A Resolução RDC nº. 20 de 26/03/2008 autoriza o uso de embalagens PET pósconsumo reciclado (PET-PCR) para contato com alimentos, desde que atendidos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Resolução RDC nº. 20 de 26/03/2008 autoriza o uso de embalagens PET pósconsumo reciclado (PET-PCR) para contato com alimentos, desde que atendidos"

Transcrição

1 GACTA 1 No caso de aditivos que podem ser utilizados em determinado alimento (ex. carne), existe regulamentação tanto da ANVISA quanto do MAPA, que diferem em alguns aspectos. Como o setor regulado deve se posicionar nesse caso? A regulamentação de alimentos por parte da ANVISA, como responsável pela coordenação do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária SNVS, ampara-se legalmente nas competências definidas no artigo 200 da Constituição Brasileira, reforçadas por meio do inciso VIII, art. 6º, da Lei Federal nº. 8080/90 e do art. 8º da Lei Federal nº. 9782/99. Contudo, no caso particular de alimentos de origem animal, existem Regulamentos Técnicos estabelecidos por Atos mais antigos que remetem ao MAPA às ações de controle e fiscalização em nível de estabelecimentos produtores e ou processadores, gerando a critério daquele Ministério a publicação de padrões de identidade e qualidade de vários produtos de origem animal, muitos deles contendo tabelas de aditivos alimentares, em redundância e por vezes conflitantes com a legislação correspondente da ANVISA. Em particular nas questões de aditivos alimentares, ante a duplicidade de legislação oriunda do MAPA, a Gerência-Geral de Alimentos/ANVISA fez várias gestões junto às áreas técnicas daquele Ministério no esforço para atenuar o clima de incertezas do setor produtivo sobre como proceder para se adequar à legislação nessas circunstâncias. O exemplo mais recente foi o da IN/MAPA nº. 51/2006, que de forma surpreendente internalizou duplamente a Resolução/Mercosul GMC nº. 73/97 Regulamento Técnico de Atribuição de Aditivos e seus Limites à Categoria de Alimento 8: Carnes e Produtos Cárneos. Ora, a Resolução GMC nº. 73/97 já tinha sido internalizada desde 1998, pela Portaria SVS/MS nº. 1004/98, complementada pela RDC nº. 28/01 e RDC nº. 179/01, sendo que a IN/MAPA 51/2006 não está integralmente de acordo com as citadas normativas da ANVISA. 2 Como analisar se um produto proveniente de um vegetal encontra-se adequado em relação a resíduos de agrotóxicos? Leva-se em conta a concentração de diluição ou considera-se os parâmetros estabelecidos para o vegetal in natura? Ex.: óleo de tomate. Os limites máximos de resíduos (LMR) de agrotóxicos são estabelecidos pela ANVISA para os produtos in natura (culturas alimentícias como milho, feijão, soja, tomate etc.). Segundo a metodologia adotada pelo Comitê do Codex sobre Resíduos de Pesticidas (CCPR), só será estabelecido LMR para um determinado produto processado se houver dados científicos comprovando que no processamento houve concentração de resíduos. Caso contrário, prevalece o LMR do produto in natura, ou seja, no exemplo acima como não se tem estudos comprovando que no óleo de tomate houve concentração de resíduos, se aplica o LMR para tomate. 3 O guia de procedimentos para inclusão e extensão de aditivos já está disponível? Se não, existe previsão de quando será disponibilizado? O documento está em fase final de consolidação, após ter sido discutido pela GACTA com membros do Grupo Técnico de Aditivos Alimentares GTFA. Após realizar última revisão no guia, este deverá ser disponibilizado em breve em meio eletrônico. Será discutida internamente a pertinência de publicá-lo como Resolução RDC ou somente como orientações ao setor produtivo no sítio eletrônico da ANVISA. 4 Já existem indústrias de bebidas em Goiás que utilizam o PET reciclado pósconsumo grau alimentício?

2 A Resolução RDC nº. 20 de 26/03/2008 autoriza o uso de embalagens PET pósconsumo reciclado (PET-PCR) para contato com alimentos, desde que atendidos os critérios estabelecidos nesse regulamento técnico. De acordo com essa legislação, os estabelecimentos produtores devem ser habilitados e registrados pela autoridade sanitária competente, e as embalagens de PET-PCR grau alimentício deverão ser aprovadas/ autorizadas e registradas pela Agência. Os documentos necessários, a serem encaminhados à Gerência de Ações de Ciência e Tecnologia de Alimentos GACTA, são informados por Até o momento, a ANVISA não recebeu pedido de registro para uso de PET-PCR em alimentos. Ressaltamos que na embalagem do produto pronto para consumo deverá ser identificado de forma indelével: a identificação do produtor, o número de lote ou codificação que permita sua rastreabilidade e a expressão PET-PCR. 5 Existe alguma restrição à embalagem de isopor para fatiados ou fracionados? De acordo com a Resolução 105, de 19 de maio de 1999, o poliestireno tem restrições quanto à concentração de butadieno, que deve ser no máximo de 0,02 mg/kg. Além disso, as embalagens de isopor (poliestireno expandido) devem estar de acordo com o Anexo XII DETERMINAÇÃO DE MONÔMERO DE ESTIRENO RESIDUAL dessa mesma Resolução. Para consultar a Resolução 105 acesse o sítio eletrônico da ANVISA: clicando em Áreas de atuação Alimentos Legislação Legislação específica da área por assunto Embalagem. 6 Porque alguns enlatados têm a validade extensa há chegar quatro anos, não tem conservante demais a torna prejudicial para saúde? A Portaria SVS/MS nº. 540/1997 estabelece os critérios para emprego de aditivos em alimentos e define suas classes funcionais. De acordo com essa legislação, o uso dos aditivos deve ser limitado a alimentos específicos, em condições específicas e ao menor nível para alcançar o efeito tecnológico desejado. A segurança de uso de um aditivo em alimento é primordial. Para a aprovação do uso de aditivos alimentares, com seus respectivos limites máximos e categorias de alimentos permitidas, são utilizadas como referências principais as monografias toxicológicas do Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives JECFA, comitê científico que realiza a avaliação de segurança de uso de aditivos, assessorando o Codex Alimentarius em suas decisões. As avaliações do JECFA podem ser consultadas em: A busca pode ser feita pelo nome, função ou INS do aditivo. O JECFA estabelece a Ingestão Diária Aceitável IDA dos aditivos, ou seja, a quantidade do aditivo, expressa em mg/kg de massa corpórea, que pode ser ingerida diariamente, por toda a vida, sem oferecer risco à saúde, à luz dos conhecimentos científicos disponíveis na época da avaliação. A IDA é o parâmetro utilizado pelos países para estabelecimento dos limites máximos dos aditivos. A legislação brasileira de aditivos alimentares é positiva e como tal estabelece que um aditivo somente pode ser utilizado quando estiver explicitamente definido em legislação específica, com suas respectivas funções, limites e categorias de alimentos permitidas. O que não constar da legislação, não tem permissão para ser utilizado em alimentos. Essa legislação é dividida por categoria de alimento e não por aditivo ou sua função. Sendo assim, é necessário consultar a legislação para cada categoria de alimento para saber quais aditivos (ou funções de aditivos, incluindo conservadores) têm seu uso permitido. Essas informações podem ser obtidas no sítio eletrônico da ANVISA: clicando em Áreas de atuação Alimentos Legislação Legislação específica da área por assunto Aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia.

3 7 Qual o risco e o grau de contaminação que as garrafas PET podem causar aos alimentos? As garrafas PET, assim como qualquer material plástico, tem utilização de petróleo para sua formulação. Dessa forma, se não forem estabelecidos limites e restrições de uso, a contaminação pode ser química ou por metais pesados (chumbo, cádmio, mercúrio, boro, cromo etc), ou seja, parte do material químico ou metal pesado pode migrar para o alimento e causar danos à saúde humana (problemas maiores no fígado, rins, baço e aparelho gastrointestinal). Dessa forma, são exigidos ensaios de migração para as empresas fabricantes para assegurar que nem o material químico e nem o metal pesado migram para o alimento. Cada tipo de plástico tem uma restrição diferente. Alguns plásticos não devem entrar em contato com alimentos específicos devido à maior possibilidade de migração do produto químico para o alimento que possuir as características mais propícias para essa migração. Para saber as restrições e limites de uso dos materiais plásticos, consulte a Resolução 105, de 19 de maio de 1999, e a RDC 17, de 17 de março de 2008, ambas disponíveis no sítio eletrônico da ANVISA: clicando em Áreas de atuação Alimentos Legislação Legislação específica da área por assunto Embalagem. 8 A soja geneticamente modificada foi liberada para ser vendida no Brasil? Foi aprovada para comercialização pela CTNBio a soja resistente ao herbicida denominado glifosato de amônio, conhecido comercialmente pela sigla RR. Existem outras sojas geneticamente modificadas que ainda não foram aprovadas para comercialização. 9 Está sendo estudada uma alteração dos limites dos aditivos para suplementos vitamínicos e ou minerais na forma de compridos ou cápsulas? Estas apresentações são de massa (g) diminuída e as quantidades de corantes permitidas pela RDC n. 24/05 não suprem a necessidade de coloração dos revestimentos, que entre outras funções exercem fotoproteção. A legislação brasileira que aprova o uso de aditivos para alimentos está sujeita à atualização, de acordo com os avanços do conhecimento técnico e científico. Quando a substância não tem uso autorizado como aditivo ou coadjuvante de tecnologia para nenhuma categoria de alimento, o interessado deve proceder ao pedido de inclusão de uso na legislação brasileira. Caso a substância tenha uso permitido no Brasil para uma determinada categoria de alimento ou função, mas não para aquela em que se deseja utilizá-lo, é preciso solicitar a extensão de seu uso. Caso a ANVISA receba proposta de aprovação de uso de aditivos para a categoria de suplementos vitamínicos e ou minerais, além daqueles já autorizados pela RDC 24/2005, está será avaliada pela equipe técnica da GGALI quanto à segurança de uso, limites propostos, referências internacionais, dentre outras informações solicitadas. Para proceder ao pedido de inclusão ou de extensão, o interessado deve enviar para solicitando a relação de documentos necessários. Esclarecemos que segundo a Portaria nº. 540/1997, os corantes têm a função de conferir, intensificar ou restaurar a cor de um alimento. O efeito de fotoproteção não deve ser atribuído aos aditivos corantes, para fins de rotulagem ou de adoção de limites máximos de uso. 10 Existe previsão de atualização da Lista Geral de Aditivos Alimentares do Mercosul, Resolução n. 11/06, para inclusão de outros aditivos já utilizados em medicamentos com a finalidade de melhorar as características dos produtos? Não há previsão, tendo em vista se tratar de revisão recente. A Comissão de Alimentos do SGT-3/ Mercosul elabora o plano anual de assuntos a serem discutidos,

4 no qual não consta atualização dessa normativa. Quando o tema for tratado, esclarecemos que para incluir um aditivo na Lista Geral Harmonizada, este deve constar de pelo menos uma das referências aceitas no Mercosul, nessa ordem: Codex Alimentarius (Norma Geral de Aditivos Alimentares GSFA), União Européia (Diretivas CE) e, de forma complementar, U.S. Food and Drug Administration FDA. 11 Qual é o procedimento para avaliação de pedido de inclusão do aditivo SAS Sulfato de alumínio sódio para categoria de fermento químico? O SAS é aprovado pelo FDA, GRAS e Mercosul. Quando a substância não tem uso autorizado como aditivo ou coadjuvante de tecnologia para nenhuma categoria de alimento, o interessado deve proceder ao pedido de inclusão de uso na legislação brasileira. Para isso, o interessado deve apresentar documentos que serão avaliados pela equipe técnica da Gerência de Ações de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Anvisa GACTA. A documentação deve ser submetida à UNIAP Unidade de Atendimento ao Público, onde será protocolizada. A apresentação dos documentos não implica aprovação prévia. A utilização do aditivo alimentar só estará permitida quando publicada como Resolução RDC em Diário Oficial da União, após seguir procedimentos internos de avaliação de risco, publicação de Consulta Pública (aberta por 60 dias para recebimento de sugestões) e consolidação do texto. Não estipulamos prazo de avaliação, tendo em vista que depende da informação prestada pelo interessado e da complexidade do pedido. É importante que o interessado encaminhe as informações solicitadas (as quais são informadas por incluindo a justificativa tecnológica, vantagens do aditivo em relação a outros com mesma função já autorizados para a categoria de alimento, referências internacionais e estrangeiras (nessa ordem: JECFA/ Codex Alimentarius, União Européia, FDA), dentre outras. Esclarecemos, ainda, que se a Lista Geral Harmonizada de Aditivos do Mercosul Resolução GMC nº. 11/2006 é condicionante para a aprovação de uso nos Estados Parte, haja vista que o aditivo deve contar deste documento. 12 Usamos soja e farelo de soja não OMG para produção do extrato de soja, o qual, é usado como matéria-prima nos nossos produtos. Posso usar a expressão com soja não transgênica na rotulagem dos nossos produtos? Pode, desde que o produtor possa garantir que não usa matéria-prima de origem transgênica. 13 Inclusão de substância como coadjuvante. Processo foi enviado pela ANVISA ao MAPA, para avaliação, após vários contatos com o MAPA não conseguimos localizar o processo. Como proceder? Quando se trata de categoria de alimento sob controle e fiscalização do MAPA, cópia da documentação é enviada a esse Ministério para posicionamento quanto à necessidade tecnológica do aditivo ou coadjuvante de tecnologia. Somente após receber parecer conclusivo sobre o pedido, a GACTA finaliza a avaliação do mesmo. O interessado pode entrar em contato com a GACTA solicitando numeração do Ofício pelo qual os documentos foram encaminhados. Deve ser feita consulta ao setor do MAPA que recebeu o Ofício. A solicitação de parecer ao MAPA poderá ser reiterada pela Anvisa. 14 Na norma referente a coadjuvantes de tecnologia para óleos e gorduras está previsto uma lista de coadjuvantes. Porém esta lista é inferior em número de substâncias quando comparada à lista de coadjuvantes do Codex. É possível usar os coadjuvantes listados no Codex mesmo que eles não estejam previstos em legislações específicas publicadas no site da ANVISA?

5 Não. As normas do Codex Alimentarius são apenas referências para a avaliação de segurança de uso de aditivos (Norma Geral de Aditivos Alimentares GSFA) e coadjuvantes de tecnologia (Inventários de Substâncias Utilizadas como Coadjuvantes de Tecnologia IPA). São recomendações, e não autorizações. A legislação brasileira de aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia de fabricação é positiva, e como tal estabelece que um aditivo ou coadjuvante somente pode ser utilizado pela indústria alimentícia quando estiver explicitamente definido em legislação específica, com as respectivas funções, limites máximos de uso e categorias de alimentos permitidas. O que não constar da legislação, não tem permissão para ser utilizado em alimentos. Nesse caso, é necessário proceder ao pedido de extensão ou inclusão de uso de coadjuvante na legislação brasileira. Para isso, o interessado deve apresentar documentos que serão avaliados pela equipe técnica da Gerência de Ações de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Anvisa GACTA. A documentação deve ser submetida à UNIAP Unidade de Atendimento ao Público, onde será protocolizada. É importante que o interessado encaminhe as informações solicitadas (as quais são informadas por incluindo a justificativa tecnológica, vantagens do coadjuvante em relação a outros com mesma função já autorizados para a categoria de alimento, referências internacionais e estrangeiras (nessa ordem: JECFA/ Codex Alimentarius, União Européia, FDA), dentre outras. 15 No monitoramento de agrotóxicos em alimentos processados, como por exemplo amido de milho ou açúcar, deve-se utilizar os limites previstos para cultura cana de açúcar ou milho ( nas monografias publicadas no site da ANVISA)? Ou devese utilizar os limites previstos no Codex (que em alguns casos prevê alimentos processados)? Deve-se obedecer aos limites máximos de resíduos (LMR) estabelecidos e publicados pela ANVISA, independentemente de existirem limites diferentes em referências internacionais, como o Codex Alimentarius. 16 Foi citado que caso a inclusão de extensão de uso de aditivo seja para uma categoria Mercosul, segue-se o procedimento deste grupo econômico. Qual seria esse procedimento? Se o pedido refere-se a uma categoria de alimento harmonizada no Mercosul, o assunto deve ser tratado na Comissão de Alimentos do Subgrupo de Trabalho nº. 3. Para isso, o tema precisa ser incluído no Plano de Trabalho anual da Comissão, elaborado na última reunião de cada ano, por solicitação de um ou mais Estados Parte e aceitação dos demais. O assunto deve se referir à revisão da normativa que aprova o uso de aditivos para a categoria de alimento em questão. O interessado deve entrar em contato com a GACTA e proceder ao pedido de inclusão do tema, apresentando os documentos solicitados. O pleito é avaliado pela Coordenação Nacional do Mercosul INMETRO, em conjunto com MAPA e Anvisa. 17 Se a categoria de alimentos não tem regulamento técnico específico para aditivos. Ex: produtos protéicos de origem vegetal, como proceder? Nesse caso, o interessado deve encaminhar proposta de aditivos para uso na categoria de alimento em questão, com suas respectivas funções e limites máximos. Devem ser encaminhados documentos relativos à proposta, como referências internacionais (avaliações toxicológicas do JECFA, normas do Codex Alimentarius, Diretivas da União Européia, FDA), dentre outros. A relação de documentos é informada por Administrativamente e em caráter temporário, para fins de registro e rotulagem, pode ser utilizado Regulamento Técnico

6 que aprova o uso de aditivos para categoria de alimento similar, até que seja avaliado e publicado o pedido em questão. 18 Há perspectiva de inclusão dos amidos modificados por enzimas na classe de aditivos? Considerando que várias empresas têm utilizado esse tipo de amido. De acordo com a Portaria SVS/MS nº. 540 de 1997, os amidos não são considerados aditivos alimentares, e sim ingredientes. Essa legislação atende à Resolução GMC nº. 106/94, cujo Art. 2º dispõe que os aditivos modificados por via física ou enzimática serão mencionados na lista de ingredientes como amidos. 19 O aditivo BPF, só é considerado como tal nas funcionalidades definidas pelo Mercosul ou é BPF para qualquer função que seja utilizado? Para o aditivo ser utilizado segundo as Boas Práticas de Fabricação BPF, o seu uso em uma determinada função deve estar permitido na legislação específica para a categoria de alimento em questão, da seguinte forma: Todos os autorizados como BPF. Por exemplo: para balas (Resolução nº. 389/99), o uso dos ACIDULANTES autorizados como BPF está previsto. Então é preciso consultar os Regulamentos Técnicos que aprovam os aditivos BPF para saber quais os acidulantes estão autorizados. São as Resoluções nº. 386/99, 234/02 e 43/05, disponíveis em: Se na legislação não consta o uso dos aditivos autorizados como BPF para determinado função, então estes não poderão ser utilizados. Se o aditivo está previsto com limite máximo numérico, então o aditivo deve ser utilizado obedecendo a esse ao limite determinado. Portanto, o uso do aditivo como BPF está condicionado à aprovação de uso nas normas supracitadas, com sua respectiva função prevista. 20 Quando um aditivo é considerado proibido para uso no caso dos parabenos. Existe um prazo de adaptação das empresas? Por se tratar de medida sanitária, relativa a risco à saúde, não há prazo de adequação, ou seja, a proibição de uso do aditivo entra em vigor na data da sua publicação no D.O.U. 21 Com relação aos dados de ingestão potencial necessários para avaliação da utilização de determinados aditivos, eles levam em consideração a categoria de alimentos onde vai ser usado este aditivo? Ou seja, devem ser apresentados considerando que vão em alimentos de alta ou baixa freqüência na dieta brasileira. Para estimar a ingestão de um aditivo, utiliza-se o método da IDMT Ingestão Diária Teórica Máxima, que é o cálculo do consumo diário médio do alimento per capita ou grupo de alimentos (valores encontrados na Pesquisa de Orçamentos Familiares POF/IBGE) multiplicados pelo limite máximo do aditivo permitido no alimento pela legislação brasileira, somando-se os valores obtidos para cada alimento ou categoria de alimentos. Compara-se o total com o valor da Ingestão Diária Aceitável do aditivo IDA definida pelo JECFA. Para a estimativa da IDMT, assume-se que: Todos os alimentos contêm o aditivo O aditivo está sempre presente no limite máximo de uso autorizado Todos os alimentos nos quais o aditivo é permitido são totalmente ingeridos Os alimentos que contêm o aditivo são consumidos pela população em geral todos os dias, em níveis equivalentes ao consumo médio per capita

7 Se: IDMT < IDA (e não há consumo caseiro do aditivo): ingestão real é menor que a IDA, não evidenciando preocupação. Se IDMT > IDA: cálculo da IDE = quantidade real ingerida do aditivo, com base no seu uso pela indústria. Se IDE < IDA (e não há consumo caseiro do aditivo): ingestão real é menor que a IDA. Se IDE > IDA: o nível de uso proposto deve ser alterado ou o pedido é indeferido. Tabela de apresentação de cálculos da Ingestão Consumo de alimentos nos quais o uso de... (citar o aditivo) é permitido no Brasil e cálculo da IDMT Categoria de Alimento Ingestão Média Nacional Diária (g/pessoa/dia) Nível máximo permitido (mg/kg)... A LM LMxA... B LM LMxB... C LM LMxC Observações: 1. Citar a fonte (IBGE) e o ano 2. Citar a legislação nacional 3. Peso corpóreo adulto = 60 kg Ingestão Diária Máxima Teórica de... (citar o aditivo) (mg/pessoa) IDMT Total Peso corpóreo Outras informações podem ser consultadas no Codex Alimentarius, no seguinte endereço: GUIDELINES FOR SIMPLE EVALUATION OF FOOD ADDITIVE INTAKE CAC/GL GENERAL STANDARD FOR FOOD ADDITIVES CODEX STAN , Rev PREAMBLE I - FOOD ADDITIVES - BASIC PRINCIPLES FOR CALCULATION OF USE LEVELS 22 Está previsto novo regulamento para a categoria de bebidas alcoólicas conforme RDC nº. 05/07 para bebidas não alcoólicas? Aplica-se hoje a Resolução 04/88. O Projeto de Resolução nº. 05/00 do Mercosul consistia em proposta de Regulamento Técnico que aprova o uso de aditivos para bebidas alcoólicas (exceto as fermentadas). Esse PRes. foi excluído recentemente da pauta de discussões do Mercosul e, assim, não se trata de categoria harmonizada nesse bloco econômico. Portanto, é possível que a ANVISA, com apoio do MAPA, avalie e publique em breve Consulta Pública sobre o tema. Com relação às bebidas alcoólicas fermentadas, como vinho, o assunto está pendente de definição, pela Coordenação do Subgrupo de Trabalho nº. 3 SGT-3 do Mercosul, se os Estados Parte poderão tratar a revisão do tema ou se este permanece vinculado ao bloco. Foi publico pelo Grupo Mercado Comum o Código

8 Vitivinícola, no qual constam os aditivos permitidos para vinhos. Essa norma foi discutida no âmbito de outro Subgrupo de Trabalho SGT-8, relacionado à agricultura, o qual foi consultado sobre a possibilidade de encaminhar o tema para que seja tratado no SGT-3. Sendo assim, enquanto não tivermos esse posicionamento no Mercosul, o assunto não poderá ser tratado no Brasil. 23 Como está em termos de regulamentação dentro da ANVISA a questão do uso de ácido ascórbico e benzoato de sódio no mesmo produto? O MAPA recebeu ofício sobre o uso combinado destes dois aditivos em bebidas. A ANVISA enviou às Associações do setor produtivo um Ofício solicitando que as empresas substituíssem, quando possível, pelo menos um dos aditivos ácido ascórbico ou benzoato de sódio em refrigerantes e sucos, para evitar a formação do contaminante benzeno. Como ainda não há mais dados científicos sobre o assunto, não foi publicada medida sanitária. Trata-se, portanto, de recomendação aos fabricantes. Caso novos dados sejam conhecidos, o tema será discutido internamente com vistas à tomada de decisão. O Comitê Codex de Contaminantes em Alimentos CCCF iniciou a discussão do assunto em sua última reunião (abril/2008), a qual está sendo acompanhada pela Gerência-Geral de Alimentos da ANVISA. 24 Com relação aos itens ao da 540 de 1997, você poderia comentar cada um dos itens referentes à transferência de aditivos alimentares? O princípio de transferência de aditivos é para efeitos somente de rotulagem ou permite que os ingredientes agreguem aditivos ao produto final? Para que um aditivo não seja declarado no rótulo ele deve atender a todos os itens de a ou a qualquer um deles? Os itens referem-se ao princípio da transferência de aditivos, ou seja, aqueles que estão presentes em insumos, ingredientes ou matérias-primas e são transferidos para o produto pronto para consumo. Na Portaria SVS/MS nº. 540/1997 são estabelecidas as condições em que tal princípio se aplica. 25 Há estudos/previsão de uma resolução que regulamente os níveis de ocratoxina do café comercializado no Brasil? (Na União Européia, por exemplo, é adotado limite máximo de 5ppb). Esse assunto está em discussão no Comitê Codex de Contaminantes em Alimentos CCCF, do qual o Brasil participa. A Gerência-Geral de Alimentos coordena o Grupo Técnico GTCF que avalia os documentos provenientes desse Comitê. O GTCF é responsável pela elaboração do Documento de Discussão sobre ocratoxina A em café, pois o Brasil é coordenador do grupo de redação, do qual participam outros países. O assunto continuará sendo tratado no CCCF, com vistas à definição de limite para o contaminante, caso seja necessário. Se isso acontecer, o Brasil avaliará a pertinência de publicar Regulamento Técnico a respeito. 26 Atualmente, há alguma análise no GT embalagens sobrem embalagens biodegradáveis ou oxibiodegradáveis? Se não, qual a posição do GT sobre este assunto? Existem algumas empresas que já iniciaram a discussão desse assunto junto à ANVISA. Entretanto, ainda não se tem conclusões a respeito. O assunto é importante para o GT, visto que sustentabilidade é um novo conceito que vai atingir todas as áreas, inclusive a saúde. De qualquer forma, o papel da ANVISA será de avaliar essas novas tecnologias para assegurar a saúde do consumidor. 27 Considerando que o Bromato de potássio é proibido pela lei /01, qual a orientação para o uso de Bromato de sódio em produtos de panificação, visto que o

9 mesmo não consta na lista positiva da RDC 383/99 nem na Farmacopéia Brasileira, e verificamos que vem sendo amplamente utilizado nesses produtos? A Lei nº , de 5 de setembro de 2001, proibiu o aditivo alimentar bromato de potássio, em qualquer quantidade, nas farinhas, no preparo de massas e nos produtos de panificação. À época, o bromato de sódio, substância quimicamente similar ao bromato de potássio, não foi incluído na proibição da Lei /01, uma vez que apenas este último era autorizado pela legislação brasileira como aditivo alimentar. Em relação ao bromato de sódio não se justificava proibir uma substância que já não tinha uso autorizado, condição que é mantida até o momento. Contudo, a Gerência de Ações de Ciência e Tecnologia de Alimentos/ Gerência-Geral de Alimentos (GACTA/GGALI) tem recebido várias consultas sobre o tema. A dúvida é se legalmente o bromato de sódio também estaria proibido uma vez que a Lei /01 cita apenas o bromato de potássio. A legislação brasileira de aditivos alimentares é positiva, e como tal um aditivo somente pode ser utilizado pela indústria alimentícia quando estiver explicitamente definido em legislação específica, com as respectivas funções, limites máximos de uso e categorias de alimentos permitidas. Portanto, o que não consta da legislação, não tem uso permitido para alimentos. Assim, bromato de potássio é proibido por Lei, enquanto bromato de sódio não consta da legislação específica que autoriza o uso de aditivos para alimentos, incluindo farinhas e produtos de panificação, a saber: Resolução nº. 383/1999, (http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=117) e Resolução RDC nº. 60/07 (http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=28144&word), respectivamente. Apesar disso, a indústria de alimentos conta com várias outras alternativas, já que a Resolução 383/1999 traz uma lista positiva de 18 aditivos alimentares que podem ser utilizados na citada categoria de alimentos, com a função melhorador de farinhas. Portanto, bromato de sódio nunca foi autorizado pela legislação brasileira e tampouco por uma das referências internacionais previstas na Portaria nº. 540 SVS/ MS, de 27 de outubro de 1997, ou seja, Codex Alimentarius e União Européia, podendo também ser considerada, como referência complementar, o Food and Drug Administration (FDA - EUA). No âmbito do MERCOSUL, esse aditivo também não tem uso autorizado, por não constar da Lista Geral Harmonizada de Aditivos (Resolução GMC nº. 11/2006) e de quaisquer outros regulamentos técnicos da área de alimentos no MERCOSUL. 28 Existe alguma limitação quanto à utilização de grampos metálicos em embalagens primárias de alimentos? A utilização de embalagens metálicas deve obedecer aos requisitos estabelecidos na Resolução RDC 20, de 22 de março de Entretanto, grampos metálicos não estão contemplados nessa Resolução. Isso significa que não é permitido o uso de grampos metálicos para contato com alimentos. Para fechamento das embalagens metálicas, de acordo com a RDC 20/2007, é permitido o seguinte: 2.5 As embalagens metálicas de duas ou mais peças podem apresentar costura lateral recravada ou por superposição, podendo esta costura ser realizada com: recravagem mecânica soldadura elétrica estanho tecnicamente puro cimentos termoplásticos todas as combinações possíveis dos processos descritos de a

10 2.6 As tampas metálicas devem assegurar a hermeticidade da embalagem por meio de compostos vedantes. Isto não será necessário para os alimentos que não requeiram ser esterilizados ou submetidos a outro tipo de tratamento térmico para sua conservação. 29 A embalagem de PET reciclado, um dos objetivos é para ser utilizado em alimentos? Existem laboratórios oficiais para análises desse PET? Sim, o PET Pós-consumo Reciclado já pode ser utilizado para fins alimentícios, de acordo com a RDC 20, de 26 de março de Os laboratórios habilitados para realizar as análises exigidas pela Resolução são os laboratórios da Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde Reblas. Para ter acesso aos laboratórios da Reblas entre no sítio eletrônico da ANVISA: clicando em Áreas de atuação Rede Brasileira de Laboratórios. 30 PET reciclado. Qual laboratório realiza o controle de qualidade da resina reciclada? CETEA-SP? Quanto a rotulagem obrigatória elas garantirão a rastreabilidade desse garrafão? Os laboratórios habilitados para realizar as análises exigidas pela RDC 20, de 26 de março de 2008, são os laboratórios da Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde Reblas. Para ter acesso aos laboratórios da Reblas entre no sítio eletrônico da ANVISA: clicando em Áreas de atuação Rede Brasileira de Laboratórios. Deve-se verificar com um Laboratório habilitado se esse faz as análises exigidas pela Resolução. De acordo com a RDC 20/2008 sobre PET-PCR e rastreabilidade, citam-se as seguintes exigências: 3.7. Para que um estabelecimento, que elabore embalagens ou seus artigos precursores de PET-PCR grau alimentício, seja habilitado e registrado, se requerirá também que disponha de procedimentos de controle de processo de elaboração das embalagens ou seus artigos precursores de PET-PCR grau alimentício, que permita a rastreabilidade do mesmo Para que um estabelecimento que produza PET-PCR grau alimentício seja habilitado e registrado pela Autoridade Sanitária Nacional Competente se requerirá que conte com procedimentos de controle do processo de obtenção do PET-PCR grau alimentício que permita a rastreabilidade do mesmo. 4. ROTULAGEM Na embalagem final deverá ser identificado de forma indelével: a identificação do produtor, o número de lote ou codificação que permita sua rastreabilidade e a expressão PET-PCR. 31 O senhor teve conhecimento de Estados do nosso país que plantem soja não transgênica? O MAPA faz esse levantamento, pois cadastra todas as fazendas produtoras de soja geneticamente modificada. Portanto, o interessado deve obter a informação junto ao MAPA. 32 Quais os órgãos autorizados para fazer as análises de migração de materiais contaminantes? Quais as análises exigidas pela ANVISA para a empresa? Os laboratórios habilitados para realizar as análises exigidas são os laboratórios da Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde Reblas. Para ter acesso aos laboratórios da Reblas entre no sítio eletrônico da ANVISA: clicando em Áreas de atuação Rede Brasileira de Laboratórios. Deve-se verificar com um Laboratório habilitado se esse faz as análises exigidas pela Resolução a qual se está seguindo.

Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais

Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais Atualidades em Food Safety IV ILSI Brasil 23 de maio de 2012 São Paulo Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais Laila Sofia Mouawad Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002

RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002 RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado pelo

Leia mais

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 268, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS PROTÉICOS DE ORIGEM VEGETAL". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a segurança de uso do corante Caramelo IV processo sulfito amônia (INS 150d).

Assunto: Esclarecimentos sobre a segurança de uso do corante Caramelo IV processo sulfito amônia (INS 150d). Informe Técnico nº. 48, de 10 de abril de 2012. Assunto: Esclarecimentos sobre a segurança de uso do corante Caramelo IV processo sulfito amônia (INS 150d). 1. Tendo em vista notícias divulgadas na mídia

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.036, DE 2013 Dispõe sobre a restrição do uso de agentes aromatizantes ou flavorizantes em bebidas alcoólicas e da outras providências. Autora:

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados. Anvisa - Resolução - RDC nº 175, de 08 de julho de 2003 Republicada no D.O.U de 10/07/2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso de sua atribuição que lhe confere o

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários;

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários; MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº- 270, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Nº uso

Leia mais

Resolução nº 23, de 15 de março de 2000 (DOU 16/03/2000)

Resolução nº 23, de 15 de março de 2000 (DOU 16/03/2000) Resolução nº 23, de 15 de março de 2000 (DOU 16/03/2000) Dispõe sobre O Manual de Procedimentos Básicos para Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos Pertinentes à Área de Alimentos

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

considerando a necessidade de implementar ações que venham contribuir para a melhoria da qualidade da assistência à saúde;

considerando a necessidade de implementar ações que venham contribuir para a melhoria da qualidade da assistência à saúde; Resolução - RDC nº 132, de 29 de maio de 2003 D.O.U de 02/06/2003 Dispõe sobre o registro de medicamentos específicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 Resolução nº 263/2005 23/09/2005 RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23.09.2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS

REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS I Reunião Anual da Vigilância Sanitária de Alimentos 15 a 17 de maio/2007 João Pessoa Amanda Poldi

Leia mais

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 Dispõe sobre Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos pertinentes à Área de Alimentos no âmbito do Município. A Vigilância Sanitária Municipal,

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA MISTURAS PARA O PREPARO DE ALIMENTOS E ALIMENTOS PRONTOS PARA O CONSUMO". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

I. Apresentação. Relatório de análise de contribuições CP n. 93/09 Pag 1 de 10

I. Apresentação. Relatório de análise de contribuições CP n. 93/09 Pag 1 de 10 Consulta Pública n. 93/2009 - Dispõe sobre o regulamento técnico de compostos de nutrientes para alimentos destinados a lactentes e a crianças de primeira infância I. Apresentação Este relatório tem como

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 20, de 26 de março de 2008 Dispõe sobre o Regulamento Técnico

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011 Amanda Poldi CRIANÇA-DEFINIÇÃO LEI 11.265/2006 CRIANÇA: indivíduo até 12 (doze) anos de idade incompletos; CRIANÇA DE PRIMEIRA

Leia mais

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Perguntas e Respostas sobre Informação Nutricional Complementar Gerência de Produtos Especiais Gerência Geral de Alimentos www.anvisa.gov.br Brasília/DF

Leia mais

Normas Gerais da Vigilância Sanitária

Normas Gerais da Vigilância Sanitária Normas Gerais da Vigilância Sanitária INTRODUÇÃO A vigilância sanitária é exercida para preservar a saúde da população. Além dos produtos alimentícios, outros produtos ou atividades estão sujeitos à inspeção

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

XLVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS

XLVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS MERCOSUL/SGT Nº 3/CA/ATA Nº 03/12 XLVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS Realizou-se na cidade de Porto Alegre,

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS WILLIAM CESAR LATORRE Diretor de Alimentos Centro de Vigilância Sanitária SES / SP Decreto Lei 986, de 21/10/1969 Institui normas

Leia mais

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * Rótulos dos Alimentos * A preservação ou conservação refere-se às formas de modificação dos alimentos e das bebidas a fim de que eles se mantenham adequados para consumo humano por mais tempo......,

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos Página 1 de 7 English Español Institucional Anvisa Publica Serviços Áreas de Atuação Legislação Buscar Informes Técnicos Informe Técnico nº. 36, de 27 de junho de 2008 Orientações sobre a declaração da

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA DE PROCEDIMENTOS PARA PEDIDOS DE INCLUSÃO E EXTENSÃO DE USO DE ADITIVOS ALIMENTARES E COADJUVANTES DE TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA GERÊNCIA

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2008. Portaria Nº 64, DE 23 DE ABRIL DE 2008 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 9 Ementa: Submete à Consulta Pública, pelo prazo de 60 (sessenta) dias a contar

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 264, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA CHOCOLATE E PRODUTOS DE CACAU". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 419, DE 2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 419, DE 2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 419, DE 2011 Regulamenta a venda de compostos líquidos prontos para consumo. Autor: Deputado Áureo Relator: Deputado FRANCISCO

Leia mais

ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS

ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS Circular n 009/2.011 São Paulo, 17 de Janeiro de 2.011 ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS Prezado Associado: A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 26, de 21 de maio de 2009. D.O.U de 22/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 25 de março de 2008 órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária

publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 25 de março de 2008 órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária título: Resolução RDC nº 18, de 24 de março de 2008 ementa: Dispõe sobre o "Regulamento Técnico que autoriza o uso de aditivos edulcorantes em alimentos, com seus respectivos limites máximos". publicação:

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO 1. ALCANCE Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que devem obedecer a

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO 1. ALCANCE Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que devem obedecer a AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA Resolução nº. 274, de 22 de setembro de 2005. Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO" A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 82, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 82, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 82, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 37, de 15 de junho de 2009. D.O.U de 17/06/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005)

RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005) RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005) ** Revoga a Resolução CNNPA (Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos)

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 19, DE 5 DE MAIO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 19, DE 5 DE MAIO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 19, DE 5 DE MAIO DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas informarem à ANVISA a quantidade de fenilalanina, proteína e umidade de alimentos,

Leia mais

Tabela de Composição de Fenilalanina em Alimentos

Tabela de Composição de Fenilalanina em Alimentos Reunião da Câmara Setorial de Alimentos - 2011 Tabela de Composição de Fenilalanina em Alimentos Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos FENILCETONÚRIA Erro inato do metabolismo que

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação:

Adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 14, de 16 de março de 2011. D.O.U de 21/03/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo

Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo Luana Leticia Brazileiro - Sao Paulo, 27/08/2012 O que vem à mente quando se pensa em PepsiCo? 2 Marcas fortes e portfólio completo 19 US$ 1B

Leia mais

subitem 3.3. (Anexo) alterada(o) por:resolução RDC nº 123, de 13 de maio de 2004

subitem 3.3. (Anexo) alterada(o) por:resolução RDC nº 123, de 13 de maio de 2004 título: Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 132, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 02/10/2003

RESOLUÇÃO - RDC Nº 132, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 02/10/2003 RESOLUÇÃO - RDC Nº 132, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 02/10/2003 Dispõe sobre o registro de medicamentos específicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico:

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Perguntas e Respostas sobre Informação Nutricional Complementar (INC) Gerência de Produtos Especiais Gerência Geral de Alimentos www.anvisa.gov.br Brasília/DF

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

1.1.1.1. Amostra Grátis. 1.1.1.2. Produtos importados. 1.1.3. Lista de Ingredientes e Ingredientes compostos. 1.1.3.1. Frutas cristalizadas

1.1.1.1. Amostra Grátis. 1.1.1.2. Produtos importados. 1.1.3. Lista de Ingredientes e Ingredientes compostos. 1.1.3.1. Frutas cristalizadas Atualizado: 22 / 01 / 2013 1. Rotulagem de alimentos 1.1. Rotulagem nutricional 1.1.1. Informações obrigatórias 1.1.1.1. Amostra Grátis 1.1.1.2. Produtos importados 1.1.1.3. Glúten 1.1.2. Produtos inacabados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma

Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma Kayatt e Fukuma Advogados e Consultores Jurídicos Legislação de Biossegurança a) Lei 8974/95- chamada de Lei de Biossegurança foi aprovada

Leia mais

CARTILHA SOBRE ESTABELECIMENTOS QUE PROCESSAM ALIMENTOS SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE. www.seminariossuasa.com.br

CARTILHA SOBRE ESTABELECIMENTOS QUE PROCESSAM ALIMENTOS SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE. www.seminariossuasa.com.br CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE ESTABELECIMENTOS QUE PROCESSAM ALIMENTOS CARTILHA www.seminariossuasa.com.br SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 1 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE ESTABELECIMENTOS QUE

Leia mais

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA Bruxelas, 1.2.2010 - Documento de orientação 1 Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015.

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre os procedimentos para solicitação de alterações na lista de alimentos alergênicos. I. Introdução. A Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Resolução - RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002 D.O.U de 23/09/2002 Resolução RDC nº 123/04 modifica

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA MERCOSUL/GMC/RES. N 14/01 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA TENDO EM VISTA : O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93, Nº 152/96 e Nº 38/98 do Grupo

Leia mais

Consulta Pública nº 21/2013. Recolhimento de. Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos. Brasília, 12 de agosto de 2013.

Consulta Pública nº 21/2013. Recolhimento de. Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos. Brasília, 12 de agosto de 2013. Consulta Pública nº 21/2013 Recolhimento de Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos Brasília, 12 de agosto de 2013. Consulta Pública nº. 21/2013 Prazo para envio das contribuições: 60 dias

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

Considerando a necessidade de estabelecer a identidade e a qualidade dos produtos de cervejaria destinados ao consumo humano;

Considerando a necessidade de estabelecer a identidade e a qualidade dos produtos de cervejaria destinados ao consumo humano; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO DO MINISTÉRIO DA

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas.

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas. RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: especial, o item Alimentos Enriquecidos da Resolução CNNPA nº 12/78.

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: especial, o item Alimentos Enriquecidos da Resolução CNNPA nº 12/78. título: Portaria nº 31, de 13 de janeiro de 1998 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico referente a Alimentos Adicionados de Nutrientes Essenciais, constante do anexo desta Portaria. publicação:

Leia mais

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde 4º Simpósio de Segurança Alimentar Gramado/RS, 29 e 30/05/2012 Antonia Maria de Aquino GPESP/GGALI/ANVISA Missão da Anvisa Promover

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári

Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári título: Resolução RDC nº 274, de 22 de setembro de 2005 ementa

Leia mais

Programa de rotulagem. O programa como um expositor de irregularidades

Programa de rotulagem. O programa como um expositor de irregularidades Programa de rotulagem O programa como um expositor de irregularidades RÓTULOS O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da

Leia mais

Questões relevantes levantadas pela Indústria

Questões relevantes levantadas pela Indústria Questões relevantes levantadas pela Indústria Seminário Informação ao Consumidor Novas regras de rotulagem Catarina Dias Sumário O regulamento (UE) 1169/2011 1 O Regulamento (UE) 1169/2011 As razões para

Leia mais

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Regulamentação das águas no Brasil (ANVISA) Elisabete Gonçalves Dutra Gerencia Geral de Alimentos LEI Nº 9.782, DE 26 DE JANEIRO DE 1999 Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 19, de 6 de maio de 2009. D.O.U de 11/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União;

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 29, de 05 de junho de 2014 D.O.U de 09/06/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 29, de 05 de junho de 2014 D.O.U de 09/06/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 29, de 05 de junho de 2014 D.O.U de 09/06/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos.

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. RESPOSTA TÉCNICA Título Higiene e segurança de alimentos Resumo Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. Palavras-chave

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais