SER UM BOM PROFESSOR E NÃO APENAS PROFESSOR DE L 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SER UM BOM PROFESSOR E NÃO APENAS PROFESSOR DE L 2"

Transcrição

1 SER UM BOM PROFESSOR E NÃO APENAS PROFESSOR DE L 2 Dra. Profa. Vera Regina Silva da Silva i Resumo O estudo trata de mostrar características e competências de um bom professor de Língua Espanhola como L2 partindo de referências de MOSQUERA(1984) ZABALZA( ) ZEICHNER ( ) e RUBEM ALVES( ). Esse trabalho resultou de uma Dissertação de Mestrado revisada e atualizada com a adesão de novos professores a cada dois anos a partir de sua defesa. Trata de fazer uma reflexão sobre a prática como requisito essencial para ser um bom profissional. A pesquisa de cunho descritivo exploratório usou uma análise de conteúdo para interpretar a entrevista dada pelos profissionais da educação entre os falantes nativos e não nativos da L2. Foram entrevistados 20 professores de espanhol, universitários e de Centros Culturais, formadores de professores que contemplam um educador voltado para o ensino global que domine a gramática, a comunicação escrita e oral e a cultura da L2, e outros 10 professores de escolas particulares e públicas do ensino fundamental e médio com os mesmos objetivos. Os resultados da pesquisa mostraram a necessidade de uma mudança de paradigma do professor em relação ao aluno em particular. Para ser um bom professor de L2 é preciso que haja uma trajetória de comprometimento e aperfeiçoamento do profissional, para que ele seja um educador competente e que corresponda aos anseios de aprendizagem do aluno. A pesquisa se definiu em 5 categorias de discussão que responderam a três perguntas específicas de análise: como um professor de L2 adquire a competência de ensinar? Que características deve ter esse professor para ser considerado competente? É suficiente ser nativo da língua espanhola para ser considerado um bom professor?

2 Palavras-chave: Língua Espanhola Reflexão formação competência aperfeiçoamento Introdução Este artigo resultou de uma análise de conteúdo realizada a partir de dados referentes a nossa Dissertação de Mestrado e tem sido atualizada com freqüência, a cada dois, com objetivo de que ela sirva de informação, atualização e incentivo aos professores que lecionam a Língua Espanhola como L2. A proposta inicial surgiu da necessidade de um professor, que não é nativo da Língua Espanhola LE (assim denominada a partir desse momento) ensinar bem o espanhol na escola e na Universidade, sabendo que o público compreende alunos brasileiros e em alguns momentos alunos nativos, ou por outro lado, aqueles que convivem na fronteira com falantes nativos. Ser professor de um idioma diferente da nossa língua nativa compreende aquisição de várias características para lograr competência. Sendo assim, procuramos seguir uma trajetória de estudos e questionamentos para saber como ser um bom professor de L2, para um público cada vez mais globalizado. Saber mais, falar bem e escrever bem para ensinar o melhor possível é uma obrigação do professor de L2 de acordo com a nossa visão de educação. Assim procuramos saber através de uma investigação, como os professores que tinham a função de formar os estudantes que seriam professores pensavam sobre - ser um bom professor de espanhol - que qualidades deveriam ter esses profissionais para serem considerados professores competentes. Essa era questão inicial. Para essa finalidade elaboramos três questões que norteariam nossa pesquisa. Pesquisa Os objetivos eram saber: 1) Como o professor adquire a competência de ensinar? 2

