INDICE. Introdução: Estações Elevatórias de Esgoto Estações de Tratamento de Esgoto... 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4"

Transcrição

1 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 16

2 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de maio de 2009, conforme prevê o contrato firmado de PPP Administrativa, no que diz respeito ao esgotamento sanitário do município de Guaratinguetá, que compreende 12 Estações Elevatórias de Esgoto, quais sejam: Chácara Selles, Centro (Defesa Civil), Jardim do Vale, Bom Retiro, Pingo de Ouro, Vitória, Jequitibás, Belo Horizonte, Internacional Parque, São Manoel Rua I, São Manoel Rua III e Jardim Rony; além de 03 Estações de Tratamento de Esgoto, as ETE`s Campo do Galvão, Vila Bela e Pedrinha, e demais atividades correlatas à prestação de serviço de tratamento de esgoto do município. Estações Elevatórias de Esgoto Demos continuidade às vistorias periódicas das EEE s, com a frequência de 2X / semana (segundas e sextas), no mínimo, a fim de avaliar as condições de funcionamento dos equipamentos (bombas, bóias, painéis,etc), fazendo o registro das informações em check list`s, confeccionados para tal, que se encontram, anexados, neste relatório e em Livro de Ocorrência, à disposição para consulta em nossas instalações. Continuamos com as limpezas dos poços e das instalações internas e externas das EEE`s, no mês que faz referência este relatório, a fim de atender a programação previamente elaborada para o serviço supracitado. Realizamos a limpeza externa e interna, com corte e capina de grama, além da limpeza dos poços das EEE`s Jardim Rony, São Manoel Rua I e São Manoel Rua III. Aplicamos novamente os produtos indicados para evitar o crescimento do mato nas instalações das Elevatórias São Manoel, na rua 1 e na rua 3, tanto na área externa quanto na interna. Página 2 de 16

3 Relato Fotográfico Após as Intervenções nas EEE`s EEE Jardim Rony EEE São Manoel Rua I EEE São Manoel Rua III Página 3 de 16

4 Substituímos a bomba submersível da EEE Jardim Rony, que apresentou problema. A mesma foi encaminhada para reparo em empresa especializada. Substituímos a bóia do automático na EEE Internacional Parque. Substituímos a bóia do automático na EEE Belo Horizonte. Substituímos a polia do motor da bomba submersível da EEE Bom Retiro. Continuamos aguardando um parecer final da desapropriação da área referente a Estação Elevatória de Esgoto do Pingo de Ouro para dar continuidade e concluir a instalação da bomba Flyght na Elevatória supracitada. Estações de Tratamento de Esgoto ETE - Campo do Galvão Em referência as alterações que se fazem necessárias na ETE Campo do Galvão, registradas no relatório referente ao mês de julho de 2008, cumpre-nos informar o seguinte : - Estamos em estudo, junto a empresa de projeto que nos presta serviço, para definir a necessidade real das obras para a construção da Estação Elevatória do Lodo Recirculado, além do redirecionamento desta contribuição para o Tanque de Aeração, possivelmente para os próximos meses; - Continuamos a estudar ainda, dentre outras coisas: viabilizar o encaminhamento do lodo descartado para o Adensador e posteriormente para os Leitos de Secagem (atualmente não há cota para encaminhamento do Adensador para os Leitos de Secagem); realizar a manutenção nas válvulas que são utilizadas para a recirculação do lodo, uma vez que as mesmas se encontram em processo de corrosão, apresentam folga e não se encontram com boa vedação. Página 4 de 16

5 Contudo algumas ações mais imediatas foram realizadas no período de vigência deste relatório, quais sejam: - Demos continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com o corte da grama e a varrição e o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, realizados pelos operadores, além da limpeza e organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo, por funcionária contratada para tal, seguindo programação elaborada previamente; - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; - Realizamos a limpeza na Caixa de Areia e Elevatória que recebe o esgoto bruto que aflui a Estação de Tratamento de Esgoto em referência, com auxílio do caminhão Hidrovácuo e com equipe disponibilizada para tal; - Substituímos alguns cabos que sustentam os aeradores nos tanques de aeração, bem como instalamos as presilhas para que os mesmos possam ficar mais seguros nas paredes dos tanques; - Realizamos a desobstrução da tubulação e registro situados no recalque da bomba de esgoto bruto; - Demos continuidade a construção das novas instalações da CAB Guaratinguetá na ETE Campo do Galvão, quais sejam : salas para o administrativo-financeiro, operacional, vestiário para os colaboradores do operacional, refeitório, cozinha e sala para guardar o material de EPI, além de guarita. Foi solicitado e obtida a autorização da SAEG, antes do início das obras, para que pudéssemos dar início à mesma. As obras têm previsão para o término em meados de junho de Página 5 de 16

6 Relato Fotográfico da Construção das Novas Instalações - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 08/05/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Esses resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nºs e Houve uma redução em termos da DBO em 87,59 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 67 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. Página 6 de 16

7 ETE - Vila Bela Na ETE Vila Bela demos prosseguimento a algumas ações que identificamos necessárias, que foram relacionadas no relatório referente ao mês de julho de 2008, quais sejam: - Estamos em estudo, junto a empresa de projeto que nos presta serviço, para definir a necessidade real das obras para a construção da Estação Elevatória do Lodo Recirculado, além do redirecionamento desta contribuição para o Tanque de Aeração, possivelmente para os próximos meses; Continuamos estudando ainda, dentre outras coisas : reavaliar o uso dos Adensadores de Lodo no processo, uma vez que o lodo decantado vem sendo encaminhado para a Elevatória do Esgoto Bruto e os descartes não são realizados de acordo com freqüência estabelecida a fim de manter o equilíbrio de lodo do sistema; De qualquer forma foram realizadas algumas ações mais imediatas, no período de vigência desse Relatório, quais sejam : - Demos continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com a varrição e o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, realizados pelos operadores, além da limpeza e organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo, por funcionária contratada para tal, seguindo programação elaborada previamente; - Realizamos o corte de grama, poda das árvores e limpeza geral das instalações externas da ETE Vila Bela por intermédio de empresa contratada para este fim, dando continuidade a programação estabelecida para tal; - Realizamos a limpeza na Caixa de Areia e Elevatória que recebe o esgoto bruto que aflui a Estação de Tratamento de Esgoto em referência, com auxílio do caminhão Hidrovácuo e com equipe disponibilizada para tal; - Substituímos alguns cabos que sustentam os aeradores nos tanques de aeração, bem como instalamos as presilhas para que os mesmos possam ficar mais seguros nas paredes dos tanques; Página 7 de 16

8 - Substituímos um dos aeradores do tanque de aeração, a fim de realizar manutenção preventiva no mesmo; - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 08/05/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Os resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nº e Houve uma redução em termos da DBO em 82,04 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 44 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. ETE Pedrinha Com relação às alterações que identificamos a necessidade de serem realizadas na ETE em questão, que foram registradas no relatório referente ao mês de julho de 2008, cumpre-nos informar que : - As obras necessárias para a instalação dos medidores de vazão, entrada e saída da ETE, bem como a compra dos medidores de vazão ultrasônicos, serão reprogramadas para após a definição do redirecionamento do lançamento do esgoto tratado da ETE, exigido pela CETESB, e que vem sendo discutido e tratado pela SAEG junto ao Órgão Ambiental; Persistimos estudando ainda, dentre outras coisas : viabilizar de forma efetiva o descarte de lodo para o Leito de Secagem com a construção de Elevatória de Recirculação de Lodo, instalar medidor de vazão do recirculado, além de encaminhar essa contribuição para o Tanque de Aeração (TA), de forma contínua, realizando contato com novas empresas.o Página 8 de 16

9 serviço será realizado dentro de um cronograma de prioridades, estabelecido pela CAB; No entretanto foram realizadas algumas ações mais imediatas, no período de vigência desse relatório, quais sejam : - Continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com a varrição, a roçada da grama, a pintura do meio fio com cal, o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, serviços realizados pelos operadores. A limpeza e a organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo também foram realizadas pelos operadores da ETE; - Realizamos a limpeza na Caixa de Areia e Elevatória que recebe o esgoto bruto que aflui a Estação de Tratamento de Esgoto em referência, com auxílio do caminhão Hidrovácuo e com equipe disponibilizada para tal; - Instalamos as presilhas nos cabos que sustentam os aeradores a fim de que os mesmos possam ficar mais seguros nas paredes dos tanques; - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 08/05/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Esses resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nº e Houve uma redução em termos da DBO em 94,08 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 43 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. Página 9 de 16

10 Evento em Comemoração ao Dia do Trabalho Em comemoração ao Dia do Trabalho foi realizado no feriado de 1º de maio de 2009, sexta-feira, um Torneio de Futebol Society, programado pela SAEG em seu Grêmio Recreativo, com as presenças e participação da própria SAEG, CAB Guaratinguetá, Depósito Beira Rio e Vale Soluções Ambientais. A CAB Guaratinguetá e a VSA fizeram a final do Torneio, vencido pela VSA. O evento primou pela confraternização entre as empresas e transcorreu de forma tranqüila e harmônica. Relato Fotográfico sobre Confraternização do Dia do Trabalho Página 10 de 16

11 Redes Coletoras de Esgoto O fato relevante do mês de maio é a obra do Coletor Tronco Secundário do Pólo Industrial, que tem valor total de R$ ,68, e teve início no dia 12 de maio de 2009, na Rodovia Aristeu Vieira Vilela, Pólo Industrial. No local estão sendo construídos 510 metros de rede coletora de esgoto e sete Poços de Visita (P.V.). Com essa obra o esgoto dos bairros daquela região que, atualmente, é lançado direto no Rio Paraíba, será coletado, transportado e tratado na Estação de Tratamento de Esgoto da Vila Bela. Além da preocupação com a qualidade do serviço, a CAB Guaratinguetá fiscaliza a execução da obra com rigoroso controle de segurança a fim de evitar qualquer tipo de incidente que possa causar transtornos à população e aos órgãos envolvidos na execução do serviço. A empresa, que diariamente realiza intervenções de manutenção nas redes coletoras de esgoto de toda a cidade, destaca esta obra como o início de uma temporada de grandes investimentos, que irão garantir a qualidade de vida da população e o desenvolvimento sustentável do município. Relato Fotográfico Inicio da obra, limpeza do local Página 11 de 16

12 Placa Sinalização e assentamento de tubo Uma ação também muito importante que vem impactando positivamente em nossos resultados é a manutenção preventiva que vem sendo realizada nas redes coletoras de esgoto, com frequência diária, já somando-se 60 dias ininterruptos. Dessa forma conseguimos atender um total de cinco bairros no município, quais sejam : Jardim do Vale; Campo do Galvão; São Manoel; Santa Luzia; Clube dos 500. Página 12 de 16

13 Abaixo segue gráfico comparando o numero de ordens de serviço com o índice pluviométrico, mês a mês. Ordens de Serviço - Julho/08 a Abril/09 Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr TOTAL OS Média de OS Chuvas (mm) Demanda das Ordens de Serviço (OS) Durante o mês de maio de 2009 foram emitidas 277 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas 277. Em maio de 2009, foram registrados alguns casos atípicos, sendo os principais a destacar: Página 13 de 16

14 OS Nº / Verificação Diversas de esgoto Rua Nhambiquara, 67, Pedregulho. No dia 24 de abril de 2009 foi emitida a Ordem de Serviço Nº /2009-3, na Rua Nhambiquara, 67, Pedregulho, referente ao serviço de verificação diversa de esgoto, onde o usuário alega que quando chove retorna esgoto dentro da casa. No mesmo dia a equipe da CAB Guaratinguetá esteve no local com o caminhão hidrojato para verificar o motivo do retorno. Foi observado que o esgoto estava fluindo, porém durante a operação de hidrojateamento, notou-se que a tubulação apresentava uma vazão reduzida. Como a situação permitia uma programação de execução, programamos para dia 05 de maio de 2009, onde foram substituídos oito metros da rede coletora de esgoto. Relato Fotográfico Afundamento na Rua Nhambiguara - Pedregulho Página 14 de 16

15 OS Nº / Substituição de Ramal de esgoto Rua Prudente de Morais,100, Centro. No dia 08 de maio de 2009 o usuário da Rua Prudente de Morais, 100, Centro, fez uma solicitação na SAEG, através da Ordem de Serviço Nº 00897/2009-1, de substituição de ramal de esgoto. A equipe da CAB Guaratinguetá programou o serviço, junto ao departamento de transito, e o executou no dia 14 de maio de Durante este trabalho encontramos algumas interferências, o que acabou estendendo o prazo de execução além do esperado. Relato Fotográfico Substituição de Ramal na Rua Prudente de Morais - Centro OS / Desentupir ramal de esgoto Rua Tupinambás, 622, Pedregulho No dia 14 de maio foi emitida a Ordem de Serviço Nº /2009-7, na Rua Tupinambas, 622, Pedregulho, referente ao serviço de afundamento de esgoto. A equipe esteve no local no mesmo dia e deu início a abertura no local onde apresentava afundamento. Ao encontrar a rede coletora de esgoto foi constatado que, além da rede de esgoto estar danificada, haviam também duas ligações de ramal danificadas. A equipe executou a substituição do trecho de rede e dos ramais danificados e, para isso, foram utilizados os seguintes materiais : 1,20 m de tubo corrugado de 100mm e 3,00 m de tubo corrugado de 150mm. Página 15 de 16

16 Relato Fotográfico Afundamento na Rua Tupinambas - Pedregulho A seguir apresentamos a listagem geral de todas as OS`s geradas no mês de Maio de 2009, bem como o resumo por tipo de serviço e respectivos gráficos. Página 16 de 16

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 18 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de abril de 2009, conforme

Leia mais

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 5 Página 1 de 21 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de março de 2009, conforme

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 5 Página 1 de 19 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de outubro de 2009, conforme

Leia mais

Durante o mês de janeiro de 2009, foram emitidas 437 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas 429.

Durante o mês de janeiro de 2009, foram emitidas 437 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas 429. Redes Coletoras de Esgoto O mês de janeiro de 2009 foi marcado pelo aumento do número de Ordens de Serviços (OS) causado pela grande incidência de chuvas, elevando significativamente os casos de afundamentos

Leia mais

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 23 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de fevereiro de 2009,

Leia mais

Relatório mensal das atividades

Relatório mensal das atividades Relatório mensal das atividades Novembro/2010 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 02 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO... 03 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO... 06 CONSUMO DE ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA... 19 INVESTIMENTOS...

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 6

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 6 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 6 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de junho de 2010, conforme prevê o contrato

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014 RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá. OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá OBJETO: Prestação de Serviços público para

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013

RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013 RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014 RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá. OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

Asfalto da rotatória reconstituído no dia 03 de dezembro de 2009

Asfalto da rotatória reconstituído no dia 03 de dezembro de 2009 Redes Coletoras de Esgoto Neste mês de dezembro de 2009 foi concluída a obra do coletor de esgoto da Rodovia Aristeu Vieira Vilela, possibilitando que as ligações de esgoto do pólo industrial sejam feitas

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 7

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 7 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 7 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de julho de 2010, conforme prevê o contrato

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP)

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP) REGIONAIS 5.9.8.1 Executar rotina geral de manutenção da ETE REGIONAIS 5.9.8.2 Executar a manutenção geral das elevatórias das ETEs REGIONAIS 5.9.8.3 Executar a manutenção dos conjuntos motobombas Executar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Drenagem de Bacias SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 035 Garantir a captação e drenagem das bacias hidrográficas; Eliminar pontos de alagamento junto a córregos e canais; Proteger as margens

Leia mais

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ PRESTADOR: DAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final 32 PROJETO DE EXECUÇÃO DAS OBRAS 32.1 Cronograma de execução e estimativa do custo das obras (1) Cronograma de execução O cronograma de execução da obra, tal como apresentado na Figura 32.1.1, terá início

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA COM CAPACIDADE DE TRANSPORTE DE 9.000 A

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Parque Universitário BACIA I Coletor Vila Goulart 300 mm Instalações

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo LocatelliLtda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Sinalização das ruas onde serão realizadas as escavações

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS ORGANOGRAMA A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? Desde 1999, a OC utiliza o Modelo de Excelência

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas. Belo Horizonte Outubro 2014...

Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas. Belo Horizonte Outubro 2014... Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas Belo Horizonte Outubro 2014... 1 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR DE SERVIÇOS... 5 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda A laje sanitária do poço está em boas condições atendendo a padronização do DAEE. O funcionamento do poço P5 ocorre com timer, no período entre 5:00 e 22:00 horas. Assim, deve-se instalar um sistema de

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013 Audiência Pública Piedade 20 de Junho de 2013 Objetivo do Encontro Audiência Pública sobre o Convênio com o Governo do Estado, Contrato de Programa com a Sabesp e Plano Municipal de Saneamento do município

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Instalações dos dispositivos de sinalização para

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE SIMÕES FILHO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE SIMÕES FILHO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE SIMÕES FILHO Maio - 2014 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 5 2 OBJETIVOS... 6 3 METODOLOGIA...

Leia mais

Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC. Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção

Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC. Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção Dezembro/ 2008 Revisão: Abril/2012 Revisão: Julho/2013 Preparado para: CASAN Companhia

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA PARA ATENDIMENTO ÀS OPERAÇÕES DE SUPRIMENTO DE ÁGUA EM ÁREAS DEFICITÁRIAS DE REDES DE ABASTECIMENTO, COM CAPACIDADE

Leia mais

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO ELEVATÓRIA UNIFAMILIAR - UNIECO-120 LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC OUTUBRO/2014 UNIDADE TESTE SUMÁRIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. A ELEVATÓRIA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR UNIECO-120

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

Procedimento de Gestão Ambiental 003. Controle de Efluentes Líquidos

Procedimento de Gestão Ambiental 003. Controle de Efluentes Líquidos Procedimento de Gestão Ambiental 003 Controle de Efluentes Líquidos Elaborador: Dejair Dietrich Piekarski Aprovador: Durval Nascimento Neto Revisor: Edson Luiz da Silveira Raimundo Motivo da revisão: Primeira

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO

CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO 155 1. Infraestrutura de Esgotamento Sanitário do município de Vinhedo 1.1. ETE Pinheirinho O município de Vinhedo conta com uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) denominada

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA - DEN

DIRETORIA DE ENGENHARIA - DEN 01 CANTEIRO DE OBRAS 0,00 CANTEIRO DE OBRAS EM BARRACÃO PARA ESCRITÓRIO TIPO A5, CONSTANDO DE CERCA DE 6 FIOS, BARRACÃO ABERTO, SANITÁRIOS E CHUVEIROS, REFEITÓRIO, ALOJAMENTO E MOBILIZAÇÃO E 01.01 DESMOBILIZAÇÃO

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

CORSAN SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SANTA MARIA -RS

CORSAN SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SANTA MARIA -RS CORSAN SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SANTA MARIA -RS 1960: O Saneamento Básico era atendido exclusivamente pelos municípios com apoio dos Estados. As cidades brasileiras tinham cerca de 50% dos seus

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO SERVIÇO PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO DAS ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO SANITÁRIO. LOCAL Bairros, Vila da Alimentação, Esmeralda I, Esmeralda II, Altos da

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA

CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA RELAÇÃO DOS PROCESSOS PROTOCOLADOS NO INSTITUTO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE ENCAMINHANDO OS FORMULÁRIOS INTEGRADOS DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO DAS SEGUINTES

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Coletor Luz D ayara 500 mm Escavações das valas, acompanhando

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESPECIFICAÇÕES

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESECIFICAÇÕES 1- Caracterização dos Efluentes a) arâmetros do rojeto opulação 300 funcionários. Consumo per Capta 62,5 l/dia Taxa de retorno 80% Carga Orgânica por Litro

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluente 2.0 Paiol 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Aterro sanitário 3.1 Organização da área 3.2 Pátio de estoque Acúmulo

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Coletor Luz D ayara 500 mm Execução de Poços de Visita

Leia mais

RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 54 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010

RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 54 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 54 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 APROVA A APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO ANO DE 2010 DO FUNDRHI DAS SUBCONTAS DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS MÉDIO PARAÍBA DO SUL, RIO DOIS RIOS E MACAÉ

Leia mais

BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 AGRICULTURA E ABASTECIMENTO: Programa Melhor Caminho: recuperação de 4,00 km da estrada BSM-420, BSM-010 e BSM-020 - BH Turvo Grande (3ª fase) - Custo: R$ 300 mil.

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

Apresentação da Metodologia da Conferência

Apresentação da Metodologia da Conferência Apresentação da Metodologia da Conferência Objetivos das Conferências? são espaços de diálogo entre o governo e a população Instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL AMAE AGÊNCIA MUNICIPAL DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTOS DE JOINVILLE.

RELATÓRIO ANUAL AMAE AGÊNCIA MUNICIPAL DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTOS DE JOINVILLE. 2014 RELATÓRIO ANUAL AMAE AGÊNCIA MUNICIPAL DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTOS DE JOINVILLE. RELATÓRIO ANUAL AMAE - 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 02 1 ATIVIDADES DE REGULAÇÃO... 03 1.1 FISCALIZAÇÃO

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

Figura 1: Esquema representativo de uma das linhas de tratamento da ETE do Baldo, com as respectivas vazões de recirculação

Figura 1: Esquema representativo de uma das linhas de tratamento da ETE do Baldo, com as respectivas vazões de recirculação II-234 - AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UMA ETE EM ESCALA REAL, COMPOSTA DE RETOR UASB SEGUIDO DE TANQUE DE AERAÇÃO COM BIODISCOS Danillo Luiz de Magalhães Ferraz (1) Tecnólogo em Meio Ambiente

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Distrito Federal Água e Esgoto Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Com a proclamação da República, em 1889, a Inspetoria Geral de Obras Públicas passou a se chamar Inspeção Geral das Obras

Leia mais

Proposta de Água de Reúso ETE Insular

Proposta de Água de Reúso ETE Insular Proposta de Água de Reúso ETE Insular Setor Operacional de Esgoto SEOPE / AFLS Gerência de Políticas Operacionais GPO Gerência de Meio Ambiente - GMA Setor de Qualidade de Água e Esgoto /Gerência Operacional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARAGOJIPE

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARAGOJIPE RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARAGOJIPE Março de 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 6 2 OBJETIVOS... 7 3 METODOLOGIA... 8 4 BASE LEGAL DAS

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP Objetivos principais do tratamento de esgoto O futuro e as próximas gerações na bacia PCJ INVESTIMENTO MACIÇO EM TRATAMENTO DE ESGOTO CONCEPÇÕES

Leia mais

SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML

SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML Sabesp a Partir de 1995 Reestruturação dos processos críticos para reduzir: Satisfação do cliente e qualidade de vida Aumento da qualidade dos serviços Custo Tempo

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

PILAR DO SUL OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014

PILAR DO SUL OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 PILAR DO SUL OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 AGRICULTURA: Programa de Pontes Metálicas: 1 sendo implantada 1 ponte metálica na estrada municipal PLS-409 no Bairro da Ilha, sobre o Córrego do Sítio Velho

Leia mais

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias PRAZO EXECUÇÃO META A SER EXECUTADA DESCRITIVO DA META FÍSICO EXECUTADO 2008 2009 2010 2011 Ampliação e complementação do sistema de produção de água tratada para as localidades de Imbariê e Taquara, na

Leia mais