GUIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA AGROINDÚSTRIA: UM ESTUDO DA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA AGROINDÚSTRIA: UM ESTUDO DA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS GUIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA AGROINDÚSTRIA: UM ESTUDO DA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

2 Índice 1.0- INTRODUÇÃO ASPECTOS AMBIENTAIS DA AGROINDÚSTRIA CARACTERIZAÇÃO DA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS GERADOS NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS Efluentes líquidos Resíduos sólidos RECUPERAÇÃO DE SUBPRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) PRINCÍPIOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FERRAMENTAS DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NA AGROINDÚSTRIA ETAPAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) NA AGROINDÚSTRIA REDUÇÃO DO CONSUMO E REUSO DE ÁGUA NA AGROINDÚSTRIA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO E REUSO DE ÁGUA (PCRA) ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DE UM PCRA Etapa 1: Avaliação Técnica Preliminar Etapa 2: Avaliação da Demanda de Água Etapa 3: Avaliação da Oferta de Água Etapa 4: Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica Etapa 5: Detalhamento e Implantação do PCRA Etapa 6: Implantação do sistema de gestão de água CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

3 1.0- INTRODUÇÃO O novo cenário mundial praticamente obrigará, via restrições ao comércio, todas as empresas, grandes ou pequenas a adotarem num futuro próximo, além de padrões de qualidade de produto já tradicionalmente conhecidos, os padrões de qualidade ambiental. A qualidade ambiental passará de um ato de resposta às restrições impostas pelos órgãos ambientais para tornar-se um componente importante de competitividade no mercado. Para a maioria das empresas o controle ambiental representa um custo. No entanto o controle ambiental pode ser sinônimo de investimento e aumento da competitividade e dos lucros das empresas. Para perceber essa realidade basta fazer uma simples análise: tudo que a empresa joga fora na forma de resíduos foi comprado a preços de matéria prima, embalagens ou insumos, como água, energia, produtos químicos entre outros. Dessa forma um programa de controle preventivo que tenha como princípio, agir nas fontes geradoras para minimizar a geração dos resíduos, reaproveitar os resíduos e, só em último caso, tratá-lo e dispô-lo de maneira adequada, trará grandes benefícios para a empresa. Atualmente produzir um produto com qualidade em muitos casos deixou de ser um diferencial da empresa e passou a ser uma exigência do consumidor e da própria legislação. Com o aumento das exigências por qualidade os conceitos de qualidade e os métodos de controle da qualidade também evoluíram. O controle de qualidade deixou de ser feito no final da linha (produto acabado) e passou a ser feito em todas as etapas da cadeia produtiva, iniciando na obtenção da matéria prima e passando pelas etapas de processamento, onde todos os esforços se concentram no controle do processo, garantindo que o produto chegue ao final da linha com a qualidade desejada. Além disso, essa preocupação se estende na trajetória do produto até o consumidor final. Esse novo conceito de qualidade (Garantia da Qualidade) evita reprocesso, reduz o desperdício, reduz consumo de água e insumos e conseqüentemente reduz a geração de resíduos. O controle ambiental tem evoluído seguindo a mesma tendência do controle de qualidade. As empresas estão adotando técnicas preventivas, ou seja, a preocupação é evitar a geração de resíduos na fonte, racionalizando o uso de matéria prima e insumos, sendo incorporada também a preocupação com os 2

4 impactos que o uso e descarte desse produto podem causar ao meio ambiente. Aliado a isso, as empresas têm desenvolvido produtos que podem ser facilmente reciclados após o uso e retornam ao ciclo econômico. Nesse contexto, pode-se afirmar que a gestão da qualidade do processo/produto e a gestão ambiental estão fortemente interligadas e o bom funcionamento de uma cria um ambiente favorável para implantação e funcionamento da outra. Em muitas empresas hoje coexistem sistemas de Gestão da Qualidade, Gestão Ambiental e Gestão da Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional constituindo o chamado Sistema de Gestão Integrado (SGI). O SGI promove uma maior conscientização de todas as camadas da organização, não somente para obter produtos de qualidade para seus clientes, mas em produzir respeitando o meio ambiente, com segurança e saúde para os colaboradores. Trata-se de ter um único manual da qualidade para a gestão integrada. É o que poderíamos chamar de QUALIDADE AMPLA: qualidade do processo e do produto, qualidade ambiental e qualidade das condições de trabalho. Nesse contexto o novo desafio para a agroindústria é promover o seu desenvolvimento com mínimo comprometimento da qualidade ambiental. A geração de resíduos além de constituir um problema ambiental para a sociedade é também um problema econômico para a empresa, já que demanda gastos com sua eliminação e/ou tratamento até níveis ambientais aceitáveis. Seguindo essa tendência de atuação preventiva, a agroindústria tem buscado novas tecnologias, principalmente visando ao aproveitamento de resíduos antes considerados desprezíveis, os quais eram descartados ao meio ambiente. No entanto, as pequenas e médias empresas desse setor, incluindo o segmento de laticínios, na sua maioria, não dispõem de especialistas na área de gerenciamento e tratamento de resíduos em sua equipe técnica. Como agravante essa indústria emprega uma mão de obra pouco qualificada, o que dificulta a aplicação de programas de treinamento para implementação de novas tecnologias e formas de comportamento. Uma conscientização dos proprietários e gerentes das micro, pequenas e médias empresas da agroindústria, no que se refere aos benefícios que se pode obter pela adoção de sistemas preventivos de controle de qualidade e controle 3

5 ambiental, se constitui no principal ponto de partida para garantir um crescimento competitivo e sustentável ASPECTOS AMBIENTAIS DA AGROINDÚSTRIA As atividades agropecuárias e de processamento de produtos agropecuários têm proporcionado sérios problemas de poluição do solo, águas superficiais e águas subterrâneas. Os resíduos de atividades agroindustriais apresentam, em geral, grande concentração de material orgânico e o seu lançamento em corpos hídricos pode proporcionar grande decréscimo na concentração de oxigênio dissolvido no meio, cuja magnitude depende da concentração da carga orgânica e da quantidade de efluente lançado, além da vazão do curso d água receptor (MATOS, 2004). Os resíduos agroindustriais são gerados no processamento de alimentos, fibras, couros, madeiras, produção de açúcar e álcool, etc., sendo sua produção, em alguns casos, sazonal, condicionada pela maturidade da cultura. As águas residuárias podem ser provenientes da lavagem da matéria prima, processos de escaldamento, cozimento, pasteurização, resfriamento e lavagem dos equipamentos e ambientes de processamento. Os resíduos sólidos constituem sobras de processo, descarte de lixo proveniente de embalagens, lodo de esgoto de sistemas de tratamento de águas residuárias, além de lixo gerado no escritório, refeitório e pátio da agroindústria (MATOS, 2004). As águas residuárias do processamento de produtos animais, tais como as geradas em laticínios, matadouros e cortumes, são muito poluidoras, podendo conter gordura, sólidos orgânicos e inorgânicos, além de sais e químicos, que podem ser adicionados durantes às operações de processamento. Águas residuárias geradas no processamento de produtos de origem vegetal podem conter, além de elevado conteúdo de material orgânico, outros poluentes, tais como solo, restos de vegetais e pesticidas. Nas agroindústrias, a produção de águas residuárias é, geralmente, expressa como função da quantidade de produto processado, devendo variar conforme as técnicas de processamento adotadas. A seguir são apresentados os principais aspectos ambientais de algumas agroindústrias específicas segundo MATOS, 2006: 4

6 Indústria suco-alcooleira A vinhaça é o principal efluente de usinas de destilaria de álcool e aguardente, resultante da destilação do mosto fermentado (caldo de cana, melaço ou xarope diluído), sendo produzida na proporção de 13 a 16 litros por litro de álcool produzido. O processamento de toneladas de cana-de-açúcar gera, nas usinas de produção de álcool, em média, 910 m 3 de vinhaça. No caso de usinas açucareiras com destilaria, a geração de vinhaça está entre 150 e 300 m 3 por cada toneladas de cana-de-açúcar processada. Matadouros de bovinos O consumo de água em matadouros de bovinos é bastante variável, dependendo do tipo de instalação. Os volumes de água gastos estão entre 1,25 e 2,4 m 3 para cada animal abatido, sendo distribuídos da seguinte forma: 0,9 m 3 na sala de matança, cerca de 1,0 m 3 nas demais dependências (bucharia, triparia, sanitários, ectc.) e 0,6 m 3 a área externa (currais, pátios, etc.). O efluente líquido de matadouros é constituído, principalmente, por água de limpeza dos equipamentos e do piso, contendo sangue resultante do gotejamento no piso ao longo da linha de abate, e pequenas partículas da carcaça, pêlos, gordura, vômitos e barrigada. Peças condenadas da carcaça são, em grande parte, recuperadas para a produção de graxas e farinhas. Cortumes No geral, as águas residuárias de cortume caracterizam-se por apresentarem ph elevado, alta carga orgânica, grande quantidades de sólidos suspensos (pêlos e carnaça), intensa cor, grande dureza e elevadas concentrações de sulfetos e de cromo Caracterização da Indústria de Laticínios O Brasil é o sétimo produtor mundial de leite. Sua produção, em 2008, foi da ordem de 26,4 bilhões de litros, volume que representa 4,6% da produção mundial (Embrapa, 2008). Entre os maiores produtores de leite do mundo, o Brasil apresentou a maior taxa anual de crescimento da produção nos últimos 10 anos. A taxa brasileira foi 73% maior que a americana, enquanto as produções da Rússia, da Alemanha e da França tiveram taxas negativas de crescimento. Mantidos tais comportamentos, a 5

7 produção nacional terminará, na próxima década, em segundo lugar, perdendo apenas para a dos Estados Unidos (SEBRAE-MG/SILEMG/FAEMG, 2006). A produção de leite no Brasil cresceu, significativamente, nos últimos anos, de 1990 a 2004, a produção aumentou, em média, 3,38% ao ano (SEBRAE- MG/SILEMG/FAEMG, 2006). As regiões Sudeste e Sul responderam, em 2003, por 66% da produção nacional. Na região Sudeste está concentrada a maior produção, os maiores centros de consumo e as indústrias laticinistas. Quanto à produtividade, foram também essas duas regiões que apresentaram os mais elevados índices. O estado de Minas Gerais ocupa o primeiro lugar na produção de leite, sendo responsável por 71% da produção da região Sudeste e 29% da produção nacional (SEBRAE-MG/SILEMG/FAEMG, 2006). A agroindústria mineira do leite é a mais importante do País. Sua liderança é histórica. O Estado foi sede da primeira indústria de laticínios do Brasil e da América do Sul. Além disso, a representatividade do setor na economia mineira é mais expressiva que no cenário nacional. Este é um setor de grande significado econômico, político e social para Minas Gerais, principalmente porque encontra-se disseminado em todo o estado, colaborando de forma inegável para a interiorização do desenvolvimento, limitando o êxodo rural e diminuindo as desigualdades regionais (INDI, 2003). Nos estados que lideram a produção nacional de leite e derivados prevalecem as micro e pequenas empresas. Em Minas Gerais, por exemplo, 40,12% delas, podem processar somente até 5 mil litros de leite/dia; 17,57% - de 5 a 10 mil litros; 16,69% - de 10 a 20 mil litros/dia; 17,42% - de 20 a 50 mil litros/dia, e somente 8,2% processam mais de 50 mil litros/dia (INDI, 2003) Características dos resíduos gerados na indústria de laticínios A indústria de laticínios gera efluentes líquidos, resíduos sólidos, e emissões atmosféricas passíveis de impactar o meio ambiente. Os efluentes líquidos industriais são despejos líquidos originários de diversas atividades desenvolvidas na indústria, que contém leite e produtos do leite, detergentes, desinfetantes, areia, lubrificantes, açúcar, pedaços de frutas, essências e condimentos diversos que são 6

8 diluídos nas águas de lavagem de equipamentos, tubulações, pisos e demais instalações da indústria, (MACHADO et al., 2002) Efluentes líquidos Os efluentes líquidos das indústrias de laticínios abrangem os efluentes industriais, os esgotos sanitários gerados e as águas pluviais captadas na respectiva indústria. O efluente líquido é considerado um dos principais responsáveis pela poluição causada pela indústria de laticínios. Em muitos laticínios o soro de queijo é descartado junto com os efluentes líquidos sendo considerado um forte agravante devido ao seu elevado potencial poluidor (DBO entre a mg O 2 /L). Uma fábrica com produção média de litros de soro por dia polui o equivalente a uma cidade com habitantes. Atualmente constitui prática incorreta descartar o soro, direta e indiretamente, nos cursos de água, (MACHADO et al., 2002). O soro de queijo é o subproduto da indústria de laticínios resultante da precipitação e remoção da caseína do leite durante a produção de queijo (KOSIKOWSKI, 1979). Nos últimos anos observou-se um crescente aumento da produção mundial de soro de queijo impulsionado pela expansão da indústria de laticínios, atingindo 100 bilhões de litros ao ano (SILVEIRA, 2004). O soro de queijo representa aproximadamente 80 a 90% do volume de leite e retém 55% dos nutrientes do leite apresentando entre 6,0 e 7,0 % de sólidos totais. Entre os sólidos totais destacam-se: a lactose (4,5-5% p/v), proteínas solúveis (0,6-0,9% p/v), lipídios (0,3-0,5% p/v), sais minerais (0,6%) e ácido lático (0,1%), além de outros nutrientes presentes em menores concentrações como vitaminas (SANTOS, 2001). Em média, para a fabricação de um quilo de queijo necessita-se de 10 litros de leite e recupera-se 9 litros de soro. Atualmente o soro de queijo vem sendo amplamente utilizado pela indústria alimentícia em uma gama enorme de produtos com resultados bastante satisfatórios tanto para o consumidor como para as empresas em geral. O soro está presente em cerca de 80 % dos alimentos processados (MARCHIORI, 2006). Infelizmente no Brasil grande parte do soro de queijo ainda é descartada na natureza sem nenhum tipo de tratamento (SILVEIRA, 2004). Além de constituir um 7

9 grande problema ambiental, o não aproveitamento do soro no Brasil coloca o produto como o segundo derivado lácteo mais importado, perdendo apenas pelo leite em pó. Em 2007 o Brasil importou cerca de 30 mil toneladas de soro em pó correspondendo um valor acima de 52,9 milhões de dólares (MILKPOINT, 2008). O Estado de Minas Gerais, por exemplo, possui cerca de 1000 indústrias de laticínios formalmente constituídas, sendo que em torno de 80 % não possuem qualquer tipo de tratamento de seus efluentes (SEBRAE/SILEMG, 2006). Esse dado permite concluir que a poluição provocada pelos efluentes líquidos de laticínios assume proporções que exigem uma conscientização da gerência e funcionários das indústrias e a implementação de ações concretas para minimizar esse impacto ambiental. A vazão e a qualidade do efluente gerado por agroindústrias são dependentes, dentre outros fatores, do tipo e porte da indústria, dos processos empregados, do grau de reciclagem e da existência de pré-tratamento. Dessa forma, mesmo que duas empresas produzam essencialmente o mesmo produto, o potencial poluidor pode ser bastante diferente entre si (VON SPERLING, 1996a). No caso específico da indústria de laticínios, a composição detalhada do efluente é influenciada por fatores tais como: processos industriais em curso; volume de leite processado; condições e tipos de equipamentos utilizados; práticas de redução da carga poluidora e do volume de efluentes; atitudes de gerenciamento e da direção da indústria em relação às práticas de gestão ambiental; quantidade de água utilizada nas operações de limpeza e no sistema de refrigeração, (MACHADO et al., 2002). No Quadro 1 estão apresentados os valores das principais características físico-químicas do efluente industrial de um laticínio obtidos por SILVA (2006). As faixas de variações de alguns parâmetros apresentados no Quadro 1 são muito amplas, e podem ser justificadas pela falta de aplicação de medidas preventivas para reduzir a geração de resíduos e pela variação na escala de produção dos produtos em relação a diferentes dias de processamento. Para efeito de comparação com os dados apresentados no Quadro 1 são apresentados no Quadro 2 valores das Características físico-químicas de efluentes industriais de fábricas de laticínios localizadas no Estado de Minas Gerais. 8

10 Quadro 1- características físico-químicas do efluente de uma fábrica de laticínios processando litros de leite por dia. Parâmetro Faixa Média Desvio Padrão PH 4,9 11,28 8,77 2,55 Temperatura (ºC) ,50 4,95 S. totais (g/l) 0,9-3,76 2,06 0,87 S. Suspensos (g/l) 0,23 0,78 0,47 0,20 S. Dissolvidos (g/l) 0,67 3,15 1,63 0,80 S. Sedimentáveis (ml/l) 0,0 27,00 3,10 8,26 Óleos e graxas (mg/l) 22, ,80 DQO (mg de O 2 /L) ,39 DBO 5 (mg de O 2 /L) ,24 Volume (m 3 /dia) 65,7 99,10 75,85 12,56 Carga orgânica total (Kg DQO/dia) 270,63 Carga orgânica específica (Kg DQO/m 3 de leite processado) 25,70 Relação DBO 5 /DQO 0,29 Fonte: SILVA (2006) Quadro 2 Características físico-químicas de efluentes industriais de fábricas de laticínios localizadas no Estado de Minas Gerais (*) Tipos de indústria: (1) Produção de leite pasteurizado, manteiga, requeijão, doce de leite e queijos; (2) Produção de queijos diversos; (3) Produção de leite pasteurizado, requeijão, ricota, manteiga e queijos; (4) Produção de queijos diversos. Parâmetros Tipos de Indústria (*) DBO 5 (mg O 2 /L) DQO (mg O 2 /L) DBO/DQO 0,67-0,78 0,59-0,85 0,77-0,93 0,83-0,87 Sólidos suspensos (mg/l) Sólidos totais (mg/l) Sólidos sedimentáveis (ml/l) 0,4-60 0,5-15 0,4-0,6 1,4-2,3 Nitrogênio orgânico (mg/l) 32,5-79,6 74,2-297,6 52,7-142,7 190,7-292,0 Fósforo total (mg/l) 6,5-31,0 2,9-131,4 12,4-29,2 92,4-175,5 Óleos e graxas (mg/l) Coeficiente geração efluente (L efluente/l leite recebido) Coeficiente consumo água (L água/l leite recebido) 2,7-3,1 3,7-4,0 2,6-3,4 1,0 3,9-4,4-3,3-3,9 1,4-1,5 Leite recebido (m 3 /dia) 16,3-18,1-15,1-21,7 22,0-22,2 Leite processado (m 3 /dia) 17,0 7,0 18,5 21,5 Fonte: Adaptado MINAS AMBIENTE/CETEC,

11 Fontes de efluentes líquidos Na indústria de laticínios, diversos processos, operações e ocorrências contribuem para a geração de efluentes líquidos, as quais são apresentados no Quadro 3. Quadro 3 Operações e processos que geram efluentes líquidos na indústria de laticínios Operação ou processo Limpeza e higienização Descartes e descargas Vazamentos e Derramamentos Fonte: MACHADO et al. (2002). Descrição - Enxágüe para remoção de resíduos de leite ou de seus componentes, assim como de outras impurezas, que ficam aderidos em latões de leite, tanques diversos (inclusive os tanques de caminhões de coleta de leite e silos de armazenamento de leite), tubulações de leite e mangueiras de soro, bombas, equipamentos e utensílios diversos utilizados diretamente na produção; - Lavagem de pisos e paredes; - Arraste de lubrificantes de equipamentos da linha de produção, durante as operações de limpeza. - Descargas de misturas de sólidos de leite e água por ocasião do início e interrupção de funcionamento de pasteurizadores, trocadores de calor, separadores e evaporadores; - Descarte de soro, leitelho e leite ácido nas tubulações de esgotamento de águas residuárias; - Descargas de sólidos de leite retidos em clarificadores; - Descarte de finos oriundos da fabricação de queijos; - Descarga de produtos e materiais de embalagem perdidos nas operações de empacotamento, inclusive aqueles gerados em colapsos de equipamentos e na quebra de embalagens; - Produtos retornados à indústria; Vazamentos de leite em tubulações e equipamentos correlatos devido a: - Operação e manutenção inadequadas de equipamentos e tubulações; - Transbordamento de tanques, equipamentos e utensílios diversos; - Negligência na execução de operações, o que pode causar derramamentos de líquidos e de sólidos diversos em locais de fácil acesso às tubulações de esgotamento de águas residuárias. Para o controle do volume e carga poluente dos resíduos gerados durante o processamento é preciso uma compreensão do fluxograma de processamento e dos fatores que influenciam a sua geração. No entanto, é difícil identificar uma planta típica e seus resíduos associados. Na Figura 1 pode-se observar de forma resumida as etapas de processamento e os principais pontos de geração de resíduos em uma indústria de laticínios. 10

12 Etapas Processos e ambiente Resíduos gerados Recepção do leite Higienização de tanques, caixas plásticas, desnatadeira, filtros, resfriador e caminhão. Resíduos de leite, gordura, embalagens, detergentes, lodo da desnatadeira e areia. Pasteurização Higienização dos tanques, Padronizador, homogeneizador, Pasteurizador, local de envase e câmara fria. Resíduos de leite, gordura, detergente e embalagens. Iogurte e bebida láctea Higienização dos tanques, homogeneizador, pasteurizador, máquinas de envase, fermenteiras e câmara fria. Resíduos de leite, gordura, detergentes, ingredientes, iogurte e embalagens. Doce de leite Higienização de tanques, evaporadores, envasadora, área de acondicionamento e estocagem. Resíduos de leite, gordura, detergente, minerais, doce, açúcar e embalagens Manteiga Higienização do recipiente de creme, padronizador, pasteurizador, tanque de maturação, batedeira, empacotadeira, área de acondicionamento e câmara fria. Resíduos de gordura, detergente, creme, lodo, manteiga, leitelho e embalagem Requeijão Operações de dessoragem e lavagem da massa, higienização de tanques, da máquina de fundir a massa, embaladora, câmara fria e área de embalagem. Resíduos de leite, gordura, soro, detergentes, água, proteína, massa e requeijão Queijos Higienização de tanques, formas, dessoradores, panos, pisos, paredes, prateleiras, processo de dessoragem, salga e maturação. Resíduos de leite, detergente, gordura, queijo, soro, minerais, salmoura e embalagens. Figura 1- Etapas de processamento com os principais pontos de geração de resíduos em uma planta de laticínios (SILVA, 2006) Resíduos sólidos Segundo MACHADO et al. (2002), os resíduos sólidos gerados na indústria de laticínios podem ser subdivididos em dois grupos principais, no que se refere a 11

13 sua origem. O primeiro grupo são os resíduos gerados nos escritórios, nas instalações sanitárias e nos refeitórios da indústria. Corresponderia ao que se costuma denominar lixo comercial e abrange: papéis; plásticos e embalagens diversas geradas nos escritórios; resíduos de asseio dos funcionários como papel toalha, papel higiênico, etc. e resíduos de refeitório ou cantina, restos de alimentos, produtos deteriorados, embalagens diversas, papel filtro, etc. O segundo grupo refere-se aos resíduos sólidos industriais provenientes das diversas operações e atividades relacionadas diretamente à produção industrial. Nas indústrias de laticínios são basicamente sobras de embalagens, embalagens defeituosas, papelão, plásticos, produtos devolvidos e cinzas de caldeiras. Quanto ao tipo dos resíduos de embalagens, predomina o material plástico, principalmente sob as formas de sacos (polietileno de baixa densidade PEB) usados para a embalagem de leite pasteurizado, iogurte e bebidas lácteas, bem como de filmes plásticos diversos usados na embalagem de queijos. Pode haver, ainda, no caso da manteiga, filmes de papel, usados na embalagem de tabletes. Nas indústrias onde se produz doce de leite e requeijão também há resíduos de lata, vidro ou de embalagens de plástico semi-flexível. No Quadro 4 está representada a quantidade estimada dos principais resíduos sólidos que são gerados e comercializados pelas indústrias de laticínios no Estado de Minas Gerais, em função da capacidade de processamento de leite. Quadro 4 Estimativa da quantidade de resíduo de embalagens gerado pelas indústrias de laticínios Volume de leite Quantidade estimada de resíduo produzido (kg/dia) processado (L/dia) Plástico Embalagem multifoliar Folha de Flandres Alumínio Fonte: MACHADO et al. (2002). 12

14 3.0- Recuperação de subprodutos Processos industriais secundários são operações de manipulação, recuperação e processamento de subprodutos, (CARAWAN e PILKINGTON, 1986). Subprodutos correspondem a todos os produtos que não são diretamente destinados ao consumo e uso humanos (BRAILE e CAVALCANTI, 1979). A recuperação de subprodutos é prática econômica indiscutível e evita que materiais sejam liberados ao ambiente como rejeitos. Nesta etapa ocorre acentuada diferenciação tecnológica entre pequenas e grandes empresas (SILVEIRA, 1999). A produção de subprodutos a partir de resíduos de certos tipos de estabelecimentos pressupõe a existência de quantidades mínimas de resíduos para que possam ser recuperados individualmente de forma econômica. O armazenamento dos resíduos para a formação de lotes economicamente viáveis pode-se tornar altamente oneroso e inconveniente devido a sua rápida deterioração. Além disso, deve se considerar a ociosidade dos equipamentos no caso de pequenos estabelecimentos. Esses fatores dificultam a produção dos subprodutos (BRAILE e CAVALCANTI, 1979). Nos últimos 50 anos algumas alternativas para o aproveitamento do soro de queijo foram desenvolvidas, tais como: destiná-lo para ração animal, secagem, recuperação das proteínas, produção de ácidos orgânicos, produção de biogás, produção de combustível, produção de glicerol, produção de lactose, α- lactoalbumina, β-lactoglobulina, fosfolipoproteínas, peptídeos, proteases e aproveito direto em formulações e outros (SANTOS, 2001; SILVEIRA 2004). Mesmo com todas essas alternativas, estima-se que menos da metade de todo soro produzido no mundo é aproveitado de alguma maneira. A etapa inicial da maioria dos procedimentos adotados para o aproveitamento industrial do soro corresponde à recuperação das proteínas. Esse processo gera um permeado e um concentrado protéico, composto, principalmente, por β- lactoglobulina, α-lactoalbumina e lactoferrina (SANTOS, 2001). Estas proteínas são compostas por aminoácidos essenciais facilmente digeríveis e considerados nutricionalmente completos. A recuperação das proteínas do soro não resolve o problema ambiental, porque o permeado gerado contém toda lactose presente originalmente no soro 13

15 (Viene e Stockar, 1985 citado por SILVEIRA, 2004). Uma alternativa que está sendo considerada há décadas é o aproveitamento desse permeado para a fermentação de leveduras para produção de etanol. No entanto devido ao caráter diluído da lactose do soro de queijo, a produção de álcool a partir desse é economicamente inviável (TIN e MAWSON, 1992). Uma alternativa mais viável e que está ganhando espaço no Brasil, é a utilização do soro para elaboração de novos produtos como: bebidas lácteas; leites fermentados; mistura em sucos e ricota (SANTOS, 2001). Essa tendência pode ser comprovada pela pesquisa realizada pelo SEBRAE/MG (1997), em que se constatou um aumento de 206% na produção de bebidas lácteas no ano de Sistema de Gestão Ambiental (SGA) Um Sistema de Gestão Ambiental corresponde a uma forma lógica, racional e planejada de fazer o controle ambiental, ou seja, qualquer medida que reduza o volume e o potencial poluidor dos resíduos. Esse sistema pode ser implantado pela adoção de medidas simples como: identificar os pontos de geração de resíduos e implementar medidas para reduzir essa geração, fazer a coleta seletiva do lixo facilitando assim o processo de reciclagem, reaproveitar os resíduos para fabricação de um novo produto, fazer reuso de água entre outras Princípios de um Sistema de Gestão Ambiental Um Sistema de Gestão Ambiental está fundamentado nos princípios de prevenção, reciclagem/reuso, otimização da disposição final e ações corretivas, seguindo essa ordem de importância. Os princípios de prevenção e reciclagem/reuso devem ser prioridade na indústria. Qualquer ação implementada visando atender esses dois princípios representará um investimento e trará um retorno financeiro para a empresa. A otimização da disposição final e a aplicação de ações corretivas são exigências da legislação e representam um custo para as empresas (SILVA, 2006). No Quadro 5 estão apresentados cada um dos princípios relacionando suas premissas e medidas que podem ser implementadas para atender cada um. 14

16 Quadro 5 - Princípios do SGA, premissas e exemplos de medidas que podem ser aplicadas para atender cada um. Prevenção Princípios Premissas Exemplos de medidas Reciclagem/Reuso Otimização da disposição final Ações corretivas Fonte: SILVA (2006) Qualquer prática, processo ou técnica que auxilie na redução ou eliminação em volume, concentração e/ou toxicidade dos resíduos na empresa. Uma vez que o resíduo foi gerado, a melhor maneira de minimizar qualquer impacto adverso ao meio ambiente e reduzir o custo para tratar esse resíduo é usar esse material como matéria-prima ou insumo na fabricação de outro produto. Quando o resíduo não puder ser reciclado, uma variedade de processos de tratamento deve ser considerada de modo a reduzir o volume e potencial poluidor dos resíduos e, assim, minimizar o impacto ambiental decorrente de sua disposição final. Deve-se adotar sempre ações educativas e preventivas, prioritariamente àquelas meramente de caráter corretivo. Ações corretivas são sempre aplicadas após ocorrer algum tipo de dano ambiental que pode vir acompanhado de multa e degradação da imagem da empresa. - Modificações nos equipamentos, nos processos ou procedimentos; - Reformulação ou replaneijamento de produtos; - Substituição de matéria-prima. - Reuso do condensado e da água de resfriamento; - Recuperação de subprodutos como o soro que pode ser usado para fabricação de bebida láctea, doce, produção de soro em pó, etc. - Construção das Estações de Tratamento de Efluentes (ETE) que podem ser constituídas por sistemas biológicos, físico-químicos ou a combinação dos dois. - Destinação dos resíduos sólidos para sistemas de compostagem. - Recuperação de áreas degradadas - Recuperação de rios e nascente; - Reflorestamento; - Multas e advertências Ferramentas do Sistema de Gestão Ambiental As ferramentas do SGA constituem um conjunto de técnicas, estratégias, normas e linhas de atuação que tem como principal objetivo orientar passo a passo o processo de implantação e manutenção de um programa de gestão ambiental. No Quadro 6 estão apresentadas essas ferramentas, com seus respectivos princípios, pontos de aplicação e exemplos das medidas aplicáveis. 15

17 Quadro 6 - Ferramentas do Sistema de Gestão Ambiental Ferramentas Princípios/premissas Pontos de aplicação Produção mais limpa (P + L) Técnicas de Prevenção a Poluição (P2) ISO Fonte: SILVA (2006) A produção mais limpa é uma política de caráter preventivo e abrangente que tem como princípio eliminar a poluição durante o processo de produção, não no final da linha de processamento. A P2 refere-se a qualquer prática, processo, técnica e tecnologia que visem a redução ou eliminação em volume, concentração e/ou toxicidade dos poluentes na fonte geradora. A ISO é um conjunto de normas voluntárias, definidas pela ISO, para padronizar e facilitar a implantação do sistema de Gestão Ambiental nas empresas. É aplicada nos processos, produtos e serviços, ou seja, ambiente interno e externo à empresa. É aplicada nos processos e produtos. É aplicada nos serviços, produtos e ambiente de trabalho de qualquer organização pública ou privada. Exemplos - Práticas de reuso de efluentes; - Uso de embalagens recicláveis; - Exigir dos fornecedores matéria prima e insumos produzidos com responsabilidade ambiental; - Incorporação das preocupações ambientais no planejamento e entrega dos serviços. Modificações nos equipamentos, processos ou procedimentos, reformulação ou replanejamento de produtos, substituição de matériasprimas, eliminação de substâncias tóxicas, padronização dos procedimentos de operação e manutenção, treinamento dos funcionários. Sistema de Gestão Ambiental (ISO 14001); Auditorias ambientais (ISO 14010, e 14012); Avaliação do desempenho ambiental (ISO 14031); Rotulagem ambiental (ISO 14020, e 14024); Aspectos ambientais em normas de produtos (ISO 15060); Análise do ciclo de vida do produto (ISO 14040) Gerenciamento de Resíduos na Agroindústria No passado, as indústrias concentravam suas preocupações, exclusivamente com a produção e os lucros. Ações para proteger o meio ambiente eram insignificantes e esta despreocupação foi responsável pela ocorrência de comprometimentos ambientais irreversíveis (PEREIRA e TOCCHETO, 2005). O surgimento de uma legislação ambiental constitui um importante instrumento de controle e fiscalização das atividades industriais, contribuindo para a melhoria da gestão das empresas, inclusive para a implantação de medidas que resultaram na redução do impacto ambiental. No entanto, os custos de disposição de resíduos ainda eram vistos como uma despesa operacional (PEREIRA e TOCCHETO, 2005a). Com a globalização da economia a competitividade entre as empresas aumentou e a margem de lucros diminuiu. Produzir muito pode significar gerar um grande volume de resíduos e conseqüentemente aumentar os custos com 16

18 tratamento. Nesse contexto, o comportamento reativo das empresas é substituído pelo pró-ativo. As operações industriais, neste período, experimentaram mudanças radicais com implicações significativas, principalmente com a introdução das normas de gestão pela qualidade ambiental, a exemplo da série ISO (PEREIRA e TOCCHETO, 2005). As empresas adquiriram uma visão estratégica em relação ao meio ambiente, passando a percebê-lo como oportunidade de desenvolvimento e crescimento. As ações passaram a ser nas fontes geradoras de forma a minimizar a geração dos resíduos, reaproveitar o resíduo e, só em último caso, tratá-lo e dispô-lo de maneira segura (CICHOCKI, 2005). A ação de prevenir e de controlar a poluição nos processos industriais, estrutura-se nos conceitos de redução, reutilização e reciclagem de materiais, o que leva a benefícios como: diminuição dos desperdícios de produtos e de matéria prima; economia de insumos (água, energia elétrica, combustíveis e outros); otimização no uso de produtos químicos; redução do volume de despejos; menores riscos de infrações e multas; aumento de produtividade; dentre outros. Todos esses ganhos fazem com que a empresa reduza, principalmente, os custos de implantação da estação de tratamento de efluentes (ETE), além da melhoria da imagem da empresa com conseqüente aumento da competitividade, (MACHADO et al., 2002 e PEREIRA e TOCCHETO, 2005b). A agroindústria tem buscado novas tecnologias, principalmente visando o aproveitamento de resíduos e implementando sistemas de reuso de água. A aplicação de técnicas de gestão aliada às ferramentas e filosofias atuais como a "emissão zero" (PAULI ), "tecnologia limpa" (CNTL-1998) e sua versão "tecnologia mais limpa" (AMUNDSEN ), "APPCC/HACCP - Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle" (SENAI ) e (GARCÌA ), e "Boas Práticas de Fabricação" (JORDANO ), tem propiciado consideráveis melhorias na redução da emissão de resíduos nas indústrias de alimentos. Esta redução está limitada em parte às necessidades de higienização na indústria (ANDRADE & MACEDO, 1996). Apesar das tecnologias disponíveis ainda é elevado o despejo de resíduos, principalmente utilizando a água como veículo, em função do elevado consumo nas diferentes etapas de higienização. 17

19 Este problema pode ser mais bem equacionado pelo pleno conhecimento do processo tecnológico adotado e das diferentes formas e tecnologias de tratamento dos efluentes (SILVEIRA, 1999). Segundo SILVA (2006), apesar da maioria das empresas da agroindústria já aplicarem algum programa de reciclagem/reuso ou recuperação de subprodutos e preocuparem em reduzir o consumo de água, o conhecimento e aplicação dos princípios e ferramentas do sistema de gestão ambiental ainda são muito pouco explorados. Isso pode ser um reflexo da falta de transferência de conhecimentos dos centros de pesquisa para o mercado e a dificuldade de conscientização e treinamento de uma mão de obra pouco qualificada, além da falta de divulgação dos benefícios que o controle preventivo da geração de resíduos pode trazer para a empresa e sociedade de um modo geral Etapas para implementação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) na Agroindústria A seguir são descritas as etapas que deverão ser seguidas para implantação de um SGA na agroindústria, segundo manual proposto por SILVA (2006). Esse manual foi desenvolvido a partir de uma adaptação do Guia de Prevenção à Poluição desenvolvido pela EPA (2001) e CETESB (2006). Etapa 1: Comprometimento da direção da empresa A empresa que pretende implantar um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) em seus processos produtivos deve ter como premissa básica o comprometimento da direção da empresa com o princípio preconizado por este programa. Este comprometimento contribui de forma significativa para o envolvimento do corpo funcional, gerando o entusiasmo necessário para o desenvolvimento do programa, devendo ser estabelecido por meio de uma Declaração Formal das Intenções da direção da empresa. A Declaração de Intenções tem por objetivo apresentar formalmente a aceitação e o comprometimento, por parte da direção da empresa, na implementação do Sistema de Gestão Ambiental em seus processos/atividades. Os objetivos e as prioridades gerais do programa devem estar inseridos nesta 18

20 declaração, a qual deverá ser divulgada a todos os interessados, ou seja, funcionários, fornecedores e clientes. Um exemplo de Declaração de Intenções é apresentado na Figura 2. DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES Na [..nome da empresa...], a proteção do meio ambiente está sendo priorizada por meio da implantação do Sistema de Gestão Ambiental. Esta empresa se compromete a reduzir ou eliminar o uso de substâncias tóxicas, a emissão de poluentes e a geração de todos os tipos de resíduos, principalmente os perigosos e reduzir o consumo de água. Nós nos comprometemos em minimizar qualquer impacto indesejável no ar, água e solo, mesmo quando o uso de substâncias tóxicas, a geração de resíduos sólidos ou a emissão de poluentes tóxicos não puderem ser evitados. Direção da Empresa Figura 2: Exemplo de Declaração de Intenções. Etapa 2: Definição de uma equipe para implementação do SGA Nessa etapa deve ser definida a equipe que irá fazer o estudo da situação ambiental da empresa e posteriormente a implantação do SGA. Essa equipe deve ser formada por pessoas de diferentes setores da empresa, uma vez, que a troca de experiências e a integração dos funcionários será fundamental para o planejamento e implantação das medidas. É importante a presença de pelo menos um técnico que tenha bom conhecimento dos processos produtivos. O número de pessoas que deverá integrar a equipe vai depender do tamanho e da estrutura da empresa. A participação de pessoal externo (consultores, fornecedores, etc.) poderá complementar a equipe, suprindo-a de eventuais deficiências técnicas. A escolha de um líder é fundamental para o bom andamento dos trabalhos, pois dele dependerá a coordenação e, para tanto, é interessante que o líder esteja familiarizado com todos os aspectos operacionais da indústria e possua fácil acesso a todos os níveis hierárquicos da empresa. Como incentivo às participações voluntárias, sugere-se que as idéias recebidas sejam divulgadas em um boletim interno, ou de alguma outra forma que 19

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

RESÍDUOS NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

RESÍDUOS NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS RESÍDUOS NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição

Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CETESB COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS GEADOS NO LATICÍNIO DO IFMG-CAMPUS BAMBUÍ UTILIZANDO O MÉTODO FMEA Lucélia Costa OLIVEIA 1 ; Pedro Henrique esende CAVALHO 2 ; Maria Cristina da Silva BABOSA 3 ; Anne

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

LICENCIAMENTO MATADOUROS

LICENCIAMENTO MATADOUROS LICENÇA PRÉVIA (LP): LICENCIAMENTO MATADOUROS 1. Requerimento; 2. Publicações no diário oficial e jornal de grande circulação; 3. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento; 4. Cadastro do empreendimento

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

Introdução AGROINDÚSTRIA PREOCUPAÇÃO!!! Importância para o País INDISCUTÍVEL!!!! ECONOMIA Harmonia entre população urbana e rural

Introdução AGROINDÚSTRIA PREOCUPAÇÃO!!! Importância para o País INDISCUTÍVEL!!!! ECONOMIA Harmonia entre população urbana e rural Introdução AGROINDÚSTRIA Importância para o País INDISCUTÍVEL!!!! ECONOMIA Harmonia entre população urbana e rural PREOCUPAÇÃO!!! Introdução Tabela 1: Produção de leite (milhões de litros) no País e no

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Emanuele Montenegro Sales (1) Graduando em Licenciatura em Química pela UEPB, Graduando de Engenharia Química pela UFCG. Antônio Augusto Pereira (2) Engenheiro

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Reuso de Efluentes em Atividades Industriais

Reuso de Efluentes em Atividades Industriais Artigo Técnico Reuso de Efluentes em Atividades Industriais 1 2 3 Santos, M. F. ; Santos, R. S. ; Beretta, M. 1 CETREL LUMINA; 2- Faculdade Área 1; 3 Escola Politécnica-UFBA Resumo Água é indubitavelmente

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Franciane Aparecida Arruda Marques 1021539-x Profª. Orientadora: Márcia Gonçalves Coelho

Franciane Aparecida Arruda Marques 1021539-x Profª. Orientadora: Márcia Gonçalves Coelho Produção Mais Limpa Aplicada ao Gerenciamento Ambiental da Indústria de Bebidas: Produção Mais Limpa (P+L). Franciane Aparecida Arruda Marques 1021539-x Profª. Orientadora: Márcia Gonçalves Coelho Exemplificação

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

Ação Social Combatendo o Desperdício

Ação Social Combatendo o Desperdício ENCONTRO ANUAL DE DIRIGENTES E TÉCNICOS DE CEASAS Ação Social Combatendo o Desperdício Maceió/AL Junho 2010 Domingos Sávio Dornelas de Andrade Químico Industrial CEASA-PE APRESENTAÇÃO Esta modalidade mais

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR.

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. Roberta Daniela da Silva Santos Universidade Federal do Vale do São Francisco,

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar. Volume 2. Caracterização da Área

Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar. Volume 2. Caracterização da Área Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar Volume 2 Caracterização da Área 7.5.6 Metal-mecânica No presente trabalho a indústria metal-mecânica

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS Marieli da Silva MARQUES 1, Iliane Toledo BORGES 2, Andrey Berlesi AGNES e João Eduardo König LAUER 3, Gabriele

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX MALTEX Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Limpa inox Maltex. Aplicação: O remove manchas e amarelados de utensílios de

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ABATEDOURO DE AVES: ALTERNATIVAS DE MANEJO E TRATAMENTO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ABATEDOURO DE AVES: ALTERNATIVAS DE MANEJO E TRATAMENTO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ABATEDOURO DE AVES: ALTERNATIVAS DE MANEJO E TRATAMENTO Luciana de Mattos Moraes (1) Zootecnista, Formada pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal,

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no DZ - 205.R-5 DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGANICA EM EFLUENTES LIQUIDOS DE ORIGEM INDUSTRIAL NOTAS: Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no D.O.E.R.J. de 24.10.91.

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida? 2. O alumínio da embalagem entra em contato com o alimento?

Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida?  2. O alumínio da embalagem entra em contato com o alimento? Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida? R: A embalagem da Tetra Pak é composta por várias camadas de materiais. Estas criam uma barreira que impede a entrada de luz, ar,

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY Evandro Oliveira Araujo Bacharel em Química - UNISALESIANO Flávio Policarpo Bacharel em Química - UNISALESIANO Rodolfo Correia da Silva

Leia mais

Inovações Ambientais do

Inovações Ambientais do Inovações Ambientais do Núcleo de Inovação Soluções para um futuro melhor. Qualidade doar Qualidade da Água Qualidade do Ambiente Escritórios Bl Belo Horizonte Salvador Blumenau Apresentam excelente relação

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO MATADOURO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SUMÉ, PARAÍBA

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO MATADOURO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SUMÉ, PARAÍBA AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO MATADOURO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SUMÉ, PARAÍBA Maria Teresa Cristina Coelho do Nascimento 1 ; Leandro Fabrício Sena 2 ; Jaricélia Patrícia Oliveira Sena 3 ; Joelma

Leia mais

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável Balanço Sustentável ÍNDICE SUSTENTABILIDADE PARA A SONDA IT...03 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS...05 CONHEÇA AS AÇÕES SUSTENTÁVEIS DA SEDE DA SONDA IT...06 DATA CENTER PRÓPRIO...13 ASPECTOS AMBIENTAIS...15 Sustentabilidade

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS COMERCIALIZADOS PELA: Polímeros Catiônicos (Polieletrólitos) Funções e Benefícios Os Polímeros catiônicos comercializados pela AUTON têm alto poder de floculação, sendo utilizados

Leia mais