eliminando assim o risco de fugas de gás.

7 O CO₂ injectado pela Statoil em Sleipner não provém de queima: trata-se de uma impureza contida no gás natural extraído do fundo do mar pela empresa. Antes de poder fornecer o gás aos clientes, a Statoil precisa de retirar dele o CO₂, separando-o. Antigamente, limitava-se a libertá--lo para a atmosfera. Em 1991, porém, a Noruega instituiu uma taxa de carbono (hoje é de cerca de 49 euros por tonelada). A Statoil despende apenas 13 euros na reinjecção do CO₂ debaixo do fundo marinho. Em Sleipner, portanto, o armazenamento de carbono é muito mais barato do que o seu despejo na atmosfera, razão pela qual a Statoil investiu nesta tecnologia. A sua operação de gás natural continua a ser altamente lucrativa. NAS CENTRAIS ALIMENTADAS a carvão, a situação é diferente. O CO₂ integra-se num misto complexo de gases de combustão e as centrais não têm incentivo financeiro para captá-lo. Como os engenheiros da Mountaineer aprenderam, a captação é a componente mais dispendiosa de qualquer projecto de armazenamento. Na central Mountaineer, o sistema de absorção de CO₂ tinha a dimensão de um prédio de apartamentos com dez andares, ocupava 5,6 hectares e captava uma fracção minúscula das emissões da central. O absorvente precisava de ser aquecido para libertar o CO₂, o qual, em seguida, tinha de ser altamente comprimido para armazenagem. Estas etapas envolvem um elevado consumo de energia e geram aquilo a que os engenheiros chamam carga parasítica", que pode chegar a consumir um máximo de 30% da energia total produzida por uma central a carvão que esteja a captar a totalidade do seu carbono. Uma forma de reduzir este prejuízo consiste em gaseificar o carvão antes da queima. A gaseificação pode tornar a produção de electricidade mais eficiente e permite que o dióxido de carbono seja separado com mais eficiência e de maneira mais barata. A nova central electroprodutora que está a ser construída no condado Kemper, no Mississípi, projectada tendo em mente a captação do carbono, gaseificará o seu carvão. As centrais existentes, geralmente concebidas para queimar carvão pulverizado, requerem outra abordagem. Uma ideia passa pela realização da combustão do carvão em oxigénio puro, em vez de ar. Este processo gera um gás de combustão mais simples, do qual é mais fácil extrair o CO₂.

8 POCA, VIRGÍNIA OCIDENTAL A equipa do Liceu de Poca treina perto de uma central alimentada a carvão, responsável pelo abastecimento de quase dois milhões de lares. Purificadores limpam parcialmente o enxofre e o mercúrio, mas não o carbono. NA VIRGÍNIA OCIDENTAL, hoje em dia, há minas de carvão seculares encerradas, à medida que as centrais electroprodutoras se vão convertendo ao gás natural. Como os preços do gás atingem mínimos históricos nos EUA, o carvão pode ser visto como o combustível do passado e o investimento em tecnologias avançadas de carvão pode, no mínimo, ser visto como um passo mal ponderado. Em Yulin, na China, a perspectiva é diferente. Yulin localiza-se na extremidade oriental da bacia do Ordos, na Mongólia Interior, a 800 quilómetros de Pequim. As dunas que rodeiam florestas de prédios de apartamentos ainda por ocupar transbordam sobre os muros de retenção que protegem a auto-estrada e sopram nuvens de sujidade pelas ruas. Yulin e os seus três milhões de habitantes carecem de chuva e de sombra. O clima é quente no Verão e frio no Inverno. Mas a região foi abençoada com recursos minerais, incluindo algumas das mais ricas jazidas de carvão do país. O carvão parece ser o combustível do progresso.

9 Os planaltos arenosos em torno de Yulin apresentam-se marcados por chaminés altas de centrais electroprodutoras alimentadas a carvão. Gigantescas unidades transformadoras de carvão, com dormitórios para trabalhadores residentes, estendem-se por muitos quilómetros deserto afora. Nas novas centrais a carvão, trabalha um grande número de jovens vestidos de fato-macaco. O carvão assegura 80% da energia eléctrica da China, mas não serve só para isso. Uma vez que é um combustível muito abundante no país, é igualmente utilizado para obter dezenas de produtos químicos industriais e combustíveis líquidos, papel desempenhado pelo petróleo na maior parte dos outros países. Aqui, o carvão é um ingrediente essencial no fabrico de produtos que vão do plástico à fibra têxtil artificial. Dados relativos à URSS anteriormente a 1992 FONTES: THOMAS BODEN, CENTRO DE ANÁLISE DE INFORMAÇÃO SOBRE DIÓXIDO DE CARBONO/LABORATÓRIO NACIONAL DE OAK RIDGE, MINISTÉRIO DA ENERGIA (DOE) DOS EUA; R. A. HOUGHTON, CENTRO WOODS HOLE PARA A INVESTIGAÇÃO; EPA

10 O carvão também tornou a China um dos principais países responsáveis pelas emissões totais de dióxido de carbono, embora os EUA liderem a grande distância as emissões per capita. A China não vai abandonar o consumo do carvão, mas está cada vez mais consciente dos custos associados. Nos últimos dez anos, o ambiente, que antes estava ausente das prioridades políticas, passou a ocupar a posição cimeira da agenda, diz Deborah Seligsohn, investigadora em políticas públicas ambientais da Universidade da Califórnia, com quase duas décadas de experiência na China. Graças às queixas dos cidadãos relativamente à má qualidade do ar, à consciência por parte das autoridades dos riscos comportados pelas alterações climáticas e a um desejo de segurança energética e vantagem tecnológica, a China investiu centenas de milhares de milhões de euros em energias renováveis. É um dos maiores fabricantes de turbinas eólicas e de painéis solares: gigantescos parques solares dispersam-se entre as chaminés fabris em redor de Yulin. Mas o país também promove a geração ultra-eficiente de electricidade a partir do carvão e uma captação de carbono mais simples e mais barata. Estes esforços atraem investimentos e imigrantes. Will Latta, fundador da empresa de engenharia ambiental LP Amina, é um norte-americano residente em Pequim que colabora de perto com as empresas de serviço público chinesas. A China diz abertamente: O carvão é barato, nós temos montanhas de carvão e elas tornam-nos competitivos, refere. Ao mesmo tempo, os chineses têm consciência de que não é sustentável em termos ambientais. E por isso estão a fazer grandes investimentos para torná-lo limpo. Em Tianjin, a cerca de 140 quilómetros de Pequim, está prevista para 2016 a inauguração da primeira central electroprodutora da China concebida à partida para realizar a captação do carbono. Denominada GreenGen, acabará por captar 80% das suas emissões. NO OUTONO DE 2013, enquanto o consumo mundial de carvão e as emissões mundiais de carbono se encaminhavam para recordes históricos, o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) publicou o seu último relatório. Pela primeira vez, calculou-se um limiar de emissões para o planeta: a quantidade total de carbono que podemos libertar se quisermos que a subida das temperaturas não exceda 2ºC, nível considerado por muitos cientistas como correspondendo a um limiar de prejuízo grave. A contagem começou no século XIX, quando a revolução industrial se disseminou. O IPCC concluiu que já emitimos mais de metade do nosso limiar de carbono. A manter-se o rumo, vamos emitir o restante em menos de trinta anos. A alteração desse rumo através da captação do carbono implicaria um esforço colossal. Para captar e armazenar apenas um décimo das emissões actualmente geradas em todo o planeta, seria necessário bombear para depósitos subterrâneos um volume de CO₂ aproximadamente idêntico ao volume de petróleo actualmente extraído. Seria preciso instalar muitas condutas e poços de injecção. Em contrapartida, para obter o mesmo resultado substituindo o carvão por painéis solares com zero emissões, seria necessário abranger uma área

11 quatro vezes maior do que o Algarve. A dimensão das soluções é gigantesca porque o problema é gigantesco. E precisamos delas todas. Se estivéssemos a falar de um problema que pudesse ser resolvido reduzindo em 5 ou 10% as emissões de gases com efeito de estufa, não precisaríamos de pensar em captação e armazenamento de carbono, diz Edward Rubin, da Universidade Carnegie Mellon. No entanto, estamos a falar na redução das emissões globais em aproximadamente 80% nos próximos 30 a 40 anos. A captação de carbono oferece a possibilidade de concretizar rapidamente grandes cortes nas emissões: a captação do CO₂ de uma única central electroprodutora de 1000 MW, por exemplo, seria equivalente a 2,8 milhões de pessoas trocarem as suas carrinhas de caixa aberta por carros híbridos. A primeira central electroprodutora projectada nos EUA para captar carbono deverá ser inaugurada nas próximas semanas. A central de gaseificação de carvão de Kemper County, na região oriental do estado do Mississípi, captará mais de metade das suas emissões de CO₂ e canalizá-las-á através de condutas para campos petrolíferos nas redondezas. No entanto, a tecnologia só poderá difundir-se quando as administrações públicas a exigirem, ora impondo um preço sobre o carbono, ora regulamentando directamente as emissões. A captação de carbono necessita precisamente de regulamentação, explica o investigador James Dooley, do Laboratório Nacional do DOE para o Pacífico-Noroeste. A EPA concretizou este ano a promessa de Obama de regulamentar as emissões de carbono de todas as centrais electroprodutoras, novas e já existentes, mas falta perceber se essas normas sobrevivem aos processos judiciais. De todo o modo, há finalmente um impulso há muito desejado para a captação de carbono. Entretanto, a China deu início a experiências regionais com uma abordagem mais próxima das condições de mercado, um processo do qual os EUA foram pioneiros na década de 1990, quando a EPA recorreu à Lei do Ar Limpo para impor um limite máximo ao total de emissões de dióxido de enxofre geradas pelas centrais electroprodutoras, atribuindo licenças de poluição transaccionáveis a cada poluidor individual. Nessa época, a indústria da electricidade previu consequências económicas catastróficas. Em vez disso, a solução deu origem a tecnologias inovadoras e gradualmente mais baratas, melhorando significativamente a limpeza da atmosfera. Segundo Edward Rubin, os sistemas de captação de carbono estão numa fase muito semelhante àquela em que se encontravam os sistemas do dióxido de enxofre na década de Assim que os limites às emissões criem um mercado para elas, o seu custo poderá igualmente baixar de maneira drástica. Se isso acontecer, o carvão continuará a não ser limpo, mas será muito mais limpo do que na actualidade. E o planeta será mais fresco do que seria se continuarmos a queimar carvão com os mesmos métodos sujos de antigamente.

12 Parte II Impactes visíveis O mundo obtém enormes quantidades de energia do carvão e gasta enormes quantidades de energia a extraí-lo. O carbono libertado para a atmosfera é um mero eco fantasmagórico de uma indústria com impactes monumentais. QUEENSLAND, AUSTRÁLIA Máquinas pesadas carregam carvão em navios que partem para a China e para a Índia. A Austrália é o segundo maior exportador mundial de carvão, apenas superada pela Indonésia. China: A china queima quase metade do carvão mundial para sustentar um aumento de 13 vezes da produção de electricidade desde A procura aumenta, tal como os protestos do público devido à atmosfera suja das cidades chinesas, associada a 1,2 milhões de mortes por ano.

13 XUOZHOU, CHINA Perto de uma central na província de Xanxi, no meio dos caules murchos da safra de milho, um agricultor prepara-se para a Primavera. Esta central, que fornece electricidade a Pequim, cobre de fuligem os campos, as colheitas e as pessoas da região. DATONG, CHINA Num terminal de carvão, operários retiram as pedras do meio de carvão de baixo preço à medida que este passa numa correia transmissora. Trabalhando frequentemente sem máscaras, ganham 1,5 euros por cada turno de onze horas.

14 EUA: Os EUA extraem mais de mil milhões de toneladas de carvão por ano. Antigamente, ele provinha de minas subterrâneas no Leste. Hoje, dominam as minas a céu aberto do Oeste. A procura doméstica diminuiu, mas as exportações para a Europa e para a Ásia aumentaram. MADISON, VIRGÍNIA OCIDENTAL Por cada tonelada de carvão extraída da mina Hobet 21, são destruídos 15 metros cúbicos de montanha, que são depois despejados em vales. Centenas de quilómetros quadrados de cristas dos Apalaches foram destruídos desta maneira. PANORÂMICA COMPOSTA POR DUAS IMAGENS NORFOLK, VIRGÍNIA Neste terminal de carvão, vagões fazem fila para encher os navios em espera. Cerca de vinte milhões de toneladas de carvão passam por aqui todos os anos, na sua maioria provenientes dos Apalaches.

15 ÍNDIA: Tem 300 milhões de habitantes sem electricidade e as quintas maiores reservas de carvão do mundo. A pressão para produzir está a causar baixas entre os mineiros, muitos dos quais trabalham em minas ilegais e perigosas. JHARKHAND, ÍNDIA Um rapaz transporta um bloco de carvão até ao acampamento onde vive. A família queimará o carvão para fabricar coque, um combustível mais limpo e que arde a temperatura mais elevada, usado em aquecimento e alimentação.

16 JHARKHAND, ÍNDIA O Nordeste da Índia tem um historial antigo de mineração e os incêndios provocados por acidentes mineiros há quase um século ainda ardem em combustão lenta em jazidas de profundidade. Neste acampamento, há fumo no ar de dia e de noite.

17 MEGHALAYA, ÍNDIA Um mineiro trabalha numa das muitas centenas de minas de carvão do Leste da Índia não aprovadas nem regulamentadas pelo Estado. Trabalha deitado sobre as costas em passagens de tecto baixo, não escoradas, sem vestuário de protecção, utilizando picaretas, pá e uma carreta. O carvão é retirado da mina através de um poço, duas toneladas de cada vez, e depois transportado de camião até um armazém para triagem.

18 MEGHALAYA, ÍNDIA Um mineiro trepa por uma escada instável até ver a luz do dia. Uma mina do século XIX nos EUA ou na Europa talvez tivesse este aspecto. As minas são mais seguras hoje em dia, mas os custos ambientais do carvão aumentaram e globalizaram-se. Notícia adaptada de: poder%c3%a1-o-carv%c3%a3o-ser-mais-limpo

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Discentes: Juliane C. Prado Vinícius F. Bernardo Docente: Profº Dr. César A. Moreira Disciplina: Recursos Energéticos Índice 1) Introdução 2)

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3

Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3 Índice: Objectivo 1 Introdução teórica 2 Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3 Descrição da Visita de Estudo 3 Conclusão 8 Bibliografia 8 Objectivo: Este trabalho é realizado no âmbito da disciplina

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008. Recursos Naturais. Melissa Albuquerque 8º C. Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira

Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008. Recursos Naturais. Melissa Albuquerque 8º C. Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008 Recursos Naturais Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira Melissa Albuquerque 8º C INTRODUÇÃO Recursos Naturais, foi o tema escolhido por nós.

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Sumário resumido sobre energia

Sumário resumido sobre energia 42-28917538 I John Smith/Corbis Sumário resumido sobre energia ENERGIA! Energia faz o mundo girar. Ela faz carros, casas, escritórios, escolas e hospitais funcionarem. Sem ela, nós não teríamos formas

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a proposta de directiva relativa à armazenagem geológica de dióxido de carbono

Perguntas e respostas sobre a proposta de directiva relativa à armazenagem geológica de dióxido de carbono MEMO/08/36 Bruxelas, 23 de Janeiro de 2008 Perguntas e respostas sobre a proposta de directiva relativa à armazenagem geológica de dióxido de carbono 1) O que é a captura e armazenagem de dióxido de carbono?

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

Learning by Ear Aprender de Ouvido Meio-Ambiente 06 Energias Renováveis

Learning by Ear Aprender de Ouvido Meio-Ambiente 06 Energias Renováveis Learning by Ear Aprender de Ouvido Meio-Ambiente 06 Energias Renováveis Texto: Richard Lough [pronuncia-se Loque] Redacção e conceito: Johannes Beck Tradução: Maria Kremer Intro Alô! Bem vindos à série

Leia mais

Hoje vamos falar de... ENERGIA

Hoje vamos falar de... ENERGIA Hoje vamos falar de... ENERGIA A ENERGIA ESTÁ EM TODO O LADO. OS CARROS ANDAM COM A ENERGIA ARMAZENADA NA GASOLINA MUITOS BRINQUEDOS SÃO MOVIDOS COM A ENERGIA ARMAZENADA NAS PILHAS. OS BARCOS À VELA SÃO

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ

FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ Os Pellets são um combustível ideal, limpo e de CO2 neutro. Podem ser produzidos através

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Imagem formação petroleo

Imagem formação petroleo ENERGIA PETRÓLEO Surge na Segunda Revolução Industrial, final do séc. XIX; É a principal força motriz e energética do mundo; Isso ocorre pelo fato de suas fontes secundárias, os seus derivados, serem utilizados

Leia mais

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, ISO TC 207 (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes:

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes: Energia Solar O Sol é a nossa principal fonte de energia, responsável pela manutenção das várias formas de vida existentes na Terra. Trata-se de um recurso praticamente inesgotável e constante, quando

Leia mais

UMA TEMÁTICA PARA O FUTURO

UMA TEMÁTICA PARA O FUTURO UMA TEMÁTICA PARA O FUTURO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO Eng. Júlio Maia 1 - Um pouco de história... A história da humanidade confunde-se com a história da energia, uma vez que a primeira forma de energia

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO A economia verde Às vésperas da Conferência de Copenhague, a maior discussão global sustentabilidade desde o Protocolo de Kyoto, empresas e governos de todo o mundo têm uma certeza: quem não se adaptar

Leia mais

Sinais. O mundo está a mudar

Sinais. O mundo está a mudar Sinais O mundo está a mudar O nosso Planeta está a aquecer, do Pólo Norte ao Polo Sul. Os efeitos do aumento da temperatura estão a acontecer e os sinais estão por todo o lado. O aquecimento não só está

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Boletim Informativo Energia

Boletim Informativo Energia Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é uma empresa líder internacionai envolvida em todos os estágios da produção de metais e minerais. O Grupo é composto pela Rio Tinto plc, cujas ações são negociadas

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Mudanças Climáticas Rodrigo Valle Cezar O que é o Clima O clima compreende os diversos fenômenos que ocorrem na atmosfera da Terra. Atmosfera é a região gasosa que envolve toda

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS João Paulo Nardin Tavares INTRODUÇÃO Já podemos sentir o aquecimento global No último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, órgão

Leia mais

Jogo das Energias. 2 Colar as peças (em anexo) nas cartolinas, de acordo com as cores indicadas. Energia da biomassa

Jogo das Energias. 2 Colar as peças (em anexo) nas cartolinas, de acordo com as cores indicadas. Energia da biomassa Jogo das Energias Material: - Cartolinas (amarela, vermelha, azul e verde) - Canetas/lápis de cor - Tesouras - Cola - Bostik - Giz (amarelo, vermelho, azul e verde) Procedimento: 1 Recortar as cartolinas

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data A Chevron e Angola Parceiros de Longa Data As oportunidades de crescimento e progresso nunca foram tão vastas nas seis décadas de história da Chevron em Angola. Biliões de dólares estão a ser investidos

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Conhecer as diferentes formas

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL FORÇA DA POLUIÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS

AQUECIMENTO GLOBAL FORÇA DA POLUIÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Publicado em fevereiro de 2015 AQUECIMENTO GLOBAL FORÇA DA POLUIÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Com o aumento da temperatura média global está ocorrendo o derretimento progressivo das calotas polares que por

Leia mais

Hidrogénio como Combustível

Hidrogénio como Combustível Hidrogénio como Combustível Professor Aníbal Traça de Almeida Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 06/04/2005 Hidrogénio O hidrogénio é um portador de energia sintético É o elemento

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR?

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 03 / 2 / 203 UNIDADE III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

AULA 5. A herança da Revolução Industrial: o problema atual.

AULA 5. A herança da Revolução Industrial: o problema atual. AULA 5 A herança da Revolução Industrial: o problema atual. Roberto queria ir até Londres e Sofia concordou porque queria conhecer o lugar onde começou o progresso da nossa civilização com a Revolução

Leia mais

Países Emergentes e Crise Ecológica Global. Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário

Países Emergentes e Crise Ecológica Global. Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário Países Emergentes e Crise Ecológica Global Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário Brasil, Rússia, Índia, China: Grandes países Estratégias de transição para o capitalismo Globalização

Leia mais

Sessão de informação. Janeiro de 2007

Sessão de informação. Janeiro de 2007 Sessão de informação Janeiro de 2007 Agenda Agenda 03 1. Enquadramento do tema Contexto do consumo energético em Portugal Protocolo de Quioto Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável 2. Apresentação

Leia mais

O SALTO DA ENERGIA. salto

O SALTO DA ENERGIA. salto O SALTO DA ENERGIA Os países africanos precisam de estratégias energéticas que promovam o crescimento e reduzam a pobreza energética, fazendo ainda a transição para uma economia com baixas emissões de

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Centro de Produção Sines

Centro de Produção Sines Centro de Produção Sines Conferência Pacto para a Saúde e Ambiente Sines, 6 de Junho de 2007 Agenda A Central e as suas características O desempenho técnico e ambiental da Central As exigências legais

Leia mais

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios?

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios? CICLO DA ÁGUA 1. (ENEM-1998) O sol participa do ciclo da água, pois além de aquecer a superfície da Terra dando origem aos ventos, provoca a evaporação da água dos rios, lagos e mares. O vapor da água,

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Relatório da Visita de Estudo à Central Termoeléctrica da CEM em Coloane Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Trabalho realizado por: António Sérgio Ribeiro, 10ºA, Nº3 Data: 19/03/2010

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

Vulcanologia. - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos.

Vulcanologia. - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. Vulcanologia - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. Vulcanismo Primário (activo) Vulcanismo Central Vulcanismo Fissural Secundário

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Termos Técnicos Ácidos Classe de substâncias que têm ph igual ou maior que 1 e menor que 7. Exemplo: sumo do limão. Átomos Todos os materiais são formados por pequenas partículas. Estas partículas chamam-se

Leia mais

Importância do ar para os seres vivos

Importância do ar para os seres vivos Importância do ar para os seres vivos A ATMOSFERA A atmosfera éconstituída por várias camadas. Cada camada tem características próprias: TROPOSFERA: Éa camada mais próxima da terra. Éconstituída por uma

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes O consumismo de energia Consumo de Energia O consumo da energia no mundo está resumido na sua maioria pelas fontes tradicionais como o petróleo, carvão

Leia mais

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo Engª. Kassi Costa/setembro 2013 Sumario Introdução Combustíveis Fósseis ou Hidrocarbonetos Sistema Petrolífero Mecanismo Desenvolvimento Limpo/Alternativas

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Mecânica Ramo: Termotecnia Disciplina: Projecto do Curso Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para

Leia mais