MISSÃO SALESIANA DE MATO GROSSO PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Tecnologia em Jogos Digitais. Araçatuba São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MISSÃO SALESIANA DE MATO GROSSO PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Tecnologia em Jogos Digitais. Araçatuba São Paulo"

Transcrição

1 1 Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Araçatuba - SP MISSÃO SALESIANA DE MATO GROSSO PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Tecnologia em Jogos Digitais Araçatuba São Paulo

2 2 PROJETO PEDAGÓGICO Tecnologia em Jogos Digitais Índice Geral do Curso de Tecnologia em Jogos Digitais 1. DADOS GERAIS DO CURSO DE TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS CONCEPÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS MISSÃO / FINALIDADE DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO JUSTIFICATIVAS DO CURSO COMPONENTES CURRICULARES EMENTÁRIOS CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO E PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS ANTERIORMENTE DESENVOLVIDAS CERTIFICAÇÕES SINTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO PERFIL DO CURSO Programa de Apoio Didático/Pedagógico ao Docente PERFIL DO EGRESSO Áreas de Atuação FORMA DE ACESSO AO CURSO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTITUCIONAIS Atividades Complementares do Curso de Tecnologia em Jogos Digitais ESTÁGIO CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Avaliações do Projeto Final de Curso 41

3 3 1. DADOS GERAIS DO CURSO DE TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS Denominação do curso: Tecnologia em Jogos Digitais Tipo: Tecnológo Modalidade: Presencial Local de Oferta: Campus de Araçatuba Nº Total de Vagas ao Ano: 60 Carga Horária total do curso: 2640 horas-aula (2200 h/r) Turno de Funcionamento: Noturno Coordenadora do Curso: Professora Msc. Maria Aparecida Teixeira Regime: Integral Dedicação Exclusiva 2. CONCEPÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS Desenvolver jogos é um grande desafio, mas é também uma tarefa muito agradável que requer sólidos conhecimentos técnicos e trabalho incansável. Este mercado é um dos mais rentáveis do mundo e embora, no Brasil, ainda estejamos iniciando neste ramo já existem diversas empresas que estão desenvolvendo jogos para computador; desde simples jogos de plataforma até os mais complexos mundos de estratégia e RPG. Este curso tem o objetivo de suprir a demanda por profissionais qualificados da área de informática. Esta graduação capacita o profissional a implementar programas de computador, sendo capaz de criar, desenvolver e liderar projetos de sistemas de entretenimento digital interativo, em rede ou isoladamente, com acesso local ou pela internet. Desenvolver jogos eletrônicos nos dias de hoje é uma das tarefas mais multidisciplinares que existem. Dentre as subdivisões temos dois grandes grupos: área técnica e área artística. Deste ponto de vista podemos observar alguma semelhança entre a criação de jogos e a criação de filmes. Na área técnica de jogos podemos destacar a programação, que inclui computação gráfica, sistemas distribuídos em rede, inteligência artificial, simulação de física e matemática. Na parte artística, temos designers de jogos, roteiristas, desenhistas (desde texturas 2D até modelagem 3D), engenheiros de som e músicos. Durante o curso, o aluno poderá desenvolver diversos tipos de jogos tais como: educativos, de estratégia em tempo real, de estratégia baseada em turnos, de aventura, de ação e simulação, jogos 2-D e 3-D em primeira pessoa, jogos de tabuleiro no

4 4 computador e aplicações multimídia. Além disso, terá contato com suas variações online, sejam baseadas em páginas interativas na internet ou em multiplayer (rede). Em termos mundiais, o mercado de jogos eletrônicos vem superando, a cada ano consecutivo, a indústria cinematográfica de Hollywood. É um mercado em franca expansão e ainda pouco explorado no Brasil, onde temos poucas empresas na área. Mas é uma questão de tempo e investimento para que o Brasil ganhe força como um desenvolvedor de jogos no mercado mundial. Aqui no Brasil, temos poucas pessoas qualificadas, pois são poucos os cursos que dão essa formação. No exterior, profissionais qualificados, tanto nas áreas técnicas quanto artísticas, têm ótima demanda. Para quem deseja trabalhar fora do país, ter essa qualificação significa facilidade de encontrar um emprego com salário muito interessante, de acordo com o nível de experiência do profissional. O curso de Tecnologia em Jogos Digitais do UniSALESIANO de Araçatuba iniciou suas atividades no ano de 2009 com uma pequena turma de 19 alunos, o curso agora está em fase de consolidação junto à comunidade de Araçatuba e região Missão / Finalidade do curso O UniSALESIANO de Araçatuba ao oferecer o curso de Tecnologia em Jogos Digitais se compromete com a comunidade regional e com a sociedade em geral, em formar um profissional para atuar junto à comunidade usando a tecnologias da informação para integrar os sistemas computacionais e seus órgãos administrativos e atuar no desenvolvimento de novas tecnologias computacionais. A nossa missão é incentivar a cultura e o profissionalismo, buscando o desenvolvimento do ser humano nas mais variadas áreas do conhecimento Objetivos do curso Formar profissionais capazes de desenvolver jogos para computador levando em consideração tanto à análise quanto a programação. Fornecer uma forte base de programação em linguagens orientadas a objeto e bibliotecas 3D. Apresentar aspectos modernos da construção de jogos como game design, técnicas de inteligência artificial e programação avançada. Ou seja, permitir que o aluno desenvolva um jogo para computadores, utilizando as tecnologias mais atuais do mercado. Introduzir o aluno aos principais conceitos de Computação Gráfica, Inteligência Artificial, Sistemas Distribuídos e Design envolvidos na construção de jogos. Explorar o potencial criativo do aluno e trabalhar sua habilidade para criar roteiros. Projetar interfaces, desenhar personagens, cenários e outros elementos que compõem um jogo, incluindo áudio. Possibilitar ao aluno conhecer a dinâmica de uma equipe de desenvolvimento de Jogos, através de trabalhos práticos em uma equipe.

5 Justificativas do curso De acordo com os números do IBGE, referente ao censo de 2008, no Brasil o setor de Informática somava empresas, gerando um total de postos de trabalho e envolvendo recursos num total aproximado de 162,2 bilhões de reais. As matrículas na educação profissional cresceram 74,9% entre 2002 e 2010, segundo dados oficiais do Censo Escolar. Em 2010, o país tem 1,1 milhão de jovens na educação profissional, enquanto em 2002 eles somavam No mesmo período, a rede federal de educação profissional passou de alunos para , o que representa crescimento de 114%. A trajetória de expansão da educação profissional também pode ser vista entre 2007 e Em 2007, as matrículas eram Ao alcançar em 2010, o crescimento é de 46% no intervalo. Estes números indicam que há um grande número de potenciais alunos para o ensino profissional tecnológico no país, pois esta modalidade de curso tem grande capacidade de se adaptar às mudanças do mercado por ter seu currículo focado no objeto do curso. Outra vantagem é a possibilidade de formação em menos tempo o que leva muitos egressos da educação básica e profissional (técnico) a optarem por eles. A partir da análise da evolução do mercado na área da informática se apresenta de forma evidente o enorme crescimento do setor, com seus efeitos compreendendo todos os demais setores econômicos, tornando-se condição indispensável para a evolução dos negócios, talvez para a viabilização destes, num mercado cada vez mais globalizado. Para fazer frente a esta realidade o trabalhador brasileiro deve buscar no ensino profissional tecnológico a sua qualificação, para não ficar a margem dos índices da economia formal, na informalidade ou, ainda, no desemprego. A ampliação e a melhoria contínua da qualidade dos cursos da educação profissional são fundamentais para que os trabalhadores brasileiros possam aumentar a sua empregabilidade e disputar as novas oportunidades que o mercado globalizado oferece. De acordo com o último censo da Educação Superior, o crescimento em seis anos nesta modalidade de formados foi de 577%, sendo que alunos receberam o diploma de tecnólogo em 2008 contra em Os números mostram que os cursos superiores de tecnologia continuam em crescimento. De acordo com o último censo, realizado pelo Inep, 412 mil estudantes estão matriculados em um curso do tipo, quantidade 19% maior que a do ano anterior e correspondente a 7% dos estudantes do ensino superior De acordo com o último censo realizado pelo Inep, em 2008, o Brasil dispunha de cursos superiores de tecnologia. Existem 105 (cento e cinco) modalidades diferentes, sendo ofertadas em todas as áreas profissionais.

6 6 O volume de processos nos quais é solicitada autorização para oferta de cursos superiores de tecnologia e os dados do censo do ensino superior indicam que há demanda substancial pela oferta de cursos superiores de tecnologia. Na condição de modalidade educacional, a educação profissional ocupa um capítulo específico dentro do título que trata dos níveis e modalidades de educação e ensino, sendo considerada como um fator estratégico de competitividade e desenvolvimento humano na ordem econômica mundial. O mercado de trabalho está se transformando com muita velocidade e exigindo uma rápida adaptação da sociedade. A demanda por mão de obra especializada explica a crescente oferta de cursos superiores de tecnologia. Pesquisa do ministério do Trabalho indica que 93% dos formados em cursos tecnológicos começam a trabalhar em até um ano após a conclusão do curso, sendo que mais de 70% na área em que se graduaram. O curso de Tecnologia existente na instituição desde 1993, Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, é bastante procurado pelos alunos do curso Técnico de Informática do Colégio Salesiano que ao terminarem o 2 grau profissionalizante seguem num curso superior na mesma instituição e por alunos da região de Araçatuba que encontram nesta instituição um referencial de qualidade. Os alunos demonstram grande interesse em cursos na área de desenvolvimento de jogos o que nos despertou para a possibilidade de criação de um curso especifico nesta área. A região de abrangência da instituição agrega aproximadamente 43 municípios, fora a influência exercida em outras regiões. A cidade de Araçatuba possui na sua totalidade, 63 cursos de Formação Superior, isso a transforma em um potencial polo de Educação e Ensino, sendo procurado por estudantes da região e de outras localidades do estado e do país. Outro fator importante a ser citado é o valor acessível da mensalidade, pois esta instituição é uma entidade filantrópica e como tal além de praticar valores acessíveis também oferece bolsas de estudo. A grade curricular do curso, para o qual pedimos a reconhecimento neste documento, Tecnologia em Jogos Digitais, fundamentou-se no Parecer CNE/CES 436/2001 que estabelece o caráter dos cursos tecnológicos como cursos de graduação de duração reduzida, possibilitando o ingresso de profissionais especializados no mercado de trabalho. Nossa instituição fez uma análise de tais documentos e assim, visando o atender a carência deste profissional, principalmente regional, criou o currículo proposto neste relatório. O curso de Tecnologia em Jogos Digitais, com foco nas atividades de projeto e desenvolvimento, é um curso de graduação tecnológica que atenderá a dois perfis de aluno: o profissional que necessita aperfeiçoar-se rapidamente e o egresso do ensino médio (normal ou técnico), que deseja obter uma qualificação profissional para uma

7 7 inserção competente, e de curto prazo, no mercado de trabalho de produção de jogos de computador. 4. COMPONENTES CURRICULARES 4.1. Ementários Todas as disciplinas propostas na grade curricular possuem objetivos em comum: transmitir compromisso, seriedade, responsabilidade, senso crítico, ética, capacidade para trabalhar em equipe e estímulo a pesquisa e leitura. Nas tabelas abaixo serão comentados objetivos técnicos e individuais vinculados a cada disciplina. 1º TERMO Lógica de Programação Período letivo: 1º Carga Horária: 120 h/a Ementa Conceitos Básicos de Lógica de Programação. Tipos de Dados Primitivos. Variáveis e Constantes. Estrutura Genérica de um Algoritmo. Atribuição de valores. Operadores matemáticos, relacionais e lógicos. Expressões Lógicas e Aritméticas. Entrada e Saída de Dados. Blocos de Execução. Estruturas de Decisão. Estruturas de Repetição. Estruturas de Dados Básicas. Modularização. Estilo e Qualidade de Programação. Bibliografia Básica ASCENCIO, A. F. G.; CAMPO, E.A.V.; Fundamentos da Programação de Computadores; 3ed; RJ; Prentice-Hall; FORBELLONE, André Luiz Villar; EBERSPACHER, Henri Frederico; Lógica de Programação - A Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados; 2ED; SP; Makron Books; MISRAHI, Viviane Victorine; Treinamento em Linguagem C++ - Curso Completo Módulo 1; SP; Ed.McGraw Hill; FEIJO, Bruno; CLUA, Esteban; SILVA, Flávio; Introdução à Ciência da Computação com Jogos; Ed. Campus; RJ; (3 livros) Bibliografia Complementar SALIBA, Walter Luiz Caram ; Técnicas de programação: uma abordagem estruturada; SP; Makron Books; 1992 GUIMARÃES, A. M., LAGES, A. C.; Algoritmos e Estrutura de dados; RJ; LTC; 1985.

8 8 ALVES, William Pereira, C++ BUILDER 6: Desenvolva Aplicações Para Windows; 2. ed.; SÃO PAULO; Ed. Érica, DAWSON, M.; Beginning C++ Through Game Programming; Ed. Thomson; Humanidades Período letivo: 1º Carga Horária: 40 h/a Ementa História Geral. Mitologia Greco-Romana. Mitologia Egípcia. Mitologia Latino- Americana. Mitologia Céltica. Mitologia Oriental. Os admirados mitos do Egito Antigo, da Grécia, de Roma e da Índia são apresentados ao lado de mitologias menos conhecidas, como as da China, do Japão, dos países célticos, americanos e africanos. Bibliografia Básica IONS, Verônica; História Ilustrada da Mitologia; 1ED; SP; Manole,1999. VERNANT, Jean P.; Universo, Os Deuses, Os Homens; Ed. Companhia das Letras; BULFINCH, Thomas; O Livro de Ouro da Mitologia; SP; Ediouro; Bibliografia Complementar OLIVEIRA, Iolanda de; Negro e Educação; Ed. Inep; SILVA, Petronilha B. G.; SILVERIO, Valter; Educação e Ações afirmativas entre a Injustiça Simbólica e a Injustiça Econômica; Ed. Inep; VENTURELLI, Angelo Jayme; ALBISETTI, César; Enciclopédia Boróro - Lendas e Antropônimos; Campo Grande: Museu Regional Dom Bosco, SANTOS, Nádia et al; Lendas, Fábulas E Apólogos. São Paulo: Logos. História e Cultura Afro-Brasileira Período letivo: 1º Carga Horária: 40 h/a Ementa O tráfico atlântico de escravos e a conexão África-Brasil nos quadros do Sistema Colonial; as formas de apresamento dos africanos para a comercialização na América portuguesa; a diversidade das origens étnicas e culturais dos escravos africanos na América portuguesa; a leitura escrava do cativeiro; o problema da família escrava. Rebeliões, fugas e formação de quilombos; negociações e conflitos no interior do sistema escravista; resistências culturais e religiosas: sincretismos, permanências e releituras; estratégias de obtenção da liberdade e espaços de exercício de autonomia escrava.

9 9 MARTINS, José de Souza; Cativeiro da Terra; Ed. Hucitec;2004. GUIMARÃES, Alberto Passos; Quatro Séculos de Latifúndio; Ed.Paz e Terra; PRADO JR, Caio; História Econômica do Brasil; Ed. Brasiliense; São Paulo: Companhia das Letras, TIRADENTES, J. A.; Sociedade em Construção/História e Cultura Afro- Brasileira/O negro na Formação da Sociedade Brasileira; Ed. Direção Cultural; PRIORE, M. & VENÂNCIO, R. P. Ancestrais: uma introdução à história da África, Rio de Janeiro: Editora Campus, RODRIGUES, José Honório. Brasil e África: outro horizonte. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Introdução à Modelagem e Animação Período letivo: 1º Carga Horária: 80 h/a Ementa Fundamentos de modelagem e animação de objetos tridimensionais. Conceitos de superfície poligonal. Metodo de edição de objetos poligonais. Metodos de criação de objetos primitivos básicos. Ferramenta de criação e edição de objetos tridimensionais. Noções básicas de direção de arte. Criação de cenários e personagens. Aplicação de luzes e materiais. Conceitos gerais de animação. Bibliografia Básica AGUIAR, Fábio Calciolari; SILVA, João Carlos; Modelagem de Personagens para Jogos com 3DS Max 8; SP; Ed Érica; FOX, Barret; Animação em 3DMax 6; Ed. Ciência Moderna; SILVA, João Carlos; 3DMax 6 Utilizando Técnicas Avançadas; Ed. Érica; BOARDMAN, Ted; Dominando o 3D Max 6; SP; Ed. Ciência Moderna; OLIVEIRA, Adriano de; Estudo Dirigido de 3DMax; Ed. Érica; SILVA, Jorge Eider F.; EVERETT JONES, Jones; Explorando Flash Mx Professional 2004; RJ; Campus, 2004.

10 10 Linguagem: Expressão e Criação Período letivo: 1 Carga Horária: 40 h/a Produção e reescrita de diferentes tipos de texto usando corretamente as regras gramaticais da língua portuguesa, principalmente o sistema ortográfico e os recursos de pontuação, expressando-se de maneira adequada. Leitura e interpretação de textos para apreender a mensagem principal e para verificar as funções e elementos da teoria da comunicação. Adequação gramatical nas diferentes e variadas modalidades redacionais: argumentativa, reflexiva, narrativa e descritiva. Experiências de liberação da linguagem e pensamento em práticas de técnicas redacionais diversas. Aprofundar os conhecimentos no uso da linguagem escrita para a criação de roteiros de histórias. CEGALLA, Domingos P. Novíssima gramática da Língua Portuguesa. 30ª. ed. São Paulo: Nacional, (8 livros) MEDEIROS, João Bosco; Português Instrumental; Ed. Atlas; (3 livros) FIORIN, José L.; SAVIOLI, Francisco P.; Para Entender o Texto: Leitura e Redação; Ed. Ática. (9 livros) CITELLI, Adilson; Linguagem e Persuasão; Ed. Ática; (3 livros). BLIKSTEIN, Izidoro. Técnicas de comunicação escrita. 8ª. ed. São Paulo: Ática, (3 livros) ANDRADE, Maria Margarida de; MEDEIROS, João Bosco; Comunicação em Língua Portuguesa; Ed. Atlas; (3 livros) GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 13ª. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, (5 livros) MEDEIROS, João Bosco. Correspondência: técnicas de comunicação criativa. 11ª. ed. São Paulo: Atlas, (1 livro) KOCH, Ingedore S. Vilhaça; Argumentação e Linguagem; 7ª ed.; SP; Ed. Cortez; (1 livro) Cultura Religiosa Período letivo: 1 Carga Horária: 40 h/a Introdução geral à teologia. A ciência teológica, sua significação e importância. Fenomenologia Religiosa. O fenômeno religioso. Religião. Elementos constitutivos da religião. Religião, Ciência e Espiritualidade. As Religiões no Mundo: Religiões Sapienciais: Hinduísmo, Budismo, Confucionismo, Taoísmo e Xintoísmo; Religiões Proféticas: Judaísmo, Islamismo e Cristianismo; Religiões Espirituais: Espiritismo, Cultos Afro-brasieliros; Atitudes Filosóficas: Maçonaria, Seicho-No-Iê. Iniciação À

11 11 Bíblia. Estruturação e história da Bíblia. Chaves de leitura e interpretação dos escritos bíblicos. Jesus Cristo. Evangelhos. A doutrina do cristianismo. Vida Cristã e a Atividade Profissional. JORGE, J; Cultura Religiosa: O homem e o fenômeno religioso; São Paulo, Loyola; WILGES, I; Cultura Religiosa: as religiões no mundo; 18ªed ; Petrópolis; Vozes; BALANCIN, E. M; História do povo de Deus; 7ªed; São Paulo; Paulinas; GAARDER, J; HELLERN, V.; NOTAKER, H.; O livro das religiões; São Paulo; Cia das Letras; CISALPINO, Murilo.; Religiões; SP; Ed. Scipione; MARIN, Jerri R.; Religiões, Religiosidade e Diferenças Culturais; Ed. UCDB; Fundamentos do Design Período letivo: 1º Carga Horária: 80 h/a Introdução à computação gráfica. Tipos e formatos binários para armazenamento de imagens. Softwares para criação, edição e refinamento de imagens. Gráficos para Internet. Aplicações. Noções básicas de desenho de personagens, bordas, espaços, relacionamentos, luzes e sombras e gestalt (todo). LIMA, Alessandro; Design de personagens para games Next-Gen; Ed. Ciência Moderna; PHILLIPS Peter L.; Briefing: A Gestão do Projeto de Design; SP; Edgard Blucher; GOMES FILHO, J.; Design do Objeto e Bases Conceituais; Ed. Escrituras; GOMES FILHO, J.; Ergonomia do Objeto; Ed. Escrituras; EDWARDS, Betty; Desenhando com o Lado Direito do Cérebro; SP; Ediouro; WILLIANS, R.; Design para quem não é designer; Ed. Callis; LESKO, J.; Design Industrial; Ed. Edgar Blucher; 2008.

12 12 2º TERMO Introdução à Programação Orientada a Objetos Período letivo : 2º Carga Horária: 120 h/a O objetivo desta disciplina é introduzir os conceitos de orientação a objetos e aplica-los em uma linguagem de programação para melhor entendimento prático destes conceitos. Conceitos de Orientação a Objetos. Linguagem C++: construtores/destrutores, sobrecarga de funções/operadores, referências, encapsulamento, herança múltipla, classes e funções amigas, funções inline, polimorfismo, E/S. Tópicos em programação para o ambiente Windows. ALVES, William Pereira, C++ BUILDER 6: Desenvolva Aplicações Para Windows; 2. ed.; SÃO PAULO; Ed. Érica, JAMSA, K; KLENDER, Lars; Programando em C/C++ - A Bíblia; Makron Books; MISRAHI, Viviane Victorine; Treinamento em Linguagem C++ - Curso Completo Módulo 1; SP; Ed.McGraw Hill; MISRAHI, Viviane Victorine; Treinamento em Linguagem C++ - Curso Completo Módulo 2; SP; Ed.Mc Graw Hill; DAWSON, M.; Beginning C++ Through Game Programming; Ed. Thomson; ASCENCIO, A. F. G.; CAMPO, E.A.V.; Fundamentos da Programação de Computadores; 3ed; RJ; Prentice-Hall; (12 livros) Empreendedorismo Período letivo: 2º Carga Horária: 40 h/a Compreender e desenvolver a ação empreendedora, concentrando-se nos seguintes processos: conceito de si, habilidades e competências, orientação para o mercado de trabalho (empreendedor corporativo), construção de um Plano de Negócios. CHIAVENATO, Idalberto; Empreendedorismo; SP; Ed.Saraiva; ANGELO, Eduardo Bom; Empreendedor Corporativo; RJ; Ed.Campus; DORNELAS, José Carlos Assis; Empreendedorismo; RJ; Ed.Campus; MAXIMIANO,Antônio César Amaru; Introdução a Administração; SP; Ed.Atlas; CHIAVENATO,Idalberto; Teoria Geral da Administração; RJ; Ed.Campus; 2002.

13 13 SEBRAE; 10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade das Empresas; Ed. Sebrae; Modelagem e Animação Período letivo: 2º Carga Horária: 80 h/a Direção de Arte. Concepção e Modelagem de Cenários e de Personagens. Princípios de Design para Jogos. Produção de Áudio e Vídeo para Jogos com Premiere. Bibliografia Básica AGUIAR, Fábio Calciolari; SILVA, João Carlos; Modelagem de Personagens para Jogos com 3DS Max 8; SP; Ed Érica; FOX, Barret; Animação em 3DMax 6; Ed. Ciência Moderna; SILVA, João Carlos; 3DMax 6 Utilizando Técnicas Avançadas; Ed. Érica; OLIVEIRA, Adriano de; Estudo Dirigido de 3DMax; Ed. Érica; SILVA, Jorge Eider F.; EVERETT JONES, Jones; Explorando Flash Mx Professional 2004; RJ; Campus, BOARDMAN, Ted; Dominando o 3D Max 6; SP; Ed. Ciência Moderna; GAMBA Jr., Nilton G.; Computação Gráfica Para Designers; Ed. 2AB; Fundamentos do Design de Jogos Período letivo: 2º Carga Horária: 40 h/a Noções de design de interface, Conceituação de estruturas básicas do jogos, Tipos de Jogos, Conceitos de Imersão, Interatividade e jogabilidade, Mecânica dos jogos, Conceituação dos gêneros dos jogos, Direção de Arte, Noções de Roteiro, Criação de personagens e cenários, Advergames e Alternate reality games. LIMA, Alessandro; Design de personagens para games Next-Gen; Ed. Ciência Moderna; PHILLIPS; Peter L;. Briefing: A Gestão do Projeto de Design; SP; Edgard Blucher; GOMES FILHO, J.; Design do Objeto e Bases Conceituais; Ed. Escrituras; GOMES FILHO, J.; Ergonomia do Objeto; Ed. Escrituras; EDWARDS, Betty; Desenhando com o Lado Direito do Cérebro; SP; Ediouro; WILLIANS, R.; Design para quem não é designer; Ed. Callis; LESKO, J.; Design Industrial; Ed. Edgar Blucher; 2008.

14 14 Computação Gráfica Aplicada a Jogos 3D Período letivo: 2º Carga Horária: 120 h/a Teoria básica de 3D e geometria euclidiana, apresentação do software (ferramentas, possibilidades, vídeos e exemplos), estudo da interface (localização de comandos básicos). Aplicação de materiais, interface de aplicação de materiais, renderização, interface de renderização, aplicação de luzes, interface de aplicação de luzes, aplicação de câmeras na cena, aplicação de unwrap UVW (planificação do mapeamento), interface de aplicação de unwrap UVW. SILVA, João Carlos; AGUIAR, Fábio Calciolari; Modelagem de Personagens para jogos com 3DS Max8; SP; Ed. Érica; SILVA, João Carlos; 3DMax 6 Utilizando Técnicas Avançadas; Ed. Érica; FOX, Barrett; Animação em 3DS Max 6; SP; Ed.Ciência Moderna; GAMBA Jr., Nilton G.; Computação Gráfica Para Designers; Ed. 2AB; OLIVEIRA, Adriano de; Estudo Dirigido de 3DMax9; Ed. Érica; SILVA, Jorge Eider F.; EVERETT JONES, Jones; Explorando Flash Mx Professional 2004; RJ; Campus, BOARDMAN, Ted; Dominando o 3D Max 6; SP; Ed. Ciência Moderna; º TERMO Inglês Instrumental Período letivo: 3º Carga Horária: 40 h/a Técnicas básicas para compreensão da língua inglesa mediante aquisição progressiva das estruturas linguísticas elementares e de maior frequência. Sistematização do uso de tempos verbais simples e dos mais empregados. Leitura, entendimento e interpretação de textos específicos, da área de informática, visando à exploração dos termos técnicos e a compreensão global da mensagem. Emprego correto e ampliação do vocabulário técnico elementar relacionado com a informática ED. CAMPUS; Dicionário de informática: Inglês-Português, Português-Inglês; RJ; Ed.Campus;1993. GALANTE, Terezinha P. & LÁZARO, Svetlana P; Inglês básico para informática; 3ªed.; SP; Ed.Atlas; 1996.

15 15 GALLO, L.R.; Inglês Instrumental Para Informática - Modulo 1; 1ª.ed.;Icone Editora, SILVA, Ivanete T. A.; Michaelis; ed. Melhoramentos; XIMENES, Fernando B.; Dicionário de Informática: Inglês-Português/Português- Inglês; Ed. Campus; Programação Orientada a Objetos. Período letivo: 3º Carga Horária: 120 h/a Esta disciplina tem por objetivo aprofundar os conhecimentos de programação usando C++ no desenvolvimento de jogos. Desenvolver jogos 2D (jogos de plataforma) para conhecer as técnicas de construção de personagens, movimentos, níveis e arquiteturas de desenvolvimento para jogos usadas no mercado. JAMSA, K; KLENDER, Lars; Programando em C/C++ - A Bíblia; Makron Books; HARRISON, LYNN THOMAS; Introduction to 3D Game Engine Design using Directx 9 and C#; 1ªed.; EUA; Ed.APRESS; SNOOK, Greg; Real-Time 3D terrain Engines using C++ and DirectX 9; Ed. Charles River Media; PERUCIA, Alexandre et al; Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos 2ª Edição; SP; Ed.Novatec; MISRAHI, Viviane Victorine; Treinamento em Linguagem C++ - Curso Completo - Módulo 1; SP; McGraw Hill; MISRAHI, Viviane Victorine; Treinamento em Linguagem C++ - Curso Completo - Módulo 2; SP; Mc Graw Hill; DAWSON, M.; Beginning C++ Through Game Programming; Ed. Thomson; Desenho Período letivo: 3º Carga Horária: 60 h/a Aprender o Desenho Técnico e Desenvolver habilidades de desenho básico e avançado. Técnicas para o Desenho Digital. SIMMONS, C.H.; MAGUIRE, D.E.; Desenho Técnico Problemas E Soluções Gerais De Desenho. Ed. Hemus; 2004.

16 16 VIERCK, Charles J.; FRENCH, Thomas E.;. Desenho Técnico E Tecnologia Gráfica; Ed.8; SP:GLOBO, MENEGOTTO, José Luis; ARAUJO, Teresa Cristina M.; O Desenho Digital; Ed.Interciência;2000. EDWARDS, Betty; Desenhando com o Lado Direito do Cérebro; 3ªed.; SP; Ed. Ediouro; WONG, Vinicius; Princípios de Forma e Desenho; Ed. Martins Fontes; Modelagem e Animação para Jogos Período letivo: 3º Carga Horária: 80 h/a Direção de Arte. Concepção e Modelagem de Cenários e de Personagens. Princípios de Design para Jogos. Produção de Áudio e Vídeo para Jogos. SILVA, João Carlos; AGUIAR, Fábio Calciolari; Modelagem de Personagens para jogos com 3DS Max8; SP; Ed. Érica; SILVA, João Carlos; 3DMax 6 Utilizando Técnicas Avançadas; Ed. Érica; FOX, Barrett; Animação em 3DS Max 6; SP; Ed.Ciência Moderna; LIMA, Alessandro; Design de personagens para games Next-Gen; Ed. Ciência Moderna; GAMBA Jr., Nilton G.; Computação Gráfica Para Designers; Ed. 2AB; OLIVEIRA, Adriano de; Estudo Dirigido de 3DMax9; Ed. Érica; SILVA, Jorge Eider F.; EVERETT JONES, Jones; Explorando Flash Mx Professional 2004; RJ; Campus, BOARDMAN, Ted; Dominando o 3D Max 6; SP; Ed. Ciência Moderna; Arquitetura de Engines para Jogos Período letivo: 3º Carga Horária: 80 h/a Estudar a organização de engines para jogos. Estrutura de engines (comandos de programação, sons, gráficos, efeitos). Engine: 3D Game Studio. Conheceremos este engine, sua estrutura, suas qualidades e limitações. HARRISON, LYNN THOMAS; Introduction to 3D Game Engine Design using Directx 9 and C#; 1ªed.; EUA; Ed.APRESS; SILVA FILHO, Edward; Produzindo Games com UnREAL Engine; Ed. Ciência Moderna; 2009.

17 17 SNOOK, Greg; Real-Time 3D terrain Engines using C++ and DirectX 9; Ed. Charles River Media; DAWSON, M.; Beginning C++ Through Game Programming; Ed. Thomson; LOTTER, Johann C.; Manual de Referência do 3D Game Studio/A4 e A5; EUA/Net Conitec; PASSOS, Erick B.; Tutorial de Desenvolvimenbto de Jogos com Unity 3D; VIII Brazilian Symposium on Games and Digital Entertainment; RJ; SCHELL, J.; A Arte de Game Design; 1ª. Ed, Campus, FEIJO, Bruno; CLUA, Esteban; SILVA, Flávio; Introdução à Ciência da Computação com Jogos; Ed. Campus; RJ; (3 livros) Design de Web para Jogos Período letivo: 3º Carga Horária: 60 h/a Esta disciplina tem por objetivo estudar as técnicas de Interface para a programação de Jogos para a Web (jogos para celulares, por exemplo). Desenvolvimento de jogos utilizando-se do ActionScript do Macromedia Flash. Criação de Games interativos e de estratégia, segundo o conteúdo: Ferramentas básicas do Flash; Recursos de animação; Efeitos complementares; Explicação e demonstração das estruturas básicas; Criação e construção das estruturas básicas; Efeitos sonoros; sons e imagens; Explicação sobre action-script; Desenvolvimento de programações e rotinas básicas em action-script; Exercício Final de Avaliação. SCHYTEMA, Paul; Design de Games Uma Abordagem Prática; 1ªed.; Ed.Cengage; MELO,Altair de; LUCKOW, Decio H.; Programação Java para Web; SP; Ed. Novatec; SILVA, Jorge Eider F.; EVERETT JONES, Jones; Explorando Flash Mx Professional 2004; RJ; Campus, FOX, Barrett; Animação em 3DS Max 6; SP; Ed.Ciência Moderna; LIMA, Alessandro; Design de personagens para games Next-Gen; Ed. Ciência Moderna; Bibliografia Complementar : PERUCIA, Alexandre Souza ET AL; Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Teoria e Prática; 2ª.ed.; Ed. Novatec; SCHELL, J.; A Arte de Game Design; 1ª. Ed, Campus, RODHES, Glen; Desenvolvimento de Games com Macromedia Flash Professional 8; 1ªed.; Ed.Cengage; 2008.

18 18 4º TERMO Programação Orientada a Objetos Aplicada a Jogos Período letivo: 4º Carga Horária: 120 h/a Esta disciplina tem por objetivo aprofundar os conhecimentos de programação usando C++ no desenvolvimento de jogos. Desenvolver jogos 2D (jogos de plataforma) para conhecer as técnicas de construção de personagens, movimentos, níveis e arquiteturas de desenvolvimento para jogos usadas no mercado. PERUCIA, Alexandre et al; Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos 2ª Edição; SP; Ed.Novatec; JAMSA, K; KLENDER, Lars; Programando em C/C++ - A Bíblia; Makron Books; SNOOK, Greg; Real-Time 3D terrain Engines using C++ and DirectX 9; Ed. Charles River Media; HARRISON, LYNN THOMAS; Introduction to 3D Game Engine Design using Directx 9 and C#; 1ªed.; EUA; Ed.APRESS; MISRAHI, Viviane Victorine; Treinamento em Linguagem C++ - Curso Completo - Módulo 1; SP; McGraw Hill; MISRAHI, Viviane Victorine; Treinamento em Linguagem C++ - Curso Completo - Módulo 2; SP; Mc Graw Hill; DAWSON, M.; Beginning C++ Through Game Programming; Ed. Thomson; Roteiro de Jogos Período letivo: 4º Carga Horária: 80 h/s Criação, redação e formatação de roteiros para jogos computadorizados. Caracterização dos personagens, observação, descrição e formatação das características físicas e psicológicas das personagens. Coesão, efeitos de cena, cenários, iluminação e som. A interatividade com o usuário. FIELD, Syd; Manual do Roteiro; Objetiva; CANNUTO, Newton; SARAIVA, Leandro; Manual do Roteiro, ou Manuel, o Primo Pobre; Conrad do Brasil; CANNUTO, Newton; Manual de Roteiro; Conrad do Brasil; 2004.

19 19 BLIKSTEIN, Izidoro. Técnicas de comunicação escrita. 8ª. ed. São Paulo: Ática, GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 13ª. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, FIANI, Ronaldo; Teoria dos Jogos; Ed. Campus; Introdução à Programação com DirectX Período letivo: 4º Carga Horária: 80 h/a Introduzir os Conceitos Básicos de Programação 3D para Jogos. O que é e porque usar DirectX. Entrada de dados com DirectInput. Modos de Vídeo. Parametrizando aplicações. Noções de DirectAudio e DirectVídeo. HARRISON, LYNN THOMAS; Introduction to 3D Game Engine Design using Directx 9 and C#; 1ªed.; EUA; Ed.APRESS; SNOOK, Greg; Real-Time 3D Terrain Engines Using C++ & DirectX; Charles River Media; JAMSA, K; KLENDER, Lars; Programando em C/C++ - A Bíblia; Makron Books; DAWSON, M.; Beginning C++ Through Game Programming; Ed. Thomson; PERUCIA, Alexandre et al; Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos 2ª Edição; SP; Ed.Novatec; FEIJO, Bruno; CLUA, Esteban; SILVA, Flávio; Introdução à Ciência da Computação com Jogos; Ed. Campus; RJ; Linguagem dos Meios Audiovisuais I Período letivo: 4º Carga Horária: 40 h/a Conceitos básicos: Fundamentos do Som e seus parâmetros. Amplitude, freqüência, fase e comprimento de onda, introdução à decibéis, dbm, dbu, dbw, processo analógico e digital de sinais e softwares para gravação. Bibliografia Básica MIRANDA, Ana Paula; Praticando e Entendendo Adobe Flash Cs5; Ed. Visual Books; ALVES, Luciano; Fazendo Música no Computador; Ed. Campus; FOX, Barrett; Animação em 3DS Max 6; SP; Ed.Ciência Moderna; SILVA, Jorge Eider F.; EVERETT JONES, Jones; Explorando Flash Mx Professional 2004; RJ; Campus, 2004.

20 20 RATTON, Miguel; Criação de Musica e Sons no Computador: Uma Abordagem Prática Para a utilização do Computador em Aplicações Musicais; RJ; Campus;1995. SCHELL, J.; A Arte de Game Design; 1ª. Ed, Campus, SCHYTEMA, Paul; Design de Games Uma Abordagem Prática; 1ªed.; Ed.Cengage; RODHES, Glen; Desenvolvimento de Games com Macromedia Flash Professional 8; 1ªed.; Ed.Cengage; ADOBE CREATIVE; Adobe Premiere Pro CS4 Classroom in a Book; SP; Ed. Bookman; Inteligência Artificial em Jogos Período letivo: 4º Carga Horária: 80 h/a O objetivo desta disciplina é estudar as principais técnicas e algoritmos de inteligência de IA aplicadas ao desenvolvimento de jogos artificial. Ao final da disciplina, os alunos deverão ser capazes de implementar diferentes técnicas de planejamento de trajetórias e movimentação de agentes autônomos virtuais bem como aplicar técnicas básicas de tomada de decisões em ambientes determinísticos e estocásticos.estratégias em Game IA. Bibliografia Básica RABIN, Steve; AI Game Programming Wisdom; Ed. Charles River media; NASCIMENTO Jr., CAIRO L.; YONEIAMA, T.; Inteligência Artificial Em Controle e Automação; Ed.- Edgar Blucher, COPPIN, Ben; Inteligência Artificial; 1ª.ed.; LTC; RICH, Elaine et al; Inteligência Artificial; Ed. McGraw-Hill; KELLER, Robert; Tecnologia de Sistemas Especialistas: Desenvolvimento e Aplicação; Ed. Makron Books; EDELSON, Barry; DRANG, Diane E.; LEVINE, Robert I.; Inteligência Artificial e Sistemas Especialistas; Ed. Mac-Graw-Hill; Gerenciamento de Equipes Período letivo: 4º Carga Horária: 40 h/a Processos de Gestão de Projetos. Formação de equipes (definição do perfil). Estilo de lideres. Liderança orientada por objetivos, adaptação de estilos à equipe. A importância

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005

RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005 RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005 APROVA O CURRÍCULO E O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista.

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista. Rua do Salete, 50, Barris - Salvador - Bahia. Tel: (71) 2108-8562 / 2108-8503 home page: www.cairu.br - E-mail: presidencia@fvc.br E D I T A L A FVC - Fundação Visconde de Cairu, informa a abertura das

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

CURSO: REDES DE COMPUTADORES

CURSO: REDES DE COMPUTADORES CURSO: REDES DE COMPUTADORES Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base Legal da Mantenedora A Ata de Assembléia Geral para

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Introdução ao Design de Games

Introdução ao Design de Games Introdução ao Design de Games 1. Público-Alvo Qualquer pessoa com idade superior a 15 anos, profissional da área ou não, interessada em tomar contato e desenvolver os conhecimentos básicos para iniciar-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Componente Curricular: Informática e Português Instrumental Carga Horária: 90h Período Letivo: 2015/01

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 35/2008-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 08/04/2008 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 35/2008-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 08/04/2008 I RELATÓRIO: INTERESSADO: SENAC CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO RECIFE JOÃO RODRIGUES MAIA ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM ADMINISTRAÇÃO E SUPORTE DE REDES E DE SISTEMAS

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 FESP ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CGC/MF: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua General Carneiro, 216 Fone/Fax (0xx41) 264-3311

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Introdução APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA. joseana@computacao.ufcg.edu.br

Introdução APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA. joseana@computacao.ufcg.edu.br Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia GESTÃO E PRÁTICAS EMPREENDEDORAS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ceilândia, Fevereiro de 2014. CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: INFORMÁTICA)

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: INFORMÁTICA) MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: ) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS MÍNIMO:

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2011

RESOLUÇÃO Nº 74/2011 Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão RESOLUÇÃO Nº 74/2011 DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO Nº 81/04 QUE TRATA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES COMO COMPONENTE CURRICULAR DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Código: ENGP -

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com JOGOS DIGITAIS DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL EM LINUX Campus Lages Junho/204 Parte (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2. Endereço/CNPJ/Telefone

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO. Edital Discente 2015.2

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO. Edital Discente 2015.2 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO Edital Discente 2015.2 Normas para Avaliação Global A Diretora do Instituto Politécnico, Profª. Ana Paula Ladeira, no uso de suas atribuições, e considerando

Leia mais

Entre os elementos desejados no perfil dos egressos podem ser citados:

Entre os elementos desejados no perfil dos egressos podem ser citados: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Apesar do foco do curso de Engenharia de Computação da UCDB está na área de software, o profissional formado pelo curso de Engenharia da Computação deve adquirir as seguintes

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 06/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA I - INTRODUÇÃO Art. 1º Art. 2º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares do Curso de

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 758CONSEPE, de 24 de maio de 2010. Aprova a mudança de denominação do Curso de Desenho Industrial para Design, modalidade Bacharelado, e sua reestruturação pedagógica. O Reitor da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 0 Ensino Técnico Etec: Paulino Botelho Código: 09 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Programação de Jogos Digitais

Leia mais

Atividades Complementares

Atividades Complementares Centro de Ciências da Educação, Artes e Humanidades CCEAH-UNISANTOS Atividades Complementares ENGENHARIA AMBIENTAL ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA PETRÓLEO ENGENHARIA PORTUÁRIA ENGENHARIA

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10. Componente Curricular: Tecnologia de Gestão em Administração

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10. Componente Curricular: Tecnologia de Gestão em Administração C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Tecnologia de Gestão em Administração Código: ENGP - 550

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL DE PROGRAMADOR WEB Campus Lages Junho/2014 Parte 1 (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE 1. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR PROCESSOS GERENCIAIS (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

LISTAGEM DAS ESCOLAS E DESCRIÇÃO DOS CURSOS ENSINO MÉDIO INTEGRADO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL COM HABILITAÇÃO EM TÉCNICO EM MULTIMÍDIA

LISTAGEM DAS ESCOLAS E DESCRIÇÃO DOS CURSOS ENSINO MÉDIO INTEGRADO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL COM HABILITAÇÃO EM TÉCNICO EM MULTIMÍDIA LISTAGEM DAS ESCOLAS E DESCRIÇÃO DOS CURSOS COLÉGIO ESTADUAL JOSÉ LEITE LOPES MULTIMÍDIA Perfil do curso: Cabe ao técnico em multimídia desenvolver a comunicação visual em meios eletrônicos, organiza e

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais