UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curso de Pós-Graduação Gerência de Projetos com Ênfase nas práticas do PMI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curso de Pós-Graduação Gerência de Projetos com Ênfase nas práticas do PMI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curso de Pós-Graduação Gerência de Projetos com Ênfase nas práticas do PMI SCRUM Metodologia Ágil de Gerenciamento de Projetos São Paulo 2009

2 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curso de Pós-Graduação Gerência de Projetos com Ênfase nas práticas do PMI Fernanda Mendes RA: Fernanda Pereira RA: João Carlos RA: Luciana Carvalho RA: Ricardo Henrique RA: Vanessa Rodrigues RA: SCRUM Metodologia Ágil de Gerenciamento de Projetos Prof.: Nelson Rosamilha São Paulo 2009

3 Sumário RESUMO INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS HISTÓRICO INFLUÊNCIA O MANIFESTO ÁGIL VALORES PROCESSOS EMPÍRICOS PILARES COMPLEXIDADE PAPÉIS PRODUCT OWNER EQUIPE SCRUM MASTER ESTIMATIVAS ESTIMATIVAS ABSOLUTAS E ESTIMATIVAS RELATIVAS STORY POINTS VELOCITY PLANNING POKER PLANEJAMENTO NÍVEIS DE PLANEJAMENTO PRODUCT BACKLOG SPRINT RELEASE PLANEJANDO RELEASES REUNIÕES SPRINT PLANNING MEETING DAILY SCRUM SPRINT REVIEW SPRINT RETROSPECTIVE EXECUTANDO UMA SPRINT TRABALHANDO EM SPRINTS CRIANDO UM TASKBOARD MONITORANDO A SPRINT IMPEDIMENT BACKLOG EQUIPES SCRUM COMPOSIÇÃO RESPONSABILIDADE COLABORAÇÃO PROBLEMAS COMUNS SCRUM E ENGENHARIA ÁGIL USER STORIES PAIR PROGRAMMING TEST DRIVEN DEVELOPMENT REFACTORING INTEGRAÇÃO CONTÍNUA CONCLUSÃO...40

4 12 BIBLIOGRAFIA...41

5 1 RESUMO O desenvolvimento de software é uma atividade complexa que envolve inúmeros fatores, muitas vezes imprevisíveis e difíceis de controlar. Esta complexidade faz com que grande parte dos projetos de software exceda o prazo e o orçamento previsto, além de não atender às expectativas do cliente em termos de funcionalidade e qualidade. Neste contexto, um gerenciamento eficaz é fundamental para o sucesso de projetos de software. Como a incerteza é inerente a este tipo de projeto, o gerenciamento de riscos vem-se tornando cada vez mais relevante nesta área de conhecimento. Visando melhores resultados, as empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) estão adotando também metodologias de desenvolvimento de software mais flexíveis e propícias às freqüentes mudanças, além de mais interação durante todo o projeto entre os usuários e o próprio sistema. Estas metodologias são chamadas de ágeis em contraposição às metodologias pesadas que, tradicionalmente, predominaram na área, mas que se mostraram ineficientes e improdutivas. Este trabalho apresenta uma proposta de utilização das práticas sugeridas pela metodologia ágil Scrum para agilizar os processos sugeridos pelo mprime Process na área de Gerenciamento de Riscos.

6 2 1 INTRODUÇÃO Scrum é uma estrutura básica (framework) e ágil, para gerenciamento de projetos de software. O intuito é passar por todos os itens do Scrum, tentar dar detalhes diretos e simples sobre esse framework. O que é SCRUM? É um processo de desenvolvimento iterativo e incremental que pode ser aplicado a qualquer produto ou no gerenciamento de qualquer atividade complexa; Criado por Jeff Sutherland e Ken Schwaber na década de 90; A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) vem crescendo rapidamente, o que demanda rápidas decisões e constante aprimoramento dos processos de negócios utilizados. Ainda são comuns, dentro de ambientes de desenvolvimento de software, problemas relacionados à entrega do produto/serviço de software, orçamento inicial defasado e falhas em critérios de qualidade. 1.1 Conceitos Básicos Ainda que os projetos respeitem prazos e custos, os mesmos podem possuir qualidade suspeita, uma vez que podem ter sido desenvolvido sob muita pressão, o que pode resultar em um elevado número de erros. Algumas destas falhas podem ser relacionadas com os modelos de software utilizados, como por exemplo, o modelo clássico ou seqüencial, considerado uma metodologia tradicional. Metodologias tradicionais propõem processos orientados à documentação para o desenvolvimento de software, o que acaba limitando os desenvolvedores, visto que eles necessitam de toda a documentação pronta para iniciar as atividades de desenvolvimento. Além disso, muitas organizações de pequeno porte ainda não lidam bem com processos, o que pode resultar em efeitos desastrosos em termos de qualidade de software e também dificultar a entrega do software nos prazos e custos predefinidos. Esse tipo de metodologia é composta por atividades seqüenciais como levantamento de requisitos, análise, projeto, implementação, teste, implantação e

7 3 manutenção. Deve ser aplicada apenas em situações em que os requisitos de software sejam estáveis e os requisitos futuros previsíveis. Os projetos que possuem requisitos propensos a mudanças, nas quais, refazer partes do código, não é considerado uma atividade de alto custo, onde as equipes são pequenas, as datas de entrega do software são curtas e o desenvolvimento rápido é fundamental, poderão utilizar-se das técnicas adotadas pelas metodologias ágeis. As metodologias ágeis surgiram com a proposta de aumentar o enfoque nas pessoas e não nos processos de desenvolvimento. Além disso, existe a preocupação de gastar menos tempo com documentação e mais com resolução de problemas de forma interativa. Uma característica das metodologias ágeis é que elas são adaptativas ao invés de serem preditivas, ou seja, tentam se adaptar a novos fatores decorrentes do desenvolvimento do projeto, ao invés de procurar analisar previamente tudo o que pode acontecer no decorrer do desenvolvimento. 1.2 Histórico Inicialmente, o Scrum foi criado como uma estrutura básica (framework) para gerenciamento de projetos, na indústria convencional. Só em 1995, Ken Schwaber formalizou-o para projetos de desenvolvimento de software. Ele foi fortemente baseado no processo Lean Manufacturing da Toyota, mais conhecido como Manufatura Enxuta. 1.3 Influência Scrum é usado por - First American Real; Google; Nielsen Media; Yahoo; Intuit; Microsoft; Ipswitch; High Moon Studios; BMC Software; Electronic Arts; Estate; Nokia; Sabre; Siemens; Lexis Nexis; Philips; John Deere; Lockheed Martin; CESAR; Turner Broadcasting; BBC; Time Warner; Capital One; Salesforce.com CERTI; Oce. Scrum é usado para desenvolvimento de vídeo games; desenvolvimento interno; software comercial; sistemas críticos; websites aplicações; software de controle de Satélites; projetos de preço fixo; software para portáteis; aplicações

8 4 certificadas ISO9001; financeiras; aplicações de controle de redes; telefones celulares; sistemas embarcados; Algumas das Aplicações ISV Sistemas 24x7 com % de uptime requerido maiores aplicações em uso na atualidade.

9 5 1.4 O Manifesto Ágil Há alguns anos, um grupo de profissionais veteranos na área de software, decidiram se reunir em uma estação de esqui, nos EUA, para discutir formas de melhorar o desempenho de seus projetos. Embora cada envolvido tivesse suas próprias práticas e teorias sobre como fazer um projeto de software ter sucesso, cada qual, com as suas particularidades, todos concordavam que, em suas experiências prévias, um pequeno conjunto de princípios sempre parecia ter sido respeitado quando os projetos davam certo. Com base nisso, eles criaram o Manifesto para o Desenvolvimento Ágil de Software, freqüentemente chamado apenas de Manifesto Ágil, e o termo Desenvolvimento Ágil passou a descrever abordagens de desenvolvimento que seguissem estes princípios, que são apresentados a seguir: Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o nós mesmos e ajudando outros a fazê-lo. Através desse trabalho, passamos a valorizar: Indivíduos e interação entre eles mais que processos e ferramentas; Software em funcionamento mais que documentação abrangente; Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos; Responder a mudanças mais que seguir um plano. Ou seja, mesmo havendo valor nos itens à direita, valorizamos mais os itens à esquerda. O Manifesto Ágil, criado em 2001, descreve a essência de um conjunto de abordagens para desenvolvimento de software criado ao longo da última década. A mais conhecida delas é o Extreme Programming, também conhecida pela abreviação XP, uma metodologia criada por Kent Beck no final dos anos 90. O XP é composto por um pequeno conjunto de práticas, que giram em torno de alguns valores básicos.

10 6 1.5 Valores Todos que se envolvem com desenvolvimento de software têm um sentimento sobre aquilo que realmente importa. Uma pessoa pode achar que o que realmente importa é pensar cuidadosamente em todas as decisões de design concebíveis antes de implementá-las. Outra pode achar que importante mesmo é não ter nenhum tipo de restrições sobre sua liberdade pessoal. O maior problema encontrado em relação ao que as pessoas "sabem" sobre desenvolvimento de software é que elas se concentram em ações individuais. O que realmente importa não é como uma pessoa se comporta, mas sim como os indivíduos se comportam como parte de uma equipe e como parte de uma organização. Por exemplo, as pessoas são apaixonadas por estilos de codificação. Apesar de haver estilos que são sem dúvidas melhores que outros, a questão mais importante em relação a estilos de codificação é que a equipe como um todo escolha adotar um estilo em comum. Estilos de codificação muito peculiares e os valores revelados por eles, liberdade pessoal a qualquer custo, não ajudam a equipe a ter sucesso. Se todos na equipe se concentrarem naquilo que é importante para a equipe, em que devem se concentrar? XP se baseia em cinco valores para guiar o desenvolvimento: Comunicação Coragem Feedback Respeito Simplicidade

