ANAIS ANÁLISE DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO COMBUSTÍVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS ANÁLISE DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO COMBUSTÍVEIS"

Transcrição

1 ANÁLISE DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO COMBUSTÍVEIS FABIANO MONTELES SOUSA ( ) UFMA - Universidade Federal do Maranhão SERGIO SAMPAIO CUTRIM ( ) UFMA - Universidade Federal do Maranhão RESUMO O presente trabalho analisa o sistema de gestão integrado (SGI) de uma empresa que atua no setor de armazenamento e distribuição de combustíveis líquidos. A metodologia utilizada é a do estudo de caso, baseado em visita técnica e entrevista. Dentre os pontos críticos para manutenção da certificação existente estão a conscientização, o nível cultural e educacional e o nivelamento da percepção de risco. Os componentes do SGI foram avaliados, a maioria como de grande integração, entretanto alguns componentes relevantes foram classificados como de pequena e média integração, tais como: ação corretiva, controle de processos e serviços, ação preventiva e melhoria contínua. Os benefícios do SGI percebidos pela empresa foram classificados como médio e grande. Palavras-chave: Sistema de Gestão Integrado; Armazenagem e Distribuição de Combustíveis. 1.INTRODUÇÃO As organizações implantam diversos sistemas de gestão para atender as demandas do ambiente onde estão inseridas, tais como: sistema de gestão da qualidade, sistema de gestão ambiental, sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional e sistema de gestão de responsabilidade social, dentre outros. Entretanto, alterações no contexto em que estão essas organizações e dificuldades no gerenciamento de sistemas de gestão isolados contribuíram para a construção de uma concepção integrada de gestão através do sistema de gestão integrado. Nesse sentido, compreende-se um sistema de gestão integrado como um sistema que interliga diversas áreas de processos de uma organização (MORAES, 2010, p. 414). Os sistemas de gestão isolados são englobados em um único sistema integrado que permite alcançar os objetivos traçados para cada área que compõe esse sistema e apresenta vantagens em relação aqueles. As vantagens da implantação desse sistema são elencadas nos trabalhos de Lima (2001), Chaib (2005) e Sousa (2010) em que ressaltam um dos fatores que mais contribuem para implantação de um sistema de gestão integrado em uma empresa: a redução de custos, tempos e papéis desnecessários. Compreende-se que esse aspecto desperta o interesse para a adesão ao sistema de gestão integrado e representa um diferencial competitivo para a empresa que o adota. 1/17

2 Entretanto, essa implantação apresenta inúmeros desafios que necessitam ser observados pelas empresas. Soler (2002) afirma que uma cultura organizacional despreparada para a implantação de um sistema de gestão integrada como um elemento que contribui para o fracasso nesse processo. Considerando que a literatura sobre sistema de gestão integrado em empresa de petróleo e gás é escassa, percebeu-se a necessidade compreender de que forma esse sistema de gestão repercute em uma empresa desse setor. Pretende-se que este trabalho colabore para ampliar os conhecimentos sobre sistema de gestão integrado e sua importância para empresas desse setor, sobretudo em um período que o setor está em expansão no estado do Maranhão. A problemática se apresenta na investigação do sistema de gestão integrada na empresa Alfa, buscando identificar se ele é eficiente? Está alinhado com as normas de certificação ISO? A hipótese levantada inicialmente é que este sistema de gestão integrado é eficiente e está alinhado as normas de certificação ISO. Esse trabalho teve como principal objetivo avaliar a situação atual do sistema de gestão integrado adotado pela empresa Alfa, que presta serviços de armazenagem e movimentação de granéis líquidos (combustíveis e não combustíveis) em São Luís MA. Como objetivos específicos podem ser citados: Descrever os principais pontos de similaridade das três normas (ISO 9001, ISO e OHSAS 18001) identificados na empresa; Identificar pontos críticos no processo de manutenção das certificações existentes na empresa; Analisar o grau de integração dos componentes, benefícios e restrições técnicas do SGI percebidos na empresa estudada. Para alcançar esse objetivo, a metodologia utilizada foi o estudo de caso construído a partir de pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e entrevista semiestruturada com um dos responsáveis pelo sistema de gestão integrado da empresa. 2.SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO (SGI) Conforme Lima (2001), a necessidade de obtenção de vantagem competitiva tem conduzido diversas empresas a observar a integração de seus sistemas de gestão como oportunidade de reduzir custos, tempos e papéis desnecessários para a manutenção de sistemas separados. Essa perspectiva também é ressaltada por Chaib (2005) e Sousa (2010) quando destacam que a integração é observada como excelente oportunidade para reduzir custos e sobreposição, que ocorrem quando há o desenvolvimento e a manutenção de sistemas separados ou inúmeros programas de ação. Desse modo, há uma tendência para adoção do sistema de gestão integrada. Esse sistema de gestão é compreendido como um sistema que integra todos os componentes dos negócios da organização em um único sistema dotado de coerência e que permite alcançar os propósitos para o qual foi estabelecido (CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE, 2005). O conceito é ampliado com a perspectiva de Karapetrovic e Willborn (1998) como um conjunto de processos inter-relacionados que compartilham recursos humanos, financeiros, materiais, infraestrutura e informações, com a finalidade de alcançar objetivos relacionados à satisfação dos stakeholders. Enfatiza Moraes (2010, p. 414) que 2/17

3 Sistema de Gestão Integrada (SGI) é utilizado para expressar a interligação de diversas áreas de processos de uma organização. Atualmente, os sistemas de gestão mais comuns nas empresas são: gestão da qualidade (SGQ), gestão ambiental (SGA), gestão da saúde e segurança ocupacional (SSO) e, mais recentemente, sistema de gestão da responsabilidade social (SGRS). Um sistema de gestão integrado possibilitará ter um sistema único e simplificado, focar continuamente na melhoria de desempenho, otimizar os recursos disponíveis, integrar de forma crescente a qualidade, meio ambiente, segurança e saúde no trabalho na gestão dos negócios da organização e unificar documentos para um mesmo procedimento (SOUSA, 2010). A figura 1 destaca uma concepção conceitual de um sistema integrado, baseado nesses sistemas de gestão enfatizados acima. Esclarece Chaib (2005) que não há uma certificação específica para SGI, apenas existem certificações específicas para qualidade, meio ambiente e saúde e segurança ocupacional, mas as normas que norteiam esses sistemas de gestão podem ser integradas, devido ao fato de serem baseadas no método PDCA. Figura 1 - Sistema de Gestão Integrado Fonte: Neto, Tavares e Hoffmann (2008) Chaib (2005) cita alguns fatores que influenciam na decisão de como será esse processo, tais como: a existência ou não de sistemas de gestão já implantados, a cultura de gestão em vigor na empresa, o planejamento da direção (objetivos, prazos e motivações), os recursos financeiros e humanos disponíveis. Considerando essas características, pode-se verificar que a implementação de um sistema de gestão integrado apresentará diferenças de empresa para empresa, pois não existem empresas iguais, embora existam algumas dotadas de semelhanças. Dessa forma, a implantação de um sistema de gestão integrada apresenta inúmeras vantagens e desvantagens, mas nem todas as organizações perceberão os mesmos aspectos 3/17

4 positivos e negativos. Por essa razão, os que são destacados aqui podem ou não serem percebidos em uma empresa específica. Segundo Chaib (2005) as vantagens da implantação de um SGI incluem: Diferencial competitivo: Fortalecimento da imagem no mercado e nas comunidades; Prática da excelência gerencial por padrões internacionais de gestão e Atendimento às demandas do mercado e da sociedade em geral. Melhoria organizacional: Reconhecimento da gestão sistematizada por entidades externas; Maior conscientização das partes interessadas; Atuação pró-ativa, evitando-se danos ambientais e acidentes no trabalho; Melhoria do clima organizacional; Maior capacitação e educação dos empregados e Redução do tempo e de investimentos em auditorias internas e externas. Minimização de fatores de risco: Segurança legal contra processos e responsabilidades; Segurança das informações importantes para o negócio; Minimização de acidentes e passivos e Identificação de vulnerabilidade nas práticas atuais. Entretanto, além das vantagens também existem dificuldades encontradas nesse processo de implantação de um SGI, que conforme os esclarecimentos de Sousa (2010) destacam-se: Resistência à mudança, com dificuldade para obter a colaboração das pessoas e o comprometimento da gestão; Existência de uma cultura pouco propícia à disciplina e aos procedimentos definidos; Duração temporal necessária à implementação do sistema e dificuldades de interpretação das normas relativas à qualidade, ao ambiente e à segurança; Pouca adesão ao preenchimento de registros; Barreiras internas e externas à comunicação e Integração dos referidos sistemas no sistema global de gestão existente na organização. Como passos importantes para a integração dos sistemas de gestão destacam-se: a definição de uma política empresarial; o estabelecimento de um manual do sistema de gestão integrado; a realização de auditorias conjuntas e a revisão do sistema e respectivo relatório contemplando as três vertentes (SOUSA, 2010). Nesse processo torna-se necessário identificar os requisitos que podem ou não serem integrados. Conforme analisado na Figura 2, pode-se perceber que existem requisitos comuns e requisitos específicos em cada sistema de gestão. Figura 2 - Requisitos comuns e específicos das normas de cada sistema de gestão Fonte: De Cicco (2010) 4/17

5 Para identificação desses requisitos comuns entre as normas é comum a utilização de tabelas de correspondência entre as normas ISO 9001:2008, ISO 14001:2004 e a especificação OHSAS 18001:2007, que são úteis nesse processo. Convém acrescentar que existe uma especificação criada por entidade britânica, a BSI Standards, denominada de PAS 99:2006 (Publicly Available Specification -Especificação Disponível Publicamente) que é considerada a primeira especificação do mundo de requisitos comuns de sistema de gestão integrado (DE CICCO, 2006). Essa especificação PAS 99: 2006 tem a finalidade de ser utilizada como uma estrutura para a implementação de duas ou mais normas/especificações de sistemas de gestão de maneira integrada. Ela reúne os requisitos comuns das normas/especificações de sistemas de gestão (DE CICCO, 2010). 3.METODOLOGIA A importância metodológica de um trabalho é relevante para que os objetivos traçados sejam alcançados. Por isso, é necessário um embasamento científico adequado, o que inclui a escolha de abordagem mais compatível com as questões levantadas, os métodos e as técnicas para planejamento e condução da pesquisa (MIGUEL, 2007). Nesse sentido, essa pesquisa consiste em um estudo de caso. Esse procedimento apresenta natureza empírica que investiga fenômenos contemporâneos, dentro de um contexto real, sobretudo em situações em que as fronteiras entre o fenômeno e o contexto em que ele se insere não são claramente definidas e também é bastante utilizado em pesquisas que apresentam questões do tipo "como" e "por que", em que os pesquisadores tem pouco controle sobre os eventos (MIGUEL, 2007; PRODANOV; FREITAS, 2013). Para desenvolvê-lo utilizaram-se as seguintes técnicas para a obtenção das informações necessárias para alcançar os objetivos dessa pesquisa: Pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, visita técnica e entrevistas. A visita técnica foi realizada sob a orientação de um dos técnicos de segurança do trabalho que atuam na empresa. Cada área de operação foi conhecida e uma visão sistêmica das operações realizadas dentro da empresa foi construída. Conforme Lakatos e Marconi (2003, p. 195) a entrevista é compreendida como "um encontro entre duas pessoas, a fim de que uma delas obtenha informações a respeito de determinado assunto, mediante uma conversação de natureza profissional". O entrevistado foi um chefe de operações do Terminal, um dos representantes da Administração responsáveis pelo sistema de gestão integrado da empresa, que trata interna e externamente de assuntos referentes ao Sistema de Segurança e Saúde Ocupacional. Nesse diálogo foram obtidas informações relevantes para compreensão do sistema de gestão integrado dentro da empresa. 4. ESTUDO DE CASO 4.1 Caracterização da empresa Alfa Para o desenvolvimento do estudo de caso adotou-se como nome da empresa o nome fictício alfa. A empresa Alfa é uma empresa privada operadora de Terminais de uso público destinados à armazenagem de granéis sólidos e líquidos (combustíveis e não combustíveis). É uma empresa associada a um grupo Beta, o qual opera uma das maiores frotas de navios ao redor do mundo, que oferece serviços de armazenagem, transporte marítimo, 5/17

6 terrestre e fluvial e possui terminais de líquidos e graneleiros no Brasil, Argentina, Chile, Canadá, Estados Unidos e China. O terminal São Luís iniciou suas atividades em 1980 com capacidade de armazenamento de 6000 m³. Devido às novas demandas, ocorreu uma expansão do terminal e esse atingiu a capacidade atual de m³, dividido em 35 (trinta e cinco) tanques de diversos tamanhos, instalados em 6 (seis) bacias de contenção. São clientes desse terminal: empresas com atuação na área de distribuição de combustíveis, produção e exportação de óleos vegetais, produção e exportação de álcool, indústria química e produção de biodiesel. Com a instalação de novas instalações de unidade produtoras de álcool e biodiesel no Maranhão e demais estados das regiões Norte e Nordeste, a tendência é que a movimentação através desse terminal continue em expansão crescente atingindo mais de toneladas em Esse terminal está habilitado a realizar as seguintes operações: transferência entre tanques; carregamento e descarga de caminhões; descarga, transbordo e carregamento de navios petroleiros e químicos e também carga e descarga de vagões. O terminal São Luís é dividido funcionalmente em cinco áreas: Área de armazenamento (bacias de contenção); Área de bombeamento; Área de recepção e despacho de produtos por rodovia e ferrovia; Área de conexões aos navios (linha do Cais) e Área de utilidades e serviços gerais. Cada tanque apresenta um produto específico, dentre os quais destacam-se: álcool anidro, álcool hidratado, gasolina, diesel A S-10, diesel S-500, diesel S-1800, biodiesel, e soda caustica. Convém acrescentar que há um controle permanente desse estoque físico com dados sobre os produtos armazenados, tais como: localização (bacia/tanque), produto armazenado, empresa, altura, densidade, volume (litros), e quantidade (quilogramas). Dessa forma, existe um controle da quantidade local e total de cada produto dentro da empresa. Conforme dados da empresa Alfa (2012b) a população fixa de funcionários no Terminal São Luís é aproximadamente de 67 pessoas, mas a empresa apresenta funcionários em escritório localizado em São Paulo nas áreas de contabilidade, financeira, comercial e Alta administração. 4.2 Processos de operação A interação dos processos da empresa Alfa em seu terminal São Luís está representada no esquema da Figura 3. Figura 3 - Interação dos processos da empresa Alfa 6/17

7 Fonte: Alfa (2012a) Observa-se na figura acima que a empresa Alfa apresenta processos inter-relacionados em que os insumos ao serem transformadas em produtos atingem diretamente o cliente. Nesse aspecto, cada etapa dessa abordagem de processo necessita de controle e monitoramento para garantir que todos os stakeholders estejam satisfeitos, especialmente os clientes que representam as entradas e saídas do processo global. 5. DISCUSSÃO E RESULTADOS A descrição dos pontos de similaridade entre as normas ISO 9001, ISO e OHSAS verificados na empresa Alfa - Terminal São Luis foi obtida a partir da análise documental e da entrevista realizada com um dos responsáveis pelo sistema de gestão integrado da empresa. Esses itens estão destacados na Tabela 1 e descritos posteriormente de modo sucinto. Tabela 1 Tabela de correspondência entre normas do SGI Item da norma ISO 9001 ISO OHSAS Política Planejamento Identificação de perigos/aspectos Avaliação de riscos e impactos /7.2.1/ Requisitos legais e outros /7.2.1 Objetivos do sistema de gestão Programas / 5.4.2/ Implementação e operação Recursos, funções, responsabilidades e autoridades / 5.5.1/ 5.5.2/ 6.1/ 6.3 Conscientização e treinamento /6.2.2 Comunicação / Documentos Controle de documentos /17

8 Controle operacional Preparação e resposta a emergência Verificação Monitoramento e medição /8.1/8.2.3/ 8.2.4/8.4 Controle de registros Auditoria interna Análise crítica pela direção Fonte: Autoria própria Os itens política, planejamento, implementação e operação, verificação e análise crítica pela direção constituem etapas necessárias para execução do ciclo PDCA e são constituídas por atividades específicas destacadas na tabela acima. 5.1 Política A política da empresa Alfa está integrada para as áreas de qualidade, meio ambiente e segurança e saúde ocupacional, garante a melhoria contínua, a prevenção de lesões, doenças e poluição. Além disso, contempla todos os stakeholders com o intuito de manter um relacionamento adequado entre todas as partes interessadas. Tal política está adequada à complexidade dos negócios e aos riscos inerentes as atividades executadas devido às análises críticas realizadas pela Alta Administração anualmente. As atas de análises críticas e os relatórios de auditorias são ferramentas utilizadas pela empresa Alfa para garantir a eficácia dos procedimentos adotados e a atualização da política. Essa política é comunicada no ato de contratação dos funcionários através dos treinamentos e da disponibilização de cópias para que tenham conhecimento da política adotada pela empresa. Além disso, utilizam-se banners e quadros para divulgação distribuídos em vários setores do Terminal e também está disponível no site da empresa para todas as partes interessadas. 5.2 Planejamento A empresa não apresenta grandes desafios no processo de identificação dos perigos/aspectos, avaliação de riscos/impactos e determinação de controles em relação ao sistema de gestão integrado. Essa etapa é realizada por equipe multiprofissional, em que a cooperação mútua entre os integrantes foi a principal característica citada durante a entrevista, que também é enfatizada na política do SGI. Esses procedimentos são documentados em planilhas de aspectos e impactos ambientais, que são devidamente identificados por área (atividade principal executada). Dentre as planilhas apresentadas e disponibilizadas estão aquelas das seguintes áreas: administrativa (prédio administrativo, balança e portaria), operação (amostragem de tanques e linhas, transferência interna e armazenamento de produtos, carga e descarga de caminhões e vagões, lavagem de tanques e linhas, carga e descarga de navios, transporte rodoviário e ferroviário de produtos e resíduos perigosos). O procedimento para identificação de perigos e análise de riscos é definido em relação ao escopo, natureza e momento oportuno para agir, para assegurar que seja proativa ao invés de reativa. Além disso, fornece subsídios para identificação, priorização e documentação dos 8/17

9 riscos, bem como para aplicação dos controles, apropriados. Vale ressaltar que há uma norma de procedimento que define a metodologia e os critérios para identificação e avaliação dos aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da empresa Alfa para determinação de prioridades. O processo de identificação e informação em tempo real sobre os requisitos legais aplicáveis ao SGI é obtido através de planilhas de legislação que são mensalmente atualizadas. Para essa atualização são observadas as legislações federais, estaduais e municipais pertinentes e também de órgãos púbicos de fiscalização. Os objetivos de cada um dos sistemas de gestão que compõe o SGI têm como meta a garantia de melhoria contínua de todo o processo. Esses objetivos e metas estão documentados e são monitorados através dos registros de monitoramento de objetivos e metas e dos denominados indicadores de desempenho. A empresa Alfa mantém um programa onde são estabelecidos planos para atingir os objetivos e metas de qualidade, meio ambiente, segurança e saúde ocupacional, analisado criticamente e revisado, quando necessário, em relação à atribuição de responsabilidade, estabelecimento de meios e prazos e também a manutenção e integridade do SGI. Esses objetivos e metas são atualizados nas Análises Críticas pela Alta Administração e são considerados tanto em seu estabelecimento quanto na atualização, os seguintes itens: atendimento dos requisitos de serviço; requisitos legais, estatutários e corporativos; aspectos ambientais significativos identificados; perigos e riscos associados as suas atividades; opções tecnológicas adequadas ao processo operacional da empresa; requisitos financeiros, operacionais e comerciais necessários para implementação dos objetivos e metas e visão das partes interessadas. Dentre os programas adotados pela empresa Alfa para alcançar os objetivos do SGI, destacaram-se os seguintes: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), Programa de Conservação Auditiva (PCA); Programa de Qualidade; Programa de Gerenciamento de Risco (PGR); Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), Programa de Gestão Interna e Programa de Terceirizados. Cada um desses programas apresenta indicadores que são mensuráveis e utilizados para monitoramento da eficácia e eficiência do SGI. 5.3 Implementação e operação A empresa Alfa afirma que mantém esforços para a disponibilização de recursos essenciais para manutenção e melhoria contínua do sistema de gestão integrado. Esses recursos abrangem recursos humanos com qualificação específica, infraestrutura organizacional adequada, tecnologias e recursos financeiros que contribuem para o desempenho do SGI. Além disso, a empresa define funções, indica os representantes da Alta Administração com responsabilidade específica dentro do SGI e realiza a análise crítica para melhoria contínua desse desempenho. A tabela 2 apresenta de modo resumido uma descrição dos principais cargos e suas respectivas responsabilidades em relação ao SGI. Tabela 2: Principais cargos e responsabilidades em relação ao SGI 9/17

10 Fonte: Autoria própria O gerente do terminal é responsável pela garantia de que as responsabilidades e autoridades para o SGI estão definidas e comunicadas no manual do SIG, nas normas de procedimentos (NP), nas instruções de trabalho (IT), na descrição de cargos e outros documentos referentes ao SGI. A empresa assegurou que os funcionários e terceirizados que desenvolvem tarefas que influenciam diretamente no SGI participam de programas de conscientização e treinamento, inclusive apresentam evidências dessa participação que são importantes para os processos de auditoria. Um fato observado no período de investigação dessa pesquisa foi a organização da Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT) da empresa Alfa, que contribui para a conscientização dos recursos humanos na área de segurança do trabalho. Em relação à comunicação, a empresa Alfa apresenta procedimentos de comunicação interna (entre vários níveis e funções); comunicação com terceirizados e visitantes e resposta a comunicações pertinentes oriundas das partes interessadas externas. A comunicação interna é efetivada através rádios portáteis, quadro de avisos e por com a finalidade de assegurar que esse fator vital para um SGI esteja funcionando eficazmente e dessa forma, contribua para melhoria da integração de informações. As documentações do SGI da empresa Alfa incluem: Declarações documentadas da Política do SGI e dos objetivos e metas; Descrição do escopo do SGI; Descrição dos principais elementos do Sistema de Gestão, sua interação e referência aos documentos associados; Manual do Sistema de Gestão da Qualidade, Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional; Procedimentos documentados e registros requeridos pelas Normas ISO 9001:2008, ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007 e Documentos, incluindo registros, necessários para assegurar o planejamento, a operação e o controle eficaz dos nossos processos da empresa Alfa. 10/17

11 A empresa Alfa também mantém um sistema de controle operacional, através de inspeção, medições, determinação de itens críticos de segurança, testes e manutenções preventivas e corretivas para garantir que as práticas estejam compatíveis com os objetivos e metas do SGI. O terminal São Luís apresenta um plano de emergência descrito em uma norma de procedimento (NP-SHI-SL-0001) que é permanentemente atualizado e periodicamente revisado, com divulgação para todos os funcionários. O gerente do terminal e demais gerentes da empresa Alfa, assim como supervisores, operadores e técnicos tem suas responsabilidades específicas, conforme estabelecido nas instruções de trabalho e normas de procedimentos. Esse plano de emergência é revisado sempre que necessário e ocorre um simulado semestral que abrange os diferentes cenários acidentais passíveis de ocorrer no terminal, que demonstra uma postura pró-ativa adotada pela empresa. 5.4 Verificação A empresa Alfa planeja e implementa processos de monitoramento, medição, análise e melhoria para demonstrar conformidade com os requisitos de produtos e serviços, assegurar a conformidade e o desempenho do SGI e também para garantir a melhoria contínua desse sistema de gestão, incluindo a determinação dos métodos aplicáveis, técnicas estatísticas e sua extensão. A medição e o monitoramento são realizados nos seguintes âmbitos: satisfação dos clientes, processos, produtos e serviços, ambiental, saúde e segurança ocupacional. A empresa mantém procedimento documentado e executa auditorias internas em intervalos planejados para determinar se o SGI está conforme as disposições planejadas e requisitos das normas aplicáveis ao SGI, se este está mantido e implementado eficazmente e fornecer subsídios para as análises críticas. A administração responsável pela área que é auditada deve assegurar que quaisquer ações corretivas necessárias sejam realizadas em tempo hábil para eliminação de não conformidades detectadas e suas causas. A empresa Alfa não apresenta grandes desafios na área de controle de registros em virtude da experiência adquirida com o SGI e em função da necessidade de manutenção e aquisição de novas certificações, que solicita esse controle eficiente e eficaz dentro da empresa. A Análise Crítica do SGI é realizada através de reunião semestral pela Gerência da empresa, com a participação do Gerente do Terminal e seus representantes, para assegurar a contínua adequação, suficiência e eficácia contínuas em atender aos requisitos das normas NBR ISO 9001, NBR ISO e OHSAS e o cumprimento da política e objetivos do SGI. 5.5 Certificações A empresa Alfa adquiriu a certificação para o sistema de gestão ambiental (ISO 14001) e está em processo de preparação para aquisição das certificações de qualidade (ISO 9001) e saúde e segurança ocupacional (OHSAS 18001). Conforme destaca a Tabela 2 foram identificados os pontos críticos no processo de manutenção das certificações existentes na empresa Alfa. Tabela 3 Pontos críticos para manutenção de certificações existentes Pontos críticos 11/17

12 Conscientização Nível cultural e educacional Nivelar a percepção de risco (ênfase na área ambiental) Fonte: autoria própria Depreende-se desse resultado que os fatores críticos para a manutenção da certificação existente são interconectados e que representam desafios com os quais a empresa defronta em suas atividades e busca iniciativas para superá-las. A conscientização dos recursos humanos que integram a empresa é fator crítico de capital importância nesse processo. O nível cultural e educacional das pessoas em diversas circunstâncias oferece certa resistência às práticas compatíveis com o sistema de gestão certificado. Entretanto, não significa que somente aqueles dotados de pouco nível cultural e educacional oferecem essa resistência, pois aqueles que o apresentam de modo mais amplo também oferecem em determinadas situações dentro da organização. Sousa (2010) ressalta que um processo mal conduzido de integração e por consequência de certificação poderá criar problemas, tais como: rigidez acrescida, replicação de ineficiências e choques profissionais e culturais. Percebe-se que esses pontos críticos são interdependentes, pois associado aos mencionados anteriormente está o desafio de nivelar a percepção de risco, sobretudo em relação às questões ambientais. Esses processos não são superáveis de um instante para outro, pois implica em modificação do comportamento e da conduta humana, o que não se dá instantaneamente. 5.6 Avaliação do SGI da empresa Alfa Com a realização da entrevista com um dos responsáveis pelo SGI da empresa Alfa obteve-se os seguintes resultados em relação ao estágio atual desse sistema. Grau de integração dos componentes do SGI Gráfico 1 - Grau de integração dos componentes do SGI 12/17

13 "Grau de Integração" dos Componentes do SGI Ação corretiva Ação preventiva Comunicação com o cliente Controle dos processos de produção e serviços Melhoria contínua Objetivos Análise crítica pela direção Auditoria interna Comprometimento da direção Comunicação interna Controle de dispositivos de medição e monitoramento Controle de documentos Controle de registros Determinação de requisitos relacionados ao SGI Manual do SGI Grau de integração: Medição e monitoramento de processos Planejamento 1- Insignificante Políticas Provisão de recursos 2- Pequeno Representante da direção 3- Médio Responsabilidade e autoridade 4-Grande Fonte: autoria própria Conforme observado no gráfico 1, a maioria dos componentes do SGI da empresa apresentam grande integração (71,43%), seguido por integração média (23,81%) e pequena (4,76%). Esse fato é indicativo positivo de que o sistema de gestão integrado da empresa Alfa em andamento está na direção adequada para que esse sistema seja eficaz e eficiente. Pode-se perceber que dentre os itens elencados como de grande integração estão elementos cruciais para um efetivo SGI, conforme destaca Moraes (2010) ao estabelecer os pontos críticos de sucesso de um SGI. Esses dados refletem a experiência que a empresa adquiriu continuamente ao longo dos cinco anos que o sistema de gestão integrado foi implantado e submetido ao processo de melhoria contínua, complementados pela observação através da visita técnica com a percepção do funcionamento do SGI da empresa. Esse resultado é justificado pelo efetivo comprometimento da Alta Administração evidenciado pelas análises críticas anuais e investimentos realizados em SGI, da estruturação do manual do SGI e sua aplicabilidade na empresa, além da presença de softwares específicos para controle e monitoramento em relação ao SIG. Percebeu-se na visita técnica e entrevista que a empresa Alfa direciona esforços para melhorar o desempenho do SGI, mas apresenta inúmeros desafios, sobretudo nos componentes que foram caracterizados como com grau de integração pequeno e médio. Em relação à comunicação com o cliente existem limitações tecnológicas que interferem na melhoria desse procedimento, que atualmente é realizado por meio eletrônico e também através de cartas protocoladas. Entretanto, o controle de processos e serviços ainda apresenta muitos desafios, por isso foi elencado como item que requer mais atenção dentre os de grau de integração médio. 13/17

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado

Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br Fernando Busanello (FAHOR) fb000982@fahor.com.br Magnus Luis Beilke

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 001 / Outubro de 2009 CBC - Consultoria e Planejamento Ambiental Ltda. Rua Felicíssimo Antonio Pereira, 21-37, CEP 17045-015 Bauru SP Fone: (14) 3313 6332 www.cbcambiental.com.br

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

Gestão da segurança e saúde do trabalho

Gestão da segurança e saúde do trabalho 1 Gestão da segurança e saúde do trabalho RESUMO Renata Pereira de Araujo 1 Neri dos Santos 2 Wilson José Mafra 3 re_ambiental@yahoo.com.br 1 neri@egc.ufsc.br 2 mafra@joinville.udesc.br 3 1 Universidade

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka PGQP - Direitos Reservados 1 A Concorrência PGQP - Direitos Reservados 2 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DE SMS DO CADASTRO DE FORNECEDORES DE UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL

ANÁLISE CRÍTICA DO ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DE SMS DO CADASTRO DE FORNECEDORES DE UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL ISSN 1984-9354 ANÁLISE CRÍTICA DO ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DE SMS DO CADASTRO DE FORNECEDORES DE UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL Filipe Brito Lima de Macedo, Esp. (Universidade Federal

Leia mais

Sistema de Gestão da Produção jdls@terra.com.br

Sistema de Gestão da Produção jdls@terra.com.br Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão Motivos para Implementar Sistemas de Gestão MOTIVOS EXTERNOS Clientes; Concorrência; Regulamentação. MOTIVOS INTERNOS Política Corporativa; Convicção.

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010 Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010 Analisado por: Aprovado por: Maxiliano Costa Xavier Representante da Direção Caio Cesar Passianoto Diretor Rua Felicíssimo Antônio Pereira,

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos?

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos? Portfólio 1. Quem Somos? Somos uma Equipe de Auditores, Consultores e Assessores Empresariais com diversas competências para melhorar o desempenho de qualquer negócio por meio de SISTEMAS DE GESTÃO DA

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

Julho/2014 a Março/2015. Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento.

Julho/2014 a Março/2015. Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento. Julho/2014 a Março/2015 Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento. Conteúdo. Por que realizar nossos treinamentos? 4 Nossa abordagem 4 Nossos instrutores

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste. Relatório da Administração de 2007

COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste. Relatório da Administração de 2007 COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste Relatório da Administração de 2007 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da COPENOR Companhia Petroquímica

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos

Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos Augusto Mainieri Irene Szyszka 14/09/2004 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1 Sistemas Integrados de Gestão Irene Szyszka

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos. Auditora Líder de Sistema de Gestão da Qualidade Auditora Líder de Gestão de Riscos

CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos. Auditora Líder de Sistema de Gestão da Qualidade Auditora Líder de Gestão de Riscos Seu sucesso é Nosso objetivo! DQS do Brasil Ltda. Sistemas Integrados de Gestão CIESP - Diadema. Dezée Mineiro CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos Auditora Líder de Sistema de Gestão

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional.

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS foi elaborada de acordo com as regras estabelecidas nas Diretrizes ISO/IEC,

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP César Augusto Asciutti Agência USP de Inovação, São Paulo (SP), 3091-2933, asciutti@usp.br Resumo Este artigo apresenta uma breve

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

Maria Dorotea Queiroz Godini. Michel Epelbaun. Jair Rosa Cláudio ( 1 ) 1. INTRODUÇÃO

Maria Dorotea Queiroz Godini. Michel Epelbaun. Jair Rosa Cláudio ( 1 ) 1. INTRODUÇÃO "A INTEGRAÇÃO ENTRE O NOVO GUIA BRITÂNICO PARA GERENCIAMENTO DA SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (BS 8800), O SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (ISO 14001) E A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Maria Dorotea Queiroz Godini

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais