Seminário Mensal Presencial do Departamento Pessoal 11 de Setembro de Apresentação: Fábio Gomes Érica Nakamura Graziela Garcia Priscila Suzuki

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Mensal Presencial do Departamento Pessoal 11 de Setembro de Apresentação: Fábio Gomes Érica Nakamura Graziela Garcia Priscila Suzuki"

Transcrição

1 Seminário Mensal Presencial do Departamento Pessoal 11 de Setembro de 2015 Apresentação: Fábio Gomes Érica Nakamura Graziela Garcia Priscila Suzuki

2 esocial EFD-Reinf, Qualificação Cadastral e Eventos Iniciais

3 EFD-Reinf - O que é? A Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída (EFD-Reinf) está sendo construída em complemento ao esocial. A EFD-Reinf abarca todas as retenções do contribuinte sem relação com o trabalho, bem como as informações sobre a receita bruta para a apuração das contribuições previdenciárias substituídas. Ela substituirá as informações contidas em outras obrigações acessórias, tais como o módulo da EFD- Contribuições que apura a Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB).

4 Informações prestadas através da EFD-Reinf: - serviços tomados/prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada; - retenções na fonte (IR, CSLL, COFINS, PIS/PASEP) incidentes sobre os pagamentos diversos efetuados a pessoas físicas e jurídicas; - recursos recebidos por/repassados para associação desportiva que mantenha equipe de futebol profissional; - comercialização da produção e à apuração da contribuição previdenciária substituída pelas agroindústrias e demais produtores rurais pessoa jurídica; - Informações sobre empresas que se sujeitam à CPRB (desoneração da folha); e - entidades promotoras de evento que envolva associação desportiva que mantenha clube de futebol profissional.

5 EFD-Reinf A Receita Federal do Brasil disponibilizou, através do Portal do Sped, vários arquivos relativos à EFD-Reinf para download. O material disponível é composto dos seguintes arquivos: Regras de validação Layout Tabelas

6 Consulta Qualificação Cadastral Resolução Comitê Gestor do esocial nº 4, de 20 de agosto de 2015

7 A implantação do Módulo Consulta Qualificação Cadastral online se dará conforme o seguinte cronograma: I - para empregadores/empregados domésticos: a partir de 31/08/2015; II - demais obrigados ao esocial: a partir de 01/02/2016. Os órgãos e entidades integrantes do Comitê Gestor do esocial definirão as rotinas, no âmbito de suas competências, para atendimento ao disposto nesta Resolução.

8 esocial Eventos Iniciais

9 Temas abordados no Seminário anterior: Movimento e período de apuração para os eventos periódicos Situação Sem Movimento Identificadores Qualificação cadastral Retificações e Alterações Exclusão Classificação dos Eventos

10 Eventos Iniciais

11 S Informações do Empregador/Contribuinte Conceito do evento: Evento onde são fornecidas pelo empregador/contribuinte as informações cadastrais, alíquotas e demais dados necessários ao preenchimento e validação dos demais eventos do esocial, inclusive para apuração das contribuições. Este é o primeiro evento que deve ser transmitido pelo empregador/contribuinte. Não pode ser enviado qualquer outro evento antes deste.

12 S Tabela de Estabelecimentos e Obras de Construção Civil Conceito do evento: O evento identifica os estabelecimentos e obras de construção civil da empresa, detalhando as informações de cada estabelecimento (matriz e filiais) do empregador/contribuinte, como: informações relativas ao CNAE Preponderante, alíquota GILRAT, indicativo de substituição da contribuição patronal de obra de construção civil, dentre outras. As pessoas físicas devem cadastrar neste evento seus CAEPF Cadastro de Atividade Econômica Pessoa Física.

13 S Tabela de Rubricas Conceito do evento: Apresenta o detalhamento das informações das rubricas constantes da folha de pagamento da empresa, permitindo a correlação destas com as constantes da tabela de natureza das rubricas da folha de pagamento do esocial. A empresa pode manter a sua própria tabela de rubricas utilizada atualmente, não sendo obrigatória a modificação de sua nomenclatura para adesão ao esocial. Este evento exige uma análise prévia da tabela de rubricas da empresa com vistas a verificar as suas incidências para o FGTS, Previdência Social, Imposto de Renda Retido na Fonte e/ou Contribuição Sindical Laboral.

14 S Tabela de Lotações Tributárias Conceito do evento: Identifica a classificação da atividade para fins de atribuição do código FPAS, a obra de construção civil, o contratante de serviço, ou uma condição diferenciada de tributação. A condição diferenciada ocorre quando uma determinada unidade da empresa possui um código de FPAS/Outras Entidades e Fundos distintos. Obrigatoriamente o empregador deve ter pelo menos uma lotação tributária informada neste evento. No caso de prestação de serviço, a empresa prestadora deverá criar uma lotação para cada tomador com o CNPJ do tomador/contratante informando o FPAS da atividade da prestadora.

15 S Tabela de Cargos/Empregos Públicos Conceito do evento: São as informações de identificação do cargo, apresentando código e período de validade. A empresa deve realizar uma análise do seu organograma e definição dos cargos, obedecendo às normas trabalhistas e suas implicações. Os códigos (codcargo) atribuídos aos cargos são de livre escolha do empregador

16 S Tabela de Funções/Cargos em Comissão Conceito do evento: São as informações de identificação da função, apresentando código e período de validade do registro. A sua utilização não é obrigatória.

17 S Tabela de Horários/Turnos de Trabalho Conceito do evento: São as informações de identificação do horário contratual, apresentando o código e período de validade do registro. Detalha também os horários de início e término do intervalo para a jornada de trabalho. Depois de prever na tabela todos os horários, estes devem ser referenciados nos eventos S-2100 Cadastramento Inicial do Vínculo e S-2200 Admissão de Trabalhador.

18 S Tabela de Ambientes de Trabalho Conceito do evento: Evento utilizado para inclusão, alteração e exclusão de registros na tabela de Ambientes de Trabalho do empregador. Devem ser informados na tabela apenas os ambientes de trabalho que possuem exposição aos fatores de risco constantes na tabela 21 Tabela de Fatores de Riscos Ambientais. Tais ambientes serão utilizados para o preenchimento dos eventos S-2240 Condições Ambientais de Trabalho Fatores de Risco, no qual cada empregado será vinculado ao(s) ambiente(s) da empresa em que exerce suas atividades. Estas informações serão utilizadas para elaboração do Perfil Profissiográfico Previdenciário PPP do empregado.

19 S Tabela de Processos Administrativos e Judiciais Conceito do evento: evento utilizado para inclusão, alteração e exclusão de registros na Tabela de Processos Administrativos/Judiciais do empregador/contribuinte, de entidade patronal com representação coletiva, de trabalhador contra um dos órgãos governamentais envolvidos no projeto e que tenha influência no cálculo das contribuições, dos impostos ou do FGTS, e de outras empresas, quando influenciem no cumprimento das suas obrigações principais e acessórias. As informaçõe sconsolidadas desta tabela são utilizadas para validação de outros eventos do esocial e influenciam na forma e no cálculo dos tributos devidos e FGTS.

20 S Evento Cadastramento Inicial do Vínculo Conceito do evento: Este evento se refere ao arquivo que será enviado pela empresa no início da implantação do esocial, com todos os vínculos ativos, com seus dados cadastrais atualizados, servindo de base para construção do "Registro de Eventos Trabalhistas" - RET, o qual será utilizado para validação dos eventos de folha de pagamento e demais eventos enviados posteriormente. É o retrato dos vínculos empregatícios existentes na data da implantação do esocial.

