Rodrigo Rezende Gomes Avelino 1 Pedro Alexandre Henriques Luis 2 Márcia Medeiros 3 Vital Paulino Costa 4 RESUMO INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rodrigo Rezende Gomes Avelino 1 Pedro Alexandre Henriques Luis 2 Márcia Medeiros 3 Vital Paulino Costa 4 RESUMO INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 Influência da redução medicamentosa da pressão intra-ocular na medida da espessura da camada de fibras nervosas da retina de olhos hipertensos e glaucomatosos pela polarimetria de varredura a laser The influence of intraocular pressure reduction with medication on retinal nerve fiber layer thickness measurements obtained with scanning laser polarimetry in glaucomatous and hypertensive eyes Rodrigo Rezende Gomes Avelino 1 Pedro Alexandre Henriques Luis 2 Márcia Medeiros 3 Vital Paulino Costa 4 RESUMO Objetivo: Avaliar o efeito da redução da pressão intra-ocular (PIO) obtido com o uso de terapia medicamentosa na espessura da camada de fibras nervosas da retina medida pela polarimetria de varredura a laser (PVL) em pacientes glaucomatosos ou hipertensos oculares. Métodos: Trinta e sete olhos de 37 pacientes foram prospectivamente incluídos no estudo e avaliados com a PVL sem uso de medicação ocular hipotensora e num período entre 15 e 30 dias após a instituição de medicação ocular hipotensora, que resultou em redução da PIO de pelo menos 25%. Os parâmetros medidos pela PVL antes e após a redução da PIO foram comparados com o teste t de Student pareado. Resultados: A PIO média dos 37 pacientes diminuiu significativamente de 26,57±4,23 mmhg para 16,54±2,92 mmhg (p<0,05) após terapia medicamentosa. Não houve diferença estatisticamente significativa entre os valores dos 10 parâmetros do PVL medidos antes e após a administração de medicação ocular hipotensora (p>0,05). Conclusão: A redução da PIO com o uso de medicação ocular hipotensora não altera a medida da espessura da camada de fibras nervosas da retina pela PVL em pacientes com glaucoma ou hipertensão ocular. Descritores: Glaucoma; Pressão intra-ocular/quimioterapia; Fibras nervosas/patologia; Retina/patologia; Técnicas de diagnóstico oftalmológico; Lasers/uso diagnóstico 1 Pós-graduando e Médico assistente do Setor de Glaucoma do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - Campinas (SP) - Brasil. 2 Médico assistente da Universidade de Taubaté - (SP) - Brasil. 3 Fellow do Setor de Glaucoma do Hospital de Clínicas da UNICAMP - Campinas (SP) - Brasil. 4 Professor Livre Docente pela Faculdade de Medicina de Universidade de São Paulo - USP - São Paulo (SP) - Brasil, Chefe do Setor de Glaucoma do Hospital de Clínicas da UNICAMP - Campinas (SP) - Brasil. Endereço para correspondência: Rodrigo Rezende Gomes Avelino. Rua Dr. Paulo Castro Pupo Nogueira, 21 - Campinas (SP) CEP Recebido para publicação em Última versão recebida Aprovação em INTRODUÇÃO O glaucoma é uma neuropatia óptica crônica progressiva, caracterizada por alterações típicas do disco óptico e da retina com repercussões características no campo visual (1). A perda de fibras nervosas da retina precede as alterações de campo visual. Existem evidências de que aproximadamente 35-50% das fibras nervosas da retina podem ser perdidas em um olho glaucomatoso com perimetria acromática ainda normal (2). No entanto, a avaliação clínica do disco óptico e da camada de fibras nervosas da retina (CFNR) é qualitativa e subjetiva, com grande variabilidade intra e inter-observador (3-4). Por esse motivo, novos métodos objetivos foram desenvolvidos para permitir a avaliação quantitativa do disco óptico e da CFNR. Como o dano ao disco óptico e à CFNR precede a lesão de campo visual, estes métodos

2 656 Influência da redução medicamentosa da pressão intra-ocular na medida da espessura da camada de fibras nervosas podem ajudar o oftalmologista no diagnóstico precoce e monitoramento do glaucoma. A PVL (GDx - Nerve Fiber Analyzer; Laser Diagnostic Technologies, San Diego, EUA) é um desses métodos. O GDx usa a tecnologia de varredura a laser acoplado a um modulador de polarização. Baseia-se na propriedade birrefringente da CFNR, que gera um retardo em um feixe de laser polarizado quando este a atravessa. Este retardo é proporcional à espessura da CFNR (5). O GDx pode ser usado tanto no diagnóstico do glaucoma inicial (6), quanto para detectar e quantificar progressão, mesmo que esta não seja evidente com a perimetria (7). A terapia atual do glaucoma para impedir a progressão da doença consiste em reduzir a PIO por meio de medicações, laser ou cirurgia (8). No entanto, existem diversos estudos mostrando que a diminuição da PIO pode provocar alterações na topografia do disco óptico medida com o oftalmoscópio confocal de varredura a laser, mesmo quando esta redução é obtida com tratamento medicamentoso (9). Do ponto de vista prático, isto representa uma importante limitação para a análise de progressão do dano glaucomatoso por meio desta tecnologia. Por outro lado, não existem na literatura estudos que avaliem a repercussão da queda da PIO obtida com medicação sobre as medidas da CFNR obtidas com o PVL. O objetivo deste estudo é avaliar o efeito da redução da PIO obtido com o uso de terapia medicamentosa na espessura da CFNR medida pelo PVL em pacientes glaucomatosos ou hipertensos oculares. MÉTODOS Foram prospectivamente incluídos no estudo pacientes com glaucoma ou hipertensão ocular seguidos no Serviço de Glaucoma do Hospital de Clínicas da Unicamp. Um olho de cada paciente foi selecionado aleatoriamente para o estudo quando ambos os olhos respeitavam os critérios de inclusão e exclusão. Para inclusão no estudo, os pacientes deveriam satisfazer os seguintes critérios: a) Hipertensos oculares: PIO 24 mmhg sem medicação às 10 horas, sem anormalidade de disco óptico ou de campo visual. Definiu-se como campo visual normal aquele com GHT normal, valores de MD e CPSD presentes em mais de 95% da população normal; b) Glaucoma: PIO 21 mmhg sem medicação às 10 horas, com anormalidade de disco óptico característica de glaucoma. Definiu-se como anormalidade de disco óptico a presença de pelo menos duas das seguintes alterações: escavação vertical > 0,7, chanfradura do disco óptico, hemorragia peripapilar, escavação nasal, assimetria de escavação > 0,2 e desnudamento do vaso circunlinear. Pacientes com qualquer das seguintes características foram excluídos: a) idade inferior a 18 anos ou superior a 80; b) acuidade visual 20/40; c) presença de alterações corneanas tais como edema, opacidades, irregularidades ou transplante de córnea; d) qualquer anormalidade que impedisse a realização da tonometria; e) vigência de uveíte anterior; f) catarata nuclear 3 na escala de opacidade nuclear ou catarata cortical 2 na escala de opacidade cortical ou catarata subcapsular 0,5 na escala de subcapsular posterior (LOCS III) (10) ; g) opacidades vítreas; h) atrofia peripapilar; i) presença de alteração retiniana que pudesse influir nas medidas do LCP; j) incapacidade de manter a fixação ou de colaborar com o exame; k) miopia superior a 5,00DE, hipermetropia superior a 3,00DE ou astigmatismo superior a 2,50DC; l) impossibilidade de comparecer aos retornos nos prazos estabelecidos. Os pacientes foram informados sobre o teor do estudo, aceitaram participar e assinaram o termo de consentimento. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Faculdade Ciências Médicas da Unicamp. Os pacientes foram submetidos à entrevista a fim de relatarem história ocular, tratamento prévio para glaucoma, uso de medicação ocular ou sistêmica, antecedente de doenças oculares ou sistêmicas e antecedente familiar de glaucoma em parentes de até 3º grau. O exame oftalmológico constituiu-se de avaliação da acuidade visual com a tabela de Snellen, refração dinâmica subjetiva, tonometria de aplanação com tonômetro de Goldmann, gonioscopia com lente de Posner, biomicroscopia de segmento anterior e biomicroscopia de fundo de olho sob midríase com lente 66D. Os pacientes foram então submetidos à perimetria computadorizada com perímetro Humphrey (programa 24-2, estratégia SITA ou Full Threshold) e avaliação com PVL. O exame com PVL foi realizado com o paciente sentado e com a cabeça ereta. As luzes ambientes permaneceram acesas. Não foram obtidas imagens de olhos com pupilas dilatadas. Uma imagem média formada a partir de 3 imagens de boa qualidade foi utilizada para análise dos parâmetros do PVL. Cada imagem resultante consiste de 256X256 pixels, com cada pixel correspondendo ao valor de retardo na sua localização. As imagens obtidas com o PVL são divididas em quadrantes, assim definidos: temporal ( ), superior ( ), nasal ( ), e inferior ( ) (11). Os parâmetros do PVL avaliados foram: integral polar total, integral superior, integral temporal, integral inferior, integral nasal, média polar total, média superior, média temporal, média inferior e média nasal. Todos estes parâmetros são medidos numa elipse de 10 pixels de largura e que se situa a 1,75 diâmetros de disco da margem do disco óptico. Após realização dos exames, prescreveu-se uma medicação ocular hipotensora, a critério do oftalmologista. Num período que variou entre 2 semanas e um mês após a introdução da medicação, o paciente retornou para reavaliação. Se a PIO medida às 10 horas (± 1 hora) apresentasse redução de pelo menos 25% em relação ao valor inicial, o paciente era submetido à nova avaliação com PVL. Em caso negativo, a medicação inicial era substituída ou uma segunda medicação era prescrita. O paciente retornava, então, dentro de uma semana a um mês para nova avaliação da PIO. Em caso de queda superior ou igual a 25% em relação ao valor sem medicação, uma nova avaliação com PVL era realizada. As variações dos parâmetros do PVL e da PIO após uso de medicação ocular hipotensora foram analisadas com o teste t de Student pareado. Valores de p<0,05 foram considerados estatisticamente significantes.

3 Influência da redução medicamentosa da pressão intra-ocular na medida da espessura da camada de fibras nervosas 657 RESULTADOS Dos 43 pacientes inicialmente selecionados, dois (4%) não compareceram à segunda consulta. Quarenta e um (96%) completaram as avaliações, dos quais 37 apresentaram diminuição da PIO de pelo menos 25% em relação ao valor basal. Assim, para efeito de análise estatística, foram considerados somente os 37 olhos de 37 pacientes que completaram a segunda avaliação e que apresentaram diminuição da PIO de pelo menos 25%. Destes, 24 (65%) eram do sexo feminino e 13 (35%) do sexo masculino. A média de idade foi 56,7±13,8 anos (variando entre 21 e 80 anos). Foram incluídos 24 olhos direitos e 13 olhos esquerdos. Dos 37 pacientes incluídos, 15 (40%) apresentavam glaucoma e 22 (60%) apresentavam hipertensão ocular. Entre os olhos incluídos no estudo, 31 (83%) apresentavam campo visual com MD > - 6 db, 4 (11%) mostravam MD entre -6 e -15 db e 1 (6%) apresentava MD< -15 db. Um paciente não foi capaz de realizar exames confiáveis após repetidas tentativas. A administração de medicação ocular hipotensora diminuiu significativamente a PIO de 26,57±4,23 mmhg (variando de 21 a 38 mmhg) para 16,54±2,92 mmhg (variando de 12 a 24 mmhg) (p=0,009), o que representou uma redução média de PIO de 37,80%. Em 31 pacientes (84%), uma medicação foi suficiente para produzir queda de 25% da PIO em relação ao valor inicial. Em 6 pacientes (16%), mais de uma medicação foi necessária para produzir queda de 25% da PIO em relação ao valor inicial. Dos 37 pacientes incluídos no estudo, 27 (73%) receberam somente análogos das prostaglandinas, 2 (5%) receberam somente betabloqueadores, 5 (14%) receberam associação fixa de análogo das prostaglandinas com betabloqueador e 3 (8%) receberam betabloqueador mais análogo das prostaglandina em medicações separadas. A tabela 1 revela que não houve diferença estatisticamente significativa entre os parâmetros do PVL medidos antes e após a administração de medicação ocular hipotensora (p>0,05). DISCUSSÃO Como mencionado anteriormente, a avaliação topográfica do disco óptico e a análise da espessura da CFNR podem ser úteis no diagnóstico e no monitoramento de pacientes glaucomatosos. No entanto, é importante que estes exames não sofram influência de modificações da PIO, único parâmetro tratável em pacientes com glaucoma. Vários estudos sugerem que reduções da PIO após trabeculectomia resultam em alterações significativas dos parâmetros do disco óptico medidos com o HRT ou outros aparelhos que avaliam a topografia do disco óptico. Foi realizada avaliação com a tomografia de varredura a laser (TVL) de 10 olhos de nove pacientes com glaucoma 3,7 meses após cirurgia filtrante e oito olhos de sete pacientes após 13,1 meses. Após 12,1 meses, uma redução da PIO de mais de 30% foi obtida em seis dos oito olhos, enquanto dois olhos obtiveram uma redução de menos de 15% apesar da introdução de medicação. Nos seis olhos com redução maior da PIO, o volume da escavação do disco óptico mostrou uma diminuição de mais de 30%, enquanto nos dois olhos sem uma redução significativa da PIO houve um leve aumento do volume da escavação (12). Vinte e dois pacientes com vários tipos de glaucoma foram avaliados com a PVL antes e após a trabeculectomia. Todos os parâmetros examinados, exceto o volume da escavação, mostraram mudanças estatisticamente significantes após a cirurgia quando comparados aos valores pré-cirúrgicos. O aumento do volume da rima foi o parâmetro que mostrou modificação mais marcante, principalmente nos olhos com PIO pós-operatória menor do que 15 mmhg (13). Imagens obtidas com o oftalmoscópio de varredura a laser (HRT) do olho de um paciente durante crise de glaucoma agudo (PIO máxima=60 mmhg) e após resolução da mesma (PIO= 18 mmhg) num período de 24 horas, mostraram que após diminuição da PIO, houve redução significativa da área da escavação, volume da escavação, profundidade média da escavação, e profundidade máxima da escavação, e um aumento significativo da área da rima e da razão escavação/rima (14). Numa avaliação com o HRT 13 olhos de 13 pacientes glaucomatosos, nos quais houve uma redução de 25% ou mais na PIO dois meses pós-trabeculectomia, a razão escavação/área do disco reduziu significativamente, enquanto a área da rima e Tabela 1. Parâmetros da PVL antes e após redução da PIO Pré-medicação hipotensora Pós-medicação hipotensora Porcentagem de variação (média ± desvio padrão) (média ± desvio padrão) do parâmetro (%) P Integral polar total (mm²) 0,611±00,135 0,603±00,127-1,36 0,8013 Integral superior (mm²) 0,222±00,055 0,218±00,051-1,91 0,8680 Integral temporal (mm²) 0,059±00,017 0,058±00,016-2,33 0,8500 Integral inferior (mm²) 0,236±00,053 0,235±00,052-0,23 0,9146 Integral nasal (mm²) 0,094±00,024 0,092±00,022-2,52 0,7713 Média polar total (µm) 64,578±13,035 64,576±13,940 0,00 0,9638 Média superior (µm) 71,143±16,066 69,684±16,301-2,05 0,7620 Média temporal (µm) 44,443±13,555 44,865±13,371 0,95 0,9517 Média inferior (µm) 74,641±16,295 74,522±17,843-0,16 0,9411 Média nasal (µm) 50,924±12,176 51,005±11,836 0,16 0,9939

4 658 Influência da redução medicamentosa da pressão intra-ocular na medida da espessura da camada de fibras nervosas o volume mostraram aumentos significativos. A área da rima neural, especialmente nas regiões súpero-temporal e ínferotemporal, mostrou aumento significativo. A diminuição na profundidade da escavação máxima correlacionou-se significativamente com a diminuição da PIO (15). Vinte e um pacientes glaucomatosos submetidos à trabeculectomia foram avaliados com o HRT. Análise quantitativa do disco óptico e perimetria computadorizada foram realizadas antes e após a cirurgia. Dezessete pacientes tiveram imagens pré e pós-operatórias válidas para análise. Onze dos 13 pacientes que tiveram uma redução da PIO de mais de 40% mostraram melhora nos parâmetros do disco óptico. Todos os quatro pacientes com uma redução da PIO menor que 25% mostraram piora na maioria dos parâmetros. Mudanças nos parâmetros do disco óptico foram altamente correlacionados com o percentual de redução da PIO e com a idade (16). Noventa e cinco pacientes submetidos à trabeculectomia foram avaliados com o HRT. As imagens foram obtidas no préoperatório e 3 meses, 1 ano e 2 anos após a cirurgia. Constatou-se um aumento significativo da área e do volume da rima 2 anos após a cirurgia (17). Numa outra avaliação com o HRT de 25 olhos de 25 pacientes submetidos à trabeculectomia com imagens obtidas no pré-operatório e 2 semanas, 4 meses e 8 meses após a cirurgia, houve alterações no disco óptico detectadas 2 semanas após cirurgia, mas que não persistiram após 4 e 8 meses em olhos com glaucoma avançado, com exceção da forma da escavação (18). Outros estudos sugerem que reduções da PIO obtidas com tratamento medicamentoso também resultam em variação significativa das medidas da topografia do disco óptico. Dezessete adultos com glaucoma primário de ângulo aberto foram avaliados com o analisador de disco óptico de Rodenstock. As análises foram feitas em três momentos: a) com a PIO mais baixa na vigência de terapia (PIO 20,4±2,5 mmhg); b) após elevação da PIO por falência terapêutica ou não adesão ao tratamento (PIO 31,1±5,9 mmhg); c) após redução da PIO com terapia medicamentosa bem sucedida (PIO 19,3±4,8 mmhg). A escavação do disco óptico aumentou significativamente após aumento da PIO e voltou ao padrão basal após redução consistente da PIO (19). Vinte e nove pacientes com glaucoma ou hipertensão ocular foram avaliados com o HRT antes e após a administração de latanoprost. Nenhum parâmetro mudou significativamente após a redução da PIO (20). No entanto, considerando-se somente os pacientes nos quais houve uma redução da PIO de mais de 25%, quatro parâmetros mudaram significativamente: área da escavação, volume da escavação e razão escavação/ disco diminuíram, enquanto a área da rima aumentou. De maneira geral, os estudos descritos acima revelam, como resultado da diminuição da PIO, redução do volume e área de escavação e aumento do volume de rima. Estas modificações são compatíveis com um deslocamento anterior da lâmina crivosa pós-redução da PIO, que resulta em alteração dos parâmetros avaliados. Poucos estudos avaliaram as alterações das medidas da espessura da CFNR após redução da PIO em pacientes glaucomatosos. Numa avaliação com a PVL de 46 olhos de 46 pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto, nos quais a PIO foi reduzida em mais de 30% pós-trabeculectomia, as imagens foram obtidas no pré-operatório e 3 e 6 meses após o procedimento cirúrgico. A espessura da CFNR nas regiões súpero-temporal e ínfero-temporal foi significativamente maior no pós-operatório do que no pré, principalmente nos casos de glaucoma inicial com MD não muito diminuído (21). Não há, no entanto, estudos que avaliem os efeitos da redução da PIO obtida com tratamento medicamentoso sobre as medidas do PVL. Ao contrário do estudo citado anteriormente no qual a PIO foi reduzida cirurgicamente, não observamos alterações dos parâmetros do PVL após redução de 38% da PIO. De maneira semelhante ao estudo supracitado, a maioria dos pacientes apresentava MD> -6dB. Portanto, não podemos justificar a ausência de modificações na CFNR pela inclusão de casos preponderantemente severos, nos quais a possibilidade de alterações na CFNR é limitada pela escassez de fibras. No entanto, nossa casuística incluiu pacientes hipertensos oculares e glaucomatosos, ao contrário do estudo supracitado, que incluiu apenas pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto. Outra hipótese, menos provável, é de que os efeitos da diminuição da PIO ocorram após certo período de tempo. No nosso estudo, as imagens foram obtidas logo após a redução da PIO (entre 15 e 45 dias), um intervalo pequeno quando comparado ao outro estudo, que realizou novo exame 3 a 6 meses após a cirurgia. No entanto, a hipótese mais provável que justifica as diferenças entre os dois estudos está relacionada aos níveis de PIO obtidos com o tratamento medicamentoso (16,54±2,92 mmhg no nosso estudo) e cirúrgico (10,2±3,7 mmhg no outro estudo (21). Assim, concluímos que a redução da PIO com o uso de medicação ocular hipotensora não altera a medida da espessura da CFNR pela PVL em pacientes com glaucoma ou hipertensão ocular. Isto sugere que esta tecnologia possa ser empregada no acompanhamento de pacientes com glaucoma ou hipertensão ocular mesmo após redução da PIO obtida com medicamentos. ABSTRACT Purpose: To evaluate changes in retinal nerve fiber layer thickness as measured by scanning laser polarimetry (SLP) after the use of medication to reduce intraocular pressure (IOP) in glaucomatous or ocular hypertensive patients. Methods: The authors prospectively enrolled 37 eyes of 37 patients in whom IOP was reduced by more than 25% after the use of medication. The images were obtained before and 15 to 30 days after the introduction of medication. The SLP parameters measured before and after the use of medication were compared using paired Student s t Test. Results: The mean IOP was significantly reduced from 26.57±4.23 mmhg to 16.54

5 Influência da redução medicamentosa da pressão intra-ocular na medida da espessura da camada de fibras nervosas 659 ±2.92 mmhg after the use of medication (p<0.05). None of the 10 SLP analyzed parameters was significantly affected by the reduction of IOP with medication (p>0.05). Conclusion: The retinal nerve fiber layer thickness, as measured by SLP, is not affected by the reduction of IOP with medication in patients with glaucoma or ocular hypertension. Keywords: Glaucoma; Intraocular pressure/drug therapy; Nerve fibers/pathology; Retina/pathology; Diagnostic techniques, ophthalmological; Lasers/diagnostic use REFERÊNCIAS 1. Glaucoma Primário de Ângulo Aberto: 1º Consenso da Sociedade Brasileira de Glaucoma. São Paulo: BG Cultural; v.1. 54p. 2. Quigley HA, Addicks EM, Green WR. Optic nerve damage in human glaucoma. III. Quantitative correlation of nerve fiber loss and visual field defect in glaucoma, ischemic neuropathy, papilledema, and toxic neuropathy. Arch Ophthalmol. 1982;100(1): Kahn HA, Leibowitz H, Ganley JP, Kini M, Colton T, Nickerson R, Dawber TR. Randomized controlled clinical trial. National Eye Institute workshop for ophthalmologists. Standardizing diagnostic procedures. Am J Ophthalmol. 1975;79(5): Lichter PR. Variability of expert observers in evaluating the optic disc. Trans Am Ophthalmol Soc. 1976;74: Weinreb RN, Dreher AW, Coleman A, Quigley H, Shaw B Reiter K. Histopathologic validation of Fourier-ellipsometry measurements of optic nerve topography in glaucoma. Invest Ophthalmol Vis Sci 1998;29: Kamal DS, Bunce C, Hitchings RA. Use of the GDx to detect differences in retinal nerve fibre layer thickness between normal, ocular hypertensive and early glaucomatous eyes. Eye. 2000;14(Pt 3A): Hollo G, Szabo A, Vargha P. Scanning laser polarimetry versus frequency - doubling perimetry and conventional threshold perimetry: changes during a 12- month follow-up in preperimetric glaucoma. A pilot study. Acta Ophthalmol Scand. 2001;79(4): Tezel G, Siegmund KD, Trinkaus K, Wax MB, Kass MA, Kolker AE. Clinical factors associated with progression of glaucomatous optic disc damage in treated patients. Arch Ophthalmol. 2001;119(6): Bowd C, Weinreb RN, Lee B, Emdadi A, Zangwill LM. Optic disk topography after medical treatment to reduce intraocular pressure. Am J Ophthalmol. 2000;130(3): Chylack LT Jr, Wolfe JK, Singer DM, Leske MC, Bullimore MA, Bailey IL, et al. The Lens Opacities Classification System III. The Longitudinal Study of Cataract Study Group. Arch Ophthalmol. 1993;111(6): Zangwill LM, Bowd C, Berry CC, Williams J, Blumenthal EZ, Sanchez- Galeana CA, et al. Discriminating between normal and glaucomatous eyes using the Heidelberg Retina Tomograph, GDx Nerve Fiber Analyzer, and Optical Coherence Tomograph. Arch Ophthalmol. 2001;119(7): Raitta C, Tomita G, Vesti E, Harju M, Nakao H. Optic disc topography before and after trabeculectomy in advanced glaucoma. Ophthalmic Surg Lasers. 1996; 27(5): Yoshikawa K, Inoue Y. Changes in optic disc parameters after intraocular pressure reduction in adult glaucoma patients. Jpn J Ophthalmol. 1999;43(3): Lee BL, Zangwill L, Weinreb RB. Change in optic disc topography associated with diurnal variation in intraocular pressure. J Glaucoma. 1999;8(3): Park KH, Kim DM, Youn DH. Short-term change of optic nerve head topography after trabeculectomy in adult glaucoma patients as measured by Heidelberg retina tomograph. Korean J Ophthalmol. 1997;11(1): Lesk MR, Spaeth GL, Azuara-Blanco A, Araujo SV, Katz LJ, Terebuh AK, et al. Reversal of optic disc cupping after glaucoma surgery analyzed with a scanning laser tomograph. Ophthalmology. 1999;106(5): Kotecha A, Siriwardena D, Fitzke FW, Hitchings RA, Khaw PT. Optic disc changes following trabeculectomy: longitudinal and localization of change. Br J Ophthalmol. 2001;85(8): Topouzis F, Peng F, Kotas-Neumann R, Garcia R, Sanguinet J, Yu F, Coleman AL. Longitudinal changes in the optic disc topography of adult patients after trabeculectomy. Ophthalmology. 1999;106(6): Parrow KA, Shin DH, Tsai CS, Hong YJ, Juzych MS, Shi DX. Intraocular pressure-dependent dynamic changes of optic disc cupping in adult glaucoma patients. Ophthalmology. 1992;99(1): Bowd C, Weinreb RN, Lee B, Emdadi A, Zangwill LM. Optic disk topography after medical treatment to reduce intraocular pressure. Am J Ophthalmol. 2000;130(3): Yamada N, Tomita G, Yamamoto T, Kitazawa Y. Changes in the nerve fiber layer thickness following a reduction of intraocular pressure after trabeculectomy. J Glaucoma. 2000;9(5):371-5.

GLAUCOMA PRIMÁRIO DE ÂNGULO ABERTO (GPAA)

GLAUCOMA PRIMÁRIO DE ÂNGULO ABERTO (GPAA) Prof. F. Falcão dos Reis 2006 DEFINIÇÃO Um suspeito de glaucoma é um indivíduo com achados físicos e/ou uma constelação de factores de risco que indicam uma probabilidade elevada de desenvolver Glaucoma

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESPESSURA DA CAMADA DE FIBRAS NERVOSAS DA RETINA APÓS A TRABECULECTOMIA

AVALIAÇÃO DA ESPESSURA DA CAMADA DE FIBRAS NERVOSAS DA RETINA APÓS A TRABECULECTOMIA Nikias Alves da Silva AVALIAÇÃO DA ESPESSURA DA CAMADA DE FIBRAS NERVOSAS DA RETINA APÓS A TRABECULECTOMIA Orientador: Prof. Dr. Sebastião Cronemberger Faculdade de Medicina Universidade Federal de Minas

Leia mais

Dr. Marcelo Palis Ventura. Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi. Volume 1. Conceito e Diagnóstico. Volume 2. Exames complementares

Dr. Marcelo Palis Ventura. Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi. Volume 1. Conceito e Diagnóstico. Volume 2. Exames complementares Introdução Glaucoma pode ser definido como um grupo complexo de doenças caracterizadas pela degeneração progressiva das células ganglionares da retina e perda progressiva da visão, sendo a pressão ocular

Leia mais

Conselho Internacional de Oftalmologia. Instruções Clínicas Internacionais. Fechamento Angular Primário (Avaliação Inicial e Tratamento)

Conselho Internacional de Oftalmologia. Instruções Clínicas Internacionais. Fechamento Angular Primário (Avaliação Inicial e Tratamento) Abril de 2007 Conselho Internacional de Oftalmologia Instruções Clínicas Internacionais Fechamento Angular Primário (Avaliação Inicial e Tratamento) (Classificações: A: importantíssimo, B: importância

Leia mais

Detection of retinal nerve fiber layer changes in ocular hypertension with scanning laser polarimetry before the appearance of perimetric defects

Detection of retinal nerve fiber layer changes in ocular hypertension with scanning laser polarimetry before the appearance of perimetric defects Detecção de alterações na camada de fibras nervosas da retina por meio do laser confocal polarizado em hipertensão ocular antes do surgimento de defeitos perimétricos Detection of retinal nerve fiber layer

Leia mais

1 a 2 % Introdução. Panorama Mundial. A prevalência do glaucoma no mundo é de aproximadamente

1 a 2 % Introdução. Panorama Mundial. A prevalência do glaucoma no mundo é de aproximadamente Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi Volume 1. Conceito e Diagnóstico Volume 2. Exames complementares Volume 3. Tratamento clínico Volume 4. Tratamento cirúrgico Introdução O glaucoma é uma

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário de evidências e recomendações para o uso de tomografia de coerência óptica em pacientes com glaucoma Porto Alegre,

Leia mais

Reprodutibilidade do exame de medida da camada de fibras nervosas da retina por meio da polarimetria de varredura a laser

Reprodutibilidade do exame de medida da camada de fibras nervosas da retina por meio da polarimetria de varredura a laser Reprodutibilidade do exame de medida da camada de fibras nervosas da retina por meio da polarimetria de varredura a laser Reproducibility of retinal nerve fiber layer measurement by scanning laser polarimetry

Leia mais

Estudo comparativo do efeito do timolol, do betaxolol e do levobunolol sobre a curva diária de pressão intra-ocular de pacientes glaucomatosos

Estudo comparativo do efeito do timolol, do betaxolol e do levobunolol sobre a curva diária de pressão intra-ocular de pacientes glaucomatosos Estudo comparativo do efeito do timolol, do betaxolol e do levobunolol sobre a curva diária de pressão intra-ocular de pacientes glaucomatosos Comparative study of timolol, betaxolol and levobunolol by

Leia mais

Bruno Campelo Leal 1 Frederico Castelo Moura 2 Mário Luiz Ribeiro Monteiro 3 RESUMO

Bruno Campelo Leal 1 Frederico Castelo Moura 2 Mário Luiz Ribeiro Monteiro 3 RESUMO Comparação entre o polarímetro de varredura a laser, a tomografia de coerência óptica 1 e o Stratus-OCT na detecção da perda axonal da atrofia em banda do nervo óptico Comparison of scanning laser polarimetry,

Leia mais

Avaliação da reprodutibilidade das medidas da camada de fibras nervosas retiniana e da cabeça do nervo óptico pela tomografia de coerência óptica

Avaliação da reprodutibilidade das medidas da camada de fibras nervosas retiniana e da cabeça do nervo óptico pela tomografia de coerência óptica 280 ARTIGO Portes ORIGINAL AJF Avaliação da reprodutibilidade das medidas da camada de fibras nervosas retiniana e da cabeça do nervo óptico pela tomografia de coerência óptica Evaluation of the reproducibility

Leia mais

Medição da Pressão Intra-Ocular

Medição da Pressão Intra-Ocular Hospital Professor Doutor Fernando da Fonseca Internato Complementar de Oftalmologia Medição da Pressão Intra-Ocular Mário Ramalho Consulta de Glaucoma: Dr. Florindo Esperancinha; Dr. Paulo Kaku; Dr. Fernando

Leia mais

Correlação e correspondência topográfica entre espessura da camada de fibras nervosas da retina e campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto

Correlação e correspondência topográfica entre espessura da camada de fibras nervosas da retina e campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto Correlação e correspondência topográfica entre espessura da camada de fibras nervosas da retina e campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto Correlation and topographic match between nerve fiber

Leia mais

Utilização da tecnologia de freqüência duplicada em pacientes submetidos a "laser assisted in situ keratomileusis" (LASIK): Análise de custo-benefício

Utilização da tecnologia de freqüência duplicada em pacientes submetidos a laser assisted in situ keratomileusis (LASIK): Análise de custo-benefício Utilização da tecnologia de freqüência duplicada em pacientes submetidos a "laser assisted in situ keratomileusis" (LASIK): Análise de custo-benefício Frequency doubling technology in patients submitted

Leia mais

de 5 ml) Anexos - Relato detalhado do médico assistente. Obrigatórios - Formulários médico e farmacêutico, devidamente preenchidos

de 5 ml) Anexos - Relato detalhado do médico assistente. Obrigatórios - Formulários médico e farmacêutico, devidamente preenchidos GLAUCOMA Portaria SAS/MS n 1279 19/11/2013 CID 10 H40.1; H40.2; H40.3; H40.4; H40.5; H40.6; H40.8; Q15.0 Medicamento BIMATOPROSTA BRIMONIDINA BRINZOLAMIDA DORZOLAMIDA Apresentação 0,3 mg/ml solução 2,0

Leia mais

Óculos poderão detectar glaucoma antes do surgimento dos sintomas

Óculos poderão detectar glaucoma antes do surgimento dos sintomas Pesquisadores da Universidade Duke e da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e da National Chiao Tung, na China, desenvolveram uma tecnologia inédita de realidade virtual capaz de realizar o

Leia mais

Morfometria comparativa entre discos ópticos de familiares de glaucomatosos e normais pelo HRTII

Morfometria comparativa entre discos ópticos de familiares de glaucomatosos e normais pelo HRTII 8 ARTIGO ORIGINAL Morfometria comparativa entre discos ópticos de familiares de glaucomatosos e normais pelo HRTII Heidelberg retina tomograph comparative measurements in relatives of glaucomatous patients

Leia mais

Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas

Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas Intraocular pressure peaks: comparison between the circadian curve, diurnal

Leia mais

Eficácia da associação de métodos diagnósticos no rastreamento do glaucoma

Eficácia da associação de métodos diagnósticos no rastreamento do glaucoma Eficácia da associação de métodos diagnósticos no rastreamento do glaucoma Evaluation of test associations in glaucoma screening Roberta Martins da Silva Costa 1 Tonicarlo Rodrigues Velasco 2 Laudo Silva

Leia mais

Influência da postura na pressão intra-ocular e nos defeitos de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto e glaucoma de pressão normal

Influência da postura na pressão intra-ocular e nos defeitos de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto e glaucoma de pressão normal ARTIGO ORIGIAL19 Influência da postura na pressão intra-ocular e nos defeitos de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto e glaucoma de pressão normal Postural influence on intraocular pressure

Leia mais

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES A manutenção da saúde ocular está diretamente relacionada com os exames de rotina realizados por um médico oftalmologista, em

Leia mais

Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares

Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares Patrick Tzelikis 1, Fernando Trindade 1-2 e Leonardo Akaishi 3 1 Diretor de Cursos da Sociedade

Leia mais

Perimetria computadorizada e manual em pacientes com defeitos perimétricos temporais avançados causados por tumores supra-selares

Perimetria computadorizada e manual em pacientes com defeitos perimétricos temporais avançados causados por tumores supra-selares Perimetria computadorizada e manual em pacientes com defeitos perimétricos temporais avançados causados por tumores supra-selares Computerized and manual perimetry in patientes with severe temporal visual

Leia mais

EXTRAÇÃO DO CRISTALINO E GLAUCOMA

EXTRAÇÃO DO CRISTALINO E GLAUCOMA Capítulo 8 EXTRAÇÃO DO CRISTALINO E GLAUCOMA Coordenadores: Lisandro Massanori Sakata e Marcelo Palis Ventura Auxiliares: Bruno Pimentel de Figueiredo, Nikias Alves da Silva, Nubia Vanessa dos Anjos Lima

Leia mais

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Título: Associação da morfologia do edema macular e do status da membrana limitante externa com a acuidade visual na retinopatia diabética. Autores: Rosana Zacarias HANNOUCHE; Marcos Pereira de ÁVILA;

Leia mais

Ibopamina 2% vs. sobrecarga hídrica como teste provocativo para glaucoma

Ibopamina 2% vs. sobrecarga hídrica como teste provocativo para glaucoma Ibopamina 2% vs. sobrecarga hídrica como teste provocativo para glaucoma 2% ibopamine vs. water-drinking test as a provocative test for glaucoma Leopoldo Magacho 1 Ricardo Reis 2 Mara Agi Pigini 3 Marcos

Leia mais

Valor preditivo da topografia de disco óptico para o. desenvolvimento de glaucoma

Valor preditivo da topografia de disco óptico para o. desenvolvimento de glaucoma LUCIANA PEREIRA MALTA DE ALENCAR Valor preditivo da topografia de disco óptico para o desenvolvimento de glaucoma Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção do

Leia mais

RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO

RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO Artigo Original RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO ANTEROLATERAL THIGH AND RECTUS ABDOMINUS FLAPS IN LARGE TRIDIMENSIONAL HEAD

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença A Visão é um dos órgãos dos sentidos mais importantes Teve uma importância essencial no processo de desenvolvimento humano. A relação do homem com o mundo ganhou maior abrangência e segurança ao adquirir

Leia mais

Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos

Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos Adaptado do Terminology and Guidelines for Glaucoma II Edition European Glaucoma Society Artigo revisado pela Dra. Luciana Meirelles (Belo Horizonte MG) I. Ensaios Randomizados

Leia mais

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade A importância da consulta oftalmológica De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade cheia de apelos visuais, em que o contato com o mundo se faz inicialmente por

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Importância da perimetria manual cinética na avaliação de pacientes com glaucoma avançado

Importância da perimetria manual cinética na avaliação de pacientes com glaucoma avançado 32 ARTIGO ORIGINAL Importância da perimetria manual cinética na avaliação de pacientes com glaucoma avançado Manual kinetic perimetry value to monitor advanced glaucomatous patients Nadia Ajub Moysés 1,

Leia mais

Location and frequency of visual field defects as measured by SITA (Swedish Interactive Threshold Algorithm) strategy in primary open angle glaucoma

Location and frequency of visual field defects as measured by SITA (Swedish Interactive Threshold Algorithm) strategy in primary open angle glaucoma Localização e freqüência das alterações de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto na estratégia SITA Location and frequency of visual field defects as measured by SITA (Swedish Interactive

Leia mais

Análise da camada de fibras nervosas da retina em portadores de enxaqueca com aura

Análise da camada de fibras nervosas da retina em portadores de enxaqueca com aura Análise da camada de fibras nervosas da retina em portadores de enxaqueca com aura Retinal nerve fiber layer measurements in patients with migraine with aura Felipe Andrade Medeiros 1 Neuman C. Dantas

Leia mais

Prevalência de glaucoma identificada em campanha de detecção em São Paulo

Prevalência de glaucoma identificada em campanha de detecção em São Paulo Prevalência de glaucoma identificada em campanha de detecção em São Paulo Prevalence of glaucoma in a screening program in São Paulo Cristine Araújo Póvoa 1 Marcelo Teixeira Nicolela 2 Ana Letícia Siqueira

Leia mais

RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS

RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Introdução Estes são os pontos de referência para as diretrizes dos Padrões de Práticas Preferenciais (PPP) da Academia. A série

Leia mais

Ana Cláudia Matos 1 Cristiana Gaspar 1 Marisa Alexandra Duarte 1 Patrícia Alexandra Marques 1 Ilda Maria Poças 2 Carina Silva Fortes 2

Ana Cláudia Matos 1 Cristiana Gaspar 1 Marisa Alexandra Duarte 1 Patrícia Alexandra Marques 1 Ilda Maria Poças 2 Carina Silva Fortes 2 Ana Cláudia Matos 1 Cristiana Gaspar 1 Marisa Alexandra Duarte 1 Patrícia Alexandra Marques 1 Ilda Maria Poças 2 Carina Silva Fortes 2 1.Ortoptistas 2.Docentes da ESTeSL. Lisboa, Outubro de 2011 1 Introdução

Leia mais

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Conheça lesões e doenças que podem comprometer o sistema visual. São informações rápidas para melhor entendimento do que pode ser feito para preservar a sua visão.

Leia mais

Avaliação dos tipos de glaucoma no serviço de

Avaliação dos tipos de glaucoma no serviço de Avaliação dos tipos de glaucoma no serviço de oftalmologia da UNICAMP Evaluation of glaucoma types at the sector of ophthalmology - UNICAMP Andréia Peltier Urbano 1 Telma Gondim Freitas 2 Enyr Saram Arcieri

Leia mais

IRIDOTOMIA/IRIDECTOMIA A LASER E IRIDOPLASTIA A LASER

IRIDOTOMIA/IRIDECTOMIA A LASER E IRIDOPLASTIA A LASER Capítulo 1 IRIDOTOMIA/IRIDECTOMIA A LASER E IRIDOPLASTIA A LASER Coordenadores: Maurício Della Paolera e Niro Kasahara Auxiliares: Wilma Lellis Barboza, Renato Klingelfus Pinheiro, Alberto Diniz Filho

Leia mais

Análise da Repercussão de uma Sessão Educativa sobre o Glaucoma no Conhecimento da Doença

Análise da Repercussão de uma Sessão Educativa sobre o Glaucoma no Conhecimento da Doença Oftalmologia - Vol. 33: pp. 301-306 Análise da Repercussão de uma Sessão Educativa sobre o Glaucoma no Conhecimento da Doença Amaral, A. 1, Leitão P. 1, Pinto, L. 1, Ferreira, A. S. 1, Silva, J. P. 2,

Leia mais

VISÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental.

VISÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental. SISTEMA NERVOSO SENSORIAL Sunol Alvar A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental. 1 OLHOS Os olhos são órgãos complexos dos sentidos. Cada

Leia mais

Glaucoma. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Glaucoma. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Glaucoma Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho GLAUCOMA O Glaucoma é uma doença causada pela lesão do nervo óptico relacionada a pressão ocular alta. Glaucoma Crônico e agudo Crônico:

Leia mais

Procedimento Descrição Custo

Procedimento Descrição Custo Nome do procedimento de acordo com a terminologia da CBHPM/TUSS (se possível, informar também o nome em inglês). Descrição do que consiste o procedimento, qual sua finalidade, qual a importância da inclusão

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

Risco de Escotomas Futuros na Perimetria Clássica Baseado no FDT Matrix

Risco de Escotomas Futuros na Perimetria Clássica Baseado no FDT Matrix Oftalmologia - Vol. 35: pp.335-340 Artigo Original Risco de Escotomas Futuros na Perimetria Clássica Baseado no FDT Matrix Mário Ornelas 1, Mª Inês Rodrigues 1, Cláudia Loureiro 1, Paula Sens 2, Cláudia

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

DR. RICARDO SUZUKI CRM 22651

DR. RICARDO SUZUKI CRM 22651 DR. RICARDO SUZUKI CRM 22651 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo 1995; Residência Médica em Oftalmologia no Hospital das Clínicas da Faculdade

Leia mais

Síndrome de Dispersão Pigmentar: Abordagens Diagnósticas e Terapêuticas

Síndrome de Dispersão Pigmentar: Abordagens Diagnósticas e Terapêuticas Oftalmologia - Vol. 36: pp.141-145 Artigo Original Síndrome de Dispersão Pigmentar: Abordagens Diagnósticas e Terapêuticas Ana Martinho Silva 1, Rui Fialho 1, Filipe Braz 1, José António Dias 2, José Fernandes

Leia mais

Recomendações da Câmara Técnica Nacional de Medicina Baseada em Evidências do Sistema Unimed. Rastreamento (Screening) para glaucoma

Recomendações da Câmara Técnica Nacional de Medicina Baseada em Evidências do Sistema Unimed. Rastreamento (Screening) para glaucoma Rastreamento (Screening) para glaucoma 1 I Elaboração Final: 25/01/2007 II Autores: Dr. Luiz Henrique P. Furlan*, Dr. Alexandre Pagnoncelli*, Dr. Carlos Augusto Cardim de Oliveira*, Dra. Claudia Regina

Leia mais

Será o implante de istent uma cirurgia do canal de Schlemm? Avaliação por OCT spectral domain de segmento anterior

Será o implante de istent uma cirurgia do canal de Schlemm? Avaliação por OCT spectral domain de segmento anterior Comunicações Curtas e Casos Clínicos Será o implante de istent uma cirurgia do canal de Schlemm? Avaliação por OCT spectral domain de segmento anterior Arnaldo Santos 1, Luísa Vieira 1, Maria Lisboa 1,

Leia mais

O Glaucoma de Pressão Intra-ocular Normal como Modelo de Neuropatia Óptica Isquêmica Progressiva Investigada através do Ecodoppler Ocular

O Glaucoma de Pressão Intra-ocular Normal como Modelo de Neuropatia Óptica Isquêmica Progressiva Investigada através do Ecodoppler Ocular A r t i g o O r i g i n a l O Glaucoma de Pressão Intra-ocular Normal como Modelo de Neuropatia Óptica Isquêmica Progressiva Investigada através do Ecodoppler Ocular ISSN 0103-3395 The Normal Intraocular

Leia mais

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA Catarina Pedrosa, Inês Coutinho, Cristina Santos, Mário Ramalho, Susana Pina, Isabel Prieto Estágio de Glaucoma Dr. Esperancinha, Dr. Fernando Vaz, Dr. Paulo

Leia mais

Pressão intraocular antes e após a facoemulsificação em olhos normais

Pressão intraocular antes e após a facoemulsificação em olhos normais 312 ARTIGO ORIGINAL Pressão intraocular antes e após a facoemulsificação em olhos normais Intraocular pressure before and after phacoemulsification in normal eyes Nikias Alves da Silva¹, Felício Aristóteles

Leia mais

Evaluation of the intraocular pressure behavior in patients with assimetric primary open-angle glaucoma submitted to ibopamine provocative test

Evaluation of the intraocular pressure behavior in patients with assimetric primary open-angle glaucoma submitted to ibopamine provocative test ARTIGO ORIGINAL 165 Avaliação do comportamento da pressão intraocular em pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto assimétrico submetidos ao teste provocativo da ibopamina Evaluation of the intraocular

Leia mais

08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z

08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z DIA 16/3/2017 - QUINTA-FEIRA AUDITÓRIO SÉRGIO BERNARDES 08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z 1º Bloco: LIOs Tóricas 08:00-08:10 Dispositivo para aferição do alinhamento intraoperatório

Leia mais

INSTITUI A "CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

INSTITUI A CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Projeto de Lei Nº 38/2010 INSTITUI A "CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta: Art. 1 - Fica instituída a CAMPANHA MUNICIPAL

Leia mais

FREDERICO CASTELO MOURA

FREDERICO CASTELO MOURA FREDERICO CASTELO MOURA Comparação das medidas da espessura macular e da camada de fibras nervosas retiniana para detecção de atrofia em banda do nervo óptico através da tomografia de coerência óptica

Leia mais

O QUE É PRESSÃO OCULAR? O QUE É GLAUCOMA?

O QUE É PRESSÃO OCULAR? O QUE É GLAUCOMA? O QUE É PRESSÃO OCULAR? O QUE É GLAUCOMA? Maria de Lourdes Veronese Rodrigues FMRP-USP Montagem de Maria Helena Andrade FLUXO DE AQUOSO 2,5 µl/min POISEUILLE: F= (P 1 - P 2 ) π r 4 n 8 µ l F= (PO - Pv)

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE NA OCLUSÃO DE DE VEIA RETINIANA CENTRAL

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE NA OCLUSÃO DE DE VEIA RETINIANA CENTRAL NOTA TÉCNICA 141/2014 Solicitante Emerson Chaves Motta Juíza de Direito - Comarca de Teófilo Otoni - MG. Processo número: 0686 14 010142-5 Data: 18/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA

SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA S. Pina, A. R. Azevedo, F. Silva, A. Gonçalves, S. Alves, D. Cavalheiro, F. Vaz, P. Kaku, F. Esperancinha SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA HOSPITAL PROF. DR. FERNANDO FONSECA Director Serviço: Dr. António Melo

Leia mais

Resultados do implante de Susanna em glaucoma refratário

Resultados do implante de Susanna em glaucoma refratário Resultados do implante de Susanna em glaucoma refratário Fabiana Shinzato Higa*, Luiz Alberto S. Melo Jr.*, Ivan Maynart Tavares**, Isabelle Rodrigues Tito*, Paulo Augusto de Arruda Mello*** RESUMO Objetivo:

Leia mais

Ectasias Tratamento Cirurgia Refractiva a LASER Sim ou Não?? Paulo Torres Departamento de Córnea e Superfície Ocular Hospital Santo António CHP U.P., ICBAS Cirurgia Refractiva a Laser Contraindicações

Leia mais

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Serviço de Oftalmologia Director de Serviço: Dr. António Melo BIOMICROSCOPIA ÓPTICA 15 de Junho de 2012 Catarina Pedrosa, Susana Pina, Ana Azevedo, Cristina Santos,

Leia mais

HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA

HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA 10. PATOLOGIAS DO NERVO ÓPTICO HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA O OCT pode ser útil no diagnóstico e no seguimento clínico do edema papilar. OCT: Saliência papilar, fibras nervosas com espessamento

Leia mais

RESUMO INTRODUÇÃO. Arq Bras Oftalmol. 2007;70(3):471-9

RESUMO INTRODUÇÃO. Arq Bras Oftalmol. 2007;70(3):471-9 Estudo comparativo entre a curva diária de pressão intra-ocular e a associação da curva ambulatorial com o teste de sobrecarga hídrica no glaucoma primário de ângulo aberto, glaucoma de pressão normal

Leia mais

Medida da área de recesso angular em indivíduos normais pela biomicroscopia ultra-sônica*

Medida da área de recesso angular em indivíduos normais pela biomicroscopia ultra-sônica* Medida da área de recesso angular em indivíduos normais pela biomicroscopia ultra-sônica* Leonardo Torqueti Costa**, Flávio de Andrade Marigo***, Edmar Chartone de Souza Filho****, Sebastião Cronemberger*****,

Leia mais

MCDT realizados e Tempos de Espera (conforme n.º 6 do Despacho n.º 10430/2011 do Sr. Secretário de Estado da Saúde)

MCDT realizados e Tempos de Espera (conforme n.º 6 do Despacho n.º 10430/2011 do Sr. Secretário de Estado da Saúde) Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE MCDT realizados e Tempos de Espera (conforme n.º 6 do Despacho n.º 10430/2011 do Sr. Secretário de Estado da Saúde) Informação a 30-06-2016 Tempo de espera Os Tempos

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE

ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE IMPLANTAÇÃO DA LENTE ACRYSOF CACHET NO TRATAMENTO DA ALTA MIOPIA: RESULTADOS PRELIMINARES IMPLANTATION OF THE LENS ACRYSOF CACHET IN THE TREATMENT OF HIGH MYOPIA: PRELIMINARY

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CENTRO DE TRAUMATOLOGIA DE ESPORTE

DEPARTAMENTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CENTRO DE TRAUMATOLOGIA DE ESPORTE DEPARTAMENTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CENTRO DE TRAUMATOLOGIA DE ESPORTE Avaliação do Equilíbrio Postural capa Balance System BIODEX A perda de informação proprioceptiva

Leia mais

Perimetria computadorizada na detecção de defeitos campimétricos discretos (ao perímetro de Goldmann) causados por tumores hipofisários

Perimetria computadorizada na detecção de defeitos campimétricos discretos (ao perímetro de Goldmann) causados por tumores hipofisários Perimetria computadorizada na detecção de defeitos campimétricos discretos (ao perímetro de Goldmann) Computerized perimetry for detection of subtle visual field defects (on Goldmann perimetry) caused

Leia mais

Efeitos da ibopamina 2% tópica nos resultados da campimetria visual computadorizada

Efeitos da ibopamina 2% tópica nos resultados da campimetria visual computadorizada Efeitos da ibopamina 2% tópica nos resultados da campimetria visual computadorizada Effects of 2% ibopamine eye drops on computerized visual field results Mara Agi Pigini 1 Marcos Pereira Ávila 2 Leopoldo

Leia mais

08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF X Corticoide

08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF X Corticoide DIA 17/3/2017 - SEXTA-FEIRA AUDITÓRIO SÉRGIO BERNARDES 08:30-10:00 RETINA - Encontro SBRV-SNNO 08:30-08:35 Abertura 08:35-08:55 A definir 08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística. Introdução à Bioestatística Turma Nutrição.

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística. Introdução à Bioestatística Turma Nutrição. Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Inferência Estatística: Inferência Básica Introdução à Bioestatística Turma Nutrição decidindo na presença

Leia mais

Trata-se de consulta encaminhada pelo Ministério Público Federal questionando o uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recémnascidos.

Trata-se de consulta encaminhada pelo Ministério Público Federal questionando o uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recémnascidos. PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 9/13 PARECER CFM Nº 7/13 INTERESSADO: Ministério Público Federal ASSUNTO: Uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recém-nascidos RELATOR: Cons. José Fernando Maia

Leia mais

Prefácio Boa leitura!

Prefácio Boa leitura! Índice Remissivo Lente monofocal esférica 4 Lente monofocal asférica 4 Comparação entre lente esférica e asférica 5 Lente monofocal asférica tórica 7 Lente multifocal 8 Lente multifocal tórica 10 Lente

Leia mais

Segunda-feira, 20 de março de 2017

Segunda-feira, 20 de março de 2017 Segunda-feira, 20 de março de 2017 07h30-08h00 08h00-09h00 Registro e recepção OLHO: UMA VISÃO EVOLUTIVA Anatomia: Osteologia do crânio e face - dr. Pedro Ronaldo Anatomia: Osteologia do crânio e face

Leia mais

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Márcio Cavalcante Salmito SÃO PAULO 2012 Márcio Cavalcante Salmito Avaliação

Leia mais

Avaliação oftalmológica em pacientes submetidos a implante de drenagem em glaucomas refratários

Avaliação oftalmológica em pacientes submetidos a implante de drenagem em glaucomas refratários Avaliação oftalmológica em pacientes submetidos a implante de drenagem em glaucomas refratários Ophthalmologic evaluation of patients submitted to drainage implant in refractory glaucoma Natália Pimentel

Leia mais

Correlações entre straylight, aberrometria, opacidade e densitometria do cristalino em pacientes com catarata

Correlações entre straylight, aberrometria, opacidade e densitometria do cristalino em pacientes com catarata 244ARTIGO ORIGINAL Correlações entre straylight, aberrometria, opacidade e densitometria do cristalino em pacientes com catarata Correlations of straylight, aberrometry, and lens scattering in cataract

Leia mais

Campanha de detecção do glaucoma na cidade de Santa Maria: resultados de 2009 e 2010

Campanha de detecção do glaucoma na cidade de Santa Maria: resultados de 2009 e 2010 Campanha de detecção do glaucoma na cidade de Santa Maria: resultados de 2009 e 2010 Álvaro Garcia Rossi*, Rafael Vielmo Correa**, Bruno Botton***, Eloísa Unfer Schmitt****, Anwar Abdel Hwas**** RESUMO:

Leia mais

RESUMO INTRODUÇÃO. Arq Bras Oftalmol. 2007;70(1):115-9

RESUMO INTRODUÇÃO. Arq Bras Oftalmol. 2007;70(1):115-9 Efeitos da leitura, exercício e exercício sob leitura na pressão intra-ocular de portadores de glaucoma primário de ângulo aberto ou hipertensão ocular controlados clinicamente com medicação tópica Effects

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA. Diogo Cazelli Sperandio

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA. Diogo Cazelli Sperandio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA Diogo Cazelli Sperandio Análise da Espessura da Camada de Fibras Nervosas da Retina e da Espessura Macular em Crianças e Adolescentes com Escavação

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

MAURO CORRÊA DE ALBUQUERQUE 1,4 ; FRANASSIS BARBOSA DE OLIVEIRA 2,4 ; ALANA PARREIRA COSTA 3,4. GOIÂNIA, UEG.

MAURO CORRÊA DE ALBUQUERQUE 1,4 ; FRANASSIS BARBOSA DE OLIVEIRA 2,4 ; ALANA PARREIRA COSTA 3,4. GOIÂNIA, UEG. RESULTADOS INICIAIS DA IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE MOBILIDADE OCULAR EXTRÍNSECA ORTÓPTICA PARA CAPACITAÇÃO E ATUAÇÃO NA ÁREA DE FISIOTERAPIA OCULAR NA CLÍNICA ESCOLA DA ESEFFEGO EM GOIÂNIA, GOIÁS,

Leia mais

MARCELO HATANAKA. Reprodutibilidade da curva tensional diária modificada e do teste de sobrecarga hídrica

MARCELO HATANAKA. Reprodutibilidade da curva tensional diária modificada e do teste de sobrecarga hídrica MARCELO HATANAKA Reprodutibilidade da curva tensional diária modificada e do teste de sobrecarga hídrica Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção do título de

Leia mais

Cons. José Fernando Maia Vinagre

Cons. José Fernando Maia Vinagre PARECER CFM Nº 47/2016 INTERESSADO: Secretaria de Saúde de Navegantes, SC ASSUNTO: Cirurgia de Catarata com Facoemulsificação associadas à Vitrectomia Anterior. RELATOR: Cons. José Fernando Maia Vinagre

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73 Homologado na 401ª ROP, de 18/02/2016 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Câmara Técnica de Saúde e Atenção Básica Câmara Técnica de Urgência e Emergência PARECER TÉCNICO Nº 05/2016 Análise

Leia mais

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância?

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância? e Hipertensão arterial resistente (HAR): todo paciente com HAR deve fazer Polissonografia? Gleison Guimarães TE SBPT 2004/TE AMIB 2007 Área de atuação em Medicina do Sono pela SBPT - 2012 Profº Pneumologia

Leia mais

ESTUDO DE TOXICIDADE RETINIANA APÓS INJEÇÕES INTRAVÍTREAS SERIADAS DE INFLIXIMABE EM OLHOS DE COELHOS

ESTUDO DE TOXICIDADE RETINIANA APÓS INJEÇÕES INTRAVÍTREAS SERIADAS DE INFLIXIMABE EM OLHOS DE COELHOS ESTUDO DE TOXICIDADE RETINIANA APÓS INJEÇÕES INTRAVÍTREAS SERIADAS DE INFLIXIMABE EM OLHOS DE COELHOS A SAFETY STUDY OF RETINAL TOXICITY AFTER SERIAL INTRAVITREAL INJECTIONS OF INFLIXIMAB IN THE RABBITS

Leia mais