CARTILHA INOVAÇÃO PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTILHA INOVAÇÃO PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CARTILHA INOVAÇÃO PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE DEZEMBRO DE

2 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COÉRCIO EXTERIOR MDIC Fernando Pimentel Ministro de Estado FORUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Humberto Luiz Ribeiro Secretário de Comércio e Serviços Sérgio Nunes de Souza Diretor do Departamento de Micro, Pequena e Médias Empresas Fábio Santos Pereira Silva Coordenador-Geral de Articulação Institucional, Crédito e Fomento às Micro, Pequenas e Médias Empresas COMITÊ TEMÁTICO DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Reinaldo Danna MCTI Coordenador de Governo Renato Rossi CACB Coordenador da Iniciativa Privada 1

3 S U M Á R I O APRESENTAÇÃO 3 FINANCIAMENTO 5 SERVIÇOS 14 LEGISLAÇÃO 19 INSTITUIÇÕES / ENTIDADES

4 INOVAÇÃO PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE APRESENTAÇÃO É indiscutível que a inovação é um fator de diferenciação e competitividade para as empresas de pequeno porte e que sua atuação, em um mercado cada vez mais globalizado, torna-se vital para seu sucesso e sobrevivência. Com o intuito de contribuir na disseminação do conhecimento de como e onde buscar auxílio, este documento reúne os principais instrumentos de financiamento, a legislação relacionada com o tema e as principais instituições que podem ajudar as ME (microempresas) e EPP (empresas de pequeno porte) a desenvolver seus negócios. Como sabemos, o Brasil sediará a Copa do Mundo de 2014 e as Olímpiadas de A realização desses dois grandes eventos trará oportunidades para empresas de todos os portes. Estima-se que somente a Copa do Mundo de 2014 gerará benefícios econômicos no valor de, aproximadamente, R$ 183 bilhões ao PIB brasileiro até Até 2014, calcula-se que 713 mil novos empregos (formais e informais) serão criados. Os eventos envolverão oportunidades de negócios em diversas áreas, entre elas: estádios, mobilidade urbana, hotelaria, modernização de portos e aeroportos, segurança, infraestrutura de tecnologia da informação e comunicação, segurança, energia, saúde, infraestrutura turística e qualificação profissional. Diante deste cenário positivo de investimentos e movimentação econômica, é importante que as ME e EPP brasileiras aproveitem as diversas oportunidades para alavancarem seus investimentos. Como, então, aproveitar esses eventos para gerar negócios? O caminho é simples: INOVAÇÃO! 3

5 O que é inovação? Existem quatro tipos de inovação: A Inovação pode ser de produto, ou seja, a implementação de um bem ou serviço novo ou significativamente melhorado no que se refere às suas características ou aos seus usos previstos. Este tipo de inovação pode ser tanto o lançamento de um produto inexistente, como também mudanças nas especificações técnicas, componentes e materiais, softwares incorporados, facilidade de uso ou outras características funcionais de um determinado produto. São exemplos de inovação de produto: a substituição de matérias primas por materiais com características melhoradas, como tecidos respiráveis, ligas leves mais resistentes, plásticos não agressivos ao meio ambiente, entre outros. Entende-se por Inovação de Processo a introdução de métodos de produção ou distribuição novos ou significativamente melhorados. Isto inclui mudanças significativas nas técnicas, equipamentos e/ou softwares. São exemplos deste tipo de inovação: a instalação de um determinado tipo de equipamentos de automação para a fabricação de produtos novos ou melhorados; a utilização de sistemas de rastreamento GPS para equipamentos de transporte. A inovação também pode ser organizacional, ou seja, a implementação de novas técnicas de gestão na organização dos negócios da empresa, no local de trabalho ou nas relações externas da empresa. Alguns exemplos deste tipo de inovação: compartilhamento de informações entre diferentes áreas por meio da criação, pela primeira vez, de equipes de trabalho; criação de programas de treinamento para criar equipes eficientes e funcionais de diferentes setores ou áreas de responsabilidade; introdução de um sistema de monitoramento integrado para as diversas atividades da 4

6 empresa; criação de uma nova base de dados de fácil acesso aos trabalhadores de uma empresa contendo informações sobre melhores práticas e lições. A Inovação de marketing é aquela que envolve novas estratégias ou conceitos de marketing, ou seja, mudanças significativas na estética, no desenho ou na embalagem dos produtos, sem, no entanto, modificar suas características funcionais e de uso. Mudanças no posicionamento, na promoção do produto ou ainda na formação de preços também são consideradas inovações de marketing. Exemplos: alterar a embalagem de um produto para aumentar seu apelo; oferecer, pela primeira vez, ofertas especiais exclusivas para possuidores de cartão de crédito da loja ou cartão de recompensas. A seguir, estão os principais instrumentos de financiamento, a legislação relacionada com o tema e as principais instituições que podem ajudar as ME e EPP a desenvolver seus negócios. Como a ME e os EPP podem fazer isso? FINANCIAMENTO Quais são as entidades governamentais que financiam o investimento das ME e EPP em Tecnologia e Inovação? FINEP A FINEP Financiadora de Estudos e Projetos tem diversos programas de financiamento à inovação, tanto reembolsáveis (precisa pagar o financiamento) 5

7 quanto não reembolsáveis (não precisa pagar o financiamento), para micro e pequenas empresas e para médias e grandes empresas. Quais são os principais programas de financiamento da FINEP, que podem ajudar o ME e EPP? 1) Programa de Subvenção Econômica: é um financiamento que não precisa ser pago, para projetos de inovação em áreas e temas escolhidos, baseados nas prioridades da política industrial do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Como o Programa de Subvenção Econômica é operado? Ele é operado diretamente pela FINEP, por meio de chamadas públicas. Exige contrapartida mínima da empresa, o prazo de execução do projeto é de até 36 meses e o valor financiado vai de R$ 500 mil a R$ 10 milhões. Como encontrar este programa? Sítio do programa na FINEP: 2) Programa PAPPE Subvenção/Integração: É um programa de financiamento que também não precisa ser devolvido, com projetos baseados nas prioridades regionais. 6

8 Como o Programa PAPPE Subvenção/Integração é operado? É operado em parceria com as Fundações de Apoio a Pesquisa estaduais (FAPs). É direcionada às micro e pequena empresas, através de chamadas públicas, com participação mínima de 10% da empresa. O prazo de execução do projeto vai de 18 a 36 meses e os valores financiados são de R$ 100 mil a R$ 400 mil. Como encontrar este programa? Sítio do programa na FINEP: 3) Programa PRIME: É um programa de financiamento que não precisa ser devolvido, para estruturação de empresas de base tecnológicas, endereçado às micro e pequena empresa nascentes. Como o Programa Prime é operado? É operado em parceria com incubadoras âncoras, em diversos estados brasileiros. A proposta é feita via edital das operadoras parceiras, através de chamadas públicas. O prazo de execução é de 12 meses e o valor financiando é de R$ 120 mil, podendo adicionar outros R$ 120 mil, financiado pelo Programa Juro Zero. Como encontrar este programa e as Incubadoras Âncoras? Sítio do programa na FINEP com a lista das Incubadoras: 7

9 4) Programa Juro Zero: É um programa de financiamento que deve ser pago sem juros, endereçado às micro e pequena empresas. Quais os Estados que operam este programa? Como o Programa Juro Zero é operado? Somente os Estados da Bahia, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco e Santa Cataria estão operando este financiamento, que é feito junto com o parceiro estratégico regional. Os projetos contemplados são os de inovação tecnológica. Os Itens financiáveis são as atividades de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), além de investimentos e despesas de custeio. O prazo de execução do projeto é de até 18 meses e o valor financiado vai de R$ 100 mil a R$ 900 mil, limitado a 30% do faturamento da empresa. Não tem edital, podendo ser apresentado a qualquer tempo. Como encontrar este programa e os Parceiros Regionais? Sítio do programa na FINEP com a lista dos parceiros: 5) Programa Inova Brasil: É um programa de financiamento que deve ser pago com juros reduzidos. O programa contempla as médias e grandes, e as micro e pequenas empresas. É necessária a apresentação de fiança bancária. Como o Programa Inova Brasil é operado? O programa é operado diretamente pela FINEP, que financia até 90% do valor do projeto. O financiamento tem que ser pago, com juros de 4 a 8%, dependendo do alinhamento do projeto às áreas prioritárias da política industrial. O pagamento 8

10 inicia após 20 meses e tem um prazo de amortização de 80 meses. O valor financiado é de R$ 1 milhão a R$ 100 milhões. Apresentação da proposta é a qualquer tempo, via formulário, disponível no sítio da FINEP. Como encontrar este programa? Sítio do programa na Finep: 6) Programa Inovar: Programa de financiamento às empresas na forma de capital de risco, tanto para empresas nascentes e micro empresas (Programa Inovar Semente) quanto para pequenas e médias empresas (Programa Inovar) Como encontrar este programa? Sítio do programa na FINEP: CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico O que é o CNPq e o que ele pode fazer pelo desenvolvimento tecnológico e de inovação da MP e EPP? O CNPq é uma agência do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) destinada ao fomento da pesquisa científica e tecnológica e à formação de recursos humanos para a pesquisa no país. 9

11 Como o CNPq pode ajudar a ME e EPP? Programa RHAE Recursos Humanos em Áreas Estratégicas: É um programa de financiamento que não precisa ser pago, de apoio às atividades de pesquisa tecnológica e de inovação. Como opera o Programa RHAE? Por meio da inserção de mestres ou doutores, na forma de pagamento de bolsas a pesquisadores participantes de projetos de inovação nas empresas. Endereçados às micro, pequenas e médias empresa, é operado diretamente pelo CNPq. Exige uma participação da empresa de 20%, através de chamadas públicas anuais. O prazo de execução é de até 30 meses e o valor financiado é de R$ 300 mil em bolsas. Como encontrar o Programa RHAE? Sítio do programa no CNPq: Qual outra instituição pode apoiar o desenvolvimento da MP e EPP? BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social: É uma empresa pública federal, cujo principal instrumento é o financiamento de longo prazo para a realização de investimentos em todos os segmentos da economia. O BNDES tem diversas linhas de financiamento à inovação, predominantemente financiamentos que devem ser pagos, ainda que exista uma linha de financiamento que não deve ser paga, para qualquer porte de empresa. 10

12 As principais são: 1) Cartão BNDES Como funciona o Cartão BNDES? Funciona como um crédito rotativo (como cartão de crédito), voltado para micro, pequenas e médias empresas, pré-aprovado, de até R$ 1 milhão, para aquisição de produtos credenciados no Portal de Operações do Cartão BNDES. Quais são as Instituições Financeiras que atuam com o Cartão BNDES? Atualmente, emitem o Cartão BNDES: o Banco do Brasil, o Banrisul, o Bradesco, a Caixa Econômica Federal e o Itaú. Como é operado o Cartão BNDES? A taxa de juros é definida mensalmente, em função da taxa a termo divulgada pela Andima (http://www.andima.com.br/), calculada com base nas Letras do Tesouro Nacional, e está disponível e atualizada no Portal de Operações do Cartão BNDES. O prazo de amortização é de 3 a 48 prestações mensais, fixas e iguais. Alguns bancos emissores podem oferecer outros prazos. Quem são os fornecedores do Cartão BNDES? Os fornecedores são pessoas jurídicas ou equiparadas, com sede e administração no Brasil, que fabriquem ou que sejam autorizadas pelo fabricante a vender, no país, os produtos credenciados pelo BNDES. 11

13 Onde posso encontrar informações sobre o Cartão BNDES? Sítio no BNDES: (http://www.cartaobndes.gov.br) 2) Linha Capital Inovador (Foco na Empresa): É uma linha de financiamento que deve ser paga a taxas de juros baixas, para apoio a empresas em seus esforços inovadores, tanto em investimentos tangíveis (máquinas, instalações e etc..) quanto em intangíveis (marcas, patentes e etc..). Como é operada a Linha de Capital Inovador (Focada na Empresa)? É operada diretamente pelo BNDES, com valores de R$ 1 milhão a R$ 200 milhões, e prazo de execução do projeto não estabelecido. Onde encontrar esta linha de financiamento? Sítio da linha de financiamento no BNDES: capital_inovador.html 3) Linha Inovação Tecnológica (Foco no Projeto): É uma linha de financiamento que deve ser paga, a juros atraentes em relação ao mercado bancário, com foco em projeto de pesquisa, desenvolvimento e inovação com risco tecnológico e oportunidade de negócios, para empresa de qualquer porte. Como é operada a Linha de Capital Inovador (Focada no Projeto)? Exige garantias, com valor financiado mínimo de R$ 1 milhão e máximo não especificado. O prazo de execução do projeto também não é especificado. A 12

14 proposta deve ser submetida a uma consulta prévia e, se aprovada, a solicitação ao financiamento pode ser feita a qualquer tempo (não tem edital). Onde encontrar esta linha de financiamento? Sítio da linha de financiamento no BNDES: novacao_tecnologica.html 4) Linha Inovação Produção: É uma linha de financiamento que deve ser paga, a taxas de juros atraentes em relação ao mercado bancário, de abrangência nacional, para apoio a projeto de pesquisa e desenvolvimento da inovação e de modernização da capacidade produtiva para empresa de qualquer porte. Como é operada a Linha Inovação Produção? Financiamento de até 100% do valor total do projeto, dependendo dos itens apoiáveis e do porte da empresa, operado diretamente pelo BNDES e que exige garantias. Valor financiado mínimo de R$ 3 milhões e máximo não especificado, o prazo de execução do projeto também não é estabelecido. A proposta deve ser submetida a uma consulta prévia e, se aprovada, o financiamento pode ser solicitado a qualquer tempo (não tem edital). Onde encontrar esta linha de financiamento? Sítio da linha de financiamento no BNDES: novacao_producao.html 13

15 5) Programa PSI (Programa de Sustentação do Investimento) Inovação: É um programa de financiamento que deve ser pago, a taxas de juros melhores que o comumente praticado no mercado, de abrangência nacional, para apoio a empresa no desenvolvimento de capacidade para empreender atividades inovadoras em caráter sistemático (empresas tecnológicas), ou a projeto de inovação de natureza tecnológica que envolva risco tecnológico e oportunidades de mercado, para empresas de qualquer porte. Como é operado o Programa PSI (Programa de Sustentação do Investimento) Inovação? O financiamento é de até 100% do valor, operado diretamente pelo BNDES, exige garantias e o prazo de execução não é estabelecido. O valor financiado vai de de R$1 milhão até R$ 200 milhões. A proposta deve ser submetida a uma consulta prévia e, se aprovada, é solicitado o financiamento, a qualquer tempo (não tem edital). Onde encontrar este programa de financiamento? Sítio do programa de financiamento no BNDES: psi_inovacao.html 6) Fundo Tecnológico FUNTEC: É uma linha de financiamento que não precisa ser paga, de abrangência nacional, para apoiar instituição tecnológica na pesquisa, desenvolvimento e inovação, com áreas e temas induzidos, em conformidade com os programas e políticas públicas do Governo Federal, tendo uma empresa necessariamente como interveniente participante do projeto. 14

16 Como é operado o Fundo Tecnológico FUNTEC? O financiamento é de até 90 % do valor do projeto, operado diretamente pelo BNDES, com participação mínima de 10% da empresa interveniente. O prazo de execução do projeto não é especificado, e o valor do financiamento não é estabelecido. A proposta deve ser submetida a uma consulta prévia e, se aprovada, é solicitado o financiamento. A edição de editais ocorre normalmente três vezes ao ano. Onde encontrar esta linha de financiamento? Sítio da linha de financiamento no BNDES: funtec.html, Que outro banco financia desenvolvimento tecnológico e de inovação para as ME EPP? BANCO DO NORDESTE Qual é o financiamento do Banco do Nordeste? Programa Inovação: É um programa de financiamento, que deve ser pago, com taxas de juros atraentes em relação ao mercado bancário. De abrangência regional, o financiamento apoia o desenvolvimento ou aprimoramento significativo de produtos, serviços e/ou processos, e tem ênfase na busca de um melhor posicionamento competitivo, além de novas oportunidades de mercado. Promove o desenvolvimento da indústria regional de software e das empresas prestadoras de 15

17 serviços de tecnologia da informação e comunicação, para empresa de qualquer porte. Como é operado o Programa Inovação? É operado diretamente pelo Banco do Nordeste e exige garantias. O prazo de execução não é estabelecido e o valor financiado é de até R$ 40 milhões. A submissão de projeto de financiamento ou de proposta de crédito pode ser feita a qualquer tempo (não tem edital). Onde encontrar este financiamento? Sítio da linha de financiamento no Banco do Nordeste: os/inovacao.asp SERVIÇOS Como consigo resolve problemas técnicos dos meus produtos ou processo produtivos? Através do SBRT (Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas). O SBRT pode orientá-lo na solução de problemas em seu produto, mesmo que ele ainda não exista. É uma rede formada por instituições de grande reconhecimento nacional que fornece gratuitamente informações tecnológicas para que a empresa possa melhorar a qualidade do seu produto ou processo produtivo. 16

18 O SBRT tem um banco de informação formado por respostas e dossiês técnicos, em diversos segmentos de agronegócios, indústria e serviços, que podem ser acessados de imediato. Caso o empresário não encontre a informação que deseja é só cadastrar uma solicitação para ser atendido por especialistas. O SBRT atende demandas de empresários e empreendedores que necessitam de informações técnicas para melhoria de produtos e processos, visando melhorar o desempenho do seu negócio. O sítio de acesso ao SBRT é: Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC O que é o SIBRATEC? O Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC), operado pela Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), é um instrumento de articulação e aproximação da comunidade científica e tecnológica com empresas. A finalidade é apoiar o desenvolvimento tecnológico das empresas brasileiras dando condições para o aumento da taxa de inovação das mesmas e, assim, contribuir para aumento do valor agregado de faturamento, produtividade e competitividade nos mercados interno e externo. O SIBRATEC está organizado na forma de três tipos de redes denominados componentes: Centros de Inovação, Serviços Tecnológicos e Extensão Tecnológica. CENTROS DE INOVAÇÃO As Redes Temáticas de Centros de Inovação são formadas por unidades ou grupos de desenvolvimento pertencentes aos institutos de pesquisa tecnológica, aos centros de pesquisa ou às universidades, com experiência na interação com empresas. 17

19 Essas redes têm como objetivo gerar e transformar conhecimentos científicos e tecnológicos em produtos, processos e protótipos com viabilidade comercial para promover inovações radicais ou incrementais. Endereço para os Centros de Inovação: SERVIÇOS TECNOLÓGICOS As Redes Temáticas SIBRATEC de Serviços Tecnológicos são formadas por laboratórios e entidades acreditadas ou que possuam sistema de gestão da qualidade laboratorial. Este componente destina-se a apoiar a infraestrutura de serviços de calibração, de ensaios e análises e de avaliação da conformidade, nos âmbitos compulsório e voluntário; a capacitação de recursos humanos; o aprimoramento de gestão da qualidade laboratorial; programas de ensaio de proficiência; bem como as atividades de normalização e de regulamentação técnica, para atender as necessidades de acesso das empresas ao mercado. Endereço para os Serviços de Tecnologia: EXTENSÃO TECNOLÓGICA As Redes Estaduais de Extensão Tecnológica congregam as entidades especializadas na extensão tecnológica atuantes na região, por meio da organização de um arranjo institucional, constituído por entidades locais de apoio técnico, gerencial e financeiro, do qual participem a secretaria estadual de C&T ou a entidade no estado que tenha essa função, entidades representativas dos setores econômicos, Banco de 18

20 Desenvolvimento Regional, Fundação de Amparo à Pesquisa (FAP), SEBRAE, IEL e Instituições de P&D. O objetivo deste componente é promover extensão tecnológica para solucionar pequenos gargalos na gestão tecnológica, adaptação de produtos e processos e a melhoria da gestão da produção das micros, pequenas e médias empresas. Endereço de onde encontrar as Redes de Extensão Tecnológica: INMETRO O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro - é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que tem como sua missão institucional fortalecer as empresas nacionais, aumentando sua produtividade por meio da adoção de mecanismos destinados à melhoria da qualidade de produtos e serviços. Dentre as competências e atribuições do Inmetro destacam-se: Executar as políticas nacionais de metrologia e da qualidade; Verificar a observância das normas técnicas e legais, no que se refere às unidades de medida, métodos de medição, medidas materializadas, instrumentos de medição e produtos pré-medidos; Manter e conservar os padrões das unidades de medida, assim como implantar e manter a cadeia de rastreabilidade dos padrões das unidades de medida no Brasil, como suporte ao setor produtivo, com vistas à qualidade de bens e serviços; 19

21 Fortalecer a participação do País nas atividades internacionais relacionadas com metrologia e qualidade, além de promover o intercâmbio com entidades e organismos estrangeiros e internacionais; Fomentar a utilização da técnica de gestão da qualidade nas empresas brasileiras; Planejar e executar as atividades de acreditação de laboratórios de calibração e de ensaios, de provedores de ensaios de proficiência, de organismos de certificação, de inspeção, de treinamento e de outros, necessários ao desenvolvimento da infraestrutura de serviços tecnológicos no País. Como encontrar o INMETRO? No endereço: INPI INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDÚSTRIAL O que é o INPI e como ele pode ajudar o ME e EPP no desenvolvimento de tecnologia e Inovação? O INPI é uma autarquia federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, responsável pelo aperfeiçoamento, disseminação e gestão do sistema brasileiro de concessão e garantia dos direitos de propriedade intelectual de interesse da indústria - como são oferecidos pelos títulos de propriedade industrial e pelos registros de programas de computador. 20

22 Quais são os serviços do INPI? Os serviços que do INPI oferece são: Registros de Marcas https://www.inpi.gov.br/menu-esquerdo/marcas Concessão de Patentes Averbação de Contratos de Transferência de Tecnologia e de Franquia empresarial Registros de Programas de Computador Registros de Desenho Industrial Registros de Indicações Geográficas Registros de Topografia de circuitos integrados Como encontrar o INPI? O sítio do INPI é: Existe algum modo mais fácil para obter informações sobre documentação do INPI? O Profint (Programa de Fornecimento Automático de Informação Tecnológica) é um programa de fornecimento automático de informação tecnológica baseado em documentos de patentes, oferecidos pelo INPI por meio de seu Centro de Disseminação da Informação Tecnológica CEDIN. Consiste no envio mensal de dados bibliográficos e resumo contido em documentos de patente, que são publicados nos países selecionados pelo contratante, de acordo com as classificações internacionais de patentes (CIP) de interesse das empresas. 21

23 Para que a empresa receba as informações é necessário assinar um contrato com o INPI. A partir da data de assinatura do contrato, a empresa passa a receber, mensalmente, as informações contidas nos documentos de patente publicados. O custo por este serviço depende da quantidade de documentos enviados mensalmente. Atualmente, cobra-se R$ 2,00 por documento em via eletrônica. O sítio de acesso ao PROFINT é: LEGISLAÇÃO Tendo em vista a importância da elaboração de políticas públicas para estimular o desenvolvimento tecnológico, a inovação e a competitividade nas ME e EPP, o governo federal e alguns governos estaduais e municipais aprovaram uma série de instrumentos legais com vista a apoiar a demanda das mesmas. Quais são as principais Leis que favorecem o desenvolvimento tecnológico e a inovação das ME e EPP? LEI DA INOVAÇÃO: Criou-se a figura da Instituição Científica e Tecnológica (ICT) e do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), com a finalidade de facilitar a aproximação entre empresas, centros tecnológicos e universidades. Como essa Lei pode ajudar a ME e EPP? Esta Lei permite que as universidades e institutos de pesquisa compartilhem seus laboratórios, equipamentos, instrumentos, materiais e demais instalações com microempresas e empresas de pequeno porte em atividades voltadas à inovação 22

24 tecnológica. Possibilita também que as ICT realizem prestação de serviços às empresas, nas atividades voltadas à inovação e à pesquisa científica e tecnológica, ou seja, permite a contratação de serviços de ordem técnica, como a verificação de durabilidade de uma peça mecânica, a adequação dos produtos às normas de segurança, etc.. Onde encontrar esta lei e seu regulamento? Lei nº de 2/12/04 Regulamentada pelo Decreto nº de 11/10/05 Qual outra lei ajuda as ME e EPP? LEI DO BEM (CAPITULO III): Como essa lei pode ajudar a ME e EPP? Esta lei foi criada para fazer o bem ao ambiente produtivo do país. Traz grandes vantagens fiscais à empresa que fizer pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, tais como: todos os gastos com inovação serão classificados como despesas operacionais, para efeito de Imposto sobre a Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ); todo equipamento, máquinas, aparelhos e instrumentos adquiridos pela empresa e destinados à pesquisa e o ao desenvolvimento tecnológico terá redução de 50% do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI); e redução a zero da alíquota do imposto de renda retido na fonte nas remessas efetuadas para o exterior destinadas ao registro e manutenção de marcas, patentes e cultivares. 23

25 Onde encontrar esta lei e seu regulamento? Lei nº de 21/11/05 Regulamentada pelo Decreto nº de 7/6/05 A lei que institui o Estatuto Nacional da ME E EPP também trata da Inovação e Tecnologia? LEI COMPLEMENTAR Nº 123 que institui o Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte, no seu Capítulo X, trata do estímulo à Inovação. Como essa lei pode ajudar a ME e EPP? Além de estabelecer que toda instituição federal, estadual e municipal envolvidas em desenvolvimento tecnológico e inovação, apoiarão as microempresas e empresas de pequeno porte com condições favoráveis e simplificadas, a lei também indica que 20% dos recursos destinados à inovação deverão ter como meta as microempresas e empresas de pequeno porte. Estabelece também incentivo ficais e aduaneiros federais, estaduais e municipais para as microempresas e empresas de pequeno porte com projetos de desenvolvimento tecnológico e inovação. Onde Encontrar esta lei? Lei Complementar nº 123, de 14/12/

26 O Ministério da Educação e Cultura (MEC) têm alguma lei que trata da Inovação e Tecnologia para a ME e EPP? Qual? LEI DO MEC DA INOVAÇÃO. Como esta lei pode ajudar a ME e EPP? Ela permite a exclusão do lucro líquido para a apuração de lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social Sobre Lucro (CSLL) nos gastos efetivos em projetos de pesquisa, tecnologia e de inovação tecnológica a serem executado por instituições científicas e tecnológicas, a que se refere o inciso V do caput do art. 2 o da Lei n o , de 02 de dezembro de Onde encontrar esta lei e seu regulamento? Lei nº , de 15/6/07. Regulamentada pelo Decreto nº 6.260, de 20/11/07. As empresas que inovam têm alguma regalia na hora de vender seus produtos para o poder público? Qual? Lei nº de 15/12/2010. Como essa lei pode ajudar a ME e EPP? Altera a Lei da Inovação dando tratamento preferencial na aquisição de bens e serviços pelo poder público às empresas que investirem em pesquisa e desenvolvimento tecnológico e de inovação. 25

27 Onde encontrar esta lei? Lei nº de 15/12/10 Existe alguma iniciativa dos estados e municípios para apoiar o desenvolvimento tecnológico e a inovação tecnológica nas microempresas e empresas de pequeno porte? Os estados e as respectivas agências de fomento também elaboram suas leis estaduais de inovação com o objetivo de estimular e apoiar a constituição de alianças estratégicas e o desenvolvimento de projetos de cooperação. A seguir, um quadro demonstrativo do andamento das Leis Estaduais de Inovação no país: 26

28 Quais estados já promulgaram suas Leis de Inovação Estado Legislação Entrada em vigor Link Alagoas Lei nº 7.117, 12 de Novembro de Amazonas Lei Ordinária nº Bahia Lei Estadual nº Ceará Lei Estadual nº Página de Novembro de de Dezembro de de Outubro de cnologia.al.gov.br/leg islacao/leis/lei%20no % %20de% pdf/at_download/fil e m.gov.br/ver_lei.php? cod_lei=1465 br/docs/proposicoes2 008/PL 17_346_200 8_1.rtf ce.gov.br/pdf/ /do p01.pd f Goiás Lei n de fevereiro de gov.br/portal/?page_i d=8255 Mato Grosso Lei Complementar nº de Janeiro de ov.br/do/navegadorht ml/mostrar_indexado. htm?id=115821&edi_ numero=24748&busc ar=inova%c3%a7% C3%A3o tecnol%c3 %B3gica Mato Decreto 16 de novembro de Grosso do Legislativo N 2010 ms.gov.br/appls/legisl acao/secoge/govato.n Sul 489 sf/congeral/da2cea 83B089D E/$File/DE CRETO% rtf Minas Lei Estadual nº 17 de Janeiro de 27

29 Gerais r/institucional/legisla cao_vigente/detalham ento.php?varacao=98 &titulo=lei%20estad ual Pernambu co - Lei Estadual nº de Dezembro de pub_files/lei_de_inov a%c3%a7%c3%a3o _PE.pdf Rio de Lei Estadual n 29 de Dezembro de Janeiro Decreto nº de fevereiro de 2010 nterna.phtml?obj_id= 5175%20 nterna.phtml?obj_id= 6119 Rio Grande do Sul Santa Catarina São Paulo Lei Estadual nº Lei Estadual nº Lei Complementar nº 1049 Sergipe Lei Estadual nº de Julho de r/site/legislacao/trib_ estadual/icms/leis/200 9/lei_ pdf 15 de Janeiro de de Junho de de Dezembro de lesc/docs/2008/14328 _2008_lei.doc br/repositorio/legislac ao/lei%20complement ar/2008/lei%20compl ementar%20n.1.049, %20de% htm r/detalhe_lei.asp?nu merolei=7367 Tocantins LEI N de julho de om.br/diarios/ /doeto pg-3 Também temos conhecimento da seguinte Lei municipal: Cidade /Estado Legislação Entrada em vigor Link 28

30 Vitória / Espírito Santo Lei Municipal nº de dezembro de es.gov.br/webleis/leis /L7871.PDF INSTITUIÇÕES / ENTIDADES Quais instituições podem ajudar o desenvolvimento tecnológico e de inovação das ME e EPP? O MDIC O Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio exterior (MDIC) tem como missão construir um Brasil competitivo, justo e rico em oportunidades, em parceria com setores produtivos. Cabe ao MDIC exercer a Secretaria Técnica do Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, através de sua Secretaria de Comércio e Serviços. O MDIC ainda contribui para a formulação da Política de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior nos aspectos relacionados à inovação e à política tecnológica, para o desenvolvimento sustentável nos sistemas produtivos. Como encontrar o MDIC? Entrando no Portal do MDIC A Secretaria de Inovação do MDIC A Secretaria de Inovação (SI) contribui para a formulação e condução da Política de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, nos aspectos relacionados ao fomento da inovação e fortalecimento das tecnologias inovadoras para o 29

31 desenvolvimento sustentável nos sistemas produtivos, em especial no que se refere aos esforços voltados para o alcance dos objetivos do Plano Brasil Maior. Seus programas e ações são dirigidos às necessidades dos setores de produção com foco para a disseminação da cultura da inovação e a difusão dos conhecimentos relativos às políticas, estratégias, atividades e recursos. Também articula e formula políticas destinadas ao desenvolvimento da infraestrutura tecnológica, à formação de mão de obra qualificada para a inovação, à criação de mecanismos que facilitem a transferência de tecnologia da academia às empresas, e à consolidação das questões de propriedade intelectual. Como encontrar a Secretaria de Inovação do MDIC? Acessar o endereço: O Fórum Permanente das Microempresas e Empresa de Pequeno Porte O Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, presidido pelo MDIC, é o espaço de debates e de conjugação de esforços entre o governo e o setor privado, para elaboração de propostas e ações de políticas públicas dedicadas às ME. Seu objetivo é divulgar e promover o fortalecimento do segmento. O MDIC ainda incentiva e apoia a criação dos Fóruns Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte nos Estados e Distrito Federal, instituídos e presididos pelos respectivos órgãos de governo estadual que tratam da política para o setor. Como encontrar o Fórum Permanente da Microempresa de Pequeno Porte? Acessando o endereço: 30

32 O Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte foi definido, em seu regimento interno, por comitês temáticos responsáveis pela articulação, desenvolvimento de estudos, elaboração de propostas e encaminhamento dos temas específicos que compõe a agenda de trabalho e a formulação de políticas públicas. Entre estes Comitês Temáticos temos o de Tecnologia e Inovação. Cada Comitê Temático possui um Coordenador de Governo, indicado nominalmente pela Secretaria Técnica do Fórum Permanente, além de um coordenador da iniciativa privada escolhido, entre seus pares, pelas entidades de apoio e de representação nacional. Como encontrar o Comitê Temático de Tecnologia e Inovação? Acesse o endereço abaixo, vá para a coluna da direita e clique em Comitê Temático. Escolha a opção: Tecnologia e Inovação : O MCTI Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação tem como competências os seguintes assuntos: política nacional de pesquisa científica, tecnológica e inovação; planejamento, coordenação, supervisão e controle das atividades da ciência e tecnologia; política de desenvolvimento de informática e automação; política nacional de biossegurança; política espacial; política nuclear e controle da exportação de bens e serviços sensíveis. Estão no MCTI às duas mais importantes agências de fomento do País a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e suas unidades de pesquisa. 31

33 Assim, o MCT coordena o trabalho de execução dos programas e ações que consolidam a Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. Como encontrar o MCTI? Entrar no Portal SEBRAE O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada sem fins lucrativos com a missão de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos de empresas de micro e pequeno porte. O papel do Sebrae é mostrar aos micro e pequenos empresários do País as vantagens de se ter um negócio formal, apontando caminhos e soluções, com o objetivo de facilitar o acesso aos serviços financeiros, à tecnologia e ao mercado, sempre com foco na competitividade empresarial. Como encontrar o SEBRAE? Entrando no sítio do Sebrae Nacional e na primeira página clicar em Sebrae nos Estados, para localizar o de seu interesse. O Sebrae está em todos os estados e no Distrito Federal. Como o SEBRAE pode me ajudar? O Sebrae dispõe de dois programas: Agentes Locais de Inovação (ALI) e o (Sebraetec) - Serviços em Inovação e Tecnologia, que têm por objetivo levar a inovação às empresas de pequeno porte. Para aqueles que sabem que ter serviços e produtos inovadores é fator de competitividade em um mercado tão concorrido, é possível contar com o Agente 32

34 Local de Inovação (ALI). Este é um programa estratégico, de ação proativa, gratuita e continuada. Os Agentes Locais de Inovação são bolsistas de extensão tecnológica do CNPq capacitados pelo Sebrae. Eles atuam como indutores e orientadores da inovação dentro das empresas por eles assistidas. Além disso, incentivam a aproximação destas empresas com provedores de soluções e serviços tecnológicos, oferecendo respostas às suas demandas no que diz respeito a processos, novas tecnologias e tendências do mercado. Todas as ações possuem foco em ganhos de competitividade para a EPP. Como encontrar os Agentes Locais de Inovação? Entre no sítio: O Sebraetec ( Serviços em Inovação e Tecnologia ) é um instrumento que permite às ME acesso a conhecimentos tecnológicos existentes nas áreas de Ciência, Tecnologia e Inovação (C&T&I), visando à melhoria de processos e produtos e/ou introdução de inovações com foco nas empresas e/ou no mercado, fornecendo recursos - subsidiados em até 90% -, e consultoria que auxiliam empresários no desenvolvimento de novos produtos. Além de acesso a serviços tecnológicos, o Sebraetec também apoia projetos de inovação, sejam incrementais ou de rupturas, elaborados por pequenas empresas que tenham sido aprovados e selecionados nos editais públicos de inovação lançados pelo Sebrae. Fique atento aos editais e envie o seu projeto! Como encontrar o SEBRATEC? 33

35 O Sebrae tem algum projeto voltado para apoio a ME e EPP para a Copa? SEBRAE NA COPA O Programa Sebrae 2014 tem como objetivo contribuir para que as micro e pequenas empresas tenham oportunidades de realizar negócios a partir dos investimentos que serão implementados na economia em função das demandas da Copa do Mundo FIFA 2014, bem como acelerar processos que permitam desenvolvimento empresarial a partir da melhoria competitiva decorrente da incorporação de inovação e acesso a mercados. O Sistema Sebrae pretende investir até 2014 mais de R$ 80 milhões, entre recursos próprios e contrapartidas das unidades estaduais do Sebrae correspondentes às 12 cidades sede. O programa priorizará as pequenas empresas, mas também fará parte do universo de atendimento às microempresas, aos empreendedores individuais e a outros potenciais empreendedores. Considerando a maior correlação dos investimentos a serem realizados, foram priorizados nove segmentos econômicos: construção civil, turismo e sua produção associada, comércio varejista, serviços, tecnologia da informação e comunicação, agronegócio, madeira e móveis, e moda (vestuário, têxtil e confecção). Como encontrar o SEBRAE NA COPA? Entre no sitio: Sebrae UF Sites: Paraná Bahia 34

36 Rio de Janeiro Sites relacionados à Copa: Governo Federal: FIFA: Portal de notícias: Ministério do Turismo: Especial do UOL: Transparência CGU: Globo.com: Existe alguma entidade de classe que apoia o desenvolvimento tecnológico e de inovação das ME e EPP? CNI Confederação Nacional da Indústria A Confederação Nacional da Indústria CNI tem em seu quadro vinte e sete federações das indústrias, nos estados e no Distrito Federal. Uma das funções da CNI é fortalecer a atuação articulada das entidades do Sistema Indústria. Trata-se: do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), do Serviço Social da Indústria (Sesi) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL). Responsável pela implementação de atividades de excelência em formação profissional, inovação tecnológica, 35

37 responsabilidade social, capacitação empresarial e inserção internacional, o Sistema Indústria conta com uma rede de escolas, laboratórios e centros tecnológicos espalhados por todo o território nacional. Como a CNI pode ajudar ao microempresário e empresário de pequeno porte? Uma das principais formas de atuação é por meio da MEI Mobilização Empresarial pela Inovação, que tem por desafio fazer da inovação um tema permanente da direção das empresas brasileiras. Para isso existe a Rede de Núcleos de Inovação (RNI) que agrega núcleos de inovação nos estados, ligados às federações estaduais da indústria, e núcleos de inovação setoriais, ligados às associações setoriais nacionais. Cada núcleo de inovação reunirá, em determinada região ou setor, de forma sistêmica e coordenada, um grupo de pessoas/instituições que tenha o compromisso formal de estimular a inovação nas empresas e de contribuir para o alcance dos objetivos e metas da MEI. Qual o objetivo da RNI? A RNI tem por objetivo, entre outros, sensibilizar as empresas e sua direção para a relevância da agenda da inovação e a necessidade de incorporá-la na gestão estratégica das empresas. Tem também um viés de capacitação com duplo objetivo: pelo lado da demanda, melhorar a gestão da inovação no âmbito das empresas, e pelo lado da oferta, ampliar a base de pessoal e de entidades capazes de prestar serviços de apoio à inovação para as empresas. 36

38 Outro objetivo é realizar atividades de disseminação, através da produção e difusão de conteúdos relativos à agenda de inovação nas empresas, como cartilhas, manuais, textos metodológicos, vídeos, relatos de casos de sucesso e outros conteúdos na web, de forma a dar suporte aos processos de capacitação e mobilização das empresas. Como aderir ao RNI? Basta procurar a federação das indústrias do seu estado, ou um dos sindicatos patronais filiados à CNI, que já tenham constituído a sua RNI, e preencher o Termo de Adesão das Empresas. Como posso ter mais informações sobre o MEI e a RNI? No link do CNI - Quais outros instrumentos são disponíveis a ME e EPP pelo CNI? Cartilhas importantes para a microempresa e empresa de pequeno porte, elaboradas pelo CNI: Cartilha sobre os fundos garantidores de risco de crédito FGO - Fundo de Garantia de Operações e FGI - Fundo Garantidor para Investimentos. Esta cartilha apresenta os fundos garantidores FGO e FGI, que oferecem a garantia às empresas que têm condições de pagar, mas não conseguem financiamentos. 37

39 Onde encontrar esta cartilha? A cartilha pode ser obtida no sítio da CNI: Cartilha_FGI%20E%20FGO_2a_ed.pdf Cartilha para o uso do Cartão BNDES O Cartão BNDES é um instrumento de crédito para a micro, pequena e média empresas financiarem bens de capital, insumos e serviços selecionados. As compras dos produtos/serviços são efetuadas por meio do Portal do Cartão BNDES, de fornecedores cadastrados (www.cartaobndes.gov.br). Onde encontrar esta cartilha? A cartilha pode ser obtida no sítio da CNI: artilha_cartao_bndes_4%20edi%c3%a7%c3%a3o.pdf SENAI O que é o SENAI? Senai é hoje um dos mais importantes polos nacionais de geração e difusão de conhecimento aplicado ao desenvolvimento industrial. O Senai vem apoiando a competitividade da indústria brasileira com a realização de projetos de pesquisa aplicada em parceria com empresas, apoiando a inovação, a proteção da propriedade industrial, a prospecção e a difusão de tecnologias. 38

40 Como localizar o SENAI mais próximo? Através da página do seu estado, que pode ser encontrado no sítio do SENAI nacional: ANPEI O que é a ANPEI e como ela pode ajudar o ME e EPP no desenvolvimento de tecnologia e Inovação? A Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras (Anpei), é a entidade representativa do segmento das empresas e instituições inovadoras dos mais variados setores da economia. Atua junto à sociedade para sensibilizar sobre a importância da inovação tecnológica como propulsora do desenvolvimento econômico nacional. Propicia às empresas capacitação tecnológica para melhor gerir o esforço inovador. Como a ANPEI pode ajudara o microempresário e empresário de pequeno porte? Como exemplo o: Projetos: Pró-Inova 1) O Programa Nacional de Sensibilização e Mobilização para Inovação ( Pró- Inova), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), com parceria da Anpei tem como foco estimular as empresas a se estruturarem e a se prepararem para crescer e competir por meio da inovação. O Pró-Inova envolve entidades públicas e privadas e tem como objetivos principais: mobilizar os empresários e a sociedade para a importância da inovação; sensibilizar as empresas para a utilização dos instrumentos de apoio às atividades inovadoras; divulgar programas e instrumentos de apoio à inovação. 39

41 2) Guia Prático de Inovação O Guia é uma fonte de sondagem por parte dos envolvidos no sistema nacional de inovação. Por meio das consultas, pretende-se aumentar significativamente a observância e aplicação das leis de incentivo à novação, bem como melhorar a qualidade da apresentação das propostas das empresas às agências de fomento. Como conseguir o Guia Prático de Inovação? No link: 3) Simulador Financeiro O Simulador Financeiro desenvolvido pela Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei) está inserido no Guia Prático da Inovação para Empresas e tem um funcionamento simples, bastando o interessado informar o perfil da sua empresa e os dados fiscais para saber quanto vai economizar com os tributos. Como conseguir o Simulador Financeiro? O simulador está disponível na página eletrônica do Pró-Inova PROTEC - Sociedade Brasileira Pró-inovação Tecnológica O que é a PROTEC e como ela pode ajudar o ME e EPP no desenvolvimento de tecnologia e Inovação? A Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica (Protec), é uma associação civil em prol da inovação tecnológica nacional. Tem como objetivo mobilizar os 40

42 diversos segmentos da sociedade e do poder público em toda e qualquer atividade que promova a pesquisa e o desenvolvimento de inovações tecnológicas realizadas no País, procurando elevar a competitividade e a eficiência das empresas em geral na produção de bens, processos e serviços. Como encontrar a PROTEC? O sítio de acesso a Protex é: ANPROTEC - Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores O que é a ANPROTEC e como ela pode ajudar o ME e EPP no desenvolvimento de tecnologia e Inovação? A Anprotec é a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Representa os interesses das incubadoras de empresas, parques tecnológicos e empreendimentos inovadores no Brasil. Ela atua por meio da promoção de atividades de capacitação, articulação de políticas públicas e geração e disseminação de conhecimentos. Como encontrar a ANPROTEC? O sítio de acesso a Anprotec é: O MBC - Movimento Brasil Competitivo O que é o MBC e como ele pode ajudar o ME e EPP no desenvolvimento de tecnologia e Inovação? 41

Fernando Pimentel Ministro de Estado. Humberto Luiz Ribeiro Secretário de Comércio e Serviços

Fernando Pimentel Ministro de Estado. Humberto Luiz Ribeiro Secretário de Comércio e Serviços 2 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC Fernando Pimentel Ministro de Estado FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Humberto Luiz Ribeiro Secretário

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

O que pode ser financiado?

O que pode ser financiado? BNDES Automático Projetos de Investimento BNDES Automático Obras civis, montagem e instalações Móveis e Utensílios Estudos e projetos de engenharia associados ao investimento Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs.

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação http://www.bndes.gov.br O objetivo do BNDES é fomentar e apoiar operações associadas à formação de capacitações e ao desenvolvimento

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Volta Redonda RJ 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs. Como Funciona? Ambiente

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha Competitividade para Gerar Negócios Recursos subsidiados disponíveis hoje para investimentos, giro e inovação nas empresas Palestrante: Antônio Carlos Rocha Coordenação: Nicolás Honorato SINAIS DA RECUPERAÇÃO

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria do Desenvolvimento da Produção Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas O Fórum F Permanente e os Fóruns F Regionais das

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos

Leia mais

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009.

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009. Regulamento O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores brasileiros, desenvolvidos

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES É obrigatório oferecer contrapartida? Em caso afirmativo, quanto devo oferecer de contrapartida? Sim. O

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

SECRETARIA DE INOVAÇÃO

SECRETARIA DE INOVAÇÃO SECRETARIA DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 SEGUNDA CHAMADA PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA ENTRE BRASIL E ISRAEL O SECRETÁRIO DE INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DO

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

do Bem e outras considerações

do Bem e outras considerações Politicas públicas de fomento a inovação: Lei do Bem e outras considerações 8 de setembro de 2014 Legislação Lei do Bem (Lei No. 11.196/2005) Decreto No. 5.798/2006 Lei No. 11.487/2007 (Dec. No. 6.260/2007)

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 REDE NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E FEMINISTA A GUAYÍ, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sediada na Rua José do Patrocínio 611, Bairro Cidade Baixa, Porto

Leia mais

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Classificação de Porte utilizada Porte da Empresa Receita Operacional Bruta Anual M P M

Leia mais

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet. Curitiba / PR 17 de março de 2014

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet. Curitiba / PR 17 de março de 2014 Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Curitiba / PR 17 de março de 2014 Agenda Informações Institucionais Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas Projetos de Investimento Aquisição de Máquinas

Leia mais

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS EMPRESAS Mecanismos de apoio e financiamento para empresas investirem em design Identificação do apoio/ financiamento mais apropriado Duas questões básicas Expectativa/necessidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

Ministério do Planejamento,Orçamento e Gestão Brasília, 06 de maio de 2009. Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério do Planejamento,Orçamento e Gestão Brasília, 06 de maio de 2009. Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério do Planejamento,Orçamento e Gestão Brasília, 06 de maio de 2009 Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Contribuições solicitadas pelo MCT para o Aperfeiçoamento

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-SA Apoio do BNDES à Inovação 28 de Abril de 2015 Missão e Visão Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira, com

Leia mais

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR?

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? São Paulo 16 de abril de 2013 Missão do SEBRAE Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012. Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes.

SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012. Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes. SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012 Agenda Estratégica 2010 horizonte de 2 anos: Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes. Padronização

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo BRDE INOVA Joaçaba, 12 de maio de 2014 Apresentador: Paulo César Antoniollo Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

Favela como Oportunidade: Plano de Desenvolvimento das Favelas para sua Inclusão Social e Econômica

Favela como Oportunidade: Plano de Desenvolvimento das Favelas para sua Inclusão Social e Econômica ESTUDOS E PESQUISAS Nº 457 Favela como Oportunidade: Plano de Desenvolvimento das Favelas para sua Inclusão Social e Econômica Walsey de Assis Magalhães * Fórum Nacional (Sessão Especial) Novos Caminhos

Leia mais