21 Intervalos para amamentação - Concessão - Regras

22 A CLT no art. 396 dispõe o seguinte: Base legal "Art Para amamentar o próprio filho, até que este complete 6 (seis) meses de idade, a mulher terá direito, durante a jornada de trabalho, a 2 (dois) descansos especiais, de meia hora cada um. Parágrafo único. Quando o exigir a saúde do filho, o período de 6 (seis) meses poderá ser dilatado, a critério da autoridade competente."

23 Direito garantido à mulher e à criança Ao retornar da licença-maternidade a empregada terá direito a 2 intervalos, de meia hora cada um, durante a sua jornada de trabalho, para que possa amamentar seu filho, até que este complete, no mínimo, 6 meses, salvo previsão mais benéfica prevista em documento coletivo de trabalho. Quando a saúde do filho exigir, o período de 6 meses poderá ser dilatado, a critério da autoridade competente (perito do INSS).

24 Jurisprudência - Reclamante que não amamenta seu filho AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA - DESCABIMENTO. AMAMENTAÇÃO. INTERVALOS. O fato de a reclamante não amamentar seu filho não afasta o direito aos intervalos previstos no art. 396 da CLT. Agravo de instrumento conhecido e desprovido. (TST - AIRR: , Relator: Alberto Luiz Bresciani de Fontan Pereira, Data de Julgamento: 05/11/2008, 3ª Turma,, Data de Publicação: DJ 05/12/2008.)

25 Momento da concessão A legislação trabalhista não especifica em quais momentos da jornada de trabalho estes descansos devem ser concedidos. Desta forma, caberá às partes, em comum acordo, estabelecer os períodos em que os descansos serão usufruídos, buscando sempre privilegiar a amamentação, que foi o objeto visado pelo legislador quando da instituição do benefício.

26 Sugestões para a concessão Se existir algum problema na concessão destes dois intervalos, em função da distância da residência da mãe, entre outros, aconselha-se que a empresa os conceda no início e no final da jornada ou entre os períodos de intervalo para descanso e alimentação. Neste caso, o ideal seria a concessão de 30 minutos antes do intervalo para descanso e alimentação e 30 minutos após este intervalo.

27 Impossibilidade de junção dos períodos A empresa não deve fazer a junção em um único período de uma hora, nem lançá-los nas pontas da jornada, pois além de não existir previsão legal para tanto, tem-se conhecimento de decisões que condenaram empresas que efetuaram esta concessão em um período único.

28 Jurisprudência Concessão de 2 intervalos de 30 minutos INTERVALO DE DESCANSO PARA AMAMENTAÇÃO. O art. 396 da CLT estabelece a obrigação de o empregador conceder 02 intervalos de 30 minutos cada, durante a jornada, visando a proporcionar à empregada lactante fazer a amamentação do seu filho nos primeiros 06 meses de vida da criança. Apesar de a referida norma não estabelecer os horários em que os intervalos devam ser concedidos, utilizando-se apenas da expressão "durante a jornada de trabalho", o seu objetivo é não só proporcionar a adequada amamentação da criança, o que seria ilógico pensar que aconteceria apenas pelo prolongamento do intervalo intrajornada, como também aumentar o tempo de contato entre mãe e filho. Esse contato não só é importante, como também é essencial para o correto desenvolvimento físico e psíquico da criança. Para isso, o legislador pretendeu acrescentar, além do intervalo intrajornada, que também pode ser utilizado pela mãe para amamentar seu filho, mais 02 intervalos no decorrer da jornada de trabalho, não sendo razoável pensar que a criança irá amamentar o volume de duas mamadas ao mesmo tempo, porque, unilateralmente, por vontade da empresa, os intervalos foram agrupados e concedidos de uma só vez, ao final da jornada ou elastecendo-se o intervalo intrajornada, o que seria melhor para a reclamada. O intervalo para amamentação não foi criado pelo legislador para suprir interesse da mãe, muito menos pode ser medida de negociação, pois o verdadeiro interessado é a criança, para ela se dirigindo o benefício. (TRT-3 - RO: , Relator: Milton V.Thibau de Almeida, Quinta Turma, Data de Publicação: 09/06/ /06/2014. DEJT/TRT3/Cad.Jud. Página 252. Boletim: Sim.)

29 Jurisprudência Não concessão Horas extras analogia art. 71, 4º, CLT AGRAVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. HORAS EXTRAS. NÃO CONCESSÃO DO INTERVALO PARA AMAMENTAÇÃO. Os agravantes não apresentam argumentos novos capazes de desconstituir a juridicidade da decisão agravada. Na hipótese vertente, o Tribunal Regional decidiu em consonância com a iterativa, notória e atual jurisprudência desta Corte, no sentido de que a não concessão do intervalo para amamentação acarreta os mesmos efeitos determinados no art. 71, 4º, da CLT, aplicável analogicamente. Incidência da Súmula nº 333 do TST. Agravo a que se nega provimento. (TST - Ag-AIRR: , Relator: Walmir Oliveira da Costa, Data de Julgamento: 05/11/2014, 1ª Turma, Data de Publicação: DEJT 07/11/2014)

30 Prorrogação da licença-maternidade - Intervalo para amamentação Institutos distintos Art º Em casos excepcionais, os períodos de repouso anterior e posterior ao parto podem ser aumentados em duas semanas, mediante atestado médico específico. (IN INSS nº 77/2015)

31 Segurodesemprego dos domésticos Regulamentação

32 RESOLUÇÃO Nº 754, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta os procedimentos para habilitação e concessão de Seguro-Desemprego para empregados domésticos dispensados sem justa causa na forma do art. 26 da Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015.

33 Requisitos para habilitação ao segurodesemprego Terá direito a perceber o Seguro-Desemprego o empregado doméstico dispensado sem justa causa ou de forma indireta, que comprove:

34 I - ter sido empregado doméstico, por pelo menos quinze meses nos últimos vinte e quatro meses que antecedem à data da dispensa que deu origem ao requerimento do Seguro-Desemprego; Considera-se um mês de atividade, a fração igual ou superior a 15 (quinze) dias.

35 II - não estar em gozo de qualquer benefício previdenciário de prestação continuada da previdência social, exceto auxílio-acidente e pensão por morte; III - não possuir renda própria de qualquer natureza, suficiente à sua manutenção e de sua família.

36 Comprovação dos requisitos Os requisitos serão verificados a partir das informações registradas no CNIS e, se insuficientes, por meio das anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social CTPS, por meio de contracheques ou documento que contenha decisão judicial que detalhe a data de admissão, demissão, remuneração, empregador e função exercida pelo empregado.

37 Documentos necessários Para requerer sua habilitação no Programa do Seguro Desemprego, o empregado doméstico deverá comparecer perante uma das Unidades da rede de atendimento vinculadas ou autorizadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego MTE munido dos seguintes documentos:

38 I - Carteira de Trabalho e Previdência Social CTPS, na qual deverão constar a anotação do contrato de trabalho doméstico e a data de admissão e a data da dispensa, de modo a comprovar o vínculo empregatício doméstico, durante pelo menos 15 (quinze) meses nos últimos 24 (vinte e quatro) meses; II Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho TRCT atestando a dispensa sem justa causa;

39 III - declaração de que não está em gozo de benefício de prestação continuada da previdência social, exceto auxílio-acidente e pensão por morte; e IV declaração de que não possui renda própria de qualquer natureza suficiente à sua manutenção e de sua família.

40 As declarações serão firmadas pelo trabalhador no documento de Requerimento do Seguro- Desemprego do Empregado Doméstico RSDED fornecido pelo MTE na unidade de atendimento.

41 Prazo para requerimento do benefício A habilitação no Programa do Seguro Desemprego deverá ser requerida perante as unidades de atendimento do Ministério do Trabalho e Emprego MTE ou aos órgãos autorizados no prazo de 7 (sete) a 90 (noventa) dias contados da data da dispensa.

42 Não preenchimento dos requisitos O requerente que não satisfizer os requisitos legais e os estabelecidos na Resolução CODEFAT n 754/2015, terá o pedido de habilitação indeferido. O agente público ou agente credenciado informará ao requerente que este poderá interpor recurso administrativo da decisão de indeferimento.

43 No ato do atendimento o agente público verificará se o requerente reúne os requisitos legais e os estabelecidos nesta Resolução, bem como se está munido dos documentos necessários à habilitação no Programa do Seguro Desemprego.

44 Valor do benefício O valor do benefício do Seguro-Desemprego do empregado doméstico corresponderá a 1 (um) salário-mínimo e será concedido por um período máximo de 3 (três) meses, de forma contínua ou alternada, a cada período aquisitivo de 16 (dezesseis) meses, contados da data da dispensa que originou habilitação anterior.

45 Parcelas A quantidade de parcelas adquiridas são obtidas a partir do cálculo feito entre a data da demissão e a data do reemprego, a data do implemento do benefício previdenciário, data do óbito ou da data da prisão do segurado.

46 O trabalhador fará jus ao pagamento integral das parcelas subsequentes para cada mês, quando contar com fração igual ou superior a quinze dias de desemprego de forma que: I - O segurado terá direito a 1 (uma) parcela se ficar desempregado até 44 dias após a demissão; II - O segurado terá direito a 2 (duas) parcelas se ficar desempregado até 60 dias após a demissão; e III - O segurado terá direito a 3 (três) parcelas se ficar desempregado por 75 dias ou mais após a demissão.

47 O pagamento da primeira parcela será agendado para trinta dias após a data do protocolo do RSDED e as demais a cada intervalo de trinta dias, contados da emissão da parcela anterior.

48 Suspensão do benefício A habilitação do trabalhador no Programa do Seguro Desemprego do Empregado Doméstico será suspensa nas seguintes situações: I - admissão do empregado doméstico em novo emprego; II - início de percepção de benefício de prestação continuada da Previdência Social, exceto aqueles permitidos pelo art. 28, III, da Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015; e III - recusa injustificada por parte do trabalhador desempregado em participar de ações de recolocação de emprego, conforme regulamentação do CODEFAT.

49 Cancelamento do benefício A habilitação do empregado doméstico no Programa do Seguro Desemprego será cancelada: I - pela recusa por parte do trabalhador desempregado de outro emprego condizente com sua qualificação registrada ou declarada e com sua remuneração anterior; II - por comprovação de falsidade na prestação das informações necessárias à habilitação;

50 III - por comprovação de fraude visando à percepção indevida do benefício do seguro-desemprego; ou IV - por morte do segurado. Nos casos previstos nos itens I a III, será suspenso por um período de 2 (dois) anos o direito do trabalhador à percepção de parcelas de Seguro- Desemprego, dobrando-se este período em caso de reincidência

51 Desoneração da folha de pagamento Novas regras

52 Legislação Lei n /2011 Lei Nº / novidade Instrução Normativa RFB n 1.436/2013 (ANEXO I e II)

53 Substituição da contribuição previdenciária patronal Regra geral As empresas enquadradas na regra da Lei n /2011 recolhem a Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta de 1% ou 2%, em substituição ao encargo previdenciário patronal de: - 20% incidente sobre a remuneração dos empregados e trabalhadores avulsos (art. 22, I, da Lei n 8.212/1991); - 20% incidente sobre a remuneração de contribuintes individuais (art. 22, III, da Lei n 8.212/1991).

54 A empresa abrangida pela desoneração continuará recolhendo: - a contribuição previdenciária descontada dos segurados; - o RAT ajustado; - a contribuição previdenciária sobre os valores pagos a cooperativas; e - as contribuições destinadas as outras entidades (Terceiros). Todas as demais contribuições incidentes sobre a folha de pagamento permanecerão inalteradas, inclusive o recolhimento para o FGTS.

55 ENQUADRAMENTO NA REGRA DA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

56 Inexiste uma regra única de enquadramento na desoneração da folha de pagamento. A empresa deverá verificar nos art. 7 e 8 da Lei n /2011 e nos Anexos I e II da IN RFB n 1436/2013, se exerce alguma das atividades que estão abrangidas pela desoneração da folha de pagamento, seja pelo tipo do serviço, pelo CNAE da atividade ou NCM do produto fabricado.

57 EMPRESAS ENQUADRADAS NA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO PELO CNAE REGRA DO CNAE PRINCIPAL

58 Segundo o art. 9, 9, da Lei n /2011, as empresas para as quais a substituição da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento pela contribuição sobre a receita bruta estiver vinculada ao seu enquadramento no CNAE deverão considerar apenas o CNAE relativo à sua atividade principal, assim considerada aquela de maior receita auferida ou esperada, não lhes sendo aplicado o disposto no 1º do art. 9 da citada lei. De acordo com o art. 17 da IN RFB n 1.436/2013, a "receita auferida" será apurada com base no ano-calendário anterior, que poderá ser inferior a 12 (doze) meses, quando se referir ao ano de início de atividades da empresa e a "receita esperada" é uma previsão da receita do período considerado e será utilizada no ano-calendário de início de atividades da empresa.

59 Contudo, se somente a atividade secundária da empresa está enquadrada na regra da desoneração da folha de pagamento, está dispensada de efetuar o cálculo da CPRB. A empresa deverá verificar se realmente o enquadramento da atividade principal da empresa, qual seja, aquela considerada de maior receita auferida ou esperada, está correta. Se o CNAE principal estiver na desoneração, a receita bruta total da empresa estará desonerada. Todavia, se o CNAE principal não estiver na desoneração, a receita bruta total da empresa não estará desonerada (ou seja, continuará a recolher os 20% sobre a folha de pagamento).

60 Empresas enquadradas no artigo 7 da Lei n /2011 2%

61 I - as empresas que prestam os serviços referidos nos 4º e 5º do art. 14 da Lei nº /2008; II - as empresas do setor hoteleiro enquadradas na subclasse /01 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE 2.0; III - as empresas de transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal, intermunicipal em região metropolitana, intermunicipal, interestadual e internacional enquadradas nas classes e da CNAE 2.0.

62 IV - as empresas do setor de construção civil, enquadradas nos grupos 412, 432, 433 e 439 da CNAE 2.0; V - as empresas de transporte ferroviário de passageiros, enquadradas nas subclasses /01 e /02 da CNAE 2.0; VI - as empresas de transporte metroferroviário de passageiros, enquadradas na subclasse /03 da CNAE 2.0; VII - as empresas de construção de obras de infraestrutura, enquadradas nos grupos 421, 422, 429 e 431 da CNAE 2.0

63 Empresas enquadradas no artigo 8 da Lei n /2011 1%

64 Empresas fabricantes dos produtos da TIPI Contribuirão sobre o valor da receita bruta, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, à alíquota de 1% (um por cento), em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei n 8.212/1991, as empresas que fabricam os produtos classificados na TIPI, nos códigos referidos no Anexo II da IN RFB n 1436/2013.

65 Demais setores A regra da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta se aplica às empresas: - de manutenção e reparação de aeronaves, motores, componentes e equipamentos correlatos; - de transporte aéreo de carga; - de transporte aéreo de passageiros regular; - de transporte marítimo de carga na navegação de cabotagem; - de transporte marítimo de passageiros na navegação de cabotagem; - de transporte marítimo de carga na navegação de longo curso;

66 - de transporte marítimo de passageiros na navegação de longo curso; - de transporte por navegação interior de carga; - de transporte por navegação interior de passageiros em linhas regulares; e - de navegação de apoio marítimo e de apoio portuário. - de manutenção e reparação de embarcações; - de varejo que exercem as atividades listadas no Anexo I da IN RFB n 1436/2013

67 - que realizam operações de carga, descarga e armazenagem de contêineres em portos organizados, enquadradas nas classes e da CNAE 2.0; - de transporte rodoviário de cargas, enquadradas na classe da CNAE 2.0; - de transporte ferroviário de cargas, enquadradas na classe da CNAE 2.0; e - jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens de que trata a Lei nº , de 20 de dezembro de 2002, enquadradas nas classes , , , , , , , e da CNAE 2.0.

68 Empresas Optantes pelo Simples Nacional Tratamento De acordo com o art. 19 da IN RFB n 1.436/2013, a empresa que seja optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional) estará sujeita à regra da desoneração da folha de pagamento, desde que:

69 I - esteja sujeita, mesmo que parcialmente, à contribuição previdenciária incidente sobre a folha de pagamento, na forma prevista no 5º-C do art. 18 da Lei Complementar nº 123/2006 (Anexo IV); e II - sua atividade principal, assim considerada aquela de maior receita auferida ou esperada, esteja enquadrada nos grupos 412, 421, 422, 429, 431, 432, 433 ou 439 da CNAE 2.0.

70 A Microempresa (ME) ou Empresa de Pequeno Porte (EPP) que exerça, concomitantemente, atividade enquadrada no Anexo IV em conjunto com outra atividade enquadrada em um dos Anexos I a III e V, da Lei Complementar nº 123/2006, contribuirá na forma prevista: I na desoneração da fola de pagamento, com relação à base de cálculo referente à parcela da receita bruta auferida nas atividades enquadradas no Anexo IV da Lei Complementar nº 123/2006, à alíquota de 2% (dois por cento); e II - nos Anexos I a III e V da Lei Complementar nº 123/2006, com relação às parcelas da receita bruta relativas às atividades listadas nesses Anexos.

71 Cálculo exemplo - Empresas TOTALMENTE desoneradas

72 Cálculo Exemplo Receita bruta da empresa de produtos da TIPI alcançada pela desoneração = R$ ,00 Folha de pagamento dos empregados de R$ ,00 1,0% sobre a receita bruta de R$ ,00 = R$ 1.000,00 recolhimento através de DARF Se a empresa fosse recolher a contribuição previdenciária patronal sobre a folha de pagamento, teria que recolher: R$ ,00 x 20% = R$ 6.000,00. Contudo, esta contribuição não será recolhida, pois será substituída pela Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta no valor de R$ 1.000,00, acima mencionado. Neste caso, a empresa estará sendo desonerada em R$ 5.000,00.

73 Cálculo Exemplo Encargo previdenciário que a empresa terá que recolher através da GPS: R$ 2.400,00 (valor descontado dos segurados) R$ ,00 X 1,5% (RAT 1% x FAP 1,5000) = R$ 450,00 R$ ,00 x 5,8% (outras entidades) = R$ 1.740,00 Valor total das contribuições previdenciárias que deverá ser recolhido na GPS da empresa = R$ 4.590,00

74 Cálculo exemplo - Empresas PARCIALMENTE desoneradas

75 Receita bruta dos produtos da TIPI enquadrados na desoneração = R$ ,00 1,0% de R$ ,00 = R$ 600,00 recolhimento através de DARF Folha de pagamento de R$ ,00 Encargo patronal previdenciário = 20% de R$ ,00 = R$ 2.000,00 Receita bruta dos produtos NÃO estão enquadradas na desoneração = R$ Receita bruta total da empresa = R$ ,00 Proporção entre as receitas: , ,00 = 0,4

76 Encargo patronal previdenciário proporcional = R$ 2.000,00 x 0,4 = R$ 800,00 (valor da contribuição previdenciária patronal a recolher na GPS) RAT ajustado e outras entidades recolhimento normal pela empresa: Folha de pagamento = R$ ,00 RAT ajustado = 1% RAT x 1,0000 FAP = 1% x R$ ,00 = R$ 100,00 Outras entidades: 5,8% = R$ ,00 x 5,8% = R$ 580,00 Parte descontada dos segurados = R$ 2.000,00 Recolhimento total na GPS = R$ 800,00 (20% patronal proporcional) + R$ 100,00 (RAT ajustado) + R$ 580,00 (outras entidades) + R$ 2.000,00 (parte descontada do segurado) = R$ 3.480,00 (recolhimento através de GPS)

77 NOVAS REGRAS LEI Nº , DE 31 DE AGOSTO DE 2015

78 Art. 1º A Lei no , de 14 de dezembro de 2011, passa a vigorar com as seguintes alterações: "Art. 7º Poderão contribuir sobre o valor da receita bruta, excluídos as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991:..." (NR)

79 "Art. 7o-A. A alíquota da contribuição sobre a receita bruta prevista no art. 7o será de 4,5% (quatro inteiros e cinco décimos por cento), exceto para as empresas de call center referidas no inciso I e as constantes dos incisos III, V e VI, todos do caput do art. 7o, que contribuirão à alíquota de 3% (três por cento)."

80 3% - de call center; - - de transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal, intermunicipal em região metropolitana, intermunicipal, interestadual e internacional, enquadradas nas classes e da CNAE 2.0; - - de transporte ferroviário de passageiros, enquadradas nas subclasses /01 e /02 da CNAE 2.0; - - de transporte metroferroviário de passageiros, enquadradas na subclasse /03 da CNAE 2.0;

81 "Art. 8o Poderão contribuir sobre o valor da receita bruta, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, as empresas que fabricam os produtos classificados na Tipi, aprovada pelo Decreto no 7.660, de 23 de dezembro de 2011, nos códigos referidos no Anexo I. 3o... II - de transporte aéreo de carga e de serviços auxiliares ao transporte aéreo de carga; III - de transporte aéreo de passageiros regular e de serviços auxiliares ao transporte aéreo de passageiros regular;..." (NR)

82 "Art. 8º-A. A alíquota da contribuição sobre a receita bruta prevista no art. 8o será de 2,5% (dois inteiros e cinco décimos por cento), exceto para as empresas constantes dos incisos II a IX e XIII a XVI do 3o do art. 8o e para as empresas que fabricam os produtos classificados na Tipi nos códigos , a e 87.02, exceto , que contribuirão à alíquota de 1,5% (um inteiro e cinco décimos por cento), e para as empresas que fabricam os produtos classificados na Tipi nos códigos 02.03, , , 02.07, 02.09, , , 03.03, 03.04, , 05.05, , 16.02, Ex 01, Ex 01 e 03.02, exceto , que contribuirão à alíquota de 1% (um por cento)."

