Simone Semionato Avaliação da atividade lipolítica de bactérias isoladas dos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simone Semionato Avaliação da atividade lipolítica de bactérias isoladas dos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES"

Transcrição

1 Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Simone Semionato Avaliação da atividade lipolítica de bactérias isoladas dos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES Vitória 2006

2 i Simone Semionato Avaliação da atividade lipolítica de bactérias isoladas dos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Ambiental. Orientador: Prof. Ph.D. Sérvio Túlio Alves Cassini. Vitória 2006

3 ii Simone Semionato Avaliação da atividade lipolítica de bactérias isoladas dos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES Prof. Ph.D. Sérvio Túlio Alves Cassini Orientador - UFES Prof. Dr a. Suely Gomes de Figueiredo Co-orientadora - UFES Prof. Dr. Ricardo Franci Gonçalves Examinador Interno UFES Prof. Dr a. Raquel Machado Borges Examinador Externo CEFETES Universidade Federal do Espírito Santo Vitória, Setembro de 2006.

4 iii Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP) (Biblioteca Central da Universidade Federal do Espírito Santo, ES, Brasil) S471a Semionato, Simone, Avaliação da atividade lipolítica de bactérias isoladas dos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES / Simone Semionato f. : il. Orientador: Sérvio Túlio Alves Cassini. Co-Orientadora: Suely Gomes de Figueiredo. Dissertação (mestrado) Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Tecnológico. 1. Lipase. 2. Bactérias lipolíticas. 3. Óleos e gorduras. 4. Análise enzimática. I. Cassini, Sérvio Túlio Alves. II. Figueiredo, Suely Gomes de. III. Universidade Federal do Espírito Santo. Centro Tecnológico. IV. Título. CDU: 628

5 iv Aos meus pais.

6 v Agradecimentos Agradeço a Deus acima de todas as coisas, À minha família pelo companheirismo, credibilidade e amor, À amiga predileta Kamila Perin por sua contagiante alegria e amizade incondicional, À Hyane, Ligia e em especial Ingrid pela imprescindível ajuda, Às minhas filhas lindas Aline, Márcia e Sherley pela dedicação e verdadeira amizade, Aos meus amigos, Renata, Elene, Paty Lee, Mônica, Rachel e Thaís por seu carinho, Ao Júnior pela linda amizade e reciprocidade de bem querer, aos amigos pelo apoio, aos colegas pelo companheirismo, à toda equipe Labsan, à UFES pelas oportunidades, ao CNPq pela bolsa concedida, aos orientadores pelo aprendizado e incentivo, aos professores do PPGEA pelos ensinamentos, à todos que contribuíram de alguma forma, e à Natureza pela inspiração e oportunidade desta pequena contribuição.

7 vi Ainda que eu tenha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver persistência, nada serei Carta de São Paulo aos Coríntios

8 vii Resumo A presença de óleos e graxas em grandes quantidades no esgoto sanitário provoca vários problemas tanto na rede coletora, quanto no tratamento. Para evitar esses problemas, microrganismos lipolíticos (produtores de lipase extracelular) têm sido utilizados em sistemas de pré-tratamento de esgoto sanitário para degradar a gordura existente nesses sistemas, tornando-os mais eficientes, e conseqüentemente, reduzindo os custos de manutenção. As lipases apresentam uma importância particular, pelo fato de hidrolisarem especificamente óleos e gorduras, e que pode ser de grande interesse para o tratamento de efluentes com alto teor dessas substâncias. Sendo assim, o presente trabalho vem relatar o estudo de bactérias lipolíticas existentes nos dispositivos de remoção de gordura da ETE- UFES, isolando-as, caracterizando-as e avaliando-as quanto à avaliação lipolítica. Dentre o total de 27 cepas de bactérias isoladas da escuma dos dispositivos e submetidas ao teste de Rodamina B, foram selecionadas 19 cepas de bactérias lipolíticas. Dentre estas cepas, três apresentaram gram positivo (cepas 7, 13 e 14) e todo o restante, gram negativo. As 19 cepas de bactérias lipolíticas apresentaram resultado de atividade lipolítica entre 0,076 a 3,20 U/mg de proteína. Dentre essas, duas cepas (a de maior e de menor atividade lipolítica por proteína) foram selecionadas e utilizadas no teste de decaimento de O&G. Verificou-se decaimento de O&G de 23,26% e 6,26% (tratamento com cepas de bactérias lipolíticas 1 e 19, respectivamente) ao final de 20 dias do teste de decaimento de O&G. E decaimento de O&G de 37,45% no tratamento com lipase comercial (Sigma) e de 5,65% no tratamento sem acréscimo de bactéria. Nos primeiros cinco dias do teste de decaimento de O&G, o tratamento com cepa 1 resultou degradação de O&G semelhante ao tratamento com lipase, o qual evidencia o potencial lipolítico da cepa 1. A presente pesquisa relata o potencial de degradação de compostos lipídicos por cepa de bactéria lipolítica isolada dos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES avaliado através do teste de decaimento de O&G, em escala de bancada, visando reduzir a quantidade de óleos e graxas das mesmas, facilitando dessa maneira, a tratabilidade dos efluentes e diminuindo seus impactos negativos. Palavras-chaves: Lípase, bactéria lipolítica, óleos e graxas, atividade lipolítica.

