$ %$ & ' ( ! ) * +!, 3! 4 5!, 6, ! ! " #!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "$ %$ & ' ( ! ) * +!, 3! 4 5!, 6,445 5 5 4 4 5! ! " #!"

Transcrição

1 $ %$ & ' (! ) * +!, ",! ) * +!. * /., ",! - 0 1! '! 2 3! 4 5!, 6, !

2 Folha de Rosto Índice I. Introdução II. Topologia III. Preparação & configuração dos equipamentos IV. Como funciona o QoS Digitel SFQ100 e SFQ Algoritmo de Escalonamento V. Descrição dos comandos Descrevendo QoS Descrevendo Firewall Gonçalves, Adriel - Porto Alegre, RS Brazil. Guia de Configuração QoS (Quality Of Service) no NR2G Marcação DSCP 3. NR2G-3211 e NR2G-3238 IMPORTANTE: É concedida aos clientes da Digitel - Indústria Eletrônica para reproduzir cópias deste documento e para emprestar ou vender tais cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. Embora o autor tenha se precavido com todo o cuidado possível, o autor e a Digitel não aceitam qualquer responsabilidade sobre prejuízos causados por omissões que ele possa conter. Este texto pode ser reproduzido no todo ou em parte, desde que seja citada a fonte.

3 E sse documento descreve os passos necessários para configuração de QoS (Quality of Service) utilizando a família NetRouter 2G da Digitel. Todos os testes e resultados a seguir foram Analisados e comprovamos nos equipamentos NR2G-3211 e NR2G Para validar e comprovar a funcionalidade dos equipamentos foram usados um software gerador de tráfego de voz RTP conhecido como Ixia - ixchariot e um analisador de redes da Agilent Technologies chamado FrameScope Pro. Para melhor visualizarmos aplicação de, utilizaremos o cenário abaixo que demonstra como o roteador Digitel usa a disciplinas de enfileiramento.

4 1) Acessar o equipamento via cabo console utilizando um emulador de VT100 tipo HyperTerminal com velocidade de Bits de dados: 8 Paridade/Controle de fluxo: nenhum USER: nr2g PASS: digitel ( Quando conectado ao roteador, execute os seguintes comandos na CLI observe que estamos mostrando toda a configuração. Logo à frente mostraremos o que é cada linha de comando no equipamento. ################################ # Homologa CTBC_teste NR2G 3238 ################################ set system hostname test_3238 set lan lan0 purge set lan lan0 ip mask set lan lan0 up set wan wan0 purge set wan wan0 proto ppps set wan wan0 ipcp enabled true set wan wan0 ipcp localip enabled true address mask set wan wan0 ipcp remoteip enabled true address set wan wan0 pppdefroute true set wan wan0 txinv true //não é necessário, apenas para velocidades maiores que 2048 // set wan wan0 up set routes purge set routes default gw set system log entry0 facility all priority all //debug log, não eh necessário habilitar // set qos purge set qos wan0 root-htb handle 1: set qos wan0 htb1: default 20 set qos wan0 htb1: new-htb handle 1:1 set qos wan0 htb1:1 rate 950kbit ceil 950kbit no-priority set qos wan0 htb1:1 new-htb handle 1:10 set qos wan0 htb1:10 rate 810kbit ceil 810kbit priority 0 set qos wan0 htb1:10 new-sfq handle 100: set qos wan0 sfq100: perturbation 10 set qos wan0 htb1:1 new-htb handle 1:20 set qos wan0 htb1:20 rate 140kbit ceil 950kbit no-priority set qos wan0 htb1:20 new-sfq handle 200: set qos wan0 sfq200: perturbation 10 set qos wan0 htb1: new-filter dscp enabled true class ef priority 1 protocol ip classid 1:10 set qos up set firewall purge set firewall input policy accept clamptomtu false set firewall output policy accept clamptomtu false set firewall forward policy accept clamptomtu false set firewall qos rule0 protocol udp protocolinverted false set firewall qos rule0 mark-dscp ef flow prerouting fragment enabled false set firewall qos rule0 source addressinverted false address mask set firewall qos rule0 mac enabled false set firewall qos rule0 limit enabled false set firewall qos rule0 connectionstate enabled false set firewall qos rule0 time enabled false set firewall qos rule0 tos enabled false set firewall qos rule0 udp dport 0-0 sport 0-0 set firewall up config save

5 3) Execute agora a próxima configuração no equipamento NR2G Para melhor acompanhar, sugerimos que você se localize pelo hostname de cada equipamento. ################################ # Homologa CTBC_teste NR2G 3211 ################################ set system hostname test_3211 set lan lan0 purge set lan lan0 ip mask set lan lan0 up set wan wan0 purge set wan wan0 proto ppps set wan wan0 ipcp enabled true set wan wan0 ipcp localip enabled true address mask set wan wan0 ipcp remoteip enabled true address set wan wan0 pppdefroute true set wan wan0 txinv true //não é necessário, apenas para velocidades maiores que 2048 // set wan wan0 up set routes purge set routes default gw set system log entry0 facility all priority all //debug log, não eh necessário habilitar // set qos purge set qos wan0 root-htb handle 1: set qos wan0 htb1: default 20 set qos wan0 htb1: new-htb handle 1:1 set qos wan0 htb1:1 rate 950kbit ceil 950kbit no-priority set qos wan0 htb1:1 new-htb handle 1:10 set qos wan0 htb1:10 rate 810kbit ceil 810kbit priority 0 set qos wan0 htb1:10 new-sfq handle 100: set qos wan0 sfq100: perturbation 10 set qos wan0 htb1:1 new-htb handle 1:20 set qos wan0 htb1:20 rate 140kbit ceil 950kbit no-priority set qos wan0 htb1:20 new-sfq handle 200: set qos wan0 sfq200: perturbation 10 set qos wan0 htb1: new-filter dscp enabled true class ef priority 1 protocol ip classid 1:10 set qos up set firewall purge set firewall input policy accept clamptomtu false set firewall output policy accept clamptomtu false set firewall forward policy accept clamptomtu false set firewall qos rule0 protocol udp protocolinverted false set firewall qos rule0 mark-dscp ef flow prerouting fragment enabled false set firewall qos rule0 source addressinverted false address mask set firewall qos rule0 mac enabled false set firewall qos rule0 limit enabled false set firewall qos rule0 connectionstate enabled false set firewall qos rule0 time enabled false set firewall qos rule0 tos enabled false set firewall qos rule0 udp dport 0-0 sport 0-0 set firewall up config save

6 Documento: (01) SFQ100: e SFQ200: Disciplinas de enfileiramento classes, distribuem a banda entre os fluxos de forma justa, usando a técnica de DRR (Déficit Roud-Robin). Parâmetros das classes do HTB: + Rate...: Banda máxima garantida (zona verde ) + Ceil...: Banda máxima utilizável (zona amarela ) + Priority...: prioridade de uso da banda pela classe + Burst...: Quantidade de bytes que podem ser enviados antes de recalcular a banda ocupada Os Filtros determinam o encaminhamento dos pacotes para uma das classes da hierarquia HTB. Por exemplo: set qos wan0 htb1: new-filter dscp enabled true class ef priority 1 protocol ip classid 1:10 Esta linha especifica que os pacotes com DSCP = EF são encaminhados para a classe HTB:10, para que seja aplicado o algoritmo de escalonamento no pacote.

7 (02) Algoritmo de escalonamento: 1 - Classe no verde tem prioridade; 2 - Classes de nível mais básico (menor) têm prioridade; 3 - Classe de menor valor de PRIORITY têm prioridade; Quando uma classe de nível mais básico já ultrapassou seu RATE, foi para zona amarela. Ela toma emprestada banda da classe PAI, portanto temporariamente sobe para um nível mais alto, de menor prioridade. Quando o CEIL da classe, ou da classe pai em caso de empréstimo, for atingido, o pacote é enfileirado ao invés de ser imediatamente enviado. Em um próximo recalculo das bandas ocupadas, este volta para o algoritmo de escalonamento. O algoritmo de escalonamento é aplicado toda a vez que o link está livre para transmitir um pacote, se um pacote chega para ser transmitido quando o link já está ocupado, ele é enfileirado na folha correspondente. Somente nas folhas acontece o enfileiramento. Quanto as regras de FIREWALL, elas servem para fazer as marcações dos pacotes, para posterior tratamento no QOS. Por exemplo a marcação de DSCP com EF.

8 Documento: Abaixo estamos descrevendo a Disciplinas de enfileiramento classes" para QoS, atente para o comentário em vermelho: #>SET QOS PURGE Limpa a configuração de QoS: #>SET QOS WAN0 ROOT-HTB HANDLE 1: Cria a raiz (root = HTB1:) da hierarquia de classes HTB na WAN0: #>SET QOS WAN0 HTB1: DEFAULT 20 Define a classe folha default (20 = HTB1:20) para a qual serão encaminhados os pacotes que passarem por todos os filtros: #>SET QOS WAN0 HTB1: NEW-HTB HANDLE 1:1 Cria a classe interna HTB1:1: #>SET QOS WAN0 HTB1:1 RATE 950KBIT CEIL 950KBIT NO-PRIORITY Define os parâmetros da classe HTB1:1: #>SET QOS WAN0 HTB1:1 NEW-HTB HANDLE 1:10 #>SET QOS WAN0 HTB1:10 RATE 810KBIT CEIL 810KBIT PRIORITY 0 Cria a classe folha HTB1:10 e define seus parâmetros: #>SET QOS WAN0 HTB1:10 NEW-SFQ HANDLE 100: Cria a disciplina de enfileiramento SFQ100: na classe folha HTB1:10: #>SET QOS WAN0 SFQ100: PERTURBATION 10 Define os parâmetros da disciplina SFQ100: (PERTURBATION=10 faz com que um determinado conjunto de fluxos não fique mais que 10 segundos na mesma fila de hash) #>SET QOS WAN0 HTB1:1 NEW-HTB HANDLE 1:20 #>SET QOS WAN0 HTB1:20 RATE 140KBIT CEIL 950KBIT NO-PRIORITY Cria a classe folha 1:20 e define seus parâmetros: #>SET QOS WAN0 HTB1:20 NEW-SFQ HANDLE 200: #>SET QOS WAN0 SFQ200: PERTURBATION 10 Cria a disciplina de enfileiramento SFQ200: na classe folha HTB1:20 e define seus parâmetros: #>SET QOS WAN0 HTB1: NEW-FILTER DSCP ENABLED TRUE CLASS EF PRIORITY 1 PROTOCOL IP CLASSID 1:10 Define um filtro que encaminha pacotes IP com campo DSCP = EF para a classe HTB1:10: #>SET QOS UP Habilita o QoS

9 Documento:!"#$ Aqui estamos descrevendo as regras de firewall. Elas servem para fazer as marcações dos pacotes e posteriormente serem enfileiradas pelo QoS. Acompanhe o o comentário em vermelho: #>SET FIREWALL PURGE Limpa a configuração de firewall: #>SET FIREWALL INPUT POLICY ACCEPT CLAMPTOMTU FALSE #>SET FIREWALL OUTPUT POLICY ACCEPT CLAMPTOMTU FALSE #>SET FIREWALL FORWARD POLICY ACCEPT CLAMPTOMTU FALSE Define as políticas default (ACCEPT) nas cadeias de entrada, saída e "forward" do roteador: #>SET FIREWALL QOS RULE0 PROTOCOL UDP PROTOCOLINVERTED FALSE #>SET FIREWALL QOS RULE0 MARK-DSCP EF FLOW PREROUTING FRAGMENT ENABLED FALSE #>SET FIREWALL QOS RULE0 SOURCE ADDRESSINVERTED FALSE ADDRESS MASK #>SET FIREWALL QOS RULE0 MAC ENABLED FALSE #>SET FIREWALL QOS RULE0 LIMIT ENABLED FALSE #>SET FIREWALL QOS RULE0 CONNECTIONSTATE ENABLED FALSE #>SET FIREWALL QOS RULE0 TIME ENABLED FALSE #>SET FIREWALL QOS RULE0 TOS ENABLED FALSE #>SET FIREWALL QOS RULE0 UDP DPORT 0-0 SPORT 0-0 Cria uma regra de QoS (RULE0) para modificar o valor do campo de DSCP para o valor EF nos pacotes UDP vindos do host : #>SET FIREWALL UP Habilita a firewall #>CONFIG SAVE Salva a configuração:

$!! % &' $! ( ! ) * +!,! - .! / 0!, 1,//0 0 0 / / 0! ! " #!

$!! % &' $! ( ! ) * +!,! - .! / 0!, 1,//0 0 0 / / 0! !  #! $!! % &' $! (! ) * +!,! - ",.! / 0!, 1,//0 0 0 / / 0! Folha de Rosto... 01 Índice... 02 I. Introdução... 03 II. O que é Balanceamento de Carga(LoadBalance)... 03 III. Topologia por balanceamento estático...

Leia mais

Implementação de QoS em um roteador Linux

Implementação de QoS em um roteador Linux Implementação de QoS em um roteador Linux Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 28 de setembro de 2011 1 / 26 Sumário

Leia mais

Gonçalves, Adriel {adriel@digitel.com.br} - Porto Alegre, RS Brazil. Guia de Configuração TACACS+ no NR2G-3200.

Gonçalves, Adriel {adriel@digitel.com.br} - Porto Alegre, RS Brazil. Guia de Configuração TACACS+ no NR2G-3200. ! " # "$$% % % Folha de Rosto... 01 Índice... 02 I. Introdução... 03 II. O que é TACACS+... 03 III. Topologia... 03 IV. Configuração do Servidor... 04 01. Adicionando Grupo... 04 02. Adicionando Usuário...

Leia mais

Mecanismos de QoS em Linux Hierarchical Token Bucket (HTB)

Mecanismos de QoS em Linux Hierarchical Token Bucket (HTB) Mecanismos de QoS em Linux Hierarchical Token Bucket (HTB) Este roteiro descreve um cenário prático onde o algoritmo Hierarchical Token Bucket (HTB) é utilizado para criar uma política de QoS flexível,

Leia mais

4 1 0 ilh F. 2 o 6, 1 rto e rib, G rib e d Eo aãd JorinT Eriberto ago. 14

4 1 0 ilh F. 2 o 6, 1 rto e rib, G rib e d Eo aãd JorinT Eriberto ago. 14 Controle de tráfego com Iptables e HTB João Eriberto Mota Filho Trindade, GO, 16 ago. 2014 Sumário 1. Por que controlar o tráfego de rede? 2. Unidades de medida 3. Disciplinas de controle de tráfego 4.

Leia mais

Mecanismos de QoS em Linux tc Traffic Control

Mecanismos de QoS em Linux tc Traffic Control Mecanismos de QoS em Linux tc Traffic Control Este módulo descreve os principais mecanismos de QoS disponíveis no kernel do Linux. Para utilizar esses mecanismos, é necessário criar uma política coerente

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Firewall. Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Firewall. Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX Firewall Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br São dispositivos que têm com função regular o tráfego entre redes distintas restringindo o

Leia mais

Mecanismos de QoS em Linux DiffServ (Marcação e Policiamento)

Mecanismos de QoS em Linux DiffServ (Marcação e Policiamento) Mecanismos de QoS em Linux DiffServ (Marcação e Policiamento) Este roteiro descreve um cenário prático que ilustra o funcionamento dos mecanismos de policiamento e marcação utilizados pela metodologia

Leia mais

GTS-8. Implementação de uma solução baseada em Software Livre para o controle de tráfego P2P. Helder Jean Brito da Silva (helder@info.ufrn.

GTS-8. Implementação de uma solução baseada em Software Livre para o controle de tráfego P2P. Helder Jean Brito da Silva (helder@info.ufrn. GTS-8 Implementação de uma solução Helder Jean Brito da Silva (helder@info.ufrn.br) Ricardo Kléber Martins Galvão (rk@info.ufrn.br) Introdução Necessidades Soluções prévias Solução adotada na UFRN Problemas

Leia mais

cio QoS Linux Edgard Jamhour 2008, Edgard Jamhour

cio QoS Linux Edgard Jamhour 2008, Edgard Jamhour Exercício cio QoS Linux Edgard Jamhour Cenário Uma empresa tem um SLA com o provedor, definindo um link com 500 Kbps garantindo, com rajadas eventuais de 1000 Kbps. empresa provedor B ipb rede 1 rede 2

Leia mais

Segurança de redes com Linux. Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus

Segurança de redes com Linux. Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus Segurança de redes com Linux Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus Segurança de Redes com Linux Protocolo TCP/UDP Portas Endereçamento IP Firewall Objetivos Firewall Tipos de Firewall Iptables

Leia mais

VoIP com QoS (Linux e Cisco)

VoIP com QoS (Linux e Cisco) VoIP com QoS (Linux e Cisco) Sistemas Telemáticos, 2005 costa@di.uminho.pt, macedo@di.uminho.pt Sumário l Caso de estudo: VoIP Telefone VoIP com sinalização SIP l Definição de uma política de QoS adequada

Leia mais

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com 01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com O que são Firewalls? São dispositivos constituídos por componentes de hardware (roteador capaz de filtrar

Leia mais

Autor: Armando Martins de Souza Data: 12/04/2010

Autor: Armando Martins de Souza <armandomartins.souza at gmail.com> Data: 12/04/2010 http://wwwvivaolinuxcombr/artigos/impressoraphp?codig 1 de 12 19-06-2012 17:42 Desvendando as regras de Firewall Linux Iptables Autor: Armando Martins de Souza Data: 12/04/2010

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

IPTABLES. Helder Nunes Haanunes@gmail.com

IPTABLES. Helder Nunes Haanunes@gmail.com IPTABLES Helder Nunes Haanunes@gmail.com Firewall Hoje em dia uma máquina sem conexão com a internet praticamente tem o mesmo valor que uma máquina de escrever. É certo que os micros precisam se conectar

Leia mais

Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925)

Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925) Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925) Route Policy (também conhecido como PBR, policy-based routing) é um recurso que permite configurar estratégias de roteamento. Os pacotes

Leia mais

Obs: Endereços de Rede. Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante. Obs: Padrões em Intranet. Instalando Interface de Rede.

Obs: Endereços de Rede. Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante. Obs: Padrões em Intranet. Instalando Interface de Rede. Obs: Endereços de Rede Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante Classe A Nº de IP 1 a 126 Indicador da Rede w Máscara 255.0.0.0 Nº de Redes Disponíveis 126 Nº de Hosts 16.777.214 Prof. Alexandre Beletti

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal

Leia mais

Application Notes: QoS Básico. Exemplo para aplicação de QoS

Application Notes: QoS Básico. Exemplo para aplicação de QoS Application Notes: QoS Básico Exemplo para aplicação de QoS Application Notes: QoS Básico Exemplo para aplicação de QoS. Data 15/03/2010, Revisão 1.2 Introdução Topologia e configurações do DmSwitch Aplicação

Leia mais

Uso do iptables como ferramenta de firewall.

Uso do iptables como ferramenta de firewall. Uso do iptables como ferramenta de firewall. Rafael Rodrigues de Souza rafael@tinfo.zzn.com Administração em Redes Linux Universidade Federal de Lavra UFLA RESUMO O artigo pretende abordar o uso de firewalls

Leia mais

Capítulo 4 TCP/IP FIREWALLS.

Capítulo 4 TCP/IP FIREWALLS. Capítulo 4 TCP/IP FIREWALLS. O que é uma firewall? É um router entre uma rede privada e uma rede pública que filtra o tráfego com base num conjunto de regras. GRS - Capitulo 4 1/1 Arquitecturas de redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 6: Firewall Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Qual a função básica de um firewall? Page 2 Introdução Qual a função básica de um firewall? Bloquear

Leia mais

Iptables. Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões

Iptables. Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões Iptables Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões Sumário Histórico Definições Tabelas Chains Opções do Iptables Tabela NAT Outros Módulos Histórico Histórico Ipfwadm Ferramenta padrão para o Kernel anterior

Leia mais

Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração

Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração Marcos Monteiro http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br IPTables O iptables é um firewall em NÍVEL DE PACOTES e funciona baseado

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Firewall NetFilter (iptables) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução O firewall é um programa que tem como objetivo proteger

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Firewall Nos tempos atuais tem se falado muito em segurança, pois a internet se tornou um ambiente perigoso. Todos nossos servidores que estão expostos para a internet necessitam de uma proteção para que

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 8 Segurança nas Camadas de Rede, Transporte e Aplicação Firewall (Filtro de Pacotes) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

O que é uma firewall? É um router entre uma rede privada e uma rede pública que filtra o tráfego com base num conjunto de regras.

O que é uma firewall? É um router entre uma rede privada e uma rede pública que filtra o tráfego com base num conjunto de regras. Capítulo 4 TCP/IP FIREWALLS O que é uma firewall? É um router entre uma rede privada e uma rede pública que filtra o tráfego com base num conjunto de regras. Arquitecturas de redes com firewall Simples:

Leia mais

Firewalls em Linux. Tutorial Básico. André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br

Firewalls em Linux. Tutorial Básico. André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br Firewalls em Linux Tutorial Básico André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br 1 O que é um Firewall? Uma série de mecanismos de proteção dos recursos de uma rede privada de outras redes. Ferramenta

Leia mais

Firewall - IPTABLES. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.

Firewall - IPTABLES. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity. Firewall - IPTABLES Conceitos e Prática Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org

Leia mais

Cisco ASA Firewall Guia Prático

Cisco ASA Firewall Guia Prático Cisco ASA Firewall Guia Prático 2014 v1.0 Renato Pesca 1 Sumário 2 Topologia... 3 3 Preparação do Appliance... 3 3.1 Configurações de Rede... 7 3.2 Configurações de Rotas... 8 3.3 Root Básico... 9 3.4

Leia mais

Firewalls. Prática de Laboratório. Maxwell Anderson INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA

Firewalls. Prática de Laboratório. Maxwell Anderson INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Firewalls Prática de Laboratório Maxwell Anderson INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Sumário Firewall do Windows... 2 O que é um firewall?... 2 Ativar ou desativar o Firewall

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Equipe: Afonso Sousa, Jhonatan Cavalcante, Israel Bezerra, Wendel Marinho Professor: Fabio

Leia mais

Linux Controle de Redes

Linux Controle de Redes André Stato Filho Linux Controle de Redes Visual Books Sumário 1ª Parte - IP Tables... 15 1 Protocolo... 17 1.1 Modelo de Referência OSI... 17 1.1.1 Camada Física... 18 1.1.2 Camada de Enlace... 18 1.1.3

Leia mais

Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas 1- Para realizar a configuração de redirecionamento de portas o computador deve estar conectado via cabo Ethernet em uma das portas LAN do

Leia mais

Firewall Iptables. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves. Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática

Firewall Iptables. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves. Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Firewall Iptables Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Iptables -Introdução Os firewalls existem no Linux desde o kernel 1.1, com o ipfw, originário

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Disciplinas. Conservativa. Não conservativa

Disciplinas. Conservativa. Não conservativa Políticas de Filas Fila FCFS ou FIFO Serve pacotes na ordem de chegada e descarta quando fila está cheia Não discrimina pacotes O atraso médio de uma fila FIFO é usado para comparação com outras disciplinas

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Visão geral sobre Desempenho Descrição do Conteúdo Os roteadores de serviços integrados de nova geração (ISR G2) proporcionam uma plataforma para serviços

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS

APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 81 APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS Luiz Eduardo de Castilho Junior,

Leia mais

Instalação e Configuração Iptables ( Firewall)

Instalação e Configuração Iptables ( Firewall) Instalação e Configuração Iptables ( Firewall) Pág - 1 Instalação e Configuração Iptables - Firewall Desde o primeiro tutorial da sequencia dos passo a passo, aprendemos a configurar duas placas de rede,

Leia mais

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway Radamés Bett Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, outubro de 2010 Resumo

Leia mais

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES 1. Introdução O IPTABLES é um software usado para analisar os pacotes que passam entre redes. A partir desse princípio podemos

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação

Segurança em Sistemas de Informação Segurança em Sistemas de Informação Introdução O Iptables é um código de firewall presente nas versões a partir da 2.4 do kernel, que substituiu o Ipchains (presente nas séries 2.2 do kernel). Ele foi

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

www.professorramos.com

www.professorramos.com Iptables www.professorramos.com leandro@professorramos.com Introdução O netfilter é um módulo que fornece ao sistema operacional Linux as funções de firewall, NAT e log de utilização de rede de computadores.

Leia mais

Firewall e Proxy. Relatório do Trabalho Prático nº 2. Segurança em Sistemas de Comunicação

Firewall e Proxy. Relatório do Trabalho Prático nº 2. Segurança em Sistemas de Comunicação Segurança em Sistemas de Comunicação Relatório do Trabalho Prático nº 2 Firewall e Proxy Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 07.11.2006

Leia mais

192.168.2.1. Manual do Firmware C3 (Última atualização em 04/2007) Acesso ao rádio: DÚVIDAS E CONTATO. suporte@computech.com.br. Versão 5.

192.168.2.1. Manual do Firmware C3 (Última atualização em 04/2007) Acesso ao rádio: DÚVIDAS E CONTATO. suporte@computech.com.br. Versão 5. Manual do Firmware C3 (Última atualização em 04/2007) Acesso ao rádio: 192.168.2.1 DÚVIDAS E CONTATO suporte@computech.com.br Versão 5 Recursos: --> SSH Cliente --> Edição de Script pessoal /etc/script.sh

Leia mais

FIREWALL COM IPTABLES. www.eriberto.pro.br/iptables. by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS. Tabela Filter ESQUEMA DA TABELA FILTER

FIREWALL COM IPTABLES. www.eriberto.pro.br/iptables. by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS. Tabela Filter ESQUEMA DA TABELA FILTER FIREWALL COM IPTABLES www.eriberto.pro.br/iptables by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS Tabela Filter Vejamos o funcionamento da tabela filter (default) e as suas respectivas chains: ESQUEMA DA TABELA

Leia mais

Criptografia e Segurança das Comunicações. Firewalls

Criptografia e Segurança das Comunicações. Firewalls Criptografia e Segurança das Comunicações Firewalls Firewalls : 1/35 Introdução [Def]: Firewall é um dispositivo (SW, HW, ou ambos) que limita acessos por rede (Internet), a uma outra rede de um ou mais

Leia mais

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitor: Jundaí Abdon.

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitor: Jundaí Abdon. III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitor: Jundaí Abdon Prática 1 Cenário: Na figura acima temos uma pequena rede, que

Leia mais

Introdução a Firewalls no Linux (Netfilter/Iptables)

Introdução a Firewalls no Linux (Netfilter/Iptables) IntroduçãoaFirewallsnoLinux (Netfilter/Iptables) RicardoKléberMartinsGalvão www.ricardokleber.com.br ricardo.galvao@ifrn.edu.br RicardoKléber::IntroduçãoaFirewallsnoLinux RicardoKléber ProfessordoIFRN(SegurançadeRedes)

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas A opção avançada de Port Forwarding permite que você defina uma única porta pública ou Range de portas em seu roteador para redirecionar a

Leia mais

Compartilhamento da internet, firewall

Compartilhamento da internet, firewall da internet, firewall João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 29 Exemplo de transmissão 2 / 29 Exemplo de transmissão Dados trafegam em pacotes com até 1460 bytes de dados e dois headers de 20 bytes

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Camada de enlace: domínio de colisão e domínio de broadcast, segmentação, modos de switching para encaminhamento de quadros Versão 1.0 Março de 2016 Prof. Jairo jairo@uninove.br professor@jairo.pro.br

Leia mais

Tema do Minicurso: Firewall IPTABLES. Carga horária 3h

Tema do Minicurso: Firewall IPTABLES. Carga horária 3h Orientador: Mirla Rocha de Oliveira Ferreira Bacharel em Engenharia da Computação Orientadora do Curso de Formação Profissional em Redes de Computadores - SENAC Tema do Minicurso: Firewall IPTABLES Carga

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Definição O Firewal é um programa que tem como objetivo proteger a máquina contra acessos indesejados, tráfego indesejado, proteger serviços que estejam rodando

Leia mais

Digitel NRX 5122. Cliente VPN IPSec TheGreenBow. Guia de Configuração. http://www.thegreenbow.pt support@thegreenbow.pt

Digitel NRX 5122. Cliente VPN IPSec TheGreenBow. Guia de Configuração. http://www.thegreenbow.pt support@thegreenbow.pt dr Cliente VPN IPSec TheGreenBow Guia de Configuração Digitel NRX 5122 WebSite: Contacto: http://www.thegreenbow.pt support@thegreenbow.pt Guia de Configuração escrito por: Escritor: Suporte Técnico Digitel

Leia mais

I Workshop do POP MG. Firewall IPTABLES. Fernando Resende Coelho frcoelho@pop mg.rnp.br

I Workshop do POP MG. Firewall IPTABLES. Fernando Resende Coelho frcoelho@pop mg.rnp.br Firewall IPTABLES Fernando Resende Coelho frcoelho@pop mg.rnp.br Sumário Conceitos Diagrama de fluxo Sintaxe Passo a passo Referências O que é um Firewall? Um firewall é uma barreira inteligente entre

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Professor Claudio Silva

Professor Claudio Silva Filtragem caso o pacote não seja permitido, ele é destruído caso seja permitido, ele é roteado para o destino Além das informações contidas nos pacotes o filtro sabe em que interface o pacote chegou e

Leia mais

Manual B.P.S ATA 5xxx Índice

Manual B.P.S ATA 5xxx Índice Manual B.P.S ATA 5xxx Índice 1. Conectando o Adaptador para Telefone Analógico (ATA)...02 2. Configurações básicas...05 2.1 Configuração dos parâmetros de usuário e senha para acessos de banda larga do

Leia mais

Firewall. Tutorial Firewall em Linux Acadêmicos: Felipe Zottis e Cleber Pivetta

Firewall. Tutorial Firewall em Linux Acadêmicos: Felipe Zottis e Cleber Pivetta Tutorial Firewall em Linux Acadêmicos: Felipe Zottis e Cleber Pivetta Firewall Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações

Leia mais

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede Guia Internet de Conectividade - Cyclades - Endereçamento IP - página 1 9.5. Identificação dos Hosts em uma rede Todo sistema ou host que você quiser conectar em sua rede deve ter uma única identificação

Leia mais

Aula 08. Firewall. Prof. Roitier Campos Gonçalves

Aula 08. Firewall. Prof. Roitier Campos Gonçalves Aula 08 Firewall Prof. Roitier Campos Gonçalves Conceito Um firewall, ou filtro de pacotes, é um recurso utilizado para proteger uma máquina ou uma rede através do controle e filtragem dos pacotes/datagramas

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Prof.: Roberto Franciscatto Introdução FIREWALL Introdução Firewall Tem o objetivo de proteger um computador ou uma rede de computadores,

Leia mais

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Consumo de Banda Codec Taxa de Amostragem (ms) Payload de voice (bytes) Pacotes por segundo Largura de banda consumida G.711 20 160 50 80 kbps G.711

Leia mais

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO III ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Maio / 2010 Laboratório III Roteamento

Leia mais

Prática NAT/Proxy. Edgard Jamhour. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.

Prática NAT/Proxy. Edgard Jamhour. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr. Prática NAT/Proxy Edgard Jamhour Exercícios práticos sobre NAT e Proxy, usando Linux. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais:.ppgia.pucpr.br OBS. Esse roteiro utiliza

Leia mais

Câmera IP BOX SEGI-0720B Câmera IP Externa SEGI-0720E

Câmera IP BOX SEGI-0720B Câmera IP Externa SEGI-0720E Câmera IP BOX SEGI-0720B Câmera IP Externa SEGI-0720E SEGI-0720B 1 - Instalação 2 - Configuração Padrão 3 - Conectando a Câmera ao Computador 4 - Acessando a interface e configurando a rede 5 - Configurações

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

QoS for voice applications

QoS for voice applications QoS for voice applications MUM Brazil 2011 Currículo Antonio Nivaldo F. Leite Junior Graduação em Ciências da Computação; Graduação em Comunicação Social c/ ênfase em Pub. e Propaganda; Pós-graduação em

Leia mais

Rastreando fluxos para detecção de eventos em redes

Rastreando fluxos para detecção de eventos em redes Rastreando fluxos para detecção de eventos em redes GTER - Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes 27ª Reunião 19 de junho de 2009 Jorge Luiz Corrêa André Proto ACME! Computer Security Research

Leia mais

L A B O RATÓRIO DE REDES

L A B O RATÓRIO DE REDES L A B O RATÓRIO DE REDES TRÁFEGO, ENQUADRAMEN TO, DEFAU LT G A TEWA Y E ARP. VALE 2,0 P ONT OS. INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO Nosso laboratório é composto de três hosts Linux, representados pelo símbolo de

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Estrutura da Internet

Estrutura da Internet Estrutura da Internet Redes de redes Estrutura da Internet: rede de redes Grosseiramente hierárquica No centro: s de zona-1 (ex.: UUNet, BBN/Genuity, Sprint, AT&T), cobertura nacional/internacional Os

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 3 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada de Rede Forma de ligação Endereçamento de máquinas Controle de rotas Controle de tráfego Forma de ligação Circuito Virtual

Leia mais

Agradeço a todos, que colaboraram ou colaboram direta ou indiretamente pela realização deste.

Agradeço a todos, que colaboraram ou colaboram direta ou indiretamente pela realização deste. Introdução Configuração Mikrotik Busquei neste passo a passo, ajudar, de certa forma, aqueles que sentem dificuldade para realizar simples tarefas neste SO, Mikrotik. Basicamente a estrutura de todo este

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

SIMULADOR DE ROTEAMENTO DE PACOTES (V. 3 20/05/2010)

SIMULADOR DE ROTEAMENTO DE PACOTES (V. 3 20/05/2010) SIMULADOR DE ROTEAMENTO DE PACOTES (V. 3 20/05/2010) OBJETIVO GERAL Este trabalho possui o objetivo de exercitar a lógica de programação dos alunos do Terceiro ano do Curso de BSI e também desenvolver

Leia mais

Firewall Iptables - Impasses

Firewall Iptables - Impasses Firewall Iptables - Impasses Prof. Andrei Carniel Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR E-mail: andreicarniel@utfpr.edu.br / andrei.carniel@gmail.com 2 Impasses Um dos principais motivos de

Leia mais

Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP

Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP Para configurarmos uma rede Frame Relay, é importante antes de tudo definir as redes para melhor nos orientarmos. Iremos trabalhar com 3 filiais, sendo: SP, RJ,

Leia mais

Software EMS Manual do usuário. CTS2780

Software EMS Manual do usuário. CTS2780 Software EMS Manual do usuário. CTS2780 V2-11/07/2014 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 GERENCIAMENTO DO OLT CTS2780... 4 1. ADICIONANDO A OLT NO EMS... 4 2. GERENCIAMENTO DO CHASSI... 7 2.1. Device Information...

Leia mais

1. DHCP a. Reserva de IP

1. DHCP a. Reserva de IP Configuração de recursos do roteador wireless Tenda 1. DHCP a. Reserva de IP Ao se conectar uma rede que possua servidor DHCP, o host recebe um IP dentro da faixa de distribuição. A cada conexão, o host

Leia mais