Coordenação de programas estratégicos que promovam o fortalecimento da competitividade do setor através da inovação e da sustentabilidade;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenação de programas estratégicos que promovam o fortalecimento da competitividade do setor através da inovação e da sustentabilidade;"

Transcrição

1 EDITAL SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE GESTÃO DA INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO TEXBRASIL 1. INTRODUÇÃO O Texbrasil (Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira), desenvolvido pela Abit com apoio da Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos) para promover o posicionamento e a internacionalização da indústria da moda brasileira, tem como visão tornar as empresas do setor referência mundial em inovação, design e sustentabilidade. Neste contexto, com o objetivo de construir uma estrutura de governança capaz de gerenciar os projetos que visem o desenvolvimento das empresas participantes do Programa por meio da inovação e da prática de ações no campo da sustentabilidade, o Texbrasil implantou em sua estrutura um Núcleo de Inovação & Sustentabilidade. O Núcleo atua como agente da inovação junto ao setor, desenvolvendo ações para o fortalecimento da competitividade das empresas, nos mercados nacional e internacional, por meio da geração de valor pelas empresas brasileiras a partir do desenvolvimento de inovações em produtos, serviços, processos, gestão, negócios e da implantação de boas práticas de sustentabilidade. Para tal, realiza as seguintes iniciativas: Articulação para a Inovação e Sustentabilidade identificação, desenvolvimento e articulação de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação (P,D&I) cooperativos, envolvendo empresas, instituições de pesquisa e universidades, além de ações institucionais para desenvolvimento de programas de Inovação e Sustentabilidade; Identificação das principais tendências e inovações mundiais no setor têxtil e confecção, utilizando ferramentas de vigilância tecnológica, bem como, realizando benchmarking nas principais instituições e eventos relacionados. Nesta ação inclui missões internacionais para levar os empresários para realização de benchmarking e network. Sensibilização, Motivação e Promoção da Inovação e Sustentabilidade promoção de eventos e desenvolvimento de mecanismos para apresentação de novidades e tendências setoriais, envolvendo pesquisadores, empreendedores e investidores. Capacitação das empresas para Inovação e Sustentabilidade desenvolvimento e aplicação de programas de capacitação em Gestão da Inovação e Sustentabilidade, com objetivo de estimular e fortalecer a competitividade das empresas; Coordenação de programas estratégicos que promovam o fortalecimento da competitividade do setor através da inovação e da sustentabilidade;

2 Criação de redes colaborativas que integrem empresas e demais atores que fomentem e desenvolvam inovações, constituindo uma comunidade de empresas inovadoras; Promoção da inovação e da sustentabilidade um tema prioritário da alta direção das empresas - aumentando o protagonismo dos líderes empresariais nesta agenda; Difusão dos conceitos de gestão da inovação, ecoinovação e sustentabilidade às empresas participantes do Programa Texbrasil; Difusão dos incentivos públicos e privados para apoio ao desenvolvimento de inovações e implantação de boas práticas de Sustentabilidade. Nesse sentido, desde o início da atuação do Núcleo de Inovação & Sustentabilidade o Texbrasil, em parceria com a Fundação Vanzolini, capacitou 69 empresas em práticas de gestão da inovação, realizou 52 diagnósticos da maturidade em inovação das empresas e desenvolveu planos estratégicos para desenvolvimento de inovações em 37 empresas, de diferentes segmentos e portes da cadeia têxtil e de confecção. Além disso, realizou duas missões internacionais para que empresas brasileiras realizassem um benchmarking em práticas de inovação e sustentabilidade e pudessem adquirir conhecimento visando se inserir na cadeia global de valor. A primeira missão contemplou os países Japão e China e foi realizada em fevereiro de 2014, a segunda contemplou as cidades de Portland e São Francisco nos Estados Unidos e foi realizada em novembro de OBJETIVOS DO PROGRAMA DE INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO TEXBRASIL 2.1 Alargar a capacidade das empresas de perceber e responder, com agilidade, as demandas do mercado com ofertas inovadoras e diferenciadas de produtos e serviços; 2.2 Disponibilizar ferramentas gerenciais e operacionais para o desenvolvimento de inovações e ecoinovações; 2.3 Capacitar os empresários e equipes nas principais ferramentas e métodos para gerenciamento de inovações; 2.4 Preparar as empresas para uma interação maior entre os elos da cadeia de valor com o intuito de implementar uma estratégia tecnológica e de sustentabilidade conjunta; 2.5 Inserir a inovação e a sustentabilidade na gestão estratégica das empresas participantes; 2.6 Auxiliar as empresas na criação de uma interlocução interna e externa para inovação e sustentabilidade. 2.7 Apoiar as empresas do desenvolvimento de planos estratégicos individuais visando aumentar o desempenho inovador das empresas participantes do Programa Texbrasil.

3 3. OBJETIVO DESTE EDITAL Selecionar empresas para participar do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil a ser realizado no período de março de 2015 a outubro de VAGAS DISPONIBILIZADAS Serão disponibilizadas vagas para até 17 empresas, sendo: Até 12 empresas participantes do Texbrasil que tenham participado da etapa Planos de Inovação do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil realizado entre 2012 e Até 5 empresas participantes do Texbrasil que não tenham participado da etapa Planos de Inovação do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil realizado entre 2012 e PÚBLICO ALVO Empresas produtoras de têxteis e/ou confeccionados, de qualquer porte, participantes do Programa Texbrasil da Abit. 6. CONCEITO DO PROGRAMA DE GESTÃO DA INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE Figura 1

4 7. DETALHAMENTO DO PROGRAMA GESTÃO DA INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO TEXBRASIL O Programa será realizado de março de 2015 à outubro de 2016 conforme as etapas abaixo, no âmbito de uma parceria da Abit/Texbrasil com a Fundação Vanzolini: Figura Ações que serão desenvolvidas com as empresas que participarão do Programa Workshop de abertura - Capacitação em Gestão da Inovação e Sustentabilidade Esta capacitação será realizada em conjunto com o WS de abertura do Programa de Inovação e Sustentabilidade, e, além de apresentar as normas e cronograma do Programa, visa fornecer competências técnicas e gerenciais às pessoas da empresa que estarão envolvidas com os projetos de inovação e sustentabilidade Diagnóstico para desenvolvimento do Plano Estratégico Diagnóstico na empresa e oficina com as áreas estratégicas para identificar os gargalos e traçar um plano estratégico visando o aumento do desempenho inovador da empresa, considerando aspectos relacionados com tecnologia, gestão/processos, produtos, estratégia e negócios, bem como criação de novas ideias e conceitos para desenvolvimento de produtos inovadores e sustentáveis Oficinas para auxiliar na implantação dos Planos Estratégicos Consultorias para auxílio na implantação das ações previstas nos planos estratégicos. A cada oficina o consultor reunirá as áreas estratégicas da empresa e direcionará novas ações, reavaliando os resultados obtidos nas ações implantadas e a evolução da empresa na escala de maturidade em inovação e sustentabilidade (Figura 3).

5 7.1.4 Metodologia das oficinas de diagnóstico e implantação dos Planos Estratégicos Nas oficinas de diagnóstico, as empresas serão classificadas conforme a escala de maturidade em inovação e sustentabilidade abaixo e os planos estratégicos irão prever e orientar ações visando a evolução da empresa nos respectivos níveis. Figura 3 Complexidade INOVAÇÃO Grau 5 inova radicalmente sistematicamente SUSTENTABILIDADE Grau 5 Gestão da sustentabilidade englobando a cadeia de valor Grau 4- inova em produto, serviços e modelo de negócio Grau 4 Eco inovação em produto e LCM (Life Cycle Management) Grau 3 inova em produto sistematicamente Grau 3 Eco inovação em processo Grau 2 - inova em produto de forma esporádica Grau 2 Em busca de adequação às normas Grau 1 - há muito tempo sem inovar ou empresa iniciante Grau 1 - em busca da conformidade com a lei Valor gerado Workshops para acompanhamento da implantação das ações nas empresas Os workshops serão conduzidos pelos consultores que realizarão as consultorias individuais nas empresas e serão um espaço para as empresas apresentarem as ações realizadas no âmbito do Programa pelas empresas. Em cada workshop as empresas terão alguns minutos para exporem as ações realizadas no período anterior, dificuldades encontradas e próximas ações. Serão respeitados os aspectos sigilosos dos projetos. Os workshops também se destinarão à capacitação das empresas em assuntos e necessidades comuns identificadas pelos consultores durante as atividades individuais.

6 7.1.6 Reuniões do Comitê de Inovação e Sustentabilidade Reuniões visando a promoção da interação e parcerias que potencializem o desempenho inovador das empresas participantes, bem como o aumento do conhecimento e a discussão de assuntos convergentes. As reuniões serão conduzidas pelos consultores que realizarão os atendimentos individuais nas empresas ou por especialistas nacionais ou internacionais no assunto objeto da reunião. Os temas serão propostos a partir das demandas geradas pelas empresas participantes do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade e dos consultores que às atendem Carga Horária das atividades do Programa e local de realização Para as 12 empresas participantes do Texbrasil que tenham participado da etapa Planos de Inovação do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil entre 2012 e AÇÕES HORAS DIAS LOCAL Reunião de abertura do Programa e capacitação em gestão da inovação e sustentabilidade Diagnóstico para reavaliação do Plano Estratégico desenvolvido no Programa anterior e planejamento de novas ações Oficinas para acompanhamento da implantação do Plano Estratégico Workshops (WS) para acompanhamento da implantação dos Planos Estratégicos pelas empresas 16h 02 ABIT (Coletivo) 24h 03 Na empresa (Individual) 56h 07 Na empresa (Individual) 16h (2 WS) 02 ABIT (Coletivo) Comitê de Inovação e Sustentabilidade 24h (3 reuniões) 03 ABIT (Coletivo) Total de horas de atividade 136 horas

7 Para as 5 empresas participantes do Texbrasil que não tenham participado da etapa Planos de Inovação do Programa de Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil entre 2012 e AÇÕES HORAS DIAS LOCAL Reunião de abertura do Programa capacitação em inovação e sustentabilidade Diagnóstico para elaboração do Plano Estratégico 16h 02 ABIT (Coletivo) 32h 04 Na empresa (Individual) Oficinas para acompanhamento da implantação do Plano Estratégico 48h 06 Na empresa (Individual) Workshops (WS) para acompanhamento da implantação das ações nas empresas 16h (2 WS) 02 ABIT (Coletivo) Comitê de Inovação e Sustentabilidade 24h (3 reuniões) 03 ABIT (Coletivo) Total de horas de atividade 136 horas 8. AVALIAÇÃO E SELEÇÃO 8.1 Critérios para Seleção das 12 empresas que participaram da etapa Planos de Inovação do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil entre 2012 e CRITÉRIOS Equipe alocada para atuar nos projetos de inovação e sustentabilidade da empresa Recursos financeiros a serem alocados para investir em projetos de inovação e sustentabilidade Grau de implantação das ações propostas nos planos de inovação desenvolvidos durante Ser participante do Programa Texbrasil da Abit Ter participado da etapa Planos de Inovação do Programa de Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil entre 2012 e 2014 AVALIAÇÃO PESO NOTAS 3 De 0 a 5 3 De 0 a 5 5 De 0 a 5 Obrigatório Obrigatório Obs: A pontuação máxima atingida poderá ser 55 pontos.

8 8.2 Critérios para Seleção das 5 empresas que não participaram da etapa Planos de Inovação do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil entre 2012 e CRITÉRIOS Recursos humanos (organograma) da empresa que poderão ser alocados para atuarem nas ações a serem propostas no âmbito deste Programa. Previsibilidade de recursos financeiros que poderão ser alocados nas ações a serem propostas no âmbito deste Programa. Iniciativas em inovação e sustentabilidade já desenvolvidas pela empresa Ser participante do Programa Texbrasil da Abit AVALIAÇÃO PESO NOTAS 5 De 0 a 5 3 De 0 a 5 3 De 0 a 5 Obrigatório Obs: A pontuação máxima atingida poderá ser 55 pontos. 8.3 Critérios para Desclassificação das Empresas Não ser participante do Programa Texbrasil da Abit; Não enviar proposta de candidatura ao Programa para análise do comitê avaliador até o prazo estipulado; Não atingir pontuação mínima de 27,5 na avaliação da proposta enviada no âmbito deste edital; Possuir pendências financeiras e documentais com a Abit/Texbrasil. 8.4 Comitê Avaliador O Comitê Avaliador será formado por representantes da Diretoria do Texbrasil, do Núcleo de Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil e pelos Consultores da Fundação Vanzolini. 9. CRONOGRAMA Divulgação do edital 06/02/2015 Data final para envio da candidatura 27/02/2015 Divulgação dos Resultados 04/03/2015 Workshop de abertura do Programa e Capacitação em Gestão da 19/03/2015 Inovação e Sustentabilidade Continuidade das consultorias para acompanhamento da implantação dos Planos Estratégicos - Inovação Consultorias para elaboração de um plano estratégico para desenvolvimento e implantação dos Planos Estratégicos - Sustentabilidade 20/03/2015 De março/2015 a setembro/2016 De abril/2015 a setembro/2016 I Comitê de Inovação e Sustentabilidade 17/06/2015 I Workshops (WS) para acompanhamento da implantação das ações nas empresas Setembro/2015

9 II Comitê de Inovação e Sustentabilidade II Workshop (WS) para acompanhamento da implantação das ações nas empresas III Comitê de Inovação e Sustentabilidade III Workshop (WS) encerramento projeto Janeiro/2016 Abril/2016 Junho/2016 Outubro/ CONTRAPARTIDA E OUTROS APORTES DE RECURSOS QUE SERÃO DE RESPOSANBILIDADE DAS EMPRESAS PARTICIPANTES CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS POR FATURAMENTO PERCENTUAL APOIADO PELO TEXBRASIL INVESTIMENTO DA EMPRESA Até 1 milhão 90% R$ 5.300,00 De ,00 a ,00 75% R$ ,00 De ,00 a ,00 60% R$ ,00 Acima de ,00 50% R$ ,00 Os valores poderão ser parcelados, desde que a última parcela seja paga até o mês de outubro de As empresas deverão se responsabilizar pelos custos de deslocamentos e diárias necessárias para participação dos seus representantes nas atividades externas às empresas. Disponibilizar um colaborador da empresa, que ocupe posição de gestão, para ser o contato com a Abit e com a Fundação Vanzolini; representante da empresa nos encontros a serem realizados na Abit; e responsável por organizar as equipes e agenda da empresa para realização das consultorias. Participar dos Workshops de acompanhamento da implantação das ações nas empresas; Participar das reuniões do Comitê de Inovação e Sustentabilidade; Participar de, pelo menos, 01 (uma) missão de inovação a ser realizada no período do Programa. Nota 1: As agendas das missões serão divulgadas ao longo da execução do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade e as empresas participantes do mesmo estarão isentas da taxa de inscrição para participação nas missões. Para participação nas missões as empresas deverão custear as despesas com passagens aéreas e diárias de seus representantes. Nota 2: Outros custos envolvidos na execução do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil como honorários dos consultores, despesas de deslocamento e diárias dos consultores, espaço para realização das reuniões e atividades coletivas serão de responsabilidade da Abit/Texbrasil.

10 11. FORMA DE APRESENTAÇÃO DA CANDIDATURA Para que a empresa se candidate a participar do Programa de Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil, ela deverá enviar à Abit/Texbrasil uma proposta de candidatura da empresa com, no máximo, 8 páginas, que deverá apresentar os tópicos abaixo detalhados: 11.1 Apresentação da empresa Histórico Faturamento Número de funcionários Percentual do faturamento oriundo de exportações 11.2 Equipe alocada para atuar nos projetos de inovação e sustentabilidade da empresa Listar nomes e cargos dos colaboradores da empresa que participarão direta ou indiretamente na implantação dos projetos de inovação e sustentabilidade que serão desenvolvidos pela empresa a partir da orientação dos consultores. Especificar nome do colaborador que irá coordenar o Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade na empresa, ser o contato com a Abit e Fundação Vanzolini e representar a empresa nas reuniões na Abit e na Empresa Recursos financeiros a serem alocados para investir em projetos de inovação e sustentabilidade na empresa Provisionar os recursos financeiros mínimos que poderão ser investidos pela empresa para implantação das ações de inovação e sustentabilidade Para as empresas que já participaram do Programa de Inovação apresentar a implantação das ações propostas nos planos de inovação desenvolvidos durante Dentre as ações sugeridas pela Fundação Vanzolini no plano de inovação entregue durante o programa realizado no período de 2012 a 2014, descrever quais as ações propostas que foram implantadas ou estão em andamento, especificando possíveis resultados provenientes da implantação dessas ações. Descrever possíveis projetos futuros que a empresa pretende desenvolver e que poderão ser colocados em prática com o auxílio dos consultores a partir da participação da empresa no Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil Para as empresas que não participaram do Programa de Gestão da Inovação e Sustentabilidade nos anos anteriores. Apresentar as iniciativas e projetos que a empresa considera inovador para ela e/ou para o mercado Especificações do documento O documento deverá ser enviado em formato pdf. com, no máximo, 8 páginas.

11 Fonte Arial 12 e espaçamento entre linhas simples. 12. ENVIO DA CANDIDATURA Enviar a proposta de candidatura até às 18h do dia 27 de fevereiro de 2015 em versão eletrônica para o 13. NOSSO PARCEIRO FUNDAÇÃO VANZOLINI A Fundação Vanzolini, parceiro executor desse Programa junto ao Texbrasil, é uma instituição privada, sem fins lucrativos, criada, mantida e gerida pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Foi fundada em 1967 e tem como objetivo desenvolver e disseminar conhecimentos científicos e tecnológicos inerentes à Engenharia de Produção, à Administração Industrial, à Gestão de Operações e às demais atividades correlatas que realiza, com total caráter inovador. Também prioriza seus projetos e atividades de Educação Continuada por relevância econômica e social e, por esse motivo, pauta sua atuação por critérios de excelência acadêmicos, profissionais e éticos. A Fundação Vanzolini é ainda um centro de referência internacional em temas de destaque para as empresas privadas e para os órgãos e entidades do setor público que buscam alcançar e manter padrões elevados de desempenho. 14. PROFISSIONAIS DEDICADOS AO PROGRAMA DE INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO TEXBRASIL 14.1 Abit / Texbrasil Karine Liotino Atualmente cursando MBA em Gestão de Negócios Internacionais e Comércio Exterior na Fundação Getúlio Vargas, é Mestre em Engenharia de Produção na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2014) e graduada em Têxtil e Moda também pela Universidade de São Paulo (2008). Trabalha e pesquisa a área de Gestão da Inovação como estratégia para fortalecimento da competitividade das empresas nos mercados nacional e internacional. Como responsável pelo Núcleo de Inovação e Sustentabilidade do Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira (TEXBRASIL) na Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de

12 Confecção (ABIT), desenvolve e gerencia projetos que visam estruturar a gestão das empresas para competirem a partir de uma estratégia baseada em inovação e sustentabilidade. Thiago Silveira Graduado em Têxtil e Moda pela Universidade de São Paulo (2013), trabalha desde 2012 no núcleo de Moda e Design do Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira (Texbrasil) da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), em ações de capacitação em temas de design e produto, promoção internacional de negócios de marcas de moda de alto valor agregado, e no Projeto Brazilians To Be, incubadora de novos designers. Participa desde 2014 do Programa de Gestão da Inovação do Núcleo de Inovação e Sustentabilidade do Texbrasil Fundação Vanzolini João Amato Neto Professor Titular e Chefe do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (POLI-USP). Professor e coordenador do Curso de Especialização em Administração Industrial (CEAI) da Fundação Vanzolini. Professor convidado nos programas de MBA da Fundação Instituto de Administração (FIA). Pela Comissão Europeia, foi professor convidado de Supply Chain Management (sourcing & purcharsing) e de Quality Management, no International Master in Industrial Management, no Politecnico di Milano (Itália) e pesquisador visitante na Universidade de Aachen (Alemanha), Werkzeugmaschinenlabor (WZL), Rheinisch-Westfälische Technische Hochschule (RWTH). É pós-doutor em Economia e Administração de Empresas pela Università Ca Foscari di Venezia (Itália). Doutor em Engenharia (Engenharia de Produção) pela POLI-USP, Mestre em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV) e Bacharel em Engenharia de Produção pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP). Foi co-editor da revista Gestão & Produção e é membro do conselho científico da Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento (SBGC) e dos periódicos Journal of Operations and Supply Chain Management, Journal of Aerospace Technology and Management e Gestão & Produção (UFSCar), entre outros. Coordenador do núcleo de pesquisa Redes de Cooperação e Gestão do Conhecimento (REDECOOP), é líder do grupo de pesquisa Economia da Produção e Engenharia Financeira (EPEF), pesquisador sênior do Núcleo de Política e Gestão Tecnológica da Universidade de São Paulo (NPGT/ USP), membro do Center for Organization Studies (CORS) e membro do Grupo de Estudos em Economia Industrial (GEEIN). Vice-coordenador da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP- USP). Possui mais de 200 artigos completos publicados em anais de eventos e periódicos brasileiros e estrangeiros, tendo apresentado suas pesquisas em diversos países, tais como Estados Unidos, Canadá, Portugal, Espanha, Itália, França, Alemanha, Inglaterra, Irlanda, Suécia, Escócia, Hungria, Turquia, Japão, México e Brasil, entre outros. Seus principais temas de pesquisa são: redes de cooperação produtiva; aglomerações de empresas; organizações virtuais; clusters regionais; arranjos produtivos locais (APLs); sistemas locais de produção e inovação (SLPIs); pequenas e médias empresas (PMEs); cadeias produtivas; inovação tecnológica; indústria têxtil, aeronáutica, automobilística e de semicondutores; organização industrial; sustentabilidade na cadeia produtiva. Consultor organizacional e palestrante, atuou

13 profissionalmente em empresas como Unibanco, Correios e Colgate-Palmolive, além da Secretaria de Planejamento da Prefeitura de São Paulo, tendo coordenado cursos e pesquisas, ministrado treinamentos e desenvolvido consultoria para organizações como Pão de Açúcar, Ford, Faber Castell, Accor, Itaú, Caixa, Petrobrás, Unilever, Mercedes Benz, Rede Globo, SAP, Deloitte, Vale, Telefônica, Vivo, Voith, Siemens, Roche, Embraer, Metso e Thyssenkrupp. Coordenou ou participou de projetos de pesquisa e consultoria financiados por instituições públicas e privadas, como Comissão Europeia, Organização das Nações Unidas (ONU), Organização Internacional do Trabalho (OIT), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Agência de Desenvolvimento Solidário (ADS), Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), Booz Allen Hamilton, Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB) e Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), entre outras. Tem mais de 100 orientações e mais de 250 participações em bancas examinadoras. Leonardo Augusto Gomes É doutor em Engenharia de Produção pelo Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, com período sanduíche na Universidade de Cambridge (Reino Unido). Possui graduação em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Minas Gerais, intercalada com um intercâmbio na École Supérieure dingénieurs en Électrotechnique et Électronique (França). Desenvolve pesquisas e atua profissionalmente nas áreas de inovação, empreendedorismo tecnológico acadêmico, planejamento estratégico e tecnológico, Technology Roadmapping, tomada de decisão sob complexidade e incerteza, e ecossistemas de inovação e negócio. Américo Guelere Engenheiro Mecânico formado pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP), onde obteve também o título de Mestre em Engenharia Mecânica e Doutor em Engenharia de Produção com estágio na Technische Universitat Berlin. Coordenador da Engenharia de Produção do Centro Universitário UniSEB, leciona também no MBA em Gestão Ambiental da PUC em Poços de Caldas, no mestrado profissional do Instituo de Pesquisas Ecológicas (IPE), em cursos de capacitação na Fundação Vanzolini, na Engenharia Ambiental do Centro Universitário Barão de Mauá, sendo revisor do International Journal of Cleaner Production desde Como consultor de temas correlatos à sustentabilidade, é sócio-diretor da LCM Inovação & Sustentabilidade e assessora grandes empresas a estruturarem suas ações em gestão do ciclo de vida de seus produtos com foco no Ecodesign, tendo auxiliado empresas como Whirlpool, HP, Lenovo e Natura. Em relação ao universo das micro e pequenas empresas, atendeu cerca de 40 empresas pelo SEBRAE de São Paulo no âmbito de suas ações junto ao tema da sustentabilidade.

14 Vinícius Chagas Brasil Mestrando em Engenharia de Produção na Escola Politécnica da USP (início 2014) na linha de pesquisa Trabalho, Tecnologia e Organização. Engenheiro de Produção pela PUC-Minas (2013), com período sanduíche na Universidade alemã Hochschule Furtwangen University e técnico em Administração de Empresas pela ETFG-SEBRAE-BH (2007). Participa de atividades no Laboratório de Gestão da Inovação (LGI-USP) e no Observatório de Inovação e Competitividade (OIC-NAP-USP) do Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA-USP), com experiência profissional em empresas e centros de pesquisa nas áreas de Logística, Supply Chain Management, Lean Manufacturing, Seis Sigma, Gestão de Projetos, Análise Financeira e Gestão da Inovação. Henrique Pedrosa Chagas Mestre em Engenharia de Produção na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), área de concentração Economia da Produção e Engenharia Financeira (2014). Graduado pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003) em Ciências da Computação, tem experiência em metodologia de tralho, análise e melhoria dos processos, gestão de custos e gestão de projetos.

PROGRAMA DE INOVAÇÃO DO TEXBRASIL

PROGRAMA DE INOVAÇÃO DO TEXBRASIL PROGRAMA DE INOVAÇÃO DO TEXBRASIL O Núcleo de Inovação & Sustentabilidade do Programa Texbrasil foi implantado para atuar como agente da inovação junto ao setor, desenvolvendo ações para o fortalecimento

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE CONTEXTO DO PROGRAMA O Texbrasil, Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira, foi criado em 2000 pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE CONTEXTO DO PROGRAMA O Texbrasil, Programa de Exportação da Indústria da Moda Brasileira, foi criado em 2000 pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção)

Leia mais

Programa de Inovação BE INVENTIVE

Programa de Inovação BE INVENTIVE Programa de Inovação BE INVENTIVE Por que é preciso inovar? A inovação é um dos principais fatores que diferenciam uma empresa no mercado. Empresas inovadoras são reconhecidas como mais dinâmicas e rentáveis:

Leia mais

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica Boletim Benchmarking Internacional Extensão Tecnológica Dezembro de 2012 Apresentação Visando contribuir para os objetivos estratégicos do SEBRAE, são apresentadas neste boletim informações relacionadas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003

1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003 1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003 ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE Japão Alemanha Canadá Reino Unido

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 UGP Nº 002/ 2012. 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE 2.1 Contratante A Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora Escola Politécnica O que é o PEIEX? Convênio entre a Apex-Brasil e instituições de consultoria/pesquisa/ensino/tecnologia. Oferecimento de projetos gratuitos de capacitação/consultoria para empresas. O

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV)

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) Termo de Referência para contratação de Gestor de Projetos Pleno 14 de Agosto de 2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE GESTOR DE PROJETOS PLENO O presente

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS

CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS Programa em parceria com: Certificação reconhecida pelo: Introdução O CBEC, sempre com o objetivo de cumprir com

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Duplo-Diploma na Área das Engenharias

Duplo-Diploma na Área das Engenharias Duplo-Diploma na Área das Engenharias Prof. Dr. Ricardo M. Naveiro Coordenador de Relações Internacionais Escola Politécnica da UFRJ Memórias do passado Sumário Cenário econômico mundial Histórico dos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RECURSOS HUMANOS O PROGRAMA O Programa Municipal de Voluntariado

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Inovação como Estratégia de Negócio. Filipe cassapo, Sistema FIEP Federação das Industrias do Estado do Paraná C2i Centro Internacional de Inovação

Inovação como Estratégia de Negócio. Filipe cassapo, Sistema FIEP Federação das Industrias do Estado do Paraná C2i Centro Internacional de Inovação Inovação como Estratégia de Negócio Filipe cassapo, Sistema FIEP Federação das Industrias do Estado do Paraná C2i Centro Internacional de Inovação Conteúdos Desafios da Competitividade Industrial no PR

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013

ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013 ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013 Governo de Minas ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Atua na coordenação das Relações Internacionais

Leia mais

Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins

Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins O CTCCA - Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, localizada na cidade de Novo Hamburgo/RS, que

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais

Ponte entre Universidade e Mercado: vanguarda em ferramentas técnicas e de gestão

Ponte entre Universidade e Mercado: vanguarda em ferramentas técnicas e de gestão Escola Politécnica Ponte entre Universidade e Mercado: vanguarda em ferramentas técnicas e de gestão Escola Politécnica Educação Continuada - Consultoria e CursosIn Company - Certificação Universidade

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Público-alvo Mantenedores, Reitores, Pró-Reitores, Diretores e demais dirigentes de IES.

Público-alvo Mantenedores, Reitores, Pró-Reitores, Diretores e demais dirigentes de IES. Público-alvo Mantenedores, Reitores, Pró-Reitores, Diretores e demais dirigentes de IES. Descrição O Programa tem como foco capacitar os gestores e executivos líderes das Instituições de Educação Superior,

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Roberto A. Paranhos do Rio Branco Vice-Presidente do CONIC-FIESP São Paulo, 29 de Abril de 2014 CONIC Conselho Superior de Inovação e Competitividade

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR 1 Função no Projeto Realização de diagnóstico de necessidades

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM CNPq Editais 2002 Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002 Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM Prazo para submissão de propostas encerrado em 15/10/2002 1- Introdução O Conselho Nacional de

Leia mais

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos Este curso é ideal para quem está buscando sólidos conhecimentos em como desenvolver com sucesso um projeto de BPM. Maurício Affonso dos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa

CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa 1 SUMÁRIO CECOMPI HISTÓRICO APL AERO COMPETÊNCIAS TECNOLOGIAS DE GESTÃO 2 CECOMPI Transformando conhecimento em negócio Organização Sem

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008

Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008 Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAPG/BA (Programa de Centros Associados de Pós-Graduação),

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014

Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014 Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014 O Programa O SEBRAE, em parceria com o CNPq, desenvolveu o

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

NOVA DIRETORIA Marco Aurelio Crocco Afonso

NOVA DIRETORIA Marco Aurelio Crocco Afonso Marco Aurelio Crocco Afonso Diretor-Presidente Bacharel em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais, Mestre em Economia Industrial e da Tecnologia pela UFRJ e PhD em Economia pela Universidade

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na

Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na competitividade e acesso a mercados, através da articulação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Histórico. Missão. Visão

Histórico. Missão. Visão Histórico Fundada em 1996 na cidade de Mossoró/RN, a Índice Consultores Associados atua em serviços de consultoria empresarial para os mais diversos segmentos (Comércio, Industria e Serviço) sendo pioneira

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dra. Eng. Março, 2009 Áreas de atuação Estágio Responsável Gestão e Inovação Gestão e Inovação Benchmarking Industrial

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

História da tecnologia em São José dos Campos. Cbers. 1ª Exportação. Sistema Astros. Programa Bandeirante. Embraer 170/190

História da tecnologia em São José dos Campos. Cbers. 1ª Exportação. Sistema Astros. Programa Bandeirante. Embraer 170/190 São José dos Campos São Paulo Brasil, Junho de 2015 História da tecnologia em São José dos Campos 1947 1950 1961 1965 1969 1971 1975 1ª Exportação 1999 Cbers Sistema Astros Programa Bandeirante Embraer

Leia mais