PESQUISA EM ANDAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA EM ANDAMENTO"

Transcrição

1 Empresa Brasileira de Pesquisa Agrpecuária Embrapa Gad de Crte Ministéri da Agricultura e d Abasteciment Rdvia BR 262, km 4 - Caixa Pstal 154 CEP Telefne (067) Fax (067) N~ 49, Abril/1999, p. 1-5 Camp Grande-MS PESQUISA EM ANDAMENTO CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA DO Trypansma vivax ISOLADO NO PANTANAL DO ESTADO DE MATO GROSSO E O DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DA INFECÇÃO POR Trypansma evansi PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POllMERASE (PCR) '<0 <O E c U <O +-' 'w.s'.;:: ' UJ.:;; ea. "O <O x: ::J Q) li: l<{ l> Zw I- <{ Cláudi R. Madruga 1 Subbash Mrzaria" Phelix O. Majiwa 2 Trypansma vivax fi intrduzid na América d Sul n sécul passad. A prevalência é variável em diverss países deste cntinente, nde crrem surts esprádics e perdas ecnômicas cnsideradas imprtantes. N Brasil, Trypansma vivax fi diagnsticad pela primeira vez n Estad d Pará em 1972, infectand búfal. Até recentemente, a incidência desse hemprtzári estava restrita à regiã Nrte d País. Entretant, este hemparasit fi diagnsticad, em 1995, infectand um rebanh bvin em Pcné, regiã d Pantanal d Estad de Mat Grss, cujs sintmas principais eram anemia, cnjuntivite, disenteria, abrt e mrte. Psterirmente, a infecçã pr este agente etilógic fi diagnsticada em utras regiões d Pantanal. Prtant, é necessári um estud epiztilógic para btençã de dads para avaliar s riscs da incidência, efeit na prdutividade e impact ecnômic na bvincultura da regiã. Para alcançar esses bjetivs, as técnicas de diagnóstic sã fundamentais. Os testes srlógics para detecçã de anticrps existentes, aglutinaçã em cartã, imunflurescência indireta e imunadsrçã enzimática, apresentam reaçã cruzada cm T. evansi, embra neste últim teste crra em menr percentagem. Pr utr lad, as técnicas de diagnóstic diret cm a de micrhematócrit u técnica de W e imunadsrçã enzimática para detecçã de antígens de Trypansma apresentam baixa sensibilidade, apesar da alta especificidade. A alternativa é a reaçã em cadeia da plimerase (per) que pssui 1 Méd.-Vet., Ph.D., CRMV-MS N2 0587, Embrapa Gad de Crte, Caixa Pstal 154, CEP Camp Grande, MS, Brasil. 2 Internatinal Livestck Research Institute (llradl. P.O. Bx 30709, Nairbi, Kenia.

2 PA-49, abr./1999, p.2 elevads índices de sensibilidade e especificidade. O bjetiv deste trabalh fi identificar gene que cdifica uma prteína slúvel de 8 kda de T. vivax n islad btid de uma vaca nelrada cm sintmas clínics de tripanssmíase n surt crrid em Pcné, Pantanal de Mat Grss. Este gene pssui múltiplas cópias repetidas em tandem n genma d T. vivax, na mairia ds islads analisads até presente. Entretant, existe islad cm menr númer de cópias deste gene u cm divergência genética, que resulta numa amplificaçã insatisfatória para a utilizaçã dessa PCR cm diagnóstic. O segund bjetiv fi verificar a frmaçã d prdut de 1,5 kb cm primers para subgêner Trypanzn que inclui T. evansi, cm a finalidade de estabelecer um PCR múltipl que pssa realizar um diagnóstic diferencial de T. vivax. Na caracterizaçã d gene que cdifica a prteína slúvel de T. vivax e PCR, fram utilizads DNA d islad d Pantanal de Pcné, Estad de Mat Grss (CNPGCPPTV01) e d clne ILDat1.2 riginári de islad d Oeste da África. A PCR para T. vivax empregu s primers ILO1264, de seqüência de bases CAG CTC GCC GAA CAC TTG GCT GGG e IL01265 TCG CTA CCA TCG CAA TCG TCG TCT CAA GG. A reaçã de amplificaçã fi realizada num vlume de 20 micrlitrs utilizand 50 nangrams de primers, Mde cada dntps e três unidades de Thermus aquaticus DNA plimerase. O termcicladr fi prgramad para 92 C, 1 minut (desnaturaçã), 55 C, 1 minut (alinhament) e 72 C, 1 minut (extensã) pr 30 cicls. Cinc micrlitrs da reaçã fram clcads em gel agarse 1%, para eletrfrese e crads cm brmet de etídi, e as bandas visualizadas em luz ultravileta e ftgrafadas em filme plaróide. Os prduts da PCR e DNA genômic fram transferids para membrana de nitrcelulse s/ts b/ts e hibridizads cm plasmíde pgdsil-800/2/1 marcad cm 32p. Adicinalmente, DNA genômic sfreu digestã cm a enzima de restriçã Sau3A e fi clcad para eletrfrese em agarse 0,8% e crad cm brmet de etídi para ftgrafia. Na seqüência, DNA d gel fi desnaturad, neutralizad e transferid para uma membrana de náiln. A hibridaçã desta membrana fi também realizada cm pgdsil-800/2/1 marcad cm 32p. Na PCR para T. evansi, fram utilizads s seguintes primers: IL0342 GAT CCG CAG CCG GGC CTG e IL0343 CCG CGG TGG CTC CTT CCC. As cndições da reaçã de PCR fram idênticas às empregadas para DNA de T. vivax. A PCR, tant d DNA genômic d islad brasileir de T. vivax cm d clne ILDat1.2, amplificu um prdut de, aprximadamente, 400 pb. Huve hibridaçã tant d DNA genômic quant d prdut da PCR cm a snda utilizada (Figs. 1 e 2). A hibridaçã d DNA genômic digerid pr Sau3A apresentu igual tamanh

3 PA-49, abr./1999, p.3 de bandas entre s rganisms de T. vivax estudads (Fig. 3). A amplificaçã pr PCR d DNA genômic d islad de T. evansi resultu num prdut de cerca de 1,5 kb, típic d subgêner Trypanzn. Cm base ns resultad~ btids, infere-se que islad de T. vivax da regiã de Pcné pssui gene que cdifica antígen slúvel de T. vivax e que sua rganizaçã genômica é similar a d clne d Oeste da África. Prtant, s primers desenvlvids n Internatinal Livestck Research Institute sã aprpriads para amplificaçã de DNA d islad da regiã d Pantanal d Brasil, cm fi demnstrad pel resultad da PCR. Os primers utilizads para subgêner Trypanzn apresentaram também resultads psitivs. Prtant, fi pssível desenvlver uma reaçã de PCR múltipla para diagnóstic diferencial das infecções pr T. vivax e T. evansi (Fig. 4). A próxima fase será a determinaçã da sensibilidade desta PCR, para utilizá-ia cm diagnóstic. A B FIG. 1. Hibridaçã d prdut de DNA qenrrnc (A) e PCR (B) e de Trypansma vivax cm plasmíde pgdsil , marcad cm 32p. Linha A DNA genômic, 1A-5A islad brasileir de T. vivax. 6A cntrle psitiv clne ILDat1.2, 7A T. evansi. Linha B Prdut d PCR, 1B-5B islad brasileir, 6B cntrle negativ T. evansi, 7B cntrle psitiv ILDat1.2.

4 ., PA-49, abr./1999, p FIG. 2. Hibridaçã d prdut da PCR para Trypansma vivax cm plasmíde pgdsil800/2/1 marcad cm 32p, cntend gene que cdifica antígen slúvel deste hemprtzári. Linha 1-5 DNA d islad da regiã d Pantanal, linha 6, cntrle negativ, linha 7 cntrle psitiv ILDat '; ", I~ i- ~t,i " FIG. 3. Shuthern blt e hibridaçã cm pgdsli-800/2/1 marcad cm 32p d DNA d clne ILDat 1.2 d Oeste da África e islad d Pantanal d Brasil digerid pr Sau3A. Linha 1, ILDat1.2, linhas 2 e 3 islad d Pantanal.

5 PA-49. abr./1999. p.5 FIG. 4. PCR múltipla para detecçã de DNA de Trypansma vivax e T. evansi. Linha 1 marcadr de pes mlecular, linha 2 cntrle psitiv ILDat1.2, linhas 3, 4 islad d Pantanal, linha 5 islad brasileir cm primers para Trypanzn, linha 6 ILDat1.2 cm primers para Trypenzn, linha 7 T. evansi cm primers para T. vivex, linha 8 T. evensi, linha 9 T. brucei, linha 10 cntrle negativ sem DNA de Trypansma. Tiragem: 50 exemplares

Material e Métodos Resultados e Discussão

Material e Métodos Resultados e Discussão Área: Melhoramento Genético Vegetal TRANSFERIBILIDADE DE PRIMERS MICROSSATÉLITES DE Phaseolus vulgaris PARA Vigna unguiculata Matheus Felipe Nogueira da Silva 1, Leidiane Bezerra Albuquerque 2, Rafaela

Leia mais

PCR Reação de Polimerase em Cadeia. Termociclador

PCR Reação de Polimerase em Cadeia. Termociclador PCR Reação de Polimerase em Cadeia Termociclador REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Técnica que permite a amplificação da quantidade de DNA específico utilizando a enzima Taq DNA polimerase, sequências

Leia mais

Análises moleculares - DNA

Análises moleculares - DNA Análises moleculares - DNA Como o mapeamento genético contribui para a genética médica? A caracterização de um gene e suas mutações aumenta a compreensão da doença Aplicações: -Desenvolvimento de diagnóstico

Leia mais

MARCADORES MOLECULARES: AFLP E RFLP

MARCADORES MOLECULARES: AFLP E RFLP Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós Graduação em Agronomia Disciplina de Biotecnologia Aplicada ao Melhoramento MARCADORES MOLECULARES: AFLP E RFLP Prof. PhD. Antonio Costa de Oliveira Gabriela

Leia mais

Granalha De Aço Sablacier

Granalha De Aço Sablacier INFORMES TECNICOS Granalha De Aç Sablacier IKK d Brasil, a mair fabricante de Granalha de aç da América Latina, realizu extensivs testes, para avaliar a perfrmance de diferentes abrasivs (metálics e nã

Leia mais

Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica.

Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica. Clonagem Molecular A clonagem molecular é o processo de construção de moléculas de DNA recombinante e da sua propagação em hospedeiros apropriados que possibilitam a selecção do DNA recombinante. Esta

Leia mais

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Para que isolar microrganismos? - Conhecer os diferentes tipos microbianos

Leia mais

Administração AULA- 7. Economia Mercados [3] Oferta & Procura

Administração AULA- 7. Economia Mercados [3] Oferta & Procura Administraçã AULA- 7 1 Ecnmia Mercads [3] Oferta & Prcura Prf. Isnard Martins Bibligrafia: Rsseti J. Intrduçã à Ecnmia. Atlas 06 Rbert Heilbrner Micr Ecnmia N.Gregry Mankiw Isnard Martins Pag - 1 Oferta,

Leia mais

Vamos estudar as características e determinações do potencial da pilha e dos potenciais padrões do eletrodo e da pilha.

Vamos estudar as características e determinações do potencial da pilha e dos potenciais padrões do eletrodo e da pilha. Aula: 25 Temática: Ptenciais da Pilha Vams estudar as características e determinações d ptencial da pilha e ds ptenciais padrões d eletrd e da pilha. Uma pilha na qual a reaçã glbal ainda nã tenha atingid

Leia mais

MARCADORES MOLECULARES

MARCADORES MOLECULARES ESALQ/USP MARCADORES MOLECULARES Base genética dos marcadores e usos no melhoramento de plantas e em estudos de diversidade genética e conservação Departamento de Genética ESTUDO DIRIGIDO 1. O que são

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Cinética Química

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Cinética Química PAGQuímica 211/1 Exercícis de Cinética Química 1 2. 3. 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaix é crreta u nã, para reações químicas que crrem sem que haja variaçã de temperatura e pressã: a)

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

PCR Reação em cadeia pela DNA polimerase. Método e Aplicações. Kary Mullis 1983

PCR Reação em cadeia pela DNA polimerase. Método e Aplicações. Kary Mullis 1983 PCR Reação em cadeia pela DNA polimerase Método e Aplicações DNA PCR (conhecer DNA genômico e genes) RNA RT-PCR (conhecer a expressão de um gene) qrt-pcr (quantificar a expressão de um gene) PCR em tempo

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Genoma! O genoma de um organismo

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

~'~~~~~~~1~~~~~i~~rt~~~~1r~ RECOMEDAÇÃO DE VARIEDADE DE GUANDU FORRAGEIRO ec. FL ISSN '"~

~'~~~~~~~1~~~~~i~~rt~~~~1r~ RECOMEDAÇÃO DE VARIEDADE DE GUANDU FORRAGEIRO ec. FL ISSN '~ 1'1 15339 2004 2. ec. FL-15339 Semi-Árid ISSN 1415-5095 Petrlina-PE, agst de 2004-2 a ediçã RECOMEDAÇÃO DE VARIEDADE DE GUANDU FORRAGEIRO '"~ üi - '" ~'~~~~~~~1~~~~~i~~rt~~~~1r~ Ul ~ U.9 u, FL - 15339

Leia mais

Comunicado Cetip n 091/ de setembro de 2013

Comunicado Cetip n 091/ de setembro de 2013 Cmunicad Cetip n 091/2013 26 de setembr de 2013 Assunt: Aprimrament da Metdlgia da Taxa DI. O diretr-presidente da CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS infrma que, em cntinuidade às alterações infrmadas n Cmunicad

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ECONÔMICAS SOBRE A PRODUÇÃO

CONSIDERAÇÕES ECONÔMICAS SOBRE A PRODUÇÃO Ministéri da Agricultura, d Abasteciment e da Refrma Agrária ~ ~ '-.-...-"..'._,."".,.,,,,, Centr Nacinat de Pesquisa de Gad de Crte - CNPGC Rdvia BR 6. km 4 Caixa Pstal 154 Fne: (067) 763-1030 Fax: (067)

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: GENÉTICA GRADE: RESOLUÇÃO CEPEC Nº 831 MATRIZ CURRICULAR: BACHARELADO E LICENCIATURA

Leia mais

Materiais e Métodos 24. III. Materiais e Métodos

Materiais e Métodos 24. III. Materiais e Métodos Materiais e Métodos 24 III. Materiais e Métodos Materiais e Métodos 25 1. Pacientes No período de Outubro de 1996 a Outubro de 1997, estudamos pacientes HIV-positivos em seguimento na Unidade Especial

Leia mais

As propriedades do gás estelar

As propriedades do gás estelar As prpriedades d gás estelar Estrelas sã massas gassas mantidas gravitacinalmente cm uma frma quase esférica e que apresentam prduçã própria de energia. A definiçã acima, além de nã ser a mais precisa

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

Triagem laboratorial: Biologia Molecular I

Triagem laboratorial: Biologia Molecular I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO: TRIAGEM LABORATORIAL E CONTROLE DE QUALIDADE EM SANGUE, TECIDOS, CÉLULAS E ÓRGÃOS O que é NAT ou NAAT? Triagem laboratorial: Biologia Molecular I Milena Batista de Oliveira Farmacêutica

Leia mais

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1 OBMEP Nível 3 ª Fase Sluções QUESTÃO. Quincas Brba uniu quatr blcs retangulares de madeira, cada um cm 4 cm de cmpriment, cm de largura e cm de altura, frmand bjet mstrad na figura. A) Qual é vlume deste

Leia mais

Princípios e Aplicações da Técnica de PCR

Princípios e Aplicações da Técnica de PCR Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biológicas XVIII Semana Acadêmica da Biologia- UFSC Curso teórico-prático Princípios e Aplicações da Técnica de PCR Prof. Dr. Rafael D Rosa Departamento

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS D-09 - João Roberto F. Mazzei

EXERCÍCIOS DIVERSOS D-09 - João Roberto F. Mazzei 01. A transfrmaçã d 1-prpanl em prpilen, cm vems a seguir, cnstitui reaçã de: a) hidrataçã. b) desidrataçã. c) hidrgenaçã. d) halgenaçã. 02. Qual prdut btid pela reaçã: (Mnte a fórmula e cmplete a reaçã)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PERDAS NA COLHEITA DO TRIGO PELO MÉTODO DA ARMACAO DE PANO E COPO MEDIDOR

AVALIAÇÃO DE PERDAS NA COLHEITA DO TRIGO PELO MÉTODO DA ARMACAO DE PANO E COPO MEDIDOR (c;) EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÃRIA -EMBRAPA Viculada a Miistéri da Agricultura, CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA Rdvia Cels Gareia Cid - Km 375 Fes (0432) 26-1917 e 26-1159 (PABX) Tele:

Leia mais

Esta aula nos dará conhecimento para análise e determinação do calor produzido ou absorvido em uma reação química.

Esta aula nos dará conhecimento para análise e determinação do calor produzido ou absorvido em uma reação química. Aula: 07 emática: ermquímica Esta aula ns dará cnheciment para análise e determinaçã d calr prduzid u absrvid em uma reaçã química. A termquímica é a investigaçã d calr prduzid u cnsumid nas reações químicas.

Leia mais

Aplicações. Enzimas de restrição

Aplicações. Enzimas de restrição Engenharia genética - Capacidade de manipular ácidos núcleicos de forma bem definida e controlada. As ferramentas que o permitem são as enzimas capazes de actuarem sobre ácidos núcleicos. Enzimas de restrição

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA O prblema de cmparaçã de distribuições de sbrevivências surge cm freqüência em estuds de sbrevivência. Pr exempl, pde ser de interesse cmparar dis trataments para

Leia mais

Modelos GAMLSS - Associações entre marcadores e QTL

Modelos GAMLSS - Associações entre marcadores e QTL Mdels GAMLSS - Assciações entre marcadres e QTL Elias Silva de Medeirs 1 2 Rseli Aparecida Leandr 1 Cristian Villegas 1 Marina Rdrigues Maestre 1 1 Intrduçã Durante muits ans, em trabalhs estatístics,

Leia mais

Detecção de Seqüências Específicas de DNA

Detecção de Seqüências Específicas de DNA Detecção de Seqüências Específicas de DNA Parte 1. Procurando um gene Imagine que você é um cientista e acabou de extrair um DNA. Você precisa saber se este DNA contém o gene para fibrose cística. Você

Leia mais

Diagramas líquido-vapor

Diagramas líquido-vapor Diagramas líquid-vapr ara uma sluçã líquida cntend 2 cmpnentes vláteis que bedecem (pel mens em primeira aprximaçã) a lei de Rault, e prtant cnsiderada cm uma sluçã ideal, a pressã de vapr () em equilíbri

Leia mais

PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões

Leia mais

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR)

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Patologia Molecular. Carlos Alberto Pereira Vaz. Técnico Superior de Laboratório

Patologia Molecular. Carlos Alberto Pereira Vaz. Técnico Superior de Laboratório Patologia Molecular Carlos Alberto Pereira Vaz Técnico Superior de Laboratório carlosvaz@laboratoriopioledo.pt O que é a Patologia Molecular? A Patologia Molecular foi definida como a aplicação clínica

Leia mais

Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado

Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado Vivian E. Nascimento 1, Édila V.R. V. Pinho 1, Renzo G.V. Pinho 1, Bruno C. dos Santos 1, Elise de M. Pereira

Leia mais

SEGURANÇA PATRIMONIAL ANÁLISE PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

SEGURANÇA PATRIMONIAL ANÁLISE PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS SEGURANÇA PATRIMONIAL ANÁLISE PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS Sbre autr: Raphael de Mel Alves Ex-militar d Exércit Brasileir, frmad em Gestã de Segurança Privada, MBA em Gestã de Prjets e extensã universitária

Leia mais

Bases da análise genômica: estado da arte

Bases da análise genômica: estado da arte Bases da análise genômica: estado da arte Cesar Martins (cmartins@ibb.unesp.br) Departamento de Morfologia Instituto de Biociências, UNESP Universidade Estadual Paulista Botucatu, SP Avanços nas tecnologias

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 PDR2020 (Jvens agricultres) Página 1 de 7 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

GTA GAA GTA GAA. Implicações do código DNA ser degenerado. Tipos de mutação pontual

GTA GAA GTA GAA. Implicações do código DNA ser degenerado. Tipos de mutação pontual Mutaçã Breve Históric Uma ferramenta para estud da estrutura e funçã de prteínas Fernand Vascncels Maluf Dutrand IFSC - USP Intrinsecamente ligada cm a evluçã das espécies survival f the fittest under

Leia mais

UFSC. Matemática (Amarela)

UFSC. Matemática (Amarela) Respsta da UFSC: 0 + 0 + 08 = Respsta d Energia: 0 + 08 = 09 Resluçã 0. Crreta. 0. Crreta. C x x + y = 80 y = 80 x y y = x + 3 30 x + 3 30 = 80 x x = 80 3 30 x = 90 6 5 x = 73 45 8 N x z 6 MN // BC segue

Leia mais

Resultados Consolidados 3º Trimestre de 2016

Resultados Consolidados 3º Trimestre de 2016 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO

GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 3ª TURMAS:ABC ETAPA:2ª ANO: 2017 PROFESSOR(A): CÁSSIO LIMA ALUNO(A): Nº: I INTRODUÇÃO Este rteir tem cm bjetiv rientá-l ns estuds de recuperaçã. Ele

Leia mais

Exercícios de Eletroquímica

Exercícios de Eletroquímica Material de api d Extensiv Exercícis de Eletrquímica Prfessr: Allan Rdrigues 1. Na dntlgia amálgama, que é cmpst basicamente pr uma mistura sólida na qual mercúri, a prata e estanh sã cmbinads, fi um material

Leia mais

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento Desenvlviment e Otimizaçã de Hidrciclnes Frente a Mdificações de Variáveis Gemétricas e de Prcess Hérmane Mntini da Silva 1 Gilssaha Franklin Maciel 2 Orientadra: Ph.D. Andréia Bicalh Henriques RESUMO

Leia mais

Estimativa de Capita 1 de Trabalho para Produtos em Elaboração Roberto Carvalho Cardoso* e Paulo Elysio de Andrade

Estimativa de Capita 1 de Trabalho para Produtos em Elaboração Roberto Carvalho Cardoso* e Paulo Elysio de Andrade Estimativa de Capita 1 de Trabalh para Prduts em Elabraçã Rbert Carvalh Cards* e Paul Elysi de Andrade 1. Cnceituaçã de Capital de Trabalh. 2. Cálcul d Item "Prduts em Elabraçã". 3. Exempl Numéric. 4.

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. alternativa E. alternativa A. ver comentário. alternativa E

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. alternativa E. alternativa A. ver comentário. alternativa E Questã TIPO DE PROVA: A N primeir semestre deste an, a prduçã de uma fábrica de aparelhs celulares aumentu, mês a mês, de uma quantidade fixa. Em janeir, fram prduzidas 8 000 unidades e em junh, 78 000.

Leia mais

Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM)

Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM) Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM) Ana Luísa Carvalho Departamento de Zoologia, Universidade de Coimbra Introdução: Neste trabalho pretende-se analisar um polimorfismo

Leia mais

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO CURSO DE DESIGN TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DIRETRIZES

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO CURSO DE DESIGN TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DIRETRIZES FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO CURSO DE DESIGN TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DIRETRIZES - 2012 1. ESTRUTURA As atividades didáticas relacinadas cm Trabalh de Cnclusã de Curs TCC estã estruturadas

Leia mais

Módulo Aquisição - Fluxo do Modelo Conceitual

Módulo Aquisição - Fluxo do Modelo Conceitual MAC439 - Labratóri de Banc de Dads 2 semestre/2004 Módul Aquisiçã - Flux d Mdel Cnceitual Grup: Andersn R. P. Buen Fernand de Suza Prad Lucian Mezzantte Sares Tessie Ikemri 1. Apresentaçã Este dcument

Leia mais

CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO

CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO KITS DE EXTRAÇÃO BIOPUR A extração de DNA é o primeiro passo para diferentes procedimentos na Biologia Molecular. Este processo é parte fundamental para se obter alta eficiência

Leia mais

PESQUISA DE POLISSACARÍDEOS DE NEISSERIA MENINGITIDIS DO GRUPO C NO LíQUIDO CEF ALORRAQUIDIANO POR IMUNOELETROFORESE CRUZADA EM ACETATO DE CELULOSE"

PESQUISA DE POLISSACARÍDEOS DE NEISSERIA MENINGITIDIS DO GRUPO C NO LíQUIDO CEF ALORRAQUIDIANO POR IMUNOELETROFORESE CRUZADA EM ACETATO DE CELULOSE sec. l nsi. Adlf Lui : 33: 85-89. 1973. PESQUISA DE POLISSACARÍDEOS DE NEISSERIA MENINGITIDIS DO GRUPO C NO LíQUIDO CEF ALORRAQUIDIANO POR IMUNOELETROFORESE CRUZADA EM ACETATO DE CELULOSE" Mauri PALHARES

Leia mais

AMPLIFICAÇÃO DO GENE DA PROTEÍNA E DO VÍRUS DENV ATRAVÉS DA TÉCNICA DE REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

AMPLIFICAÇÃO DO GENE DA PROTEÍNA E DO VÍRUS DENV ATRAVÉS DA TÉCNICA DE REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) AMPLIFICAÇÃO DO GENE DA PROTEÍNA E DO VÍRUS DENV ATRAVÉS DA TÉCNICA DE REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Beatriz Dantas Guimarães (1); Lucas Linhares de Locio (2); Herbert Crisóstomo dos Santos Araújo

Leia mais

Catálogo de Kits de Extração

Catálogo de Kits de Extração Catálogo de Kits de Extração Kits de Extração Biopur A extração de DNA é o primeiro passo para diferentes procedimentos na Biologia Molecular. Este processo é parte fundamental para se obter alta eficiência

Leia mais

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006 ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual

Leia mais

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica Lista de Exercíci COMPLEMENTAR de Termquímica e Termdinâmica 1) A água expande-se quand cngela. Quant trabalh realiza uma amstra de 100g de água quand cngela a 0 C e estura um can de água quand a pressã

Leia mais

Valor das aposentadorias

Valor das aposentadorias Valr das apsentadrias O que é? O cálcul d valr de apsentadrias é a frma cm s sistemas d INSS estã prgramads para cumprir que está previst na legislaçã em vigr e definir valr inicial que vai ser pag mensalmente

Leia mais

O primeiro passo é explicar o processo de captação de doadores no ambiente online. Abaixo são exemplificados os três passos:

O primeiro passo é explicar o processo de captação de doadores no ambiente online. Abaixo são exemplificados os três passos: O um e qual sua imprtância para a captaçã recurss? Dm, 23 Agst 2015 00:00 Durante Festival ABCR, muitas rganizações stinaram qual seria uma frma interessante e barata captar nvs dadres individuais utilizand

Leia mais

Sessão 1: Os Princípios e as Técnicas da Biologia Molecular do Séc XXI

Sessão 1: Os Princípios e as Técnicas da Biologia Molecular do Séc XXI Sessão 1: Os Princípios e as Técnicas da Biologia Molecular do Séc XXI Menu do dia: -DNA RNA proteína - Sequenciação de genomas (Clonagem, electroforese em gel) - Transcritoma (Microarrays) - Organismos

Leia mais

ESTUFA DE BAIXO CUSTO

ESTUFA DE BAIXO CUSTO Infrme Técnic, 33 ESTUFA DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO SECRETARIA DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, PESCA E ABASTECIMENTO Ediçã especial Niterói-RJ abril/2010 PESAGRO-RIO Empresa de Pesquisa Agrpecuária d

Leia mais

PROCESSAMENTO DE FILTROS DE VÍDRO PELA TÉCNICA DE PREENCHIMENTO PARA APLICAÇÕES EM MICROFILTRAÇÃO

PROCESSAMENTO DE FILTROS DE VÍDRO PELA TÉCNICA DE PREENCHIMENTO PARA APLICAÇÕES EM MICROFILTRAÇÃO ISSN 1413-6244 Empresa Brasileira de Pesquisa Agrpecuária Centr Nacinal de Pesquisa e Desenvlviment de Instrumentaçã Agrpecuária Ministéri da Agricultura e d Abasteciment Rua XV de Nvembr, 1452 - Caixa

Leia mais

PCR (Polymerase chain reaction) Reação em cadeia da DNA polimerase. Bianca Zingales

PCR (Polymerase chain reaction) Reação em cadeia da DNA polimerase. Bianca Zingales PCR (Polymerase chain reaction) Reação em cadeia da DNA polimerase e suas aplicações Bianca Zingales zingales@iq.usp.br PCR é uma Técnica - Desenvolvida por Kary Mullis e colaboradores em 1983 - É um método

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 3 RESSONÂNCIA SÉRIE E SELETIVIDADE

Roteiro-Relatório da Experiência N o 3 RESSONÂNCIA SÉRIE E SELETIVIDADE Rteir-Relatóri da Experiência N 3 1. COMPONENTES DA EQUIPE: AUNOS NOTA 1 3 4 Prf.: Cels Jsé Faria de Araúj 5 Data: / / : hs. OBJETIVOS:.1. Nesta experiência será mntad um circuit RC série ressnante, a

Leia mais

Alinhamento de Seqüências Biológicas

Alinhamento de Seqüências Biológicas O que se cmpara? Alinhament de Seqüências Bilógicas A cmparaçã de seqüências de DNA, RNA e prteínas é uma das bases da biinfrmática. Citsina Uracila Timina Prfª Drª Silvana Giuliatti Departament de Genética

Leia mais

Caraterização molecular e funcional de variantes alfa de hemoglobina identificadas no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

Caraterização molecular e funcional de variantes alfa de hemoglobina identificadas no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra IV. Resultados Caraterização molecular e funcional de variantes alfa de hemoglobina identificadas no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra 59 Resultados 1. VARIANTES DESCRITAS Indivíduo I 1.1. CASO

Leia mais

o)v.~, ao"'"""", da "',,,",,",, ~'"m, "',''',

o)v.~, ao', da ',,,,,,, ~'m, ',''', /- Brasileira de Pesquisa AgrpeculJria - EMBRAPA )V.~, a"'"""", da "',,,",,",, ~'"m, "',''', Centr Nacinal de Pesquisa de Gad de Crte - CNPGC Rdvia BR '262, km 4 (õ)empresa Caixa Pstal 154 Fne: 10671 763-1030

Leia mais

Estratégia Nacional de Especialização Inteligente. Lisboa, 2 de fevereiro de 2017 José Carlos Caldeira

Estratégia Nacional de Especialização Inteligente. Lisboa, 2 de fevereiro de 2017 José Carlos Caldeira Estratégia Nacinal de Especializaçã Inteligente Lisba, 2 de fevereir de 2017 Jsé Carls Caldeira Estrutura da Apresentaçã I. ENEI: prcess em Prtugal II. Mnitrizaçã e avaliaçã III. Primeirs resultads I.

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Poluição Atmosférica

1 INTRODUÇÃO Poluição Atmosférica 1 INTRODUÇÃO 1.1. Pluiçã Atmsférica Pluiçã atmsférica usualmente significa a presença de cmpsts atmsférics que prejudicam ambiente u s seres viventes. O grau de prejuíz casinad pr um cmpst geralmente depende

Leia mais

Lançamento Coberto de Opções

Lançamento Coberto de Opções Lançament Cbert de Opções RENDA FIXA UTILIZANDO OPÇÕES? ANALISTA RESPONSÁVEL: FABIO FRANCISCO GONCALVES CNPI-P BANRISUL S.A. CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS E CÂMBIO Rua Caldas Junir, 108 Prt Alegre -RS

Leia mais

Lançamento Coberto de Opções

Lançamento Coberto de Opções Lançament Cbert de Opções RENDA FIXA UTILIZANDO OPÇÕES? ANALISTA RESPONSÁVEL: FABIO FRANCISCO GONCALVES CNPI-P BANRISUL S.A. CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS E CÂMBIO Rua Caldas Junir, 108 Prt Alegre -RS

Leia mais

Rumo Resultados 1T17

Rumo Resultados 1T17 Rum Resultads Rum Disclaimer 2 Esta apresentaçã cntém estimativas e declarações sbre perações futuras a respeit de nssa estratégia e prtunidades de cresciment futur. Essas infrmações se baseiam principalmente

Leia mais

Boletim Estatístico Janeiro Março 2014 Cuidados de Saúde Primários (CSP)

Boletim Estatístico Janeiro Março 2014 Cuidados de Saúde Primários (CSP) Bletim Estatístic Janeir Març 2014 Cuidads de Saúde Primáris (CSP) Fnte - SIARS: Dads extraíds a 22/04/2014, s dads pdem estar sujeits a crreçã. Glssári Enquadrament - cnceits Cuidads de saúde primáris

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 71 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 71 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Bletim Ecnômic Ediçã nº 71 mai de 2014 Organizaçã: Mauríci Jsé Nunes Oliveira Assessr ecnômic A Bancarizaçã d país e a disparada das reclamações cntra s bancs 1 Queixas cntra bancs disparam Quand a relaçã

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Alterad nme deste Prcediment

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO MT Tecnologias para melhoria e sustentabilidade do algodão brasileiro.

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO MT Tecnologias para melhoria e sustentabilidade do algodão brasileiro. SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO MT Tecnlgias para melhria e sustentabilidade d algdã brasileir. Evald Kazushi Takizawa Engenheir Agrônm Cnsultr Ceres CONSIDERAÇÕES INICIAIS O amadureciment da ctnicultura

Leia mais

Site:

Site: Código Genético É o conjunto dos genes humanos. Neste material genético está contida toda a informação para a construção e funcionamento do organismo humano. Este código está contido em cada uma das nossas

Leia mais

Regulamento de Frequência Conselheiros de Segurança

Regulamento de Frequência Conselheiros de Segurança Regulament de Frequência Cnselheirs de Segurança www.academiadprfissinal.cm email: academiadprfissinal@ltm.pt V06 31.10.2016 Regulament de Frequência Cnselheirs de Segurança Índice 1- Enquadrament... 3

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos 1 IDENTIFICAÇÃO

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos 1 IDENTIFICAÇÃO Ficha de Infrmações de Segurança de Prduts Químics,2016, 3M Cmpany Direits autrais reservads à 3M Cmpany. A cópia e/u dwnlad desta infrmaçã cm bjetiv de utilizar crretamente s prduts 3M é permitida desde

Leia mais

Rumo Resultados 3T17

Rumo Resultados 3T17 Rum Resultads 3T17 Rum Disclaimer 2 Esta apresentaçã cntém estimativas e declarações sbre perações futuras a respeit de nssa estratégia e prtunidades de cresciment futur. Essas infrmações se baseiam principalmente

Leia mais

Descarte de Pilhas e Baterias: Nós podemos contribuir. Segundo o IBGE, o consumo mundial de pilhas, em 2010, foi de

Descarte de Pilhas e Baterias: Nós podemos contribuir. Segundo o IBGE, o consumo mundial de pilhas, em 2010, foi de Descarte de Pilhas e Baterias: Nós pdems cntribuir Segund IBGE, cnsum mundial de pilhas, em 2010, fi de aprximadamente 10 bilhões de unidades. Iss demnstra quant fazems us desse prdut e a tendência é cresciment

Leia mais

COMPORTAMENTO DE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR NO ARENITO DE BAURU (*)

COMPORTAMENTO DE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR NO ARENITO DE BAURU (*) MPORTAMENTO DE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR NO ARENITO DE BAURU (*) A. L. SEGALLA e R. ALVAREZ, engenheirs-agrônms, Seçã de Cana de Açúcar, Institut Agrnômic RESUMO Neste trabalh sã apresentads s resultads

Leia mais

mundo inteiro com uma variedade de aplicações como clonagem, genotipagem e sequenciamento.

mundo inteiro com uma variedade de aplicações como clonagem, genotipagem e sequenciamento. mundo inteiro com uma variedade de aplicações como clonagem, genotipagem e sequenciamento. necessária para que você possa alcançar o melhor desempenho nesta técnica. AGAROSE A agarose é um polissacarídeo

Leia mais

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética!

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Mais uma vez vais vestir a tua bata de cientista e investigador e preparar o teu dia a dia no laboratório. Hoje é um dia especial, vais receber a

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA GERAL ASSESSORIA DE CADASTRO E LlClTAçOES

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA GERAL ASSESSORIA DE CADASTRO E LlClTAçOES DNITMINISRlO DOS TRANSPORTES ASSESSORIA DE CADASTRO E LlClTAçOES EDIT AL DE CONCORRNCIA INTERNACIONAL NO 272/2003-00 RELATÓRIO DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS E DOCUMENTOS DE QUALIFICAÇÃO 1 Trata-se de licitaça

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos

Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos Aula Prática Demonstrativa: Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos Introdução Profa. Cristina MED- 2017 Detecção de anticorpos (diagnóstico sorológico) Exemplo: detecção de anticorpos em jovem

Leia mais

Primeiros resultados 27/11/2013. Ano Internacional da Estatística 1

Primeiros resultados 27/11/2013. Ano Internacional da Estatística  1 INQUÉRITO À FECUNDIDADE 2013 Primeirs resultads 27/11/2013 2013 An Internacinal da Estatística www.statistics2013.rg 1 O Institut Nacinal de Estatística realizu, em 2013, Inquérit à Fecundidade, cuj principal

Leia mais

OBJETIVOS. a) Padronizar os testes genéticos para as principais síndromes de câncer hereditário e desenvolver novas metodologias diagnósticas.

OBJETIVOS. a) Padronizar os testes genéticos para as principais síndromes de câncer hereditário e desenvolver novas metodologias diagnósticas. OBJETIVOS Objetivo principal: Estabelecer uma rede de laboratórios de suporte à Sub-rede de Aconselhamento Genético em Oncogenética, composta por laboratórios de genética e biologia molecular de instituições

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 4º bimestre

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 4º bimestre ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 4º bimestre Nme: Nº 3 a. Série Data: / /2015 Prfessres: Adriana e Nelsn Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre A - Intrduçã Neste semestre, sua nta fi inferir

Leia mais

Conheça o Programa de Afiliados Ganhos Automáticos passo a passo.

Conheça o Programa de Afiliados Ganhos Automáticos passo a passo. Cnheça Prgrama de Afiliads Ganhs Autmátics pass a pass. O Ganhs Autmátics é um negóci que qualquer pessa pde desenvlver, pis vams dispnibilizar um Kit de Prduts e Serviçs cm fc em Ajudar e Dispnibilizar

Leia mais

Sondagem do Bem-Estar

Sondagem do Bem-Estar 1 PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS NO RIO DE JANEIRO E EM SÃO PAULO A crescente demanda pr melhria ds serviçs públics n Brasil ganhu ainda mair evidência ns dis últims ans, quand a recessã

Leia mais

Marcadores Sociais Douglas Blanco

Marcadores Sociais Douglas Blanco Marcadres Sciais Duglas Blanc Os Marcadres Desigualdade de Classe; Desigualdade de Gêner; Desigualdade de Geraçã; Desigualdade Racial; Desigualdade de Orientaçã Sexual; Desigualdade de Classe Distribuiçã

Leia mais

Crescimento e renovação celular o O DNA

Crescimento e renovação celular o O DNA Bilgia 11 Cresciment e renvaçã celular O DNA Cmpsiçã d DNA Nucleótids: tem um grup fsfat, uma desxirribse e uma base aztada. O que diferencia s 4 nucleótids de DNA é a Base Aztada, que pde ser: adenina,

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 (VALE Internacionalização) Página 1 de 8. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 (VALE Internacionalização) Página 1 de 8. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 (VALE Internacinalizaçã) Página 1 de 8 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ZOO465 Biotecnologia Aplicada ao Melhoramento Animal

Programa Analítico de Disciplina ZOO465 Biotecnologia Aplicada ao Melhoramento Animal 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Zootecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 2 5 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Avaliação de reagentes anti-d na detecção dos antígenos D fraco e D parcial

Avaliação de reagentes anti-d na detecção dos antígenos D fraco e D parcial Barros C et al Rev. bras. hematol. hemoter. 2006;28(4):269-274 Artigo / Article Avaliação de reagentes anti-d na detecção dos antígenos D fraco e D parcial Evaluation of anti-d reagents in the detection

Leia mais