MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CERIMONIAL ICA CERIMONIAL MILITAR DO COMANDO DA AERONÁUTICA 2012

2

3 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CERIMONIAL ICA CERIMONIAL MILITAR DO COMANDO DA AERONÁUTICA 2012

4

5 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PORTARIA N o /GC2, DE DE DE Aprova a edição da Instrução Cerimonial Militar do Comando da Aeronáutica e dá outras providências. O COMANDANTE DA AERONÁUTICA, de conformidade com o previsto no inciso XIV do art. 23 da Estrutura Regimental do Comando da Aeronáutica, aprovada pelo Decreto nº 6.834, de 30 de abril de 2009, e tendo em vista o disposto no Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas, aprovado pela Portaria Normativa n o 660/MD, de 19 de maio de 2009, resolve: Art. 1º Aprovar a edição da ICA Cerimonial Militar do Comando da Aeronáutica, que com esta baixa. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Revoga-se a Portaria n o 940/GC3, de 16 de dezembro de 2002, publicada no Diário Oficial da União nº 243, de 17 de dezembro de 2002, Seção I, página 100, e no Boletim do Comando da Aeronáutica nº 12, de 17 de janeiro de Ten Brig do Ar JUNITI SAITO Comandante da Aeronáutica (Publicado no BCA nº, de de de 2012).

6

7 ICA 908-1/2012 SUMÁRIO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FINALIDADE CONCEITUAÇÃO ÂMBITO BANDEIRAS, ESTANDARTES E INSÍGNIAS BANDEIRAS ESTANDARTES INSÍGNIAS GUARDA DE HONRA E REVISTA DE INSPEÇÃO GUARDA DE HONRA REVISTA DE INSPEÇÃO CERIMÔNIAS MILITARES GERAIS E DESFILES DISPOSITIVOS PARA AS CERIMÔNIAS MILITARES PREPARATIVOS PARA AS CERIMÔNIAS MILITARES PRESCRIÇÕES PARA A BANDA DE MÚSICA E/OU MARCIAL PRESCRIÇÕES PARA O COMANDANTE DA TROPA PRESCRIÇÕES PARA O ESTADO-MAIOR GRITO DE GUERRA DISTÂNCIAS ENTRE GRUPAMENTOS E COMPONENTES DA TROPA PROCEDIMENTOS DIVERSOS CONFECÇÃO DE ROTEIROS EMBARQUE E DESEMBAQUE DE AUTORIDADES CHEGADA E EMBARQUE DE AUTORIDADES DESEMBARQUE DE AUTORIDADES UNIFORMES FORMALIDADES PARA VISITAS OFICIAIS FORMALIDADES PARA VIAGENS DE ROTINA PROCEDIMENTOS DIVERSOS APRESENTAÇÃO DE MILITARES RECÉM-TRANSFERIDOS E PROMOÇÃO DE OFICIAIS E/OU GRADUADOS CERIMÔNIA MILITAR SEMANAL/MENSAL, COM O CANTO DO HINO NACIONAL, APRESENTAÇÃO DOS MILITARES RECÉM-TRANSFERIDOS E PROMOÇÃO DE OFICIAIS E/OU GRADUADOS REGRAS GERAIS PASSAGEM DE COMANDO, CHEFIA, DIREÇÃO OU SECRETARIA, E PASSAGEM DE LIDERANÇA EM VOO REGRAS GERAIS PASSAGEM DE COMANDO, CHEFIA, DIREÇÃO OU SECRETARIA, COM PRESENÇA DE TROPA (BOM OU MAU TEMPO) PASSAGEM DE COMANDO, CHEFIA, DIREÇÃO OU SECRETARIA, SEM PRESENÇA DE TROPA, EM SALA DO COMANDO, EM SALÃO NOBRE OU EM AUDITÓRIO... 36

8 ICA 908-1/ PASSAGEM DE LIDERANÇA EM VOO E DE COMANDO DE UNIDADE AÉREA (UAe), QUANDO REALIZADA NO MESMO DIA APRESENTAÇÃO DE OFICIAIS AO NOVO COMANDANTE, CHEFE, DIRETOR OU SECRETÁRIO DA OM INAUGURAÇÃO DO QUADRO (RETRATO) DO COMANDANTE, CHEFE, DIRETOR OU SECRETÁRIO SUBSTITUÍDO NA GALERIA DE RETRATOS OUTRAS SITUAÇÕES UNIFORME CERIMÔNIAS DE DESPEDIDA DE MILITAR QUE DEIXA O SERVIÇO ATIVO GENERALIDADES DE TENENTES-BRIGADEIROS DO AR E DIRETORES DA DIRENG, DA DIRINT E DA DIRSA DE OFICIAL-GENERAL DOS DIVERSOS QUADROS PROCEDIMENTOS GERAIS PARA DESPEDIDA DE OFICIAIS-GENERAIS DE OFICIAIS E PRAÇAS CERIMÔNIAS ALUSIVAS ÀS DATAS COMEMORATIVAS NA AERONÁUTICA, COM IMPOSIÇÃO DE MEDALHAS GENERALIDADES NASCIMENTO DO MARECHAL DO AR ALBERTO SANTOS-DUMONT (MSD) DIA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA E DIA DO AVIADOR (OMA) DIA DO ESPECIALISTA DE AERONÁUTICA (MBG) ANIVERSÁRIO DA AVIAÇÃO E MEDALHA NERO MOURA ANIVERSÁRIO DA OM COM MEDALHA MILITAR (BOM E MAU TEMPO) ANIVERSÁRIO DA OM COM MEDALHA MILITAR, SEM PRESENÇA DE TROPA, EM SALA DE COMANDO, SALÃO NOBRE OU EM AUDITÓRIO PARANINFOS AGRACIADOS CERIMÔNIAS COMEMORATIVAS SEM IMPOSIÇÃO DE MEDALHAS DIA DO NASCIMENTO DO MARECHAL-DO-AR EDUARDO GOMES DIA DE CRIAÇÃO DO CAN E DA AVIAÇÃO DE TRANSPORTE DIAS DA ENGENHARIA, DA INTENDÊNCIA, DA SAÚDE E DA INFANTARIA DA AERONÁUTICA CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA À APRESENTAÇÃO DA BANDEIRA NACIONAL AOS RECRUTAS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA (BOM E MAU TEMPO) COMPROMISSO DOS CADETES/ALUNOS DAS ESCOLAS DE FORMAÇÃO (AFA, CIAAR, EPCAR E EEAR) E DOS RECRUTAS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA À BANDEIRA NACIONAL CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO COMPROMISSO DOS CADETES/ALUNOS DAS ESCOLAS DE FORMAÇÃO (AFA, CIAAR, EPCAR E EEAR) E DOS RECRUTAS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA À BANDEIRA NACIONAL COMPROMISSO DOS MILITARES NOMEADOS AO PRIMEIRO POSTO CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO COMPROMISSO DOS MILITARES NOMEADOS AO PRIMEIRO POSTO...68

9 ICA 908-1/ PROTOCOLO ORGANIZAÇÃO DAS RECEPÇÕES DISPOSIÇÕES GERAIS EXECUÇÃO DO CERIMONIAL DISPOSIÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS Anexo A - Bandeiras Históricas Anexo B - Dispositivo das Bandeiras Históricas para desfile Anexo C - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia da Bandeira (Bom Tempo) Anexo D - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia da Bandeira (Mau Tempo) Anexo E - Incorporação e Desincorporação da Bandeira Nacional Anexo F - Evoluções de entrada da Bandeira Nacional e do Estandarte na Guarda Anexo G - Evoluções de Meia-volta-volver com o Porta-Bandeira e o Porta-Estandarte em forma Anexo H - Evoluções da Guarda-Bandeira Direita-volver Anexo I - Evoluções da Guarda-Bandeira Direita-volver Desenvolvimento Gráfico do anexo G 102 Anexo J - Evoluções da Guarda-Bandeira Esquerda-volver. Desenvolvimento Gráfico do anexo H Anexo K - Dispositivo para as Cerimônias Militares Gerais e Desfiles Anexo L - Cerimônia Militar em Geral Anexo M - Posições de Bandeirolas no Desfile Anexo N - Dispositivo para Embarque e Desembarque de Autoridades Anexo O - Cerimônia Militar Semanal/Mensal, com o Canto do Hino Nacional, Apresentação dos Militares recém-transferidos e Promoção de Oficiais e/ou Graduados Anexo P - Cerimônia Militar de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, com presença de Tropa (Bom Tempo) Anexo Q - Cerimônia Militar de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, com presença de Tropa (Mau Tempo) Anexo R - Dispositivo para Cerimônia Militar de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, com presença de Tropa(Bom/Mau Tempo) Anexo S - Cerimônia Militar de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, sem presença de Tropa, em Sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório

10 ICA 908-1/2012 Anexo T - Dispositivo de Cerimônia Militar de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, sem presença de Tropa, em Sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório Anexo U - Cerimônia Militar de Passagem de Liderança em Vôo e de Comando de Unidade Aérea(UAe),quando realizada no mesmo dia Anexo V - Cerimônia Militar de Passagem de Liderança em Vôo, quando realizada em dia diferente ao da Passagem de Comando Anexo W - Cerimônia Militar de Descerramento do Quadro (Retrato) do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário Substituído na Galeria de Retratos dos Ex-Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários da OM/UAe Anexo X - Cerimônia Militar de Despedida do Serviço Ativo de Tenentes-Brigadeiros-do-Ar e Diretores da DIRENG, DIRINT e DIRSA (Bom Tempo) Anexo Y - Cerimônia Militar de Despedida do Serviço Ativo de Tenentes-Brigadeiros-do-Ar e Diretores da DIRENG, DIRINT e DIRSA(Mau Tempo) Anexo Z - Cerimônia Militar de Despedida do Serviço Ativo de Oficial-General dos Diversos Quadros (Bom Tempo) Anexo AA - Cerimônia Militar de Despedida do Serviço Ativo de Oficial-General dos Diversos Quadros (Mau Tempo) Anexo BB - Cerimônia Militar de Despedida do Serviço Ativo de Oficiais e de Praças (Bom Tempo) Anexo CC - Cerimônia Militar de Despedida do Serviço Ativo de Oficiais e de Praças (Mau Tempo) Anexo DD - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia de Nascimento de Alberto Santos-Dumont, Patrono da Aeronáutica Brasileira, e de Imposição de Medalha Mérito Santos-Dumont (Bom Tempo) Anexo EE - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia de Nascimento de Alberto Santos-Dumont, Patrono da Aeronáutica Brasileira, e de Imposição de Medalha Mérito Santos-Dumont (Mau Tempo) Anexo FF - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia da Força Aérea Brasileira e ao Dia do Aviador e de Imposição da Ordem do Mérito Aeronáutico (Bom Tempo) Anexo GG - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia da Força Aérea Brasileira e ao Dia do Aviador e de Imposição da Ordem do Mérito Aeronáutico (Mau Tempo) Anexo HH - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Especialista de Aeronáutica e de Imposição da Medalha Bartolomeu de Gusmão (Bom Tempo) Anexo II - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Especialista de Aeronáutica e de Imposição da Medalha Bartolomeu de Gusmão (Mau Tempo)...231

11 ICA 908-1/2012 Anexo JJ - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Aniversário da aviação a qual a Unidade Aérea pertença, com a Imposição da Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura (Bom Tempo) Anexo KK - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Aniversário da aviação a qual a Unidade Aérea pertença, com a Imposição da Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura (Mau Tempo) Anexo LL - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Aniversário de Organização Militar e de Imposição de Medalha Militar (Bom Tempo) Anexo MM - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Aniversário de Organização Militar e de Imposição de Medalha Militar (Mau Tempo) Anexo NN - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Aniversário de Organização Militar e de Imposição de Medalha Militar, sem presença de Tropa, em Sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório Anexo OO - Dispositivo para Imposição de Medalhas Anexo PP - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Nascimento do Patrono da Força Aérea Brasileira, Marechal-do-ar Eduardo Gomes (Bom Tempo) Anexo QQ - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Nascimento do Patrono da Força Aérea Brasileira, Marechal-do-ar Eduardo Gomes (Mau Tempo) Anexo RR - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia de Criação do Correio Aéreo Nacional e ao Dia da Aviação de Transporte (Bom Tempo) Anexo SS - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia de Criação do Correio Aéreo Nacional e ao Dia da Aviação de Transporte (Mau Tempo) Anexo TT - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia da Engenharia, da Intendência, da Saúde e da Infantaria da Aeronáutica (Bom e Mau Tempo) Anexo UU - Cerimônia Militar Alusiva à Apresentação da Bandeira Nacional aos Recrutas da Força Aérea Brasileira (Bom Tempo) Anexo VV - Cerimônia Militar Alusiva à Apresentação da Bandeira Nacional aos Recrutas da Força Aérea Brasileira (Mau Tempo) Anexo WW - Cerimônia Militar Alusiva à Apresentação da Bandeira Nacional aos Recrutas da Força Aérea Brasileira, em Auditório Anexo XX - Cerimônia Militar Alusiva ao Compromisso dos Cadetes/Alunos das Escolas de Formação (AFA, CIAAR, EPCAR e EEAR) e dos Recrutas da Força Aérea Brasileira à Bandeira Nacional (Bom Tempo) Anexo YY - Cerimônia Militar Alusiva ao Compromisso dos Cadetes/Alunos das Escolas de Formação (AFA, CIAAR, EPCAR e EEAR) e dos Recrutas da Força Aérea Brasileira à Bandeira Nacional(Mau Tempo)

12 ICA 908-1/2012 Anexo ZZ - Cerimônia Militar Alusiva ao Compromisso dos Cadetes/Alunos das Escolas de Formação (AFA, CIAAR, EPCAR e EEAR) e dos Recrutas da Força Aérea Brasileira à Bandeira Nacional, em Auditório ou em Salão Nobre Anexo AAA - Cerimônia Militar Alusiva ao Compromisso dos Militares Nomeados ao Primeiro Posto (Bom Tempo) Anexo BBB - Cerimônia Militar Alusiva ao Compromisso dos Militares Nomeados ao Primeiro Posto (Mau Tempo) Anexo CCC - Cerimônia Militar Alusiva ao Compromisso dos Militares Nomeados ao Primeiro Posto em Sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório Anexo DDD - Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Aniversário de Unidade Aérea (Bom Tempo) Anexo EEE - Composição de Mesas de Honra Anexo FFF - Composição de Mesas para Eventos Sociais Anexo GGG - Ordem de Precedência das Bandeiras dos Estados Anexo HHH - Ordem de Precedência dos Ministérios Anexo III - Ordem de Precedência nos Estados Anexo JJJ - Datas comemorativas no âmbito do COMAER ÍNDICE...384

13 ICA 908-1/ DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 FINALIDADE A presente instrução tem por finalidade estabelecer os procedimentos a adotar no Cerimonial Militar do Comando da Aeronáutica (COMAER). 1.2 CONCEITUAÇÃO BANDEIRAS HISTÓRICAS São as bandeiras que simbolizam o Brasil desde a descoberta, em 1500, até 19 de novembro de CERIMÔNIA MILITAR É a reunião de caráter solene, realizada por ocasião de determinados atos da vida militar ou nacional, cuja alta significação convém ressaltar CERIMONIAL MILITAR É o conjunto de formalidades que devem ser seguidas nos atos solenes e nos atos de rotina das Organizações Militares (OM) FESTAS MILITARES São as comemorações de fatos nacionais ou relativos à História de uma OM, destinadas à exaltação do patriotismo, ao estímulo e desenvolvimento do sentimento cívico, à evocação das glórias da Força Aérea Brasileira (FAB) e ao revigoramento do espírito de corpo ORDEM DE PRECEDÊNCIA É a ordem pela qual se determina a sequência hierárquica de disposição das autoridades do Estado ou de outro órgão constituído.o direito de precedência de uma autoridade Civil ou Militar determina o lugar de honra (à direita) ou predeterminado, em cerimônias nas quais estiver presente TROPA DE ELITE É aquela constituída pelo Corpo de Cadetes da Academia da Força Aérea (AFA) ou pelo Corpo de Alunos do Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), e da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR). 1.3 ÂMBITO A presente instrução aplica-se a todas as OM do COMAER.

14 12 ICA 908-1/ BANDEIRAS, ESTANDARTES E INSÍGNIAS 2.1 BANDEIRAS BANDEIRAS HISTÓRICAS As Bandeiras Históricas, apresentadas no ANEXO A, são as seguintes: a) Bandeira da Ordem de Cristo, de 1500 a 1521, criada em 1332; b) Bandeira Real, de 1500 a 1521; c) Bandeira Real de D. João III, de 1521 a 1616; d) Bandeira do Domínio Espanhol, de 1616 a 1640, estabelecida em 1580; e) Bandeira Real de D. João IV, de 1640 a 1645; f) Bandeira do Principado do Brasil, de 1645 a 1816; g) Bandeira de D. Pedro II, de Portugal, de 1683 a 1706; h) Bandeira Real Século XVII; i) Bandeira do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, de 1816 a 1821; j) Bandeira do Reino Unido Constitucional, de 1821 a 1822; k) Bandeira do Brasil Império, de 1822 a 1889; e l) Bandeira Provisória da República, de 15 a 19 de novembro de Não há disposições especiais para as Bandeiras Históricas incorporarem e desincorporarem à tropa As Bandeiras Históricas desfilarão lado a lado, em coluna por quatro, em fileira por três, colocadas da direita para a esquerda, na ordem acima apresentada, excetuando-se a Bandeira da Ordem de Cristo, que será conduzida à frente e ao centro, a três passos da primeira fileira, conforme ANEXO B As Bandeiras Históricas deverão ser conduzidas em desfile militar, observando-se o seguinte: a) na AFA, por Cadetes; b) no CIAAR, na EPCAR e na EEAR, por Alunos; e c) em outras OM, por Oficiais Subalternos ou Suboficiais e Sargentos designados Os militares que conduzirem as Bandeiras Históricas estarão desarmados e farão movimentos semelhantes aos do oficial que conduzir a Bandeira Nacional Em revista passada à tropa, a pé firme e em desfile, os militares que as conduzirem não olharão à direita As Bandeiras representativas dos Estados da Federação obedecerão a mesma ordem de precedência entre os Governadores dos Estados e do Distrito Federal determinada pelo Art. 8º, do Decreto nº , de 09 de março de 1972 e suas alterações, conforme anexo GGG.

15 ICA 908-1/ A Bandeira do Estado no qual se realizará o cerimonial terá precedência sobre as demais BANDEIRA NACIONAL Nas cerimônias de hasteamento ou de arriação e nas ocasiões em que a Bandeira Nacional se apresentar em marcha ou cortejo, todos devem tomar atitude de respeito, de pé e em silêncio. Os civis do sexo masculino deverão estar com a cabeça descoberta, e os militares farão a continência individual, segundo o Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas (RCONT). É vedada qualquer outra forma de saudação O militar designado para hastear a Bandeira Nacional não tirará a cobertura, bem como não fará a continência após o hasteamento, salvo se a execução do Hino Nacional durar mais do que o hasteamento A Bandeira Nacional, em todas as apresentações, ocupará lugar de honra, compreendido como uma posição: a) central ou a mais próxima do centro, à direita deste, quando com outras bandeiras, pavilhões ou estandartes, em linha de mastros, panóplias, escudos ou peças semelhantes; b) destacada à frente de outras bandeiras, quando conduzida em formaturas ou desfiles; e c) à direita de tribunas, púlpitos, mesas de reuniões ou de trabalho Em um dispositivo de bandeiras, considera-se à direita da Bandeira Nacional a bandeira à direita de seu mastro, ou à direita da pessoa que a conduz, voltada para a plateia ou, de modo geral, para o público que observa o dispositivo Todas as OM do COMAER deverão possuir uma Bandeira Nacional para ser hasteada no respectivo mastro e outra para ser conduzida pela tropa nas cerimônias militares A Bandeira Nacional será hasteada, diariamente, no mastro principal das OM do COMAER, de acordo com o RCONT e com as normas particulares de cada Organização Em datas festivas ou em outras que sejam determinadas pelos escalões superiores, o ritual de hasteamento sofrerá as adequações necessárias e específicas para o evento A Bandeira Nacional deverá formar nas seguintes situações: a) Guardas de Honra; b) Guardas Fúnebres; c) apresentações aos Recrutas; d) compromissos de Recrutas; e) imposição de condecorações; f) cerimônias de Formaturas das Escolas de Formação; e g) compromissos de Aspirantes-a-Oficial, quando nomeados ao Primeiro Posto.

16 14 ICA 908-1/ No dia 19 de novembro, Aniversário da Adoção da Bandeira Nacional (ANEXOS C e D), as OM prestarão o "Culto à Bandeira", cujo cerimonial constará de: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) leitura do histórico da Bandeira Nacional; e) deslocamento da Bandeira Nacional; f) hasteamento da Bandeira Nacional pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretárioda OM; g) leitura da Ordem do Dia; h) incineração de bandeiras, se for o caso; i) canto do Hino à Bandeira; j) desfile da tropa em continência à Bandeira Nacional; k) retorno da Bandeira Nacional; e l) encerramento Em uma mesma localidade ou guarnição, a cerimônia prevista no item anterior poderá ser realizada, conjuntamente, por todas as OM nela sediadas, em um local adequado, previamente indicado pela mais alta autoridade do COMAER da área, visando ao maior brilhantismo da cerimônia Quando a Bandeira Nacional for hasteada em mastro colocado no solo, sua largura não deverá ser maior do que 1/5, tampouco menor que 1/7 da altura do respectivo mastro Nas Cerimônias Militares em que parte do efetivo estiver participando, o Estandarte formará ao lado esquerdo da Bandeira Nacional A Bandeira Nacional não participará das cerimônias esportivas em que a OM desfilar com o uniforme de educação física A Bandeira Nacional poderá ser apresentada: a) hasteada em mastro ou adriça, nos edifícios públicos ou particulares, templos, campos de esporte, escritórios, salas de aula, auditórios, embarcações, ruas e praças, ou em qualquer lugar em que lhe seja distendida assegurado o devido respeito; b) distendida e sem mastro, conduzida por aeronaves ou balões, aplicada sobre parede ou presa a um cabo horizontal, ligando edifícios, árvores, postes ou mastros; c) reproduzida sobre paredes, tetos, vidraças, veículos e aeronaves; d) compondo, com outras bandeiras, panóplias, escudos ou peças semelhantes; e) conduzida em formaturas, desfiles, ou mesmo individualmente; e f) distendida sobre ataúdes, até o momento do sepultamento.