3 2) Que características deve ter o professor para ser considerado competente? 3) É suficiente ser professor de Língua Espanhola para desenvolver um bom trabalho como professor? Para dar seqüência ao trabalho investigativo criamos a seguinte metodologia: Metodologia Para a pesquisa selecionamos os sujeitos entre professores de espanhol universitários, nativos e não nativos da língua com experiência mínima de sete anos na docência em Universidade e Centros Culturais de Porto Alegre, os quais foram convidados a participar da entrevista e responder sobre o tema, perguntas estruturadas de acordo com as questões de pesquisa em torno do problema que originou a investigação, individualmente em dias e horários previamente agendados e indicados por eles. As entrevistas foram gravadas e transcritas na íntegra a partir das respostas dos profissionais, sem nenhuma intervenção da investigadora. As questões para o questionário foram essas: 1) O que é competência de um professor de espanhol? Como ele adquire a competência de ensinar? Que características ele deve ter para ser considerado um bom professor de L2? Com base nesse estudo que originou uma dissertação de Mestrado e cujos resultados serão apontados na discussão sobre o tema que apresentaremos nesse artigo, em 2006, procuramos pesquisar outros oito profissionais para atualizar a pesquisa. Nesta oportunidade os profissionais eram mais jovens porém, com as mesmas características - professores universitários nativos e não nativos - o mesmo ocorrendo em 2009, quando nesta oportunidade entrevistamos da mesma forma outros 14 concluintes do curso de Licenciatura em Letras Espanhol para saber se os concluintes na carreira de professor de espanhol tinham opiniões que se assemelhassem a dos mestres sobre o ensino da L2 ou se as opiniões e experiências seriam diferentes indicando que em termos de aquisição de L2 havia acontecido alguma mudança que viesse a acrescentar e contribuir para o ensino de línguas estrangeiras. Para esses sujeitos também foram feitas perguntas sobre a competência do professor de L2. As perguntas versaram sobre: O professor de L2 deve ser considerado competente 3

4 quando? Quando ele adquire a competência de ensinar? Que exigências o mercado de trabalho impõe hoje aos professores de língua estrangeira para que sejam competentes? Procure dar características de um melhor professor de espanhol. Na primeira fase, dissertação de Mestrado originaram-se 5 grandes categorias: Características de Personalidade do professor Aperfeiçoamento do Professor Amor pela língua que vai ensinar Reflexão crítica do professor Competência lingüística comunicativa e cultural. Das entrevistas de atualização em 2006, surgiram categorias semelhantes às primeiras, tendo sigo agrupadas às cinco categorias inicias para análise dos resultados. No último grupo pesquisado, em 2009 destacaram-se duas novas categorias : Saber dividir o conhecimento e ser um professor desafiador do seu aluno. Esse resultado serviu para a discussão que foi baseada na teoria de comparação e referência dos teóricos reflexivos. Resultados e Discussão Realizada a coleta de todos os dados, observamos que os professores formadores de professores, destacaram como primeira categoria as Características de Personalidade do professor que destacou a Amizade considerada por todos como sendo o começo de toda a relação professor-aluno, seguida por Respeito Honestidade - Humildade Paciência - Psicologia e Arte que segundo os profissionais demonstram como ser um bom professor. Para ilustrar esse artigo citamos o depoimento de alguns sujeitos: Sujeito nº 1 - Ser amigo, que ele procure dar e obter a simpatia do aluno, porque aquilo que se faz de forma agradável e gostando (...) o aluno não vai esquecer. Sujeito nº O professor precisa ser compreensivo e ser amigo, próximo desse aluno. Sujeito nº 4 - Eu acho que o melhor amigo é aquele que te fala as tuas dificuldades e te ajuda a resolvê-las. (...) Ser amigo para ajudar a pessoa a crescer. Sobre esse professor amigo e companheiro Rangel (1994) afirma: 4

5 Vejo no bom professor o amigo (...) o amigo que ensina, que esclarece, que corrige, que estimula, que orienta (...) e faz tudo isso com prazer porque tem satisfação com o que faz... porque vê, no aluno, uma pessoa que espera dele a compreensão, a estima, a paciência e o companheirismo que têm os amigos(...) os bons amigos. (RANGEL, 1994, págs.32 e 33) Entendemos que a amizade entre professor e aluno vai além da sala de aula e perdura por muito tempo, esta constatação é vista quando o ex-aluno volta à Universidade, já diplomado e trabalhando na sua área; o professor que ele procura é aquele com o qual ele mais interagiu e com quem mais trocou confidências.. O ser humano é carente de afeto e toda a manifestação de carinho e afeição estimula o seu comportamento de forma positiva. Se há uma sintonia entre o professor e o aluno, este aprende melhor, sua aprendizagem flui, pois haverá mais interesse por parte do aluno. A pesquisa contemplou o respeito, a honestidade e a humildade como fatores de contribuição na educação do aluno e de seu melhor aprendizado como sendo uma característica de personalidade do professor. Sujeito nº 2...a honestidade de dizer para o aluno não sei (...) ( O professor se preocupa Ah! Mas se eu digo ele não vai pensar que eu não sei? ( e o sujeito complementa) (...) não deixe o teu aluno sem respostas, diga que não sabe e vai atrás da resposta... Sujeito nº 5 - Precisamos ter respeito pelo aluno, ser tolerante, ser paciente (...). O professor não pode ter preconceito de nenhum tipo. Em relação ao dito pelo sujeito nº 2, compreendemos que o professor de L2 não é um dicionário humano e ele tem o direito e o dever de dizer a verdade para o aluno, ele não é um transmissor de conhecimentos, a sua função é compartir o conhecimento, indicar um dicionário para o aluno pesquisar é uma forma de ensinar. O professor é o gestor e o facilitador do conhecimento. Faz parte da educação ter e ser um orientador e isso muitas vezes, pode resultar em que o educador tenha que ser um artista, uma pessoa especial, pois 5

6 ministrar aulas requer uma competência específica, principalmente por tratar-se de ensinar um idioma estrangeiro para pessoas que, às vezes, não dominam bem o próprio idioma. Sujeito nº 2 - (...) o professor teria que ser um grande artista (...) um escultor. Nós professores, não podemos escolher o material. Ele vem no 1º dia de aula, alguns são argila, outros são de barro duro, madeira, outros são de barro grudento... não posso escolher...(...) Se eu não sei nada de arte, tenho que começar a ser um pouco artista, ser prático, dinâmico. Sujeito nº 3 - Eu acho que o professor competente tem que... Ter habilidade tem que formar e não informar,... Compreender que ele recebe, muitas vezes, e saber transformar aquelas pedras em flores. De acordo com RANGEL (1994, pág. 38),... esculpir é transformar pedras em flores, e isso obriga os professores à experiências arriscadas. A arte no ensino faz do professor um artista e expressa um aspecto particular da dimensão humana do processo ensino aprendizagem no que toca a sensibilidade e a emoção com que ele se dedica ao ensino. Os sentimentos não revelados intervêm na relação de ensino e aprendizagem e assim descobrimos que a competência não aparece em atos isolados, mas que ela é um processo que surge de atitudes e comportamentos do educador. Em relação à questão que mostrou a 2ª categoria de análise: Como o professor adquire a competência de ensinar? As respostas direcionaram o estudo para o aperfeiçoamento do professor. Para o Sujeito nº não é suficiente apenas adaptar-se, tem que reinventar,(...) Eu tenho que me reciclar, me realimentar para reinventar essa realidade que já foi inventada há milhões de anos, mas que eu tenho que apresentar a cada vez, a cada dia. O Sujeito nº 5 afirma que... O professor adquire a competência de ensinar, primeiro na Universidade, com bons cursos de Didática, de Psicologia, de Metodologia da Educação e... claro... com experiência e com estudo também, não é...?! Fazendo pesquisa e não parando no tempo. A gente tem que estar atualizado. O trabalho de investigação escolar continua no trabalho. Em relação ao mesmo assunto, o Sujeito nº 7 - Estudar, em primeiro lugar fazer um bom curso, estudar muito, se preparar bem além do exigido, buscar, ler, estudar, pesquisar, 6

7 participar de encontros e congressos sempre que for possível e eu insisto, passar algum tempo morando em um país, mesmo que seja um mês, umas férias de julho, que vá fazer um curso. Um mês num país onde se fala Espanhol vale, sei lá, por um semestre, por um ano inteiro estudando no país da gente. O Sujeito nº 10, perguntado sobre o mesmo assunto diz que:... ele tem que colocar aquilo em prática e essa prática é só na escola, trabalhando diretamente com o aluno. E o Sujeito nº 11 diz que é importante a convivência em bares, cafés, fazer perguntas, aprender gírias, aprendem os dois; o professor e o aluno, para que não terminemos o curso somente nos livros ou textos. A linguagem coloquial e particular não está nos livros, mas na convivência. Referente ao posicionamento desses sujeitos, HUBERMAN (1992, pág. 62) diz mais sinteticamente o que eles pretendiam explicar em suas respostas: Hasta el maestro mejor preparado y especializado siente que su rol dentro de la enseñanza, dentro de la escuela, de la comunidad, ya no es el mismo, ni tan estable, intuye (aceptándolo o no) que debería adquirir para enfrentarse o incluirse a este nuevo estilo de vida que la sociedad y la escuela exigen o necesitan, capacidades nuevas, actitudes nuevas para auto formarse de forma diferente y para forjarse una autonomía capaz de ir reaccionando vital y profesionalmente ante las nuevas situaciones que se le presentan en su vida intelectual, laboral, profesional, en síntesis, en su persona total. A evolução da língua funciona como fator motivador do professor em busca do aperfeiçoamento e da aquisição de melhores técnicas para ensinar. Novas metodologias servem para que o professor se especialize acompanhando a evolução dessa língua e o desenvolvimento do alunado. A terceira categoria de análise surgiu da terceira questão de pesquisa: Que características deve ter um professor de espanhol para ser considerado competente? O amor pela língua que vai ensinar. Sobre o assunto, alguns sujeitos fizeram suas observações nas entrevistas: Sujeito nº eu gosto, eu adoro ser professora de Espanhol, eu não me vejo fazendo outra coisa. Para ser um bom professor de Espanhol é fundamental saber bem a língua, saber bem o idioma e gostar, ter prazer em dar aula. Sujeito nº 4 - Tem que haver uma grande dose de paixão. Eu como sou apaixonada pelas línguas estrangeiras, acho fascinante o aluno vir para a sala de aula e começar esse 7

8 processo em que ele vai aprender a se comunicar usando outro código, que não é a sua língua nativa... Sujeito nº 11 - O professor tem que despertar a paixão do aluno pelo ato de aprender.- Aí ele se sente estimulado, ele vai gostar, ele vai em frente, porque se eu me reponho só ao que é necessário, a coisa pode se perder e tu sabes que os nossos alunos fogem, eles acabam se evadindo. Sujeito nº o professor deve gostar do trabalho que representa o ensino do idioma ou idiomas que vai ensinar, pois quem trabalha com desgosto está fatalmente condenado ao fracasso. Também deve gostar do convívio com os que serão os seus discípulos, pelas mesmas razões. Segundo ALVES (1996) O que a memória ama permanece eterno, assim é com a aprendizagem, assim é na vida, o que se ama não se esquece mais. A quarta categoria surgiu do reconhecimento da realidade e compõe a reflexão crítica do professor. Nessa categoria os professores pesquisados fizeram uma reflexão crítica a respeito da atuação do professor de L2 em sala de aula e da importância desse comportamento para o ensino-aprendizagem do aluno. O posicionamento de alguns sujeitos retratam de certa forma o pensamento do grupo. Sujeito nº quando tu pensas que dás uma aula magistral e alguém vem e diz, - a tua aula foi uma M. Poxa! Tu vais para o teu quarto e pensa; mas eu preparei,,, será que foi a minha aula, ou eu não estou bem apresentado hoje, não me entusiasmei com o conteúdo. Será quê... E aí está a auto-avaliação de ti como pessoa, como professor.(...) E agora o que eu faço? Sujeito nº e na tua prática, ação-reflexão-ação, que tu avalias o teu trabalho (...) é essa comunicação respaldada de respeito(...) e logicamente não esquecendo da questão do conhecimento, do aperfeiçoamento do professor que vocês vão encontrar algo diferente que vai inquietá-los e fazer vocês pensarem. O que foi que eu não fiz? O que eu posso melhorar? (...) e aí então, novas buscas... Sujeito nº o requisito indispensável para o sucesso em aula é uma preparação minuciosa de cada lição, já que as improvisações são as mais freqüentes causas de fracasso. 8

9 Simplificando o posicionamento dos sujeitos observamos que o sujeito nº 2 fala sobre as suas frustrações e das frustrações dos alunos em relação a sua aula que o obriga a adequações imprevisíveis que levam à reflexão sobre a prática. Outro sujeito falou sobre a sua inquietação com a melhor forma de ensinar e sujeito nº 12, com mais de 50 anos na profissão diz que o professor deve ser minucioso ao preparar a aula e que a improvisação pode levar ao fracasso do professor e frustração do aluno. Buscando amparo na teoria reflexiva, tentamos parafrasear VASCONCELLOS (1998), cuja opinião é de que o professor deve avaliar sempre a sua prática; tanto na proposta como na aplicação e se uma das duas está errada, não haverá a transformação do aluno, mas se o professor sabe discernir o que está errado no ensino, no momento da intervenção, as soluções serão satisfatórias. A quinta categoria de análise foi extraída da última questão problema sobre as características de um bom professor. Os sujeitos em todos os momentos da pesquisa foram seguros ao afirmar que a competência linguística, comunicativa e cultural são fatores fundamentais para um bom professor de L2. Conhecer somente a língua que deve ensinar não caracteriza competência, o educador deve dominá-la completamente, conhecer seus quatro princípios básicos: ler, escrever, ouvir e falar e saber aplicá-los adequadamente para dizerem que sabem ensinar a língua estrangeira. Os sujeitos da pesquisa se posicionaram da seguinte maneira: Sujeito nº 1 - Há coisas muito práticas que têm relação com a competência. Que seria por exemplo: as quatro habilidades lingüísticas que o professor precisa dominar. Eu começaria por isso, por exemplo: que seria a compreensão auditiva, a expressão oral, compreensão escrita e compreensão comunicativa, estas que nos vão dar conjunto para ensinar como base quando ele domina essas habilidades lingüísticas e quando ele fala fluentemente. Sujeito nº 8 - ser um professor competente é atingir os objetivos principais como professor(...) é atingir o aspecto cognitivo global da matéria, da disciplina com seus conteúdos e fundamentalmente a integração desses conteúdos dentro de um marco maior que é onde o aluno vai aplicá-los. 9

10 Sujeito nº vais ter que aceitar o desafio, o desequilíbrio para poder se reencontrar e as Faculdades, responsáveis pelas Licenciaturas, não estão ainda em condições dessas novas exigências, muito menos os professores de 1º e 2º Graus. Sujeito nº o aluno ao sair da Faculdade tem 80% dessa competência adquirida, mas em termos práticos te deixa a desejar, o diploma não é tudo, ele tem o diploma, mas não tem experiência e sabe que como falante nativo da Língua Portuguesa terá um certo acento portunhol la ge - la jota - y la A bien abierta. Ele deve aproveitar isso para trabalhar com o aluno em aula. Sujeito nº 11 - Claro que conhecimentos são muito importantes, mas tem que conhecer a cultura para que possa transmitir ao aluno essas possibilidades de comunicação. Sujeito nº 17 - O mais perfeito conhecimento teórico e prático, do idioma que vai ensinar, é por razões óbvias, outra condição para seu sucesso. É desafiar o aluno e desafiarse. Pelo depoimento de alguns dos sujeitos procuramos enfocar aspectos que foram pertinentes à maioria do universo pesquisado, algumas vezes, os sujeitos se repetem outras se colocam contra determinados posicionamentos, mas a maioria concordou com os aspectos enfocados nas categorias de análise incluindo o fato de que o professor não deve somente saber, mas principalmente dividir o conhecimento com os seus alunos. 46) Dentro da teoria reflexiva fomos buscar apoio na teoria de NILDA ALVES( 1996, pág. O conhecimento é busca constante, é prático, se dá graças às experiências práticas com o objeto, é social e trama as relações entre os homens, é histórico, construído pelo ser humano com o passar do tempo. É um processo longo no caminho que leva da ignorância ao conhecimento, além do mais é inacabado... Concordamos com a autora que obter um certificado e guardá-lo na gaveta do escritório não vale a pena. A prática aliada à reflexão crítica do professor é que mostrará se o aperfeiçoamento do professor virá em auxilio do aluno. Ser competente é usar o que aprendeu para repassá-lo ao aluno e aprender com ele. Ensinar é aprender sempre. Considerações Finais Esta investigação nos chamou a atenção de que falar de competência desestabiliza de certa forma as pessoas. A finalidade era encontrar respostas sobre uma realidade presente na 10

11 vida de todos os que se dedicam a ensinar uma língua estrangeira como L2, nesse caso o espanhol. Ouvimos profissionais que atuam na educação de futuros professores e observamos pelas respostas dadas na pesquisa que ser formado simplesmente não nos habilita totalmente e competentemente a sermos bons professores. É necessário algo mais que fará diferença no ensino; ter prazer, ser paciente, refletir sobre a prática, atualizar-se e ter competência linguística, cultural e comunicativa são diferenciais que somam para os profissionais. Outro fator que encontramos com professores na segunda parte da pesquisa é a necessidade do professor construir o conhecimento juntamente com os seus alunos, fazendo com que eles caminhem junto na busca do conhecimento e aprendizagem e a flexibilidade em aula; discutir com os alunos o currículo e a metodologia pode contribuir para um melhor ensino e um melhor professor. É na discussão das causas, que se encontram os efeitos. Segundo ALVES, (2005) para ser um bom educador é preciso refletir muito e criar várias estratégias de mudança Tivemos como objetivo encontrar características entre os professores que indiquem quem é o bom professor de L2 elevá-los a reflexão sobre a prática, construindo o caminho juntamente com seus alunos. Neste trabalho investigativo é provável que de alguma forma todos tiveram que refletir sobre suas atitudes e seu ensino. Uma das propostas finais da Dissertação de Mestrado, era de que fossem introduzidas nos currículos de Licenciatura em Letras, disciplinas que permitissem aos estudantes fazerem um estudo reflexivo pensando no futuro professor, que os ajudasse a desenvolver a consciência reflexiva sobre a prática para una ação-reflexão-ação posterior, quando tivessem que atuar como professores de L2. Essa proposta tornou-se realidade em 2006, com a inclusão dos estudos reflexivos, que já haviam sido apontados por nossa investigação, nos currículos de algumas universidades brasileiras. Em 2009, observamos que os estudantes de Letras estão atentos a mudanças, buscam estratégias, preparam seminários e fazem pesquisa sobre os temas que sejam de reflexão e que venham a ajudá-los a desenvolver-se mais para a futura carreira. Ainda assim, permanece a ansiedade pela competência comunicativa que segundo eles pode fazer a diferença no mercado de trabalho. 11

12 Quem trabalha com a educação enfrenta o novo a cada dia. Primeiro porque trabalha com o ser humano, aluno, cabeças diferentes, realidades opostas, compreensões distintas. Segundo porque a sociedade evolui. Todos os dias, há um fato novo acontecendo, um acontecimento diferente. O professor deve estar devidamente preparado, pois o aluno pode perguntar-lhe e ele precisa responder. Mais ainda, o professor de Espanhol já trabalha com o novo, a língua diferente (no Brasil) da língua materna: Léxico, fonologia, costumes, cultura, tudo isso é novidade. Ele tem que ter conhecimento de técnicas novas de ensino, mudanças fonéticas e culturais de toda natureza. Além disso, precisa de um conhecimento especializado sobre a educação e a língua estrangeira que vai ensinar. Referências Bibliográficas ALVES, Nilda. Formação de Professores: pensar e fazer.4ª ed. São Paulo, Cortez, 1996 ALVES, Rubem. Estórias de quem gosta de ensinar. 6ª ed. São Paulo. Cortez Estórias de quem gosta de ensinar. 6ª ed. São Paulo. Cortez, 2005 HUBERMAN, A.M. Como se realizam as mudanças em Educação. Tradução de Jamir Martins, São Paulo, Cultrix 1992 MOSQUERA, Juan José Mouriño. Psicodinâmica do Aprender. 3 ª. Ed. Porto Alegre, :Sulina, 1976 Petrópolis. RJ; Vozes, 1994 RANGEL, Mary Representações e reflexões sobre o bom professor, 2ª. ed.vozes, 1994 VASCONCELLOS, Celso dos S. Resgate do professor como sujeito de transformação: para onde vai o professor? 6ª ed. São Paulo, Libertad, vol. 1, 1998 ZABALZA. Miguel Angel. Diários de Aula. Porto. Ed. Porto, 1994 ZEICHNER, Kenneth M. A formação reflexiva de professor: idéias e práticas, Lisboa; Educa, i Profª da PUCRS Dra. em Linguística (trabalho sobre a Interface Psicolingüística e Literatura Infantil). Mestre em Educação (trabalho sobre Características de um melhor professor de espanhol segundo testemunho de docentes). Especialista em Educação Formação de Professores. Profa. Convidada pelo Programa de Pós- Graduação da FAPA para lecionar a disciplina de Práticas de Leitura e escrita na Alfabetização. Artigos publicados em anais de Congressos sobre Leitura e Cognição - Alfabetização Ensino do espanhol 12

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA Zoraia Aguiar Bittencourt Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins

DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins INTRODUÇÃO A permanente a preocupação com a formação docente e a falta de prática em sala de aula, que não conduz

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática

X Encontro Nacional de Educação Matemática PESQUISA-AÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Autor: Maristela Alves Silva Projeto Observatório da Educação- UFSCar-SP maristelamarcos@hotmail.com Resumo: Este texto se reporta

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL * Rita de Cássia Lindner Kaefer **Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO O objetivo do presente artigo é apresentar uma reflexão a respeito da importância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão Educacional

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

O TEXTO E O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA

O TEXTO E O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul O TEXTO E O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Joiscemara Ferreira TEIXEIRA, Maria José da Costa DAMIANI (UFSC) Observar aulas de línguas

Leia mais

APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática

APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática INTRODUÇÃO Moara Barboza Rodrigues O presente artigo tem como objetivo analisar o processo de formação docente atual por meio da leitura dos textos trabalhados

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO

A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO Helena Ferro Blasi (UFSC) helenablasi@ccs.ufsc.br Tatiane Moraes Garcez (UFSC) fono.tatiane@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO Há cerca de 875 milhões de

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS Deise de Lima 1 Orientadora - Fernanda Bertoldo 2 Resumo Este artigo tem por objetivo relatar os caminhos da pesquisa desenvolvida durante o curso

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: 2015.2

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: 2015.2 PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Educação Física na Infância Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com Código:

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E SUA INFLUÊNCIA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E SUA INFLUÊNCIA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E SUA INFLUÊNCIA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO Leticia Caroline de Oliveira 1 Rosecler Vendruscolo 2 Vanessa Schivinski Mamoré 3 Lauro Rafael Cruz 4 Resumo Eixo Temático:

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES RESUMO

FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES RESUMO FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES Joanilson Araújo Ferreira 1 RESUMO O presente estudo traz à tona reflexões referentes à formação docente, tanto formação inicial quanto formação

Leia mais

APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE OFICINA SOBRE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DA CIDADE DE ITAPIPOCA CE

APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE OFICINA SOBRE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DA CIDADE DE ITAPIPOCA CE APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE OFICINA SOBRE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DA CIDADE DE ITAPIPOCA CE Artur Ramon Tomé Oliveira Julyane Moreira de Sousa Resumo A maioria

Leia mais

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras Luciana Virgília Amorim de Souza¹ RESUMO O trabalho busca questionar os métodos ensinados para praticar a Língua Inglesa nas escolas. O inglês, no Brasil,

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

ENSINO E PESQUISA, UMA PRÁTICA INDISSOCIÁVEL NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA ESCOLA SANTA CLARA DE ASSIS, ARAPIRACA-AL

ENSINO E PESQUISA, UMA PRÁTICA INDISSOCIÁVEL NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA ESCOLA SANTA CLARA DE ASSIS, ARAPIRACA-AL ENSINO E PESQUISA, UMA PRÁTICA INDISSOCIÁVEL NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA ESCOLA SANTA CLARA DE ASSIS, ARAPIRACA-AL Rafael Vieira da Silva 1 Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL rafaelgeouneal@hotmail.com

Leia mais

A PRÁTICA REFLEXIVA AO PLANEJAR E MINISTRAR AULAS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS NA ESCOLA PÚBLICA

A PRÁTICA REFLEXIVA AO PLANEJAR E MINISTRAR AULAS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS NA ESCOLA PÚBLICA A PRÁTICA REFLEXIVA AO PLANEJAR E MINISTRAR AULAS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS NA ESCOLA PÚBLICA RESUMO Natália Aparecida Canteiro Bisio; Samanta de Pádua Neves Faculdade de Ciências e Letras, Universidade

Leia mais

Fatores associados ao sucesso escolar em Matemática: um estudo comparativo entre duas escolas públicas do DF a partir dos dados da Prova Brasil

Fatores associados ao sucesso escolar em Matemática: um estudo comparativo entre duas escolas públicas do DF a partir dos dados da Prova Brasil Fatores associados ao sucesso escolar em Matemática: um estudo comparativo entre duas escolas públicas do DF a partir dos dados da Prova Brasil Larissa Sampaio Gurgel dos Santos Resumo: Este trabalho é

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Estagio Supervisionado I Língua Inglesa

Estagio Supervisionado I Língua Inglesa Introdução O objetivo geral desse Estágio Supervisionado de Língua Inglesa I, bem como as etapas realizadas nesse período de pesquisa e busca do acadêmico do curso de Letras visando levá-lo a conhecer

Leia mais

Cursos de Idiomas Online

Cursos de Idiomas Online Cursos de Idiomas Online Sumário Objetivos Estrutura Didática Método Atributos Referência Entrevista: Primeiros Concludentes Comentários Alunos Resultados: Pesquisa de Satisfação Os cursos Inglês Iniciante

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola MORIS, Aline dos Santos 1 aline_morys@hotmail.com Rocha, Marlizane Atanazio 2 SOUZA, Sueli de Oliveira 3 Suelisouza-roo@hotmail.com

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense)

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense) A Pesquisa com Egressos como Fonte de Informação Sobre a Qualidade dos Cursos de Graduação e a Responsabilidade Social da Instituição Universidade Federal Fluminense (UFF) Eixo II Indicadores e instrumentos

Leia mais

A ATUAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS EM DIFERENTES CONTEXTOS DE ENSINO: O PROJETO CLIC/UFS

A ATUAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS EM DIFERENTES CONTEXTOS DE ENSINO: O PROJETO CLIC/UFS A ATUAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS EM DIFERENTES CONTEXTOS DE ENSINO: O PROJETO CLIC/UFS Acassia dos Anjos Santos 1 Doris Cristina Vicente da Silva Matos 2 Eixo: 2. Educação, Sociedade e Práticas Educativas

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Resumo PORTILHO, Evelise Maria Labatut PUCPR evelisep@onda.com.br ALVES, Larissa Maria Volcov PUCPR - PIBIC larissavolcov@hotmail.com

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO 1. Apresentação O curso de Pós Graduação Lato Sensu em Psicologia Educacional da POSGLOGAL visa a formação profissional de graduados que tenham

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem

A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem Daniele Marcelle Grannier e Regina Maria Furquim-Freire da Silva, UnB Introdução O conhecimento

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

Formação, desafios e perspectivas do professor de música

Formação, desafios e perspectivas do professor de música Formação, desafios e perspectivas do professor de música João Alderlei Leite da Silva email: joaoderlei17@hotmail.com Lucas Roberto Guedes email: lucasrobertoguedes@gmail.com Verônica Agnelli Chiarelli

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais