UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PATOLOGIA DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS Claudio Sergio Romero Canido Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos como parte dos requisitos para a conclusão da graduação em Engenharia Civil Orientador: Prof. Dr. Simar Vieira de Amorim São Carlos 2012

2 DEDICATÓRIA Dedico esta monografia aos meus pais

3 AGRADECIMENTOS Meus sinceros agradecimentos ao Prof. Dr. Simar Vieira de Amorim, pela paciência, confiança e orientação dada. A Marcelo Cover, pela colaboração e por todas as informações dadas para o desenvolvimento deste trabalho. Ao meu irmão Enrique pelo carinho e apoio dado durante todo este tempo. Aos meus pais José, e Maria pela paciência e carinho, permitindo a minha formação profissional.

4 RESUMO A patologia nos sistemas prediais hidráulicos e sanitários (SPHS) pode ser definida como a ciência que estuda as falhas e defeitos construtivos que aparecem nos prédios. Atualmente as pessoas coexistem com inúmeras falhas nos SPHS e as consideram normais; estas não conformidades ocorrem quando o usuário interage com a edificação, mas que realmente ocorrem devido a projetos mal elaborados e execuções inapropriadas. O desempenho dos SPHS que compõem a edificação está associado ás condições de uso para o qual foi projetado, atendendo o cumprimento de todas as normas técnicas existentes no país. Outro aspecto que influencia no desempenho dos SPHS das edificações é a utilização de elementos e componentes com defeitos de fabricação. O presente trabalho tem como objetivo estudar e identificar as causas das patologias nos SPHS observados em obras da UFSCar, mediante a utilização do método mais adequado para a identificação dessas patologias. A metodologia usada no desenvolvimento deste trabalho foi mediante a seleção das unidades de análise, levantamento documental e realização de entrevistas aos usuários dos prédios, encarregados de manutenção e limpeza dos mesmos. Os resultados obtidos com o presente trabalho se dividem em duas partes, a primeira parte se refere aos resultados obtidos no módulo habitacional 7 e os resultados foram: 36% dos alunos classificam os SPHS dos mesmos como ruim, 20% dos alunos classificam que a patologia que com maior freqüência ocorre é mau cheiro no ralo e 26% das patologias detectadas através do check list foram surgimento de odores provenientes dos ralos das caixas sifonadas, a segunda parte se refere aos resultados obtidos no prédio de laboratórios do CCET e os resultados foram: 75% dos técnicos e pessoal de limpeza do prédio classificam os SPHS como regular, 30% dos técnicos e pessoal de limpeza do prédio classificam que as patologias que com maior freqüência ocorrem são goteiras e mau cheiro nos ralos e 25% das patologias detectadas através do check list foram defeitos de fabricação/instalação nos vasos sanitários e mictórios, falta de engate flexível na conexão do ramal de AF nas tubulações dos banheiros e surgimento de odores provenientes dos ralos das caixas sifonadas. Palavras-chave: construção civil; sistemas prediais; sistemas prediais hidráulicos e sanitários; patologia das construções.

5 ABSTRACT ABSTRACT The building hydraulic and sanitary plumbing systems (SPHS) pathology and health (SPHS) can be defined as the science that studies the construction flaws and defects that appear in buildings. Nowadays people coexist as normal countless SPHS failures, these unconformities occur when the user interacts with the building, but they do occur due to poorly designed projects and inappropriate executions. The performance of SPHS that compose the building is connected with conditions of use for which it was designed, given the length of all existing technical standards in the country. Another aspect that influence the performance of SPHS of buildings is the use of elements and components without manufacturing defects. This work aims to study and identify the causes of diseases observed in UFSCar hydraulic and sanitary plumbing systems, using the most appropriate method for the identification of these pathologies. The methodology used to develop this work was through the selection of units of analysis, archival work and interviews with users of the buildings, responsible for maintenance and cleaning thereof. The results obtained from this study are divided into two parts, the first part refers to the results obtained in the module housing 7 and the results were: 36% of students from SPHS classify ourselves as bad, 20% of students classified as pathology which most frequently occurs is stink in the drain and 26% of disease detected through the check list were emergence of odors from the drains siphoned boxes, the second part refers to the results obtained in the laboratory building CCET and the results were: 75% of technicians and cleaning staff the building SPHS classify as fair, 30% of technicians and cleaning staff the building classify the diseases that occur more frequently are smelly gutters and the drains and 25% of disease detected by checklist were manufacturing defects / installation in toilets and urinals, lack of flexible coupling to connect the extension of AF in the pipes of the bathrooms and the emergence of odors from the drains of the boxes siphone. Key-words: construction, building systems, building systems, hydraulic and sanitary building systems; buildings pathologies.

6 SUMÁRIO 1. I TRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA HISTÓRIA DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS DESEMPENHO DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS PATOLOGIA DOS SPHS CAUSAS DAS PATOLOGIAS ORIGEM DAS PATOLOGIAS MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIAS NOS SPHS MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO PROPOSTO POR LICHTENSTEIN MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO PROPOSTA POR ALMEIDA MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO PROPOSTA PELO CIB METODOLOGIA SELEÇÃO DAS UNIDADES DE ANÁLISE LEVANTAMENTO DOCUMENTAL ESTRUTURAÇÃO DAS ENTREVISTAS APLICAÇÃO DAS ENTREVISTAS ESTUDO DAS INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS RESULTADOS OBTIDOS AVALIAÇÃO DOS DADOS OBTIDOS DOS QUESTIONÁRIOS...26

7 4.1.1 RESULTADOS OBTIDOS ATRAVÉS DOS QUESTIONÁRIOS DE AVALIAÇÃO DOS SPHS APLICADOS AOS ALUNOS E DO CHECK LIST REALIZADO NO MÓDULO HABITACIONAL RESULTADOS OBTIDOS POR MEIO DOS QUESTIONÁRIOS DE AVALIAÇÃO DOS SPHS APLICADOS AOS TÉCNICOS ENCARREGADOS DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E QUÍMICA E AO PESSOAL ENCARREGADO DE REALIZAR A LIMPEZA, E DO CHECK LIST REALIZADO NO PRÉDIO DO CCET RESULTADOS OBTIDOS ATRAVÉS DO LEVANTAMENTO DOCUMENTAL DAS ORDENS DE SERVIÇO REALIZADO NO MÓDULO HABITACIONAL 7 E NO PRÉDIO DE LABORATÓRIOS DO CCET RESULTADO DA APLICAÇÃO DO MÉTODO DE LICHTENSTEIN NO ESTUDO DE CASO CO CLUSÕES E RECOME DAÇÕES CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊ CIAS A EXO...40

8 8 1. INTRODUÇÃO A patologia nos sistemas prediais hidráulicos e sanitários (SPHS) pode ser definida como a ciência que estuda as falhas e defeitos construtivos que aparecem nos prédios. O conceito de patologia abarca todas as falhas visíveis ou não nos SPHS, desde a concepção do projeto até a execução da obra. Atualmente as pessoas coexistem diariamente com inúmeras falhas nos SPHS e as consideram normais, mas que realmente ocorreram devido a projetos mal elaborados, execuções inapropriadas, utilização de componentes não normalizadas e várias outras causas. 1.1 JUSTIFICATIVA São inúmeras as não conformidades que ocorrem nos SPHS quando os usuários começam a interagir com a edificação. O desempenho dos mesmos está ligado às condições de uso para o qual foi projetado de acordo com as normas técnicas vigentes no país. Os SPHS são responsáveis pela saúde e higiene dos usuários, deste modo devem ser introduzidos à edificação de tal forma que possam garantir a segurança dos mesmos. Como os SPHS são os que com maior freqüência entram em contato com os usuários das edificações, o mau funcionamento dos mesmos pode causar sérios problemas de saúde aos mesmos. Como conseqüências das falhas, têm sido elevadas às incidências de manifestações patológicas nos SPHS das edificações por múltiplos motivos, entre os quais a grande variedade de materiais e componentes, avanços no setor da construção que não foram assimilados pelo meio, complexidade funcional, manutenção deficiente, falhas nos componentes, envelhecimento natural dos materiais utilizados, e condições de exposição inadequadas.

9 9 1.2 OBJETIVOS Estudar e identificar as causas das patologias no SPHS observados em obras da UFSCar, mediante a utilização do método mais adequado para a identificação dessas patologias. Para poder compreender melhor as patologias existentes deve-se saber como elas se manifestam através do tempo OBJETIVOS ESPECÍFICOS Apresentar métodos existentes na bibliografia para identificar causas das patologias nos SPHS. Utilizar o método mais adequado para identificar alguns casos observados em obras da UFSCar.

10 10 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 HISTÓRIA DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS De acordo como Lanoi (apud Amorim, 2012) os SPHS, com os modernos conceitos de privacidade, água corrente, água quente, sem odores, são conceitos relativamente modernos e bastante ligados ao aumento geral do poder aquisitivo da sociedade. De acordo com o mesmo autor, ele diz que na Antiguidade já existiam sistemas bastante desenvolvidos. Escavações no vale do rio Indus, na índia, mostraram ruínas de sistemas prediais de água e esgoto, construídas de a anos atrás. Sistemas foram encontrados na Babilônia, na Grécia, em Roma, no Peru, no México, etc. Deve ser observado, porém, que esses sistemas eram privilégios da alta nobreza e do clero, e que a população sempre viveu em precárias condições de higiene. Durante toda a antiguidade a bacia sanitária era constituída essencialmente de um assento de pedra, debaixo do qual uma tina, ou uma calha com água corrente recolhia os dejetos. Com a queda do Império Romano no século V, a saúde e higiene também tiveram um retrocesso. O banho foi considerado desnecessário na Idade Média. Nessa época os dejetos coletados durante o dia ou à noite eram simplesmente jogados pela janela. No século XIV (1395) o rei da França instituiu uma lei proibindo essa prática que, apesar da lei, continuou sendo praticada até meados do século XVIII.

11 11 Após essa proibição surgiram empresas que faziam o transporte dos dejetos durante a noite, mas esses dejetos, deixados na porta das casas, eram esparramados por animais ou transportados pela chuva. O costume de lançar os dejetos pela janela foi substituído pelo lançamento em poços externos às residências. Começou-se também a construir assentos de madeira sobre os mesmos e utilizar o próprio ambiente como sanitário. Esse cômodo necessitava ser escuro para não atrair insetos. Esses poços facilmente colmatavam-se e era necessário abrir outros. Não havia distanciamento adequado entre esses poços e os que coletavam água. O primeiro vaso sanitário moderno foi inventado por Joseph Bramah, um inventor inglês, em O vaso sanitário como é conhecido nos dias atuais começou a ser largamente utilizado no início do século XX. A utilização do sifão, com seu fecho hídrico, representam um papel extremamente importante na higiene das habitações. O primeiro sistema de coleta de esgoto em edifícios em altura utilizava um único tubo de queda, sendo que os aparelhos sanitários ligavam-se todos a ele. A primeira transformação nesse sistema foi o prolongamento do tubo de queda acima da cobertura. O Brasil seguiu o desenvolvimento dos Sistemas na Europa e Estado Unido. No séc. XVIII abastecimento precário nas cidades. Em 1723 foi construído o primeiro aqueduto no Rio de Janeiro. Em 1744 foi realizado o primeiro encanamento de água. Em 1792 foi construído o "chafariz de Tebas" no Largo da Misericórdia em SP (considerado início de abastecimento).

12 SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS De acordo com Barros (2004, p.7) um sistema predial hidráulico tem como propriedade permitir o uso da água para diversas finalidades. Assim, a água, o sistema de suprimento, os equipamentos sanitários e o sistema de coleta, funcionando de forma integrada, permitem o exercício das funções para as quais o sistema hidráulico, como um todo, foi projetado. Um lavatório isolado do todo não tem, por si só, a propriedade de permitir o uso da água. A existência de um lavatório só se justifica quando faz parte do subsistema de equipamentos sanitários, que, por sua vez, é parte do subsistema predial hidráulico, o qual constitui um dos subsistemas do sistema serviços, que integra o sistema edifício. Barros (2004) sugere que os SPHS sejam divididos em três subsistemas inter-relacionados que são: Sistema de suprimento de água. Sistema de equipamento sanitário. Sistema de coleta de esgoto sanitário. De acordo com Araújo (2004, p.50) os sistemas prediais devem estar aptos a serem operados durante toda a vida útil da edificação e uma vez que estes sistemas são, em primeira instância, consumidores de insumos de diferentes tipos, a qualidades dos mesmos implica não só no adequado desempenho, atendendo às necessidades dos usuários, mas também na racionalização do uso dos insumos, evitando perdas e desperdícios, minimizando, assim, os impactos da ação antrópica no meio ambiente. Araújo (2004) classifica os SPHS da seguinte forma: Sistemas prediais de suprimento. Sistemas prediais de esgotamento. Sistema predial de combate contra incêndios. Sistema predial de aparelhos/equipamentos sanitários.

13 DESEMPENHO DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS Segundo Barros (2004, p.9) o desempenho é definido como o ato ou efeito de desempenhar. Execução de um trabalho, atividade, empreendimento, etc., que exige competência e/ou eficiência. De acordo com Oliveira Benedicto (2009, p.38) o desempenho dos sistemas que compõem o edifício habitacional durante a sua vida útil está atrelado às condições de uso para qual o mesmo foi projetado, à execução da obra de acordo com as normas técnicas, à utilização de elementos e componentes sem defeito de fabricação e à programas e técnicas de inspeções periódicas e de manutenção predial. De acordo com Oliveira Benedicto (2009, p.38) os componentes dos SPHS podem apresentar uma vida útil maior do que a estabelecida pelos fabricantes, desde que sejam feitas periodicamente as manutenções preventivas. De acordo com Oliveira Benedicto (2009, p.38) a vida útil dos SPHS depende de vários fatores como a agressividade do meio ambiente no qual ele se encontra, a qualidade das matérias primas usadas na sua fabricação e do uso dado por parte dos usuários dos mesmos. De acordo com Barros (2004, p.10) a utilização dos conceitos de desempenho aplicados aos SPHS apresenta-se como uma ferramenta de extrema valia para a compreensão das reais funções desses sistemas, fator fundamental para a concepção e formulação de critérios que permitam a realização de projetos e, conseqüentemente, de instalações adequadas. De acordo com Oliveira Benedicto (2009, p.39) a ocorrência de problemas patológicos também poderá afetar o desempenho do sistema, fazendo com que fique abaixo do mínimo requerido. Neste caso, as intervenções de manutenção corretiva serão necessárias para que o sistema volte a atuar com desempenho acima do mínimo requerido. Mesmo assim, é importante dar prosseguimento às inspeções periódicas e manutenções preventivas. Ainda de acordo com o mesmo autor, a durabilidade do edifício e de seus sistemas é uma exigência econômica do usuário, pois está diretamente associada ao custo global do bem imóvel.

14 PATOLOGIA DOS SPHS Segundo Reis Ramos (2010, p.66) nos edifícios, grande parte das manifestações patológicas verificadas provêm dos sistemas de abastecimento de águas ou de drenagem das águas residuais e pluviais. De acordo com Gnipper (2010, p.17) as patologias dos SPHS devem ser classificados de acordo com uma visão sistêmica, baseada nos conceitos de desempenho e qualidade. Segundo Reis Ramos (2010, p.66) as patologias registradas são características próprias dos sistemas hidráulicos prediais a sua complexidade funcional e a inter-relação dinâmica entre os seus diversos subsistemas, além da enorme variedade dos materiais, componentes e equipamentos (tubulações, válvulas, conexões, acessórios, reservatórios, bombas etc.). As razões para as patologias são várias, em conseqüência, podem dar origem a uma grande diversidade de manifestações patológicas nas edificações, que vão desde simples falhas freqüentes em certos equipamentos até flutuações de pressões, vazões e temperaturas, decorrentes de falhas de concepção no projeto e, estendem-se até ao uso por parte do usuário CAUSAS DAS PATOLOGIAS Gnipper (2010, p.23) expõe que muitas vezes o projeto arquitetônico, num processo convencional de desenvolvimento, não reserva espaço suficiente para os SPHS, fato que dificulta a sua execução, requerendo alterações ao original previsto no respectivo projeto, além também de dificultar a sua manutenção, fatores que podem levar ao posterior aparecimento de patologias. Segundo Reis Ramos (2010, p.67) de acordo com dados do LNEC, as anomalias que surgem com maior frequência nos sistemas prediais de distribuição de água, pondo em causa o seu adequado desempenho funcional, são: Deficientes níveis de pressão e vazão. Deficiências no fornecimento. Deficiente desempenho dos equipamentos instalados. Rupturas nas tubulações por perda de estanqueidade.

15 15 Ruídos nas instalações. Entupimentos ORIGEM DAS PATOLOGIAS Segundo Amorim (apud Gnipper, 2010, p.17), alertava que o mau funcionamento de vários subsistemas da construção civil, entre os quais os SPHS, era fato constatado cotidianamente pelos profissionais da área, mas a incidência e causas desses problemas patológicos eram pouco pesquisadas, por exigirem recursos vultosos e longos períodos de observação para resultarem dados consistentes. Gandiski (apud Gnipper, 2010, p.17) classifica as patologias construtivas, quanto a origem dos fenômenos, em endógenas e exógenas. Estas últimas são aquelas cujas causas têm origem fora da edificação, provocadas por fenômenos da natureza ou por fatores produzidos por terceiros. É o caso das patologias decorrentes da exposição à intempérie ou à radiação solar. As patologias endógenas são aquelas cujas causas têm origem em fatores inerentes à própria edificação, tais como falhas decorrentes de projeto, gerenciamento e execução. Reygaerts (apud Gnipper, 2010, p.18) com base em estudos realizado no Centre Scientifique et Technique de la Construction, determinou que a origem das manifestações patológicas de 1200 problemas construtivos ocorridos na Bélgica no período entre estavam relacionadas com a baixa qualidade dos projetos seguidas de falhas de execução, problemas com materiais e componentes e por fim a utilização. 2.5 MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIAS NOS SPHS Segundo Gnipper (2010, p.101) sob a ótica da Engenharia Diagnóstica e correspondentes níveis de abordagem de problemas construtivos existem três métodos gerais para a investigação de patologias que são: Método de investigação patológica proposto por Lichtenstein. Método de investigação patológica proposta por Almeida. Método de investigação patológica proposta pelo CIB.

16 16 Gomide e Facundo Neto (apud Gnipper, 2010, p.101) diz que a Engenharia Diagnóstica é a área da Engenharia Legal que trata de criar medidas corretivas, preventivas e recomendações mediante diagnósticos, prognósticos e tratamentos visando a qualidade predial total MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO PATOLÓGICA PROPOSTO POR LICHTENSTEIN Segundo Lichtenstein (apud Gnipper, 2010, p105) grande parte dos problemas referentes ao desempenho insatisfatório das edificações pode ser resolvida desde que seja feita uma análise metodológica individualizada. Este método é constituído de três partes que são: Levantamento de subsídios. Diagnóstico da situação. Definição da conduta. Este método se desdobra num procedimento prático para a solução de patologias construtivas em geral. Com base na manifestação do problema, o inspetor direciona a realização de exame utilizando seus sentidos e determinados instrumentos específicos. Dependendo do problema em foco e do técnico envolvido, é possível que, após o exame inicial, já se possa compreender o fenômeno ocorrido na sua totalidade. Portanto em algumas situações já é possível fazer o diagnóstico com o resultado do exame inicial. Lichtenstein (apud Gnipper, 2010, p.109) ressalta que o método apresentado não é específico nem restrito a algum tipo particular de problema patológico, portanto este método pode ser aplicado para a resolução de qualquer situação em que uma edificação não apresente desempenho satisfatório MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO PROPOSTA POR ALMEIDA Segundo Almeida (apud Gnipper, 2010, p.109), com base na metodologia empregada em APO, desenvolveu um método para avaliação em uso ou operação, conceituando o termo Avaliação Durante Operação (ADO).

17 17 Este método, em principio, desenvolvido para a avaliação do desempenho de componentes dos sistemas e de seus subsistemas, pode ser empregado, com adequações, para a investigação de patologias em SPHS. De acordo com Gnipper (2010, p.109) este método está voltado para o diagnóstico de patologias já manifestadas nos SPHS das edificações. Os seus resultados são direcionados para retroalimentar, na etapa que se mostrou deficiente. Este método é constituído de seis etapas a seguir descritas: Levantamento documental. Levantamento cadastral. Levantamento das necessidades dos usuários dos sistemas prediais. Análise e diagnóstico. Plano de recuperação. Avaliação de resultados MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO PROPOSTA PELO CIB De acordo com o estudo realizado por Gnipper (2010, p.113) a Comissão do Trabalho W086 do CIB - Building Pathology Working Commission, apresentou um método geral de investigação e solução de patologias construtivas. O método do CIB está exposto na Figura 1.

18 18 Figura 1: Método de investigação patologica proposto pela CIB Fonte: Dissertação de mestrado de Gnipper (2010) Falha Descrição da falha Busca pelo defeito Metodologia de investigação Defeito(s) Descrição do defeito Busca pela causa Metodologia de investigação Causa(s) Dados de saida Responsabilidades e garantias Medidas de melhoria Medidas corretivas e preventivas Custos De acordo com Carmona Filho e Marega (apud Gnipper, 2010, p. 21) constataram que nos SPHS 52% de incidências para falhas de execução, 18% para o projeto, 14% utilização, 7% causas fortuitas, 7% conservação e 6% materiais. Athanazio e Trajano (apud Gnipper, 2010, p21) em questionários aplicados a 36 moradores, síndicos e zeladores de diferentes edifícios residenciais no Rio de Janeiro, obtiveram 51% de incidências de falhas na execução, 21% para o projeto, 14% para os materiais e 11% para a manutenção.

19 19 Os resultados dos levantamentos apresentados se referem a origens da patologia construtiva em geral. Porém, uma comparação com os resultados de levantamento de incidências por natureza, dá como resultado que um expressivo percentual delas se refere aos SPHS do edifício, permite concluir que proporcionalmente a maior parte das patologias verificadas decorre de falhas no projeto e na execução.

20 20 3. METODOLOGIA A metodologia usada para a elaboração deste trabalho se baseia em estudos realizados por Conceição (2007) e que foi citado na referência bibliográfica. 3.1 SELEÇÃO DAS UNIDADES DE ANÁLISE Para a realização deste trabalho foram analisados dois edifícios já construídos no Campus São Carlos da UFSCar. Foram eles: Módulo Habitacional 7 e Laboratório do CCET (física e química). 3.2 LEVANTAMENTO DOCUMENTAL Para melhor compreensão dos edifícios foi efetuado um levantamento documental relativo à concepção dos mesmos e à vida útil dos SPHS. Para o levantamento documental foram revisados: projeto arquitetônico, projetos executivos dos SPHS, ordens de serviço de manutenção. 3.3 ESTRUTURAÇÃO DAS ENTREVISTAS Para a realização deste trabalho foram realizadas entrevistas aos: Usuários dos edifícios; Funcionários de execução e manutenção da UFSCar. O objetivo da realização destas entrevistas foi levantar a maior quantidade possível de falhas que ocorreram ou que podiam vir a ocorrer no SPHS. A estruturação das entrevistas foi realizada da seguinte forma: Divisão das patologias existentes em laboratórios e ambientes sanitários. Subdivisão de patologias existentes dentro de cada ambiente. Subdivisão de patologias específica de cada aparelho.

21 21 No quadro 1 é apresentado o questionário que foi utilizado para entrevistar os alunos que moram no módulo habitacional 7 do campus da USFCar.

22 22 Quadro 1: QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS A SER EMPREGADO AOS ALUNOS QUE MORAM NO MÓDULO HABITACIONAL 7 Nome do entrevistado: 1- Sexo: a. Masculino b. Feminino 2- Na UFSCar, você é aluno de?: a. Graduação b. Especialização c. Mestrado d. Doutorado 3- Há quanto tempo você reside na moradia estudantil da UFSCar?: a. Menos de 1 ano b. Entre 1 e 2 anos c. Entre 3 a 5 anos d. Mais de 5 anos 4- Quantos colegas residem com você no mesmo apartamento: a. Menos de 7 b. 7 c. 8 d. Mais de 8 5- Classifique os sistemas prediais hidráulicos e sanitários do apartamento: a. Péssimo b. Ruim c. Regular d. Bom e. Ótimo 6- Assinale o(s) problema(s) que os SPHS apresentam: a. Vazamento torneiras b. Vazamento vasos sanitários c. Vazamento aparelho (chuveiro) e. Entupimentos torneira f. Entupimentos vasos sanitário g. Ruídos/Vibrações h. Goteiras i. Mau cheiro nos ralos j. Infiltrações k. Pouca pressão (chuveiro) l. Muita pressão (chuveiro) m. Oscilação da pressão (chuveiro) OBSERVAÇÕES:

23 23 No quadro 2 é apresentado o questionário que foi utilizado para entrevistar os responsáveis dos laboratórios do CCET e o pessoal encarregado da limpeza do mesmo prédio. Quadro 2: QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS A SER EMPREGADO AOS ENCARREGADO DOS LABORATÓRIOS E PESSOAL DA LIMPEZA DO PREDIO DE LABORATÓRIOS DO CCET Nome do entrevistado: 1- Qual é a função exercida por você dentro do prédio de laboratórios do CCET?: a. Laboratório b. Limpeza 2- Há quanto tempo você trabalha no prédio de laboratórios do CCET?: a. Menos de 1 ano b. Entre 1 e 2 anos 3- Classifique os sistemas prediais hidráulicos e sanitários do prédio de laboratórios: a. Péssimo b. Ruim c. Regular d. Bom e. Ótimo 4- Assinale o(s) problema(s) que os SPHS apresentam: a. Vazamento torneiras b. Vazamento vasos sanitários c. Vazamento aparelho (mictório) e. Entupimentos torneira f. Entupimentos vasos sanitário g. Ruídos/Vibrações h. Goteiras i. Mau cheiro nos ralos j. Infiltrações k. Pouca pressão (torneira) l. Muita pressão (torneira) m. Oscilação da pressão (torneira) OBSERVAÇÕES:

24 24 No quadro 3 e 4 que estão no Anexo, encontrar-se os check-list que foram empregados para a avaliação dos SPHS do módulo habitacional 7 e do prédio novo de laboratórios do CCET. 3.4 APLICAÇÃO DAS ENTREVISTAS As entrevistas foram feitas mediante o uso de planilhas, previamente elaborados com perguntas para a obtenção de dados significativos para a realização deste estudo. 3.5 ESTUDO DAS INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS Os dados coletados na aplicação das entrevistas foram registrados nas planilhas do Excel para a realização das análises estatísticas e seus respectivos gráficos, com o objetivo de identificar as patologias mais freqüentes. 3.6 APLICAÇÃO DO MÉTODO DE LICHTENSTEIN EM UM ESTUDO DE CASO O método proposto por Lichtenstein foi o método de investigação de patologias no SPHS aplicado para o diagnóstico e definição de conduta para a correção do problema de vazamento do mictório no banheiro masculino do segundo pavimento do prédio de laboratórios do CCET. Na figura 2 está exposto o método proposto por Lichtenstein.

25 25 Figura 2: Fluxograma de investigação proposto por LICHTENSTEIN Fonte: Dissertação de mestrado de Oliveira Benedicto (2009) PROBLEMA PATOLÓGICO Parte 1: Levantamento de subsídios VISTORIA NO LOCAL DETERMINAÇÃO DAS EXIGENCIAS DO USUARIO NÃO ATENDIDAS Parte 2: Diagnóstico DIAGNÓSTICO Parte 3: Definição de conduta DEFINIÇÃO DE CONDUTA Parte 4: Avaliação da análise preliminar RESOLUÇÃO DO PROBLEMA AVALIAÇÃO DA ANALISE PRELIMINAR

26 26 4. RESULTADOS OBTIDOS 4.1 AVALIAÇÃO DOS DADOS OBTIDOS DOS QUESTIONÁRIOS Os resultados obtidos dos questionários foram divididos em três partes, a primeira parte refere-se aos resultados obtidos dos alunos, a segunda parte aos resultados obtidos dos técnicos encarregados dos laboratórios e pessoal encarregado de realizar a limpeza e a terceira aos resultados obtidos com o pessoal encarregado de manutenção. Ao todo foram preenchidos 11 questionários por parte dos alunos e 4 questionários entre técnicos dos laboratórios e pessoal de limpeza. Os resultados obtidos serão apresentados por meio de tabelas e gráficos RESULTADOS OBTIDOS ATRAVÉS DOS QUESTIONÁRIOS DE AVALIAÇÃO DOS SPHS APLICADOS AOS ALUNOS E DO CHECK LIST REALIZADO NO MÓDULO HABITACIONAL 7 De acordo com o questionário realizado aos alunos foi possível detectar que a maioria deles que representa 36% da população classificam os SPHS existentes dentro do bloco como ruim. Na tabela 5 pode-se observar os resultados da classificação do SPHS por parte dos mesmos.

27 27 Tabela 5: RESULTADOS OBTIDOS ATRAVÉS DOS QUESTIONÁRIOS DE AVALIAÇÃO DOS SPHS APLICADOS AOS ALUNOS QUE MORAM NO MÓDULO HABITACIONAL 7 AVALIAÇÃO DOS SPHS Quantidade Classificação de respostas % Ruim 4,00 36,36 Regular 3,00 27,27 Bom 3,00 27,27 Péssimo 1,00 9,09 Ótimo 0,00 0,00 TOTAL 11,00 100,00 Na figura 3 pode-se observar os resultados obtidos do questionário de avaliação dos SPHS realizado aos alunos que moram no modulo habitacional 7. Figura 3: RESULTADOS OBTIDOS DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS SPHS REALIZADO AOS ALUNOS QUE MORAM NO MÓDULO HABITACIONAL 7 AVALIAÇÃO % DO SPHS DESCRITOS PELOS ALUNOS DO MODULO HABITACIONAL 7 Bom 27% Regular 27% Otimo 0% Pessimo 9% Ruím 37% Pessimo Ruím Regular Bom Otimo Na tabela 6 e na figura 4 pode-se observar os resultados obtidos da classificação das patologias nos SPHS que com maior freqüência aparecem no módulo habitacional 7.

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PATOLOGIAS DOS SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUA

Leia mais

ESTUDO DE PATOLOGIAS NOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS DO PRÉDIO DO CICLO BÁSICO II DA UNICAMP

ESTUDO DE PATOLOGIAS NOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS DO PRÉDIO DO CICLO BÁSICO II DA UNICAMP 34 ESTUDO DE PATOLOGIAS NOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS DO PRÉDIO DO CICLO BÁSICO II DA UNICAMP Paula de C. Teixeira¹, Ricardo P. A. Reis², Sérgio F. Gnipper³, Jorge V. F. Monteiro 4 Recebido

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos:

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos: 1. PRELIMINARES 1.1 Objetivo Constitui objetivo do presente trabalho a constatação do estado de conservação do Apartamento n 82 do Edifício Vivien Tereza, situado à Rua Domingos de Moraes, nº 348, Vila

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

Conservação de Água nos Edifícios. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Conservação de Água nos Edifícios. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Conservação de Água nos Edifícios Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte 6% região Sudeste ~ 9,1 milhões hab. 68%

Leia mais

Dimensionamento das Instalações de Água Fria

Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento é o ato de determinar dimensões e grandezas. As instalações de água fria devem ser projetadas e construídas de modo a: - Garantir o fornecimento

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

COMO EVITAR O DESPERDÍCIO

COMO EVITAR O DESPERDÍCIO Economia de Água Um universo de possibilidades ao seu alcance COMO EVITAR O DESPERDÍCIO Nossas casas, edifícios e indústrias desperdiçam água, antes mesmo do seu consumo. Aplicar os princípios do uso racional

Leia mais

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Uso sustentável da água na construção Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Profa. Dra. Marina Ilha, FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA

WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA WORKSHOP SBCS SISTEMAS DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÁGUA Sistemas Hidráulicos Prediais e a Medição Individualizada SISTEMAS DO EDIFÍCIO SUBSISTEMAS DO EDIFÍCIO 1 - Estrutura 2 - Envoltória externa 3 -

Leia mais

Aparelhos Sanitários Economizadores

Aparelhos Sanitários Economizadores Aparelhos Sanitários Economizadores (fonte: PROSAB) A Importância dos Aparelhos Sanitários no Consumo de Água A quantidade de água potável consumida em aparelhos sanitários é função de um grande número

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

Projeto Corpo de Bombeiros ESPECIFICAÇÕES HIDRÁULICA

Projeto Corpo de Bombeiros ESPECIFICAÇÕES HIDRÁULICA Projeto Corpo de Bombeiros ESPECIFICAÇÕES HIDRÁULICA Área 01 (Térreo) 01-16.50 metros de tubo Ø20 02-06.30metros de tubo Ø25 03-11.50 metros de tubo Ø32 04-02 registros de gaveta Ø1/2 05-06 registros de

Leia mais

2 MÉTODOS DE TESTES PARA DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM BACIAS SANITÁRIAS

2 MÉTODOS DE TESTES PARA DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM BACIAS SANITÁRIAS ANÁLISE DOS TESTES DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM BACIAS SANITÁRIAS Roberto K. Fujimoto(1); Solange S. Nunes (2); Marina S. de Oliveira Ilha(3) (1) Faculdade de Engenharia Civil UNICAMP, fujimoto@fec.unicamp.br

Leia mais

Prefácio. Introdução. 2 Referencias normativas

Prefácio. Introdução. 2 Referencias normativas Prefácio Introdução A sociedade, à nível global, tem reconhecido que a água esta se tornando um recurso natural cada vez mais escasso. Nas grandes metrópoles a oferta de água de boa qualidade é procedimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

LOUÇAS E INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

LOUÇAS E INSTALAÇÕES SANITÁRIAS Antes de executar qualquer furação nas paredes, consulte a planta de instalações hidráulicas em anexo, para evitar perfurações e danos à rede hidráulica, bem como na impermeabilização. Não jogue quaisquer

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL e sua EVOLUÇÃO 1º Inspeção Predial: Vistoria técnica da edificação para constatação das anomalias existentes

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008

ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Fernando Morais Neves ESTUDO DO SISTEMA HIDROSSANITÁRIO APARENTE COM RELAÇÃO À NORMA DE DESEMPENHO 15575-6/2008

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO

MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO MEMORIAL DESCRITIVO HIDRÁULICO 1 MEMORIAL DESCRITIVO Obra Serviço: Centro de Parto Normal - Maternidade Santa Mônica - Uncisal Local: Avenida Comendador Leão, 1.001 - Poço - Alagoas Área de Construção:

Leia mais

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa 60 Hydro Setembro 2010 Lúcia Helena de Oliveira é professora do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Epusp Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e pesquisadora da área de sistemas

Leia mais

PERÍCIAS EM ENGENHARIA DE IMPERMEABILIZAÇÃO

PERÍCIAS EM ENGENHARIA DE IMPERMEABILIZAÇÃO PERÍCIAS EM ENGENHARIA DE IMPERMEABILIZAÇÃO JOÃO CASSIM JORDY (1); LUIZ CARLOS MENDES (2) (1) Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Rua São Bento n.º 1, 12º andar, Rio de Janeiro, RJ, Brasil,

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

MÉTODO DE ENSINO DE INSTALAÇÕES HIDRO- SANITÁRIAS ATRAVÉS DE GRAFOS

MÉTODO DE ENSINO DE INSTALAÇÕES HIDRO- SANITÁRIAS ATRAVÉS DE GRAFOS MÉTODO DE ENSINO DE INSTALAÇÕES HIDRO- SANITÁRIAS ATRAVÉS DE GRAFOS Arnoldo Debatin Neto Antônio Carlos de Souza UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina, Depto. de Expressão Gráfica debatin@cce.ufsc.br,

Leia mais

APÊNDICE M-1 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO SETOR DE SANEAMENTO MODELO DE QUESTIONÁRIO

APÊNDICE M-1 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO SETOR DE SANEAMENTO MODELO DE QUESTIONÁRIO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO SETOR DE SANEAMENTO MODELO DE QUESTIONÁRIO 1 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO SETOR DE SANEAMENTO MODELO DE QUESTIONÁRIO Recomenda-se,

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 277

Norma Técnica SABESP NTS 277 Norma Técnica SABESP NTS 277 Critérios para implantação de medição individualizada em condomínios horizontais ou verticais. Procedimento São Paulo Dezembro 2008 - Rev. 1 NTS 277 : 2008 Rev.1 Norma Técnica

Leia mais

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ANA KELLY MARINOSKI Orientador: Prof. Enedir Ghisi, PhD INTRODUÇÃO Objetivo

Leia mais

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas Guia de Soluções Problemas & Soluções Este manual técnico traz exemplos de situações que surgiram durante a instalação e operação dos sistemas URIMAT no país ou no exterior nos últimos anos. A seguir,

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: Autor do Projeto Resp. Técnico: Co-Autor: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO: 200_PB.HS.AF.ET-300000

Leia mais

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos 11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP Agua: pague menos Atitudes para o usuário diminuir o consumo de água da rede pública: 1. Peças que economizam água 2. Medição individualizada e

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações Vereador Derosso Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável velpurae

Leia mais

METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE CONSTRUTORAS NA GESTÃO DA ENGENHARIA DE SISTEMAS PREDIAIS

METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE CONSTRUTORAS NA GESTÃO DA ENGENHARIA DE SISTEMAS PREDIAIS METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE CONSTRUTORAS NA GESTÃO DA ENGENHARIA DE SISTEMAS PREDIAIS RESUMO Marina S. de Oliveira Ilha (1), Humberto Farina (2), Orestes M. Gonçalves (3), José de Paula Barros Neto (4)

Leia mais

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 Para as contratações e renovações, a partir de 16/06/2015, os planos disponíveis serão: a) Serviço para casa (Plus Casa) Plus Casa Chaveiro

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha

Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez. 1. água. 1.1 água fria. 1.1.1 Cozinha Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Hidráulica a/c Renato Cortez 1. água 1.1 água fria 1.1.1 Cozinha 1.1.1.1 Interface placa cimentícia 1.1.2 Lavanderia 1.1.2.1 Interface placa

Leia mais

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS Julio Cesar Sabadini de Souza Escola Politécnica da USP - Av. Prof. Almeida Prado, Trav. 2, nº 271 - PCC CEP

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

A influência do ambiente construído na promoção da saúde O caso do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria, Fiocruz/RJ

A influência do ambiente construído na promoção da saúde O caso do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria, Fiocruz/RJ RESUMO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO DO CENTRO DE SAÚDE ESCOLA GERMANO SINVAL FARIA - ENSP - FIOCRUZ, ELABORADO PELO PROGRAMA DE APO DA DIRAC/FIOCRUZ O Projeto de Avaliação Pós-Ocupação no Centro

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS GUIA PARA A REABILITAÇÃO INSTALAÇÕES SANITÁRIAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Autoclismo da

Leia mais

Seguro Residencial Itaú. Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas

Seguro Residencial Itaú. Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas I PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO PLANO APARTAMENTO Confira os serviços, limites e critérios a seguir. 1. Solicitação dos serviços Os serviços

Leia mais

POTENCIAL DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EDIFICAÇÕES ESCOLARES:

POTENCIAL DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EDIFICAÇÕES ESCOLARES: POTENCIAL DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EDIFICAÇÕES ESCOLARES: Tecnologias Aplicáveis Juan DUARTE Gestor Ambiental pelo Vianna Júnior. Juiz de Fora (MG) Correio eletrônico: juan.ambiental@yahoo.com.br Lia

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

PROPOSTA DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO PREDIAL PREVENTIVA PARA UM EDIFICIO RESIDENCIAL.

PROPOSTA DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO PREDIAL PREVENTIVA PARA UM EDIFICIO RESIDENCIAL. RESUMO PROPOSTA DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO PREDIAL PREVENTIVA PARA UM EDIFICIO RESIDENCIAL. Rodrigo Miguel Campos (1), Alexandre Vargas (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)rodrigomcampos@unesc.net,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Administração

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Administração 1. INTRODUÇÃO: Prefeitura Municipal de Bom Despacho Anexo V Laudo de Vistoria Predial Terminal Rodoviário de Passageiros de Bom Despacho O presente Laudo Técnico de Vistoria Predial foi solicitado pela

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Reformas e manutenção. Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves. Realização:

Reformas e manutenção. Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves. Realização: Reformas e manutenção Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves Atualização da normalização nacional ABNT NBR 15575 DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES Eng. Ricardo S. F. Gonçalves ABNT NBR 15575:2013 NORMA DE

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA UNIVERSIDADE PAULISTA - ARAÇATUBA ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA PROFESSOR: RODRIGO ANDOLFATO INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA Marcos Aurélio F. Pádua RA A54345-7 Antônio Waldir de

Leia mais

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1.

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS E DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL E EQUIPAMENTOS SANITÁRIOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA: ESTUDO DE CASO PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA MARÇO 2004 SUMÁRIO 1. L EI COMPLEMENTAR Nº 110/2003 - MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS...3 2. L EI Nº 5935/2002 - MUNICÍPIO DE BLUMENAL/SC...4

Leia mais

Orientando: Aluno do Curso de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás

Orientando: Aluno do Curso de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ÁGUA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO: Levantamento dos Indicies de Consumo e Implantação das Etapas Iniciais Avaliando o Comportamento dos Usuários Thiago Oliveira

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

Plena. Mais beleza para sua casa.

Plena. Mais beleza para sua casa. = Catálogo de Produtos Plena. Mais beleza para sua casa. A Plena é a marca da Tigre de acessórios para banheiros, cozinhas, lavanderias, áreas externas e complementos hidráulicos. Uma marca inovadora,

Leia mais

Texto base: XXXXXXXXXXXXXXXXX

Texto base: XXXXXXXXXXXXXXXXX revisão e unificação da NBR 5626 e NBR 7198 Sistemas prediais de água fria e água quente Procedimento PRINCIPAIS INOVAÇÕES NO PROJETO DE NORMA Engº MSc Sérgio Frederico Gnipper Secretário da Comissão de

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e garantia do bom funcionamento das tubulações de

Leia mais

Desempenho de edifícios habitacionais de até cinco pavimentos Parte 6: Sistemas hidrossanitários

Desempenho de edifícios habitacionais de até cinco pavimentos Parte 6: Sistemas hidrossanitários JULHO 02:136.01.008 2004 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Desempenho de edifícios habitacionais de até cinco pavimentos Parte 6: Sistemas hidrossanitários Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG

FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG INSTALAÇÃOES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES PREDIAIS LUIZ HENRIQUE BASSO Instalações de Esgoto Sanitário As instalações de esgoto sanitário destinam-se

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS HIDRÁULICOS PREDIAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS HIDRÁULICOS PREDIAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS HIDRÁULICOS PREDIAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Bianca Tomie Yabiku (1) ;Profª. Me. Laís Aparecida Ywashima (2), (1) Instituto

Leia mais

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS Henrique Innecco Longo hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Escola de Engenharia Rua Brigadeiro Trompowsky s/n, Centro de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DURANTE OPERAÇÃO DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS DE EDIFÍCIOS ESCOLARES

AVALIAÇÃO DURANTE OPERAÇÃO DOS SISTEMAS PREDIAIS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS DE EDIFÍCIOS ESCOLARES I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. AVALIAÇÃO DURANTE OPERAÇÃO DOS SISTEMAS

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA DURANTE A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

DIRETRIZES PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA DURANTE A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS DIRETRIZES PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA DURANTE A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Marina da Costa Carmo Terra Barth (1) Lúcia Helena de Oliveira (2) (1) Departamento

Leia mais

b) Instalações de fornecimento de gás; c) Ressarcimento dos danos causados direta ou indiretamente a alimentos e utensílios domésticos;

b) Instalações de fornecimento de gás; c) Ressarcimento dos danos causados direta ou indiretamente a alimentos e utensílios domésticos; CAPITALIZAÇÃO É com grande satisfação que esta Sociedade de Capitalização oferece ao Titular do Título de Capitalização o benefício denominado Reparos Emergenciais, a seguir descritos: 1. DEFINIÇÕES 1.1.

Leia mais

VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES

VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES Um dos maiores inimigos das estruturas, tanto de concreto, aço ou madeira é a umidade, ela age no local por anos silenciosamente e quando damos conta lá está um enorme prejuízo

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA Carla Sautchúk 21/06/2011 1 Cenário da água PANORAMA DA ÁGUA NO BRASIL Detém 12% da água do mundo e 53% da água do continente sul americano; 90% dos recursos hídricos são utilizados

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007).

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007). II-156 - AVALIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOS BAIRROS JARDIM NOVO ENCONTRO, MARIA GORETTI E PIRANGA EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL - UNIVASF Julliana Melo

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

Uso Eficiente da Água Estudos de caso. Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr Engenharia de Aplicação

Uso Eficiente da Água Estudos de caso. Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr Engenharia de Aplicação Uso Eficiente da Água Estudos de caso Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr Engenharia de Aplicação Deca ProÁgua - Programa para Conservação da Água Objetivo: a redução do desperdício de água através da mudança

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 075

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 075 USO RACIONAL DA ÁGUA: AVALIAÇÃO DE IMPACTOS NOS SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIOS ATRAVÉS DE METODOLOGIA RACIONAL PARA CONCEPÇÃO, PROJETO E DIMENSIONAMENTO Daniel C. Santos (1) Eng. Civil, Professor

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS

INSTALAÇÕES PREDIAIS INSTALAÇÕES PREDIAIS Prof. Marco Pádua ÁGUA FRIA As instalações prediais de água fria são o conjunto de tubulações, conexões, peças, aparelhos sanitários e acessórios, que permitem levar a água da rede

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O H I D R O S S A N I T Á R I O COREN CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto:

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Todo cidadão tem direitos e deveres para com a sociedade e se cada um fizer sua parte, todos irão ganhar. São direitos de todos os cidadãos, referentes

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008

INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008 INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008 INSPEÇÃ ÇÃO O PREDIAL Norma de Inspeção Predial 2007 IBAPE/SP É a avaliação isolada ou combinada das condições técnicas técnicas, de uso e de

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Agora sua casa tem Plena. A Tigre apresenta Plena, nova marca de acessórios para banheiros, lavanderias, áreas externas e complementos hidráulicos. Linha completa com mais de 200 itens.

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil 4º ANO SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. MSc. Ricardo Prado Abreu Reis Setembro - 2007 CV VP CV VP Cob. 7 1

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade:

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: Data do Relatório: (dd:mm:aa) Entrevistador (a) N O. QUEST.: II. CARACTERÍTICAS DOS MORADORES DO DOMICÍLIO Nome do chefe da família: SEXO: 1. M 2.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental Secretaria Municipal de Meio Ambiente Junho / 2015 Mudanças

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais