A GESTÃO DA TECNOLOGIA NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FATORES LIMITANTES E FORMAS DE SUPERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DA TECNOLOGIA NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FATORES LIMITANTES E FORMAS DE SUPERAÇÃO"

Transcrição

1 A GESTÃO DA TECNOLOGIA NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FATORES LIMITANTES E FORMAS DE SUPERAÇÃO

2 Maria Lúcia Melo de Souza Deitos A GESTÃO DA TECNOLOGIA NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FATORES LIMITANTES E FORMAS DE SUPERAÇÃO Edunioeste Cascavel 2002

3 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE FIGURAS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE SIGLAS... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO... CAPÍTULO I A PROBLEMÁTICA DAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FRENTE AOS DESAFIOS DA CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA As Pequenas e Médias Empresas A importância das Pequenas e Médias Empresas Características das Pequenas e Médias Empresas Principais dificuldades encontradas pelas PMEs no Brasil Inovação tecnológica e PMEs Capacitação tecnológica das Pequenas e Médias Empresas O processo de aprendizagem tecnológica Qualificação de recursos humanos Atitudes no gerenciamento das empresas que favorecem a capacitação tecnológica Acesso à informação tecnológica Fontes de informação tecnológica Pesquisa e desenvolvimento de tecnologia Transferência de tecnologia... CAPÍTULO II GESTÃO DA TECNOLOGIA A tecnologia Tecnologia, competitividade e empresa A importância da gestão da tecnologia Incorporação da gestão da tecnologia A estrutura para gestão da tecnologia Funções e ferramentas para a gestão tecnológica...

4 2.6.1 Inventariar Avaliar Monitorar Otimizar Enriquecer Proteger Proteção de conhecimentos e capacidades... CAPÍTULO III A GESTÃO DA TECNOLOGIA NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO OESTE DO PARANÁ Apresentação e análise dos dados obtidos Caracterização dos respondentes da pesquisa Caracterização das empresas pesquisadas Quanto ao setor, porte, faturamento e atuação no mercado Quanto ao quadro societário Quanto ao quadro de pessoal Quanto ao processo de produção Quanto aos controles internos e às ferramentas de trabalho Fatores considerados relevantes para obter êxito no negócio Atividades de gestão existentes Posicionamento em relação à inovação tecnológica Processo de decisão e estrutura para desenvolver projetos que envolvam tecnologia Atividades de gestão da tecnologia existentes nas PMEs pesquisadas Conhecimento do patrimônio tecnológico existente na empresa Monitoramento das informações internas e externas Meios para incremento do patrimônio tecnológico Medidas de proteção do patrimônio tecnológico Identificação das necessidades das PMEs em relação à variável tecnológica Necessidades internas Necessidades externas... CONSIDERAÇÕES FINAIS... REFERÊNCIAS...

5 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Distribuição das empresas industriais, comerciais e de serviços por porte e setor Brasil (1994) TABELA 2 - Distribuição do pessoal ocupado, segundo o porte da empresa por setor Brasil (1994) TABELA 3 - Distribuição da receita/valor bruto da produção industrial, segundo o porte da empresa por setor Brasil (1994) TABELA 4 - Taxa de mortalidade das Médias e Pequenas Empresas (%) TABELA 5 - Grau de importância das fontes de informação para inovação Paraná (1999) TABELA 6 - Indicação, pelas empresas, das prioridades em investimento (2000) TABELA 7 - Distribuição das empresas inovadoras, segundo o grau de importância dos fatores que motivaram a realização de inovações Estado do Paraná (1999) TABELA 8 - Distribuição das empresas pesquisadas por setor de atuação TABELA 9 - Distribuição dos funcionários segundo o nível de escolaridade TABELA 10 - Capacidade dos funcionários para realizar múltiplas funções TABELA 11 - Objetivos em termos de estratégia competitiva TABELA 12 - Pretensão em implantar as atividades de gestão inexistentes TABELA 13 - Importância atribuída aos critérios para escolher um meio para melhorar o potencial tecnológico TABELA 14 - Distribuição das empresas pesquisadas, segundo o número de horas de treinamento oferecidas aos funcionários

6 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 - Distribuição das empresas pesquisadas por número de funcionários GRÁFICO 2 - Disponibilidade de ferramentas para o trabalho cotidiano GRÁFICO 3 - Importância de fatores que permitem alcançar êxito frente aos concorrentes GRÁFICO 4 - Atividades de gestão existentes nas empresas pesquisadas GRÁFICO 5 Indicadores de inovação tecnológica GRAFICO 6 - Fatores que mais dificultam a inovação tecnológica GRÁFICO 7 - Processo de tomada de decisões que envolvam tecnologia GRÁFICO 8 - Técnicas e ferramentas utilizadas para apoiar o processo de tomada de decisões na área tecnológica GRÁFICO 9 - Importância atribuída aos fatores indicados na análise de projetos de inovação tecnológica GRÁFICO 10 - Distribuição das empresas pesquisadas de acordo com o tipo de organização que utilizam para desenvolver projetos que envolvam inovações tecnológicas GRÁFICO 11 - Existência de um levantamento e da documentação das tecnologias presentes nas empresas pesquisadas GRÁFICO 12 - Posicionamento da tecnologia utilizada na principal linha de produtos GRÁFICO 13 - Freqüência com que as empresas pesquisadas utilizam as fontes de informação GRÁFICO 14 Formas de circulação das informações obtidas GRÁFICO 15 - Importância que as empresas pesquisadas atribuem aos meios para melhoria do potencial tecnológico GRAFICO 16 - Medidas que as empresas pesquisadas utilizam para renovar seus conhecimentos técnico-científicos GRÁFICO 17 - Itens adquiridos de outras empresas ou de institutos de P&D GRÁFICO 18 - Medidas que utilizadas para assegurar a troca de conhecimentos e experiências entre funcionários

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Como as empresas aprendem? FIGURA 2 Níveis de intensidade de esforço em P&D FIGURA 3 Etapas em um processo de transferência de tecnologia FIGURA 4 A cadeia de valores FIGURA 5 As tecnologias contidas na cadeia de valores da empresa FIGURA 6 Gestão da tecnologia e processos de inovação empresarial FIGURA 7 Modelo conceitual da função inovação tecnológica FIGURA 8 As seis funções da gestão da tecnologia FIGURA 9 Exemplo de matriz produto/processo FIGURA 10 Processo integrado de inventário e avaliação FIGURA 11 Curvas FIGURA 12 Matriz: impacto de P&D sobre a posição competitiva x conhecimento do mercado FIGURA 13 Matriz conhecimento do mercado x conhecimento da tecnologia FIGURA 14 matriz posição competitiva tecnológica x fase em que se encontra a indústria FIGURA 15 Sinais potenciais de mudança FIGURA 16 Uma outra visão da empresa, seus conhecimentos e seus produtos

8 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Principais características das pequenas e médias empresas QUADRO 2 - Definição de pequenas e médias empresas industriais em alguns países da OCDE (1981) QUADRO 3 - Tipos de pequenas e médias empresas inovadoras QUADRO 4 - Vantagens e desvantagens das pequenas e médias empresas em relação à inovação QUADRO 5 Fontes primárias internas e externas, formais e informais à empresa QUADRO 6 - Matriz: produto x tecnologia QUADRO 7 - Matriz para o elemento indivíduo QUADRO 8 - Matriz para o elemento atividades QUADRO 9 - Matriz para o elemento processo QUADRO 10 - Matriz para o elemento produto QUADRO 11 - Diferentes tipos de benchmarking QUADRO 12 - Habilidades chaves para a transferência de tecnologia

9 APRESENTAÇÃO Este trabalho foi originalmente apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná, como dissertação de Mestrado, na área de Inovação Tecnológica, em maio de O estudo tem como ponto de partida a observação das dificuldades com que se deparam as pequenas e médias empresas para manterem-se competitivas neste cenário de permanente avanço técnico-científico. Entendendo que estas dificuldades são uma preocupação comum a todos aqueles que, de alguma forma, estejam envolvidos com a gestão das empresas, procurei neste estudo, conhecer mais sobre este segmento de empresas e examinar procedimentos e mecanismos que possam ajudá-las a capacitar-se tecnologicamente. Os resultados alcançados, além de oferecer contribuição ao processo de gestão da tecnologia nas pequenas e médias empresas, também oferecem subsídios para este processo em todos os segmentos de empresas, independentemente do porte. Tornando o estudo acessível ao público em geral, espera-se que se converta numa contribuição a todos aqueles que se interessam pelas questões que envolvem a gestão da tecnologia e a problemática das pequenas e médias empresas.

10 INTRODUÇÃO Este trabalho teve como foco central o estudo das questões da gestão da tecnologia no cotidiano das Pequenas e Médias Empresas (PMEs). A atenção a este segmento de empresas justifica-se por considerar que elas representam uma parcela significativa e importante da economia nacional que, apesar da sua inegável importância para o contexto sócioeconômico, vêm encontrando muitas dificuldades para a manutenção de seus negócios e conseqüentemente para sua sobrevivência. Sendo a tecnologia um dos principais instrumentos de que dispõem as empresas para alcançar competitividade, o objetivo geral da pesquisa foi o de identificar elementos que possam contribuir com o processo de gestão da tecnologia nas PMEs. Porém, no transcurso do trabalho, pode-se constatar também outros desdobramentos no processo de gestão geral das PMEs que, além de causar impacto sobre o objeto de estudo, são altamente reveladores das carências e necessidades deste segmento de empresas. Estas constatações revelam-se na contradição entre aquilo que se acha importante para alcançar êxito e manter a competitividade e o que efetivamente se faz em termos de gestão, de modo geral, para alcançar este posicionamento. Percebeu-se que nas pequenas e médias empresas pesquisadas apesar de se enunciar facilmente os fatores que podem conduzir ao êxito é baixo o nível de emprego de técnicas de gestão sistematizadas (mesmo daquelas já amplamente divulgadas) que possam facilitar o seu alcance. Assim, partindo-se do pressuposto de que, em termos de gestão, existem PMEs que sabem o que é preciso fazer, mas não sabem como fazê-lo ou têm dificuldades para incorporar os conhecimentos em suas práticas de gestão, seja por questões culturais, financeiras, estruturais, etc., passou-se a examinar a questão da gestão da tecnologia dentro de um contexto mais abrangente, envolvendo também os aspectos relacionados à capacitação tecnológica. Esta abordagem guarda a convicção de que é importante saber o que precisa ser feito, mas é igualmente importante conhecer as técnicas e os meios possíveis para fazê-lo, saber selecionar aquelas que melhor se adaptem à empresa e direcionar esforços no sentido de realmente incorporálas às práticas cotidianas. É necessário conhecer mais sobre as características deste segmento de empresas, seus problemas e suas perspectivas e examinar procedimentos e mecanismos que possam ajudá-las a capacitar-se tecnologicamente, permitindo assim, criar um ambiente propício à efetivação da gestão da tecnologia na empresa. Há que se buscar, também, o entendimento da atividade de gestão da tecnologia e da sua importância para a competitividade da empresa, verificando formas de estruturação desta atividade, funções e ferramentas que

11 possam contribuir com a sua operacionalização. Dessa forma, a contribuição que se espera dar extrapola os objetivos iniciais e, embora a ênfase central seja a gestão da tecnologia nas pequenas e médias empresas, poder-se-á encontrar no trabalho subsídios que poderão elucidar outros aspectos do modo de operar destas empresas. A revisão da literatura e os comentários sobre gestão da tecnologia e capacitação tecnológica, também poderão oferecer contribuição para este processo em todos os segmentos de empresas, independentemente do porte. Num cenário em que as empresas se vêem cada vez mais expostas às leis do mercado, a busca por novas tecnologias e pela eficiência gerencial se transforma em requisito indispensável para a competitividade. Mas como, diante das deficiências internas e externas com que se defrontam, as empresas podem se manter competitivas neste contexto de permanente avanço técnico-científico? Esta é uma questão que causa inquietação em todos aqueles que, de alguma forma, estejam envolvidos com a gestão das empresas. Para Solow (2000: 24), a absorção de novas tecnologias é a única fonte que pode permitir o crescimento por um período maior de tempo (Solow, 2000: 24). Porém, para as pequenas e médias empresas, dadas as suas especificidades, a absorção de tecnologia pode apresentar algumas particularidades se comparadas às grandes empresas, o que deve conferir ao seu processo de gestão da tecnologia características adequadas ao seu porte e recursos. Tendo presente que a atividade de gestão da tecnologia, implica na existência de um processo permanente de capacitação tecnológica, bem como, na estruturação de determinadas funções e no uso de técnicas e ferramentas adequadas ao seu propósito, buscou-se contribuir com esta reflexão, através da realização do presente estudo, com ênfase central nas questões da gestão da variável tecnológica. Este estudo teve por objetivo geral examinar o processo de gestão da tecnologia, a partir da problemática das pequenas e médias empresas. Para tanto, procedeu-se a análise de funções e ferramentas básicas para a sua operacionalização e dos mecanismos e procedimentos que possibilitam o alcance da capacitação tecnológica necessária a sua efetiva incorporação. Buscou-se, também: contribuir com a reflexão sobre gestão da tecnologia nas empresas; conhecer a situação em que se encontram as PMEs, da região oeste do Estado do Paraná, com relação à gestão da tecnologia e; explicitar as suas necessidades com relação à variável tecnológica. Do exame destas questões, pôde-se extrair subsídios que permitem responder à seguinte pergunta de pesquisa: quais são os fatores limitantes na incorporação da gestão da variável tecnológica e quais são os meios que podem contribuir efetivamente para esta incorporação, nas PMEs da região Oeste do Estado do Paraná? Embora as questões que envolvem a gestão da variável tecnológica sejam comuns a todas as empresas, neste trabalho optou-se por dedicar especial atenção ao segmento das pequenas e médias

12 empresas. Esta opção deu-se por entender que as PMEs possuem especificidades próprias, que necessitam de abordagens diferenciadas em relação às grandes empresas. Tendo presente que o avanço dos conhecimentos acerca do ambiente organizacional e do Modus operandi das PMEs irá proporcionar a viabilização de propostas e soluções mais adequadas para os problemas enfrentados por este tipo de empresa, contribuindo para a diminuição da alta taxa de mortalidade da qual essas empresas são vítimas (Cândido, 1998), buscou-se apoiar as análises em uma pesquisa de campo junto às PMEs da região Oeste do Estado do Paraná. Os trabalhos de pesquisa foram realizados no período de fevereiro de 2000 à fevereiro de 2001, sendo que a coleta de dados junto às PMEs, deu-se no período de setembro de 2000 à fevereiro de Para tratar das questões a que se propõe, o estudo está organizado da seguinte forma: O primeiro capítulo, A problemática das pequenas e médias empresas frente aos desafios da capacitação tecnológica, busca caracterizar este segmento de empresas, verificar suas principais dificuldades e suas perspectivas em relação à inovação tecnológica e examinar os procedimentos e mecanismos básicos que permitem às PMEs capacitar-se tecnologicamente. No Capítulo II, Gestão da Tecnologia, define-se o entendimento de tecnologia no contexto do trabalho; discute a importância da gestão da tecnologia para a competitividade das empresas; aborda a necessidade de real incorporação da atividade no cotidiano da empresa; comenta aspectos da estrutura para a gestão da tecnologia e; examina funções e ferramentas básicas que permitem a implementação desta atividade pelas empresas. Finalmente, o Capítulo III, A Gestão da Tecnologia nas Pequenas e Médias Empresas do Oeste do Paraná, apresenta a análise dos dados obtidos na pesquisa de campo realizada junto às PMEs do setor industrial, localizadas na região Oeste do Estado do Paraná.

13 CAPÍTULO I A PROBLEMÁTICA DAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FRENTE AOS DESAFIOS DA CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Neste capítulo são abordados aspectos referentes às pequenas e médias empresas (PMEs) e ao seu processo de capacitação tecnológica, buscando fundamentar o problema de pesquisa, através do exame das principais necessidades e deficiências enfrentadas por este segmento de empresas, em relação a variável tecnológica. Assim, o texto inicia pelo delineamento do perfil das PMEs, examinando suas principais características e dificuldades, bem como, as relações que podem estabelecer com referência à inovação tecnológica. Na seqüência, são apresentados mecanismos e procedimentos que podem contribuir com o processo de capacitação tecnológica das PMEs. 1.1 As pequenas e médias empresas A Importância das Pequenas e Médias Empresas Durante o século XVIII, predominava a economia baseada em empreendimentos de pequeno porte. No período entre o final do século XVIII e durante o século XIX, com a evolução do capitalismo e o advento da Revolução Industrial, surgem as grandes empresas e parece que o lugar para os pequenos negócios sofre contenções, oriundas deste processo que já se consolidava. Porém, a partir do final da Segunda Guerra Mundial, a sociedade volta a perceber a importância das pequenas empresas para o equilíbrio sócio-econômico (Domingos, 1995: 44). Esta mudança de atitude, de acordo com Guilherme Afif Domingos, é motivada pela extraordinária capacidade de adaptação do capitalismo, ao identificar nas pequenas e médias empresas uma alternativa para um desenvolvimento mais equilibrado. Esta postura pode ser decorrente da percepção de que a concentração empresarial, somente em grandes conglomerados, não é interessante para o equilíbrio sócio-econômico. Entretanto, foi na segunda metade do século XX, que o potencial dos pequenos negócios passou a ser mais intensamente reconhecido. De acordo com Pedro Veiga e Ricardo Markwald:

14 A partir da década de 1980, a problemática econômica das pequenas e médias empresas sofreu importante transformação. De forma muito sintética, é possível dizer que se passou a atribuir às PMEs função econômica adicional ou oposta, em certos enfoques àquela que tradicionalmente lhes era conferida: gerar renda e emprego à margem do núcleo dinâmico da economia e em condições de produtividade e de trabalho (salários, qualificação de mão-deobra etc.) nitidamente inferiores às encontradas nas grandes empresas (Veiga; Markwald, 1998: 245). Assim, nos últimos anos, vem sendo crescente o interesse em torno das PMEs, em todos os níveis: sócio-econômico, industrial e político. Isto porque, em quase todo o mundo a participação de micro, pequenas e médias empresas na economia é altamente significativa; elas representam algo em torno de 90% do total de empreendimentos, e contribuem com porcentuais (sic) variados mas sempre expressivos na geração de empregos (Domingos, 1995: 44). Esse potencial de geração de empregos e de ocupação da mão-de-obra é altamente desejável num cenário em que o desemprego tornou-se um problema estrutural. Para Gesinaldo Cândido, o fortalecimento das PMEs constitui-se uma preocupação de todas as nações, devido a sua importância para o crescimento econômico regional e global, principalmente pela sua capacidade de absorção de mão-de-obra, num momento em que o maior problema político, econômico e social dos países a nível mundial tem sido o crescente aumento das taxas de desemprego (Cândido, 1998: 03). Este reposicionamento em relação às PMEs também teve como impulso a crise do modelo fordista de produção, dando espaço à especialização flexível que, entre outros fatores, trouxe em seu bojo novas e diversas formas de articulação entre PMEs e grandes empresas como, por exemplo, parcerias, terceirização, etc. Outra questão que favorece as PMEs é a sua flexibilidade, que consiste na capacidade de aproveitar as oportunidades que o mercado oferece e em adaptar-se rapidamente às mudanças ocorridas em seu entorno. Estas empresas também apresentam vantagens na exploração de certos nichos de mercado, que necessitam do fornecimento de pequenos lotes, ou de personalização de produtos. Dessa forma, as PMEs representam uma alternativa viável e concreta para o fortalecimento da economia de um país, além de terem papel extremamente relevante na geração de empregos inclusive da mão-de-obra pouco especializada -, na absorção das matérias-primas e atendimento dos mercados locais, na distribuição equânime da renda e na mobilidade social (Domingos, 1995: 46). No Brasil, as PMEs representam um importante segmento da economia. Em 1994, respondiam por 9,18% do número de empresas e, se a este percentual forem somadas as microempresas, chega-se a 99,35% do total de empresas, contra 0,65% de grandes empresas. Nesse período, as PMEs ocupavam 34,83% do pessoal e respondiam por 30,23% da receita bruta da produção industrial (Estes dados são apresentados nas Tabelas 1, 2 e 3).

15 TABELA 1 - Distribuição das empresas industriais, comerciais e de serviços por porte e setor Brasil (1994) Setor Composição Número de Empresas ME(1) (%) PE(2) (%) MDE(3) (%) GE(4) (%) Total (%) Indústria 17,00 85,26 11,11 2,96 0,67 100,00 Comércio 56,00 93,16 6,04 0,48 0,32 100,00 Serviço 27,00 87,18 10,25 1,24 1,33 100,00 Total 100,00 90,17 8,06 1,12 0,65 100,00 Fonte: SEBRAE (Elaborado com dados do IBGE Estrutura Produtiva Empresarial Brasileira 1994 ). Observação: (1) ME (Microempresa): na indústria até 19 empregados e no comércio/serviço até 09 empregados; (2) PE (Pequena Empresa): na indústria de 20 a 99 empregados e no comércio/serviço de 10 a 49 empregados; (3) MDE (Média Empresa): na indústria de 100 a 499 e no comércio/serviço de 50 a 99 empregados; (4) GE (Grande Empresa): na indústria acima de 499 empregados e no comércio/serviço mais de 99 empregados. TABELA 2 - Distribuição do pessoal ocupado, segundo o porte da empresa por setor Brasil (1994) Setor Composição Pessoal Ocupado ME(1) (%) PE(2) (%) MDE(3) (%) GE(4) (%) Total (%) Indústria 43,80 14,87 18,56 24,80 41,77 100,00 Comércio 25,81 44,17 23,88 7,25 24,70 100,00 Serviço 30,39 18,89 17,96 7,73 55,42 100,00 Total 100,00 23,66 19,75 15,08 41,51 100,00 Fonte: SEBRAE (Elaborado com dados do IBGE Estrutura Produtiva Empresarial Brasileira 1994 ). Observação: (1) ME (Microempresa): na indústria até 19 empregados e no comércio/serviço até 09 empregados; (2) PE (Pequena Empresa): na indústria de 20 a 99 empregados e no comércio/serviço de 10 a 49 empregados; (3) MDE (Média Empresa): na indústria de 100 a 499 e no comércio/serviço de 50 a 99 empregados; (4) GE (Grande Empresa): na indústria acima de 499 empregados e no comércio/serviço mais de 99 empregados. TABELA 3 - Distribuição da receita/valor bruto da produção industrial, segundo o porte da empresa por setor Brasil (1994) Setor Composição Receita/Valor Bruto da Produção Industrial ME(1) (%) PE(2) (%) MDE(3) (%) GE(4) (%) Total (%) Indústria 51,18 6,94 10,30 21,67 61,09 100,00 Comércio 32,70 23,04 22,30 9,53 45,13 100,00 Serviço 16,12 14,34 14,06 7,46 64,14 100,00 Total 100,00 13,4 14,82 15,41 56,37 100,00 Fonte: SEBRAE (Elaborado com dados do IBGE Estrutura Produtiva Empresarial Brasileira 1994 ). Observação: (1) ME (Microempresa): na indústria até 19 empregados e no comércio/serviço até 09 empregados; (2) PE (Pequena Empresa): na indústria de 20 a 99 empregados e no comércio/serviço de 10 a 49 empregados; (3) MDE (Média Empresa): na indústria de 100 a 499 e no comércio/serviço de 50 a 99 empregados; (4) GE (Grande Empresa): na indústria acima de 499 empregados e no comércio/serviço mais de 99 empregados. Pelos dados apresentados, as empresas de pequeno porte são de fundamental importância para a economia dos países, em especial para aqueles países em processo de desenvolvimento, como é o caso do Brasil. Porém, apesar da importância econômica, tanto

16 em países altamente industrializados, quanto naqueles de recente industrialização, as PMEs ainda se ressentem, particularmente nas nações em desenvolvimento, de abordagens gerenciais mais eficazes (Kruglianskas, 1996: 08) Características das Pequenas e Médias Empresas As PMEs possuem características próprias que as distinguem das grandes empresas. Estas características referem-se tanto a sua forma de organização, quanto ao seu relacionamento com clientes, fornecedores, instituições governamentais e demais atores do seu entorno. O Quadro 1 ilustra as principais características deste tipo de empresa. QUADRO 1 - Principais características das Pequenas e Médias Empresas - Estrutura organizacional simples - Limitação de recursos humanos - Ausência de burocracia interna - Baixo grau de diversificação produtiva - Limitação de recursos financeiros - Produção para mercados locais ou especializados - Proximidade do mercado e do cliente - Rapidez de resposta - Flexibilidade e adaptabilidade à mudanças do entorno Fonte: Fundación Cotec, Estudios 7 [199-], p. 60. Algumas das características apontadas como: estrutura organizacional simples, pouca burocracia, rapidez de resposta, flexibilidade, etc., são altamente desejáveis, tendo em vista, que permitem uma reação mais rápida em um contexto de constantes mudanças. Já, características como: limitações de recursos humanos e financeiros representam obstáculos ao desenvolvimento das PMEs. Para Nilda Maria Leone as especificidades das pequenas e médias empresas podem ser apresentadas em três vias: especificidades organizacionais; especificidades decisionais e; especificidades individuais. As especificidades organizacionais dizem respeito à sua forma de gestão e de organização, onde existe uma tendência para as estruturas mais simples e menos formalizadas e à centralização da gestão na pessoa do proprietário-dirigente. As especificidades decisionais referem-se ao processo de tomada de decisão, normalmente baseada na experiência, no julgamento ou na intuição do proprietário-dirigente e marcada não somente pela sua racionalidade econômica mas também por sua racionalidade política e familiar. As especificidades individuais põem em foco a simbiose existente entre a pessoa física e a pessoa jurídica, entre o dirigente e o proprietário, assim, é necessário analisar as

17 competências, as atitudes, as motivações e o comportamento organizacional do proprietáriodirigente para que se compreenda o funcionamento de sua empresa (Leone, 1999: 92-93). Neste posicionamento, percebe-se uma clara influência das atitudes do dirigente da empresa, na forma de organização e atuação das PMEs, mesmo porque os donos das PMEs, costumam desempenhar múltiplas tarefas dentro e fora da empresa. Outra característica das PMEs refere-se ao investimento em pesquisa e desenvolvimento. Segundo Isak Kruglianskas, as PMEs desenvolvem produtos mas raramente realizam pesquisas de natureza mais básica. Sua vocação é aplicar tecnologia existente de forma original em novos produtos. As PMEs tendem a evitar áreas que exigem recursos consideráveis para P&D. Em geral, os dirigentes de PMEs são cépticos em relação à eficiência das equipes numerosas que atuam em grandes empresas (Krugianskas, 1996: 10). Em parte, este comportamento pode ser atribuído à tendência de não visualizar um horizonte de longo prazo. Porém, este comportamento em relação à P&D pode ser atribuído às PMEs de atuação em áreas tradicionais, pois, em PMEs de base tecnológica, onde o avanço técnico-científico ocorre de forma mais intensa, a P&D é uma área vital para a continuidade da empresa. Para o enquadramento como PMEs, não existe um critério universal. Sendo assim, cada país define seus próprios critérios, que poderão ser: número de trabalhadores, volume de negócios, total de ativos, balanço de resultados, etc. Entre estes critérios, o mais comumente adotado é a classificação segundo o número de empregados. Em alguns países da OCDE, são adotados os seguintes parâmetros: QUADRO 2 Definição de PMEs industriais em alguns países da OCDE PAÍS NO. DE EMPREGADOS Alemanha Austrália 1-99 Bélgica 1-50 Canadá 1-99 Dinamarca 1-50 Estados Unidos França Irlanda 1-50 Itália Japão Países Baixos Reino Unido Suécia Fonte: Wadley apud Fundación Cotec, Estudios 7, [199-], p. 58.

18 No Brasil, a forma mais freqüente de enquadramento das PMEs também é o número de empregados. Para o setor industrial o referencial é o seguinte: Microempresa - de 0 a 19 empregados; Pequena empresa - de 20 a 99 empregados; Média empresa de 100 a 499 empregados; Grande empresa acima de 499 empregados. No setor comercial e de prestação de serviços, considera-se o seguinte referencial: Microempresa - de 0 a 09 empregados; Pequena empresa - de 10 a 49 empregados; Média empresa de 50 a 99 empregados; Grande empresa acima de 99 empregados. Porém, estas classificações não representam uma regra geral. No caso brasileiro, em especial, devido à grande extensão territorial e a diversidade de contextos regionais, muitas vezes, é necessário buscar critérios que melhor se adaptem à região pesquisada e às condições sociais, econômicas e produtivas nela existentes Principais dificuldades encontradas pelas PMEs no Brasil Apesar de sua grande importância no contexto sócio-econômico, as PMEs encontram muitas dificuldades para a manutenção de seus negócios e conseqüentemente de sua sobrevivência. Tanto isto é verdade que, o índice de mortalidade destas empresas é alto. Dados do Sebrae para as MPEs, apresentam índices de até 61% Estado do Amazonas no ano de 1997 para a taxa de mortalidade no primeiro ano de vida. Os dados levantados pela pesquisa, para as MPEs, estão expostos na seguinte tabela: TABELA 4 -Taxa de Mortalidade das MPEs (%) ANO DE CRIAÇÃO AC AM MG MS RN PB PE PR RJ (1) SC (1) SE SP TO MÉDIA (2) Fonte: SEBRAE. Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas. São Paulo, Obs.: Foram excluídas as empresas que não chegaram a funcionar. (1) A taxa superior foi obtida agregando-se o percentual de empresas pertencentes aos cadastros de empresas extintas. (2) Coluna incluída com a finalidade de facilitar a análise do posicionamento de cada Estado. Nesta pesquisa observou-se que no universo das micro e pequenas, quanto maior a empresa, maiores são suas chances de sobrevivência (Bessone, 2000: 41). Assim, considerando que a pesquisa refere-se às MPEs, se a mesma fosse realizada em relação ao seguimento das PMEs, deduz-se que os índices poderiam ser menores. Destaque, também, deve ser dado aos números relacionados ao Estado do Paraná, referência deste estudo. O Paraná foi o Estado que apresentou os maiores índices nos anos

19 de 1995 e 1996 (73% e 68%, respectivamente), e apresenta o segundo maior índice no ano de 1997 (57%). Estes números revelam a necessidade de maior aprofundamento das pesquisas, para detectar as causas que levaram a índices tão elevados. Quanto às dificuldades, de modo geral, podem ser apontadas as seguintes: a) Falta de recursos financeiros A falta de recursos financeiros é apontada como uma das maiores dificuldades com que convivem as PMEs, a carência de recursos é um fator que limita os investimentos necessários para que estas empresas se desenvolvam ou, até mesmo, sobrevivam. Segundo Seminário Internacional realizado no México em 1993, sob o tema O Papel das Micro, Pequenas e Médias Empresas no Processo de Globalização da Economia Mundial, Os problemas de financiamento são comuns às micro, pequenas e médias empresas, e podem em alguns momentos, ser cruciais para o seu desenvolvimento. Isso ocorre na criação da empresa, durante suas fases de expansão, em sua reestruturação, na reconversão de atividades produtivas e quando se decide realizar pesquisas para desenvolver novos produtos e processos. Para enfrentar essas situações, a empresa deve ter estrutura financeira que permita investimentos sem atingir o capital de giro (SEBRAE, 1994: 42). Portanto, viabilizar políticas de financiamento em apoio a estas empresas é fundamental para a sua manutenção e desenvolvimento. b) Gerenciamento As PMEs têm problemas de gerenciamento decorrentes, normalmente, de duas situações: o tempo de dedicação do(s) sócio-gerente(s) à empresa e/ou a capacitação para gestão. A primeira situação ocorre quando o sócio-gerente assume tarefas dentro da organização e fora dela, não podendo desta forma dedicar-se inteiramente ao negócio, o que traz perdas em termos de gestão. Na segunda situação falta ao gestor capacitação empresarial, existindo o desconhecimento de técnicas básicas para gerir as atividades internas e externas à empresa. Neste sentido é necessário buscar soluções próprias para as características deste segmento de empresas, pois a transferência de conceitos e ferramentas adotadas pelas grandes organizações é problemática, quando tratamos de pequenas empresas de setores tradicionais (Kruglianskas, 1996: 04). c) Carga tributária elevada A carga tributária vigente no país é apontada pelos empresários como uma das maiores dificuldades das empresas. 1 Uma alta carga tributária contribui para o comprometimento da competitividade das empresas, pois sobrecarrega os preços de venda,

20 num momento em que oferecer produtos com qualidade e a preços baixos é fundamental para concorrer em um mercado globalizado. d) Infra-estrutura A infra-estrutura disponível entendida como a existência de um sistema de transporte, universidades, institutos de pesquisa, parques tecnológicos, serviços de apoio, telecomunicações, etc. é um dos fatores que podem favorecer as PMEs, quando são de boa qualidade e de acesso facilitado. A existência de infra-estrutura de qualidade, beneficia o conjunto das empresas o que, por sua vez, impulsiona o desenvolvimento da região, criando um círculo propício ao crescimento que favorece as empresas, no conjunto e individualmente. Segundo Isak Kruglianskas, para que uma empresa seja competitiva, não é suficiente que apenas ela seja competitiva; é necessário que haja no País ou região uma infra-estrutura também competitiva e que a cadeia produtiva na qual está inserida esta empresa seja, por sua vez, competitiva (Kruglianskas, 1996: 24). No Brasil, os problemas relacionados à infra-estrutura, diferem de uma região para outra. Regiões mais industrializadas, pelo seu próprio processo de desenvolvimento histórico, tendem a ter melhores condições em pesquisa e desenvolvimento, formação de recursos humanos, transporte, telecomunicações e em instituições de apoio tecnológico e empresarial. Assim, as dificuldades em relação à infra-estrutura estão fortemente vinculadas à região onde está localizada a empresa, não devendo ser estudadas fora deste contexto. e) Recessão econômica Na Pesquisa Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas, realizada pelo SEBRAE (2000), uma das principais dificuldades apontadas é a recessão econômica do país, já que ela gera instabilidade, inibe investimentos, aprofunda os problemas financeiros, diminui a demanda por produtos e serviços e aumenta o número de inadimplentes. Todas estas situações são prejudiciais às PMEs e às empresas de modo geral. As dificuldades enfrentadas pelas PMEs do Brasil, não se esgotam nestas quatro categorias citadas, mas envolvem muitos outros fatores. Parece inclusive, que alguns deles são negligenciados ao não aparecerem de forma explícita nas pesquisas, como é o caso do acompanhamento do avanço tecnológico. Note-se também, que a maior parte das dificuldades é atribuída às questões decorrentes do contexto sócio-econômico e político, mais fáceis de serem apontadas, inclusive porque justificam os fracassos de gestão (Rocha, 1996: 111).

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO 71 ANOS DA CLT - Cenário quando da edição Importante instrumento para reger as relações do trabalho no início da década de 40 Industrialização incipiente (Brasil Rural)

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Desenvolvimento de Competências para. Desenvolvimento de Competências para Gestão de Inovação. Gestão de Inovação

Desenvolvimento de Competências para. Desenvolvimento de Competências para Gestão de Inovação. Gestão de Inovação Desenvolvimento de para Gestão de Inovação Prof. Dr. Sérgio Takahashi GECIN /FEA-RP/USP Estrutura Paradigmas de Gestão Inovação e Realidade Nacional Conceitos sobre Inovação Gestão de Inovação: Fases Desenvolvimento

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

"Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada

Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada "Gestão Contábil para micro e pequenas empresas: tomada de decisão Julio Cesar. Pergunta: - O que é importante na tomada de decisão. O que devemos saber para decidir algo?? Algumas INFORMAÇÕES acerca do

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA AMÉRICA PAINEL: Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas (PMES). HENRIQUE Jorge

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Inovação nas Médias Empresas Brasileiras

Inovação nas Médias Empresas Brasileiras Inovação nas Médias Empresas Brasileiras Prof. Fabian Salum 2012 Com o intuito de auxiliar no desenvolvimento estratégico e na compreensão da importância da inovação como um dos possíveis diferenciais

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Cândido Ferreira da Silva Filho (UNISAL) candido.silva@am.unisal.br Gideon Carvalho de Benedicto

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa?

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? 1 O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS CARDOSO, Débora Regina 1 debora.cardoso@click21.com.br VALENTIM, Marta Lígia Pomim 2 valentim@marilia.unesp.br

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social.

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Prof. Dr. Cleber Carvalho de Castro Universidade Federal de Lavras clebercastro@ufla.br Andréia

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro Fusão e aquisição (F&A) são termos, por vezes, tratados como sinônimos. Entretanto,

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

I Simpósio COACHING - Arte e Ciência CRASP

I Simpósio COACHING - Arte e Ciência CRASP I Simpósio COACHING - Arte e Ciência CRASP COACHING EMPRESARIAL: A IMPORTÂNCIA DO COACHING COMO SUPORTE ÀS EMPRESAS ROSA R. KRAUSZ CONTRIBUIÇÃO DAS PMEs NO BRASIL (IBGE-2010) 20% do PIB brasileiro (R$

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SELMA MARIA DA SILVA (IFG) profasms@hotmail.com Sandrerley Ramos Pires (UFG)

Leia mais