O Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Fotovoltaica

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Fotovoltaica"

Transcrição

1 O Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Fotovoltaica

2 CONTEXTO REGULATÓRIO i. Contexto Regulatório Resoluções ANEEL 481/2012 e 482/2012; Instituiu o Sistema de Compensação de Energia (Net-metering); Removeu a principal barreira à entrada da geração distribuída (falta de respaldo regulatório); Normatizou o tratamento das distribuidoras às solicitações de conexão de sistemas distribuídos em suas redes por parte de seus clientes Desconto de 80% na TUST e TUSD para usinas fotovoltaicas (geração centralizada). Leilões ANEEL/ MME/ EPE; Inclusão da fonte solar na competição a partir do Leilão A-3/2013; 2

3 CONTEXTO FISCAL ii. Contexto fiscal Convenio Confaz ICMS 101/97; Isenção de ICMS para módulos e células fotovoltaicas. Lei de Informática; PPB de módulos e células fotovoltaicas (Em revisão pelo MDIC/MCTI) + 5% do faturamento em P&D = Redução de IPI e, em alguns estados, de ICMS. PADIS Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Indústria de Semicondutores Redução a zero de alíquotas de II, IPI, PIS/COFINS na venda dos equipamentos e na compra de máquinas para a fábrica; Contrapartida de 5% do faturamento aplicado em P&D. Observações: 1.Tributação de ICMS na parcela da energia gerada pelo consumidor que é injetada na rede dificulta a instalação dos sistemas fotovoltaicos distribuídos onde já há paridade tarifária e está atrasando o desenvolvimento deste mercado. 2.É necessário uma coordenação entre os impostos de importação de componentes de módulos fotovoltaicos e o do módulo acabado com as etapas de nacionalização propostas na 3 nova metodologia.

4 Até 2014 Marco Regulatório favorável Incentivos fiscais Âncora de demanda Leilões Federais e Estaduais Forte demanda potencial com paridade de preço (Geração Distribuída) Financiamento adequado disponível mas faltam equipamentos com código FINAME. O estágio atual da cadeia de fornecimento brasileira para o setor fotovoltaico não permite que os fabricantes de equipamentos fotovoltaicos atinjam os percentuais mínimos de nacionalização exigidos pelo BNDES 4

5 Ciclo vicioso da cadeia solar Inexistência de equipamentos com conteúdo local Dificuldade no financiamento Estagnação da Demanda 5

6 2014 o ano da virada Informação da EPE indica leilões de 3,5 GW de Energia Solar para os próximos quatro anos (sinal de médio prazo). 1º Leilão de Reserva com produto específico para fonte solar será realizado em 10/10/2014 conforme Portaria MME nº 236/2014; Plano de Nacionalização Progressiva (PNP) PNP para Equipamentos Fotovoltaicos Credenciamento de fabricantes e equipamentos Financiamento aos projetos 6

7 Ciclo virtuoso da cadeia solar Leilões específicos Demanda mínima de equipamentos Mais fornecedores redução de preços Instalação de fábricas - Cód. Finame Demanda (GD) Financiamento favorável 7

8 Plano de Nacionalização Progressiva (PNP) Caso de sucesso: PNP do setor eólico. Quase 40 novas plantas fabris instaladas Premissas do PNP Solar: Estimular o surgimento no Brasil de uma indústria de equipamentos/componentes da cadeia fotovoltaica, atualmente inexistente; Flexibilidade: evitar monopólios no fornecimento de insumos e de subcomponentes em qualquer etapa do processo produtivo; Assegurar que a produção nacional seja competitiva; Abranger as diversas tecnologias existentes. 8

9 Metodologia de Credenciamento / Financiamento Estabelecer regras específicas para o incentivo ao surgimento de fabricantes nacionais: Abdicar do índice de nacionalização em peso e valor como critério de credenciamento; Exigir a nacionalização de componentes e processos específicos ao longo do plano. Incentivar e premiar o aumento do conteúdo nacional: Aumentar a participação no financiamento com o incremento de itens e processos produtivos nacionais. Oferecer alternativas flexíveis de nacionalização para contornar situações monopolistas: Itens básicos: Relação mínima de itens/processos obrigatoriamente nacionais que serão exigidos para o credenciamento e manutenção no CFI do BNDES; Itens opcionais: Itens que não serão obrigatoriamente nacionais para o credenciamento e manutenção no CFI do BNDES. Adicionam percentuais de ajuste somente após a incorporação do componente nacionalizado ao módulo fotovoltaico. Itens prêmio: Relação mínima de itens/processos opcionais. Adicionam percentuais de ajuste antecipadamente à incorporação do componente nacionalizado ao módulo fotovoltaico. São normalmente componentes e/ou processos com percentuais de 9 ajuste mais representativos que os itens básicos e opcionais.

10 Silício Cristalino (Mono/Poli) Módulo Fotovoltaico Sistema Fotovoltaico 10

11 PLANO DE NACIONALIZAÇÃO TECNOLOGIA: SILÍCIO CRISTALINO TABELA 1: MÓDULO FOTOVOLTAICO PERÍODO Dez/2017 Jan/ Dez/2019 Jan/ Componentes NÍvel de Exigência Classif. Item % de ajuste Classif. Item % de ajuste Classif. Item % de ajuste Vidro, Policarbonato ou Acrílico Fabricados no Brasil com conteúdo local 10% 10% 10% MATERIAIS Backsheet Fabricados no Brasil com conteúdo local 5% 5% 5% Encapsulante (EVA) Fabricados no Brasil com conteúdo local 5% 5% 5% Junction box Fabricados no Brasil com conteúdo local 5% MÓDULO FOTOVOLTAICO PROCESSOS Frame (Moldura) Módulo Célula Wafer Fabricados no Brasil com conteúdo local Processo de montagem do Módulo (conexão das células + sobreposição de materiais + laminação + emolduramento + conexão dos módulos + testes) Processo de Fabricação das Células (Tratameneto quimico + dopagem + tratamento antirreflexo + Impressão dos contatos + testes Processo de Fabricação dos Wafer (Fatiamento do lingote) 40% 60% 60% 30% 30% 5% 5% 5% Lingote Processo de Fabricação do Lingote (Fundição + cristalização do silício) 5% 5% 5% Silício Grau Solar Processo de Fabricação Siemens (grau eletrônico) ou Metalúrgico (grau solar) 30% 30% 30% FATOR DE NACIONALIZAÇÃO mínimo do MÓDULO - "Fator N" (%) (APENAS itens básicos) 60% 40% 60% Itens Básicos Itens Opcionais Itens Prêmio 11

