DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE POTIGUAR - UnP PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO JOÃO PAULO LIMA RODRIGUES GESTÃO FINANCEIRA EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO NO SETOR SUPERMERCADISTA DE MOSSORÓ-RN Natal/RN 2013

2 1 JOÃO PAULO LIMA RODRIGUES GESTÃO FINANCEIRA EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO NO SETOR SUPERMERCADISTA DE MOSSORÓ-RN Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. ORIENTADOR: Prof. Dr. Rodrigo José Guerra Leone. Natal/RN 2013

3 2 JOÃO PAULO LIMA RODRIGUES GESTÃO FINANCEIRA EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO NO SETOR SUPERMERCADISTA DE MOSSORÓ-RN Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Aprovado em: 13/08/2013 BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Rodrigo José Guerra Leone Orientador Universidade Potiguar UnP Prof. Dr. Alípio Ramos Veiga Neto Examinador Interno Universidade Potiguar UnP Prof. Dr. André Gustavo Carvalho Machado Examinador Externo Universidade Federal da Paraíba UFPB

4 3 Dedico este trabalho à minha família, base fundamental para todas as conquistas.

5 4 AGRADECIMENTOS Agradeço, Ao único que é digno de receber a honra, a glória, a força e o poder, Deus todopoderoso, sem O qual jamais teria alcançado bênçãos sem medidas. Que diminua eu pra que Tu cresças, Senhor. À minha amada e ajudadora esposa, Arianne, presente em todos os momentos de minha vida, que mesmo em momentos de dificuldades sempre me fortaleceu e me fez acreditar nessa vitória, que é nossa! À minha primogênita princesinha Dominique, com toda sua graça e doçura, que faz meus dias mais serem mais alegres e renovaram minhas forças para chegar a essa grande conquista. Aos meus pais, Vicente e Teresinha, que nunca mediram esforços para verem o sucesso de seus filhos, sempre ajudando no que for preciso. Aos meus irmãos, Allyssandra e Rodrigues, pelo apoio e contribuições, os quais foram essenciais para essa conquista. Ao meu orientador, professor Dr. Rodrigo Leone, pelos ensinamentos, paciência e sabedoria na condução desta pesquisa. A todos os docentes do Mestrado em Administração da Universidade Potiguar, pelos conhecimentos repassados ao longo do curso, os quais fizeram com que elevasse meu nível intelectual. Ao meu grande amigo Jedson Veríssimo, pelo apoio incondicional que sempre me deste e pela preciosa colaboração. Aos amigos que fiz durante esta caminhada, principalmente aqueles do itinerário semanal Mossoró-Natal, Maurílio e Aurineide. Como dizíamos: Grandes coisas estão por vir. Estas coisas chegaram, amigos. Aos demais amigos que colaboraram direta ou indiretamente nesta caminhada. Aos gestores das empresas pesquisadas, pela disponibilidade e recepção cortês com que nos receberam quando da aplicação desta pesquisa. Ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte pela oportunidade de realização deste trabalho.

6 5 E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Novo Testamento, Evangelho de João, capítulo 8, versículo 32.

7 6 RESUMO O presente estudo tem como objetivo analisar as práticas e os problemas de gestão financeira nas micro e pequenas empresas do setor supermercadista de Mossoró no Estado do Rio Grande do Norte. A pesquisa caracterizou-se como descritiva, de caráter essencialmente quantitativo e quanto aos meios de investigação como pesquisa de campo. O universo da pesquisa foi constituído por 70 empresas, informação obtida a partir de consulta junto à JUCERN Junta Comercial do Estado do Rio Grande do Norte. Optou-se por realizar a pesquisa do tipo censitária. Como instrumento de coleta foi utilizado um questionário estruturado, com base em 11 dimensões envolvendo temas de gestão financeira, coletados a partir de estudos empíricos nacionais e internacionais. Dentre os principais resultados, detectou-se que as empresas utilizam apenas ferramentas básicas de controle financeiro, como controle do patrimônio imobilizado, controle de estoques, contas a pagar, contas a receber, prazos médios de pagamento e de recebimento. Como fatores positivos, elas ainda demonstraram conhecer a margem de contribuição de seus produtos, o custo dos mesmos, aproveitam-se do ganho de escala e sabem onde estão seus gargalos financeiros. Por outro lado, diversos problemas ou falhas gerenciais foram detectados: inexistência de fluxogramas de procedimentos financeiros; falta de relatórios para tomada de decisão; adoção de critérios subjetivos, como o feeling e a confiança nos clientes na concessão de crédito, desprezando critérios objetivos como informações de proteção ao crédito, informações do histórico de clientes em suas relações comerciais, bem como suas informações pessoais, como renda, estado civil, escolaridade, idade e sexo; total falta de planejamento e orçamento financeiro; falta de estudo acerca das possibilidades de investimento e financiamento; inutilização de indicadores e instrumentos financeiros, como indicadores de atividade, de rentabilidade, de liquidez e de endividamento, ciclos operacional e financeiro, ponto de equilíbrio e técnicas de análise de investimentos; e desprezo das informações contábeis e financeiras quando da elaboração de relatórios gerenciais (para aquelas que raramente os fazem), da formulação de estratégias e da tomada de decisões. Estabelecem seus preços principalmente baseados nos preços da concorrência, e, em menor escala, adotando a taxa mark-up. Com relação aos problemas gerenciais e financeiros enfrentados, a concorrência foi a mais evidente, seguido de falta de capital de giro, falta de organização, conjuntura econômica, falta de conhecimentos técnico-gerenciais, carga tributária elevada e dificuldades ou restrições de crédito no mercado. Da análise de correlação de Spearman, o que se pôde detectar foi que falhas gerenciais em aspectos como Planejamento Financeiro, Relatórios Gerenciais, Formulação de Estratégias, Tomada de Decisões e Avaliação de Investimentos e Financiamentos refletem principalmente em problemas internos ou inerentes às empresas, os quais elas detêm controle e podem ser gerenciados, como falta de organização, falta de capital de giro e falta de conhecimentos técnico-gerenciais para conduzir o negócio. Já problemas de crédito no mercado, carga tributária, concorrência e conjuntura econômica são externos às empresas, portanto incontroláveis por elas. Palavras-chave: Gestão financeira. Micro e pequenas empresas. Supermercados. Problemas gerenciais e financeiros.

8 7 ABSTRACT The present study aims to analyze the practices and problems of financial management in micro and small enterprises in the supermarket sector of Mossoró in the State of Rio Grande do Norte. The research was characterized as descriptive of character essentially quantitative and the means of research as field research. The research comprised 70 companies, information obtained from consultation with local JUCERN Junta Comercial do Estado do Rio Grande do Norte. We chose to conduct the census type research. As data collection instrument was used a structured questionnaire based on 11 dimensions involving issues of financial management, collected from national and international empirical studies. Among the main results, it was found that companies using only basic tools of financial control, and control of fixed assets, inventory control, accounts payable, accounts receivable, average payment and receipt. As positive factors, they still knew about the contribution margin of their products, their cost, take advantage of economies of scale and know where your financial bottlenecks. On the other hand, many problems or management failures were detected: no flowcharts financial procedures; lack of reports for decision making; adoption of subjective criteria, such as the feeling and confidence in clients in lending, flouting objective criteria such information credit protection, customer history information in their business relationships, as well as your personal information such as income, marital status, education, age and sex; total lack of financial planning and budgeting; lack of study on the possibilities of investment and financing; destruction of indicators and financial instruments, such as activity indicators, profitability, liquidity and leverage, financial and operational cycles, equilibrium and techniques of investment analysis; and contempt of accounting and financial information when preparing management reports (for those who rarely do), strategy formulation and decision making. They set their prices based primarily on price competition and, to a lesser extent, adopting the mark-up rate. With respect to managerial and financial problems faced competition was the most obvious, followed by lack of capital, lack of organization, economic conditions, lack of technical and managerial expertise, high taxes and credit constraints or difficulties in the market. The Spearman correlation analysis, which was detected was that management failures in aspects such as "Financial Planning", "Management Reports", "Strategy Formulation", "Decision Making" and "Evaluation of Investment and Financing" primarily reflect problems inherent or internal in companies, which they own and control can be managed, such as lack of organization, lack of capital and lack of technical and managerial expertise to conduct business. Have credit problems in the market, taxes, competition and economic conditions are external to firms, therefore uncontrollable by them. Keywords: Financial Management. Micro and small enterprises. Supermarkets. Managerial and financial problems.

9 8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Critério de classificação das empresas Figura 2 Os ciclos do balanço patrimonial Figura 3 Capital circulante líquido positivo Figura 4 Capital circulante líquido negativo Figura 5 Exemplo de cálculo da NCG, CCL e ST Figura 6 Efeito tesoura Figura 7 Ciclo operacional, econômico e financeiro Figura 8 Custos de concessão de crédito Figura 9 Os C s do crédito Figura 10 Indicadores financeiros... 60

10 9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Gráficos box-plot para a dimensão Organização e Controle Gráfico 2 Gráfico de dispersão para a dimensão Organização e Controle Gráfico 3 Gráficos box-plot para a dimensão Análise de Capital de Giro Gráfico 4 Gráfico de dispersão para a dimensão Análise de Capital de Giro Gráfico 5 Gráficos box-plot para a dimensão Análise de Crédito Gráfico 6 Gráfico de dispersão para a dimensão Análise de Crédito Gráfico 7 Gráficos box-plot para a dimensão Análise de Custos e Formação de Preço Gráfico 8 Gráfico de dispersão para a dimensão Análise de Custos e Formação de Preço Gráfico 9 Gráficos box-plot para a dimensão Planejamento, Orçamento e Controle Gráfico 10 Gráfico de dispersão para a dimensão Planejamento, Orçamento e Controle Gráfico 11 Gráficos box-plot para a dimensão Avaliação de Investimentos e Financiamentos Gráfico 12 Gráfico de dispersão para a dimensão Avaliação de Investimentos e Financiamentos Gráfico 13 Gráficos box-plot para a dimensão Avaliação de Resultados Econômicos e Financeiros Gráfico 14 Gráfico de dispersão para a dimensão Avaliação de Resultados Econômicos e Financeiros Gráfico 15 Gráficos box-plot para a dimensão Demonstrativos, Indicadores e Métodos Gráfico 16 Gráfico de dispersão para a dimensão Demonstrativos, Indicadores e Métodos 113 Gráfico 17 Gráficos box-plot para a dimensão Relevância das Informações Contábeis e Financeiras Gráfico 18 Gráfico de dispersão para a dimensão Relevância das Informações Contábeis e Financeiras Gráfico 19 Gráficos box-plot para a dimensão Problemas Gerenciais e Financeiros Gráfico 20 Gráfico de dispersão para a dimensão Problemas Gerenciais e Financeiros Gráfico 21 Gráfico de dispersão para a pontuação total obtida por cada empresa

11 10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Perfil das empresas Tabela 2 Organização e Controle Tabela 3 Análise de Capital de Giro Tabela 4 Análise de Crédito Tabela 5 Análise de Custos e Formação de Preço Tabela 6 Planejamento, Orçamento e Controle Tabela 7 Avaliação de Investimentos e Financiamentos Tabela 8 Avaliação de Resultados Econômicos e Financeiros Tabela 9 Demonstrativos, Indicadores e Métodos Tabela 10 Relevância das Informações Contábeis e Financeiras Tabela 11 Problemas Gerenciais e Financeiros Tabela 12 Correlação de Spearman entre Planejamento Financeiro e Problemas Gerenciais e Financeiros Tabela 13 Correlação de Spearman entre Relatórios Gerenciais e Problemas Gerenciais e Financeiros Tabela 14 Correlação de Spearman entre Formulação de Estratégias e Problemas Gerenciais e Financeiros Tabela 15 Correlação de Spearman entre Tomada de Decisões e Problemas Gerenciais e Financeiros Tabela 16 Correlação de Spearman entre Avaliação de Investimentos e Financiamentos e Problemas Gerenciais e Financeiros

12 11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO PROBLEMÁTICA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO ANÁLISE DE CRÉDITO ANÁLISE DE CUSTOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E INDICADORES FINANCEIROS ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO FINANCEIRO DECISÕES DE FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA UNIVERSO / AMOSTRA DA PESQUISA VARIÁVEIS ANALÍTICAS COLETA DE DADOS Instrumento Plano de coleta TRATAMENTO DOS DADOS... 76

13 12 4. ANÁLISE E APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DIMENSÃO 1: PERFIL DIMENSÃO 2: ORGANIZAÇÃO E CONTROLE DIMENSÃO 3: ANÁLISE DE CAPITAL DE GIRO DIMENSÃO 4: ANÁLISE DE CRÉDITO DIMENSÃO 5: ANÁLISE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DIMENSÃO 6: PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E CONTROLE DIMENSÃO 7: AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS E FINANCIAMENTOS DIMENSÃO 8: RESULTADOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS DIMENSÃO 9: DEMONSTRATIVOS, INDICADORES E MÉTODOS DIMENSÃO 10: RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FINANCEIRAS DIMENSÃO 11: PROBLEMAS GERENCIAIS E FINANCEIROS ANÁLISE DE CORRELAÇÃO DE VARIÁVEIS CONSIDERAÇÕES FINAIS LIMITAÇÕES E PESQUISAS FUTURAS REFERÊNCIAS APÊNDICES

14 13 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO Na atual conjuntura econômica mundial, percebe-se avanço e expansão da competitividade entre as organizações na disputa pelos mercados. Segundo Mendonça (2002), houve muitas transformações no âmbito organizacional devido a várias mutações da economia internacional, como por exemplo, a elevação da concentração de capital, novas tecnologias e ferramentas de gestão, modificações nos hábitos de consumo e nas relações de trabalho, bem como maior inserção no nosso país das redes mundiais de varejo. Lastres, Cassiolato e Maciel (2003) denotam um cenário econômico de baixo índice de crescimento do produto, elevação do desemprego, em virtude do crescimento da população brasileira, concorrência intercapitalista acirrada e ampliação da flexibilização. Segundo Scarborough e Zimmerer (1996), diversas transformações ocorrem constantemente no âmbito das empresas, caracterizadas pelos processos de reengenharia e reestruturação, reduzindo as camadas de colaboradores, conhecido como downsizing. Loddi (2008) também argumenta sobre as mudanças que estão ocorrendo nas organizações. Segundo ele, junto à economia brasileira, os conceitos administrativos estão evoluindo e estão sendo fortalecidos pelas teorias das escolas de administração, bem como pelos estudos contemporâneos realizados, melhorando significativamente o sistema de gestão nas empresas. Diante de tal situação, as empresas precisam se municiar de instrumentos que lhes deem maior segurança em suas operações, como forma de se prepararem para enfrentar a elevada concorrência, de modo que elas se veem impelidas a buscar ferramentas como forma de auxílio no planejamento e controle de seus recursos, utilizando-os de maneira adequada, para que possam atingir seus objetivos e não apenas alcançarem, mas, principalmente, manterem a competitividade que as fazem sobreviver no mercado. Por isso, a necessidade de os gestores buscarem continuamente informações relevantes que norteiem as suas decisões. A utilização eficiente de instrumentos e técnicas de gestão financeira possibilita às empresas conhecerem melhor os rumos que elas estão tomando. Dentre outras vantagens, é possível avaliar o patrimônio da empresa, controlar seus estoques, emitir relatórios gerenciais, gerenciar melhor o caixa, conhecer seu poder de pagamento, saber o quanto está custando seu produto, identificar onde estão seus gargalos financeiros e planejar com mais eficiência suas finanças, de maneira que possam ter maiores subsídios para uma melhor tomada de decisão.

15 14 As micro e pequenas empresas (MPE s) possuem uma representatividade bastante significativa no cenário nacional. Segundo dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE, 2010) as MPE s respondem por 98% dos estabelecimentos produtivos, responsáveis por cerca de 20% do PIB e 60% da oferta de emprego. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2008) também enfatiza a importância das pequenas empresas. Segundo ele 97,4% de unidades locais são de pequenas e médias empresas em geral; enquanto apenas 2,6% representam grandes empresas. Representam 54,6% do pessoal assalariado, 70% do total do pagamento dos salários e outras remunerações, sendo a média salarial de 2,4 salários mínimos. Apesar da significativa representatividade das micro e pequenas empresas no cenário nacional, a sua gestão é caracterizada por algumas peculiaridades, que acabam por gerar dificuldades ou problemas na condução do seu negócio. De acordo com Souza (2007) são comuns as micro e pequenas empresas enfrentarem algumas situações como a elevada concorrência, falta de capital de giro próprio, vendas sazonais, ausência de um controle dos custos, estoques mal dimensionados, falta de critérios na análise dos clientes e no método de formação do preço de venda, ou seja, são fatores que acabam contribuindo para o insucesso de muitas empresas desse porte. O contexto dos pequenos supermercados é caracterizado por uma crescente evolução dos níveis de exigência dos seus consumidores, que sabem escolher melhor aquele que lhes ofereça maior valor agregado, realizando pesquisa de preço, requerendo diversidade de produtos, com vistas a chegar a uma melhor negociação (QUEIROZ, SOUZA, GOUVINHAS, 2007). Segundo Carvalho et al. (2005), os pequenos supermercados são constituídos por empresas familiares, com poucos funcionários, orçamento limitado, contando com o gerente-proprietário desempenhando diversos papéis, inclusive operacionais, tomando decisões com base na intuição, haja vista não possuir conhecimentos e habilidades gerenciais para gerir melhor o seu negócio. Ghisi (2005) traz alguns dados sobre o setor supermercadista brasileiro: 80% são de pequeno porte e faturam menos que R$ 100 mil mensais; 61,1% do total de lojas têm um número médio de até 7 check-outs; 30,3% das lojas supermercadistas do Brasil são jovens (possuem, no máximo, cinco anos) e somente 15,9% têm mais de 20 anos; 27% dos supermercados brasileiros concentram-se no estado de São Paulo (maior concentração por Estado brasileiro); apenas 2,1% dos supermercados brasileiros possuem área superior a m 2 e são considerados grandes lojas; as 5 principais redes supermercadistas do Brasil detém 38,1% do faturamento anual do setor no país, que alcançou a marca dos R$ 243 bilhões em 2012, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS).

16 15 Tanto as grandes empresas quanto aquelas classificadas como micro e de pequeno porte precisam realizar investimentos em ferramentas e técnicas administrativas modernas para conseguirem competir no mercado globalizado. As diferenças entre elas abrangem itens como a flexibilidade, velocidade de mudança e capacidade de atuar em nichos de mercado (DEAN; BROWN; BAMFORD, 1998). De acordo com Wheelen e Hunger (1993) os fatores decisivos de sucesso dos pequenos empreendimentos são a flexibilidade e rapidez na tomada de decisões. Por outro lado, a resistência a mudanças e o conservadorismo podem minar as aspirações do pequeno empresário. 1.2 PROBLEMÁTICA De acordo com pesquisa realizada pelo SEBRAE (2007), os fatores que mais causam a mortalidade das empresas estão relacionados à gestão financeira, com a falta de capital de giro ficando em primeiro lugar (42%) e problemas financeiros em terceiro lugar (21%), fechando o pódio a falta de clientes em segundo lugar (25%). Outros fatores citados foram nesta ordem: maus pagadores (16%), falta de crédito bancário (14%), recessão econômica do país (14%), outra razão (14%), ponto/local inadequado (8%), falta de conhecimento gerenciais (7%), problemas com a fiscalização (6%), falta de mão-de-obra qualificada (5%), instalações inadequadas (3%) e carga tributária elevada (1%). Dessa forma, fica caracterizada uma deficiência por parte dos empresários em saber conduzir a gestão financeira de seu negócio, o que afeta de maneira significativa os resultados das empresas. Estudo realizado pelo SEBRAE/RN (2005) confirma os fatores financeiros como sendo os principais responsáveis pelo fechamento das empresas no Rio Grande do Norte. Segundo a pesquisa, em primeiro lugar está a falta de capital de giro (44,1%), em segundo a carga tributária elevada (40,7%) e problemas financeiros no terceiro posto, com 26%. A utilização das ferramentas e técnicas de gestão financeira nas empresas visa obter informações estratégicas, tendo como objetivo melhorar a tomada de decisão em uma organização, fazendo com que as informações contábeis tenham uma leitura mais prática, sem se prenderem somente para atender às exigências fiscais. Sendo assim, tem-se que a análise das práticas de gestão financeira adotadas nas micro e pequenas empresas é um elemento de grande utilidade para melhorar o desempenho empresarial, podendo contribuir numa maior eficiência das transações que a empresa executa, tais como: as transações a prazo de compra e

17 16 venda de mercadorias; a avaliação da eficiência administrativa e da situação econômicofinanceira. Conforme Garcia (2004), uma análise aprofundada da gestão financeira dentro da própria empresa, buscando compreender como ela é realizada, torna-se relevante e necessária, apesar da política tributária vigente, das críticas manifestas ao sistema econômico do país e de muitas outras circunstâncias externas à empresa, haja vista os fatores financeiros serem apontados como os principais fatores responsáveis pela mortalidade das empresas. Nesse contexto, restou-se evidenciada uma oportunidade de pesquisa de analisar as práticas de gestão financeira adotadas pelas micro e pequenas empresas, mais especificamente no setor supermercadista do município de Mossoró, no estado do Rio Grande do Norte, tendo em vista o contínuo crescimento desse ramo empresarial na região. Diante de tal problemática, a proposta desta pesquisa é responder à seguinte questão: Quais as práticas e os problemas de gestão financeira nas micro e pequenas empresas do setor supermercadista de Mossoró-RN? 1.3 OBJETIVOS Objetivo geral Analisar as práticas e os problemas de gestão financeira nas micro e pequenas empresas do setor supermercadista de Mossoró no Estado do Rio Grande do Norte Objetivos específicos Traçar o perfil das empresas participantes e de seus gestores financeiros; Identificar os instrumentos e técnicas de gestão financeira utilizados pelas empresas envolvidas; Apontar os problemas gerenciais e financeiros enfrentados pelas empresas pesquisadas.

18 JUSTIFICATIVA Foi abordado na contextualização (seção 1.1) que é perceptível a crescente competição e exigências do mercado globalizado. Também foi enfatizado que os fatores que mais causam a mortalidade das empresas estão associados a fatores financeiros. De acordo com Scarborough e Zimmerer (1996), os gestores que desprezam as questões financeiras de seu negócio podem acabar contribuindo para piorar a estatística de mortalidade das empresas. Dessa forma, justifica-se a pesquisa em questão, pois como se vê, uma análise detalhada do que ocorre na gestão financeira das micro e pequenas empresas poderá trazer novas contribuições e informações sobre os motivos que as fazem fracassar na condução de suas finanças. A análise das práticas de gestão financeira adotadas nas empresas do ramo supermercadista pode gerar um fator diferencial e decisivo nos rumos que elas podem tomar. Como foi evidenciado anteriormente, as micro e pequenas empresas possuem uma significativa representatividade na economia nacional, sendo alvo até de ações governamentais com leis específicas para elas, tornando este fato outra justificativa para a realização do estudo. A pesquisa em estudo foi concebida diante do baixo índice de exploração acerca do tema em questão, ou seja, no que diz respeito à análise das práticas de gestão financeira das micro e pequenas empresas do setor supermercadista. A aplicação dessa ferramenta aliada a uma contabilidade gerencial, considerada também uma ferramenta importante de controle por oferecer informações seguras e precisas, pode fazer um grande diferencial nos resultados das empresas, tornando a gestão financeira do empreendimento mais eficiente. Sendo assim, tem-se que a análise das práticas de gestão financeira adotadas nas micro e pequenas empresas poderá contribuir na evolução do desempenho empresarial, possibilitando maior eficiência das transações que a empresa executa, tais como: as transações a prazo de compra e venda de mercadorias; a avaliação da eficiência administrativa e da situação econômico-financeira. O resultado dessa pesquisa poderá trazer benefícios significantes ao setor supermercadista, contribuindo para o despertar dos gestores em dar a devida importância às informações contábeis e financeiras que eles dispõem em sua própria empresa, haja vista que a função da contabilidade e também a financeira ainda é interpretada, muitas vezes, de uma forma arcaica e legalista, onde a principal utilidade é garantir o cumprimento das exigências legais, no qual prevalece uma predisposição distorcida de suas funções. Grande parte dos gestores ignora o fato de a contabilidade, alimentada diariamente pelas movimentações

19 18 financeiras, se constituir em uma importante ferramenta para a informação gerencial e indispensável à gestão financeira. Este estudo irá agregar maiores conhecimentos para o autor no que diz respeito à administração financeira, contribuindo para o seu desenvolvimento profissional, haja vista o mesmo atuar profissionalmente no setor financeiro de uma instituição de ensino. Justifica-se ainda esta pesquisa pela atualidade do tema, ou seja, a sua inserção no contexto atual e também o momento competitivo e turbulento no qual o setor supermercadista brasileiro se encontra. Diante do exposto surgiu, então, a oportunidade de analisar as práticas e os problemas de gestão financeira adotadas pelas micro e pequenas empresas do setor supermercadista do município de Mossoró, no Estado do Rio Grande do Norte.

20 19 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As empresas classificadas como micro e de pequeno porte vêm cada vez mais ganhando espaço e importância no âmbito econômico e social, juntamente com seu crescimento evidente e contínuo. Longenecker, Moore e Petty (1997) comentam esse fato e ainda fazem uma comparação com as grandes empresas. Segundo esses autores uma empresa de pequeno porte oferece diversas oportunidades de emprego para a população e a economia, ao passo que as de grande porte estão se comprimindo e demitindo funcionários. Terence (2002) corrobora esse pensamento quando afirma que essas empresas contribuem para o desenvolvimento econômico das nações, haja vista incitam a competição, produzem bens e serviços com mais eficiência, já que possuem estruturas enxutas, além de contribuir para as empresas de grande porte, ao exercer funções de suporte conectando os produtores aos clientes. De acordo com dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE, 2010) as micro e pequenas empresas respondem por 98% dos estabelecimentos produtivos, responsáveis por cerca de 20% do PIB e 60% da oferta de emprego. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2008) também enfatiza a importância das pequenas empresas. Segundo a instituição 97,4% de unidades locais são de pequenas e médias empresas em geral; enquanto apenas 2,6% representam grandes empresas. Representam 54,6% do pessoal assalariado, 70% do total do pagamento dos salários e outras remunerações, sendo a média salarial de 2,4 salários mínimos. Kruglianskas (1996) afirma que a presença de um considerável número de pequenas empresas na economia favorece a estabilidade social e política, acarretando em melhor distribuição de renda e menor concentração de mercado. Pinheiro (1996) aborda a contribuição das pequenas empresas no âmbito social, com a ampliação da classe média, uma vez que permite ao trabalhador assalariado alcançar a posição de micro ou pequeno empresário, além de absorver mão-de-obra não qualificada, minimizando a imigração interregional. Nesse contexto, fica evidenciada a relevância assumida pelas micro e pequenas empresas. Alguns motivos são elencados por Longenecker, Moore e Petty (1997) para justificar o crescimento repentino das empresas de pequeno porte, permitindo que estas se diferenciem no atual mercado competitivo, tais como a flexibilidade (tanto estrutural, para

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

$ $ $ $ $ GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESAS COMERCIAIS NAS CIDADES DE SANTA ROSA E SANTO ÂNGELO - RS Fernando Moscon

$ $ $ $ $ GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESAS COMERCIAIS NAS CIDADES DE SANTA ROSA E SANTO ÂNGELO - RS Fernando Moscon XXVIENANGRAD GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESAS COMERCIAIS NAS CIDADES DE SANTA ROSA E SANTO ÂNGELO - RS Fernando Moscon FOZDOIGUAÇU,2015 FINANÇAS(FIN) GESTÃOFINANCEIRADEEMPRESASCOMERCIAISNASCIDADESDESANTAROSAESANTO

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

PALAVRAS-CHEVE: Capital de giro, saldo de tesouraria, necessidade de capital de giro.

PALAVRAS-CHEVE: Capital de giro, saldo de tesouraria, necessidade de capital de giro. TÍTULO: ANÁLISE AVANÇADA DE EMPRESAS AUTOR: JOSÉ A MOURA ARANHA CREDENCIAIS: Graduado em Ciências Contábeis com pós-graduação em Perícia Contábil, Financeira e Empresarial, professor na Faculdade Estácio

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Viviane de Senna, Adriano Mendonça Souza, Afonso Valau de Lima Junior, Fernanda Rezer,

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

Micro e pequenas empresas: características estruturais e gerenciais

Micro e pequenas empresas: características estruturais e gerenciais Micro e pequenas empresas: características estruturais e gerenciais Cezarino, Luciana O. 1 ; Campomar, M. C. 2 1 Faculdade de Administração, Economia e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP)

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

2.1. Referencial Histórico sobre o Modelo Tradicional de Liquidez

2.1. Referencial Histórico sobre o Modelo Tradicional de Liquidez 18 2 Modelo de Liquidez Este capitulo tem por objetivo apresentar uma revisão bibliográfica do referencial histórico dos modelos de avaliação empresarial por meio da utilização dos indicadores de liquidez

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes.

SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes. SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes. Regiane Paulo Borges 1, Dora Maria de Oliveira 2 Universidade Federal de Goiás Av. Dr. Lamartine

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

"Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada

Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada "Gestão Contábil para micro e pequenas empresas: tomada de decisão Julio Cesar. Pergunta: - O que é importante na tomada de decisão. O que devemos saber para decidir algo?? Algumas INFORMAÇÕES acerca do

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté Ailton da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Grau de utilização dos sistemas de fluxo de caixa na administração financeira das micro e pequenas empresas da cidade de Ponta Grossa Márcia Cristina de Mello Kaspczak (UTFPR) mcmjk@ig.com.br Luciano Scandelari

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

A CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NAS MICROEMPRESAS

A CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NAS MICROEMPRESAS A CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NAS MICROEMPRESAS Jailton Costa da Fraga 1 Joseneide Araujo Neves Romão 2 Prof. Esp. Rivaldo José do Nascimento Junior 3 (Orientador)

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Aula 5 Contextualização

Aula 5 Contextualização Gestão Financeira Aula 5 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Demonstrativos Contábeis e Análise Financeira Contabilidade é uma ciência aplicada que, por intermédio de uma metodologia específica,

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir:

Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir: Modelo Fleuriet Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir: COMPRAS PRODUÇÃO E ESTOCAGEM CAIXA

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Adriano Antonio Nuintin Andréa Salvi Carlos Alberto Grespan Bonacim Evandro Marcos Saidel Ribeiro

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA UMA MICROEMPRESA DO COMÉRCIO VAREJISTA DE VESTUÁRIO

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA UMA MICROEMPRESA DO COMÉRCIO VAREJISTA DE VESTUÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS Eduardo Durigon PROPOSTA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA UMA MICROEMPRESA DO COMÉRCIO VAREJISTA

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Especificidades ambientais da pequena empresa: um estudo no setor industrial metal-mecânico de São José do Rio Preto

Especificidades ambientais da pequena empresa: um estudo no setor industrial metal-mecânico de São José do Rio Preto Especificidades ambientais da pequena empresa: um estudo no setor industrial metal-mecânico de São José do Rio Preto Ana Laura Wiethaus Bigaton (EESC/USP) alwb@hotmail.com Bolsista FAPESP Edmundo Escrivão

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE DIAGNÓSTICO

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO FLEURIET DE ANÁLISE DINÂMICA DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA MAKRO ATACADISTA S.A.

APLICAÇÃO DO MODELO FLEURIET DE ANÁLISE DINÂMICA DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA MAKRO ATACADISTA S.A. APLICAÇÃO DO MODELO FLEURIET DE ANÁLISE DINÂMICA DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA MAKRO ATACADISTA S.A. APPLICATION OF FLEURIET DYNAMIC ANALYSIS OF WORKING CAPITAL IN THE COMPANY MAKRO S.A. WHOLESALER S.A.

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA.

FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA. FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA. Cássio Roberto de Araújo Fernando de Sousa Santana Giani Claudia Setto Vieira Jussiara

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO Coordenação Acadêmica Prof. Carlos Alberto dos Santos Silva OBJETIVO: O MBA EM GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Paola Ronconi Pulcine 1, Vilma da Silva Santos 2, Viviane Fushimi Velloso 3, Paulo César Ribeiro Quintairos 4,

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro

O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro Pablo Ferreira Dias da Silva* Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Administração Financeira e Orçamento Empresarial Matricula:

Leia mais