PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL"

Transcrição

1 PORTUGUÊS O trecho a seguir faz parte de uma matéria sobre erros de português cometidos inclusive por jornalistas e foi extraído da revista Imprensa, ano III, n. 34 (In. MESQUITA, Roberto Melo. Gramática. São Paulo: Saraiva, 1999). Texto 1 De fato, de 30 anos para cá, o ensino da língua portuguesa nas escolas primárias e secundárias teve sua qualidade perigosamente comprometida pelo descaso governamental, pela incúria dos educadores e pior pela garantia, na mídia, das condições de reprodução dos equívocos sintáticos e derrapadas lingüísticas. De tanto esses erros serem repetidos, assumem foros de norma estabelecida. Vem pra Caixa você também propõe, por exemplo, o anúncio de um banco oficial. No meu governo, indigna-se Luís Edgar de Andrade, 57 anos e 35 de profissão, diretor de redação da Rede Manchete, o presidente da Caixa Econômica Federal seria condenado ao degredo perpétuo, para aprender como se conjuga o verbo vir no imperativo. 01) Após ler o Texto 1, analise as afirmativas abaixo. I - A forma Venha para a Caixa, você também não deixaria Luís Edgar de Andrade indignado. II - Para o diretor da Rede Manchete, o presidente da Caixa deveria ser condenado a pagar altíssimas multas, pelo desconhecimento da língua padrão. III - O diretor de redação da Rede Manchete não considera as possibilidades de uso das variantes lingüísticas em certos textos como, por exemplo, nos textos publicitários, em que as variantes são utilizadas como estratégia de persuasão, uma vez que aproximam a linguagem do texto daquela utilizada no cotidiano. A( ) Somente as afirmativas I e III estão corretas. B( ) Somente a afirmativa II está correta. C( ) Somente as afirmativas I e II estão corretas. D( ) Somente as afirmativas II e III estão corretas. E( ) Todas as afirmativas estão corretas. 02) Pode-se afirmar, CORRETAMENTE, que o trecho: pelo descaso governamental, pela incúria dos educadores e pior pela garantia, na mídia, das condições de reprodução dos equívocos sintáticos e derrapadas lingüísticas apresenta: A( ) os motivos pelos quais os equívocos lingüísticos comunicam melhor que a linguagem culta. B( ) os motivos pelos quais houve e está havendo enfraquecimento no ensino de Língua Portuguesa nas escolas. C( ) a defesa dos educadores que lutam por seus ideais e detêm o poder de impedir que os equívocos sintáticos e as derrapadas lingüísticas aconteçam. D( ) os professores como os maiores responsáveis pela existência das impropriedades lingüísticas que encontramos em Língua Portuguesa. E( ) a isenção de responsabilidade da mídia, que não deveria importar-se tanto com os deslizes gramaticais, pois isso é um assunto a ser resolvido pelos educadores e em nada afeta o trabalho dos profissionais dos meios midiáticos. PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL N o 002/2005 1

2 03) Analise as afirmativas abaixo. I - Dominar uma língua não significa apenas conhecer normas gramaticais mas, sobretudo, empregar adequadamente essa língua em várias situações. II - Modernamente, é possível identificar, pelo menos, dois tipos de gramática: a normativa, que estabelece as regras a serem seguidas por aqueles que querem falar e escrever corretamente, e a descritiva, que busca descrever e analisar a língua utilizada por um determinado grupo de pessoas em um dado momento histórico. III - Em cada situação que vivenciamos, empregamos diferentes linguagens, adequadas a cada contexto, o que nos permite afirmar que existem vários níveis de linguagem. A( ) Somente as afirmativas I e III estão corretas. B( ) Somente as afirmativas I e II estão corretas. C( ) Somente as afirmativas II e III estão corretas. D( ) Somente a afirmativa II está correta. E( ) Todas as afirmativas estão corretas. 04) Dentre as afirmativas a seguir, aponte aquelas que SEGUEM a norma padrão da Língua Portuguesa. I - O desrespeito às leis implica sérias conseqüências ao infrator. II - Preferimos ficar em casa à viajar com chuva. III - O secretário declarou que é necessário a liberação das verbas para dar início as obras. IV - Naquele lugar, haviam muitas pessoas que o conheciam. V - O secretário, de cujo nome me esqueci, acabou de entrar no recinto. A( ) Somente as afirmativas I e V estão corretas. B( ) Somente as afirmativas I, II e IV estão corretas. C( ) Somente as afirmativas II e III estão corretas. D( ) Somente as afirmativas III, IV e V estão corretas. E( ) Somente as afirmativas III e IV estão corretas. PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL N o 002/2005 2

3 05) Considere os enunciados: (a) Chegou a noite. (b) Chegou à noite. Com base nas informações dadas em (a) e (b) são feitas as seguintes afirmações: I - O enunciado (a) faz referência ao período da noite, que chegou. II - O enunciado (b) informa que alguém chegou no período da noite. III - O uso adequado do acento grave, no caso (b), será decisivo para quando se quiser informar que alguém chegou no período da noite. IV - Não utilizar o acento indicador de crase, no caso (a), constitui um equívoco, se considerarmos o padrão normativo da língua e a intenção de informar que o dia terminou. A( ) Somente os enunciados I, II e IV estão corretos. B( ) Somente os enunciados I, III e IV estão corretos. C( ) Somente os enunciados II, III e IV estão corretos. D( ) Somente os enunciados I, II e III estão corretos. E( ) Todos os enunciados estão corretos. Texto 2 As novas concepções de lingüística que, na verdade, já não são tão novas assim podem nos fazer ver o fenômeno da língua muito além das teias gramaticais, com horizontes bem mais amplos, bem mais fascinantes, bem mais humanos, no sentido de que refletem os usos das pessoas em sociedade, isto é, a língua que a gente usa no dia-a-dia. Essas concepções podem nos fazer perceber muito mais coisas que o certo e o errado, muito mais a fazer que dar nomes às coisas e aos fatos da língua. Indo além dos rótulos que a linguagem contém, para deixar-nos embriagar pela sua cor, pelo seu perfume e pelo seu sabor. (ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003, p. 174) 06) O excerto apresentado no Texto 2 faz referência ao ensino da Língua Portuguesa, baseado em uma determinada perspectiva. Assinale a alternativa que enuncia a perspectiva CORRETA. A( ) Do espontaneísmo, que leva em conta somente a vivência dos educandos. B( ) Do ensino normativo, em que a gramática normativa é o ponto central. C( ) Do sócio-interacionismo, voltado para a alfabetização com letramento. D( ) Do construtivismo, que prioriza as fases de aprendizagem pelas quais o aluno passa. E( ) Da prática mecânica, da memorização das regras ortográficas e da sintaxe. PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL N o 002/2005 3

4 07) Considerando o trecho indo além dos rótulos que a linguagem contém, para deixar-nos embriagar pela sua cor, pelo seu perfume e pelo seu sabor, extraído do excerto apresentado no Texto 2, é CORRETO afirmar: A( ) Saber distinguir o certo e o errado é condição suficiente para poder dizer que dominamos uma língua, pois não cometemos deslizes gramaticais. B( ) A autora deixa clara a importância de se chamar a atenção do aluno para o fato de que a língua não pode ser estudada fora de seu contexto e que, portanto, apenas estudar fenômenos gramaticais não é suficiente para conhecê-la. C( ) Para conhecer uma língua é importante que se esqueçam as normas gramaticais. D( ) Se esquecermos as normas gramaticais, não será possível compreender a língua, pois ficaremos confusos, meio embriagados com o poder que ela tem de nos seduzir. E( ) As palavras que representam os adjetivos como cores, perfumes e sabores servem para tornar os textos mais envolventes e mostrar que de nada valem os estudos gramaticais. 08) Analise os enunciados abaixo. (a) Todo o dia José fica na fila da Unidade de Saúde do bairro em que mora. (b) Todo dia José fica na fila da Unidade de Saúde do bairro em que mora. I - O enunciado (a) equivale a dizer que José fica diariamente na Unidade de Saúde do bairro em que mora. II - O enunciado (b) informa que José fica durante o dia inteiro na Unidade de Saúde do bairro em que mora. III - Segundo o enunciado (a), José fica durante o dia inteiro na Unidade de Saúde do bairro em que mora. IV - De acordo com o enunciado (b), José fica diariamente na Unidade de Saúde do bairro em que mora. A( ) Somente os enunciados II e III estão corretos. B( ) Somente os enunciados I e II estão corretos. C( ) Somente os enunciados I e IV estão corretos. D( ) Somente os enunciados III e IV estão corretos. E( ) Todos os enunciados estão corretos. Texto 3 As variedades não são erros, mas diferenças. Não existe erro lingüístico. O que há são inadequações de linguagem, que consistem não no uso de uma variedade, em vez de outra, mas no uso de uma variedade em vez de outra numa situação em que as regras sociais não abonam aquela forma de fala. (POSSENTI, Sírio. Gramática e Política. In: GERALDI, João Wanderley (org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2002, p.52) PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL N o 002/2005 4

5 09) O excerto apresentado no Texto 3 traduz uma concepção de linguagem que supera a noção de erro e aceita as variações decorrentes da inserção dos sujeitos em diferentes segmentos da sociedade. Assim, a língua também está associada às diferentes condições em que é produzida. De acordo com a concepção de trabalho que permeia o Texto 3, é CORRETO afirmar: A( ) Por não existir linguagem inapropriada, cabe ao professor aceitar toda e qualquer formulação oral e escrita do aluno e respeitar as diferenças. B( ) Trabalhar em sala de aula nessa perspectiva fará com que o professor abandone completamente a observância das normas gramaticais, uma vez que, de acordo com essa concepção, não existe erro lingüístico e tudo é aceitável. C( ) Trabalhar em sala de aula as variedades lingüísticas permite ao professor fazer uso dos diferentes gêneros textuais orais e escritos, reconhecendo neles a adequação ao contexto em que estão inseridos, à linguagem que é utilizada, à intenção de sua produção e ao público a quem se dirigem, tornando, assim, o ensino de língua mais real e significativo. D( ) As inadequações de linguagem existem toda vez que o texto (oral ou escrito) não estiver de acordo com as normas da língua padrão. E( ) Trabalhar em sala de aula as variedades lingüísticas permite ao professor lidar com os mais diversos gêneros textuais orais e escritos, desde que todas as inadequações sejam transformadas em textos que obedeçam ao padrão da Língua Portuguesa. 10) Metodologicamente, ter como objetivo específico o estudo dos gêneros textuais carta, notícia, reportagem, romance, soneto, conto, catálogo de telefones, , sermão religioso, pronunciamento político, diário, prova escolar, piada, trova, canção popular, anúncio classificado, propaganda, terço, novena, etc. implica: A( ) trabalhar com os diversos textos que circulam na sociedade numa abordagem comunicativa da língua, sem incentivar a produção textual dos alunos. B( ) trabalhar com os diversos textos que circulam na sociedade para verificar neles somente o respeito à língua padrão. C( ) trabalhar com os diversos textos que circulam na sociedade para retirar deles somente questões de ortografia e/ou sintaxe da gramática normativa. D( ) trabalhar com os diversos textos que circulam na sociedade para somente identificar os segmentos sociais que utilizam o tipo de linguagem que está presente neles. E( ) trabalhar com os diversos textos que circulam na sociedade, tanto para a análise da língua em uso nesses contextos quanto para a sua aplicação na produção escrita dos alunos. PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL N o 002/2005 5

6 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL N o 002/2005 6

7 GRADE DE RESPOSTAS PROVA: PORTUGUÊS QUESTÃO ALTERNATIVAS A B C D E ESTA FOLHA NÃO SERÁ CORRIGIDA, MAS PODERÁ SER DESTACADA PARA VOCÊ LEVAR E CONFERIR O SEU GABARITO! PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL N o 002/2005 7

8 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL N o 002/2005 8

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto MÍDIAS NA ESCOLA Continuando nossos estudos... Agosto - 2015 PARA RECORDAR! LEITURA: UM ENFOQUE ALÉM DO TEXTO QUAL O GÊNERO? QUAL O SUPORTE? QUEM ESCREVEU? QUANDO ESCREVEU? PARA QUEM ESCREVEU? PARA QUE

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios.

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios. 2ª Língua Portuguesa 5º Ano E.F. Objeto de Estudo Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: norma-padrão e variedades linguísticas. Usos

Leia mais

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Título Contextualização Ementa Objetivos gerais CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa,

Leia mais

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira *

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira * Resenha Instrumento COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. Mariângela Maia de Oliveira * Tomando por base os novos conceitos subjacentes ao processo de

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA 53 14 PLANOS DE DISCIPLINAS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio

Leia mais

ESTÁGIO EM ENSINO DE ANÁLISE LINGUÍSTICA

ESTÁGIO EM ENSINO DE ANÁLISE LINGUÍSTICA ESTÁGIO EM ENSINO DE ANÁLISE LINGUÍSTICA AULA 04: PROPOSTAS DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE ANÁLISE LINGUÍSTICA LIÇÃO 1 REGÊNCIA (Adaptada de uma atividade elaborada para alunos do 9º

Leia mais

LINGUAGEM E ENSINO NA ESCOLA PÚBLICA: UM ESTUDO

LINGUAGEM E ENSINO NA ESCOLA PÚBLICA: UM ESTUDO LINGUAGEM E ENSINO NA ESCOLA PÚBLICA: UM ESTUDO SOUZA, Antonio Escandiel de²; AVRELLA, Lisandra Hoffmann¹ Resumo Este artigo tem por finalidade divulgar os resultados alcançados com o projeto linguagem

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Série/período: 1º ano Carga

Leia mais

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO Programação 1º- ao5º-ano INTRODUÇÃO Ser leitor-escritor competente nos dias de hoje é uma das condições básicas para uma participação social efetiva. Assim, cabe à escola rever seus currículos e estar

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

SÉRIES INICIAIS. Desequilíbrio A água doce não está distribuída igualmente sobre a Terra. Na região Amazônica,

SÉRIES INICIAIS. Desequilíbrio A água doce não está distribuída igualmente sobre a Terra. Na região Amazônica, SÉRIES INICIAIS 01) Observe atentamente os textos: Fonte: SOARES, Magda. Português Uma Proposta para o Letramento. Moderna, v. 4, 2003. (adaptação) Desequilíbrio A água doce não está distribuída igualmente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Português 8ºano Ano Letivo 2016/2017

PLANIFICAÇÃO ANUAL Português 8ºano Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Português 8ºano Ano Letivo 2016/2017 Domínios/Conteúdos Objetivos,,, PNL e BE/CRE (5 tempos) s Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Português - 8º Ano Ano letivo 2014/2015 (Para)Textos 8

Português - 8º Ano Ano letivo 2014/2015 (Para)Textos 8 Português - 8º Ano Ano letivo 2014/2015 (Para)Textos 8 Plano anual De acordo com a informação disponibilizada pelo Ministério da Educação e Cultura, «conjuntamente com os atuais Programas de cada disciplina,

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRMÁTIC rnaldo Nogari Júnior G-CLC-UENP/ CJ) arnaldo_nogarijr@hotmail.com Layane Suellen Miguel G-CLC-UENP/ CJ) lala.wordshipper@hotmail.com Michelle ndressa Vieira G-CLC-UENP/

Leia mais

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Conteúdos Programáticos Critérios de Instrumentos de Comunicação oral Observação direta

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS

ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) lia_morais.jta@hotmail.com Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) linduarte.rodrigues@bol.com.br

Leia mais

A língua portuguesa e o ensino gramatical

A língua portuguesa e o ensino gramatical PARTE I A língua portuguesa e o ensino gramatical O objetivo da primeira parte deste livro é levantar questionamentos e reflexões acerca do estudo da língua portuguesa no ensino superior, bem como orientar

Leia mais

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Maria Inês Batista Campos maricamp@usp.br 24/09/2013 Universidade Estadual de Santa Cruz/UESC Ilhéus-Bahia Objetivos Compreender o livro didático

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 2º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Aspectos morfológicos e

Leia mais

GRAMÁTICA, CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E ARGUMENTAÇÃO: O TRABALHO COM AS CONJUNÇÕES COORDENATIVAS ADVERSATIVAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

GRAMÁTICA, CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E ARGUMENTAÇÃO: O TRABALHO COM AS CONJUNÇÕES COORDENATIVAS ADVERSATIVAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA GRAMÁTICA, CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E ARGUMENTAÇÃO: O TRABALHO COM AS CONJUNÇÕES COORDENATIVAS ADVERSATIVAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Marcos Antônio da Silva (UFPB/PROLING) sambiar@ig.com.br Ana Carolina

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 20 H

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 20 H Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Hospedagem Proeja FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

REPORTAGEM: UMA PROPOSTA DE LEITURA E ANÁLISE NO ENSINO FUNDAMENTAL

REPORTAGEM: UMA PROPOSTA DE LEITURA E ANÁLISE NO ENSINO FUNDAMENTAL REPORTAGEM: UMA PROPOSTA DE LEITURA E ANÁLISE NO ENSINO FUNDAMENTAL Flávia Elisa Vargas Chamon 1 1 UFMG/FALE/E.M. ISABEL NASCIMENTO DE MATTOS, flaviachamon@hotmail.com Resumo - O objetivo deste trabalho

Leia mais

DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA TOTAL 20

DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA TOTAL 20 DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA - 2014 UNIDADES DIDÁTICAS HORAS PÁGINA I. A SELEÇÃO VOCABULAR: CRITÉRIOS E APLICAÇÕES II. GRAMÁTICA DE TEXTO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 10 10-03 05 06 TOTAL 20 Plano de Disciplinas

Leia mais

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução aos estudos de língua materna

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução aos estudos de língua materna CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras 2017 5º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução aos estudos de língua materna 04h/a xxx xxx 60 h/a xxx xxx EMENTA Iniciação ao estudo de problemas

Leia mais

Usos e funções: código oral e código escrito

Usos e funções: código oral e código escrito 3ª Objeto de estudo A linguagem como espaço de interação. A linguagem como espaço de interação. A linguagem e a formação para a cidadania A linguagem e a formação para a cidadania Língua Portuguesa 1º

Leia mais

A PRODUÇÃO ESCRITA EM SALA DE AULA: UMA ANALISE DA ATIVIDADE DE ESCRITA REALIZADA PELOS ALUNOS DO 9 ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II

A PRODUÇÃO ESCRITA EM SALA DE AULA: UMA ANALISE DA ATIVIDADE DE ESCRITA REALIZADA PELOS ALUNOS DO 9 ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II A PRODUÇÃO ESCRITA EM SALA DE AULA: UMA ANALISE DA ATIVIDADE DE ESCRITA REALIZADA PELOS ALUNOS DO 9 ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II Carolina Videira Cruz (UNIOESTE) 1 Jéssica Paula Vescovi (Orientadora -

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Sueilton Junior Braz de Lima Graduando da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Josefa Lidianne de Paiva

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL: PRODUÇÃO TEXTUAL ACADÊMICA, AVALIATIVO, PEDAGÓGICO E INSTITUCIONAL.

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL: PRODUÇÃO TEXTUAL ACADÊMICA, AVALIATIVO, PEDAGÓGICO E INSTITUCIONAL. Centro de Estudos Superiores de Itaituba Ltda Faculdade de Itaituba FAI RAQUEL BATISTA SILVA AMANDA GONÇALVES BENTO PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL: PRODUÇÃO TEXTUAL ACADÊMICA, AVALIATIVO, PEDAGÓGICO

Leia mais

PLANO DE ENSINO DIA DA SEMANA HORÁRIO CRÉDITOS 2as feiras 18h10-21h40 04

PLANO DE ENSINO DIA DA SEMANA HORÁRIO CRÉDITOS 2as feiras 18h10-21h40 04 PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: Departamento de Ciências Humanas ANO/SEMESTRE: 2013/01 CURSO: Pedagogia séries iniciais FASE: 7ª fase DISCIPLINA: Conteúdos e Metodologias do Ensino TURNO: noturno de Linguagem

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico, Metas Curriculares de Português do Ensino Básico

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-metodológicos

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA com DUDA NOGUEIRA Comentários da prova BANCO do BRASIL Aplicada 15/03/2015

LÍNGUA PORTUGUESA com DUDA NOGUEIRA Comentários da prova BANCO do BRASIL Aplicada 15/03/2015 1 PROVA Escriturário BANCO DO BRASIL - aplicada 15/03/2015 LÍNGUA PORTUGUESA Alunos nossos, como foi comentado no curso SÓ BB (http://www.sobb.com.br/), a prova foi muito tranquila e não há possibilidade

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Português Instrumental Código: Fisio 304 Pré-requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

Língua Portuguesa 7º ano

Língua Portuguesa 7º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Audição orientada. Ouvinte. Discurso; universo de discurso (assunto). Língua Portuguesa 7º ano Conteúdos 1º Período Comunicação Oral Falar para Construir

Leia mais

Diferentes abordagens de alfabetização

Diferentes abordagens de alfabetização ALFABETIZAÇÃO Diferentes abordagens de alfabetização MODELO 1 (MÉTODO FONÉTICO OU DIRETO) Identificar oralmente os fonemas da língua (sons). Corresponder o fonema ao grafema: mostrar a letra e a pronuncia

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Linguagens, Tecnologias e Produção Textual

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Linguagens, Tecnologias e Produção Textual CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras 2017 1º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Linguagens, Tecnologias e Produção Textual Prática CHS CHT 20 h/a 4 h/a 76 h/a EMENTA Linguagem, processos comunicativos,

Leia mais

PLANO DE AULAS. P3) Montagem de painel criativo com o tema educação ambiental e ocupação urbana. Valor 10 pontos.

PLANO DE AULAS. P3) Montagem de painel criativo com o tema educação ambiental e ocupação urbana. Valor 10 pontos. PLANO DE AULAS 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Matemática Componente Curricular/Disciplina: Leitura, Interpretação e Produção de Textos Carga Horária Total: 63,3h - Aulas semanais: 4 Professor(es)

Leia mais

SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL

SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL Silvana Maria Mamani 1 1 Universidade Federal de Minas Gerais/ Faculdade de Letras/ Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos/

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

Português Língua Não Materna (A2)

Português Língua Não Materna (A2) Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (A2) Prova 28/739 2009 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA Língua Estrangeira I- Inglês 5ºANO Oral / Listening Compreender sons, entoações e ritmos da língua. Leitura / Reading Compreender palavras, conceitos simples e frases isoladas. Compreender palavras, frases

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

Um bicho de sete cabeças

Um bicho de sete cabeças Um bicho de sete cabeças Meiry Peruchi Mezari Curso de Letras da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Resumo: Neste artigo, discute-se o entendimento de gramática normativa de alunos de Ensino

Leia mais

COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins

COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins vicente.martins@uol.com.br No presente artigo, oferecemos uma proposta de quatro oficinas ou encontros pedagógicos para a melhoria do Ensino

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 15/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 15/2015 Campus São João del-rei Tema 01: CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E LINGUAGEM Leia os trechos a seguir: [...] a política curricular deve ser entendida como expressão de uma política cultural, na medida em que seleciona conteúdos e práticas

Leia mais

A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO

A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO Pâmela da SILVA; Michaela Andréa Bette CAMARA, Vânia Carmem LIMA. Universidade Federal de Goiás UFG Campus Jataí CAJ.

Leia mais

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado Um Mundo de Letras Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado RESUMO Este vídeo apresenta 5 episódios: Um mundo imerso em

Leia mais

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Isabel Rodrigues Diniz Graduanda em História pelo PARFOR da E-mail: eldinhasoares@hotmail.com José

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 MUITO PRAZER, EU SOU CRIANÇA. *Conhecer e estabelecer relações entre a própria história e a de outras pessoas,refletindo sobre diferenças e semelhanças. *Respeitar e valorizar a diversidade étnico

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33)

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) PROFESSOR (A):Adriana Marques Daloy TURMA: 2º Ano Fund. PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2016 a 09/12/2016 DISCIPLINA: Português 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA: Gêneros textuais: Poema, conto, cartaz,canção,

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ 2009 Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica Objectivos de aprendizagem Competências comunicativas Conteúdos

Leia mais

O GÊNERO REPORTAGEM NA EJA: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA LEITURA, ESCRITA E ORALIDADE

O GÊNERO REPORTAGEM NA EJA: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA LEITURA, ESCRITA E ORALIDADE O GÊNERO REPORTAGEM NA EJA: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA LEITURA, ESCRITA E ORALIDADE Francinete Alves Diniz da Silva; Valmires Gomes Barbosa; Nariany Darly Pereira de Sousa Universidade

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino

Leia mais

Sérgio Simka ORTOGRAFIA NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS

Sérgio Simka ORTOGRAFIA NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS Sérgio Simka ORTOGRAFIA NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS Introdução Introdução V Mais do que um livro voltado à gramática da língua portuguesa, este vem com a vontade de tornar o ensino de nosso idioma

Leia mais

UMA ABORDAGEM AVALITATIVA DO LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

UMA ABORDAGEM AVALITATIVA DO LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA UMA ABORDAGEM AVALITATIVA DO LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Autor: Joaquim Gomes Caboclo; Co-autor: Aline Oliveira da Silva; Co-autor: Paula Rhanna de Miranda Lima; Orientador: Clara Regina

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Metas/Domínios Objetivos gerais Conteúdos Programáticos Critérios 1º Ano Oralidade O1 Comprensão do oral Expressão oral Respeitar regras da interação discursiva Escutar discursos breves para aprender

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Português Instrumental Código: FAR- 402 Pré-requisito: ------------ Período

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

a. A língua possui uma única forma, representa o idioma que não se modifica e por isso devemos considerar o padrão como a representação da língua.

a. A língua possui uma única forma, representa o idioma que não se modifica e por isso devemos considerar o padrão como a representação da língua. 1 de 6 28/3/2013 00:36 A vidade de estudo 1- Nivelamento Português- 2012A Período: 11/03/2013 17:00 à 09/05/2013 23:59 (Horário de Brasília) Status: ABERTO Valor: 1.00 Gabarito: Gabarito não está liberado!

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: LINGUÍSTICA I Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 2 Semestre: 2015.1 Carga Horária:

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E SUA APLICAÇÃO EM SALA DE AULA: A APRENDIZAGEM EM FOCO.

LÍNGUA PORTUGUESA E SUA APLICAÇÃO EM SALA DE AULA: A APRENDIZAGEM EM FOCO. 1 UMA ANÁLISE ENUNCIATIVO-DISCURSIVA DE MATERIAL DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA E SUA APLICAÇÃO EM SALA DE AULA: A APRENDIZAGEM EM FOCO. Rosenil Gonçalina dos Reis e SILVA MeEL/UFMT 1 Orientadora: Prof.

Leia mais

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Linguagem Coloquial e Culta Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Introdução Os critérios que determinam a norma (padrões de uso)de uma língua se estabelecem ao longo do tempo principalmente pela ação da

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO VIAJANDO E APRENDENDO COM ZÉ DO LIVRO PARA O INCENTIVO DA LEITURA: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB

A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO VIAJANDO E APRENDENDO COM ZÉ DO LIVRO PARA O INCENTIVO DA LEITURA: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO VIAJANDO E APRENDENDO COM ZÉ DO LIVRO PARA O INCENTIVO DA LEITURA: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB GT - 15 ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA Zelga Dantas de Almeida Soares Secretaria

Leia mais

HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias. Dúvidas Temporárias

HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias. Dúvidas Temporárias HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias Todas as crianças passam por níveis de hipóteses conceituais de escrita até atingirem a alfabetização: Uns alunos são mais rápidos que outros para se alfabetizarem;

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Inglês

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Inglês Produção CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Inglês Ensino Básico Ano letivo: 2017/2018 7º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Compreender textos orais e audiovisuais

Leia mais

CARREIRA DE SUCESSO: Por que o inglês para negócios é tão importante?

CARREIRA DE SUCESSO: Por que o inglês para negócios é tão importante? CARREIRA DE SUCESSO: Por que o inglês para negócios é tão importante? O mercado de trabalho está bastante exigente e afunilado: aqueles que querem destacar-se em suas profissões para alcançar melhores

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano

PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS ESCOLA BÁSICA DE VALE DE MILHAÇOS PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano Disciplina de Português Ano Letivo - 2016/2017 Metas de aprendizagem Conteúdos Nº de aulas previstas

Leia mais

OS DIFERENTES TIPOS DE CORREÇÃO TEXTUAL NAS PRODUÇÕES ESCRITAS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE GOIÁS

OS DIFERENTES TIPOS DE CORREÇÃO TEXTUAL NAS PRODUÇÕES ESCRITAS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE GOIÁS OS DIFERENTES TIPOS DE CORREÇÃO TEXTUAL NAS PRODUÇÕES ESCRITAS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE GOIÁS Lara Roberta Silva Assis 1, Maria de Lurdes Nazário 2 1 Graduanda do curso de Letras

Leia mais

Programa de Português 2º Ano

Programa de Português 2º Ano Programa de Português 2º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

IBGE / FGV Gramática

IBGE / FGV Gramática GRAN ONLINE IBGE / FGV Gramática Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Analista e Tecnologista LÍNGUA PORTUGUESA: Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol

Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol Prova 368 2016 10.º e 11.º Anos de Escolaridade (Continuação) O presente documento visa divulgar informação relativa à prova de Equivalência à Frequência,

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (As Aulas

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com RESUMO: Diante do fracasso educacional que estamos vivenciando

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL NO ENSINO MÉDIO: A TEORIA E A PRÁTICA EM INTERAÇÃO A PARTIR DAS VIVÊNCIAS DO PIBID 1. Mariane Moser Bach 2, Maristela Righi Lang 3.

PRODUÇÃO TEXTUAL NO ENSINO MÉDIO: A TEORIA E A PRÁTICA EM INTERAÇÃO A PARTIR DAS VIVÊNCIAS DO PIBID 1. Mariane Moser Bach 2, Maristela Righi Lang 3. PRODUÇÃO TEXTUAL NO ENSINO MÉDIO: A TEORIA E A PRÁTICA EM INTERAÇÃO A PARTIR DAS VIVÊNCIAS DO PIBID 1 Mariane Moser Bach 2, Maristela Righi Lang 3. 1 Relato de experiência produzido a partir das vivências

Leia mais

Diário de Classe. Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas.

Diário de Classe. Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas. Diário de Classe Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas. A escola é, ou deveria tornar-se, um local privilegiado para diminuir a distância entre os jovens e a leitura. Essa atividade é necessária e vital

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11. Componente Curricular: Português Instrumental Código: CTB - 112 Pré-requisito: ---------- Período

Leia mais

Revisão para o simulado

Revisão para o simulado Revisão para o simulado LÍNGUA PORTUGUESA Patrícia Lopes São as variações que uma língua apresenta, de acordo com as condições sociais, culturais, regionais e históricas em que é utilizada. Variedade linguística

Leia mais

Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 5º ano Grupo de Português

Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 5º ano Grupo de Português Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 5º ano Grupo de Português 2017-18 * Em anexo encontram-se Lista de Obras e Textos para Iniciação à Educação literária; e Metas Curriculares (2º Ciclo - 5º Ano): Domínios

Leia mais

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares Aulas de

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Língua Portuguesa Ano/semestre: 2012/01 Carga horária: Total: 80h Semanal: 4h Professor: Michelle Teixeira da Silva Período/turno: matutino e noturno

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

DESDEMONIZANDO O ENSINO DE GRAMÁTICA. Emilio Pagotto - USP

DESDEMONIZANDO O ENSINO DE GRAMÁTICA. Emilio Pagotto - USP DESDEMONIZANDO O ENSINO DE GRAMÁTICA Emilio Pagotto - USP Duas formas de conceber o ensino de gramática Ensino de gramática voltado para o desenvolvimento das competências dos alunos. É preciso ampliar

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Metas/Domínios Objetivos gerais Conteúdos Programáticos Critérios 2º Ano Oralidade O2 Comprensão do oral Expressão oral Respeitar regras da interação discursiva Respeitar o princípio de cortesia

Leia mais

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso CURSO: LETRAS - LICENCIATURA PORTUGUÊS E INGLÊS MISSÃO O curso de Licenciatura em Português e Inglês da UNESA tem como fulcro a formação de

Leia mais

Salesianos Mogofores Colégio

Salesianos Mogofores Colégio Salesianos Mogofores Colégio Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 5º ano Grupo de Português 2016-17 * Em anexo encontram-se Lista de Obras e Textos para Iniciação à Educação literária; e Metas Curriculares (2º

Leia mais

Expectativas de Aprendizagem dos Cursos oferecidos pelo INCO

Expectativas de Aprendizagem dos Cursos oferecidos pelo INCO Level 1 Ao final do Nível 1, você será capaz de: Usar linguagem de sala de aula Apresentar-se em diferentes registros Formular e responder perguntas de forma simples Compreender e usar expressões do dia-a-dia

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 3ª Língua Portuguesa 3º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade COMPETÊNCIA 1: Compreender e usar a Língua Portuguesa como língua materna, geradora de significação e integradora da organização

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre O que é gênero? São as características peculiares a cada tipo de texto ou fala, ou seja, a maneira como

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS DE REDONDO Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade

AGRUPAMENTO ESCOLAS DE REDONDO Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade AGRUPAMENTO ESCOLAS DE REDONDO Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ORAL E ESCRITA) PORTUGUÊS Abril de 2016 Prova 61 2016 2º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO Programação 1º- ao5º-ano INTRODUÇÃO Ser leitor-escritor competente nos dias de hoje é uma das condições básicas para uma participação social efetiva. Assim, cabe à escola rever seus currículos e estar

Leia mais