Manipulação Robótica. Aula 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manipulação Robótica. Aula 2"

Transcrição

1 Manipulação Robótica Aula 2

2 Programa 1) Introdução 1.1. Tipos de Robôs 1.2. Aplicações 2) Robôs Manipuladores 2.1. Estrutura de Robôs Manipuladores 2.2. Classificação de Robôs Manipuladores 2.3. Sistema de Controle de um Robô Industrial 2.4. Programação de um Robô Industrial 3) Cinemática 3.1. Descrições Espaciais e Transformações 3.2. Cinemática Direta do Manipulador 3.3. Orientação do Efetuador 3.4. Velocidade e Matriz Jacobiana 3.5. Cinemática Inversa 4) Dinâmica 4.1. Métodos 4.2. Equações de Euler-Lagrange 4.3. Modelagem Dinâmica de Manipuladores Planares 5) Planejamento de Trajetórias 5.1. Formulação do Problema de Planejamento de Trajetórias 5.2. Trajetórias Lineares 5.3. Trajetórias Polinomiais 6) Prinçipios de controle de manipuladores 6.1. Controle PID 6.2. Linearização por Realimentação 6.3. Método do Torque Calculado 7) Teoria Helicoidal 8) Contatos Unilaterais

3 Bibliografia Craig, J.J. (1989) "Introduction to Robotics: Mechanics and Control" - Addison- Wesley Pub. Co. 2nd ed.. Sciavicco, L. and Siciliano, B. (1996). Modeling and control of robot manipulators, McGraw-Hill. Koivo, A. J. (1989). Fundamentals for control of robotic manipulators, John Wiley & Sons, Inc. Lewis, F. L.; Abdallah, C. T. and Dawson, D. M. (1993). Control of robot manipulators, Macmillan. Spong, M. W. and Vidyasagar, M. (1989). Robot Dynamics and Control, John Wiley & Sons.

4 Estrutura de Manipuladores Braços (elos e juntas) Atuadores Acoplamento Juntas/Atuadores Sensores Efetuadores Controlador Conversores A/D e D/A Amplificadores

5 Tipos de Juntas Prismática Rotacional Esférica

6 Atuadores Classificação: Movimento Rotação Deslizamento Acionamento Elétrico Hidráulico Pneumático Conexão Direta Indireta

7 Sensores Encoder: existem dois tipos de encoders. O encoder absoluto, é constituído por um disco com círculos concêntricos, vistos nas figuras (a) e (b), nos quais existem sequências de setores transparentes e não transparentes. Já nos encoders incrementais, que são os mais usados já que são mais simples e baratos, apenas dois círculos com igual número de setores transparentes e não transparentes são impressos no disco do encoder.

8 Sensores Resolvers: são dispositivos que geram dois sinais de saída, um do seno da posição angular do eixo e outro do coseno. O ângulo do eixo é determinado pela magnitude relativa entre os dois sinais. Potenciômetro: conectados em configuração de ponte, eles produzem uma voltagem proporcional à posição do seu eixo. É mais limitado devido às não-linearidades, baixa resolução e alto nível de ruído. Tacômetros: fornecem tensão proporcional à velocidade, são muitas vezes utilizados para determinar a velocidade da junta. Na falta dos mesmos a velocidade pode ser calculada de diferenciação numérica das posições, o que pode introduzir ruídos no sistema, assim como atraso de tempo. Sensores de Força/Torque: fornecem informação sobre as forças e torques aplicados pelo efetuador no ambiente. Podem ser do tipo liga/desliga ou fornecer o valor da força ou torque aplicado.

9 Efetuadores É um termo geral para designar todos os dispositivos montados na extremidade do braço. Garra: tem como objetivo executar tarefas que são características da mão humana. Garra de dois dedos: é a mais comum. Pode ser de movimento paralelo ou de movimento rotacional (como um alicate). Garra de 3 dedos: possibilita agarrar objetos triangulares ou esféricos. Garras articuladas: se estendem e retraem através de cabos. Efetuador a vácuo: muito usado para transportar objetos com superfícies lisas Efetuador eletromagnético: usado para o transporte de objetos metálicos. Ferramentas diversas: pistola de spray utilizada na pintura de peças, os eletrodos utilizados para solda, a pistola utilizada na solda ponto-a-ponto, o maçarico utilizado na solda em arco, as brocas e as outras ferramentas de debastagem utilizadas no processo de usinagem, a parafusadeira, entre outras.

10 Classificação de Robôs Manipuladores Configuração articulada: chamada também de RRR.

11 Classificação de Robôs Manipuladores Configuração esférica: ou RRP.

12 Classificação de Robôs Manipuladores Configuração cilíndrica: ou RPP.

13 Classificação de Robôs Manipuladores Configuração cartesiana: ou PPP.

14 Classificação de Robôs Manipuladores Configuração SCARA: Selective Compliant Articulated Robot for Assembly.

15 O Robô Manipulador (x 2 ;y 2 ) (x 2 ;y 2 ) l 2 (x 1 ;y 1 ) l 2 (x 1 ;y 1 ) l 1 q 2 l 1 q 2 (0;0) q 1 (0;0) q 1

16 Sistema de Controle de Robôs Industriais Controlador é o dispositivo responsável por receber informações dos sensores, analisá-las em relação à sua tarefa e enviar comandos para os atuadores. Composto por hardware e software: Níveis de controle: - Controle do atuador - Controle de trajetória (ponto a ponto ou contínua) - Coordenação com o ambiente

17 Programação de um Robô Industrial Métodos de Ensino: quando, durante a programação, existe um movimento físico no braço do robô. Pode ser feito de duas maneiras: Teach-in: o robô é movimentado por controle remoto ou manualmente, e quando se atinge uma posição a mesma é salva. Robô Escravo: semelhante ao anterior, só que com um outro robô movendo aquele que está sendo programado Programação Off-line: o treinamento não envolve movimento físico do robô. A mais utilizada é a por coordenadas definidas pelo computador, na qual um conjunto de pontos é fornecido via conjunto de instruções. Programação Avançada: com um software avançado e computadores de alto desempenho, é possível realizar a modelagem do ambiente, na qual o sistema de controle tem capacidade suficiente para interpretar comandos e sensores, e executar pedidos do usuário como pegue a peça A e traga para local X.

Controle de Robôs Manipuladores. Prof. Valdir Grassi Junior sala 2986 (prédio antigo)

Controle de Robôs Manipuladores. Prof. Valdir Grassi Junior   sala 2986 (prédio antigo) Controle de Robôs Manipuladores Prof. Valdir Grassi Junior e-mail: vgrassi@usp.br sala 2986 (prédio antigo) Introdução Robôs Manipuladores O que são robôs manipuladores? Robôs Manipuladores Industriais

Leia mais

CAPÍTULO Robôs industriais. 2. Classificação dos robôs. industriais. 3. Sensores. 4. Acionamento e controle de robôs

CAPÍTULO Robôs industriais. 2. Classificação dos robôs. industriais. 3. Sensores. 4. Acionamento e controle de robôs CAPÍTULO 8 1. Robôs industriais 2. Classificação dos robôs industriais 3. Sensores 4. Acionamento e controle de robôs 5. Precisão e capacidade de repetição 6. Garras e ferramentas 1. Robôs industriais

Leia mais

Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação

Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação Winderson Eugenio dos Santos José Hamilton Chaves Gorgulho Jr Editora Erica Saraiva Conceitos e Tecnologias da Robótica Industrial

Leia mais

1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS

1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS 1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS 1.1 Introdução Um robô industrial é uma máquina com características significativas de versatilidade e flexibilidade. De acordo com uma definição do Instituto de Robôs

Leia mais

1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS MODELAGEM GEOMÉTRICA

1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS MODELAGEM GEOMÉTRICA 1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS MODELAGEM GEOMÉTRICA 1.1 Introdução Um robô industrial é uma máquina com características significativas de versatilidade e flexibilidade. De acordo com uma definição

Leia mais

Introdução Robôs Industriais

Introdução Robôs Industriais ROBÔS Introdução Os benefícios teóricos de utilizar robôs em uma indústria são numerosos e vai desde o aumento da produtividade, a melhoria e a consistência na qualidade final do produto (a qual também

Leia mais

ROBÓTICA (ROB74) AULA 1. INTRODUÇÃO A ROBÓTICA PROF.: Michael Klug

ROBÓTICA (ROB74) AULA 1. INTRODUÇÃO A ROBÓTICA PROF.: Michael Klug ROBÓTICA (ROB74) AULA 1 INTRODUÇÃO A ROBÓTICA PROF.: Michael Klug PROGRAMA Introdução a Robótica: Origens Componentes Aplicações Classificação Cinemática: Direta, Inversa, Diferencial (Jacobiano) Controle:

Leia mais

Elementos de Robótica

Elementos de Robótica Elementos de Robótica Prof. José Alberto Naves Cocota Júnior UFOP Escola de Minas Engenharia de Controle e Automação Engenharia Mecânica Introdução Nesta disciplina serão tratados o conceitos básicos de

Leia mais

Grande precisão (posicionamento do atuador final); Carga inercial (momento) fixa, ao longo da área de trabalho;

Grande precisão (posicionamento do atuador final); Carga inercial (momento) fixa, ao longo da área de trabalho; Tipos de robôs As diversas partes que compõem um manipulador industrial (robô) e que forma estudas até aqui - partes mecânicas, atuadores, sensores - podem ser montadas de diversas formas produzindo diferentes

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ELE228 Robótica A.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ELE228 Robótica A. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ELE228 Robótica A 1 Introdução Introdução Prof. Walter Fetter Lages 20 de março

Leia mais

Classificação. Classificação. Classificação. Classificação. Classificação 03/23/2016

Classificação. Classificação. Classificação. Classificação. Classificação 03/23/2016 Introdução à Robótica dos robôs Prof. Douglas G. Macharet douglas.macharet@dcc.ufmg.br Japanese Industrial Robot Association (JIRA) Class 1: Manual Handling Device Class 2: Fixed-Sequence Robot Class 3:

Leia mais

Efetuadores e Atuadores

Efetuadores e Atuadores elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Efetuadores e Atuadores Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Efetuadores: Tipos principais; Exemplos. Atuadores: Requisitos; Tipos principais:

Leia mais

Introdução. Walter Fetter Lages

Introdução. Walter Fetter Lages Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ENG10026 Robótica A Copyright (c)

Leia mais

Sistemas para Automação e Robótica (parte 02)

Sistemas para Automação e Robótica (parte 02) Sistemas para Automação e Robótica (parte 02) Anatomia dos Braços Mecânicos Industriais Configuração dos robôs Um braço mecânico é formado pela base, braço e punho. O braço (elo) e ligado a base e esta

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Anatomia dos Braços Mecânicos Industriais Configuraçãodos robôs Um braço mecânico é formado pelabase,braço epunho. Obraço e ligado abase e esta e fixada ao chão (parede). Obraço

Leia mais

Unidade 1 Introdução. 1.1 Robôs industriais

Unidade 1 Introdução. 1.1 Robôs industriais Unidade 1 Introdução O escritor checo Karel Čapek introduziu a palavra "Robô" em sua peça "R.U.R" (Rossuum's Universal Robots) en 1921. O termo "Robô" vem da palavra checa "robota", que significa "trabalho

Leia mais

Eduardo L. L. Cabral

Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Cadeia Cinemática Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Cadeia cinemática: Graus de liberdade; Exemplos de robôs com cadeias seriada e fechada.

Leia mais

Até 0.003 mm (0.1mm usualmente) Aceleração Até 25 m/s 2. A partir de 2 a 3 kg até limites ~ 350kg. Relação Peso/Carga Em torno de 30 a 40

Até 0.003 mm (0.1mm usualmente) Aceleração Até 25 m/s 2. A partir de 2 a 3 kg até limites ~ 350kg. Relação Peso/Carga Em torno de 30 a 40 Introdução à Robótica Industrial Prof. Dr. Carlo Pece Transparências adaptadas de material fornecido pelo prof. Winderson E. dos Santos Histórico Revolução Industrial Automação Karel Capek (1921) robota

Leia mais

Automação da Produção

Automação da Produção Robótica Industrial Automação Automação da Produção É uma tecnologia que faz uso de sistemas mecânicos, elétricos, eletrônicos e de computação (emprego de robôs) para efetuar o controle de processos produtivos.

Leia mais

Apresentação Robótica

Apresentação Robótica Apresentação Robótica Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/unipac.html alexvbh@gmail.com 1 Agenda Ementa Objetivos Conteúdo Programático Metodologia de Ensino

Leia mais

Robótica Industrial. Professor: José Alberto Naves Cocota Júnior. UNIP Campus Brasília Curso: Engenharia Elétrica (Eletrônica) Turmas: EE8P30 e EE9P30

Robótica Industrial. Professor: José Alberto Naves Cocota Júnior. UNIP Campus Brasília Curso: Engenharia Elétrica (Eletrônica) Turmas: EE8P30 e EE9P30 Robótica Industrial Professor: José Alberto Naves Cocota Júnior UNIP Campus Brasília Curso: Engenharia Elétrica (Eletrônica) Turmas: EE8P30 e EE9P30 Definição de Robô A origem da palavra: robota(checo)

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ROBÔ A palavra robô deriva-se da palavra eslava robota

DEFINIÇÃO DE ROBÔ A palavra robô deriva-se da palavra eslava robota DEFINIÇÃO DE ROBÔ A palavra robô deriva-se da palavra eslava robota, que significa trabalhador forçado. Foi usada pela primeira vez em 1921 pelo dramaturgo Karel Capek. Robotic Industries Association -

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Robótica Industrial Aula 5 - Componentes III Sensores Controlador / Eletrônica de Controle Software / Programação IHM Eletrônica de Potência Classificação dos Sensores

Leia mais

Estrutura e características gerais dos robôs. - Configuração básica de um robô - Articulações - Movimento e precisão

Estrutura e características gerais dos robôs. - Configuração básica de um robô - Articulações - Movimento e precisão Estrutura e características gerais dos robôs - Configuração básica de um robô - Articulações - Movimento e precisão Braço robótico industrial Anatomia dos braços mecânicos industriais O braço robótico

Leia mais

Definição Tipos de Robôs Exemplos Garras Aplicações Conceitos Importantes

Definição Tipos de Robôs Exemplos Garras Aplicações Conceitos Importantes ROBÔS INDUSTRIAIS. Definição Tipos de Robôs Exemplos Garras Aplicações Conceitos Importantes Definição Um robô industrial é uma máquina manipuladora, com vários graus de liberdade, controlada automaticamente,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Classificação de Robôs Pode-se classificar os robôs com base na aplicação pretendida: Industrial, Pesquisa, Militar, Segurança, Hobby ou Entretenimento,

Leia mais

Paulo Roberto Chiarolanza Vilela 1

Paulo Roberto Chiarolanza Vilela 1 Paulo Roberto Chiarolanza Vilela 1 AULA 03 Classificação de Robôs 2 Juntas Robóticas Tipos de Juntas Graus de Liberdade Classificação Exercício para entregar 3 Os eixos da base do corpo permitem mover

Leia mais

INTRODUÇÃO A ROBÓTICA. Prof. MSc. Luiz Carlos Branquinho Caixeta Ferreira

INTRODUÇÃO A ROBÓTICA. Prof. MSc. Luiz Carlos Branquinho Caixeta Ferreira INTRODUÇÃO A ROBÓTICA Prof. MSc. Luiz Carlos Branquinho Caixeta Ferreira Um Efetuador é um dispositivo do robô que exerce um efeito sobre o ambiente. Variam desde pernas e rodas até braços e dedos. O controlador

Leia mais

Primeiro Ano/Trimestre 2 Carga horária total: 135 h (Eletivas)

Primeiro Ano/Trimestre 2 Carga horária total: 135 h (Eletivas) Curso Técnico (Integrado/Concomitante/Subsequente) em Curso de (Engenharia, Tecnologia, Licenciatura) em Mestrado Profissional em Mecatrônica CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR Primeiro Ano/Trimestre

Leia mais

COMPONENTES DE UM SISTEMA ROBÓTICO

COMPONENTES DE UM SISTEMA ROBÓTICO COMPONENTES DE UM SISTEMA ROBÓTICO Introdução Um robô é um equipamento programável, multifuncional designado a mover partes, materiais, ferramentas utilizando movimentos programados. (Robotics Institute

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ROBÔ INDUSTRIAL

DEFINIÇÃO DE ROBÔ INDUSTRIAL DEFINIÇÃO DE ROBÔ INDUSTRIAL O termo robô deriva da palavra eslava robota, que significa trabalho forçado. Em 1921, o dramaturgo Karel Capek usou-a pela primeira vez, numa peça teatral, para referir-se

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM CONTROLADOR PARA UM ROBÔ COM SEIS GRAUS DE LIBERDADE. Palavras-chave: Robótica, Controladores, Automação Industrial

IMPLEMENTAÇÃO DE UM CONTROLADOR PARA UM ROBÔ COM SEIS GRAUS DE LIBERDADE. Palavras-chave: Robótica, Controladores, Automação Industrial IMPLEMENTAÇÃO DE UM CONTROLADOR PARA UM ROBÔ COM SEIS GRAUS DE LIBERDADE Fábio Luciano Demarchi Raul Guenther Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Mecânica, Laboratório de

Leia mais

Avaliação Datas Importantes Contato Bibliografia Recomendada Motivação. EESC-USP M. Becker /21

Avaliação Datas Importantes Contato Bibliografia Recomendada Motivação. EESC-USP M. Becker /21 SEM0317 Dinâmica e Controle de Sistemas Robóticos I Apresentação do Curso e Motivação Prof. Dr. Marcelo Becker M.Sc. Kelen C. T. Vivaldini SEM - EESC - USP Sumário da Aula Ementa Avaliação Datas Importantes

Leia mais

Seminário: Uso de Simuladores no Ensino da Robótica

Seminário: Uso de Simuladores no Ensino da Robótica 1 o SICGRAPI - Simpósio em Computação Gráfica e Processamento de Imagens LARVA LAboratório de Realidade Virtual Aplicada Seminário: Uso de Simuladores no Ensino da Robótica Conteúdo Introdução (~10 ) Demonstrações

Leia mais

A robótica abrange tecnologia de mecânica, eletrônica e computação. Alem disso, participam em menor grau teoria de controle, microeletrônica,

A robótica abrange tecnologia de mecânica, eletrônica e computação. Alem disso, participam em menor grau teoria de controle, microeletrônica, Fundamentos da tecnologia de robôs A robótica abrange tecnologia de mecânica, eletrônica e computação. Alem disso, participam em menor grau teoria de controle, microeletrônica, inteligência artificial,

Leia mais

ROBÓTICA CINEMÁTICA. Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial

ROBÓTICA CINEMÁTICA. Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial SP CAMPUS PIRACICABA ROBÓTICA Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial CINEMÁTICA https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

ROBÓTICA DENAVIT- HARTENBERG. Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial

ROBÓTICA DENAVIT- HARTENBERG. Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial SP CAMPUS PIRACICABA ROBÓTICA Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial DENAVIT- HARTENBERG https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS DE ROBÔS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS DE ROBÔS ASPECTOS CONSTRUTIVOS DE ROBÔS Tipos de robôs Classificação de robôs Definições importantes: O arranjo das hastes e juntas em um braço manipulador tem um importante efeito nos graus de liberdade da ferramenta

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

SEM5874: Mecânica de Corpos Rígidos

SEM5874: Mecânica de Corpos Rígidos SEM5874: Mecânica de Corpos Rígidos Introdução e Revisão de Álgebra Linear Prof. Dr. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Prédio da Mecatrônica

Leia mais

CAPÍTULO 03 CINEMÁTICA DIRETA DE POSIÇÃO. REPRESENTAÇÃO DE DENAVIT-HARTENBERG

CAPÍTULO 03 CINEMÁTICA DIRETA DE POSIÇÃO. REPRESENTAÇÃO DE DENAVIT-HARTENBERG Capítulo 3 - Cinemática Direta de Posição. Representação de Denavit-Hartenberg 27 CAPÍTULO 03 CINEMÁTICA DIRETA DE POSIÇÃO. REPRESENTAÇÃO DE DENAVIT-HARTENBERG 3.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo serão desenvolvidas

Leia mais

Robótica. Executores. Prof. Oswaldo Flório Filho Profª. Alice Flora Madeira Ribeiro Flório Prof. Wagner Toscano

Robótica. Executores. Prof. Oswaldo Flório Filho Profª. Alice Flora Madeira Ribeiro Flório Prof. Wagner Toscano Executores Conteúdo 1 Executores... 3 1.1 Espaço de trabalho... 6 1.2 Graus de Liberdade... 6 2 Tipos básicos de manipuladores... 8 2.1 Braço Mecânico Articulado... 8 2.2 Classificação dos robôs manipuladores

Leia mais

Gerações de Robôs 1ª Geração

Gerações de Robôs 1ª Geração ROBÓTICA 1 Gerações de Robôs 1ª Geração tarefas repetitivas e simples, sendo que alguns robôs realizavam as suas tarefas mediante um programa de computador de escassa complexidade sendo utilizados principalmente

Leia mais

Análise da Dinâmica Não Linear de um Braço Robótico

Análise da Dinâmica Não Linear de um Braço Robótico Trabalho apresentado no CNMAC, Gramado - RS, 2016. Proceeding Series of the Brazilian Society of Computational and Applied Mathematics Análise da Dinâmica Não Linear de um Braço Robótico Antropomórfico

Leia mais

ROBÓTICA CONCEITOS. Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial

ROBÓTICA CONCEITOS. Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial SP CAMPUS PIRACICABA ROBÓTICA Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial CONCEITOS Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino, 2017-1 https://giovanatangerino.wordpress.com

Leia mais

Aplicação de Robôs nas Indústrias

Aplicação de Robôs nas Indústrias Aplicação de Robôs nas Indústrias Teodiano Freire Bastos Filho Departamento de Engenharia Elétrica Universidade Federal do Espírito Santo Av. Fernando Ferrari, 514 29060-900 Vitoria (ES), Brasil 1. Introdução

Leia mais

Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação

Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação Winderson Eugenio dos Santos José Hamilton Chaves Gorgulho Jr Editora Erica Saraiva Servo Acionamento Elétrico nos Robôs Capítulo

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016 Robótica Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016 5 a Aula Pós Graduação - IECAT Objetivos desta aula Velocidade e Aceleração de corpo rígido. Matrizes de inércia. Bibliografia Capítulos 5

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 Robótica Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 2 a Aula Parte B Detalhando os objetivos Sensores Definições Classificação: Mecânicos. Elétricos. Magnéticos. Térmicos. Outros. Diversos

Leia mais

MANIPULADORES ROBÓTICOS INDUSTRIAIS

MANIPULADORES ROBÓTICOS INDUSTRIAIS MANIPULADORES ROBÓTICOS INDUSTRIAIS Paulo Victor Galvão Simplício 1 Beatriz Rêgo Lima 2 Janaína Accordi Junkes 3 Engenharia Mecatrônica ciências exatas e tecnológicas ISSN IMPRESSO 1980-1777 ISSN ELETRÔNICO

Leia mais

BRAÇO MECÂNICO 2.1. Introdução

BRAÇO MECÂNICO 2.1. Introdução BRAÇO MECÂNICO 2.1. Introdução No Capítulo 1 foi explicada a definição da palavra robô, apresentando um breve histórico da robótica e apresentada uma classificação particular dos diferentes tipos de robôs.

Leia mais

Robôs Industriais conceitos, classificação, aplicação e programação

Robôs Industriais conceitos, classificação, aplicação e programação ROBÔS INDUSTRIAIS. Definição Tipos de Robôs Exemplos Garras Aplicações Conceitos Importantes Definição Um robô industrial é uma máquina manipuladora, com vários graus de liberdade, controlada automaticamente,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO 1. Introdução 1 Capítulo 1 INTRODUÇÃO Este livro focaliza a mecânica, o controle e os sensores da forma mais importante dos robôs industriais, o braço robótico ou manipulador. O que exatamente constitui

Leia mais

Desenvolvimento de efetuadores para robô manipulador didático

Desenvolvimento de efetuadores para robô manipulador didático Desenvolvimento de efetuadores para robô manipulador didático Alexandre Menezes de Aguiar, Justino Medeiros, Andrea Bitencourt Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA. e-mail:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO ENGENHARIA ELÉTRICA / ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO ENGENHARIA ELÉTRICA / ELETRÔNICA UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO ENGENHARIA ELÉTRICA / ELETRÔNICA LABORATÓRIO VIRTUAL PARA SIMULAÇÃO E CONTROLE DO ROBÔ PUMA EM AMBIENTE MATLAB/ SIMULINK

Leia mais

Introdução à Robótica Industrial p. 1/25

Introdução à Robótica Industrial p. 1/25 Introdução à Robótica Industrial Adriano A. G. Siqueira Aula 5 Introdução à Robótica Industrial p. 1/25 Espaço das juntas e Espaço das posições e orientações Espaço das juntas: q = q 1 q 2. { q i = θ i,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MANIPULADOR ROBÓTICO INTELIGENTE

DESENVOLVIMENTO DE UM MANIPULADOR ROBÓTICO INTELIGENTE DESENVOLVIMENTO DE UM MANIPULADOR ROBÓTICO INTELIGENTE GABRIEL, A. T. 1 ; NOGUEIRA, R. G. 2 1. INTRODUÇÃO (justificativa e objetivos) O que motivou a elaboração deste projeto foi o desafio de construir

Leia mais

Atuadores em Robótica

Atuadores em Robótica Atuadores em Robótica Profa. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Atuadores Indicadores Em robótica muitas vezes é necessário sinalizar um acontecimento ou situação importante. Essa sinalização

Leia mais

Robótica. Linguagens de Programação para Robótica (manipuladores)

Robótica. Linguagens de Programação para Robótica (manipuladores) Linguagens de Programação para (manipuladores) -Orientados para o Robô -Tarefa descrita como sequência de movimentos -Ex: VAL (Puma), AL (IBM) -Orientada para as Tarefas (ou para os Objectos) -Descrição

Leia mais

1 ESCOLA POLITÉCNICA DA USP Sensores Eduardo L. L. Cabral ESCOLA POLITÉCNICA DA USP

1 ESCOLA POLITÉCNICA DA USP Sensores Eduardo L. L. Cabral ESCOLA POLITÉCNICA DA USP elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Sensores Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Sensores utilizados nos robôs industriais. Sensores internos; Sensores externos. Sensores de

Leia mais

Cinemática Inversa de Manipuladores

Cinemática Inversa de Manipuladores Cinemática Inversa de Manipuladores 1998Mario Campos 1 Introdução Cinemática Inversa Como calcular os valores das variáveis de junta que produzirão a posição e orientação desejadas do órgão terminal? 1998Mario

Leia mais

CONTROLE CINEMÁTICO DE UM ROBÔ ANTROPOMÓRFICO COM PUNHO ESFÉRICO

CONTROLE CINEMÁTICO DE UM ROBÔ ANTROPOMÓRFICO COM PUNHO ESFÉRICO CONTROLE CINEMÁTICO DE UM ROBÔ ANTROPOMÓRFICO COM PUNHO ESFÉRICO José Alberto Naves Cocota Júnior cocota@em.ufop.br Thiago D Angelo thiago.d.angelo@hotmail.com João Victor Oliveira eca.joaovictor@yahoo.com.br

Leia mais

Robótica. Índice. Cap. 1 Introdução. Cap. 2 Automação da produção História da robótica Automação

Robótica. Índice. Cap. 1 Introdução. Cap. 2 Automação da produção História da robótica Automação 3 Robótica Índice Cap. Introdução Cap. 2 Automação da produção 2. - História da robótica 2.2 - Automação Cap. 3 Fundamentos da Tecnologia de Robôs 3. - Nomenclatura 3.2 Anatomia dos braços mecânicos industriais

Leia mais

1) Em relação a figura abaixo relativa a um sistema de controle em malha fechada responda:

1) Em relação a figura abaixo relativa a um sistema de controle em malha fechada responda: 1) Em relação a figura abaixo relativa a um sistema de controle em malha fechada responda: 2 o motor Posição desejada da junta = 45 o Avalia o sinal de entrada e envia um sinal ao atuador ENCODER 43 o

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADE ACADÊMICA NOME

PLANO DE ATIVIDADE ACADÊMICA NOME ANO LETIVO Centro: CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS - CCE Departamento: FÍSICA 2016 CÓDIGO 2FIS068 PLANO DE ATIVIDADE ACADÊMICA NOME MECÂNICA GERAL CURSO FÍSICA 3ª SÉRIE CARGA HORÁRIA SEM. DE OFERTA HABILITAÇÃO(ÕES)

Leia mais

2 Fundamentos teóricos

2 Fundamentos teóricos 20 2 Fundamentos teóricos 2.1. Motores de passo Motores de passo são atuadores eletromecânicos incrementais não-lineares. Permitir um controle preciso de posição e velocidade, aliado a um baixo custo,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA. Professor HENRIQUE

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA. Professor HENRIQUE INTRODUÇÃO À ROBÓTICA Professor HENRIQUE CONTEÚDO Introdução à Robótica Industrial Classificação Modelos e Tipos Aplicação Atividade de Pesquisa: Transmissão de Força Definição; Elementos Constituintes;

Leia mais

Graus de Liberdade Cadeias Cinemáticas Exercícios Recomendados Bibliografia Recomendada. EESC-USP M. Becker /48

Graus de Liberdade Cadeias Cinemáticas Exercícios Recomendados Bibliografia Recomendada. EESC-USP M. Becker /48 SEM0104 - Aula 2 Graus de Liberdade em Cadeias Cinemáticas Prof. Dr. Marcelo Becker SEM - EESC - USP Sumário da Aula Introdução Graus de Liberdade Cadeias Cinemáticas Exercícios Recomendados Bibliografia

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E SISTEMAS DE CONTROLE - MECATRÔNICA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E SISTEMAS DE CONTROLE - MECATRÔNICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E SISTEMAS DE CONTROLE - MECATRÔNICA Motivação O setor industrial experimentou nas últimas duas décadas um extraordinário avanço devido ao aumento

Leia mais

Moussa Salem Simhon Engenheiro Industrial Mecânico FEI -PUC 1967 SP anos de Experiência em chão de fábrica

Moussa Salem Simhon Engenheiro Industrial Mecânico FEI -PUC 1967 SP anos de Experiência em chão de fábrica 1 Ética Profissional Como todas as profissões, a engenharia exige procedimento ético, conforme previsto no Código de Ética Profissional do Engenheiro, do Arquiteto e do Engenheiro Agrônomo. Estes procedimentos

Leia mais

Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação

Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação Robótica Industrial: Fundamentos, Tecnologias, Programação e Simulação Winderson Eugenio dos Santos José Hamilton Chaves Gorgulho Jr Editora Erica Saraiva Robôs Industriais Capítulo 1 Karel Capek (1921)

Leia mais

ESTUDO DE MÉTODOS PARA A SOLUÇÃO DA CINEMÁTICA INVERSA DE ROBÔS INDUSTRIAIS PARA IMPLEMENTAÇÃO COMPUTACIONAL

ESTUDO DE MÉTODOS PARA A SOLUÇÃO DA CINEMÁTICA INVERSA DE ROBÔS INDUSTRIAIS PARA IMPLEMENTAÇÃO COMPUTACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ESTUDO DE MÉTODOS PARA A SOLUÇÃO DA CINEMÁTICA INVERSA DE ROBÔS INDUSTRIAIS PARA IMPLEMENTAÇÃO COMPUTACIONAL DISSERTAÇÃO

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: CÁLCULO I DISCIPLINA: FÍSICA I Estudo do centro de Massa e Momento Linear. Estudo da Rotação. Estudo de Rolamento, Torque

Leia mais

Cap. 2 - Grau de Liberdade 28/07/2016. Mecanismos. 2-Grau de Liberdade. Prof. Jorge Luiz Erthal 28/07/

Cap. 2 - Grau de Liberdade 28/07/2016. Mecanismos. 2-Grau de Liberdade. Prof. Jorge Luiz Erthal 28/07/ Mecanismos 2-Grau de Liberdade Prof. Jorge Luiz Erthal jorgeerthal@gmail.com 28/07/2016 1 Conteúdo Mobilidade de um corpo Par cinemático Elo Cadeia cinemática Mecanismo Grafo de um mecanismo Grau de liberdade

Leia mais

MECANISMOS TM Mecanismos (Definição) Algumas definições do termo mecanismos:

MECANISMOS TM Mecanismos (Definição) Algumas definições do termo mecanismos: MECANISMOS TM. INTRODUÇÃO. Mecanismos (Definição) Algumas definições do termo mecanismos: Mabie e Reinholtz definem mecanismo como a parte do projeto de uma máquina relacionada com a cinemática e cinética

Leia mais

QUAIS FATORES BENEFICIARAM O DESENVOLVIMENTO DE ROBÔS INDUSTRIAIS?

QUAIS FATORES BENEFICIARAM O DESENVOLVIMENTO DE ROBÔS INDUSTRIAIS? QUAL A DEFINIÇÃO DE ROBÓTICA INDUSTRIAL? É o estudo, desenvolvimento e uso de sistemas manipuladores em aplicações industriais de manufatura em geral, com propósito único definido ou multipropósito, controlados

Leia mais

ROBÓTICA BRAÇO ROBÓTICO. Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial

ROBÓTICA BRAÇO ROBÓTICO. Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial SP CAMPUS PIRACICABA ROBÓTICA Prof a. Dra. GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO Tecnologia em Automação Industrial BRAÇO ROBÓTICO https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS DLB MAQCA 1893 SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS Este conjunto didático de equipamentos foi idealizado para possibilitar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA ROBÓTICA DO TIPO VENTOSA PARA UM ROBÔ GANTRY COM ACIONAMENTO PNEUMÁTICO 1

DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA ROBÓTICA DO TIPO VENTOSA PARA UM ROBÔ GANTRY COM ACIONAMENTO PNEUMÁTICO 1 DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA ROBÓTICA DO TIPO VENTOSA PARA UM ROBÔ GANTRY COM ACIONAMENTO PNEUMÁTICO 1 Andrei Fiegenbaum 2, Ivan Junior Mantovani 3, Felipe Oliveira Bueno 4, Antonio Carlos Valdiero 5.

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

SENSORES. Acelerômetro. Sensore de temperatura. Sensore de luminosidade. Chave de fim de curso. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro

SENSORES. Acelerômetro. Sensore de temperatura. Sensore de luminosidade. Chave de fim de curso. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro SENSORES São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e que transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 SENSORES Acelerômetro

Leia mais

UM ESTUDO EXPERIMENTAL SOBRE A DINÂMICA DE ROBÔS- MANIPULADORES DO TIPO SCARA

UM ESTUDO EXPERIMENTAL SOBRE A DINÂMICA DE ROBÔS- MANIPULADORES DO TIPO SCARA UM ESTUDO EXPERIMENTAL SOBRE A DINÂMICA DE ROBÔS- MANIPULADORES DO TIPO SCARA Alexandre Irigon Gervini Leonardo Alves De Paula e Silva Vagner Santos da Rosa Sebastião Cícero Pinheiro Gomes Fundação Universidade

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - Plano inclinado com sensores de adesão magnética e software - EQ801A.

Física Experimental - Mecânica - Plano inclinado com sensores de adesão magnética e software - EQ801A. Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

2 Equações do Sistema

2 Equações do Sistema 2 Equações do Sistema Este capítulo irá apresentar as equações usadas no estudo, mostrando passo a passo como foi feita a modelagem desse sistema. Uma maneira fácil de entender seu funcionamento é pensá-lo

Leia mais

hardware software software computador microcontrolador hardware sensores sistema de controle de malha fechada.

hardware software software computador microcontrolador hardware sensores sistema de controle de malha fechada. Sistema de Controle O sistema de controle de qualquer robô é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes sinais em uma ação ao qual foi programado.

Leia mais

Sistemas para Automação e

Sistemas para Automação e Sistemas para Automação e Robótica História da Robótica O precursor do termo robô (Groover, 1988) foi Karel Capek, novelista e escritor de uma peca teatral da Tchecoslovaquia, que usou pela primeira vez,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Habilitação

Leia mais

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 Cite 08 tipos

Leia mais

ROBÓTICA INDUSTRIAL. Engenharia Elétrica

ROBÓTICA INDUSTRIAL. Engenharia Elétrica ROBÓTICA INDUSTRIAL Prof Daniel Hasse Engenharia Elétrica SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP Índice Cap. Introdução Cap. 2 Automação da produção 2. - História da robótica 2.2 - Automação Cap. 3 Fundamentos da Tecnologia

Leia mais

CAPÍTULO 5. Considere-se uma matriz de rotação variante no tempo R = R(t). Tendo em vista a ortogonalidade de R, pode-se escrever

CAPÍTULO 5. Considere-se uma matriz de rotação variante no tempo R = R(t). Tendo em vista a ortogonalidade de R, pode-se escrever Capítulo 5 - Cinemática da Velocidade e da Aceleração. O Jacobiano do Manipulador 54 CAPÍTULO 5 CINEMÁTICA DA VELOCIDADE E DA ACELERAÇÃO O JACOBIANO DO MANIPULADOR 5.1 INTRODUÇÃO Nos capítulos anteriores

Leia mais

MANIPULAÇÃO E EQUIPAMENTOS

MANIPULAÇÃO E EQUIPAMENTOS MANIPULAÇÃO E EQUIPAMENTOS 10 Garras angulares GW Tipo... Fluido... Curso (± 1 )... Temperatura... Modelos... Momento total (apertura)... Momento total (fechamento)... Tempo de fechamento... Freqüência

Leia mais

Sistemas de manipulação

Sistemas de manipulação Sistemas de manipulação Você precisa de sistemas completos. Você quer reduzir a complexidade. Nós somos seu parceiro com soluções confiáveis. Sistemas de Manipulação da Festo: Versátil, Econômico, perfeitamente

Leia mais

CONTROLE DE SISTEMAS UNIDIMENSIONAIS

CONTROLE DE SISTEMAS UNIDIMENSIONAIS CONTROLE DE SISTEMAS UNIDIMENSIONAIS Luís A Bássora lbassora@terracombr Universidade Federal de São Carlos Departamento de Física Campus de São Carlos 13565-905 São Carlos - SP Moises L Moreira mluciomoreira@igcombr

Leia mais

Sistema de Controle Um sistema de controle é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes

Sistema de Controle Um sistema de controle é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes Sistema de Controle Um sistema de controle é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes sinais em uma ação ao qual foi programado. O software

Leia mais

equipamentos que pudessem substituí-lo durante a realização de determinadas tarefas. Seguindo

equipamentos que pudessem substituí-lo durante a realização de determinadas tarefas. Seguindo 5 2 Revisão Bibliográfica O desenvolvimento da robótica ocorreu em função da busca pelo homem em construir equipamentos que pudessem substituí-lo durante a realização de determinadas tarefas. Seguindo

Leia mais

Universidade Federal do Ceará UFC Departamento de Engenharia de Teleinformática Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Teleinformática

Universidade Federal do Ceará UFC Departamento de Engenharia de Teleinformática Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Teleinformática Universidade Federal do Ceará UFC Departamento de Engenharia de Teleinformática Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Teleinformática Phelipe Wesley de Oliveira ESTUDO COMPARATIVO DE TÉCNICAS DE CONTROLE

Leia mais

Funções para a Cinemática de Robôs

Funções para a Cinemática de Robôs Funções para a Cinemática de Robôs 19 de novembro de 2010 1 Tarefa funções Construir as no Scilab as seguintes funções: 1. Rot_x(theta) Recebe um ângulo θ e entrega a matriz de rotação x para o giro de

Leia mais