17 ICA 908-1/ Quando distendida e sem mastro, colocar-se-á a Bandeira Nacional de modo que o lado maior fique na horizontal e a estrela isolada em cima, não podendo ser ocultada, mesmo parcialmente, por pessoas sentadas em suas imediações A Bandeira Nacional será sempre acompanhada por uma guarda constituída de cinco ou seis militares Nas Escolas de Formação, a Guarda da Bandeira Nacional será constituída de Cadetes ou Alunos Nas demais OM, a Guarda da Bandeira Nacional será constituída de um Cabo e quatro Soldados. Quando formar com o Estandarte, a guarda será acrescida de mais um Cabo. Os militares formarão harmonicamente o conjunto, tomando como base o Porta-Bandeira Quando duas OM constituírem uma mesma Tropa, a Guarda-Bandeira deverá ser composta pelos Estandartes das respectivas OM, um de cada lado da Bandeira Nacional, acrescida de mais um Cadete, Aluno ou Soldado, para complemento da segunda fileira O Porta-Bandeira será sempre um Oficial Subalterno ou Aspirante a Oficial, armado com espada ou com outro armamento definido por autoridade competente Os Cadetes, os Alunos e os Graduados, indicados para comporem a Guarda- Bandeira, deverão ser previamente escolhidos entre os de melhor porte físico, conduta militar e postura marcial, para representarem de forma destacada a sua OM A apresentação pessoal, a atitude militar e a desenvoltura na ordem unida deverão servir de parâmetros para a indicação O Oficial de maior grau hierárquico indicado para compor a Guarda-Bandeira deverá ser o responsável pelo treinamento da Guarda-Bandeira e do Porta-Estandarte, visando à boa apresentação, observando o que prescreve esta Instrução A Guarda-Bandeira e a do Estandarte deverão ser mantidas em constante treinamento, coordenado por intermédio do Oficial responsável pelo Cerimonial da OM Para o bom desempenho da Guarda-Bandeira e do Porta-Estandarte, deverão ser observados: a) a marcialidade; b) o garbo; c) a apresentação pessoal; e d) as devoluções sincronizadas A Guarda da Bandeira Nacional manterá sempre a baioneta armada Quando a Tropa fizer Apresentar-Arma, a Guarda da Bandeira Nacional fará ou permanecerá naquela posição A guarda receberá o Porta-Estandarte na posição de e o Porta-Bandeira, na posição de.

18 16 ICA 908-1/ A Guarda da Bandeira Nacional executará movimentos de conversões e manejos de arma sob o Comando do Porta-Bandeira Nenhuma bandeira de outra nação poderá ser usada no País sem que esteja ao seu lado direito, de igual tamanho e em posição de realce, a Bandeira Nacional, salvo nas sedes de representações diplomáticas ou consulares São consideradas manifestações de desrespeito à Bandeira Nacional e, portanto, proibidas: a) apresentá-la em mau estado de conservação; b) mudar a forma, as cores, as proporções, o dístico ou acrescentar-lhe outras inscrições; c) usá-la como roupagem, reposteiro, pano de boca, guarnição de mesa, revestimento de tribuna, ou cobertura de placas, retratos, painéis ou monumentos a inaugurar; d) reproduzi-la em rótulos ou invólucros de produtos expostos à venda INCORPORAÇÃO E DESINCORPORAÇÃO DA BANDEIRA NACIONAL Serão realizadas de acordo com o previsto na SEÇÃO IV, CAPÍTULO III, TÍTULO IV do RCONT Incorporação e Desincorporação da Bandeira Nacional Regras gerais: Sequência: a) o local indicado para a Cerimônia de Incorporação da Bandeira Nacional à tropa deverá ser suficientemente amplo, para permitir as evoluções da Guarda da Bandeira Nacional, livre de movimentos e de ruídos impróprios, condizente com a dignidade e o respeito devidos ao símbolo da Pátria; b) o dispositivo inicial da tropa, para receber a Bandeira, deverá apresentar um espaço vago, para a Guarda da Bandeira Nacional, de cerca de dez passos, após o Comandante da Tropa ou de seu Estado-Maior, se houver c) a Guarda-Bandeira deverá estar com a frente voltada para o local de onde virá a Bandeira Nacional; d) em seu deslocamento, do local onde é guardada até o local onde receberá a continência da tropa, a Bandeira Nacional deverá ser, à simples vista, saudada por militares e civis, estes descobertos, e pela Guarda do Quartel, na posição de ; e e) o itinerário a ser percorrido pela Bandeira Nacional e sua Guarda será do último grupamento participante até o local previsto para a sua entrada em forma. a) para a incorporação e desincorporação da Bandeira Nacional, deverá ser observado o ANEXO E; b) para as evoluções de entrada da Bandeira Nacional e do Estandarte na Guarda, deverá ser observado o ANEXO F;

19 ICA 908-1/ c) para as evoluções de Meia-Volta-Volver com o Porta-Bandeira e Porta- Estandarte em forma, deverá ser observado o ANEXO G; e d) para as evoluções da Guarda-Bandeira Direita-Volver e Esquerda- Volver, deverão ser observados os ANEXOS H, I e J Posições da Bandeira Nacional e do Estandarte O Porta-Bandeira e o Porta-Estandarte, quando em forma, assumirão as seguintes posições: a) (estando a tropa na posição de, o Porta-Bandeira, nesta posição, conservará a Bandeira Nacional assentada pelo conto no solo, junto à ponta do pé direito; e a mão direita segurará a haste conjuntamente com o pano, na altura do ombro, mantendo-os na vertical); b) (quando a tropa estiver na posição de, o Porta- Bandeira tomará esta posição, afastando o pé esquerdo cerca de trinta centímetros para a esquerda; a Bandeira Nacional, acompanhando o movimento do Porta-Bandeira, ficará na posição a sua direita); c) (quando a tropa fizer, o Porta-Bandeira, na posição de, descrita na alínea "a" deste item, mantendo o pano enrolado, empunhará a haste mais abaixo, incliná-la-á e a apoiará no ombro direito, levantando o conto do solo, de modo que a mão direita venha a ficar na altura do peito); d) Desfraldar (quando a tropa fizer Apresentar-Arma, a pé firme ou em desfile, a Bandeira Nacional, com o pano desfraldado, será colocada verticalmente no alojamento do conto, no talabarte; e a mão direita segurará a haste, acima do ombro); e e) Abater-Estandarte (quando a tropa fizer Apresentar-Arma, a pé firme ou em desfile, o Porta-Estandarte abatê-lo-á, segurando a haste com a mão direita, junto ao quadril, e a esquerda, com o braço quase estendido, à frente da direita, de modo que a extremidade inferior do Estandarte fique paralela ao solo). Obs: O Porta-Estandarte executará os mesmos movimentos do Porta-Bandeira, exceto quanto ao Desfraldar da Bandeira Nacional, que corresponde ao Abater-Estandarte OUTRAS SITUAÇÕES A Bandeira Nacional nunca será abatida em continência A Bandeira Nacional não atenderá às continências individuais que lhe prestarem os militares A Bandeira Nacional será desfraldada nos seguintes casos: a) quando for comandado para a tropa Apresentar-Arma ; b) quando os Paraninfos apresentarem arma; e c) nos desfiles, em continência à autoridade.

20 18 ICA 908-1/ ESTANDARTES Quando duas OM constituírem uma mesma tropa, a Guarda-Bandeira deverá ser composta pelos Estandartes das respectivas OM, um de cada lado da Bandeira Nacional, acrescida de mais um Cadete, Aluno ou Soldado, para complementar a segunda fileira Quando mais de duas OM fizerem parte de uma mesma tropa, o Estandarte que compõe a Guarda-Bandeira será da OM cujo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário for de maior grau hierárquico Os demais Estandartes formarão a três passos à retaguarda do respectivo Comandante do Grupamento que representa a OM e a três passos à frente da primeira fileira do grupamento Poderão, ainda, formar um único grupamento, desfilando lado a lado, em coluna por dois, três, quatro ou seis; em fileira por um, dois, três, quatro, etc., de acordo com o número de OM participantes, colocados da direita para a esquerda, na ordem de antiguidade do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM. O Estandarte, que será conduzido à frente e ao centro, a três passos à frente da primeira fileira, será o da OM cujo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário é o segundo na hierarquia dos participantes da Cerimônia Nas cerimônias esportivas em que a OM desfilar com o uniforme de educação física, o Porta-Estandarte e a sua Guarda deverão formar com o mesmo uniforme Formando em conjunto com a Bandeira Nacional, o Estandarte será recebido pela tropa, obedecendo ao prescrito no Anexo E Formando isolado, e tendo de ser recebido ou retirado da tropa, o Estandarte terá o mesmo Cerimonial previsto no RCONT para a Bandeira Nacional, com a diferença de que, em vez do Hino Nacional ou de Marcha Batida, será tocado o Hino dos Aviadores ou a canção da OM a que pertencer o Estandarte, e a tropa o receberá em, em vez de Apresentar-Arma O Estandarte isolado, quando em forma com a sua Guarda, terá direito à continência de todos os militares de menor grau hierárquico do que o do cargo ocupado pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM e dos de igual Posto, ainda que mais antigos. O Estandarte não atenderá às continências individuais que lhe fizerem os militares O Estandarte será sempre abatido quando a tropa executar Apresentar-Arma ; e nos desfiles, quando for comandado Em Continência à Autoridade O Porta-Estandarte da OM, quando em forma na Guarda-Bandeira, estará armado com espada, ou com outro armamento definido por autoridade competente, exceto quando estiver com o uniforme de educação física. Nos casos previstos nos itens e , o Porta- Estandarte estará desarmado O Porta-Estandarte será sempre um Oficial Subalterno ou Aspirante-a-Oficial, de menor grau hierárquico que o Porta-Bandeira Nas Escolas de Formação, o Porta-Estandarte será o primeiro Aluno da escola. 2.3 INSÍGNIAS

21 ICA 908-1/ Os tipos, formas, dimensões e cores das Insígnias destinadas à identificação das Autoridades do COMAER são regidos pela ICA Confecção, Aprovação e Emprego dos Símbolos Heráldicos do Comando da Aeronáutica As Insígnias representativas dos Comandantes de Grupamentos subsequentes e a do Comandante da Tropa seguirão a três passos à retaguarda de seus respectivos Comandantes, isoladas do restante da tropa O Porta-Insígnia executará o manejo de arma como as demais Praças Nas formaturas armadas, poderão ser adotadas Insígnias de maior ou de mesmo grau hierárquico ao de Comandante de Companhia A Bandeira-Insígnia ou Distintivo é hasteado quando a autoridade entra na Organização Militar, e arriado logo após a sua saída. (Art. 93 RCONT) Deverá, porém, ser arriada para a solenidade de hasteamento e de arriação da Bandeira Nacional e hasteada, novamente, logo após a solenidade, se a autoridade permanecer na OM Para o hasteamento de Insígnias nas OM, não haverá formalidade militar, devendo ser realizado de forma respeitosa pelo militar para isso designado A Insígnia não poderá ser hasteada em plano mais elevado do que o da Bandeira Nacional. Quando esta for hasteada a meio mastro, aquela deverá ser mantida na mesma altura Nas OM, a Insígnia do Comandante deverá permanecer à esquerda da verga do mastro, ficando o lado direito reservado para a da autoridade visitante Considerar-se-á frente do mastro o lado do mastro onde está colocada a adriça principal Considera-se direita ou esquerda da verga a extremidade que fica à direita ou à esquerda da frente do mastro A Insígnia da Autoridade visitante somente será hasteada quando esta tiver precedência hierárquica sobre o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM Não havendo verga no mastro, a Insígnia da Autoridade visitante será colocada na mesma adriça, acima da Insígnia do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM; nesse caso, a insígnia do visitante só será hasteada se este for de maior grau hierárquico que o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM Quando houver mais de uma OM em uma mesma edificação, será hasteada a Insígnia da Autoridade de maior grau hierárquico presente Quando uma Organização for visitada por Autoridade de outra Força Armada, nacional ou estrangeira, hierarquicamente superior ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, será hasteada a Insígnia do COMAER correspondente ao Cargo ou Posto dessa Autoridade.

22 20 ICA 908-1/ GUARDA DE HONRA E REVISTA DE INSPEÇÃO 3.1 GUARDA DE HONRA A Guarda de Honra é a tropa armada, especialmente postada para prestar homenagem às autoridades referidas no TÍTULO III do RCONT A Guarda de Honra conduz Bandeira Nacional, banda de música, corneteiros ou clarins e tambores; forma em linha, dando a direita para o lado de onde vem a autoridade que se homenageia A autoridade que é recebida por Guarda de Honra, após lhe ser prestada a continência, passa revista à tropa formada, acompanhada do Comandante da Guarda de Honra e da autoridade anfitriã ou seu representante É prerrogativa da autoridade que é recebida por Guarda de Honra dispensar a revista à tropa Com a aproximação da Autoridade homenageada, esta, acompanhada pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, posiciona-se a cerca de cinco passos da testa da tropa e à frente desta, quando então o Comandante da Tropa, com a espada perfilada, dará o Comando de e, em seguida, de O Corneteiro executará o Toque de Presença de Autoridade, de acordo com o previsto no MMA 50-5 Manual de Mestre de Banda de Música A seguir, a Banda de Música executará o hino ou o exórdio de marcha grave a que a autoridade tiver direito O referido toque e a marcha só deverão ser executados depois que a autoridade estiver em condições de corresponder à continência Quando uma Autoridade Militar for recebida por Guarda de Honra, caberá a esta autoridade, ao ser-lhe prestada a continência, conservar-se parada, prestando a continência individual, até o término do Hino ou da Marcha Quando se tratar de Autoridade Civil, esta tomará uma atitude de respeito Os demais militares, não enquadrados na tropa, prestarão a continência individual até findar o Hino ou o Exórdio de Marcha, voltados para a autoridade a quem se presta continência Finda a execução do Hino ou da Marcha, o Comandante da Tropa, com a espada perfilada, dirigir-se-á à autoridade que recebeu o toque de presença, fará Alto, abaterá a espada, e dirá: (Posto, Quadro e nome completo), apresenta a V.Exa. / V.Sa. a tropa em forma pronta para a revista. Caso a cerimônia não tenha revista à tropa, solicita autorização de V.Exa. / V.Sa. para dar início à Cerimônia Militar Após a apresentação, com a espada perfilada, o Comandante da Tropa determinará a execução do toque de "Olhar à Direita" e acompanhará, à esquerda e à retaguarda da autoridade durante a revista.

23 ICA 908-1/ Caso a cerimônia seja realizada sem revista à tropa, o Comandante da Tropa solicitará autorização para retirar-se, perfilará a espada, voltando-se de frente para a tropa, determinando a execução do toque de e, em seguida, cumprirá o previsto nos itens e desta Instrução A Autoridade anfitriã ou seu representante acompanhará a Autoridade homenageada, colocando-se à sua direita e à retaguarda. Neste caso, o Comandante da Guarda de Honra ficará à esquerda e à retaguarda da autoridade homenageada. ( 1º do Art. 115 do RCONT) Durante a revista, a Banda de Música ou Marcial (se houver) tocará uma das marchas ou dobrados previstos no MMA O Assistente do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, se for o caso, e o Corneteiro passarão por trás da tropa, encontrando-se com a autoridade no final da revista. Os acompanhantes da autoridade homenageada deslocam-se diretamente para o local de onde é assistido o desfile da Guarda de Honra ( 2º do Art. 115 do RCONT) Durante a revista, a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar, a Autoridade anfitriã e o Comandante da Tropa, ao defrontarem-se com a Bandeira Nacional, farão Alto, postarse-ão de frente para ela e procederão da seguinte forma: a) a Autoridade fará a continência individual; b) o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM anfitriã fará a continência individual; c) o Comandante da Tropa abaterá espada; e d) se a Autoridade for civil, adotará posição de respeito, curvando-se levemente Após a autoridade e o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM terem feito a continência individual ou a reverência, e o Comandante da Tropa abatido espada, todos darão continuidade à revista à tropa Somente a autoridade que presidir a Cerimônia Militar saudará os Comandantes de Frações, sem voltar-se para eles Finda a revista, o Comandante da Tropa abaterá a espada e dirá: (Posto, Quadro e Nome completo), solicita autorização de V.Exa. / V.Sa. para dar prosseguimento à cerimônia militar Após a saída da autoridade, e com a espada perfilada, o Comandante da Tropa determinará a execução dos toques de "Olhar em Frente", "Ombro-Arma" e "Descansar- Arma" O Comandante da Tropa, com a espada perfilada, dirigir-se-á a uma posição em frente ao seu lugar no dispositivo, de onde mandará executar o toque de "Descansar". Após a tropa tomar a posição de, o Comandante entrará em forma Enquanto isso, a Autoridade, acompanhada pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, estará dirigindo-se para o local que lhe foi designado, a fim de presidir a cerimônia militar, se for o caso.

24 22 ICA 908-1/ REVISTA DE INSPEÇÃO A Revista de Inspeção é o exame procedido por superiores, com a finalidade de verificar a apresentação do militar, o estado de conservação do material de distribuição, bem como a responsabilidade e zelo individual A inspeção pode ser feita em relação à instrução, à mobilização, ao material e ao aquartelamento da tropa O Esquadrão é o elemento básico para a inspeção, o qual poderá ser inspecionado pelo seu próprio Comandante, pelo Comandante da OM ou por uma Autoridade Superior. Outros Oficiais poderão ser designados para fazer a inspeção no Esquadrão A Autoridade poderá inspecionar cada Esquadrão em seu local de formatura ou determinar que essa inspeção seja realizada em outro local A inspeção, sempre que for possível, deverá ser marcada previamente, a fim de que o Esquadrão possa apresentar-se no momento determinado, em condições de ser inspecionado As inspeções nas OM poderão ser feitas pelo próprio Comandante, Chefe, Diretor, Secretário ou por Autoridade Superior Quando se tratar de OM que possua Banda de Música ou Marcial, ela formará de acordo com o previsto no MMA As viaturas, quando formadas, deverão constituir um Grupamento distinto dos elementos a pé A inspeção deverá ser minuciosamente regulada por instruções prévias do Comandante da OM Quando a inspeção for feita pelo próprio Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, esta formará sob o Comando do Subcomandante, Vice-Chefe, Vice-Diretor ou Vice- Secretário, que mandará participar ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário, tão logo a Organização estiver pronta Com a aproximação do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, o Subcomandante, Vice-Chefe, Vice-Diretor ou Vice-Secretário comandará, e Apresentar-Arma, se for o caso, dirigir-se-á ao seu encontro, fará a apresentação individual (Posto, Quadro e Nome completo), Subcomandante, Vice-Chefe, Vice-Diretor ou Sub-Secretário da OM, e, ao final, dirá: apresenta o (a) (nome da OM), PRONTO (A) PARA A INSPEÇÃO Após, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM determinará que o Subcomandante, Vice-Chefe, Vice-Diretor ou Vice-Secretário comande: Descansar-Arma, se for o caso, e A inspeção na OM será realizada conforme as normas prescritas para o Esquadrão Durante a inspeção feita no Esquadrão, o seu Comandante acompanhará o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, devendo, também, cada Comandante de Fração acompanhar essa autoridade durante a inspeção de sua Fração.

25 ICA 908-1/ O Subcomandante, Vice-Chefe, Vice-Diretor ou Vice-Secretário e o Corneteiro deverão acompanhar o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM durante a inspeção A inspeção deverá ser encerrada com desfile da tropa, sob o comando do Subcomandante, Vice-Chefe, Vice-Diretor ou Vice-Secretário, que será assistido pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM Se a autoridade que inspecionar a OM for outra que não o seu próprio Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário, a este caberá cumprir as determinações da autoridade inspetora, as quais não deverão afastar-se do prescrito nesta Instrução. A autoridade que for realizar a inspeção será recebida, previamente, com as Honras Militares de Estilo a que tiver direito O Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, com os oficiais necessários de seu Estado-Maior, deverá acompanhar a autoridade inspetora durante a inspeção, a fim de fornecer-lhe os esclarecimentos que, porventura, forem solicitados.

26 24 ICA 908-1/ CERIMÔNIAS MILITARES GERAIS E DESFILES 4.1 DISPOSITIVOS PARA AS CERIMÔNIAS MILITARES A Cerimônia Militar com a Bandeira Nacional tem o seguinte dispositivo: a) Banda de Música ou Marcial; b) Comandante da Tropa; c) Estado-Maior, se for o caso; d) Guarda-Bandeira, se for o caso; e) Grupamento de Bandeiras Históricas ou de Estandartes, quando for o caso; e f) Grupamentos, que podem ser divididos em Batalhões, Esquadrões, Companhias, Esquadrilhas ou Pelotões A Cerimônia Militar sem a Bandeira Nacional tem o seguinte dispositivo: a) Banda de Música ou Marcial; b) Comandante da Tropa; c) Estado-Maior, se for o caso; e d) Grupamentos, que podem ser divididos em Batalhões, Esquadrões, Companhias, Esquadrilhas ou Pelotões Em geral, a cerimônia militar das OM do COMAER, com presença de tropa bom tempo e mau tempo (ANEXO L), constará de: a) Abertura; b) Incorporação da Bandeira Nacional, se for o caso; c) Chegada da Autoridade que presidirá a cerimônia militar; d) Apresentação da tropa; e) Desenvolvimento da cerimônia conforme roteiro aprovado pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretario da OM, e de acordo com o Previsto no Cerimonial do Ministério da Defesa, quando o Ministro da Defesa estiver presidindo; e f) Desfile militar Se a cerimônia militar for realizada em local que impossibilite o desfile militar, este item será substituído pela apresentação da tropa para o encerramento da Cerimônia Militar Após a chegada do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, a Cerimônia Militar desenvolver-se-á segundo a programação prevista para o evento, cuja sequência será lida pelo locutor As escolas de formação deverão realizar as suas cerimônias militares de acordo com o previsto para cada situação (Espadim, Formação de Oficiais, Formação de Sargentos, etc.), obedecendo o RCONT e, sempre que possível, o previsto nesta Instrução. 4.2 PREPARATIVOS PARA AS CERIMÔNIAS MILITARES

27 ICA 908-1/ Os grupamentos escolares e os grupamentos das subunidades de tropa que possuam dispositivos próprios, tais como: Batalhões, Esquadrões, Esquadrilhas, Companhias ou Pelotões, poderão ser mantidos com esses dispositivos Os grupamentos serão compostos por Oficiais e Praças O Comandante da Tropa deverá proceder a treinamentos gerais para a realização de Cerimônias Militares extraordinárias, visando ao perfeito adestramento da tropa Nas cerimônias militares extraordinárias, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM deverá aprovar uma Nota de Serviço (NS), estabelecendo todas as diretrizes e as atribuições necessárias à realização do evento, incluindo um roteiro detalhado (com croqui), para ser lido num sistema de áudio, de forma gradativa e antecipada a cada fase O roteiro deverá conter todos os detalhes, inclusive os toques de corneta que serão executados POSIÇÕES DE BANDEIROLAS NO DESFILE (ANEXO M) Bandeirolas serão utilizadas para demarcar o local em que a tropa deverá formar e o terreno da linha que baliza o desfile (linha de marcha) Bandeirolas amarelas serão utilizadas nos pontos de mudança de Direção do desfile, se for o caso Durante o desfile, serão utilizadas, ainda, três bandeirolas antes e duas após o local onde ficará a autoridade, as quais serão dispostas a distâncias padronizadas e darão indicações aos participantes do desfile, como se segue: a) primeira bandeirola (branca), colocada a trinta passos antes do homenageado, onde será dado o toque de e Em Continência à Direita (Esquerda), sendo repetido até o nível Batalhão, inclusive (esse toque servirá apenas para alertar a tropa). O Comandante da Tropa e os Oficiais, até o nível de Comandante de Companhia ou Esquadrilha, deverão, a partir deste momento, Perfilar-Espada ; b) segunda bandeirola (azul), colocada a vinte passos antes do homenageado, indica que: - os Comandantes de Subunidades comandarão, à viva voz, o seu Grupamento Companhia Sentido e Em Continência à Direita (Esquerda) ; Obs: Os comandos previstos acima também poderão ser executados a toques de corneta. - os Comandantes de Unidade e de Subunidade, em viaturas, levantar-seão; e - os Oficiais, com espadas desembainhadas, as perfilarão, sem olhar à direita (esquerda). c) terceira bandeirola (vermelha), colocada a dez passos antes do homenageado, indica que:

28 26 ICA 908-1/ os Comandantes de Pelotão (Seção) comandarão: Pelotão (Seção) Sentido e Olhar à Direita (Esquerda) ; Obs: Os comandos previstos acima também poderão ser executados a toques de corneta. - a Bandeira Nacional será desfraldada e o Estandarte, abatido; - as Bandeiras Históricas serão desfraldadas; - os Comandantes de Unidade e de Subunidade, em viaturas, farão a continência individual, encarando a Bandeira Nacional ou a Autoridade; - os Comandantes de Unidade e de Subunidade abaterão espada, encarando a Bandeira Nacional ou a Autoridade; quando estiverem sem espada ou com ela embainhada, farão a continência individual, encarando a Bandeira ou a Autoridade; os demais Oficiais, com espadas desembainhadas, as perfilarão; - os Oficiais portando outra arma farão a continência individual, sem encarar a Autoridade; - os componentes da Guarda-Bandeira, músicos, corneteiros, tamboreiros, condutores e porta-símbolos não olharão à direita/esquerda nas continências em desfile; e - os componentes do Estado-Maior, com espadas embainhadas, ao comando do Militar de maior grau hierárquico, executarão a continência individual sem olhar à esquerda ou à direita. d) quarta bandeirola (vermelha), colocada a dez passos depois do homenageado, indica que: - os movimentos de espada ou continência individual deverão ser desfeitos; - os mesmos elementos que comandaram Olhar à Direita (Esquerda) comandarão: Pelotão (Seção) Olhar em Frente ; Obs: Os comandos previstos acima também poderão ser executados a toques de corneta. - a Bandeira Nacional e o Estandarte voltarão à posição de Ombro- Arma ; - as Bandeiras Históricas voltarão à posição de ; - os Comandantes de Unidade e de Subunidade, em viaturas, desfarão a continência individual; - os Comandantes de Unidade e de Subunidade perfilarão espadas; - os Oficiais portando outra arma desfarão a continência; e - os componentes do Estado-Maior, com espadas embainhadas, ao comando do militar de maior grau hierárquico, desfarão a continência. e) quinta bandeirola (branca), colocada a quinze passos depois do homenageado, indica que: - os Comandantes de Unidade e de Subunidade, em viaturas, sentar-seão;

29 ICA 908-1/ os Oficiais a pé, com espadas desembainhadas, trarão a espada à posição de marcha; e - a tropa seguirá o seu destino. 4.3 PRESCRIÇÕES PARA A BANDA DE MÚSICA E/OU MARCIAL Nas formaturas externas ou internas, as Bandas poderão adornar os instrumentos musicais com flâmulas, com figuras ou cores heráldicas, brasões pintados, indicativos da Organização, nos taróis, tambores, bumbos, etc, desde que autorizados pelo Comandante da OM A cadência durante os desfiles deverá ser entre cento e dez e cento e vinte passos por minuto Nas cerimônias militares do COMAER as Bandas de Música executarão hinos, canções, dobrados ou marchas de caráter cívico-militar Nos dias de Luto Nacional e no dia de Finados, as Bandas de Música permanecem em silêncio. (Art. 154 do RCONT) 4.4 PRESCRIÇÕES PARA O COMANDANTE DA TROPA O Comandante da Tropa será um oficial designado pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM e o responsável pelo treinamento, apresentação e desfile durante a cerimônia militar, de acordo com a NS devidamente aprovada, no âmbito da OM O Comandante da Tropa deverá inteirar-se, antes do treinamento, dos procedimentos a serem adotados, principalmente os prescritos no cerimonial militar Caber-lhe-á, também, exigir da tropa o fiel cumprimento das normas previstas nesta Instrução, com ênfase no garbo e na marcialidade. Além disso, deverá zelar para que todos os integrantes da tropa estejam com seus uniformes adequadamente preparados para a cerimônia militar O Comandante da Tropa deverá estabelecer o dispositivo da formatura, dividindo o pessoal em Grupamentos Os Grupamentos de uma Cerimônia Militar, dependendo do efetivo, formarão em coluna por três, seis, nove ou doze. 4.5 PRESCRIÇÕES PARA O ESTADO-MAIOR O Estado-Maior da Tropa formará logo atrás do Comandante da Tropa e terá dispositivo variável, de acordo com o efetivo da OM O Estado-Maior será composto pelos oficiais de maior grau hierárquico dos grupamentos que integram a tropa na cerimônia militar O Estado-Maior formará, quando armado, com as espadas embainhadas. 4.6 GRITO DE GUERRA

30 28 ICA 908-1/ PROCEDIMENTOS O grito de guerra deverá ser claro e objetivo, executado entre o início e o término da continência ao símbolo ou à autoridade, observado o previsto no item desta Instrução Ao ser comandado Olhar à Direita, os integrantes de cada grupamento, armado ou não, executarão o grito de guerra previsto Esse grito de guerra deverá ser executado de modo que a sílaba tônica de cada palavra coincida com a batida do pé esquerdo no solo O movimento de Olhar à Direita deverá coincidir com a pronúncia da sílaba tônica da palavra que irá iniciar o grito de guerra A tropa armada, estando em, executará os movimentos para passar à posição de Cruzar-Arma, simultaneamente com o grito de guerra Independente da quantidade de movimentos necessários para a execução do Cruzar- Arma, o movimento de Olhar à Direita será sempre na pronúncia da sílaba tônica da palavra que irá iniciar o grito de guerra Ao comando de Olhar em Frente, os integrantes de cada grupamento efetuarão o movimento de. 4.7 DISTÂNCIAS ENTRE GRUPAMENTOS E COMPONENTES DA TROPA Entre os Grupamentos e os componentes da tropa deverão ser observadas as seguintes distâncias: a) Banda de Música ou Marcial e o Comandante da Tropa: dez passos; b) Comandante da Tropa e o Porta-Insígnia: três passos; c) Porta-Insígnia e o Estado-Maior, quando houver: três passos; d) Estado-Maior e a Guarda-Bandeira: dez passos; e) Guarda-Bandeira e o Grupamento de Bandeiras Históricas ou entre a Guarda-Bandeira e o Comandante do 1 o Grupamento: dez passos; f) Comandante do 1º Grupamento e o Porta-Insígnia do respectivo Grupamento: três passos; g) Porta-Insígnia do 1 o Grupamento e a testa do Grupamento: três passos; h) Retaguarda do 1 o Grupamento até o Comandante do 2 o Grupamento: dez passos; e i) Os demais dependerão da quantidade de Grupamentos em forma na Cerimônia Militar, seguindo as prescrições definidas no item 4.7 desta Instrução. Obs: 1 - Logo após o Comandante da Tropa, à sua esquerda, ficará o Corneteiro. 2 - As distâncias entre Grupamentos e componentes da tropa estão discriminadas no Anexo K. 4.8 PROCEDIMENTOS DIVERSOS

31 ICA 908-1/ Nas cerimônias armadas, deverão ser adotadas Insígnias para o Comando de Companhia ou Esquadrilha, ou para os de maior escalão A critério do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, poderão ser utilizados animais como mascotes, com a finalidade de dar maior brilhantismo às formaturas Nos desfiles, entre o início e o término da continência (a símbolo ou à autoridade), a tropa deverá acentuar o movimento de pernas e a batida do pé no solo, e as praças, ainda, deverão executar um movimento de arma (se armados) Nas cerimônias internas, o uniforme poderá ser estabelecido pelo Comandante da OM, de acordo com o tipo de cerimônia; para as externas, o uniforme será o estabelecido no RCA 35-2 Regulamento de Uniformes para os Militares da Aeronáutica (RUMAER) Nas Cerimônias Militares, por ocasião dos desfiles, deverão ser adotados os seguintes procedimentos com relação ao movimento de braços: a) os braços oscilarão, alternadamente, paralelos ao sentido do deslocamento, retesados, rente ao corpo, até a altura do ombro do companheiro da frente; e b) mão espalmada voltada para baixo, dedos unidos, no prolongamento do antebraço Na cerimônia em que não esteja prevista a revista à tropa, o Comandante da Tropa, com o dispositivo pronto, aguardará a autoridade que a presidirá em frente à Tribuna de Honra, em local previamente estabelecido Caso haja na OM pessoal recentemente incorporado, este, em princípio, não participará de desfiles externos O Porta-Insígnia executará o movimento de armas como as demais praças componentes da tropa e o Olhar à Direita quando a tropa for passada em revista Os componentes da Banda de Música ou Marcial, da Guarda-Bandeira e do Grupamento das Bandeiras Históricas não olharão à direita quando a tropa for passada em revista Quando os Ex-Comandantes, Ex-Chefes, Ex-Diretores, Ex-Secretários, ex-integrantes da OM ou outros homenageados forem desfilar, deverá ser observado o seguinte: a) o Comandante da Tropa deverá reservar espaço entre a Guarda-Bandeira, ou o Grupamento de Bandeiras Históricas, ou Grupamento de Estandartes, e o primeiro Grupamento; b) o Militar de maior grau hierárquico deverá colocar os Militares e Civis (Ex- Militares) em forma, deixá-los prontos e comandá-los durante o desfile; e c) Comandante da Tropa deverá dar prosseguimento à cerimônia militar, tão logo o grupamento a que se refere o item esteja pronto As disposições constantes deste Capítulo deverão ser utilizadas em todas as OM do COMAER. Quaisquer propostas de modificações deverão ser submetidas à apreciação do Comandante da Aeronáutica. 4.9 CONFECÇÃO DE ROTEIROS

32 30 ICA 908-1/2012 Nos textos dos roteiros, ao ser anunciada uma autoridade, será feita referência ao pronome de tratamento correspondente, seguido do cargo que exerce, do posto e do nome completo. O pronome de tratamento relacionado à autoridade (Excelentíssimo Senhor ou Senhor) deve ser utilizado na primeira e na última citações do roteiro, em que a respectiva autoridade for mencionada, podendo ser suprimido no decorrer de outras citações deste roteiro, usando-se apenas o cargo ou o posto, nome completo ou nome de guerra da autoridade mencionada, conforme modelos em anexo.

33 ICA 908-1/ EMBARQUE E DESEMBARQUE DE AUTORIDADES 5.1 CHEGADA E EMBARQUE DE AUTORIDADES As homenagens, por ocasião do embarque de autoridades, serão prestadas por uma ala de Polícia de Aeronáutica (PA) constituída de um sargento, comandante da ala; um cabo, seis soldados, e um corneteiro. As figuras são apresentadas no Anexo N Essa ala poderá ser dispensada por ato do Comandante da Aeronáutica (CMTAER) ou por iniciativa da própria Autoridade homenageada As viaturas que conduzem autoridades serão encaminhadas diretamente ao local de embarque, de acordo com as normas internas e específicas de cada OM Quando a autoridade se deslocar em helicóptero para posterior embarque em outra aeronave ou viatura, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM deverá providenciar local adequado para o pouso para o helicóptero, o mais próximo possível do avião ou da viatura à disposição da autoridade Nos casos previstos em e 5.1.3, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, ou seu representante, já deverá encontrar-se no local designado para embarque da autoridade, para recebê-la, na qualidade de anfitrião, à frente das demais autoridades, fazendo o acompanhamento e cumprindo o ritual de embarque Ao deixar a viatura ou a aeronave, a autoridade será recebida pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, ou seu representante, que a encaminhará para a posição de onde receberá as Honras Militares de Estilo a que tiver direito No espaço de tempo compreendido entre a chegada da autoridade e o seu embarque, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, ou seu representante, deverá encaminhá-la a um local apropriado, onde possa esperar, com conforto, até que os últimos preparativos para o embarque se realizem, quando for o caso Após ter sido cientificado de que a viatura ou a aeronave está pronta, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM convidará a autoridade para o embarque Durante o deslocamento da autoridade para o local de embarque, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM caminhará à sua esquerda, a um passo atrás O Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM acompanhará a autoridade até a distância de um metro antes da ala, local em que solicitará que a autoridade aguarde as honras militares de estilo, e deslocar-se-á por fora, contornando a ala, até a outra extremidade, próximo à escada da aeronave ou à porta da viatura. Neste instante, iniciar-se-ão os toques previstos (ver 5.2.6); após o que, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM aguardará a autoridade passar através da ala Somente a autoridade que estiver recebendo as honras militares de estilo deslocar-seá através da ala A ala estará postada a dois metros do pé da escada da aeronave ou a dois metros da porta da viatura, com os Soldados em linha de duas fileiras, em confronto, devendo estar em

34 32 ICA 908-1/2012 posição com uma antecedência de quinze minutos em relação à hora prevista para o embarque da autoridade A dois metros do pé da escada da aeronave ou a dois metros da porta da viatura, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM despedir-se-á da autoridade, permanecendo a ala em "Apresentar-Arma" Após o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM se despedir da autoridade, o Comandante da Ala comandará "Descansar Arma", retirando-a em Ordinário-Marche da área de embarque. 5.2 DESEMBARQUE DE AUTORIDADES A maior Autoridade desembarcará em primeiro lugar A comitiva e os demais passageiros aguardarão no interior da aeronave, até que se proceda às Honras Militares de Estilo a que tiver direito a autoridade, para, então, desembarcarem, por ordem de precedência hierárquica No caso de transporte em viaturas, a comitiva e os demais passageiros desembarcarão simultaneamente com a autoridade e tomarão posição de respeito A ala deverá estar no local de desembarque com antecedência de quinze minutos em relação à hora prevista para o pouso da aeronave ou para a chegada da viatura Imediatamente após o estacionamento da aeronave e a parada dos motores, o Comandante da Ala deverá posicioná-la a dois metros do pé da escada da aeronave na posição de. Assim que a autoridade surgir à porta da aeronave, o Comandante da Ala deverá comandar. A autoridade deverá assumir a posição de ou postura respeitosa a um passo da ala Em relação à viatura, a ala já estará postada no local predeterminado pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, cabendo à equipe de trânsito (PA) orientar o veículo para que este pare próximo à ala As Honras Militares de Estilo se iniciarão com o toque de corneta correspondente à autoridade que desembarcar, no momento em que a autoridade estiver posicionada no local previsto, defrontando-se com o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, ou seu representante, que estará, neste momento, a um passo da ala, na extremidade oposta à da autoridade: a) o Comandante da Ala determinará que o corneteiro dê o Toque de Presença correspondente à autoridade. Logo após o Toque de Presença, o corneteiro executará Apresentar-Arma e o exórdio correspondente à autoridade homenageada, ao mesmo tempo em que todos os presentes e os integrantes da ala prestarão a continência individual; e b) o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, ou seu representante, aguardará a autoridade passar através da ala. Obs: O Corneteiro, antes de executar os toques comandados, fará Meia-Volta- Volver, ou seja, ficará de costas para a ala, conforme Anexo N.

35 ICA 908-1/ Após os cumprimentos regulamentares, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM convidará a autoridade para deslocar-se até a sala de espera ou o local em que se encontra a viatura à sua disposição Neste deslocamento, serão observados os procedimentos previstos no item 5.1, no que couber Após a passagem da autoridade através da ala, e já afastada cerca de cinco passos, o Comandante da Ala comandará "Descansar-Arma", retirando-a do local em Ordinário- Marche Tão logo a autoridade embarque na aeronave ou na viatura e abandone o local, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM dará por encerrada a Cerimônia e dispensará seus participantes À autoridade, por ocasião de sua passagem pelo Portão da Guarda, saindo ou entrando na OM, não será prestada continência por guarda formada. Apenas a continência regulamentar será executada pela Sentinela. 5.3 UNIFORMES O uniforme previsto para ala e corneteiro será o 16º UNIFORME C ou 17º UNIFORME A O uniforme dos oficiais que comparecerem à cerimônia será aquele determinado pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, ouvido o Comandante da Guarnição da Aeronáutica da Área, quando for o caso, de acordo com o previsto no RCA 35-2 (RUMAER). 5.4 FORMALIDADES PARA VISITAS OFICIAIS As honras militares a serem prestadas às autoridades que chegarem à OM em visita Oficial serão executadas por uma Guarda de Honra, quando determinado: a) por Autoridade Superior, dentro da cadeia de Comando, ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM; e b) pelo próprio visitante, somente quando se tratar da primeira visita, ou inspeção feita à OM que lhe for subordinada Quando se tratar de visita oficial a serviço na Organização, não enquadrada nas situações estabelecidas acima, a autoridade visitante terá direito apenas a uma ala de PA Ainda que a autoridade visitante seja recepcionada com Guarda de Honra no interior da OM, ao desembarcar e embarcar em aeronave militar, em aeródromo ou em aeroporto sob controle do COMAER, terá direito a uma ala de PA Terão direito à Guarda de Honra ou à ala de PA, no embarque e no desembarque, as autoridades civis e militares previstas no Art. 110 RCONT A Guarda de Honra ou a ala de PA só será formada quando o Comandante for notificado em tempo hábil.

36 34 ICA 908-1/ As Honras Militares, com Guarda de Honra, serão prestadas de acordo com previsto no Item 4 desta Instrução e de acordo com o que preceitua o TÍTULO III do RCONT A chegada e a partida do Presidente da República, bem como as Honras Militares que lhe são prestadas, serão coordenadas pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. 5.5 FORMALIDADES PARA VIAGENS DE ROTINA Quando se tratar de embarque e de desembarque de autoridades em OM ou em aeródromo sob o controle do COMAER, para pouso técnico ou simples apoio, não serão prestadas Honras Militares com Guarda de Honra ou Ala de PA, bem como não será executado o Toque de Presença correspondente à autoridade no Portão da Guarda; contudo, a autoridade deverá ser recebida pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, ou seu representante, à porta da aeronave ou da viatura Os demais procedimentos serão adaptados de acordo com o previsto nos itens 5.1 e 5.2 desta Instrução, excetuando-se os procedimentos referentes à ala de PA. 5.6 PROCEDIMENTOS DIVERSOS No caso de pouso técnico ou trânsito de aeronave que conduz autoridade, sem que tenha havido comunicação à OM em tempo hábil, não serão aplicadas as disposições previstas no item Nessa eventualidade, o Comandante da OM ou o Oficial de Dia ou de Operações irá ao encontro da autoridade, tão logo tenha conhecimento do fato Superado o problema técnico, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM ou seu representante fará cumprir, para o reembarque da autoridade, o previsto no item 5.1, excetuando os procedimentos referentes à ala de PA Em OM em que ocorrer uma visita oficial, na chegada e na partida das autoridades, quando estiverem previstas honras militares com ala, as homenagens somente serão prestadas à autoridade de maior grau hierárquico, de acordo com o RCONT Nos embarques e desembarques de autoridades em viagens de rotina, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, no seu impedimento, poderá fazer-se representar por oficial especialmente designado A Ala de PA formará, em continência à autoridade, a qualquer hora do dia ou da noite, exceto quando se tratar do Presidente e do Vice-Presidente da República, ocasião em que será ouvido o Cerimonial da Presidência da República, bem como da Vice-Presidência da República.

37 ICA 908-1/ CERIMÔNIAS MILITARES COTIDIANAS DAS ORGANIZAÇÕES MILITARES 6.1 CERIMÔNIA MILITAR SEMANAL/MENSAL, COM O CANTO DO HINO NACIONAL, APRESENTAÇÃO DOS MILITARES RECÉM-TRANSFERIDOS E PROMOÇÃO DE OFICIAIS E/OU GRADUADOS Com o propósito de manter a uniformidade, o espírito de corpo e o elã dos militares das OM, os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários deverão programar e fazer constar da rotina de sua OM a Cerimônia Militar Semanal/Mensal. 6.2 REGRAS GERAIS O Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM deverá, sempre que possível, fazer menção aos militares recém-promovidos e transferidos, em cerimônia militar Semanal/Mensal Nessa cerimônia, não haverá revista à tropa; será realizada com os grupamentos desarmados, sem o Porta-Bandeira e a sua Guarda A cerimônia militar semanal/mensal, com o canto do Hino Nacional, apresentação dos militares recém-transferidos e promoção de oficiais e/ou graduados, conforme Anexo O, obedecerá ao seguinte roteiro: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) canto do Hino Nacional; e) apresentação de militares recém-transferidos, se for o caso; f) promoção de graduados, se for o caso; g) entrega de distintivos; h) promoção de oficiais, se for o caso; i) entrega de distintivos; j) desfile militar; e k) encerramento Quando houver oficiais e graduados promovidos, as alíneas f, g, h, e i poderão ser transformadas em apenas duas, a saber: UNIFORME a) promoção de oficiais e graduados; e b) entrega de distintivos O uniforme previsto para a Cerimônia Militar Semanal/Mensal, com o Canto do Hino Nacional, Apresentação dos Militares recém-transferidos e Promoção de Oficiais e/ou Graduados, será o 7º UNIFORME A ou B, a critério do Comandante, Chefe, Diretor, ou Secretário da OM.

38 36 ICA 908-1/ PASSAGEM DE COMANDO, CHEFIA, DIREÇÃO OU SECRETARIA E PASSAGEM DE LIDERANÇA EM VOO 7.1 REGRAS GERAIS Independente de haver uma Autoridade Militar de maior grau hierárquico presente na cerimônia, o Ato de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria deverá ser presidido pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM do escalão imediatamente superior na Cadeia de Comando A Autoridade Militar de maior grau hierárquico presente, contudo, deverá presidir a cerimônia, recebendo as Honras Militares de Estilo que lhe forem devidas. Se a maior autoridade for Civil, recebe apenas as Honras Militares, devendo a autoridade militar de maior grau hierárquico presidir a cerimônia 7.2 PASSAGEM DE COMANDO, CHEFIA, DIREÇÃO OU SECRETARIA, COM PRESENÇA DE TROPA (BOM E MAU TEMPO) A Cerimônia Militar de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria (Bom Tempo/Mau Tempo), conforme Anexos P, Q e R, obedecerá à seguinte sequência: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da Tropa; d) adoção do dispositivo para a Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria; e) leitura do Ato de Exoneração; f) palavras de despedida do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituído; g) leitura do Ato de Designação; h) passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria; i) passagem em revista à tropa pelo novo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto; j) leitura da síntese biográfica do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto; k) apresentação dos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituídos e substitutos à Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo; l) palavras da Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo; m) retorno da Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo e do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituído para a Tribuna de Honra; n) desfile da Tropa, em caso de bom tempo, em continência ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto ou apresentação da Tropa para encerramento da Cerimônia Militar, em caso de mau tempo, à Autoridade Militar do Comando da Aeronáutica da Ativa de maior grau hierárquico; e

39 ICA 908-1/ o) encerramento Nessa cerimônia, todo o efetivo da OM entrará em forma, preferencialmente, sob o comando do segundo mais antigo da OM. 7.3 PASSAGEM DE COMANDO, CHEFIA, DIREÇÃO OU SECRETARIA, SEM PRESENÇA DE TROPA, EM SALA DO COMANDO, EM SALÃO NOBRE OU EM AUDITÓRIO A Cerimônia Militar de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, sem presença de Tropa, será realizada na Sala do Comando, em Salão Nobre, em Auditório, ou em outro local designado por Autoridade competente, conforme Anexos S e T, e obedecerá à seguinte sequência: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) adoção do dispositivo para a Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria; d) leitura do Ato de Exoneração; e) palavras de despedida do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituído; f) leitura do Ato de Designação; g) passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria; h) leitura da síntese biográfica do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto; i) apresentação dos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituído e substituto à Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo; j) palavras da Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo; e k) encerramento Na Transmissão de Cargo, os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituído e substituto, postados lado a lado, de frente para a tropa ou para a assistência e perante a Autoridade que presidirá o Ato de Passagem de Cargo, procederão da seguinte forma: a) os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituído e substituto, com a frente voltada para a tropa, tomarão a posição de e perfilarão espadas, caso a Cerimônia Militar seja realizada na presença de tropa; b) os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituídos e substitutos, sem cobertura, com a frente voltada para a assistência, tomarão a posição de, caso a Cerimônia Militar seja realizada em Sala de Comando, em Salão Nobre ou em Auditório; c) o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário a ser substituído pronunciará, em voz alta e clara: Entrego o Cargo de Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário do(a) (nome da OM) ao (Posto, Quadro e nome completo do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto) ;

40 38 ICA 908-1/2012 d) o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto pronunciará, em voz alta e clara: Assumo o Cargo de Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário do (a)... (nome da OM); e) após a Passagem e o Recebimento do Cargo, os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituídos e substitutos voltar-se-ão um de frente para o outro e abaterão, simultaneamente, as espadas (com a presença de tropa), ou farão a continência individual, caso a Cerimônia Militar seja realizada em Sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório; f) a Banda de Música rufará tambores, se for o caso; g) os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituídos e substitutos, posicionados de frente um para o outro, perfilarão as espadas, voltar-se-ão de frente para a tropa, descansarão armas e tomarão a posição de, caso a Cerimônia Militar seja realizada perante a tropa; e h) os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituídos e substitutos, posicionados de frente um para o outro, desfarão a continência individual, voltarão a frente para a assistência e tomarão a posição de, caso a Cerimônia Militar seja realizada em Sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório; i) em seguida, somente o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituído embainhará a espada, caso a Cerimônia Militar seja realizada com presença da tropa A apresentação dos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituídos e substitutos à Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo obedecerá à seguinte sequência: a) os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituídos e substitutos tomarão a posição de e se voltarão de frente para a Autoridade que preside o Ato. O Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituído fará a continência individual e dirá: (Posto, Quadro e Nome completo, desfazendo a continência em seguida) apresenta-se a Vossa Excelência/Vossa Senhoria por haver entregue o Cargo de Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário do(a) (nome da OM) ; b) a Autoridade que preside o Ato de Passagem dirá apresentado e pronunciará algumas palavras, se assim o desejar; c) o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto fará a continência individual e dirá: (Posto, Quadro e Nome completo, desfazendo a continência em seguida) apresenta-se a Vossa Excelência/Vossa Senhoria por haver assumido o Cargo de Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário do(a) (nome da OM) ; e d) a Autoridade que preside o Ato de Passagem dirá apresentado e pronunciará algumas palavras, se assim o desejar; após este pronunciamento, ambos os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários voltarão a frente para a tropa. 7.4 PASSAGEM DE LIDERANÇA EM VOO E DE COMANDO DE UNIDADE AÉREA (UAe), QUANDO REALIZADA NO MESMO DIA.

41 ICA 908-1/ A Cerimônia Militar de Passagem de Liderança em Voo e de Comando de UAe será dividida em duas partes, a saber: a) Passagem de Liderança em Voo; e b) Passagem de Comando PASSAGEM DE LIDERANÇA EM VOO A tropa estará formada na posição de, com a frente voltada para o local onde as aeronaves da UAe sobrevoarão para a Passagem de Liderança em Voo Após a realização da Passagem de Liderança em Voo e o estacionamento das aeronaves, os Comandantes substituído e substituto e os demais integrantes da formação deslocar-se-ão para o dispositivo previsto na NS, para o prosseguimento da Cerimônia Militar de Passagem de Comando, caso as duas Cerimônias sejam realizadas no mesmo dia A quantidade de aeronaves para a Passagem de Liderança em Voo será definida em função da disponibilidade da UAe As UAe deverão implementar todas as providências necessárias para que a tropa e os convidados possam ouvir o Ato de Passagem de Liderança em Voo A Cerimônia Militar de Passagem de Liderança em Voo da UAe poderá ser realizada no mesmo dia da Passagem de Comando, conforme a disponibilidade da autoridade que presidirá o Ato A Cerimônia Militar de Passagem de Liderança em Voo e de Comando de UAe, quando realizada no mesmo dia, conforme Anexo U, constará de: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) Passagem de Liderança em Voo; e) histórico do(a) (nome da UAe); f) apresentação da Banda de Música, se for o caso; g) deslocamento da UAe; h) adoção do dispositivo para a Passagem de Comando; i) leitura do Ato de Exoneração; j) palavras de despedida do Comandante substituído; k) leitura do Ato de Designação; l) passagem de Comando; m) passagem em revista à UAe pelo Comandante substituto; n) apresentação dos Comandantes substituído e substituto à Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo; o) palavras da Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo;

42 40 ICA 908-1/2012 p) deslocamento da Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo e do Comandante substituído para o dispositivo; r) retorno da UAe à tropa; s) desfile da tropa em continência à autoridade de maior grau hierárquico presente; e t) encerramento Nesta Cerimônia Militar, o Grupamento da UAe deslocar-se-á para o dispositivo previsto, sob o comando do Operações da Unidade ou do oficial escalado, de acordo com os seguintes procedimentos: a) Tão logo a UAe esteja em forma, o comandante do grupamento deverá deslocá-la para o dispositivo e deixá-la pronta; b) O comandante da tropa deverá dar prosseguimento à Cerimônia Militar, logo o grupamento a que se refere a alínea a deste item esteja pronto; c) O Grupamento da UAe será comandado à viva voz; d) Para a passagem em revista à UAe, o comandante da tropa ordenará o toque de sentido, e o comandante do grupamento da UAe comandará Olhar à Direita ; ao término, comandará Olhar em Frente, e o Comandante da Tropa, ; e) Após a apresentação dos comandantes substituído e substituto à Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo, o comandante do grupamento da UAe deverá comandar o retorno do grupamento ao dispositivo inicial; e f) Após o posicionamento do grupamento da UAe, o comandante da tropa deverá dar prosseguimento à Cerimônia Militar A Passagem de Liderança em Voo, quando realizada em dia diferente ao da Passagem de Comando, conforme Anexo V, constará de: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a cerimônia militar; c) apresentação da tropa; d) passagem de liderança em voo; e) histórico da UAe, se for o caso f) apresentação da Banda de Música, se for o caso; g) apresentação dos Comandantes substituído e substituto à Autoridade que preside a Cerimônia Militar, se for o caso; h) palavras da Autoridade que preside a Cerimônia Militar, se for o caso; i) apresentação da tropa para encerramento da Cerimônia Militar; e j) encerramento Nesta Cerimônia Militar, a tropa será composta pelo grupamento da UAe Nas Cerimônias Militares previstas nos itens e , os militares envolvidos na Passagem de Liderança em Voo, após o pouso das aeronaves, deverão incorporar-se ao

43 ICA 908-1/ Grupamento da UAe, e os comandantes substituído e substituto ocuparão suas posições de acordo com o estabelecido Nesta Cerimônia Militar, a Banda de Música executará uma série de dobrados previamente selecionados pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM que sedia a UAe, caso a leitura do histórico da UAe não coincida com a chegada dos pilotos e mecânicos ao dispositivo A Passagem da Liderança em Voo e a Passagem de Cargo de Comandante obedecerão ao seguinte: a) quando da Passagem de Liderança em Voo, o Comandante a ser substituído pronunciará, em voz alta e clara: Passo, em voo, a liderança do(a) (nome da UAe) ao (Posto, Quadro e nome completo do Comandante substituto) ; o Comandante substituto pronunciará, em voz alta e clara: Assumo, em voo, a liderança do(a) (nome da UAe) ;, b) quando da Passagem de Comando, o Comandante a ser substituído, postado ao lado do Comandante substituto, de frente para a tropa e perante a autoridade que preside ao Ato de Passagem de Cargo, pronunciará, em voz alta e clara: Entrego o Cargo de Comandante do(a) (nome da UAe) ao (Posto, Quadro e nome completo do Comandante substituto ; o Comandante substituto pronunciará, em voz alta e clara: Assumo o Cargo de Comandante da (nome da Uae) ; c) Após a Passagem e o Recebimento do Cargo, os comandantes substituído e substituto voltar-se-ão de frente um para o outro e farão a continência individual, quando da Passagem de Comando; d) a Banda de Música rufará tambores, se for o caso; e e) na posição um de frente para o outro, os Comandantes substituído e substituto desfarão a continência individual, voltar-se-ão de frente para a Tropa e tomarão a posição de, quando da Passagem de Comando A apresentação dos Comandantes substituído e substituto à autoridade que preside o Ato de Passagem obedecerá ao seguinte: a) os Comandantes substituído e substituto tomarão a posição de e voltar-se-ão para a Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo. O Comandante substituído fará continência individual e dirá: (Posto, Quadro e nome completo, desfazendo a continência em seguida) apresenta-se a Vossa Excelência/Vossa Senhoria por haver entregue o Cargo de Comandante da (nome da UAe) ; b) a Autoridade que preside o Ato de Passagem de Cargo dirá apresentado e pronunciará algumas palavras, se assim o desejar; c) o Comandante substituto fará a continência individual e dirá: (Posto,Quadro e nome completo, desfazendo a continência em seguida) apresenta-se a V.Exa. /V.Sa. por haver assumido o cargo de Comandante da (nome da UAe); e

44 42 ICA 908-1/2012 d) a Autoridade que preside o Ato de passagem dirá apresentado e pronunciará algumas palavras, se assim o desejar; após, ambos os Comandantes voltar-se-ão de frente para a tropa. 7.5 APRESENTAÇÃO DE OFICIAIS AO NOVO COMANDANTE, CHEFE, DIRETOR OU SECRETÁRIO DA OM O Comandante substituído, ao lado do Comandante substituto, em sala do comando, em salão nobre ou em auditório, antes ou depois da Cerimônia da Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, dará início a esta cerimônia, chamando, nominalmente, o oficial de maior grau hierárquico presente. Os demais oficiais, de acordo com a hierarquia, independente de chamada, seguirão apresentando-se ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto, declinando Posto, Quadro, Nome completo e Cargo, e retornarão aos seus lugares. 7.6 INAUGURAÇÃO DO QUADRO (RETRATO) DO COMANDANTE, CHEFE, DIRETOR OU SECRETÁRIO SUBSTITUÍDO NA GALERIA DE RETRATOS A inauguração do quadro (retrato) do Oficial substituído será feita com o comparecimento dos Oficiais da OM/UAe, com convite extensivo aos respectivos cônjuges, com antecedência mínima de quarenta e cinco minutos antes do horário fixado para o início da Cerimônia de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria A Cerimônia Militar de inauguração do quadro (retrato) do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituído na Galeria de Retratos dos Ex-Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários da OM/UAe, conforme Anexo W, obedecerá à seguinte sequência: a) abertura; b) chegada dos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituído e substituto c) entrega de Distintivo de Organização Militar (DOM); d) inauguração do Quadro (retrato) do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituído na Galeria de Retratos; e) entrega de lembrança ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituído; f) entrega de lembranças às esposas dos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituído e substituto; e g) encerramento. 7.7 OUTRAS SITUAÇÕES O uso da palavra nas passagens de Comando será permitido apenas aos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituídos. 7.8 UNIFORME O uniforme (traje) previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar de Passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, para os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituído e substituto e para os convidados será o 5º Uniforme (Passeio Completo), com barretas, exceto nos casos previstos nos itens 7.8.1, e 7.8.4

45 ICA 908-1/ Poderá ser utilizado o 7º A com barretas, em virtude exclusiva da característica climática de cada região, situação que será definida pelo Comando imediatamente superior O uniforme (traje) previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar de Passagem de Comando do COMAER e dos Grandes Comandos, bem como dos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários substituído e substituto será o 5º Uniforme (Passeio Completo), com a Faixa e a Placa da OMA, se for o caso. Para os convidados será o 5º Uniforme (Passeio Completo), com barretas O uniforme previsto para a tropa será definido pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, mediante consulta ao escalão imediatamente superior O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar de Passagem de Comando de Unidades Aéreas, Batalhões de Infantaria e Batalhões de Infantaria Especial, bem como para os Comandantes substituído e substituto, será o Uniforme Operacional previsto para aquela OM. Para os convidados será o 7º Uniforme A (Passeio Completo) Na Cerimônia de Passagem de Liderança em Voo, o uniforme para os Comandantes substituído e substituto será o Uniforme Operacional previsto para aquela UAe.

46 44 ICA 908-1/ CERIMÔNIAS DE DESPEDIDA DE MILITAR QUE DEIXA O SERVIÇO ATIVO 8.1 GENERALIDADES A Cerimônia destina-se a homenagear os Oficiais e Praças, com mais de trinta anos de serviço, que deixarem o serviço ativo. Visa, antes de tudo, a prestar um preito de reconhecimento ao militar que dedicou, na extensão de sua carreira, parcela significativa de sua vida ao aprimoramento constante da FAB, servindo como exemplo dignificante aos seus sucessores. 8.2 CERIMÔNIA MILITAR DE DESPEDIDA DO SERVIÇO ATIVO DE TENENTES- BRIGADEIROS DO AR E DE DIRETORES DA DIRENG, DIRINT E DIRSA Nas despedidas de Tenentes-Brigadeiros do Ar, caberá ao CMTAER, mediante proposta do homenageado, estabelecer o local, o dia e a hora da cerimônia, ficando o GABAER encarregado da coordenação do cerimonial do evento, com o apoio das Organizações Militares envolvidas, e da confecção e distribuição dos convites. A Cerimônia será presidida pelo CMTAER, que poderá designar um Oficial-General, mais antigo que o homenageado, para representá-lo Nas despedidas dos Diretores da DIRSA, DIRENG e DIRINT, caberá ao CMTAER, mediante proposta do homenageado, estabelecer o local, dia e hora da cerimônia, ficando o GABAER encarregado da coordenação do cerimonial do evento, com o apoio das Organizações Militares envolvidas, e da confecção e distribuição dos convites, sempre que a Cerimônia seja presidida pelo CMTAER. Porém, caso o CMTAER designe um Oficial- General mais antigo que o homenageado para representá-lo, o Grande Comando desse homenageado ficará encarregado da coordenação do cerimonial do evento e da confecção e distribuição dos convites As Honras Militares serão prestadas por Guarda de Honra Além da Guarda de Honra, participarão das homenagens o efetivo da OM escolhida para prestá-las e representantes das demais OM subordinadas ao Oficial-General que deixa o serviço ativo Quando uma Organização não tiver condições de formar uma Guarda de Honra, ou as condições meteorológicas não permitirem, a cerimônia deverá desenvolver-se em gabinete do comandante anfitrião, em salão nobre ou em outro local apropriado A Cerimônia Militar de despedida do serviço ativo de Tenentes-Brigadeiros do Ar e Diretores da DIRENG, DIRINT e DIRSA (Bom Tempo/Mau Tempo), se realizada em OM que possa prestar Honras Militares com a participação de Guarda de Honra, conforme Anexo X e Y, obedecerá aos seguintes procedimentos: a) o Homenageado será recebido pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, que o conduzirá ao seu Gabinete, onde deverá aguardar a chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia; b) o CMTAER ou Oficial-General que presidirá a Cerimônia será recebido com as honras regulamentares pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, que o conduzirá ao seu gabinete ou ao salão nobre;

47 ICA 908-1/ c) ao receber a informação de que o dispositivo está pronto para o início da cerimônia, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM convidará o CMTAER, ou o seu representante, acompanhando-o ao local da Cerimônia Militar; d) abertura; e) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar com hasteamento da insígnia correspondente; f) chegada da Autoridade homenageada. A insígnia do Homenageado será hasteada na adriça do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário, após esta ser arriada, antes do início da solenidade; após a Autoridade que a presidirá receber as Honras Militares de Estilo e a apresentação da tropa, o homenageado dirigir-se-á para o local da Cerimônia Militar; g) apresentação da tropa; h) revista à tropa pelo homenageado; i) sobrevoo de aeronaves, se for o caso; j) leitura da Síntese Biográfica do homenageado; k) leitura do Decreto de Reserva do homenageado; l) palavras de despedida do homenageado; m) entrega de Espadim ao homenageado, se for o caso; n) arriação e entrega de insígnia ao homenageado; o) mensagem do CMTAER, se for o caso; p) entrega de lembranças ao homenageado e a sua esposa, se for o caso; q) desfile da tropa, em caso de bom tempo, em continência ao homenageado ou apresentação da tropa à autoridade que preside a Cerimônia Militar para encerramento, em caso de mau tempo; e r) encerramento A Cerimônia, se realizada em OM ou local que não tenha condições de prestar Honras Militares com a participação de Guarda de Honra, será semelhante à anterior, exceto no que se refere à participação da Guarda de Honra O Oficial-General homenageado que deixa o serviço ativo poderá, durante a cerimônia em sua homenagem, proferir palavras de despedida, devendo comunicar, antecipadamente, ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM onde se processará a cerimônia, para que lhe seja reservado o tempo necessário, antes do encerramento da cerimônia O Oficial-General homenageado que deixa o serviço ativo poderá dispensar as homenagens que lhe seriam prestadas, cabendo-lhe, nesse caso, notificar previamente ao CMTAER ou ao seu Comando Superior UNIFORME O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar e para os demais convidados será o 5º UNIFORME, com barretas.

48 46 ICA 908-1/ O uniforme previsto para a autoridade homenageada será: a) para Tenentes-Brigadeiros do Ar: o 4º Uniforme, com a Faixa e a Placa da Ordem do Mérito Aeronáutico, sem espada e sem luvas. O uso das demais condecorações ficará a critério do homenageado. b) para os demais postos: o 4º Uniforme, sem espada e sem luvas. O uso das condecorações ficará a critério do homenageado O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, mediante consulta ao escalão imediatamente superior. 8.3 CERIMÔNIA MILITAR DE DESPEDIDA DO SERVIÇO ATIVO DE OFICIAL- GENERAL DOS DIVERSOS QUADROS A cerimônia será, preferencialmente, realizada na própria OM do Oficial-General homenageado ou em Organização que lhe seja subordinada A cerimônia será presidida pelo Chefe, Comandante-Geral, Diretor-Geral ou Secretário da Cadeia de Comando a que pertencer o homenageado O convite para o comparecimento à cerimônia será expedido pelo Gabinete do Comando a que pertencer o Oficial-General homenageado As Honras Militares serão prestadas por tropa formada, na OM do Oficial-General homenageado, desde que esta possua tropa regular As Honras Militares serão prestadas pelo efetivo da OM, em salão nobre ou em local apropriado, àquele Oficial-General de Organização que não possua tropa regular A Cerimônia Militar de despedida do serviço ativo de Oficial-General dos diversos Quadros (Bom Tempo ou Mau Tempo), se realizada em OM que tenha condições de prestar Honras Militares com a participação de tropa formada, conforme Anexos Z e AA, obedecerá aos seguintes procedimentos: a) o homenageado será recebido pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, que o conduzirá ao seu Gabinete, onde deverá aguardar a chegada da autoridade que presidirá a Cerimônia b) a Autoridade que presidirá a cerimônia será recebida com as honras regulamentares pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, à sua chegada, e será conduzida ao gabinete ou ao salão nobre; c) ao receber a informação de que o dispositivo está pronto para o início da Cerimônia, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM convidará a Autoridade que presidirá a cerimônia para acompanhá-lo ao local da Cerimônia Militar; d) abertura; e) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar, com hasteamento da insígnia correspondente; f) após a Autoridade que a presidirá receber as Honras Militares de Estilo, o homenageado dirigir-se-á ao local da Cerimônia Militar;

49 ICA 908-1/ g) chegada da Autoridade Homenageada e hasteamento da insígnia correspondente; h) apresentação da tropa; i) revista à tropa pelo homenageado; j) leitura da síntese biográfica do homenageado; k) leitura do Decreto de Reserva do homenageado; l) palavras de despedida do homenageado; m) entrega de insígnia ao homenageado; n) mensagem do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário imediatamente acima na Cadeia de Comando, a qual pertence o Homenageado; o) entrega de lembranças ao Homenageado e a sua esposa, se for o caso; p) desfile da tropa, em caso de bom tempo, em continência ao homenageado, ou apresentação da tropa à autoridade que preside a Cerimônia Militar para encerramento, em caso de mau tempo; e q) encerramento A Cerimônia, se realizada em OM ou em local que não tenha condições de prestar Honras Militares com a participação de tropa formada, será semelhante à Cerimônia anterior, exceto no que se refere ao desfile da Tropa O Oficial-General que deixa o serviço ativo poderá, durante a Cerimônia em sua homenagem, proferir palavras de despedida, devendo comunicar, antecipadamente, à sua cadeia de comando, para que lhe seja reservado o tempo necessário, antes do encerramento da cerimônia O Oficial-General que deixa o serviço ativo poderá dispensar as homenagens que lhe seriam prestadas, cabendo-lhe, nesse caso, notificar, previamente, ao Comando Superior a que pertencer UNIFORME O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia e para os demais convidados será o 5º UNIFORME, com barretas O uniforme previsto para a Autoridade Homenageada será o 4º UNIFORME, sem espada e sem luvas. O uso das condecorações ficará a critério do homenageado O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM, mediante consulta ao escalão imediatamente superior. 8.4 PROCEDIMENTOS GERAIS PARA DESPEDIDA DE OFICIAIS-GENERAIS Os Oficiais-Generais ao deixarem o serviço ativo terão o direito às seguintes homenagens: a) recebimento do Espadim somente será oferecido para os Tenentes- Brigadeiros do Ar e para o Diretor da DIRINT.

50 48 ICA 908-1/2012 b) recebimento da Insígnia do Posto para todos os Oficiais-Generais O Espadim será entregue por um cadete do Corpo de Cadetes da Aeronáutica Palavras do Cadete: Passo às mãos de Vossa Excelência o Espadim de Cadete da Aeronáutica, o qual simboliza nosso código de honra e enaltece os valores de coragem, lealdade, honra, dever e pátria com os quais Vossa Excelência pautou os mais de (...) anos dedicados à Força Aérea Brasileira O cadete deslocar-se-á em direção à autoridade em passo ordinário A insígnia do posto será arriada e entregue pelo Assistente/Ajudante-de-Ordens que acompanhou a autoridade homenageada no último ano de carreira no serviço ativo Palavras do Assistente/Ajudante-de-Ordens: (Posto, Quadro e Nome Completo do Assistente/Ajudante-de-Ordens): A Força Aérea Brasileira oferece a V. Exa., como lembrança do honroso convívio, a insígnia de (Citar Posto e Quadro) O Oficial Assistente deslocar-se-á em direção à autoridade em passo ordinário. 8.5 CERIMÔNIA MILITAR DE DESPEDIDA DO SERVIÇO ATIVO DE OFICIAIS E DE PRAÇAS A Cerimônia será realizada na própria OM do militar homenageado A Cerimônia será presidida pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, que poderá designar um oficial mais antigo que o homenageado para representá-lo Caberá ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM a coordenação da cerimônia de despedida O convite para o comparecimento à cerimônia será da alçada do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM do militar As homenagens ao militar que se despede poderão ser realizadas durante as formaturas da própria OM ou em cerimônia especial A Cerimônia Militar de Despedida do Serviço Ativo de Oficiais e de Praças (Bom Tempo/Mau Tempo), se realizada em OM que tenha condições de prestar Honras Militares com a participação de tropa formada, conforme Anexos BB e CC, obedecerá ao seguinte: a) abertura; b) chegada da autoridade que presidirá à Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) leitura da síntese biográfica do Homenageado; e) leitura da Portaria de Reserva do Homenageado;

51 ICA 908-1/ f) palavras de despedida do Homenageado, se for o caso; g) mensagem do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da Organização Militar em que serve o Homenageado; h) entrega de lembrança ao Homenageado; i) desfile militar (Bom Tempo) ou apresentação da tropa para o encerramento da Cerimônia Militar (Mau Tempo); e j) encerramento O militar que deixa o serviço ativo poderá, durante a cerimônia em sua homenagem, proferir palavras de despedida, a critério do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM. Esta autoridade, caso julgue conveniente, poderá solicitar o teor do discurso antecipadamente O militar que deixa o serviço ativo poderá dispensar as homenagens que lhe seriam prestadas, cabendo-lhe, nesse caso, notificar previamente, por escrito, ao seu Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM UNIFORME O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a cerimônia, para o oficial homenageado e para os demais convidados será o 7º UNIFORME A O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2.

52 50 ICA 908-1/ CERIMÔNIAS MILITARES ALUSIVAS ÀS DATAS COMEMORATIVAS NA AERONÁUTICA, COM IMPOSIÇÃO DE MEDALHAS 9.1 GENERALIDADES As Cerimônias Militares para Imposição de Medalhas são realizadas em datas festivas, em feriados nacionais ou em dia previamente designado pelo CMTAER. Poderão, ainda, ser realizadas em datas definidas pelos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários de OM e, em princípio, na presença de Tropa armada As Cerimônias Militares para a Imposição de Medalhas, quando realizadas em ambiente interno, serão sempre presididas pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM onde serve o militar agraciado As Cerimônias Militares para a Imposição de Medalhas obedecerão às regras previstas no RCONT e às estabelecidas nesta Instrução. 9.2 CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO DIA DE NASCIMENTO DO MARECHAL DO AR ALBERTO SANTOS-DUMONT, PATRONO DA AERONÁUTICA BRASILEIRA, E DE IMPOSIÇÃO DA MEDALHA MÉRITO SANTOS-DUMONT (BOM TEMPO/MAU TEMPO) Instituída na Aeronáutica pelo Decreto nº , de 5 de setembro de 1956, alterado pelo Decreto nº 4.209, de 23 de abril de 2002, em homenagem ao espírito do imortal brasileiro Alberto Santos-Dumont, por ocasião das Comemorações do Cinquentenário do Primeiro Voo de um Engenho mais Pesado que o Ar. É uma distinção concedida a militares da FAB que se hajam destacado no exercício de sua profissão, a militares das forças armadas nacionais e estrangeiras que se tenham tornado credores de homenagens especiais da FAB e aos cidadãos brasileiros e estrangeiros que tenham prestado notáveis serviços à Aeronáutica A Cerimônia Militar Alusiva ao Dia de Nascimento do Marechal do Ar Alberto Santos- Dumont e de Imposição da Medalha Mérito Santos-Dumont, (Bom Tempo/Mau Tempo), conforme Anexos DD e EE, obedecerá aos seguintes procedimentos: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) revista à tropa; e) sobrevoo de aeronaves, se for o caso (bom tempo); f) hasteamento da insígnia de Marechal do Ar, com sobrevoo de aeronaves, se for o caso; g) leitura da Ordem do Dia do CMTAER; h) canto do Hino dos Aviadores; i) deslocamento da Bandeira Nacional; j) deslocamento dos Agraciados; k) deslocamento dos Paraninfos; l) imposição das medalhas;

53 ICA 908-1/ UNIFORME m) sobrevoo de aeronaves, se for o caso; n) leitura do histórico da Medalha (simultânea à imposição das medalhas); o) continência à Bandeira Nacional; p) retorno dos Paraninfos; q) retorno dos Agraciados; r) retorno da Bandeira Nacional; s) desfile da Tropa (bom tempo) ou apresentação da tropa para encerramento (mau tempo); e t) encerramento O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar, para os Paraninfos e para os demais convidados será o 5 o, com barretas O uniforme previsto para os Militares Agraciados será o 5º e, para os civis, Passeio Completo Além do previsto no item desta Instrução, os Militares Agraciados deverão observar as seguintes recomendações: a) Oficiais, com espada, com luvas pretas, sem medalhas e sem alamar; e b) Suboficiais, Sargentos e Cabos, sem medalhas O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM, mediante consulta ao escalão imediatamente superior. 9.3 CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO DIA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA E AO DIA DO AVIADOR E DE IMPOSIÇÃO DA COMENDA DA ORDEM DO MÉRITO AERONÁUTICO (BOM TEMPO/MAU TEMPO) Criada pelo Decreto-Lei nº 5.961, de 1º de novembro de 1943, regulamentada pelo Decreto nº , de 14 de julho de 1987, e alterada pelo Decreto nº 3.446, de 4 de maio de 2000, a Ordem do Mérito Aeronáutico é uma distinção concedida aos militares da Aeronáutica Brasileira que tenham prestado notáveis serviços ao País, ou se hajam distinguido no exercício da sua profissão; aos militares das forças armadas nacionais e estrangeiras que se tenham tornado credores de homenagem da nação brasileira e, particularmente, da Aeronáutica; aos cidadãos brasileiros e estrangeiros que se tenham destacado nas suas áreas de atuação a serviço da Pátria; e às corporações militares nacionais e estrangeiras, suas bandeiras ou estandartes, por serviços ou ações que as recomendem ao reconhecimento da nação brasileira e, de modo particular, da Aeronáutica A Cerimônia Militar Alusiva ao Dia da FAB e ao Dia do Aviador e de Imposição da Ordem do Mérito Aeronáutico, com presença de tropa (Bom Tempo/Mau Tempo), conforme Anexos FF e GG, obedecerá aos seguintes procedimentos: a) abertura;

54 52 ICA 908-1/ UNIFORME b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) revista à tropa; e) sobrevoo de aeronaves, se for o caso; f) leitura da Ordem do Dia do CMTAER; g) canto do Hino dos Aviadores; h) leitura da Mensagem do Exmo. Sr. Presidente da República, se for o caso; i) deslocamento da Bandeira Nacional; j) deslocamento dos Agraciados; k) deslocamento dos Estandartes, se for o caso; l) condecorações dos Estandartes e imposição de Grã-Cruzes, se for o caso; m) deslocamento dos Paraninfos; n) imposição das condecorações aos demais Agraciados; o) sobrevoo de aeronaves, se for o caso; p) leitura do histórico da Ordem do Mérito Aeronáutico (simultânea à imposição das condecorações); q) continência à Bandeira Nacional; r) retorno dos Paraninfos; s) retorno dos Estandartes, se for o caso; t) retorno dos Agraciados; u) retorno da Bandeira Nacional; v) desfile da tropa (Bom Tempo) ou apresentação da tropa para encerramento (Mau Tempo); e x) encerramento O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar, para os Paraninfos e para os Militares da Aeronáutica convidados será o 4º uniforme, com medalhas. Para os Militares convidados das demais Forças será o uniforme correspondente com barretas e para os Civis convidados será o Passeio Completo O uniforme previsto para os militares agraciados será o 4º uniforme e o traje, para os civis, Passeio Completo Além do previsto no item desta Instrução, os militares agraciados deverão observar as seguintes recomendações: a) Oficiais, com espada, com luvas pretas, sem medalhas e sem alamar; e b) Suboficiais, Sargentos e Cabos, sem medalhas.

55 ICA 908-1/ O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM, mediante consulta ao escalão imediatamente superior. 9.4 CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO DIA DO ESPECIALISTA DE AERONÁUTICA E DE IMPOSIÇÃO DA MEDALHA BARTOLOMEU DE GUSMÃO (BOM TEMPO/MAU TEMPO) O insigne brasileiro, Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão, por meio de seus trabalhos no campo da aerostação, tornou-se um dos precursores da aviação, motivo pelo qual é cultuado como paradigma de dedicação, zelo e amor à Aeronáutica. Por intermédio do Decreto nº , de 6 de julho de 1971, alterado pelo Decreto nº 4.208, de 23 de abril de 2002, foi criada a Medalha Bartolomeu de Gusmão, sendo uma distinção concedida aos Militares e Civis por destacados serviços prestados à Aeronáutica Brasileira A Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Especialista de Aeronáutica e de Imposição da Medalha Bartolomeu de Gusmão, com presença de Tropa, em caso de Bom ou Mau Tempo, conforme Anexos HH e II, respectivamente, obedecerá ao seguinte: UNIFORME a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) revista à tropa; e) leitura do Ato que instituiu o Dia do Especialista de Aeronáutica; f) leitura da Ordem do Dia; g) canto da Canção do Especialista; h) deslocamento da Bandeira Nacional; i) deslocamento dos Agraciados; j) deslocamento dos Paraninfos; k) imposição de Medalhas; l) leitura do histórico da Medalha (simultânea à imposição das medalhas); m) continência à Bandeira Nacional; n) retorno dos Paraninfos; o) retorno dos Agraciados; p) retorno da Bandeira Nacional; q) desfile da tropa (Bom Tempo) ou apresentação para encerramento (Mau Tempo) e; r) encerramento O uniforme previsto para Cerimônia Militar será o 5º com Barretas e o traje para os Civis, será o Passeio Completo O uniforme previsto para os Agraciados será o 5º.

56 54 ICA 908-1/ Além do previsto, os Militares Agraciados deverão observar as seguintes recomendações: a) Oficiais, com espada, com luvas pretas, sem medalhas, sem barretas e sem alamar; e b) Suboficiais, Sargentos e Cabos, sem medalhas e sem barretas O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM. 9.5 CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO DIA DO ANIVERSÁRIO DA AVIAÇÃO À QUAL A UNIDADE AÉREA PERTENÇA, COM A IMPOSIÇÃO DA MEDALHA MÉRITO OPERACIONAL BRIGADEIRO NERO MOURA (BOM TEMPO/MAU TEMPO) A Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura, criada pelo Decreto nº 7.085, de 29 de janeiro de 2010, através da Portaria nº 226/SC, de 7 de abril de 2010, publicado no Boletim do Comando da Aeronáutica nº 074, de 22 de abril de 2010, destina-se a distinguir os Comandantes de Unidade Aérea pela conduta em prol da operacionalidade da sua Organização e da Força Aérea Brasileira. A Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura será de prata A Cerimônia de Imposição da Medalha efetuar-se-á, preferencialmente, durante a solenidade alusiva ao aniversário da Aviação a qual a Unidade Aérea pertença ou, caso não seja possível, durante a solenidade alusiva ao aniversário da Unidade Aérea A Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura será concedida, no âmbito do Comando da Aeronáutica, aos Comandantes de Unidade Aérea cuja designação tenha sido objeto de Portaria do Comandante da Aeronáutica A critério do Comandante da Aeronáutica, a entrega das Medalhas poderá ser efetuada em outras datas significativas para a Aeronáutica ou para Organizações Militares a ela pertencentes A critério do Comandante da Aeronáutica, a Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura poderá ser concedida em qualquer época A Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Aniversário da Aviação a qual a Unidade Aérea pertença ou da Unidade Aérea, com a Imposição de Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura, (Bom Tempo/Mau Tempo), se desenvolverá de acordo com o Comandante da OM onde ocorrerá a Cerimônia, obedecendo os seguintes procedimentos e os Anexos JJ e KK: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) canto do Hino Nacional; e) entrega de prêmio, se for o caso; f) homenagem aos Ex-Comandantes, Ex-Chefes, Ex-Diretores ou Ex- Secretários, se for o caso;

57 ICA 908-1/ UNIFORME g) leitura da Ordem do Dia; h) deslocamento da Bandeira Nacional; i) deslocamento dos Agraciados; j) leitura do histórico da Medalha ; k) deslocamento dos Paraninfos; l) imposição de Medalhas; m) continência à Bandeira Nacional; n) retorno dos Paraninfos; o) retorno dos Agraciados; p) retorno da Bandeira Nacional; q) desfile da tropa (Bom Tempo) ou apresentação da tropa para encerramento da Cerimônia Militar (Mau Tempo); e r) encerramento O uniforme previsto para Cerimônia Militar será o 7º A com Barretas e o traje para os Civis, Passeio Completo O uniforme previsto para os Agraciados será o 5º Além do previsto, os Militares Agraciados deverão observar as seguintes recomendações: a) Oficiais, com espada, com luvas pretas, sem medalhas, sem barretas e sem alamar; e b) Suboficiais, Sargentos e Cabos, sem medalhas e sem barretas O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM, onde ocorrerá a cerimônia. 9.6 CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO DIA DO ANIVERSÁRIO DA ORGANIZAÇÃO MILITAR (OM) E DE IMPOSIÇÃO DE MEDALHA MILITAR (BOM TEMPO/MAU TEMPO) A Medalha Militar, criada pelo Decreto nº 4.238, de 15 de novembro de 1901, destina-se a recompensar os bons serviços prestados pelos Oficiais e Praças da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, em serviço ativo. A Medalha Militar será de platina, com passador de platina; de ouro, com passador de platina; de ouro, com passador de ouro; de prata, com passador de prata; e de bronze, com passador de bronze, conforme se destine aos militares que, satisfeitas as condições previstas neste Regulamento, tenham completado, respectivamente, 50, 40, 30, 20 ou 10 anos de bons serviços prestados As Cerimônias de Imposição das Medalhas Militares de 40 e 50 anos de bons serviços prestados, em princípio, serão presididas pelo Excelentíssimo Senhor Comandante da Aeronáutica, em cerimônia dedicada a este evento, a realizar-se, anualmente, em local a ser definido pelo GABAER.

58 56 ICA 908-1/ A Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Aniversário da OM e de Imposição de Medalha Militar, em caso de Bom ou Mau Tempo, conforme Anexos LL e MM, respectivamente, obedecerá aos seguintes procedimentos: UNIFORME a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) canto do Hino Nacional; e) entrega de prêmio, se for o caso; f) homenagem aos Ex-Comandantes, Ex-Chefes, Ex-Diretores ou Ex- Secretários, se for o caso; g) leitura da Ordem do Dia h) deslocamento da Bandeira Nacional; i) deslocamento dos Agraciados; j) leitura do histórico da Medalha Militar ; k) deslocamento dos Paraninfos; l) imposição de Medalhas; m) continência à Bandeira Nacional; n) retorno dos Paraninfos; o) retorno dos Agraciados; p) retorno da Bandeira Nacional; q) desfile da tropa (Bom Tempo) ou apresentação da tropa para encerramento da Cerimônia Militar (Mau Tempo); e r) encerramento O uniforme previsto para Cerimônia Militar será o 7º A com Barretas e o Traje para os Civis, Passeio Completo O uniforme previsto para os Agraciados será o 5º Além do previsto, os Militares Agraciados deverão observar as seguintes recomendações: a) Oficiais, com espada, com luvas pretas, sem medalhas, sem barretas e sem alamar; e b) Suboficiais, Sargentos e Cabos, sem medalhas e sem barretas O Uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM.

59 ICA 908-1/ CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO ANIVERSÁRIO DA ORGANIZAÇÃO MILITAR E DE ENTREGA DE MEDALHA MILITAR, SEM PRESENÇA DE TROPA, EM SALA DO COMANDO, EM SALÃO NOBRE OU EM AUDITÓRIO A Cerimônia Militar comemorativa ao Dia do Aniversário da OM e de Imposição de Medalha Militar, quando não houver possibilidade de contar com tropa formada, será realizada em Sala do Comando, em Salão Nobre, em Auditório, ou em outro local designado por autoridade competente Quando a Cerimônia Militar comemorativa ao Dia do Aniversário da OM e de Imposição da Medalha Militar, em Sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório não puder ser cumprida em condições normais, poderá ser realizada nos citados locais, de acordo com o Anexo LL, com as seguintes adaptações: a) uniforme, de acordo com o item desta Instrução, sem cobertura e sem espada; b) os Agraciados prestarão continência à Bandeira Nacional; e c) o deslocamento do Porta-Bandeira é o mesmo previsto em Cerimônia Militar perante a tropa Essa Cerimônia Militar obedecerá aos seguintes procedimentos: UNIFORME a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) entrega de prêmio, se for o caso; d) homenagem aos Ex-Comandantes, Ex-Chefes, Ex-Diretores ou Ex- Secretários, se for o caso; e) leitura da ordem do dia; f) deslocamento da Bandeira Nacional; g) deslocamento dos Agraciados; h) leitura do histórico da Medalha Militar ; i) deslocamento dos Paraninfos; j) imposição de Medalhas; k) continência à Bandeira Nacional; l) retorno dos Paraninfos; m) retorno dos Agraciados; n) retorno da Bandeira Nacional; e o) encerramento O uniforme previsto para Cerimônia Militar será o 7º A com Barretas e o traje para os Civis, Passeio Completo O uniforme previsto para os Agraciados será o 5º.

60 58 ICA 908-1/ Além do previsto, os Militares Agraciados deverão observar as seguintes recomendações: a) Oficiais, com espada, com luvas pretas, sem medalhas, sem barretas e sem alamar; e b) Suboficiais, Sargentos e Cabos, sem medalhas e sem barretas O Uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM. 9.8 PARANINFOS Nas Cerimônias Militares em que houver Imposição de Medalhas, serão designados tantos Paraninfos quantos forem necessários, previamente escolhidos, para que este evento, em princípio, não ultrapasse 10 (dez) minutos Os Paraninfos militares designados para a Imposição de Medalhas serão compostos por Oficiais da ativa do Comando Aeronáutica, que sejam possuidores da respectiva medalha ou que tenham sido condecorados com uma comenda de maior precedência, de acordo com a Medalhística da Aeronáutica Brasileira e com o Art. 2º do Decreto nº de 17 dez Caso o Paraninfo designado seja civil o mesmo deve possuir os requisitos especificados para o Paraninfo militar PROCEDIMENTOS PARA IMPOSIÇÃO DE MEDALHAS Os Paraninfos (P) previamente designados, um ou mais para cada fileira, conforme a quantidade de Agraciados (A), quando chamados pelo locutor, colocar-se-ão à direita dos Agraciados, conforme Anexo OO Quando convidados para o início da Imposição de Medalhas, os Paraninfos deslocarse-ão para a frente do primeiro Agraciado e procederão à Imposição Após a imposição da medalha ao último Agraciado, o Paraninfo retornará ao dispositivo previsto, conforme Anexo OO Quando todos os Paraninfos retornarem à posição prevista, no Anexo OO, será prestada a continência à Bandeira Nacional pelos Paraninfos e pelos Agraciados, comandado pelo Paraninfo Militar de maior grau hierárquico ou sob a coordenação do Chefe do Cerimonial responsável pela Cerimônia. 9.9 AGRACIADOS PROCEDIMENTOS Nas Cerimônias Militares alusivas ao Dia do Nascimento de Alberto Santos-Dumont com a Imposição da Medalha Mérito Santos-Dumont ; ao Dia do Aviador e Dia da Força Aérea Brasileira com a Imposição da Ordem do Mérito Aeronáutico e ao Dia do Especialista de Aeronáutica com a Imposição da Medalha Bartolomeu de Gusmão, os Agraciados, quando chamados pelo locutor, deslocar-se-ão para o dispositivo previsto, bem como para sua posição inicial.

61 ICA 908-1/ Os Oficiais Agraciados, ao chegarem ao dispositivo previsto, individualmente, tomarão a posição de e desembainharão a espada; e os Graduados, individualmente, tomarão a posição de Após o convite para que os Paraninfos tomem a posição para a Imposição de Medalhas, o Comandante da Tropa comandará ; os Oficiais Agraciados tomarão a posição de e perfilarão espadas; e os Graduados tomarão a posição de O Oficial Agraciado abaterá a espada no momento em que o Paraninfo o defrontar; quando o Paraninfo atingir o Agraciado seguinte, perfilará a espada e tomará a posição de descansar. O Graduado fará a continência individual no momento em que o Paraninfo o defrontar; assim permanecendo durante a Imposição; quando o Paraninfo atingir o Agraciado seguinte, deverá desfazer a continência e tomar a posição de descansar Para a continência à Bandeira Nacional, os Militares Agraciados e os Paraninfos deverão seguir os seguintes Comandos do Paraninfo Militar de maior grau hierárquico: a) à viva voz: - Paraninfos e Agraciados, Em continência à Bandeira Nacional, Apresentar-Arma ; - o Oficial abaterá a espada e o Graduado fará a continência individual; e - após a Banda de Música executar os últimos compassos do Hino à Bandeira, o Paraninfo Militar de maior grau hierárquico comandará: e Descansar-Arma. Após o toque de, dado pelo Corneteiro da Tropa, os Paraninfos e Agraciados tomarão automaticamente a posição de e, em seguida, os Oficiais embainharão as suas espadas. b) a toques de corneta (somente para Paraninfos, Agraciados e Porta-Bandeira): - Em continência à Bandeira Nacional, Apresentar-Arma ; - o Oficial Agraciado abaterá a espada e o Graduado fará a continência individual; e - após a Banda de Música executar os últimos compassos do Hino à Bandeira, o Paraninfo Militar de maior grau hierárquico comandará: e Descansar-Arma. Após o toque de, dado pelo Corneteiro da Tropa, os Paraninfos e Agraciados tomarão automaticamente a posição de e, em seguida, os Oficiais embainharão as suas espadas Quando a Bandeira Nacional ou o Estandarte de OM for agraciado com alguma condecoração, deverão ser observados os seguintes procedimentos: a) quando convidado (a) para ocupar o seu lugar no dispositivo previsto, o Porta-Bandeira ou o Porta-Estandarte, deslocar-se-á em passo ordinário e os respectivos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários da OM deslocam-se da Tribuna, sem cadência, para tomarem posição no dispositivo; b) ao chegar ao dispositivo, o Porta-Bandeira ou o Porta-Estandarte, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM tomarão a posição de à esquerda da Bandeira Nacional ou do Estandarte;

62 60 ICA 908-1/2012 c) após o convite para que os Paraninfos tomem a posição para a imposição da condecoração, o Comandante da Tropa comandará ; o Porta- Bandeira ou o Porta-Estandarte e o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM tomarão a posição de ; d) após tomar a posição de, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário perfilará espada; e) após o convite para que o Paraninfo proceda à condecoração à Bandeira Nacional ou ao Estandarte, deverá ser observada a seguinte sequência: - o Porta-Bandeira ou o Porta-Estandarte, ao defrontar-se com o Paraninfo, dará ao Estandarte uma inclinação que permita a colocação da condecoração; automaticamente, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM abaterá espada; - quando o Paraninfo atingir o Estandarte seguinte, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM perfilará espada, e o Porta-Bandeira ou o Porta-Estandarte fará ; e - as demais sequências obedecerão ao previsto no item desta Instrução, naquilo que for pertinente. f) Caso a OM agraciada não possua Estandarte, a Bandeira Nacional o substituirá Nas Cerimônias Militares alusivas à Imposição da Medalha Militar de tempo de serviço, os Agraciados, quando convidados, deslocar-se-ão para o dispositivo sem cadência, um a um, à medida que forem sendo nominados, e, ao chegarem ao local designado, tomarão a posição de, adotando, em seguida, os passos previstos nos itens , e , no que for pertinente. O retorno ao dispositivo inicial dar-se-á do primeiro Agraciado até o último, quando assim forem convidados.

63 ICA 908-1/ CERIMÔNIAS COMEMORATIVAS SEM IMPOSIÇÃO DE MEDALHAS 10.1 CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO DIA DO NASCIMENTO DO PATRONO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA, MARECHAL DO AR EDUARDO GOMES (BOM TEMPO/ MAU TEMPO) A Cerimônia Militar Alusiva ao Dia do Nascimento do Patrono da Força Aérea Brasileira, Marechal do Ar Eduardo Gomes (Bom Tempo/Mau Tempo), será realizada na Base Aérea dos Afonsos, ou em outro local designado pelo Comandante da Aeronáutica, conforme Anexos PP e QQ O Marechal do Ar Eduardo Gomes, em sua extraordinária atuação na Aviação Brasileira, deixou como herança a sua devoção no cumprimento do dever e a confiança num notável desenvolvimento da Nação Brasileira através da Aeronáutica. Em 6 de novembro de 1984, através da Lei nº 7.243, foi proclamado Patrono da Força Aérea Brasileira Essa Cerimônia Militar obedecerá aos seguintes procedimentos: UNIFORME a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da Tropa; d) revista à tropa (Bom Tempo); e) sobrevoo de aeronaves, se for o caso (Bom Tempo); f) hasteamento da insígnia de Marechal-do-Ar (Bom Tempo e Mau Tempo); g) leitura da Ordem do Dia do CMTAER; h) canto do Hino dos Aviadores; i) aposição de flores no busto de Eduardo Gomes; j) desfile da tropa (Bom Tempo) ou apresentação da tropa para encerramento da Cerimônia Militar (Mau Tempo); e k) encerramento O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar e para os demais convidados será o 7º A, com barretas O uniforme para a Tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM, mediante consulta ao GABAER CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO DIA DE CRIAÇÃO DO CORREIO AÉREO NACIONAL E DA AVIAÇÃO DE TRANSPORTE (BOM TEMPO/MAU TEMPO) A Cerimônia Militar comemorativa ao Dia de Criação do Correio Aéreo Nacional e da Aviação de Transporte (bom tempo/mau tempo), será realizada, em princípio, na Base Aérea dos Afonsos ou em local designado pelo Comandante do COMGAR, conforme Anexos RR e SS.

64 62 ICA 908-1/ Essa Cerimônia Militar obedecerá aos seguintes procedimentos: UNIFORME a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) revista à tropa (bom tempo); e) sobrevoo de aeronaves, se for o caso (bom tempo); f) homenagem a um Pioneiro do Correio Aéreo Nacional, se for o caso; g) desfile do avião CURTISS FLEDGLING, se possível; h) leitura da Ordem do Dia do CMTAER; i) canto do Hino dos Aviadores; j) desfile da tropa (Bom Tempo) ou apresentação da tropa para encerramento da Cerimônia Militar (Mau Tempo); e k) encerramento O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar e para os demais convidados será o 7º A, com barretas uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM, mediante consulta ao escalão imediatamente superior CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AOS DIAS DA ENGENHARIA, DA INTENDÊNCIA, DA SAÚDE E DA INFANTARIA DA AERONÁUTICA (BOM TEMPO/MAU TEMPO). A Cerimônia Militar comemorativa ao Dia da Intendência, da Engenharia, da Saúde e da Infantaria da Aeronáutica (bom tempo/mau tempo), obedecerá aos seguintes procedimentos, conforme o Anexo TT: UNIFORME a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) revista à tropa (bom tempo); e) Leitura da Ordem do Dia; f) canto do hino alusivo, se for o caso; g) homenagem a Ex-Diretores/Ex-Comandantes, ou outra homenagem, se for o caso; h) desfile da tropa (bom tempo) ou apresentação da tropa para encerramento da Cerimônia Militar (mau tempo); e i) encerramento.

65 ICA 908-1/ O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar e para os demais convidados será o 7 o A, com barretas O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM, mediante consulta ao escalão imediatamente superior.

66 64 ICA 908-1/ CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA À APRESENTAÇÃO DA BANDEIRA NACIONAL AOS RECRUTAS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA (BOM E MAU TEMPO) 11.1 Tão logo os Recrutas estejam em condições de tomar parte de uma Cerimônia Militar, o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM apresentar-lhes-á à Bandeira Nacional Essa Cerimônia Militar será realizada com a tropa armada, quando for o caso, sob o Comando do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM ou outro Oficial designado A Cerimônia Militar Alusiva à Apresentação da Bandeira Nacional aos Recrutas da FAB (bom tempo/mau tempo), conforme Anexos UU e VV, constará de: a) abertura; b) deslocamento da Bandeira Nacional, com sua Guarda; c) cumprimento à Bandeira Nacional pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário ou outro Oficial designado; d) alocução do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM; e) continência da tropa à Bandeira Nacional; f) desfile militar (bom tempo); g) retorno da Bandeira Nacional, com sua Guarda; e h) encerramento A Cerimônia Militar Alusiva à Apresentação da Bandeira Nacional aos Recrutas, sem a presença da tropa formada, será realizada em auditório Essa Cerimônia Militar realizar-se-á sem cobertura e sem espada e com presença da Bandeira Nacional, conforme Anexo XX, e obedecerá aos seguintes procedimentos: UNIFORME a) abertura; b) chegada da maior autoridade; c) deslocamento da Bandeira Nacional; d) cumprimento à Bandeira Nacional pelo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário; e) alocução do Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM ou outro Oficial designado; f) continência dos Recrutas à Bandeira Nacional; g) retorno da Bandeira Nacional; e h) encerramento O uniforme previsto para a Cerimônia Militar Alusiva à Apresentação da Bandeira Nacional aos Recrutas da FAB será o 7º A, com barretas.

67 ICA 908-1/ COMPROMISSO DOS CADETES/ALUNOS DAS ESCOLAS DE FORMAÇÃO (AFA, CIAAR, EPCAR E EEAR) E DOS RECRUTAS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA À BANDEIRA NACIONAL 12.1 CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO COMPROMISSO DOS CADETES/ALUNOS DAS ESCOLAS DE FORMAÇÃO (AFA, CIAAR, EPCAR E EEAR) E DOS RECRUTAS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA À BANDEIRA NACIONAL Será realizada em data estabelecida, a critério dos Comandantes das Escolas de Formação ou da OM, onde se processa o recrutamento Em uma mesma localidade ou Guarnição, a Cerimônia de Compromisso à Bandeira Nacional, prevista no item 11 poderá ser realizada, conjuntamente, por todas as OM nela sediadas, em um local adequado, previamente indicado pela maior Autoridade do COMAER da área, visando ao brilhantismo da Cerimônia Os Cadetes/Alunos/Recrutas prestarão, em voz alta e pausada, o compromisso à Bandeira Nacional desfraldada, de acordo com o previsto no RCONT, cujos procedimentos serão os seguintes: a) braço direito estendido horizontalmente à frente do corpo; b) mão aberta; c) dedos unidos; d) palma da mão para baixo; e e) pronunciamento do compromisso O Ato de prestar continência à Bandeira Nacional pelo Cadete/Aluno/Recruta da FAB será individual, cujos procedimentos obedecerão ao seguinte, quando cruzar: a) a bandeirola azul, fará a continência; b) a bandeirola vermelha, olhará à direita, encarando a Bandeira Nacional; c) a próxima bandeirola vermelha, olhará em frente; e d) a próxima bandeirola azul, desfará a continência A Cerimônia Alusiva ao Compromisso dos Cadetes/Alunos/Recrutas da FAB à Bandeira Nacional (bom tempo/mau tempo), conforme Anexos WW e YY, constará de: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá à Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; e) deslocamento do Grupamento de Cadetes / Alunos / Recrutas; f) apresentação do Grupamento de Cadetes / Alunos / Recrutas ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM; g) deslocamento da Bandeira Nacional; h) compromisso à Bandeira Nacional; i) canto do Hino Nacional;

68 66 ICA 908-1/2012 j) entrega de Prêmios; k) entrega de Distintivos; l) desfile em continência à Bandeira Nacional; m) retorno da Bandeira Nacional; n) leitura da Ordem do Dia; o) desfile da tropa (bom tempo) ou apresentação da tropa para o encerramento da Cerimônia Militar (mau tempo); p) apresentação dos novos compromitentes ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário para o fora de forma; e q) encerramento A Cerimônia Militar Alusiva ao compromisso dos Cadetes/Alunos/Recrutas da FAB à Bandeira Nacional, quando não houver possibilidade de ser realizada com tropa formada, poderá ser realizada em Auditório ou Salão Nobre Essa Cerimônia Militar será realizada sem cobertura e sem espada e com presença da Bandeira Nacional, conforme Anexo ZZ, e obedecerá os seguintes procedimentos: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) composição de mesa; d) declaração de abertura da Cerimônia Militar; e) deslocamento da Bandeira Nacional; f) compromisso à Bandeira Nacional; g) continência à Bandeira Nacional; h) canto do Hino Nacional; i) retorno da Bandeira Nacional; j) entrega de Prêmios; k) entrega de Distintivos ou de Certificados de conclusão de curso de formação de Soldados, este quando estiver Oficializado; l) leitura da Ordem do Dia; m) canto da Canção da Infantaria da Aeronáutica (em caso de formação de Recrutas); e n) encerramento Antes da chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar, os Oficiais, os compromitentes e os convidados já estarão prontos no local Os compromitentes deverão estar sentados nas cadeiras centrais da frente do Auditório, ao lado esquerdo de seu padrinho ou madrinha, quando o local permitir, ou de pé, quando realizada em Salão Nobre em dispositivo previamente determinado, juntamente com o Comandante do Grupamento dos compromitentes.

69 ICA 908-1/ O Comandante do BINFA, nas cerimônias de compromisso dos Recrutas, como anfitrião da Cerimônia, tem presença obrigatória na composição da mesa, independente do grau hierárquico dos demais convidados UNIFORME O uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar de compromisso dos Cadetes/Alunos/Recrutas e para os convidados será o 7º A, com barretas O uniforme previsto para os compromitentes será o 5 o O uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM, mediante consulta ao escalão imediatamente superior.

70 68 ICA 908-1/ COMPROMISSO DOS MILITARES NOMEADOS AO PRIMEIRO POSTO 13.1 CERIMÔNIA MILITAR ALUSIVA AO COMPROMISSO DOS MILITARES NOMEADOS AO PRIMEIRO POSTO Todo militar nomeado ao Primeiro Posto prestará o compromisso de Oficial na primeira oportunidade após a nomeação, de acordo com o previsto nesta Instrução Em uma mesma localidade ou Guarnição, a Cerimônia prevista no item 13.1 poderá ser realizada, conjuntamente, por todas as OM nela sediadas, em um local adequado, previamente indicado pela maior Autoridade do COMAER da área, visando ao brilhantismo da Cerimônia Se em uma mesma OM ou Guarnição Militar prestarem compromisso mais de dez Oficiais recém-promovidos, a Cerimônia deverá ser realizada coletivamente; caso contrário, será realizada individualmente, ou seja, cada Oficial irá repetir o compromisso previsto no RCONT Os Oficiais de carreira prestarão o seu compromisso com espada e os Oficiais convocados (R2) sem espada Quando houver Oficiais de carreira e Oficiais convocados (R2), caberá ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM definir se o compromisso será com ou sem espada Quando a Cerimônia de compromisso for realizada em Sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório, os Oficiais compromitentes, sem espada e perante à Bandeira Nacional desfraldada, prestarão, em voz alta e pausada, o compromisso previsto no RCONT, cujos procedimentos serão os seguintes: a) braço direito estendido horizontalmente à frente do corpo; b) mão aberta; c) dedos unidos; d) palma da mão para baixo; e e) pronunciamento do compromisso A Cerimônia Militar Alusiva ao Compromisso de Militares Nomeados ao Primeiro Posto (bom tempo/mau tempo), conforme Anexos AAA e BBB, constará de: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) apresentação da tropa; d) deslocamento do Grupamento de militares nomeados ao Primeiro Posto; e) deslocamento da Bandeira Nacional; f) compromisso de militares nomeados ao Primeiro Posto; g) canto do Hino Nacional; h) entrega de Distintivos; i) retorno do Grupamento de Oficiais ao dispositivo inicial;

71 ICA 908-1/ j) retorno da Bandeira Nacional; k) leitura da Ordem do Dia; l) desfile da Tropa (bom tempo) ou apresentação da tropa para o encerramento da Cerimônia Militar (mau tempo); e m) encerramento A Cerimônia Militar Alusiva ao Compromisso de Militares Nomeados ao Primeiro Posto na sala do Comando, em Salão Nobre ou em Auditório, conforme Anexo CCC, obedecerá ao seguinte: a) abertura; b) chegada da Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar; c) composição de mesa, quando realizada em Auditório; d) declaração de abertura, quando realizada em Auditório; e) deslocamento da Bandeira Nacional; f) compromisso de militares nomeados ao Primeiro Posto; g) canto do Hino Nacional; h) retorno da Bandeira Nacional; i) entrega de Distintivos; j) leitura da Ordem do Dia; e k) encerramento Os Oficiais e os convidados já se encontrarão sentados no dispositivo previsto, quando a Cerimônia Militar for realizada em Auditório, ou de pé, em dispositivo previamente determinado, quando realizada em Sala de Comando ou em Salão Nobre Os Oficiais nomeados ao Primero Posto deverão estar sentados nas cadeiras centrais da frente do Auditório, ou de pé, no dispositivo previamente determinado, juntamente com o Comandante dos compromitentes UNIFORME O Uniforme previsto para a Autoridade que presidirá a Cerimônia Militar do compromisso dos Oficiais e para os convidados será o 7º A, com barretas O Uniforme previsto para os compromitentes será o 5 o O Uniforme para a tropa será aquele de desfile previsto no RCA 35-2, definido pelo Comandante da OM mediante consulta ao escalão imediatamente superior Quando a Cerimônia for realizada em Auditório, todos os militares presentes estarão sem cobertura e o Porta-Bandeira sem espada.

72 70 ICA 908-1/ PROTOCOLO 14.1 ORGANIZAÇÃO DAS RECEPÇÕES CONVITES O convite deve ser formulado de acordo com o evento, indicando quem convida, qual o evento, data, horário, local, uniforme e traje Civil correspondente Os convites deverão ser sempre impressos em tinta preta, evitando-se o emprego de brasões ou armas. Somente os Chefes de Estado e de Governos e os Chefes de Missão Diplomática e de Consulado-Geral usam as armas do Estado e letras douradas Nos convites para recepções oficiais, deverá ser empregada a expressão Tem a honra de convidar ; e nos convites não-oficiais, emprega-se a expressão Tem o prazer de convidar No convite impresso (padrão), deverão ser colocados, do lado direito, na parte inferior, os seguintes dizeres: - R.S.V.P. (Répondez S il Vous Plaît), acompanhado de data limite para resposta do convite e do telefone ao qual se deve responder a confirmação ou P.M. (Pour Mémoire), quando o convite não pressupõe confirmação Deverá ser observada a antecedência mínima de quinze dias para postar-se o convite Para as principais autoridades, o Comandante fará o convite verbal. Tão logo confirmada a presença, encaminha-se o convite formal, evitando-se o uso do correio, quando possível COMPOSIÇÃO DE MESAS DE HONRA Deverá ser seguida rigorosamente a precedência hierárquica na composição de Mesa de Honra Os modelos para composição de Mesas de Honra e de Mesas para Eventos Sociais estão previstos nos Anexos EEE e FFF.

73 ICA 908-1/ DISPOSIÇÕES GERAIS 15.1 EXECUÇÃO DO CERIMONIAL A execução de uma Cerimônia Militar interfere no cumprimento da missão essencial de cada OM, e, por isso, sua programação deve ser compatível com o vulto do evento, atentando-se para a duração, o custo e a frequência, sem, entretanto, reduzir-lhe o brilho O CMTAER, nas Cerimônias do COMAER, tem precedência sobre os Comandantes das demais Forças. Entre Militares, a precedência é aquela constante do Estatuto dos Militares, salvo os casos de precedência funcional estabelecida pelo Decreto-Lei n o 548, de 23 de abril de Deverá, ainda, ser observado o Decreto n o , de 9 de março 1972, no que se refere ao estabelecimento de precedência sobre os Civis O Comandante da Aeronáutica presidirá todas as solenidades militares no âmbito do Comando da Aeronáutica a que comparecer, exceto quando presente o Presidente da República, o Vice-Presidente da República ou o Ministro de Estado da Defesa. No caso em que o Comandante da Marinha ou do Exército estiver exercendo, interinamente, o Cargo de Ministro de Estado da Defesa, o CMTAER terá precedência conforme o item da presente ICA Nas Solenidades do COMAER em que haja a presença do Comandante da Aeronáutica, a supervisão do Cerimonial do evento poderá ser realizada pelo GABAER As Solenidades Militares do COMAER serão presididas pelo Militar da Ativa do Comando da Aeronáutica mais antigo presente, exceto quando estiver no local do evento o Presidente da República, o Vice-Presidente da República, o Ministro de Estado da Defesa ou o Comandante da Aeronáutica, os quais, nestes casos, presidirão a Cerimônia Nas Solenidades Militares as honras serão prestadas à maior Autoridade Civil ou Militar presente, daquelas relacionadas nos incisos de III a X e de XII a XVI do art. 15 do RCONT. Além dessas autoridades, nenhuma outra, ainda que esteja enumerada nas Normas do Cerimonial Público e na Ordem Geral de Precedência, aprovadas pelo Decreto nº , de 9 de março de 1972, terá direito à continência da tropa, toque e exórdio Na passagem em revista à tropa, a Autoridade anfitriã, ou seu representante, acompanhará a Autoridade homenageada, colocando-se à sua direita e à retaguarda, e o Comandante da Guarda de Honra ficará à esquerda e à retaguarda da autoridade homenageada. ( 1º do Art 115 do RCONT) Nas solenidades do COMAER, a apresentação da tropa deverá ser dirigida à Autoridade que estiver presidindo a Cerimônia de acordo com os itens e Após receber a apresentação da tropa, a maior Autoridade Militar da Ativa da Aeronáutica que estiver presidindo a solenidade deverá pedir permissão para iniciá-la e encerrá-la à Autoridade de maior precedência entre aquelas previstas nos incisos de V, VII a IX e de XII a XVI do art. 15 do RCONT A continência por ocasião do desfile da tropa será prestada à maior Autoridade presente à cerimônia, relacionadas nos incisos de III a X e de XII a XVI do art. 15 do RCONT, exceto nas cerimônias de passagem de Comando, Chefia, Direção ou Secretaria, em que a continência será para o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário substituto.

74 72 ICA 908-1/ Quando uma Autoridade se fizer representar em Cerimônia, seu representante terá lugar compatível com sua própria precedência, e não a precedência correspondente à Autoridade que está representando O Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM acompanhará a maior Autoridade hierárquica presente, passando à frente das demais, mesmo de postos hierárquicos superiores, a fim de fazer as honras da casa O Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM deverá indicar um Oficial Superior para confeccionar Norma de Serviço, a fim de planejar, coordenar e orientar todas as atividades, direta ou indiretamente ligadas à Cerimônia. Deve ser sempre levada em consideração a presença e a participação na Cerimônia, de Militares e de Civis idosos e de senhoras que necessitam de maior conforto. Eventualmente, caso estes desconheçam detalhes do protocolo e/ou da programação, deverão ser orientados e conduzidos por comissão designada. A supervisão caberá sempre ao Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM e será de sua inteira responsabilidade O desenvolvimento de uma Cerimônia Militar deverá ser sempre anunciado através de sistema de audiodifusão, descrevendo-se cada evento e orientando os participantes A incorporação da Bandeira Nacional à Tropa (ANEXO E) será feita em local à parte do previsto para a Cerimônia Militar, se for o caso Após a incorporação da Bandeira Nacional, a Guarda de Honra deslocar-se-á em passo ordinário para o local da Cerimônia Militar, se for o caso Nas Cerimônias Militares em Sala do Comando, em Auditórios ou em Salão Nobre, os Militares estarão sem cobertura Nas imposições de medalhas em ambiente fechado, sem presença de tropa, os Oficiais Agraciados receberão as medalhas sem cobertura e sem espada, e o Porta-Bandeira estará sem cobertura e sem espada Os Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários das OM, sempre que possível, deverão programar a Cerimônia Militar em horário que não sacrifique a tropa e a assistência, principalmente em Cerimônias realizadas em locais desprovidos de cobertura O sistema de audiodifusão deverá ser, obrigatoriamente, instalado próximo às tribunas, pérgulas ou outros locais destinados às autoridades e aos convidados, a fim de que todos, acompanhando o desenrolar das fases da cerimônia, possam tomar atitudes adequadas. Outras providências poderão também ser previstas para evitar quaisquer interferências que possam prejudicar a cerimônia No recebimento de Prêmio/Distintivo, os Oficiais e Graduados procederão da seguinte forma: o Oficial/Graduado prestará a continência individual e dirá, no momento em que o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM o defrontar: (Posto/Graduação, Quadro e Nome Completo); após a apresentação, o Oficial/Graduado desfará a continência, receberá o Prêmio/Distintivo, retornando-o à bandeja conduzida pelo acólito Alguns dos anexos apresentados nesta Instrução constituirão modelos de sequência de Cerimônia Militar para leitura ao microfone por locutor de boa dicção, previamente

75 ICA 908-1/ selecionado. Essas sequências deverão ser adaptadas pelas OM, de acordo com a programação da Autoridade que presidirá a Cerimônia As datas comemorativas, no âmbito do COMAER, ressaltam as efemérides relativas às tradições peculiares da Força Aérea Brasileira e são constantes do anexo JJJ, juntamente com a responsabilidade pela emissão das Ordens do Dia alusivas aos eventos Não haverá expediente nas OM do COMAER nos dias 20 de julho (Dia do Nascimento de Alberto Santos-Dumont) e 23 de outubro (Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira), ressalvando-se as atividades essenciais e de apoio à realização das solenidades militares programadas No dia do aniversário de Organização Militar, o expediente ficará a critério de seu respectivo Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário Nas datas comemorativas, as solenidades militares ocorrerão no âmbito das OM envolvidas, obedecendo à programação específica aprovada por autoridade competente A divulgação das Ordens do Dia é de responsabilidade do CECOMSAER, devendo, portanto, a OM responsável pela sua elaboração, conforme discriminado no anexo JJJ, encaminhá-la àquele Centro com antecedência mínima de 72 horas. A exceção deve ser feita às Ordens do Dia ou mensagens elaboradas pelos Comandantes de OM que serão apenas divulgadas no âmbito da própria organização Nos dias 19 de abril (Dia do Exército) e 11 de junho (Dia da Batalha Naval do Riachuelo), em sistema de rodízio, o CMTAER ficará encarregado de elaborar a mensagem de saudação alusiva à data, em nome das Forças Armadas No dia 8 de maio (Dia da Vitória na II Guerra Mundial), a Ordem do Dia alusiva ao evento será emitida pelo Comandante da Marinha, do Exército ou da Aeronáutica, em sistema de rodízio, conforme orientação do Ministério da Defesa Na Ordem do Dia alusiva a 12 de junho (Dia do Correio Aéreo Nacional), serão feitas referências ao Dia da Aviação de Transporte, comemorada na mesma data Na Ordem do Dia alusiva a 23 de outubro (Dia do Aviador), serão feitas referências ao Dia da Força Aérea Brasileira, que ocorre na mesma data As Ordens do Dia relativas ao aniversário das OM serão emitidas pelos respectivos Comandantes, Chefes, Diretores ou Secretários Em princípio, presidirá a Cerimônia Militar o Comandante, Chefe, Diretor ou Secretário da OM imediatamente superior àquele que estiver organizando a Cerimônia Militar Caso compareça à Cerimônia Militar Autoridade de maior grau hierárquico, desde que comunique com a devida antecedência ao escalão superior, deverão ser adotados procedimentos similares aos mencionados nos itens e desta Instrução Nas Solenidades Militares do COMAER será permitida a execução de Hinos, Canções, Dobrados ou Marchas de caráter cívico-militar.

76 74 ICA 908-1/ DISPOSIÇÕES FINAIS Os casos não previstos nesta Instrução e os não relacionados pela Lei n o 5.700, de 1971, pelo Decreto n o , de 1972, pelo RCONT e pelo RMA 34-1 serão submetidos à apreciação do Comandante da Aeronáutica.

77 ICA 908-1/ REFERÊNCIAS BRASIL. Decreto nº , de 9 de março de Aprova as normas do cerimonial público e a ordem geral da precedência. Boletim do Ministério da Aeronáutica (BMA). Rio de Janeiro, p , 31 mar Portaria nº 660/MD, de 19 de maio de Dispõe sobre o Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial das Forças Armadas. - Decreto-Lei nº 548, de 23 de abril de Estabelece a precedência funcional entre Oficiais-Generais dos postos de Almirante-de-Esquadra, General-de-Exército e Tenente- Brigadeiro e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 24 abr Lei nº 5.700, de 1º de setembro de Dispõe sobre a forma e a apresentação dos Símbolos Nacionais. Brasília, DF, Lei nº 8.421, de 11 de maio de Altera a Lei n o 5.700, de 1 o de setembro de 1971, que dispõe sobre a forma e a apresentação dos Símbolos Nacionais. Brasília, DF, BRASIL. Estado-Maior das Forças Armadas. Gabinete do Ministro. Mensário de Legislação da Aeronáutica. Rio de Janeiro, (BMA 113-5) BRASIL. Ministério da Aeronáutica. Portaria nº 003/DIR, de 27 de fevereiro de Confecção, Aprovação e Emprego dos Símbolos Heráldicos no Comando da Aeronáutica. (ICA 903 1) -Portaria Nº 1.270/GC3, de 3 de novembro de Aprova o Regulamento Interno dos Serviços da Aeronáutica. (Publicado no BCA nº 209, de 8 de novembro de 2005) -Ministério da Aeronáutica. Centro de Documentação e Histórico da Aeronáutica. Ordem Unida. Rio de Janeiro, (MMA 50-4). -Manual de Mestre de Banda de Música. Rio de Janeiro, (MMA 50-5)

78 76 ICA 908-1/2012 Anexo A - Bandeiras Históricas BANDEIRA DA ORDEM DE CRISTO Bandeira da Ordem de Cristo, que tremulava nos navios de Cabral quando descobriu o Brasil em BANDEIRA REAL Era o pavilhão oficial do Reino português na época do descobrimento do Brasil e presidiu a todos os acontecimentos importantes havidos em nossa terra até 1521.

79 ICA 908-1/ Continuação do Anexo A - Bandeiras Históricas BANDEIRA REAL DE D. JOÃO III Bandeira Real de D. João III (1521), instituída e mantida durante os reinados de D. Sebastião e D. Henrique, vigorou durante grande parte do domínio espanhol. BANDEIRA DO DOMÍNIO ESPANHOL Bandeira de Portugal sob o domínio espanhol, de 1616 a Instituída por Felipe III da Espanha (II de Portugal), estabelecida em 1580.

80 78 ICA 908-1/2012 Continuação do Anexo A - Bandeiras Históricas BANDEIRA REAL DE D. JOÃO IV Bandeira Real (1640). Criada por D. João IV logo após a restauração da independência de Portugal. BANDEIRA DO PRINCIPADO DO BRASIL Bandeira do Principado do Brasil (1645). O Principado foi criado por D. João IV, em favor do seu filho mais velho, e atribuído pelos soberanos aos príncipes herdeiros portugueses. Naquela época, os reis de Portugal reconheciam o Brasil como a mais preciosa jóia da Coroa.

81 ICA 908-1/ Continuação do Anexo A - Bandeiras Históricas BANDEIRA DE D. PEDRO II, DE PORTUGAL Esta bandeira presenciou ao apogeu da epopéia bandeirante, que tanto contribuiu para a nossa expansão territorial. BANDEIRA REAL SÉCULO XVII Esta bandeira foi usada como símbolo oficial do Reino, ao lado dos três pavilhões citados antes, a Bandeira de D. João IV, a do Principado do Brasil e a Bandeira de D. Pedro II, de Portugal.

82 80 ICA 908-1/2012 Continuação do Anexo A - Bandeiras Históricas BANDEIRA DO REINO UNIDO DE PORTUGAL, BRASIL E ALGARVES Bandeira do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1816). O Brasil, já remido da condição de colônia, servia de residência real e atuava como sede desse Reino Unido. BANDEIRA DO REINO UNIDO CONSTITUCIONAL Lisboa. Bandeira do Reino Unido Constitucional (1821), proclamado pelas Cortes de

83 ICA 908-1/ Continuação do Anexo A - Bandeiras Históricas BANDEIRA DO IMPÉRIO BRASIL Bandeira do Império Brasil (1822). Bandeira auriverde, com o escudo do Império do Brasil. À sua sombra foram escritas as páginas mais gloriosas da história e as primeiras do Brasil livre. Relembra sua epopéia brilhante e inesquecível, que firmou nossa posição de destaque na América do Sul. BANDEIRA PROVISÓRIA DA REPÚBLICA Bandeira Provisória da República que tremulou como símbolo do Brasil republicano, quando o Governo Provisório instituiu a Bandeira atual.

COMANDO DA AERONÁUTICA

COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA CERIMONIAL ICA 900-1 CERIMONIAL MILITAR DO COMANDO DA AERONÁUTICA 17 DEZ 2002 COMANDO DA AERONÁUTICA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA CERIMONIAL ICA 900-1 CERIMONIAL MILITAR

Leia mais

Protocolo (Sergeant-at-arms)

Protocolo (Sergeant-at-arms) Protocolo (Sergeant-at-arms) Intlª. Kaue Baiza Macedo Gestão 2012-13 - Paz Através Do Servir Definição Podemos entender o Protocolo como um conjunto de procedimentos e regras de funcionamento a aplicar

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA BANDEIRA ACREANA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA BANDEIRA ACREANA LEI N. 1.170, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1995 Regulamenta e define a forma e apresentação da Bandeira do Estado do Acre, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008.

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. Autoria: Poder Legislativo Estabelece normas para as cerimônias públicas e a ordem geral de precedência no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito

Leia mais

Data: / / Local: Documento de Origem:

Data: / / Local: Documento de Origem: POLÍCIA MILITAR DA BAHIA SUBCOMANDO GERAL COORDENAÇÃO DE CERIMONIAL SOLENIDADE DE FORMATURA DO CURSO ESPECIAL DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS POLICIAIS MILITARES PM Data: / / Local: Documento de Origem: 1º ATO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO GABINETE DO COMANDANTE PORTARIA Nº 408, DE 8 DE AGOSTO DE 2000

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO GABINETE DO COMANDANTE PORTARIA Nº 408, DE 8 DE AGOSTO DE 2000 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO GABINETE DO COMANDANTE PORTARIA Nº 408, DE 8 DE AGOSTO DE 2000 Aprova as Instruções Gerais para Aplicação do Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito

Leia mais

CERIMONIAL MILITAR DO EXÉRCITO

CERIMONIAL MILITAR DO EXÉRCITO CERIMONIAL MILITAR DO EXÉRCITO VADE-MÉCUM Nº 03 HONRAS DE RECEPÇÃO E DESPEDIDA DE AUTORIDADE NA OM 1. INTRODUÇÃO O presente vade-mécum trata do cerimonial militar referente às honras de recepção e despedida

Leia mais

LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003

LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003 LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre as Normas do Cerimonial Público e Ordem de Precedência no Município de Bonito-MS., e dá outras providências. Autor: Luemir do Couto Coelho O Prefeito Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ICA 168-6/2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESSOAL-MILITAR RCA 35-2 REGULAMENTO DE UNIFORMES PARA OS MILITARES DA AERONÁUTICA (RUMAER) 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DIRETORIA

Leia mais

Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas

Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas DECRETO N. 2.243 - DE 3 DE JUNHO DE 1997 2 Sumário Regulamento de Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial

Leia mais

Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas SUMÁRIO

Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas SUMÁRIO Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas DECRETO N. 2.243 - DE 3 DE JUNHO DE 1997, Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 350 DE 1999. Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos nacionais.

PROJETO DE LEI Nº 350 DE 1999. Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos nacionais. PROJETO DE LEI Nº 350 DE 1999 Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos nacionais. O CONCRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DA Disposição Preliminar Art. 1º São símbolos Nacionais: I - a Bandeira

Leia mais

Manual Cerimonial e Protocolo para eventos da UFG

Manual Cerimonial e Protocolo para eventos da UFG ÍNDICE Visando democratizar o acesso aos procedimentos, bem como auxiliar o trabalho de órgãos e unidades acadêmicas, a Coordenadoria de Relações Públicas/Ascom-RP disponibiliza nesta seção dicas relacionadas

Leia mais

Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas DECRETO N. 2.243 - DE 3 DE JUNHO DE 1997

Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas DECRETO N. 2.243 - DE 3 DE JUNHO DE 1997 Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas DECRETO N. 2.243 - DE 3 DE JUNHO DE 1997 Sumário Regulamento de Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar

Leia mais

os alunos do Colégio da Polícia Militar de Goiás CPMG prestam a determinados símbolos nacionais e as REGULAMENTO DE CONTINÊNCIAS Da Finalidade

os alunos do Colégio da Polícia Militar de Goiás CPMG prestam a determinados símbolos nacionais e as REGULAMENTO DE CONTINÊNCIAS Da Finalidade SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS Este Regulamento tem por finalidade, estabelecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA GERAL DO EXÉRCITO. Vade Mécum de Cerimonial Militar do Exército VADE MÉCUM 04 GUARDA BANDEIRA

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA GERAL DO EXÉRCITO. Vade Mécum de Cerimonial Militar do Exército VADE MÉCUM 04 GUARDA BANDEIRA MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA GERAL DO EXÉRCITO Vade Mécum de Cerimonial Militar do Exército VADE MÉCUM 04 GUARDA BANDEIRA PORTARIA Nº 249, DE 28 DE MAIO DE 2001 (ALTERADA PELA PORTARIA

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO ESTADO MAIOR GERAL 3ª SEÇÃO Av. Jerônimo de Albuquerque, s/n

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO ESTADO MAIOR GERAL 3ª SEÇÃO Av. Jerônimo de Albuquerque, s/n ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO ESTADO MAIOR GERAL 3ª SEÇÃO Av. Jerônimo de Albuquerque, s/n - Calhau São Luís MA CEP: 65.074-220tel. (098) 3268-3059

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PUBLICA POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO ESTADO MAIOR GERAL 3ª SEÇÃO Av. Jerônimo de Albuquerque, s/n

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PUBLICA POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO ESTADO MAIOR GERAL 3ª SEÇÃO Av. Jerônimo de Albuquerque, s/n ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PUBLICA POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO ESTADO MAIOR GERAL 3ª SEÇÃO Av. Jerônimo de Albuquerque, s/n - Calhau São Luís MA CEP: 65.074-220Tel. (098) 3268-3059

Leia mais

"Os pequenos atos que se executam são melhores que todos aqueles grandes que se planejam". George C. Marshall (1880-1959)

Os pequenos atos que se executam são melhores que todos aqueles grandes que se planejam. George C. Marshall (1880-1959) "Os pequenos atos que se executam são melhores que todos aqueles grandes que se planejam". George C. Marshall (1880-1959) REFERÊNCIA: LEI Nº 5.700, DE 1º SET 1971 MANUAL ADMINISTRATIVO DO CLUBE DE DESBRAVADORES

Leia mais

O GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que se confere o artigo 86, inciso IV, da Constituição do Estado,

O GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que se confere o artigo 86, inciso IV, da Constituição do Estado, DECRETO Nº 23.799, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2002 1. Aprova o Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar da Polícia Militar e determina providências. O GOVERNO DO ESTADO DA

Leia mais

MODELOS MANUAL DE BANDEIRAS. Agosto/2015 - Versão 01

MODELOS MANUAL DE BANDEIRAS. Agosto/2015 - Versão 01 2015 MODELOS MANUAL DE BANDEIRAS Agosto/2015 - Versão 01 BANDEIRAS Atender a Lei nº 5.700, de 1 de setembro de 1971, que "Dispõe sobre a forma e a apresentação dos Símbolos Nacionais, e dá outras providências".

Leia mais

CIVISMO. Vamos primeiro conhecer a lei que nos mostra a forma correta de usarmos a nossa bandeira.

CIVISMO. Vamos primeiro conhecer a lei que nos mostra a forma correta de usarmos a nossa bandeira. CIVISMO Civismo é a dedicação pelo interesse público, é o patriotismo que cada cidadão deve ter no seu dia a dia, para isso devemos conhecer bem os nossos símbolos nacionais. Vamos primeiro conhecer a

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA 1732 Diário da República, 1.ª série N.º 63 30 de Março de 2011 2 O crachá é dourado para os titulares dos órgãos de comando da Polícia Marítima, para os inspectores, subinspectores e chefes, e é prateado

Leia mais

Assinatura Publicação 26/10/00 27/10/00, Folha 3

Assinatura Publicação 26/10/00 27/10/00, Folha 3 Assinatura Publicação 26/10/00 27/10/00, Folha 3 Ementa: DISPOE SOBRE O REGULAMENTO DE CONTINENCIAS, HONRAS, SINAIS DE RESPEITO E CERIMONIAL DA GUARDA CIVIL METROPOLITANA, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. DECRETO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

I-21-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo Instrução Policial Militar

I-21-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo Instrução Policial Militar I-21-PM Polícia Militar do Estado de São Paulo Instrução Policial Militar INSTRUÇÕES PARA CONTINÊNCIAS, HONRAS, SINAIS DE RESPEITO E CERIMONIAL MILITAR NA POLÍCIA MILITAR Setor Gráfico do CSM/M Int Impresso

Leia mais

REGULAMENTO DE PROTOCOLO

REGULAMENTO DE PROTOCOLO Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português REGULAMENTO DE PROTOCOLO Aprovado pelo Conselho Permanente de 27 e 28 de Junho de 1992 e publicado na Flor de Lis de Novembro de 1992, com a alteração

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA SERVIÇO BOMBEIRO MILITAR ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DECRETO Nº 18.428 São Luís, 03 de dezembro de 2001. Regulamenta o art. 158,

Leia mais

Cerimonial, Protocolo e Etiqueta. Isso tudo é realmente necessário? Isso tudo é frescura? Nunca vou PRECISAR usar isso! SERÁ?

Cerimonial, Protocolo e Etiqueta. Isso tudo é realmente necessário? Isso tudo é frescura? Nunca vou PRECISAR usar isso! SERÁ? Cerimonial, Protocolo e Etiqueta Isso tudo é realmente necessário? Isso tudo é frescura? Nunca vou PRECISAR usar isso! SERÁ? Cerimônias, regras, etiquetas e ética FAZEM PARTE DO COTIDIANO DO SER HUMANO...

Leia mais

SÍMBOLO DA FAB. RUMAER Insígnias e Acessórios - Página 1

SÍMBOLO DA FAB. RUMAER Insígnias e Acessórios - Página 1 SÍMBOLO DA FAB RUMAER Insígnias e Acessórios - Página 1 INSÍGNIA DE POSTO PARA USO NA GOLA E GORRO MARECHAL-DO-AR TENENTE-BRIGADEIRO MAJOR-BRIGADEIRO BRIGADEIRO RUMAER Insígnias e Acessórios - Página 2

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24 ADMISSÃO DE CANDIDATOS CIVIS NOS CURSOS FUNDAMENTAL E PROFISSIONAL DO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO

Leia mais

ESCOTEIROSDOBRASIL SÃO PAULO DESFILES CÍVICOS

ESCOTEIROSDOBRASIL SÃO PAULO DESFILES CÍVICOS ESCOTEIROSDOBRASIL SÃO PAULO DESFILES CÍVICOS Elmer S. Pessoa DCIM Lenita A. Pessoa - DCIM REGIÃO DE SÃO PAULO Rua Cel. Xavier de Toledo, 316 3º andar São Paulo/SP CEP 01048-000 Centro tel. 3237-1588 www.escotismo.org.br

Leia mais

Coleção das Leis da República Federativa do Brasil

Coleção das Leis da República Federativa do Brasil Imprensa Nacional Coleção das Leis da República Federativa do Brasil Volume 189 -Número 6 -Tomo 2 junho -1997 Colo Leis Rep. Fed. Brasil, Brasília, V. 189, n. 6, t. 2, p. 3769-4098, jun. 1997 IMPRENSA

Leia mais

PODER LEGISLATIVO Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU Assessoria de Comunicação

PODER LEGISLATIVO Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU Assessoria de Comunicação MANUAL BÁSICO DE CERIMONIAL 1. CERIMONIAL Cerimonial é uma palavra que ouvimos ou lemos com freqüência nos dias de hoje. Porém poucos sabem seu verdadeiro significado e principalmente conhecem a atividade

Leia mais

A- COMANDOS DO RAMO LOBO

A- COMANDOS DO RAMO LOBO A- COMANDOS DO RAMO LOBO A - Vozes de comando a - lobo! LOBO! Utilizado para obter atenção da seção toda. Oriente-os para quando ouvirem esse comando pararem, calarem e prestarem atenção ao comando ou

Leia mais

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007.

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. Aprova as Instruções Gerais para o Funcionamento dos Hotéis de Trânsito do Exército (IG 30-52). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso das atribuições

Leia mais

GUIA DE PROTOCOLO EM CERIMÓNIAS DE BOMBEIROS

GUIA DE PROTOCOLO EM CERIMÓNIAS DE BOMBEIROS GUIA DE PROTOCOLO EM CERIMÓNIAS DE BOMBEIROS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL 2011 FICHA TÉCNICA Edição: Autoridade Nacional de Protecção Civil / Direcção Nacional de Bombeiros Autores: Vitor Ginja

Leia mais

Cinara Cardoso ALARP BRASIL/ Salvador - BA. 22.10.2014

Cinara Cardoso ALARP BRASIL/ Salvador - BA. 22.10.2014 Cerimonial & Protocolo Empresarial Cinara Cardoso ALARP BRASIL/ Salvador - BA. 22.10.2014 Pontos de Discussão*: 1. Informações introdutórias C&P; 2. Aspectos Práticos do C&P na área empresarial; 3. Um

Leia mais

o PREFEITO MUNICIPAL DE ALVORADA DO GURGUÉIA, Estado do Piauí, faz

o PREFEITO MUNICIPAL DE ALVORADA DO GURGUÉIA, Estado do Piauí, faz .,.,... "''':. ', ESTADO DO PIAUi. " ' 'PREFEITURA DE ALVORADA DO GURGUÉIA ALlI- ~A Lei 0 171/2010, de 03 de maio de 2010 "Dispõe sobre os Símbolos Municipais, a forma de apresentação e dá outras providências."

Leia mais

REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT

REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT MANTIDA PELA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTES CLAROS - FEMC TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º. O presente

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011.

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova a Instrução que estabelece as Normas Reguladoras para a

Leia mais

Hasteamento e arriamento

Hasteamento e arriamento Hasteamento e arriamento Hasteamento A patrulha ou matilha de serviço fixa previamente a bandeira no mastro, pronta para ser içada. Os lobinhos, escoteiros, seniores e pioneiros formam em ferradura. Quando

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA OPM

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA OPM POLÍCIA MILITAR DA BAHIA OPM SOLENIDADE DE CULTO A TIRADENTES Patrono das Polícias Militares do Brasil Data: /abr/ Local: Horário: 1º ATO DOS CUMPRIMENTOS INICIAIS MC - Senhoras e Senhores, bom dia! Sejam

Leia mais

INFORMATIVO. 2º B Log L. Dia da Intendência. No dia 11 de abril, o Batalhão Cidade de

INFORMATIVO. 2º B Log L. Dia da Intendência. No dia 11 de abril, o Batalhão Cidade de INFORMATIVO Eletrônico 2º B Log L BATALHÃO CIDADE DE CAMPINAS Exercício EBST 2014 Coroando a fase de formação dos alunos do Estágio Básico de Sargentos Temporários, foi realizado o acampamento na Fazenda

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010, de 19 de dezembro de 2012.

RESOLUÇÃO Nº 010, de 19 de dezembro de 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Ibirubá RESOLUÇÃO Nº 010, de 19 de dezembro de 2012.

Leia mais

etapas para realização de um evento

etapas para realização de um evento etapas para realização de um evento Definição do tipo de evento Solenidades diversas: Reunião Especial (para eleição da Mesa da Câmara Municipal, para entrega de título de Cidadão Honorário do município,

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO

CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO PARA A SOLENIDADE DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E INTEGRADO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º. O presente regulamento tem por objetivo estabelecer as normas e procedimentos

Leia mais

Anexo ao Decreto XXXXXXXXX. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

Anexo ao Decreto XXXXXXXXX. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Anexo ao Decreto XXXXXXXXX CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º - O presente Regulamento contém as prescrições sobre os uniformes, peças complementares, insígnias e distintivos do Corpo de Bombeiros

Leia mais

Norma de Eventos Institucionais e Oficiais - Universidade Federal de Itajubá

Norma de Eventos Institucionais e Oficiais - Universidade Federal de Itajubá Norma de Eventos Institucionais e Oficiais - Universidade Federal de Itajubá 1 Esta norma regulamenta a realização dos eventos institucionais e oficiais da Universidade Federal de Itajubá, padronizando

Leia mais

Fase 03 do Projeto de Comunicação Visual BANDEIRAS IFES CAMPUS VITORIA

Fase 03 do Projeto de Comunicação Visual BANDEIRAS IFES CAMPUS VITORIA Fase 03 do Projeto de Comunicação Visual BANDEIRAS IFES CAMPUS VITORIA Coordenadoria de Comunicação Social IFES-Campus de Vitória CCS INSTITUTO FEDERAL ESPÍRITO SANTO Campus Vitória Ministério da Educação

Leia mais

- Local, data e horário da Sessão Solene da Colação de Grau;

- Local, data e horário da Sessão Solene da Colação de Grau; MANUAL DO FORMANDO A Colação de Grau é um ato oficial e obrigatório para Conclusão de Curso e obtenção de diploma realizado em Sessão Solene ou Colação Especial, em data, horário e local previamente autorizado

Leia mais

REGULAMENTO DAS SESSÕES PÚBLICAS SOLENES OU SIMPLES DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E TECNÓLOGOS

REGULAMENTO DAS SESSÕES PÚBLICAS SOLENES OU SIMPLES DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E TECNÓLOGOS REGULAMENTO DAS SESSÕES PÚBLICAS SOLENES OU SIMPLES DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E TECNÓLOGOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E LETRAS FACEL Este regulamento pretende servir

Leia mais

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso de suas atribuições legais. R E S O L V E Aprovar, no âmbito do Poder Judiciário Estadual, as Normas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, nº 17, em 27/1/2015. RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE

Leia mais

PREFEITURA MU ICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MU ICIPAL DE GOVER O

PREFEITURA MU ICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MU ICIPAL DE GOVER O LEI COMPLEMENTAR Nº 273, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera o art. 59 da Lei nº 386, de 17 de fevereiro de 1993, e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS Faço saber que a Câmara Municipal de Palmas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA LOGÍSTICA NSCA 400-2 NORMA DO SISTEMA DE INTENDÊNCIA OPERACIONAL 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO-GERAL DO PESSOAL LOGÍSTICA NSCA 400-2

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 011/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 011/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO RESOLUÇÃO Nº 011/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS

ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS 1. DURAÇÃO DO CURSO: 1400 horas - 35 semanas. 2. OBJETIVOS GERAIS DO CURSO: Habilitar os profissionais de saúde da área médica

Leia mais

MANUAL DE SOLENIDADE DE COLAÇÃO DE GRAU

MANUAL DE SOLENIDADE DE COLAÇÃO DE GRAU MANUAL DE SOLENIDADE DE COLAÇÃO DE GRAU Profa. Dra. Fátima Ahmad Rabah Abido Diretora Silvia Regina Tedesco Rodella Diretora Acadêmica Luci Mieko Hirota Simas Assistente Técnico Administrativo I Profa.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 3.174, DE 1997 (Apensos os PLs 1.655/99, 2.346/00 e 3.547/00)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 3.174, DE 1997 (Apensos os PLs 1.655/99, 2.346/00 e 3.547/00) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.174, DE 1997 (Apensos os PLs 1.655/99, 2.346/00 e 3.547/00) Altera a Lei nº 5.700, de 1º de setembro de 1971, que dispõe sobre a forma

Leia mais

Substituição da Bandeira Nacional

Substituição da Bandeira Nacional Informativo Eletrônico do Comando Militar do Planalto 1º a 15 de fevereiro - 2013 - ano IV - edição 64 C M Substituição da Bandeira Nacional P Profissionalismo e Entusiasmo CMP Notícias - nº 64-1º a 15

Leia mais

QUARTEL DO COMANDO GERAL 3ª SEÇÃO DO ESTADO MAIOR GERAL PM/3 NOTA DE INSTRUÇÃO Nº 012/2015-PM/3

QUARTEL DO COMANDO GERAL 3ª SEÇÃO DO ESTADO MAIOR GERAL PM/3 NOTA DE INSTRUÇÃO Nº 012/2015-PM/3 POLÍCIA MILITAR DO PIAUÍ QUARTEL DO COMANDO GERAL 3ª SEÇÃO DO ESTADO MAIOR GERAL PM/3 NOTA DE INSTRUÇÃO Nº 012/2015-PM/3 SOLENIDADE CÍVICO MILITAR ALUSIVA AO DIA DA BANDEIRA, CONCESSÃO DE DIPLOMAS DE AMIGO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 439, DE 21 DE SETEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 439, DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico em 24/9/2010. RESOLUÇÃO Nº 439, DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA ALFERES MORAES SANTOS

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA ALFERES MORAES SANTOS ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA ALFERES MORAES SANTOS ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DECRETO Nº 18.430 São Luís, 03 de dezembro de 2001. Regulamenta o art. 158, da

Leia mais

REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE GUAIRACÁ CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINS

REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE GUAIRACÁ CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINS REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE GUAIRACÁ CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINS Este regulamento serve como instrumento informativo e orientador

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º. O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer as

Leia mais

REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO SALVADOR.

REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO SALVADOR. REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO SALVADOR. Este regulamento pretende servir de instrumento informativo e orientador das cerimônias

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1.247/MD, DE 2 DE SETEMBRO DE 2008 Disciplina a ocupação de cargos e funções militares, a concessão da Gratificação de Exercício em Cargo

Leia mais

Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012

Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012 Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012 Direção-Geral da Administração da Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1ª instância

Leia mais

LEI Nº 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964

LEI Nº 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964 LEI Nº 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964 Lei do Serviço Militar. TÍTULO III DO RECRUTAMENTO PARA O SERVIÇO MILITAR CAPÍTULO III DA CONVOCAÇÃO Art. 17. A classe convocada será constituída dos brasileiros que

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. Dispõe sobre o subsídio dos Militares do Estado e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O ICA 37-239 CURRÍCULO MÍNIMO DA 1ª FASE DO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO (CM EAS) 2010 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A G A B I N E T E D O G O V E R N A D O R CASA MILITAR CERIMONIAL MANUAL BÁSICO DE CERIMONIAL

E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A G A B I N E T E D O G O V E R N A D O R CASA MILITAR CERIMONIAL MANUAL BÁSICO DE CERIMONIAL MANUAL BÁSICO DE 1. Cerimonial é uma palavra que ouvimos ou lemos com freqüência nos dias de hoje. Porém poucos sabem seu verdadeiro significado e principalmente conhecem a atividade profissional derivada

Leia mais

ÍNDICE. 2 - Discriminação das Condecorações mais usadas pelos militares da Aeronáutica

ÍNDICE. 2 - Discriminação das Condecorações mais usadas pelos militares da Aeronáutica 2 a Edição ÍNDICE 1 - Editorial 2 - Discriminação das Condecorações mais usadas pelos militares da Aeronáutica 3 - Apresentação, por precedência, das Barretas mais utilizadas por militares da Aeronáutica

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA O SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL MILITAR DO EXÉRCITO

INSTRUÇÕES GERAIS PARA O SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL MILITAR DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL INSTRUÇÕES GERAIS PARA O SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL MILITAR DO EXÉRCITO 1ª Edição 2014 PORTARIA Nº 1494, DE 11 DEDEZEMBRO

Leia mais

Quadros de Lotação de Pessoal Militar (QLPM) ou em outro documento legal semelhante. X Cargos que Independem de QM são cargos que podem ser ocupados

Quadros de Lotação de Pessoal Militar (QLPM) ou em outro documento legal semelhante. X Cargos que Independem de QM são cargos que podem ser ocupados PORTARIA Nº 785, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1998 Aprova as Instruções Gerais para a Qualificação Militar das Praças (IG 10-01) O MINISTRO DE ESTADO DO EXÉRCITO, de acordo com o que dispõe o art. 8º da Lei nº

Leia mais

Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências.

Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. LEI Nº 5.213, DE 5 DE JANEIRO DE 1966. Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. ILDO MENEGHETTI, Governador do Estado do Rio Grande do

Leia mais

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: REMOÇÃO DE DIRIGENTES E EMPREGADOS APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 71, de 25/05/2015 VIGÊNCIA: 25/05/2015 NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 1/7 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL

ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL SEXTA-FEIRA - RECIFE, - SUNOR Nº G 1.0.00.018 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

I. DA COLAÇÃO DE GRAU E COMISSÃO DE FORMATURA 1) O

I. DA COLAÇÃO DE GRAU E COMISSÃO DE FORMATURA 1) O COLAÇÃO DE GRAU O presente documento tem por objetivo orientar os acadêmicos quanto as normas e procedimentos relativos a Colação de Grau dos Cursos de Graduação do Instituto de Ensino Superior de Londrina

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS DO EXÉRCITO 2013

JOGOS DESPORTIVOS DO EXÉRCITO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DPEP COMISSÃO DE DESPORTOS DO EXÉRCITO (L Mil Foot-ball/1915) 1. FINALIDADE JOGOS DESPORTIVOS DO EXÉRCITO 2013 INSTRUÇÕES TÉCNICO-NORMATIVAS Difundir as

Leia mais

Art. 3º - Compete ainda, ao Comandante Geral estabelecer normas para aplicação do Regulamento ora aprovado.

Art. 3º - Compete ainda, ao Comandante Geral estabelecer normas para aplicação do Regulamento ora aprovado. DECRETO N.º 18.063, de 06 de agosto de 1986 Aprova o Regulamento de Uniformes da Polícia Militar do Ceará e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso de suas atribuições legais que

Leia mais

IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA

IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA ÍNDICE PALAVRA DA DIRETORA...03 APRESENTAÇÃO...03 PROVIDÊNCIAS LEGAIS...03 COMISSÃO DE FORMATURA...04

Leia mais

ADITAMENTO BOLETIM GERAL

ADITAMENTO BOLETIM GERAL Polícia Militar do Pará Comando Geral Ajudância Geral ADITAMENTO BOLETIM GERAL Belém Pará 05 ABR 2001 Adit. ao BG Nº 066 Para conhecimento dos Órgãos subordinados e execução, publico o seguinte: I PARTE

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Art. 1º. Fica aprovado o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/RN), anexo ao presente Decreto.

Art. 1º. Fica aprovado o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/RN), anexo ao presente Decreto. Decreto nº 16.039, de 3 de maio de 2002. Dispõe sobre o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/ RN). O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando da

Leia mais

Manual de Colação de Grau

Manual de Colação de Grau Manual de Colação de Grau Sumário INTRODUÇÃO...3 1 REGULAMENTO DAS SOLENIDADES DE COLAÇÃO DE GRAU...3 2 SETOR DE FORMATURAS...3 3 ATRIBUIÇÕES DA SECRETARIA E COORDENAÇÃO ACADÊMICA...4 4 TIPOS DE SOLENIDADES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !" """ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N o 034/DGAC, DE 19 DE JANEIRO DE 2000 Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe sobre alterações em vôos regulares e realização

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares POLÍCIA MILITAR CENTRO DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 0001/2013-CEPM ESTABELECE NORMAS PARA FUNCIONAMENTO DO CURSO DE HABILITAÇÃO DE SARGENTOS POLICIAIS MILITARES (CHS/PM), COM BASE NO DECRETO ESTADUAL Nº 23.287/2002,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Colação de Grau Solene

APRESENTAÇÃO. Colação de Grau Solene 1 APRESENTAÇÃO A Solenidade de Colação de Grau ou Formatura é um dos momentos mais importantes para a comunidade acadêmica, pois concretiza o trabalho desenvolvido durante o período de estudos na faculdade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 70.274, DE 9 DE MARÇO DE 1972. Aprova as normas do cerimonial público e a ordem geral de precedência. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 4, DE 2 DE SETEMBRO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 4, DE 2 DE SETEMBRO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 4, DE 2 DE SETEMBRO DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - INSTITUTO CHICO MENDES, nomeado pela Portaria nº 532, de 30 de julho de 2008,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª ESTABELECE QUE A TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM PASSA A SER PAGA DIRETAMENTE PELAS OPERADORAS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS E PREVÊ SANÇÕES PARA O

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-81

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-81 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-81 REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE SEGURANÇA OPERACIONAL DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

CERIMONIAL UNIVERSITÁRIO. Solenidade de Colação de Grau

CERIMONIAL UNIVERSITÁRIO. Solenidade de Colação de Grau CERIMONIAL UNIVERSITÁRIO Solenidade de Colação de Grau A cerimônia de colação de grau é o último ato institucional da Faculdade, quando, perante a comunidade acadêmica e representantes externos, é outorgado

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA NORMAM 22/DPC

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA NORMAM 22/DPC MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA O CERIMONIAL DA MARINHA MERCANTE NACIONAL NORMAM 22/DPC - 2006 - NORMAM 22/DPC MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E

Leia mais