12 PLANO DE NACIONALIZAÇÃO TECNOLOGIA: SILÍCIO CRISTALINO TABELA 2: SISTEMA FOTOVOLTAICO (MÓDULO + COMPONENTES ELÉTRICOS + ESTRUTURAS + INVERSOR) PERÍODO Dez/2017 Jan/ Dez/2019 Jan/ Componentes NÍvel de Exigência Classif. Item % de ajuste Classif. Item % de ajuste Classif. Item % de ajuste (A') FATOR DE NACIONALIZAÇÃO mínimo do MÓDULO - "Fator N" (%) (APENAS itens básicos) Participação relativa do MÓDULO no sistema (%) 60% 40% 60% 60% 60% 60% SISTEMA FOTOVOLTAICO (A) MÓDULO (B) Componentes Elétricos (String box + cabeamento) Estrutura metálica (sustentação) Itens básicos definidos na Tabela 1 de MÓDULO Tecnologia : Silício Cristalino Processo de fabricação com conteúdo local Processo de fabricação com conteúdo local (C) Inversor Processo de fabricação com conteúdo local 20% 36% 24% 36% 20% 40% 40% FATOR DE NACIONALIZAÇÃO mínimo do SISTEMA - "Fator N" (%) (APENAS itens básicos) 56% 64% 76% FATOR DE NACIONALIZAÇÃO mínimo do SISTEMA- "Fator N" (%) (itens básicos + inversor nacional) 76% 64% 76% Será considerado um percentual de ajuste de 6% adicionados ao "Fator N" quando o módulo fotovoltaico utilizado possuir CLASSIFICAÇÃO ENERGÉTICA "A" conforme TABELA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - SISTEMA DE ENERGIA FOTOVOLTAICA - MÓDULOS disponível no site INMETRO. Itens Básicos Itens Opcionais 12

13 Filme Fino (a-si, CdTe, CIGS, Orgânico) Módulo Fotovoltaico Célula Impressa Orgânica 13

14 PLANO DE NACIONALIZAÇÃO TABELA 1: MÓDULOS FOTOVOLTAICOS TECNOLOGIA: FILME FINO PERÍODO DEZ/2017 JAN/ Componentes Nivel de Exigência Classif. Item % de ajuste Classif. Item % de ajuste Substrato Fabricados no Brasil com conteúdo local Vidro (low iron), Plástico ou metal 20% 20% MÓDULO FOTOVOLTAICO MATERIAIS PROCESSOS Compostos do filme fino Fabricados no Brasil 10% 10% Junction Box Fabricados no Brasil com conteúdo local 5% Cobertura traseira Frame (Moldura) Encapsulamento do módulo Fabricados no Brasil com conteúdo local Vidro (comum) ou metal Fabricados no Brasil com conteúdo local Processos de laminação e montagem final Definição das células Processo de marcação a laser ou outro método 10% Deposição de camadas Processos de deposição do Filme Fino 20% 60% 70% FATOR DE NACIONALIZAÇÃO mínimo do MÓDULO - "Fator N" (%) (APENAS itens básicos) 60% 70% Itens Básicos Itens Opcionais Itens Prêmio 14

15 PLANO DE NACIONALIZAÇÃO TECNOLOGIA: FILME FINO TABELA 2: SISTEMA FOTOVOLTAICO (MÓDULO + COMPONENTES ELÉTRICOS + ESTRUTURAS + INVERSOR) PERÍODO DEZ/2017 JAN/ Componentes Nivel de Exigência Classif. Item % de ajuste Classif. Item % de ajuste (A') FATOR DE NACIONALIZAÇÃO mínimo do MÓDULO - "Fator N" (%) (APENAS itens básicos) Participação relativa do MÓDULO no sistema (%) 60% 70% 60% 60% SISTEMA FOTOVOLTAICO (A) (B) MÓDULO Componentes Elétricos (String box + cabeamento) Estrutura metálica (sustentação) Itens básicos definidos na Tabela 1 de MÓDULO Tecnologia : Filme Fino Processo de fabricação com conteúdo local Processo de fabricação com conteúdo local (C) Inversor Processo de fabricação com conteúdo local 20% 36% 42% 20% 40% FATOR DE NACIONALIZAÇÃO mínimo do SISTEMA - "Fator N" (%) (APENAS itens básicos) FATOR DE NACIONALIZAÇÃO mínimo do SISTEMA- "Fator N" (%) (itens básicos + inversor nacional) 56% 82% 76% 82% Será considerado um percentual de ajuste de 6% adicionados ao "Fator N" quando o módulo fotovoltaico utilizado possuir CLASSIFICAÇÃO ENERGÉTICA "A" conforme TABELA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - SISTEMA DE ENERGIA FOTOVOLTAICA - MÓDULOS disponível no site INMETRO. Itens Básicos Itens Opcionais 15

16 V. PRÓXIMOS PASSOS E EVOLUÇÕES DO PLANO PROXIMOS PASSOS 1.Articular com Ministérios (Em particular o aumento do Imposto de Importação do equipamento completo) 2.Acompanhar os incentivos governamentais a nível estadual (ICMS) 3.Acompanhar iniciativas governamentais relativas aos impactos ambientais dos projetos solares 4.Articular com governo federal sinalizações mais claras sobre a demanda projetada para energia solar. Leilões estaduais podem contribuir. 16

17 Matriz de Energia Elétrica Matriz de Energia Elétrica Carvão; 2,6% Nuclear; 1,5% Petróleo; 5,9% Gás; 10,9% Eólica; 2,9% Biomassa; 9,2% Hidro; 67,0% Fonte: Aneel 17

18 VI. CONDIÇÕES DE APOIO DO BNDES AO LEILÃO DE RESERVA DE 2014 BNDES FINEM a) Custo Financeiro: TJLP b) Remuneração Básica do BNDES: 1,0% a.a. c) Taxa de Risco de Crédito: entre 0,4% e 2,87% a.a. d) Taxa de Intermediação Financeira: 0,5% a.a. Fundo Clima a) Custo Financeiro: 0,1% b) Remuneração Básica do BNDES: 0,9% a.a. c) Taxa de Risco de Crédito: entre 0,4% e 2,87% a.a. d) Taxa de Intermediação Financeira: 0,5% a.a. 18

19 CONDIÇÕES DE APOIO DO BNDES AO LEILÃO DE RESERVA DE 2014 Prazo: Fundo Clima: até 12 anos, incluído o período de carência. Finem: até 16 anos de amortização. Em ambos os casos, o período de carência será de até seis meses após a entrada do projeto em operação comercial. Sistema de Amortização: SAC ou PRICE. Valor do Crédito: ICSD anual mínimo de 1,2 (sem caixa acumulado) Participação máxima do BNDES: Serviços: 80% Equipamentos: regra do Fator N 19

20 CONDIÇÕES DE APOIO DO BNDES AO LEILÃO DE RESERVA DE 2014 Participação Máxima do BNDES para o sistema fotovoltaico a) Fundo Clima: até 15% do valor do sistema fotovoltaico x Fator N ; b) FINEM: até 65% do valor do sistema fotovoltaico x Fator N ; OBS1: A participação do BNDES poderá ser ampliada para até 90%. Neste caso, a parcela do crédito referente ao aumento da participação terá custo equivalente a Cesta ou IPCA ou TS ou TJ3 ou TJ6 e a remuneração básica do BNDES será de, no mínimo, 1,2% a.a. OBS2: Os recursos provenientes do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima) serão alocados aos projetos, conforme disponibilidade orçamentária do fundo e a efetiva transferência desses recursos ao BNDES. 20

21 Credenciamento de Equipamentos Fotovoltaicos mento_fotovoltaicos.html Condições de Apoio Financeiro a Projetos de Geração de Energia Solar Leilão a_solar_2014.html Felipe Cerqueira Guth 21

Setor de Energia Solar Fotovoltaica ÁREA DE OPERAÇÕES INDIRETAS DEPARTAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS (AOI/ DECRED)

Setor de Energia Solar Fotovoltaica ÁREA DE OPERAÇÕES INDIRETAS DEPARTAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS (AOI/ DECRED) Setor de Energia Solar Fotovoltaica ÁREA DE OPERAÇÕES INDIRETAS DEPARTAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS (AOI/ DECRED) ÍNDICE I. CICLO VICIOSO PRÉ-PNP II. NOVA DINÂMICA DO SETOR

Leia mais

BRASIL SOLAR POWER. Apoio do BNDES ao Setor Solar Fotovoltaico 06/07/2017. Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI/DECRED

BRASIL SOLAR POWER. Apoio do BNDES ao Setor Solar Fotovoltaico 06/07/2017. Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI/DECRED BRASIL SOLAR POWER Apoio do BNDES ao Setor Solar Fotovoltaico 06/07/2017 Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI/DECRED Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente BNDES -

Leia mais

Brasil Solar Power 2016

Brasil Solar Power 2016 Brasil Solar Power 2016 Aprovações de Financiamento: 2003 a 2015 Segmentos Capacidade Projetos Financiamento BNDES R$ bilhões Investimentos UHEs 34.728 MW 52 66,3 107,9 Térmicas 6.578 MW 18 6,5 14,1 PCHs

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica

Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica Quem somos Fundado em 1952, O BNDES é uma empresa pública federal, cuja missão é o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Solar Fotovoltaico

Apoio do BNDES ao Setor Solar Fotovoltaico Apoio do BNDES ao Setor Solar Fotovoltaico 2 Congresso Brasileiro de Geração Distribuída 25/10/2017 Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI/DECRED Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas

Leia mais

Brasil Solar Power - Julho O Apoio do BNDES ao Setor Solar

Brasil Solar Power - Julho O Apoio do BNDES ao Setor Solar Brasil Solar Power - Julho 2017 O Apoio do BNDES ao Setor Solar Visão geral das iniciativas do BNDES de apoio ao uso da energia solar e ao desenvolvimento da indústria local de equipamentos Eixos de Ação

Leia mais

Credenciamento CFI. Critérios e Processos. Departamento de Credenciamento de Máquinas, Equipamentos e Sistemas AOI/DECRED

Credenciamento CFI. Critérios e Processos. Departamento de Credenciamento de Máquinas, Equipamentos e Sistemas AOI/DECRED Credenciamento CFI Critérios e Processos Departamento de Credenciamento de Máquinas, Equipamentos e Sistemas AOI/DECRED Sumário O Departamento de Credenciamento Fluxo de Credenciamento Critérios para Credenciamento

Leia mais

Apoio do BNDES à Geração Distribuída

Apoio do BNDES à Geração Distribuída 1 Apoio do BNDES à Geração Distribuída BRAZIL SOLAR POWER 2018 13 de junho de 2018 Formas de apoio Como apoiamos e atuamos 2 Operações Diretas Realizadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Realizadas

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Alternativas: Fotovoltaico

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Alternativas: Fotovoltaico O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Alternativas: Fotovoltaico Setembro de 2015 Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: GP/DEDIV/GATE CICLO VICIOSO 2 NOVA DINÂMICA DO SETOR FOTOVOLTAICO BRASILEIRO

Leia mais

BNDES e a Eficiência Energética

BNDES e a Eficiência Energética BNDES e a Eficiência Energética Maio de 2015 Alexandre Siciliano Esposito Gerente de Estudos Setoriais Departamentos de Energia Elétrica e Energia Alternativa Área de Infraestrutura Líderes Mundiais em

Leia mais

ANEXO 1 AO TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE

ANEXO 1 AO TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE ANEXO 1 AO TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE Metodologia para Credenciamento e Apuração de Conteúdo Local de Equipamentos Fotovoltaicos no Credenciamento de Fabricantes Informatizado CFI do BNDES ETAPAS

Leia mais

BRASIL SOLAR POWER 2016

BRASIL SOLAR POWER 2016 BRASIL SOLAR POWER 2016 Congresso Geração Centralizada Painel 3: Cadeia Produtiva 1º de Julho/2016 Rio de Janeiro/RJ Brasil José Ricardo Ramos Sales Analista de Comércio Exterior Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

BRASIL SOLAR POWER 2017

BRASIL SOLAR POWER 2017 BRASIL SOLAR POWER 2017 Congresso Geração Centralizada Painel: Cadeia Produtiva 6 de Julho/2017 Rio de Janeiro/RJ Brasil José Ricardo Ramos Sales Analista de Comércio Exterior Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

Apoio do BNDES a Novas Tecnologias

Apoio do BNDES a Novas Tecnologias 1 Apoio do BNDES a Novas Tecnologias Agosto de 2018 Carlos Augusto de F Carneiro Área de Energia 2 Fontes Overview de dos Recursos investimentos em Renováveis Fontes: 3 Fontes A expansão de Recursos da

Leia mais

Políticas para Energias Renováveis e Nuclear. na América Latina. O Caso Brasil. Rio de Janeiro - Brasil, 28 de Agosto de 2018

Políticas para Energias Renováveis e Nuclear. na América Latina. O Caso Brasil. Rio de Janeiro - Brasil, 28 de Agosto de 2018 Políticas para Energias Renováveis e Nuclear Roberto C. A. Travassos ELET ROBRAS ELETRONUCLEAR Assistente do Diretor Técnico na América Latina O Caso Brasil Rio de Janeiro - Brasil, 28 de Agosto de 2018

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo Diálogos Energéticos WWF São Paulo (SP) 29/06/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas

Leia mais

O APOIO DO BNDES AO SETOR SOLAR: PERSPECTIVAS & NOVAS FRONTEIRAS. Marilene Ramos Diretora de Infraestrutura e Sustentabilidade Outubro de 2017

O APOIO DO BNDES AO SETOR SOLAR: PERSPECTIVAS & NOVAS FRONTEIRAS. Marilene Ramos Diretora de Infraestrutura e Sustentabilidade Outubro de 2017 1 O APOIO DO BNDES AO SETOR SOLAR: PERSPECTIVAS & NOVAS FRONTEIRAS Marilene Ramos Diretora de Infraestrutura e Sustentabilidade Outubro de 2017 2 Diretrizes de Atuação do BNDES Apoiar a implantação de

Leia mais

Cadeia Produtiva do setor de energia solar fotovoltaica. Miguel Antonio Cedraz Nery, DSc Diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico

Cadeia Produtiva do setor de energia solar fotovoltaica. Miguel Antonio Cedraz Nery, DSc Diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico Cadeia Produtiva do setor de energia solar fotovoltaica Miguel Antonio Cedraz Nery, DSc Diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico Mapeamento da cadeia Solar Fotovoltaica Segmentação da cadeia

Leia mais

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región Ing. Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Agosto 2016

Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Agosto 2016 Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Agosto 2016 O Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar 1. Aspectos Institucionais 2. Aspectos Setoriais 3. Critérios de análise Corporate Finance Project Finance

Leia mais

BNDES/SEBRAE. Seminário de Crédito Teresina - PI Energias. 07 de dezembro de 2018

BNDES/SEBRAE. Seminário de Crédito Teresina - PI Energias. 07 de dezembro de 2018 BNDES/SEBRAE 1 Seminário de Crédito Teresina - PI Energias 07 de dezembro de 2018 2 Como apoiamos? e atuamos Operações Diretas Realizadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Realizadas por meio

Leia mais

Favereiro de BNDES Apoio à Energia Solar. Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES

Favereiro de BNDES Apoio à Energia Solar. Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES Favereiro de 2017 BNDES Apoio à Energia Solar Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES O BNDES na Estrutura da União // 2 República Federativa do Brasil Poder Legislativo Poder Executivo Poder Judiciário

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Energia Solar Integração e Desenvolvimento

Energia Solar Integração e Desenvolvimento Energia Solar Integração e Desenvolvimento Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Cuiabá, 12 de Agosto de 2016 Energia Solar Integração e Desenvolvimento Energia Solar = Integração + Desenvolvimento

Leia mais

Micro e Minigeração Distribuída REN 482/2012

Micro e Minigeração Distribuída REN 482/2012 Micro e Minigeração Distribuída REN 482/2012 Davi Rabelo Especialista em Regulação Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD Rio de Janeiro, 17 de outubro de 2017 AGENDA Conceitos

Leia mais

Aprimoramentos tributários para fabricantes nacionais. André Edelstein

Aprimoramentos tributários para fabricantes nacionais. André Edelstein Aprimoramentos tributários para fabricantes nacionais André Edelstein São Paulo, 13 de junho de 2018 Introdução QUEM CRIA TRIBUTOS PODE, por igual modo, AUMENTAR A CARGA TRIBUTÁRIA (agravando a alíquota

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Panoramas da indústria fotovoltaica no Brasil Oportunidades e Desafios Wladimir Janousek Canadian Solar Radiografia da Indústria Solar Fotovoltaica no Brasil Indústria local

Leia mais

INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO

INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO Mecanismos de promoção das fontes renováveis RIO DE JANEIRO, 30/04/2014 COPPE/UFRJ 1 Mecanismos de promoção de renováveis TARIFA

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica. 19 de Junho de 2015

Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica. 19 de Junho de 2015 Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica 19 de Junho de 2015 Linha do Tempo 50 s 60 s 70 s 80 s 90 s 00 s Hoje Infraestrutura Indústria de Base - Bens de Consumo Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Credenciamento de Luminárias LED BNDES São Paulo

Credenciamento de Luminárias LED BNDES São Paulo Credenciamento de Luminárias LED BNDES São Paulo 08 de maio de 2017 Objetivos Estratégicos com o credenciamento de luminárias LED Impacto ambiental e social Eficiência Energética (~4% faturamento energia

Leia mais

Eficiência Energética e GD

Eficiência Energética e GD Eficiência Energética e GD Maio de 2019 Alexandre Siciliano Esposito Felipe Lobo Fontes Histórico de Recursos de Aprovação de Crédito BNDES 2003-2018 Fonte: Formas de Apoio Direto do BNDES Direto 10 Até

Leia mais

Perspectivas e o papel da fonte solar fotovoltaica no Brasil

Perspectivas e o papel da fonte solar fotovoltaica no Brasil Perspectivas e o papel da fonte solar fotovoltaica no Brasil Workshop Energia Fotovoltaica FIESP São Paulo, RESUMO DA APRESENTAÇÃO PAPEL DA EPE MERCADOS PARA FOTOVOLTAICA: LEILÕES DO AMBIENTE REGULADO

Leia mais

Maio /

Maio / Associação Brasileira de Geração Distribuída: Set/2015 - fundação c/ 14 empresas Atualmente; mais de 600 empresas associadas ABGD é uma associação sem fins lucrativos, formado por empresas e empreendedores

Leia mais

Rodrigo Vides Cunha AOI/DEMAQ

Rodrigo Vides Cunha AOI/DEMAQ Área de Operações Indiretas Departamento de Credenciamento e Financiamento a Máquinas e Equipamentos Apresentação ABIMAQ - Credenciamento Rodrigo Vides Cunha AOI/DEMAQ Atividades das Gerências de Credenciamento

Leia mais

e a Energia Elétrica Setembro de 2018 Alexandre Siciliano Esposito Gerente Setorial de Energia Elétrica

e a Energia Elétrica Setembro de 2018 Alexandre Siciliano Esposito Gerente Setorial de Energia Elétrica 1 e a Energia Elétrica Setembro de 2018 Alexandre Siciliano Esposito Gerente Setorial de Energia Elétrica 2 Histórico Fontes de Recursos e Perspectiva de Investimentos Fonte: 3 BNDES Fontes de - Visão

Leia mais

Política Energética em Minas Gerais e no Brasil - oportunidades para pequenos negócios e municípios

Política Energética em Minas Gerais e no Brasil - oportunidades para pequenos negócios e municípios Política Energética em Minas Gerais e no Brasil - oportunidades para pequenos negócios e municípios Desenvolvimento do Setor Energético de MG MARCO: Conjugação de esforços entre a SEDECTES, o SEBRAE e

Leia mais

LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO BNDES

LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO BNDES LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO Linhas de Financiamento para Geração Distribuída O APOIO DO AO SETOR SOLAR FOTOVOLTAICO NELSON TORTOSA - Credenciamento Setor Solar Fotovoltaico EMPRESAS CREDENCIADAS NO Já

Leia mais

Palestra Introdutória Talk Show com as Lideranças do Setor Elétrico Brasileiro

Palestra Introdutória Talk Show com as Lideranças do Setor Elétrico Brasileiro Palestra Introdutória Talk Show com as Lideranças do Setor Elétrico Brasileiro Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Brasil Solar Power Rio de Janeiro (RJ) 01/07/2016 Focos Principais Representar

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo 9º Smart Grid Fórum 2016 São Paulo (SP) 18/10/2016 Focos Principais Representar e promover o

Leia mais

Micro e Minigeração Distribuída REN 482/2012

Micro e Minigeração Distribuída REN 482/2012 Micro e Minigeração Distribuída REN 482/2012 Davi Rabelo Especialista em Regulação Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD Rio de Janeiro, 17 de outubro de 2017 AGENDA Conceitos

Leia mais

Geração Distribuída de Energia Elétrica

Geração Distribuída de Energia Elétrica Geração Distribuída de Energia Elétrica Seminário Internacional - Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição 20/05/2016 Roberto Castro Conselheiro de Administração Agenda

Leia mais

Apoio à Eficiência Energética. Financiamento pelo BDMG

Apoio à Eficiência Energética. Financiamento pelo BDMG Apoio à Eficiência Energética Financiamento pelo BDMG 08/06/2016 3 Agenda 1. Sobre o BDMG 2. Financiamento a Eficiência Energética 3. Produtos Financeiros Foco Atendimento ao Mercado Atributos Segmentos

Leia mais

Como posso atuar no setor de Energia Solar?

Como posso atuar no setor de Energia Solar? Como posso atuar no setor de Energia Solar? Conheça a cadeia de valor do setor FV #2 O que eu encontro neste e-book? O e-book destina-se aos profissionais que querem atuar no setor de Energia Solar Fotovoltaica,

Leia mais

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital 12º Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes - MOLDES ABM Agosto de 2014 Importância do investimento na

Leia mais

Políticas Estaduais para Energia Solar Fotovoltaica

Políticas Estaduais para Energia Solar Fotovoltaica Políticas Estaduais para Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Talk Show com Lideranças Governamentais Brasil Solar Power Rio de Janeiro (RJ) 05/07/2017 Focos Principais

Leia mais

WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL

WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL Painel 1: Expansão da Geração Solar Fotovoltaica no Brasil FIESP 18 de outubro de 2017 Thiago Barral Superintendente de Projetos de Geração Diretoria de Estudos

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO EM DIREITO DA ENERGIA E SUSTENTABILIDADE 100 HORAS

PROGRAMA DO CURSO EM DIREITO DA ENERGIA E SUSTENTABILIDADE 100 HORAS PROGRAMA DO CURSO EM DIREITO DA ENERGIA E SUSTENTABILIDADE 100 HORAS Módulo I Geopolítica, Evolução do Direito Constitucional e Agências Reguladoras do Setor de Energia (10 horas) II - Aspectos geopolíticos

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Ricardo Barros Vice-Presidente de Geração Centralizada Comitê Aberto de Energia Energia Eólica e Solar: Alternativas Renováveis no Brasil

Leia mais

SETER ENGENHARIA LTDA

SETER ENGENHARIA LTDA OPORTUNIDADE DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Resoluções 482 e 687 ANEEL Estabelece as condições gerais para o acesso aos sistemas de distribuição de energia elétrica, e ao sistema de compensação de energia elétrica,

Leia mais

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Roteiro Apresentação institucional As competências da ANEEL

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS Estudo da Cadeia de Valor da Energia Solar Fotovoltaica no Brasil ENCONTRO BAIANO DE ENERGIA SOLAR Salvador, 05/12/2017 Cadeias de Energia Eólica e Solar FV selecionadas

Leia mais

Eficiência Energética & Minigeração distribuída Oportunidades para prédios públicos e privados. Madrona Advogados Novembro de 2016

Eficiência Energética & Minigeração distribuída Oportunidades para prédios públicos e privados. Madrona Advogados Novembro de 2016 Eficiência Energética & Minigeração distribuída Oportunidades para prédios públicos e privados Madrona Advogados Novembro de 2016 Micro e Mini Geração Distribuída Histórico e alterações recentes A ANEEL

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Rodrigo Pedroso Conselheiro de Administração da Região Centro-Oeste e Distrito Federal Seminário Energy Day Sebrae-RJ Nova Friburgo (RJ) 15/08/2018

Leia mais

Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo

Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo AGENDA DA APRESENTAÇÃO Quem somos: Abiogás www.abiogas.org.br

Leia mais

VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR

VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR São Paulo, 17 de Maio de 2017 1 GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA VANTAGENS E PERPECTIVAS

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis All About Energy 2015 Fortaleza CE 23 de setembro A Área de Infraestrutura do BNDES Histórico de apoio do BNDES ao setor de infraestrutura Evolução dos

Leia mais

Oportunidades em Geração Fotovoltaica para MPE. Geração Distribuída e Auto Produção

Oportunidades em Geração Fotovoltaica para MPE. Geração Distribuída e Auto Produção Oportunidades em Geração Fotovoltaica para Geração Distribuída e Auto Produção O quanto o custo de energia representa para as Micro e Pequenas empresas Para 68% das Micro e Pequenas Empresas, a energia

Leia mais

Maio /

Maio / Associação Brasileira de Geração Distribuída: Set/2015 - fundação c/ 14 empresas Atualmente; mais de 600 empresas associadas ABGD: Associação sem fins lucrativos, formado por empresas e empreendedores

Leia mais

Cenário após Finalização do Plano de Nacionalização. Dia do Fornecedor GAMESA. Fevereiro/2016

Cenário após Finalização do Plano de Nacionalização. Dia do Fornecedor GAMESA. Fevereiro/2016 Cenário após Finalização do Plano de Nacionalização Dia do Fornecedor GAMESA Fevereiro/2016 OBJETIVOS Metodologia de Credenciamento para Aerogeradores Eliminação gradativa das diferenças entre as estruturas

Leia mais

Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar

Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar Seminário franco-brasileiro de Energia Solar - FIESP 25/08/2016 Roberto Castro Conselheiro de Administração Agenda Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Low Carbon Business Action Brazil Ubiratan Francisco Castellano Secretaria de Planejamento e

Leia mais

Seminário ABINEE Credenciamento no CFI do BNDES. São Paulo/SP

Seminário ABINEE Credenciamento no CFI do BNDES. São Paulo/SP Seminário ABINEE Credenciamento no CFI do BNDES São Paulo/SP 12.11.18 LINHA DO TEMPO 1964 1973 1976 1977 1983 1991 2012 2015 2016 2017 2018 Decreto nº 55.275 de 22/12/64: Fundo para financiamento de máquinas

Leia mais

Geração Distribuída combinando as diferentes fontes renováveis: Projetos de P&D

Geração Distribuída combinando as diferentes fontes renováveis: Projetos de P&D Geração Distribuída combinando as diferentes fontes renováveis: Projetos de P&D Dr. Gustavo Malagoli Buiatti Fortaleza, 26 de outubro de 2017. Nossa missão é prover energia elétrica, pela combinação de

Leia mais

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica: Status, Oportunidades e Desafios

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica: Status, Oportunidades e Desafios Geração Distribuída Solar Fotovoltaica: Status, Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Seminário Agro em Questão - Energias Renováveis Confederação da Agricultura e Pecuária

Leia mais

Geração Solar Distribuída Uma tendência que virou realidade no Brasil

Geração Solar Distribuída Uma tendência que virou realidade no Brasil Geração Solar Distribuída Uma tendência que virou realidade no Brasil ENGIE Quem Somos? 2 ENGIE Compromisso com a Transição Energética digital 3D descarbonizada descentralizada 3 O futuro da energia no

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE)

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Aula 8 Energia Solar RECAPITULANDO... Energia Solar Geração Fotovoltaica Geração Héliotermica PLANO DE AULA Objetivos

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo XI Conferência da Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS

TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS 16 TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES):

Leia mais

Potencializando o Negócio de Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades de negócio e revisão da REN 482/2012

Potencializando o Negócio de Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades de negócio e revisão da REN 482/2012 Potencializando o Negócio de Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades de negócio e revisão da REN 482/2012 Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente de Regulação dos Serviços de Distribuição São

Leia mais

BRDE. 1º Workshop Nacional de CGH s ABRAPCH 28/03/2017 Tatiana Henn Gerente de Planejamento PR

BRDE. 1º Workshop Nacional de CGH s ABRAPCH 28/03/2017 Tatiana Henn Gerente de Planejamento PR BRDE 1º Workshop Nacional de CGH s ABRAPCH 28/03/2017 Tatiana Henn Gerente de Planejamento PR O BRDE Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul O BRDE Fundação: 1961 562 funcionários 3 agências localizadas

Leia mais

Panorama das Energias Renováveis no Brasil. Eng º Luiz Paulo Canedo Diretor EDB Renováveis

Panorama das Energias Renováveis no Brasil. Eng º Luiz Paulo Canedo Diretor EDB Renováveis Panorama das Energias Renováveis no Brasil Eng º Luiz Paulo Canedo Diretor EDB Renováveis SEAERJ 02/10/2018 Da Revolução Industrial às Energias NÃO Renováveis CONFUNDIR 1760 início da revolução industrial

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. 3º Oficina IEI Brasil - Geração Distribuída Renovável, Eficiência Energética e o Consumidor Final

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. 3º Oficina IEI Brasil - Geração Distribuída Renovável, Eficiência Energética e o Consumidor Final MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 3º Oficina IEI Brasil - Geração Distribuída Renovável, Eficiência Energética e o Consumidor Final O papel do MME frente aos desafios e aos caminhos para maior inserção da

Leia mais

Políticas Estaduais e Municipais para Energia Solar Fotovoltaica

Políticas Estaduais e Municipais para Energia Solar Fotovoltaica Políticas Estaduais e Municipais para Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Talk Show com Lideranças Governamentais Brasil Solar Power Rio de Janeiro (RJ) 30/06/2016

Leia mais

ANTONIO ROBERTO DONADON

ANTONIO ROBERTO DONADON PAINEL 9 GERAÇÃO PRÓPRIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS METROFERROVIARIOS ANTONIO ROBERTO DONADON ANALISTA DE INOVAÇÃO CPFL PIRATININGA 20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária P&D Usina Solar Tanquinho

Leia mais

Perspectivas e o Papel da Fonte Solar Fotovoltaica no Brasil e em São Paulo

Perspectivas e o Papel da Fonte Solar Fotovoltaica no Brasil e em São Paulo Perspectivas e o Papel da Fonte Solar Fotovoltaica no Brasil e em São Paulo Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Workshop Energia Solar Fotovoltaica DEINFRA/FIESP São Paulo (SP) 25/10/2018 Nosso

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Encontro Nacional do Setor Elétrico ENASE 2017 Rio de Janeiro (RJ) 18/05/2017 Focos Principais Representar

Leia mais

Amilcar Guerreiro. WORKSHOP A Revolução Energética do Sistema Elétrico Brasileiro. PALESTRA O Planejamento do Sistema Elétrico Brasileiro

Amilcar Guerreiro. WORKSHOP A Revolução Energética do Sistema Elétrico Brasileiro. PALESTRA O Planejamento do Sistema Elétrico Brasileiro WORKSHOP A Revolução Energética do Sistema Elétrico Brasileiro PALESTRA O Planejamento do Sistema Elétrico Brasileiro Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 2019 Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia

Leia mais

MERCADO FOTOVOLTAICO. Análise de Viabilidade. Onde estão as melhores oportunidades do setor fotovoltaico?

MERCADO FOTOVOLTAICO. Análise de Viabilidade. Onde estão as melhores oportunidades do setor fotovoltaico? MERCADO FOTOVOLTAICO Análise de Viabilidade. Onde estão as melhores oportunidades do setor fotovoltaico? Palestrantes Márcio Takata - Engenheiro Eletricista pela Escola Politécnica da USP, MBA INSPER,

Leia mais

VIII Conferência Anual da RELOP. Geração Distribuída: Desafios da Regulação

VIII Conferência Anual da RELOP. Geração Distribuída: Desafios da Regulação VIII Conferência Anual da RELOP Geração Distribuída: Desafios da Regulação Haldane Fagundes Lima Assessor da Diretoria São Tomé Setembro/2015 Regulamento Vigente Resolução Normativa nº 482 (17 de abril

Leia mais

BNDES. Finame - Máquinas e Equipamentos

BNDES. Finame - Máquinas e Equipamentos BNDES Finame - Máquinas e Equipamentos - Agrícola Alunos: Débora Borges Diogo Cavalcanti Fabrício Pedrini Luís Ricardo Ribeiro Paulo Buzzetti Pollyana Chimenne Finame - Máquinas e Equipamentos Financiamento,

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente POLÍTICA ENERGÉTICA 21 de Setembro de 2015 12 th International Conference Brazil Energy and Power BEP 12 Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro -AmCham Rio Painel Energia e Política Industrial

Leia mais

Oportunidades da energia fotovoltaica no Brasil Licitações, net-metering, off-grid, sistemas híbridos, etiquetagem

Oportunidades da energia fotovoltaica no Brasil Licitações, net-metering, off-grid, sistemas híbridos, etiquetagem Oportunidades da energia fotovoltaica no Brasil Licitações, net-metering, off-grid, sistemas híbridos, etiquetagem Prof. Dr.-Ing. Stefan Krauter Universidade de Paderborn e Instituto Fotovoltaico de Berlim

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Rodrigo Pedroso Conselheiro de Administração da Região Centro-Oeste e Distrito Federal 1º Seminário de Energia Solar - Desafios e Inovações

Leia mais

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Junho de 2016 Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Líderes em Renováveis Investimentos em 2014 3 Source: Renewables 2015 Global Status Report (year base: 2014) Participação das renováveis

Leia mais

Perspectivas para a Geração Fotovoltaica no Brasil 1

Perspectivas para a Geração Fotovoltaica no Brasil 1 Perspectivas para a Geração Fotovoltaica no Brasil 1 Nivalde José de Castro 2 Kurt Eisenlohr Paes 3 Guilherme de A. Dantas 4 Os investimentos em fontes renováveis de energia elétrica vêm sendo incentivados

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Workshop Infraestrutura da FIESP Sobre Energia Solar Fotovoltaica São Paulo (SP) 25/08/2016 Focos Principais

Leia mais

A Energia Solar no Brasil 1

A Energia Solar no Brasil 1 A Energia Solar no Brasil 1 Nivalde de Castro 2 Francesco Tommaso 3 Camila Vieira 4 O segmento de energia solar no Brasil apresenta um cenário de sol forte, sem nuvens no horizonte. Estas perspectivas

Leia mais

enfrentarem os desafios 2016

enfrentarem os desafios 2016 Contribuição do BNDES para as empresas Economia enfrentarem os desafios 2016 Fevereiro de 2016 1 A racionalidade da contribuição do BNDES aos desafios de 2016 Apoiar necessidades das empresas; atender

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Márcia Leal Chefe do Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura mleal@bndes.gov.br Maio 2012 O BNDES Evolução dos desembolsos 168,4 R$ bilhão 137,4 140,0 92,2

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Panorama, Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Talk Show com Lideranças Governamentais Brasil Solar Power Rio de Janeiro (RJ) 12/06/2018 Nosso

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-6

Leilão de Energia Nova A-6 1 Leilão de Energia Nova A-6 Realização: 31/08/2018 Categoria: A-6 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 16:00 do dia 30/08/2018) Será realizado no dia 31 de agosto de

Leia mais

O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo

O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo Seminário FGV EAESP São Paulo - Novembro 2016 1 - Contexto brasileiro O Brasil e sua matriz 4,4% 2,4% 2,6% 1,1% 7,6% 11,3% 70,6% Hydro Biomass Wind Natural

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS. Especialistas em pequenos negócios / / sebrae.com.br

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS. Especialistas em pequenos negócios / / sebrae.com.br ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS Mapeamento da Cadeia Produtiva de Energia Solar Fotovoltaica e Oportunidades para os Pequenos Negócios Brasil Solar Power 06/07/2017 Rio de Janeiro OBJETIVO DA ATUAÇÃO

Leia mais

Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos

Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos José Henrique Diniz Consultor ADENOR, SEBRAE e FUNDAÇÃO DOM CABRAL Sócio-Consultor: CONEXÃO Energia

Leia mais

Painel 2 Iniciativas e Inovações

Painel 2 Iniciativas e Inovações Painel 2 Iniciativas e Inovações Engº Eletricista Sebastião Dussel 33 anos de atuação no setor elétrico Especialização em: - Engenharia Econômica - FUPAI/EFEI - Sistema de Tarifa de EE Universidade MACKENZIE

Leia mais

Índice de Nacionalização e Nova Medotologia de Credenciamento

Índice de Nacionalização e Nova Medotologia de Credenciamento Classificação: Documento Reservado Restrição de Acesso: BNDES, ABINEE Unidade Gestora: AOI/DECRED Índice de Nacionalização e Nova Medotologia de Credenciamento Público Externo Rio de Janeiro, 16 de dezembro

Leia mais

Geração Distribuída Energia Solar. Eng Carlos Ribeiro

Geração Distribuída Energia Solar. Eng Carlos Ribeiro 04 2014 Geração Distribuída Energia Solar Eng Carlos Ribeiro Grupo Enel Presença no mundo 40 países 97 GW de capacidade instalada 297 TWh de energia elétrica gerada 61 milhões de clientes 84 bilhões de

Leia mais

COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NACIONAL SUPRIMENTO DO SETOR DE PETRÓLEO E GÁS Prof. Adilson de Oliveira Prof. Carlos Frederico Leão Rocha Instituto de

COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NACIONAL SUPRIMENTO DO SETOR DE PETRÓLEO E GÁS Prof. Adilson de Oliveira Prof. Carlos Frederico Leão Rocha Instituto de COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NACIONAL SUPRIMENTO DO SETOR DE PETRÓLEO E GÁS Prof. Adilson de Oliveira Prof. Carlos Frederico Leão Rocha Instituto de Economia da UFRJ Objetivos Competitividade Situação

Leia mais

Projetos fotovoltaicos nos leilões de energia

Projetos fotovoltaicos nos leilões de energia Projetos fotovoltaicos nos leilões de energia 12 de junho de 2018 Gustavo Ponte - EPE A EPE 100% pública Criada em 2004 Lei 10.847 Vinculada ao MME Os estudos da EPE dão suporte técnico ao governo na formulação

Leia mais