Inteligência Artificial para Jogos Eletrônicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inteligência Artificial para Jogos Eletrônicos"

Transcrição

1 Inteligência Artificial para Jogos Eletrônicos Prof. Marcelo Henrique dos Santos O que é Inteligência Artificial? inteligência apresentada por uma entidade artificial (geralmente um computador); ramo da Ciência que lida com aprendizagem, comportamento e adaptação em máquinas teste de QI x teste de Turing (1950) usos mais disseminados: controle, planejamento,i dii dt l l jt reconhecimento de imagens (facial)/sons (voz), otimização, etc. campos de aplicação: engenharia, medicina, economia, tecnologia militar, jogos eletrônicos, etc. 1

2 O que é GameAI? conjunto de técnicas utilizadas em jogos eletrônicos para criar um comportamento desejado técnicas derivadas das áreas acadêmicas de AI, Teoria de Controle, Robótica e Computação tem como principal objetivo melhorar o desafio e a imersão (o que interessa é a diversão) Obs.: AI = Artificial Intelligence Na prática... GameAI é o controle de toda entidade não-humana num jogo: outros carros num jogo de corrida oponentes e monstros num FPS unidades inimigas num RTS não inclui controle de elementos passivos, que não têm autonomia para agir; quem cuida disso é a física ou a lógica de jogo; ex: blocos caindo em Tetris tiros 2

3 AI vs. GameAI (1) criar inteligência é diferente de criar uma ilusão de inteligência oponente imbatível ou jogo desafiante? GameAI pode lançar mão d de truques sujos para iludir o jogador Prof. Marcelo Henrique dos Santos AI vs. GameAI (2) AI Tradicional GameAI Função competir com as pessoas entreter as pessoas Usa dados e heurísticas para derrotar humanos... imitar Objetivo desafiar humanos em jogos de computador entreter humanos em jogos interessantes 3

4 Objetivos da GameAI proporcionar diversão ser convincente (pelo menos não parecer estúpida...) usar pouca memória e processamento implementação rápida e fácil É difícil não haver conflito...conflito Aplicações da GameAI (1) projeto de NPCs: movimentação tomada de decisão comportamento aprendizado controle de reação de ambiente posicionamento de câmera 4

5 Aplicações da GameAI (2) iluminação controle de narrativa e eventos balanceamento de dificuldade testes Trapaça, a técnica mais comum compensa o desequilíbrio contra a inteligência humana e deixa o jogador desafiado razões para trapacear: fingir que é pior : mira nos shooters (o objetivo nem sempre é acertar) fingir que é melhor : inimigos mais rápidos, violação nas regras, etc. (vale tudo) 5

6 Ainda sobre trapaças... não exagerar: o jogador não pode perceber trapacear demais pode deixar a dificuldade do jogo desbalanceada exemplo de trapaça: em jogos de estratégia, o computador sabe absolutamente todas as informações sobre os oponentes humanos (localização das bases, armamentos, etc.); pode usar tudo isso no seu planejamento Classificação (1) Determinismo em GameAI AI Determinística AI Não-determinística Comportamento previsível imprevisível Implementação mais fácil mais difícil Teste/debug fácil, mas trabalhoso difícil Aprendizado difícil fácil Exemplos algoritmos de perseguição e fuga, máquinas de estados adaptação via Redes Neurais, Algoritmos Genéticos 6

7 Classificação (2) AI Reflexiva vs. AI Reativa AI Reflexiva (pré-análise) AI Reativa (decisão instantânea) algoritmo exaustivo, força bruta heurístico modelagem fenômeno caixa preta resposta lenta rápida solução ótima satisfatória Desafios da GameAI resultados menos frustrantes para os jogadores (GameAI tende a ser lembrada mais quando falha do que quando acerta...) evoluir (ou pelo menos manter) o comportamento inteligente à medida que o realismo gráfico e físico aumenta (pathfinding numa grade 2D com muros retos é fácil...) 7

8 Mais desafios... explosão de conteúdo, mundos mais densos e mais reativos nem sempre o que o mercado quer é o estado-daarte da tecnologia em AI pressão por maior uso de técnicas nãodeterminísticas, mas aí estão os maiores riscos, (ciclo de desenvolvimento mais longo, mais caro, etc.) Considerações NPCs inteligentes podem agir de forma autônoma, mas os game designers precisam controlá-los para manter o jogo conforme o projetado decisões inteligentes (mas completamente imprevisíveis) podem arruinar um roteiro prédefinido para o bem ou para o mal 8

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 24 Inteligência Artificial em Jogos Introdução Surgiu com a criação dos primeiros jogos (Pac-Man, Space Invaders...).

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Marcelo de Souza 1 bsi.marcelo@gmail.com Prof. Adilson Vahldick, Inteligência Artificial RESUMO: O desenvolvimento de jogos é um campo que atrai

Leia mais

PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS

PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Késsia Rita da C. Marchi¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil joaoabrodrigues@outlook.com

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS Aline Ferraz da Silva 1 Carine Bueira Loureiro 2 Resumo: Este artigo trata do projeto de Trabalho

Leia mais

Inteligência Computacional: resolvendo problemas difíceis da vida real

Inteligência Computacional: resolvendo problemas difíceis da vida real Instituto de Computação Semana Nacional da Ciência e Tecnologia Escola Agrotécnica Federal de Inconfidentes Inteligência Computacional: resolvendo problemas difíceis da vida real Carlos Eduardo de Andrade

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 02 Introdução ao Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo?

Leia mais

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima <edirlei.lima@uniriotec.br> Jogos Eletrônicos Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo? Introdução

Leia mais

Utilização de Agentes Inteligentes no desenvolvimento de um Jogo RPG para dispositivos móveis

Utilização de Agentes Inteligentes no desenvolvimento de um Jogo RPG para dispositivos móveis Utilização de Agentes Inteligentes no desenvolvimento de um Jogo RPG para dispositivos móveis Heitor de Sousa Miranda, Fernando Luiz de Oliveira Curso de Sistemas de Informação - CEULP/ULBRA Teotônio Segurado

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO DE MÁQUINA Estudos Iniciais André Filipe de Moraes Batista Disciplina de Aprendizagem de Máquina UFABC 2010 TEORIA DOS JOGOS Ramo da matemática aplicada estuda situações

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Licenciatura em Computação Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por

Leia mais

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco Sistemas Inteligentes Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco 1 Ao final desta aula a gente deve... Entender o que é um Agente Racional (inteligente)? Distinguir entre os vários tipos

Leia mais

Estrutura de um Sistema Especialista

Estrutura de um Sistema Especialista Sistemas Especialistas Difusos Estrutura de um Sistema Especialista Prof. Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Áreas de Aplicação da IA SISTEMAS Sistemas Especialistas (Baseados em Conhecimento)

Leia mais

Comportamento de personagens em jogos de computador

Comportamento de personagens em jogos de computador Comportamento de personagens em jogos de computador Deise Miranda Borges¹, Rafael Gonçalves Barreira¹, Jackson Gomes de Souza¹ ¹Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 12 Aprendizado de Máquina Agentes Vistos Anteriormente Agentes baseados em busca: Busca cega Busca heurística Busca local

Leia mais

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe 1. Apresentação Nas duas guerras mundiais do século passado, os líderes militares das principais nações envolvidas utilizavam jogos de guerra para definição de estratégias e táticas de combate. Os jogos

Leia mais

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com AGENTES INTELIGENTES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é tudo o que pode ser considerado capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre

Leia mais

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com JOGOS DIGITAIS DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

Máquinas de Estados Finitos Aplicados a Jogos Eletrônicos

Máquinas de Estados Finitos Aplicados a Jogos Eletrônicos 1 Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação N.14, JUL/DEZ2013 Máquinas de Estados Finitos Aplicados a Jogos Eletrônicos

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Agentes - Definição. Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes

Agentes - Definição. Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes Inteligência Artificial s Inteligentes s - Definição : entidade capaz de perceber e agir em um ambiente, comunicar-se com outros agentes, motivada por um conjunto de inclinações, que pode dispor de representação

Leia mais

Roteiro. Roteiro. Introdução. Introdução. EscolhadaArquitetura. Tipos de Jogos. Problemas de Sincronização. Algoritmos de Sincronização. Conclusão.

Roteiro. Roteiro. Introdução. Introdução. EscolhadaArquitetura. Tipos de Jogos. Problemas de Sincronização. Algoritmos de Sincronização. Conclusão. INF 2056 Algoritmos Distribuídos em Jogos Multi-Player Aluno: Tulio Jorge A. N. S. Anibolete Prof: Markus Endler Introdução Evolução dos jogos distribuídos. Desafio da sincronização. Arquitetura Tiposprimitivosdisponíveis:

Leia mais

Agentes Inteligentes. Inteligência Artificial. Exemplos. Agentes Inteligentes. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com

Agentes Inteligentes. Inteligência Artificial. Exemplos. Agentes Inteligentes. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com Agentes Inteligentes Inteligência Artificial Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre esse ambiente por meio de atuadores. Agente Prof. Ms. Luiz Alberto Contato:

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

AULA 5. Embora o termo segurança da informação já diga muito, é interessante descrever um pouco mais sobre objetivos da segurança de informação.

AULA 5. Embora o termo segurança da informação já diga muito, é interessante descrever um pouco mais sobre objetivos da segurança de informação. AULA 5 OBJETIVOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Embora o termo segurança da informação já diga muito, é interessante descrever um pouco mais sobre objetivos da segurança de informação. Podemos listar como

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Edirlei Soares de Lima Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 1, de 1 de março de

Leia mais

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONHECIMENTO

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONHECIMENTO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO Qualidade da informação (QI) tornou-se um ponto crítico em empresas e em pesquisas da área de Sistemas de Informação. A falta de qualidade nas informações pode impactar severamente

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações Amarildo Aparecido Ferreira Junior¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹, Jaime Willian Dias¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

CTC-17 Inteligência Artificial Problemas de Busca. Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br

CTC-17 Inteligência Artificial Problemas de Busca. Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br CTC-17 Inteligência Artificial Problemas de Busca Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br www.comp.ita.br/~pauloac Sala 110, IEC-ITA Sumário Agentes que buscam soluções para problemas: Exemplo Tipos de

Leia mais

OPEN HARDWARE, REDES E DESIGN DE INTERAÇÃO. Luli Radfahrer Arena Software Livre Campus Party, 2012

OPEN HARDWARE, REDES E DESIGN DE INTERAÇÃO. Luli Radfahrer Arena Software Livre Campus Party, 2012 OPEN HARDWARE, REDES E DESIGN DE INTERAÇÃO. Luli Radfahrer Arena Software Livre Campus Party, 2012 REDES REDES ALEATÓRIAS só precisam de um link para se estabilizarem REDES COMPLEXAS As redes ao nosso

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Workshop Construct 2. Gutenberg Neto gutenberg@fuze.cc

Workshop Construct 2. Gutenberg Neto gutenberg@fuze.cc Workshop Construct 2 Gutenberg Neto gutenberg@fuze.cc Apresentação Graduado em Ciência da Computação UFPB Mestrado em Informática UFPB IA em Jogos Eletrônicos 6 anos de experiência com programação e pesquisa

Leia mais

INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Msc. Saulo Popov Zambiasi (saulopz@gmail.com) 11/07/08 10:25 Informação - ICPG - Criciuma - SC 1 Informação - ICPG - Criciuma -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

IA: Introdução. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA: Introdução. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA: Introdução Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário O que é Inteligência Artificial? IA forte e IA fraca Métodos fortes e Métodos fracos De Aristóteles a Babbage Alan Turing e

Leia mais

Resumo das respostas obtidas e análise do material coletado

Resumo das respostas obtidas e análise do material coletado Resumo das respostas obtidas e análise do material coletado Figura 1. Distribuição de respostas entre as categorias professors e alunos e profissionais Grupo de Professores Figura 2. Distribuição de atuação

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos

Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Bacharelado em Ciências da Computação Estágio Supervisionado Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos Acadêmico:

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Figura: Capa do Livro Russell, S., Norvig, P. Artificial Intelligence A Modern Approach, Pearson, 2009. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

Introdução à Inteligência Artificial (Capítulo 1 - Russell) Inteligência Artificial. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Introdução à Inteligência Artificial (Capítulo 1 - Russell) Inteligência Artificial. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Introdução à Inteligência Artificial (Capítulo 1 - Russell) Inteligência Artificial Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Áreas de Apoio para IA 3. Sub-Áreas da IA 4.

Leia mais

4º Passo: Treinamento, integração e desenvolvimento

4º Passo: Treinamento, integração e desenvolvimento 4º Passo: Treinamento, integração e desenvolvimento Assim que você selecionar pessoas competentes, precisará ajudá-las a se adaptar à organização e assegurar que suas habilidades de trabalho e conhecimento

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 1 Ramo da computação que procura permitir uma máquina simular comportamento inteligente, através de algoritmos e técnicas que simulem situações consideradas específicamente humanas,

Leia mais

Aula Inaugural 2005. Perspectivas Profissionais na Informática Biomédica Como ser um líder em sua profissão

Aula Inaugural 2005. Perspectivas Profissionais na Informática Biomédica Como ser um líder em sua profissão Aula Inaugural 2005 Perspectivas Profissionais na Informática Biomédica Como ser um líder em sua profissão Algumas perguntinhas que você deve estar se fazendo... O que eu estou fazendo aqui? O que é mesmo

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

1 Introdução 18. Figura 1. Criatura do jogo Black&White (Lionhead, 2003).

1 Introdução 18. Figura 1. Criatura do jogo Black&White (Lionhead, 2003). 1 Introdução A Inteligência Artificial (IA) vem tendo um papel muito importante no sucesso ou na falha de jogos eletrônicos (Howland, 2003). Nos últimos anos, a indústria de jogos teve um grande crescimento,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL

APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL Tatiana Bogo Fujii Prof. Wilson Pedro Carli Orientador Introdução; Telefonia Celular; Internet; ASP; Inteligência Artificial;

Leia mais

Prática no Laboratório de Informática: Jogos no Programa Mais Educação

Prática no Laboratório de Informática: Jogos no Programa Mais Educação Prática no Laboratório de Informática: Jogos no Programa Mais Educação Escola Municipal de Ensino Fundamental Madre Teresa Laboratório com 18 máquinas com sistema operacional Linux Educacional Turma Mista

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação AUTOMAÇÃO Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Conceitos iniciais Automação é todo um ferramental

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Teoria da Computação Ciência da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários...

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários... NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX No Renascimento de uma Nova Era... IX Índice PREÂMBULO... XIII Organização do livro... xiii Destinatários... xiv Utilização do livro... xiv Agradecimentos... xiv

Leia mais

Jogos em Inteligência Artificial

Jogos em Inteligência Artificial Jogos em Inteligência Artificial Inteligência Artificial I Ricardo Borges Cícero Augusto Mauricio Volkweis Professora Andrea Konzen Torres - RS, Junho de 2003 Sumário Introdução 1 Objetivos 2 Histórico

Leia mais

Atuadores: Atuadores: Atuadores:

Atuadores: Atuadores: Atuadores: Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sudeste de Minas Gerais - Campus Rio Pomba Bacharelado em Ciência da Computação Inteligência Artificial (Lista 1) Prof. Alex F.

Leia mais

Seja bem vindo ao F1 Race Brasil, sua missão aqui é administrar uma equipe de F1, piloto, fornecedores, estratégias, etc.

Seja bem vindo ao F1 Race Brasil, sua missão aqui é administrar uma equipe de F1, piloto, fornecedores, estratégias, etc. Seja bem vindo ao F1 Race Brasil, sua missão aqui é administrar uma equipe de F1, piloto, fornecedores, estratégias, etc. Se mesmo após ler o Manual você tiver alguma duvida, tente ver se abaixo existe

Leia mais

IA: Busca Competitiva. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA: Busca Competitiva. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA: Busca Competitiva Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Árvores de Jogos Minimax Antecipação Limitada Poda Alfa-beta Introdução Jogos têm sido continuamente uma importante

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Análise e Projeto de Algoritmos

Análise e Projeto de Algoritmos Análise e Projeto de Algoritmos Prof. Eduardo Barrére www.ufjf.br/pgcc www.dcc.ufjf.br eduardo.barrere@ice.ufjf.br www.barrere.ufjf.br Complexidade de Algoritmos Computabilidade: Um problema é computável

Leia mais

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado Manual de pilotagem e aprendizado Bem vindo ao mundo das corrida virtuais! A razão deste documento é ajudar os novatos em corridas multi-player entender as grandes diferenças entre correr Online e Offline

Leia mais

Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis

Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis Autor: Ellie Fields, Diretora de marketing de produto da Tableau Software Junho de 2011 p2 Cinco práticas recomendadas de business

Leia mais

Aplicação de agentes em Jogos Digitais

Aplicação de agentes em Jogos Digitais Aplicação de agentes em Jogos Digitais Maycon Prado Rocha Silva FEEC / Universidade Estadual de Campinas, Junho 2010 Resumo. neste artigo é apresentada uma breve descrição das principais arquiteturas e

Leia mais

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software CCE 876 - Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Objetivos Introduzir a Engenharia de Software e explicar sua importância. Introduzir os conceitos principais relacionados à Engenharia

Leia mais

2 Trabalhos relacionados

2 Trabalhos relacionados 2 Trabalhos relacionados Esta seção descreve os principais trabalhos relacionados ao framework aqui produzido. Uma discussão sobre os aspectos gerais de jogos está fora dos objetivos deste dissertação.

Leia mais

Riachuelo Ludum Labs O Game Design em sua Excelência

Riachuelo Ludum Labs O Game Design em sua Excelência Riachuelo Ludum Labs O Game Design em sua Excelência A Riachuelo Games não é só um estúdio de jogos, é uma oficina de idéias e de criação. Desenvolvemos aqui não só jogos, mas conceitos na área de Game

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Interação Humano Computador IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Introdução Trabalhos Relacionados Abordagem Proposta Considerações Finais Conclusão Trabalhos Futuros 2 Agentes

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 21 Máquinas de Estados Finitos Edirlei Soares de Lima Introdução Máquinas de Estados Finitos (Finite State Machines - FSM) são provavelmente

Leia mais

Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial. André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller

Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial. André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller Motivação Análise estatística das marcas de carros em

Leia mais

Aprendizagem Motora. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Aprendizagem Motora. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Aprendizagem Motora Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é aprendizagem motora? Busca compreender como as pessoas adquirem habilidades motoras, como elas desenvolvem e usam tais habilidades em

Leia mais

Gestão de Mudanças Desculpas para não fazer mudanças

Gestão de Mudanças Desculpas para não fazer mudanças Desculpas para não fazer mudanças Já tentamos isso antes É muito caro Não é minha função Não temos tempo Não há apoio suficiente Você está certo, mas... Vamos ser realistas Não temos autoridade Não está

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Grade Curricular - Engenharia de Computação

Grade Curricular - Engenharia de Computação Grade Curricular - Engenharia de Computação SEMESTRE 1 - Obrigatórias FCM0101 Física I 6 0 6 FFI0180 Laboratório de Física Geral I 2 0 2 SAP0678 Desenho 2 0 2 SAP0679 Humanidades e Ciências Sociais 2 0

Leia mais

Ementas Disciplinas Eletivas

Ementas Disciplinas Eletivas Ementas Disciplinas Eletivas INFORMÁTICA Administração de Redes CH: 60 h Créditos: 2.1.0 Pré-requisito(s): Redes de Computadores II Conceitos e políticas de administração de redes. Gerência de redes e

Leia mais

A MÁQUINA INTELIGENTE. O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br

A MÁQUINA INTELIGENTE. O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br A MÁQUINA INTELIGENTE O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br APRESENTAÇÃO Júlio Cesar da Silva Mestrando em Administração MBA em Gestão da Tecnologia

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e integração contínua. nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Objetivos Fornecer uma visão geral da área de testes de software, com ênfase em

Leia mais

Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006

Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006 Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006 Paulo V. W. Radtke pvwradtke@gmail.com http://www.ppgia.pucpr.br/~radtke/jogos Conteúdo Introdução Por quê projetar? Elementos do projeto

Leia mais

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento e sistemas para gestão do conhecimento? 2. Quais são as aplicações

Leia mais

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software Objetivos desta Aula Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1 Introduzir a engenharia de e explicar a sua importância Responder uma série de perguntas sobre engenharia de Introduzir questões éticas

Leia mais

Introdução à Arte da Ciência da Computação

Introdução à Arte da Ciência da Computação 1 NOME DA AULA Introdução à Arte da Ciência da Computação Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 15 minutos Principal objetivo: deixar claro para os alunos o que é a ciência da computação e

Leia mais

P R O C E SSO D E D E S E N VOLVIMENTO D E S O F T WAR E

P R O C E SSO D E D E S E N VOLVIMENTO D E S O F T WAR E Tópicos desta Aula: Custo de desenvolver um software. Para quem se desenvolve um software? Tempo: Amigo ou Inimigo? Definição: Atividades e Responsabilidades? REALISMO DE PRAZOS E CUSTOS Por que tantos

Leia mais

Business Intelligence como aliado do

Business Intelligence como aliado do Marco Antonio P. Gonçalves Business Intelligence como aliado do marketing jurídico e do desenvolvimento de negócios 20 de Outubro, 2015 Marco Antonio P. Gonçalves Administrador especializado em estratégias

Leia mais

Projeto. Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e. Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da

Projeto. Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e. Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da Projeto Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e ( pt ) Automação na Wikipédia Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da ( 2009 UFLA (II Professores: Roberto

Leia mais

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA EM PORTADORES DE TDAH

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA EM PORTADORES DE TDAH TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA EM PORTADORES DE TDAH CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE GUARULHOS

Leia mais

C.R.M. Prof. Fulvio Cristofoli. Customer Relationship Management. Parte 2. fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br

C.R.M. Prof. Fulvio Cristofoli. Customer Relationship Management. Parte 2. fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br C.R.M. Customer Relationship Management Parte 2 Prof. Fulvio Cristofoli fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br Mudança a Organizacional Mudança na cultura organizacional. Todas as áreas

Leia mais

Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca

Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca 1) A* - Problema do metrô de Paris Suponha que queremos construir um sistema para auxiliar um usuário do metrô de Paris a saber o trajeto mais rápido

Leia mais