PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS. Processo: Data: Outubro 10 Rev: A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A"

Transcrição

1 Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de Faro - RF Contrato 101/9/CN019 PROJECTO DE EXECUÇÃO PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS Processo: Rev: A

2 INDICE 1. REDE DE DRENAGEM DE ESGOTOS DOMÉSTICOS TUBAGEM EM PP REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS TUBAGEM EM PVC SN6 ENTERRADA CAIXAS DE REUNIÃO, INSPECÇÃO E VISITA... 1

3 1. REDE DE DRENAGEM DE ESGOTOS DOMÉSTICOS 1. DISPOSIÇÕES GERAIS As redes dos esgotos domésticos dos edifícios serão executadas de acordo com o fixado no projecto. As canalizações serão embebidas na construção, salvo determinação expressa em contrário. Os roços deverão ser estabelecidos em locais aprovados pela fiscalização e de forma a não se diferenciarem do resto da parede. Deverá ainda prever-se e executar-se a ventilação da rede constituída pelas tubagens indicadas no projecto. A natureza e calibre das tubagens a empregar, quer na rede de esgotos propriamente dita quer na sua ventilação estão fixados no projecto. A construção das caixas de visita deverá obedecer ao indicado nas Condições Gerais deste caderno de encargos. A rede de esgotos uma vez concluída deverá ser submetida aos ensaios fixados no Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e Drenagem de Águas Residuais. Os tubos que então se fracturarem, ou que não forem estanques, serão substituídos, e refeitas as juntas que deixarem passar água ou fumo. Salvo indicação expressa em contrário do projecto, competirá também ao adjudicatário a abertura de todos os roços e furos em paredes, pavimentos e tectos para assentamento e passagem das canalizações e seus acessórios, seu tapeamento e acabamento dos paramentos que deverão ficar com as mesmas características e aspecto que tinham anteriormente. Todos os tubos de queda serão prolongados sem diminuição do seu diâmetro até ao interior das chaminés, pelo que não serão visíveis do exterior. A ligação dos tubos de ventilação aos de esgoto far-se-à no mínimo a 1,0 m da última inserção dum ramal ou sifão nesse tubo. As dimensões dos tubos, inclinações, pontos de inserção, etc., serão as indicados no Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e Drenagem de Águas Residuais. As redes deverão ser construídas de tal modo que sejam facilitadas as lavagens periódicas e eventuais desobstruções, em toda a extensão, observando-se a colocação de bocas de limpeza e/ou tampas de varejamento, ainda que não indicadas nas peças desenhadas, e adoptando-se as seguintes disposições construtivas: a) Colocação de caixas de visita em betão ou alvenaria de tijolo maciço, interiormente rebocadas com argamassa de cimento e areia ao traço 1:3 e com caleiras no fundo, em continuidade de canalização concordantes com as paredes laterais, em todas as curvas e ligações e com certo espaçamento nos troços rectos, de acordo com as indicações das peças desenhadas. As caixas suspensas seräo em betão armado, ferro fundido, fibra de vidro ou PVC rígido; Sempre que sejam colocadas à vista em estacionamentos, deverão ser devidamente protegidas mecanicamente contra impactos. b) Colocação de bocas de limpeza em: - Nos colectores horizontais, colocadas a jusante das ligações dos tubos de queda, em todas as mudanças de direcção e, no máximo, espaçadas entre si de 15 metros; 6 - Nos tubos de queda, no mínimo de três em três pisos e sempre que estes apresentem mudanças de direcção; - Nas ligações dos tubos de queda às caixas de visita, sempre que esta distância exceda 10 vezes o diâmetro do tubo. 1

4 6 Ficheiro: PE.RE.CT_00(EARedPl).docx Rev: A As bocas de limpeza não dispensam a instalação das caixas de passagem, sempre que estas venham indicadas nas peças desenhadas. c) Colocação de juntas de dilatação em: - Prumadas verticais, de 6 em 6 metros, se se tratar de tubo de queda em Geberit PEAD; 2. TELAS FINAIS Findas as montagens, compete ao Adjudicatário entregar ao Dono de Obra, plantas actualizadas com os traçados definitivos de todas as instalações efectuadas. 2

5 2. TUBAGEM EM PP 1. CONSTITUIÇÃO Os tubos e ligações em PP autoextingível são produtos produzidos em: - Polipropileno homopolímero - Polipropileno copolímnero 2. NOMENCLATURA E DIMENSÕES Os tubos em PP apresentam as seguintes informações: - A classe de acordo com a EN 1451; - O tipo de aplicação (B); - Material; - Diâmetro externo e espessura; - A marca da fábrica; - O periodo de produção; - A linha de produção; - Normas de qualidade do produto. As ligações em PP apresentam as seguintes informações: - A classe de acordo com a EN 1451; - Os diâmetros das ligações; - O tipo de aplicação (B); - Material; - O ângulo característico; - A marca da fábrica; - O periodo de produção; 3

6 Os diâmetros nominais, as espessuras nominais e as relativas tolerâncias dos tubos PP estão definidos na seguinte tabela. Estes valores estão em conformidade com a EN CARACTERÍSTICAS Tubagem PP Diâmetro externo Diâmetro externo médio (mm) min. máx. Espessura (mm) ,3 1,8+0, ,3 1,8+0, ,3 1,8+0, ,4 1,9+0, ,4 2,2+0, ,4 2,7+0, ,4 3,1+0, ,5 3,9+0,6 A tubagem utilizada tem as seguintes características físicas: - Peso específico 0,900 a 0,950 g/cm 3 - Alongamento à rotura > 48% - Resistência à tracção > 15 Mpa - Módulo de elasticidade 1300 Mpa - Coeficiente de dilatação térmica linear 0,11 mm/mk - Autoextiguência < 12 seg - Temperatura máxima de seviço 95 ºC - Comportamento à combustão (DIN 4102) Classe B1 Os tubos e uniões PP resistem à corrosão de ácidos, agentes oxidantes e redutores inorgânicos. O tubo PP possui paredes internas e externas lisas e sem rugosidade; isto faz com que as instalações de descarga realizadas com este sistema apresentem baixas perdas de carga e as incrustações tendam a não se formar nas suas paredes. Os tubos PP são resistentes à água quente em conformidade com as normas DIN 1986 (amplitude de uso de 0 ºC a 95 ºC). 4

7 4. SISTEMA DE LIGAÇÃO Todas as uniões realizar-se-äo por encaixe, permitindo uma montagem rápida e segura de todo o sistema de descarga. As bocas dos tubos e das uniões possuem uma vedação de ângulo (lip seal), previamente montada na fábrica. O corte dos tubos deve ser perpendicular ao eixo e efectuado com normais corta-tubos ou simples serrotes. Para favorecer a introdução da boca (tubos ou uniões), deve ser realizado um chanfro no tubo. O procedimento para executar o encaixe entre tubos expandidos, deverá ser o seguinte: a) Limpar a boca e o anel de vedação, assim como controlar o seu estado; b) Limpar a extremidade do tubo ou da união a encaixar; c) Aplicar fluidificante VALSIR na extremidade do tubo a encaixar e no anel de vedação (não utilizar graxas ou outros lubrificantes); d) Encaixar o tubo até ao fundo da boca; e) Extracção do tubo de 10 mm aproximadamente (para compensação das dilatações). Nota: Para as instalações em coluna o tubo deve ser fixado à parede para que não descaia, privando o sistema do espaço de dilatação. Fig.1 - Ligação de tubos e uniões O procedimento para executar o encaixe entre tubos lisos (sem bocas), utilizado uma luva de dupla junção, deverá ser o seguinte: a) Limpar as extremidades do tubo sem chamfro de encaixe;. b) Controlo do estado da união e eventual limpeza das suas extremidades; c) Montagem da luva no tubo de encaixar; d) Aplicar uma pequena quantidade de fluidificante VALSIR no interior da união (não utilizar graxas ou outros lubrificantes); e) Aplicar uma pequena quantidade de fluidificante VALSIR na embocadura da luva; f) Encaixar a união do tubo até bater no fundo e controlar o encaixe na luva; g) Aplicar fluidificante VALSIR na vedação de ângulo (lip seal) montada na parte oposta; h) Encaixar até ao fundo do tubo ou da união. 5

8 5. INSTALAÇÃO 5.1. Instalação no interior de argamassas Para pequenas distribuições internas nas casas de banho e nas cozinhas, as tubagens podem ser directamente embutidas nas argamassa sem que surjam inconvenientes. Nas tubagens onde passam geralmente escoamentos a elevadas temperaturas, deve-se efectuar uma cobertura com papel espesso ou cartão canelado, de modo a permitir a livre dilatação do tubo Fixação dos tubos Os tubos de PP seräo mantidos nas suas posiçöes quer horizontalmente, quer verticalmente, por meio de abraçadeiras do tipo ISOFIX revestidas internamente com isolamento, ou equivalente. As abraçadeiras destinam-se unicamente a garantir a estabilidade mecânica das tubagens. As indicações para a fixação vertical e horizontal dos tubos, deverão ser as seguintes: 1. Fixar os tubos horizontais adoptando uma distância entre as abraçadeiras igual a 10 vezes o diâmetro do tubo. Para condutas verticais adoptar uma distância de 1 a 2 m em função do diâmetro do tubo a ser colocado; 2. Fixar as abraçadeiras nas paredes do edifício; 3. No caso de tubagens verticais que atravessem vários andares, montar uma abraçadeira de guia perto das bocas e uma segunda abraçadeira na distância atrás aconselhada. Neste caso, a fixação às lajes constitui por si uma ancoragem a um ponto fixo; 4. Se o atravessamento das lajes é feito com manga, deve-se montar uma abraçadeira a um ponto fixo e uma abraçadeira guia por cada tubo. Os primeiros devem ser montados debaixo das uniões ou das duplas junções e as últimas nas extremidades inferiores dos tubos. Nota: A passagem dos tubos através das lajes de pavimento, tectos, etc., deve ser estanque contra a humidade e o ruído, utilizando mangas e materiais de enchimento térmicos e redutores de sonoridade. Fig.2 - Fixação dos tubos 6 6

9 6. LIGAÇÃO AOS TUBOS DE QUEDA O tipo de ligação dos ramais ao tubo de queda não só influencia o caudal escoado como também o nível de ruído no sistema. De seguida apresentam-se diferentes soluções de ligação e as respectivas considerações em relação ao seu funcionamento: SOLUÇÃO A SOLUÇÃO B SOLUÇÃO C SOLUÇÃO A - O acessório em "T", caracterizado por ângulos de ligação entre 87º and 88,5º, é a solução mais recomendada na qual é facilitada a circulação do ar, mantem a velocidade do escoamento baixa e permite níveis de ruído baixos comparando com outras soluções. SOLUÇÃO B - O acessório em forquilha, caracterizado por ângulos menores do que o "T" (45º por exemplo), apesar de possibilitar escoamentos cerca de 30% superiores não é recomendado uma vez que limita a circulação de ar e aumenta o nível de barulho. Isto porque o escoamento é acelerado e colide com as paredes verticais do tubo de queda na zona de emissão. Esta solução, para além disso, é mais dispendiosa que a anterior porque requer a utilização de mais uma acessório que é a curva a 45º. SOLUÇÃO C - Se possível, ligações com acessórios em forquilha de diâmetros reduzidos devem ser excluídas uma vez que existe o risco de fecho hidráulico na zona de emissão com a consequente aspiração dos sifões ligados ao ramal. Mais uma vez neste caso o escoamento é acelerado na secção oblíqua causando um aumento no nível de ruído devido à colisão com as paredes do tubo de queda. 7. LIGAÇÃO ÀS CAIXAS DE SANEAMENTO OU ÁGUAS PLUVIAIS Na inserção dos tubos PP nas caixas de saneamento, face à fraca aderência do cimento ao polipropileno, a superfície exterior do tubo a inserir deve ser previamente revestida com uma camada de cola apropriada e seguidamente polvilhada com areia fina e seca. Na interligação de duas caixas suspensas, devem colocar-se juntas de dilatação, a cerca de 25 cm de cada inserção, para neutralizarem os efeitos das variações térmicas, quer do betão, quer do PP. 7

10 8. ENSAIOS DOS COLECTORES Para verificação da vedação das juntas dos colectores, serão estes e bem assim os seus acessórios, sujeitos às provas fixadas no Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e Drenagem de Águas Residuais. Todos os defeitos ou deficiências então verificados, quer na execução das juntas das canalizações, quer nas dos seus acessórios, serão imediatamente remediados pelo empreiteiro. 9. TRANSPORTE E ARMAZENAGEM O transporte deve ser feito de modo a que os tubos näo sofram deformaçöes ou danos. Na descarga devem ser observados os mesmos cuidados, evitando atirar os tubos para o chão. É necessário preparar o local de armazenamento nivelando o pavimento, a fim de evitar a deformação dos tubos. A sobreposição dos tubos far-se-á do mesmo modo que no transporte, não ultrapassando uma altura de 1,7 m. Não é permitido o armazenamento prolongado em locais expostos ao raios solares. 8

11 3. REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS 1. DISPOSIÇÕES GERAIS As redes das águas pluviais dos edifícios serão executadas de acordo com o fixado no projecto. Os tubos de queda serão à vista, salvo determinação expressa em contrário. Sempre que sejam colocados à vista, estes tubos serão em ferro fundido centrifugado com juntas rápidas do tipo DukerRapid. A rede uma vez concluída deverá ser submetida aos ensaios fixados no Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e Drenagem de Águas Residuais. Os tubos que então se fracturarem, ou que não forem estanques, serão substituídos, e refeitas as juntas que deixarem passar água ou fumo. Salvo indicação expressa em contrário do projecto, competirá também ao adjudicatário a abertura de todos os roços e furos em paredes, pavimentos e tectos para assentamento e passagem das canalizações e seus acessórios, seu tapeamento e acabamento dos paramentos que deverão ficar com as mesmas características e aspecto que tinham anteriormente. As redes deverão ser construídas de tal modo que sejam facilitadas as lavagens periódicas e eventuais desobstruções, em toda a extensão, observando-se a colocação de bocas de limpeza e/ou tampas de varejamento, ainda que não indicadas nas peças desenhadas, e adoptando-se as seguintes disposições construtivas: a) Colocação de caixas de visita em betão ou alvenaria de tijolo maciço, interiormente rebocadas com argamassa de cimento e areia ao traço 1:3 e com caleiras no fundo, em continuidade de canalização concordantes com as paredes laterais, em todas as curvas e ligações e com certo espaçamento nos troços rectos, de acordo com as indicações das peças desenhadas. As caixas suspensas seräo em betão armado, ferro fundido, fibra de vidro ou PVC rígido; Sempre que sejam colocadas à vista em estacionamentos, deverão ser devidamente protegidas mecanicamente contra impactos. b) Colocação de bocas de limpeza em: - Nos colectores horizontais, colocadas a jusante das ligações dos tubos de queda, em todas as mudanças de direcção e, no máximo, espaçadas entre si de 15 metros; - Nos tubos de queda, no mínimo de três em três pisos e sempre que estes apresentem mudanças de direcção; - Nas ligações dos tubos de queda às caixas de visita, sempre que esta distância exceda 10 vezes o diâmetro do tubo. As bocas de limpeza não dispensam a instalação das caixas de passagem, sempre que estas venham indicadas nas peças desenhadas. 9

12 2. TELAS FINAIS Findas as montagens, compete ao Adjudicatário entregar ao Dono de Obra, plantas actualizadas com os traçados definitivos de todas as instalações efectuadas TUBAGEM EM PVC SN6 ENTERRADA 1. CONSTITUIÇÃO O cloreto de polivinilo dos tubos de PVC rígido não conterá plastificantes mas poderá, eventualmente, ter adicionado estabilizadores, cargas e pigmentos, em proporções convenientes. Sempre que os tubos se destinem ao transporte de água potável, o material constituinte dos tubos deverá ser inócuo perante a água. 2. DIMENSÕES E TOLERÂNCIAS Independentemente do tipo de plástico a série dos diâmetros mínimos exteriores dos tubos, que coincide com a dos diâmetros nominais, é a que consta da Norma NP As tolerâncias dos diâmetros exteriores dos tubos de polietileno são as indicadas no Nº 4.1 da Norma P e dos tubos de PVC rígido são dadas por: tendo d o significado daquela norma. 0,3 mm + 0,015 d As tolerâncias da espessura que seja o tipo de plástico, são as indicadas também no nº. 4.2 da Norma P-691. Porém, no caso de tubos de PVC rígido, quando se prever a abertura de roscas, para execução de uniões, o valor de e será acrescido dum valor igual ao da profundidade dos sulcos. Para os tubos de PVC rígido até 315 mm de diâmetro exterior, o quadro seguinte dá os correspondentes valores dos diâmetros e espessuras conforme o que se referiu (mm). Diâmetro exterior Diâmetro interior Espessura ,6 3, ,6 3, ,8 4, ,6 4, ,2 5, ,4 7, ,6 9,2 10

13 6 Ficheiro: PE.RE.CT_00(EARedPl).docx Rev: A 3. CLASSES DE PRESSÃO NOMINAL Independentemente do tipo de plástico a série de pressão nominal é a indicada no Nº.4 da Norma NP TIPOS DE LIGAÇÕES Todas as juntas realizar-se-äo por acoplamento ou enfiamento da ponta macho noutro tubo, com interposiçäo dum anel de neoprene que deve garantir a livre dilataçäo e perfeita estanquidade. Só em casos excepcionais e de acordo com o parecer favorável da Fiscalizaçäo seräo permitidas soldaduras ou colagens. Como o PVC rígido tem coeficiente de dilatação e contracção superiores aos materiais tradicionais, as instalações dos tubos deverão ser executadas com juntas de dilataçõo capazes de obviar a ocorrência de roturas. Assim, cada tubo de 3 metros deverá penetrar na fêmea de modo a deixar uma folga mínima de 10 mm, constituindose em cada embocadura uma juntas de dilatação cuja estanqueidade é assegurada por um retentor de borracha sintética (anel de neoprene). Nas ligações por acoplamento, deverão ser seguidas as instruções subsequentes: a) Limpar cuidadosamente, com diluente especial, o interior da cabeça de acoplamento, o retentor de neoprene e a ponta macho do outro tubo ou de acessório. b) Inserir o retentor na respectiva sede. c) Para facilitar o acoplamento, aplicar uma ligeira camada de vaselina sólida ou óleo de rícinio, no bordo chanfrado da ponta macho do tubo ou acessório. d) Centrar as duas pontas procedendo entäo ao enfiamento da ponta macho, até sentir que faz batente. e) Seguidamente, voltar a desenfiá-la cerca de 1 centímetro de modo a permitir as futuras dilataçöes e contracçöes. 5. DEPÓSITOS DE TERRAS As terras ou quaisquer outros produtos das escavações a depositar, serão dispostas de modo a que não prejudiquem terceiros nem possam cair sobre as vias públicas, obstruindo as valetas ou embaraçando o escoamento das águas 6. ATERROS O aterro à volta e por cima das canalizações, tubagens ou peças acessórias, até uma altura mínima de 0,20 m, sobre o seu extradorso, deverá ser feito com terra solta, cirandada se for necessária, bem regado e batido em camadas de 0,20 m de espessura. A terra cirandada poderá ser obtida a partir dos produtos de escavação por meio de cirandas com malhas de dimensão igual ou inferiores a 1,5 cm e deverá ser isenta de pedras. No restante aterro da trincheira até ao nível do terreno, serão empregados, indiferentemente, os produtos provenientes da sua abertura, isento de pedras de grandes dimensões, igualmente por camadas de 0,20 m bem regadas e batidas. A carga das trincheiras só poderá ser executada mediante autorização da fiscalização, após os ensaios de tubagem. 11

14 6 Ficheiro: PE.RE.CT_00(EARedPl).docx Rev: A 7. ENTIVAÇÕES As entivações que eventualmente sejam necessárias para a execução dos trabalhos da empreitada, deverão ser efectuadas com solidez e de forma a garantir a perfeita segurança do pessoal. As madeiras a empregar nas entivações deverão ter dimensões adequadas e não apresentarem defeitos que possam comprometer a segurança no trabalho. A Fiscalização reserva-se o direito de indicar os locais a entivar e de fazer substituir a entivação por conveniente alargamento da vala, sem qualquer aumento do custo da obra. As despesas com as entivações que porventura tenham que fazer-se serão suportadas pelo adjudicatário, sem aumento do valor da proposta. 8. ESTABELECIMENTO DO TRAÇADO PARA CANALIZAÇÕES DE ESGOTOS A instalação dos colectores de esgotos, caixas de reunião, inspecção e visita será feita à profundidade indicada no projecto. Para esse efeito a fiscalização deverá acompanhar o adjudicatário no estabelecimento do traçado dos colectores que será sempre indispensável fazer, devendo colocar-se uma estaca numerada na extremidade de cada alinhamento e em todos os perfis indicados no projecto a executar, verificando-se se as indicações fornecidos pela planta e perfis longitudinais, concordam com os resultados das operações efectuadas no terreno. Corrigidas quaisquer diferenças, se as houver, referir-se-ão a objectos fixos, a posição das caixas de visita, de queda e de ligação aos ramais dos prédios, bem como a cota das suas soleiras. 9. ASSENTAMENTO DE COLECTORES DE ESGOTOS Deverá evitar-se que o mesmo tubo se apoie directamente em terrenos de natureza variável. Quando o terreno, pela sua natureza, não assegure as necessárias condições de estabilidade dos tubos, e respectivos acessórios terá então que ser previamente consolidado, por processo a aprovar pela fiscalização. A descida às trincheiras de quaisquer tubos ou peças acessórias, deverá ser sempre precedida de uma cuidadosa inspecção, a fim de se verificar se possuem qualquer defeito, e bem assim se têm as dimensões, com as tolerâncias para mais ou para menos, permitidas neste caderno de encargos. Os abocardamentos ficarão sempre para montante. A colocação das tubagens no fundo das trincheiras será feita por forma que cada trainel fique perfeitamente rectilíneo, não sendo permitido o emprego de calços ou cunhas de qualquer material duro no seu assentamento. A concordância dos trainéis dos colectores far-se-á por intermédio das caleiras de secção semicircular, moldadas nas soleiras das câmaras de inspecção e queda. Quando os eixos dos colectores tiverem alinhamentos diferentes, a caleira de concordância será circular e tangente aos eixos dos colectores, junto das paredes das câmaras de inspecção ou queda. Deverá haver especial cuidado, por forma que, entre cada duas câmaras de inspecção ou queda consecutivas, não haja mais de um trainel nem mais de um alinhamento rectilíneo. 12

15 10. LIGAÇÃO ÀS CAIXAS DE SANEAMENTO OU ÁGUAS PLUVIAIS Na inserção dos tubos de PVC rígido nas caixas de saneamento, face à fraca aderência do cimento ao PVC, a superfície exterior do tubo a inserir deve ser previamente revestida com uma camada de cola apropriada e seguidamente polvilhada com areia fina e seca. Na interligação de duas caixas suspensas, devem colocar-se juntas de dilatação (cabeças de acoplamento), a cerca de 25 cm de cada inserção, para neutralizarem os efeitos das variações térmicas, quer do betão, quer do PVC ENSAIOS DOS COLECTORES Para verificação da vedação das juntas dos colectores, serão estes e bem assim os seus acessórios, sujeitos às provas fixadas no Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e Drenagem de Águas Residuais. Todos os defeitos ou deficiências então verificados, quer na execução das juntas das canalizações, quer nas dos seus acessórios, serão imediatamente remediados pelo empreiteiro. 12. COLOCAÇÃO EM OBRA Quando se proceder à instalação dos tubos de PVC na fase de betonagem deverão ser tomadas as seguintes precauções: a) Os tubos e acessórios devem ser assentes de modo a não ficarem sujeitos a tensões, respeitando-se o alinhamento natural das cabeças de acoplamento. b) As cabeças de acoplamento devem ser isoladas envolvendo-se, por exemplo, com papel de sacos de cimento, a fim de permitirem o "passeio térmico" das tubagens. c) A massa de betäo, imediatamente adjacentes aos tubos, deve ser pobre, tendo o cuidado de näo fazer incidir directamente sobre as operações de vibração ou apiloamento. d) Quando colocados em vala deverão ser assentes numa camada de areia com a espessura mínima de 0,05 m. 13. TRANSPORTE E ARMAZENAGEM O transporte deve ser feito de modo a que os tubos näo sofram deformaçöes ou danos. Para tal, devem ser colocados em camadas em que só as zonas lisas dos tubos fiquem sobrepostas (cabeças de acoplamento colocadas em oposição por cada camada). Na descarga devem ser observados os mesmos cuidados, evitando atirar os tubos para o chão. É necessário preparar o local de armazenamento nivelando o pavimento, a fim de evitar a deformação dos tubos. A sobreposição dos tubos far-se-á do mesmo modo que no transporte. Não é permitido o armazenamento prolongado em locais expostos aos raios solares. 13

16 5. CAIXAS DE REUNIÃO, INSPECÇÃO E VISITA 1. DISPOSIÇÕES GERAIS As caixas obedecerão ao disposto no Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e Drenagem de Águas Residuais e às Especificações E 151, 152 e 153 do L.N.E.C.. Serão implantadas nos locais fixados no projecto, de acordo com as disposições e dimensões nele estabelecidas. As caixas dos colectores serão executadas com paredes de alvenaria de tijolo com argamassa de cimento a 1/5 ou em betão de 250 kg/m³, fundo de betão de 250 kg/m³, com 0,15 de espessura rebocados internamente com argamassa de cimento ao traço de 1/5, incluindo impermeabilizante homologado pelo L.N.E.C. O fundo das caixas terá caleiras de ligação entre os colectores de entrada e saída, e altura igual ao Ø do colector de saída. Serão munidas de tampas metálicas providas de argolas ou outro dispositivo para fácil remoção. Estas tampas serão assentes por forma a ficarem bem ajustadas e vedadas, empregando-se porém, produtos de fácil remoção. As caixas estabelecidas nas faixas de rodagem levarão sempre tampas metálicas próprias para arruamentos. Em alternativa, poderão ser utilizadas caixas pré-fabricadas de betão, desde que aprovadas pela fiscalização. 14

SP8 (redes de águas e esgotos) a o Praça D. Manuel I, 48 - Novelhos, S. Paio 4970-595 Arcos de Valdevez Tel. 258 521 811 Fax 258 521 818

SP8 (redes de águas e esgotos) a o Praça D. Manuel I, 48 - Novelhos, S. Paio 4970-595 Arcos de Valdevez Tel. 258 521 811 Fax 258 521 818 SP8 (redes de águas e esgotos) 1- REDE DE ESGOTOS DE ÁGUAS RESIDUAIS ( domésticas ) Este artigo destina-se a estabelecer as condições a que devem satisfazer os trabalhos de fornecimento e montagem das

Leia mais

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à instalação de tubagem e realização de ensaios em redes de colectores nos sistemas de drenagem de águas residuais domésticas. Tem por objectivo garantir a boa

Leia mais

ACESSÓRIOS em plástico para CHÃO TERRAÇO CAIXA DE VISITA COM TAMPA REFORÇADA CAIXA DE VISITA COM GRELHA REFORÇADA CAIXA DE VISITA DE ÁGUAS PLUVIAIS CAIXA DE VISITA COM TAMPA DE PASSEIO Acessórios em plástico

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA 1. ÂMBITO DA NOTA TÉCNICA A presente nota técnica diz respeito aos princípios gerais orientadores

Leia mais

Guiade Projectoe Obra ANEXO II PORMENORES CONSTRUTIVOS

Guiade Projectoe Obra ANEXO II PORMENORES CONSTRUTIVOS Guiade Projectoe Obra ANEXO II ES CONSTRUTIVOS GUIADEPROJECTOEOBRA GPO- ANEXO II ES CONSTRUTIVOS Ediçãon.º1 Versãon.º0 Data: Nov/10 ÍNDICE PA1 AbastecimentodeÁgua Caixadecontador PA2 AbastecimentodeÁgua

Leia mais

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas A) Abastecimento de Água + Drenagem de Águas Residuais Domésticas + Drenagem de Águas Pluviais 1. Requerimento (*) 2. Termo de responsabilidade (*): 2.1 Independente por especialidade apresentada 2.2 Legislação

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TRITUBO

MANUAL TÉCNICO TRITUBO MANUAL TÉCNICO ÍNDICE 1.GENERALIDADES.. 1.1 Definições. 1.2 Âmbito de aplicação... 1.3 Características gerais do material. 1.4 Dimensões... 2. MANUSEAMENTO. 3. ARMAZENAMENTO. 4. TRANSPORTE.. 5. INSTALAÇÃO..

Leia mais

PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ ÍNDICE 1) Planta de Localização 2) Termo de Responsabilidade

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais;

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais; Para efeitos do Regulamento Técnico Relativo ao Projecto, Construção, Exploração e Manutenção das Instalações de Gás Combustível Canalizado em Edifícios, entende-se por: Acessibilidade de grau 1 - situação

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

Aquecimento Ventilaçгo Ar Condicionado

Aquecimento Ventilaçгo Ar Condicionado Aquecimento Ventilaçгo Ar Condicionado 2015 Esta gama de produtos está destinada às tubagens flexíveis e rígidas para ventilação, ar condicionado e aquecimento. Tubos flexíveis Alumínio Compacto - página

Leia mais

CD18R00 GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS

CD18R00 GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS ÍNDICE 1. Generalidades... 3 2. Características Gerais da Tubagem... 3 3. Características Hidráulicas... 4 4. Características Geométricas... 4 5. Transporte e Armazenamento...

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Canalizações ITED Ricardo Oliveira Canalizações - Conceitos Classificação de PD Pontos de distribuição Classifica-se como

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3.

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3. PROJECTO DA REDE PREDIAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Memória Descritiva e Justificativa COMUNICAÇÃO PRÉVIA, Mata do Duque 2ª Fase, 58A 59B, Santo Estêvão, Benavente Requerente: Karen Simpson

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 2 2 REDE SECA... 2 3 REDE HÚMIDA... 6

1 INTRODUÇÃO... 2 2 REDE SECA... 2 3 REDE HÚMIDA... 6 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir, na ausência de normas portuguesas, quais os requisitos e especificações a que deve obedecer a instalação de secas e húmidas, para uso do serviço

Leia mais

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm www.geoplast.it ELEVETOR O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm ELEVETOR é um sistema combinado de cofragens

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 258 PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Dono da Obra: CÂMARA MUNICIPAL DE COIMBRA Empreitada: Repavimentação da Rua da Alegria incluindo remodelação de infra-estruturas Localização:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 29 de Maio de 2007 Página 1 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

Técnica de escoamento

Técnica de escoamento Catálogo 2011/2012 Técnica de escoamento Advantix Sumidouros 2 Código EAN O código EAN é composto pelo número do fabricante 4015211 e pelo número do artigo, como neste exemplo 305611. A alteração dos últimos

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

GUIA DE PROJECTO E OBRA

GUIA DE PROJECTO E OBRA GUIA DE PROJECTO E OBRA Processos de Loteamento Direcção de Engenharia 2010 ÍNDICE 1. Âmbito de Aplicação e Objectivos... 3 2. Competências e Responsabilidades... 3 2.1 Projectista... 3 2.2 ÁGUAS DO SADO...

Leia mais

Composição. Paredes. Cobertura. Parafusos. Fundo. Betonagem da base. Juntas

Composição. Paredes. Cobertura. Parafusos. Fundo. Betonagem da base. Juntas Depósitos em Aço Composição Paredes Chapa de aço galvanizada a quente, ondulada em perfil 18/76-R18 de desenho especial que lhe confere grande resistência e capacidade forte da chapa. Isto deve-se essencialmente

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ ÍNDICE 1) Planta de Localização 2) Termo de

Leia mais

Tubagens em PVC Liso para Redes de Drenagem com Escoamento em Superfície Livre

Tubagens em PVC Liso para Redes de Drenagem com Escoamento em Superfície Livre ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS Tubagens em PVC Liso para Redes de Drenagem com Escoamento em Superfície Livre ESPMAT101-04 ESPTRA102 1. OBJETIVO Esta especificação decorre do SGI e tem como objetivo

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras;

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Vinilfort Localização no Website Tigre: Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto VINILFORT Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Aplicações: Ligações prediais, redes coletoras, interceptores

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

Enunciar as formas de proteção e sinalização adequadas aos diversos tipos de marcos e bocas de incêndio.

Enunciar as formas de proteção e sinalização adequadas aos diversos tipos de marcos e bocas de incêndio. OBJETIVO Definir quais os tipos e especificações técnicas dos modelos de hidrantes exteriores, de modo a cumprirem com a Regulamentação Nacional e Comunitária. Enunciar as formas de proteção e sinalização

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura P812 BAVIERA EXPO Projecto de Execução da Reparação da Abril 2014 MEMÓRIA DESCRITIVA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MEDIÇÕES ANEXOS ÍNDICE DE PEÇAS DESENHADAS ÍNDICE Memória Descritiva... 6 1 Introdução...

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta A base universal para a aplicação de cerâmica No ponto! Seja no caso de mosaicos ou cerâmicas de grande formato, o que é decisivo para

Leia mais

SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE

SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE F SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE renolit waterproofing EXCELLENCE IN ROOFING 1 SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE INFORMAÇÃO DO PRODUTO alkorplan F 35276 Membrana sintética de impermeabilização, à base de PVC-P, armada

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Catarina Aguiar Bentes A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios do 11º Mestrado em Construção

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 188/08 de 9 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposição técnica relativa a instalação, a exploração e ensaio dos postos de redução

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

Centrais Elevatórias de Efluentes

Centrais Elevatórias de Efluentes Centrais Elevatórias de Efluentes Série Ambibox A P L I C A Ç Õ E S Elevação para a rede pública de colectores Indústria Povoações Loteamentos habitacionais Parques de Campismo Garagens Caves, etc... C

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (PRINCIPAL) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (CONTINUAÇÃO) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA PAULO AMITH PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM

Leia mais

RECOMENDAÇÕES CONSTRUTIVAS

RECOMENDAÇÕES CONSTRUTIVAS RECOMENDAÇÕES CONSTRUTIVAS O presente documento visa fornecer algumas indicações construtivas para uma correta conceção de uma rede predial. Desde já se pressupõe que a obra deve decorrer de acordo com

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 194/08 De 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao projecto, construção, exploração e manutenção das instalações

Leia mais

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 LIGAÇÕES PREDIAIS PÁGINA 1/49 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 17 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1701 a 1714 LIGAÇÃO PREDIAL DE

Leia mais

Normativo técnico. Anexo 2 Versão 1.2012 FIRST RULE S.A.

Normativo técnico. Anexo 2 Versão 1.2012 FIRST RULE S.A. Normativo técnico Anexo 2 Versão 1.2012 Índice 1 Introdução... 3 2 Preparação dos pedidos de disponibilidade... 3 2.1 Espaço disponível... 4 3 Instalação de cabos e equipamentos... 5 3.1 Câmaras de Visita...

Leia mais

CAPÍTULO XII DRENAGEM DAS CONSTRUÇÕES ENTERRADAS

CAPÍTULO XII DRENAGEM DAS CONSTRUÇÕES ENTERRADAS CAPÍTULO XII DRENAGEM DAS CONSTRUÇÕES ENTERRADAS 12.1 INTRODUÇÃO A água no solo proveniente da precipitação sob a forma de chuva, neve, nevoeiro, orvalho e durante todo o seu ciclo é o pior inimigo nas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Termoacumulador para água quente sanitária Logalux LT 35-300 Para os técnicos especializados Leia atentamente antes da montagem e da manutenção 630 337-0/000 PT/BR

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: - acessíveis a veículos (ligeiros ou pesados);

As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: - acessíveis a veículos (ligeiros ou pesados); 9. COBERTURAS DE EDIFÍCIOS 9.1. CLASSIFICAÇÃO DAS COBERTURAS EM TERRAÇO As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: quanto à acessibilidade - não acessíveis (à excepção de trabalhos

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 10CB.11.--.--.

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 10CB.11.--.--. 10CB.11.-- TÍTULO10CB REVESTIMENTO DE COBERTURAS CAPÍTULO.1-. BASES PARA COBERTURAS INCLINADAS SUB.CAPº.11. MADEIRAMENTO DO TELHADO I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por metro quadrado (m2) das

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

Situação errada: piso escorregadio

Situação errada: piso escorregadio A calçada deve ser construída a partir do meio-fio (guia) de concreto pré-moldado instalado pela Prefeitura ou pelo loteador, que faz parte do acabamento com 15cm de altura entre o passeio e a rua. Os

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA 1. INTRODUÇÃO Este memorial descritivo se destina a orientar a montagem e a operação do sistema de tratamento de efluentes denominado

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 09IS.11.--.--. TÍTULO 09IS.--. IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 09IS.11.--.--. TÍTULO 09IS.--. IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA 09IS.11.-- TÍTULO 09IS IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS CAPÍTULO.1-. IMPERMEABILIZAÇÕES SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por metro quadrado de superfície

Leia mais

* Não precisa de elementos auxiliares para a sua sustentação.

* Não precisa de elementos auxiliares para a sua sustentação. INTRODUÇÃO RYLBRUN é a tubulação flexível, fabricada a base de materiais de alta qualidade e resistência, e cujas características construtivas, fazem dela a tubulação ideal para a instalação de bombas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...4 2. Referências...4 3. Definições...4 4. Condições para início dos serviços...5 5. Materiais e equipamentos necessários...5 6. Métodos e Procedimentos de Execução...5

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE

01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE 01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE 1. Considerações Gerais O estudo que se apresenta respeita à 3ª fase da duplicação da circular urbana e tem como principal

Leia mais