Conceitos Básicos de Jogos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceitos Básicos de Jogos"

Transcrição

1 25 Capítulo 2 Conceitos Básicos de Jogos Neste capítulo serão apresentados, de maneira resumida, alguns tópicos importantes antes de iniciar-se no desenvolvimento de jogos eletrônicos. Esses tópicos tratam da parte anterior à programação de um jogo, que merecem ser pensadas e descritas antes de iniciar-se qualquer desenvolvimento. Primeiramente, será apresentada uma visão geral das empresas de jogos, abordando processos e ciclo de desenvolvimento. Em seguida, será discutido um pouco sobre a especificação de jogo, que é mais conhecida como game design. 2.1 Visão Geral das Empresas de Jogos Quando se fala em empresas de desenvolvimento de jogos, logo se pensa em um ambiente de trabalho desorganizado, em que cada um trabalha da maneira que bem entende. Geralmente, o negócio de desenvolvimento de jogos não é levado a sério pelas pessoas em geral e, muitas vezes, nem mesmo pelos próprios desenvolvedores. Normalmente, a imagem que se tem é de um grupo de programadores enfurnados em um ambiente por horas a fio programando enlouquecidamente a última tecnologia sem planejamento ou objetivos claros, apenas com a idéia de que quando estiver pronto será um sucesso. Este modelo foi verdadeiro e funcionou bem por algum tempo para algumas empresas, mas à medida que a indústria começou a se profissionalizar, esse paradigma teve que ser quebrado. Os publicadores (conhecidos em inglês como publishers) de jogos, que normalmente são os financiadores dos projetos, começaram a exigir prazos rigorosos e orçamentos limitados. A competitividade aumentou e os times mais organizados e competentes começaram a se destacar Dicas para Iniciantes Diante disso, caso deseje montar uma empresa de desenvolvimento de jogos, recomendamos que antes de pensar em qual jogo criar, pense em termos de negócio. Reflita que pode estar montando um empreendimento que irá prover seu sustento. Se possuir uma formação muito técnica (como informática ou engenharia), procure cursos rápidos de empreendedorismo,

2 26 Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos de gerência de equipes, de marketing ou de vendas. Diversas universidades ou escolas de negócio oferecem-nos pelo Brasil inteiro. Ou, o que pode ser melhor ainda, junte-se com algum profissional que venha dessas áreas. Essa escolha ajudará cada um a manter o seu foco e fazer o que melhor sabe. Por exemplo, caso tenha que se preocupar com linhas de código e vendas ao mesmo tempo, passará por alguns apuros. Lembre-se de que uma empresa de jogos é como qualquer outra: tem área de planejamento, gerenciamento de projetos, produção, marketing, vendas, financeiro etc. É claro que, como sua empresa começará pequena, algumas pessoas terão responsabilidades acumuladas, o que já ajudará a manter a empresa organizada, até mesmo para cobrar tarefas. Quem será o responsável financeiro? Sim, empresas de jogos também pagam impostos, funcionários, aluguel e telefone! A empresa deve ter uma forma organizada de produção dos jogos. Defina postos de trabalho específicos para cada pessoa, em cada projeto. Lembre-se de que o material humano é o conhecimento de sua empresa, ou seja, é essencial. Trate as pessoas como o seu principal recurso. Outra dica importantíssima é planejamento. Se tem uma idéia de jogo, coloque-a no papel. Discuta com seus colaboradores. Pense nos mínimos detalhes. Essa é a pedra fundamental do Game Design (veja mais sobre esse assunto na seção 2.3). Depois de ter essa etapa pronta, poderá organizar o projeto para a produção. Um gerente de projetos deve ser capaz de definir metas específicas e mensuráveis que devem ser monitoradas ao longo do desenvolvimento para que o projeto termine no prazo estipulado. As empresas de desenvolvimento de jogos são empresas como outras quaisquer. Precisam ter uma estrutura de trabalho que permita o cumprimento de metas e um trabalho em equipe que aumente tanto a produtividade como a eficácia e que reduza custos Organização da Equipe Atualmente, os jogos computadorizados são criados como grandes produções de cinema, com orçamentos que facilmente chegam a milhões de dólares. Para criar e desenvolver um jogo de última geração que faça sucesso no mercado atual, levam-se, em média, três anos com uma equipe que pode variar de 20 a 50 pessoas, ou mais. No caso da Nology, que desenvolve jogos casuais, o ciclo de produção leva em torno de dois a quatro meses, com uma equipe de seis a sete pessoas. Para produzir um jogo, é necessária uma equipe qualificada e multidisciplinar. Na maioria das empresas, incluindo a Nology, podemos encontrar pessoas com os perfis descritos a seguir: Programadores: encarregados de desenvolver o software do jogo. Geralmente oriundos da Informática ou Ciência da Computação, os programadores implementam técnicas de computação gráfica, inteligência artificial, interação, efeitos sonoros etc. para implementar o jogo. Artistas: responsáveis pelo layout do jogo, criam os objetos, personagens, texturas, ilustrações, animações etc.

3 Capítulo 2 Conceitos Básicos de Jogos 27 Projetistas de níveis/fases: oriundos das mais variadas áreas, os projetistas de níveis são aqueles que elaboram as fases dos jogos estruturando seus desafios e surpresas. Dependendo do tamanho da empresa, um projetista de níveis pode ser responsável apenas pela fase de design ou atuar em todas as etapas, desde a concepção até a implementação. Projetistas de jogos: mais conhecidos como Game Designers, os projetistas são fundamentais durante a construção dos projetos, por terem envolvimento em quase todas as áreas da produção de jogos computadorizados. São eles os responsáveis pela criação das idéias para a concepção do jogo e pela elaboração do design document, um documento detalhado contendo as características e especificações do jogo. Tendo uma visão ampla de todo o jogo, os projetistas precisam manter comunicação constante com todos os membros da equipe de produção para garantir que o jogo desenvolvido esteja alinhado com a proposta do design document. Planejador de software (Software Planner): a tarefa do planejador de software é dividir o projeto do jogo (elaborado pelo game designer) em um conjunto de requisitos técnicos e estimar o tempo e esforço necessário para implementar tais características. Arquiteto-chefe (Lead Architect): a tarefa do Lead Architect é trabalhar em conjunto com o Software Planner para produzir um conjunto de especificações de módulos, baseados nos requisitos técnicos identificados pelo Software Planner. O Lead Architect é o responsável pela arquitetura geral do projeto. Na Nology, não dispomos desse profissional, pois os programadores reúnem-se para definir a arquitetura e o modelo de objetos do jogo a ser desenvolvido. Gerente de projeto (Project Manager): a tarefa do Project Manager é balancear a carga de trabalho gerada pelo Software Planner e pelo Lead Architect produzindo um planejamento eficiente e organizado. Ele deve ser responsável por criar um cronograma de desenvolvimento, monitorando, cobrando e adaptando as tarefas de cada membro da equipe ao longo do desenvolvimento. O gerente de projetos, se possível, não deve estar envolvido na parte operacional do desenvolvimento, para que tenha uma visão ampla e global da situação. Podemos ilustrar os problemas decorrentes do acúmulo dessas duas funções da seguinte forma: imagine um homem que tem de gerenciar a obra de uma casa e, ao mesmo tempo, tem de levantar os pilares mais importantes dela... Qual tarefa ele irá priorizar? Músicos e sonoplastas: geralmente vindos de áreas relacionadas à arte e à música, são os responsáveis por compor trilhas sonoras, vozes e efeitos especiais para os jogos. Testadores: geralmente surgindo nas fases finais do projeto, os testadores, como o próprio nome diz, são incumbidos de testar o jogo, procurando falhas e possíveis erros (bugs). Normalmente, os testadores entram no processo de desenvolvimento quando o jogo está quase em sua versão final (fase da produção conhecida na indústria como Beta Testing). Sugerimos que utilize como testadores pessoas que nunca jogaram o jogo. A equipe que está desenvolvendo o jogo normalmente está viciada nos procedimentos do jogo e não percebe erros importantes.

4 28 Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos 2.2 Ciclo de Desenvolvimento Neste tópico, iremos discutir um formato de ciclo de desenvolvimento de um jogo. Esse não é o único meio de realizar essa tarefa, mas é a forma que vem sendo utilizada e aprimorada pela Nology ao longo dos diversos projetos desenvolvidos. Tudo começa com uma reunião criativa em que as idéias de jogos são expostas e discutidas por todos. Cada idéia é discutida abrangendo originalidade, inovação, público-alvo, plataforma e possibilidades de mercado. Este último é o mais importante, a não ser que esteja pensando em distribuir seu jogo gratuitamente. Essa fase raramente é resolvida em apenas uma reunião. Às vezes, são necessárias diversas reuniões para se estabelecer um projeto em que realmente seja interessante investir. Após os processos de reunião criativa, já se tem o projeto que deve ser desenvolvido. Inicia-se, então, o processo de game design. O game design é o processo onde são descritas as características principais do jogo como jogabilidade (palavra que vem da expressão inglesa gameplay), controles, interfaces, personagens, armas, golpes, inimigos, fases e todos os aspectos gerais do projeto. Durante essa fase, é elaborado o design document, um documento que descreve as características citadas anteriormente em detalhes. O design document funciona como um roteiro de cinema. Com base nessas informações, os artistas irão criar o visual e os programadores desenvolver a interatividade do produto. Durante a fase de game design, os artistas começam a trabalhar na concepção de personagens e na identidade visual do jogo. Também nessa fase, os programadores fazem a modelagem do software e implementam a estrutura básica de classes do produto (caso utilizem orientação a objetos, que recomendamos por ser mais simples e organizado de implementar e manter). Com o design document pronto, o gerente de projeto já pode ter noção do tamanho do produto e de quanto tempo será necessário para concluí-lo. Então os diretores de arte e programação definem as metas para suas equipes e passam os cronogramas específicos para o gerente de projeto, que organizará o cronograma geral com as metas específicas para a equipe e para cada indivíduo. É importante que toda a equipe esteja comprometida com o cumprimento dos cronogramas e que o gerente de projeto tenha autonomia para cobrar as metas de cada um. Em projetos pequenos (como jogos de puzzle, por exemplo), apenas o design document é suficiente para que programadores e artistas comecem a trabalhar no desenvolvimento do projeto. Em projetos maiores com muitas fases e missões, é necessário que cada fase possua um planejamento específico para que programadores e artistas tenham a clara noção de como irão trabalhar para a realização do que foi planejado. O level design é um mapa geral com os desafios e missões que o jogador deve cumprir para vencer a fase. Este documento serve como referência para que os artistas trabalhem na criação dos cenários e do visual de cada fase. Enquanto o level design está sendo desenvolvido, os artistas e programadores trabalham em características mais gerais do projeto que não são específicas a cada fase. Com o level design concluído, já podem dedicar-se à produção das fases.

5 Capítulo 2 Conceitos Básicos de Jogos 29 Cada empresa, de acordo com o tamanho do projeto e suas próprias preferências, define metas para versões intermediárias do produto. As versões intermediárias podem ser geradas a cada semana ou mês e permitem que o gerente de projeto acompanhe a evolução do produto em termos gerais e possa cobrar as metas de cada um. Essas versões intermediárias também possibilitam detectar bugs que surgem durante o desenvolvimento. Esses bugs são corrigidos para a próxima versão, o que acaba por aumentar a estabilidade do produto até a versão final. Assim, o produto evolui de versão em versão até atingir a versão Beta. A versão Beta já contém todas as fases do jogo e toda a interatividade. Quando essa versão é concluída, inicia-se o ciclo de testes para detecção de bugs e coleta de sugestões que podem melhorar o produto (Beta Testing). O ciclo de testes gera refinamentos tanto na programação quanto na arte do jogo para que este se torne um produto mais atrativo ao consumidor. Esses refinamentos continuam a conclusão da versão Gold, que é o produto final. 2.3 Projeto do Jogo ou Game Design Antes de iniciar o desenvolvimento de um jogo, é necessário que o projeto dele esteja muito bem definido. Mas afinal, o que é game design? Existem várias definições, mas, em geral, é o que determina a jogabilidade, as escolhas que o jogador terá dentro do mundo do jogo e as ramificações que suas escolhas vão ter no resto do jogo. Inclui o que faz o jogador vencer ou perder, como ele vai controlar o jogo, as informações que o jogador deverá receber. Em resumo, o game design descreve cada detalhe de como funcionará a jogabilidade. Os próximos tópicos que se estendem até o final desta parte do livro tratarão essencialmente de conceitos de game design. Lembre-se de que este conteúdo é apenas um resumo desta área de conhecimento que é extremamente importante no mundo atual dos jogos. Caso deseje aprofundar-se nesse assunto, não hesite em procurar outras bibliografias. Há verdadeiras enciclopédias tratando desse tema de forma mais aprofundada Idéia O desenvolvimento de uma idéia de jogo geralmente surge de um pequeno conceito, que deve ser expandido com técnicas de brainstorm. Muitas vezes bons conceitos de jogos surgem de pensamentos que em um primeiro momento pareceriam ridículos. Por esse motivo, deve-se cuidar para não eliminar a idéia enquanto estiver pouco madura. Afinal, como um bombeiro poderia tornar-se herói em um mundo com tartarugas e cogumelos que andam? Se observar o bem-sucedido Mario, poderá obter algumas respostas. Questões do tipo Qual o objetivo do jogo?, O que o jogador terá de fazer?, Como ele vai fazer?, O que tornará este jogo divertido? etc. podem facilitar o processo de desenvolvimento de idéias para o seu jogo.

6 30 Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Rascunhos do Jogo Criar desenhos (rascunhos) que mostrem algumas fases, personagens e itens com pequenas descrições para cada um. Faça alguns rascunhos das telas do jogo, menus, fluxo de telas etc. Nesta fase é interessante realizar alguns testes de jogabilidade (gameplay), o que pode ser feito sem escrever uma única linha de código, dependendo do jogo, é claro. Um jogo de puzzle (ex.: Tetris) é possível ser jogado apenas com alguns pedaços de papel que representam as peças do jogo. A figura 2.1 demonstra o projeto de uma fase de um jogo com alguns itens de interface. O processo de rascunhos do projeto em papel é muito vantajoso, pois por meio deles pode-se visualizar melhor como será o produto final. E essa visualização permite fazer alterações sem gandes impactos no desenvolvimento. Figura 2.1 Rascunho de fase e interface. As figuras 2.2 e 2.3 reforçam a importância dessa etapa do projeto do jogo, visto que ilustram um cenário do jogo Koko Arena, desenvolvido pela Nology, na sua fase de concepção e, depois, finalizado. Torna-se bem mais fácil projetar o jogo tendo os esboços feitos antes de inicir realmente o desenvolvimento del.

7 Capítulo 2 Conceitos Básicos de Jogos 31 Figura 2.2 Esboço de cenário. Figura 2.3 Cenário colorizado e finalizado.

8 32 Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Detalhamento do Jogo Neste momento o jogo torna-se mais detalhado e complexo. É necessário pensar em cada detalhe importante e escrever algo a esse respeito. Lembre-se de que ao fazer um jogo, você é soberano, ou seja, se não programar para que um detalhe aconteça, ele simplesmente não acontecerá. E vice-versa. A seguir, algumas perguntas fundamentais para detalhar o seu jogo: O que o jogador fará no jogo? Ele anda, voa ou nada? Como e quando ele realiza cada uma dessas ações? Qual a personalidade do personagem principal (jogador)? Quantos inimigos o herói vai enfrentar? Como eles são? Quais as armas disponíveis que o jogador terá para enfrentá-los? Como será o sistema de vida do jogador? Começará com quantas vidas? Terá energia? Terá como recuperar energia ou ganhar novas vidas? Qual o objetivo do jogo? Quantas fases o jogador terá que passar para alcançar o objetivo final? Como será cada uma das fases (cenário, inimigos, dificuldade, objetivo etc.)? Quantos jogadores poderão jogar o jogo? Um único jogador (singleplayer), dois ou mais jogadores em turnos (turnbased) ou vários jogadores (multiplayer)? Qual o tipo de visualização gráfica? Será 2D (Sonic), 3D (Mario Sunshine ou Grand Thief Auto 3), isométrico (Diablo), primeira pessoa (Doom III), terceira pessoa (Mario)? Qual o tipo de trilha sonora do jogo (rock, clássico etc.)? Pode-se observar que as perguntas anteriores se aplicam a um jogo de ação ou aventura. Mas, se for um jogo de puzzle? Neste caso, somente algumas dessas perguntas se aplicam. Será necessário abordar detalhes que não foram previstos nos itens anteriores, como, por exemplo: como será o tabuleiro do jogo? Como serão as peças? Como elas aparecerão no jogo? Como será a interação do jogador para vencer os desafios do jogo? Game Design Document O próximo passo é juntar todos os conceitos citados anteriormente em um grande documento, conhecido na indústria como design document (DD), ou documento de projeto do jogo. O DD é como um script de um filme, que informa todos os detalhes do jogo. Escrever um DD é extremamente trabalhoso e exaustivo, pois se deve detalhar tudo que ocorrerá no jogo. Todavia, é muito útil para repensar decisões já tomadas, validar alguns conceitos, suprimir algumas regras e adicionar outras. Você poderá até mesmo testar algumas idéias economizando tempo precioso para o projeto. Durante a escrita do DD, poderá visualizar com antecedência o jogo. O universo deve ser coerente, para que o jogador realmente entre no mundo que você estará propondo.

9 Capítulo 2 Conceitos Básicos de Jogos 33 A figura 2.4 mostra um exemplo de projeto do jogo JoKenPo, que foi desenvolvido pela Nology e trata-se de uma brincadeira com a trinca pedra-tesoura-papel. A figura ilustra um efeito de transformação dos personagens do jogo. A parte superior da figura exibe o storyboard seqüência narrativa feita por meio de desenhos da situação e a inferior, o efeito final. Figura 2.4 Transformação no jogo JoKenPo. Esse documento é muitas vezes requerido pelos publicadores de jogos para analisar um jogo demonstrativo (mais conhecido como jogo demo ). Assim, eles podem ter uma visão mais precisa de como será o produto final. Geralmente também constam nesse documento o cronograma, as metas e o orçamento para o desenvolvimento do produto. A seguir, alguns itens que podem ser abordados e detalhados em um documento de descrição, ou game design document, de seu jogo: Conceito: nome do jogo; apresentação resumida do jogo; público-alvo; estilo de jogo; história; principais regras do jogo. Especificações técnicas: hardware; sistema operacional; hardware mínimo; requerimentos de software; gráficos. Especificações do jogo: número de fases; níveis de dificuldade; vidas; descrição dos tipos ou modos de jogo; sistema de pontuação; sistema de ranking (ou high scores); opções de configuração; número de jogadores; recursos de carga e gravação (load e save); sistema de câmera; personagens; itens de jogo; itens de cenário; tabela de itens; evolução de fases; tabela de mensagens. Dispositivos de entrada: suporte para mouse; dispositivos de entrada para os menus; dispositivos de entrada de jogo; definição de teclas e botões. Design gráfico e arte: abertura; descrição de layout de menus e telas; descrição de layout do jogo na fase; definição de fases; definição do final do jogo.

10 34 Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Sonorização: definição das músicas nos menus; definição das músicas nas fases; definição dos efeitos sonoros de menu e outros; definição dos efeitos sonoros de jogo (nas fases). Desenvolvimento: tempo de desenvolvimento; alocação de pessoal; metas. 2.4 Regras Básicas para um Bom Jogo Não pense que bons gráficos e sons são o suficiente para um jogo. Muitos deles têm esses recursos e não vendem bem. Nós precisamos de gráficos. Nós precisamos de uma boa interface, limpeza visual para as informações que constarão no jogo, e de gráficos que façam isso. Mas, quando um projetista de jogo (game designer) é questionado como o jogo dele fará a diferença, espero que ele fale de jogabilidade (gameplay), diversão e criatividade em oposição a uma idéia de que simplesmente foca em como ele é bom visualmente. Sid Meyer, criador do Civilization (Edge Magazine, setembro de 1997) Outros jogos não vendem bem por falta de marketing do produto (um jogo não se vende sozinho) ou simplesmente porque não agradaram ao público. Conhecer o perfil do jogador é muito importante. Por exemplo, jogos para jogadores menos adictos (como jogos de cartas) oferecem diversão com complexidade diferente daqueles destinados ao público aficionado (como jogadores de videogame). O segredo é um bom game design e, acima de tudo, o jogo tem de ser consistente e divertido. A seguir há algumas regras básicas para criar um bom jogo: Comece com uma boa idéia e uma boa história: pense no jogo, faça brainstorms com base nele, crie-o com coerência e lógica, seja criativo. Mostre sua idéia a alguns jogadores e veja o que pensam a respeito dela. Não desanime com as críticas feitas ao seu jogo: lembre-se de que todo mundo é crítico. O objetivo é coletar novas idéias e visões de jogadores, que você poderá aplicar ao seu jogo, caso considere necessário. O best seller The Sims (Figura 2.5) foi duramente criticado nos testes de grupo focal técnica de avaliação que oferece informações qualitativas sobre uma idéia ou produto, aos quais foi submetido em 1996 (quando o jogo era apenas uma idéia). Posteriormente, seu criador Will Wright não conseguiu fazer com que sua empresa acreditasse no produto. Porém, com muito esforço, convenceu um programador da empresa a trabalhar com ele, em segundo plano, para criar toda a simulação de comportamento humano utilizada hoje no jogo. A partir daí, a Maxis e a Eletronic Arts (EA) passaram a acreditar no produto, e Wright conseguiu montar sua equipe para o desenvolvimento. The Sims foi um jogo que marcu época e bateu recordes de vendas para o PC.

11 Capítulo 2 Conceitos Básicos de Jogos 35 Figura 2.5 The Sims quebrou recordes de vendas. Escreva o design no papel: ponha no papel a idéia, elementos, regras, alguns desenhos, fluxos do jogo, storyboards etc. Depois disso, você perceberá se o jogo é bom, ruim, se pode ser melhorado, se é viável ou não. Muitos dos jogos simplesmente não saem do papel. Por isso, planeje o seu jogo. O Zelda, The Wind Waker, para o videogame GameCube, ficou três anos sendo planejado e oito meses sendo desenvolvido(figura 2.6). O resultado é um jogo fantástico. Figura 2.6 Zelda, the Wind Waker.

12 36 Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Comece pequeno: não tente criar o que você não conhece, ou nem sabe se é capaz de fazer. Como planejar o que você nunca fez antes? Opte sempre pelo simples, do contrário você nunca acabará o trabalho. Muitas empresas entram em falência no meio de projetos que apresentaram muitos problemas de concepção e desenvolvimento, por serem muito audaciosos. Este livro baseia-se neste conselho, visto que você terá que construir um jogo que, se bem seguido, será finalizado. Cuidar do público: desenhe seu jogo para entreter as pessoas que você sabe que irão jogá-lo. Faça o seu jogo encantá-las, invocar as emoções delas. Só não tente agradar a todos (você não vai conseguir), e, sim, o seu público. Use uma nova idéia: tente desenvolver uma idéia única e criativa. Inspire-se em outros jogos, mas não os copie por inteiro. Adicione seus ingredientes pessoais. Acostume-se a ter idéias, mesmo que em um primeiro momento pareçam ridículas: delas podem surgir grandes jogos. Seja flexível: quando você está concebendo um jogo, pode se dar conta de que ele não funcionará da maneira que deseja. Seu sistema gráfico atual não o suporta ou você não terá tempo ou dinheiro suficiente para implementá-lo. Seja flexível para adaptar seu jogo à sua realidade. Ou não o faça, deixe-o para mais tarde. Projete seu jogo para o futuro: pense em que tipos de tecnologia estarão disponíveis quando finalizar seu jogo. Não adianta inserir nele recursos que ninguém terá acesso (por exemplo, uma placa de vídeo YKW2400 com um preço elevadíssimo). Faça seu jogo funcionar nas plataformas que serão padrão de mercado quando o jogo for lançado. Pense em séries, seqüências e expansões: guarde algumas boas idéias para seqüências. Pense em outras versões de seu jogo. Você poderá reutilizar muito código e arte se fizer isso. Arquitete o jogo, se o projeto permitir, para suportar expansões futuras. The Sims (Figura 2.5) utilizou esse modelo de negócios muito bem, incrementando as vendas por mais de três anos. Conteúdo é tudo: ofereça bons gráficos, sons, jogabilidade, ou seja, conteúdo! Tenha certeza de que seu jogo é divertido. Duke Nukem, que pode ser visto na figura 2.7, é puro conteúdo. Os designers deixaram o jogo simplesmente muito divertido. Foi o primeiro jogo em que se podia vivenciar situações inusitadas, como ir ao banheiro e matar um inimigo que ali estivesse. Sem falar nas falas do Duke, que deixavam o jogo realmente engraçado. Dê objetivo ao jogador: jogos sem objetivos são odiáveis. Dê sentido ao jogo, para que o jogador sinta que está indo para algum lugar. Se ele não está progredindo, qual o sentido? E sempre premie o jogador por algum objetivo cumprido. Uma novafase, um efeito gráfico ou um pedaço de história.

13 Capítulo 2 Conceitos Básicos de Jogos 37 Figura 2.7 Duke Nukem é pura diversão! 2.5 O que os Jogadores Querem... A idéia é não fazer algo somente porque vende, mas por amar isso, e fazer algo que nós, criadores, possamos amar. Esse é o principal sentimento que temos de ter para criar jogos. Shigeru Miyamoto, Game designer da Nintendo, criador de Mario, Donkey Kong, Zelda e outros sucessos da empresa. Confira, a seguir, uma lista com o que os jogadores realmente querem e de que gostam em um jogo: Desafio: é a verdadeira motivação de um jogo. Os desafios sempre servem como experiência de aprendizado e geram emoção ao serem superados. Socializar: jogos em geral (não só videogames, mas jogos de tabuleiros ou cartas) provocam uma experiência social com amigos ou família. Videogames oferecem singleplayer e multiplayer e ambos são sociáveis. Quantos já não se reuniram em casa de amigos ou familiares para passar horas se divertindo com jogos? Experiência solitária: embora se oponha ao item anterior, jogadores também gostam de jogar sozinhos ou quando estão desacompanhados, apenas para passar o tempo. É como ler um bom livro. Respeito: jogadores gostam de ganhar e obter, com isso, respeito. Quando estão entre os melhores do ranking de um jogo, sentem-se orgulhosos. Esses fatores criam disputas acirradas em torno dos jogos.

14 38 Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Experiência emocional: todos procuram sempre um tipo de emoção. Adrenalina e tensão no Quake. Suspense e medo no 7th Guest. Heroísmo em um jogo de aventura como Mario ou Sonic, que tem de salvar o mundo dos vilões. Fantasia: jogadores querem escapar para uma realidade ou mundo diferente do nosso. O jogador poderá voar, atirar, mergulhar, salvar pessoas, matar alienígenas. Poderá praticar ações proibidas em nosso mundo, como no Grand Theft Auto, em que se pode ser um ladrão de carro e assassino. Quem não gostaria de ser um Homem-Aranha ou Batman e combater o crime? Ou comandar a melhor seleção de futebol do mundo ou seu time do coração em um campeonato? 2.6 O que os Jogadores Esperam Mundo consistente: o mundo do jogo deve ser consistente o bastante para que o jogador entenda os resultados de suas ações. Em um jogo de luta, quando o jogador erra um golpe, deve ser porque o inimigo bloqueou, pulou ou estava muito longe ou por algum outro motivo que o jogador entenda. Entender os limites do mundo: o que o jogador pode e não pode fazer. Exemplo: no Doom, o jogador deve perceber que não irá bater-papo com os monstros: Por favor, você pode se render?. Não insira mecanismos novos no jogo que quebrem as regras desse mundo em questão. Direção: sempre mostre direção ao jogador. Dê-lhe dicas para que ele saiba aonde deve chegar. Dê objetivos, mas não o caminho: isso é tarefa do jogador. Só não o deixe perdido, fazendo perguntas do tipo: O que tenho de fazer agora?. O SimCity, por exemplo, não é classificado como um jogo, e, sim, como um software de brinquedo. O jogador coloca seus objetivos e corre atrás deles: Eu quero a maior cidade ou Eu quero a menor criminalidade e a menor poluição. Cumprir tarefas progressivamente: faz-se isso dando subobjetivos ao jogador. Gratifique o jogador enquanto ele caminha para um objetivo maior. Imersão: faça o jogador entrar em seu mundo, em todos os sentidos. Quem não é capaz de lembrar-se do Super Mario Bros (Figura 2.8) apenas escutando sua música ou vendo aqueles canos verdes? Falha: faça o jogador fracassar algumas vezes. Usualmente, eles não jogam quando o jogo é fácil demais. Faça-o falhar, mas não exagere, pois pode tornar o jogo tão difícil a ponto de ele abandoná-lo. O jogo deve começar fácil, para que o jogador sinta-se confiante e à vontade. Depois, aumente a dificuldade aos poucos. Não gostam de repetição: não ofereça desafios iguais ao jogador. A repetição torna o jogo desagradável e cansativo. Não o faça voltar ao início do jogo só porque ele falhou em um ponto muito adiante. Ou ofereça opção de salvar o jogo. Não o deixe trancado: não coloque um buraco em uma fase que impeça o jogador de sair. Não tranque o jogo na fase 35 porque ele nãopegou uma chave na fase 8. É extremamente frustrante.

15 Capítulo 2 Conceitos Básicos de Jogos 39 Figura 2.8 Super Mario Bros. Querem fazer e não ver: não insira cutscenes (técnica utilizada para contar a história do jogo, como, por exemplo, um filme) longos, visto que tal ação tira a interatividade do jogo e irrita o jogador. Se jogo fosse só para ver, seria melhor ver um filme. Se os cutscenes forem muito necessários, pelo menos permita que o jogador cancele sua execução. Deixe sempre o jogador no controle de seu jogo. Deixe-o interagir o máximo possível, pois a interatividade e a jogabilidade são o coração e a alma de um software de entretenimento. 2.7 Puzzles O uso de puzzles é uma técnica quase que obrigatória nos jogos. Porém, seu uso deve ser balanceado, para não torná-lo entediante. Deve-se colocá-los quando forem necessários e tiverem sentido dentro do jogo. Não há coerência em o jogador resolver uma equação matemática em um jogo de ação. Myst é um grande puzzle, bem como Indiana Jones and the Fate of Atlantis. Já em jogos como Duke Nukem, Doom e Quake, os puzzles estão presentes na forma de interruptores que abrem portas, caminhos ou seqüências escondidas, ou certos equipamentos que só podem ser usados em determinadas situações. O bom desses puzzles é que estão inseridos tão claramente que o jogador não percebe que está resolvendo-os. Quando conceber seu jogo, crie puzzles nos quais o jogador tenha que pensar um pouco, que não são óbvios. Um bom exemplo é o jogo Doom III, onde existem portas de cores determinadas trancadas e o jogador deve encontrar a chave correspondente para abri-la.

- Aula 03_2012 - Profa. Ms. Karen Reis

- Aula 03_2012 - Profa. Ms. Karen Reis Protótipos de Jogos Digitais - Aula 03_2012-1 Design de Games Só temos GAMES quando há: contexto interessante, direcionados a um objetivo e limitado por regras. Os games da era pós-digital se apoiam em

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 03 Game Design Document Edirlei Soares de Lima Game Design Document Um Game Design Document (GDD) é um documento que descreve todos aspectos

Leia mais

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com JOGOS DIGITAIS DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 02 Introdução ao Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo?

Leia mais

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima <edirlei.lima@uniriotec.br> Jogos Eletrônicos Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo? Introdução

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

SUMARIO PRESS START!... 03 O QUE É PRECISO PARA COMEÇAR NA ÁREA?...06 O QUE EU POSSO APRENDER E COMO?...10 O QUE EU VOU CONSEGUIR FAZER?...

SUMARIO PRESS START!... 03 O QUE É PRECISO PARA COMEÇAR NA ÁREA?...06 O QUE EU POSSO APRENDER E COMO?...10 O QUE EU VOU CONSEGUIR FAZER?... SUMARIO PRESS START!... 03 O QUE É PRECISO PARA COMEÇAR NA ÁREA?...06 O QUE EU POSSO APRENDER E COMO?...10 O QUE EU VOU CONSEGUIR FAZER?...17 ONDE EU POSSO TRABALHAR?...21 SOBRE A PIX STUDIOS...24 02 Press

Leia mais

Metodologias de desenvolvimento de jogos

Metodologias de desenvolvimento de jogos Metodologias de desenvolvimento de jogos Truesoft? A Truesoft é um grupo independente de desenvolvedores de jogos digitais. Nossos objetivos: Criar experiências divertidas e criativas em jogos digitais.

Leia mais

EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH

EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH RAMARI, L.; FERNANDES, F.N. RESUMO O artigo apresenta o funcionamento de jogos na plataforma 2D, descrevendo os principais tipos de jogos e mostrando os passos básicos

Leia mais

Atuação do designer na indústria de games eletrônicos

Atuação do designer na indústria de games eletrônicos Atuação do designer na indústria de games eletrônicos Bruno Fujikuro Carlos José Felipe Favila Introdução à Informática 2011 Em tese, o papel do designer de games é projetar jogos para PC, consoles, celulares,

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game.

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game. Design de Games: A importância da estética utilizada na interface de um game. Edival Oliveira Lago Filho* Resumo: O artigo tem como objetivo, refletir sobre a importância da estética aplicada sobre o design

Leia mais

Seminário Sobre Design de Jogos Por Antonio Marcelo amarcelo@riachuelogames.com.br

Seminário Sobre Design de Jogos Por Antonio Marcelo amarcelo@riachuelogames.com.br Seminário Sobre Design de Jogos Por Antonio Marcelo amarcelo@riachuelogames.com.br Riachuelo Games http://www.riachuelogames.com.br - 1 Lição III Projeto do Jogo Concepção / Desenvolvimento Faça o divertido

Leia mais

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK APRENDA AS ÚLTIMAS DICAS E TRUQUES SOBRE COMO DAR UM TAPA 3.0 NA SUA LOJA VIRTUAL. www.rakutencommerce.com.br E-BOOK propósito desse ebook é muito simples: ajudar o varejista on-line a dar um tapa 3.0

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos META Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA Conteudista: André Luiz Brazil Aula 2: IDEALIZANDO O SEU JOGO Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos OBJETIVOS Ao final da aula,

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES

CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES 1. Introdução CTRL-SHIFT é um jogo de puzzle, plataforma 2D e 3D ao mesmo tempo. O jogador navega por um cenário de plataformas 2D, e quando

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

Jogos em Inteligência Artificial

Jogos em Inteligência Artificial Jogos em Inteligência Artificial Inteligência Artificial I Ricardo Borges Cícero Augusto Mauricio Volkweis Professora Andrea Konzen Torres - RS, Junho de 2003 Sumário Introdução 1 Objetivos 2 Histórico

Leia mais

Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006

Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006 Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006 Paulo V. W. Radtke pvwradtke@gmail.com http://www.ppgia.pucpr.br/~radtke/jogos Conteúdo Introdução Por quê projetar? Elementos do projeto

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Desvendando Jogos 2D. Por Marcos Romero Setembro / 2008. Cyborg Arena - RHGames

Desvendando Jogos 2D. Por Marcos Romero Setembro / 2008. Cyborg Arena - RHGames Desvendando Jogos 2D Por Marcos Romero Setembro / 2008 Cyborg Arena - RHGames Jogos Casuais Paciência Windows XP Paciência deve ser o jogo mais usado no PC. O mercado de jogos casuais tem um grande potencial,

Leia mais

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806.

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806. De volta para casa Game Design Document Versão: 2.0 Professor Orientador: Esp. Marcelo Henrique dos Santos Autores: Alessandra RA 1385789 Aline RA 1382286 Allan RA 1385006 Fabio RA 1385806 Iris RA 1383599

Leia mais

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas 5 a a 8 a séries Ensino Fundamental Jovens do mundo todo Conheça outras culturas Softwares Necessários: Microsoft Encarta 2000 Internet Explorer 5,0 Microsoft Publisher 2000 Microsoft Word 2000 Áreas:

Leia mais

O Pitch (Quase) Perfeito

O Pitch (Quase) Perfeito (Mais) Um Guia Prático de Como Conquistar Investidores e Clientes para seu Negócio Por Versão 0.1 (Beta) 2012 Copyright & Distribuição Este texto tem seus direitos autorais reservados, sendo autorizada

Leia mais

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação Universidade de São Paulo/Faculdade de Saúde Pública Curso de Saúde Pública Disciplina: HEP 147 - Informática Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação 1 Introdução ao Microsoft PowerPoint

Leia mais

Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos

Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos Todos Direitos Reservados 2013 Bruno Ruaro Confortin Versão # 1.01 22/04/2013 Índice 1. INTRODUÇÃO 4 2. VISÃO GERAL DO JOGO 5 QUANTO AO TIPO DE OBJETOS

Leia mais

Guia do Usário Rede i

Guia do Usário Rede i Guia do Usário Rede i Sumário Capítulo 1: Iniciar o aprendizado com o Rosetta Stone.... 1 Acompanhar o curso.......................... 2 Selecionar o curso............................ 3 Iniciar o curso...............................

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

NIVEL PRATICANTE. Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3. Tranformações e Prosperidade

NIVEL PRATICANTE. Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3. Tranformações e Prosperidade NIVEL PRATICANTE Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3 Tranformações e Prosperidade 1 MÓDULO 1 Sua Consulta : Legacia Financeira Esta parte do nível dos profissional é uma sessão de 3 partes que vai

Leia mais

porque evoluir é preciso

porque evoluir é preciso porque evoluir é preciso Evoluindo empreendedores Básico Dispara até 12.000 e-mail mensais Para até 2.000 contatos gratuitamente Revisão 0 out/2014 Matéria Prima Google Chrome Lista de e-mail s Logomarca

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DE SITES

DOCUMENTAÇÃO DE SITES DOCUMENTAÇÃO DE SITES Necessidade ou preciosismo? A documentação de software ou site, mesmo sendo o carma de qualquer desenvolvedor, é extremamente necessária e auxilia na redução de horas preciosas na

Leia mais

Aperfeiçoando o Workflow de Animação com Ferramentas Customizadas

Aperfeiçoando o Workflow de Animação com Ferramentas Customizadas Aperfeiçoando o Workflow de Animação com Ferramentas Customizadas Alex Ferreira Simões Animador Freelance Joaquim Luciano Nazário Gonçalves Vagalume Animation Studios Nessa palestra iremos apresentar um

Leia mais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais 2 Jogos Educacionais Jogos estão presentes como uma prática habitual, eles tem sido concebidos como uma atividade lúdica que é bastante motivadora no processo de ensinoaprendizado. É assim que jogos educacionais

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

DESIGN DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESIGN DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com DESIGN DE GAMES DESIGN DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção e Programação

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

#10 PRODUZIR CONTEÚDO SUPER DICAS ATRATIVO DE PARA COMEÇAR A

#10 PRODUZIR CONTEÚDO SUPER DICAS ATRATIVO DE PARA COMEÇAR A #10 SUPER DICAS PARA COMEÇAR A Pantone 715 C 100% Black 80% Black C: 0 M: 55 Y: 95 K: 0 C: 0 M: 0 Y: 0 K: 100 C: 0 M: 0 Y: 0 K: 80 PRODUZIR CONTEÚDO ATRATIVO DE Confira estas super dicas para você produzir

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Criando Quiz com BrOffice.impress

Criando Quiz com BrOffice.impress Criando Quiz com BrOfficeimpress A ferramenta de apresentação possibilita o desenvolvimento de várias atividades interativas como: Sete erros Quiz (Perguntas/Respostas), Colocar em ordem objetos, alfabeto,

Leia mais

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE GUARULHOS

Leia mais

Projeto Final. APS Luiz Antônio M. Pereira

Projeto Final. APS Luiz Antônio M. Pereira APS Luiz Antônio M. Pereira Seminário: Agenda Objetivo do Projeto O Sistema A Equipe de Projeto Método de Trabalho Padrões para Documentação Próximos Passos Temas Batidos Dicas Desenvolvimento do projeto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer o controle de exibição do documento; Fazer a correção ortográfica do documento

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

PASSO A PASSO MOVIE MAKER

PASSO A PASSO MOVIE MAKER PASSO A PASSO MOVIE MAKER Nesta etapa, você deverá apresentar o programa e ajudá-los a montarem o filme. Veja como é fácil. Siga as instruções do passo-a-passo: DICA O que é o Movie Maker? Com o Microsoft

Leia mais

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo Empreendedor Empresas Micro e Pequenas Empreender Empreendedorismo Cultural Ação

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

3. Games. 3.1. Jogo, Definição e História

3. Games. 3.1. Jogo, Definição e História 3. Games Os jogos eletrônicos são amplamente conhecidos por games. Isbister & Schaffer, (2008; p.3) descortinam o crescente interesse pelas pesquisas sobre jogos ao comentar o estado da arte deste campo

Leia mais

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Um pouco de história: Em 1934, Charles B. Darrow da cidade de Germantown no estado da

Leia mais

Formação em Pintura Digital. (enfoque em Concept Art) PINTURA DIGITAL 1

Formação em Pintura Digital. (enfoque em Concept Art) PINTURA DIGITAL 1 1 Formação em Pintura Digital (enfoque em Concept Art) Com o rápido e crescente desenvolvimento do mercado da computação gráfi ca, cada vez mais exigente, um profi ssional que possui um diferencial na

Leia mais

Planejando o aplicativo

Planejando o aplicativo Um aplicativo do Visual FoxPro geralmente inclui um ou mais bancos de dados, um programa principal que configura o ambiente de sistema do aplicativo, além de uma interface com os usuários composta por

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Tutoria de Jogos 2006 Primeiro Semestre. Jogo da Velha.

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Tutoria de Jogos 2006 Primeiro Semestre. Jogo da Velha. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Tutoria de Jogos 2006 Primeiro Semestre Jogo da Velha Projeto Prof. Paulo V. W. Radtke 21 de Março de 2006 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Odinheiro nos ajuda a comprar as coisas que

Odinheiro nos ajuda a comprar as coisas que Economize um pouco, gaste um pouco, doe um pouco Esta é a maneira bandeirante! Administração do dinheiro Odinheiro nos ajuda a comprar as coisas que precisamos, como comida e roupa. E o dinheiro nos ajuda

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

mvbuilder - Manual do Usuário

mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder Editor de mapas para o meavox Parte integrante da Suite meavox de comunicação alternativa. Manual do Usuário do mvbuilder Autor: Gustavo Furtado Versão deste documento:

Leia mais

gerenciamento... bons resultados

gerenciamento... bons resultados Qual é a receita para os projetos de sucesso? Bom projeto, bom CAPA gerenciamento... bons resultados Começar um projeto é fácil. Difícil é conduzí-lo, com largas margens de sucesso, para a sua conclusão

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Manual do Participante

Manual do Participante Manual do Participante Sumário Considerações Gerais... 3 Introdução... 4 Funções do seu Painel de Controle... 4 Interagindo com outros participantes... 5 Descrição Geral do DNA... 5 Critérios de classificação

Leia mais

Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados

Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados Tribunal de Justiça de Pernambuco Diretoria de Informática Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados Guia de Utilização Mantis Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor Aprovado Por 02/09/2008

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Copyright 2011 Manual Gere Afiliados - www.gerasite.com MANUAL. Gere Afiliados. Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados

Copyright 2011 Manual Gere Afiliados - www.gerasite.com MANUAL. Gere Afiliados. Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados GERA SITE Apresenta... MANUAL Gere Afiliados Como Criar Seu Próprio Site de Vendas e Marketing de Afiliados Facilmente Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados Direitos de Reprodução Este

Leia mais

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira Como criar um artigo em 1h ou menos Por Natanael Oliveira 1 Como escrever um artigo em 1h ou menos Primeira parte do Texto: Gancho Inicie o texto com perguntas ou promessas, algo que prenda atenção do

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

User. Stories. Por que e como escrever requisitos de forma ágil? RAFAEL HELM e DANIEL WILDT. Wildtech start wild, keep wild

User. Stories. Por que e como escrever requisitos de forma ágil? RAFAEL HELM e DANIEL WILDT. Wildtech start wild, keep wild User Stories Por que e como escrever requisitos de forma ágil? RAFAEL HELM e DANIEL WILDT Wildtech start wild, keep wild Qualidade de software começa na especificação. Rafael Helm. 2 Sobre os autores Rafael

Leia mais

Faculdades Metropolitanas Unidas FMU

Faculdades Metropolitanas Unidas FMU Nome do Participante 1 (Nome + Sobrenome) Nome do Participante 2 (Nome + Sobrenome) Nome do Participante 3 (Nome + Sobrenome) Nome do Participante 4 (Nome + Sobrenome) Trabalho de Conclusão de Curso -

Leia mais

CHECKLIST: PASSO A PASSO PARA PROMOVER LANDING PAGES E ATRAIR LEADS

CHECKLIST: PASSO A PASSO PARA PROMOVER LANDING PAGES E ATRAIR LEADS CHECKLIST: PASSO A PASSO PARA PROMOVER LANDING PAGES E ATRAIR LEADS Elaborar uma oferta e criar uma Landing Page para converter os visitantes do site em Leads é estratégia fundamental nas ações de marketing

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

Como fazer benchmark do computador

Como fazer benchmark do computador O que é o Índice de Experiência do Windows? O Índice de Experiência do Windows é uma medição que informa como o seu PC funciona com o Windows e usa uma pontuação básica para classificar a experiência que

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE

MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE 2 SUMÁRIO»» Introdução... 4»» O que preciso para transmitir?... 7»» Como fazer...12»» Dicas (muito)

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 04 Modelos de Processos de Design de IHC Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br O Processode Design de IHC Relembrando Questões chave no projeto centrado

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Faculdade de Informática e Administração Paulista Curso de Sistemas de Informação 2º SI-T Engenharia de Software Modelo de Desenvolvimento Ágil SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo)

AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo) AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 11:14:46 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/9 Índice analítico Índice

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

44 Summit Road, Suite 101 Riverside, CT 06878 (800) 573-4756 (203) 698-9323

44 Summit Road, Suite 101 Riverside, CT 06878 (800) 573-4756 (203) 698-9323 oferece consistência de suporte entre grupos de desenvolvimento Michel Vrinat, Diretor de Programa, PLM, CAE/Europa; Don Brown, Presidente Medição do desafio confrontando o desenvolvimento do produto A

Leia mais

WF Processos. Manual de Instruções

WF Processos. Manual de Instruções WF Processos Manual de Instruções O WF Processos é um sistema simples e fácil de ser utilizado, contudo para ajudar os novos usuários a se familiarizarem com o sistema, criamos este manual. Recomendamos

Leia mais

Fancy Battles Game Design Document

Fancy Battles Game Design Document Fancy Battles Game Design Document 2011 Versão 0.1-29/03/2011 Primeira edição 0.2-28/04/2011 Definição de novo Gameplay Regras Controles 0.3-12/05/2011 Alterações no Gameplay Índice 1. Conceito Principal

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Treinamento T2Ti Jogos - Java Básico

Treinamento T2Ti Jogos - Java Básico Treinamento T2Ti Jogos - Java Básico Desenvolvendo um jogo digital em java O treinamento "Desenvolvimento de Jogos Digitais - Java Básico" tem como objetivo preparar o aluno para o desenvolvimento completo

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais