Barras. Cantoneiras. Perfis U, T e Z. Tubos. Catálogo de Perfis Industriais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Barras. Cantoneiras. Perfis U, T e Z. Tubos. Catálogo de Perfis Industriais"

Transcrição

1 arras Cantoniras Prfis U, T Z Catálogo d Prfis Industriais tualizado m 09/11/ /03/2012

2 Votorantim Mtais C idrança na produção d alumínio no rasil Fundada m 1955, a Votorantim Mtais C possui a maior fábrica d alumínio do mundo a oprar d forma totalmnt intgrada, ralizando num msmo local, dsd o procssamnto d bauxita até a fabricação d produtos fundidos transformados (lingots, tarugos, vrgalhõs, placas, bobinas, chapas, folhas, prfis, fios cabos). Sus produtos são sinônimos d qualidad nos mrcados nacional intrnacional. Todos possum, dsd 1997, o crtificado intrnacional d qualidad ISO snvolvidos a partir d modrnas tcnologias d acordo com as normas técnicas, os prfis xtrudados da VM C atndm a divrsas aplicaçõs. O potncial d utilização dos prfis s dstaca principalmnt nas indústrias d transports, construção civil, móvis, máquinas quipamntos, bns d consumo utnsílios m gral. fábrica VM C abriga um dos maiors complxos d tratamnto d suprfíci dos prfis d alumínio da mérica atina, composto d linhas d pintura anodização. Todos sts acabamntos são produzidos por quipamntos d última gração, qu prmit disponibilizar grand divrsidad d cors txturas suprficiais. Para a indústria d transports, os prfis xtrudados podm sr forncidos com até 15,6 mtros d comprimnto dimnsão máxima do diâmtro do círculo circunscrito m torno d 300 mm. tndm aos mrcados d furgão para caminhõs, carrocria d ônibus, mbarcaçõs, automóvis transports m gral. s vantagns da utilização d prfis xtrudados d alumínio para fins automotivos são inúmras, dsd o bnfício d sr um matrial rciclávl até a rdução d combustívl d pnus nos vículos, contribuindo assim com a qualidad do mio ambint. Votorantim Mtais C prcorr uma trajtória d sucsso, marcada por pionirismo, inovaçõs tcnológicas rsponsabilidad socioambintal. Com uma fort atuação no mrcado intrno, nos sgmntos d bns d consumo, construção civil, ltricidad, mbalagns, fundidos, rciclagm transports; a VM C dstina 10% d sua produção para o mrcado xtrno, principalmnt para os Estados Unidos, Europa mérica atina. Entr os difrnciais da mprsa stão a autossuficiência m bauxita, principal minério utilizado na fabricação d alumínio; invstimntos na autogração d nrgia létrica. Usinas hidrlétricas próprias, considradas fonts nrgéticas limpas, garantm à Votorantim Mtais 78% da nrgia consumida pla mprsa. Rconhcida plas mlhors práticas adotadas m sus procssos d produção, a mprsa invst no crscimnto rsponsávl s insr no padrão intrnacional ISO Votorantim Mtais C tm por objtivo crscr com rsponsabilidad. Invst m psquisa dsnvolv soluçõs com foco nas pssoas no mio ambint, grando um crscimnto rsponsávl com açõs d sustntabilidad.

3 Índic Espcificaçõs técnicas arras rtangulars Prfis tipo mio cana arras quadradas arras sxtavadas arras rdondas Prfis tipo Z Cantoniras d abas iguais Cantoniras d abas iguais com raio Cantoniras d abas dsiguais Cantoniras d abas dsiguais com raio Prfis tipo U com abas dsiguais Prfis tipo U com abas iguais Prfis tipo U com abas dsiguais com raio Prfis tipo T com abas iguais Prfis tipo T com abas dsiguais quadrados quadrados com raio rtangulars rtangulars com raio rdondos rdondos para irrigação schdul

4 Espcificaçõs Técnicas 04 Equivalência ntr Normas NT/ signação antiga ISO/EN NT/ signação antiga ISO/EN 6005 Wl SiMg W Wl SiMg() W Wl MgSiPb W Wl MgSiPb W Wl MgSi W Wl Mg1SiCu W Wl Mg0,7Si W Wl Mg0,7Si() W Wl Si0,9MgMn W WEI MgSi W WEl MgSi() W WEl MgSi() W Wl MgSiMn W Wl SiMg0,8 W Wl Mg1SiCu() W Wl Mg1SiPb W Wl Si1Mg0,5Mn W Wl Mg0,7Si() W Wl Si1MgMn W6082 Caractrísticas físicas do alumínio outros matriais Propridads físicas lumínio (1100) ço (1020) Cobr (Puro) Pso spcífico (kg/m 3 ) x ,71 7,86 8,96 Tmpratura d fusão ( 0 C) Módulo d lasticidad (kg/mm 2 ) Coficint d dilatação térmica linar 20 0 a C (M/M.K.) 23,6x , , Condutibilidad térmica a 25 0 C (W/M.K.) Condutibilidad létrica (%ICS) à 20 0 C 59 14,5 100

5 Espcificaçõs Técnicas 05 Composição química C Outros lmntos lumínio STM Si F Cu Mn Mg Cr Zn Ti Cada Total (Mínimo) ,25 0,40 0,05 0,05 0,05 0,05 0,03 0,03 99, ,0 Si+F 0,050,20 0,05 0,10 0,05 0,15 99, ,10 0,40 0,05 0,01 0,01 0,05 Ti+V<0,02 0,03 0,10 99, ,500,90 0,35 0,30 0,50 0,400,70 0,30 0,20 0,10 0,05 0,15 Rstant ,300,6 0,100,30 0,10 0,10 0,350,60 0,05 0,15 0,10 0,05 0,15 Rstant ,400,80 0,70 0,150,40 0,15 0,801,2 0,040,35 0,25 0,15 0,05 0,15 Rstant ,200,60 0,35 0,10 0,10 0,450,90 0,10 0,10 0,10 0,05 0,15 Rstant ,300,70 0,50 0,10 0,03 0,350,8 0,03 0,10 0,03 0,10 Rstant ,400,70 0,40 0,150,40 0,200,35 0,71,0 0,10 0,20 0,10 0,05 0,15 Rstant ,71,3 0,50 0,10 0,400,8 0,400,8 0,20 0,20 0,05 0,15 Rstant ,20,6 0,15 0,2 0,05 0,450,9 0,05 0,03 0,05 0,15 Rstant ,71,3 0,50 0,10 0,401,0 0,61,2 0,25 0,20 0,10 0,05 0,15 Rstant Os valors mncionados indicam porcntagns m pso rprsntam limits máximos, salvo quando xprsso intrvalo. composição química é quivalnt a norma NT NR ISO 209:2010. plicaçõs típicas C/STM Caractrísticas oa rsistência mcânica, boa rsistência à corrosão, boa conformabilidad (mlhor é a 6261), média usinabilidad. Média rsistência mcânica, alta rsistência à corrosão, boa conformabilidad (mlhor é a 6063). propriada para anodização dcorativa fosca. Média rsistência mcânica, boa rsistência à corrosão, boa conformabilidad, média usinabilidad, mlhor soldabilidad. oa rstência mcânida, alta rsistência à corrosão, boa conformabilidad média usinabalidad. lta condutividad létrica, média rsistência mcânica, boa rsistência à corrosão. plicaçõs típcas Carrocrias d vículos, struturas quipamntos. Prfis para construção civil, caixilharia m gral, tubos d irrigação, móvis iluminação. Estruturas, construção naval, vículos, indústria movlira rbits. Engnharia strutural, construção d navios, vículos quipamntos, pças usinadas m tornos automáticos, forjamnto a frio. iga spcial para fins létricos barramntos (struturas). Vr NT NR Média rsistência mcânica, boa rsistência à corrosão, boa conformabilidad. propriada para anodização dcorativa d alto brilho. Painéis frisos para ltrodomésticos, automóvis armários.

6 Espcificaçõs Técnicas 06 Propridads mcânicas iga C/STM Têmpra imit d rsistência à tração (MPa) imit Escoamnto longamnto 1) (MPa) (%) Coficint xpansão linar (/ C) Condutibilidad létrica (% ICS) 6060 O T5 T6C 130 máx. 150 mín. 180 mín. 120 mín. 150 mín. 18 mín. 8 mín. 8 mín O T4 T4 T5 T52 T6 T6C T6F 130 máx. 130 mín. 130 mín. 150 mín mín. 180 mín. 205 mín. 70 mín. 70 mín. 110 mín mín. 150 mín. 170 mín. 18 mín. 14 mín. 14 mín. 9 mín. 9 mín. 8 mín. 8 mín. 11 mín T6 T61 T64 T7 200 mín. 125 mín. 105 mín. 150 mín. 170 mín. 75 mín. 55 mín. 110 mín. 8 mín. 8 mín. 8 mín % 57 % 50,5 % 57% 6005 T5 T6 T6C 260 mín. 270 mín. 270 mín. 215 mín. 225 mín. 225 mín. 8 mín. 6 mín. 6 mín O T4 T6 T6F T máx. 180 mín. 260 mín. 260 mín. 260 mín. 110 mín. 110 mín. 240 mín. 240 mín. 240 mín. 16 mín. 16 mín. 8 mín. 11 mín. 8 mín T4 T6 T6C T6F 180 mín. 260 mín. 230 mín. 260 mín. 110 mín. 225 mín. 200 mín. 225 mín. 17 mín. 10 mín. 10 mín. 11 mín T4 T6 T6C 220 mín. 290 mín. 260 mín. 130 mín. 225 mín. 230 mín. 16 mín. 8 mín. 11 mín O T4 T6 T máx. 205 mín. 300 mín. 310 mín. 31 máx. 110 mín. 255 mín. 260 mín. 25 máx. 12 mín. 6 mín. 8 mín OS: 1) Prfis m quaisqur ligas podm sr forncidos no stado F, como fabricados, sm qualqur garantia quanto as caractrísticas mcânicas. 2) s caractrísticas mcânicas das ligas rcozidas são valors máximos, d modo a garantir um complto rcozimnto. 3) Propridads mcânicas d acordo com a norma STM 221 (NT NR 7000:2005). 4) Na liga 6101 têmpra T6 o valor da % ICS mínimo é d 55. 5) Para dobramntos spciais, a C podrá forncr os produtos xtrudados nas têmpras T52 (somnt na liga 6063) T6F (todas as ligas da séri 6XXX).

7 07 Espcificaçõs Técnicas urzas típicas Wbstr rinll Têmpras iga urza das ligas/têmpras mais usuais T5 T6 T5 T6C T4 T6 T6F T4 T5 T52 T6 T6C T6F O T4 T6 T6511 T4 T6 T6C T6F T4 T6 T6F T4 T6 T6C T6F

8 Espcificaçõs Técnicas 08 Tolrâncias dimnsionais m prfis xtrudados NSI. H35. 2 (NTNR 8116) Tolrâncias na sção transvrsal Tolrâncias para mais ou a mnos (mm) imnsão Em dimnsõs d mtal imnsão spcificado incluindo mais d 75% d mtal Cols. 49 Col. 4 Col. 2 imnsõs ntr suprfíci mtálica imnsão spcificado incluindo mais d 25% d vazio (4) (5) Nominal Cols. 49 Col. 3 Col. 4 (mm) Todas as Espssura d dimnsõs, pard, d xcto as vazios fchados spcificadas d mais d na 70mm coluna 3 (xcntricidad) (3) Col. 2 Col. 2 istância ntr a dimnsão spcificada a bas mais próxima (mm) 5 a a a a a a 200 Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3 Coluna 4 Coluna 5 Coluna 6 Coluna 7 Coluna 8 Coluna 9 té 3,2 0,15 0,25 0,30 3,2 6,3 0,18 0,30 0,36 0,41 6,3 12,5 0,20 Mais ou 0,36 0,41 0,46 0,50 12,5 20 0,23 mnos 10% 0,41 0,46 0,50 0, ,25 da spssura 0,46 0,50 0,56 0,64 0,76 nominal ,30 0,54 0,58 0,66 0,76 0,88 (0,25mm mínimo) ,36 0,60 0,66 0,78 0,92 1,05 1,25 ( mm máximo) ,60 0,86 0,96 1,45 1,70 2, ,86 1,10 1,25 1,65 2,40 2, ,10 1,35 1,55 2,40 3,05 3, ,35 1,65 1,90 3,05 3,70 4,30 (1) variação prmissívl d uma dimnsão composta d dois ou mais componnts é a soma das tolrâncias dos componnts s as dimnsõs dos componnts form indicadas. (2) Quando uma tolrância for assimétrica, a tolrância simétrica é calculada considrando como dimnsão nominal a média dos valors máximos mínimos prmitidos. (3) Quando a spssura d uma pard d um vazio fchado não for cotada, o dsvio prmissívl é o da coluna 3, aplicado a spssura média d pard (a spssura é a média das duas mdidas tomadas). (4) Em pontos situados a mnos d mm da bas mais próxima, são aplicadas as tolrâncias da coluna 2 (5) dotams as sguints tolrâncias m vazios fchados (prfis tubulars): 1) tolrância para a largura é o valor indicado na coluna 4 para a altura, 2) tolrânica para a altura é o valor indicado na coluna 4 para a largura. Em caso algum stas tolrâncias podm sr infriors às dimnsõs mtálicas corrspondnts (coluna 2). Nota : (G) Nos pontos situados a 5 mm ou mnos do início da aba, aplicas as tolrâncias da coluna 2. Rtilinaridad Torção Y iâmtro do mnor círculo circunscrito (mm) (1) Espssura mínima (mm) svio () prmissívl por mtro d comprimnto (mm) (2) iâmtro do mnor círculo circunscrito (mm) (1) Por mtro d comprimnto svio (Y) prmissívl (graus) No comprimnto total Torção máxima té 38,09 té 38,09 cima d té 2,4 cima d 2,4 Qualqur 4,0 1,0 1,0 té 38,09 38,09 a 76,19 cima d 3,3 1,6 0,8 3,3 x (mtros) 1,6 x (mtros) 0,8 x (mtros) 7% 5% 3%

9 Espcificaçõs Técnicas 09 Tolrâncias dimnsionais m prfis xtrudados iâmtro do mnor círculo circunscrito (mm) (1) Comprimnto svio prmissívl m rlação ao comprimnto nominal (somnt a mais) (mm) Comprimnto nominal (mm) té 76,19 a 203,19 cima d 203,20 té ,2 4,8 6, a a ,4 9,5 7,9 11,1 9,5 12,7 Espssura mínima da aba (mm) (3) té 4,75 a 19,04 cima d ngularidad svio prmissívl m rlação ângulo nominal (graus) (4) ± 2,0 ± 1,5 ± 1,0 Cort final svio prmissívl do quadro ± 1º (1) Para vrgalhõs diâmtro nominal, para barras largura nominal. (2) Para s obtr o dsvio prmissívl m barras d mais d 1 mtro d comprimnto, multiplicas o valor do comprimnto plo valor do dsvio por mtro. (3) Quando houvr duas abas adjacnts, considras a d mnor spssura. (4) Quando o spaço limitado plo ângulo é todo mtal, considras a mnor spssura d mtal no vértic do ângulo. Tolrâncias dimnsionais m tubos NSI H35.2 NT NR 8116 iâmtros rdondos Tolrâncias para mais para mnos (2) iâmtro nominal (mm) svio prmissívl do diâmtro médio + 2 m rlação ao diâmto nominal (± mm) svio prmissívl do diâmtro m qualqur ponto m rlação ao diâmtro nominal (±mm) (1) xtrudados a 25,39 a 50,79 a 101,59 a 152,39 a 203,19 203,20 a 253,99 0,25 0,30 0,38 0,64 0,88 1,14 0,51 0,64 0,76 1,27 1,90 2,54

10 Espcificaçõs Técnicas 10 Tolrâncias dimnsionais m tubos ltura largura ( quadrados, rtangulars, sxtavados oitavados) svio prmissívl da altura (ou) largura m rlação à dimnsão nominal (± mm) Nos cantos Em lados opostos (1) ltura ou largura nominal (mm) quadrados rtangulars quadrados sxtavados oitavados rtangulars xtrudados a 19,06 a 25,41 a 50,81 a 101,61 a 126,70 127,01 a 0,30 0,36 0,46 0,63 0,89 1,14 0,51 0,51 0,63 0,89 1, tolrância para a largura é o valor da tolrância para uma dimnsão igual à altura, invrsamnt, mas m nnhum caso, sta tolrância é mnor do qu nos cantos (2) 1) Não aplicávl m têmpra O, tubos m rolos ou tubos cuja spssura d pard for infrior a 0,5 mm ou 2,5% do diâmtro xtrno da circunfrência quivalnt (diâmtro do círculo cuja circunfrência md o prímtro do tubo). 2) Exmplo: m um tubo rtangular xtrudado d x mm, a tolrância na largura () é d ±0,63 mm altura (), é d ±0,89 mm. Tolrância na spssura da pard Tubo xtrudado rdondos xtrudados Espssura nominal da pard (mm) svio prmissívl ntr a spssura média d pard a spssura nominal da pard ifrnça ntr 1/2(+) a spssura nominal da pard. iâmtro xtrno (mm) cima d té té 30 cima d 30 até 80 cima d 80 até 130 cima d 130 svio prmissívl ntr a spssura da pard m qualqur ponto spssura média da pard (xcntricidad) ifrnça ntr a spssura média da pard. 0,15 1,60 0,18 0,20 0,20 0,25 Mais mnos 1,60 0,20 0,20 0,23 0,30 10% da spssura 3,20 0,23 0,23 0,25 0,38 média d pard. 3,20 6,30 6,30 1 0,23 0.,8 0,23 0,28 0,38 0,33 0,41 0,54 0,50 0,64 0,88 Máximo ± Mínimo ± 0,25 1 0,50 0,72 1,15 0,88 1,40 35,00 1,15 1,65 35,00 1,90 60,00 2,15 60,00 80,00 80,00 90,00 2,40 2,65 ± 90,00 2,90

11 Espcificaçõs Técnicas 11 Espssura da pard quadrados, rtangulars, sxtavados oitavados xtrudados Espssura nominal da pard (mm) té 1,19 a 1,55 1,56 a 1,95 1,96 a 3,15 3,16 a 6,34 a 9,51 a 12,69 a 19,04 svio prmissívl da + spssura média 2 m rlação a spssura nominal iâmtro do círculo circunscrito (mm) Mnor qu 127,0 Maior qu 127,0 Mnor qu 127,0 Maior qu 127,0 0,13 0,15 0,18 0,18 0,20 0,28 0,36 0,63 0,20 0,23 0,25 0,25 0,38 0,51 0,76 1,02 svio prmissívl da spssura m qualqur ponto m rlação à spssura média (xcntricidad) (± mm) 0,13 0,18 0,25 0,25 0,36 0,63 0,76 1,02 10% da spssura média da pard Máximo: 1,52 Mínimo: 0,25 Rsumo dos acabamntos cabamntos Caractrísticas tolrâncias nº 1 nº 2 nº 2 nº 3 Não há indicaçõs d facs xpostas nos dsnhos dos prfis. Tolrams manchas "pickups" discrtos, faixas, riscos rugosidad, dntro do limit da rugosidad 4,5 micrômtos. Não são tolradas bolhas nm arrancamntos planicidads dficints. Rugosidad limit 2,5 micrômtros. Riscos não dvm sr snsívis ao tato, mas tolras uma quantidad mínima por barra, conform acordo comprador forncdor. s facs xpostas dvm sr indicadas nos dsnhos. Igual ao antrior, adicionando garantia d anodização dcorativa. fitos nãovisívis no xtrudado não podm sr rvlados na anodização. Val, também, para pintura ltrostática a pó. Igual ao antrior, mas com rugosidad máxima 1,6 micrômtos, não s tolrando nnhum risco snsívl ao tato. O matrial dv sr d qualidad têmpra uniforms, isnto d dfitos suprficiais. No caso d ligas tratávis trmicamnt, são prmissívis manchas do tratamnto térmico d solubilzação. O acabamnto suprficial dv sr um dos tipos dfinidos acima spcificado na ordm d compra.

12 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. 16, R001 R002 R240 R003 R004 R005 R006 R007 R011 R208 R012 R013 R014 R015 R306 R119 R246 R018 R019 R020 R120 R021 R022 R247 R027 R029 R030 R311 R312 R032 R034 R035 R114 R037 R038 R039 R271 arras Rtangulars = argura = Espssura 7,93 3,97 0,081 0,163 0,069 0,082 0,109 0,163 0,218 0,326 0,068 0,086 0,102 0,136 0,204 0,272 0,341 0,408 0,086 0,163 0,245 0,327 0,490 0,653 0,162 0,118 0,190 0,286 0,381 0,122 0,152 0,202 0,163 0,217 0,272 0,435 0,653 0,871 1,088 Pso (Kg/m) 25,55 28,00 28,57 34,92 40,00 41, ,44 44,45 44,45 45,00 48,00 R040 R251 R248 R041 R336 R046 R047 R048 R050 R051 R054 R121 R059 R060 R061 R062 R063 R064 R220 R186 R066 R227 R296 R068 R244 R250 R300 R297 R294 R071 R072 R073 R074 R075 R122 R202 R317 15,00 27,00 3 3,20 15,00 1,306 0,138 0,151 0,490 0,325 0,343 0,408 0,544 0,816 1,089 0,299 0,326 0,411 0,490 0,653 0,979 1,306 1,633 1,960 2,613 1,620 3,011 0,370 1,524 0,380 0,571 3,902 0,412 2,032 0,653 0,871 1,306 1,742 2,177 2,613 3,483 4,371 Pso (Kg/m) 12 Mdidas m Milímtros arras arras arras

13 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. 57,15 60,00 60,00 60,50 63,34 70,00 70,40 85,00 88,90 88,90 88,90 88,90 90,00 90,50 R318 R278 R182 R261 R327 R288 R080 R081 R082 R291 R123 R083 R159 R124 R292 R084 R337 R284 R087 R088 R089 R090 R091 R155 R203 R319 R092 R304 R335 R094 R287 R314 R276 R095 R262 R293 R125 arras Rtangulars = argura = Espssura 38,00 7,94 37,00 5,245 1,960 4,050 4,860 0,328 6,557 0,543 0,816 1,089 1,367 1,632 2,177 2,721 3,266 4,371 5,444 4,742 4,828 0,652 1,306 1,959 2,613 3,265 3,919 5,225 6,556 7,839 10,490 0,921 1,524 4,590 12,238 15,242 12,150 9,041 5,420 0,870 Pso (Kg/m) 114,30 117, , , R127 R097 R205 R204 R098 R140 R099 R245 R243 R257 R313 R320 R326 R316 R101 R149 R103 R268 R104 R105 R106 R126 R117 R107 R301 R321 R322 R323 R263 R330 R113 R289 R131 R108 R281 R183 R184 76,77 15,00 6,55 8,00 68,00 1 6,30 15,00 11,90 15,86 1,306 1,742 2,612 3,483 4,353 5,226 6,968 8,710 10,452 13,935 17,484 20,980 19,669 0,793 4,860 2,134 2,614 22,216 6,750 8,437 2,177 3,264 4,355 5,442 8,742 10,927 13,113 17,484 4,536 2,441 6,075 15,736 1,304 2,613 3,917 4,897 6,526 Pso (Kg/m) 13 Mdidas m Milímtros arras arras arras

14 arras Rtangulars arras 14 = argura = Espssura Mdidas m Milímtros R309 R295 R324 R303 R242 R273 R308 R310 R210 R298 R285 R307 R325 R332 R274 R299 R ,75 155,00 165,00 165,10 168,00 169,00 178,00 189,00 189,00 190,00 190, ,00 15,88 75,00 15,88 55,00 10 Pso (Kg/m) 6,556 7,868 13,113 20,980 10,476 31,387 5,682 7,103 24,948 2,908 6,097 9,757 10,243 2,060 8,141 52,796 2,168 R237 R145 R280 R146 R305 R334 R158 R290 R331 R172 R171 R ,00 203,20 203,20 203,20 203,20 215, , ,70 5,00 Pso (Kg/m) 5,400 3,484 5,223 6,968 13,987 2,331 13,068 31,471 2,493 3,375 6,750 17,484 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. = argura = ltura rc = Raio d conconrdância 0,5 mm M002 Prfis Tipo Mio Cana C rc C R r rc r 13,20 Mdidas m Milímtros R Pso (Kg/m) 17,80 0,103

15 arras Quadradas arras 15 = argura ltura Mdidas m Milímtros Q001 Q003 Q004 Q007 Q039 Q009 Q010 Q012 Q014 Q016 7,93 12,75 Pso (Kg/m) 0,109 0,170 0,245 0,435 0,439 0,680 0,980 1,333 1,742 2,430 Q028 Q017 Q026 Q018 Q035 Q019 Q021 Q032 Q029 Q024 34,92 40,00 41,27 45,00 57,15 70,00 Pso (Kg/m) 2,722 3,292 3,919 4,320 4,599 5,468 6,968 8,819 10,887 13,230 Q027 Q040 Q030 Q041 Q031 Q033 Q036 82,55 88,90 90,50 114,30 Pso (Kg/m) 15,677 18,467 21,339 22,195 27,871 35,274 43,548 arras Sxtavadas Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. = itola S0001 S0002 S0003 S0013 S0005 S ,11 14,28 Pso (Kg/m) 0,212 0,289 0,377 0,433 0,589 0,849 S0008 S0009 S0023 S0012 S0016 S ,00 28,57 34,92 Pso (Kg/m) 1, ,711 1,911 2,357 2,851 S0011 S0018 S0020 S0019 Mdidas m Milímtros 41,27 44,45 Pso (Kg/m) 3,394 3,982 4,620 6,034

16 arras Rdondas arras Prfis tipo Z 16 = iâmtro Mdidas m Milímtros V0084 V0077 V0047 V0082 V0076 V0073 V0079 V0001 V0003 V0081 V0004 V0078 V0005 V0007 V0008 V0009 V0011 4,74 5,19 6,90 7,14 7,93 7,93 11, ,75 14,28 17,46 Pso (Kg/m) 0,048 0,057 0,086 0,101 0,109 0,133 0,134 0,192 0,267 0,306 0,342 0,345 0,432 0,534 0,646 0,770 1,047 V0074 V0083 V0012 V0014 V0016 V0017 V0018 V0020 V0021 V0022 V0024 V0025 V0026 V0027 V0028 V0030 V ,81 24,60 28,60 34,92 41,26 44,44 47,61 53,97 57,15 60,32 69,85 73,02 Pso (Kg/m) 2 1,288 1,368 1,735 2,138 2,586 3,078 3,610 4,188 4,806 5,472 6,177 6,926 7,716 8,551 10,346 11,307 V0032 V0034 V0035 V0080 V0037 V0039 V0042 V0052 V0051 V0049 V0065 V0050 V0053 V ,55 88, ,25 114,30 139,70 165,10 177,80 203,20 25 Pso (Kg/m) 12,313 14,450 16,759 18,409 19,239 21,890 27,704 34,203 41,385 49,252 57,803 67,038 87, ,318 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. = ltura = argura da bas squrda C = argura da bas dirita = Espssura Z020 21,80 Z004 Prfis tipo Z C C 28,00 12,40 2,40 Mdidas m Milímtros Pso (Kg/m) 0,372 0,408

17 = argura altura = Espssura Cantoniras d bas Iguais Cantoniras Mdidas m Milímtros 17 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso = argura altura = Espssura r = Raio ,00 19,00 1,10 Cantoniras d bas Iguais com Raio 80,00 Pso (Kg/m) 0,051 0,074 0,102 0,148 0,190 0,078 0,129 0,245 0,100 0,120 0,156 0,230 0,299 0,205 0,270 0,353 0,145 0,161 0,210 0,311 0,408 0,592 0,762 0,605 0,264 8, r 3 40,00 44,44 80,00 r 8,00 5,00 Pso (Kg/m) 0,516 0,755 0,415 0,318 0,497 0,625 0,918 1,198 0,821 0,734 0,531 1,040 0,638 0,842 1,245 1,633 1,060 1,653 2,069 1, ,856 5,130 6,532 Mdidas m Milímtros Pso (Kg/m) 3,320

18 Cantoniras d bas siguais Cantoniras 18 = argura = ltura = Espssura , , , ,00 1 1,60 2,80 Pso 0, , , , , , , , , , , , , , , ,169 0,516 0,555 Mdidas m Milímtros 55,80 57,15 60,00 80,00 89,00 104, ,00 13,50 35,00 76,00 30, ,00 1,60 1,60 35,00 Pso (Kg/m) (Kg/m) 0,625 0,435 0,734 0,668 1,163 0,448 0,307 2,999 0,612 2,720 0,555 1,897 0,576 4,246 27,485 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. = argura = ltura = Espssura r = Raio Cantoniras d bas siguais com Raio r Mdidas m Milímtros ,00 65,00 9,50 r 6,00 1 Pso (Kg/m) 1,628 3,200 2,097 2,099 3,471 5,053

19 Prfis tipo U com bas siguais Prfis tipo U 19 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. = argura = ltura U103 U106 U178 U179 U176 U148 U141 U196 U171 U192 U112 U113 U115 U175 U172 U122 U146 U124 U191 U125 U142 14,60 15,00 15,00 17,17 18,50 19,00 21, ,00 40,00 24,80 22, ,00 1,30 1,30 1,10 1,80 1,25 Mdidas m Milímtros Pso 0,135 U194 0,122 U128 0,178 U197 0,183 U130 0,223 U187 0,255 U132 0,194 U193 0,140 U195 0,387 U140 0,219 U202 0,224 U189 0,177 U190 0,256 U160 0,330 U173 0,216 U143 0,549 U144 0,235 U188 0,327 U149 0,254 0,382 0,436 45,00 47,62 57,15 58,80 80,00 85,00 90,00 128,00 140,00 37, ,02 55, ,70 1,90 5,00 1 Pso (Kg/m) (Kg/m) 0,534 0,379 1,396 0,522 0,495 0,818 0,818 1,721 1,026 0,756 1,282 3,740 2,565 2,163 2,831 1,691 2,025 6,648

20 Prfis tipo U 20 Prfis tipo U com bas Iguais = argura = Espssura Mdidas m Milímtros U023 U001 U028 U033 U002 U022 U032 U030 U006 U007 U ,00 16,00 1,30 Pso (Kg/m) 0,072 0,108 0,109 0,096 0,149 0,170 0,123 0,158 0,353 0,182 0,230 U009 U034 U012 U013 U015 U016 U017 U018 U019 U ,00 Pso (Kg/m) 0,337 0,436 0,335 0,398 0,559 0,459 0,583 0,680 0,761 0,924 Prfis tipo U com bas siguais com Raio C = Espssura infrior C Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. = Espssura das abas r = raio U513 3 U515 U516 76,00 U501 U511 80,00 U512 U ,50 U518 1 U505 U ,00 7,00 48,00 40, ,50 84,20 r C 6,00 4,77 5,00 6,00 5,00 5,00 6,00 5,00 6,00 7,92 5,00 Mdidas m Milímtros r Pso (Kg/m) 0,50 0,124 0,50 1,626 2,718 7,92 2,197 4,50 2,048 6,00 3,509 3,30 2,341 6,044 11,10 5,200 5,00 2,864

21 Prfis tipo T 21 Prfis tipo T com bas Iguais = argura ltura = Espssura Mdidas m Milímtros T032 T031 T007 T013 T030 Pso (Kg/m) 0,102 0,156 0,299 0,353 0,210 T015 T020 T024 T027 T029 Pso (Kg/m) 0,408 0,516 0,625 0,842 1,633 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. = argura = ltura = Espssura T108 T109 T112 T111 T113 T114 Prfis tipo T com bas siguais Mdidas m Milímtros 5 75,00 203,20 26,00 105,00 85,00 6,00 9,53 9,53 Pso (Kg/m) 0,163 2,414 1,219 1,691 5,002 6,641

22 Quadrados 22 = argura = Espssura Mdidas m Milímtros Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. K0159 9,40 K0157 9,53 K0114 K ,90 K ,00 K0101 K0120 K0149 K0134 K0102 K0103 K0109 K0122 K0104 K0105 K0148 K0128 K0106 K0107 K0151 K ,00 = argura altura = Espssura r = Raio K0401 K0402 K0403 K0406 K ,00 2,72 1,10 1,30 Quadrados com Raio r 1,70 3,20 Pso (Kg/m) 0,091 K0116 0,201 K0119 0,190 K0138 0,234 K0143 0,195 K0136 0,285 K0123 0,390 K0131 0,260 K0144 0,382 K0108 0,389 K0153 0,507 K0137 0,764 K0112 0,607 K0141 0,492 K0115 0,645 K0154 0,441 K0156 0,519 K0152 0,595 K0160 0,783 K K0111 0,626 K0155 Mdidas m Milímtros Pso 0,159 K0408 0,193 K0411 0,262 K0407 0,434 K0410 1,256 K0412 r 40,00 40,00 45,00 1,40 1,70 1,80 60,00 7 3,18 80,00 1,80 1,80 3,80 3,18 60,00 1 6,30 r 3,30 9,50 Pso (Kg/m) 0,824 1,561 0,707 0,738 0,789 1,041 0,905 0,956 1,058 3,060 0,951 2,073 1,130 1,609 2,513 4,808 1,526 1,947 2,686 4,029 5,136 Pso (Kg/m) (Kg/m) 8 1,529 1,634 2,392 9,627

23 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. 25,60 38,00 40,00 40,00 47,00 60,00 60,00 60,30 60,30 66,00 70,00 70,00 75,00 K0055 K0035 K0004 K0078 K0056 K0090 K0014 K0033 K0065 K0086 K0017 K0073 K0088 K0031 K0005 K0053 K0057 K0051 K0045 K0024 K0007 K0042 K0025 K0012 K0001 K0080 K0015 K0084 K0061 K0067 K0083 K0023 K0018 K0076 K0087 K0094 K0071 Rtangulars = argura = ltura 12,80 15, ,00 40,00 3,50 1,25 1,55 1,25 1,60 1,30 1,30 1,75 1,30 0,180 0,196 0,299 0,596 0,288 0,394 0,499 0,381 0,488 0,327 0,523 0,645 0,983 0,607 0,881 0,468 0,504 0,585 0,333 0,429 0,492 0,402 0,480 0,625 0,783 0,698 0,920 1,348 0,941 0,626 0,932 0,776 1,023 0,830 0,649 1,287 0,992 Pso 80, K0019 K0082 K0028 K0060 K0002 K0079 K0089 K0027 K0049 K0093 K0039 K0072 K0032 K0020 K0026 K0008 K0041 K0095 K0096 K0047 K0016 K0010 K0091 K0029 K ,00 1,30 1,70 1,60 3,38 2,70 3,18 3,18 0,843 0,787 0,905 1,022 1,196 1,761 2,074 1,257 1,366 1, ,965 3,079 1,471 1,609 2,510 1,884 2,946 3,382 2,848 4,163 3,164 3,387 3,819 4,262 Pso 23 Mdidas m Milímtros (Kg/m) (Kg/m)

24 = argura = ltura = Espssura r = Raio Extrno ri = Raio Intrno Rtangulars com Raio r ri Mdidas m Milímtros 24 K0600 K0607 K0604 K0611 K0609 K0612 K0602 K0606 K ,00 29,50 40,00 47,30 80, ,00 27,00 1,30 3,20 9,50 r 5,00 0,50 0,22 18,90 ri 0,50 3,80 0,50 0,50 0,30 9,50 Pso [Kg/m] 0,147 0,298 0,869 0,470 1,380 1,368 2,481 10,171 4,147 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso.

25 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. KR1539 KR1002 KR1003 KR1389 KR1011 KR1305 KR1012 KR1013 KR1440 KR1015 KR1484 KR1516 KR1018 KR1020 KR1548 KR1036 KR1037 KR1038 KR1039 KR1040 KR1041 KR1489 KR1523 KR1452 KR1049 KR1486 KR1511 KR1541 KR1326 KR1554 KR1054 KR1372 KR1055 KR1056 KR1057 KR1058 KR1059 Rdondos 7, ,88 15,88 18,00 18,00 18,00 18,00 18,40 18,40 19,00 2,20 1,24 2,60 3,50 3,68 1,85 1,30 1,42 4,50 1,24 1,35 1,24 0,082 0,072 0,106 0,137 0,099 0,121 0,149 0,182 0,223 0,256 0,273 0,282 0,110 0,191 0,204 0,126 0,161 0,192 0,235 0,272 0,341 0,150 0,175 0,144 0,210 0,475 0,517 0,181 0,225 0,203 0,153 0,182 0,187 0,234 0,289 0,337 0,427 Pso (Kg/m) = iâmtro = Espssura KR1063 KR1462 KR1542 KR1555 KR1429 KR1068 KR1469 KR1337 KR1069 KR1070 KR1071 KR1073 KR1479 KR1411 KR1306 KR1079 KR1334 KR1332 KR1080 KR1081 KR1082 KR1480 KR1537 KR1083 KR1524 KR1086 KR1514 KR1525 KR1093 KR1095 KR1096 KR1099 KR1515 KR1478 KR1113 KR1335 KR ,50 21, , ,00 26,20 26,70 28,00 28,57 28,57 28,57 29,50 1,24 1,88 1,25 5,00 1,25 1,30 9,70 4,85 2,20 4,90 6,00 1,30 0,305 0,365 0,215 0,179 0,324 0,180 0,214 0,222 0,277 0,343 0,401 0,512 0,806 0,204 0,299 0,207 0,256 0,266 0,319 0,397 0,465 0,486 0,572 0,598 1,297 0,312 0,881 0,459 0,441 0,234 0,362 0,683 1,026 1,221 0,261 0,311 0,336 Pso (Kg/m) 25 Mdidas m Milímtros

26 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. KR1115 KR1116 KR1117 KR1481 KR1538 KR1118 KR1400 KR1339 KR1120 KR1124 KR1561 KR1503 KR1526 KR1128 KR1134 KR1138 KR1493 KR1145 KR1378 KR1146 KR1147 KR1148 KR1149 KR1402 KR1495 KR1150 KR1151 KR1510 KR1159 KR1477 KR1498 KR1502 KR1513 KR1308 KR1169 KR1567 KR1172 Rdondos 31,80 31, ,60 33,40 33, ,92 35,00 36,00 38,70 40,00 40, ,16 42,20 43,50 44,45 44,45 44,45 44,45 2,25 2,40 2,40 10,30 2,60 1,24 4,20 4,70 3,90 1,80 5,00 4,50 5,00 0,404 0,505 0,593 0,620 0,734 0,768 0,942 0,564 0,599 0,603 1,955 0,658 0,682 0,414 0,447 0,426 0,843 0,315 0,388 0,489 0,612 0,721 0, ,360 0,515 0,645 1,232 0,614 1, ,444 1,639 0,369 0,575 0,723 1,110 Pso (Kg/m) = iâmtro = Espssura KR1496 KR1501 KR1175 KR1176 KR1527 KR1520 KR1518 KR1183 KR1184 KR1509 KR1186 KR1492 KR1307 KR1395 KR1467 KR1188 KR1193 KR1196 KR1199 KR1528 KR1200 KR1473 KR1547 KR1203 KR1204 KR1205 KR1206 KR1207 KR1508 KR1439 KR1433 KR1488 KR1210 KR1211 KR1213 KR1550 KR ,00 47,00 47,62 47,62 48,30 54,50 55,00 56,00 57,15 57,15 58,00 60,30 60, ,20 66,67 69,85 69,85 69,85 69,85 69,90 70,00 9,50 2,60 2,40 11,80 6, ,25 2,10 1,60 3,50 1,30 0,904 3,033 0,617 0,774 1,012 0,499 3,405 0,660 0,828 0,989 1,281 1,594 2,394 1,311 4,324 0,693 0,745 1,451 2,878 1,463 0,787 5,024 0,636 0,830 1,043 1,234 1,622 3,078 7,456 1,106 0,883 0,586 0,915 1,151 1,793 1,979 0,758 Pso (Kg/m) 26 Mdidas m Milímtros

27 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. KR1474 KR1530 KR1338 KR1475 KR1476 KR1218 KR1219 KR1220 KR1221 KR1384 KR1222 KR1223 KR1310 KR1427 KR1233 KR1461 KR1426 KR1422 KR1420 KR1239 KR1529 KR1557 KR1497 KR1331 KR1540 KR1507 KR1559 KR1472 KR1408 KR1504 KR1363 KR1246 KR1373 KR1247 KR1483 KR1249 KR1505 Rdondos 70, ,00 76,00 76,00 80,20 81,30 82,55 82,55 84,55 85,00 86,00 88,90 88,90 88,90 90,00 90, ,25 97,20 1 4,25 14,50 7,50 16,50 4,30 3, ,50 16,00 3,50 8,00 1,60 2,25 2,81 5,74 5,706 2,488 7,441 4,358 8,328 0, ,259 1,490 1,863 1,964 2,884 1,327 2,623 2,134 7,525 2,743 1,118 2,980 2,305 2,718 7,295 2,223 6,786 7,375 10,625 8,926 2,782 6,243 7,662 1,357 1,690 1, ,355 2,647 4,685 Pso (Kg/m) = iâmtro = Espssura KR1519 KR1558 KR1463 KR1312 KR1562 KR1425 KR1256 KR1549 KR1470 KR1546 KR1500 KR1261 KR1565 KR1560 KR1517 KR1563 KR1407 KR1268 KR1341 KR1368 KR1556 KR1490 KR1367 KR1534 KR1522 KR1280 KR1281 KR1282 KR1340 KR1318 KR1366 KR1487 KR1545 KR1393 KR1564 KR1438 KR ,10 107,75 107,95 108, ,10 113,50 114,30 114,30 114,30 114, , ,30 139, ,20 159,34 160, ,40 165,00 1 1,70 3,50 1,65 4,40 3,05 1 1,70 1,40 1 8,00 4 1,40 8,10 1,35 3,47 5,30 6,00 7,00 7,463 8,485 1,331 2,812 10,299 2,680 1, ,560 4,087 2,889 2,988 8,880 9,674 1,712 11,672 9,755 1,492 2,121 3,330 10,863 2,253 3,671 9,671 38,618 1,788 9,901 1,730 1,920 2,551 4,013 7,867 4,605 12,723 7,116 8,062 9,416 Pso (Kg/m) 27 Mdidas m Milímtros

28 Rdondos 28 = iâmtro = Espssura Mdidas m Milímtros KR1543 KR1533 KR1296 KR1512 KR1499 KR1544 KR1471 KR1566 KR ,10 165,70 167, ,60 180,00 180,00 180,00 188,00 6,65 3,75 2 2, Pso (Kg/m) 4,370 9,005 5,193 28,981 3,304 14,473 30,059 30,170 15,154 KR1301 KR1536 KR1394 KR1302 KR1391 KR1448 KR1531 KR1303 KR ,00 200,00 200, ,20 203,20 203,20 205,00 2 6,00 1 1,90 3,75 Pso (Kg/m) 9,873 16,176 19,880 16,371 3,256 6,759 38,449 6,402 20,433 Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. = iâmtro = Espssura KI3001 KI3002 KI3003 KI ,8 50,8 76,2 76,2 Rdondos para Irrigação 1,10 1,27 1,10 1,27 Pso (Kg/m) 0,464 KI3005 0,534 KI3006 0,701 KI3010 0,807 KI ,6 101,6 152,4 254,0 Mdidas m Milímtros 1,10 1,27 1,70 Pso (Kg/m) 0,938 1,081 2,173 5,353

29 29 n = iâmtro Nominal (Pol.) = iâmtro xtrno i = iâmtro intrno = Espssura Schdul n Mdidas m Milímtros Projtos, prfis, códigos sistmas sujitos a altração sm prévio aviso. KS2029 KS2002 KS2022 KS2003 KS2004 KS2024 KS2025 KS2005 KS2006 KS2026 KS2007 KS2008 KS2009 KS2010 KS2011 KS2012 KS2013 KS2014 KS2015 KS2016 KS2017 KS2018 KS2019 KS2020 KS2021 KS2027 KS2028 Schdul n 1/4 1/2 1/2 3/ /4 1.1/4 1.1/2 1.1/ /2 2.1/ /2 3.1/ / ,70 21,34 21,34 26,67 33,40 33,40 42,16 42,17 48,26 48,26 60,33 60,33 73,03 73,03 88,90 88,90 114,30 114,30 141,30 141,30 168,28 168,28 219,10 219,10 i 7,66 15,80 13,86 20,93 26,64 24,40 32,46 35,05 40,90 52,51 49,25 62,71 59,00 77,92 73,66 90,12 85,45 102,26 97,18 114,46 128,20 122,25 154,05 146,33 202,74 193,70 3,02 2,77 3,74 2,87 3,38 4,55 4,85 3,56 3,68 5,08 3,91 5,54 5,16 7,01 5,49 7,62 5,74 8,08 6,02 8,56 6,27 6,55 9,53 7,11 10,97 8,18 Pso (Kg/m) 0,274 0,438 0,560 0,582 0,864 1,107 1,541 1,170 1,397 1,868 1,878 2,584 2,982 3,943 3,899 5,273 4,685 6,430 5,550 7,706 6,445 7,514 10,686 9,763 14,698 14,689 22,317

30 Escritório Cntral Praça Ramos d zvdo, 254 4º andar São Paulo SP CEP Fon.: (11) (PX) Fax: (11) / 4638 / (Comrcial) Comrcial VM C ns d Consumo (11) Construção Civil (11) istribuição (11) Eltricidad (11) Embalagns (11) Fundidos (11) Transports (11) Markting (11) Cntros d istribuição C CXIS O SU Rodovia RST 453, N. Sra da Saúd Caixa Postal: 1002 Caxias do Sul RS CEP Fon / Fax: (54) / 2012 C CURITI Rua Mrcds Silr Rocha, 593 acachri Curitiba PR CEP Fon / Fax: (41) C GSPR Rua nfilóquio Nuns Pirs, Figuira Gaspar SC CEP Fon / Fax: (47) / 5753 / 5795 / 5873 C JUNIÍ Rua uíz nzato n.500 Polo Multivias. Mdiros Jundiaí SP CEP: Fon / Fax: (11) / 3131 C RIO E JNEIRO v. rasil, Parada d ucas Rio d Janiro RJ CEP Fon / Fax: (21) / ESCRITORIO MNUS Rua Franco d Sá, 270 9º andar sala 912 Edifício mazon Trad Cntr. São Francisco Manaus M CEP: Fon / Fax: (92)

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO)

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO) ABR 98 Tubos d politilno PE abp/e001 Espcificação Origm: ISO 4427/96 abp - associação brasilira d tubos poliolfínicos sistmas CTPE - Comissão Técnica d Politilno abp/e001 - Polythyln (PE) pips - Spcification

Leia mais

EMPRESA ESTRUTURA. Com diversificado, a Tubonasa possui uma sólida infraestrutura seguindo padrões internacionais de armazenagem e manuseio.

EMPRESA ESTRUTURA. Com diversificado, a Tubonasa possui uma sólida infraestrutura seguindo padrões internacionais de armazenagem e manuseio. EMPRES Tubonasa ços é uma organização prsnt há mais d anos no mrcado, é pionira m su sgmnto d distribuição d tubos m aço carbono, quadrados, rtangulars rdondos; m suas mais divrsas normas, para as mais

Leia mais

F o l e s S a n f o n a d o s

F o l e s S a n f o n a d o s Fols Sanfonados Protção individualmnt sob mdida sanfonada por sanfonada A protção prfita para o homm para a máquina. A Hnnig projta produz fols sanfonados para máquinasfrramnta há mais d 50 anos. Hoj a

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS INFRAESTRUTURA SANEAMENTO ÁGUA E ESGOTO TELEFONIA GÁS

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS INFRAESTRUTURA SANEAMENTO ÁGUA E ESGOTO TELEFONIA GÁS TÁLOGO TÉNIO E PROUTOS INFRESTRUTUR SNEMENTO ÁGU E ESGOTO TELEFONI GÁS 1 mprsa qu mais crscu nos últimos 22 anos no stor. Um dos lídrs na fabricação d tubos conxõs do país. 2 Qum somos 3 Produtos Qualificados

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE

POLÍTICA DA QUALIDADE TUBOS E CONEXÕES PD N BR 1 5561 POLI ERG POL GP10 0BK PEA IERG D NB PE 1 00 D R 15 PEA 561 D NB R 15 E 45 0 PN GP10 561 0BK GP1 10 Á GUA PE 1 00B 00 D K PE E 45 100 0 PN DE 4 10 E 50 P SGOT O N 10 ÁGU

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33 Balanço Social Em 31 d dzmbro d 2015 2014 1 - Bas d Cálculo 2015 Valor (Mil rais) 2014 Valor (Mil rais) Rcita líquida (RL) 190.202 292.969 Rsultado opracional (RO) 111.720 (16.955) Rsultado Financiro (29.648)

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006 PLUGUES E TOMADAS Padrão NBR 14.136 Painl Storial INMETRO 11 abr 2006 1 NBR para (P&T) 2 ABNT NBR NM 60884-1 tomadas para uso doméstico análogo Part 1: Rquisitos grais - Fixa as condiçõs xigívis para P&T

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 Parágrafo único Nos casos m qu o afastamnto s stndr por tmpo suprior ao prvisto, dsd qu autorizada sua prorrogação, fará jus, às diárias corrspondnts ao príodo prorrogado. Art.

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

ANEXO 1 DO COMUNICADO: ACORDO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E MATO GROSSO.

ANEXO 1 DO COMUNICADO: ACORDO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E MATO GROSSO. ANEXO 1 DO COMUNICADO: ACORDO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E MATO GROSSO. Abrangência: opraçõs intrstaduais originadas do stado d São Paulo dstinadas ao stado do Mato Grosso. Produto: ltrônicos,

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO.

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO. ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO - Estrutura - Engnhiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalbrto1@trra.com.br Introdução projto xcução basados m normas técnicas, psquisa prática

Leia mais

ANÁLISE DAS TENSÕES ESTADO GERAL DE TENSÃO. Tensor de Tensões. σ ij = Tensões Principais

ANÁLISE DAS TENSÕES ESTADO GERAL DE TENSÃO. Tensor de Tensões. σ ij = Tensões Principais ANÁLISE DAS TENSÕES ESTADO GERAL DE TENSÃO Tnsor d Tnsõs ij Tnsõs Principais ij Tnsõs Principais Estado d tnsão D Estado plano d tnsão I I I P p P ( ), x x x ± I, I, I Invariants das tnsõs z x I x z zx

Leia mais

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b Considr uma população d igual númro d homns mulhrs, m qu sjam daltônicos % dos homns 0,% das mulhrs. Indiqu a probabilidad d qu sja mulhr uma pssoa daltônica slcionada ao acaso nssa população. a) b) c)

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO SUL ESCOL DE ENGENHRI DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PROJETO DE PILRES DE CONCRETO RMDO MÉRICO CMPOS FILHO 014 SUMÁRIO 1 Dimnsõs... 1 1.1 Dimnsõs mínimas das sçõs transvrsais

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

PENSANDO E DESCOBRINDO!!!

PENSANDO E DESCOBRINDO!!! PENSANDO E DESCOBRINDO!!! Sobr o Chuviro Elétrico... Falarmos agora sobr outra facilidad qu a ltricidad os avanços tcnológicos trouxram, trata-s d um aparlho muito usado m nosso dia a dia, o CHUVEIRO ELÉTRICO!

Leia mais

4. Escoamento de um Fluido Real

4. Escoamento de um Fluido Real 4. Escoamnto d um Fluido al O scoamnto d um luido ral é mais complxo qu o d um luido idal. A viscosidad dos luidos rais é rsponsávl plas orças d atrito ntr as partículas luidas, bm como ntr stas os contornos

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia d Configuração do Monitoramnto do srvidor Cisco UCS cisco_ucs séri 2.1 Avisos lgais Copyright 2013, CA. Todos os diritos rsrvados. Garantia O matrial contido nst documnto é

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Processo de Seleção 2 0 Semestre 2008 Exame de Conhecimento em Física

Programa de Pós-Graduação Processo de Seleção 2 0 Semestre 2008 Exame de Conhecimento em Física UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS INSTITUTO DE FÍSICA C.P. 131, CEP 74001-970, Goiânia - Goiás - Brazil. Fon/Fax: +55 62 521-1029 Programa d Pós-Graduação Procsso d Slção 2 0 Smstr 2008 Exam d Conhcimnto m

Leia mais

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra Estado da art do softwar d minração o impacto nas mlhors práticas d planjamnto d lavra Prof. Dr. Giorgio d Tomi Profssor Associado, Dpto. Engnharia d Minas d Ptrólo da EPUSP Dirtor d Opraçõs, Dvx Tcnologia

Leia mais

CANTONEIRAS ABAS IGUAIs...5.001 CANTONEIRAS ABAS desiguais...5.001 PERFIL U ABAS DESIGUAIS... 5.002

CANTONEIRAS ABAS IGUAIs...5.001 CANTONEIRAS ABAS desiguais...5.001 PERFIL U ABAS DESIGUAIS... 5.002 sumário Empresa... 2.001 Informações Técnicas... 3.001 SUMÁRIO DE PERFIS... 4.001 TABELADOS CANTONEIRAS ABAS IGUAIs...5.001 CANTONEIRAS ABAS desiguais...5.001 PERFIL U ABAS IGUAIS... 5.002 PERFIL U ABAS

Leia mais

Derivada Escola Naval

Derivada Escola Naval Drivada Escola Naval EN A drivada f () da função f () = l og é: l n (B) 0 l n (E) / l n EN S tm-s qu: f () = s s 0 s < < 0 s < I - f () só não é drivávl para =, = 0 = II - f () só não é contínua para =

Leia mais

Armaduras de Pele para Blocos de Concreto Armado

Armaduras de Pele para Blocos de Concreto Armado Armaduras d Pl para Blocos d Conto Armado José Milton d Araújo 1 Rsumo Os grands blocos d fundação dos difícios das ponts podm aprsntar fissuras suprficiais já nas primiras horas após a contagm. Em virtud

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS STRATUS SOLUÇÕES EM FIBRA DE VIDRO ISO9001:2008 ISO. CRCC Petrobrás

CATÁLOGO DE PRODUTOS STRATUS SOLUÇÕES EM FIBRA DE VIDRO ISO9001:2008 ISO. CRCC Petrobrás STRTUS UM MR DE FIR UM MR DE FIR STRTUS ompostos Estruturais tda Matriz: Rua Januária, 581 ácaras Runidas EP: 12238-0 / São José dos ampos SP Filial: Rua storga, 70 ácaras Runidas EP: 12238-400 / São José

Leia mais

perfis laminados e estruturais tubos

perfis laminados e estruturais tubos prfis laminados struturais tubos O prfil d confiança a mprsa A Prfipar atua há 36 anos no mrcado brasiliro stá ntr as maiors fabricants d tubos d aço d pquno diâmtro do país. Sua linha d produtos inclui

Leia mais

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos.

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos. TERMOLOGI 1- Dfinição É o ramo da física qu studa os fitos as trocas d calor ntr os corpos. 2- Tmpratura É a mdida do grau d agitação d suas moléculas 8- Rlação ntr as scalas trmométricas Corpo Qunt Grand

Leia mais

Pás de aço para geradores eólicos são 90% mais baratas Site Inovação Tecnologócia 15/05/2015

Pás de aço para geradores eólicos são 90% mais baratas Site Inovação Tecnologócia 15/05/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 15 d maio d 2015 Sxta-Fira - # 1.544 Pás d aço para gradors ólicos são 90% mais baratas

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS IRRIGAÇÃO IRRIGAÇÃO GEOTÉCNICO

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS IRRIGAÇÃO IRRIGAÇÃO GEOTÉCNICO CTÁLOGO TÉCNICO E E PROUTOS IRRIGÇÃO IRRIGÇÃO GEOTÉCNICO 1 mprsa qu mais crscu nos últimos 22 anos no stor. Um dos lídrs na fabricação d tubos conxõs do país. 2 3 Produtos Qualificados Linhas: sanamnto,

Leia mais

A JUNÇÃO P-N E O DIODO RETIFICADOR

A JUNÇÃO P-N E O DIODO RETIFICADOR A JUNÇÃO P-N E O DIODO RETIFICADOR JOSÉ ARNALDO REDINZ Dpartamnto d Física - Univrsidad Fdral d Viçosa CEP : 36571-, Viçosa MG 8/2 1) A TEORIA DE BANDAS PARA A CONDUÇÃO ELÉTRICA A única toria capaz d xplicar

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

Módulo III Capacitores

Módulo III Capacitores laudia gina ampos d arvalho Módulo apacitors apacitors: Dnomina-s condnsador ou capacitor ao conjunto d condutors dilétricos arrumados d tal manira qu s consiga armaznar a máxima quantidad d cargas létricas.

Leia mais

ESPECIALISTA EM ALUMÍNIO

ESPECIALISTA EM ALUMÍNIO EPECILIT EM LUMÍNIO lumínio: um mercado em constante transformação. o longo de quase cinqüenta anos atuando na indústria de alumínio, pude vivenciar momentos dos mais distintos. Desde uma fase inicial

Leia mais

Composição química do alumínio

Composição química do alumínio Índice Descrição Página Composição química do alumínio... 4 Propriedades mecânicas do alumínio... 5 Propriedades físicas do alumínio... 6 Comparativo do alumínio com outros metais... 6 Principais ligas,

Leia mais

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone Tabla d Prços C PRODUTO Dscritivo Insumos Consultas d Balcão Consulta com imprssão d xtrato simplificado d rgistros, com composição idêntica à Dclaração Consumidor SóChqu Confirm PJ Confirmação dos dados

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

Produção e vendas dos 100 maiores produtos e/ou serviços industriais, segundo posição e descrição dos produtos - Brasil - 2003

Produção e vendas dos 100 maiores produtos e/ou serviços industriais, segundo posição e descrição dos produtos - Brasil - 2003 vndas dos 100 maiors produtos /ou srviços industriais, sgundo posição scrição dos produtos - Brasil - 2003 scrição dos produtos unida mdida Quantida Quantida Total 5 000 477 863 928 386 420 260 2321.0130

Leia mais

Projetos de um forno elétrico de resistência

Projetos de um forno elétrico de resistência Projtos d um forno létrico d rsistência A potência para um dtrminado forno dpnd do volum da câmara sua tmpratura, spssura condutividad térmica do isolamnto do tmpo para alcançar ssa tmpratura. Um método

Leia mais

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Mcânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EA3N Smstr: 1 sm/2017 Data: 20/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES DA

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões Séri V300 Exclnt control para caminhõs pqunos furgõs A solução para obtr Exclnt smpnho Alta confiabilida Fácil manutnção Montagm frontal ou no tto Construção compacta AEssa sérilinha V-300 ofrc uma xclnt

Leia mais

Tubos. Especificações técnicas de fabricação

Tubos. Especificações técnicas de fabricação A Empresa Perfipar Uma completa estrutura, com mais de 500 colaboradores e capacidade de processar 80 mil toneladas de aço por ano, essa é a Perfipar. Uma empresa fundada no Paraná, que está em constante

Leia mais

alfatubo Engineering Pipes Produzimos tubos... Canalizamos energias... Tabalhamos para um futuro sustentávél...

alfatubo Engineering Pipes Produzimos tubos... Canalizamos energias... Tabalhamos para um futuro sustentávél... alfatubo Produzimos tubos... Canalizamos nrgias... Tabalhamos para um futuro sustntávél... Catálogo Produtos 1 1.1.alfaHIDRO Obras Públicas Infra-struturas Rga Industrial Transport Água Potávl 1.2. alfagás

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório d Física Exprimnto 01: Associação d Rsistors Disciplina: Laboratório d Física Exprimntal II Profssor: Turma: Data: / /20 Alunos (noms compltos m ordm alfabética): 1: 2: 3: 4: 5: 2/15 01 Associação

Leia mais

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS Sistma d Numração - Litura scrita sistma d numração indo-arábico

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de Dsintgração Radioativa Os núclos, m sua grand maioria, são instávis, ou sja, as rspctivas combinaçõs d prótons nêutrons não originam configuraçõs nuclars stávis. Esss núclos, chamados radioativos, s transformam

Leia mais

Ofertas para dias Especiais

Ofertas para dias Especiais Dsignação P. Unitário Imagm mlhor brilhants nnt. cors tcidos Papl gns Transparnt, Laranja, (Rolo até d Rsistnts com Clofan 60º. - 50x65cm) Amarlo, Vrmlho, tinta Para Vrd prma- têxtil a cors fixar para

Leia mais

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 PLANO DE ENSINO CURSO: Agronomia MODALIDADE: Prsncial DISCIPLINA: Topografia Básica Planimtria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 ANO/SEMESTRE/ANO: 2014/4º FASE/SÉRIE: 4º sm. CARGA HORÁRIA: 04 horas (smanal) /

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS SET 40 Estruturas d concrto armado II Turma - 008 Concrto armado: projto d pilars d acordo com a NBR

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

Custos e despesas total. Número de. de pessoal. empresas ativas

Custos e despesas total. Número de. de pessoal. empresas ativas Tabla 1.7 - Estrutura dos custos dspsas s mprsas industriais com 5 ou mais pssoas ocupas, sgundo as divisõs os grupos d ativids - Brasil - 2012 Unid d invstigação: Emprsa (continua) Divisõs grupos d ativids

Leia mais

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema Força cntral 3 O problma das forças cntrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA Uma força cntralé uma força (atrativa ou rpulsiva) cuja magnitud dpnd somnt da distância rdo objto à origm é dirigida ao longo

Leia mais

Uso Eficiente da Água no setor doméstico. Aproveitamento de águas pluviais e de águas cinzentas. http://www.all-aqua.pt/ 1/

Uso Eficiente da Água no setor doméstico. Aproveitamento de águas pluviais e de águas cinzentas. http://www.all-aqua.pt/ 1/ Uso Eficint da Água no stor doméstico Aprovitamnto d águas pluviais 1/ Aprovitamnto d águas pluviais Águas cinzntas águas rsiduais domésticas não fcais. Ex: águas d banhiras, duchs, lavatórios. 2/ Aprovitamnto

Leia mais

RI406 - Análise Macroeconômica

RI406 - Análise Macroeconômica Fdral Univrsity of Roraima, Brazil From th SlctdWorks of Elói Martins Snhoras Fall Novmbr 18, 2008 RI406 - Anális Macroconômica Eloi Martins Snhoras Availabl at: http://works.bprss.com/loi/54/ Anális Macroconômica

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 d Agosto d 2007 Diplomas altrados CAPÍTULO I Disposiçõs grais Administração local autárquica (A) Municípios Frgusias Dcrto-Li n.º 17/2007, d 22 d Janiro, qu criou o rgim xcpcional

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais