PROPOSTA DE MELHORIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NO TRATAMENTO DAS NÃO CONFORMIDADES: UMA PESQUISA -ACÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE MELHORIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NO TRATAMENTO DAS NÃO CONFORMIDADES: UMA PESQUISA -ACÃO"

Transcrição

1 PROPOSTA DE MELHORIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NO TRATAMENTO DAS NÃO CONFORMIDADES: UMA PESQUISA -ACÃO David Miragaia Aquino Orientador: Luiz Gonzaga Mariano de Souza Universidade Federal de Itajubá, IEPG Cx. P Itajubá, MG, Brasil Resumo. Organizações vêm adotando sistemas de gestão da qualidade para melhorar seu desempenho interno e garantir a qualidade de produtos e serviços que oferecem a fim de se manterem no mercado competitivo. E essa abordagem não é mais de exclusividade das grandes empresas, sendo aplicadas por pequenas e médias empresas. Porém essas empresas encontram dificuldades no gerenciamento do sistema, impossibilitando sua utilização de forma correta e eficiente, implicando numa má utilização das informações, uma baixa eficácia na solução dos problemas e melhorias. As causas desse problema são de ordem estrutural e sistemática, compreendendo desde a falta de treinamento até o rápido crescimento da empresa. Uma forma eficiente para avaliar o sistema de gestão da qualidade no tratamento das não conformidades de uma empresa é a análise dos relatórios de não conformidades, onde é documentado a descrição dos problemas, sua avaliação, ações para correção e o controle das mesmas. A finalidade deste trabalho é estudar e analisar os relatórios de não conformidades, avaliar o sistema de gestão da qualidade no tratamento das não confomidades, identificar falhas no tratamento das informações, propor uma sugestão de melhoria para e diminuição das não conformidades e avaliar a situação atual da empresa. E com o auxílio das ferramentas da qualidade foi possível uma avaliação detalhada na utilização do relatório de não conformidade, proposta de melhoria e inserção de novas fontes de informações, e uma avaliação da atual situação da empresa. Palavras chaves: Sistema de Gestão da Qualidade, Relatório de Não Conformidades (RNC), Ferramentas da Qualidade. 1. INTRODUÇÃO A busca pela excelência, o mercado cada vez mais competitivo e os consumidores mais exigentes, fazem com que as empresas busquem um fator de diferenciação para sobreviverem no mercado, e cada vez mais a qualidade ocupa um papel de extrema importância nesse cenário. Os sistemas de gestão da qualidade são importantes ferramentas na busca dessa excelência, quando corretamente utilizadas e aplicadas propiciam melhorias na qualidade dos produtos, na eficiência do processo e na melhoria contínua.

2 Campos, (1992) define um produto ou serviço de qualidade é aquele que atende perfeitamente, de forma confiável, de forma acessível, de forma segura e no tempo certo às necessidades do cliente. A dificuldade está na correta utilização do sistema de gestão para atingir os objetivos da empresa. E é neste compêndio que se estrutura este trabalho, numa pesquisa-ação realizada numa fábrica de médio porte, para a análise e avaliação de seu sistema de gestão da qualidade no tratamento das NC. Sendo que, as Pequenas e Médias Empresas correspondiam em 1998 à cerca de 98% do total da empresas brasileiras, Amaro e Paiva (2002). Isso demonstra a importância do setor para a economia brasileira. De acordo com o tipo de informações que se deseja obter, há uma variedade de instrumentos que podem ser utilizados e maneiras diferentes de operá-los, Rudio (1979). As ferramentas da qualidade desempenharam papel de extrema importância na coleta, agrupamento e priorização dos dados. Campos, (1992) quanto maior for a utilização da informação no método gerencial, maior será a necessidade do conhecimento das ferramentas da qualidade para processar e dispor esta informação. Informação é poder! Este trabalho tem como objetivo avaliar o sistema de gestão da qualidade no tratamento das NC de uma empresa do setor metalúrgico de médio porte através do estudo dos RNC e propor sugestões de melhorias para diminuir o número das NC, aumentando a confiabilidade no processo do produto. 2. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2000 (2000), convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de gestão da qualidade de uma organização são influenciados por várias necessidades, objetivos específicos, produtos fornecidos, os processos empregados e o tamanho e estrutura da organização. Corrêa e Turrioni (2006), para entender o conceito de gestão da qualidade é necessário primeiramente o entendimento do termo Qualidade. Devido ao subjetivismo e ao uso genérico com que essa palavra é empregada, torna-se difícil defini-la. Sua concepção varia de autor para autor e até mesmo os autores clássicos como: Crosby, Deming, Feigenbaun e Juran, apresentam conceitos um pouco diferenciados em relação a qualidade, mas existe neles a predominância de dois significados são: a ausência de falhas e atendimento a necessidade do cliente. "Gerenciar a Qualidade Total é agir de forma sistêmica para implantar e implementar um ambiente no qual o aprimoramento seja contínuo e que em todas as relações fornecedor/cliente da organização, sejam internas ou externas, exista satisfação mútua, NBR ISO 9000 (2000)". Corrêa e Turrioni (2006), definem gestão da qualidade como sendo um conjunto de atividades coordenadas implementadas para gerir uma organização no que diz respeito a qualidade, fundamentadas nas necessidades dos clientes e levando em consideração os requisitos de qualidade do produto ou serviço, deve englobar o planejamento, o controle, a garantia e a melhoria da qualidade, conforme (Figura 1). O RNC é uma importante ferramenta no sistema de getão da qualidade.

3 QUALIDADE Habilidade de um conjunto de característica de um produto, processo ou sisitema em atender aos requisitos dos clientes e outras partes interessadas. GESTÃO DA QUALIDADE Atividades coordenadas para dirigir e controlar uma organização com relação à qualidade. Planejamento da Qualidade Controle da Qualidade Garantia da Qualidade Melhoria da Qualidade Estabelecer os objetivos, processos e recursos para cumprir os objetivos da qualidade. Cumprir os objetivos e requisitos da qualidade. Prover confiança que os requisitos da qualidade são cumpridos. Aumentar a eficácia e efeiciência. Figura 1 Inter-relação entre os conceitos de qualidade, gestão da qualidade e os conceitos que a compõem. Fonte: Adaptado de Miguel (2006) apud Corrêa J.G. (2006). 3. RELATÓRIO DE NÃO CONFORMIDADE (RNC) O RNC é importante para o sistema de gestão da qualidade de forma que utiliza um documento com formatação padrão para todas as NC, possibilitando uma padronização no registro, maior rastreabilidade dos documentos, pois possui: número, tipo (real ou potencial), setor de origem, nome do responsável, data de emissão, data de correção, data da análise, data da ação e data da verificação. Permite o acompanhamento do relatório desde a sua emissão, possibilita consulta da situação da NC, acompanhamento e controle das ações corretivas ou preventivas e verificação da eficácia. "NBR ISO 9000 (2000), conceitos relacionados com a não conformidade: Ação preventiva ação tomada para eliminar a causa para uma conformidade potencial; Ação corretiva ação tomada para eliminar a causa de uma NC; Correção ação tomada para eliminar uma NC indicada Retrabalho ação implementada sobre o produto NC de modo a que ele atenda aos requisitos; Reclassificação alteração da classe de um produto não conforme afim de torná-lo conforme a requisitos diferentes daqueles inicialmente especificados; Refugo ação tomada sobre um produto não conforme para impedir a sua utilização prevista originalmete. Concessão permissão para o uso ou liberação de um produto que não atenda aos requisitos especificicados

4 Permissão de desvio permissão para desviar-se dos requisitos originalmente especificados de um produto antes da sua execução. RNC é um instrumento eficaz para solução de NC, pois possui uma sistemática que se seguida corretamente leva a solução das NC. A busca de soluções para as NC constitui-se num importante instrumento de competitividade, pois torna possível o reposicionamento da empresa, em termos de legislação, qualidade ou liderança setorial, reduzindo sensivelmente seus custos operacionais, Silva (1997). A resolução de NC configura-se não só numa estratégia que deverá ser orientada por objetivos, preocupada com o fortalecimento da estruturação, análise e solução das NC, mas como ferramenta de apoio à decisão para os empresários, Silva (1997). E esse é o foco desse artigo, o recolhimento de informações das NC para analisar a situação da empresa, propor melhorias e apoiar a gerência na tomada de decisões. Para uma mais eficiente exploração e análise do RNC, as ferramentas da qualidade foram essencial para tratamento das informações. 4. FERRAMENTAS DA QUALIDADE A análise e avaliação das NC só foi possível com a utilização das informações dos RNC e a utilização das ferramentas da qualidade, para a coleta, padronização, estratificação, priorização e proposta de melhoria. Campos (1992), quanto maior for a utilização da informação no método gerencial, maior será a necessidade do conhecimento das ferramentas da qualidade para processar e dispor esta informação. Williams (1995), as ferramentas da qualidade devem ser usadas para controlar a variabilidade, que é a quantidade de diferença em relação a um padrão, sendo que a finalidade das ferramentas é eliminar ou reduzir a variação em produto e serviço. Caraiola, (2001), os objetivos das ferramentas da qualidade são: Facilitar a visualização e entendimento dos problemas; Sintetizar o conhecimento e as conclusões; Desenvolver a criatividade; Permitir o conhecimento do processo; Fornecer elementos para o monitoramento dos processos. As ferramentas mostradas (quadro 1) foram as utilizadas no desenvolvimento deste trabalho.

5 FERRAMENTAS DEFINIÇÃO OBJETIVO OBJETIVO 1 Coleta de dados Uma segura fonte de informações, onde serão utilizados métodos estatísticos para sua análise. 2 Folha de verificação 3 Diagrama de Pareto Formulários planejados os quais os dados coletados são preenchidos de forma fácil e concisa. Registram os dados dos itens a serem verificados. Gráfico de barras mostrando uma estratificação de várias causas ou características de defeitos, falhas. O número ou custos dessas causas ou fenômenos são mostrados em ordem decrescente através de barras de tamanhos diferentes. 4 Histograma São gráficos de barras que mostram a variação sobre uma faixa específica. Permite uma visão geral da variação de um conjunto de dados. 5 Brainstorm Identificar e solucionar os problemas, onde um grupo de pessoas em face ao um tema exposto, busca respostas através de livre associação de pensamento. 6 Diagrama de Fluxo ou Fluxograma 7 Gráfico de Controle É um resumo ilustrativo do fluxo das várias operações de um processo. Este documenta um processo, mostrando todas as suas etapas Verificar se o processo está ou não sob controle, observar as mudanças dentro do processo, e informar como o processo está se comportando. Controle e acompanhamento do processo de produção, análise das NC e inspeção. Facilitar a obtenção e análise dos dados, dispor os dados de uma forma mais organizada, verificar itens defeituosos e sua percentagem, servir de base para construir : diagrama de Pareto, diagrama de dispersão, diagrama de controle, histograma, etc. Usados para correta e objetivamente identificar os problemas mais importantes, e esclarecer as metas de ataque nas atividades de solução de problemas. Verificar o número de produto não-conforme, determinar a dispersão dos valores de medidas em peças, analisar processos que necessitam ações corretivas, encontrar e mostrar através de gráfico o número de unidade por cada categoria Obter o maior número possível de sugestões, para fazer posteriormente o julgamento. Conhecimento do processo, Identificação das fronteiras do processo, documentação de cada etapa do processo, Verificação do descumprimento ou elaboração incorreta de alguma etapa do processo. Verificar se o processo está sob controle, controlar a variabilidade do processo. Quadro 1 Ferramentas da Qualidade. Fonte: Caraiola (2001)

6 5. ETAPAS DA PROPOSTA DE MELHORIA Fundamentado na teoria propõem-se uma sistemática (quadro 2) para a exploração das NC. ETAPA DESCRIÇÃO 1 Coletar e análisar os dados Coletar, identificar e priorizar os dados internos da empresa. 2 Avaliar os dados Identificar falhas e melhorias. 3 Propor melhorias Através de observação, entrevistas e análise dos dados, são propostas melhorias. Quadro 2 Sistemática proposta Sendo a sistemática proposta utilizada em uma pesquisa-ação em uma empresa. 6. PESQUISA-AÇÃO NA EMPRESA O nome da empresa será ocultado, pois o foco desse trabalho é a exploração das NC. A empresa foi constituída em 1991, desde agosto de 2003 é certificada pela Norma ISO 9001:2000. Possui cerca de 130 funcionários e oferece uma diversidade de 56 tipos de produtos diferentes, mais os fabricados sobre encomenda, produzindo uma média de 8 produtos por dia. A empresa possue participação em 20 países e vem aumentando suas exportações a cada ano. De acordo com a classificação do IBGE Estrutura Produtiva Industrial Brasileira, 2005 (tabela 3) a empresa se encaixa na denominação média empresa. CATEGORIA N FUNCIONÁRIOS VOLUME BALANÇO TOTAL NEGÓCIOS Médias Empresas < 250 = 18 milhões reais = 15 milhões reais Pequenas Empresas < 50 = 3,6 milhões reais = 3,6 milhões reais Micro Empresas < 15 = 727 mil reais = 727 mil reais Tabela 3 Definição de micro, pequena e média empresa Nos últimos três anos a empresa tem demonstrado um crescimento rápido e acentuado, média de 50% ao ano, triplicando o seu faturamento (gráfico 1).

7 FATURAMENTO COMPARATIVO R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ 0,00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Gráfico 1 Faturamento da Fábrica Devido ao alto crescimento, há uma necessidade da empresa a reestruturar-se e redefinir suas estratégias. Este trabalho é um importante passo para uma auto-avaliação do Sistema de Gestão, mais especificamente do tratamento dado as NC, sendo uma forma eficaz de avaliar a atual situação da empresa, redefinir métodos de coleta, avaliação e controle de dados Coleta de dados A base do controle é constituída por dados e informações acurados. Kaoru Ishikawa (1993). Para a coleta de dados, analisou-se os RNC cuja amostra corresponde aos relatórios do período entre novembro de 2005 a agosto de Estes relatórios são numerados de maneira seqüencial, e totalizam 69 NC. Os dados coletados foram dispostos em um quadro (quadro 4), no sentido de padronizar a tabulação dos dados auxiliando numa análise posterior. RNC NC DATA CORREÇÃO Número da NC Descrição da NC A data da ocorrência da NC 229 Dois carros gaiolas foram enviados errados para o cliente. Medida tomada para a eliminação imediata da NC 11/11/2005 Envio dos carros gaiolas novas e sua substituição

8 ANÁLISE DAS CAUSAS AÇÃO PLANEJADAS DATA (AÇÃO) STATUS Estudo das causas da NC A Ordem de Montagem foi preenchida errada Ações planejadas para eliminar as causas da NC Cadastras as Ordem de Montagem no sistema. Data do início das ações planejadas Se a NC encontra-se aberto ou encerrada 15/11/2005 Encerrado VERIFICAÇÃO DA EFICÁCIA Contatação se as ações foram eficases DIFERENÇA DAS DATAS DE AÇÃO E VERIFICAÇÃO Diferença entre as datas para verificar a eficácia ORIGEM LOCALIZAÇÃO De onde a NC originou-se Onde a NC foi encontrada 16/02/2006 Eficaz 3 meses Processo Cliente Quadro 4 Relatório de Não Conformidade (RNC) No intuito de diminuir o número de NC, decidiu-se priorizar as NC de maior freqüência. Para isso fez-se o uso de ferramentas da qualidade, estratificação e gráfico de pareto. As NC foram dividas em setores, isto é, setor responsável pela NC (Origem), como já é indicado no relatório. A partir dessa estratificação foi feita uma tabulação da incidência das NC em cada setor, (gráfico 2). 40% 30% 20% 10% Porcentagem das Não Conformidades 0% Processo Qualidade Outros Gráfico 2 Estratificação das Não Conformidades por setores Apesar das NC referentes a qualidade terem uma porcentagem relevante para análise, o setor de processo será priorizado, devido a alguns fatores: Processo apresenta maior porcentagem. 60% das NC de qualidade provem de auditoria interna e foram abertas devido a NC com documentos referentes a Norma ISO , e não estão diretamente vinculadas ao cliente como o processo em si. Indicadores de controle da qualidade mostram um alto índice de NC no processo, (gráfico 3). Procurando diminuir a incidência das NC, o processo será setor onde as análises e as propostas de melhoria serão feitas.

9 Mello, et al (2002) definem que processo é o conjunto de atividades vinculadas que tomam um insumo (entrada) e o transformam para criar um resultado (saída). Teoricamente, a transformação que nele ocorre deve adicionar valor e criar um resultado que seja mais útil e eficaz ao recebedor acima ou abaixo da cadeia produtiva. De acordo com a divisão por setores no RNC (Origem), processo compreende desde a entrada de matéria-prima ou subprodutos dos fornecedores na linha de produção (entrada) até a utilização do produto pelo cliente (saída). Analisando somente os RNC referentes ao processo, observou-se que as NC podem ser divididas conforme sua localização, onde foi encontrada, e isso ajudaria no direcionamento de novas fontes de informações. As NC de processo podem ser encontradas no processo interno ou no cliente. Um estudo mais aprofundado pode ser feito em uma das duas vertentes, pois ambas apresentam dados complementares que não são encontrados nos RNC, o diário de bordo e a ordem de serviço são respectivamente fontes de dados para NC encontradas no processo interno e no cliente. Entrando no aspecto micro do sistema de gestão, será feita uma análise mais detalhada dos controles de qualidade. Será feito um estudo das NC referentes ao processo interno, pois: Controlando as NC referentes ao processo interno, garantimos que muitas NC não cheguem até o cliente. O processo interno apresenta um índice alto de NC por produtos produzido, (gráfico 3). Existe uma maior porcentagem de incidência das NC no processo interno, 60%. 80,00% Controle de Defeitos 70,00% 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% REALIZADO META 20,00% 10,00% 0,00% NOV 05 DEZ 05 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO Gráfico 3 Porcentagem de defeitos por produtos produzidos

10 Produção N de Produtos NOV 05 DEZ 05 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO Gráfico 4 Quantidades de Produtos Produzidos Diário de bordo. É um relatório de controle de produto não conforme, realizado ao final do processo produtivo para cada produto. O responsável pelo seu preenchimento, o inspetor da qualidade, verifica se há ocorrência de defeitos e descreve os defeitos conforme a sua interpretação. Ele verifica também o preenchimento dos itens de controle da qualidade, que são check-list provindo de cada etapa do processo: corte, dobra, acabamento, montagem inicial e montagem final. Trabalhando-se com uma amostra de seis meses, de março a agosto de 2006, pois o diário de bordo começou a ser utilizado em março de 2006, foram tabulados 359 NC. Sendo o diário de bordo preenchido livremente pelo inspetor da qualidade, este fica sujeito a falta de padronização e a subjetividade, dificultando na sua análise e interpretação. A maior dificuldade encontrada é um mesmo defeito escrito de forma diferente, dificultando na estratificação e priorização. Para solucionar esse problema, foi feito um processo de investigação dentro dos defeitos e juntamente com o inspetor da qualidade foi-se agrupado os defeitos de mesma natureza. Com essa medida e com o auxílio do Gráfico de Pareto, priorizou-se os defeitos que ocorrem com maior freqüência, (quadro-5). Quadro 5 Pareto das NC do processo interno Não Conformidade Freqüência Porcentagem Check list sem preencher 21 5,85% Caixa externa riscada 20 5,57% Vidro rebatível desregulado 18 5,01% Vidro externo riscado 17 4,74% Marcas de queimado na caixa 16 4,46% Porta amassada 13 3,62% Bordas cortantes 12 3,34% Forno com rebarba 11 3,06% Porta riscada 9 2,51% Falta adesivo Controle da Qualidade 9 2,51% Painel riscado 8 2,23% Somatória ,90% Total das NC s ,00%

11 De acordo com a tabela, pode-se analisar a severidade dos defeitos, sendo defeitos ou falhas simples, de fácil solução. Porém eles repetiram-se ao longo dos seis meses e são responsáveis por 42,90% dos defeitos encontrados, causando atrasos na entrega, parada da linha, retrabalho, refugo e isso leva a conclusão que os defeitos simples tornaram-se NC e devem ser inseridos no RNC e não serem somente apontados Avaliação Relatório de Não-Conformidade (NC). Durante a análise das informações contidas no relatório, foram encontrados problemas referentes a disposição dos dados: Alguns não possuem a verificação da eficácia das ações. A verificação dos resultados das ações planejadas não possui credibilidade quanto a sua eficácia, pois não existe uma sistemática para o controle e avaliação. Somente é a avaliado se dentro de uma média de três a quatro meses não houve reincidência da NC, sendo a NC registrada de acordo com o bom senso do responsável. Falta e/ou confusão na análise das causas e conseqüentemente na determinação das ações planejadas. Falta de padronização na descrição da NC, sendo uma mesma NC descrita com nomes diferentes. Não foi encontrado nenhuma NC potencial aberta. Um RNC é aberto conforme a reincidência de uma NC percebida por um responsável, sem comprovação por dados, somente pelo bom senso. Dificuldade em identificar a origem da NC, pois não existe um mapa de processo para todos os setores, dificultando a determinação das entradas e saídas do processo e quando começa um processo e termina o outro. Diário de Bordo. O diário de bordo é a fonte de dados mais real e atual do processo interno da empresa, sendo recolhido diretamente da linha, porém alguns problemas diminuem sua eficiência: Falta a análise dos dados. Elaboração de uma sistemática para a busca pela causa das NC, não somente sua correção. Falta de padronização na descrição da NC. Somente o inspetor da qualidade conhece o processo da garantia da qualidade do produto, não existindo uma forma documentada de execução. 7. PROPOSTA DE MELHORIA Para um funcionamento eficaz do Sistema de Gestão no tratamento das NC, deve-se realizar melhorias de ordem estrutural no tratamento das informações. Propõem-se uma inserção dos defeitos ou falhas de maior incidência encontrados no Diário de Bordo no RNC. Os envolvidos no processo: operadores da linha, responsáveis pelo controle da qualidade através do preenchimento do check-list e o inspetor da qualidade, responsável pela garantia da qualidade; devem receber treinamento para executar suas funções de acordo com instruções determinadas pela engenharia, que garantam que eles não estejam fazendo o trabalho de maneira própria e que exista uma ordem na forma de execução. Um problema de ordem estrutural, que é causado pelo acentuado crescimento da empresa, é a falta da definição dos limites dos processos, dificultando em determinar a origem das NC, pois não se conhece as entradas e as saídas de cada setor, dificultando na resolução das NC.

12 7.1. Redução das NC A média da porcentagem de ocorrência de NC por produto é de 49%, sendo que a meta da empresa é de 10% (gráfico 3). Uma forma eficiente de redução e controle das NC é a implantação de uma sistemática para coleta, análise e controle das NC. Um instrumento eficaz é o RNC, pois como já foi dito, ele apresenta em passos as medidas a serem tomadas para a solução das NC. Porém não existe uma sistemática para o registro das NC no RNC, sendo elas registradas conforme a subjetividade dos funcionários. E sendo o diário de bordo uma fonte segura, real de informação, propõem-se a abertura do RNC para as NC com maior índice de freqüência, aquelas que tornaram-se críticas no diário de bordo. Ex.: As 11 NC que representam 42,90% seriam abertas no RNC. Essa sistemática (figura 2) se auto-regulará, pois ela padronizará as NC de maior freqüência geradas pelo diário de bordo, auxiliando na priorização e no controle das NC, e inserindo as novas NC padronizadas quando necessário. Até que o sistema consiga montar uma amostra de NC padronizadas, que auxiliará na montagem do diário de bordo, evitando a subjetividade, e na construção do Diagrama de Ishikawa, facilitando a determinação das causas. Isso seria de vital importância no ambiente de mudanças onde a empresa está inserida. PROCESSO INTERNO NC NÃO PROCESSO CONTROLADO NÃO SIM >3MESES NC EXISTENTES CONTROLE INCIDÊNCIA? RPNC ENCERRADA 1 NÃO EXISTENTE? PADRONIZAÇÃO/ PARETO SIM 2 NC EXISTENTES %OCORR ÊNCIA? BAIXA EXISTENTE? ALTA SIM DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS Figura 2 Fluxograma para resolução de NC no processo interno

13 Legenda: 1-) Verificação da eficácia das ações. As novas NC do processo interno serão comparadas com as já existentes, e dentre as já existentes aquelas que não são reincidentes a mais de três meses serão fechadas e sua eficácia concluída. 2-) Redefinição das causas. Dentre as novas NC do processo interno, sendo elas já existentes, será feita uma nova avaliação de suas causas. O fluxograma pode servir de base para o desenvolvimento de um programa de software para coleta, análise e controle de dados. Nessa sistemática pode ser colocada no lugar do Processo Interno (diário de bordo) a Assistência Técnica ao cliente (Ordem de Serviço) para a ajuda na garantia da qualidade no processo, padronização das NC e o futuro desenvolvimento de uma árvore de falhas para cada produto e seus subsistemas. Com o giro da sistemática procura-se reduzir a porcentagem das NC para 10%, conforme a meta estipulada pela empresa (gráfico 4). 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% MAI JUN JUL AGO Porcentagem NC Média Gráfico 5 Proposta de redução da NC 8. CONCLUSÕES O estudo e a análise dos RNC possibilitaram uma avaliação do sistema de gestão da qualidade no tratamento das NC, identificando: Problemas na coleta e tratamento das informações, Falta de padronização na utilização do relatório. Deficiência na verificação da eficácia das ações. Dificuldade em determinar a origem da NC. Possibilidade de incorporar novas fontes de informações. A possibilidade de utilização de novas fontes de informações para complementar o RNC foi possível através de um estudo estatístico que demonstrou a grande incidência de alguns defeitos no relatório de produtos não conforme, o diário de bordo. Alguns defeitos tornaramse crônicos e deixaram de ser simples e passaram a serem determinados como NC e incluídos no RNC.

14 Foi possível a elaboração de uma proposta de melhoria no setor com a maior incidência de NC na empresa, as NC encontradas no processo interno, e foi desenvolvido uma sistemática para coleta, análise e armazenamento das informações, que visam a diminuição da incidência das NC, que causam paradas na linha, retrabalho, refugo, atraso nas entregas. A abrangência das NC registradas no RNC, compreendendo NC de todos os setores da empresa, possibilitam uma visão geral do funcionamento da empresa. Através dos dados da empresa ficou evidente que seu crescimento acentuado, acarretou problemas de ordem estrutural, sendo que nos últimos 3 anos a empresa apresentou um crescimento rápido e acentuado, média de 50% ao ano, triplicando seu faturamento. E um dos problemas é a dificuldade de encontrar a real origem das NC, decorrente do crescimento e definição de novos setores, não se conhece os limites dos processos, dificultando o conhecimento das entradas e saídas de cada processo e o seu interligamento. Outro problema refere-se a falta de descrição dos procedimentos ou instruções documentadas, dando liberdade para e execução das tarefas sem um método definido, dificultando na análise das NC. Nos dias de hoje a maioria das médias empresas são certificadas, já possuem um sistema de gestão, e isso facilita em muito para a coleta de dados, devido a organização na documentação, disposição e coleta de índices. A proposta deste trabalho mostra-se viável de aplicações em qualquer empresa que possua um Sistema de Gestão da Qualidade implementado, realizando-se uma análise dos RNC, avaliando o sistema de gestão da qualidade no tratamento das NC e a situação atual da empresa. REFERÊNCIA ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2000, NBR ISO 9000 Sistema de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2000, NBR ISO 9001:200 Sistema de Gestão da Qualidade Requisitos. Amaro, Meiriane Nunes & Paiva, Silvia Maria Caldeira. Situação das Micro e Pequenas Empresas Consultoria Legislativa, São Paulo, 02 de abril de Campos, V. F., 1992, TQC - Controle da Qualidade Total (No estilo japonês), 8 Edição. Caraiola, J. A. (2001), Gerenciamento da rotina: uma metodologia de aplicação da ferramentas da qualidade em uma disciplina específica do curso superior de tecnologia em eletrotécnica. Dissertação para Mestrado em Engenharia de Produção e Sistemas- UFSC. Florianópolis. Corrêa J. G. ; Turrioni J. B. (2006), Análise da Adequação da Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Conforme a NBR ISO 9001 em uma Instituição Federal de Ensino Superior. Dissertação de Mestrado em Engenharia, especialidade Engenharia de Produção UNIEI. Itajubá. Ishikawa, K., 1993, Controle de Qualidade Total: à Maneira Japonesa, Editora Campos. Rio de Janeiro. Mello, C.H.P.; et al. ISO 9001: 2000 Sistema de Gestão da Qualidade para Operações de Produção e Serviço. São Paulo: Atlas, Rudio, F. V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis: Vozes, Silva, H. L. (1997), Planejamento Baseado em Casos Aplicado na Resolução de Não- Conformidades (NC) Ambientais no Ciclo de Vida de Produtos, Processos e Serviços. Trabalho de Doutorado em Engenharia, especialidade Engenharia de Produção UFSC. Florianópolis. Williams, R. L. Como Implementar a Qualidade Total na sua Empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX Denominação: Tratamento de não conformidades, ações corretivas e preventivas PG.SMS.015 SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática utilizada na identificação, registro e

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução Considerações iniciais Qualidade: Grau de perfeição, de precisão, de conformidade a um certo padrão. É conceito multidimensional, isto é, o cliente avalia a qualidade

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Gerenciamento do dia a dia

Gerenciamento do dia a dia CICLO DO PDCA Gerenciamento do dia a dia O Gerenciamento tem como premissa contribuir para melhorar cada vez mais os processos, permitindo que as lideranças e as equipes de trabalho realizem uma análise

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA TÍTULO: INSPEÇÃO E RASTREABILIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles.

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

Procedimentos Para se Criar um Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimentos Para se Criar um Sistema de Gestão da Qualidade Procedimentos Para se Criar um Sistema de Gestão da Qualidade Your Name Elaine G.M de Figueiredo Your Title Universidade Your Organization Federal do (Line Pará #1) 2005-12-31 Qualidade de Software Your

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO COMO BASE DA AÇÃO COMERCIAL DE PEQUENAS EMPRESAS DE TI

MODELO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO COMO BASE DA AÇÃO COMERCIAL DE PEQUENAS EMPRESAS DE TI MODELO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO COMO BASE DA AÇÃO COMERCIAL DE PEQUENAS EMPRESAS DE TI Lina Krafta Proposta de Dissertação de Mestrado Orientador: Prof. Dr. Henrique Freitas Porto Alegre, 21 de Dezembro

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Tatiane Goulart OLIVEIRA ¹; Estefânia Paula da SILVA²; Rodrigo Herman

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme Gestão de Qualidade Alunos: Bruna Bastos Bruno Avelar Giacomini

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Sistemas de Indicadores de Desempenho

Sistemas de Indicadores de Desempenho Sistemas de Indicadores de Desempenho Aula 11 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Indicadores Indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Ferramentas da Qualidade Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br ABORDAGENS DA QUALIDADE ABORDAGENS DA QUALIDADE Desde que a Qualidade se tornou um atributo do processo produtivo, ela vem sendo

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5.1 INTRODUÇÃO Todas as pessoas convivem sob a sombra da palavra qualidade. Não é para menos, a qualidade tornou-se alicerce fundamental para as organizações, onde ganhou destaque

Leia mais

Profº Adilson Spim 09/09/2012

Profº Adilson Spim 09/09/2012 Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 Princípios e Requisitos Por que Qualidade e ISO 9000? Conquistar e manter mercados; Reduzir desperdícios. Gestão da Qualidade Atendimento de requisitos e redução de desperdícios

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

TRATAMENTO DAS NÃO CONFORMIDADES III OFICINA HEMOBRÁS CONTROLE DA QUALIDADE. Fluxos mais apropriados

TRATAMENTO DAS NÃO CONFORMIDADES III OFICINA HEMOBRÁS CONTROLE DA QUALIDADE. Fluxos mais apropriados TRATAMENTO DAS NÃO CONFORMIDADES III OFICINA HEMOBRÁS CONTROLE DA QUALIDADE Fluxos mais apropriados PREMISSAS A tendência natural de todos os processos é vigorar em estado caótico e não controlado. Tudo

Leia mais

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1 Certificação NBR Requisitos A partir da versão 1994, a série ISO 9000 passou a ser conhecida como família ISO 9000 ; leva em conta duas situações, a contratual e não contratual; Para a situação não contratual

Leia mais

24/02/2015 GESTÃO DA QUALIDADE. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

24/02/2015 GESTÃO DA QUALIDADE. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I GESTÃO DA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I 1 (JURAN, 1992:9) "Qualidade é ausência de deficiências" ou seja, quanto menos defeitos,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Relatório do Planejamento Estratégico 2012-2015

Relatório do Planejamento Estratégico 2012-2015 Relatório do Planejamento Estratégico 2012-2015 Revisão 02 Março/2012 ELABORAÇÃO: FACILITADOR: Franklin Moura Peterli frankvixp@vilaconsultoria.com (27) 3334-5754 (27) 9975-8186 1 Proposta de trabalho

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Fundamentos da Qualidade

Fundamentos da Qualidade Fundamentos da Qualidade Luiz Carlos Monteiro Gerente da Divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade Quando surgiu a qualidade? Quando o Homem sente necessidades e cria expectativas. O que é qualidade?

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS 2009 GRUPO SAINT-GOBAIN Tradição, Qualidade, Inovação e Liderança Fundada em 1665 na França, a Saint-Gobain começou como empresa inovadora em fabricação de

Leia mais