PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS PLANO DIRECTOR 2002/2004 planodirector_01_03.doc 1

2 PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS ADEQUAÇÃO DA GESTÃO (P1) ) COMPONENTES TRIBUTÁRIA ADUANEIRA ORÇAMENTAL FINANCEIRA PATRIMONIAL CONTABILÍSTICA CONTROLO INTERNO REGULAÇÃO DO MERCADO DE BENS E SERVIÇOS REGULAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS REGULAÇÃO DA ACTIVIDADE DE SEGUROS REGULAÇÃO DA ACTIVIDADE DE JOGOS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SISTEMATIZAÇÃO ORGANIZACIONAL INTEGRAÇÃO SISTÉMICA P R O J E C T O S INFORMATIZAÇÃO DA GESTÃO (P2) COMPONENTES PLATAFORMA TECNOLÓGICA FORMAÇÃO DE QUADROS (P3) COMPONENTES ESTRUTURA PEDAGÓGICA ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL planodirector_01_03.doc 11

3 PLANO DIRECTOR PROJECTOS COMPONENTES OBJECTIVOS METAS ACÇÕES planodirector_01_03.doc 12

4 1. GESTÃO TRIBUTÁRIA Reforçar a capacidade técnica e institucional de gestão tributária. Reformular o actual sistema de relações intergovernamental com vista à criação de uma estrutura fiscal funcional. 1.A- Aperfeiçoamento da legislação fiscal. 1.B- Aprimoramento da sistemática de arrecadação e do seu interface com o processo financeiro e contabilístico. 1.C- Melhoria do processo de administração e fiscalização tributária. 1.D- Melhoria do processo de Justiça Fiscal 1.E- Melhoria da qualidade de previsões e de monitorização das receitas fiscais em Geral. 1.A.1. Rever e actualizar a base legal na perspectiva da Reforma Tributária e do aperfeiçoamento das bases de cálculo dos tributos. 1.A.2. Redefinir as instâncias administrativas e judiciais. 1.B.1. Implementar os novos mecanismos de controlo sobre as fases de arrecadação das receitas em todas as repartições fiscais. 1.B.2. Rever e ajustar a legislação sobre receitas consignadas Dec. 80/99 e Dec. Executivo 42/97. 1.B.3. Rever e ajustar o processo de registo e controlo da dívida activa (fiscal). 1.B.4. Elaborar o diploma legal que estabelece a obrigatoriedade de caução judicial para o contribuinte recorrer a instância superior quanto ao pagamento do tributo. 1.B.5 Optimizar a interface do processo de arrecadação com o processo de recolha de receitas à Conta Única do Tesouro e destes com o processo contabilístico. 1.C.1. Implementar programa informatizado referente a actividade de fiscalização tributária. 1.D.1. Estudar e criar do Tribunal Fiscal. 1.E.1. Avaliar a qualidade do actual sistema de previsões e monitorização das receitas fiscais. 1.E.2. Conceber melhores rotinas e procedimentos de previsões e monitorização de receitas fiscais. 1.E.3. Implementar programa de profissionalização dos quadros de fiscalização tributária. 1.F.1. Identificar os termos de referência da unidade, a sua estrutura administrativa e suas responsabilidades de comunicação. 1.F.2. Identificar as necessidades de pessoal e equipamento. 1.F- Institucionalização do Modelo Financeiro para produção de informações sobre receitas petrolíferas. 1.F.3. Conceber e implementar um programa de formação de quadros. 1.G- Reforço da avaliação de receitas e cumprimento dos contribuintes. 1.H- Avaliação das condições actuais e análise de políticas alternativas. 1.G.1. Revisar os actuais procedimentos de rotina e condução de inspecções fiscais. 1.H.1. Realizar diagnóstico da situação actual. 1.H.2. Elaborar um plano de acção com propostas técnicas e projectos de lei revistos. DNA planodirector_01_03.doc 13

5 2. GESTÃO ADUANEIRA Assegurar a consolidação do processo de modernização dos procedimentos aduaneiros. Assegurar as condições necessárias para o aumento da produção de receitas. 2.A- Introdução do Documento Único. 2.B- Introdução do processamento electrónico do Bilhete de Despacho. 2.C- Estabelecimento da avaliação e da capacidade de classificação da pauta aduaneira. 2.D- Implementação de indicadores de qualidade e apresentação atempada de dados estatísticos. 2.E- Implementação de meios para o aumento da produção das receitas aduaneiras. 2.F- Protecção da actual produção de receitas. 2.A.1. Implementar o Documento Único e a legislação pertinente. 2.A.2. Formar os técnicos da DNA e os despachantes para conhecerem sobre a aplicação e a utilização do Documento Único. 2.B.1. Especificar o sistema informático para o processamento do Bilhete de Despacho. 2.B.2. Desenvolver e implementar o sistema informático. 2.B.3. Formar os técnicos da DNA e os despachantes sobre a utilização do sistema de processamento do Bilhete de Despacho. 2.C.1. Identificar a base legal, desenvolver a estratégia, estabelecer a política e seleccionar e formar pessoal. 2.C.2. Estabelecer e ministrar a base de dados dos preços. 2.D.1. Definir os procedimentos individuais e os padrões de controlo aduaneiro. 2.D.2. Padronizar os relatórios que expressem os resultados das acções aduaneiras. 2.D.3. Elaborar procedimentos para as operações padrão. 2.D.4. Elaborar programas de formação de pessoal da gestão. 2.D.5. Elaborar instrumentos para a recolha de dados e mecanismos de agregação das estatísticas aduaneiras. 2.E.1. Implantar os novos procedimentos relativos à verificação das mercadorias com base na análise de riscos. 2.E.2. Desenvolver a avaliação do risco e os perfis locais. 2.E.3. Assegurar em 10% as receitas extras de consignações seleccionadas para verificação física ou documental. 2.E.4. Estabelecer e monitorar os alvos de receitas mensais. 2.F.1. Desenvolver um programa mensal de risco operacional para os FASTS. 2.F.2. Introduzir programa efectivo de controlo do retalho. DNA planodirector_01_03.doc 14

6 3. GESTÃO ORÇAMENTAL Estabelecer as directrizes orçamentais por forma a assegurar os requisitos básicos para a transparência fiscal do Orçamento Geral do Estado. Reforçar a capacidade técnica de gestão orçamental. 3.A.1. Estabelecer parâmetros para a elaboração do diploma legal que 3.A- Definição das funções e das responsabilidades do sector público governamental e não governamental. 3.B- Estabelecimento de premissas para a preparação, a execução e a prestação de contas periódicas do Orçamento. 3.C- Optimização do processo de elaboração orçamental. 3.D- Ampliação da abrangência do controlo orçamental. 3.E- Formação de quadros e Actualização do Sistema Informático. fixa premissas para a execução orçamental e financeira do OGE. 3.A.2. Estabelecer o relacionamento entre as operações fiscais e monetárias do Banco Central; com as instituições financeiras públicas; e com as empresas públicas não financeiras. 3.A.3. Complementar a legislação sobre a interacção entre os organismos da área económica. 3.B.1. Definir as premissas básicas para a fixação das directrizes orçamentais, a contemplar: o cenário macro-económico e as metas (PIB, défice, inflação e reservas internacionais líquidas); os objectivos e a sustentabilidade da política fiscal (capacidade fiscal e limites orçamentais e da dívida); os dados orçamentais (receitas, despesas, financiamentos, por categoria económica, funcional e administrativa, e incluir as extra-orçamentais, tendo como base o Manual de Estatísticas das Finanças Públicas GFS do FMI); as regras de transparência do sistema contabilístico global e integrado, por forma a indicar os pagamentos em atraso. 3.C.1. Rever a Lei nº 7/97 (Lei Quadro). 3.C.2. Rever e actualizar o processo de descentralização de créditos. 3.C.3. Rever e actualizar o processo de alteração de créditos. 3.C.4. Rever e ajustar o Classificador Orçamental. 3.C.5. Estabelecer sistemática para a inclusão das doações e fundos de contrapartida no OGE. 3.C.6. Rever e optimizar o processo de recolha e de processamento dos dados orçamentais. 3.C.7. Rever e ajustar processo de avaliação das propostas orçamentais. 3.D.1. Rever e adequar o Decreto do Conselho de Ministros nº 73/2001 (SIGFE). 3.D.2. Rever, com vista a adequar, a forma de tratamento dos orçamentos dos organismos do Estado (Institutos Públicos, Serviços e Fundos Autónomos) no OGE. 3.D.3. Criar mecanismos para identificação das receitas consignadas no OGE. 3.D.4. Rever e aprimorar o processo orçamental do Programa de Investimentos Públicos e redefinir o interface com o MinPlan. 3.E.1. Definir as necessidades de treinamento a especificar o conteúdo programático. 3.E.2. Identificar a actual situação de desenvolvimento informático e definir os ajustamentos que se fizerem necessários. MinFin MinPlan DNO planodirector_01_03.doc 15

7 4. GESTÃO FINANCEIRA Reforçar a capacidade de gestão financeira, com vista a melhoria dos procedimentos de tesouraria e do controlo da dívida pública. Implementar instrumentos de avaliação e controlo económico-financeiro das empresas públicas. 4.A.1. Rever e optimizar o processo de conciliação dos valores que transitam pela Conta Única do Tesouro (arrecadados e pagos). 4.A- Melhoria do processo de controlo de recursos do Estado. 4.B- Revisão e ajustamento dos mecanismos de captação e utilização dos recursos financeiros do Estado. 4.C- Revisão do processo de controlo e pagamento das despesas classificadas como restos a pagar. 4.D- Melhoria do processo de registo, controlo e gestão da dívida pública. 4.E- Melhoria do processo de registo, controlo e gestão das doações e Fundos de contrapartida. 4.F- Reorganização do processo de acompanhamento e controlo das empresas públicas. 4.A.2 Definir instrumentos para o controlo das antecipações de receitas e a respectiva aplicação. 4.A.3. Rever e ajustar a forma de identificação das entradas na Conta Única do Tesouro. 4.A.4. Rever e ajustar a integração operativa e funcional das estruturas que integram o Sistema Integrado de Gestão Financeira (SIGFE). 4.B.1. Rever e ajustar os mecanismos de recolha e de tratamento dos dados sobre as necessidades financeiras das UO. 4.B.2. Implementar a Comissão de Coordenação da Política Fiscal e Monetária. 4.B.3. Estabelecer a sistemática de elaboração do fluxo de caixa. 4.B.4. Definir instrumentos para elaboração do Plano Semanal de Caixa. 4.B.5 Rever e optimizar o processo de liberação de recursos. 4.C.1. Estabelecer procedimentos para registo e controlo da disponibilização de recursos destinados ao pagamento das despesas identificadas como restos a pagar. 4.D.1. Implementar instrumentos de gestão de títulos públicos baseado na Lei Quadro da Dívida Pública e legislação decorrente. 4.D.2. Implementar a interligação do Tesouro com o Sistema de Controlo da Dívida Externa (DMFAS) implantado no BNA. 4.D.3. Criar condições para a DNT gerir a Dívida Pública Externa. 4.E.1. Estabelecer a sistemática para o processo de registo e controlo das Doações e fundos de contrapartida e comparticipação. 4.F.1 Rever e optimizar processo de registo e controlo das empresas públicas. 4.F.2. Estabelecer mecanismos para a avaliação da performance das empresas públicas. 4.F.3. Implementar regras e procedimentos para a prestação de contas por parte das empresas Públicas. DNT planodirector_01_03.doc 16

8 4. GESTÃO FINANCEIRA 5. GESTÃO PATRIMONIAL Criar capacidades técnicas e institucionais para a melhorar a gestão das Participações do Estado. Reorganizar o processo de gestão e controlo dos bens patrimoniais do Estado. 4.G.1. Rever e ajustar o processo de registo e controlo das participações societárias. 4.G.2. Definir política sobre a subscrição, cedência e venda de acções e de quotas detidas pelo Estado em sociedades comerciais. 4.G- Implementação de uma política adequada sobre Participações do Estado e a consequente administração e gestão dos activos. 5.A- Revisão e ajustamento da Legislação relativa à aquisição, administração e ao controlo dos bens patrimoniais do Estado. 5.B- Definição dos procedimentos de registo, movimentação e controlo dos bens patrimoniais do Estado. 4.G.3. Adequar a organização institucional para a administração e gestão das Participações do Estado. 4.G.4. Instituir sistemática de registo e controlo das Participações do Estado. 4.G.5. Informatizar processo de registo e controlo das Participações do Estado. 4.G.6. Proceder à inventariação e registo de todas as Participações do Estado. 4.G.7. Estabelecer normas e procedimentos para o acompanhamento do desempenho das empresas e sociedades em que o Estado detenha participações. 5.A.1. Rever e elaborar a regulamentação do decreto n.º 7/96, sobre as aquisições do estado. 5.A.2. Rever e elaborar normas que visem o estabelecimento de padrões obrigatórios para a aquisição de bens patrimoniais do estado, nomeadamente, viaturas e outros equipamentos. 5.A.3. Rever e elaborar legislação sobre duração normal de vida útil dos bens patrimoniais. 5.B.1. Harmonizar o Classificador Patrimonial com a Classificador Económico da Despesa e Com Plano de Contas do Estado. 5.B.2. Definir e implantar procedimentos sobre uso, cedência, abate e venda de bens patrimoniais do Estado: 5.B.3. Estabelecer plano de identificação (inventariação) dos bens patrimoniais do Estado a serem cadastrados. 5.B.4. Instituir sistemática de movimentação de bens patrimoniais do Estado. 5.B.5. Instituir a sistemática de registo e controlo dos bens patrimoniais do Estado. 5.B.6. Informatizar o processo de registo, movimentação e controlo dos bens patrimoniais do Estado e estabelecer o interface de compatibilização com o SIGFE. 5.B.7. Conceber e implementar programa de formação de quadros. 5.B.8. Implementar os novos procedimentos decorrentes da revisão da sistemática de inventariação. IAPE DNPE planodirector_01_03.doc 17

9 6. GESTÃO CONTABILÍSTICA Fortalecer a gestão contabilística do Estado com vista a consolidação dos pressupostos de Contabilidade Pública. 6.A- Aprovação do Plano de Contas da Contabilidade Pública do Estado. 6.B- Adequação dos procedimentos contabilísticos do Estado. 6.C- Revisão a ajustamento do processo de prestações de contas dos organismos da Administração Directa e Indirecta do Estado. 6.D- Implementação do módulo de registo da contabilidade patrimonial. 6.E- Formação de quadros especializados em contabilidade pública. 6.F- Estruturação do processo de publicidade dos dados relativos à execução orçamental, financeira e patrimonial do Estado. 6.G- Implementação do sistema contabilístico. 6.A.1. Rever e ajustar a classificação contabilística. 6.A.2. Rever e ajustar as funções das contas. 6.A.3. Elaborar o projecto de Decreto de implementação do Plano de Contas. 6.B.1. Rever a ajustar os procedimentos contabilísticos, a partir das adequações que serão efectuadas nos processos relativos as gestões orçamental, financeira e patrimonial. 6.B.2. Actualizar o Manual de Procedimentos Contabilísticos e Adequar Legislação Pertinente 6.B.3. Rever o ajustar o processo de organização da Conta Geral do Estado 6.B.4. Rever e ajustar a integração operativa e funcional entre as estruturas que constituem o Sistema Integrado de Gestão Financeira (SIGFE). 6.C.1. Avaliar e ajustar o processo de prestações de contas dos organismos da Adm. Directa 6.C.2. Avaliar e ajustar o processo de prestações de contas dos organismos da Adm. Indirecta. 6.C.3. Elaborar um programa de implementação dos ajustamentos idealizados: 2002 / D.1. Avaliar e adequar o sistema informático que dá suporte as actividades contabilísticas. 6.D.2. Elaborar um programa de implementação do módulo do sistema de registo da contabilidade patrimonial. 6.E.1. Identificar e organizar a clientela a ser formada em Contabilidade Pública. 6.E.2. Elaborar e implementar um programa de formação em contabilidade pública. 6.F.1. Identificar e organizar as informações que deverão compor o grupo de dados a serem publicados, de modo a atender as disposições legais. 6.F.2. Identificar e criar os mecanismos e meios necessários para a viabilização da publicação periódica das informações legais e estratégicas. 6.G.1. Elaborar um programa de implantação do Sistema Contabilístico, a abranger a estratégia de implementação e as necessidades de equipamentos. 6.G.2. Implementar as actividades do programa de implantação do Sistema Contabilístico, DNC planodirector_01_03.doc 18

10 7. CONTROLO INTERNO Reestruturar o Sistema de Controlo com vista à melhoria do processo de avaliação da gestão dos recursos públicos. 7.A.1. Conhecer e avaliar modelos alternativos com vista à definição do sistema a ser adaptado para o controlo da gestão pública. 7.A.2. Elaborar e instituir os critérios de controlo interno, a abranger os processos administrativo, financeiro e de gestão. 7.A.3. Estabelecer o processo de controlo administrativo, nas vertentes 7.A- Definição conceptual do modelo sistémico da função controlo interno. 7.B- Ajuste do funcionamento da actual Inspecção Nacional de Finanças ao novo modelo de controlo interno. procedimental, documental e da legalidade. 7.A.4. Estabelecer o controlo financeiro, quanto à eficácia da aplicação dos recursos públicos. 7.A.5. Estabelecer o processo de controlo da gestão quanto à eficácia e eficiência da execução dos Programas de Governo, segundo as prioridades fixadas. 7.A.6. Elaborar Manuais com nas Directrizes estabelecidas. 7.A.7. Informatizar os processos de controlo. 7.A.8. Conceber e implementar interface compatível com o SIGFE informático. 7.B.1. Identificar as necessidades de ajustamento institucional para preparar a transição das atribuições da INF para o novo modelo. 7.B.2. Rever e ajustar os diplomas legais que estabelecem o sistema de controlo interno. 7.B.3. Elaborar e implementar programa de profissionalização da actividade de controlo interno. 7.B.4. Rever, ajustar e implementar o processo de controlo da gestão quanto à eficácia e eficiência, no âmbito da administração indirecta. INF planodirector_01_03.doc 19

11 8.A.1. Estruturar os mecanismos de Representação do Governo perante 8. REGULAÇÃO DO MERCADO DE BENS E SERVIÇOS Criar as condições para o crescimento e o desenvolvimento dos Mercados de Bens e Serviços num ambiente de livre concorrência. 8.A- Implementação da Lei da Defesa da Concorrência. 8.B- Implementação do controlo das práticas desleais e restritivas da concorrência. 8.C- Implementação de sistemas de acompanhamento de custos e de preços. 8.D- Definição da Política de Subsídios e de Tarifas de Serviços Básicos. 8.E- Reestruturação da área de Acompanhamento de Preços e Concorrência. o Conselho Nacional da Concorrência. 8.A.2. Estabelecer orientações nos vários domínios de aplicação da Lei da Defesa da Concorrência. 8.A.3. Estabelecer os canais para participação em organismos e instituições internacionais relacionados com a sua competência. 8.B.1. Estabelecer os sectores para acolhimento de queixas e reclamações e processamento do contencioso administrativo. 8.B.2. Estabelecer a sistemática de análise das coligações e concentrações de empresas. 8.B.3. Estabelecer mecanismos de análise de quotas de mercado e volume de negócios. 8.C.1. Estabelecer a sistemática de recolha e análise das informações sobre custos dos sectores produtivo e comercial. 8.C.2. Definir e implementar sistema de acompanhamento de custos dos sectores produtivo e comercial. 8.C.3. Estabelecer sistemática de colecta de preços da Cesta Básica de Bens e Serviços Essenciais. 8.C.4. Criar Banco de Dados e estabelecer critérios de análise da variação de preços da Cesta Básica. 8.C.5. Elaborar e implementar o Decreto-lei sobre a estrutura de custos a ser aprovada. 8.D.1. Estabelecer critérios e realizar o controlo de todos subsídios concedidos pelo Estado. 8.D.2. Adoptar medidas de controlo necessários para a correcção das Tarifas (água, energia, combustíveis, transportes, telecomunicações etc...), quando necessário. 8.E.1. Identificar as necessidades de ajustamento para preparar a transição das actuais atribuições do GAPREC para o novo modelo adoptado. 8.E.2. Redimensionar as necessidades do GAPREC, recursos humanos, financeiros e materiais. 8.E.3. Formar quadros especializados para a função. GAPREC GAPREC planodirector_01_03.doc 20

12 9. REGULAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS Regulamentar e implementar o funcionamento do mercado de capitais. 9.A.1. Elaborar o Código do Mercado de Capitais. 9.A.2. Harmonizar a legislação sobre o mercado de capitais com o 9.A- Preparação e compatibilização da legislação que sustente o funcionamento e regulação do mercado de capitais. 9.B- Institucionalização e implantação do órgão regulador do mercado de capitais e promoção e incentivo do surgimento de operadores do mercado. 9.C- Promoção e incentivo à observância dos requisitos de participação no mercado de capitais por parte das empresas nacionais. 9.D- Desenvolvimento dos elementos básicos para o funcionamento da Bolsa de Valores e do Mercado de Balcão. Código Civil e Comercial e a Lei das Sociedades Comerciais. 9.A.3. Compatibilizar a legislação dispersa e avulsa sobre valores mobiliários com o Código do Mercado de Capitais. 9.A.4. Compatibilizar o Código do Mercado de Capitais com a Lei de Investimento Estrangeiro e a Lei de Privatizações. 9.A.5. Produzir legislação complementar para o funcionamento do mercado de capitais, como a Lei de Falências, etc. 9.B.1. Preparar diploma legal que institucionalize a Comissão do Mercado de Capitais como órgão tutelado pelo Ministério das Finanças. 9.B.2. Implantar a Comissão do Mercado de Capitais. 9.B.3. Preparar e implementar um programa de formação de pessoal. 9.B.4. Incentivar o surgimento de depositários de títulos e valores mobiliários bem como a desmaterialização dos títulos. 9.B.5. Incentivar o surgimento de intermediários financeiros. 9.B.6. Incentivar a criação de divisões de finanças empresariais e mercados nos bancos comerciais, de investimento e nas companhias de seguro. 9.C.1. Promover a avaliação primária das empresas angolanas. 9.C.2. Elaborar e implementar um Programa de Incentivo a Transformação das Empresas em sociedades anónimas de capital aberto. 9.C.3. Divulgar os princípios internacionais de boa administração empresarial. 9.D.1. Promover os mecanismos de incentivo das transacção através da bolsa de valores e do mercado de balcão. 9.D.2. Preparar a infra-estrutura e logística necessárias ao funcionamento do mercado de capitais. 9.D.3. Certificar os primeiros correctores e distribuidores. 9.D.4. Preparar os estatutos da Bolsa de Valores de Angola. 9.D.5. Definir os requisitos para a listagem na bolsa. 9.D.6. Preparar normas padronizadas e técnicas de monitoração da bolsa. 9.D.7. Promover, através da organização de Seminários e outros tipos de incentivos, o mercado de balcão. 9.D.8. Desenvolver e implementar as actividades de preparação da abertura da bolsa de valores. NÚCLEO MERCADO CAPITAIS planodirector_01_03.doc 21

13 10. REGULAÇÃO DA ACTIVIDADE DE SEGUROS 11. REGULAÇÃO DA ACTIVIDADE DE JOGOS 12. DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES Reestruturar a actividade de supervisão do sector de seguros. Estruturar o Sistema de Regulação da Actividade de Jogos de modo a assegurar a regulamentação e fiscalização do referido mercado. Dar publicidade do resultado da gestão económico-financeira do Governo. 10.A.1. Identificar e realizar o ajustamento institucional às novas 10.A- Ajuste do funcionamento do actual Instituto de Supervisão de Seguros às necessidades da evolução do mercado segurador. 10.B- Regulamentar a actividade de seguros. 11.A- Institucionalização e implantação do órgão regulador da actividade de jogos. 11.B- Regulamentar a actividade de jogos. 12.A- Definição de critérios para publicidade das informações sobre a gestão económicofinanceira do Governo. 12.B- Definição de sistemática para publicidade do resultado da gestão económico-financeira do Governo. condições de mercado. 10.A.2. Aprovar o Estatuto Orgânico do Instituto de Supervisão de Seguros. 10.A.3. Rever e ajustar os diplomas legais pertinentes ao estabelecimento de um adequado Sistema de Supervisão de Seguros. 10.A.4. Preparar e implementar programa de formação de pessoal no domínio da supervisão de seguros. 10.B.1. Rever e adequar a legislação de base e complementar sobre a actividade seguradora. 10.B.2. Estudos e elaboração de projectos de diploma legal sobre contribuições dos segurados, através de taxas, destinadas a aquisição de equipamentos diversos (incêndio, saúde, desenvolvimento rural e prevenção rodoviária). 11.A.1. Realizar a instalação do Instituto de Supervisão de Jogos. 11.A.2. Realizar estudo de mercado s/ viabilidade da actividade de Jogos. 11.A.3. Definir a estratégia de implementação da Indústria de Jogos em Angola. 11.B.1. Elaborar o Pacote Legislativo relativo à Indústria de Jogos em Angola. 11.B.2. Estabelecer mecanismos e procedimentos para a regulamentação, supervisão, fiscalização e controlo da actividade de jogos. 11.B.3. Elaborar Programa de Reestruturação da Empresa Nacional de Lotarias de Angola. 11.B.4. Reabilitar a Empresa Nacional de Lotarias. 12.A.1. Estabelecer os critérios e proceder a identificação das informações da gestão económico-financeira do Governo a serem divulgadas. 12.A.2. Ampliar a capacidade de produção de estatísticas das finanças públicas por meio da melhoria do processo de colecta de dados. 12.B.1. Organizar e implementar página do Ministério na Internet (WEBSITE). 12.B.2. Estabelecer a periodicidade, a forma e os meios a serem utilizados para dar publicidade as informações da gestão económico-financeira do Governo. 12.B.3. Definir e implementa Sistema de Informações Gerenciais (SIG). ISS ISJ GEREI planodirector_01_03.doc 22

14 13. SISTEMATIZAÇÃO ORGANIZACIONAL 14. INTEGRAÇÃO SISTÉMICA Padronizar os instrumentos de orientação procedimental e documental relativos ao funcionamento operativo das áreas do Ministério das Finanças. Assegurar o desenvolvimento integrado das acções de modernização da Função Finanças Públicas. 13.A.1. Actualizar os instrutivos de funcionamento da gestão dos processos constitutivos das finanças públicas decorrente das 13.A- Revisão dos Instrumentos operativos das áreas do MinFin, em conformidade com o estabelecido no Decreto Executivo MF 01/ B- Revisão do Estatuto Orgânico do Ministério das Finanças e da legislação aplicável à gestão das finanças públicas. 14.A- Optimização dos processos operativos da gestão de finanças públicas. 14.B- Consolidação do Sistema Integrado de Gestão Financeira do Estado SIGFE, a rever o modelo sistémico adoptado. propostas de modernização das componentes do Programa. 13.A.2. Actualizar os fluxos de funcionamento da gestão dos processos constitutivos das finanças públicas decorrente das propostas de modernização das componentes do Programa. 13.A.3. Actualizar os modelos dos formulários e documentos da gestão dos processos constitutivos das finanças públicas decorrente das propostas de modernização do Programa. 13.A.4. Actualizar os manuais das finanças públicas decorrente das propostas de modernização do Programa. 13.B.1. Ajustar os Regulamentos Internos das áreas internas do Ministério das Finanças. 13.B.2. Ajustar a legislação decorrente das propostas de modernização das componentes do Programa. 14.A.1. Garantir que as acções das componentes gestão tributária, aduaneira e normalização de mercado convirjam para o alcance dos objectivos da política de gestão das finanças públicas do Estado. 14.A.2. Garantir que o mecanismo a ser adoptado pelo Sistema de Controlo Interno assegure a adequada gestão dos recursos públicos. 14.A.3. Garantir os trabalhos de padronização dos procedimentos e instrumentos operativos das áreas do MinFin. 14.A.4. Garantir que os parâmetros e os meios a serem estabelecidos para a disseminação das informações económico-financeiras estejam de acordo com a estratégia de Governo. 14.A.5. Garantir homogeneidade de recursos tecnológicos a serem aplicados nos sistemas das componentes da função finanças públicas. 14.A.6. Garantir a organização e a implementação do processo de capacitação profissional do quadro técnico do Ministério das Finanças. 14.B.1. Estabelecer a estratégia para a revisão e o ajuste da sistemática adoptada para a execução orçamental, financeira, patrimonial e de registo contabilístico do Estado. 14.B.2. Coordenar a revisão e ajustamento dos procedimentos operativos do SIGFE. 14.B.3. Coordenar a revisão e ajustamento dos instrumentos aplicados ao funcionamento do SIGFE. 14.B.4. Coordenar a revisão dos diplomas legais que regulamentam o SIGFE, com vista a ajustá-los aos parâmetros do funcionamento operativo revisado. GEREI Coordenação do Programa planodirector_01_03.doc 23

15 14.B.5. Coordenar os trabalhos de elaboração de um programa de treinamento operativo do SIGFE. 14.B.6. Providenciar e Coordenar os procedimentos necessários a aprovação dos diplomas legais. planodirector_01_03.doc 24

16 PROJECTO INFORMATIZAÇÃO DA GESTÃO (P2) 15. PLATAFORMA TECNOLÓGICA Estabelecer o ambiente operacional para os aplicativos informáticos da função finanças públicas. Estabelecer a estrutura de rede para a conexão dos sistemas informáticos da Função Finanças Públicas. Estabelecer os protocolos de comunicação para conexão das redes no âmbito da função finanças públicas. 15.A.1. Redefinir a estrutura institucional do GAI. 15.A.2. Elaborar o Plano Director de Informática PDI do MinFin. 15.A- Definição das directrizes do funcionamento informático no Ministério da Finanças 15.B- Definição do funcionamento operacional da rede informática da função finanças públicas. 15.C- Definição da estratégica de interligação dos sistemas informáticos dos órgãos no âmbito da função finanças públicas. 15.A.3. Viabilizar a aquisição do hardware e software nos termos do PDI. 15.A.4. Implementar as actualizações e as conversões dos aplicativos instalados nas áreas do MinFin, em face da nova plataforma tecnológica: 15.A.5. Desenvolver e implantar novos aplicativos informáticos identificados como necessários pelas componentes deste Programa: 15.B.1. Definir a estrutura de rede de comunicações a ser adoptada pelo MinFin. 15.B.2. Definir e implementar rede de comunicação de dados, voz e imagens para atender à função Finanças Públicas. 15.C.1. Definir o protocolo de comunicação para interligar os sistemas informáticos no âmbito da função finanças públicas. 15.C.2. Estabelecer a estratégia de implantação e a prioridade de expansão para as Províncias do sistema informático de suporte ao SIGFE. 15.C.3. Estabelecer a estratégia de implantação e as prioridades de interligação on-line das UO e UG de Luanda à rede de comunicações do MinFin. 15.C.4. Implantar a expansão do sistema informático de apoio ao SIGFE nas Províncias e a interligação das UO e UG de Luanda à rede de comunicação de dados do MinFin. GAI planodirector_01_03.doc 25

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Decreto Lei n.º 4/98 de 30 de Janeiro Considerando que o Decreto no 181 A/80 de 19 de Novembro, já não tem aplicabilidade no actual estágio de desenvolvimento socio económico e

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS

Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS Workshop Protecção Social Obrigatória: Níveis de Solidez e Perspectivas

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão MTTI/CNTI 2015 Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação Centro Nacional das Tecnologias de Informação Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência

Leia mais

Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social. Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014

Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social. Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014 Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014 Estruturas Físicas Imagem TIT Serviços Gestão e Processos

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano VI Conferência RELOP Per : José Quarta Luanda, 30 31 de Maio de 2013 1 Interacção entre actores do Sistema Eléctrico 2 3 Projectos de

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão Capítulo VI Gestão Financeira e Patrimonial Artigo 18.º Princípios de Gestão 1. A gestão deve articular-se com os objectivos prosseguidos pela Câmara Municipal de Viseu, visando a promoção do desenvolvimento

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Calendário Geral de Cursos

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Calendário Geral de Cursos PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Calendário Geral de Cursos FORMAÇÕES REGULARES 12 Concurso Público da Função Pública 20 horas 18 22 11 15 14 19 9 14 13 Elaboração de Projectos 60 horas 15 3 12 30 14 Gestão de

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal

III Congresso de Direito Fiscal III Congresso de Direito Fiscal A REFORMA DO SISTEMA FISCAL ANGOLANO Rui Dinis Nascimento Advogado / Consultor Fiscal 25 e 26 de Outubro de 2012 A origem da Reforma Fiscal em Angola resulta de vários factores

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Harmonização do regulamento com a Lei 9/02, 12 de Fevereiro.

Harmonização do regulamento com a Lei 9/02, 12 de Fevereiro. FUNDAMENTAÇÃO Por Decreto nº 17/2002, de 27 de Junho, o Governo aprovou o Regulamento do Sistema de Administração Financeira do Estado que teve o mérito de introduzir alterações profundas ao anterior sistema

Leia mais

Contexto em que ocorreram as Negociacoes

Contexto em que ocorreram as Negociacoes Introducao Este Seminario enquadra-se num âmbito mais vasto, que é o de reforçar as capacidades técnicas e funcionais das instituições Superiores de Controlo (Tribunais de Contas), Parlamentos Nacionais

Leia mais

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA SITUAÇÃO ACTUAL CRITÉRIOS DE RECONHECIMENTO SITUAÇÃO PRÉ - BOLONHA ADAPTAÇÃO A BOLONHA DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS INSTRUMENTAIS DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAIO 2012 1. REGULAMENTO DAS MICRO,, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A Lei n.º 30/11, publicada em Setembro, definiu o novo regime das Micro, Pequenas e Médias

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério do Comercio é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público Depois de inflação de 3 dígitos em 2002 Consolidação Macroeconómica

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2014 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES O Novo Regime Jurídico do Sector Empresarial Local O novo regime jurídico do sector empresarial

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 ANGOLA JANEIRO 2014 VISÃO GLOBAL, EXPERIÊNCIA LOCAL DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 AMBIENTE DESPACHO N.º 2746/13, MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIÁRIO DA REPÚBLICA Iª SÉRIE N.º 235, DE 6 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE 2014 FIDIC GAMA ANNUAL CONFERENCE LOCAL INVOLVEMENT IN MAJOR PROJECTS FOR SUSTAINABILITY MAPUTO: 23 TO 26 TH MARCH 2014 Group of African Member Associations International Federation of Consulting Engineers

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS BANCÁRIO E FINANCEIRO DESPACHO PRESIDENCIAL N.º 189/14 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Autoriza a celebração dos Acordos de Financiamento entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola,

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2013 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais