Influência da inserção de mecanismos de gamificação em um determinado grupo consumidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Influência da inserção de mecanismos de gamificação em um determinado grupo consumidor"

Transcrição

1 - SEPesq Influência da inserção de mecanismos de gamificação em um determinado grupo consumidor André Luiz Kaercher Bacharel em Desenho Industrial Programação Visual UFSM (2004) Mestrando em Design no Porto Alegre/RS Dr. Vinícius Gadis Ribeiro Doutor em Computação UFRGS (2005) Coordenador do Mestrado em Design do Porto Alegre/RS Resumo: O design de games aparece atualmente como uma área em crescimento, no design. A adoção de práticas de jogos vai além do entretenimento e estão sendo inseridas em sistemas de vendas, marketing e educação. O presente artigo descreve uma pesquisa quantitativa, onde foi aplicado um experimento em um determinado grupo de pessoas, objetivando analisar os resultados em relação ao consumo de um restaurante. O experimento consistiu em aplicar mecanismos de gamificação, como pontuação e classificação, nesse grupo, objetivando a análise de influências do processo no consumo de um restaurante específico. Com os resultados obtidos, fazse uma análise do crescimento do uso do restaurante pelo grupo. 1 Introdução Atualmente uma das áreas do design que vêm tendo um crescimento significativo no mercado e academicamente é o design de games. O desenvolvimento de jogos envolve algumas áreas do conhecimento, como arte e programação, mas a essência do game design está na mecânica e no desenrolar da experiência significativa de jogar. (BRATHWAITE & SCHREIBER, 2009). Do projeto da mecânica do jogo e experiência do usuário origina-se a gamificação, termo atualmente difundido no mercado. A utilização de elementos, mecânicas, dinâmicas e técnicas de jogos aplicados em um contexto fora de jogo é o que está sendo definido por teóricos e desenvolvedores como gamification ou gamificação em sua tradução para o português. O interesse em aplicar a gamificação em uma situação real, com o intuito de avaliar a relevância do processo no consumo de um produto, gerou o desenvolvimento e aplicação de um experimento em ambiente real para o presente trabalho. O ambiente escolhido foi um grupo de colegas de trabalho e um dos restaurantes possíveis para o almoço em torno do local de trabalho. Os motivos e relevância da escolha do grupo e do produto em análise são descritos na metodologia da pesquisa. As mecânicas de jogos aplicadas neste experimento foram principalmente a pontuação e classificação, apresentadas em um quadro na sala de trabalho,

2 - SEPesq com o nome de cada colaborador, onde cada vez que a pessoa almoçava no restaurante em questão, era marcado um ponto no quadro. No final do mês era feita uma classificação final, apontando os vencedores. Todas estas dinâmicas foram apresentadas aos colaboradores como puro entretenimento, com o cuidado para os participantes não ficarem sabendo que se tratava de um experimento. Como resultados, esperou-se perceber as diferenças no consumo do produto mês a mês, chegando a números significativos para concluir a eficiência ou não do processo de gamificação neste caso. Durante o experimento foram realizadas observações, analisando o comportamento do grupo e individual no decorrer do tempo. Além disto, foi elaborada enquete para ser aplicada ao final do experimento ou de uma etapa do mesmo, com dois objetivos principais. Primeiro, pretende-se coletar dados dos participantes em relação ao histórico em jogos, detectando possível tendência de jogadores de games serem mais suscetíveis à gamificação. Segundo, procura-se identificar as motivações de uso de um restaurante pelos participantes, comparando-as com os resultados no consumo durante o experimento, para tentar buscar relações entre as variáveis. Buscou-se aprofundar-se no conhecimento teórico do assunto, estudando conceitos de jogos e gamificação, entendendo como ocorre a aplicação destes mecanismos no contexto de mercado de consumo, conforme abordado na seção que segue. 2 Design de games Jogo é um sistema em que jogadores se envolvem em um conflito artificial definido por regras e que termina com um resultado quantificável (SALEM & ZIMMERMAN, 2004). Todo jogo tem um caráter de entretenimento, diferenciando de outros desafios da vida real e o definindo como uma forma de recreação (KELLEY, 1988). Segundo Juul (2005), há seis requisitos que todo jogo deve satisfazer para ser considerado como tal: (1) ser um sistema formal baseado em regras; (2) com resultados variáveis e quantificáveis; (3) em que a cada resultado é possível associar valores distintos; (4) onde os jogadores dispendem esforços para influenciar no resultado; (5) se sentem emotivamente ligados aos resultados; (6) e as consequências de sua atividade são opcionais e negociáveis. Tendo definido o que é um jogo e quais são seus requisitos para tal, trazse alguns conceitos de game design, o qual se considera como o processo de criar o conteúdo e as regras de um jogo (BRATHWAITE & SCHREIBER, 2009). Segundo os autores, o bom game design é o processo de criar objetivos que o(s) jogador(es) sinta(m)-se motivado(s) a alcançar e regras que o(s) mesmo(s) siga(m) como se estivesse(m) tomando decisões significativas para atingir estes propósitos.

3 - SEPesq Já Adams e Rollings (2007) afirmam que game design é imaginar um jogo em essência, definir como ele funciona (regras e mecânicas) e descrever os elementos ou componentes que farão parte do game. Mecânicas são as maneiras pelas quais os players se relacionam e interagem com os jogos. São sistemas que nos mostram o núcleo de um game. Todos estes conceitos de regras e mecânicas de jogos servem como base para a gamificação, onde tais regras e mecânicas são aplicadas em um contexto fora do jogo. 3 Gamificação Segundo Deterding et al. (2011), gamificação é definida como o uso de elementos de design de jogos em contextos extra-jogos. A gamificação compartilha dos elementos e do design dos jogos para atingir propósitos em comum como, por exemplo, desafios, estratégias, pontuação, liberar acesso a itens bloqueados, conquistar espaço, recompensas, medalhas e prêmios. (BUNCHBALL, 2012; GROH, 2012; O DONOVAN, 2012). Este processo é usado para envolver o usuário com o produto através da ludicidade, colocando o entretenimento à frente de questões de consumo. O usuário acaba participando voluntariamente do jogo, pensando na diversão que a competição em grupo ou individual o proporciona. De acordo com Kapp (2012), o game thinking - ou pensamento baseado em estrutura e dinâmica dos jogos -, é o elemento mais importante da gamificação, responsável por converter uma atividade do cotidiano em uma atividade que agregue elementos de competição, cooperação e narrativa. Como atividades do cotidiano, podem-se considerar situações pertencentes à realidade profissional, social e educacional do indivíduo ou do grupo. Além dos elementos, mecânicas, ou dinâmicas de jogos já citados, podese inserir outros em um processo de gamificação, dependendo dos objetivos do projeto. Pode-se usar o cumprimento de regras, metas claras e bem definidas, efeito surpresa, conquista de troféus, estatísticas e gráficos com o acompanhamento da performance, superação de níveis e criação de personagens. 4 Metodologia Tendo a base teórica de game design e gamificação estudada, buscou-se desenvolver um experimento a ser aplicado, com o intuito de analisar os resultados quantitativos. Segundo Creswell (2008), a pesquisa experimental busca determinar se um tratamento específico influencia um resultado. No caso do experimento que foi aplicado e que será descrito a seguir, buscou-se avaliar se a inserção de mecânicas de gamificação influenciou no resultado de consumo de um restaurante sobre um grupo fechado de pessoas.

4 - SEPesq Para garantir a qualidade da pesquisa experimental deve-se ater-se a três principais questões. O experimento deve ser verificável, repetível e generalizável. Durante a etapa de desenvolvimento desta pesquisa, procurou-se elaborar um experimento que seguisse estas características, preocupando-se com a verificação dos resultados, a possibilidade de repetir em outras situações e a generalização, podendo ser aplicado em outro contexto. 4.1 Motivações do experimento Em um grupo de dezoito pessoas que trabalham no mesmo setor em uma empresa no centro de Porto Alegre, onde há uma gama de restaurantes disponíveis para almoço, é disponibilizado o restaurante da própria empresa, tendo algumas vantagens evidentes em relação aos demais localizados nas redondezas. O baixo valor e a localização - no prédio da empresa -, são fatores cruciais no consumo deste tipo de produto/serviço. Porém, o restaurante é considerado popular, pelo seu sistema de serviço e qualidade da comida servida. No grupo de pessoas em questão, o consumo do restaurante era considerado baixo, mesmo tendo o preço aquém da metade do valor dos outros restaurantes e a localização privilegiada. Isto se deve, segundo observações feitas através da convivência com o grupo, a fatores como o preconceito com serviços baratos e a suposta baixa qualidade da comida. Projetou-se um experimento para ser executado e analisado no grupo fechado, o qual pudesse chegar a conclusões sobre a influência do uso da gamificação no consumo do restaurante pelas pessoas do grupo em análise. Vale lembrar que o experimento foi aplicado sem a consciência do grupo e em ambiente real, na sala de trabalho dividida por todos. 4.2 Planejamento e aplicação Ao planejar o experimento, primeiramente pensou-se em quais mecânicas de jogos seriam aplicadas no grupo para acontecer um processo de gamificação discreto, onde os participantes não tivessem o conhecimento de ser um experimento para não influenciar nos resultados. Para isso foi usado um quadro já existente na sala, sendo colocados os nomes de cada pessoa do grupo, onde seriam marcados pontos a cada dia que a pessoa frequentasse o restaurante. Foi colocado o nome de Desafio do Bandeja, acima dos nomes, identificando como o nome do jogo, introduzindo a ludicidade ao sistema. Foi apresentado ao grupo, como sendo uma brincadeira, onde um ponto seria marcado no quadro para cada pessoa a cada dia de almoço no restaurante. Além disso foi falado em um possível prêmio para o ganhador do mês, mas nada concreto, ficando apenas na suposição.

5 - SEPesq Figura 1: Foto de parte do quadro: pontuação. Fonte: Fotografado pelo autor durante a aplicação do experimento. Não foi feito nenhum incentivo ou imposição além do simples convite para uma brincadeira sem qualquer compromisso. Neste processo, pode-se perceber os tipos de mecânicas de jogos que foram exploradas neste experimento: pontuação, classificação, fases e prêmio. A pontuação acontece claramente quando é marcado um ponto a cada dia que o participante vai ao restaurante almoçar. Como o quadro fica visível a todos o tempo inteiro na sala, é possível ver a diferença de pontos entre os participantes, facilitando o acontecimento da segunda mecânica de jogos em questão. Diariamente, foi-se construindo uma pontuação, destacando alguns e deixando outros para trás, separando alguns personagens do jogo, como o líder e o lanterna. Isto traz à tona uma das principais mecânicas aplicadas: a classificação. A classificação através da diferença de pontuação gera o incentivo de continuar jogando e marcar mais pontos, tanto dos primeiros colocados, que desejam permanecer na posição, quanto dos últimos, que não querem ficar para trás e vão em busca de melhor resultado. Como a competição supostamente seria encerrada no final do mês, a pessoa que chegasse ao final com mais pontos seria o vencedor desta etapa. Esta separação mensal, recomeçando a competição a cada trinta dias, inseriu a mecânica de fases, que é quando etapas do jogo vão sendo cumpridas com o tempo. No final de cada etapa, os próprios participantes então finalizavam o mês, colocando no quadro os vencedores, que obtiveram a maior pontuação e apagavam os pontos de todos, reiniciando o jogo para o mês seguinte. Outra importante mecânica de gamificação tratada neste experimento é a premiação, onde o participante visa ganhar o jogo para receber algo em troca. Neste caso, foi apenas sugerido no inicio que o vencedor do mês receberia um prêmio por fazer mais pontos, mas nada foi concretizado, ficando apenas como uma possibilidade. Estas são as principais mecânicas de gamificação que foram aplicadas durante o experimento para analisar o resultado no consumo do restaurante pelo grupo. Mas, além dessas, também se percebe outras inserções feitas pelo grupo

6 - SEPesq ao longo do tempo. Uma delas é a criação de personagens, onde o grupo destacou quem estava vencendo no mês, identificando-os como alvos a serem alcançados. Também foram criados pelo grupo desenhos e frases de incentivo, artifício muito usado em jogos, como vemos na imagem a seguir, onde foi escrito: O desafio bandeja está só começando. Em abril tem mais! Vamos lá gurizadinha! Figura 2: Foto de parte do quadro, abaixo da pontuação. Fonte: Fotografado pelo autor durante a aplicação do experimento. O jogo ainda está em andamento, sem uma previsão de término e muito menos de algum tipo de premiação. Os resultados de cada mês estão fornecendo dados significativos sobre a eficácia da gamificação no consumo deste restaurante para este grupo de consumidores. A partir do experimento aplicado, será feita uma análise das evidências encontradas, mostrando os dados de consumo do serviço/produto em questão e comparando-os com os dados anteriores ao processo. 5 Resultados obtidos Para fazer a análise dos dados coletados através do experimento, primeiramente será apresentada uma tabela mostrando o consumo do restaurante antes do início do experimento. Na tabela, constam os nomes das pessoas do grupo com as vezes que foram almoçar no restaurante durante um mês genérico. Chegou-se a estes dados através do histórico, fazendo-se uma média mensal de freqüência de uso de cada usuário separadamente. Para isto foi feita entrevista fechada com os participantes perguntando diretamente o dado a ser coletado, ou seja, quantas vezes em média a pessoa frequentava o restaurante por mês.

7 - SEPesq Tabela 1: Frequência de uso do restaurante antes do experimento. Participante Frequência mensal Bianca 7 Gustavo 7 André 6 Adriana 6 Patrícia 4 MIchele 4 Ezequiel 4 Wagner 3 Jaime 3 José 3 Francine 3 Nelson 0 Tuani 0 Gabriel 0 Juliana 0 Lucas 0 Camilla 0 Total 50 Fonte: Elaborado pelo autor, com base na pesquisa realizada. Percebe-se um baixo uso do restaurante em geral, considerando uma média de vinte e dois dias úteis por mês. No primeiro mês do experimento, onde as mecânicas de gamificação foram aplicadas no grupo conforme o processo explicado anteriormente, recolheram-se os dados de consumo do restaurante para análise. Tabela 2: Frequência de uso do restaurante ao final do primeiro mês do experimento. Participante Frequência mensal Bianca 12 Gustavo 10 Adriana 10 André 9 Patrícia 8 Ezequiel 8 Jaime 8 Wagner 7 Michele 7 Francine 7 Tuani 5 José 5

8 - SEPesq Participante Frequência mensal Nelson 2 Gabriel 0 Juliana 0 Lucas 0 Camilla 0 Total 98 Fonte: Elaborado pelo autor, com base na pesquisa realizada. De acordo com os dados apresentados, evidencia-se o aumento no consumo do restaurante pela maioria dos integrantes do grupo. Nota-se que muitas pessoas aumentaram em torno de 50% a frequência mensal de uso do restaurante. Considerando vinte e dois dias úteis no mês, algumas pessoas chegaram a frequentar o mesmo restaurante quase a metade dos dias do mês. Destaca-se os participantes que usavam muito pouco ou até nunca o restaurante e passaram a usar, mesmo que ainda com pouca frequência. Estas pessoas tinham e ainda tem uma grande resistência em almoçar no restaurante por diversos motivos, mas mesmo assim começam a frequentar, movidos, segundo os dados, pela gamificação aplicada neste experimento. Tabela 3: Frequência de uso do restaurante ao final do segundo mês do experimento. Participante Frequência mensal Bianca 15 Gustavo 13 Adriana 12 André 11 Francine 11 Patricia 9 Michele 8 Wagner 8 Jaime 8 José 8 Ezequiel 8 Tuani 5 Nelson 2 Camilla 1 Juliana 0 Lucas 0 Gabriel 0 Total 119 Fonte: Elaborado pelo autor, com base na pesquisa realizada.

9 - SEPesq Ao final do segundo mês, percebe-se que ainda continua aumentando o consumo do restaurante por praticamente todos os integrantes do grupo. O restaurante tornou-se o principal local de almoço do grupo, deixando os demais restaurantes como exceção, sendo frequentados poucas vezes na semana como um refúgio para sair da rotina. Percebe-se ainda que algumas pessoas continuam sem usar o restaurante, mesmo se envolvendo com a brincadeira do jogo, comentando e analisando sobre a classificação do quadro. Essas análises sobre o comportamento do grupo em relação ao andamento do jogo, tanto dos mais frequentes, quanto dos que continuam sem usar o restaurante, foram feitas por meio de observações sistemáticas, realizadas durante o dia a dia na convivência com o grupo. 5.1 Observação sistemática Foi observado que mesmo os integrantes do grupo que não aumentaram significativamente o uso do restaurante, ainda sim foram influenciados pelo jogo e participaram de alguma maneira. Eles interagiram com o grupo, fazendo comentários em relação ao andamento do jogo, líderes a serem alcançados e últimos classificados, que deveriam melhorar seu desempenho. Acredita-se, diante disto, que todo o grupo foi influenciado pela gamificação, mesmo que para algumas pessoas, o processo não foi suficiente para começar a usar o restaurante, devido a fatores externos que não serão analisados no presente trabalho. Percebe-se que a opinião do grupo sobre o restaurante, serviço e principalmente sobre a qualidade da comida, não mudou em relação ao período antes do experimento, mesmo com o significativo aumento do consumo. As pessoas que agora frequentam significativamente o restaurante e também as que não frequentavam e passaram a frequentar, continuam fazendo críticas e comentários sarcásticos em relação ao restaurante, diminuindo-o em comparação ao demais restaurantes frequentados na hora do almoço. Devido a esta permanência de opinião dos usuários em relação ao restaurante, mantendo as mesmas impressões sobre o serviço e produto antes e depois experimento, pode-se inferir que o aumento no consumo deve-se exclusivamente ao processo de gamificação aplicado. Porém, as causas do processo de aplicação de mecânicas de jogos influenciar mais umas pessoas do que outras no consumo do restaurante, ainda não foram analisadas nesta pesquisa. Para tanto, desenvolveu-se uma enquete para ser aplicada ao grupo, buscando a coleta de dados relevantes em relação aos participantes, procurando alguma evidência de fatores externos que podem impulsionar as pessoas a participar de um jogo ativamente.

10 - SEPesq 5.2 Enquete Com a aplicação de uma enquete com perguntas fechadas, busca-se inicialmente coletar dados classificatórios sobre os participantes do grupo. Planejou-se primeiramente perguntas gerais para avaliar os perfis das pessoas, com o intuito de analisar alguma relação de aderência ao processo de gamificação com dados como idade, sexo e histórico de jogos. Ou seja, pretendese verificar se há relações da influência da gamificação acontecer mais facilmente em pessoas que jogam com mais frequência. No grupo analisado nesta pesquisa, percebe-se previamente uma variedade entre homens e mulheres e jogadores frequentes e esporádicos, ficando bem divido em relação a estas variáveis. Por outro lado há uma pequena amplitude na faixa etária do grupo, ficando a maioria dos participantes entre 28 e 34 anos e uma equidade na renda e grau de escolaridade, onde todos têm praticamente o mesmo cargo e salário - dados que restringem a análise da influência da gamificação em diferentes grupos geracionais e classes econômicas. A outra parte da enquete tem o objetivo de coletar dados sobre as motivações individuais na escolha de um restaurante para o almoço. Pretende-se analisar o que as pessoas do grupo relevam mais na hora de escolher o restaurante. Entre as motivações apresentadas para os participantes selecionar em ordem de relevância, estão: o preço, o ambiente, o atendimento e a qualidade da comida. Com estes dados coletados, procura-se analisar a relação das motivações com a influência da gamificação. Ou seja, espere-se concluir se pessoas com motivações de consumo específicas tem tendências similares de sofrer influência da gamificação no consumo do restaurante. Lembrando que estes dados foram previamente analisados, por meio do conhecimento pessoal do grupo pelo pesquisador, mas ainda não foram coletados através da enquete proposta que será aplicada ao final do experimento. Os dados coletados pela enquete podem apresentar resultados que gerem novas análises através de relações de dados não esperadas. 6 Considerações finais O experimento ainda se encontra em andamento e o grupo parece continuar engajado na disputa, sempre anotando seus pontos diários e apontando o vencedor do mês, assim como zerando o placar para o início do mês seguinte. Após três meses do início do experimento, de modo geral a participação ativa das pessoas no jogo não parece diminuir, com exceção de poucos - que foram influenciados pela gamificação no início - mas depois, aparentemente deixaram o jogo. Com base na pesquisa realizada, pode-se concluir que as mecânicas de jogos aplicadas neste grupo de pessoas, com o objetivo de aumentar o consumo do restaurante em questão, funcionaram de forma evidente, pois a frequência de uso do restaurante pelo grupo aumentou em torno de 100% em dois meses.

11 - SEPesq Dentre as mecânicas de jogos aplicadas no processo, destaca-se a premiação, pois ela foi sugerida no início do experimento ao grupo, mas nunca foi concretizada. Ao final de cada mês, o vencedor não ganhou nada em recompensa, mas mesmo assim o grupo não deixou de se influenciar pelo processo e continuar jogando. Porém, acredita-se que uma real premiação seria um significativo fator incentivador e possivelmente aumentando ainda mais o consumo do restaurante. Com a aplicação da enquete, espera-se chegar a maiores conclusões sobre as relações dos perfis individuais das pessoas do grupo com a influência ao processo de gamificação. Pretende-se coletar dados relevantes sobre os perfis de usuário, principalmente em relação ao histórico de jogos, para chegar a uma possível relação com a tendência de aderir mais facilmente a um processo de gamificação. Porém, tratando-se de um grupo pequeno de pessoas avaliadas, pode-se não obter dados suficientes para tais análises. Como continuação desta pesquisa e para pesquisas futuras, sugere-se primeiramente a continuação do experimento, gerando dados para analisar as variações no consumo do restaurante em um período maior, chegando a conclusões sobre um possível enfraquecimento do processo. Para evitar este enfraquecimento, uma possibilidade é a inserção de novas mecânicas, reanimando o grupo em relação ao jogo. Outra possível pesquisa de se realizar é em relação às pessoas que continuaram sem frequentar o restaurante. Pode-se aplicar outros recursos para tentar atingir estas pessoas, assim como a própria premiação, como já citado acima. Com esta pesquisa, é possível chegar a conclusões sobre um perfil de pessoas que dificilmente se influenciam pela gamificação, independente das mecânicas em jogo. Referências ADAMS, Ernest; ROLLINGS, Andrew. Fundamentals of Game Design. New Jersey: Pearson Prentice Hall, BRATHWAITE, Brenda; SCHREIBER, Ian. Challenges for Game Designers: non-digital exercises for vídeo game designers. Boston: Cengage Learning, BUNCHBALL. An Introduction to the Use of Game Dynamics to Influence Behavior. Acesso em 17 abr Disponível em: <http://www.bunchball.com/sites/ default/files/downloads/gamification101.pdf>. CRESWELL, John W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: ARTMED, 2008.

12 - SEPesq DETERNING, S.; DIXON, D.; KHALED, R.; NACKE, L. From game design elements to gamefulness: Defining gamification. MindTrek '11 Proceedings of the 15th International Academic MindTrek Conference: Envisioning Future Media Environments (2011). GROH, F. Gamification: State of the Art Definition and Utilization. Acesso em 17 abr Disponível em: < e=39>. HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, JUUL, J. Half-Real: Video Games between Real Rules and Fictional Worlds. The MIT Press, KAPP, K. M. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. São Francisco: Pfeifer/ASTD, KELLEY, D. The Art of Reasonin. New York: W. W. Norton, 1988, p. 50 MCGONIGAL, J. Realidade em jogo: por que os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. Rio de Janeiro: Best Seller, O DONOVAN, S. Gamification of the games course. Acesso em: 17 abr Disponível em:<http://pubs.cs.uct.ac.za/archive/ /01/gamification_of_ the_games_course.pdf>. RIBEIRO, J. L. D.; CATEN, C. S. Projeto de experimentos. Porto Alegre: FEENGE/UFRGS, SALEN, K.; ZIMMERMAN, E. Rules of Play: Game Design Fundamentals. Cambridge, MIT Press, TREFAY, Gregory. Casual Game Design. EUA: Elsevier, ZICHERMANN, Gabe; LINDER, Joselin. Game-Based Marketing: Inspire Customer Loyalty Through Rewards, Challenges, and Contests. New Jersey: John Wiley & Sons Inc., 2010.

Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva

Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva Fernando Chade De Grande e-mail: tiensdesenhos@hotmail.com João Fernando Tobgyal da Silva Santos e-mail: fernandotobgyal@faac.unesp.br

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Análise teórica do uso do gamification em processos produtivos Vinicius Schadeck vinicius.vectruz@outlook.com Gabriel Richter gabriel.eduardo.richter@live.com Felipe Brancher fe.brancher@gmail.com Resumo:

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade.

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade. O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BASEADO EM JOGOS * Cristiano da Silveira Colombo Instituto Federal do Espírito Santo RESUMO: As dificuldades encontradas por alunos no processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

XI EVIDOSOL e VIII CILTEC-Online - junho/2014 - http://evidosol.textolivre.org 1

XI EVIDOSOL e VIII CILTEC-Online - junho/2014 - http://evidosol.textolivre.org 1 ANÁLISE SOBRE O ENSINO DE LÍNGUAS EM AMBIENTES VIRTUAIS GAMIFICADOS Gerson Bruno Forgiarini de Quadros Universidade Católica de Pelotas (UCPel/RS) RESUMO: A aprendizagem baseada em games se consolida cada

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

2. Fundamentação Teórico-Metodológica e Estado da Arte

2. Fundamentação Teórico-Metodológica e Estado da Arte Implementação de um sistema gamificado de gerenciamento de turmas Euripedes Simões de Paula Junior 1, Jacques Duilio Brancher 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa

Leia mais

Investigando o uso de gamificação para aumentar o engajamento em sistemas colaborativos

Investigando o uso de gamificação para aumentar o engajamento em sistemas colaborativos Investigando o uso de gamificação para aumentar o engajamento em sistemas colaborativos Lucas Felipe da Cunha Departamento de Ciência da Computação Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) lucasfelipedacunha@gmail.com

Leia mais

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO

O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO Profª Tatyanne Roiek Lazier 1 Prof. Esp. Cleber Mena Leão Junior (ABRE) 2 O objetivo principal deste estudo foi propor a inserção de um dia em que as crianças possam

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

Revista Gestão em Engenharia, São José dos Campos, v.1, n.1, p.50-58, jul./dez. 2014

Revista Gestão em Engenharia, São José dos Campos, v.1, n.1, p.50-58, jul./dez. 2014 50 CGE REVISTA GESTÃO EM ENGENHARIA ISSN 2359-3989 homepage: www.mec.ita.br/~cge/rge.html Melhoria do desempenho de processos organizacionais pela aplicação de dinâmicas de jogos Mateus Simões de Freitas

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação.

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação. a 9 de Dezembro Clima organizacional: uma análise comparativa entre a empresa x e a empresa y do setor varejista de eletrodomésticos e móveis, que disputam o mesmo nicho no município de Bambuí-MG Franciele

Leia mais

AULA 07 Tipos de avaliação

AULA 07 Tipos de avaliação 1 AULA 07 Tipos de avaliação Ernesto F. L. Amaral 31 de março de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos Sociais. São Paulo,

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas 68 Referências bibliográficas BOLSTERLI, Michèle (2003). In A Escola de a a Z: 26 Maneiras de Repensar a Educação, 2005. Artmed CANCLINI, Néstor Garcia (1939). Culturas Híbridas: estratégias para entrar

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

GAMIFICATION EXPERIENCE: COMO REINVENTAR EMPRESAS A PARTIR DE JOGOS

GAMIFICATION EXPERIENCE: COMO REINVENTAR EMPRESAS A PARTIR DE JOGOS GAMIFICATION EXPERIENCE: COMO REINVENTAR EMPRESAS A PARTIR DE JOGOS O que vamos abordar: Gamificação o que é e para o que serve? Cases de aplicação da metodologia O que as empresas podem aprender com os

Leia mais

ESTUDO DE CASO: CONSULTORIA COLABORATIVA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA CONTROLE DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS

ESTUDO DE CASO: CONSULTORIA COLABORATIVA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA CONTROLE DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS ESTUDO DE CASO: CONSULTORIA COLABORATIVA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA CONTROLE DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS CRISTIANE BRAGA DE PAIVA 1 ; Universidade Federal de São Carlos/ Programa de Pós Graduação em Educação

Leia mais

GAMIFICATION: COMO REINVENTAR EMPRESAS A PARTIR DE JOGOS. Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados.

GAMIFICATION: COMO REINVENTAR EMPRESAS A PARTIR DE JOGOS. Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados. GAMIFICATION: COMO REINVENTAR EMPRESAS A PARTIR DE JOGOS O que vamos abordar: Gamificação o que é e para o que serve? Cases de aplicação da metodologia O que as empresas podem aprender com os jogos? Como

Leia mais

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO O Processo de Design Vamos começar! Nós sabemos por experiência que o único jeito de aprender o design centrado no ser humano é aplicando-o. Por isso,

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO Danilo Abreu SANTOS, Wannyemberg K. da S. DANTAS, Adriano Araújo DOS SANTOS Departamento de Computação,

Leia mais

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião Pesquisas de Mercado Online 1. Apresentação O que é a Pesquisadireta? A Pesquisadireta é uma empresa de pesquisas de opinião e mercado exclusivamente online. De uma forma rápida e flexível, sua empresa

Leia mais

PESQUISANDO JOGOS. Luiz Cláudio Silveira Duarte

PESQUISANDO JOGOS. Luiz Cláudio Silveira Duarte PESQUISANDO JOGOS Luiz Cláudio Silveira Duarte Brasília, 21 de abril de 2015 MAS ISSO SE ESTUDA? HUIZINGA (1938), Homo ludens. CAILLOIS (1958), Les jeux et les hommes. ABT (1970), Serious Games. ROLLINGS

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Nova revolução para pequenas empresas. O nascimento de uma nova estratégia de negócios

Nova revolução para pequenas empresas. O nascimento de uma nova estratégia de negócios O DADO DAS EMPRESAS Nova revolução para pequenas empresas O trabalho é uma parte necessária e importante em nossas vidas. Ele pode ser o caminho para que cada trabalhador consiga atingir seu potencial

Leia mais

ATIVIDADES LÚDICAS PARA IDOSOS: REDISCUTINDO NA PRÁTICA O CONCEITO DE ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM.

ATIVIDADES LÚDICAS PARA IDOSOS: REDISCUTINDO NA PRÁTICA O CONCEITO DE ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM. ATIVIDADES LÚDICAS PARA IDOSOS: REDISCUTINDO NA PRÁTICA O CONCEITO DE ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM. Isabel Cristina Adão (1); Ernani Coimbra de Oliveira(2); (1,2,)Instituto

Leia mais

Gamificação na Disciplina de Empreendedorismo

Gamificação na Disciplina de Empreendedorismo Gamificação na Disciplina de Empreendedorismo Paulyne Matthews Jucá, Germana Ferreira Rolim Campus da UFC em Quixadá Universidade Federal do Ceará (UFC) Av. José de Freitas Queiros, 5003, 63900-00 Quixadá

Leia mais

Blog NoRascunho 1. Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN

Blog NoRascunho 1. Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN Blog NoRascunho 1 Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN RESUMO Como forma de registrar acontecimentos ligados a área da comunicação com um foco em

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

APLICAÇÃO DE MAPAS MENTAIS DURANTE O BRAINSTORM DE UM JOGO DIGITAL

APLICAÇÃO DE MAPAS MENTAIS DURANTE O BRAINSTORM DE UM JOGO DIGITAL APLICAÇÃO DE MAPAS MENTAIS DURANTE O BRAINSTORM DE UM JOGO DIGITAL Davi Shinji Mota Kawasaki (PIBIC/Fundação Araucária), José Augusto Fabri (Orientador), e-mail: davishinjik@gmail.com; fabri@utfpr.edu.br.

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Proposições. Gluckman(1990) Muitas pessoas deixam de tomar vinho em restaurantes por não saber escolher.

Proposições. Gluckman(1990) Muitas pessoas deixam de tomar vinho em restaurantes por não saber escolher. 3 Metodologia 3.1 Elaboração da Pesquisa A pesquisa de campo dividiu-se em três fases distintas, porém complementares. 1 Passo - Pesquisa Bibliográfica Primeiramente, foi realizada uma pesquisa bibliográfica,

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Aula 9.2 Conteúdo: Competir ou cooperar: eis a questão. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA

Aula 9.2 Conteúdo: Competir ou cooperar: eis a questão. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA A A Aula 9.2 Conteúdo: Competir ou cooperar: eis a questão. 2 A A Habilidades: Diferenciar os princípios da cooperação e da competição. 3 A A Trabalho em equipe com humor 4 A A O que é cooperar? Operar

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

OBJETIVO PARTICIPANTES

OBJETIVO PARTICIPANTES OBJETIVO O Desafio Anglo do Ensino Fundamental é um desafio nacional, exclusivo para estudantes do 8º e 9º ano do Ensino Fundamental das escolas parceiras do Sistema Anglo de Ensino que aderiram ao evento.

Leia mais

TÍTULO: GAME - INCLUSÃO SOCIAL APAE DE SANTA BÁRBARA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL

TÍTULO: GAME - INCLUSÃO SOCIAL APAE DE SANTA BÁRBARA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL TÍTULO: GAME - INCLUSÃO SOCIAL APAE DE SANTA BÁRBARA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): JACQUEKINE

Leia mais

Cultura da informação e uso de mídias sociais: experiências, implicações e desafios para regulação

Cultura da informação e uso de mídias sociais: experiências, implicações e desafios para regulação Ciclo de Palestras Núcleo de Direito Setorial e Regulatório Faculdade de Direito Universidade de Brasília Marcos Legais e Mercados Regulados no Brasil Cultura da informação e uso de mídias sociais: experiências,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas Gestão de pessoas Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Gestão de pessoas Gestão de pessoas ou administração de RH? Uma transformação das áreas e de seus escopos de atuação; Houve mudança ou é somente semântica;

Leia mais

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Trabalho 001 A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Sheila Marcelino Izabel; Márcia M. Junkes E-mail: sheilamarcelino@unifebe.edu.br Palavras chave: Textos acadêmicos,

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL RESUMO Luana da Mata (UEPB) 1 Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) 2 Este artigo tem como objetivo refletir como as brincadeiras

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt*

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Quando falamos de captação de recursos para uma organização, podemos estar falando em captação de dinheiro, de materiais, de produtos,

Leia mais

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP PROJETO A inserção das Famílias no CAMP APRESENTAÇÃO O CAMP-Gna é uma entidade filantrópica sediada em Goiânia, no Setor Central, onde funciona ininterruptamente há 36 anos. Desde 01 de julho de 1973,

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais