SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, UM NOVO DESAFIO PARA AS EMPRESAS DO COREDE ALTO DO JACUÍ.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, UM NOVO DESAFIO PARA AS EMPRESAS DO COREDE ALTO DO JACUÍ."

Transcrição

1 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, UM NOVO DESAFIO PARA AS EMPRESAS DO COREDE ALTO DO JACUÍ.. Enedina Maria Teixeira da Silva, docente do curso de Ciências Econômicas - Universidade de Cruz Alta, Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria - End.: Rua Daltro Filho 2 CEP: Cruz Alta RS Brasil. Fone: xx Silvia Regina Sasso Macagnan, docente do Curso de Ciências Econômicas - Universidade de Cruz Alta, Mestre pela UNIJUÍ - End.: Travessa Oscar Pinto 6 Cruz Alta RS Brasil. Fone: xx Adriano Christ Guma, discente do Curso de Ciências Econômicas - Universidade de Cruz Alta, End.: Rua Daltro Filho 2 CEP: Cruz Alta RS Brasil. Fone: xx E- mail: Claudete Trevisan da Silva, Programa de Pós-Graduação em Administração Universidade Federal de Santa Maria, Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria e mestranda o Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Santa Maria - End.: Benjamin Constant 6 apto. 6 CEP: Santa Maria RS Brasil Fone: xx RESUMO Este estudo visa subsidiar os formuladores de políticas e tomadores de decisão e empresas, na identificação de oportunidades de melhoria. Com o objetivo de identificar empresas que na intenção de fortalecer sua atuação estejam adotando estratégias visando incrementar a eficiência dos processos de gestão ambiental. A região avaliada é o COREDE Alto Jacuí, localizado no noroeste do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil. Escolheu-se essa região por se destacar pela excelente produtividade em grãos, o que a torna uma referência para qualquer investimento, que deverá ser elaborado considerando um Sistema de Gestão Ambiental. Foram remetidos duzentos e setenta questionários, para todas as indústrias constantes da base de dados das Associações Comerciais e Industriais destes municípios. Obteve-se um retorno de,2%, de questionários que faz parte da pesquisa analisada quantitativamente e apresentando-se os dados em gráficos e utilizando o programa SPSS como ferramenta de trabalho. De acordo com os resultados apresentados e as condições de realização da pesquisa, verifica-se algumas constatações: as indústrias não estão realizando atividades relacionadas à proteção do meio ambiente e ao desenvolvimento sustentável, nem mesmo para fortalecer sua atuação no mercado; existe um receio muito grande dos empresários em responderem questões relacionadas a procedimentos de Gestão ambiental; as razões que ainda levam algumas empresas a adoção de práticas de Gestão Ambiental são as exigências legais e a redução de custos; não existe um eminente apoio e participação de órgãos ambientais nas atividades das empresas, e o relacionamento com estes órgãos se estabelece por conta do processo de licenciamento; existem sérios problemas quanto à fiscalização do cumprimento da legislação e também constata-se a falta de aproximação de órgãos públicos como difusores de sustentabilidade ambiental; com relação ao controle e monitoramento, os registros são muito precários e um percentual muito pequeno de empresas do COREDE Alto Jacuí demonstra algum conhecimento de iniciativas ambientais, e esta desinformação está vinculada à falta de participação de entidades públicas, universidades, ONGs e demais instituições que possam levar conhecimento ao empresário. Palavras-chave: gestão ambiental, indústria, sustentabilidade. INTRODUÇÃO Neste início de século as empresas e suas respectivas indústrias buscam a interação com o social e meio ambiente nos quais estão inseridos, recebendo influências e influenciando o mesmo, como aponta DONAIRE (99, p.6) que a empresa deve reconhecer que sua responsabilidade para com a sociedade vai muito além de suas responsabilidades com os seus clientes. A conscientização e a exigência da sociedade sobre os impactos negativos resultantes das atividades desenvolvidas pelas empresas tem feito com que as responsabilidades sociais e

2 2 ambientais sejam vistas não só como um dever, mas também como um processo de sobrevivência das empresas. De acordo com MAIMON (99, p.): (...) a expansão do movimento ambientalista, que vem adquirindo uma considerável experiência técnica e organização política, seja no endosso de produtos ecológicos, na elaboração e avaliação dos EIAs/RIMAs, na assistência e difusão de tecnologias alternativas, etc. desta forma, o movimento ambientalista vem se profissionalizando, adicionando à antiga postura de denuncia, à formação de recursos humanos e a implantação de projetos demonstrativos que privilegiam o desenvolvimento sustentado. Para caracterizar o desenvolvimento sustentado a empresa deve, conforme a visão de VALLE (99, p.), atender às necessidades da geração atual sem comprometer o direito das futuras gerações atenderem a suas próprias necessidades, mas quando fazemos um retrospecto e estudamos as teorias aplicadas à administração das organizações, não observamos a preocupação com o meio ambiente, mas somente a preocupação com a produtividade econômica. Desde 9 a ciência administrativa, através das teorias, procura desenvolver estudos para explicar comportamentos e buscar aprimorar a arte do gerenciamento em prol de um objetivo comum produtividade. Dentro deste contexto este objetivo será alcançado pelo incremento da produção e conseqüentemente incentivo ao consumo. No entanto, algumas teorias procuraram enfatizar a questão dos trabalhadores, conciliando os objetivos das organizações com os interesses dos indivíduos, procurando inserí-los como partes atuantes e interessadas no sistema. Sendo assim, até a década de 96 a busca pelo progresso levou nações, a crerem no caráter quase que ilimitado da industrialização. A sua condição progressista dependia do nível quantitativo de sua produção, sem levar em conta a qualidade e o tipo de distribuição social desta produção. Desde a época da teoria de Taylor nunca houve uma preocupação dentro da ciência administrativa com a distribuição da produção tecnológica de caráter sócio-econômico visando o meio ambiente, já que os produtos gerados industrialmente não desaparecem após esgotarem o seu uso. De acordo com as leis de conservação da matéria, todo produto gerado transforma-se com o tempo em resíduo que será lançado ao meio ambiente. A pobreza e a degradação do meio ambiente estão estreitamente relacionadas. Enquanto a pobreza tem como resultado determinados tipos de pressão ambiental, as principais causas da deterioração ininterrupta do meio ambiente mundial são os padrões insustentáveis de consumo e produção, especialmente nos países industrializados. Motivo de séria preocupação, tais padrões de consumo e produção provocam o agravamento da pobreza e dos desequilíbrios. Ao mesmo tempo, a sociedade precisa desenvolver formas eficazes de lidar com o problema da eliminação de um volume cada vez maior de resíduos. O Poder Público juntamente com a indústria, as famílias e o público em geral, devem envidar um esforço conjunto para reduzir a geração de resíduos e de produtos. Na abordagem destes problemas, RUPPENTHAL (2, p. ), coloca que: (...) surgem nas sociedades, a partir da última década, uma vigorosa contestação ambientalista que coloca em cheque o paradigma atual, fundamentado no pensamento econômico neoclássico de acumulação de bens materiais, de alta lucratividade e de dominação e degradação sócio-ambiental. Baseando-se na observação da realidade e na percepção da necessidade de mudança nas relações entre o homem e natureza propõe-se um novo modelo fundamentado no equilíbrio entre a exploração dos recursos naturais e o desenvolvimento econômico. No bojo deste movimento nasce o conceito de Desenvolvimento Sustentável, introduzindo novos valores nas relações existentes até então e propondo um progresso econômico baseado em tecnologias limpas e utilizando racionalmente as fontes de matéria-prima. Surge então, em detrimento da necessidade de mudanças, dentro das organizações o Sistema de Gestão Ambiental. Conforme CUELLAR (2, p.3) Entenda-se por gestão ecológica a administração sistemática não mecanicista que, utilizando-se da ferramenta de melhoria contínua, objetiva uma convivência harmoniosa entre a sociedade e a natureza, aumentando a qualidade de vida da

3 3 população. A NBR ISO International Organization for Standartization - (996), Sistemas de gestão ambiental Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio, descreve os elementos de um SGA (Sistemas de Gestão Ambiental) e apresenta orientação prática para sua implementação ou seu aprimoramento. Além disso, orienta as organizações como efetivamente iniciar, aprimorar e manter um sistema de gestão ambiental. Tal sistema é essencial para capacitar uma organização a antecipar e entender seus objetivos ambientais e assegurar o contínuo cumprimento das exigências nacionais e internacionais. Neste sentido, CAMPUS (996, p.) coloca que... a noção de meio ambiente como fator restritivo deu lugar a noção de meio ambiente como parceiro. E, ainda,...o marketing ecológico passou a ser o compromisso e obrigação das empresas que pretendem continuar ou tornar-se modernas e competitivas. O sistema de gestão ambiental proporciona um processo para o alcance de melhorias contínuas, sendo a prioridade e a meta a ser atingida, determinada pela empresa de acordo com sua situação econômica e outras circunstâncias. Contudo, algumas melhorias no desempenho ambiental podem ser esperadas, em função do sistema de gestão ambiental ser uma ferramenta que permite à organização alcançar e sistematicamente controlar o nível de desempenho ambiental por ela definido. Conforme VALLE (99, p.2) O estabelecimento e operação de um sistema de gestão ambiental não irá, em si, necessariamente, resultar em uma redução imediata de impacto ambiental. As empresas ao adotarem um Sistema de Gestão Ambiental, estabelecem uma boa relação com a comunidade, reduzem os passivos e riscos ambientais. Portanto, a Gestão Ambiental tornou-se neste início de século uma importante ferramenta de modernização e competitividade para as empresas brasileiras. Qualidade e produtividade continuam sendo fatores importantes para o sucesso em um mercado globalizado, porém não mais suficientes. Outro atributo torna-se imprescindível, a competitividade. Um produto torna-se competitivo por diminuição dos desperdícios e racionalidade no processo de produção. O melhor gerenciamento dos insumos de produção como água, energia, trabalho e matérias-primas, resulta em eficiência para o processo, competitividade para o produto, lucro para a empresa e benefício ao meio ambiente. Essa metodologia de abordagem técnica, econômica e ambiental, aplicada a processos e produtos consiste na produção mais limpa, hoje reconhecida mundialmente como um caminho para o desenvolvimento sustentável. Segundo KUPFER & HASENCLEVER ( 22 p. ) Embora a experiência brasileira, especialmente em alguns estados do sudeste e sul, possa ser considerada como avançada se comparada com outros países latino-americanos, o modelo de gestão resultou em avanços limitados no controle da poluição e outras formas de degradação. Problemas importantes permanecem sem solução e, se comparados com padrões de países desenvolvidos, os indicadores de qualidade ambiental no Brasil ainda estão bastante abaixo do satisfatório. A ascensão das questões ambientais até o status de instrumento gerencial procura suplementar a abordagem de comando e controle, que desde a sua introdução, há quase duas décadas, vem sendo a única estratégia para garantir alguma qualidade ambiental no país. Um Sistema de Gestão Ambiental corresponde a um conjunto inter-relacionado de políticas, práticas e procedimentos organizacionais, técnicos e administrativos de uma empresa que objetiva um melhor desempenho ambiental, bem como controle e redução dos seus impactos ambientais, o que poderá ser constatado através de um diagnóstico da situação e práticas de desempenho ambiental. Segundo ROVERE (2) Desempenho Ambiental consiste em resultados mensuráveis da gestão de aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços de uma organização. A informação obtida nesta pesquisa servirá como suporte para ações decisórias, considerando alguns pontos: A disponibilidade de informações permite aos decisores conhecer a realidade local, possibilitando desenvolver linhas de base para acompanhamento e monitoramento da

4 resposta geral da empresa ao desafio ambiental e, o que é mais importante, pode ser usada para identificar as oportunidades de melhoria. A informação servirá como suporte básico para a ação, sendo fator de dinamização e aprimoramento do planejamento, na medida em que possibilita acompanhar, controlar e avaliar a execução de planos, programas e projetos, eliminar as possíveis distorções e se necessário, reorientar o esforço para atingir o resultado desejado. A disponibilidade de informações oportunas permite aos decisores uma melhor e mais ágil identificação de alternativas de alocação de recursos. Dentro deste contexto o sistema de informações, resultado deste trabalho é visto como um instrumento que além de agente gerador de dados é uma necessidade básica às ações de planejamento para conhecer o que deve ser feito para assegurar comprometimento e definir a Política Ambiental, ou revisar e aperfeiçoar a Política Ambiental. A região a ser pesquisada é o COREDE Alto Jacuí, escolheu-se essa região por se destacar pela excelente produtividade em grãos, o que a torna uma referência para qualquer investimento, e este deverá ser elaborado considerando um Sistema de Gestão Ambiental. Ainda como justificativa, há que se mencionar que um Sistema de Gestão Ambiental constitui a estratégia para que o empresário, em um processo de melhoria contínua, identifique oportunidades de melhorias que reduzam os impactos das atividades da empresa sobre o meio ambiente, melhorando, simultaneamente, sua situação no mercado e suas possibilidades de sucesso. Entretanto, As questões relativas à conservação ambiental ocupam hoje uma significativa parcela dos investimentos e esforços administrativos de todos os segmentos da atividade econômica. REIS (99). Como objetivo da pesquisa tem-se, a identificação de empresas que na intenção de fortalecer sua atuação estão adotando estratégias variadas visando incrementar a eficiência dos processos de gestão ambiental e buscando reduzir os impactos ambientais associados à produção de bens e seus serviços associados. METODOLOGIA No homem o desejo do saber é inato e é na busca incessante da verdade pelo conhecimento que procuramos interpretações e respostas às interrogações sobre o sistema universal. Segundo Gil (22, p.3), A ciência tem como objetivo fundamental proporcionar a verdade acerca dos fatos. Nesse sentido, ela não se distingue de outras formas de conhecimento. O que torna, porém, o conhecimento científico distinto dos demais é principalmente sua demonstrabilidade ou verificabilidade. Para que um conhecimento seja considerado científico, é necessário identificar o método que possibilitou esse conhecimento, portanto o método confere cientificidade à pesquisa. Ainda de acordo com Gil (22, p. 3), Etimologicamente, método significa caminho para se chegar a um fim. Assim, método científico pode ser entendido como caminho para se chegar à verdade em ciência ou como o conjunto de procedimentos que ordenam o pensamento e esclarecem acerca dos meios adequados para se chegar ao conhecimento. O estudo realizado segue estes procedimentos, sendo que o método de abordagem é o dedutivo procurando demonstrar e justificar. O procedimento técnico foi o método observacional por meio de interrogação questionário. Segundo Gil (22), o método dedutivo parte do reconhecimento e chega a conclusões de maneira formal em virtude de sua lógica. A pesquisa tem por finalidade responder a indagações e questões que existem no conhecimento humano, operacionalizando o método científico.

5 Assim, segundo Gil (22, p.6) pode-se definir pesquisa econômica como o processo que visa mediante a utilização de métodos científicos, fornecer respostas para os problemas referentes à produção, distribuição, acumulação e consumo de bens materiais. Para conhecer a contribuição científica sobre o assunto foi realizada uma pesquisa bibliográfica e uma pesquisa aplicada, para investigar a relação entre as indústrias e a questão ambiental. Sem coleta de dados não existe pesquisa científica. Neste trabalho a unidade de investigação foi empresas industriais, considerando-se indústria a empresa que modifica matériaprima. O instrumento de pesquisa utilizado foi um questionário com quinze perguntas enviadas através de vale postal, para todas as indústrias do Corede Alto Jacuí, com retorno espontâneo. Utilizou-se como base cadastral uma relação de indústrias com respectivo endereço fornecida pelo COREDE Alto Jacuí, obtida junto a Associação Comercial e Industrial de cada município integrante do referido COREDE. Conforme Gil (22, p. 37), o questionário é uma técnica de coleta de dados que consiste em um rol de questões propostas por escrito às pessoas que estão sendo pesquisadas. Os municípios do COREDE Alto Jacuí são os seguintes: Cruz Alta, Boa Vista do Cadeado, Santa Bárbara do Sul, Saldanha Marinho, Colorado, Não-Me-Toque, Vitor Graef, Lagoa dos três Cantos, Mormaço, Tapera, Selbach, Ibirubá, de novembro, Alto Alegre, Espumoso, Campos Borges, Fortaleza dos Valos, Boa Vista do Incra, Salto do Jacuí e Jacuizinho. Figura Representação do COREDE Alto Jacuí no Rio Grande do Sul, Brasil Fonte: FEE (26) Foram remetidos um total de 27 (duzentos e setenta) questionários, representando todo o universo da pesquisa, e após trinta dias da remessa, foram realizadas ligações telefônicas para as empresas que não haviam devolvido o questionário. Nova ligação foi feita para as empresas que ainda não tinham remetido as respostas aos 7 dias. Para alguns questionários que voltaram com justificativa do correio, verificamos o correto endereço, entramos em contato e fizemos nova remessa aos 9 dias, portanto houve um forte apelo às empresas para retornarem a pesquisa e mesmo assim obtivemos um baixo de retorno.

6 6 Algumas empresas que se fez contato telefônico obteve-se uma resposta negativa direta, informando que não retornariam o questionário e não tinham interesse em participar da pesquisa. O retorno de questionários que faz parte da pesquisa foi analisado quantitativamente e apresentados em gráficos utilizando o programa SPSS como ferramenta de trabalho. A análise quantitativa apresentada consiste em percentuais calculados em função do número de questionários que retornaram, considerando as questões não respondidas. Na análise dos resultados apresenta-se a caracterização das empresas que fazem parte desta análise quanto ao porte, setor de atividade e localização. Quanto ao porte utiliza-se a classificação do SEBRAE: microempresa até 9 empregados, pequenas empresas de 2 a 99 empregados, médias empresas de a 99 empregados e grandes empresas acima de empregados. Na figura abaixo pode-se visualizar as etapas de elaboração do presente estudo/pesquisa. Elaboração do projeto e aprovação Identificação dos municípios do COREDE Alto Jacuí e das indústrias em cada município Formulação do questionário e remessa por vale postal Pesquisa Bibliográfica sobre o problema a ser tratado Recebimento dos questionários Cadastramento no SPSS Análise dos resultados Elaboração do relatório, artigo e remessa para publicação Enviar resultados para a FAPERGS Figura 2: Fluxograma da elaboração do estudo/pesquisa RESULTADOS DA PESQUISA O levantamento foi realizado entre março e julho de 2, com abrangência nas indústrias do COREDE Alto Jacuí. Foram enviados 27 (duzentos e setenta) questionários, e após várias tentativas de obter resposta, obteve-se um retorno de somente 23 (vinte e três) questionários. Na figura abaixo se observa o percentual de retorno dos questionários enviados.

7 ,2 Número de questionários enviados Número de questionário respondidos % de respostas recebidas Figura 3 Questionários enviados e percentual de retorno da pesquisa Em alguns contatos telefônicos na tentativa de se obterem respostas ao questionário, várias empresas informaram que não iriam responder ao questionário e outras afirmaram não ter nenhuma prática de gestão ambiental, mas não iriam formalizar a resposta. Portanto fica claro o receio que as empresas têm quando o tema é gestão ambiental, porque a maioria só cumpre a legislação básica , 2 33, ,6 6,33 2 Cruz Alta Tapera Fortaleza dos Valos Quinze de Novembro Colorado Selbach Saldanha Marinho Boa Vista do Cadeado Questionários remetidos Número de questionários respondidos % de questionários respondidos Figura Remessa e retorno da pesquisa por localidade

8 A figura acima representa o número de questionários remetidos, número de questionários respondidos e o percentual de respostas obtidas por cidades pertencentes ao COREDE Alto Jacuí, onde a pesquisa foi realizada. O maior número foi enviado para os municípios de Ibirubá e Não-me-Toque, por possuírem um maior número de indústrias, mas por outro lado representam baixos índices de devolução. Verifica-se que o menor índice de questionários enviados foi para Boa Vista do Cadeado, pois o município é pequeno e com o menor número de indústrias. Não foi enviado nenhum questionário para o município de Boa Vista do Incra, porque não foi remetida lista de indústrias desta localidade pela associação comercial e industrial local. Não se obteve nenhum retorno da pesquisa em seis municípios do COREDE Alto Jacuí, conforme figura acima. De acordo com a metodologia, enviou-se questionários somente para indústrias com cadastro na associação comercial e industrial e cuja lista foi encaminhada pelas associações para o escritório do COREDE Alto Jacuí nesta localidade. Na tabela abaixo verifica-se as cidades, e o número de empresas que responderam ao questionário enviado. Tabela - Retorno de questionários Município Cruz Alta 3 3 Ibirubá 7 3 Lagoa dos Três Cantos 2 9 Não-me-Toque 6 26 Santa Bárbara do Sul Tapera 2 9 Salto do Jacuí 2 9 Total 23 Tabela 2 - Setor / Atividade das Empresas que responderam a pesquisa Setor Produtos de matéria plástica Metalúrgica 7 Mecânica 2 9 Construção civil Mobiliário 2 9 Editorial e gráfica 3 3 Madeira 2 9 Bebidas 2 9 Energia Não identificado 22 Total 23 Na tabela 2 encontra-se a totalidade de questionários respondidos e a classificação de acordo com o setor/atividade da empresa, sendo bem significativo o número de empresas que não informaram a sua atividade. Tabela 3 - Classificação da indústria pelo número de empregados Classificação Até 9 empregados - Microempresa 2 2 De 2 até 99 empregados Pequena Empresa 3 3 De até 99 empregados Média Empresa 2 9 Acima de empregados Grande Empresa Não identificado 6 26 Total 23 De acordo com a tabela 3 verifica-se a predominância de microempresas na pesquisa, com um percentual superior a %. Não se obteve retorno de nenhuma grande empresa, até mesmo pela característica da região, sendo que encontram-se muito poucas empresas desse porte também neste item, o número de empresas que não informaram a quantidade de empregados é bem significativo em comparação ao número total da pesquisa.

9 9 Os dados a seguir representam somente a análise de 23 (vinte e três) questionários respondidos. Este esclarecimento é pertinente já que os dados mostram que 3% das empresas implementaram um Sistema de Gestão Ambiental, mas precisa ficar claro que são 3% de 23 (vinte e três) questionários respondidos de um total de 27 (duzentos e setenta) enviados. Então não se pode afirmar que quase a metade das indústrias do COREDE Alto Jacuí possuem um Sistema de Gestão Ambiental. Tabela - Empresas que desenvolvem algum tipo de procedimento de Gestão Ambiental Sim 3, Não 3 6, Total , 6, 3 2 Sim 3 Não Figura - Empresas que desenvolvem algum tipo de procedimento de Gestão Ambiental De acordo com os dados da tabela e figura, verifica-se que somente dez empresas no COREDE Alto Jacuí desenvolvem alguma metodologia de Gestão Ambiental. A região do COREDE Alto Jacuí é caracterizada pela atividade principal no setor primário e, portanto existe um potencial no setor secundário, que começa a ser explorado, surgindo então a preocupação com as externalidades advindas desta exploração. Tabela Procedimentos implementados na Gestão Ambiental Procedimento de GA a. Racionalização/Redução do uso de matéria-prima; 6 6 b. Substituição de fonte para reduzir os níveis de poluição; c. Redução do uso de energia; 6 6 d.redução do uso de água; 6 6 e.mudanças na composição do produto para tornar seu uso menos 3 3 danoso à saúde humana e ao meio ambiente; f.mudanças no desenho do produto para tornar seu uso menos danoso à 2 2 saúde humana e ao meio ambiente; g. Mudanças na embalagem do produto para tornar seu uso menos 2 2 danoso à saúde humana e ao meio ambiente; h. Controle, recuperação ou reciclagem das descargas líquidas da 7 7 atividade industrial; i. Controle ou recuperação dos gases e emissões gasosas da atividade industrial; j. Controle de ruídos e viubrações; 6 6 l. Disposição adequada de resíduos sólidos da atividade industrial; 6 6

10 m. Reciclagem ou aproveitamento de resíduos ou refugos; n. Mudanças nos procedimentos de estocagem, transporte, e manuseio, dos produtos ou materiais perigosos e suas embalagens; o. Cursos ou treinamentos da mão-de-obra para a prática de Gestão Ambiental; p. Dar preferência a fornecedores e distribuidores que não têm uma imagem ambiental negativa; A B C D E F G H I J L M N O P. Figura 6 - Procedimentos implementados na Gestão Ambiental Observa-se com os dados da tabela e figura acima que das dez empresas que adotam alguma prática de Gestão Ambiental, todas elas implementam a reciclagem ou o aproveitamento de resíduos. Este procedimento atualmente é bastante difundido e trabalhado, pois seus resultados quanto à competitividade pela redução de custos são rapidamente constatados. Também em relação a outros procedimentos, este se realiza com baixos investimentos. Os índices mais baixos referem-se a procedimentos que requerem mais investimentos. Os índices de 7% e 6% estão ligados a procedimentos que vêm de encontro à redução de custos e exigências legais. De acordo com o baixo retorno que se obteve na pesquisa e as respostas obtidas neste item analisado, constata-se que a preocupação com a competitividade das empresas do COREDE Alto Jacuí não considera como prática competitiva o Sistema de Gestão Ambiental, refletindo a falta de preocupação com o tema nos órgãos públicos, universidades e pessoas influentes na região. Necessitando, portanto de discussões referentes ao assunto com os empresários, sensibilizando-os para a problemática ambiental. Tabela 6 - Razões para adoção de práticas de Gestão Ambiental Razões para adoção de práticas de GA a. Atender à exigência para licenciamento; b. Atender a regulamentos ambientais apontados por fiscalização; c. Reduzir custos; d. Aumentar a competitividade dos produtos; 6 6 e. Atender a pressão de organização não-governamental ambientalista; f. Estar em conformidade com a política social da empresa; 6 6 g. Melhorar a imagem perante a sociedade; 7 7 h. Outras Cidade limpa e preservação ambiental

11 A B C D E F G H Figura 7 - Razões para adoção de práticas de Gestão Ambiental As informações da tabela e gráfico acima vêm confirmar os percentuais do item anterior, pois o maior percentual, ou seja, % das dez empresas que adotam práticas de Gestão Ambiental, o fazem para atender a legislação e para reduzir custos. Portanto para estas empresas a competitividade e a responsabilidade social, são quesitos ainda incipientes para fundamentar práticas de Gestão Ambiental, mas a preocupação com a imagem da empresa perante a sociedade é bem significativa, vislumbrando uma preocupação com o cliente. Esta região conforme constata-se não explora um nicho de mercado que pode-se definir como o consumidor consciente e responsável que preocupa-se com a ética empresarial. Tabela 7 Fonte das soluções ambientais Fonte de recursos técnicos a. Geralmente desenvolvidas no próprio estabelecimento 67 com seus técnicos; b. Geralmente definidas em outros segmentos da empresa; 2 7 c. Utilizando consultoria; 2 7 d. Com apoio de técnicos dos órgãos ambientais; a. No próprio estabelecimento com seus técnicos; 2 7 b. Em outros segmentos da empresa; 2 7 c. Utilizando consultoria; 33 d. Apoio de técnicos de órgãos ambientais; Figura - Fonte das soluções ambientais

12 2 Neste item, duas empresas que não adotam nenhuma prática de Gestão Ambiental segundo a pesquisa, responderam ao questionamento, verificando-se uma insegurança dos empresários nas suas respostas. A maioria conforme a tabela e figura acima desenvolvem ações de solução ambiental conforme a política da empresa, e por colaboradores internos. Tabela - Origem dos Equipamentos utilizados na empresa de acordo com o processo de Gestão Ambiental Origem Mais de % de produtos fabricados no Brasil 9 39 Não sabe especificar 22 Não responderam 9 39 Total Mais de % de produtos fabricados no Brasil Não sabe especificar Não responderam Figura 9 - Origem dos Equipamentos utilizados na empresa de acordo com o processo de Gestão Ambiental Do total de 23 empresas pesquisadas, 6% não responderam ou não sabem especificar a origem dos equipamentos utilizados no processo de Gestão Ambiental. O percentual é bem significativo e deduz-se que aqueles que não responderam não tem conhecimento da origem e, portanto não existe a preocupação eminente com equipamentos menos poluentes para uso de tecnologia limpa. Tabela 9 Responsáveis pela formulação dos procedimentos associados à Gestão Ambiental Formulação de procedimentos de GA a. Na direção geral; 6 26 b. Na gerência de produção; c. Por um técnico especialista; 3 3 d. Sem localização específica ou integrada com outras áreas; e. Não adota procedimentos de gestão ambiental. 3 7

13 A B C D E Figura - Responsáveis pela formulação dos procedimentos associados à Gestão Ambiental Quanto ao item anterior, verifica-se que a formulação de procedimentos na maioria das empresas que têm Sistema de Gestão Ambiental ocorre no âmbito da gerência, o que é positivo, pois demonstra o envolvimento destes, já que os programas e projetos acontecem a partir do envolvimento e comprometimento deste grupo. Mas por outro lado, de acordo com a metodologia de um Sistema de Gestão Ambiental, deve existir um comitê que trabalhe em conjunto. Esta opção não foi selecionada por nenhuma empresa. Então se questiona também a metodologia usada por estas empresas e o que julgam ser um Sistema de Gestão Ambiental. Tabela - Fontes de investimento das Empresas para o processo de Gestão Ambiental Fontes de financiamento para SGA a. Recursos próprios; 3 b. Bancos governamentais; 3 3 c. Outras agências e programas governamentais (FINEP, por 2 9 exemplo); d. Bancos privados nacionais; e. Não realizará qualquer investimento ambiental. 3 3 f. Não respondeu A B C D E F 3 Figura - Fontes de investimento das Empresas para o processo de Gestão Ambiental

14 Na tabela e figura verifica-se com otimismo que 3% das empresas que responderam a pesquisa pretendem investir recursos próprios no Sistema de Gestão Ambiental, mas ainda % conforme os itens E e F não possuem resposta positiva na definição dos investimentos. Tabela - Tipos de Registros de Controle e Monitoramento Ambiental Registro de monitoramento ambiental a. Descarga de esgotos e efluentes líquidos; 7 b. Geração de resíduos sólidos; 22 c. Emissão de efluentes gasosos; d. Emissão de poeira de material particulado; e. Perdas e refugos de materiais e de produto acabado; 2 9 f. emissão de ruídos e vibrações; 2 9 g. Não possui controle. 3 h. Não respondeu A B C D E F G H Figura 2: Tipos de Registros de Controle e Monitoramento Ambiental Para trabalhar com Sistema de Gestão é sine qua non trabalhar com controle, mas conforme os dados da tabela e figura 2, o total de empresas que informaram possuir um Sistema de Gestão Ambiental não é igual ao número de respostas de empresas que possuem monitoramento, portanto duas empresas que possuem procedimentos de Gestão Ambiental não possuem monitoramento, ou não responderam, mas se o possuem porque não responder? subentendendo-se que não possuem. Também se observa que % reciclam ou reaproveitam seus resíduos, mas somente % destas e 2% do total possuem controle da geração de resíduo. Já que o objetivo em % das empresas com procedimentos de Gestão Ambiental é a redução de custos, se não existir controle na geração de resíduos não se pode avaliar o procedimento. Portanto não só no processo de Gestão Ambiental, mas na gestão como um todo, algumas empresas apresentam falhas no princípio de controle de seus processos. Tabela 2 - Relacionamento da Empresa com Órgãos Ambientais Relacionamento da empresa com órgãos ambientais a. Fiscalização; 22 b. Licenciamento ambiental; 7 3 c. Acordos entre as partes (termo de compromisso ou ajuste de conduta); d. Medidas compensatórias; e. Nenhum f. não responderam 3

15 A B C D E F Figura 3 - Relacionamento da Empresa com Órgãos Ambientais Na tabela e figura acima se verifica que o relacionamento da empresa com órgãos ambientes se restringe a fiscalização e licenciamento. Seis empresas que não adotam práticas de Gestão Ambiental responderam que não têm nenhum relacionamento com órgãos ambientais, observando-se novamente a dificuldade de responderem sobre o assunto, pois nestas condições, então não possuem licenciamento e nem atendem a legislação. De oito empresas que não responderam, sete não adotam práticas de Gestão Ambiental, e uma delas afirma adotar práticas de Gestão Ambiental, o que parece contraditório, pois não responde questões quanto ao relacionamento com órgãos ambientais, já que num Sistema de Gestão Ambiental é necessário no mínimo cumprir a legislação. Verifica-se também o receio que as empresas têm de responderem a questões referentes à Gestão Ambiental e exigências legais. Tabela 3 - Situação da empresa em relação a Punição Ambiental Situação da empresa a. sim, mas não respondeu o motivo b. Não foi punido; 6 c. Não responderam 3 Total a. sim, mas não respondeu o motivo b. Não foi punido; c. Não responderam Figura - Situação da empresa em relação a Punição Ambiental

16 6 No item a que se refere à tabela 3 e figura, encontra-se o maior contra-senso, pois analisando as respostas anteriores onde se verifica que 3% das empresas entrevistadas não atendem a legislação ambiental, 6% destas nunca foram punidas, levantando-se a outro fato de discussão, que se refere à fiscalização do cumprimento da legislação ambiental nesta região. Então, se faz crer que não é precária a fiscalização, e também as empresas correm sérios riscos de inviabilidade econômica, caso venham a ser autuadas por ilegalidades em decorrência de vícios de gestão. Deve-se considerar também o fato de ser uma região onde o setor secundário está em crescimento e, portanto como citado anteriormente deve-se estabelecer fóruns de discussões sobre o assunto. Tabela - Razões que dificultam as soluções de Problemas Ambientais Dificuldades na solução de problemas ambientais a. Não dispor de informações sobre as soluções técnicas; 22 b. Não saber quanto custam estas soluções; c. Não dispor de financiamento de instituições financeiras, de 3 3 pesquisa para implantar as soluções; d. Não apresentar uma prioridade de gestão; 2 9 e. Não houve qualquer dificuldade. 22 f. Não respondeu A B C D E F Figura - Razões que dificultam as soluções de Problemas Ambientais Conforme a tabela e figura acima, % das empresas que implementaram práticas de Gestão Ambiental, responderam que não tiveram dificuldades significativas nas soluções ambientais. Mas quando estas surgiram à maioria aponta como dificuldade o apoio de instituições, sejam de informações como de apoio financeiro. Tabela - Principais problemas com o Licenciamento Ambiental Principais problemas com o licenciamento ambiental a. Dificuldade de identificar e atender aos critérios técnicos 2 9 exigidos; b. Custo de preparação de estudos e projetos para apresentar ao 3 3 órgão ambiental; c. Demora na análise dos pedidos de licenciamento; 7 d. Custos dos investimentos necessários para atender às 3 3 exigências do órgão ambiental para concessão da licença; e. Não enfrentou qualquer problema; 3 3 f. Nunca precisou requerer uma licença ambiental. 22 g. Não respondeu 3

17 A B C D E F G Figura 6 - Principais problemas com o Licenciamento Ambiental De acordo com os dados da tabela e figura 6, uma das empresas que respondeu não ter requerido licenciamento pertence a grupo de atividade que segundo a resolução CONSEMA /9 está sujeita ao licenciamento ambiental no Rio Grande do Sul. Portanto este fato faz novamente referência à fiscalização do cumprimento da legislação. Os custos para atender as exigências e a demora na análise dos pedidos são os principais problemas enfrentados quanto ao licenciamento ambiental. Tabela 6 - Perspectivas futuras de Gestão Ambiental Perspectivas de GA na empresa a. Continuar a expansão do programa de controle ambiental; 7 b. Aperfeiçoar procedimentos de gestão ambiental; 7 3 c. Habilitação do estabelecimento para rotulagem ambiental; d. Usar a imagem ambiental da empresa para fins de marketing 7 institucional; e. Outras: -Reciclagem de água f. Não existe qualquer objetivo ainda definido. 22 g. Não respondeu A B C D E F G Figura 7 - Perspectivas futuras de Gestão Ambiental

18 Na tabela 6 e figura 7 fica claro a falta de inclusão do Sistema de Gestão Ambiental de forma significativa nas diretrizes da empresa, pois a soma dos itens F e G ultrapassam % sendo estes, os itens que não trazem perspectivas para o Sistema de Gestão Ambiental, fato que corrobora com preocupações citadas anteriormente. Tabela 7 - Investimentos futuros em Gestão Ambiental Investimento futuro no SGA a. Sistema de tratamento e controle de descarga de esgotos e 3 3 efluentes líquidos; b. Sistemas de disposição de resíduos sólidos; 22 c. Adoção de tecnologias ou procedimentos para reduzir ruídos; 7 d. Adoção de tecnologias ou procedimentos de conservação de energia; e. Adoção de tecnologias ou procedimentos de conservação ou 3 3 recuperação de água; f. Adoção de tecnologias para melhoria do projeto, design e 3 3 embalagem do produto; g. Cursos ou treinamento da mão-de-obra para gestão ambiental 7 (inclusive de certificação); h. Não pretende realizar qualquer investimento ambiental neste 7 período; i. Outros: Novas tecnologias j. Não respondeu A B C D E F G H I J Figura - Investimentos futuros em Gestão Ambiental Este item reforça a análise anterior, praticamente com os mesmos números nos itens H e J, sendo que a resposta do item I é muito evasiva, não demonstrando uma verdadeira intenção. Aqui observa-se uma grande preocupação com os resíduos, sendo que % das empresas que adotam procedimentos de Gestão Ambiental trabalham com reaproveitamento de resíduos conforme tabela e figura. Também na tabela 7 e figura observa-se que 67% das soluções ambientais são desenvolvidas por colaboradores da empresa, mas ainda conforme a tabela e figura 6 somente %, ou seja, uma empresa dentre as que adotam procedimentos de Gestão Ambiental oferece cursos e treinamento aos seus colaboradores e somente quatro empresas do total de 23 pretendem investir em cursos e treinamento. Portanto, qual será a qualificação interna para implementar procedimentos de Gestão Ambiental? Nesta situação, novamente o empresário encontra-se equivocado na sua gestão.

19 9 Tabela - Situação dos Certificados Ambientais Posição da empresa quanto à certificação ambiental a. Tem certificação ambiental; 3 3 b. Está em processo de certificação; 2 9 c. Tem um sistema de Gerenciamento Ambiental e não está interessado em obter certificação; d. Não tem um Sistema de Gerenciamento Ambiental e está 7 interessado em obter certificação; e. Não tem um Sistema de Gerenciamento Ambiental e não 7 está interessado em obter certificação. f. Não respondeu A B C D E F Figura 9- Situação dos Certificados Ambientais O índice de empresas que possuem interesse em certificação chega a quase %, o que representa uma preocupação não somente com o objetivo do Sistema de Gestão Ambiental, mas sim em atender a mercados que exigem a certificação. Tabela 9 - Instrumentos Governamentais de Ação e Política Ambiental Instrumentos importantes em GA a. Assessorar empresas a implementarem procedimentos de gestão 6 26 ambiental e identificarem tecnologias ambientalmente adequadas; b. Abolir os atuais mecanismos de controle e cobrar das empresas que não cumprem o padrão ambiental definido, uma taxa ou imposto por nível de carga de poluição ou uso de recursos naturais; c. Divulgar cadastro de empresas com boas práticas ambientais; d. Simplificar a regulamentação ambiental; 7 e. Criar incentivos fiscais para investimentos ambientais; 3 3 f. Investir na capacidade técnica e administrativa dos órgãos ambientais; g. Ampliar as linhas de crédito subsidiado para investimentos ambientais. 7 h. não respondeu A B C D E F G H Figura 2 - Instrumentos Governamentais de Ação e Política Ambiental

20 2 Este item vem de encontro a respostas encontradas em questionamentos anteriores, 26% consideram importante a assessoria como forma de obter mais conhecimentos e novas tecnologias, 7% consideram importante a simplificação da regulamentação ambiental, que pode ser aplicada conjuntamente com a necessidade anterior. Os próximos percentuais significativos referem-se a incentivos e apoio financeiro, sendo, portanto dois elementos que se complementam na implementação de qualquer programa de inovação para o bem estar social. CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com os resultados apresentados e as condições de realização da pesquisa, constatou-se que: As indústrias do COREDE Alto Jacuí não estão realizando atividades relacionadas à proteção do meio ambiente e ao desenvolvimento sustentável, nem mesmo para fortalecer sua atuação no mercado. Existe um receio muito grande dos empresários em responderem questões relacionadas a procedimentos de Gestão ambiental. Devido ao baixo índice de retorno, não foi possível determinar incidência de resposta por setores, observando-se a predominância de microempresas. As razões que ainda levam algumas empresas a adoção de práticas de Gestão Ambiental são as exigências legais e a redução de custos. As soluções ambientais são geralmente formuladas dentro das próprias empresas, mas sem indício de capacitação interna. Não existe um eminente apoio e participação de órgãos ambientais nas atividades das empresas, e o relacionamento com estes órgãos se estabelece por conta do processo de licenciamento. Existem sérios problemas quanto à fiscalização do cumprimento da legislação e também a falta de aproximação do órgão público como difusor de sustentabilidade ambiental. A demora no processo e os custos dos investimentos exigidos são os principais problemas enfrentados pelas empresas quanto ao licenciamento. É na direção geral que os procedimentos associados de gestão ambiental são formulados, quando ocorrem. Com relação ao controle e monitoramento, os registros são muito precários. As empresas pesquisadas demonstram uma gama variada e significativa de expectativas de apoio, com maior destaque para a implementação de procedimentos de gestão ambiental e identificação de tecnologias adequadas. Um percentual muito pequeno de empresas do COREDE Alto Jacuí demonstra algum conhecimento de iniciativas ambientais, e esta desinformação está vinculada à falta de participação de entidades públicas, universidades, ONGs e demais instituições que possam levar conhecimento ao empresário. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARANTES, N. Sistemas de Gestão Empresarial. São Paulo: Atlas, 99. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistema de Gestão Ambiental: NBR -. Rio de Janeiro, 996. BACKER, P. Gestão Ambiental: Administração Verde. Rio de Janeiro: Qualitymark, 99. CAMPOS, L.M. de S. Um Estudo para Definição e Identificação dos Custos da Qualidade Ambiental. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós Graduação de Engenharia de Produção e Sistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 996. CHIAVENATO, I. Iniciação ao Planejamento e Controle da Produção. São Paulo: McGraw-Hill, 99. CUELLAR, J. O. N. Modelo de Gestão ecológica para resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte no Estado do Rio Grande do Sul. 2. Tese (Doutorado em engenharia de Produção) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2. DONAIRE, D. Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Atlas, 99. FAMURS. Meio Ambiente na Administração Municipal. Porto Alegre: Nova Prata 99. FARIA, J. C. Administração: introdução ao estudo. São Paulo: Pioneira, 997. HAWKEN, P.; LOVINS, A. & LOVINS, H. L. Capitalismo Natural. São Paulo. Cultrix, 999.

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

A INTERAÇÃO DA AUDITORIA AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

A INTERAÇÃO DA AUDITORIA AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 A INTERAÇÃO DA AUDITORIA AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL UHLMANN, V. O. 1 CRUZ, L. S. da 2 RESKE FILHO, A. 3 RESUMO Em detrimento da crescente sensibilização pela

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia

Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia e c o l m e i a. o r g. b r Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia O que é? O Selo Verde Ecolmeia é um programa de certificação às Organizações dos setores da sociedade, com compromisso

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS Camila Cardoso dos Reis (1) Acadêmica de Engenharia Ambiental na Universidade de Santa Cruz

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010 Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense - Resultados Março 2010 1 Índice Objetivos Metodologia Resultados Cadeia Produtiva da pesca Armadores de pesca

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas Desenvolvimento Sustentável Social Econômico Ambiental Lucro Financeiro Resultado Social

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas?

Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas? Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas? Larissa Kvitko kvitko.la@hotmail.com FURB Alex Vilvert comercial@acessoeditoracao.com.br FURB Resumo:A sustentabilidade

Leia mais

Responsabilidade Social e Sustentabilidade CCN-410.002 Dra. Elisete Dahmer Pfitscher

Responsabilidade Social e Sustentabilidade CCN-410.002 Dra. Elisete Dahmer Pfitscher Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós Graduação em Contabilidade Centro Sócio-Econômico Campus Universitário Trindade Caixa Postal 476 Cep: 88.040-900 Florianópolis SC Brasil Décima aula

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável. Prof. Dr. Nivaldo dos Santos. Faculdade Alfredo Nasser. nivaldodossantos@bol.com.

Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável. Prof. Dr. Nivaldo dos Santos. Faculdade Alfredo Nasser. nivaldodossantos@bol.com. Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável Prof. Dr. Nivaldo dos Santos Faculdade Alfredo Nasser nivaldodossantos@bol.com.br A importância de um sistema de patentes forte para incentivar

Leia mais

Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental

Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental Ano 5, Nº.2 - junho de 2007 Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental A indústria brasileira está, cada vez mais, empenhada em adotar práticas de gestão ambiental que reduzam os conflitos

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Como obter produção e consumo sustentáveis?

Como obter produção e consumo sustentáveis? Como obter produção e consumo sustentáveis? Meiriane Nunes Amaro 1 O conceito de produção e consumo sustentáveis (PCS) 2 vem sendo construído há duas décadas, embora resulte de um processo evolutivo iniciado

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Otimizar o uso dos recursos naturais

Leia mais

Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico

Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico Jaqueline Fonseca Rodrigues (UTFPR) jaqueline_rodrigues@brurbo.com.br Nathalie Rodrigues

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

Parecer Técnico nº 08/2014

Parecer Técnico nº 08/2014 Parecer Técnico nº 08/2014 INTERESSADO: ASSUNTO: ABRANGÊNCIA: Setor Industrial de Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná Plano de Logística Reversa Estadual PROTOCOLO: 13.352.187-9

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais