9/24/2012. Interfaces Pessoa. Análise de Utilizadores e Tarefas I. Máquina. Cap. 5 Análise de Utilizadores e Tarefas. Melhor e Pior?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9/24/2012. Interfaces Pessoa. Análise de Utilizadores e Tarefas I. Máquina. Cap. 5 Análise de Utilizadores e Tarefas. Melhor e Pior?"

Transcrição

1 Interfaces Pessoa Máquina 9/24/2012 Análise de Utilizadores e Tarefas I Cap. 5 Análise de Utilizadores e Tarefas 03 Melhor e Pior? 1

2 Melhor e Pior? Melhor e Pior? 2

3 Resumo Aula Anterior Usabilidade Design Iterativo Princípios de Design Princípios de usabilidade Eng. de Usabilidade Sumário Análise de Utilizadores e Tarefas O que é e porque se faz? Análise de Tarefas As 11 Perguntas Seleção de Tarefas 3

4 01 O QUE É? PORQUE SE FAZ? Análise Utilizadores e Tarefas Estuda + Observa Situações atuais Para saber Quem vai usar a IU (Utilizadores) Para fazer o quê (Tarefas) Permite descobrir O que fazem O que usam O que precisam de saber 4

5 Aspetos da AUT Utilizadores Tarefas Ambiente AUT no Ciclo Iterativo Analisar Necessidades Conceber Soluções Avaliar Protótipos Prototipar Soluções 5

6 Porquê AUT? A sua não realização tem custos Utilizadores não querem produto Manutenção (eliminar problemas de usabilidade) Mais tempo para fazer as tarefas Mais erros Sistema maravilhoso que não faz o que é necessário será um fracasso! Quais as necessidades dos utilizadores? Suportar as tarefas dos utilizadores E fazer boas IU sem AUT? Não dá! Boa IU depende do contexto Aplicação móvel; Desktop; Jogo; etc. Infinidade de Tarefas e Utilizadores Muitas características diferentes Princípios de design demasiado vagos Interfaces são únicas 6

7 02 ANÁLISE DE TAREFAS O Que é AT? Estudo do modo como as pessoas realizam as tarefas com os sistemas existentes 7

8 Compreender mundo não familiar Obter Respostas O que fazem? Como fazem? O que usam? O que pretendem atingir? O que precisam saber? Onde podemos melhorar? Etc. 8

9 AT Requer Observar Falar No Final Conjunto de tarefas Atuais Desejadas Informação sobre as tarefas Base para Design da IU 9

10 Elementos Essenciais Objectivo Pré-condições Subtarefas Objetivo O que precisa de ser feito? Alvo a atingir Nome da tarefa a efectuar 10

11 Pré-condições O que deve ser feito primeiro? Condições a satisfazer Podem exigir outras tarefas Saber informação Prevenir erros Sabendo as pré-condições Subtarefas Quais os passos da tarefa? Tarefas têm passos individuais Subtarefas ou tarefas Divisão recursiva Divisão ajuda desenho de ecrãs Distribuição pelos ecrãs 11

12 Análise Sistemas vs AUT Foco Principal Objectivo Resultados Documentos Análise de Utilizadores e Tarefas Pessoa Informação para desenhar IU e manuais Tarefas e perfil dos utilizadores Especificação da IU e guia de estilos Análise Sistemas Computador Informação para desenhar o software e as estruturas de dados Dados e Funções Especificações funcionais e arquiteturais 03 AS 11 PERGUNTAS 12

13 As 11 Perguntas Sumarizam informação da AUT Potenciais utilizadores Tarefas que realizam Tarefas que desejam Contexto em que trabalham Conjunto não é fechado Podem acrescentar outras Estas são as essenciais As 11 Perguntas 1. Quem vai utilizar o sistema? 2. Que tarefas executam atualmente? 3. Que tarefas são desejáveis? 4. Como se aprendem as tarefas? 5. Onde são desempenhadas as tarefas? 6. Qual a relação entre o utilizador e a informação? 13

14 As 11 Perguntas 7. Que outros instrumentos tem o utilizador? 8. Como comunicam os utilizadores entre si? 9. Qual a frequência de desempenho das tarefas? 10.Quais as restrições de tempo impostas? 11.Que acontece se algo correr mal? Exemplo: Pauta Mágica Pauta interativa e "inteligente" que permite visualizar toda a informação útil para um músico quando este está a compor, a ensaiar ou a atuar em concerto, e ainda permite fazer anotações ou recolha de informação relevante

15 1. Quem vai utilizar o sistema? Quem são os utilizadores? Caracterizar os potenciais utilizadores Tipo de utilizadores (Principiantes, peritos, etc.) Faixa etária O que gostam e desgostam Hábitos de trabalho Escolaridade e Aptidões Deficiências fisícas Características fisícas 1. Quem vai utilizar o sistema? (Ex.) Quem são? Pessoas com formação musical Entre os 18 e os 39 anos Hábitos de trabalho e preferências Tocam regularmente com intervalos não superiores a uma semana Geralmente tocam em casa 15

16 1. Quem vai utilizar o sistema? (Ex.) Capacidades Sabem usar dispositivos como telemóvel e computador Estão familiarizados com ecrãs tácteis Sabem tocar pelo menos um instrumento musical Grau de formação musical médio Ensino secundário ou superior 2. Que tarefas executam actualmente? Tarefas que executam AGORA Sem usarem o novo sistema Produzir lista de tarefas Importância relativa Realizadas com mais frequência Realizadas por mais utilizadores Tarefas a suportar Já existem e já são realizadas! 16

17 2. Que tarefas executam? (Ex.) Tarefas atuais Tocam música a partir de pautas Ensaiam música a partir de pautas Quem compõe música também toca pelo menos um instrumento frequentemente Mais frequentes / usadas Tocar Ensaiar 3. Que tarefas são desejáveis? Novas tarefas Desejadas pelos utilizadores Novas funcionalidades Que irão desejar no futuro Lista de funcionalidades novas Estabelecer prioridades Inseri-las aos poucos 17

18 3. Que tarefas são desejáveis? (Ex.) Novas tarefas Reprodução áudio da pauta Fazer download pautas para dispositivo (a partir da internet ou de outros dispositivos) Detecção de erros enquanto se toca Seguimento visual da pauta (estilo karaoke) Listagem de pautas (cancioneiro) 4. Como se aprendem as tarefas? Lendo o Manual de utilizador? Perguntam ao vizinho/pai/mãe/etc.? Experimentando/Usando? Precisam de treino? Académico (cursos formação) Conhecimento / aptidões gerais Instrução especial / treino Saber ler 18

19 4. Como se aprendem as tarefas? (Ex.) Através de cursos de formação Música Instrumentos Composição de música 5. Onde são desempenhadas as tarefas? Ambiente físico, social e cultural Utilizadores não estão isolados Utilizadores influenciados Atividades envolventes e Espaço Tipo de equipamento Relações de trabalho Ambientes afectam design da interface Luz, ruído, local (Escritório, Oficina, etc.) Mãos ocupadas (sacos de compras) Segurança e privacidade (PIN) 19

20 5. Onde são desempenhadas? (Ex.) Casa ou estúdio Normalmente não há ruído Boa luz ambiente Palcos Luz intensa ou grande contraste de luzes 6. Relação entre utilizador e informação? Necessário acesso a dados Pessoais e/ou comuns Armazenamento Cartão pessoal / servidor Sempre acessíveis na mesma máquina Utilizadores deslocam-se entre máquinas Dados comuns Usados concorrentemente Passados sequencialmente entre utilizadores Acesso Remoto; Restrito 20

21 6. Relação utilizador e informação? (Ex.) Armazenamento A informação está nas pautas Cada utilizador tem as suas pautas Acesso Podem ser partilhadas Podem ser trocadas entre eles 7. Que outros instrumentos tem o utilizador? Aplicações / instrumentos auxiliares Bloco de notas Calculadora Mapa Lista de contactos Etc. Inclusão de algumas funcionalidades Maior facilidade, melhor eficiência 21

22 7. Que instrumentos tem o utilizador? (Ex.) Outros instrumentos Ferramentas de afinação do instrumento Afinador, Diapasão Ferramentas de acompanhamento musical leitor de música, rádio, etc. Metrónomo. 8. Como comunicam os utilizadores? Têm necessidade de comunicar? Quem comunica com quem e sobre o quê? Comunicação segue hierarquia? Ex: assistente chefe Mecanismo de comunicação Pessoal; ; telefone; fax; etc. Funcionalidades p/ facilitar a comunicação 22

23 8. Como comunicam os utilizadores? (Ex.) Casa ou estúdio Através de diálogo Troca de ideias Palco Por gestos 9. Frequência desempenho das tarefas? Frequência Utilizadores Frequentes Lembram-se de mais detalhes Infrequentes Precisam de mais ajuda (Mesmo para tarefas simples) Frequência Tarefas Mais utilizadas Usadas por mais utilizadores Otimizar para estas tarefas Aumenta percepção de bom desempenho 23

24 9. Frequência desempenho tarefas? (Ex.) Frequência Utilizadores Grande parte toca várias vezes por semana Outros tocam e compõem poucas vezes Frequência Tarefas Ensaio música nova - várias vezes por semana (pode demorar alguns dias) Tocar em público - poucas vezes por mês 10. Restrições de tempo impostas? Funcionalidades usadas com rapidez Utilizadores menos atentos Mais erros Duração aceitável das tarefas Evitar filas Relação temporal entre tarefas Refletir sequência na interface 24

25 10. Restrições de tempo impostas? (Ex.) Em concerto, é necessário aceder a pautas com rapidez 11. Que acontece se algo correr mal? Como reagem ao inesperado? Começam do início Recuperam do ponto atual Estratégias de contingência Ex. Não há trocos / Só moedas Situações graves Ex. Sem dinheiro e sem bilhete 25

26 11. Que acontece se algo correr mal? (Ex) Num ensaio Começa-se do início Na composição Corrige-se Num concerto Tenta-se dar a volta Resumo 11 perguntas Respostas no presente Exceto a 3ª Sem mencionar o novo sistema Refletir o que se passa AGORA Objectivo: Identificar + perceber Como realizam as tarefas SEM o nosso sistema 26

27 Exemplo Errado! P. Como se aprendem as tarefas? R. Como a nossa máquina tem uma interface familiar e do tipo walk-up and use, o utilizador não precisa de aprender! Exemplo Errado! P. Como se aprendem as tarefas? R. Como a nossa máquina tem uma interface familiar e do tipo walk-up and use, o utilizador não precisa de aprender! 27

28 04 SELEÇÃO DE TAREFAS Tarefas Específicas Escolher depois da AUT Usadas para Estudar soluções alternativas Tomar decisões de design Avaliar o sistema Tarefas são centrais no design IU Má escolha -> Má interface 28

29 Menu interativo de restaurante Encomendar comida Cliente Entregar pedidos Empregado Gerir pedidos Cozinheiro Receber Caixa Características Tarefas Reais e representativas O quê e não como Específicas Mistura complexidades Identificar utilizador 29

30 Reais e Representativas Contemplar funcionalidade existente/desejada Pratos principais Saladas, Acompanhamentos Bebidas Pagamento Etc. Conjunto tarefas abrangente Exercita várias partes IU O quê e não como O que utilizador quer fazer Bife com batatas, arroz, etc. Não como deve fazer Sem referências à IU Independente do sistema Permite comparar soluções 30

31 Específicas Incluir dados particulares Bife mal passado c/ ovo Arroz + batatas fritas Salada de alface e tomate Utilizadores não terão dúvidas Realização dos testes Designers obrigados a pensar Funcionalidades implícitas Ex. Tipo de salada; cozedura do bife; etc. Mistura de complexidades Cobertura da funcionalidade Prato do dia (tudo por omissão) Alterar acompanhamento Alterar e juntar ingredientes Tarefas simples e complexas Simples Comuns ou introdutórias Difíceis Pouco frequentes ou para utilizadores avançados Tarefas Difíceis Obrigam a interligar as funcionalidades 31

32 Tarefa completa e realista (Ex.) Sistema de Banca online Funcionalidades Ver saldo conta à Ordem Ver saldo conta a Prazo Transferência entre contas Etc. 3 Tarefas funcionam bem individualmente No entanto, podemos ter um mau desenho! Tarefa completa e realista (Ex.) Combinação das 3 subtarefas Verificar se o saldo da conta à ordem é superior a , e se sim transferir para a conta a prazo. Tarefa exige Verificar saldo conta à Ordem Transferir dinheiro p/ conta a Prazo Boa usabilidade Boa integração entre subtarefas 32

33 Identificar o utilizador Vários tipos de utilizadores Conhecimentos afectam sucesso Especificar tipo de utilizador na tarefa Depois de selecionar as tarefas Circular pelos utilizadores Receber correções, clarificações e sugestões Reescrever para ficarem mais reais Utilizadores por vezes não querem certas funcionalidades Guardar para futuras versões 33

34 Depois de selecionar as tarefas If I had asked people what they wanted, they would have said faster horses. Henry Ford O utilizador nem sempre tem razão Não consegue antecipar tecnologia com precisão Construir o que irão querer, não o que dizem querer Ter muito cuidado neste aspeto Utilizadores sabem mais que designers Falta de interesse nas novas ideias - Algo está a falhar Exemplo de Tarefa (ERRADO!) Escolher a opção do menu para encomendar um bife com batatas fritas e depois carregar no botão da salada. 34

35 Exemplo de Tarefa (CERTO!) Escolher a opção do menu para encomendar um bife com batatas fritas e depois carregar no botão da salada. Encomendar um bife da vazia mal passado, com ovo estrelado, batatas fritas, arroz e uma salada de alface e tomate. Melhor e Pior? 35

36 Resumo Análise de Utilizadores e Tarefas Quem; O quê; Onde Início do ciclo iterativo Análise de Tarefas Como fazem agora As 11 Perguntas Sumarizam resultados da AUT Seleção de Tarefas Centrais no design de IU 36

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

Análise de U+lizadores e Tarefas I

Análise de U+lizadores e Tarefas I Interfaces Pessoa Máquina Análise de U+lizadores e Tarefas I Cap. 5 Análise de U+lizadores e Tarefas 02 Melhor e Pior? Melhor e Pior? Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Usabilidade Design Itera8vo Princípios

Leia mais

II.1 - Análise de Tarefas I

II.1 - Análise de Tarefas I Enunciados dos Projectos II Perceber os Utilizadores e as Tarefas II.1 Análise de Tarefas I HCI, Cap. 15, Alan Dix Task-Centered UI Design, Cap. 1-2 C. Lewis and J. Rieman 1. PIZZAMÓVEL - A Pizza no telemóvel

Leia mais

IV.4 Análise de Dados da Avaliação

IV.4 Análise de Dados da Avaliação Melhor e Pior? IV - Avaliação IV.4 Análise de Dados da Avaliação Interactive System Design, Cap. 10, William Newman IV.4 Análise de Dados da Avaliação 2 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior! Avaliação com

Leia mais

Modelos Conceptuais I

Modelos Conceptuais I Modelos Conceptuais I Capítulo 5 Conceptual Models, J. Johnson and A. Henderson (artigo da revista Interactions, Jan. 2002) Interaction Design, Cap. 2 J. Preece Resumo da aula anterior As capacidades das

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Interfaces Pessoa-Máquina

Interfaces Pessoa-Máquina Interfaces Pessoa-Máquina Marielba Silva de Zacarias Fct I, Gab. 2.69 A Análise de Tarefas II Referências: 1. Human-Computer Interaction, A. Dix, Cap. 7 (Ed.2), Cap. 15 (Ed. 3) 2. Task-Centered User Interface

Leia mais

Avaliação Preditiva. Capítulo 9. HCI, Cap. 12, AlanDix. Interactive System Design, Cap. 8, William Newman

Avaliação Preditiva. Capítulo 9. HCI, Cap. 12, AlanDix. Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Avaliação Preditiva Capítulo 9 HCI, Cap. 12, AlanDix Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Transparências da disciplina de Interfaces Homem-Máquina IST, Mário Rui Gomes e Joaquim Jorge Resumo:

Leia mais

Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos

Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de Vitor Valerio de Souza Campos Conteúdo do curso Visão geral: consultas são essenciais Lição: inclui sete seções Tarefas práticas sugeridas Teste.

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 6 Teste Dinâmico: Técnicas de Especificação SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 TÉCNICAS BASEADAS

Leia mais

IV AVALIAÇÃO. Resumo Aula Anterior IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA. o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística

IV AVALIAÇÃO. Resumo Aula Anterior IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA. o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística IV AVALIAÇÃO IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA HCI, Cap. 12, Alan Dix Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Resumo Aula Anterior o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística Treino;

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Planejando o aplicativo

Planejando o aplicativo Um aplicativo do Visual FoxPro geralmente inclui um ou mais bancos de dados, um programa principal que configura o ambiente de sistema do aplicativo, além de uma interface com os usuários composta por

Leia mais

Índice... 2. Informação 3. Login no Kiosk.. 5. Alterar o PIN 6. Efectuar Carregamentos.. 9. Marcar Refeições... 10

Índice... 2. Informação 3. Login no Kiosk.. 5. Alterar o PIN 6. Efectuar Carregamentos.. 9. Marcar Refeições... 10 Manual Passo a Passo Sistema SIGE Versão 1 Índice Índice...... 2 Informação 3 Login no Kiosk.. 5 Alterar o PIN 6 Efectuar Carregamentos.. 9 Marcar Refeições..... 10 Efectuar pagamentos nos Bares e na Reprografia...

Leia mais

Guia Web Connect. Versão 0 POR

Guia Web Connect. Versão 0 POR Guia Web Connect Versão 0 POR Modelos aplicáveis Este Manual do Utilizador aplica-se aos seguintes modelos: ADS-2500We e ADS-2600We. Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística)

Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística) Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística) Capítulo 8 HCI, Cap. 9, AlanDix www.useit.com (webpage de Jakob Nielsen) Transparências da disciplina de Interfaces Homem-Máquina IST, Mário Rui Gomes e Joaquim

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles Torne as suas aulas mais memoráveis com um filme Não é segredo que as crianças crescem a ver filmes, a apreciar programas televisivos e a aprender através deles. Os locais, sons e acção de um filme, dão

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 2 Semana - Paradigmas e Processo de Software : Abrangência possui 3 elementos fundamentais: métodos: como fazer ferramentas:

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br Apresentando o GNOME Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br O que é o GNOME? GNOME é um ambiente desktop - a interface gráfica de usuário que roda sobre um sistema operacional - composta inteiramente

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Análise dos inquéritos

Análise dos inquéritos Análise dos inquéritos Denis Encarnação 25077 Tiago Rodrigues 25092 De forma a apurar se as características que pretendemos incluir no nosso projecto são ou não as mais indicadas e se eventualmente poderia

Leia mais

exercícios - cap. 4 4. Construa uma máquina de estados que ilustre os requisitos de uma máquina multibanco (levantamento de dinheiro)

exercícios - cap. 4 4. Construa uma máquina de estados que ilustre os requisitos de uma máquina multibanco (levantamento de dinheiro) 1. Equipa de desenvolvimento, clientes e utilizadores trabalham em conjunto para especificar os requisitos de um sistema. Se o sistema depois de concluído falhar, causando prejuizo físico ou financeiro,

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Para a maior parte das pessoas, a ergonomia serve para fazer cadeiras mais confortáveis, mobiliário de escritório

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Suporte Técnico de Software HP

Suporte Técnico de Software HP Suporte Técnico de Software HP Serviços Tecnológicos HP - Serviços Contratuais Dados técnicos O Suporte Técnico de Software HP fornece serviços completos de suporte de software remoto para produtos de

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

Índice. Introdução. Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo. Saiba quem rouba o seu tempo. Separe o importante do urgente

Índice. Introdução. Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo. Saiba quem rouba o seu tempo. Separe o importante do urgente Índice 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Introdução Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo Saiba quem rouba o seu tempo Separe o importante do urgente Defina prioridades Aprensa a usar seu e-mail

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 1 Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico 1º Período Elementos básicos da interface gráfica do Windows (continuação).

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

A nossa Política de Privacidade

A nossa Política de Privacidade A nossa Política de Privacidade Última modificação: 12 de dezembro de 2014. O resumo de alterações pode ser consultado na parte final desta Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade tem por

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt Text GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhos Práticos Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores 1. Objectivos 2. Calendarização 3. Normas 3.1 Relatório 3.2 Avaliação 4. Propostas Na disciplina de Programação

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Resumo A importância de requisitos Diferentes tipos de requisitos Coleta de dados para requisitos Descrição de tarefas: Cenários Casos de uso Casos

Leia mais

Seminário. Apresentar

Seminário. Apresentar Seminário Voice-mail Conferências Apresentar pessoas Negociação Videoconferência Entrevistas de emprego Workshops Conversa Argumentação Divulgação Apresentar Reuniões Em família Aconselhamento No corredor

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Guia Rápido de Vodafone Conferencing

Guia Rápido de Vodafone Conferencing Guia de Utilizador Vodafone Guia Rápido de Vodafone Conferencing O seu pequeno manual para criar, participar e realizar reuniões de Vodafone Conferencing. Vodafone Conferencing Visão geral O que é uma

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Manual de iniciação rápida. ActivEngage

Manual de iniciação rápida. ActivEngage Manual de iniciação rápida Manual de iniciação rápida Manual de iniciação rápida Quais as novidades? 2 Registo 4 Votação 9 Resultados da votação 16 Mais informações 17 TP1780-PT Edição 2 2010 Promethean

Leia mais

Segurança na Internet. Redes Sociais

Segurança na Internet. Redes Sociais Segurança na Internet Redes Sociais Mariana Neto Pita nº14 8ºE Micaela Natalina Sousa Loreto nº16 8ºE Escola Básica e Secundária da Ponta do Sol 10-12-2013 1 Índice Introdução... 2 O que são redes sociais?...

Leia mais

Administração pela Web Para MDaemon 6.0

Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos Reservados. Os nomes de

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

O produto. Caraterísticas gerais e arquitetura do sistema

O produto. Caraterísticas gerais e arquitetura do sistema sistema integrado de processamento e gestão bibliográfica - versão 2012 Informática Formação e Serviços, Lda - Web: http://www.bibliosoft.pt Email: bibliosoft@bibliosoft.pt O produto O sistema biblio.net

Leia mais

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix.

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. Gerir Clientes no Gestix A Ficha de Cliente Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. O Gestix oferece-lhe diversas formas de conhecer e acompanhar os seus clientes. Explore-o como uma poderosa

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional 2014/2015 9º Ano Turma A Orientação Escolar e Vocacional Programa de Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e agora??? Serviço de Apoios Educativos Ano Lectivo 2014/2015 Orientação Escolar e Profissional

Leia mais

exercícios - cap. 4 1

exercícios - cap. 4 1 1 1. Equipa de desenvolvimento, clientes e utilizadores trabalham em conjunto para especificar os requisitos de um sistema. Se o sistema depois de concluído falhar, causando prejuizo físico ou financeiro,

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

20 Manual. Manual do utilizador Windows 8

20 Manual. Manual do utilizador Windows 8 20 Manual Manual do utilizador Windows 8 Índice A aplicação 20 Manual... 3 I... 3 1. Especificações técnicas... 3 1.1. Requisitos técnicos mínimos:... 3 II... 4 Começar a utilizar o 20 Manual... 4 1. Instalar

Leia mais

COMO AJUDAR O MEU FILHO A ESTUDAR! 26 de novembro de 2015

COMO AJUDAR O MEU FILHO A ESTUDAR! 26 de novembro de 2015 COMO AJUDAR O MEU FILHO A ESTUDAR! 26 de novembro de 2015 OS NOSSOS ADIAMENTOS E OS DELES Tomadas de decisão: A partir de amanhã é que vai ser! De hoje em diante, vais passar a estudar três horas por dia

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Engenharia de software A economia de todos os países desenvolvidos depende do software. O

Leia mais

Notas: Por enquanto só permite contas Gmail e icloud. Para instalar esta aplicação necessita de ter ou criar uma conta Dropbox.

Notas: Por enquanto só permite contas Gmail e icloud. Para instalar esta aplicação necessita de ter ou criar uma conta Dropbox. 1 É um serviço de email que o irá ajudar a gerir os seus emails recebidos de uma forma fácil e intuitiva. Se recebe dezenas de emails por dia, tanto profissionais como pessoais e não tem tempo para os

Leia mais

PHC dsuporte Externo

PHC dsuporte Externo PHC dsuporte Externo A assistência técnica pós-venda A solução remota para uma rápida interação com os Clientes, que permite aumentar a sua satisfação ao resolver os problemas de uma forma mais rápida

Leia mais

TALKDOW 5.1 v Web. Manual Operacional Sistema TALKDOW V 5.1 Web

TALKDOW 5.1 v Web. Manual Operacional Sistema TALKDOW V 5.1 Web TALKDOW 5.1 v Web Manual Operacional Sistema TALKDOW V 5.1 Web Bem vindo ao manual operacional de controle e gerenciamento de arquivos para Afiliadas do Grupo Talk Radio. A partir de agora você irá aprender

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

Requisitos e Modelação

Requisitos e Modelação Requisitos e Modelação combinação essencial para melhorar o processo de desenvolvimento de software Class4 -End1 -End2 Class1 * * System Actor1 * -End3 -End5 -End7 * Actor2 UseCase1 -End4 * UseCase2 -End6

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT Porquê usar um DETETOR de cabos? Evita danificar materiais; Previne acidentes que podem ser mortais; Evita perdas de tempo antes de se realizar uma

Leia mais

Guia "Web Connect" Versão 0 POR

Guia Web Connect Versão 0 POR Guia "Web Connect" Versão 0 POR Modelos aplicáveis Este Manual do Utilizador aplica-se aos seguintes modelos: ADS-2500W e ADS-2600W Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado

Leia mais

WEB TV. O Seu canal de Televisão na Internet

WEB TV. O Seu canal de Televisão na Internet WEB TV O Seu canal de Televisão na Internet Apresentamos-lhe a WEB TV Uma nova forma de comunicar! A Televisão via Internet VISIBILIDADE INTERATIVIDADE CONECTIVIDADE COMUNICAÇÃO O que é a WEB TV? A Web

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Como fazer Newsletters de Sucesso

Como fazer Newsletters de Sucesso ebook Como fazer Newsletters de Sucesso egorealestate.com Não compre base de dados Não utilize base de dados compradas ou sobre as quais não detêm direitos. Este poderá tornar-se um mau investimento, devido

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO

MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO SDILAB Investigação e Desenvolvimento de Software, Lda. Parque Industrial de Celeirós - 1ª Fase, Lote C 4705 Celeirós Braga, Portugal +351 253 678

Leia mais