11 7 2 PROCESSOS EMPÍRICOS São aqueles que não se conheçam todas as variáveis de entrada para que possa estabelecer um processo repetível. O Scrum, parte do princípio que nem todas as características do produto são conhecidas na análise e que provavelmente os requisitos mudarão com o passar do tempo. Conclusão dos Processos Processos empíricos são baseados em inspeção e adaptação e devem ser utilizados sempre que os processos definidos não forem adequados devido a complexidade do projeto. 2.1 Pilares A proposta do Scrum é radicalmente diferente. O Scrum contempla uma visão empírica e tem seus pilares apoiados na teoria de controle de processos empíricos. O Scrum, como um bom processo empírico, parte do princípio que nem todas as características do produto são conhecidas na análise e que provavelmente os requisitos mudarão com o passar do tempo. No Scrum existem duas atividades principais: inspeção e adaptação. Como o processo não é definido, o gerente de projeto tem que inspecionar a execução diariamente, o que requer transparência, e fazer as adaptações necessárias com o passar do tempo. A exemplo do XP, Scrum é como aprender a dirigir um carro: você não traça um destino inicialmente e chega em linha reta até o final. Aprender a dirigir está muito mais relacionado com pequenas correções de rota até a chegada final. Desenvolvimento é uma atividade extremamente complexa que não se adapta a um processo definido. A única alternativa viável é a utilização de um processo empírico baseado em inspeção e adaptação. 2.2 Complexidade Devido a alta complexidade, inerente ao desenvolvimento de software, os processos tornam-se cada vez mais difíceis e não fornecem um nível de flexibilidade adequado para que se obtenha a alta produtividade e qualidade no produto final com as práticas de engenharia atuais. A melhor alternativa possível nesta situação é a

12 8 adoção de um processo que seja flexível o bastante para acomodar as alterações necessárias exigidas durante o desenvolvimento do produto. O Scrum é uma metodologia testada em uma diversidade de projetos, com mais de 15 anos de uso, que pode aumentar consideravelmente a produtividade da equipe e a qualidade do produto. Um projeto de software, seja ele web-based ou não, é sempre um percurso longo e cheio de contratempos onde a agilidade para tratar os problemas é sempre um fator que marca a diferença, no tempo de execução e, sobretudo, nos custos e nos investimentos. As mudanças são constantes e complexas, por isso mesmo as metodologias utilizadas revelam-se de grande importância uma vez que ditam o sucesso ou insucesso de um projeto tornando a evolução do mesmo mais seguro e estável. Scrum é uma metodologia que agrupa importantes conceitos e metodologias que visam a produtividade, a qualidade dos produtos, o retorno do investimento e consequentemente a satisfação do cliente. E, a satisfação do cliente em projetos de desenvolvimento de software implica sempre no período de vida do projeto, onde o próprio projeto contempla as mudanças do negócio, da economia, da legislação etc. isto é, a satisfação do cliente exige que se abrace a mudança, em vez de seguir um plano rígido e predefinido.

13 9 3 PAPÉIS Cada um dos três papéis são agentes importantes no desenvolvimento do produto, cada um com sua responsabilidade conforme apresentado a seguir: 3.1 Product Owner O Product Owner é responsável por definir as características do produto e a prioridade de cada característica. O Product Owner deve definir a data de entrega e deve rever as características e as prioridades quando necessário. Como retorno, o Product Owner é o responsável por garantir a lucrabilidade do produto e deve aceitar ou não os resultados do trabalho desenvolvido. Responsabilidades: Define a visão do produto É o representante dos clientes Entende do negócio Define o objetivo do Sprint Elege prioridades de negócio Gerencia o Backlog 3.2 Equipe A equipe de SCRUM deve ser uma equipe multifuncional composta de 5 a 9 pessoas, deve selecionar um trabalho e especificar os resultados esperados. A equipe deve ter total liberdade ao fazer o trabalho para conseguir atingir a meta e deve poder organizar a ela mesma e ao trabalho. Também é a equipe que vai demonstrar o trabalho desenvolvido ao Product Owner. Características: Responsável pela entrega Multi-funcional

14 10 Auto-organizada e auto-gerenciada Todos os membros igualmente comprometidos com um objetivo comum Geralmente equipes pequenas (até 10) Equipes grandes geralmente se comportam como várias equipes pequenas 3.3 SCRUM Master É o líder da equipe do SCRUM e trabalha próximo ao Product Owner, ele deve garantir o trabalho da equipe, seja funcional e/ou produtivo, acompanhando o que foi feito, o que está sendo feito e novas tarefas foram descobertas. É de responsabilidade do SCRUM Master remover as barreiras no desenvolvimento e evitar que problemas externos ao desenvolvimento do produto afetem o grupo de SCRUM. É o SCRUM Master o responsável sobre a aplicação efetiva do processo, ele deve garantir que as regras do processo sejam seguidas a risca. Características: Conhece o processo Remove impedimentos Protege a equipe Riscos e interferências externos Excesso de otimismo Auxilia o Product Owner a maximizar o retorno do investimento

15 11 4 ESTIMATIVAS 4.1 Estimativas Absolutas e Estimativas Relativas Qual a extensão da muralha da China? Qual a temperatura do Sol? Qual a altura da Empire State Building? Se fizermos essas perguntas a 10 pessoas diferentes, provavelmente receberemos 10 respostas completamente diferentes. Mas o que isso tem haver com software? O processo de estimar esses valores não é muito diferente do que fazemos quando alguém nos pede para estimar quanto tempo vai levar para desenvolver a função X. Prever todos os fatores que possam impactar o processo de desenvolvimento é impossível. Resumindo, acertar quanto vai levar para implementar uma funcionalidade não difere muito de acertar a altura do Empire State ou a temperatura do Sol. Esse tipo de estimativa pode ser chamada de absoluta, porque tentamos estimar diretamente o tempo de cada funcionalidade sem levar em conta as outras. Esse tipo de estratégia tem diversos problemas. As estimativas ficam totalmente desprotegidas em relação a mudanças na equipe, já que as estimativas de tempo têm relação direta com a quantidade de pessoas que formam a equipe e o grau de experiência e conhecimento de cada uma delas. Qualquer tipo de mudança nos membros da equipe invalidará todas as estimativas já realizadas. Quando passamos a estimar relativamente, não nos preocupamos inicialmente com o tempo. Pode parecer estranho à primeira vista, mas o que precisamos estimar inicialmente é o tamanho de cada funcionalidade, o quão complexo será desenvolver o item, mas não só isso, o valor de complexidade atribuído a cada item deve ser definido em relação a outros. Exemplificando: Se atribuirmos um valor de complexidade 10 para o item A e estimarmos que o item B é três vezes mais complexo, então atribuiremos o valor 30 para o item B e assim por diante até que todos os itens estejam estimados. Qual a vantagem disso? Primeiro iniciamos as estimativas com uma referência, para isso escolhemos um item que

16 12 pareça ser simples e atribuímos nosso valor de referência (2,10,N,etc.) e a partir daí, passamos a estimar os outros itens em relação a essa referência. O importante aí não é a precisão da referência, mas sim a consistência entre as estimativas. Outra vantagem é que as estimativas estão blindadas em relação a mudanças na equipe, mesmo que a equipe mude completamente o tamanho dos itens, as estimativas continuarão as mesmas. Mas, precisamos ter uma idéia de quando o item estará pronto, precisamos planejar nossas entregas, etc. Para isso, aplicamos nas nossas estimativas relativas a métrica da velocidade da equipe, ou seja, quantos pontos de complexidade a equipe consegue resolver a cada interação, como isso podemos derivar toda a agenda do projeto. Se a equipe mudar, a velocidade muda, e a agenda muda, mas todo trabalho estimado não é perdido. Quando aplicamos a velocidade, estamos injetando realidade nas nossas estimativas, estamos de fato usando uma métrica de quanto a equipe pode se comprometer e estamos entregando uma agenda muito mais confiável. 4.2 Story Points Story Points são apenas medidas relativas de esforço envolvido na estimativa de um usuário história. A idéia geral é estarmos na estimativa do 'caminho feliz' de um caso ou utilizar uma das principais vias alternativas em nosso produto atraso. Gestores determinam a capacidade em termos de tempo, ou seja, os gestores estimam quanto tempo levará para antecipar determinadas tarefas e, em seguida, atribui o trabalho baseado nos membros da equipe e o total do tempo disponível. Isso é problemático, porque não distingue uma história que é muito difícil de preencher, considerando somente o tempo de trabalho necessário. Dito de outra maneira codifica uma característica e organiza os montes de documentação sobre a sua mesa, que são atividades que provavelmente possuem a mesma quantidade de tempo, mas não há dúvida de que o antigo exigiria muito mais concentração e esforço. Devido a esse fato, devem ser reconhecidos como incrivelmente diferentes tarefas, que exigem diferentes níveis de esforço. Scrum toma uma abordagem bastante diferente de determinar um membro da equipe da capacidade. Primeiro de tudo, Scrum atribui ao trabalho uma equipe inteira, não um indivíduo.

17 13 Filosoficamente, isso coloca uma ênfase no esforço coletivo. Por outro lado, recusase a quantificar Scrum trabalho em termos de tempo, porque isso iria prejudicar a auto-organização central para o sucesso do Scrum. Este é um grande intervalo de cachoeira: Em vez de um gestor estimar tempo em nome de outras pessoas e atribuindo tarefas com base em conjecturas, os membros da equipe no Scrum utilizam esforço e grau de dificuldade para estimar os seus próprios trabalhos. Scrum não prescreve um único caminho para equipes estimar seu trabalho. No entanto, pedimos que as equipes não estimem em termos de tempo, mas, em vez disso, use uma métrica mais abstrata para quantificar esforço. Estimar métodos inclui dimensionamento numérico (1 a 10), a seqüência Fibonacci (1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, etc), e até mesmo raças de cachorros, em que um Chihuahua representaria a menor história e um Great Dane a maior. O importante é que a equipe tenha uma compreensão da amplitude que é utilizada, de modo que cada membro da equipe se familiarize com a escala de valores. No Sprint Planning Meeting, a equipe se reúne para calcular os seus esforços para as histórias em atraso. O Produto Proprietário e necessidades destas estimativas, priorizam itens na carteira e, como resultado, as previsões com base em comunicados da equipe. Isto significa que o Produto Dono precisa de uma avaliação honesta de como vai ser difícil trabalhar. Assim, recomenda-se que o Produto Proprietário não observe o processo de estimação para evitar pressionar (intencionalmente ou não) uma equipe para reduzir o seu esforço nas estimativas e assumir mais trabalho. Mesmo quando a equipe faz estimativas entre si, deverão ser tomadas medidas para reduzir a influência do modo como uma equipe faz estimativas. Como tal, é recomendado que todos os membros da equipe divulguem as suas estimativas em simultâneo.

18 14 tabela: O planejamento do trabalho realizado versus o total alcançado dá a seguinte 4.3 Velocity Para acompanhar o progresso e a velocidade da equipe de desenvolvimento, o Scrum utiliza um painel de progresso chamado de Gráfico de Consumo (Burndown Chart), que ilustra a quantidade de funcionalidades que foram desenvolvidas até o momento no Sprint. A inclinação da curva dá a noção de Velocidade (Velocity) da equipe. A conversa gira em torno dos desenvolvedores, onde o Scrum Master pergunta para cada membro do time quanto tempo uma atividade do Backlog demora para ser desenvolvida (em horas), e com base nisso as horas necessárias para o projeto. Quando já passou por alguns ciclos com Sprints, é utilizado o Cálculo de Velocidade

19 15 e uma medida em cima do total do trabalho feito, onde cada item recebe um peso de acordo com a sua estimativa inicial. Como estimar a velocidade? A maneira mais simples de estimar a velocidade é verificar o histórico do time. Qual foi a velocidade do time nos últimos Sprints? Então assumir que a velocidade será a mesma para o último Sprint, mas isso só funciona se o time já teve feito alguns Sprints antes. Outra maneira de calcular é através de cálculo de recurso. Por exemplo, vamos assumir que estamos planejando um Sprint de 3 semanas (15 dias) com um time de 4 pessoas. O recurso João ficará dois dias de folga, Zezinho apenas 50%, colocando tudo isso no papel ficará: Estimamos que a velocidade será menor que 50. Mas quanto menos? Utilizamos o termo Fator Foco para isso: Fórmula para velocidade estimada do Sprint: (Dias de Recurso Disponível) * (Fator Foco) = (Velocidade Estimada) Fator Foco é uma estimativa de como o time esta focado no Projeto. Um fator foco baixo significa que o time espera encontrar vários inconvenientes. A melhor maneira de determinar um Fator Foco concreto é analisando o último Sprint, ou melhor, a média dos últimos Sprints.

20 16 Fator Foco do último Sprint: (Fator Foco) = ( Velocidade Atual ) (Dias de Recurso Disponível ) Velocidade atual é a soma da estimativa inicial de todas as estórias que foram finalizadas no Sprint anterior. Por exemplo, no ultimo Sprint completamos 18 pontos em uma equipe de 3 pessoas, trabalhando por 3 semanas para um total de 45 dias de recurso. Vamos calcular o novo Sprint baseado nestes dados, para complicar imagine que chegou mais um recurso (Trainee), que totalizando dá 50 dias de recurso com treinamentos, feriados, etc Desta maneira a velocidade estimada para o próximo Sprint é de 20 pontos de estória. Isso significa que o time deve adicionar estórias para o Sprint até o mesmo chegar perto de 20 pontos. 4.4 Planning Poker O Planning Poker é uma forma de fomentar a interação entre a equipe de uma maneira divertida, servindo também para o Scrum Master e o Product Owner terem uma idéia dos perfis de estimativa de cada um dos membros. Sempre existirá aquele que é mais ousado e acha possível fazer tudo muito fácil, assim como, no outro extremo, terá aquele que sempre vai encontrar pontos que devem ser melhor esclarecidos em cada história. Na prática, o Planning Poker funciona como um nivelador para a equipe, para aumentar o entrosamento e para ensinar o Scrum. Depois de um ou dos exercícios, o Planning Poker acaba sendo aposentado. Os números menores refletem muito bem algo realmente possível de realizar. Os números maiores não são relatos muito claros, difíceis de estimar; Estes

21 17 devem ser transformados em relatos menores para facilitar a realização; Números maiores que 13 levantam questões do tipo: Isso é mesmo um caso?, Isso não poderia ser quebrado em casos menores?, etc. Cada membro da equipe possui um conjunto de cartas; O Product Owner, junto da equipe, seleciona os relatos que mais se aproxima de uma pontuação 2; Essa pontuação no momento é apenas 2, não significa 2 dias, nem duas horas. Story Points é uma forma eficiente de estimar, mesmo parecendo ser algo muito abstrato inicialmente. Essa abstração se vai, a partir do momento em que o primeiro sprint é executado. No final do sprint, essa pontuação virou referência, e já pode ser considerada num gráfico pontos x tempo. A questão aqui é definir um relato de referência, esta será referência para os demais; Todos devem pensar e selecionar uma carta e TODOS devem prestar atenção; Caso haja divergências de opiniões, a pessoa com a menor carta e a pessoa com a maior carta deve explicar o porque da seleção; Havendo consenso, o relato do caso fica estimado, caso contrário a carta escolhida pela maioria se torna real; O Scrum Master é essencial, pois ele deverá evitar brincadeiras ou discussões durante esse momento. A estimativa é uma das principais atividades em Scrum e outros processos ágeis. Isto significa que o processo de avaliação do tamanho de uma história, ou seja, quanto tempo vai demorar, como é muito trabalho para implementar, como é caro, ou no entanto você deseja colocá-lo.em Scrum, a estimativa é uma equipe atividade. Para cada história, toda a equipe participa no processo de estimação. Planejamento poker (algumas vezes chamado Scrum poker) é uma simples mas poderosa ferramenta que permite estimar-time mais rápido, mais preciso e, mais divertido. O termo foi cunhado por James Grenning e popularizado por Mike Cohn. Estimativa sem planejamento poker Aqui está um típico problema com equipes que fazem estimativas. Vamos dizer que estamos em um sprint e planejamento reunião do Produto Proprietário diz:

22 18 Portanto, a equipe começa a pensar quanto tempo a história vai tomar (em dias-homem ideal, neste caso) Um analista da equipe acredita que sabe exatamente o que precisa ser feito, por isso ele acha que isso vai levar 3 dias. Analistas B e C são mais pessimistas. Analistas D e E são slacking, ou seja, não estão com foco na reunião. Isto torna o B e C confuso. Eles começam a duvidar das suas próprias estimativas. E acorda e não sabe realmente o que está sendo estimado. D está ainda cochilando. O Product Owner pede para o resto da equipe dar as estimativas.

23 19 Como você pode ver, o resto da equipe tem sido fortemente influenciado por um, só porque o mesmo falou primeiro. Isto é muito arriscado! B e C pensaram que iria demorar muito mais tempo do que 3 dias, as suas dúvidas devem ser sanadas! Estimando com planejamento Poker Agora imagine que cada membro da equipe é a realização de um baralho de cartas, contendo os seguintes cartões: Vamos refazer o cálculo. O Product Owner diz:

24 20 Mais uma vez, a equipe começa a pensar quanto tempo a história vai tomar. Desta vez ninguém se arrisca a falar sem pensar. Em vez disso, todos têm de apresentar um cartão de face para baixo, contendo sua estimativa. Todo mundo tem de apresentar um cartão, por isso, D e E despertam. D admite que ele estava dormindo. Todas as cartas são viradas simultaneamente, revelando todas as estimativas. Divergência em especial em A e C. Há a necessidade de discutir essa história e por que as suas estimativas são tão diferentes. Após alguma discussão, A percebe que ele se esqueceu de algumas tarefas importantes que devem ser incluídas na história. Já, C percebeu que incluiu tarefas a mais. Após o debate (3 minutos no total) é feita uma outra rodada, até que as estimativas tenham a mesma história.

25 21 Convergência Eles concordam que uma estimativa de 5 deve estar perto o suficiente. Próxima história.

26 22 5 PLANEJAMENTO 5.1 Níveis de planejamento O processo SCRUM possui 5 níveis de planejamento: Nível 1 Visão do Produto: Neste nível são definidas todas as características do produto que se quer desenvolver. Nível 2 Roadmap do Produto: Neste nível o produto é dividido em releases para que sejam desenvolvidos pela equipe. Nível 3 Release: Neste nível é realizado um plano de desenvolvimento para cada release, um release pode ser desenvolvido usando mais de uma sprint (iteração).

27 23 Nível 4 Sprint (Iteração): Neste nível é definida todas as tarefas que serão realizadas em uma sprint (iteração). Nível 5 Daily (Diário): Neste nivel é definido como será o trabalho em cada dia de execução do sprint, bem como relatar o que deu certo e errado nas tarefas. 5.2 Product Backlog É uma lista que formaliza todos os requisitos de um produto priorizados que se pretende fazer ou que se precisa construir no projeto. Cada item desta lista representa um requisito funcional, ou requisito não funcional, ou questão de tecnologia / infra-estrutura. Os itens com maior prioridade nesta lista são os requisitos mais desejados do produto. Num projeto real, o Product Backlog nunca é finalizado. Existe uma natural evolução e maturidade dos requisitos nesta lista. Requisitos novos podem aparecer, requisitos existentes podem perder prioridade e podem até serem eliminados. Apesar de se permitir que áreas usuárias manifestem seus pedidos nesta lista, somente o Product Owner pode priorizar o Backlog. 5.3 Sprint São iterações realizadas, uma após a outra, para entregar gradativamente as estórias que compõem um produto. É considerado que o tempo ideal de um sprint é de duas semanas. Criação do Product Increment: A finalização das estórias definidas para um determinado Sprint marca a realização de um Product Increment. Game Designers, por exemplo, definem detalhes de jogabilidade sobre as estórias e, programadores criam testes para as estórias e então, fazem o código necessário para que consiga passar pelos casos de teste definidos para aquela estória. Similarmente, outros membros da equipe trabalham de maneira colaborativa de forma a realizar todas as estórias definidas para aquele Sprint. Um músico trabalha em parceria com programadores, game designers com artistas gráficos, etc. Além disso, diariamente, os membros da equipe devem atualizar a estimativa de esforço necessário para finalizar cada estória.

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Scrum. Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br

Scrum. Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Scrum Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Baseado em slides de Mike Cohn mike@mountaingoatsoftware.com traduzidos e adaptados por

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente.

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Desenvolvido por Jeff SUTHERLAND e Ken SCHWABER ; Bastante objetivo, com papéis bem definidos; Curva de Aprendizado é

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education [Agile] Scrum + XP Agilidade extrema Wagner Roberto dos Santos Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com 1 Apresentação Arquiteto Java EE / Scrum Master Lead Editor da Queue Arquitetura

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM

Uma introdução ao SCRUM Uma introdução ao SCRUM Prof. Silvestre Labiak Jr. UTFPR Gestão da Produção Perdendo no revezamento... O estilo de corrida de revezamento aplicado ao desenvolvimento de produtos pode conflitar com os objetivos

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Desmistificando Agile & Scrum Desenvolvimento de Software Sem Stress. Teamware do Brasil 2009

Desmistificando Agile & Scrum Desenvolvimento de Software Sem Stress. Teamware do Brasil 2009 1 Desmistificando Agile & Scrum Desenvolvimento de Software Sem Stress Quem somos? 2 Teamware do Brasil Pioneira no Brasil em melhoria de processos com foco exclusivo em Abordagens Ágeis Fundadora da Agile

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: SCRUM na prática Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Construindo Product Backlog } O product backlog é o coração do Scrum. } É basicamente uma lista de requisitos, estórias,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Workshop www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Gerenciamento de Equipes com Scrum

Gerenciamento de Equipes com Scrum Gerenciamento de Equipes com Scrum Curso de Verão 2009 IME/USP www.agilcoop.org.br Dairton Bassi 28/Jan/2009 O que é Scrum? Processo de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM

Uma introdução ao SCRUM Uma introdução ao SCRUM Perdendo no revezamento... O estilo de corrida de revezamento aplicado ao desenvolvimento de produtos pode conflitar com os objetivos de velocidade

Leia mais

Gestão de Projetos com Scrum

Gestão de Projetos com Scrum Gestão de Projetos com Scrum Curso de Verão - Jan / 2010 IME/USP - São Paulo Dairton Bassi dbassi@gmail.com Processo de gerenciamento de projetos. Processo iterativo de inspeção e adaptação. Usado para

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

Objetivos do Módulo 3

Objetivos do Módulo 3 Objetivos do Módulo 3 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Conceitos do Scrum O que é um Sprint Decifrando um Product backlog Daily Scrum, Sprint Review, Retrospectiva

Leia mais

Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado

Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado Caxias do Sul, 16 de Agosto 2013 Gustavo Casarotto Agenda O Scrum Planejamento da Sprint 1 Execução da Sprint 1 Revisão da Sprint 1 Retrospectiva da Sprint

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Uso de práticas ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Artur Mello artur.mello@pitang.com Uma empresa C.E.S.A.R Fábrica de Software O termo software factory foi empregado pela primeira

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

produção à Engenharia de Software Unidade III Exemplo de um Processo de Software - Scrum

produção à Engenharia de Software Unidade III Exemplo de um Processo de Software - Scrum Introdução à Engenharia de Software Unidade III Exemplo de um Processo de Software - Scrum Pedro de Alcântara dos Santos Neto pasn@ufpi.edu.br Roteiro Explicaremos o SCRUM seguindo a seguinte estrutura:

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Prazos curtos Baixo custo Agregação ao negócio Fidelidade do cliente Competitividade Sobrevivência Cenário 2000 35% dos projetos apresentam sucesso 31% dos projetos

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

Desmistificando a Gestão, Desenvolvimento e Melhoria Ágil de Projetos com Scrum Campinas - 27 de Novembro de 2007

Desmistificando a Gestão, Desenvolvimento e Melhoria Ágil de Projetos com Scrum Campinas - 27 de Novembro de 2007 1 Desmistificando a Gestão, Desenvolvimento e Melhoria Ágil de Projetos com Scrum Campinas - 27 de Novembro de 2007 2 Quem somos? Teamware do Brasil Pioneira no Brasil em melhoria de processos com foco

Leia mais

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO Um pouco de história... Década de 50: a gestão de projetos é reconhecida como disciplina,

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Metodologias Ágeis Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br O que é agilidade? Agilidade: Rapidez,

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

1º SEMESTRE DE 2011 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri

1º SEMESTRE DE 2011 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri Gestão de Por+ólios e Projetos de SOFTWARE 1º SEMESTRE DE 2011 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri Sociedade demanda grande quan?dade de sistemas/aplicações sodware complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos

Leia mais

SCRUM. Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

SCRUM. Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos SCRUM Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Introdução Quais as desvantagens das metodologias tradicionais? Introdução Manifesto Ágil Indivíduos e interações Software que funciona Colaboração do

Leia mais

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas

Leia mais

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Carolina Luiza Chamas Faculdade de Tecnologia da Zona Leste SP Brasil carolchamas@hotmail.com Leandro Colevati dos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Faculdade de Informática e Administração Paulista Curso de Sistemas de Informação 2º SI-T Engenharia de Software Modelo de Desenvolvimento Ágil SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484

Leia mais

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks S C R U M Apresentação Tiago Domenici Griffo Arquiteto de Software na MCP, MCAD, MCSD, MCTS Web, Windows e TFS, ITIL Foundation Certified, MPS.BR P1 Experiência internacional e de offshoring Agradecimento

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação ScRUM na prática Scrum no dia-a-dia V Semana de Tecnologia da Informação Agenda Manifesto Ágil; O Scrum; Os papéis do Scrum; Quem usa Scrum; O Scrum na Tray; Cerimônias; Artefatos. Qualidade. era uma vez

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO

SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar a experiência do uso da metodologia Scrum para o gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software

Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciamento de Projetos de Software Framework Ágil, Scrum Prof. Júlio Cesar da Silva Msc. 2º Encontro Ementa & Atividades Aula 1: Fundamentos do Gerenciamento de Projetos (p. 4) 30/abr (VISTO) Aula 2:

Leia mais

CRIANDO UM PROCESSO ÁGIL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

CRIANDO UM PROCESSO ÁGIL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE CRIANDO UM PROCESSO ÁGIL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE CONTEÚDO 1.Introdução...2 2.Gestão Ágil...2 1.1 Metodologias...2 1.2 Começando um projeto...3 Planejamento Inicial...3 Desenvolvimento...6 Motivação

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

Treinamos. CSD: Certified Scrum Developer Program

Treinamos. CSD: Certified Scrum Developer Program Treinamos. CSD: Certified Scrum Developer Program Programa reconhecido oficialmente pela Scrum Alliance para a certificação CSD: Certified Scrum Developer. 1 SCRUM ALLIANCE REP(SM) is a service mark of

Leia mais

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Fevereiro 2015 Versão Módulo de Projetos Ágeis O nome vem de uma jogada ou formação do Rugby, onde 8 jogadores de cada time devem se encaixar para formar uma muralha. É muito importante

Leia mais

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Metodologias Ágeis Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Introdução Ao longo dos anos a indústria de desenvolvimento

Leia mais

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM -

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - André Roberto Ortoncelli ar_ortoncelli@hotmail.com 2010 Organização da Apresentação Introdução as Metodologias Ágeis Scrum Conceitos Básicos Artefatos Papeis Cerimônias Estórias

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas OpenUp Arquitetura de software Fortaleza/2010 OpenUP Alguns anos atrás, vários funcionários da IBM começaram

Leia mais

Praticando o Scrum. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web

Praticando o Scrum. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web Praticando o Scrum Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web Créditos de Conteúdo: Left (left@cesar.org.br) Certified Scrum Master Preparação Agrupar os membros

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Outubro de 2011 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Índice O propósito do Guia do Scrum... 3 Visão geral do Scrum...

Leia mais

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Carlos Oest carlosoest@petrobras.com.br Time Box: 60 minutos Backlog da apresentação: Apresentação do assunto 1 SCRUM 2 Estimativa com Pontos

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis

Introdução a Métodos Ágeis Introdução a Métodos Ágeis Insanidade, é repetir, interminavelmente, o mesmo processo, sempre à espera de um resultado diferente. Albert Einstein Joshua Kerievski sugere uma abordagem humana : Trabalhar

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

extreme Programming extreme Programming (XP) Metodologia Ágil Partes do XP Communication (comunicação) 1. Valores do XP

extreme Programming extreme Programming (XP) Metodologia Ágil Partes do XP Communication (comunicação) 1. Valores do XP extreme Programming extreme Programming (XP) Metodologia ágil para equipes pequenas a médias desenvolvendo software com requesitos vagos ou que mudam freqüentemente. [Beck 2000] Em XP, codificação é principal

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade Fernando Wanderley Apresentação Líder Técnico em Projetos Java (~ 9 anos) (CESAR, Imagem, CSI, Qualiti Software Process) Consultor de Processos de Desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil

Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Roberto Costa Araujo Orientador: Cristiano T. Galina Sistemas de Informação Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Leia mais

Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho. Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com

Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho. Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com Iniciando com uma Apresentação (Instrutor, Alunos e Palestra) Apresentação do Professor Sou Bacharel

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

Benefícios das metodologias ágeis no gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação (TI)

Benefícios das metodologias ágeis no gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação (TI) 1 Benefícios das metodologias ágeis no gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação (TI) Greick Roger de Carvalho Lima - greickroger@yahoo.com.br MBA Governança nas Tecnologias da Informação Instituto

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Julho de 2013 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Í ndice O propósito do Guia do Scrum... 3 Definição do Scrum...

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais

MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM

MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM CEETEPS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FATEC DE TAUBATÉ HABILITAÇÃO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TEMA MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL:

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

SCRUM. Ricardo Coelho

SCRUM. Ricardo Coelho SCRUM Ricardo Coelho AGILE 2 Scrum Scrum- ban ( ) Kanban AGILE ( ) Extreme Programming Lean 3 Scrum Scrum- ban ( ) Kanban AGILE ( ) Extreme Programming Lean ADAPTIVE vs. PREDICTIVE 4 Scrum Scrum- ban (

Leia mais