83 As empresas que anteriormente contribuíam com a alíquota de 1% passarão, em geral, a contribuir com a alíquota de 2,5%, excetuadas:

84 As empresas a seguir relacionadas, que contribuirão com a alíquota de 1,5%: - de transporte aéreo de carga e de serviços auxiliares ao transporte aéreo de carga; - de transporte aéreo de passageiros regular e de serviços auxiliares ao transporte aéreo de passageiros regular; - de transporte marítimo de carga na navegação de cabotagem; - de transporte marítimo de passageiros na navegação de cabotagem; - de transporte marítimo de carga na navegação de longo curso; - de transporte marítimo de passageiros na navegação de longo curso; - de transporte por navegação interior de carga; - de transporte por navegação interior de passageiros em linhas regulares; - que realizam operações de carga, descarga e armazenagem de contêineres em portos organizados, enquadradas nas classes e da CNAE 2.0; - de transporte rodoviário de cargas, enquadradas na classe da CNAE 2.0; - de transporte ferroviário de cargas, enquadradas na classe da CNAE 2.0; - jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens de que trata a Lei nº /2002, enquadradas nas classes , , , , , , , e da CNAE que fabricam os produtos classificados na TIPI nos códigos , a e 87.02, exceto ;

85 As empresas a seguir relacionadas, que contribuirão com a alíquota de 1%: - que fabricam os produtos classificados na TIPI sob os códigos: ; ; ; ; ; ; ; ; ; ; ; ; ; Ex 01; Ex 01; e , exceto

86 "Art. 9º 13. A opção pela tributação substitutiva prevista nos arts. 7o e 8o será manifestada mediante o pagamento da contribuição incidente sobre a receita bruta relativa a janeiro de cada ano, ou à primeira competência subsequente para a qual haja receita bruta apurada, e será irretratável para todo o ano calendário. 14. Excepcionalmente, para o ano de 2015, a opção pela tributação substitutiva prevista nos arts. 7º e 8º será manifestada mediante o pagamento da contribuição incidente sobre a receita bruta relativa a novembro de 2015, ou à primeira competência subsequente para a qual haja receita bruta apurada, e será irretratável para o restante do ano. 15. A opção de que tratam os 13 e 14, no caso de empresas que contribuem simultaneamente com as contribuições previstas nos arts. 7o e 8o, valerá para ambas as contribuições, e não será permitido à empresa fazer a opção apenas com relação a uma delas.

87 16. Para as empresas relacionadas no inciso IV do caput do art. 7o, a opção dar-se-á por obra de construção civil e será manifestada mediante o pagamento da contribuição incidente sobre a receita bruta relativa à competência de cadastro no CEI ou à primeira competência subsequente para a qual haja receita bruta apurada para a obra, e será irretratável até o seu encerramento. 17. No caso de empresas que se dediquem a atividades ou fabriquem produtos sujeitos a alíquotas sobre a receita bruta diferentes, o valor da contribuição será calculado mediante aplicação da respectiva alíquota sobre a receita bruta correspondente a cada atividade ou produto."

88 Art. 2º A contribuição de que trata o caput do art. 7º da Lei nº , de 14 de dezembro de 2011, permanecerá com a alíquota de 2% (dois por cento) até o encerramento das obras referidas: I - no inciso II do 9º do art. 7o da Lei nº , de 14 de dezembro de 2011; II - no inciso III do 9º do art. 7o da Lei nº , de 14 de dezembro de 2011, nos casos em que houve opção pelo recolhimento da contribuição previdenciária incidente sobre a receita bruta; e III - no inciso IV do 9º do art. 7º da Lei no , de 14 de dezembro de 2011, matriculadas no Cadastro Específico do INSS - CEI até o dia anterior à data da vigência do art. 1o desta Lei.

89 Art. 7º Esta Lei entra em vigor: I - a partir do primeiro dia do quarto mês subsequente ao de sua publicação quanto aos arts. 1º e 2º; II - na data de sua publicação, quanto aos demais dispositivos.

SUMÁRIO. JB Software Ltda Av. Belém, 2084 Cx Postal 42 CEP Pinhalzinho-SC Fone: Fax:

SUMÁRIO. JB Software Ltda Av. Belém, 2084 Cx Postal 42 CEP Pinhalzinho-SC Fone: Fax: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 2.1 Art. 7 da Lei 12.546/11 2%... 2 2.2 Art. 8 da Lei 12.546/11 1%... 3 3. CONFIGURAÇÕES E FACILIDADES NO JB FOLHA... 3 3.1 Cadastro de empresas... 3

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empresas enquadradas na desoneração da folha de Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empresas enquadradas na desoneração da folha de Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades 20/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 8 4. Conclusão...

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta; a Lei nº 12.469, de 26 de agosto de

Leia mais

LEI Nº , DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº , DE 31 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 13.161, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Altera as Leis nºs 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta, 12.780, de 9 de janeiro de 2013, que dispõe sobre

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO. São requisitos para a percepção do seguro-desemprego - art. 3, Lei

SEGURO-DESEMPREGO. São requisitos para a percepção do seguro-desemprego - art. 3, Lei SEGURO-DESEMPREGO Benefício temporário que visa promover a assistência financeira do trabalhador desempregado, dispensado sem justa causa ou por despedida indireta. Estão excluídos, pois, os empregados

Leia mais

EFD - Reinf Edgar Grassi

EFD - Reinf Edgar Grassi EFD - Reinf Edgar Grassi Diretor de Administração e Seguridade CBS Previdencia A Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída (EFD Reinf) é o mais

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Orientações Consultoria de Segmentos EFD-REINF Conceito da obrigação

Orientações Consultoria de Segmentos Orientações Consultoria de Segmentos EFD-REINF Conceito da obrigação 25/05/2017 Sumário 1 Questão... 3 2 Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3 Análise da Consultoria... 3 3.1 Instrução Normativa 1701 de 2017... 3 3.2 Descrição Simplificada dos Eventos... 5 3.3 Sequencia

Leia mais

Inclui as informações sobre as contribuições previdenciárias substitutivas e as retenções sobre a prestação de serviço

Inclui as informações sobre as contribuições previdenciárias substitutivas e as retenções sobre a prestação de serviço A EFD-Reinf é resultado de um desmembramento do esocial, onde foram retiradas as informações que não estavam relacionadas diretamente à remuneração pelo trabalho. Inclui as informações sobre as contribuições

Leia mais

EFD-Reinf. Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais. Palestrante: Ricardo Nogueira R.Nogueira Consultoria e Treinamento

EFD-Reinf. Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais. Palestrante: Ricardo Nogueira R.Nogueira Consultoria e Treinamento Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais Palestrante: Ricardo Nogueira O que é? Instituída pela Instrução Normativa RFB nº 1.701/2017, tratase de uma nova obrigação tributária

Leia mais

SUMÁRIO 1. Introdução 2. Empresas com Atividades Exclusivas 3. Empresas com Atividades Concomitantes 4. Empresas com Atividades Mistas

SUMÁRIO 1. Introdução 2. Empresas com Atividades Exclusivas 3. Empresas com Atividades Concomitantes 4. Empresas com Atividades Mistas Desoneração da Folha de Pagamento 13º Salário SUMÁRIO 1. Introdução 2. Empresas com Atividades Exclusivas 3. Empresas com Atividades Concomitantes 4. Empresas com Atividades Mistas 1. Introdução A alteração

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas O que é o esocial? O que é o esocial? O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e

Leia mais

esocial - Regularização de Procedimentos Internos para Implantação Lincoln Ferrarezi

esocial - Regularização de Procedimentos Internos para Implantação Lincoln Ferrarezi esocial - Regularização de Procedimentos Internos para Implantação Lincoln Ferrarezi Conceito O esocial é um projeto do governo federal que visa coletar informações trabalhistas, previdenciárias, tributárias

Leia mais

esocial: Eventos e Tabelas Iniciais Rogério Andrade Henriques

esocial: Eventos e Tabelas Iniciais Rogério Andrade Henriques esocial: Eventos e Tabelas Iniciais Rogério Andrade Henriques 1 Eventos Iniciais e Tabelas S-1000 Informações do Empregador/Contribuinte S-1005 Tab. de Estab, Obras ou Unid. de Órgãos Públicos S-1010 Tabela

Leia mais

Sistema de Informações Jurídico-Tributárias - SIJUT

Sistema de Informações Jurídico-Tributárias - SIJUT Página 1 de 8 Sistema de Informações Jurídico-Tributárias - SIJUT Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1436, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2013 (Publicado(a) no DOU de 02/01/2014, seção 1, pág. 12) Dispõe sobre

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM TRABALHO E PREVIDÊNCIA CAPITULO I - DIREITO DO TRABALHO -- Princípios do Direito do Trabalho -- Relação de Trabalho e Relação de Emprego Natureza jurídica:

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI /2011

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI /2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI 12.546/2011 COMÉRCIO VAJERISTA / CRITÉRIO DE APLICAÇÃO POR CNAE Os segmentos de comércio varejista, ficam sob a alíquota de 1%, cujas atividades

Leia mais

Quem está obrigado a transmitir a EFD-Reinf? A transmissão da EFD-Reinf é obrigatória para as seguintes organizações:

Quem está obrigado a transmitir a EFD-Reinf? A transmissão da EFD-Reinf é obrigatória para as seguintes organizações: EFD-REINF A Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída (EFD-Reinf) é o mais recente módulo do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) e está

Leia mais

EFD-Reinf Escrituração Fiscal Digital das Retenções e e Outras Informações Fiscais

EFD-Reinf Escrituração Fiscal Digital das Retenções e e Outras Informações Fiscais EFD-Reinf Escrituração Fiscal Digital das Retenções e e Outras Informações Fiscais Seminário sobre Contabilidade do Setor Cooperativo CRC/RS Porto Alegre 18 de agosto de 2017 NF-e: Quebra de paradigma

Leia mais

ANO XXVIII ª SEMANA DE ABRIL DE 2017 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2017

ANO XXVIII ª SEMANA DE ABRIL DE 2017 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2017 ANO XXVIII - 2017-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2017 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2017 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO - ATUALIZAÇÕES E CONSIDERAÇÕES GERAIS... Pág. 398 ASSUNTOS TRABALHISTAS

Leia mais

IN RFB 1.436/13 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº de D.O.U.:

IN RFB 1.436/13 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº de D.O.U.: IN RFB 1.436/13 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 1.436 de 30.12.2013 D.O.U.: 02.01.2014 Dispõe sobre a Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB), destinada ao

Leia mais

Onde são informadas atualmente?

Onde são informadas atualmente? EFD-Reinf O que é EFD-Reinf? Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída (CPRB). A EFD-Reinf abarca todas as retenções do contribuinte sem relação

Leia mais

Reoneração da Folha: Aspectos Polêmicos da Opção em 2015

Reoneração da Folha: Aspectos Polêmicos da Opção em 2015 Câmara de Comércio e Indústria Japonesa no Brasil Reunião Mensal da Comissão Jurídica Reoneração da Folha: Aspectos Polêmicos da Opção em 2015 São Paulo, 22 de outubro de 2015 1 2 Panorama Legal e Regulamentar

Leia mais

Ao SINDUSCON/CE Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará Rua Tomás Acioly, nº 840, 8º andar Fortaleza Ceará

Ao SINDUSCON/CE Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará Rua Tomás Acioly, nº 840, 8º andar Fortaleza Ceará Fortaleza, 14 de novembro de 2014. Ao SINDUSCON/CE Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará Rua Tomás Acioly, nº 840, 8º andar Fortaleza Ceará Prezados Senhores, Encaminhamos-lhes em anexo o

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Todos que se inscrevem na Previdência Social podem escolher como vão contribuir. Isso permite que o segurado

Leia mais

Referência: IN RFB nº 1.436/13 - INSS - Desoneração da folha de pagamento - Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) e retenção.

Referência: IN RFB nº 1.436/13 - INSS - Desoneração da folha de pagamento - Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) e retenção. Of. Circ. Nº 003/14 Rio de Janeiro, 03 de janeiro de 2014 Referência: IN RFB nº 1.436/13 - INSS - Desoneração da folha de pagamento - Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) e retenção.

Leia mais

18/07/2017. Pesquisa. Fonte: Daniel Belmiro. Pesquisa. Fonte: Daniel Belmiro

18/07/2017. Pesquisa. Fonte: Daniel Belmiro. Pesquisa. Fonte: Daniel Belmiro Pesquisa Fonte: Daniel Belmiro Pesquisa Fonte: Daniel Belmiro 1 Pesquisa Fonte: Daniel Belmiro Pesquisa Fonte: Daniel Belmiro Pesquisa Fonte: Daniel Belmiro 2 Relação Empresário - Contador Decreto nº 8.373,

Leia mais

ANO XXV ª SEMANA DE JULHO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2014

ANO XXV ª SEMANA DE JULHO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2014 ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE JULHO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2014 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO ATUALIZAÇÃO DE ACORDO COM A LEI N 12.995/2014 E A MP 651/2014 - PROCEDIMENTOS

Leia mais

[(Receita Bruta Não Beneficiada x 100) / Receita Bruta Total) = Fator de aplicação

[(Receita Bruta Não Beneficiada x 100) / Receita Bruta Total) = Fator de aplicação CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA A Lei 12.546 de 14/12/2011 instituiu, entre outras medidas, a CPRB Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta, ou seja, alterou a base de cálculo

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E DESONERAÇÃO DA FP. José de Carvalho filho

PREVIDÊNCIA SOCIAL E DESONERAÇÃO DA FP. José de Carvalho filho PREVIDÊNCIA SOCIAL E DESONERAÇÃO DA FP X José de Carvalho filho DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? Substituição da base de cálculo da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento por uma base

Leia mais

Joaquim Jackson Gomes de Oliveira

Joaquim Jackson Gomes de Oliveira Joaquim Jackson Gomes de Oliveira E-Social 120 horas Com certificado online Este material é parte integrante do curso online "E - Social" do INTRA (www.intra-ead.com.br) conforme a lei nº 9.610/98. É proibida

Leia mais

Tutorial de Orientação sobre evento S Tabela de Estabelecimentos. /Obras ou Unidades de Órgãos Públicos

Tutorial de Orientação sobre evento S Tabela de Estabelecimentos. /Obras ou Unidades de Órgãos Públicos Tutorial de Orientação sobre evento S-1005 - Tabela de Estabelecimentos /Obras ou Unidades de Órgãos Públicos Este evento identifica os estabelecimentos e obras de construção civil da empresa detalhando

Leia mais

esocial: GESTÃO DE PONTOS CRÍTICOS E COMO SE PREPARAR PARA O AMBIENTE DE TESTES

esocial: GESTÃO DE PONTOS CRÍTICOS E COMO SE PREPARAR PARA O AMBIENTE DE TESTES esocial: GESTÃO DE PONTOS CRÍTICOS E COMO SE PREPARAR PARA O AMBIENTE DE TESTES Pontos críticos do esocial Base cadastral da empresa e dos colaboradores Admissão e desligamento de trabalhadores Gestão

Leia mais

Agenda Trabalhista - Setembro 2017

Agenda Trabalhista - Setembro 2017 Agenda Trabalhista - Setembro 2017 06/09/2017 SALÁRIOS Pagamento de salários - mês de AGOSTO/2017 - Para maiores detalhes, acesse o tópico Salários - Prazo de Pagamento. Base legal: Art. 459, parágrafo

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE /08/2016

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE /08/2016 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE 2016 SALÁRIOS 05/08/2016 FGTS Pagamento de salários - mês de JULHO/2016 - Para maiores detalhes, acesse o tópico Salários - Prazo de Pagamento.

Leia mais

Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas

Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas O que é o esocial? Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas Decreto 8373/2014 É um projeto do governo federal que visa unificar, em uma só ferramenta, o envio

Leia mais

As informações dos Eventos Trabalhistas alimentarão uma base de dados denominada RET Registro de Eventos Trabalhistas.

As informações dos Eventos Trabalhistas alimentarão uma base de dados denominada RET Registro de Eventos Trabalhistas. Objeto do esocial O esocial tem por objeto, informações trabalhistas, previdenciárias, tributárias e fiscais relativas à contratação e utilização de mão de obra onerosa, com ou sem vínculo empregatício

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 24 - Data 23 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. RECEITA

Leia mais

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 204 Conteúdo - Atos publicados em março de 2017 Divulgação em abril de 2017

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 204 Conteúdo - Atos publicados em março de 2017 Divulgação em abril de 2017 www.pwc.com.br Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária (RERCT) reabertura - Lei n 13.428/2017 Trabalho temporário e terceirização - Lei nº 13.429/2017 Contribuição Previdenciária sobre a

Leia mais

GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social NOVEMBRO/2016

GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social NOVEMBRO/2016 Previdência Trabalhista/Previdenciária Mês: 12/2016 Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo

Leia mais

1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento

1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento 1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento A desoneração da folha de pagamento é constituída de duas medidas complementares. Em primeiro lugar, o governo está eliminando a atual contribuição previdenciária

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010 Dia 06-12-2010 (Segunda-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

Previdenciária - Estabelecidas as normas sobre restituição, compensação, ressarcimento e reembolso perante a Receita Federal do Brasil

Previdenciária - Estabelecidas as normas sobre restituição, compensação, ressarcimento e reembolso perante a Receita Federal do Brasil Publicada em 18.07.2017-09:26 Previdenciária - Estabelecidas as normas sobre restituição, compensação, ressarcimento e reembolso perante a Receita Federal do Brasil A Secretaria da Receita Federal do Brasil

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2014 Dia: 06 Salário Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da CLT. Quando o pagamento

Leia mais

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 05/2017 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

EFD-Reinf 29/06/2016. Apresentação. I -O que é o EFD-Reinf

EFD-Reinf 29/06/2016. Apresentação. I -O que é o EFD-Reinf EFD-Reinf Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída O que vem por ai??? Danilo Lollio Estaapresentaçãoé de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft.

Leia mais

PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº, DE 2017 (Proveniente da Medida Provisória nº 774, de 2017)

PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº, DE 2017 (Proveniente da Medida Provisória nº 774, de 2017) ERRATA Nº 2 Perante a COMISSÃO MISTA, ao relatório lido na 4ª Reunião, em 20 de junho de 2017, sobre a Medida Provisória nº 774, de 30 de março de 2017, que dispõe sobre a contribuição previdenciária sobre

Leia mais

GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia.

GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia. GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES 19.10.2015 1. ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia. 2. Legislação Federal SOLUÇÃO DE CONSULTA DISIT/SRRF07 Nº 7045, DE

Leia mais

Trabalhista/Previdenciária Mês: 03/2016

Trabalhista/Previdenciária Mês: 03/2016 Trabalhista/Previdenciária Mês: 03/2016 Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. ACIL Leme, 18/12/2013

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. ACIL Leme, 18/12/2013 ACIL Leme, 18/12/2013 Jeziel Tadeu Fior Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Sustentador Regional do Estado de São Paulo 8ª Região Fiscal e-social Sistema de Escrituração Digital das Obrigações

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos

Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos Lei 12.546/11 atualizada (Artigos 7º a 9º), p.02 Anexo II (Varejo), p.06 Decreto 7.828/12 (Regulamento), p.07 Soluções de Consulta

Leia mais

DESONERAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO Instrutor : Márcio Henrique Quadros 1 PRINCIPAIS REFERENCIAIS DESONERAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº 93 DE 19/12/2011; ATO DECLARATÓRIO

Leia mais

esocial ASSESSORIA TRIBUTÁRIA Ref.: nº 34/2013

esocial ASSESSORIA TRIBUTÁRIA Ref.: nº 34/2013 Ref.: nº 34/2013 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS MARÇO DE 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS MARÇO DE 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS MARÇO DE 2014 Dia: 06 Salário Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da CLT. Quando o pagamento

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A JANEIRO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 13 14 15 15 16 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31

Leia mais

SPED Um ano de grandes mudanças

SPED Um ano de grandes mudanças SPED 2016 - Um ano de grandes mudanças Palestra: EFD-REINF Luis Claudio Palese Março 2016 O que é EFD-Reinf? Quem está obrigado? Blocos EFD-Reinf esocial vs. EFD-Reinf Estrutura EFD-Reinf vs esocial Integração

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A MAIO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 19 20 21 22 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

Trabalhista/Previdenciária Mês: 02/2015

Trabalhista/Previdenciária Mês: 02/2015 Trabalhista/Previdenciária Mês: 02/2015 Dia: 06 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia

Leia mais

Descobrindo o esocial

Descobrindo o esocial Descobrindo o esocial O que é? Histórico Índice Clique nos temas para navegar pela apresentação. Objetivos O que diz a Legislação Dúvidas frequentes Treinamentos e consultoria O que é? O esocial é um projeto

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015 Dia: 06/02/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos

Leia mais

BUDDYWIN FOLHA DE PAGAMENTO

BUDDYWIN FOLHA DE PAGAMENTO BUDDYWIN FOLHA DE PAGAMENTO ESOCIAL MANUAL DE ORIENTAÇÃO Última Versão 1.0.0.0.0 Índice Índice... 3 Objetivo... 4 Apresentação... 4 esocial... 5 BuddyWin Folha De Pagamento... 5 1. Registro: S-1000: Informações

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGOSTO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 18 19 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

1. RESUMO DAS OBRIGAÇÕES

1. RESUMO DAS OBRIGAÇÕES 1. RESUMO DAS OBRIGAÇÕES OBRIGAÇÕES IMPOSTO DE RENDA VENCIMENTO PENALIDADES (Pág.) IMPOSTO DE RENDA Recolhimento........................................................................... 20 5 OUTROS ASSUNTOS

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Medidas Provisórias 601/12 e 612/13.

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Medidas Provisórias 601/12 e 612/13. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Medidas Provisórias 601/12 e 612/13. A Medida Provisória 601/12 estendeu os benefícios fiscais da desoneração da folha de pagamento aos setores da construção civil, do

Leia mais

Página 1 de 5 FISCOAgenda Trabalhista/Previdenciária Mês: 07/2015 Previdência Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia

Leia mais

Trabalhista/Previdenciária Mês: 10/2016

Trabalhista/Previdenciária Mês: 10/2016 Trabalhista/Previdenciária Mês: 10/2016 Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A MAIO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 13 14 15 16 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento

1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento 1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento A desoneração da folha de pagamento é constituída de duas medidas complementares. Em primeiro lugar, o governo está eliminando a atual contribuição previdenciária

Leia mais

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016 Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016 Nota: Em caso de feriados estaduais e municipais, os vencimentos das obrigações principais deverão ser antecipados

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A FEVEREIRO / 2017 DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE D S T Q Q S S

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A FEVEREIRO / 2017 DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE D S T Q Q S S AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A FEVEREIRO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 24 25 26 27 27 28 28-1 - 02/2017

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A ABRIL / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 14 15 16 17 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 28 29 30-1

Leia mais

GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social OUTUBRO/2016

GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social OUTUBRO/2016 Previdência Dia: 07 Trabalhista/Previdenciária Mês: 11/2016 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo

Leia mais

OUTUBRO/2015. GEIFS Grupo Especial de Inteligência Fiscal

OUTUBRO/2015. GEIFS Grupo Especial de Inteligência Fiscal OUTUBRO/2015 GEIFS Grupo Especial de Inteligência Fiscal MANHA 1. Agenda Fiscal: Régua Fiscal 2016 2. Discussão sobre a planilha 5W2H de agosto/2015 TARDE 3. esocial a) Notícias b) Análise das Perguntas/Respostas

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 ANO XXVII - 2016-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO SOBRE A OPÇÃO DE TRIBUTAÇÃO DE PLANOS PREVIDENCIÁRIOS DPREV 2016 INFORMAÇÕES GERAIS...

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 1, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2015

GABINETE DO MINISTRO COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 1, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2015 GABINETE DO MINISTRO COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 1, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (esocial).

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (esocial).

Dispõe sobre o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (esocial). Ministério do Trabalho e Emprego GABINETE DO MINISTRO COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 1, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador autônomo de veículo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador autônomo de veículo Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012

Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012 Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012 Dia: 16 SP - Guia de Informação e Apuração - GIA - Regime mensal - I.E. finais 0 e 1 Os contribuintes com a inscrição estadual final 0 ou 1, deverão apresentar

Leia mais

Quarta esocial. Conceito, legislação e o que muda no nosso cenário atual.

Quarta esocial. Conceito, legislação e o que muda no nosso cenário atual. Quarta esocial Conceito, legislação e o que muda no nosso cenário atual. O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (esocial) é um projeto do governo federal

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A DEZEMBRO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 07 08 09 09 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 20 21 22 23 23 24 25 26 27 28 29 30 30 31-1

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DE RETENÇÕES E OUTRAS INFORMAÇÕES FISCAIS EFD-REINF

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DE RETENÇÕES E OUTRAS INFORMAÇÕES FISCAIS EFD-REINF ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DE RETENÇÕES E OUTRAS INFORMAÇÕES FISCAIS EFD-REINF Professor: Jair Aparecido de Souza NF-e NFS-e CT-e NFC-e ECF MDF-e e-social EFD IPI/ICMS EFD-ReInf EFD- Contribuições ECD

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II material 7

DIREITO DO TRABALHO II material 7 DIREITO DO TRABALHO II material 7 (Lázaro Luiz Mendonça Borges) 7. SEGURO-DESEMPREGO 7.1. Previsão legal: - Constituição Federal artigo 7º, inciso II; artigo 201, inciso III; artigo 239. - Lei nº 7.998/1990,

Leia mais

esocial e EFD-Reinf Integrações com RFB e Caixa Samuel Kruger Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil

esocial e EFD-Reinf Integrações com RFB e Caixa Samuel Kruger Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil esocial e EFD-Reinf Integrações com RFB e Caixa Samuel Kruger Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Santos, 08 de dezembro de 2016 Sumário: Eventos periódicos; Tributos e FGTS; Eventos totalizadores;

Leia mais

Medida Provisória n o , de 28 de Junho de 2001

Medida Provisória n o , de 28 de Junho de 2001 Medida Provisória n o 2.164-39, de 28 de Junho de 2001 Altera a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, para dispor sobre o trabalho a tempo parcial, a suspensão do contrato de trabalho e o programa de

Leia mais

Discussões Tributárias em matéria tributária ano 2017 Marciano Buffon Marina Furlan.

Discussões Tributárias em matéria tributária ano 2017 Marciano Buffon Marina Furlan. Discussões Tributárias em matéria tributária ano 2017 Marciano Buffon Marina Furlan www.buffonefurlan.com.br Decisão da Receita Federal sobre a incidência de INSS sobre verbas salariais A Secretaria da

Leia mais

DECRETO Nº , DE 9 DE MARÇO DE PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973

DECRETO Nº , DE 9 DE MARÇO DE PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973 DECRETO Nº 71.885, DE 9 DE MARÇO DE 1973. PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, e tendo em vista o disposto

Leia mais

AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016

AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016 AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016 Até: Quinta-feira, dia 16 ICMS - GIA Histórico: GIA Eletrônica A GIA Eletrônica relativa ao mês anterior deverá ser apresentada por meio da Internet (www.pfe.fazenda.sp.gov.br),

Leia mais

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017.

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017. Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 17. DIAS OBRIGAÇÕES D E S C R I Ç Ã O FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 17.01 à 17.03.17 03 06 RAIS SALÁRIOS SECONCI O Ministério do Trabalho e Emprego,

Leia mais

Cartilha. esocial. Elaborada com base nas informações constantes do Manual de Orientação do esocial, versão 2.1

Cartilha. esocial. Elaborada com base nas informações constantes do Manual de Orientação do esocial, versão 2.1 Elaborada com base nas informações constantes do Manual de Orientação do, versão 2.1 Índice Introdução... 3 Legislação... 4 Perguntas e Respostas... 5 2 Introdução Com a criação do Sistema Público de Escrituração

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A MARÇO / 2015 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 13 14 15 16 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 4 - Data 6 de janeiro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS LEI Nº 12.546, DE 2011. EQUIPARAÇÃO

Leia mais

Portaria CAT 53, de

Portaria CAT 53, de Publicado no D.O.E. (SP) de 25/05/2013 Portaria CAT 53, de 24-05-2013 Disciplina a atribuição, por regime especial, da condição de sujeito passivo por substituição tributária, conforme inciso VI do artigo

Leia mais

Palestra. Desoneração da Folha de Pagamento Atualização. Março Elaborado por:

Palestra. Desoneração da Folha de Pagamento Atualização. Março Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 opções 2 ou 3 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição adicional devida ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI)

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição adicional devida ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) Aprendizagem Industrial (SENAI) 13/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Normas Legais... 4 3.1.1 IN RFB nº 566/2005...

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A DEZEMBRO / 2015 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 07 07 08 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 18 19 20 20 21 22 23 24 24 25 26 27 28 29 30

Leia mais

Relação trabalhista e previdenciária DOMÉSTICAS. Cartilha esocial

Relação trabalhista e previdenciária DOMÉSTICAS. Cartilha esocial Relação trabalhista e previdenciária DOMÉSTICAS Cartilha esocial 2 O que é o esocial? ESOCIAL DOMÉSTICO / SIMPLES DOMÉSTICO O recolhimento obrigatório a partir da competência OUTUBRO/2015. Por intermédio

Leia mais

O que é o esocial? As empresas são obrigadas a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações...

O que é o esocial? As empresas são obrigadas a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... O que é o esocial? As empresas são obrigadas a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... Consequências Dificuldades para garantir os direitos dos trabalhadores 2,5

Leia mais

Página 1 de 5 FISCOAgenda Trabalhista/Previdenciária Mês: 01/2015 Previdência Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A NOVEMBRO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 14 15 16 16 17 18 18 19 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 30-1

Leia mais

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes Hugo Medeiros de Goes SIMPLES NACIONAL (2ª parte) De acordo com a Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006 (arts. 12 e 88), em 1º de julho de 2007, entra em vigor o Regime Especial Unificado de Arrecadação

Leia mais