9 viii Abstract The presence of oils and greases in large quantities in the sanitary waste provokes several problems not only in the net collector but in the water treatment. In order to avoid these problems, microorganisms lipolytics (producers of extracellular lipases) have been used in the pre treatment of sanitary waste to degrade the existing fatness in these systems, becoming them more efficient, and consequently, reducing the costs of maintenance. The lipases have a particular importance by the fact that it s hydrolyses oils and fatnesses that can be used with a large interest for treatment of effluents with high content of those substances. This job intend to relate the study of the lipolytics bacterial existing in the fat removal devices of the ETE-UFES, isolating, characterizing and evaluating them as regards the lipolytic activity. Among the total of 27 strains of isolated bacteria of the scum of the devices and submitted to the rhodamine B test only 19 lipolytic bacteria were selected. Among these strains, three presented gram positive (strains 7, 13 and 14) and all the remainder, gram negative. The 19 strains of bacteria lipolytics presented result of lipolytic activity between 0,076 to 3,20 U/mg per protein. Among those, two strains (the larger and of smaller lipolytic activity per protein) were selected and utilized in the test of decline of O&G. The decline was found in of O&G of 23,26% and 6,26% (treatment of lipolytic bacteria 1 and 19, respectively) on end of 20 days of the test of decline of O&G. In addition, the decline of O&G of 37,45% in the treatment of commercial lipase (Sigma) and of 5,65% in the handling without addition of bacteria. In the first five days of the decline test of O&G, the treatment of the strain 1 resulted degradation of O&G similar to the treatment with lipase, which shows up the potential lipolytic of the strain 1. The present research relates the potential of degradation of composed lipolytic by strain of the isolated bacteria lipolytic of the fatness removal devices of the ETE-UFES evaluated through the test of decline of O&G, in scale of workbench, aiming at reduce the quantity of oils and greases facilitating of that way, to treatment of the effluents and diminishing its negative impacts. Keywords: Lipase, bacterial lipolytic, oil and grease, lipolytic activity.

10 ix Lista de Figuras Figura 3-1 Esquema ilustrativo de um triacilglicerol 21 Figura 3-2: Esquema interno do dispositivo de remoção de gordura modelo 1 29 Figura 3-3. Dispositivo de remoção de gordura modelo 1, em operação 29 Figura 3-4: Esquema das placas inclinadas do dispositivo modelo 2 29 Figura 3-5: Placas dentro do dispositivo modelo 2, em funcionamento 29 Figura 4-1: Cepa isolada em placa Petri. 43 Figura 4-2: Cepa isolada em tubo de ensaio com tampa para armazenamento. 43 Figura 4-3: Meio de cultura mínimo liquido inoculado com três cepas 45 diferentes de bactérias lipolíticas após o período de 120 horas de crescimento bacteriano a 30 C. Figura 4-4: Reação de hidrólise do p-nitrofenil palmitato e a formação do cromogênico fenolato. Figura 5-1: Atividade lipolítica por proteína das 19 cepas de bactérias lipolíticas selecionadas. Figura 5-2: Atividade lipolítica por biomassa das 19 cepas de bactérias lipolíticas Figura 5-3: Valores médios de óleos e graxas das diferentes condições de tratamento no decorrer de 20 dias do teste de decaimento de O&G

11 x Lista de Tabelas Tabela 3.1: Valores de O&G (mg/l) de alguns tipos de efluentes e os autores. 22 Tabela 3-2: Características físicas dos dispositivos de remoção de gordura, modelos 1 e 2. Tabela 3-3. Lipases com potencial para aplicações em tratamento de efluentes. Tabela 4-1: Reagentes químicos e sua concentração para o preparo do meio de cultura mínimo liquido. Tabela 4-2: Soluções tampões e de nutrientes utilizados para o preparo da solução de micronutrientes. Tabela 4-3: Condições de cada ensaio do teste de decaimento de O&G 49 Tabela 5-1: Caracterização das cepas de bactérias lipolíticas selecionadas através do teste de Rodamina B Tabela 5-2: Comparação da atividade lipolítica por proteína entre as 19 cepas de bactérias lipolíticas e os grupos formados pelo teste de Tukey Tabela 5-3: Grupos formados pelo teste Tukey comparando valores de O&G 64 segundo os dias do teste de decaimento de O&G e segundo cada tratamento Tabela 9-1: Resultados de O&G (mg/g) do teste de decaimento de O&G 78 segundo as diferentes condições de tratamento e no decorrer dos 20 dias do experimento Tabela 9-2: Resultados de ANOVA do teste de decaimento de O&G (mg/g) 79 segundo as diferentes condições de tratamento e no decorrer dos 20 dias do experimento. Tabela 9-3: Resultados de atividade lipolítica por proteína e por biomassa das 19 cepas isoladas nesta pesquisa. Tabela 9-4: Resultados de ANOVA da Atividade lipolítica por biomassa das 19 cepas isoladas nesta pesquisa. Tabela 9-5: Resultados de ANOVA da Atividade lipolítica por proteína das 19 cepas isoladas nesta pesquisa

12 xi Lista de Símbolos e Abreviaturas ETE C Graus Celsius Abs Absorbância Cesan Companhia Espírito Santense de Saneamento cm Centímetro COMDEMA Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente+ CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente DQO Demanda Química de Oxigênio E. C. Comissão de Enzimas da União Internacional de Bioquímica ES Espírito Santo ETE Estação de Tratamento de Esgoto g Grama GRAS Generally Regarded as Safe h Hora kg Quilograma L Litro m Metro M Molar m Massa min Minuto mg Miligrama ml Mililitro n Número de Amostras NBR Norma Brasileira Registrada nm nanômetro O&G Óleos e Graxas p Peso ph Potencial hidrogeniônico p-npp para-nitrofenil Palmitato PVC Do inglês PolyVinyl Chloride (Policloreto de Vinilo) rpm Rotações por minuto s Segundo T Tempo T1 Torneira 1 U Unidade de Atividade Lipolítica U. V. Luz Ultra Violeta UASB Do Inglês: Uperflow Anaerobic Sludge Blanket (Reator

13 xii Anaeróbio de Fluxo Ascendente e Manta de Lodo) ufc Unidade Formadora de Colônia UFES Universidade Federal do Espírito Santo v Volume ε Coeficiente de extinção molar λ Comprimento de onda µl Microlitro µmol Micromol empo

14 xiii Sumário 1. Introdução Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Revisão Bibliográfica Lipídeos Lipídeos no esgoto sanitário e industrial Impactos dos compostos gordurosos no sistema de tratamento de esgoto A legislação brasileira Tratamento de efluentes Dispositivo de remoção de gordura Enzimas em sistemas de tratamento Utilização de enzimas em tratamento de águas residuárias Lipases Material e Métodos Considerações gerais Obtenção das bactérias Análises microbiológicas Enriquecimento de bactérias Isolamento de bactérias Seleção de bactérias lipolíticas Caracterização das bactérias Avaliação da atividade lipolítica Crescimento bacteriano e extração protéica Quantificação de biomassa Quantificação de proteína 45

15 xiv Dosagem de atividade lipolítica Teste de decaimento de O&G Análises estatísticas Resultados e Discussões Isolamento, seleção e caracterização de bactérias lipolíticas Dosagem da atividade lipolítica Teste de decaimento de O&G Conclusões Recomendações Referências Bibliográficas 68 Anexo 78

16 1. Introdução Introdução O esgoto sanitário contém compostos gordurosos provenientes de alimentos como manteiga, banha, gordura (graxa) e óleos vegetais oriundo de efluentes de cozinhas em geral (NUVOLARI, 2003). Esses compostos são substâncias orgânicas de origem mineral, vegetal ou animal, sendo identificados analiticamente através do parâmetro de qualidade intitulado óleos e graxas (O&G). Os valores para o esgoto sanitário bruto variam entre 40 mg/l de O&G e 170 mg/l de O&G. (ESPINOSA & STEPHENSON, 1996; METCALF & EDDY, 1991 e von SPERLING, 1996). A baixa solubilidade em água do O&G ocasiona a separação desse composto da água, o que acarreta sua aderência nas paredes das tubulações da rede coletora de esgoto causando incrustações e entupimentos. Além disso, devido à estabilidade desse composto, não são facilmente decompostos por bactérias em geral (WILLEY, 2001). A necessidade da remoção de O&G do esgoto sanitário está relacionada em evitar obstruções nas tubulações e o acúmulo nas unidades de tratamento provocando odor desagradável e perturbação no funcionamento do sistema de tratamento, além de aumentar a vida útil dos equipamentos dessas unidades de tratamento (JORDÃO & PESSÔA, 2005).

17 1. Introdução 16 A caixa de gordura, a qual pode ser chamada de dispositivo de remoção de gordura, é comumente utilizada em sistema de pré-tratamento com a finalidade de remoção de gordura. Esta atua como dispositivos de retenção de partículas de material gorduroso flotado, evitando sua entrada na rede coletora (JORDÃO & PESSÔA, 2005). Esses dispositivos são instalados na parte externa de residências e restaurantes interligando a tubulação do esgoto da cozinha à rede pública ou a um sistema de tratamento Vários processos alternativos vêm sendo utilizados para diminuir a quantidade de compostos gordurosos em sistemas de pré-tratamentos. Um exemplo é a utilização de lipase produzida por microrganismos lipolíticos. Os microrganismos lipolíticos (fungos e bactérias) produzem e secretam lipase extracelular. A lipase é nomeada de triacilglicerol acil hidrolase e recebe a denominação da Comissão de Enzimas da União Internacional de Bioquímica de (E.C ). A lipase hidrolisa triglicerídeo, sendo esse o principal composto de óleo e gordura (WAKELIN & FORSTER, 1997). A especificidade da lipase representa uma grande importância para o tratamento de efluentes com alto teor de gordura. Diversas bactérias lipolíticas estão descritas na literatura: Acinetobacter sp (SUGIMORI et al. 2002), Pseudomonas aeroginosa LP 602 (MONGOGKOLTHANARUK & DHARMSTHITI, 2002), Rhodococcus rubra, Nocardia amarae, Microthrix parciella (WAKELIN & FORSTER, 1997). Para melhores resultados na degradação de lipídeos, associam-se as condições de ph, temperatura e nutrientes nos sistema de tratamento de esgoto com o microrganismo que melhor se adapta. Os microrganismos lipolíticos podem produzir uma taxa de degradação de teor de óleo e graxa no efluente de esgoto, de até 83%, quando utilizadas em consórcio de microrganismos lipolíticos (MONGOGKOLTHANARUK & DHARMSTHITI, 2002). A lipase pode ser utilizada em sistema de pré-tratamento de efluente na forma bruta ou isolada (ROBLES et al. 2000). A utilização na forma bruta consiste do uso do microrganismo lipolítico, e a forma isolada denota o uso somente da

18 1. Introdução 17 lipase produzida por esse microrganismo. A atividade lipolítica desses microrganismos é usualmente medida por espectrofotometria utilizando o substrato sintético para-nitrofenil palmitato (p-npp). A utilização da biodegradação por microorganismos lipolíticos em estações de tratamento de esgoto, e em caixas de gordura residenciais e comerciais reduz os níveis de lipídeos, o que possibilita melhores condições de operação no tratamento, além de desobstruir as tubulações, resultando no aumento da vida útil dos equipamentos (RAPP & BACKHAUS, 1992; MONGOGKOLTHANARUK & DHARMSTHITI, 2002; WAGNER & LOY, 2002; SAXENA et al., 2003). Dentro desse contexto, o presente trabalho tem por objetivo isolar e caracterizar bactérias produtoras de lipase com potencial de utilização em sistema de pré-tratamento de esgoto sanitário. Avaliar o potencial dessas bactérias na degradação de compostos lipidicos, naturalmente presentes em amostras de escuma dos dispositivos de remoção de gordura da Estação de Tratamento de Esgoto da Universidade Federal do Espírito Santo (ETE-UFES).

19 2. Objetivos 18 2 Objetivos 2.1 Objetivo Geral Essa pesquisa tem por objetivo isolar e caracterizar bactérias produtoras de lipase (lipolíticas), naturalmente presentes em amostras de escuma dos dispositivos de remoção de gordura da Estação de Tratamento de Esgoto da Universidade Federal do Espírito Santo (ETE-UFES) e avaliar o seu potencial de degradação de compostos lipidicos em escala de bancada. 2.2 Objetivos Específicos Isolar e selecionar bactérias lipolíticas da escuma de esgoto sanitário produzidos pelos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES; Avaliar a atividade lipolítica das bactérias lipolíticas isoladas da escuma dos dispositivos de remoção de gordura da ETE-UFES;

20 2. Objetivos 19 Avaliar o decaimento de O&G por meio da adição dos isolados de bactérias lipolíticas no lodo UASB (Reator Anaeróbio de Fluxo Ascendente e Manta de Lodo), em escala de bancada.

21 3. Revisão Bibliográfica Revisão Bibliográfica 3.1. Lipídeos Lipídeos são substâncias orgânicas gordurosas de origem animal e vegetal. Encontram-se distribuídos em todos os tecidos. Devido a sua hidrofobicidade são altamente solúveis em solventes orgânicos. Óleos e gorduras consistem, na sua maioria, de misturas de triacilgliceróis, também chamados de triglicerídeos. Na classe de lipídeos, os triacilgliceróis são os mais abundantes na natureza. Essas substâncias são apolares e insolúveis em água e são triésteres de glicerol com ácidos graxos. Os triacilgliceróis diferem-se de acordo com a identidade e a posição dos seus 3 resíduos de ácido graxo (Figura 3-1).

22 3. Revisão Bibliográfica 21 H H C O H C O H C O H Glicerol H H H HO O C O R 1 HO C R 21 HO C 1 R 3 O Ácido carboxílico H O H C O C R 1 H + O H C O C R H O H H C O C R 3 água H O Triacil glicerol (óleo ou gordura) Figura 3-1: Esquema ilustrativo de um triacilglicerol Óleos e gorduras diferem-se somente pelo fato de gorduras serem sólidos e óleos serem líquidos na temperatura ambiente. Os óleos vegetais são geralmente mais ricos de ácido graxos insaturados na sua cadeia carbônica que as gorduras animais. O maior conteúdo de ácido graxo saturados na cadeia carbônica da gordura animal ocasiona o seu estado sólido. Segundo Nuvolari (2003) os compostos gordurosos são raramente encontrados em águas naturais. Sua presença normalmente está associada aos despejos de efluentes em corpos d água oriundos de oficinas mecânicas, de postos de combustíveis, de algumas indústrias e de restaurantes, além de certa porcentagem existente nas fezes humanas.

23 3. Revisão Bibliográfica Lipídeos no esgoto sanitário e industrial Os Compostos gordurosos presentes no esgoto sanitário contém óleos, gorduras (graxas), ceras, e outros materiais de densidade inferior à da água. Segundo Jordão & Pessôa (2005) esses compostos gordurosos também são denominados sólidos flutuantes ou escuma. Esse termo é usado para se referir à matéria graxa, aos óleos e às substâncias semelhantes encontradas no esgoto. Os grupos de substâncias orgânicas nos esgotos sanitários são constituídos principalmente por compostos de proteínas (40 a 60%); carboidratos (25 a 50%) e óleos e gordura (10%). Na tabela 3-1 são mostradas as concentrações de óleos e graxas encontradas em efluentes de esgoto descritos. Tabela 3.1. Valores de O&G (mg/l) de alguns tipos de efluentes e os autores. Tipo de efluente Óleos e Graxas (mg/l) Referência Restaurante 98 Dharmisthiti & Kuhasuntisook (1998) Lacticínios 4680 Leal (2000) Fábrica de batata frita El-Gohary & Nasr (1999) Fábrica de sorvete 845 Hawkes et al. (1995) Esgoto sanitário von Sperling (1996) Esgoto sanitário Metcalf & Eddy (1991) Esgoto sanitário Espinosa & Stephenson (1996) Indústria têxtil Rinzema et al.(1993) Indústria têxtil Ang & Himawan (1994) A contribuição diária por habitante para o esgoto sanitário, predominantemente doméstico, encontra-se entre 10 e 30 g. A quantidade de óleos e graxas encontrada no esgoto doméstico bruto situa-se na faixa de 40 a 170 mg/l na Inglaterra e na região sudeste do Brasil. (ESPINOSA & STEPHENSON, 1996; METCALF & EDDY, 1991 e von SPERLING, 1996).

24 3. Revisão Bibliográfica Impactos dos compostos gordurosos no sistema de tratamento de esgoto A presença de óleos e graxas em grandes quantidades no esgoto sanitário provoca vários problemas tanto na rede coletora, quanto no tratamento. Estes compostos promovem uma intensa agregação de sólidos ou partículas em suspensão, gerando o entupimento de redes, dutos e reservatórios do sistema de tratamento de esgotos, mau cheiro, transbordamento de fossas e caixas de gordura (WILLEY, 2001). Óleos e graxas estão sempre presentes nos esgotos sanitários, proveniente da preparação e do uso de alimentos (óleos vegetais, manteiga, carne, entre outros). Os compostos gordurosos, em geral, não são desejáveis nas unidades de transporte e de tratamento dos esgotos, pois aderem às paredes das tubulações e provocam entupimentos, produzindo odores desagradáveis, além de diminuir as seções úteis; formam escuma, camada de matéria flutuante de compostos gordurosos, que poderá vir a comprometer o funcionamento das unidades subseqüentes de uma estação de tratamento de esgoto, como também, interferir e inibir a vida biológica e ocasionar problemas de manutenção (JORDÃO & PESSÔA, 2005). O lipídeo presente no efluente tem baixa degradabilidade, representando problemas nos processos biológicos anaeróbios e aeróbios do sistema de tratamento de esgoto; podendo ainda levar ao desenvolvimento de odores e se solidificar, causando danos operacionais (CAMMAROTA et al., 2001; LEAL et al., 2000; JUNG et al., 2002). No tratamento de compostos gordurosos os lipídeos representam em torno de 50% da DQO (Demanda Química de Oxigênio) do resíduo (RAJEAHWARI et al., 2000).

25 3. Revisão Bibliográfica A legislação brasileira Um maior rigor nos padrões de descarte de águas residuárias por parte das leis federais e estaduais visa a minimizar o impacto ambiental em corpos d água, principalmente de efluentes com elevado teor de lipídeos, seja doméstico e ou industrial. Segundo a Resolução n 357 de 2005 CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), os efluentes de qualquer fonte poluidora somente podem ser lançado em corpos d água caso atendam o limite de até 20 mg/l para óleos minerais e de até 50 mg/l para óleos vegetais e gorduras animais. A Norma Brasileira Registrada NBR 9800/1988, estabelece critérios para lançamento de efluentes líquidos não domésticos no sistema coletor público de esgoto sanitário de 100 mg/l de O&G Tratamento de efluentes O lançamento de efluentes não tratados tem sido a causa de sérios danos ao meio ambiente e à saúde publica devido à deterioração dos corpos d água receptores. Os custos dos métodos de tratamento disponíveis para se atingir padrões estabelecidos pela legislação são elevados e os investimentos nesta área são baixos, como em muitos paises em desenvolvimento (CHERNICHARO, 1997). As questões ambientais têm alcançado importância crescente nos últimos anos. A poluição do meio ambiente tornou-se assunto de grande interesse mundial. Não apenas os países desenvolvidos vêm sendo afetados pelos problemas ambientais, mas também, as nações em desenvolvimento começam a sofrer graves impactos da poluição (FREEDMAN, 1995).

26 3. Revisão Bibliográfica 25 Os processos convencionais de tratamento de efluentes utilizam os microrganismos que se desenvolvem naturalmente no sistema. A questão do pré-tratamento eficiente é essencial para efluentes ricos em gorduras devido aos problemas que a gordura promove em sistemas de rede de esgoto. Técnicas de pré-tratamento como dispositivos de remoção de gordura e flotadores são comumente utilizados embora com baixa eficiência (MASSE et al., 2001). O processo de tratamento físico-químico de efluentes, os resíduos gerados como o flotado (escuma), normalmente são lançados em aterros sanitários tornando-se um outro tipo de poluição ambiental. A flotação tem como objetivo separar as gorduras e a parte dos sólidos em suspensão, conduzindo o efluente, com um menor teor de gordura, para o tratamento secundário (biológico). Alguns autores sugerem a biodegradação deste tipo de resíduo anaerobicamente ou aerobicamente através de culturas de microrganismos que degradem lipídeos (MONGKOLTHANARUK & DHARMISTHITI, 2002). Embora a hidrólise (síntese de ésteres e reação de interesterificação de lipídeos) através de lipases seja um processo bem conhecido, a tendência dos estudos recentemente está voltada para quebra de gorduras através da utilização de lipases microbianas no esgoto (KOLOSSVÁRY, 1996; BOUWER et al., 1997, MALCATA et al., 1992). A lipase catalisa a hidrólise completa de vários óleos naturais em ácidos graxos e glicerol, assim como a hidrólise de gordura animal (FADILOGLU & SOYLEMEZ, 1997). Poucos trabalhos propondo a utilização de lipases como pré-tratamento de efluentes estão descritos na literatura, entretanto, algumas dessas pesquisas sugerem aplicações da hidrólise no pré-tratamento de efluente rico em gordura para redução do tamanho das partículas de gordura acelerando o posterior tratamento anaeróbio do efluente (MASSE et al., 2001; LEAL et al., 2000; PEREIRA, 2004).

27 3. Revisão Bibliográfica Dispositivo de remoção de gordura A necessidade da remoção da gordura contida nos esgotos está condicionada aos problemas que esse material traz às unidades de um sistema de esgoto sanitário, como: evitar obstruções dos coletores e o acúmulo nas unidades de tratamento provocando odores desagradáveis e prejudicar o funcionamento dos dispositivos de tratamento e evitar aspectos desagradáveis nos corpos receptores (NUNES, 1996). O tratamento de efluentes pode ser por métodos físicos, químicos ou biológicos. Um dos métodos físico de pré-tratamento encontrado em residências, comércios e indústrias são os dispositivos de remoção de gordura. Esses permitem a separação da gordura por retirada manual ou por meio de raspadores na superfície visto que compostos oleosos não são miscíveis com a água e têm peso especifico menor, portanto tendem a flutuar na superfície (GLAZER & NIKAIDO, 1995; NUNES, 1996). O funcionamento dos dispositivos de remoção de gordura está condicionado às mesmas leis que regem os fenômenos de sedimentação de sólidos, apenas se processando em sentido inverso. O dispositivo de remoção de gordura, denominado simplesmente de caixa de gordura é classificado em função de sua localização. E esse dispositivo recebe nomes específicos de acordo com o tipo de matéria flutuante a ser removida, segundo Jordão & Pessôa (2005): Caixa de gordura domiciliar: normalmente recebe esgoto de cozinhas e situada na própria instalação predial de esgoto. Caixa de gordura coletiva: é unidade de maior porte e podem atender conjuntos de residências, indústrias.

28 3. Revisão Bibliográfica 27 Dispositivo de remoção de gordura em decantadores: são dispositivos adaptados nos decantadores, geralmente, primários, que recolhe o material flutuante para ser encaminhado às unidades de tratamento de lodo. Tanques aerados por ar comprimido: são dotados de dispositivos que insufla ar comprimido ao tanque, com a finalidade de permitir a remoção de matéria oleosa por flotação. Separadores de óleo: são destinados para efluente rico em compostos oleosos, geralmente, de indústrias ou refinarias. Tanques de flotação por ar dissolvido: renovem a matéria graxa e oleosa, e mesmo os sólidos em suspensão, através da insuflação de ar dissolvido ao esgoto, com ou sem previa coagulação e floculação. Segundo Laubscher et al. (2001), a constituição da escuma depende fundamentalmente das características do esgoto bruto. A escuma é um dos subprodutos sólidos, constituído geralmente de materiais flotáveis não degradados, gerados durante o tratamento de águas residuárias, e de forma geral, pode ser definida como uma camada de material flutuante que se desenvolve na superfície de reatores. O peso específico da escuma é inferior a 1,0 e geralmente em torno de 0,95. De acordo com Metcalf & Eddy (1991) a escuma pode ser constituída de gordura, óleos, ceras, sabões, restos de comida, cascas de frutas e vegetais, cabelos, papel, algodão, pontas de cigarros, materiais plásticos, partículas de areias e materiais similares. Conforme Jordão & Pessôa (2005), os dispositivos de remoção de gordura deverão ter condições favoráveis à retenção de gordura e a sua subseqüente remoção. Sendo assim, algumas características deverão ser adotadas: capacidade de acumulação de gordura entre cada limpeza; condições de

29 3. Revisão Bibliográfica 28 tranqüilidade hidráulica; dispositivos de entrada e saída do efluente para que este escoe normalmente, distâncias entre os dispositivos de entrada e saída suficiente para reter a gordura e evitar que esse material seja arrastado com o efluente, condições de vedação suficiente para evitar o contato com animais. O dispositivo de remoção de gordura é dimensionado para reter a vazão afluente, durante o período pré-determinado, ou em função de um número estimado de refeições preparadas. Pode-se também estabelecer o cálculo para área do dispositivo em função da velocidade mínima de ascensão, que é a velocidade correspondente à menor partícula que se deseja reter em um determinado grau de remoção. A operação dos dispositivos se resume na limpeza e remoção da gordura (JORDÃO & PESSÔA, 2005). O dispositivo de remoção de gordura pode ser aplicado a efluentes domésticos e industriais. O custo de implantação é baixo, assim como a operação e a manutenção. A estação experimental de Tratamento de Esgoto da UFES utiliza os dispositivos de remoção de gordura dos modelos convencional e com placas, denominados de modelos 1 (Figuras 3-2, 3-3) e 2 (Figuras 3-4 e 3-5), respectivamente, para possibilitar a retenção e remoção de gorduras. A ETE- UFES localiza-se no Campus Goiabeiras, Vitória-ES e atende uma população de 1000 habitantes, operando a uma vazão média de 1,0 L s -1. O esgoto sanitário recebido na ETE é proveniente do bairro Jardim da Penha, adjacente ao Campus de Goiabeiras. O esgoto bruto é bombeado da estação elevatória, localizada em Jardim da Penha, e operado pela Companhia Espírito Santense de Saneamento (CESAN) para a ETE-UFES.

II-238 - ISOLAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE BACTÉRIAS LIPOLÍTICAS EM SISTEMA DE PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO

II-238 - ISOLAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE BACTÉRIAS LIPOLÍTICAS EM SISTEMA DE PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO II-238 - ISOLAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE BACTÉRIAS LIPOLÍTICAS EM SISTEMA DE PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO Simone Semionato Bióloga graduada pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) em 2002

Leia mais

II-236 - REMOÇÃO DE O&G EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE

II-236 - REMOÇÃO DE O&G EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE II-236 - REMOÇÃO DE EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE Rachel Chiabai Engenheira Civil, graduada pela Universidade Federal do Espírito

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO Resumo Até alguns anos atrás, os sistemas anaeróbicos de tratamento de efluentes eram considerados como "caixas pretas", cheios de segredos e truques,

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-172 AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DA BIOMASSA METANOGÊNICA DE LODO PROVENIENTE DE UASB

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Separadores Água/Óleo

Separadores Água/Óleo Separador Água/Óleo Separadores Água/Óleo Tratamento de Água e Efluentes Folheto Técnico Separadores Água-Óleo (SAO) A poluição da água pela presença de hidrocarbonetos oleosos é especialmente danosa a

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹; Ricardo Andreola ² RESUMO: Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES www.comambio.com.br Bióloga Resp.: HANY SAHLE - CRBIO 43312/01-D COMAM BIORREMEDIAÇÃO EMPRESA - COMAM Industria, Comercio e Serviços

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS SISTEMA AERÓBICO X SISTEMA ANAERÓBICO AERÓBICO SISTEMA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO COM INGESTÃO DE OXIGÊNIO PURO OU EM FORMA DE AR COMPRIMIDO HAVENDO SELEÇÃO DE ORGANISMOS AERÓBICOS. ANAERÓBICO SISTEMA DE

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/9 IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro Civil, Engenheiro Segurança do Trabalho, Mestre em

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

AULA 11: Tratamento de Efluentes

AULA 11: Tratamento de Efluentes Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 5 período Disciplina: Microbiologia Industrial Professora: Sabrina Dias AULA 11: Tratamento de efluentes

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia Tratamento Biológico de Efluentes DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS # em corpos d água # na rede pública de esgotos # no solo # no mar # em poços profundos

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS LAT - ENZIM é o produto indicado para o tratamento de todos os entupimentos de gordura orgânica em canalizações de esgoto e grelhas

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida);

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida); Enzimas Enzimas Enzimas - são proteínas de alta massa molecular (MM > 15000 Da) produzidas por células vivas e que têm a capacidade de aumentar a velocidade das reações biológicas por ativação específica

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Leonardo A. Forte leonardoforte@manaus.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista; Mestranda em Engenharia

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE)

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) Jéssica

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no DZ - 205.R-5 DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGANICA EM EFLUENTES LIQUIDOS DE ORIGEM INDUSTRIAL NOTAS: Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no D.O.E.R.J. de 24.10.91.

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS 1 2 INTRODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica pelo metabolismo

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

$!, $-($#!, $$.' "& ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+

$!, $-($#!, $$.' & ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+ $!, $-($#!, $$.' "& ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+ %$#8! &! '!5&$&!)' &(*$#1!'!$"2!1 "% $#1#$0'!&!!'!(&' &!# &'!5&$' &! $#$' '!$ $+ %$#2!' $#! (&'!&$!' '!'! &! '! &!)'&(*$#9 8!'!"% $#9&5 #%#$' '!'!#&!#$!! #'

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

ESTUDO DE DISPOSITIVOS DE SEPARAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA COMO UNIDADES DE PRÉ-TRATAMENTO PARA EFLUENTE DE CURTUME

ESTUDO DE DISPOSITIVOS DE SEPARAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA COMO UNIDADES DE PRÉ-TRATAMENTO PARA EFLUENTE DE CURTUME ESTUDO DE DISPOSITIVOS DE SEPARAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA COMO UNIDADES DE PRÉ-TRATAMENTO PARA EFLUENTE DE CURTUME Tsunao Matsumoto (*) Engenheiro Civil, Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento. Professor

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1 AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS Diego Filipe Belloni 1 Sandro Rogério Lautenschlager 2 RESUMO Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO Marcos von Sperling (*) Carla Maria Vasconcellos Fróes Departamento de Engenharia Sanitária e

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

II-026 - IMPACTO DE CARGAS TÓXICAS DE DERIVADOS DE PETRÓLEO EM REATORES UASB OPERANDO COM FLUXO INTERMITENTE EM ESCALA PILOTO

II-026 - IMPACTO DE CARGAS TÓXICAS DE DERIVADOS DE PETRÓLEO EM REATORES UASB OPERANDO COM FLUXO INTERMITENTE EM ESCALA PILOTO II-026 - IMPACTO DE CARGAS TÓXICAS DE DERIVADOS DE PETRÓLEO EM REATORES UASB OPERANDO COM FLUXO INTERMITENTE EM ESCALA PILOTO Verginia Januário Dos Reis Rocha Engenheira Civil pela Universidade Federal

Leia mais

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD Evandro Rodrigues de Britto Biólogo pela Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil; Pós-Graduado em

Leia mais

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia)

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia) Princípios da Depuração Biológica de Esgotos e Águas Residuárias Industriais Índice 1 - Introdução 2 - A Poluição por Compostos Orgânicos 3 - Principais Indicadores da Matéria Orgânica 3.1 - DBO - Demanda

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/214 RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Ana Paula Cosso Silva Araujo (*), Bruno de Oliveira Freitas. * Universidade

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA.

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

ISSN 1516-8247 Dezembro, 2010 106. Manual de Operação e Manutenção da Estação de Tratamento de Efluentes da Embrapa Agroindústria de Alimentos

ISSN 1516-8247 Dezembro, 2010 106. Manual de Operação e Manutenção da Estação de Tratamento de Efluentes da Embrapa Agroindústria de Alimentos ISSN 1516-8247 Dezembro, 2010 106 Manual de Operação e Manutenção da Estação de Tratamento de Efluentes da Embrapa Agroindústria de Alimentos ISSN 1516-8247 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura.

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura. ACIDEZ EM ÓLEOS E GORDURAS VEGETAIS UTILIZADOS NA FRITURA Álvaro Ramos Junior 1* ; Cleiton Teixeira 1 ; Vinícius Jatczak Amazonas 1 ; Daniela Trentin Nava 2 ; Raquel Ribeiro Moreira 2 ; Ricardo Fiori Zara

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais