VALEC SUMÁRIO NORMA GERAL AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALEC SUMÁRIO NORMA GERAL AMBIENTAL"

Transcrição

1 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Identificadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 1 / 18 SUMÁRIO 1. MOTIVAÇÃO OBJETIVOS ASPECTOS LEGAIS PROCEDIEMENTOS METODOLÓGICOS Definições Prcediments MÉTODOS E RECURSOS Drenagem Terraplanagem Abasteciment D água Esgtament Sanitári Dméstic e Industrial Regras Gerais Canteirs de Obras e Acampaments Cleta e Dispsiçã de Resídus Sólids Inspeçã PERÍODO DE VALIDADE E CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO ÓRGÃOS INTERVENIENTES MEDIÇÃO E PAGAMENTO BIBLIOGRAFIA VIGÊNCIA Nme: Prcess:

2 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Identificadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 2 / MOTIVAÇÃO As instalações de acampaments e a peraçã disciplinada bservand as regras estabelecidas para um ambiente saudável geram, cm cnsequência a natural, a bediência também às regras de cnvivência nã escritas, especialmente à mral e à ética essenciais para a qualidade e a prdutividade almejadas pela VALEC nas bras sb sua direçã, cntribuind para trnar realidade lema VALEC: Desenvlviment Sustentável para BRASIL. 2. OBJETIVOS Esta Nrma estabelece s prcediments exigíveis pela VALEC na instalaçã e na peraçã de acampaments de empresas cntratadas u para a cnstruçã, u para a cnservaçã, das ferrvias de cncessã da VALEC. 3. ASPECTOS LEGAIS A instalaçã e a peraçã ds acampaments devem bedecer às regras estabelecidas nas Nrmas Regulamentadras de Segurança e Saúde d Trabalh; nas Nrmas Ambientais da VALEC (NGLs) e n Prjet Aprvad para cnstruçã pela cntratante. A legislaçã específica referente a cada um ds itens envlvids na cnstruçã e peraçã ds acampaments está relacinada n própri item de serviç, na seçã 5 desta NORMA. As Nrmas Regulamentadras de Segurança e Saúde d Trabalh que serã bservadas pela fiscalizaçã da cntratante nas instalações e na peraçã ds acampaments sã as seguintes: Nrmas Regulamentadras: NR 01 - Dispsições Gerais NR 02 - Inspeçã Prévia NR 03 - Embarg u Interdiçã NR 04 - Serviçs Especializads de Seg. e Medicina d Trabalh - SESMT Nme: Prcess:

3 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Identificadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 3 / 18 NR 05 - Cmissã Interna de Prevençã de Acidentes - CIPA + Anexs NR 06 - Equipaments de Prteçã Individual - EPI NR 07 - Prgramas de Cntrle Médic e Saúde Ocupacinal - PCMSO NR 07 - Anex I Despach da Secretaria de Segurança d Trabalh NR 08 - Edificações NR 09 - Prgramas de Prevençã de Riscs Ambientais - PPRA NR 10 - Segurança em Instalações e Serviçs em Eletricidade NR 11 - Transprte, Mvimentaçã, Armazenagem e Manusei de Materiais NR 11 - Anex I Regulament técnic NR 12 - Máquinas e Equipaments NR 15 - Atividades e Operações Insalubridade NR 16 - Atividades e Operações Perigsas NR 17 - Ergnmia NR 18 - Cndições e Mei Ambiente de Trabalh na Industria da Cnstruçã Civil NR 19 - Explsivs NR 20 - Líquids Cmbustíveis e Inflamáveis NR 21 - Trabalh a Céu Abert NR 22 - Segurança e Saúde Ocupacinal na Mineraçã NR 23 - Prteçã Cntra Incêndis NR 24 - Cndições Sanitárias e de Cnfrt ns Lcais de Trabalh NR 25 - Resídus Industriais NR 26 - Sinalizaçã de Segurança Nme: Prcess:

4 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Identificadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 4 / 18 NR 32 - Segurança e Saúde n Trabalh em Estabeleciments de Saúde NR 33 - Segurança e Saúde n Trabalh em Espaçs Cnfinads As Nrmas Ambientais da VALEC que serã bservadas pela fiscalizaçã da cntratante nas instalações e na peraçã ds acampaments sã as seguintes: NORMA AMBIENTAL VALEC NGL QUALIDADE AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO NORMA AMBIENTAL VALEC - INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE ACAMPAMENTOS E DE CANTEIROS DE SERVIÇOS NORMA AMBIENTAL VALEC NGL EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CAPACITAÇÃO DOS TRABALHADORES NO PLANO AMBIENTAL DE CONSTRUÇÃO NORMA AMBIENTAL VALEC NGL ADMINISTRAÇÃO, SAÚDE E SEGURANÇA DA MÃO DE OBRA NORMA AMBIENTAL VALEC NGL PREVENÇÕES CONTRA QUEIMADAS NORMA AMBIENTAL VALEC NGL CONTINGÊNCIAS PARA EVITAR E/OU MITIGAR ACIDENTES RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS NORMA AMBIENTAL VALEC NGL DRENAGEM SUPERFICIAL E PROTEÇÃO CONTRA EROSÃO NORMA AMBIENTAL VALEC NGL MONITORAMENTO E CONTROLE DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS NA FASE DE CONSTRUÇÃO NORMA AMBIENTAL VALEC NGL MONITORAMENTO E CONTROLE DE RUÍDOS E VIBRAÇÕES NA FASE DE CONSTRUÇÃO NORMA AMBIENTAL VALEC NGL PROTEÇÃO DE RESERVATÓRIOS E MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO D ÁGUA NORMA AMBIENTAL VALEC NGL GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO E CONSERVAÇÃO Nme: Prcess:

5 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Identificadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 5 / 18 NORMA AMBIENTAL VALEC NGL AÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 4. PROCEDIEMENTOS METODOLÓGICOS 4.1. Definições ACAMPAMENTO. Cmpreende cnjunt de edificações dimensinadas e implantadas para api às bras e serviçs, layut a seguir pdend cnstar de: Vilas residências unifamiliares destinadas à instalaçã de pessal cm família, transferid de utras regiões; Aljaments edificações de us cletiv, destinadas à instalaçã d pessal sem família, transferid de utras regiões; Escritóris / Labratóris instalações distintas para Empresas Cnstrutras e Supervisras, nde serã desenvlvidas as atividades administrativas e técnicas; Cantinas instalações para preparaçã e frneciment de refeições a td pessal das Cnstrutras e Supervisras; Oficinas instalações prvidas de td equipament necessári à manutençã de veículs leves, pesads e equipaments alcads às bras; Áreas de lazer instalações e áreas dtadas de estruturas de lazer, dimensinadas para atendiment a pessal alcad às bras. O layut ds acampaments deverá prever a instalaçã de áreas de lazer nas prximidades das vilas e junt ds aljaments; Áreas Industriais cmpreendem as instalações de britagem, usinas, centrais de cncret, estcagem de materiais e agregads e utras que se fizerem necessárias à execuçã ds serviçs. Em funçã das características de suas lcalizações, pderã dispr de escritóris, sanitáris e cantinas próprias; Nme: Prcess:

6 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Identificadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 6 / 18 Instalações elétricas, hidráulicas e sanitárias dimensinadas e implantadas para cada edificaçã u cnjunt de edificações, inclusive fssas sépticas, atendend as regras estabelecidas pelas Nrmas Regulamentadras de Segurança e Saúde d Trabalh em vigr. OPERAÇÃO DO ACAMPAMENTO. Englba frneciment de tds s equipaments e realizaçã das atividades necessárias à manutençã e funcinament adequads d acampament (cnfrme definid em b.1, retr) cleta, transprte e destinaçã final d lix, manutençã de fssas sépticas e utras que se fizerem necessárias Prcediments Caberá às Cnstrutras, de acrd cm dimensinament pr elas realizad e aprvad pela fiscalizaçã, a implantaçã, a peraçã e desmbilizaçã ds acampaments, nã send s seus custs bjet de mediçã u pagament em separad. A definiçã das áreas de acampaments, assim cm a btençã d licenciament ambiental para a sua cnstruçã e peraçã, serã de inteira respnsabilidade das Cnstrutras, nã send s seus custs bjet de mediçã u pagament em separad. As Cnstrutras pderã ptar pr lcaçã de imóveis em núcles urbans u áreas rurais lcais, desde que satisfeitas as cndições de api lgístic requeridas. Nã serã permitidas instalações de áreas industriais em núcles urbans. Nã serã permitidas instalações de qualquer tip em áreas de preservaçã permanente (APP), assim definidas pel Códig Flrestal em vigr. Nã serã permitidas instalações de qualquer tip em áreas de Reserva Legal averbadas pels seus prprietáris segund a legislaçã em vigr. Nme: Prcess:

7 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Identificadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 7 / MÉTODOS E RECURSOS 5.1. Drenagem A drenagem das águas superficiais deverá ser executada de md a evitar s riscs de carreament ds sls expsts durante as épcas de cnstruçã e de desmbilizaçã. Tds s pnts de descarga das canaletas n terren natural deverã receber prteçã cntra ersã, através da dispsiçã de brita, grama u caixas de dissipaçã de energia. Ns cass em que huver risc de transprte de sediments, deverã ser previstas caixas de depsiçã de sólids, as quais deverã receber manutençã periódica. Quand declividade fr muit acentuada, as canaletas deverã ser cnstruídas na frma de escadas, cm caixas de dissipaçã de energia intermediárias sempre que necessári. Em nenhuma hipótese será admitida a interligaçã ds sistemas de drenagem de águas pluviais cm sistemas de esgtament sanitári, que deverã estar cntemplads pr sistemas própris. (Decret 24643/34; Lei 9433/97 e Resluçã CONAMA 020/96) Independentemente da existência de sistema separadr, a rede de drenagem deverá dispr de caixas separadras de óle e graxa lcalizadas em pnts estratégics d sistema, antes da dispsiçã final, a fim de reclher e separar águas prvenientes da lavagem de máquinas e veículs. (Resluçã CONAMA 09/93; Decret 24643/34; Lei 9433/97 e Resluçã CONAMA 020/96; Nrma Ambiental VALEC NGL Gerenciament de Resídus na Cnstruçã e Cnservaçã). Deverã ser evitadas as instalações em platafrmas planas, pis elas facilitam empça ment e a prliferaçã de vetres transmissres de denças. Deverá ser garantida uma declividade mínima de 1% a 2% em qualquer sentid das áreas destinadas a instalações. Pr se tratarem de instalações temprárias, s acampaments e instalações de api pderã utilizar sistemas de drenagem simplificads, dispensand-se bras sfisticadas em cncret, e utras de caráter duradur, desde que seja atendida a NR 18 - Cndições e Mei Ambiente de Trabalh na Indústria da Cnstruçã Civil. Deverá ser garantida, entretant, a nã crrência de ersã u transprte de sediments para s curss d'água e/u talvegues receptres. Além diss, a drenagem ds canteirs e instalações deverá Nme: Prcess:

8 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Identificadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 8 / 18 prever estruturas que cmprtem tráfeg de máquinas e equipaments pesads durante td períd da cnstruçã. Nme: Prcess:

9 NORMA GERAL AMBIENTAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 0 Flha: 9/19 Nme: Prcess:

10 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 10/ Terraplanagem Ns serviçs de terraplanagem das áreas destinadas às instalações ds acampaments e das instalações de api deverã ser bservadas as especificações de bras estabelecidas pela VALEC para s caminhs de serviç e vias de acess. Também s acesss interns de circulaçã entre s diverss elements ds acampaments e instalações de api deverã ser mantids em bas cndições de tráfeg para s equipaments e veículs da cnstruçã e da fiscalizaçã, até encerrament da bra. N cas específic das áreas de depósit de material a temp (p.ex.: ferragens), a terraplanagem deverá ser feita de md a prteger sl de cntaminações pela estcagem, evitand cntat diret d material cm sl. N cas da estcagem envlver materiais inertes (tal cm areia, brita, etc.), elas deverã receber estruturas de cntenções que evitem espalhament e a perda ds materiais para a natureza. (atendend as seguintes Nrmas Regulamentadras de Segurança e Saúde d Trabalh: NR 11; NR 15; NR 16; NR 19 e NR 20). Em tdas as áreas nde frem realizadas bras de terraplanagem e que devam ser bjet de futura recuperaçã (tais cm: acampaments, áreas de empréstims e de bta fra, etc.), será necessári prever a remçã, transprte e aprpriad armazenament, em separad e visand a futura reutilizaçã d material retirad, que crrespnda à camada fértil d terren. O cntratad será respnsável pela manutençã das características d material até mment d reaprveitament Abasteciment D água Deverã ser tmads cuidads especiais visand a adequad abasteciment de água e a cntrle cntra a cntaminaçã em tds s canteirs de bras, acampaments e utras instalações de api (Decret 24643/34; Lei 9433/97 e Resluçã CONAMA 020/96). A água destinada a us human deverá ter sua ptabilidade cntrlada peridicamente e qualidade atestada pr instituiçã idônea. N cas da utilizaçã de prdut(s) químic(s) para tratament e/u desinfecçã, seus armazenament e manipulaçã Nme: Prcess:

11 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 11/19 deverã ser efetuads de frma segura, evitand riscs às pessas, as animais e a mei ambiente. Os efluentes resultantes de um eventual prcess de tratament deverã ser direcinads a sistema de esgt industrial, que será cnsiderad brigatóri neste cas. (ver 4.4., a seguir). Td sistema de abasteciment deverá estar prtegid cntra cntaminaçã, especialmente caixas d'água e pçs, através da esclha adequada de sua lcalizaçã, us de cercas, fechaments e cberturas, sbre-elevações e bras similares Esgtament Sanitári Dméstic e Industrial Regras Gerais Os efluentes líquids nrmalmente gerads n canteir de bras sã s seguintes: Efluentes sanitáris de escritóris, aljament e demais instalações de api; Efluentes dméstics ds refeitóris; Efluentes industriais das ficinas, das instalações de manutençã, das instalações industriais de api e ds pátis de estcagem de materiais. As redes de cleta de efluentes líquids serã instaladas separadamente, uma para s efluentes dméstics e sanitáris e utra para s industriais. Em nenhuma hipótese deverã ser interligads s sistemas de drenagem de águas pluviais e sistemas de esgtament sanitári. Para óles, graxas, etc. deverã ser previstas caixas de separaçã e acumulaçã e prcediments de remçã adequads (Resluçã CONAMA 09/93; Decret 24643/34; Lei 9433/97 e Resluçã CONAMA 020/96; Nrma Ambiental VALEC NGL Gerenciament de Resídus na Cnstruçã e Cnservaçã). Os lcais de dispsiçã final deverã ser aprvads pela fiscalizaçã, que deverá cnsiderar s prcediments da cncessinária lcal e as restrições ambientais da área de destin. Nme: Prcess:

12 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 12/ Canteirs de Obras e Acampaments Ns canteirs de bras deverá ser previst tratament ds efluentes dméstics, através de fssas sépticas e/u filtrs, cnfrme a Nrma ABNTNBR Nã será permitid us de valas a céu abert u de caixas sem tampas adequadas. Os efluentes dméstics ds refeitóris passarã previamente em caixa retentra de grdura, antes de serem levads a tratament similar em fssa séptica e filtr anaeróbi, cnfrme parágraf anterir. Os efluentes sanitáris das frentes de trabalh deverã ser reclhids adequadamente e transprtads até sistema de tratament. Recmenda-se us ds denminads banheirs químics prtáteis, reduzind as pssibilidades de cntaminaçã. As águas de lavagem de veículs e peças, as águas de drenagem ds pátis de estcagem de materiais e derivads de petróle, cm s óles lubrificantes utilizads, deverã passar pr caixa sedimentadra - caixa de areia - e caixa retentra de óles. O efluente da caixa de retençã de óles deverá passar pr filtr de areia, pr gravidade, antes de sua remçã para a dispsiçã final. Os resídus less retids na caixa separadra deverã ser remvids e armazenads em tanque aprpriad para psterir reciclagem em indústrias especializadas. Os demais óles e materiais derivads de petróle, retirads ds veículs e equipaments, deverã ser armazenads cnjuntamente para psterir transferência para indústrias de reciclagem. A armazenagem desses resídus deverá ser feita em lcal cm pis impermeável e dtad de sistema retentr de óle para evitar s riscs de cntaminaçã de águas e de sls nas áreas próximas (Resluçã CONAMA 09/93; Decret 24643/34; Lei 9433/97 e Resluçã CONAMA 020/96; Nrma Ambiental VALEC NGL Gerenciament de Resídus na Cnstruçã e Cnservaçã). Sã terminantemente pribidas as lavagens de veículs, equipaments u peças ns crps d'água, cm bjetiv de evitar riscs de cntaminaçã das águas pr resídus graxs e less. Nme: Prcess:

13 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 13/ Cleta e Dispsiçã de Resídus Sólids A cleta, transprte e a dispsiçã final de resídus sólids deverã ser realizads de frma e em lcais adequads, que deverã ser aprvads pela fiscalizaçã. (Resluções CONAMA de ns: 05/93; 09/93; 258/99 e Decret 2661/98; Nrma Ambiental VALEC NGL Gerenciament de Resídus na Cnstruçã e Cnservaçã). Recmenda-se a separaçã de lix rgânic d inrgânic, pdend se dar tratament diferenciad a cada cas n tcante à frequência de cleta, tratament e destin final, inclusive visand a eventual reciclagem. De qualquer md, td lix rgânic prduzid ns canteirs e demais lcais da bra deverá ser reclhid cm frequência adequada, de frma a nã prduzir dres u prliferaçã de insets. Os resídus que nã ferecerem riscs de dispsiçã n sl e que nã se prestarem à reutilizaçã u reciclagem pderã ser dispsts em aterrs aprpriads. Os resídus sólids gerads n ambulatóri médic, tais cm seringas, rests de materiais de primeirs scrrs, medicaments e utrs, nã pderã ser reaprveitads u incluíds ns resídus dméstics d aterr. Esses resídus cntaminads deverã ser incinerads em instalaçã aprpriada e exclusiva nrmalmente peradas pr empresas especializadas - e as cinzas levadas para aterr sanitári. Os resídus sólids industriais cmpsts de peças de repsiçã inutilizadas, filtrs e embalagens de papel, plástic e utrs derivads de petróle, traps utilizads na limpeza de peças, pneus e peças de madeira, etc., deverã ser bjet de cleta seletiva, separand s resídus metálics, s de papel nã cntaminad, s inertes e s cntaminads cm derivads de petróle. Os resídus metálics e de papel deverã ser transferids para instalações de recicladres. Os inertes (tais cm as embalagens plásticas e madeira) pderã ser lançads n aterr sanitári e s cntaminads cm derivads de petróle, cm as estpas, incinerads em instalaçã aprpriada. Os pneus desgastads substituíds deverã ser armazenads para psterir utilizaçã em indústrias recuperadras u prcessadras de brracha, sempre atendend a Resluçã CONAMA 258/99. Nme: Prcess:

14 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 14/19 Nã será permitida a queima de lix a céu abert. Os resídus sólids inertes tais cm entulhs, rests de materiais ds pátis de estcagem e rests de lavagem ds misturadres de cncret, pderã ser lançads em bta-fra da bra a ser psterirmente cbert cm sl. O bta fra de resídus sólids deverá bedecer as seguintes características mínimas: Distância de pel mens 200 m de curss d'água e fntes; Lençl freátic a pel mens 5 m abaix d nível da base d depósit; Base d aterr sbre sl de baixa permeabilidade, u impermeabilizad artificialmente (cmpactaçã, cncretagem, revestiment plástic, u utr métd recnhecidamente eficaz); Evitar áreas cm vegetaçã flrestal, talvegues, nascentes u utras áreas de preservaçã, atendend abslutamente a legislaçã vigente; 5.6. Inspeçã A inspeçã ds serviçs será feita tant visualmente cm pela verificaçã da dcumentaçã especialmente s licenciaments ambientais exigíveis, de acrd cm a Nrma Ambiental VALEC NGL PERÍODO DE VALIDADE E CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO Esta Nrma será aplicada durante td períd das bras das FERROVIAS cujas cncessões sã de respnsabilidade da VALEC; send encerrada a sua aplicaçã smente após estarem cncluídas tdas as recuperações de áreas degradadas, inclusive aquelas que frem cupadas pelas empreiteiras, quand fr cas. Vltará a ser aplicada n períd de peraçã da Ferrvia sempre que frem cntratads serviçs de cnservaçã, de restauraçã e/u de ampliaçã da estrada u de suas instalações de api. Nme: Prcess:

15 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 15/19 O crngrama de execuçã prevê a cnstruçã cmpleta d acampament cm event inicial das bras (mbilizaçã) e a reabilitaçã 1 da área pr ele cupada cm event final das bras (desmbilizaçã). 7. ÓRGÃOS INTERVENIENTES VALEC. A VALEC é empreendedr e respnsável pela execuçã deste e de tds s PBA s que fazem parte ds Prjets Ferrviáris da VALEC. É órgã cntratante e principal fiscal da aplicaçã desta especificaçã. A VALEC pderá cntratar cnsultres para serviçs especializads e de api, visand à ba execuçã de seus prjets e à bediência às Nrmas Ambientais. IBAMA e Órgãs de Licenciament Ambiental Estadual. O IBAMA e s rganisms estaduais de licenciament ambiental sã s respnsáveis pelas atividades de licenciament, cnfrme definidas pela Resluçã 237/97, e pela fiscalizaçã d atendiment das cndições estabelecidas nas licenças cncedidas, sb s pnts de vista tempestiv, quantitativ e qualitativ. Empreiteiras Cntratadas; O cntratad é respnsável, perante a legislaçã ambiental aplicável, pr tdas as bras e instalações de api que estiver realizand e utilizand, bem cm pelas cnsequências legais das missões e/u das ações empreendidas pels seus empregads, prepsts e subempreiteirs. Neste sentid, cntratad deverá eximir judicialmente a VALEC e seus dirigentes, prepsts e empregads da respnsabilidade pr tais missões e/u ações. A inbservância e/u inexigência da aplicaçã destas especificações pr parte da fiscalizaçã da VALEC nã exime a cntratada da respnsabilidade pelas suas ações e missões. É de respnsabilidade da cntratada a btençã das licenças ambientais de instalaçã e de peraçã de acampaments e de instalações de api (usinas de cncret, pedreiras, etc.), bem cm das permissões para extraçã de materiais naturais de cnstruçã (pedreiras, 1 Denmina-se reabilitaçã a recuperaçã da área anterirmente cupada pel acampament, cm u sem edificações, para um us permanente, após encerrarem as atividades técnicas e administrativas. A VALEC determinará us psterir da área e as bras e serviçs necessáris para adaptaçã às nvas e futuras funções. Nme: Prcess:

16 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 16/19 cascalheiras, prts de areia, etc.) e de desmatament, quand estiverem fra da faixa de dmíni da ferrvia. Tais licenças deverã ser btidas previamente pela cntratada junt as órgãs ambientais respnsáveis pelas regiões de lcalizaçã, antes de qualquer atividade cnstrutiva. A nã apresentaçã destas licenças frmalmente para a fiscalizaçã impssibilitará a mediçã e pagament ds serviçs realizads em desacrd cm esta nrma. 8. MEDIÇÃO E PAGAMENTO Os custs u recurss despendids para atendiment da legislaçã ambiental de tds s níveis e desta especificaçã nã serã pags u reemblsads isladamente d pagament das bras bjet das rdens de serviç. Cnfrme cas, cntratad, desde a frmulaçã de sua prpsta, incluirá tais custs u ns preçs unitáris ferecids para s serviçs nerads pel atendiment à legislaçã, u na parcela de BDI (benefícis e despesas indiretas) adtada pela empresa na frmulaçã de sua prpsta de preçs. Nme: Prcess:

17 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 17/19 9. BIBLIOGRAFIA BELLIA, Vitr et. al.: Intrduçã à Gestã Ambiental de Estradas Cleçã Disseminar IME-DNIT, 2005 BRASIL. DNIT/IPR. Manual para atividades ambientais rdviárias. Ri de Janeir, BRASIL. DNIT/IPR. Diretrizes básicas para elabraçã de estuds e prgramas ambientais rdviáris: escps básics/instruções de serviç. Ri de Janeir, OIKOS. EIA/RIMA das bras de adequaçã da capacidade da BR101 AL/SE/BA. Ri de Janeir, VALEC (OIKOS). Nrmas ambientais da VALEC (NGLs). Ri de Janeir, 2010 (4ª revisã). Nme: Prcess:

18 NORMA GERAL Títul: INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS Lcalizadr: Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: 00 Flha: 18/ VIGÊNCIA Esta Nrma Geral Ambiental fi aprvada pela Diretria Executiva em reuniã e registrada na Ata nº /, e entra em vigr a partir desta data, revgada as dispsições em cntrári. Brasília, de de. JOSIAS SAMPAIO CAVALCANTE JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE OSÍRES DOS SANTOS Diretr de Engenharia JAIR CAMPOS GALVÃO Diretr de Planejament VERA LÚCIA DE ASSIS CAMPOS Diretra de Administraçã e Finanças BENTO JOSÉ DE LIMA Diretr de Operações Nme: Prcess:

Título: TREINAMENTO DA MÃO DE OBRA PARA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Indicador: NGL-5.03.01-16.028. Tipo de Atividade: Meio Ambiente.

Título: TREINAMENTO DA MÃO DE OBRA PARA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Indicador: NGL-5.03.01-16.028. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. NGL-5.3.1-16.28 1 / 15 Sumári 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETIVOS... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 3 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS... 3 4.1. Orientaçã... 3 4.2. Prcediments... 4 4.3. Móduls de Treinament... 4 4.3.1.

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho:

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho: Requeriments para Energia Temprária: Requeriments para práticas de trabalh: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 25 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA CONSTRUÇÃO E CONSERVAÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 25 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA CONSTRUÇÃO E CONSERVAÇÃO NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 25 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA CONSTRUÇÃO E CONSERVAÇÃO SUMÁRIO 1. MOTIVAÇÃO... 1 2. OBJETIVOS... 2 2.1. Objetiv Geral... 2 2.2. Objetivs Específics... 2 3. ASPECTOS

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP)

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP) Term de Referência para Elabraçã d Relatóri Ambiental Prévi (RAP) O Relatóri Ambiental Prévi é um estud técnic elabrad pr um prfissinal habilitad u mesm equipe multidisciplinar que ferece elements para

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Janeir/2014 1 PMIJ08012014 Sã Paul, 08 de Janeir de 2014. À PREFEITURA MUNICIPAL DE xyxyxyxyxyxyxy

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen Zneament Caraguatatuba (Lei Cmplemen Zna (art. 105) Características Macrzna de Prteçã Ambiental (MSPA) A Macrzna de Prteçã Ambiental / MZPA é cnstituída pel Parque Estadual da Serra d Mar Núcle Caraguatatuba.

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

VALEC. Sumário NORMA GERAL AMBIENTAL

VALEC. Sumário NORMA GERAL AMBIENTAL NGL-5.3.1-16.2 1 / 2 Sumári 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETIVOS... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 2 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS... 6 4.1. Orientaçã... 6 4.2. Prcediments... 6 4.3. Metas... 12 4.4. Indicadres...

Leia mais

FISPQ Nº 025/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 025/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: POLÉSTER VF BRANCO 028/04 Data da última revisã: 20.02.2008 Códig Nº: PA32.096 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

FISPQ Nº 270/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 270/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: POLASTA F AZUL TITANIUM MET 214 Data: 10.10.2008 Revisã: 0 Códig Nº: PA 38.214. Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

FISPQ Nº 009/2001 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 009/2001 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: PASTENIZ R PRETO 1531 Data: 25.06.2008 Revisã: 0 Códig Nº: PA 71.049 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Requerimentos de Sustentabilidade para Serviços de Catering

Requerimentos de Sustentabilidade para Serviços de Catering Requeriments de Sustentabilidade para Serviçs de Catering Requeriments Gerais: O frnecedr deverá assinar e seguir a Declaraçã de Cnduta Sustentável desenvlvida pel Cmitê Organizadr ds Jgs Olímpics e Paralímpics

Leia mais

Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS

Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS ANEXO DO CONTRATO Anex 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS Outubr - 2012 Sumári 1. OBJETIVOS... 3 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 6 3. OBRIGAÇÕES GERAIS DA CONCESSIONÁRIA COMUNS A TODOS OS SERVIÇOS8

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Unidades Armazenadoras LISTA DE VERIFICAÇÃO. Critério de cumprimento

Unidades Armazenadoras LISTA DE VERIFICAÇÃO. Critério de cumprimento Unidades Armazenadras LITA DE VERIFICAÇÃO Pnt de cntrle (requisits técnics) Critéri de cumpriment 1 CADATRAMETO O cadastrament tem cm bjetiv apurar, sistematicamente, as infrmações sbre as unidades armazenadras

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador 3 Questinári Cmunidade Versã 9 Agst de 2015 A INFORMAÇÃO GERAL Data de Aplicaçã Entrevistadr A1 Nme cmunidade da Entidade lcal menr [Parâmetr nacinal] Entidade lcal mair [parâmetr nacinal] Entidade reginal

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

GTERS SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA

GTERS SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA APRESENTAÇÃO Nssa Empresa denmina-se GTER SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA, cm sede e fr n Municípi d Ri de Janeir RJ, que tem pr finalidade prestar Serviçs de Segurança Cntra Incêndi e Pânic. A segurança

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Informações mínimas necessárias à Elaboração e Apresentação dos Projetos e Orçamentos dos Empreendimentos PNHR

Informações mínimas necessárias à Elaboração e Apresentação dos Projetos e Orçamentos dos Empreendimentos PNHR Infrmações mínimas necessárias à Elabraçã e Apresentaçã ds Prjets e Orçaments ds Empreendiments PNHR 1) Frmataçã sugerida para s Cabeçalhs: Exempl de Títul: "Planta Baixa para mradias rurais d Prgrama

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Pódi: Requeriments Mandatóris: O frnecedr deverá adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 1 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 2 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES Autmaçã Predial e Segurança Patrimnial - Cndições para Frneciment OBRA: CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES Pasta: cyrella_metrplitan-pr-cf-1-0-2012.dc DATA: 14/05/2012 0 Emissã de Cndições para Frneciment

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 7/2015 DE 27 DE ABRIL DE 2015 VESTIBULAR 2015/02 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CAPACITAÇÃO DOS TRABALHADORES NO PLANO AMBIENTAL DE CONSTRUÇÃO Identificador: NGL-5.03.01-16.

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CAPACITAÇÃO DOS TRABALHADORES NO PLANO AMBIENTAL DE CONSTRUÇÃO Identificador: NGL-5.03.01-16. NGL-5.3.1-16.7 1 / 2 Sumári 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETIVOS... 3 2.1. Objetiv Geral... 3 2.2. Objetivs Específics... 3 3. ASPECTOS LEGAIS... 5 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS... 6 4.1. Orientaçã... 6 4.2.

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 13 CMVC TTAL DE REVISÕES : 2 D AN CNTABILISTIC DE 2014 ATÉ À DATA : 2014/12/31 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES RÇAMENTAIS DTAÇÕES

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 005/2014 DE 07 DE ABRIL DE 2014 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.: 64.073-505,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões Artig 13 Cm mntar um Lava Jat para Caminhões O lava jat para caminhões tem cm diferencial atender veículs grandes e mercad específic, pis já está estabelecid nich de mercad. O sucess para este empreendiment

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro Universidade Federal de Juiz de Fra Birremediaçã e Fitrremediaçã Grup: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Plidr 1 2 Sumári Intrduçã Áreas cntaminadas Remediaçã de sls cntaminads Parâmetrs

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração GUIA DO USUÁRIO Termômetrs Prtáteis Termômetr Mdel TM20 cm snda padrã Termômetr Mdel TM25 cm snda de penetraçã 1 TM20-TM25-EU-PT-br V1.6 4/13 Intrduçã Obrigad pr esclher este Termômetr Prtátil Extech para

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 010/ DE 11 DE JUNHO DE VESTIBULAR /02 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505, Telefne:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais