CERTIFICAÇÃO. PROCERT Programa de Certificação pelo Compromisso com a Gestão Socioambiental Responsável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CERTIFICAÇÃO. PROCERT Programa de Certificação pelo Compromisso com a Gestão Socioambiental Responsável"

Transcrição

1 Diretoria Técnica - Parecer no. 049/2013 CERTIFICAÇÃO para o PRÊMIO SOCIOAMBIENTAL CHICO MENDES 2013 PROCERT Programa de Certificação pelo Compromisso com a Gestão Socioambiental Responsável PARECER TÉCNICO DA SANEAGO SANEAMENTO DE GOIÁS S/A 1

2 Sumário 1. O INSTITUTO CHICO MENDES OPORTUNIDADE E CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA BREVE CARACTERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO AVALIADA CONSIDERAÇÕES ANÁLISE RECOMENDAÇÕES: CONCLUSÃO: Missão do Procert e do Prêmio Socioambiental Chico Mendes Acompanhar, apoiar e reconhecer aqueles que no cotidiano apresentam uma postura proativa com relação ao desenvolvimento sustentável e ao bem estar social. 2

3 1. O INSTITUTO CHICO MENDES O Instituto Internacional de Pesquisa e Responsabilidade Socioambiental Chico Mendes INPRA é uma organização não-governamental sem fins lucrativos, fundada em março de 2004, de personalidade jurídica e direito privado, regida por estatuto e disposições legais pertinentes, sob CNPJ. de número / É signatário ao Pacto Global da Organização das Nações Unidas. Mantém sede administrativa matriz no Paraná, à Rua do Contorno, 2560, Jardim das Acácias, Município de Quatro Barras na Região Metropolitana de Curitiba, com superintendências em Fortaleza, Manaus, São Paulo, Belo Horizonte e Cuiabá. Eleva o nome de Chico Mendes (Francisco Alves Mendes Filho ) brasileiro, seringueiro da Amazônia, lembrado internacionalmente como um homem símbolo de resistência heroica frente as degradações ambientais, tendo sido um dos grandes responsáveis pelo interesse da difusão de práticas de uso racional dos recursos naturais, tornando-se representante legítimo dos povos da floresta e de ambientalistas, responsabilidade esta que lhe custou a própria vida. 2. OPORTUNIDADE E CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA O PROCERT - Programa de Certificação pelo Compromisso com a Gestão Socioambiental Responsável é um sistema de certificação para os diversos setores da economia, com o objetivo de reconhecimento emérito de produtos, serviços, casos de sucesso e sistemas de gestão organizacionais públicos e privados, visando promover e incentivar a sustentabilidade. A análise resulta em um parecer técnico, feito pelos técnicos do Instituto Chico Mendes composto por especialistas na área de Direito Ambiental, Gestão de Negócios, Gestão Pessoal, Gestão Ambiental e Biólogo. O Parecer Técnico utilizado no processo de premiação, fornece aos gestores uma análise técnica básica da atual gestão socioambiental implantada na instituição participante do processo, proporcionando possíveis recomendações para melhoramentos e adequação à legislação socioambiental brasileira, sendo que o objetivo máximo fornecido pelo PROCERT (reconhecimento emérito) está condicionado ao parecer positivo da gestão. Em caso de desaprovação da instituição participante, a mesma poderá se inscrever na próxima edição do programa, passando novamente pela análise. 3

4 O programa é dividido em categorias, que neste caso é Gestão Privada Socioambiental responsável. Os critérios utilizados são parâmetros básicos de gestão socioambiental, e levam em conta as: Ações sociais internas e externas; Questões energéticas, hídricas e de resíduos sólidos; Gestão ambiental e de negócios, legislação, conservação da biodiversidade, educação ambiental, entre outros. As instituições participantes do PROCERT são convidadas para a cerimônia solene de entrega do Prêmio de Responsabilidade Social e Ambiental Chico Mendes P.S.A Chico Mendes, evento que ocorre há seis anos em São Paulo, contribuindo para interferir positivamente na Cultura Socioambiental brasileira. Em sua nova versão, tem concentrado esforços para uma grande festa que se consolida como um marco nacional nas discussões socioambientais revelando casos de sucesso. A entrega do P.S.A. Chico Mendes, que já se tornou um marco revelador de ações em prol da melhor qualidade de vida, marca significativamente a agenda dos eventos voltados à difusão de conceitos e condutas que tenham como princípios a sustentabilidade e o respeito à vida! A divulgação por parte das organizações, através dos instrumentos dados pelo programa (Selo Verde), notícias e matérias veiculadas na mídia, constitui-se um importante mecanismo de interferência positiva na disseminação da qualidade ambiental, no respeito à vida e na justiça social. O Prêmio Socioambiental Chico Mendes influencia positivamente desde o empresário e o gestor público que concentram esforços cada vez maiores em busca de melhores performances, passando pelo consumidor que passa a optar por serviços e produtos que tenham em sua raiz os princípios da sustentabilidade, até as pessoas que buscam replicar e mobilizar a sua comunidade para o bem-estar coletivo. Muitas das instituições premiadas com o Prêmio Socioambiental Chico Mendes, na categoria Gestão Socioambiental Responsável podem se inscrever também na categoria Ação ou Case de Natureza Socioambiental, através dos cases de sucesso que possam vir a apresentar, demonstrando a toda a nação, a importância da ação, a força do exemplo! Na categoria Ação ou Case de Natureza Socioambiental, são levantadas questões que consideram aspectos como: Ineditismo e criatividade, Potencial transformador da ação ou produto, Problemática solucionada, Racionalização e nível de investimento, Praticidade para possíveis replicações, Análises de certidões negativas e/ou déficit socioambiental, Eficácia e articulação com potencial de integração, entre outros fatores como: 4

5 Saúde e segurança do trabalhador e as relações da empresa com os colaboradores, As comunidades locais e o meio em que empreendimentos ou instituições estão inseridos. Espera-se que as pessoas adotem uma atitude proativa, positiva e participativa em relação às necessidades de suas comunidades. Divulgar esses exemplos genuinamente nacionais, capazes de expressar as melhores soluções postas efetivamente em ação, é nossa preocupação. 5

6 3. BREVE CARACTERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO AVALIADA A SANEAGO é uma empresa de economia mista, criada através da lei que extinguiu o Departamento Estadual de Saneamento DES, em 13 de setembro de É responsável pela operação de sistemas de água tratada e esgotamento sanitário no estado de Goiás. O Estado de Goiás possui 246 municípios de acordo com o IBGE e possui uma área total de km 2. Mantém 63 sistemas de tratamento de esgotos em operação no interior do Estado e 4 sistemas prontos para entrar em operação. Seis sistemas de tratamento de esgotos em Goiânia. A empresa tem como competências ainda: Promover o saneamento básico no Estado, cumprindo lhe, especialmente, efetuar estudos, elaborar projetos, realizar construções e praticar a exploração de serviços de água potável e de esgotos sanitários. Explorar serviços de saneamento básico no Estado de Goiás, mediante concessões, permissões ou autorizações; Realizar pesquisa, lavra e comercialização de bens minerais, correlacionados com saneamento básico; Fomentar e proteger o meio ambiente nos limites da legislação própria, mediante convênio e/ou colaboração com outros órgãos, e prestar serviços técnicos especializados de saneamento básico. Atualmente a empresa vem trabalhando na implantação de um Sistema Integrado de Gestão, com base na NBR ISO 9001, NBR ISO e OHSAS 18001, para se submeter ao processo de nova Certificação. O objetivo é adotar um modelo de gestão sustentável para os processos, produtos e serviços prestados. Em sua declaração de missão, a empresa está comprometida em: Promover Saúde, Mediante a Prestação de Serviços em Saneamento Ambiental. Foto 1 ETE Estação de Tratamento de Efluentes. Fonte: SANEAGO 6

7 4. CONSIDERAÇÕES De acordo com o Manual de Impactos Ambientais, Banco do Nordeste (1999), os impactos negativos relacionados aos serviços de abastecimento de água são: Modificação dos cursos de água; Alteração do balanço hídrico; Remoção da vegetação; Erosão das margens e assoreamento dos cursos d água; Alteração da fauna e da flora aquática e terrestre e Rebaixamento do lençol freático; Riscos de danos à saúde pública por consumo de água contaminada, por falha no sistema de tratamento e/ou vazamento/infiltração na rede; Desperdício de água por falhas no sistema de distribuição; Contaminação do solo e de águas superficiais e subterrâneas, pela disposição inadequada do lodo e águas residuárias do sistema de tratamento (limpeza de filtros e decantadores); Alteração do fluxo de veículos e tráfego durante a implantação das obras; Geração de poluição atmosférica (emissão de poeira) e ruídos durante a execução das obras civis e geração de ruídos na operação do sistema de captação e tratamento. Riscos de acidente ambientais e de trabalho provocados por vazamentos de produtos químicos, em especial o cloro. Riscos de acidentes por falha no sistema de bombeamento, adução ou reservação. De acordo com o Manual de Impactos Ambientais, Banco do Nordeste (1999), os impactos negativos relacionados aos serviços de esgoto são: Modificação do equilíbrio hidrológico da bacia hidrográfica pela coleta de grandes áreas; Alterações nos habitat da flora e fauna aquática durante a construção do sistema; Modificação temporária das condições de vida da população durante a execução de obras; Produção de odores e ruído do processo de tratamento e de operação do sistema e eliminação de lodo; Comprometimento do solo, culturas agrícolas ou águas subterrâneas e/ou proliferação de vetores transmissores de doenças pelo manejo e eliminação de lodo; Riscos de acidentes devido à acumulação de gases na rede coletora; Riscos de contaminação e comprometimento da saúde pública, devido ao vazamento (transbordamento) e a acumulação de esgoto bruto, ou ainda por falha no fornecimento de energia para o tratamento. Desmatamento de áreas para implantação de estações. A empresa investe constantemente no aprimoramento de seu sistema operacional visando diminuir os impactos através de planejamento, monitoramento, implementação de programas especiais e uso de tecnologias de menor impacto. Recebeu várias premiações e certificações por seu desempenho ambiental. 7

8 As ações de educação ambiental são constantes e atingem todos os níveis hierárquicos na empresa e se estendem a comunidade, prestadores de serviços e fornecedores. Emprega também a gestão do conhecimento através de seu programa anual de treinamento e atendimento adicional de acordo com a sua demanda. A SANEAGO desenvolve vários projetos, programas e ações nas áreas social, ambiental, cultural, esportiva e de lazer nas comunidades onde está inserida visando melhorar a qualidade de vida dessa população e conscientizar quanto a preservação dos recursos hídricos, reciclagem e saúde. Entre esses projetos destaca-se o Projeto Faça o seu Papel (imagem 2) de incentivo a reciclagem de papel e o Projeto de Olho no Óleo (imagem 1) que está em fase inicial de implantação e trata da reciclagem do óleo de cozinha, altamente prejudicial para os sistemas de esgotamento sanitário. Imagem 1 Programa de Olho no Óleo Imagem 2 Programa Faça o seu Papel Foto 1 Comunidade participando o programa Olho no Óleo Fonte: Saneago 8

9 Foto 2 Palestra do Grupo Faça o seu Papel no Lar das Crianças de Pai Joaquim - Fonte: Saneago Foto 3 Grupo Faça o seu Papel no Lar das Crianças de Pai Joaquim - Fonte: Saneago Foto 3 - Visita a ETE Fonte: Saneago Foto 4 Programa de Olho no Óleo nas escolas Fonte: Saneago 9

10 5. ANÁLISE No sistema PROCERT, empresas do setor da SANEAGO são classificadas como nível ALTO de impacto ambiental, com meta mínima de 80 pontos no total. Sua avaliação neste sistema foi positiva. A SANEAGO atingiu a meta necessária para a sua aprovação. Em Gestão de Negócios a empresa alcançou 27,6 pontos, em Gestão Social a empresa alcançou 28,9 pontos e em Gestão Ambiental 23,9 ponto, perfazendo o total de 80,4 pontos, conforme podemos observar na tabela 1 abaixo. PROCERT - PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO METAS Referência Natureza da Atividade: SANEAMENTO BÁSICO ALTO: 80 A 100 Potencial de Poluição/Grau de Utilização de Recursos Naturais: ALTO MÉDIO: 50 a 79 PEQUENO: 20 a 49 Valor Obtido Referência GESTÃO DE NEGÓCIOS 27,6 até 33 GESTÃO SOCIAL 28,9 até 33 GESTÃO AMBIENTAL 23,9 até 34 Total de Pontos Obtidos 80,4 Tabela 1 Pontuação no PROCERT RESULTADO: APROVADO 10

11 Desempenho da Sustentabilidade Gestão de Negócios Gestão Social Gestão Ambiental Não atendeu Atendeu parcialmente Atendeu Gráfico 1 Desempenho da sustentabilidade No gráfico 1, que está dividido nas categorias GESTÃO DE NEGÓCIOS, SOCIAL e AMBIENTAL podemos observar que em gestão de negócios, a instituição atendeu 87% dos itens do questionário e 13% não atendeu. Em gestão social a instituição atendeu a 83% dos itens do questionário, 11% atendeu parcialmente e não atendeu 6%. Em gestão ambiental, a instituição atendeu 82% dos itens do questionário, 3% atendeu parcialmente e 15% não atendeu. 11

12 6. RECOMENDAÇÕES: A empresa não atendeu aos seguintes itens do questionário aos quais faremos um breve comentário: 1.8 Publicação de Balanços Sociais; A elaboração de balanços socioambientais permite uma maior visualização de suas ações, criando parâmetros para uma avaliação de desempenho na área. A publicação desses balanços traz uma maior eficiência, transparência e visibilidade para seus stakeholders. Esse documento é um instrumento evidenciador da responsabilidade socioambiental da empresa. O envolvimento público nos assuntos governamentais e empresariais, no crescimento e nas atividades das organizações não governamentais vem crescendo e exercendo sua pressão para a divulgação da ação ambiental e da ação social aos investidores. A sociedade civil cria pressões para que os negócios se tornarem mais abertos e transparentes na maneira pela qual lidam com o público, o governo, outros negócios e comunidades locais Associação ao Pacto Global; A associação ao Pacto Global visa oficializar, conscientizar e mobilizar os stakeholders da empresa para o exercício de valores sociais dos direitos humanos, relações de trabalho, combate à corrupção e meio ambiente. A comunidade empresarial é a protagonista nas mudanças das relações de mercado e consumo e no desenvolvimento social e por isso têm que agir com responsabilidade no meio em que estão inseridas Programa de participação nos resultados e avaliações de desempenho A implantação de programa de participação nos resultados que combine avaliações de desempenho e competência individuais com a performance do seu desempenho global fornecerá parâmetros para a melhoria da gestão de pessoas resultando num ambiente de trabalho motivador e mais eficiente. A avaliação do desempenho define-se como uma apreciação sistemática do desempenho de cada colaborador, em função das tarefas que desempenha, das metas e resultados a serem alcançados e do seu potencial de desenvolvimento. É um processo que serve para julgar ou sistematizar o valor, a excelência e as qualidades de uma pessoa, sobretudo, qual é a sua contribuição para a organização. 12

13 Na verdade, a avaliação do desempenho constitui um meio de localizar problemas de gerência e supervisão, de integração das pessoas à organização, de adequação da pessoa ao cargo, de localização de possíveis discrepâncias ou carências de treinamento e, conseqüentemente, estabelecer os meios e programas para neutralizar ou eliminar as divergências ocorridas para estar revelando uma melhoria de qualidade do trabalho e de vida dentro das organizações Plano de Contingenciamento O Plano de Contingência é um documento onde estão definidas as responsabilidades estabelecidas em uma organização, para atender a uma emergência relativa a segurança do trabalho, e também contêm informações detalhadas sobre as características da área ou sistemas envolvidos. É um documento desenvolvido com o intuito de treinar, organizar, orientar, facilitar, agilizar e uniformizar as ações necessárias às respostas de controle e combate às ocorrências anormais e de extrema importância para evitar problemas de segurança dos trabalhadores e diminuir riscos para a empresa Apoio ao voluntariado; Envolver a comunidade e colaboradores em programas assistenciais e de incentivo ao voluntariado é uma forma de contribuir para a realização do seu compromisso social e consequente dar maior visibilidade a empresa. Uma forma de aprimorar essas ações é realizar um cadastro de instituições que necessitam de trabalhos voluntários e manter disponível aos colaboradores e comunidade informações sobre oportunidades de voluntariados e PGRS Plano de Gerenciamento de Resíduos Sóli dos e Logística Reversa O PGRS é um documento da PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos que tem por objetivo a redução, separação, armazenamento temporário e destinação final adequada para os resíduos sólidos. Este documento pode contribuir significativamente para a prevenção de acidentes que podem gerar passivos ambientais a empresa, além de denegrir sua imagem perante o público consumidor. De acordo com a Lei /2010 que estabelece a Política Nacional de Resíduos Sólidos, a elaboração do PGRS é necessária para obtenção do Licenciamento Ambiental e deve ser elaborado pelo gerador de resíduos e submetido à análise do órgão ambiental para aprovação. A Logística Reversa também está prevista na Lei. De forma a viabilizar a logística reversa exigida pela PNRS, todas as partes relacionadas ao processo deverão contribuir para o encaminhamento dos produtos em fim de vida útil para a reciclagem ou destinação final ambientalmente adequada. 13

14 3.2.4, Emissões atmosféricas; A SANEAGO não possui programa de monitoramento de emissões atmosféricas, não dispõe de inventário de emissões de gases causadores do efeito estufa. A emissão de poluentes atmosféricos como consequência das atividades da SANEAGO podem ser reaproveitas para gerar energia, portanto vale a pena efetuar o monitoramento dessas emissões e principalmente tomar medidas mitigadoras para diminuir esse impacto Utiliza biocombustíveis em seu processo produtivo? Existe hoje uma grande preocupação quanto ao alto índice de poluição gerada por combustíveis fósseis, pois além de emitirem gases de efeito estufa durante a queima, seus resíduos contaminam o solo e a água, através dos derramamentos, quando ocorrem acidentes. Outro problema, econômico e também político, é que o petróleo está se esgotando, e que as maiores jazidas concentram-se em regiões politicamente conturbadas, o que provoca constantes variações no seu preço (OLIVEIRA, SUAREZ E SANTOS, 2008). Alternativas para substituir o petróleo são os combustíveis renováveis, aqueles que são de origem vegetal, como o etanol e o biodiesel (que também possui fonte animal), aqueles que podem ser sintetizados como o hidrogênio, metanol e aquele obtido na degradação da biomasssa, o biogás. A produção de energia proveniente do seu próprio sistema de tratamento pode ser parte de sua fonte energética Biocombustíveis para os veículos; O biocombustível é limpo, renovável e com forte apelo social quando sua produção vem da agricultura familiar. O uso de combustíveis de origem não-renovável na frota nacional de veículos é um dos grandes responsáveis pela emissão de GEEs Gases Efeito Estufa - no Brasil. O biocombustível é limpo, renovável e com forte apelo social quando sua produção vem da agricultura familiar. 14

15 7. CONCLUSÃO: A SANEAGO obteve a pontuação necessária para a sua aprovação em nosso sistema de análise de gestão com 27,6 pontos no item Gestão de Negócios, 28,9 no item Social e 23,9 pontos no item Ambiental, perfazendo o total de 80,4 pontos no total. Neste contexto, esta comissão atesta que a SANEAGO está APROVADA no PROCERT Programa de Certificação pelo Compromisso com a Gestão Socioambiental Responsável e também para receber o Prêmio Socioambiental Chico Mendes 2013 na categoria Gestão Socioambiental Responsável. Parabenizamos a SANEAGO pelo trabalho desenvolvido e pelo estabelecimento de diretrizes de gestão que considerem a importância da gestão racional dos recursos naturais seguindo princípios da sustentabilidade e da justiça social. Quatro Barras, 30 de agosto de Silvia Viruel Coordenação Técnica Aurelino Menarim Junior Presidente. 15

Prêmio Socioambiental CHICO MENDES. PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE

Prêmio Socioambiental CHICO MENDES. PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE Prêmio Socioambiental CHICO MENDES PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE REGULAMENTO 1 DO PROMOTOR E OBJETIVOS 1.1 - A realização da

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

O PASSO A PASSO DA MATRIZ DE IMPACTO DO USO DE ENERGIA

O PASSO A PASSO DA MATRIZ DE IMPACTO DO USO DE ENERGIA O Instituto LIFE disponibiliza a Série Temática de Cadernos Técnicos sendo um deles Energia e Biodiversidade. A energia consumida por uma empresa pode derivar de diferentes fontes energéticas. O uso de

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ATOS DO PODER LEGISLATIVO LEI Nº 5.690 DE 14 DE ABRIL DE 2010 INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL SOBRE MUDANÇA GLOBAL DO CLIMA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte

Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte III ENCONTRO ANUAL DA EQUIPE TÉCNICA DO DESPOLUIR Eduardo Vieira Gerente de Projetos da CNT Rio de Janeiro, novembro de 2010. CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010 Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais Janeiro / 2010 BNDES e o Meio Ambiente Década de 70 A variável ambiental é incorporada, formalmente, ao processo de análise

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Regulamento do Prêmio Petrobras SMES - IV Edição

Regulamento do Prêmio Petrobras SMES - IV Edição Regulamento do Prêmio Petrobras SMES - IV Edição A atitude sustentável faz a diferença! 1. Apresentação Ser sustentável é agir a favor da vida, da dignidade humana, da sobrevivência de todos os seres vivos,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS

12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS 12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS 1. APRESENTAÇÃO O Selo Ambiental de Guarulhos é uma premiação anual criada em 2002 pela Câmara Municipal de Guarulhos através do Decreto Legislativo 003/2002.

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL A Política de Sustentabilidade Banrisul, aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração em 08.10.2012 e em 06.11.2012, respectivamente, tem como finalidade

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Perguntas e Respostas Prêmio Petrobras SMES IV Edição

Perguntas e Respostas Prêmio Petrobras SMES IV Edição Perguntas e Respostas Prêmio Petrobras SMES IV Edição 1. Qual o objetivo do Prêmio Petrobras SMES IV Edição? O Prêmio Petrobras SMES IV Edição tem por objetivo estimular a força de trabalho da Companhia

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: MEIO AMBIENTE Visão: Que Santa Maria seja um município bom para se viver, propício ao desenvolvimento de empreendimentos sustentáveis e que cumpre as diretrizes das Conferências Mu Elaborar,

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE. Jaime Alfredo Binsfeld Presidente Executivo MENSAGEM DO PRESIDENTE:

SUSTENTABILIDADE. Jaime Alfredo Binsfeld Presidente Executivo MENSAGEM DO PRESIDENTE: SUSTENTABILIDADE MENSAGEM DO PRESIDENTE: Com mais de duas décadas de contribuição para o ramo alimentício, para a economia e para o desenvolvimento sustentável, a Fiagril firmou-se como referência no agronegócio

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

GRI SO2 ASPECTOS IMPACTOS MITIGAÇÃO

GRI SO2 ASPECTOS IMPACTOS MITIGAÇÃO Gestão Ambiental 99 Aegea Saneamento - Relatório de Sustentabilidade 2014 A Aegea tem como core business a gestão da água, um dos bens mais preciosos da humanidade, dentro de um país que possui 12% da

Leia mais

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 HISTÓRICO 70 década da água 80 década do ar 90 década dos resíduos sólidos Histórico

Leia mais

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO!

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! É crescente a preocupação brasileira com as questões ambientais, principalmente quando constatamos que os níveis de poluição e de produção de

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM APRESENTAÇÃO A FIEB, através do seu Conselho de Meio Ambiente - COMAM, vem realizando desde o ano de 2000, o Prêmio FIEB Desempenho Ambiental. Em suas duas primeiras edições o Prêmio abrangeu as categorias

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO SOBRE LOGÍSTICA REVERSA DE ÓLEOS LUBRIFICANTES Lei Federal 12.305/2010 PNRS e Resolução Conama 362/2005 DIRETRIZES PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DAS ATIVIDADES LIGADAS AOS OLUCs 13 de

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Conferência Municipal de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas

Conferência Municipal de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas Conferência Municipal de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas Painel: Contribuição das empresas e do setor econômico na redução das emissões de gases de efeito estufa e com iniciativas para gerar

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DO PORTO DE SANTOS

REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DO PORTO DE SANTOS Regularização Ambiental do Porto de Santos REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DO PORTO DE SANTOS CHECK-LIST DE INFORMAÇÕES - TERMINAIS/ARRENDATÁRIOS Terminal: Teaçu Armazéns Gerais S/A Data da visita: Responsável

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica

Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica F. I. B. S. Bastos a, J. M. Degan b, E. Temporim Filho c a.

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA

4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA 4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA Daniela Kramer Frassetto Assessora de Gabinete CME/MPSC cme@mpsc.mp.br Realidade do Planeta e do Brasil A manutenção do aumento

Leia mais

S O L U Ç õ e S a m b i e n t a i S

S O L U Ç õ e S a m b i e n t a i S SOLUÇões ambientais 01 Quem somos A Ambiens é uma empresa de assessoria e consultoria ambiental que, desde 1997, oferece soluções eficazes e economicamente competitivas para empresas de diversos segmentos,

Leia mais

Gestão Ambiental. Diretrizes GRI: 2 EC2 EN27. Conformidade Legal. Principais Aspectos e Impactos Ambientais. Equilíbrio

Gestão Ambiental. Diretrizes GRI: 2 EC2 EN27. Conformidade Legal. Principais Aspectos e Impactos Ambientais. Equilíbrio GRI: 2 EC2 EN27 Gestão Ambiental Diretrizes Conformidade Legal Todas as usinas operadas pela Tractebel Energia possuem as autorizações e licenças ambientais exigidas pela legislação em vigor. A Companhia

Leia mais

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO a) Requerimento através do Formulário N o 14 Licenciamento Ambiental, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; no mesmo formulário informar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

Unindo forças por um mesmo objetivo

Unindo forças por um mesmo objetivo Unindo forças por um mesmo objetivo Seguindo o conceito do programa em fomentar iniciativas de coleta e reciclagem, a parceria vai ampliar a atuação do Programa de Reciclagem do Óleo de Fritura (PROL),

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental.

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental. C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 35-336 - Fax (045) 3379-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: CIÊNCIAS

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais