AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE UMA EMPRESA PRIVADA DE COLETA DE LIXO DOMICILIAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE UMA EMPRESA PRIVADA DE COLETA DE LIXO DOMICILIAR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE UMA EMPRESA PRIVADA DE COLETA DE LIXO DOMICILIAR LUCIANO RAVADELLI Chapecó SC Dezembro, 2006

2 ii Luciano Ravadelli AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE UMA EMPRESA PRIVADA DE COLETA DE LIXO DOMICILIAR Monografia apresentada no curso de Pós Graduação Latu Sensu em Engenharia de Segurança do Trabalho da Universidade Comunitária Regional de Chapecó. Chapecó, dezembro de 2006 Prof. Dr. Mauro Leandro Menegotto Coordenador do Curso BANCA EXAMINADORA Prof. Msc. Marcelo Fabiano Costella Orientador Prof. Dr. Cláudio Alcides Jacoski Prof. Mauro Thompsen Passos

3 iii Agradecimentos A Maria, Mãe de Jesus, meus pais e minha esposa. Ao Prof. Msc. Marcelo Fabiano Costella, pela orientação em todas as etapas do trabalho. Aos proprietários da CRI Ltda, pela oportunidade. A todas as pessoas que responderam o questionário da pesquisa de campo e contribuíram com comentários e sugestões.

4 SUMÁRIO Lista de Figuras... 2 Lista de Tabelas e Quadros... 3 Lista de Siglas... 4 Resumo... 5 Abstract Introdução Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Aspectos Conceituais e Legislação sobre o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e Programa de Controle Médico em Saúde Ocupacional (PCMSO) Segurança do Trabalho na Limpeza Pública Metodologia da Pesquisa Avaliação dos Sistemas de Gestão Considerações e Propostas de Melhorias Alcance dos Objetivos, Conclusões e Recomendações para Futuros Trabalhos Referências Anexos... 66

5 2 LISTA DE FIGURAS 1 - Pirâmide de Heinrich Pirâmide de Fletcher Pirâmide de Bird e Germain Passos para o controle dos perigos Organograma da empresa... 36

6 3 LISTA DE TABELAS E QUADROS TABELAS 1 - Incidência de acidentes entre os trabalhadores Acidentes por tipo de atividade Acidentes por dia da semana Acidentes por distribuição anatômica Acidentes por tipo de objeto Causa dos acidentes População urbana atendida pelo serviço Quilometragem percorrida pelos coletores Causas e números de acidentes QUADROS 1 - Análise preliminar de risco... 59

7 4 LISTA DE SIGLAS APR - Análise Preliminar de Risco. BSI - British Standard Institution. BS - British Standard. CBI - Confederation of British Industry. CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. FUNDACENTRO - Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho. HSE - Health Safety Executive. MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. NR - Normas Regulamentadoras. NSC - National Safety Council. OHSAS - Occupational Health and Safety Assessment Series. OIT - Organização Internacional do Trabalho. OMS - Organização Mundial da Saúde. PCMAT - Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção. PCMSO - Programa de Controle Médico em Saúde Ocupacional. PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. SGSST - Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho. SST - Segurança e Saúde no Trabalho.

8 5 RESUMO O presente estudo foi realizado em uma empresa privada de coleta de resíduos sólidos domiciliares com objetivo de analisar os Programas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, em específico, o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e o Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO). Os dados para a avaliação dos programas foram obtidos mediante a aplicação de um questionário e através do acompanhamento da atividade dos trabalhadores que realizam a coleta de lixo domiciliar, em específico, os coletores. A avaliação do PPRA foi baseada na identificação e reconhecimento dos riscos existentes nos locais de trabalho e no cumprimento das etapas, das ações e metas previstas em seu documento. Já o PCMSO foi avaliado fundamentando-se nos riscos identificados no PPRA e no cumprimento das ações e metas previstas em seu planejamento. O resultado do presente estudo mostra que a empresa tem seus programas voltados para o atendimento dos requisitos mínimos legais deixando seus trabalhadores expostos a inúmeros riscos de acidentes de trabalho, doenças ocupacionais e a situações que podem ocasionar sofrimento físico, mental e emocional. Entre os riscos identificados, destacam-se os de acidentes (cortes e perfurações), o ergonômico (levantamento excessivo de peso), o biológico (contato com agentes patogênicos) e o químico (substâncias químicas presentes nos resíduos). Assim sendo, os Sistemas de Gestão ganham importância pois são ferramentas gerenciais que auxiliam a empresa na formação de uma nova cultura, a de prevenção de acidentes, garantindo assim, um ambiente de trabalho saudável a seus trabalhadores, aumentando a produtividade e melhorando os processos. Palavras-chave: coletor de lixo; gestão da segurança; riscos.

9 6 ABSTRACT The present study was accomplished in a deprived company of collection of solid domicile residues with objective to analyze the Programs of Administration of the Safety and Health of the Work, in specific the Program of Prevention of Environmental Risks (PPRA) and the Program of Medical Control and Occupational Health (PCMSO). The basis for the evaluation of the programs were obtained by means of the application of a questionnaire and through the accompaniment of the workers' activity that they accomplish the collection of garbage domicile, in specific the collectors. The evaluation of PPRA was based on the identification and recognition of the existent risks in the work places and in the execution of the stages, of the actions and aims foreseen in its document. PCMSO was already evaluated based it in the identified risks in PPRA and in the execution of the actions and aims foreseen in its planning. The result of the present study shows that the company has its programs looked for the attendance of the legal minimum requirements leaving its workers exposed to countless risks of work accidents and occupational diseases and to situations that can cause physical, mental and emotional suffering. Among the identified risks, they stand out the one of accidents (courts and perforations), the ergonomic (excessive rising of weight), the biological (contact with patogênicos agents) and the chemist (present chemical substances in the residues). Like this being, the Systems of Administration win importance, because they are managerial tools that they aid the company in the formation of a new culture, the one of prevention of accidents, guaranteeing like this, an atmosphere of healthy work to its workers, increasing the productivity and improving the processes. Word-key: garbage collector; administration of the safety; risks.

10 7 1. INTRODUÇÃO 1.1 JUSTIFICATIVA Os coletores de lixo, também chamados de garis, realizam um trabalho de extrema importância para a comunidade, pois eles são responsáveis pela coleta de todos os resíduos sólidos produzidos pela população residente no perímetro urbano das cidades. Trabalho este realizado diariamente no centro e alternadamente nos bairros. Pendurados na traseira do veículo de coleta, não importando as condições do tempo, passam o seu turno de trabalho saltando do caminhão, percorrendo as ruas e logradouros recolhendo o lixo que está acondicionado em sacos plásticos, latões, recipientes, caixas, etc. Esta atividade é realizada em condições precárias de segurança com as mais variadas situações de risco, tanto físicas quanto psicológicas. Sobre as condições de saúde e trabalho dos coletores de lixo da cidade de São Paulo, Santos (1994), afirma que, no sistema de coleta existem condições inadequadas e insalubres e exposições a acidentes de trabalho. No entanto, existem pontos positivos, como a questão da liberdade e do companheirismo. O interesse pelo tema da presente pesquisa originou-se através da vivência diária da rotina de trabalho destes profissionais na empresa de limpeza pública em que trabalho, ou seja, percebi a existência de uma distância entre os programas de gestão existentes, principalmente o PPRA e o PCMSO, e o dia a dia de trabalho destes profissionais. Assim sendo, reavaliar estes programas procurando identificar os riscos a que os garis estão expostos em seus locais de trabalho poderá esclarecer algumas dúvidas e alguns problemas que surgem diariamente com estes trabalhadores quando desenvolvem suas atividades.

11 8 1.2 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Avaliar os Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, especificamente o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) e o PCMSO (Programa de Controle Médico em Saúde Ocupacional), em uma empresa privada de limpeza urbana que realiza a atividade de coleta de lixo domiciliar OBJETIVOS ESPECÍFICOS Compreender o trabalho dos coletores de lixo; Identificar os riscos da coleta de lixo em uma empresa privada de limpeza pública; Propor medidas que possam melhorar a segurança dos trabalhadores quando desenvolvem sua atividade.

12 9 2. SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2.1 CONCEITOS BÁSICOS Neste item são apresentados alguns conceitos básicos sobre os Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho que são de fundamental importância para uma melhor compreensão do trabalho. Estes conceitos devem ser levados em consideração sempre que um sistema de gestão da segurança e saúde no trabalho for implementado Custos da segurança e custos da não-segurança O pesquisador norte-americano Heinrich procurou demonstrar as primeiras relações entre custos indiretos e diretos dos acidentes que ocorriam com trabalhadores. Ele chegou na proporção de 4:1, ou seja, os custos indiretos eram muito mais altos do que os custos diretos associados aos acidentes. Desta maneira ficou evidente a necessidade dos investimentos em prevenção (Benite, 2004). Surgiu então um novo enfoque da segurança e saúde do trabalho, onde a empresa deve se preocupar com todos os acidentes, ou seja, os que resultam danos aos trabalhadores, instalações, equipamentos e bens em geral. Este novo enfoque, associado aos custos indiretos, ampliou os custos dos acidentes direcionando as empresas a utilizarem uma visão prevencionista. Assim sendo, quando ocorre um acidente, resultando ou não em lesão, um prejuízo foi gerado, ficando este custo creditado na produção, ocasionando, desta maneira, um prejuízo para a empresa.

13 10 Segundo Benite (2004), um sistema ineficaz de segurança e saúde do trabalho é o causador dos custos dos acidentes de trabalho existindo uma relação de causa e efeito direto que permite nomear o acidente como um custo da não-segurança. Os custos da não-segurança requerem um volume significativo de recursos sempre que um acidente ocorre. Assim sendo, os empresários devem ter pleno conhecimento da não-segurança e estimular os investimentos na prevenção de acidentes. Sempre que ocorre um acidente de trabalho, despesas diretas e indiretas são geradas. Estas, por sua vez, não são claramente percebidas e avaliadas pela maioria das empresas. Segundo Salgado (1999), o custo direto de um acidente se constitui nos custos de indenização mais os de atendimento médico. Já em relação aos custos indiretos, o autor destaca os seguintes itens: Tempo perdido pelo trabalhador acidentado e pelos outros trabalhadores que suspendem seu trabalho devido à curiosidade, ajuda, etc.; Tempo perdido pelo encarregado e pelos executivos na investigação do acidente, na ajuda ao trabalhador, no treinamento e na substituição do trabalhador acidentado; Tempo, materiais e medicamentos empregados nos primeiros socorros; Reparação ou reposição de máquinas, ferramentas e ou equipamentos; Danos causados aos materiais; Custo acidental devido às interferências na atividade: falta de cumprimento de prazos, elevação nos custos e indenizações por danos a terceiros; Continuar o pagamento do funcionário acidentado; Custo social, da imagem, da empresa e judicial.

14 11 Os custos da não-segurança estão ligados ao tratamento das conseqüências dos acidentes e as subseqüentes ações corretivas. Já os custos da segurança estão relacionados com todos os recursos utilizados durante o planejamento da prevenção de acidentes e nos controles implementados nos locais de trabalho. O custo da doença relacionada ao trabalho não se resume ao salário base e aos 30% de encargos pagos ao funcionário. Devem ser incluídos, além destes, os custos indiretos relativos a: consultas, exames médicos e horas extras. Os custos não mensuráveis como a sobrecarga dos demais funcionários, treinamento de um novo funcionário, prejuízos no atendimento ao paciente, entre outros, também devem ser considerados (Cunha et al. 2000). Os custos da não-segurança são extremamente significativos não só para as empresas, mas também para todas as partes interessadas. No entanto, o custo total da não-segurança para as empresas, trabalhadores, famílias, sociedade e governo é de difícil mensuração. Segundo Tavares (2005) é difícil levantar com exatidão os custos dos acidentes de trabalho e, portanto, definir em que porcentagem eles incidem sobre o custo do produto. Para realizar este levantamento é necessário calcular o custo direto, ou segurado e o custo indireto, ou não-segurado. O Health Safety Executive (HSE), órgão do governo britânico responsável pela SST (Segurança e Saúde no Trabalho) no país, indicou que o custo total global de acidentes de trabalho é estimado entre 5 e 10% do lucro bruto sobre as vendas de todas as empresas britânicas, desconsiderando os acidentes que resultam apenas em danos materiais (North, apud Benite, 2004). Segundo a National Safety Council (NCS), organização norte-americana não governamental, existem nos EUA cerca de 13 mil mortes de acidentes de trabalho por ano e mais de 2 milhões de feridos com afastamento envolvendo um ou mais 1 NORTH, K. Environmental business management: an introduction. Geneva: International Labour Office, 1992.

15 12 dias. Os prejuízos chegam a 30 bilhões de dólares por ano (NSC, apud Benite, 2004). Segundo a Confederation of British Industry (CBI), as faltas ao trabalho por doenças do trabalho representam, na indústria do Reino Unido, um prejuízo anual de 20 bilhões de Euros (CBI, apud Benite, 2004). Segundo Costa (2001), no Brasil, ocorrem a cada ano, segundo estatísticas, cerca de 500 mil acidentes de trabalho. Destes, são fatais, milhares resultam em mutilações e incapacidade para o trabalho parcial ou permanente. Considerando estes números, os custos financeiros destes acidentes alcançam alguns bilhões de dólares por ano. Além dos custos financeiros, deve-se dar importância às conseqüências que os problemas dessa natureza trazem às famílias dos trabalhadores, gerando enorme sofrimento e prejuízo em sua qualidade de vida (Benite, 2004). Quantificar os custos da segurança e da não-segurança não é tarefa simples, uma vez que as variáveis envolvidas são muitas e todas de difícil dimensionamento. Segundo Pinheiro (2001), os custos da segurança e da não-segurança afetam negativamente a competitividade das empresas, pois aumenta a mão-de-obra, o que reflete nos preços dos produtos. Por outro lado existe um aumento das despesas públicas com a previdência, induzindo um aumento da carga tributária. Oliveira (2001), pesquisando a vida de algumas empresas em relação a quanto custa fazer ou não fazer segurança, concluiu que as organizações têm gastos elevados com questões relacionadas à insegurança de seus ambientes de trabalho. Assim sendo, estes custos são transferidos para os clientes ou transformados em redutores das margens de lucro. 2 NATIONAL SAFETY COUNCIL (NSC). Apresenta estatísticas norte-americanas sobre acidentes. Disponível em: <http://www.nsc.org>. Acesso em 20 out CONFEDERATION OF BRITISH INDUSTRY (CBI) In: Don, P. worplace ill-health, safety management. London, British Safety Council, 1997.

16 Acidentes e quase-acidentes As empresas devem compreender bem estes termos para implementar um SGSST (Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho), pois o principal objetivo de um sistema de gestão é reduzir a freqüência de acidentes e quase-acidentes. Falar em acidente é imaginar um evento repentino, que ocorre ao acaso e que resulta em danos pessoais. Segundo Benite (2004), esta visão é inadequada e gera dificuldades quando o objetivo é a prevenção de acidentes. Os acidentes eram considerados fatos inesperados, de causas fortuitas e ou desconhecidas. Segundo Correia (2004), esta definição errônea coloca grande parte dos acidentes como ocorrências inevitáveis e incontroláveis, levando as pessoas e organizações a um estado de inércia diante do ocorrido. Sanders e McCormick (1993) 4 apud Pozzobon e Heineck (2006) consideram que a variedade de definições de acidentes decorre do número elevado de fatores que contribuem para a sua ocorrência. Estes autores afirmam que nenhuma definição satisfaz todas as pessoas interessadas nas causas e medidas preventivas. O acidente de trabalho está intimamente relacionado ao trabalho, ao ambiente em que o mesmo é desenvolvido e às exigências psíquicas envolvidas. O acidente acontece em decorrência da execução de uma tarefa determinada em ambiente determinado, envolvendo fatores emocionais, individuais e as condições de trabalho encontradas. Os aspectos sociais também devem ser relacionados, estatísticas evidenciam que no Brasil os trabalhadores mais atingidos são os da mão-de-obra não qualificada (More, apud Ragasson, 2002). O dicionário define acidente como acontecimento infeliz, causal ou não, e que resulta em: ferimento, dano, estrago, prejuízo, ruína, etc (Ferreira, 1998). Esta definição torna evidente que um acidente pode não ocorrer necessariamente por acaso, assim sendo, ele pode ter causas bem conhecidas. 4 SANDERS, M. S.;McCORMICK, E. J. Human factors in engineering and design. 7 th ed. New York: McGraw-Hill, MORE, L. F.: A CIPA analisada sob a ótica da ergonomia e da organização do trabalho. Dissertação de mestrado em Engenharia de Produção. UFSC, 1997.

17 14 A definição legal de acidente de trabalho é dada pela Lei 8.213, de 24 de julho de 1991: o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou ainda pelo exercício do trabalho dos segurados especiais, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho permanente ou temporária. Esta definição procura proteger o trabalhador acidentado, por meio de uma compensação financeira, garantindo-lhe o sustento enquanto estiver impossibilitado de trabalhar, ou a indenização, se tiver sofrido uma incapacitação permanente. Segundo Ragasson (2002), o conceito legal não contempla todas as situações que caracterizam um acidente, se restringindo apenas às hipóteses de lesões ou perturbações de ordem funcional ou mental. As normas BSI (British Standard Institution), OHSAS (Occupational Health and Safety Assessment Series) e BS (British Standard) 8800, definem o acidente como evento indesejável que resulta em morte, problemas de saúde, ferimentos, danos e outros prejuízos. Esta definição é interessante e deve ser utilizada pelas empresas, uma vez que se baseia na visão prevencionista, apresentando uma abrangência maior, deixando de lado a idéia de que os acidentes são obras do acaso (Benite, 2004). Já o termo quase acidente merece também grande importância e, segundo as normas BSI OHSAS e BS 8800, pode ser definido como um evento não previsto que tinha potencial de gerar acidentes. Esta definição agrega todas as ocorrências que não resultam em morte, problemas de saúde, ferimentos, danos e outros prejuízos. Os quase acidentes podem ser entendidos como ocorrências inesperadas, é um aviso que, ser for ignorado, o acidente poderá ocorrer. Segundo Souto (1999), acidentes e quase-acidentes que não causam ferimentos ou outros tipos de lesão, também devem ser investigados. Eles são avisos daquilo que pode ou provavelmente vai acontecer. Heinrich, tomando como base empresas, analisou um grande número de ocorrências e desenvolveu a proporção apresentada na figura 1, na qual, para cada grupo de 330 ocorrências, 300 não resultam em danos (quase acidentes), 29

18 15 resultam em lesões menores e apenas uma resulta em morte ou lesões incapacitantes (Heinrich, apud Aquino, 1996). Figura 1: Pirâmide de Heinrich. 1 Acidentes graves, mortes e lesões incapacitantes 29 Acidentes leves e lesões menores 300 Quase-acidentes Fonte: Heinrich (1950) apud Aquino (1996). Uma proporção similar a de Heinrich foi desenvolvida por Fletcher em pesquisas sobre controle total de perdas apresentada na figura 2 (Benite, 2004). Figura 2: Pirâmide de Fletcher. 1 Acidentes graves, mortes e lesões incapacitantes 19 Acidentes leves e lesões menores 175 Quase-acidentes Fonte: Benite (2004). 6 HEINRICH, H. W. Industrial accident prevention. New York: McGraw-Hill Book Company, 1959.

19 16 Bird e Germain em 1969 analisaram mais de 1,7 milhão de acidentes reportados por 297 companhias as quais possuíam mais de 1,7 milhão de empregados. Como resultado, surgiu a pirâmide representada pela figura 3 (Bird e Germain 7, 1987 apud Silva, 2006). Figura 3: Pirâmide de Bird Germain. 1 Grande acidente 10 Pequenos ferimentos 30 Danos à propriedade 600 Desvios Fonte: Bird e Germain (1987) apud Silva (2006). As condições e comportamentos inseguros, representados pelos desvios, estão na base da pirâmide. O estudo feito por Bird e Germain mostra que, para cada 600 desvios podem ocorrer 30 acidentes com danos a propriedade, 10 acidentes com pequenos danos e um grande acidente (Silva, 2006). As três proporções deixam claro que os quase acidentes ocorrem em quantidade significativamente maior que os acidentes. Logo, as placas que indicam o número de dias em que uma determinada empresa não teve acidente não é motivo para retratar um bom desempenho da SST (Segurança e Saúde no Trabalho). Benite (2004), conclui que as empresas devem ter como foco a eliminação e redução de acidentes e quase acidentes, procurando mecanismos que façam a detecção, análise e implementação de medidas de controle. 7 BIRD, F. E. Jr e GERMAIN, George L. Practical loss control leadership, 1ª ed. Loganville, Institute Publishing, 1987.

20 17 O acidente de trabalho é causado por uma ação nociva, que poderá influir na integridade física e psíquica do trabalhador, podendo causar incapacidade temporária, permanente ou morte, representando, dessa forma, um problema importante na medida em que resulta perdas significativas, tanto de vidas humanas como econômicas (Ragasson, 2002) Perigo e risco Perigo, segundo as normas BSI OHSAS e BS 8800, pode ser definido como sendo: fonte ou situação com potencial de provocar lesões pessoais, problemas de saúde, danos à propriedade, ao ambiente de trabalho, ou uma combinação desses fatores. Segundo a norma BSI OHSAS e BS 8800 o termo risco é definido como: combinação da probabilidade e das conseqüências de ocorrer um evento perigoso. Segundo Kolluru (1996) 8 apud Fischer e Guimarães (2002), os termos risco e perigo podem ser interpretados em diferentes dimensões: científica, política, social, e econômica, de modo que existem diferentes definições na literatura. Segundo Sanders e McCormick (1993) 9 apud Fischer e Guimarães (2002), risco é a probabilidade ou chance de lesão ou morte. Perigo é uma condição ou um conjunto de circunstâncias que causam ou contribuem para uma lesão. Segundo Shinar, Gurion e Flascher (1991) 10 apud Fischer e Guimarães (2002), risco é um resultado medido do efeito potencial do perigo. Perigo é a situação que contém uma fonte de energia ou fatores fisiológicos que, quando não controlados, conduzem a eventos prejudiciais. Os termos perigo e risco devem ser bem conhecidos pelas empresas, estas devem divulgar a todos os colaboradores e todos devem procurar uniformizar estes termos 8 KOLLURU, R. Risk assessment and management: a unified approach. Boston, Massachusetts: McGraw- Hill, SANDERS, M. S.;McCORMICK, E. J. Human factors in engineering and design. 7 th ed. New York: McGraw- Hill, SHINAR, D., GURION, B.; FLASCHER, O. M. Proceedings of the human factors society. 35 th San Francisco, California, 1991.

21 18 para que a comunicação seja a mais clara possível entre os trabalhadores (Benite, 2004). Segundo Cardoso (2006), a partir do momento que os riscos de acidentes são identificados, as empresas devem procurar miminizá-los, implantando medidas preventivas. O procedimento inicial, no sentido de prevenir acidentes, é a elaboração de um diagnóstico. Para isso, é necessário reunir estatísticas, conhecer a política da empresa, conhecer os riscos e conversar com os trabalhadores. As tendências atuais das agências de fiscalização em diversos países obrigam as empresas a implantar sistemas de gestão que procuram lidar de maneira sistemática como os perigos e riscos de suas atividades deixando que as empresas não se preocupem em direcionar esforços para controlar os riscos (Benite, 2004). Segundo Oliveira (2001), a definição de metas e ferramentas adequadas para o reconhecimento e controle de riscos no ambiente de trabalho é fundamental para a implementação de um programa efetivo de SST. No Brasil, percebe-se esta tendência nas normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) onde são exigidos programas, como o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (PCMAT). Estes programas contemplam um processo de identificação prévia de perigos e riscos existentes no ambiente de trabalho para, em seguida, estabelecer medidas de controle. Segundo Costa (2001), as pequenas e grandes empresas no Brasil encontram dificuldades em gerir e efetivamente controlar os riscos nos ambientes de trabalho. Para muitos empregadores, os Programas de Controle Médico e Saúde Ocupacional e de Prevenção de Riscos Ambientais ainda são vistos como imposição do governo que aumenta os custos, ou seja, tais programas não são vistos como instrumentos capazes de garantir um ambiente de trabalho saudável e seguro. Conhecer previamente os riscos ocupacionais no ambiente de trabalho e como estes são percebidos pelos trabalhadores é fundamental para o sucesso de ações que visem a prevenção e controle de acidentes (Fischer e Guimarães, 2002).

22 19 Brauer (1994) 11 apud Benite (2004) evidencia a necessidade de um gerenciamento de riscos sistemático que garanta a identificação de todos os perigos existentes no ambiente de trabalho. Assim, a forma de conviver com os perigos existentes no ambiente de trabalho é gerenciar os riscos de maneira que os perigos sejam minimizados, ou até mesmo eliminados. A figura 4 apresenta os passos a serem seguidos para controlar os perigos num ambiente de trabalho. Figura 4. Passos para o controle de perigos. Origens Identificar os perigos Avaliar o risco Planejar O risco é tolerável? Não Definir as medidas de controle Sim Aplicar as medidas de controle Executar Monitorar as medidas de controle Checar As medidas foram eficazes? Não Atuar Sim Fim Fonte: Benite (2004). 11 BRAUER, R.L. Safety and health for engineers. New York: Van Nonstrand Reinhold, 1994.

23 20 Identificar os riscos num ambiente de trabalho é o primeiro passo para a implantação de um plano de gerenciamento de riscos e um efetivo controle dos perigos. Para controlar o perigo é imprescindível que se aplique o ciclo PDCA, Planejar (P), Executar (D), Checar (C) e Atuar (A) (Campos, 2003). Segundo Tavares (2005), o ciclo PDCA atua dentro de quatro fases: Primeira fase: é a do planejamento (P) e inicia com a fixação dos objetivos e das metas a serem alcançadas. Consiste em definir metas sobre os itens de controle e os métodos para atingir as metas propostas, sendo essa a fase em que se estabelecem as diretrizes de controle; Segunda fase: é a do desenvolvimento do plano (D). Esta é a fase de treinamento das pessoas que irão implantar e executar o método. Consiste em executar as tarefas exatamente como previstas no plano e coletar dados para a verificação do processo, o treinamento dos trabalhadores é essencial; Terceira fase: é a de checagem (C), de busca de fatos, de ter certeza de que o método está funcionando de acordo com o planejado. A partir dos dados coletados na execução, compara-se o resultado alcançado com a meta planejada; Quarta fase: é a de ação corretiva (A), por depender da ação das pessoas, é considerada a fase mais difícil. É a etapa em que o usuário detecta um desvio e atua para fazer as correções definitivas. Segundo Valcárcel (2003), o Ciclo PDCA é a base da abordagem de um sistema para a gestão e melhoria contínua. Para que o planejamento e implantação do sistema de gestão sejam efetivos é essencial a participação de todos os trabalhadores.

24 21 3. ASPECTOS CONCEITUAIS E LEGISLAÇÃO SOBRE O PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) E O PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL (PCMSO) A legislação brasileira que trata da segurança e da saúde no trabalho passou a adotar um novo enfoque ao estabelecer a obrigatoriedade das empresas elaborarem e implementarem dois programas: um ambiental, o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), e outro médico, o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO). Adotando como paradigma a Convenção 161/85 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a legislação brasileira específica passou a considerar as questões incidentes não somente sobre o indivíduo mas também sobre a coletividade de trabalhadores, promovendo, assim, uma ampliação do conceito restrito de "medicina do trabalho". Até 1994 as Normas Regulamentadoras (NR) caracterizavam-se ainda por um enfoque essencialmente "individualista". As NR-7 e 9 intitulavam-se, respectivamente, Exames Médicos e Riscos Ambientais, ou seja, a ênfase era, isoladamente, ora para o corpo do trabalhador, ora para a avaliação quantitativa de um certo risco ambiental. As novas normas, preocupadas agora com a saúde do conjunto dos trabalhadores, privilegiaram o instrumental clínico-epidemiológico na abordagem da relação saúde/trabalho e introduziram a questão da valorização da participação dos trabalhadores e do controle social. Neste sentido, a exigência legal dos novos programas PCMSO e PPRA representou, na prática, a superação de um "viés biologista/ambiental" e a introdução de um "olhar coletivo" nas questões relacionadas com a segurança e a saúde dos trabalhadores (Miranda, 2004). 3.1 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) O PPRA, cuja obrigatoriedade foi estabelecida pela NR-9 da Portaria 3.214/78, apesar de seu caráter multidisciplinar, é considerado essencialmente um programa

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. ROBERTO SANTIAGO) Acrescenta a Seção XIII-A ao Capítulo I do Título III da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-lei n.º 5.452, de 1º de maio de

Leia mais

saúde/trabalho e introduziram a questão da valorização da participação dos trabalhadores

saúde/trabalho e introduziram a questão da valorização da participação dos trabalhadores Introdução A legislação brasileira que trata da segurança e da saúde no trabalho passou a adotar um novo enfoque, a partir do final de 1994, ao estabelecer a obrigatoriedade das empresas elaborarem e implementarem

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com O que é higiene no trabalho? Higiene do trabalho é um conjunto de normas e procedimentos que

Leia mais

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO O PCMSOé definido e regulamentado pela Norma Regulamentadora nº 7, contida na Portaria 3214, de 8 de Junho de 1978, do Ministério do Trabalho

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

Márcia de Matos, Acadêmica Ana Regina de Aguiar Dutra, Dra. INTRODUÇÃO

Márcia de Matos, Acadêmica Ana Regina de Aguiar Dutra, Dra. INTRODUÇÃO PROJETO DE UMA FERRAMENTA PARA A COLETA E TRANSPORTE DE LIXO A SER UTILIZADA PELOS GARIS NOS MORROS DE FLORIANÓPOLIS, A PARTIR DAS METODOLOGIAS ERGONÔMICAS E DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Márcia de Matos,

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

PREVENÇÃO E ANÁLISE DE ASPECTOS QUANTITATIVOS DOS ACIDENTES DO TRABALHO

PREVENÇÃO E ANÁLISE DE ASPECTOS QUANTITATIVOS DOS ACIDENTES DO TRABALHO 618 PREVENÇÃO E ANÁLISE DE ASPECTOS QUANTITATIVOS DOS ACIDENTES DO TRABALHO José Miguel Etchalus (1); Antonio Augusto de Paula Xavier (2) & João Luiz Kovaleski (3) (1)Engenheiro Civil, especialista em

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento

Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento Importância Berenice I. F. Goelzer E-mail:berenice@goelzer.net As doenças ocupacionais, que constituem uma das grandes epidemias silenciosas,

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 BOLETIM INFORMATIVO Nº 28/2015 ANO XII (13 de agosto de 2015) 01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 Embora o esocial passe efetivamente a ser obrigatório a partir de setembro de 2016,

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção Segurança do Trabalho Papel do Gestor Frente a Prevenção Papel do gestor frente a prevenção O gestor é responsavel pela segurança de suas equipes: Integração de novos funcionários Conhecer através da CIPA

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MAIA, Lívia Cândida 1 ; RODRIGUES, Adonay; BARBOSA, Beatriz Ribeiro Kherlakian; RESENDE, Vitor Nascimento; PORTO, Adriel Cruvinel, SANTOS, Kaio Guilherme

Leia mais

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE Raymundo José A. Portelada e Meio Ambiente PROFISSIONAIS DE A legislação que estabelece a obrigatoriedade de serviços especializados de Segurança a e Medicina

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012 RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Aluna: Thalita Ripardo Ximenes Orientadora: Profª.. Dra. Ana Barbara de Araujo Nunes Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes QUESTÃO 13: A empresa Cabeça de Prego Metalúrgica Ltda. possui, no setor de produção de pregos metálicos de duas cabeças, diferentes máquinas e equipamentos, que são operadas por trabalhadores capacitados.

Leia mais

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA 2013 Luciano Nadolny Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Leia mais

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE Autores Carmem Lúcia Carneiro Rolim Antiógenes José Freitas Cordeiro José Clóves Fernandes COMPANHIA ENERGÉTICA

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006.

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA - UCB PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRG UADA - COORDENAÇÃO EAPs PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PRA DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB RESUMO SILVA¹, Adelmo Faustino da ; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães; CAMPELO,

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXI Acidentes de Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 2 PPRA Desde 1994, por exigência legal, as empresas são obrigadas a montar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Esse programa foi definido pela

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES Leandro Cezar Valbusa Bragato¹ Acadêmico de Engenharia Ambiental

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação:

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação: MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais