XII ERIC (ISSN ) Eixo Temático Administração e Análise Financeira sala nº 39 (ARTIGO)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII ERIC (ISSN ) Eixo Temático Administração e Análise Financeira sala nº 39 (ARTIGO)"

Transcrição

1 XII ERIC (ISSN ) Eixo Temático Administração e Análise Financeira sala nº 39 (ARTIGO)

2 XII ERIC (ISSN ) ANÁLISE DA FUNÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA DE UMA EMPRESA DE COMÉRCIO DE BICICLETAS NA CIDADE DE MANDAGUARI - PR UMA PROPOSTA DE VIABILIDADE DE PROJETOS Eliseu Conceição Oracio (FAFIMAN) Lucas Stadler Silva (FAFIMAN) Gustavo Caixeta de Melo (FAFIMAN) Prof.ª Katia Tóffolo (FAFIMAN) 1. INTRODUÇÃO A Administração Financeira e Orçamentária envolve a alocação, captação e investimentos de recursos que podem resultar em um desempenho superior a longo prazo. Com esse estudo, vamos poder trazer como são aplicados os métodos nessa organização. Segundo Gitman (1997), Finanças podem ser definidas como "a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente, todos os indivíduos e organizações obtêm receitas ou levantam fundos, gastam ou investem. Finança ocupa-se do processo, instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos". Sendo assim, a análise das finanças fornece informações que auxiliam o profissional responsável a tomar as decisões de investimento no momento mais apropriado. A atividade Financeira e Orçamentária, é o gerenciamento organizado de informações, para manter uma atividade ou serviço que atenda a alguma necessidade humana, tendo como meta o lucro. Para Hoji et al. (1997), uma gestão financeira eficaz, é imprescindível o conhecimento dos ciclos operacionais e de caixa da empresa, assim como de interrelacionamento entre eles. É muito importante, também, o domínio de conceitos de matemática financeira, pois esses conhecimentos são imprescindíveis para profissionais que gerenciam o capital de giro. Sendo assim, neste trabalho vamos demonstrar como a análise dos resultados financeiros e o planejamento das ações necessárias são de grande importância para

3 a empresa se manter no mercado atual, e com base nos dados obtidos propor a empresa uma viabilidade de projeto. A escolha do tema tem como finalidade para a empresa, atribuir nosso projeto, pelo fato de a Bicicleta ser um meio de transporte viável para todas as idades, saudável e econômico, além de que não polui o meio ambiente. Sendo assim, a intenção é contribuir com essa organização através desse estudo. As atividades financeiras da empresa são as operacionais, financiamentos e investimentos. A Administração Financeira visa obter o lucro para as empresas, por essa razão atualmente os empresários buscam investir em recursos para que tenham um retorno satisfatório. Independentemente de sua área de atuação, a pessoa que está no mercado de trabalho e tem o conhecimento em Administração Financeira, tem facilidade para entender melhor o que envolve o departamento Financeiro de uma organização. Para que as informações sobre o saldo de caixa, valor do estoque das mercadorias, valor das contas a pagar e a receber, valor das despesas fixas sejam corretas, e para saber se a empresa está tendo lucro ou prejuízo, saber o valor patrimonial da empresa, administrar o capital de giro, entre outras coisas, o conhecimento na Administração Financeira é fundamental. O administrador que controla, analisa, planeja e toma decisões de maneira correta, com certeza terá um bom resultado e um bom desempenho de sua organização, podendo até fazer com que a mesma seja mais competitiva no mercado. Tendo em vista o aprendizado com esse estudo e que a Administração Financeira e Orçamentária poderá definir o sucesso e a vantagem competitiva de uma organização em relação às demais no mercado, tornando a mais eficiente e estável e tendo sua sobrevivência mesmo em tempos de mudanças é que escolhemos esse tema. Como a área / função financeira e orçamentária de uma empresa do setor de bicicletas da cidade de Mandaguari-PR, encontra-se estruturada, bem como o seu funcionamento? Tem como Objetivo Geral, analisar a área / função financeira e orçamentária de uma empresa do setor de bicicletas da cidade de Mandaguari-PR, afim de apresentar proposta de viabilidade de projetos.

4 Os Objetivos Específicos são: a) Destacar o papel e a importância das finanças para a empresa; b) Identificar a existência da área / setor voltado aos recursos financeiros, bem como seu funcionamento; (política das empresas quanto aos recursos); c) Verificar qual o perfil dos profissionais que atuam com os recursos $ e apresentar suas atividades; (verificar o cargo e como e feito às atividades financeiras, sexo idade, escolaridade e quanto tempo está na função); d) Levantar as necessidades de melhorias na empresa, buscando apresentar possíveis alternativas. 1. METODOLOGIA Segundo Prodanov (2013). A metodologia consiste em estudar, compreender e avaliar os vários métodos disponíveis para a realização de uma pesquisa acadêmica. A aplicação dos métodos possibilita a descrição, coleta e processamento de informações, visando resolver os problemas ou questões investigadas. Para o autor do ponto de vista dos procedimentos técnicos a pesquisa bibliográfica é elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de: livros, revistas, publicações em periódicos e artigos científicos, jornais, boletins, monografias, dissertações, teses, material cartográfico, internet, com o objetivo de colocar o pesquisador em contato direto com o material já escrito sobre o assunto da pesquisa (PRONADOV, 2013) A pesquisa de campo procede à observação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem no real, à coleta de dados referentes aos mesmos e, finalmente, à análise e interpretação desses dados, com base numa fundamentação teórica consistente, objetivando compreender e explicar o problema pesquisado (FUZZI, 2010)

5 O estudo de caso também faz parte do procedimento técnico da metodologia. OLIVEIRA, defini o estudo de caso sendo como um método qualitativo que consiste, geralme/nte, em uma forma de aprofundar uma unidade individual. Ele serve para responder questionamentos que o pesquisador não tem muito controle sobre o fenômeno estudado. O estudo de caso contribui para compreendermos melhor os fenômenos individuais, os processos organizacionais e políticos da sociedade. Com a aplicação dos métodos além possibilitar a descrição, coleta e processamento de informações, com o objetivo de resolver as questões investigadas, também sofre a intervenções da realidade podendo ser alterada à medida que surgem novos problemas que a princípio não foram pensados. 2. REVISÃO BIBLIOGRAFICA A globalização permitiu que as organizações pudessem aproveitar recursos materiais e humanos mais competitivos existentes em outros países e dessa forma reduzir custos e despesas. A utilização de tecnologias da informação também tem ajudado as organizações a otimizarem seus processos permitindo assim a melhor empregabilidade de seus recursos com isso o mercado tronou-se muito mais competitivo, ao ponto que este processo possibilita que as organizações em geral sejam mais eficientes e com isso tenham chances parecidas a partir daqui a administração financeira e orçamentária em cada organização passa a ser um importante fator competitivo. O administrador que conseguir controlar, analisar, planejar e decidir de maneira mais assertiva fará com que sua organização seja mais competitiva no mercado este precisará garantir que todo o processo realizado dentro de sua empresa seja o mais eficiente possível, sem falhas e sem perdas, precisará ter domínio de mercado para analisar as melhoras propostas de crédito bem como as melhores formas de investimento além de acompanhar os resultados financeiros, implantando em tempo hábil as ações corretivas e propondo sempre ações de melhoria em relação ao planejamento, precisará ser assertivo em suas previsões, considerando fatores como a situação do mercado, a situação atual e o histórico da empresa, bem como analisar os riscos envolvidos em cada decisão com uma administração financeira e orçamentária eficiente, a empresa terá informações

6 históricas e atuais sobre suas finanças e com isso, diante de uma mudança repentina, o administrador poderá tomar decisões rápidas e seguras, mantendo assim a organização estabilizada mesmo em momentos de crise está estabilidade traz confiança aos acionistas e atrai novos investidores, bem como facilita a tomada de crédito o que possibilita novos investimentos garantindo assim o crescimento da empresa. O objetivo primário da administração financeira e orçamentária é a maximização do lucro, ou seja, o valor de mercado do capital investido. Não importa o tipo de empresa, pois em qualquer delas, as boas decisões financeiras tendem a aumentar o valor de mercado da organização em si. Devido a esse aspecto, a administração financeira deve se dedicar a avaliar e tomar decisões financeiras que impulsionem a criação de valor para a companhia. Pode-se dizer que administração financeira e orçamentária possui alguns objetivos e alguns deles são: - Maximização do valor de mercado. - Elaborar Orçamentos operacionais e financeiros de uma empresa. - Aplicar técnicas de Orçamento de capital e de planejamento financeiro. - Conhecer fontes de financiamentos. As áreas mais importantes da administração financeira podem ser resumidas ao se analisar as oportunidades profissionais desse setor. Essas oportunidades em geral caem em três categorias interdependentes: o operacional, os serviços financeiros e a administração financeira. Operacional: As atividades operacionais de uma organização existem de acordo com os setores da empresa. Ela visa proporcionar por meio de operações viáveis um retorno ensejado pelos acionistas. A atividade operacional também reflete no que acontece na demonstração de resultados, uma vez que é parte integrante da maioria dos processos empresariais e caso não demonstra retorno pode sofrer certo enxugamento. Serviços Financeiros: Essa é área de finanças voltada à concepção e prestação de assessoria, como também, na entrega de produtos financeiros a indivíduos, empresas e governos. Envolve oportunidades em bancos (instituições financeiras), investimentos, bem imóveis e seguros. É importante ressaltar que, é necessário o conhecimento de economia para se entender o ambiente financeiro e

7 assim poder prestar um serviço de qualidade. Gestão financeira: Trata-se das obrigações do administrador financeiro nas empresas, ou seja, as finanças corporativas. Questões como, concessão de crédito, avaliações de investimentos, obtenção de recursos e operações financeiras, fazem parte dessas obrigações. Reflete principalmente as decisões tomadas diante das atividades operacionais e de investimentos. Alguns consideram a função financeira (corporativa) e a contábil como sendo virtualmente a mesma. A boa administração financeira e orçamentaria propõe que para todo investimento deve preceder uma análise de viabilidade econômica- financeira, com o intuito de avaliar as possíveis alternativas ao custo capital, é extremamente importante que o administrador financeiro procure estudar os custos do ciclo operacional e do capital de giro, uma vez que suas alternativas são inúmeras. Em geral a administração financeira e orçamentária é uma ferramenta utilizada para controlar de forma mais eficaz a concessão de créditos, o planejamento e a análise de investimentos, a viabilidades financeiras e econômicas das operações e o equilíbrio do fluxo de caixa da companhia, visando sempre o desenvolvimento por meio dos melhores caminhos para a boa condução financeira da empresa, além de evitar os gastos desnecessários e o desperdício de recursos (financeiro e materiais). Sua finalidade é o alcance do lucro empresaria, através de um controle eficaz da sua entrada e saída de recursos financeiros. Os administradores financeiros têm como função coordenar atividades e avaliar as condições financeiras de todos os tipos de empresas, financeiras ou não financeiras, privadas ou públicas, grandes ou pequenas, com ou sem fins lucrativos. Desempenhando várias tarefas, tais como: previsões financeiras, administração do caixa, administração do crédito, análise de investimentos, captação de fundos e orçamentos. Para Berti (2010), os orçamentos são as partes principais da maioria dos sistemas de controle gerencial, e que administrados de forma inteligente, os orçamentos impelem ao planejamento, incluindo a implementação de planos e fornecendo critérios de desempenho. Para Gitman (1997), as atividades do administrador financeiro podem ser relacionadas às demonstrações financeiras básicas da empresa. Suas atividades

8 primárias fundamentais são: Realizar análise e planejamento financeiro. Ou seja, transformar os dados financeiros, de forma que possam ser utilizados para monitorar a situação financeira da empresa; avaliar a necessidade de se aumentar ou reduzir a capacidade produtiva e determinar aumentos ou reduções dos financiamentos requeridos. Além das funções básicas de um administrador, de planejar e controlar as atividades da empresa, agora o administrador financeiro precisa também prever e tomar decisões. O administrador financeiro através da análise dos demonstrativos contábeis e dos fatores macro e microeconômicos, desenvolve dados adicionais e toma decisões, assumindo os riscos e utilizando os recursos disponíveis. Para Gropelli e Nikbakht (1998), os administradores financeiros contam com os contadores para prepararem os demonstrativos financeiros que fornecem informações sobre a lucratividade demonstrativa de resultado do exercício e sobre a posição financeira da empresa balanço patrimonial. A atividade de tomada de decisões em investimentos é uma atividade que, diz respeito ao lado esquerdo do balanço. Determinam a combinação e os tipos de ativos constantes do balanço patrimonial da empresa. Tais decisões são importantes porque afetam o sucesso da empresa na consecução de seus objetivos. A atividade de tomada de decisões em financiamentos é uma atividade que, diz respeito ao lado direito patrimonial e envolve dois aspectos principais. Primeiro, estabelecer qual melhor opção de financiamento, curto ou longo prazo. Um segundo aspecto também muito importante, é que fontes individuais de financiamento, fazer uma análise de quais são as melhores a curto ou em longo prazo, no período em estudo. 3. RESULTADOS DO ESTUDO A Ideal Bicicletas é uma empresa que atua no ramo desde 1946 no varejo abrangendo vendas de bicicletas e concertos em geral. A partir de 1991 entrou também no atacado onde monta bicicletas de todos os modelos e cores para todas faixas etárias, atuando no Paraná e Santa Catarina.

9 A empresa em questão possui como o seu principal ramo de atividade bicicletas e peças e acessórios para as mesmas. Atualmente a empresa está localizada em Mandaguari - PR na Rua: Engenheiro Alceu César, Centro - n 420, no presente momento a natureza da empresa é microempresa optante pelo simples nacional, sendo sua razão social EVANIR STADLER & CIA LTDA., e nome fantasia IDEAL BICICLETAS. A mesma foi constituída no dia 20/01/1950 pelo Srº Jacob Evaldo Stadler, pai do atual proprietário, filho Evanir Stadler que entrou em 1991 participando na sociedade incrementando assim mais a empresa. Sendo a segunda mais antiga do Paraná. Quando a empresa começou as atividades eram dois funcionários, possuindo apenas um pequeno volume de serviço, tendo como estrutura, apenas um prédio de Aluguel, algumas ferramentas, peças e bicicletas. No transcorrer dos anos, a empresa ampliou seu leque de negócios para também motocicletas, atuando nestes segmentos até Após esse período, concentrou os negócios somente em bicicletas e brinquedos e hoje além de bicicletas e brinquedos, também comercializa bicicletas elétricas possuindo também em sua frota, camionete e caminhão para entrega das vendas realizadas no atacado para o Paraná e Santa Catarina. Atualmente a empresa tem em seu quadro treze funcionários. Possuindo máquinas de pequeno porte para a montagem de bicicletas. Conta hoje com uma área própria de 750 m² onde são montadas e embaladas as bicicletas. As atividades com capital social aproximado de R$ ,00. A empresa está sempre prestando pela qualidade e tradição nestes mais de 65 anos atuando no mercado, buscando a melhor prestação de serviço e respeito junto aos seus clientes. A estrutura organizacional da empresa utilizada é composta por sócios proprietários e funcionários que buscam em primeiro lugar um relacionamento de parceria.

10 Figura n 1 Organograma da Empresa Fonte: Autores (2016) Na figura n 1 são apresentados às funções existentes nas empresas. a) Proprietário: O próprio proprietário quem cuida da área financeira. O cargo é ocupado por ele, que tem a responsabilidade de cuidar da entrada e saída do dinheiro e tendo a sua contabilidade realizada por contabilistas profissionais. b) Gerente Geral: Tem como atividades gerenciar a loja de varejo, setor de compras e vendas do varejo e atacado. c) Atendentes: Responsáveis diretas pelas vendas na loja de varejo. d) Montadores: Responsáveis pela separação de peças de montagem e que também realizam a montagem propriamente dita das bicicletas. e) Mecânicos: Responsáveis pelo setor de concertos e mão de obra na oficina mecânica. f) Motorista: Realizam as entregas de Varejo, bem como as de atacado. A função financeira é administrada pelo proprietário, através de análises mensais, onde é verificada a captação dos recursos. São analisadas as contas a pagar e receber, chegando a um determinado dividendo. Uma parte do lucro é destinada ao fluxo de caixa e dependendo do resultado é

11 retirado um determinado valor para aquisição de bens patrimoniais. Assim variando de um mês para o outro, a empresa nunca deixa de investir. O proprietário é quem realiza todas as atividades administrativas, inclusive a financeira onde são analisadas todas as contas a pagar e a receber. O mesmo possui Ensino Superior completo em Agronomia e exerce a função Administrativa há 25 anos. A empresa em uma análise interna, verificou a necessidade de um controle mais rigoroso das atividades. Constatou também a necessidade de maiores investimentos, o aumento da carteira, para que com isso a mesma se desenvolva cada dia mais. Quadro 1: Necessidades a serem implantadas e suas prioridades de realização ÁREA NECESSIDADE RELEVÂNCIA A Implantação de sistema para organização, controle de estoque e cadastro de pessoas físicas (clientes); 1ª Produção / Vendas B Contratação de mão de obra especializada para controle dos estoques e produção na linha de montagem; 2ª Produção C Aquisição de uma máquina para montagem de rodas. 3ª Fonte: Os autores (2016) A empresa Ideal Bicicletas tem a necessidade de implantar um sistema informatizado para melhorar a organização e controle de Estoques e Cadastros de Clientes, tornando mais ágil e precisa a produção, com menores custos e facilitando na hora do recebimento das contas. Outra necessidade é a aquisição de uma Máquina de Montagem de Rodas, reduzir 2 ou mais funcionários, tendo assim um menor custo fixo para a empresa e maior agilidade na montagem das rodas.

12 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base no estudo realizado, verifica-se que Através da Administração Financeira e Orçamentária, onde envolve a alocação, captação e investimentos de recursos, tais estudos podem contribuir com o crescimento da empresa, resultando em um desempenho superior a longo prazo. Também vimos que a área/setor financeiro é administrada pelo proprietário sendo que o mesmo possui Ensino Superior completo em Agronomia e exerce a função Administrativa há 25 anos. É verificada a captação dos recursos, através de análises mensais onde uma parte do lucro é destinada ao fluxo de caixa e dependendo do resultado é retirado um determinado valor para aquisição de bens patrimoniais. Nessa análise, foi verificada a necessidade de um controle mais rigoroso das atividades. Constatou-se também a necessidade de alguns investimentos na área de vendas e controle de estoques e produção. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERTI, Anélio, et. Al. Gestão e Análise Orçamentária. Curitiba: Juruá, FUZZI, Ludimila P. Metodologia da pesquisa de campo. Disponível em: <http://profludfuzzimetodologia.blogspot.com.br/2010/03/o-que-e-pesquisa-decampo.html > Acesso em: 27 mar GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. São Paulo: Harbra, GROPPELLI, A. A.; NIKBAKHT, Ehsan. Administração financeira. São Paulo: Saraiva, HOJI, Masakazu; YOSHITAKE, Mariano. Gestão de tesouraria: controle e análise de transações financeiras em moeda forte. São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, Emanuelle Estudo de Caso. Disponível: < acesso em: 27 mar PRODANOV, Cleber C., et. al. Metodologia do trabalho cientifico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do trabalho acadêmico.2ª ed. Rio Grande do Sul: Feevalee, 2013.

13 XII ERIC (ISSN ) ANALISE DA AREA/ FUNÇÃO FINANCEIRA E ORCAMENTARIA EM UMA EMPRESA DO SETOR DE CALÇADOS DA CIDADE DE MANDAGUARI-PARANA. UMA PROPOSTA DE VIABILIDADE DE PROJETOS Cristiane Lucas Evangelista de Sá FAFIMAN - Drieli Fernanda de Azevedo Rodrigues FAFIMAN - Prof.ª ME. Kátia Tóffolo FAFIMAN - 1. INTRODUÇÃO Atualmente devido ao aumento da tecnologia e o aumento da concorrência, os clientes estão mais informados e exigentes, fazendo com que as empresas busquem oferecer produtos e serviços de qualidade para se manter no mercado de trabalho. Obtendo dessa forma a fidelização do cliente. Para administrar uma pequena empresa é necessário utilizar da melhor forma os recursos limitados, maximizando o preço das ações de sua empresa mantendo o risco em baixo nível, determinando dessa forma quais investimentos lhe trarão lucros com menores risco. A administração financeira é uma ferramenta indispensável para controlar a vida das empresas, tendo como principal objetivo controlar os recursos e analisar a situação financeira, se apoderando de diversas ferramentas para controlar os resultados alcançados e do retorno de investimento realizados por sócios ou acionistas. Segundo Gitman (2003): Administração Financeira preocupa-se com as tarefas do Administrador Financeiro na empresa. Os administradores financeiros devem gerir ativamente os assuntos financeiros de qualquer tipo de empresa, financeiras e não financeiras privadas e públicas, grandes e pequenas, com ou sem fins lucrativos. Eles desempenham as mais diversas tarefas financeiras, tais como planejamento, concessão de crédito a clientes, avaliação de projetos de investimento e captação de fundos para financiar as operações da empresa. O trabalho presente aborda a importância de um sistema financeira em uma determinada empresa e sua necessidade. A gestão financeira é de extrema

14 importância e vantajoso para a empresa, seu papel envolve vários recursos nas tomadas de decisões do controle correto e vitorioso para cada seguimento. O crescimento de uma empresa nos leva a utilizar os recursos financeiros, que auxilia e coordena na utilização dos recursos financeiros. Administração financeira é imprescindível para a continuidade das empresas, sendo que os resultados econômicos da organização são reflexos das decisões e ações que são tomadas. Quando o administrador tem controle eficiente dos recursos financeiros da empresa garante maior estabilidade das operações da organização não ocorre falta de controle interno dos profissionais no momento de planejar. Tendo em vista que área de administração financeira é uma ferramenta fundamental para que os pequenos empresários possam sobreviver diante de uma economia tão inconstante, onde a concorrência aumenta a cada dia, se não houver um controle financeiro dificilmente conseguira se manter no seu mercado atuante. No Brasil existe um alto índice de empresas que abrem falecia por falta de orientação na área financeira, muita não sobem elaborar a formação de preços de seus produtos, e acabam não conseguindo obter lucro para pagar os tributos e despesas básicos para sua sobrevivência. Este trabalho tem a finalidade mostrar a importância da administração financeira para a organização. Se manter no mercado de trabalho, onde o administrador para manter sua organização sempre competitiva no mercado, deverá ser assertivo ao controlar, analisar, planejar, garantindo que todo o processo realizado dentro de sua empresa não ocorra falhas ou perdas sendo mais eficiente possível. O presente assunto apresentado mostra a grande importância de uma empresa ter a área financeira, pois ela nos traz vários benefícios com a utilização das ferramentas da gestão financeira em busca de resultados positivos para a empresa. A área financeira são processos importantes para uma empresa, sua função de controlar movimentação de caixa, de contas a receber e a pagar, movimentação bancaria. Seu principal objetivo é auxiliares administradores financeiros. O objetivo geral é Analisar a Área/ Função financeira e Orçamentária de uma empresa do setor de calçados da cidade de Mandaguari PR, a fim de apresentar proposta de viabilidade de projetos. Os objetivos específicos são:

15 a) Destacar o papel e a importância das Finanças para a empresa; b) Identificar a existência da área/ setor voltado aos recursos Financeiros, bem como seu funcionamento; c) Verificar qual o perfil dos profissionais que atuam com os recursos Financeiros e apresentar suas atividades; d) Levantar as necessidades de melhorias na empresa, buscando apresentar possíveis alternativas; 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O setor financeiro é o principal setor de uma empresa, se ele não for bem administrado a organização não apresentara um crescimento desejado e autosuficiente. Segundo Portal Administração: A Administração Financeira e Orçamentária é uma área que trata dos assuntos relacionados as operações financeiras das organizações, tais como as operações de fluxo de caixa, transações financeiras, operações de credito, pagamentos, etc. Seu principal objetivo é a maximização de lucro e capital investido, boas decisões tendem a aumentar o valor do mercado da organização além disso deve se dedicar e avaliar e tomar decisões financeiras. Esse profissional é o responsável por administrar negócios financeiros de qualquer tipo de empresa, seja ela pequena ou grande, público ou privado, com ou sem fins lucrativos. De acordo com Clovis (2010): A base da controladoria operacional é o processo de planejamento e controle orçamentário, também denominado de planejamento e controle financeiro ou planejamento e controle de resultados. O orçamento é a ferramenta de controle por excelência de todo o processo operacional da empresa, pois envolve todos os setores da companhia. A área de Administração Financeira e Orçamentária é amplo e dinâmico, afeta a vida de todas as pessoas e as organizações. Segundo Gitman (2010): O campo de Finanças está intimamente associado ao da teoria econômica.

16 Os administradores financeiros, dever e precisam saber ou entender da economia que está ligado para as consequências variáveis da atividade econômica e das mudanças política econômica. Como Gitman (2010) descreve: As principais atividades do administrador financeiro além do envolvimento constante com a análise e o planejamento financeiro, as principais atividades do administrador financeiro, são tomadas decisões de investimento e de financiamento. Quadro 1: Funções da Administração Financeira Fonte: Kuhn (2012, p. 13) Os profissionais especializados em tesouraria e controladoria dão apoio ao administrador financeiro. Os responsáveis por essas duas áreas recebem o nome de tesoureiro e controller. O tesoureiro se responsabiliza pelo planejamento, controle e movimentação de recursos finanças e o controller se responsabiliza no controle e análise das operações, planejamento e investimento. Chenço (2012) menciona que: Para a maioria dos autores a gestão financeira é definida como um conjunto de ações e procedimentos administrativos que envolvem planejamento, análise e controle de todas as atividades financeiras empresariais, para que se obtenha uma maximização dos resultados econômico-financeiros próprios de suas atividades operacionais.

17 Quadro 2: Atividades básicas do administrador financeiro Fonte:Gitman (2004) A atividade básica de um gestor financeiro é realizar as atividades de analise financeiro e planejamento financeiro, obtendo os dados financeiros da organização, verificar os investimentos as tomadas e decisões de investimento e tomar decisão de financiamento. Segundo Hoji (2009, p. 07), A Administração Financeira de uma empresa é exercida por pessoas ou grupos de pessoas que podem ter diferentes denominações, como: vicepresidente de finanças, diretor financeiro, controller e gerente financeiro. O Administrador Financeiro deve ter uma ampla visão dos negócios da empresa e conhecimentos técnicos para conduzir as atividades operacionais, sempre focando nos lucros da empresa. Dentre as principais atividades do Administrador Financeiro e orçamentário estão: - Análise e Planejamento Financeiro, através dos relatórios financeiros a empresa participa ativamente das decisões estratégicas, coordenando, monitorando e avaliando todas as atividades da empresa. - As decisões de investimentos tratam da destinação dos recursos financeiros para aplicações em ativos correntes (circulantes) e não correntes (realizáveis em longo prazo e ativos permanentes), levando em consideração adequada de risco e de retorno dos capitais investidos, ou seja, analisam as decisões que envolvem custos e benefícios distribuídos ao longo do tempo.

18 Devido à grande concorrência, a qualquer momento poderá surgir no mercado um produto melhor e com menor custo, e melhor forma de enfrentar esses contratempos é manter-se atualizado e estar pronto para desenvolver novos projetos, pois uma decisão mal tomada no momento de investir pode comprometer de maneira drástica o futuro da empresa. - As decisões de financiamento são de responsabilidade do administrador financeiro, onde as decisões de financiamento tendem a montar a estrutura financeira apropriada às operações normais e aos novos projetos a ser introduzidos na empresa, onde deve ser avaliado qual mercado é mais favorável para financiar o projeto ou atividade específica para determinada empresa que precisa de recursos. Uma empresa não se mantém investindo apenas em suas próprias ações. - Decisões relativas a destinação do lucro, onde o lucro alcançado em cada exercício social representa a remuneração do investimento dos proprietários da empresa. O principal ponto para a decisão de distribuição de lucros, é o conceito de manutenção do capital para a empresa se manter no mercado, é preciso um volume de investimento maior do que havia no início. O administrador financeiro pode exercer algumas funções características ao atuar em cargos exclusivos, dependendo do tamanho e necessidade da empresa, como: - Analista Financeiro: é o profissional responsável por verificar as contas a receber e a pagar, anotando de forma exata a transferência de ativos e encerrando os livros corretamente, se relacionando com toda a área financeira de uma empresa. - Gerente de orçamento de capital, tem a função de calcular, recomendar as propostas de investimentos em ativos, verificando se trará resultados positivos ou negativos no aspecto financeiro; - Gerente de Projetos e Financiamentos, conseguem financiamentos para investimentos em ativos, elaboram projetos que estabelecem como financiar os ativos desejados, comparando alternativas como comprar à vista ou a prazo, ou ainda realizar um leasing, dependendo de cada situação; -Gerente de caixa, responsável por manter e controlar os saldos diários do caixa da empresa, geralmente cuida das atividades de cobrança e desembolso do caixa e investimentos em curto prazo;

19 - Analista ou Gerente de Credito, gerencia as políticas de credito da empresa, avaliando as solicitações de credito, extensão, monitoramento e cobrança de contas a receber; - Gerente de Fundos de Pensão, supervisiona a administração de ativos e passivos do fundo de pensão dos empregados, economizando e investindo o dinheiro para atender metas de longo prazo. O papel do gerente de controladoria (controller) no sucesso da empresa. O controller é o profissional que planeja, coordena, direciona e controla as atividades de curto, médio e longo prazo, nas áreas de controladoria, finanças e planejamento. É o controller quem cuida das áreas administrativas, financeira e contábil, sempre acompanhando as ações realizadas na empresa, se os objetivos estabelecidos estão sendo seguidos, e se os resultados esperados estão sendo alcançados. Segundo Catelli (2001, p ), O papel da etapa controle é assegurar, por meio de correção de rumos, que os resultados planejados sejam efetivamente realizados. O produto obtido consiste em ações corretivas, por meio de um processo de identificação das transações realizadas, de comparação dos resultados realizados com os planejados, de identificação das transações realizadas, de comparação dos resultados realizados com os planejados, de identificação das causas dos desvios e da decisão quanto as ações a serem implementadas. Desta forma, o gerente de controladoria (controller) tem a função de identificar pontos deficientes que possam trazer riscos para a empresa, obter informações relevantes que possam ser decisivas para a tomada de decisão. 3. METODOLOGIA A elaboração deste artigo se fundamentou em pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo na área de administração financeira e em livros técnicos de administração. Segundo Demo (2000), A proposta atual da metodologia tem com pressuposto crucial a convicção de que o aprendizado pela pesquisa e especialização mais própria da

20 educação escolar e acadêmica e da necessidade de fazer da pesquisa atitude cotidiana para professor e aluno. Metodologia é um conjunto de procedimentos utilizados para absorver conhecimentos, além de avaliar e analisar a caraterística de vários métodos disponível, ainda nos mostra os caminhos ao processo cientifico. Odelia (2005), define o estudo de campo: A pesquisa de social detém-se na observação do contexto no qual é detectado um fato social (problemas) que o princípio passa a ser examinado e, posteriormente encaminhando para explicações por meio dos métodos e técnicas especificas. Para Vergara (1998): O estudo de caso é o circunscrito a uma ou poucas unidades, tendo caráter de profundidade e detalhamento, podendo ou não ser realizado em campo. 4. RESULTADOS OBTIDOS NA PESQUISA A loja Isa Calçados, situada à rua: Alonso Peres Munhoz, lote312h Parque Industrial l, Mandaguari Paraná Cep , fone (44) , cadastrada no CNPJ / , tendo como proprietária Deise Dayane Vernillo. Tudo teve início em uma fábrica de botinas de seu próprio irmão, quando devido à grande procura no varejo e ao volume de estoque existente na fábrica, notou-se a necessidade de abrir um ponto comercial, para que houvesse maior giro de seus produtos se está sempre atualizando os modelos que estavam na moda. A loja é destinada a venda de calçados femininos e masculinos, bolsas, cintos, carteiras e acessórios. Com a abertura da loja, obteve bastante sucesso e procura por produtos femininos, sendo necessário à procura de novos fornecedores para comercialização de novos produtos. Por durante 5 anos a loja obteve sucesso nesse perfil de clientela. Por ser uma loja de pequeno porte e sem perspectiva de ampliação da estrutura, o financeiro não conseguiu atender a demanda, voltando a atender apenas com os

21 produtos de fabricação próprio, como botas femininas e masculinas e botinas, que hoje se tornou é o ponto forte da loja. A loja conta com 3 funcionários, sendo um Gerente/Caixa que acumula suas atividades, não tendo pessoas especificas para cada área. A Contabilidade é terceirizada em escritório externo que faz todos os lançamentos de notas, para cumprir os compromissos de impostos aos governos. Tendo em seu interior 2 vendedores treinados e capacitados para realizar a venda e organização da loja. Por ser uma loja de pequeno porte a Gerente/Caixa também realiza a administração geral e financeira da empresa onde emite os pedidos de compras gerencia o estoque da loja. A empresa não possui a área Financeira, mas exerce a função sendo centralizada na pessoa da administração Maria Nelma Rodrigues, não tendo uma pessoa especializada em finanças e controle financeiro. Para a captação de recursos a organização realiza a antecipação de recebimentos, como a troca de cheques pré-datados e boletos, recebendo uma taxa de desconto em bancos onde já são clientes. Por se uma loja de pequeno porte a Proprietária destina uma boa parte de seus lucros para a futura ampliação da Loja Isa Calçados, deixando o restante para as demais despesas e mantém seu estoque. A proprietária após realizar a ampliação da loja pretende também atuar no ramo do vestuário feminino e masculino. A proprietária Nelma, sexo feminino, idade 43 anos, ensino médio completo, casada, residente a Rua Santos Dumont Nº 550 Jardim Esplanada Mandaguari Paraná. Atuando há 5 anos no ramo de lojista é quem gerencia a loja, sendo responsável por toda movimentação do caixa. As 2 vendedoras são responsáveis pelo atendimento ao cliente, inicia o processo de venda dos produtos, demonstra os produtos e presta informações do produto, transmitindo confiabilidade e carisma sempre zelando pelo bom atendimento ao cliente e mantendo a limpeza e organização do estabelecimento. A proprietária terceiriza a parte contábil da empresa, tais como livros fiscais, cálculos de impostos, controle dos encargos salariais, ficando responsável de prestar conta de todas as informações necessárias para registro contábil (lançamentos das notas

22 fiscais, controles exigidos pela receita federal). -Área de vendas - Aquisição de um computador; - Aquisição de uma máquina móvel de cartão. Figura 1: Organograma da Loja Isa Calçados Fonte: As autoras (2016) 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base no estudo nota-se que o controle Financeiro é indispensável dentro de uma empresa seja ela de pequeno ou grande porte. Sendo este trabalho realizado em uma empresa de pequeno porte, o principal objetivo é mostrar a importância do controle financeiro para que se manter no mercado sempre competitivo, a importância de haver um sistema informatizado onde possam ser utilizadas as planilhas de Excel para melhor controle Financeiro, onde se tem todas as informações importantes, pode-se saber o momento certo de investir, através de

23 informações confiáveis e precisas. A importância de se ter um espaço adequado para melhor organizar os produtos e profissionais qualificados, oferecendo um melhor atendimento aos clientes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS CATELLI, Armando, Controladoria: Uma abordagem de Gestão Econômica. São Paulo: Atlas, CHENÇO, Edson Carlos. Fundamento em finanças. 1. Ed. ver. Curitiba, PR: IESDE Brasil, DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento cientifico. São Paulo: Atlas, FACHIN, Odelia. Fundamentos de metodologia. 5º ed., São Paulo: Saraiva,2005. GITMAN, Lawrence J. Princípios da Administração Financeira. 10. Ed., Pearson. Education do Brasil: São Paulo, GITMAN, Lawrence J. Princípios da Administração Financeira. 10. Ed., Pearson. Addilson Wesley: São Paulo, GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 12. Ed., São Paulo: Pearson, HOJI, Masakazu. Administração Financeira Orçamentária. 8 ed. São Paulo: Atlas, KUHN, Ivo Ney. Gestão financeira. Ijuí: Ed. Unijuí, p. (Coleção educação à distância. Série livro-texto). VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, ª edição.

24 XII ERIC (ISSN ) ANALISAR A QUALIDADE NO ATENDIMENTO E SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EM RELAÇÃO OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS SUPERMERCADOS CAMILO NA CIDADE DE MANDAGUARI-PARANÁ Cristiane Lucas Evangelista de Sá FAFIMAN - Drieli Fernanda de Azevedo Rodrigues FAFIMAN - Prof.ª ME. Kátia Tóffolo FAFIMAN - 1. INTRODUÇÃO Atualmente a maior preocupação das empresas está em oferecer para seus clientes produtos com qualidade, pois a cada dia que passa ele se torna mais exigente em relação aos produtos que estão adquirindo. As empresas na busca de sua sobrevivência não têm poupado esforços para se adaptar as exigências de seus clientes. Esta preocupação também ocorre no setor de mercado, onde os funcionários fazem curso de auto-atendimento, abordagem ao cliente, a melhor maneira de expor seus produtos, sempre visando a satisfação do cliente. Segundo Neves (2006, p. 75), acredita-se que, na luta pela sobrevivência, as organizações têm buscado oferecer qualidade em produtos e serviços. Mas, diante da concorrência que oferece os mesmos produtos, o atendimento ao cliente é o principal fator de vantagem competitiva entre as organizações. As empresas estão cada vez mais competitivas, isso faz que haja necessidade de inovar, saber qual seu público alvo para atender melhor forma possível, garantindo qualidade no atendimento oferecido e no serviço prestado, se mantendo competitivo no mercado. No que se refere ao sucesso empresarial, o foco de estar voltado totalmente ao cliente, onde a sua satisfação é a principal questão para as organizações que almejam se destacar no mercado. Hoje em dia, uma das maiores preocupações das empresas que envolve o atendimento ao cliente é a auto qualidade na hora do atendimento, isso é o diferencial de uma empresa para resultados positivos, a questão da qualidade hoje é uma exigência para a sobrevivência no mercado, pois temos muitos exemplos hoje

25 de empresas que não se dão importância com essa exigência e acabam ouvindo reclamações, perdendo cliente e vendas e ainda acabam fechando as portas. As organizações do momento têm que focar na necessidade e a importância do auto-atendimento com qualidade, hoje o mercado está cheio de concorrentes dos mesmos produtos e quando falamos em atendimento é uma ferramenta essencial para a empresa que atenda ao público as necessidades do cliente permaneça atendendo sempre no mercado. O atendimento é o cartão de visita de uma organização, e com isso bem-sucedido a fidelização com o cliente. A empresa que tem que conhecer as necessidades do cliente e suas expectativas na hora do atendimento, buscar surpreende-lo para que assim garantindo a fidelização do cliente e gerando também uma imagem positiva ao público e assim acabar trazendo mais cliente até sua empresa. Segundo Kotler (2010) as empresas estão percebendo que perder um cliente significa perder mais do que uma venda. Significa perder o valor de todas as compras que um cliente faria ao longo de uma vida inteira de fidelidade. Com base neste assunto é um tema de grande importância, o setor de mercados vem passando por diversas mudanças e buscam a perfeição na prestação de seus serviços e tentado atrair cada vez mais novos clientes. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA De acordo com a figura 1 é apresentado o mapeamento teórico do conteúdo abondado neste capítulo, que envolve a abordagem da qualidade no atendimento aos clientes e a satisfação dos clientes em relação os serviços prestados.

26 Figura 1: Mapeamento de conteúdo da fundamentação teórica Qualidade zzzzz Clientes Atendimento Satisfação Qualidade no Atendimento ao Cliente Retenção e Fidelização Fonte: As Autoras (2016) Qualidade para Retenção e Fidelização dos Clientes Ao analisar a figura nota-se que a qualidade é o fator principal em relação ao cliente onde um bom atendimento traz satisfação, no processo de retenção e fidelização do cliente. 2.1 Qualidade O tema qualidade tem sido explorado no meio acadêmico, pesquisa de mercado e seminários de treinamentos. A palavra qualidade possui diversos significados, tudo depende de como ela é utilizada. O cliente é o principal se considerando como o ponto de partida para definir a qualidade. As organizações operam em um ambiente extremamente competitivo e dinâmico e a qualidade é uma forte vantagem estratégica na conquista de mantem seus clientes e na conquista de novos clientes. O termo qualidade pode ser interpretado de várias formas, onde pode determinar o sucesso ou fracasso de uma organização. Para que uma empresa obtenha sucesso ela precisa oferecer produtos com qualidade, que atenda as reais necessidades e expectativas do consumidor, garantindo satisfação e fidelização do cliente.

27 Qualidade é um atributo de produtos, de serviços, mas pode se referir a tudo que é feito pelas pessoas. Quando se fala que alguma coisa foi feita com qualidade; entretanto não é fácil definir com presteza o que seja essa qualidade. É costume falar em: Qualidade de conformação (maior ou menor grau em que um produto, serviço ou atividade é feito com um padrão ou especificações estabelecidas; ausência de defeitos em relação ao padrão ou à especificação); Qualidade de projeto (diz respeito às características particulares do projeto de um produto). (DEMING,1990, p. 26). O papel da Administração da Qualidade é de garantir a satisfação do cliente e ao mesmo tempo, garantir também os interesses econômicos da empresa. Para a obtenção da qualidade é preciso o apoio e participação das pessoas. A maioria das pessoas concorda que qualidade é aquilo que produz satisfação, que está relacionado a um preço justo, a um produto que funciona corretamente e a um serviço prestado de forma a superar as expectativas de quem dela faz uso. (VERGUEIRO, p. 52.). Para que um produto ou serviço tenha qualidade satisfatória é preciso saber a quem ele se destina e qual a sua expectativa. A qualidade de uma organização, depende do qual de satisfação dos clientes com relação aos produtos e aos serviços prestados pela organização. 2.2 Cliente Cliente é a pessoa que compra produtos das empresas para o consumo próprio ou distribuição do mesmo. O cliente sem dúvida é a pessoas mais importante em qualquer tipo de negócio, o cliente não depende de nós e sim nós dependemos deles. É comum dizemos que o cliente é rei. Sim é importante que seja, pois ele é o essencial para a sobrevivência das organizações no mercado. Há vários tipos de clientes, o qual cada organização necessidade identificar-se nos clientes, em suas necessidades como consumidor. É ele que recebe os produtos resultantes de um processo, no intuito de satisfazer a suas necessidades e cabe a ele a aceitação da sobrevivência de quem os oferecem.

28 De acordo com Nickels e Wood (1999, p.06): O cliente é um indivíduo ou organização que compra ou troca alguma coisa de valor pelos produtos vendidos. Cliente é a pessoa que adquire produtos e serviços, para consumo próprio ou distribuição, tornando-se muito importante em qualquer tipo de negócio, onde a empresa depende totalmente, pois sem eles não gera lucros e, consequentemente, investimentos. Por isso, precisa ser tratado com dedicação e respeito, para que ele considere o valor dos produtos e serviços adquiridos justo, encantando-o e receber a divulgação de sua marca. De acordo com o site Ideias de Marketing (2013). Não há uma fórmula de como agir com cada cliente, mas podemos mapear algumas ações que servem como facilitadores nesta gestão. Compartilho alguns tipos de clientes e como atendê-los: - Cliente decidido: Sabe o que quer e tem conhecimento do produto/serviço. Já sondou os concorrentes e muitas vezes está pronto para fechar um acordo. - Cliente indeciso: Busca informações que subsidiem sua decisão de compra. Compara diferentes condições oferecidas pela concorrência. - Cliente confuso: Tem uma vaga noção de seus desejos e necessidades. Mostra-se indeciso diante de muitas opções. - Cliente apressado: Dá monstras de agitação e impaciência, consultando muitas vezes o relógio. - Cliente sem pressa: É metódico. Raramente compra por impulso e costuma pensar duas vezes antes de tomar qualquer decisão. - Cliente comunicativo: Deseja apenas estabelecer um simples contato social. - Cliente não-comunicativo: Dificilmente procura estabelecer qualquer tipo de comunicação verbal. - Cliente atento: Costuma prestar muita atenção no que o funcionário diz. Tem o costume de fazer também muitas perguntas. - Cliente desatento: Costuma chegar acompanhado de crianças impacientes ou estar preocupado com algum outro problema. Difícil prender sua atenção. - Cliente que só diz sim: Deseja ser socialmente aceito e frequentemente está disposto a gastar algum dinheiro com quem o receba bem.

29 - Cliente estrela : Gosta de atrair as atenções para si mesmo. Faz pedidos absurdos e tentando demonstrar mais conhecimento do que realmente possui. - Cliente negociador: Deseja sentir que está ganhando alguma vantagem extra com a compra. O cliente em uma negociação pode passear por vários dos tipos mencionados, cabe saber interpretar cada momento e agir da melhor forma, buscando sempre o relacionamento entre as partes. Com o aumento da concorrência cada vez mais os mercados devem se aprimorar para obter sucesso, os clientes devem sentir-se encantados com produtos de qualidade e preços acessíveis, tornando-se clientes defensores. O cliente diante tantas opções do mercado, ele irá escolher aquela que lhe chamar mais atenção em seus produtos oferecidos ou seus serviços, começando sempre por um bom atendimento ao cliente que é a chave para o sucesso, o bom atendimento é a chave do sucesso. Conforme Chiavenato (2005): Clientes são os elementos quem compram ou adquirem os produtos ou serviços, ou seja, absorvem as saídas e os resultados da organização. Os clientes podem ser chamados de usuários, consumidores, contribuintes ou, ainda, patrocinadores. É necessário e de suma importante a empresa saiba quem são seus clientes internos e externos, buscar sempre entendê-los e os compreende-los, satisfazer suas necessidades e comunicar seus valores além de sua missão, manter um relacionamento positivo para a satisfação entre ambos. Identificação dos clientes é muito importante para identificar as circunstâncias e entender, analisar problemas e informações, a fim de conquistar possibilidades. É necessário que as organizações sabem a tomar e identificar medidas no atendimento, satisfazer rapidamente as necessidades e solucionar problemas que podem ocorrer, evitar assumir compromissos que não possa assumir. Estabelecer feedback, por em pratica formas de supervisionar e valorizar as preocupações, problemas e grau de satisfação dos clientes e assim prever sua necessidade.

30 Em uma organização para melhor atender seu cliente, é preciso manter o espírito de equipe e a mente aberta, reconhecer que os melhores resultados veem e são alcançados quando trabalhamos juntos em um só objetivo. Um dos pontos fundamentais é o cliente satisfeito não é somente um cliente satisfeito para sempre, mas sim um cliente que ajuda a vender a imagem de sua organização para os próximos. Um cliente insatisfeito é considerado um cliente perdido e dificilmente recuperado para volta até você, e com isso a imagem negativa da empresa é um caminho aberto a outras empresas concorrentes. A qualidade em serviços tem tudo a ver com a satisfação das expectativas dos clientes. 2.3 Atendimento ao cliente Segundo Chiavenato (2005, p. 209): No negócio, o atendimento ao cliente é um dos aspectos mais importante, sendo que o cliente é o principal objetivo do negócio, [...] que todo negócio deve ser voltado ao cliente, sendo que só permanecera se o cliente estiver disposto a continuar comprando o produto/serviço. As organizações devem estar sempre buscando se aprimorar, oferecendo aos seus funcionários cursos de capacitação, para melhor atender os clientes que estão cada vez mais exigentes, pois um cliente satisfeito sempre retorna e divulga o bom atendimento que lhe foi prestado. É preciso criar um bom relacionamento com os clientes, ouvir suas necessidades, conhecer bem os produtos que está oferecendo, na busca de atender as expectativas do cliente, sendo eficiente e dedicado. No entanto, é necessário sempre manter uma postura que mostre disposição e interesse, pois ninguém gosta de relacionar com uma pessoa que parece estar cansada, desinteressada, mal-humorada ou com baixo-astral, é importante saber separar os problemas pessoais dos profissionais focando em seu melhor desempenho.

31 2.4 Satisfação do cliente De acordo com Moutella (2003, p.01): A satisfação se mede através da relação entre o que o cliente recebeu ou percebeu e o que esperava ter ou ver (percepção x expectativa). Se a percepção é maior do que a expectativa, o cliente fica muito mais satisfeito do que esperava. Mas se for menor, frustra-se e não registra positivamente a experiência. A satisfação deve ser um processo contínuo para isso os vendedores precisam estar bem preparados, é sempre importante lembrar que cada pessoa tem seus gostos, culturas, hábitos diferentes, por isso é muito importante entender o que o cliente está procurando, deixando-o satisfeito para que sempre volte vindo a ser um cliente fiel. Kotler (2001): Afirma que os clientes que estiverem apenas satisfeitos poderão mudar quando surgir uma oferta melhor. Aqueles plenamente satisfeitos estarão menos propensos a mudar e outros altamente satisfeitos criam afinidade emocional com a marca e/ou organização. Logo, o resultado será a fidelização do cliente. Ou seja, para chegar a excelência, é necessário colocar em prática, atitudes que gerem resultados. A qualidade do serviço e a satisfação do cliente não devem ser analisadas como algo adquirido em definitivo, ao contrário, é um processo sem fim. Um dos meios mais eficazes para se medir a qualidade do serviço prestado é colocar-se no lugar do cliente (DÓCOLAS, 2004). De acordo com Talaska (2008): Qualidade em serviços pode ser determinada como o grau em que as expectativas do cliente são atendidas por sua percepção do serviço oferecido. Podendo haver diferenças entre as expectativas do cliente e a qualidade percebida durante a prestação do serviço. Os clientes são capazes de impulsionar ou derrubar um negócio. Um cliente pode ser uma organização, uma empresa, um usuário dos produtos/serviços ou um consumidor final. É quem compra os produtos/serviços oferecidos pela empresa na ponta final da cadeia de transações. É ele quem determina direta ou indiretamente

32 se o negócio será bem-sucedido ou não. Por essa razão, o cliente deve ser encarado como o principal patrimônio da empresa (CHIAVENATO, 2007, p.207). A satisfação do cliente começa com o presidente servindo de modelo - falando, ouvindo, respondendo, respeitando, criando e vivendo o ambiente e deixando a porta aberta para todos os funcionários em todos os momentos (DESANTNICK, 1995). Segundo Aaker et al (2001, p. 700): Acredita-se que 96% dos clientes insatisfeitos jamais fazem qualquer reclamação; 60% a 90% desses consumidores silenciosamente insatisfeitos não voltarão a ser seus clientes outra vez; 90% daqueles que fazem reclamações também não serão mais seus clientes. Portanto é fundamental que toda empresa tenha um programa de satisfação de clientes. As organizações devem estar sempre atentas aos seus clientes, na busca de mantê-los satisfeitos ou encantados, pois são eles quem determinará seu sucesso ou fracasso. 2.5 Retenção e fidelização do cliente Ao atingir a satisfação do cliente a empresa consegue retê-lo, pois é muito mais caro atrair um novo cliente, dessa forma as empresas estão sempre procurando manter, reter e fidelizar os clientes. De acordo com Kotler (2000): Existe também os cinco níveis de investimentos para reter os clientes 1. Marketing básico simplesmente vende o produto; 2. Marketing reativo vende o produto e encoraja o cliente a ligar, para falar bem ou mal do produto adquirido; 3. Marketing responsável quando se telefona para o cliente, após a venda para verificar a expectativa; 4. Marketing pró-ativo entra em contato com os clientes de tempos em tempos; 5. Marketing de parceria trabalha em conjunto com o cliente. Para Brown (2001, p.53): A fidelidade do cliente é o resultado real de uma organização criando benefícios para um cliente, para que ele mantenha ou aumente suas

33 compras junto à organização. A fidelidade do cliente é criada, quando ele se torna um defensor da organização, sem incentivo para tal. A fidelidade se conquista a longo onde o cliente deve estar satisfeito com o atendimento, produtos e serviços que lhe é oferecido. Um cliente fiel pensará duas vezes antes de comprar na concorrência. As empresas devem oferecer para o cliente aquilo que ele realmente procura, e não o que estão preparados para oferecer. Se manter sempre atento nas atividades de seus concorrentes. A base principal para manter a fidelização do cliente é sempre oferecer produtos e serviços de qualidade. Segundo Kotler (2003, p.73): À fidelidade à marca se reflete aproximadamente na taxa de retenção dos clientes. [...]. Contudo, taxas de retenção elevadas podem significar outras coisas além da fidelidade à marca. Alguns clientes não vão embora por inércia ou indiferença e, não raro, por serem reféns de contratos de longo prazo. Um cliente satisfeito com seus produtos e serviços sempre recomendarão sua empresa para outras pessoas. O processo de encantar o cliente passa pelo estabelecimento de laços de amizade que podem fidelizar clientes por meio de diversas atividades, tais como: chamar o cliente pelo nome, facilidade de pagamento, crediário e cobrança, rapidez de entrega, opções de escolha, entre outras vantagens, com o propósito final de exceder as expectativas (ANSELMO, 2010). A fidelização tem como objetivo reter os clientes, tornando-os fieis aos seus produtos, marca ou serviços, evitando que eles migrem para a concorrência. Para isso é preciso conhecer bem os clientes, seus desejos e necessidades, estabelecer um elo de confiança, mantê-lo encantado. 2.6 Qualidade no atendimento ao cliente A busca pelo atendimento com qualidade não é mais um diferencial, e sim uma necessidade de sobrevivência do mercado, onde o atendimento causa grande

34 impacto no sucesso de uma empresa. Muitas empresas oferecem produtos de altíssima qualidade, mas se esquecem o essencial, o atendimento muitas vezes não atende as expectativas do cliente, devido ao mau atendimento, falta de interesse e atitudes negativas. Sabe-se que o cliente é a peça principal de uma organização onde o atendimento com qualidade é um fator essencial. Na visão de Stefano (2008): Medir a qualidade em serviços, a partir da percepção dos clientes com os serviços que eles recebem, origina informações formidáveis para as empresas, manifestadas em benefícios. Uma vez que uma percepção mais positiva dos clientes à empresa provedora de serviços; a disponibilização de informações precisas e modernas das obrigações dos clientes; o acréscimo da confiança ampliada nas transações cliente-provedor do serviço em uma proximidade entre as partes; o estabelecimento das relações de fidelidade; e, uma satisfação cumulativa com a qualidade dos serviços recebidos, por parte dos clientes, podem ser indicadores seguros e fundamentais do desempenho atual e futuro de uma empresa. Alguns fatores analisados por Fitzsimmons e Fitzsimmons (2005) mostram que a avaliação da qualidade aparece ao longo do processo da prestação do serviço, cada contato com o cliente é mencionado como sendo um momento de verdade, uma ocasião de agradar este ou não. A satisfação do cliente com a qualidade do serviço pode ser determinada pela comparação da percepção do serviço oferecido com as expectativas do serviço almejado. Para um bom atendimento deve-se evitar a demora, tanto no atendimento pessoal, como no caso de telefone, sendo que neste último meio de comunicação da empresa com o seu consumidor é precioso evitar deixá-lo na linha de espera. Isto porque o telefone é um excelente instrumento de comunicação com os clientes, mas deve ser utilizado de forma adequada, pois um atendimento ruim pode fazer com que o cliente passe para a concorrência (GODRI, 1994). É importante lembrar que todas as empresas precisam oferecer um atendimento de qualidade, com o objetivo de satisfazer seus clientes e permanecer ativa no mercado, pois a qualidade no atendimento é a principal fonte de satisfação do cliente e, cabe a organização trabalhar para que esta satisfação seja alcançada. Para Las Casas (1997):

35 Quando uma empresa oferece o melhor atendimento para os seus clientes, ela quer que seu atendimento seja eficiente e seja excelente aos olhos dos clientes. Como o cliente passou a ter mais acesso ao consumo ele se tornou mais exigente e busca mais atenção por parte das empresas. Atendimento com qualidade é aquele que traz satisfação para o cliente, fazendo com que se mantenha sempre fiel. Para atender bem o cliente é necessário conhecer suas preferências, estar sempre pronto para ouvir o que ele tem a dizer, oferecer tratamento personalizado, buscar soluções para os problemas que possam surgir e mantê-lo satisfeito. 2.7 O papel da qualidade para o sucesso no processo de retenção, fidelização e satisfação do cliente; Nos dias atuais as empresas têm que se adequar as necessidades de seus clientes, pois só assim conseguirá retê-los. Em um mercado de grande concorrência sai na frente quem oferece atendimento, produtos e serviços de qualidade, sempre visando à satisfação do cliente, pois clientes satisfeitos são fiéis. Conforme Gianesi e Corrêa (1994): A qualidade em serviços pode ser definida como o grau em que as expectativas do consumidor são atendidas/excedidas por sua percepção do serviço prestado. Pode haver diferenças entre as expectativas do cliente e a qualidade percebida durante a prestação do serviço. Outro importante fator que pode potencializar a qualidade no atendimento ao cliente é a motivação dos funcionários da empresa. Ao contrário do que muita gente pensa, a motivação é intrínseca, ou seja, ela vem de dentro para fora. O paradigma de dizer que a empresa tem que motivar foi quebrado e faz muito tempo. Apesar de sabermos que o meio pode interferir diretamente na motivação, jamais haverá satisfação sem aguardar atitudes de uma organização em motivar, sempre terá algo a necessitar, pois é da natureza do ser humano a busca contínua por necessidades (MONGE, 2012, p. 58).

36 Um funcionário satisfeito e motivado representa muito para a empresa, pois realiza o trabalho com qualidade e satisfação, sempre com o objetivo de alcançar as metas. 3. METODOLOGIA Tendo como objetivo principal descrever a importância do planejamento financeiro para a sobrevivência das empresas, mostrar que a maior dificuldade encontrada pelos donos de empresas no processo decisório é a falta de informação, pois muitos não utilizam os dados financeiros por acharem muitos complexos. A elaboração deste artigo se fundamentou em pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo na área de administração financeira e em livros técnico de administração. Odelia (2005), define o estudo de campo: A pesquisa de social detém-se na observação do contexto no qual é detectado um fato social (problemas) que o princípio passa a ser examinado e, posteriormente encaminhando para explicações por meio dos métodos e técnicas especificas. Segundo Demo (2000), A proposta atual da metodologia tem com pressuposto crucial a convicção de que o aprendizado pela pesquisa e especialização mais própria da educação escolar e acadêmica e da necessidade de fazer da pesquisa atitude cotidiana para professor e aluno. Metodologia é um conjunto de procedimentos utilizados para absorver conhecimentos, além de avaliar e analisar a caraterística de vários métodos disponível, ainda nos mostra os caminhos ao processo cientifico. Para o desenvolvimento do trabalho foi utilizado material bibliográfico, com o propósito de analisar sobre a qualidade no atendimento e satisfação dos clientes, onde será aplicado um questionário composto por questões objetivas que serão aplicadas a clientes e funcionários do supermercado. Onde serão analisadas todas a fontes bibliográficas levantadas sobre o assunto e agrupadas a resposta do questionário para fins de análise e conclusão.

37 4. RESULTADOS PARCIAIS DA PESQUISA O presente trabalho buscou mostrar a importância da qualidade no atendimento e satisfação do cliente, em um supermercado. Para desenvolver o trabalho foram estipulados alguns objetivos específicos, como: a importância da qualidade no atendimento ao cliente, retenção e fidelização do cliente, nível de satisfação dos clientes. Durante a elaboração deste trabalho, os autores nos mostram que a busca pela qualidade e o bom atendimento está se intensificando cada vez mais, onde a qualidade de um serviço é fator essencial para que a empresa alcance o sucesso. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS AAKER, David A; et al., Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, ANSELMO, Jose Carlos Pedroso. Gestão do atendimento ao cliente e a utilização das melhores práticas nas organizações privadas Disponível em: Acesso em 27 jun BROWN, Stanley A.; CRM - Customer Relationship Management. São Paulo: Makron Books, CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos Novos Tempos. 2. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo: Dando asas ao espírito empreendedor. São Paulo: Saraiva, CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos Novos Tempos. 6. Ed. Rio de Janeiro: Campus, p. DEMING, W. Edwards. Qualidade: A Revolução da Administração. Rio De Janeiro: Marques Saraiva, DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento cientifico. São Paulo: Atlas, DESANTNICK, Robert L.; DETZEL, Denis H. Gerenciar bem e manter o cliente. São Paulo: Pioneiro, 1995.

38 DÓCOLAS, Evanguelia Nicolau. Satisfação dos clientes de terceira idade com o autoatendimento em uma agência do Banco do Brasil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Engenharia. Mestrado Profissionalizante em Engenharia. Porto Alegre, Disponível em: Acesso em: 28 de junho FACHIN, Odelia. Fundamentos de metodologia. 5º ed., São Paulo: Saraiva,2005 FITZSIMMONS, James A. Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. Porto Alegre: Bookman, GIANESI, Irineu G. N.; CORRÊA, Henrique L. Administração estratégica de serviços. São Paulo-SP, Atlas, GODRI, Daniel. Conquistar e manter clientes. 32. Ed. Blumenau-SC: Eko, 1994 KOTLER. Philip, ARMSTRONG, Gary. Princípios de marketing, 12 ed. São Paulo: Pearson, KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 10ª Ed., São Paulo: Prentice Hall do Brasil, KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. 10. ed., São Paulo: Prentice Hall, KOTLER, Philip. Marketing de A a Z: 80 conceitos que todo profissional precisa saber. Rio de Janeiro, Campus, KOTLER. Philip, ARMSTRONG, Gary. Princípios de marketing, 12 ed. São Paulo: Pearson, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing de varejo. São Paulo: Atlas, 1997 MONGE, Elizabete Pereira. A importância da qualidade no atendimento ao cliente Disponívelem:<http://www.fpl.edu.br/2013/media/pdfs/graduação/graduação/tcc /2012/tcc_elizabete_pereira_monge_2012.pdf.Acesso em:28 junho MOUTELLA, Cristina. Fidelização De Clientes Como Diferencial Competitivo, Acessado em 28 de junho de 2016, através do site: o%20diferencial%20competitivo.htm> Acesso em 23 jul NEVES, Adilson Romualdo. Qualidade no atendimento: a chave para o seu sucesso pessoal e empresarial. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2006.

39 NICKELS, William G; WOOD, Marian Burk. Marketing, Relacionamentos, Qualidade e Valor. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos, STEFANO, Nara. et al. Satisfação dos clientes interno e externo mensurada através da escala Servqual e do modelo Gap em uma empresa prestadora de serviços. IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão. 31 de julho a 02 de agosto de Disponível em: Acesso em: 28 junho de SILVA, Eduardo. Conheça os tipos de clientes e saiba como atendê-los, 23 dez Disponível em: Acesso em jun TALASKA, Silvana N. Vooss. A importância de estabelecer relacionamentos de longo prazo com os clientes: um estudo de caso da empresa multiclínica. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, Disponível em: Acesso em: 28 de junho de VERGUEIRO, Waldomiro. Qualidade de Serviços. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

40 XII ERIC (ISSN ) ANÁLISE DA ÁREA / FUNÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA EM UMA EMPRESA DO SETOR DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL DA CIDADE DE MANDAGUARI PR, UMA PROPOSTA DE VIABILIDADE DE PROJETOS Débora da Silva Cruz (FAFIMAN) Karen Larissa da Silva (FAFIMAN) Kátia Tóffolo Simino (FAFIMAN) 1. INTRODUÇÃO Uma Organização tem como objetivo maximizar lucros e executar decisões que maximizam o valor da empresa no mercado, ou seja, que aumente a riqueza dos seus acionistas, por isso a importância da Administração Financeira. A Administração Financeira lida com as obrigações do administrador financeiro na empresa. É uma ferramenta utilizada para controlar de forma mais eficaz a concessão de crédito, a análise de investimentos e viabilidade financeira, visando sempre o desenvolvimento e a melhor gestão financeira da empresa. O objetivo da empresa é tomar e executar decisões que tenham impacto relevante sobre a maximização do preço das ações da empresa no mercado. (MATHUR, 1979, p. 5). Finanças é uma área que trata dos assuntos relacionados às operações financeiras das empresas, entre elas está o fluxo de caixa, transações, operações de crédito, entre outras. Nem sempre em uma organização será encontrada a área anexa a função financeira e orçamentária, isto porque geralmente nas pequenas empresas existe a função financeira desempenhada pelo departamento de contabilidade que na maioria das vezes é terceirizado, mas à medida que a empresa cresce, podemos encontrar a função em um departamento separado e ligado diretamente ao presidente, e com supervisão do diretor ou administrador financeiro. Atualmente as empresas tem se preocupado muito com sua atuação e também com os seus valores alcançados. Com isso, é de total importância ter um departamento para cuidar da parte financeira da empresa, para fazer seus planejamentos, análises e controles relacionados as atividades financeiras.

41 Segundo Mathur (1979, p. 4) Qualquer Organização tem seus objetivos, sendo elas com ou sem fins lucrativos, formais ou informais. Uma grande questão a ser identificada em relação as finanças, são quais espécies de objetivos as empresas devem seguir. Uma típica resposta é maximizar lucros, que embora se apresente como o motivo mais óbvio, é apenas um dos motivos que medem o desempenho da Organização. A administração Financeira e Orçamentária, tem como objetivo gerenciar e analisar as questões financeiras, visando sempre na maximização dos lucros da empresa e em aumentar o Patrimônio, através do Capital investido, sendo assim, a Administração Financeira é essencial para a Organização. O propósito também deste projeto é acrescentar conhecimento teórico e prático da área em nossas vidas enquanto acadêmicos e profissionais. Além disso, proporcionar através das análises e pesquisas realizadas, propostas de melhorias para a empresa em questão. As decisões tomadas em relação a área de Administração Financeira, tendem a aumentar não somente o lucro como também a riqueza da Organização em si, porém é preciso ser considerado que o objetivo de maximizar lucro deve ser visto em conjunto com as decisões que poderão gerar riscos a organização. Para isso busca-se: destacar o papel e a importância das Finanças para a empresa; identificar a existência da área/setor voltados aos recursos financeiros, bem como seu funcionamento; verificar qual o perfil dos profissionais que atuam com os recursos financeiros e apresentar suas atividades; levantar as necessidades de melhorias na empresa, buscando apresentar possíveis alternativas. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Financeira e Orçamentária é considerada como a arte e a ciência da gestão do dinheiro, é uma área que trata dos assuntos financeiros relacionados às operações financeiras de uma organização. A área de Finanças é extremamente importante para as organizações. Segundo Gitman (2011, p.4), a área de Finanças é ampla e dinâmica. Afeta diretamente a vida de todas as pessoas e organizações. A finalidade principal da Administração Financeira é a obtenção de lucro, ou seja, serve para manusear da melhor forma possível os recursos financeiros a fim de

42 se ter uma posição competitiva no mercado. Sua função depende do tamanho da empresa, em empresas maiores há um departamento especifico para a Administração Financeira, uma área própria para essa tarefa, já em empresas menores a Administração Financeira pode ser gerida pelo próprio departamento de contabilidade da empresa. Já o processo orçamentário é fundamental para o controle das finanças da empresa, auxilia os gestores no processo de tomada de decisões e serve como uma ferramenta dinâmica para medir o desempenho da empresa. Segundo Braga (1989), o planejamento financeiro de uma empresa compreende a programação dos planos financeiros e sua integração e coordenação com os demais planos organizacionais. As atividades mais importantes relacionadas a área financeira são: o operacional, os investimentos e os financiamentos. Podemos perceber que a Administração Financeira possui algumas funções que auxiliam as empresas, no planejamento da empresa para que seja suficiente para a sua sobrevivência no ramo o qual esta inserida na sociedade. Logo, as organizações possuem como funções financeiras: os planejamentos, controles, orçamentos, previsões, fluxo de caixa, investimentos, financiamentos, crédito, cobrança, câmbio, operações bancárias e gerenciamento de risco. Exercendo todas estas atividades o administrador financeiro, procura se envolver com os mais diversos tipos de decisões financeiras dentro da organização. (LEMES, 2002,p. 5). Figura 1: Organograma Simplificado da Área Financeira

43 Fonte: PORTAL ADMINISTRAÇÃO (2016) O termo Finanças pode ser considerado como uma ciência que cuida da gestão dos ativos financeiros, tornando se assim um campo de estudo de mercados financeiros, instituições financeiras, de sistemas financeiros dentro de algumas empresas, e até mesmo no mercado internacional. O Mercado Financeiro é voltado para transferência de recursos entre os agentes econômicos, é o setor da economia responsável pela captação de recursos entre investidores para financiar atividades ou gerar lucros para quem empresta dinheiro. É divido em: Mercado de Crédito, Mercado de Câmbio, Mercado Monetário e Mercado de Capitais. Mercados financeiros geram um fórum no qual fornecedores e tomadores de recursos podem fazer negócios diretamente. A Administração Financeira também está ligada a outras áreas, assim como a Economia e a Contabilidade, e se vale dos conceitos da macroeconomia e da microeconomia. A macroeconomia estuda os agregados, como o consumo, o emprego, a moeda, o nível de preços, a produção ou renda e o comercio internacional. Já a

44 microeconomia estuda os consumidores (seus comportamentos), e também estuda os aspectos relacionados ao funcionamento da empresa, que são extraídos vários conceitos da teoria da microeconômica que são envolvidos nas estratégias de maximização do lucro, relações de oferta e demanda. A Contabilidade dentro da Administração Financeira permite apoiar todas as decisões de planejamento e controle de uma empresa, o que permite uma maior competitividade. Quanto mais os administradores souberem sobre contabilidade, estarão cada vez mais capacitados para tomar decisões de planejamento e controle dentro de uma empresa. Segundo Chiavenato (2011), o Administrador Financeiro é muito mais que um supervisor de atividades de negócio, tomando como base as oportunidades e as ameaças que possam surgir em torno do negócio. O Tesoureiro e o Controller são subordinados ao Diretor financeiro. O Tesoureiro é considerado como o maior administrador financeiro, é responsável pela gestão de atividades financeiras como por exemplo: Planejamento Financeiro, Captação de Fundos, entre outros. Já o Controller, é considerado como contador chefe, é responsável pelas atividades Contábeis, gestão de assuntos Contábeis, Contabilidade Financeira e Contabilidade de Custos. (SILVA, 2008). O Administrador Financeiro e de Orçamento gerencia as questões financeiras de diversos tipos de negócios, financeiros e não-financeiros, privados e públicos, pequenos e grandes, com ou sem fim lucrativo. Suas atribuições na empresa são variadas, como análise e planejamento financeiro, as tomadas de decisões de investimento e financiamento, administração da estrutura dos ativos da empresa e administração da estrutura financeira da empresa, funções essas desempenhadas com o objetivo de maximizar o Patrimônio Líquido da empresa, ou seja, maximizar a riqueza de seus acionistas, e o seu valor de mercado. Além do envolvimento constante com a análise e o planejamento financeiro, as principais atividades dos administradores financeiros são tomar decisões de investimento e financiamento. As decisões de investimento determinam a combinação e os tipos dos ativos que a empresa detém. As de financiamento determinam a combinação e os tipos de financiamento por ela usados. (GITMAN, 2010, p. 11).

45 Os administradores financeiros precisam estar atentos às atividades econômicas e as mudanças de política, pois esses fatores influenciam diretamente nos resultados. O princípio econômico mais importante usado no gerenciamento de finanças é a análise marginal, na qual as decisões financeiras devem ser tomadas e as ações executadas somente quando os benefícios adicionais excederem os custos somados. (GITMAN, 2001, P. 39). Para o administrador financeiro, sua tarefa consiste em proporcionar fluxos de caixa necessários para atingir as metas da empresa. Segundo Gitman (2001), os administradores financeiros devem possuir muito conhecimento da área no qual está envolvido, para que saibam desenvolver seus projetos e planos, de modo que auxiliaremos empresários na tomada de decisão da organização. O Administrador Financeiro possui um grande espaço de trabalho, pode trabalhar como: Gerente Financeiro, Gerente de Projetos, Controller, Coordenador de Planejamento e Controle Financeiro, Tesoureiro, entre outros. O profissional que atua à frente da gestão financeira de uma empresa nem sempre possui a formação desejada em Administração, Contabilidade ou Economia, mas possui experiências e conhecimentos específicos. 3. METODOLOGIA A pesquisa a ser realizada neste trabalho pode ser considerada como bibliográfica. A pesquisa bibliográfica é o primeiro passo na construção de um trabalho acadêmico, auxilia na investigação do tema apontado, abordando o que já tem registrado e produzido sobre o tema escolhido. A pesquisa auxilia no método que é mais apropriado para o conhecimento da pesquisa, influenciando no desenvolvimento do trabalho. Durante a pesquisa bibliográfica foram selecionados livros e artigos como material de apoio, para auxilio no trabalho, levando em consideração o tema abordado. A partir desse ponto através de resumos e observações feitas sobre o conteúdo estudado, foi possível desenvolver o projeto.

46 Estudo de Caso é um instrumento pedagógico que apresenta um problema mal estruturado. É aquele que não tem solução pré-definida, exigindo empenho do aluno para identificar o problema. De acordo com Fidel (1992), o estudo de caso é um método especifico para pesquisa de campo. Estudo de campo são investigações de fenômenos à medida que ocorre, sem qualquer interferência significativa do investigador. 4. RESULTADO DA PESQUISA A empresa objeto de estudo foi a Foco Soluções Empresariais e Comerciais Ltda, da cidade de Mandaguari-PR. Sua missão é proporcionar serviços de atendimento e consultoria com qualidade aos nossos clientes, fornecendo assim a ferramenta para a solução em problemas de inadimplência. Tem como visão alcançar todo o território nacional sendo a melhor representação de uma das maiores empresas de bureau de crédito do Brasil, prezando sempre a satisfação dos nossos clientes. Atua como Representante Autorizado no fornecimento de serviços e produtos para análise de crédito e negativação de devedores. A empresa Foco Soluções Empresariais e Comerciais Ltda, é uma empresa que se destaca como representante comercial autorizado SPC Brasil. Iniciou suas atividades em fevereiro de 2009 na cidade de Mandaguari PR para responder as necessidades das empresas locais e do Paraná em obter ferramentas e consultoria voltadas para a diminuição da inadimplência. O sócio e administrador Sr. Guilhermy, um jovem iniciante no curso de Administração de Empresas, foi quem começou a pesquisar um ramo de negócio para sua família, negocio este no qual ele exerceria na prática a gestão aprendida em seu curso de graduação. Cresceu vendo seu pai, Sr. Roberto, por inúmeras vezes buscar seu próprio negócio, na tentativa de crescer, abrir e fechar várias empresas, devido as condições sociais, políticas e também de saúde familiar. Sr. Roberto tem uma vasta experiência com empresas, pois já foi dono de empresa de produtos químicos, espuma para colchoes, transportes de pessoas, algumas tiveram

47 vida razoável, outras nem sobreviveram para cobrir os custos, mesmo assim ele nunca desistiu, e já cansado e velho em idade, apostou todas as suas fichas nos estudos e potencial de seu filho para que a sua sorte fosse diferente e claro, mais próspera. Empresa fundada e sediada em Mandaguari PR, possui um capital social segundo a Receita Federal de R$ ,00, hoje, 7 anos após seu nascimento, atende todo o Paraná e investe em tecnologia e qualificação de sua equipe para futuramente atender todo o Brasil. No início de suas atividades a empresa representava uma multinacional que atua no fornecimento de produtos e serviços para análise de crédito e contava apenas com o Sr. Roberto fazendo vendas externas e o Sr. Guilhermy nas atividades de atendimento telefônico. Com o passar dos tempos, contrataram várias funcionárias que exercia a função de call center, e assim sucedeu até o ano de Com a chegada da forte crise financeira, e mudanças na Diretoria da S.A, a Foco Representações teve seu contrato encerrado, e com isso deixou de representar oficialmente a multinacional, fez demissões de funcionários mantendo apenas uma para atender os clientes da carteira. Mas isso não foi motivo para desanimo, pelo contrário, em meio a dificuldade os proprietários encontraram alternativas de crescimento dentro do mesmo ramo de atividade. Como são experientes no mercado corporativo e mundo dos negócios, no fim de 2015 a Foco foi convidada a trabalhar representado oficialmente uma das maiores empresas de bureau de crédito do Brasil e forte concorrente da multinacional. As atividades com a nova parceria se deu início em Junho/2016. O cenário atual é de uma funcionária que desempenha as funções de vendas internas, atendimento corporativo e consultoria à clientes da carteira, prospecção de novos clientes no mercado, auxiliar de processos administrativos e contratuais. A contabilidade da empresa é terceirizada, realizada por um escritório, a gerencia, financeiro, decisões de investimentos são tarefas exercidas pelo Sr. Guilhermy. Foi identificada que na empresa objeto do estudo de caso as funções são realizadas com a área específica, até porque não se trata de indústria, mas sim de um escritório de representação comercial. O quadro de funcionário é enxuto e várias atividades são desenvolvidas pela Diretoria.

48 Figura 2: Estrutura Organizacional da Empresa Foco Soluções Empresariais e Comerciais Ltda. Fonte: As Autoras (2016) A empresa Foco Soluções apresenta uma estrutura pequena, e nesse modelo é possível ver inclusive que o sócio é responsável por função/tarefa dentro da sua área específica. O cargo Presidencial é compartilhado pelo dois sócios (pai e filho), e o Sr. Guilhermy também é responsável pela Gerencia financeira da empresa, é ele quem capta recursos, faz os investimentos necessários, também as tomadas de decisões, admite e demite pessoas, realiza os pagamentos de salários e gerencia as vendas da empresa. O Gerente de Vendas também sócio da empresa, apenas dá o suporte (backoffice) para a gerente de contas (vendedora), ele não interage diretamente com o cliente. Já a funcionária é quem faz as negociações e gerencia a carteira de clientes, ela é responsável pelo lucro da empresa. Tem seu equipamento de atendimento e telefonia em um espaço destinado apenas para esta função. A Contabilidade é feita por um escritório terceirizado, não existe uma área ou quem desempenhe essa função na empresa. A Administração Financeira é fundamental para a empresa, trata dos assuntos financeiros como captação, alocação de recursos e investimentos para o

49 crescimento e melhoria da empresa. Seu objetivo é maximizar o lucro a fim de que a empresa cresça em valor de mercado e se mantenha competitiva frente aos seus concorrentes. Na FOCO existe a área financeira e as funções são desempenhadas de forma cautelosa, os sócios identificam as necessidades ou traçam metas e buscam os recursos financeiros para melhorias. A empresa não trabalha com estoque de produtos, é um sistema online que mediante a solicitação do cliente, é gerado no sistema códigos de acesso e senhas iniciais. A empresa está muito bem estabilizada financeiramente, é claro que deixou de ter mais entradas no período de crise, mas continuou a receber os contratos antigos, os sócios fizeram menos retiradas de prólabore, e isso ajudou a cobrir todos os custos de aluguel, agua, luz, despesa com funcionário, encargos e impostos, etc. O profissional responsável pela área/função financeira é o próprio sócio. Possui formação acadêmica em Administração de Empresas e está cursando Direito. É empresário há 7 anos, e juntamente com seu pai, toma frente em várias situações na empresa, inclusive para captação dos recursos financeiros. O profissional da área/função Financeira e Orçamentária deve ter conhecimento em Finanças, Economia, Controladoria para saber gerir a empresa, principalmente nas tomadas de decisões. É responsável por gerenciar as questões financeiras, análise e planejamento financeiro, toma decisões quanto aos investimentos e financiamentos. Com base na pesquisa foram identificadas necessidades de melhorias e mudanças na empresa para as áreas de Vendas e Recursos Humanos. As mudanças e necessidades no setor de Vendas, refere-se à aquisição de mais equipamentos e eletrônicos para o departamento de vendas, como a empresa visa crescimento será necessário a troca de alguns equipamentos para o benefício dos envolvidos e melhor desenvolvimento do trabalho. Os recursos são telefones com fones individuais e telefones sem fio com base, também impressora multifuncional, são equipamentos que vão agregar, pois a demanda no último mês e nos próximos tende a aumentar. Com estes equipamentos os resultados tendem a ser bem melhores, mais agilizados e eficazes.

50 Já no setor de Recursos Humanos, as mudanças e necessidades, refere-se à contratação de novos funcionários, como a empresa pretende expandir-se novamente, e temos um extenso mercado para trabalhar, uma equipe maior seria viável aos negócios e lucro da empresa, pois haveria maior produção. De início seria necessários mais 2 funcionários para auxiliar no BackOffice e vendas, mas a empresa não pode ter custos altos de encargos com salários, no momento a empresa reserva recursos financeiros para o futuro, projetos ainda não concretizados pelos sócios. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Como resultado, identificou-se que o objetivo deste trabalho foi analisar a estrutura financeira e orçamentária da organização, apontando se existe a área e função financeira na mesma, e como ela é executada. Após uma análise interna, constatou-se a necessidade de melhorias em alguns setores, onde estes projetos serão apresentados aos gestores para verificar a viabilidade de implantação, já que são os responsáveis por gerir e administrar a organização. Com tudo, entende-se a importância da área e/ou função financeira em uma organização e a boa gestão, para a captação de recursos, alocação e investimentos, de modo que a empresa atinja seus objetivos e mantenha competitiva no mercado. REFERÊNCIAS BRAGA, Roberto: Fundamentos e técnicas de administração financeira. São Paulo: Atlas, CHIAVENATO, Idalberto. Administração. Rio de Janeiro. Elsevier; São Paulo: Anhanguera, GITMAN, Lawrence J. Princípios da Administração Financeira - essencial. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, GITMAN, Lawrence J. Princípios da administração Financeira. 12ª. ed LEMES, Junior, Antônio Barbosa. Administração Financeira: princípios e fundamentos e praticas brasileiras. Rio de Janeiro, Campus, MATHUR, Iqbal. Introdução à Administração Financeira. 1. ed.

51 PORTAL ADMINISTRAÇÃO, Administração Financeira e Orçamentária (2016). Disponível em: <<http://www.portal-administracao.com/2015/01/administracaofinanceira-eorcamentaria.html>>. Acesso em 14/03/2016.

52 XII ERIC (ISSN ) ANÁLISE DA ÁREA / FUNÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA EM UMA EMPRESA DO SETOR TÊXTIL DA CIDADE DE MANDAGUARI PR Lucila Alves da Silva (FAFIMAN) Elen Rezende de Jesus Costa (FAFIMAN) Kátia Toffolo (FAFIMAN) 1. INTRODUÇÃO As medidas financeiras são fundamentais para preservação da empresa no mercado de trabalho, a globalização, aumento da competitividade e concorrência, vem exigindo que o setor financeiro da empresa esteja estruturado e organizado, bem como é essencial que se tenha um planejamento financeiro. Esse planejamento é feito pelo departamento financeiro, que pode ter variação de acordo com a empresa, pode ser organizado em setores, normalmente utilizada em empresas de médio e grande porte ou até mesmo desenvolvido pelo proprietário da empresa em caso de empresas menores. De grande a pequeno porte, é imprescindível para a empresa que as finanças sejam geridas de forma a elevar valor e estabilizar a empresa mesmo em tempos de crise econômica, para isso deve ser organizada e planejada, ter suas funções bem delimitadas para obter melhor desempenho tanto em alocar, captar e investir recursos. A finalidade deste projeto é fazer Análise da Área e função Financeira e Orçamentária de uma empresa do setor têxtil de Mandaguari-PR e através desse estudo, identificar e as funções desse setor bem como sua importância para a empresa em questão. Este tema de Análise da Área e Função Financeira e Orçamentária é importante para que possamos identificar as áreas e funções de Finanças de uma empresa têxtil da cidade de Mandaguari - Pr. Como sabemos o setor financeiro é considerado o "coração " de qualquer Organização, pois ele fornece os recursos para tornar versátil e exatas as decisões sobre aplicação de capital, com a administração financeira que a Organização conseguirá alcançar seus objetivos e metas.

53 Finanças pode ser entendida como "Estudo dos problemas financeiros. 5Dir Orçamento preventivo pelo qual são autorizadas as despesas e calculada a receita do Estado. 6 A ciência que ensina o manejo dos dinheiros públicos. 7 O dinheiro de que se dispõe."(michaelis, 2009). Nesse contexto, é importante salientar que a função dos profissionais da área financeira tem como objetivo, gerenciar tudo a que se refere a valores na organização. De acordo com Gropelli e Nikbakht (1998), Finanças "é a aplicação de uma série de princípios econômicos para maximizar a riqueza ou valor total de um negócio", ou seja, é vital para o andamento e desenvolvimento da empresa pois abrange todos os setores. De acordo com Gitman (1997), Finanças pode ser definida como "a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente, todos os indivíduos e organizações obtêm receitas ou levantam fundos, gastam ou investem. Finanças ocupa-se do processo, instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos". A Análise financeira por meio de acompanhamento dos fatos e respostas, assim como o planejamento de novos fatos e respostas devem tornar-se um ato gerencial estratégico frequente do Administrador. Gitman (1997, p.588), discorre que "o processo de planejamento financeiro se inicia com a projeção de planos financeiros a longo prazo, ou estratégicos, que por sua vez direcionam a formulação de planos e orçamentos operacionais a curto prazo". Por meio desse estudo, busca - se conhecer as funções das variáveis desse setor, bem como identificar possíveis projetos com o intuito de melhorias para o setor em questão para melhor desempenho. Buscamos alcançar conhecimento teórico dessas funções para também gerar suporte para profissionais da área. Nesse sentido apresentamos o estudo a seguir. Este projeto será desenvolvido como parte da avaliação da disciplina de Estágio Supervisionado II e a Análise da Área e função Financeira e Orçamentária de uma empresa Têxtil de Mandaguari Pr, contribuirá para nosso conhecimento profissional e também para melhorias na empresa.

54 O motivo de ter escolhido este tema, foi devido a importância da Área/Função financeira e Orçamentária para as empresas. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Financeira é a Ciência que aborda assuntos pertencentes à administração de Finanças de Organizações e Empresas: Fluxo de Caixa, pagamentos, transações, etc. De acordo com Hoji (2001, p. 21): Para administração Financeira, o objetivo econômico maximização de seu valor de mercado a longo prazo, pois dessa forma estará sendo aumentada a riqueza de seus proprietários (acionistas de sociedades por ações ou sócios de outros sociedade). Para um resultado eficiente a Administração Financeira conta com alguns recursos, como: A) O Capital de Giro O conhecimento sobre Capital de Giro é de suma importância para Administração Financeira, pois toda empresa necessita de resgatar os custos e despesas que foram registradas no decorrer do período operado e alcançar o lucro desejado. "O capital de giro é conhecido também como capital circulante e corresponde aos recursos aplicados em ativos circulantes, que transformam se constantemente dentro do ciclo operacional."(hoji, 2001, p.109). B) TESOURARIA A Tesouraria não é responsável pela obtenção de lucro, mas pode contribuir para gerar lucro, através da administração de disponibilidades como Fluxo de Caixa, Operações de Câmbio, Crédito e Cobrança, Contas a pagar, contas a receber, captação e aplicação de recursos.

55 "A Tesouraria é uma das áreas mais importantes em uma empresa, pois praticamente, todos recursos financeiros que giram na empresa transitam por ela". (HOJI, 2001, p. 137). Portanto, seu principal objetivo é garantir os recursos financeiros indispensáveis para melhor atingir os objetivos da empresa. Para que ocorra com precisão é utilizado o fluxo de caixa, que são as disponibilidades da empresa. As principais contas patrimoniais operacionais que exercem forte impacto no caixa são: contas a receber, estoques, contas a pagar. (HOJI. 2001, p. 113). C) CONTROLADORIA A Controladoria é uma ferramenta de extrema importância para as Empresas em geral, pois auxilia as Empresas em todos os setores, tanto financeiro como humano na tomada de decisão. A Controladoria é ciência e, na realidade, é o atual estágio evolutivo da Ciência Contábil. Como bem conceituou Glautier, a Contabilidade saiu nas últimas duas ou três décadas, da teoria do lucro (mensuração, comunicação de informação) para a teoria da decisão (modelos de decisão e produtividade). Com isso unindo esses conceitos, podemos entendê la como ciência e como forma de acontecer a verdadeira função contábil. (PADOVESE, 2003, p.6) A Controladoria como ramo de conhecimento caminha junto as vertentes teóricas que apoiam a gestão de uma empresa, entendendo as causas e as consequências da forma como as empresas são administradas, de suas estruturas física, financeira, operacional e humana. Esse conhecimento a mune de recurso para atuar como área administrativa em uma empresa. (NASCIMENTO,2010, p. 24) A Controladoria tem a função de controlar toda a Organização, desde a tomada de decisão até o resultado final, em todas as áreas: chão de fábrica, comercial, financeiro, etc. O principal objetivo da Controladoria é garantir a continuidade da Organização, tendo uma visão holística, pois ela que vai decidir estrategicamente o caminho que a Organização deve seguir, garantindo sua continuidade na sociedade.

56 A Controladoria é a ferramenta que une todas as áreas com a função de basear se no aprimoramento da resolução econômica da organização, ou seja, da eficiência empresarial através de um suporte ao processo de gestão (PELEIAS, 2002, p. 16). A principal causa para descontinuidade das empresas está relacionada a falta de dados financeiros precisos com relação ao Balanço patrimonial da empresa e alguns problemas resultantes do departamento financeiro." A geração de lucros e caixa contribui para que uma empresa moderna cumpra suas funções sociais". D) BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é um resumo contábil no qual constata a situação econômica e financeira de uma Organização. Segundo Matarazzo (1998, p.43), é a demonstração que apresenta todos os bens e direitos da empresa Ativo, assim como as obrigações - Passivo Exigível em determinada data". Matarazzo (1998, p.46), retrata um exemplo de Balanço Patrimonial: ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponibilidade. Direito realizáveis no curso do exercício social seguinte. Aplicações de recursos em despesas do exercício seguinte. ATIVO REÁLIZAVEL A LONGO PRAZO Direitos realizáveis após o termino do exercício seguinte. Direitos derivados de adiantamentos ou empréstimos a sociedades coligadas ou controladas, diretores, acionistas ou participantes no lucro da companhia, que não constituírem negócios usuais na exploração do objeto da companhia. ATIVO PERMANENTE Investimentos Participações permanentes em outras sociedades e direitos e qualquer natureza, não classificáveis no Ativo Circulante, ou realizável a Longo Prazo que não se destinem à manutenção da atividade da companhia ou empresa.

57 Imobilizado Direitos que tenham por objetivo bens destinados à manutenção das atividades da companhia ou empresa, ou exercícios com essa finalidade, inclusive os de propriedade comercial ou industrial. Diferido Aplicação de recursos em despesas que contribuirão para a formação do resultado de mais um exercícios social, inclusive juros pagos ou creditados aos acionistas durante o período que anteceder o início das operações sociais. PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE Obrigação da companhia, inclusive financiamentos para a aquisição de direitos do Ativo permanente quando vencerem no exercícios seguinte. PASSIVO EXIGIVEL A LONGO PRAZO Obrigações vencíveis em prazo maior do que o exercícios seguinte. RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS Receitas de exercícios futuros diminuídas dos custos e despesas correspondentes. PATRIMÔNIO LIQUIDO Capital social Montante do capital subscrito e, por dedução, parcela não realizada. Reserva de Capital Ágio na emissão de ações ou conversão de debêntures e parte beneficiárias. Produto da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição. Prêmios recebidos na emissão de debêntures, doações e subvenções para investimentos. Correção monetária do capital realizado, enquanto não capitalizada. Reservas de Reavaliação Contrapartida do aumento de elementos do Ativo em virtudes de novas avaliações, documentos por laudo técnico. Reservas de Lucros Contas constituídas a partir de lucros gerados pela companhia.

58 Lucros ou Prejuízos Acumulados Lucros gerados pela companhia, que ainda não receberam destinação especifica. Segundo Assaf Neto (2002, p. 48): A análise de balanços visa relatar, com base nas informações contábeis fornecidas pelas empresas, a posição econômico-financeira atual, as causas que determinaram a evolução apresentada e as tendências futuras. Em outras palavras, pela análise de balanços extraem-se informações sobre a posição passada, presente e futura (projetada) de uma empresa. O Administrador Financeiro deve ter uma visão holística e uma capacidade de análise para identificar as ameaças e as oportunidades que possa surgir. Segundo Hoji "as funções básicas do administrador financeiro de uma empresa são: análise, planejamento, e controle financeiro; tomadas de decisões de investimentos; tomadas de decisões de financiamentos".. 3. METODOLOGIA Metodologia é o estudo dos métodos utilizados para melhor conhecimento em uma determinada área. A Metodologia deve ajudar a explicar não apenas os produtos da investigação científica, mas principalmente seu próprio processo, pois suas exigências não são de submissão estrita a procedimentos rígidos, mas antes da fecundidade na produção dos resultados. (BRUYNE, 1991 p. 29). A metodologia a ser utilizada será um estudo de caso, através de uma análise financeira em uma empresa Têxtil da cidade de Mandaguari Pr. O estudo de caso caracteriza-se pela análise profunda e exaustiva de um ou de poucos objetos, pressupondo-se, a fortiori, que a investigação desse(s) objeto(s) possibilita(m) a compreensão da generalidade do mesmo ou o estabelecimento de bases para uma investigação posterior, mais sistemática e precisa. O propósito do estudo de caso é o de proporcionar uma visão global do problema ou identificar possíveis fatores que o influenciam ou são por ele influenciados (GIL,2000).

59 Outro método que será utilizado é um questionário, é um conjunto ordenado e consistente de perguntas a respeito de variáveis, e situações, que se deseja medir, ou descrever (MARTINS E LINTZ, 2009, p.38). A importância de utilizar um método já testado certifica o valor do estudo e juntamente com a pesquisa permitirá respostas mais precisas. A pesquisa de conhecimentos será feita através de quaisquer materiais bibliográficos referente ao tema de Finanças, livros, projetos, artigos, Para coleta de dados dentro da empresa teremos que levar em consideração as variáveis de suma importância para o bom funcionamento da área de Finanças. Segundo Cervo, Bervian e da Silva (2007, p.61), a pesquisa bibliográfica constitui o procedimento básico para os estudos monográficos, pelos quais se busca o domínio do estado da arte sobre determinado tema.. De acordo com Gil (1999, p. 43) Pesquisas exploratórias têm como principal finalidade desenvolver, esclarecer e modificar conceitos e ideias, tendo em vista, a formulação de problemas mais precisos ou hipóteses pesquisáveis para estudos posteriores. [...] envolvem levantamento bibliográfico e documental, entrevistas não padronizadas e estudos de caso. 4. RESULTADOS DA PESQUISA De acordo com o site da empresa Fitaflex 2015: "A Fitaflex é uma empresa jovem e dinâmica, que ao completar sua primeira década de existência já figurava entre as maiores do país no segmento de produtos elásticos e fitilhos para as indústrias moveleiras e de confecções. Instalada em Mandaguari, região Noroeste do Paraná, a Fitaflex ocupa uma área de 12 mil m2. Nesse espaço são desenvolvidos os processos administrativos e de produção que contam os mais modernos recursos tecnológicos e mão de obra altamente qualificada para este tipo de atividade. Esses diferenciais conferem à empresa a condição de manter uma vasta linha de produtos fabricados em série e oferecem a possibilidade de desenvolver materiais personalizados para atender as mais diferentes necessidades dos clientes, principalmente nas linhas de fitilhos para colchões e elásticos para confecções". Iniciada no ano de 2001, pelos seus sócios, tem aproximadamente 260 colaboradores e 60 representantes comerciais. Maior fábrica do Brasil no segmento

60 de percintas, sendo a 1ª certificada do país. No ano de 2009 transferiu sua sede para um local mais amplo, para que pudessem atender melhor seus clientes e colaboradores, implementando mais tecnologias. A fábrica esta projetada para garantir agilidade na entrega e suporte para seus clientes, a mão-de-obra especializada é constantemente treinada para aprimorar o processo de produção. Esta sendo projetada uma nova fábrica, num local mais amplo, onde possa ser oferecido refeitório, espaço adequado para as máquinas e espaço de lazer para os colaboradores. Organograma é o gráfico da estrutura hierárquica de uma empresa, pode ser representado por área ou função. Segundo Chiavenato (2001, p.251) "o organograma é o gráfico que representa estrutura formal da empresa". Segue Organograma de uma empresa têxtil da cidade de Mandaguari PR Figura Nº 1: Estrutura Organizacional Fitaflex iavenato (2001, p.251), organograma é o gráfico que representa estrutura formal da emprea p.251), orgnograma é o gráfico que representa e Fonte: As autoras (2016) O Organograma é um clássico, chamado de Organograma Vertical, ele é usado para melhor identificar a hierarquia dentro da empresa, ou seja Organograma

61 pode ser considerado um desenho da empresa, onde o departamento de Recursos Humanos pode claramente identificar os departamentos. O setor na empresa é denominado como Financeiro, assim como nas demais empresas, o departamento é um dos mais importantes, pois ele que administra todo o dinheiro, tanto o que entra quanto o que sai, para melhor administra-lo o departamento é subdividido em algumas funções como: Contas a receber Contas a pagar A captação de recursos da empresa é realizada somente através das vendas das mercadorias produzidas internamente. Alocação de recursos é feita em Aplicações bancárias e os Investimentos em Frota própria e Aquisição de maquinários, visando o aumento da capacidade fabril. É realizado no departamento financeiro o Acompanhamento dos processos de Importação, fechamento de câmbio, sendo assim necessário o acompanhamento do valor do dólar para melhor investimento em matéria-prima. Na empresa do setor têxtil da cidade de Mandaguari PR, não possui um departamento formalizado como Controladoria ou Tesouraria, mas é designado ao departamento Financeiro todas as tarefas relacionadas. O profissional responsável pelo departamento Financeiro, justamente é o respondente que tem o cargo de Gerente Financeiro, sendo uma mulher de 44 anos, graduada em Administração de Empresas e pós-graduação em Controladoria e Gestão Financeira, trabalha na empresa a 12 anos na mesma função. Suas tarefas são: Captação e alocação de recursos. Fazer relatórios mensais. Fluxo de caixa. Conferência do Caixa diário Acompanhamento dos contas a pagar e contas a receber. Contas a receber é executado por uma assistente administrativa, 32 anos, que trabalha a 4 anos nesta função, tecnóloga em Marketing e Administração. Suas tarefas são:

62 Comunicação com sistema, que é verificação de títulos liquidados, cartão de crédito e cartão BNDES. Acompanhamento de títulos baixados, com entrada em cartório e títulos protestados. Verificação de depósitos efetuados, cheques devolvidos e reapresentados. Cobrança através de telefone, ou whatsapp. Análise de crédito e acompanhamento do limite de crédito. Manutenção dos títulos bancários, como alteração, sustação ou baixa de título. O profissional de contas a pagar é uma assistente administrativa, 29 anos que está cursando administração, que trabalha na empresa a 1 ano e 4 meses nesta função. Suas tarefas são: Baixa de retorno e envio de remessa de títulos para os bancos. Emissão dos extratos bancários diários. Conciliação dos cheques compensados. Efetivar os pagamentos e dar baixa no sistema. Fazer o Caixa diário. Conferência de notas de entrada no sistema. Envio de documentos para contabilidade. Câmbio. O departamento Financeiro também possui um Assistente administrativo, 41 anos, Ensino Médio Completo, trabalha 2 anos nesta função, que auxilia nos lançamentos contábeis. Além dessas quatro funções no departamento, a Empresa do setor Têxtil de Mandaguari-PR, possui uma Jovem Aprendiz, 16 anos, que está concluindo o Ensino Médio, trabalha na empresa a 8 meses, ela auxilia a todos do departamento, alimentando o sistema, com previsões, despesas e também um responsável em alimentar o sistema de acordo com os extratos bancários para que o fluxo de caixa reflita a realidade econômica da empresa, auxilia no envio de 2ª via de boleto, cobrança e demais tarefas que são delegadas durante o trabalho.

63 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Portanto o profissional da Área de Finanças da empresa do setor têxtil da cidade de Mandaguari é responsável por todas as atividades financeiras exercidas dentro do departamento. Projetos propostos para análise de implementação são a Aquisição de Impressora com scanner para área de Recursos Humanos e a aquisição de Fragmentadoras para área de Finanças, Recursos Humanos e Gerência Industrial. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSAF NETO, Alexandre. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro comércio e serviços, industriais, bancos comerciais e múltiplos. 7. ed. São Paulo: Atlas, CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; DA SILVA, Roberto. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro, GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. São Paulo: Harbra, HOJI, Masakazu. Administração financeira: uma abordagem prática: matemática financeira aplicada, estratégias financeiras, análise, planejamento e controle financeiro. São Paulo: Atlas, MARTINS, Gilberto. LINTZ, Alexandre. Guia para elaboração de monografia e trabalhos de Conclusão de Curso. 2.ed. São Paulo: Atlas, MATARAZZO, Dante C. Análise Financeira de Balanços. Abordagem Básica e Gerencial. 5.ed. São Paulo: Atlas, NASCIMENTO, Auster Moreira. Controladoria Instrumento de Apoio ao processo decisório. Editora Atlas S.A, São Paulo, PADOVEZE. Clóvis Luís. Controladoria estratégica e operacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

64 XII ERIC (ISSN ) AS ESPECIFICIDADES DO EMPREENDEDOR VERSUS ADMINISTRADOR Elen Rezende -Acadêmica do Curso de Administração da FAFIMAN Lucila Alves da Silva -Acadêmica do Curso de Administração da FAFIMAN Katia Toffolo -Orientadora do Curso de Administração da FAFIMAN 1. Introdução O presente artigo pretende abordar as especificações do empreendedor versus administrador, englobando a importância do papel de cada um dentro de uma organização. Relacionado com o profissionalismo do empreendedor que arriscou e abriu seu negocio ou empreendimento. A situação é complexa, pois neste cenário há vários casos, e variáveis. O que seria correto então? Seria ingenuidade pensar que a empresa será próspera sem algum tipo de gestão, ou que a mesma prosperará apenas se tiver um gestor qualificado. Surge então a duvida, e acredita-se que seria interessante, se o empreendedor alçasse novos conhecimentos referentes a toda empresa. A viabilidade da situação acima necessita de compreensão, pois se trata de um assunto importante para durabilidade e estabilidade da empresa. Visando demonstrar todos os aspectos, a pesquisa chegou a um tramite que leva a novos conceitos. 2. Fundamentação Teórica Empreendedorismo é um termo antigo que surgiu no século XVII na França, designando as pessoas que assumem o risco de um novo empreendimento. Foi definido por alguns autores de forma diferenciada, Gartner (1990) definiu como uma atividade que permite criar, manter, e fazer crescer uma empresa lucrativa, Gartner também relaciona o empreendedorismo ao comportamento que leva a criação de

65 uma nova empresa, e outros ainda remetem o termo empreendedorismo a inovação ou a um processo inovador. Desta forma destaca-se que em um mundo capitalista, a cada dia surgem novos empreendimentos, pois para Julien (2010) devido a vontade de um indivíduo obter sua independência, obter maiores rendimentos, liberdade para gerir um negocio, isso tudo incentivado por benefícios que o próprio governo concede com finalidade de fomentar o crescimento da economia. No Brasil de acordo com Dornelas (2001) foi a partir dos anos 90 que o termo se intensificou ainda mais, a globalização contribuiu para que novos empreendedores se arriscassem na abertura de novos negócios, diversificando e acirrando a economia e a concorrência, pois, o empreendedor muitas vezes aprimora um produto ou serviço já existente, promovendo assim a movimentação econômica. Qualquer criação ou desenvolvimento de empresa tem impacto não apenas sobre ela mesma, mas também sobre o mercado local e possivelmente nacional e internacional[...], o empreendedorismo cria, portanto, uma estrutura diferente entre os diversos atores econômicos do território; isso porque a chegada de uma nova empresa ou mudanças em empresas existentes provocam novos ajustes e a criação de novas empresas, além de estimular a mudança. JULIEN (2010, p.17) De acordo com Dornelas (2001) empreendedorismo é a identificação de novas oportunidades de negócio, independentemente dos recursos que se apresentam disponíveis ao empreendedor, ou seja, é um processo em que uma pessoa desenvolve seu próprio empreendimento, isto é, transforma uma ideia em negócio. Para Dornelas (2005) o termo empreendedorismo, nos dias atuais, vem sendo utilizado de forma abrangente, referindo-se a ações inovadoras e dinâmicas em busca de resultados concretos. Empreendedor é uma pessoa que cria novo negócio em face de risco e incerteza, com propósito de conseguir lucro e crescimento, mediante identificação de oportunidades de mercado e agrupamentos dos recursos necessários para capitalizar sobre suas oportunidades. Na literatura americana existem pesquisas relacionadas ao tema, em que procuram estabelecer qual é o perfil do

66 empreendedor. Uma vez que o perfil do empreendedor brasileiro tenha alguma semelhança, convém tomar conhecimento de seus aspectos. Dornelas (2005), afirma que a personalidade empreendedora transforma a condição mais insignificante numa excepcional oportunidade. O empreendedor é visionário dentro de nós. De acordo com Mendes (2009), todos são empreendedores por natureza, e tem-se pouca consciência de todas as possibilidades, mas busca-se empreender após uma experiência negativa no mercado de trabalho, após receber uma herança, ou até mesmo como um estimulo positivo. O grande desafio é realmente diferenciar o empreendedor legitimo dos demais que se arriscam. O sucesso do empreendimento de acordo com Lozinsky (2010) depende de alguns fatores como: personalidade, habilidade, emoções e comportamento, isto tudo aliado, forma uma visão empresarial de liderança e capacidade para criar e gerir bons negócios. A diferença entre os que reúnem essas características e os que não possuem é que define o porquê de alguns alcançarem o objetivo e outros não. Os que não as têm, primeiro devem reconhecer que possuem deficiências, e então buscar o conhecimento específico para poder empreender de forma consistente, alcançando assim maiores chances de sucesso. Segundo IBRACON (Instituto dos auditores independentes do Brasil), a taxa de mortalidade de pequenas empresas até setembro de 2014 foi de 52,18%, e esse número pode aumentar. Para Roberto Nogueira, presidente da CNC, somente os empreendedores preparados profissionalmente terão condições para sobreviver ao cenário econômico atual. Para responder quem são os administradores é necessário falar antes sobre a administração, para Chiavenato (2003) hoje vivemos em uma sociedade onde todas as atividades de produção de bens e serviços são planejadas, dirigidas, coordenadas, essas organizações utilizam se de recursos humanos (pessoas) e não humanos (físicos, materiais, financeiros e tecnológicos), para que essas organizações possam ser administradas é importante que sejam estudadas e analisadas.

67 Os administradores para Chiavenato (2003, p. 2) é a pessoa que desenvolve as estratégias, efetua diagnósticos dimensiona recursos, planeja sua aplicação, gera inovação e competitividade O Administrador segundo Chiavenato (2003), é o profissional apto a trabalhar desde o nível de supervisão de primeira linha ou como dirigente máximo de uma organização, esse profissional esta sempre na busca de métodos que sejam eficazes e eficientes, buscando a cooperação dos seus subordinados, esta tarefa administrativa deve ser aplicada em todos os tipos de organizações sejam elas pequenas ou grandes. De acordo com Maximiano (2006) administração é uma palavra antiga, associada a outras que se relacionam com o processo de tomar decisões sobre recursos e objetivos, ainda diz que administração é um conjunto de princípios, normas e funções que têm por fim ordenar os fatores de produção e controlar sua produtividade e eficiência, para se obter determinado resultado. O movimento do empreendedorismo no Brasil segundo Dornelas (2001) começou a tomar forma no final da década de 1990, quando surge a necessidade da diminuição da mortalidade das pequenas empresas, passou a ter uma atenção especial por parte do governo, que buscava a estabilização da economia. Deve-se também ao aumento de desemprego, o que fez com que ex-funcionários dessas empresas se arriscassem em novos empreendimentos, mesmo sem as experiências. O empreendedorismo no Brasil, de acordo com Dornelas (2001), tem uma relação com a criação de programas do governo federal como o Brasil Empreendedor, com a meta de capacitar 1 milhão de empreendedores, dados do SEBRAE mostram que de 1990 a 1999 foram constituídas no Brasil 4,9 milhões de empresas das quais 2,7 milhões são microempresas, concebidas de microempresários que não possuem conceito de gestão de negócios, atuando de forma empírica e sem planejamento, o que reflete em uma alta taxa de mortalidade que chega a 73% no terceiro ano de existência (pesquisa SEBRAE, 1999). O empreendedorismo para Dornelas (2001), ganha mais força e incentivo na deca de 90 com a criação de entidades como Sebrae (Serviços Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e Softex ( Sociedade Brasileira para Exploração de Software). O ambiente político e econômico do país não eram propícios, e o

68 empreendedor praticamente não encontrava informações para auxiliá-lo na jornada empreendedora. A criação do SEBRAE foi para dar suporte ao pequeno empresário brasileiro através de consultoria, a Softex criada para ajudar os desenvolvedores de software brasileiro a levar seus produtos ao mercado externo. O empreendedorismo, gradativamente, vem se firmando como uma grande possibilidade de opção profissional, junto com a atuação dos profissionais em grandes organizações e na área pública, assim atualmente, procura-se estimular o fomento e geração de novos empreendimentos. A profissão Administração de Empresas, é um tanto nova no Brasil, pois surgiu na década de 40, com as companhias de navegações Americanas, que tinham no seu comando profissionais formados em Administração de Empresas. Mas foi por volta de 1960 que administração começou a ser reconhecida, conquistando espaço, importância e status na atividade profissional, com ênfase no governo de Getúlio Vargas, que veio valorizar a ciência, suprindo suas necessidades de aprimoramento na Administração Pública Federal, com ordenação de mudanças, e reformas administrativas e sociais. A profissão foi regulamentada e aprovada no dia 9 de setembro de 1965, dia em que se comemora o dia do administrador, no governo do então presidente Castelo Branco. Com o desenvolvimento do país houve a necessidade de ocupar profissionais qualificados em administração, sendo que até então as empresas eram administradas apenas por seus próprios donos. Segundo o CFA (Conselho Federal de Administração) a profissão começa a se acentuar a partir da década de 40 com o surgimento da necessidade de mão-deobra qualificada, com a finalidade de promover a formação de pessoal para o suporte a questões econômicas e administrativas, devido a transição da sociedade agrária para a industrialização. O profissional deveria ser apto para atender o processo de industrialização. É importante destacar segundo o CFA, o surgimento da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (USP) contribuíram para o desenvolvimento econômico do país e ocuparam uma posição de dominante no ensino de administração, com o objetivo de criar um novo tipo de intelectual capaz de atuar nas áreas estratégicas, com o tempo

69 foi se aprimorando o ensino e novas faculdades foram surgindo, em 1966 o conselho federal de educação fixa um currículo mínimo para o curso, fixando como diretrizes as seguintes disciplinas: matemática, estatística, contabilidade, teoria econômica, economia brasileira, psicologia aplicada à administração, sociologia aplicada à administração, instituições de direitos publico e privado, legislação social, legislação tributaria, teoria geral da administração, administração de pessoal, administração de material. A administração de um negócio vai além da simples capacidade de assumir os riscos, ela está relacionada com a capacidade de utilizar as ferramentas administrativas, que estão disponíveis aos administradores. Nem sempre o empreendedor consegue utilizá-las ou têm conhecimento das mesmas. De Acordo com Mendes (2009), cada empreendedor é único e sua utilidade não pode ser percebida pelos insensíveis, ele sempre apresenta soluções adequadas aos problemas, sendo visto como sábio, gênio, porém, só é dotado da arte de pensar, mas alguns não possuem essa característica, não conseguem desenvolver a resiliência quando o negócio apresenta se frágil. Nesses casos o espírito empreendedor estava presente somente no momento de lampejos, levando seu negocio a sucumbir diante das dificuldades do mercado. A esse tipo de empreendedor, faltou o conhecimento adquirido pelo administrador, que muitas vezes pode avaliar as opções que o mercado oferece, desenvolvendo um planejamento estratégico, buscando novas oportunidades. Alguns empreendedores simplesmente são herdeiros de empresas familiares, segundo Mendes (2009), as empresas familiares administradas por herdeiros se tornaram sinônimos de fracasso generalizado em duas fases distintas, na década de 70 com a crise do petróleo, 1994 com a criação do Plano Real e a finalização da ciranda Financeira, que incentivava a transferência dos recursos produtivos para o financeiro. O empreendedor deve possuir características de administrador, para Dornelas (2001, p. 28) Todo empreendedor necessariamente deve ser um bom administrador para obter sucesso, no entanto, nem todo bom administrador é um empreendedor

70 O especialista domina profundamente um assunto, uma tecnologia ou um método. Mais do que isso, ele não apenas conhece a teoria associada a sua especialização, mas possui uma experiência pratica onde aplicou esses conhecimentos, o que o coloca em posição ainda mais destacada para solucionar problemas que tenha relação com sua área de atuação. LOZINSKY (2010, p.81) O empreendedor administrador está a cada dia em busca de novos conhecimentos da sua área de atuação, com o objetivo de não ficar obsoleto, pois novos métodos, novas formar e novos indicadores surgem a cada dia. Há alguns tipos típicos de empreendedor, o inapto, o adquirido e o construído, todos buscam sempre a independência, a auto-realização e o reconhecimento da sociedade. Segundo Dornelas (2005) quando se compara o papel e função do administrador com a do empreendedor, encontra-se muita semelhança entre ambos, isto é, o empreendedor é um administrador mais com alguns pontos convergentes em relação a média dos gerentes ou executivos, pois os empreendedores são mais visionários do que a maioria dos gerentes comuns. O administrador se enquadra no mundo corporativo. Ele está mais relacionado aos processos gerenciais, à solução de conflitos e de circunstâncias desfavoráveis para a empresa. Enquanto que, o empreendedor nem sempre se faz presente nas corporações. Ele é uma pessoa que tem coragem para ousar. Talvez abrir um novo empreendimento, fazer algo ou criar uma ideia nunca vista antes. O empreendedor vai além das tarefas normalmente relacionadas aos administradores, tem uma visão mais abrangente e não se contenta em apenas fazer o que deve ser feito. Eles se diferenciam também na maneira com que trabalham: o administrador trabalha em base de diretrizes, cultura, paradigmas e outros fatores na empresa que trabalha e o empreendedor trabalha mais com a criatividade, aprendizado e outros fatores no ambiente de mercado. [...] as diferenças entre os domínios empreendedor e administrativo podem ser comparadas em cinco dimensões distintas de negócio: orientação estratégia,

71 análise das oportunidades, comprometimento dos recursos, controle dos recursos e estrutura gerencial [...]. (DORNELAS, 2001, p. 31) Stewart (1982) acreditava que o trabalho dos administradores é semelhante ao dos empreendedores, já que compartilham três características principais: demandas, restrições e alternativas. Hampton (1991) diz que os administradores diferem em dois aspectos: o nível que ocupam na hierarquia, que define como os processos administrativos são alcançados e o conhecimento. Em relação aos níveis, o trabalho administrativo pode ser identificado como: de supervisão, médio e alto. De modo geral Dornelas (2001), o administrador tem a formação para o planejamento e o controle, e é centrado em como melhorar os processos, controles, informações, análises e qualidade. Já o empreendedor, é focado no mercado, nas oportunidades, na inovação e na criatividade, e está associado nos negócios do presente e do futuro. Dornelas (2005) menciona que um fator que diferencia o empreendedor de sucesso do administrador comum é o constante planejamento a partir da visão de futuro. Afirma ainda que esse talvez seja o grande paradoxo a ser analisado, visto que o ato de planejar é considerado uma das funções básicas de administrar. "Os administradores, mesmo os de sucesso, em geral, apresentam características como pessoalidade, bom uso do relacionamento interpessoal, com foco nas organizações e ações conjuntas, além da utilização da estrutura hierárquica. E empreendedores de sucesso, por outro lado, são visionários, sabem tomar decisões, fazem a diferença sabendo explorar ao máximo as oportunidades. Eles são determinados, dinâmicos, dedicados, otimistas e apaixonados pelo que fazem. São independentes e proativos, consequentemente, ricos, com muita capacidade de planejamento, liderança e organização. São bem relacionados, possuem conhecimento, assumem risco calculado, além de criar valor para a sociedade". (DORNELAS, 2005, p. 33) O empreendedor para Dornelas (2001) é aquele que faz as coisas acontecerem, que cria algo novo com valor, é aquele que tem a visão do negócio

72 como um todo, direciona e dedica todos os seus esforços na busca de recursos para transformá-lo em um negocio lucrativo e competitivo, transforma seus sonhos em realidade, direciona o seu foco mais para as oportunidades do mercado e fica atendo as mudanças, inova e é criativo. Existe um ditado que diz que empreendedor não é administrador, mais todo administrador é um empreendedor. De acordo com Dornelas (2001), o empreendedor é aquele que cria um equilíbrio, encontrando uma posição clara e positiva em um ambiente de caos e turbulência, ou seja, identifica oportunidades na ordem presente. O administrador possui uma visão mais ampla da empresa é orientado mais para o planejamento, controle, resolve problemas em várias situações, possui espírito de liderança. Maximiano (2006) afirma que administração é uma palavra antiga, associada a outras que se relacionam com o processo de tomar decisões sobre recursos e objetivos, ainda diz que administração é um conjunto de princípios, normas e funções que têm por fim ordenar os fatores de produção e controlar sua produtividade e eficiência para se obter determinado resultado. Dornelas (2005) fala que quando se compara o papel e função do administrador com o do empreendedor vê se muita semelhança entre eles, isto é, o empreendedor é um administrador mais com alguns pontos convergentes em relação á média dos gerentes ou executivos, pois os empreendedores são mais visionários do que a maioria dos gerentes comuns. Ressaltando que, mesmo com a linha de raciocínio que os diferenciam, cada um tem o seu valor, e são fundamentais dentro do processo da empresa, possuem habilidades que são essenciais na gestão estratégica do negócio. Segundo Chiavenato (2014), a tarefa básica da administração é a de fazer as coisas por meio das pessoas. Seja nas indústrias, no comércio, nas organizações de serviços públicos, nos hospitais, nas universidades, nas instituições militares ou em qualquer outra forma de empreendimento humano, a eficácia com que as pessoas trabalham em conjunto para conseguir objetivos comuns depende principalmente da capacidade daqueles que exercem função administrativa. Pode-se citar 5 características e similaridades do empreendedor que poderão ser comparadas com as características do administrador segundo o site administradores.com:

73 1 - O empreendedor tem iniciativa e fica atendo as oportunidades, o administrador guia-se pelos critérios de desempenho; 2 - Quanto a analise de oportunidades: o empreendedor toma decisões rápidas, o administrador vê mais a redução dos riscos; 3 - Quanto a alocação de recursos financeiro e de mão de obra: o empreendedor prioriza a eficiência, o administrador vai pelo planejamento formal; 4 - Quanto ao controle de recursos: o empreendedor é flexível, o administrador valoriza o poder, o status e a recompensa; 5 - Quanto à estrutura gerencial: o empreendedor é informal, o administrador é formal e segue a cultura organizacional; Diante da descrição do perfil do empreendedor comparado com o do administrador, pode se afirmar que é de extrema importância à pesquisa de mercado antes de se montar um negócio, principalmente no mercado atual tão competitivo. O mercado muda muito rápido, a necessidade de novos produtos e serviços, mão de obra qualificada, novas tecnologias, qualificação contínua do profissional, enfim, novas estratégias de gestão que fazem com que as empresas se adeque a essa nova realidade, sejam essas novas estratégias utilizadas pelo empreendedor e pelo administrador. De acordo com Mendes (2009), são posicionados alguns conhecimentos básicos em relação as características e qualidades pouco ensinadas nas escolas, e que são necessárias e cobradas no dia-a-dia do negócio. Ser líder por excelência, socialmente responsável, e conseguir equilibrar a vida pessoal e profissional para evitar a degradação dos negócios, podem ser tornar pontes de comportamento viáveis para o firmamento no mercado atual. Algumas modificações necessárias em suas estruturas contando principalmente com o Empreendedor ser o topo da pirâmide pode se tornar a organização sólida isto significa superar; falta de apoio, capital de giro e falta de credito no mercado, incentivo, pressão familiar e social, déficit no conhecimento do assunto, e ausência familiar com os conceitos da Gestão e do principal o planejamento estratégico. Talvez, o olhar seja como uma duvida; que não faça parte, ou que sua cultura não esta inserida neste contexto, mas, uns dos fatores que levam nós sermos verdadeiramente empreendedores está composta em apreciar valores

74 como felicidade, liberdade, plenitude ou excelência, pois, antes do constituir um pensamento organizacional, estará uma figura humana, consciente com a realidade de sua sociedade. Isto nos esclarece, porque valores e virtudes são características que impulsionam o sucesso ou fracasso do empreendedor. Seu modelo como relaciona com as pessoas (amigos, clientes, fornecedores, funcionários) determinam uma parte da imagem dentro e fora do empreendimento. Se o trabalho que faz é honesto, útil e importante para todos, sua imagem e valores estará sendo reflexo de tudo isso. Com base nisto, o empreendedor sendo integro (autoridade moral), e tendo sustentação da liderança ética é bem aceito por sua sociedade, como um ser integral. Valores universais do empreendedor: Felicidade; Liberdade; Plenitude; Excelência; Autonomia e Independência; Sentido de Realização/ Reconhecimento. Virtudes do empreendedor: Responsabilidade; Disciplina; Honestidade; Humildade; Integridade; Respeito; Equanimidade; O não julgamento; Atitudes empreendedoras: Procure honrar seus compromissos perante fornecedores, colaboradores e cliente; Seja honesto consigo mesmo e com os outros sem medo de expressar sua verdade mais profunda;respeite os diferentes pontos de vista mesmo quando não concorda com eles; Pratique o não julgamento ou o julgamento com base somente nos resultados; Utilize toda sua experiência de vida (erros e acertos) como uma oportunidade de aprendizado constante; Mantenha o equilíbrio emocional perante as adversidades; Apóie o crescimento pessoal e profissional de todos aqueles que fazem parte do seu círculo de relacionamentos; Pratique a excelência e empenhando todos os esforços para a construção de um mundo melhor para a família e a sociedade através do seu empreendimento. Faça o melhor esforço possível; Lembre-se de que os fins não justificam os meios, portanto, pratique a integridade, ou seja, a correspondência entre os seus valores e sua conduta. Na construção de uma definição de empreendedor, Filion (1999,) cita que o empreendedor é uma pessoa criativa, marcada pela capacidade de estabelecer e atingir objetivos, mantém alto nível de consciência do ambiente em que vive, usando-a para detectar oportunidade de negócios.

75 Administrar é o processo de planejar, organizar, liderar e controlar os esforços realizados pelos membros da organização e o uso de todos os outros recursos organizacionais para alcançar os objetivos estabelecidos. 3. METODOLOGIA O presente trabalho adota como procedimento metodológico a pesquisa bibliográfica, que segundo Lakatos (2007), permite compreender que, se de um lado a resolução de um problema pode ser obtida através dela, por outro, tanto a pesquisa de laboratório quanto à de campo exigem, como premissa, o levantamento do estudo da questão que se propõe a analisar e solucionar. A pesquisa bibliográfica pode, portanto, ser considerada também como o primeiro passo de toda pesquisa científica. E para Cervo e Bervian (2007), a pesquisa bibliográfica constitui o procedimento básico para os estudos monográficos, pelos quais se busca o domínio do estado da arte sobre determinado tema. Foi realizada uma breve pesquisa com base na seleção de informações seguindo um valor de conhecimento maior aos já conhecidos, como definição do tema, especificações, pontos convergentes, virtudes, visões e a colocação dos cargos sobre as organizações junto a comparações de seus desenvolvimentos e a construção que os mesmos podem realizar, assim busca colocar novos dados por meio de pesquisas, leituras e conclusões. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Após a realização do estudo parcial desse projeto é possível afirmar que é de suma importância ambos os cargos, sendo empreendedor ou administrador, pois estão influenciando positivamente o desenvolvimento econômico das organizações. O surgimento do empreendedorismo, passando pelas definições e comparações com os conceitos administrativos, até o entendimento do processo empreendedor, é abordado de forma objetiva, por serem um fenômeno universal no mundo moderno, fazendo-se entender que são profissões que apresentam um

76 crescimento constante e que sozinhas podem seguir, mas que com a especialização e o entendimento de ambas, uma organização pode alcançar o sucesso mais rapidamente, pois a união das mesmas apresentam inúmeros benefícios, pelo fato de cada uma apresentar inúmeros pontos positivos como um exímio identificador de oportunidades, a implementação de ações com total comprometimento, o senso de liderança, o planejamento de cada movimento de seu negócio, a tomada de decisões, a coordenação de múltiplas atividades, a condução de pessoas, a avaliação de desempenho, obtenção e alocação de recursos e assim sucessivamente, auxiliam no crescimento e estabilidade das organizações, e evitando que sejam mais uma sobre o índice de mortalidade das empresas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS A historia da administração no Brasil. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/a-historia-da-administracao-nobrasil/32217/>. Acesso em 25 de Julho de Administrador. Disponível em:<http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/o-que-seradministrador/40607/>. Acesso em 26 de Julho de CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; DA SILVA, Roberto. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente e moderna administração das organizações. 7. ed. ver.e atual. - Rio de Janeiro: Elsevier, p.41. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a teoria geral da administração Barueri-SP 9 ed., Manole, Diferenças e semelhanças entre o empreendedor e o administrador. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/academico/diferencas-esemelhancas-entre-o-empreendedor-e-o-administrador/74389/>. Acesso em 15 de Julho de DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: Transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Campus, p. 29. DORNELAS, José Carlos Assis. Transformando Ideias em Negócios. 2ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005 p. 28.

77 Empreendedor e Administrador: diferenças, similaridades e dificuldade.disponível em <http://www.administradores.com.br/artigos/economia-efinancas/empreendedor-e-administrador-diferencas-similaridades-edificuldades/23692/>. Acesso em 29 de Julho de 2016 Empreendedor x Administrador. Disponível em : <http://www.cramg.org.br/empreendedor-x-administrador-e-suas-contribucoes-parao-sucesso-do-negocio-adm-andre-cardoso-dos-santos> Acesso em 29 de Julho de Empreendedor X Administrador e suas contribuições para o sucesso do negócio. Disponível em: <http://www.rhportal.com.br/artigos/rh.php?idc_cad=0qgx4qt9m> Acesso em 03 de Agosto de Empreendedorismo. Disponível em: <http://redeetec.mec.gov.br/images/stories/pdf/eixo_infor_comun/tec_inf/081112_em preend.pdf>. Acesso em: 03 de Agosto de 2016 FILLION, L. J. Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porem complementares. Revista de administração da Universidade de São Paulo,7(3), GARTNER, W.B. Who is anentrepreneur? Entrepreneuir ship Theory and practice 13(4), 1990, p.68 HAMPTON. D.R. O trabalho do Administrador.São Paulo, Ed. Makron Books, História da Administração. Disponível em: <http://www.cfa.org.br/administracao/historia-da-profissao> Acesso em 04 de Agosto de Índice de mortalidade das pequenas empresas caiu pela metade nesse ano. Disponível em:<http://www.ibracon.com.br/ibracon/portugues/detnoticia.php?cod=2336> Acesso em 06 de agosto JULIEN, P. A Empreendedorismo regional e a economia do conhecimento São Paulo: Saraiva, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos da metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Atlas, LOZINSKY, S. Interpretando empreendedorismo na sua empresa experiência e ideias para criar uma organização empreendedora São Paulo: M. Books, 2010.

78 Material e Métodos. Disponível em: <http://www.fio.edu.br/manualtcc/co/7_material_ou_metodos.html>. Acesso em 06 de Agosto de MAXIMIANO, A.C.A. Teoria geral da administração. São Paulo: Atlas, MENDES, J Manual do empreendedor: como construir um empreendimento de sucesso São Paulo: Atlas, Pesquisa Bibliográfica/Documental. Disponível em: <http://profvirtuais.blogspot.com.br/>. Acesso em 08 de Agosto de SERGIO, B. Manual de gestão empresarial. São Paulo: Atlas,1999. STEWART, R. Amodel of understanding managerialjobs and behavior.academyof Management Review. Vol 7, n. 1, p.14, Tipos de Administrador. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/empreendedor-xadministrador/37780/> Acesso em 08 de Agosto de Tipos de empreendedor. Disponível em <http://www.josedornelas.com.br/wpcontent/uploads/2008/02/empreendedorismo_na_pratica_capitulo_2.pdf> Acesso em 08 de Agosto de 2016.

79 XII ERIC (ISSN ) Planejamento Tributário: importâncias na gestão empresarial BUENO, Marilda da Silva DAVID, Jonas Eduardo - FERRARI JÚNIOR, Edson - GONÇALVES, Constantino de Gaspari SILVA, Tatiane Batista Dambroski - RESUMO O estudo versa sobre o Planejamento Tributário enfocando suas importâncias na gestão empresarial. Trata de uma pesquisa exploratória que aborda o tema destacando vantagens que oferece para tomadas de decisões empresariais, considerando que o impacto tributário proporciona diferenças significativas nos resultados econômicos e financeiros. Realizado por meio de pesquisa bibliográfica e comparações entre os regimes tributários em vigor no país, tem por objetivo incentivar a pesquisa no meio acadêmico, apresentando contribuições da ciência contábil para esse assunto, que pode ser considerado como uma das grandes preocupações na gestão de empreendimentos, independente do segmento explorado. Apresenta os regimes tributários existentes no Brasil e as diferenças entre eles, suas vantagens e desvantagens, esclarecendo sobre as possibilidades de optar entre um e outro. Palavras-chave: planejamento tributário, regimes tributários e gestão empresarial. 1. INTRODUÇÃO A incidência tributária nasceu com a compra e venda de mercadorias, de maneira que o pagamento de impostos sempre esteve entre os gastos significativos das pessoas e principalmente das empresas. Quer seja neste aspecto como nos demais que envolvem a apuração de resultados econômicos, aumentar receitas e

80 minimizar custos e despesas para maximizar lucros tem sido um grande desafio para os profissionais das áreas de gestão. No Brasil, a carga tributária sempre foi elevada e nos últimos tempos tem sido, dentre outros, um dos principais fatores responsáveis pelo sucesso ou não de uma empresa, já que os tributos representam desembolsos de maiores proporções quando comparados com os demais. Neste contexto, o planejamento tributário tornou-se indispensável, inclusive pelo fato de que a legislação tributária brasileira é muito complexa, às vezes até confusa devido a constantes modificações que dificultam a interpretação por parte de seus usuários. Este estudo busca pesquisar a respeito dos regimes tributários que vigoram no país, na intenção de orientar sobre a importância de avaliar a melhor opção de enquadramento, e a partir desta, minimizar a incidência de impostos e alcançar melhores resultados econômicos. 2. PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: CONCEITOS E OBJETIVOS Planejar é preparar algo para o futuro estabelecendo metas que deverão ser atingidas em um determinado período. Sendo assim, planejamento tributário é um trabalho preventivo com o objetivo de encontrar a melhor opção de regime tributário para a empresa, evitando os reflexos negativos da carga de impostos. Ele é um conjunto de critérios ou sistemas legais que buscam diminuir de maneira legal a carga tributária vigente. De acordo com Fabretti (2006, p. 32), planejamento tributário é tido como, o estudo feito preventivamente, ou seja, antes da realização do fato administrativo, pesquisando-se seus efeitos jurídicos e econômicos e as alternativas legais menos onerosas, denomina-se Planejamento Tributário, que exige antes de tudo, bom senso do planejador. Então, planejamento tributário significa ter uma visão futura de lucro, como consequência das tomadas de decisão feitas no presente, portanto, é bom entender que:

81 planejamento tributário é como uma técnica gerencial que visa projetar as operações industriais, os negócios mercantis e as prestações de serviços, visando conhecer as obrigações e os encargos fiscais inseridos em cada uma das respectivas alternativas legais pertinentes para, mediante meios e instrumentos legítimos, adotar aquela que possibilita a anulação, redução ou adiantamento do ônus fiscal. (BORGES, 2002, p. 152). Quanto ao objetivo, entende-se que seja determinar o regime tributário que melhor enquadra a realidade da empresa, promovendo formas de diminuir a carga tributária, sem desobedecer a legislação vigente Importâncias do planejamento tributário O planejamento tributário visa o estudo dos tributos, para que o empreendedor possa encontrar o regime tributário que melhor se enquadra para sua organização, isto é, a forma menos onerosa, isso não significa agir de forma ilícita, pois está garantido na Constituição Federal 1988 conforme o Art o administrador da companhia deve empregar, no exercício de suas funções, o cuidado e a diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração de seus próprios negócios. Segundo Fabretti (2006, p.33), o planejamento tributário preventivo produz a elisão fiscal, ou seja, a redução da carga tributária dentro da legalidade. Sendo assim, conhecendo a empresa e quais tributos incidem sobre a atividade explorada, o empreendedor poderá diminuir sua carga tributaria de forma lícita, ou seja, dentro do que é imposto pelo legislador, de maneira que um estudo do planejamento tributário proporcionará uma visão positiva de suas atividades, elevando o desenvolvimento empresarial Regimes Tributários no Brasil Regime tributário é um conjunto de leis capaz de reger e indicar os tributos que uma empresa deve pagar ao governo. Atualmente no Brasil existem três opções de regimes tributários que são o Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional.

82 O lucro real Nesta opção de tributação, para realizar a apuração do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e também da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSSLL) calcula-se estes impostos com base no lucro contábil, acrescido de ajustes, podendo ser estes positivos ou negativos que sejam requeridos pela legislação fiscal. O lucro real é apurado por meio da confrontação das receitas com as despesas, ajustados pelas adições e exclusões ocorridas. Sendo assim, optando por está forma de tributação, os impostos serão calculados sobre o lucro liquido. Caso não ocorra lucro no período no período fiscal que pode ser (trimestral / anual), a empresa não terá que pagar estes impostos, por esta razão muitas delas escolherem trabalhar com uma margem de lucro pequena, ou até mesmo com prejuízo, mas optam pelo lucro real por considerar mais vantajoso. Silva e Rodrigues (2006, p.01) dizem que o Lucro Real é o lucro liquido do período, apurado com observância das normas das legislações comercial e societária, ajustado pelas adições, exclusões ou compensações prescritas pela legislação do Imposto de Renda. De acordo com no momento estarão obrigadas a apurar o resultado pelo Lucro Real as pessoas jurídicas, que: a) cuja receita total, no ano-calendário anterior, tenha excedido o limite de R$ ,00 (setenta e oito milhões de reais) ou de R$ ,00 (seis milhões e quinhentos mil reais) multiplicados pelo número de meses do período, quando inferior a 12 (doze) meses; b) cujas atividades sejam de bancos comerciais, bancos de investimentos, bancos de desenvolvimento, agências de fomento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito imobiliário, sociedades corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência privada aberta; c) que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital oriundos do exterior; d) que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam de benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do imposto; e) que, no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensal do imposto de renda, determinado sobre a base de cálculo estimada, na forma do art. 2º da Lei nº 9.430, de 1996; f) que explorem as atividades de prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços ( factoring ).

83 O lucro real pode ser apurado trimestralmente ou apurado em período anual, no entanto, feito a opção será irretratável para todo o ano-calendário. As exigências quanto a esta questão estão expostas a seguir. Na apuração trimestral, como o próprio nome sugere, o imposto será calculado a cada três meses, (31/Março, 30/junho, 30/setembro e 31/dezembro). A prática desta opção começa com a elaboração do balanço em março, referente ao período de janeiro à março, incluindo os ajustes necessários (adições, exclusões e compensações). Sobre o Lucro Tributável encontrado será pago o Imposto de Renda Pessoa Jurídica e a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido Na apuração anual a empresa deverá recolher os mesmos impostos junto ao fisco, no dia 31 de dezembro de cada ano ou na data da sua extinção, conforme Art. 17 da IN SRF nº 11/1996, e ao longo de cada mês, fará uma antecipação dos impostos. Também aos optantes deste regime a atual legislação permite abater valores destinados ao PRONAC - Programa Nacional de Apoio à Cultura, PAT - Programa de Alimentação ao Trabalhador, doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente, Atividades Culturais ou Artísticas e Atividade Audiovisual. Tais abatimentos incidirão diretamente no valor dos impostos calculados com base no Lucro Real. Segundo a Lei 1.598/77, art. 6: 3º - na determinação do lucro real poderão ser excluídos do lucro líquido do exercício: a) os valores cuja dedução seja autorizada pela legislação tributária e que não tenham sido computados na apuração do lucro líquido do exercício; b) os resultados, rendimentos, receitas e quaisquer outros valores incluídos na apuração do lucro líquido que, de acordo com a legislação tributária, não sejam computados no lucro real; c) os prejuízos de exercícios anteriores, observado o disposto no artigo 64. As exclusões são incentivos fiscais que são também de interesse do governo por ser uma forma de empresas investirem em programas sociais e culturais, programas esses que na verdade, são de responsabilidade do governo, mas que o mesmo não cumpre com efetividade.

84 O lucro presumido O lucro presumido é conceituado como (...) uma forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do Imposto de Renda e da CSLL das pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas, no ano-calendário, à apuração do lucro real (BRASIL, 2000, p. 1). Ao tratar do conceito de lucro presumido é importante observar que há restrições para a opção deste regime tributário. Andrade Filho, (2012, p. 584) explica a respeito dizendo: a expressão lucro presumido é ambígua, isto é, designa mais de uma coisa. Ela serve para fazer referência a um regime de tributação ao qual algumas pessoas podem aderir como sujeitos passivos do Imposto de Renda e serve também para designar a base de cálculo do Imposto de Renda devido pelas pessoas que vierem a aderir a essa sistemática de tributação. Os dizeres de Andrade Filho alertam sobre a importância que toda empresa deve dar a questão, independente da área de atividade explorada, desde que possua fins lucrativos, pois é interessante a elas conhecer como funciona qualquer regime de recolhimento de tributos, tendo como base no que pretende atingir de lucro em espaços previamente estabelecidos. O lucro presumido é uma forma de tributação simplificada para resolução da base de cálculo do imposto de renda e da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) das pessoas jurídicas que não estiverem sujeitas, no anocalendário, à apuração do lucro real. O imposto de renda é devido trimestralmente. (MAIA et. all., 2009, p.13). Os autores mostram que é necessário conhecimento para escolher o regime que mais se adapta a realidade da empresa. Isso implica em análise no momento da empresa escolher e colocar em prática o regime que pretende implantar e cumprir, sem deixar de levar em conta o suporte legal a seu favor e contra, ou seja, proibindo a liberdade plena de opção. Para Cruz, ( 2013, p. 1), o Lucro Presumido, segundo a legislação de regência, pode ser determinado com base no regime de caixa ou de competência, ao talante do contribuinte; ocorre que a opção por uma dessas alternativas pode trazer, por consequência, em situações idênticas, resultados diferentes no quantum apurado do lucro. No entanto, quando o valor distribuído é o encontrado na escrituração contábil, mesmo sendo superior ao valor apurado com base nas regras fiscais, não incide tributos nessa distribuição.

85 O autor destaca certos pontos e assim cabe à área de contabilidade da empresa analisar e optar por uma forma que seja ao mesmo tempo legal e mais econômica. É necessário considerar neste regime os impostos sobre a arrecadação que são calculados com base no lucro real que foi obtido por elas. Foi buscando simplificar o cálculo dos tributos sobre o lucro que é consideravelmente complexo na maioria dos casos que o governo criou o conceito de lucro presumido, que devido a sua característica e forma de apuração, presume qual será o lucro da empresa baseado nas atividades que ela exerce. Segundo Pina, ( 2015, p. 3), os requisitos para aderir ao lucro presumido são: - Faturamento menor que R$78 milhões anuais; -Não atuantes no mercado financeiro (bancos comerciais, bancos de investimento, corretoras, etc.); - Não tenham rendimentos de capital oriundos do exterior - Não usufruam de benefícios fiscais; - Empresas de pequeno e médio porte, pois proporciona uma relação custo benefício (simplicidade x custo) melhor que o Simples e o Regime do Lucro Real (especialmente importante para pequenas e médias prestadoras de serviço, pois os principais custos estão na folha de pagamento) A opção pelo regime de tributação com base no lucro presumido ocorrerá mediante o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido correspondente ao primeiro período de apuração de cada ano-calendário. A pessoa jurídica que iniciar atividades a partir do segundo trimestre manifestará a opção com o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido relativa ao período de apuração do início de atividade. A opção pela apuração do imposto de renda com base no lucro presumido é irretratável para o ano-calendário (Lei nº 9.718, de 1998, art. 13, 1º) (BRASIL, 2000, p. 2). Conforme estabelecido, existe regulamentação especial para a aplicação do lucro presumido. Trata-se de uma norma que garante segurança para as partes, respeitando-se princípios que as protege, seja ao pagador ou recebedor O Simples Nacional O simples Nacional tem sua origem a partir do surgimento da forma jurídica das micro e pequenas empresas com o objetivo de organizar este segmento da economia, que tinha há tempos um importante papel no desenvolvimento do país.

86 Historicamente, às micro e pequenas empresas surgiram no Brasil de maneira formalizada na década de 1980 quando já havia um predomínio numérico delas, mas sem atendimento diferenciado em relação às grandes empresas. Na época, as definições estatutárias desta nova visão de empresa só viria ser estabelecida pela Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, sob a forma inicialmente de medida provisória estabelecendo benefícios fiscais às micro e pequenas empresas. Neste contexto que foi criado um novo sistema tributário pelo qual o microempresário pode optar por pagar os impostos como antes ou por pagar um imposto único. As medidas adotadas para este regime de tributação visam estimular a legalização das inúmeras microempresas que atuavam na clandestinidade, além da formação de novos negócios e a geração de empregos. Ao criar este sistema de pagamento de impostos, o Governo Federal não considerou que esses benefícios fiscais viessem diminuir a arrecadação, pelo contrário, acreditou que poderia ocorrer aumento na arrecadação pelo crescimento do número de contribuintes, tanto que agora, o Governo está pressionando os Governos Estaduais para que adotem sistemas tributários semelhantes. Com base na Constituição Federal, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios dispensarão às microempresas e às empresas de pequeno porte, assim definidas em lei, tratamento jurídico diferenciado, visando a incentivá-las pela simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou pela eliminação ou redução destas por meio de lei (BRASIL, 1988, p. 119). Estima-se que existam no Brasil 2,5 milhões de empreendimentos que se enquadram como micro e pequenas empresas, também foram ela que ocuparam boa importância na economia a partir da primeira metade do século XX, razão que levou o governo a tomar providências no sentido de fortalecer as vantagens principalmente de ordem tributária, nas três esferas do poder. (...) regime especial de tributação por estimação objetiva, constituído em microssistema tributário, material, formal e processual, que unifica a fiscalização, o lançamento e a arrecadação de determinados impostos e contribuições da competência da União, Estados, Municípios e Distrito Federal, aplicável opcionalmente às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, com o escopo de garantir a estes contribuintes tratamento fiscal diferenciado e favorecido, em caráter parcialmente substitutivo ao regime geral e compulsório (MARINS e BERTOLDI, 2007, p. 68).

87 Da forma como o Simples Nacional funciona, atualmente ele é um regime jurídico simplificado e favorecido, tendente a reduzir a burocracia e a carga tributária a que estão submetidas às microempresas e empresas de pequeno porte do País. Pode-se afirmar que o Simples Nacional é um regime tributário especial, já que excepciona o geral, e não se aplica a todo o universo de pessoas jurídicas de direito privado nacional; tem o propósito de operacionalizar, na área fiscal, os princípios de tratamento diferenciado e favorecido às micro e pequenas empresas, e não se restringe apenas à desoneração financeira dos contribuintes, mas também a simplificação administrativa, tanto para os contribuintes quanto para os entes tributantes. (ALEXANDRE, 2010, p. 664). Completando 10 anos em 2016, o Simples Nacional (também conhecido como Super Simples) foi um marco para o empreendedorismo no Brasil, sua revisão é fundamental para ampliar o acesso ao programa e desafogar empreendedores que contribuem, hoje, com uma carga de impostos muito alta. A proposta que já está tramitando possui o seguinte teor: a principal alteração do Simples Nacional em 2016, com a revisão proposta do Simples Nacional, a principal alteração seria:- Ampliação dos limites de faturamento: o teto máximo de faturamento permitido para continuar no Simples passa de R$3,6 milhões/ano para R$14,4 milhões/ano. Em 2017, estão previstas as seguintes alterações do Simples Nacional 2017: Redução das tabelas de alíquotas: serão instituídas apenas 4 tabelas (comércio, indústria, serviços, serviços especializados) com alíquotas entre 4% e 29,7%.- Ampliação do limite de faturamento dentro da faixa inicial: o faturamento máximo permitido para alíquota inicial (a menor alíquota em cada tabela) passa de R$ para R$ na soma dos últimos 12 meses. Redução da alíquota de imposto: isto mesmo, haverá redução da alíquota de impostos para prestadores de serviços especializados (CONTABILIZEI, 2016, p. 1). Acredita-se que todas as empresas optantes pelo Simples Nacional irão se beneficiar desta alteração por meio dessa proposta que chegará em forma de uma Lei Complementar. Estima-se que as novas medidas e tabelas para pagamento dos impostos pelo Simples Nacional proposta em 2016 para vigorar em 2017 irá incentivar as empresas que estão no Lucro Presumido em solicitar o enquadramento no programa Simples Nacional. É possível que mais de 76 mil empresas do Lucro Presumido venham a ser enquadradas no Simples Nacional, reduzindo sua carga tributária e facilitando o pagamento de seus impostos. Como o Simples Nacional é um programa unificado de pagamento de impostos, unindo tributos municipais, estaduais e federais, qualquer alteração impacta

88 na máquina pública e o equilíbrio dessa arrecadação pode diminuir a dependência dos municípios e estados quanto aos repasses federais Como optar pelo regime tributário adequado? A escolha do regime tributário em qualquer tipo de negócio é muito importante tanto para os empreendedores que vão começar seu negócio como para aqueles que já estão a algum tempo no mercado, pois é esta opção que define o quanto de impostos serão pagos durante o ano, esta escolha poder levar a sobrecarga tributária e até mesmo a problemas com os órgãos fiscalizadores como a Receita Federal, Estadual e outros. Para fazer a opção, é preciso considerar aspectos importantes expostos a seguir. As pessoas jurídicas que desejarem optar pelo LUCRO REAL precisam também conhecer as características deste regime de pagamento de impostos sobre o lucro, pois, o lucro Real é o lucro líquido do período, apurado segundo os critérios do regime e com observância das normas das legislações comercial e societária, ajustado pelas adições, exclusões ou compensações prescritas pela legislação do Imposto de Renda. De acordo com o lucro real, é o regime tributário que qualquer empresa pode optar, porém, normalmente é adotado por empresas de grande porte e com reduzidas margens de lucro. Recebe esse nome pois para o cálculo do Imposto de Renda e da Contribuição Social utiliza como base o lucro apurado em balanço pela contabilidade. Com relação ao PIS e COFINS nesse regime, o cálculo é feito sobre as receitas (1,65% para o PIS e 7,6% para o COFINS), mas é possível obter credito de algumas despesas (Regime não cumulativo). Sendo assim a vantagem desse regime seria em momentos onde a empresa tem grandes despesas, que resultam em pouco lucro ou em prejuízo, pagando assim valores menores de imposto. Com relação às vantagens da escolha do regime de lucro real para o recolhimento de tributos uma delas é que ele é o único regime de tributação que permite o gozo dos diversos incentivos fiscais estabelecidos pela legislação do Imposto de Renda (SOUZA; PAVÃO, 2012, p. 6). Sendo assim, o Lucro Real é o lucro líquido do período, apurado com observância das normas das legislações

89 comercial e societária, ajustado pelas adições, exclusões ou compensações prescritas pela legislação do Imposto de Renda. O outro regime que as empresas podem optar é o do LUCRO PRESUMIDO, que segundo é o regime tributário onde o valor do lucro é presumido através da aplicação de alíquotas para o cálculo de Imposto de renda e Contribuição Social. Com relação ao PIS e COFINS as alíquotas são menores que no lucro real (0,65% para o PIS e 3% para o COFINS), porém, não se pode tomar crédito sobre suas despesas (Regime Cumulativo). O principal impedimento para se optar por esse regime é o faturamento que não pode exceder 78 milhões no ano. Este regime tem suas vantagens e desvantagens para as empresas que o adota, pois a lógica aponta seus prós e contras em aspecto como a burocracia para a sua aplicação. Deve-se considerar que o processo de presumir, por mais seguro que seja, quando se trata de economia, não há como garantir totalmente a possibilidade de alcançar metas. A tributação com base no lucro presumido é, sempre, uma opção. O contribuinte, nos casos em que a lei faculta o seu acesso a esse regime, pode ingressar a qualquer momento e pode sair se desejar e se for obrigado. De fato, existem duas espécies de normas que restringem o acesso a esse regime a certas pessoas jurídicas. Algumas pessoas jurídicas estão impedidas de optar por esse regime em virtude da atividade que desempenham como é o caso típico das instituições financeiras. (ANDRADE FILHO, 2012, p. 586). As pessoas jurídicas que desejarem optar pelo SIMPLES NACIONAL devem entender que se trata de um regime tributário que costuma ser mais vantajoso pelas suas alíquotas dinâmicas/ progressivas que geram menos impostos quando se tem uma receita menor e à medida que esta receita aumenta paga-se o valor proporcional a apuração do faturamento. O Simples Nacional está demonstrando que é possível a gestão e a atuação integrada entre a Receita Federal do Brasil, os Estados e Municípios, representando um verdadeiro exemplo de federalismo. Além de significar uma verdadeira reforma tributária para as microempresas e empresas de pequeno porte, o Simples Nacional está apontando caminhos para a reforma tributária das demais empresas, a partir da nossa experiência. (SANTIAGO, 2011, p. 3).

90 Outro fator positivo é o fato de ser simples e menos burocrática a apuração dos impostos, basta gerar uma única guia que corresponde aos diversos impostos que devem recolhidos. Para Ramos (2016, p. 1), outro benefício trazido para as microempresas e empresas de pequeno porte é que elas são dispensadas da entrega da apresentação da DCTF (Declaração de Débitos e Créditos de Tributos Federais) e do DACON (Demonstrativo de Apuração das Contribuições Federais). As empresas sem movimento há mais de três anos poderão solicitar a baixa nos registros dos órgãos públicos federais, estaduais e municipais, independentemente do pagamento de débitos tributários, taxas ou multas devidas pelo atraso na entrega das respectivas declarações nesses períodos. Há também vantagens sobre as licitações, o Simples Nacional determina que os governos estaduais, municipais e federais são obrigados a destinar uma parcela das licitações públicas para as pequenas e médias empresas da maioria dos setores comerciais. Segundo Ramos, (2016, p. 3), o ingresso no Simples Nacional é realizado a partir do enquadramento na definição de microempresa ou empresa de pequeno porte, do cumprimento dos requisitos previstos na legislação e da formalização da opção pelo Simples Nacional. Os optantes pelo regime anterior à nova lei migrarão automaticamente para o novo sistema, desde quer não possuam restrições e débitos na Receita Federal. A adesão ao Simples Nacional é facultativa, e, depois de realizada, poderá ser excluída, entretanto é obrigatoriamente válida para todo o ano-calendário. Para optar por este regime, as microempresas e empresas de pequeno porte devem estar enquadradas na faixa de faturamento permitida pelo regime, saber em qual faixa de faturamento mensal ficam para depois saber qual alíquota de impostos recolher. Também é preciso observar os ramos de atividades permitidos para tal enquadramento. O Simples Nacional por suas características e atualizações contínuas pode considerado o mais funcional dentre os três regimes. Ao tratar do assunto da pesquisa que enfoca regimes tributários, é necessário citar a questão do Microempreendedor Individual (MEI), para qual o teto de faturamento passará de R$ 60 mil para R$ 81 mil. O MEI entrou, efetivamente, para reduzir a informalidade de mão de obra no Brasil e tem proporcionado condições a pequenos empreendedores para iniciar seus negócios saindo da informalidade.

91 No momento podem se inscrever como micro empreendedor individual os empreendedores informais ou não, que faturam até R$ 60 mil por ano e que possuem no máximo um funcionário. Geralmente se enquadram no MEI cabeleireiros, fotógrafos, pequenos comerciantes, pedreiros, donos de lanchonetes e outros., desde que não tenham participação em outra sociedade. Os benefícios são vários, o empreendedor individual pode contar com o recolhimento para aposentadoria e auxílio-doença, além da possibilidade de participar de licitações públicas. Sendo assim, para escolher o melhor regime, além de conhecer os requisitos de cada um é preciso enquadrar-se no escolhido e para isto é necessário analisar a condição da empresa, seu porte e suas tendências, assim como as de mercado para chegar à conclusão de qual deles será o melhor Importâncias do planejamento tributário na gestão empresarial Ao tratar da gestão de empresas, é preciso considerar que o administrador tem o dever moral e a obrigação de zelar pela redução de custos e despesas inerentes a atividade explorada pela organização que está sob sua responsabilidade administrativa. Sendo assim, tem a responsabilidade de zelar também para que haja um planejamento tributário de forma lícita e preventiva. Para que isso ocorra, os dirigentes empresariais precisam buscar soluções dentro da lei para permanecer no mercado competitivo. A Lei das Sociedades Anônimas orienta que: o administrador da companhia deve empregar, no exercício de suas funções, o cuidado e diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração de seus próprios negócios. [e que] deve exercer as atribuições que a lei e o estatuto lhe conferem para lograr os fins e no interesse da companhia (LEI 6.404/76, ART. 153 e 154). A necessidade administrativa de diminuir gastos por meio de um planejamento tributário não deve ser confundida com sonegação fiscal, pois planejar é escolher entre duas ou mais opções lícitas, aquela que possa trazer melhores resultados para o empreendimento. Sonegar é o oposto, é utilizar-se de meios ilegais para deixar de recolher tributos devidos, o que caracteriza a fraude, a

92 simulação ou a dissimulação. Nesta visão, tal atitude é considerada como omissão dolosa com o propósito de impedir ou retardar a obrigação fiscal. A sobrevivência de uma empresa depende de uma boa gestão e a tributação é um dos fatores de grande impacto no sucesso ou insucesso da atividade explorada, eis aí a importância do planejamento tributário na gestão empresarial. Cabe ao gestor as responsabilidades de analise da relação custo/beneficio para a empresa, escolhendo as medidas viáveis, de acordo à classificação da empresa, se de pequeno, médio ou grande porte. Nessa visão, o planejamento tributário é o único que pode resultar em real economia para as empresas na questão do pagamento de tributos, sem a preocupação com posteriores complicações com o Fisco. Porém, para isso ocorra de forma satisfatória, é indispensável que ela tenha uma contabilidade fidedigna capaz de seguir as normas e princípios contábeis estabelecidos pela legislação contábeil em vigor. 3. Conclusões O estudo sobre planejamento tributário com enfoque nas suas importâncias na gestão empresarial esclarece a respeito das oportunidades que existem para empresas quanto as posibilidades de escolha entre os regimes tributários existentes no país. Trata de um assunto complexo e minucioso, mas indispensável para a sustentabilidade financeira da empresa. As diferenças entre um regime e outro podem significar a possibilidade da continuidade ou não da empresa no mercado, mas é preciso levar em conta que ambos possuem vantagens e desvantagens, realidade que exige profisisonais preparados para analisar a melhor opção em cada caso. Quanto a importancia do planejamento tributário na gestão empresarial, destaca-se que toda atividade exige conhecimentos, não será possível sucesso na gestão quando algo falhar, principalmente em pontos que acarretam perdas maiores, como o caso da tributação, que além de perdas, gera outros problemas ligados às questões legais da empresa perante o governo. Sendo assim, muito se tem a

93 estudar sobre o tema, pois todo estudo contribui com novas ideias e novas conquistas. REFERÊNCIAS ALEXANDRE, Ricardo. Direito tributário esquematizado. São Paulo: Método, ANDRADE FILHO, Edmar Oliveira. Imposto de Renda das Empresas. Atualizado de Acordo com a Lei N /07 e MP 449/08. São Paulo: Atlas, BORGES, Humberto B. Gerência de impostos: IPI, ICMS e ISS. 2 ed. São Paulo, Saraiva, BRASIL, Lei 1.598, de 26 de dezembro de Altera a legislação do imposto sobre a renda. Diário Oficial da União. Brasília. Suplemento disponível em: Acesso em: 10 de maio/2016. BRASIL, Decreto n , de 25 de janeiro de Planalto. Disponível em: Acesso em: 10 de maio/2016. BRASIL LEI 6.404, de 15 de dezembro de Dispões sobre as Sociedades por Ações. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 dez BRASIL. Instrução Normativa nº11/1996. Secretaria da Receita Federal. Dispõe sobre a apuração do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro das pessoas jurídicas a partir do ano-calendário de Disponível em:https://www.receita.fazenda.gov.br. Acesso em; 12 de maio/2016 BRASIL. Constituição Federal de Brasília: Congresso Nacional. CRUZ, Osvaldo (2013). Conselho federal de contabilidade. Lucro presumido distribuição de lucros com base em escrituração contábil tributação? Disponível em: Portalcfc.org.br/wordpress/wp.../LUCRO-PRESUMIDO-distribuição-de-lucros.pdf. Acesso em: 17 junho/ FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade Tributaria. 10. ed. São Paulo, Atlas, https://www.contabilizei.com.br/contabilidade.../alteracao-tabela-simples-nacional Alteração na Tabela Simples Nacional para 2016 Contabilizei (2016). Acesso em: 18 junho/ 2016.

94 https://www.receita.fazenda.gov.br/pessoajuridica/dipj/2000/orientacoes/lucroreal.ht m#pessoas Jurídicas Obrigadas ao Lucro Real - Ano-calendário de Acesso em: 16 julho MAIA, Edilaine Aparecia; et. all. Lucro real x lucro presumido análise da melhor opção para reduzir a carga tributária de uma prestadora de serviço na área hospitalar. Belo Horizonte: Itatiaia, MARINS, James; BERTOLDI, Marcelo M. Simples Nacional: Estatuto da microempresa e da empresa de pequeno porte comentado. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, PINA, Bernardo. Lucro presumido o que é, vantagens e desvantagens. Disponível em: desvantagens. Acesso em: 20 junho/2016. RAMOS, Victor Alexandre Costa de Holanda. Características, vantagens e desvantagens do Simples Nacional Disponível em: https://jus.com.br/artigos/.../caraceristicas-vantagens-e-desvantagens-do-simples-nacio. Acesso em 20 junho/2016. Receita Federal: Lucro presumido. Disponível em: Acesso em: 18 junho/2016. Regime tributário: minha empresa está no mais adequado? (2016). Disponível em: https://www.previsa.com.br/regime-tributario-sera-que-minha-empresa-esta-no-maisadequado. Acesso em: 16 junho SANTIAGO, Silas. Simples Nacional: o exemplo do federalismo fiscal brasileiro. São Paulo: Saraiva, SILVA, J. Miguel; RODRIGUES, Agostinho Inácio. LALUR Guia Prático de Escrituração do Livro de Apuração do Lucro Real ed. São Paulo, Cenofisco, SOUZA, Luciane Regina Braçarotode; PAVÃO, Ana Celi (2012). A necessidade do planejamento tributário visando a redução dos custos nas organizações. Londrina/ PR. Disponível em: https://www.inesul.edu.br/revista/arquivos/arq-idvol_19_ pdf. Acesso em: 17 junho/2016.

95 XII ERIC (ISSN ) ANÁLISE DA ÁREA/FUNÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTARIA EM UMA EM- PRESA DO SETOR QUÍMICO DA CIDADE DE ROLÂNDIA PR, A FIM DE APRESENTAR UMA PROPOSTA DE VIABILIDADE DE PROJETO. Mateus Francisco Klagenberg FAFIMAN - Prof.ª ME. Kátia Tóffolo FAFIMAN - 1.INTRODUÇÃO Nos últimos anos mudanças nos ambientes econômico, competitivo e regulamentador aumentaram a importância e a complexidade nas tarefas do administrador financeiro. Segundo Gitman (2010), A Administração financeira diz respeito às atribuições dos administradores financeiro na empresa. Os administradores financeiros são responsáveis pela gestão de negócios financeiros das organizações de todo os tipos, financeiras ou não, aberto ou fechadas, grandes ou pequenas, com ou sem fins lucrativos, eles realizam as mais diversas tarefas financeira, tais como planejamento, concessão de credito a clientes, avaliação de propostas que envolvem grandes desembolsos e captação de fundos para financiar as operações da empresa. O administrador financeiro de hoje, esta mais ativamente envolvido com o desenvolvimento e a implantação de estratégias empresariais, que tem por objetivo, o crescimento da empresa e a melhoria de sua posição competitiva. Por isso muitos altos executivos vêm da área financeira. Todas as funções financeiras são atribuídas ao setor Financeiro onde são controladas as finanças da empresa, planejando entradas e saídas dos recursos, de forma que são divididos entre contas a pagar e a receber. Para Michael (2011), A Administração Financeira, precisa de um projeto financeiro: A empresa elabora previsões de demonstrações financeiras com versões alternativas do plano operacional para analisar os efeitos de diferentes procedimentos operacionais sobre lucros projetados e índices financeiros, ela determina o montante de capital que será necessário para financiar o plano, ou seja, verifica quanto custarão os novos ativos necessários para atingir a meta de vendas, uma vez que, sem capital suficiente, o plano obviamente não poderá ser realizado, A empresa estima o caixa que será gerado internamente. Se os fluxos de caixa internos forem insuficientes para cobrir o

96 novo investimento exigido, a empresa deve identificar fontes das quais o capital externo possa ser levantado, levando em conta restrições por conta de dispositivos de títulos que limitam seu índice de endividamento e outros índices financeiros, A empresa estabelece um sistema de remuneração da administração baseada em desempenho que te recompensa os funcionários por criar valor para o acionista, Finalmente a administração deve monitorar as monitorações após a implementação do plano para identificar qualquer desvio e tomar ações corretivas. Dentro de uma instituição é fundamental desenvolvimento de projetos Financeiros pela área financeira e quando não existe é substituída pela função, onde ambos têm a responsabilidade da captação de recursos, alocação dos recursos e investimentos necessários para o sucesso de uma instituição. A área è responsável a controlar e caso necessário a busca de recursos externos para investimento ou saldar dívidas. A escolha do tema deve se à exigência do Curso de graduação de Administração, e que vem de encontro ao estudo de Administração Financeira e Orçamentaria dentro da empresa, visando o estudo das Finanças a ser aplicada em orçamento. Administração Financeira e Orçamentaria mostram aos empresários onde capitar e alocar seus recursos e investimentos dentro da sua empresa, sendo analisados através de registros e históricos contábeis de determinada áreas, conhecendo as áreas e quem exerce essa função financeira dentro da empresa. Conforme havia dito na introdução, é um tema que convivemos a todo o momento no dia a dia, seja em casa ou no trabalho. É preciso administrar uma casa, uma empresa, para não haver dividas que não possam ser pagas. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Para Junior, Rigo e Cherobim (2002) A Administração Financeira objetiva maximizar a riqueza dos acionistas da empresa. O administrador financeiro é o principal responsável pela criação de valor da empresa e, para isso, se envolve cada vez mais com os negócios da empresa como um todo. Suas atividades abrangem decisões estratégicas, como a seleção de alternativas de investimentos e as decisões de financiamento de longo prazo, além das operações de curto prazo,

97 como a gestão do caixa, o gerenciamento do risco e tantas outras. Sua área de abragência é ampla, ocupando-se do processo financeiro, dos mercados e das instituições financeiras, dos instrumentos financeiros e das finanças pessoais, governamentais e corporativas. A Administração Financeira pode ser exercida nas mais diversas organizações indústria, comércio ou serviços; empresas estatais ou privadas; voltadas ou não para lucros; governo, escolas, hospitais, clubes recreativos e outras. Suas funções principais são: Planejamento, controle, orçamento, previsões, fluxo de caixa, investimentos, financiamentos, crédito, cobrança, câmbio, operações bancárias e gerenciamento de risco. Uma das atividades financeiras de maior relevância é a intermediação de recursos financeiros. No âmbito empresarial, os recursos originam-se das atividades operacionais: da venda de produtos e prestações de serviços; do aporte de recursos dos proprietários, acionistas; ou ainda de recursos tomados emprestados ás instituições financeiras. Esses recursos são utilizados nas atividades operacionais ou em projetos de investimento. No âmbito externo á empresa, no mercado financeiro e de capitais, diferentemente, as instituições atuam como intermediários financeiros ou como facilitadores dos negócios no mercado mobiliário. A captação de recursos financeiros envolve a emissão e venda de papéis no mercado de capitais, sob a forma de ações e debêntures no longo prazo e comercial papéis no curto prazo. Essas operações ocorrem no mercado de capitais através de instituições financeiras como as corretoras de valores, as distribuidoras de valores e os bancos de investimentos; ou no mercado financeiro. As funções financeiras podem ser de curto ou longo prazo. As funções financeiras de curto prazo envolvem a administração do caixa, do crédito e das contas a receber e a pagar, dos estoques e dos financiamentos de curto prazo. A empresa precisa dispor de recursos suficientes para saldar os compromissos com fornecedores, salários, tributos e demais contas. Para tanto, os recebimentos das vendas ou prestação de serviços aos clientes precisam ocorrer simultaneamente aos compromissos. Quando existem prazos diferentes entre os recebimentos e os pagamentos, na maioria das vezes a empresa precisa buscar recursos no mercado financeiro; por meio de empréstimos, ou aplicados recursos excedentes. A

98 administração financeira de curto prazo também é chamada de administração do capital circulante (ou do capital de giro). No curto prazo, o administrador financeiro preocupa-se ainda com os planejamentos financeiros e tributários. Conforme Gitman (2010), profissionais de todas as áreas de responsabilidades em cada empresa precisam interagir com os procedimentos de finanças para desempenhar suas tarefas, e para que os administradores financeiros possam fazer previsões e tomar decisões úteis. A função da administração financeira pode ser descrita por meio de seu papel na organização, de sua relação com a teoria econômica e as ciências contábeis e das principais atividades do administrador financeiro. O planejamento financeiro, no entendimento de Gitman (2010), procura 5 definir previamente os padrões, os princípios, o processo de elaboração e os métodos de avaliação, bem como conhecer as atividades necessárias para que sejam alcançadas as metas estabelecidas. Quanto ao controle financeiro, o objetivo é realizar o acompanhamento permanente em relação ao desempenho dos planos, das políticas, dos objetivos e das metas fixadas à empresa. O administrador financeiro sempre deve agir no sentido de realizar os objetivos dos proprietários, seus acionistas. Conforme Gitman (2010), o objetivo da empresa é sempre maximizar o lucro. Em vista disso, o administrador financeiro somente pratica atos que tendem a fazer uma grande contribuição para os lucros totais da empresa. Dentre cada conjunto de alternativas considerado, o administrador financeiro escolheria o que devesse resultar em maior resultado monetário possível. Gitman (2010, p. 13) também afirma que o objetivo da empresa, e, portanto de todos os seus administradores, consiste em maximizar a riqueza dos proprietários. Gitman (2010) descreve que o planejamento financeiro é importante porque irá indicar antecipadamente as necessidades de numerários para o atendimento dos compromissos que a empresa costuma assumir, considerando os prazos para serem saldados. Gitman (2010) comenta que o planejamento financeiro fornece um mapa para a orientação, a coordenação e o controle dos passos que a empresa dará para atingir seus objetivos.

99 Segundo Brigham (2000) o planejamento financeiro envolve a realização de projeções de vendas, renda e ativos baseados em estratégias alternativas de produção e de marketing, seguidas pela decisão de como atender as necessidades financeiras previstas. No processo de planejamento financeiro, os gerentes também deveriam avaliar os planos e identificar as mudanças nas operações que pudessem melhorar os resultados. Gropelli (2010, p. 319) assim define planejamento financeiro: Planejamento financeiro é o processo por meio do qual se calcula quanto de financiamento é necessário para dar continuidade às operações de uma companhia e se decide quando e como a necessidade de fundos será financiada. Sem um procedimento confiável para estimar as necessidades de financiamento, uma companhia pode acabar não tendo fundos suficientes para pagar seus compromissos. Uma empresa fica inadimplente se não for capaz de saldar suas obrigações contratuais. Portanto a falta de um planejamento financeiro sólido pode causar falta de liquidez e, por isso a falência. Para Morante e Jorge (2012), o administrador financeiro age sobre o ativo circulante do negócio, dimensionando adequadamente os investimentos que serão realizados na sua operação, financiando clientes, investindo estoques, tanto de matérias primas e materiais auxiliares, como estoque de produtos acabados. Tem-se, portanto, em uma síntese, que o papel do administrador financeiro é exercido tanto sobre os recursos próprios aqueles que configuram o patrimônio líquido de negócios, como capital integralizado, reservas e lucros retidos como sobre de recursos de terceiros, aqueles que compreendem as contas do passivo circulante e do exigível em longo prazo. São recursos permanentes quando provenientes de recursos próprios ou de dívidas de longo prazo e constituem recursos temporários quando se referirem a compromissos e dividas em curto prazo. Morante e Jorge (2012), continua nos dizendo que os objetivos do administrador financeiro são: Análise e planejamento de todas as informações de cunho financeiro que possam se relacionar, direta ou indiretamente, com as operações da organização e mesmo com a expansão do negócio frente às oportunidades e mesmo ameaças derivadas do ambiente externo, isto é, do macro ambiente e, sobretudo, do ambiente setorial, no processo de administração estratégica do empreendimento.

100 A administração da estrutura dos ativos da empresa e de que forma tais ativos implicam em obtenção de recursos financeiros para a sua aquisição e operacionalização, coerentemente com as possibilidades de geração de caixas destes ativos; Administração da estrutura financeira da empresa, ai entendidos os aspectos relacionados com a composição mais adequada de financiamento a curto, médio e longo prazo, dada as suas implicações com a liquidez e rentabilidade do negócio, e também na própria determinação das melhores fontes de financiamento a curto, médio e longo prazo para suprimento das necessidades de capital de giro e recursos financeiros destinados á composição do ativo fixo da empresa. A Administração Financeira se vale dos conceitos compreendidos tanto na macroeconomia quanto na microeconomia. São dois ramos teóricos da mesma ciência. A microeconomia estuda comportamento dos consumidores e, por outro lado, certos aspectos relacionados ao funcionamento das empresas, no tocante a custos e produção de bens e serviços e, também, a receita e fatores produtivos. Em relação à Contabilidade a Administração Financeira dela se utiliza para uma visão acurada da posição financeira da organização. O contador, utilizando de certos princípios padronizados e geralmente aceitos, prepara demonstrações financeiras com base na premissa de que as receitas devem ser reconhecidas por ocasião das vendas. Por sua vez, as despesas devem ser reconhecidas por ocasião das vendas. Por sua vez, as despesas devem ser reconhecidas quando incorridas, isto é, na sua geração. Este método é geralmente chamado de regime de competência dos exercícios contábeis. Por este método o valor da venda comprovado por uma nota fiscal de venda emitida hoje, será recebido no mês seguinte, deve ser registrado já neste mês. Por seu turno, uma despesa comprovada para uma determinada nota fiscal de fornecimento ou prestação de serviço com data de hoje deve ser assumida hoje, independentemente de ter seu pagamento realizado, por exemplo, daqui a um mês. Mas, para o administrador financeiro, sua tarefa consiste em proporcionar os fluxos de caixa necessários para atingir as metas da empresa. A partir os registros contábeis são elaborados as demonstrações financeiras, que irão proporcionar ao administrador financeiro uma avaliação, o desenvolvimento

101 de dados adicionais e posteriores decisões com base em análises subsequentes, com vista ao equilíbrio entre as entradas e saídas de recursos e, sobretudo com vistas á maximização do valor do empreendimento, conforme já visto. Padoveze (2005) nos diz que a geração de caixa é o objetivo que suporta a missão das empresas, efetivando financeiramente os lucros necessários á remuneração do capital investidos, com isso permitindo a sua continuidade sua existência por tempo indeterminado. A compreensão da movimentação financeira, portanto é fundamental para o entendimento das operações da empresa e para a avaliação da viabilidade e retorno do investimento. As empresas nascem a partir de investimentos nas operações necessárias para produzir e vender os produtos e serviços escolhidos. Esses investimentos são destinados aos diversos ativos necessários a essas operações, ativos esses que, movimentados pelas pessoas, produzem e comercializam os produtos e serviços gerando os lucros necessários para dar o retorno esperado pelos investidores. O retorno necessário denominado criação de valor. As operações para produzir e vender produtos e serviços exigem recursos, que, por sua vez, tem que ser pago em dinheiro. O recebimento de dinheiro pela venda desses produtos e serviços é a contrapartida pelos esforços realizados. A diferença entre os valores pagos pelos recursos utilizados e os valores recebidos pelas vendas dos produtos e serviços é a geração operacional de caixa que decorre do lucro gerado por esses produtos e serviços. Fluxo financeiro ou de caixa essa movimentação básica, de recursos acoplado ás movimentações financeiras de investimento e entradas de capital, temos o fluxo financeiro geral do empreendimento. Assim, o fluxo financeiro ou de caixa pode ser definido como um conjunto de movimentações financeiras decorrente do pagamento e recebimento dos eventos econômicos das operações da empresa e das atividades de captação de recursos e investimento de capital. O fluxo operacional compreende basicamente: a saída da caixa para aquisição de estoques de mercadorias (comercio) e matérias-primas e componentes (indústria). Conforme evidenciado no fluxo, é comum que essa saída de caixa não seja de imediato, uma vez que, de um modo geral, os fornecedores de mercadorias e materiais dão um prazo para operacionalizar o pagamento de entregas. Assim,

102 essa saída de caixa corresponde ao pagamento a fornecedores, por meio da quitação das duplicatas originadas de suas faturas emitidas contra a empresa. A saída de caixa para pagamento das despesas gerais necessárias para manutenção e operação de todas as atividades empresariais, de produção, comercialização e administração. As despesas compreendem os gastos com mão de obra e seus encargos sociais, obrigatórios e espontâneos, e os gastos diversos com energia, viagens, aluguem seguros, fretes etc. são todas as despesas departamentais. A entrada de caixa pelas vendas efetuadas de mercadorias, produtos ou serviços, por meio de recebimento das duplicatas dos clientes, originadas das faturas emitidas pela empresa. Observe, no fluxo, que o evento que antecede o recebimento das duplicatas dos clientes é a venda. A empresa que tem condições de vender a vista (supermercado, por exemplo) não tem o tempo de espera para realizar financeiramente a venda, contudo a maior parte das empresas vende a prazo, para dar tempo aos seus clientes de escriturarem as faturas e providenciar o pagamento. A saída de caixa para o pagamento dos impostos devidos ao governo, em suas diversas esferas e modalidades. Os impostos são gerados pelas vendas, pelo lucro, por movimentação financeira e outros fatos geradores, contidos basicamente nas operações da empresa. Ehrhardt e Brigham (2012) Instituições financeiras, quando se levanta capital, transferências diretas de fundo de indivíduos a empresa são mais comuns para pequenas empresas ou economias em que os mercados e instituições financeiras não estão bem desenvolvidas. As empresas em economias desenvolvidas normalmente acham mais eficiente contar com os serviços de uma ou mais instituições financeiras para levantar capital. A maioria das instituições financeiras não é concorrente apenas em uma linha de negócios. Em vez disso, elas oferecem uma ampla gama de serviços e produtos dentro e fora do país. As seções a seguir descrevem os principais tipos de instituição e serviços financeiros, mas lembre-se de que as linhas divisórias entre eles muitas vezes são indeterminadas. Além disso, observe que a crise econômica mundial atual está mudando a estrutura de nossas

103 instituições financeiras e, com certeza, as novas regulamentações afetarão as que restarem. As finanças dos dias de hoje são, no mínimo, dinâmica! Os bancos de investimentos ajudam as empresas a levantar capital. Essas organizações coordenam ofertas de ações, o que significa que elas aconselham as sociedades anônimas com relação ao projeto e ao preço das novas ações, compram essas ações da sociedade emitente e revendam-nas aos investidores. Embora as ações sejam vendidas duas vezes, esse processo é, na realidade, uma transação de mercado primário, sendo o banco de investimentos um facilitador que ajuda a transferir o capital dos poupadores ás empresas. O responsável pela administração financeira e orçamentaria é o proprietário, que tem como responsabilidade: -Efetuar os pagamentos de contas, tais como agua, energia elétrica, aluguel, telefone, folha de pagamento, honorários do contador e os tributos, conforme guias emitidas pelo contador; - Elaboração de orçamento referente ao pagamento de fornecedores e investimentos futuros. A formação desejada para atuar na área, é ter formação superior em administração ou ciências contábeis, ter no mínimo um ano de experiência na área e conhecimentos com informática. 3. METODOLOGIA O trabalho foi realizado em uma empresa de distribuição de produtos para tratamento de água e efluente, localizada em Rolândia. Se utilizou além da análise vivencial, livros de autores de Administração Financeira como apoio ao trabalho, e fontes da Empresa, para o estudo de aprofundamento do assunto teórico e prático utilizando organogramas, planilhas, orçamentos e outros métodos que for útil em uma empresa. Neste trabalho foi adotado o tipo de pesquisa bibliográfica tais como livros, artigos, jornais, trabalhos de conclusão de curso e etc. De acordo com Figueiredo (2009, p 83) a pesquisa bibliográfica é a revisão que permite uma compreensão adequada de qual estado atual e o que já tem sido feito na área de sua pesquisa.

104 A pesquisa de campo é aquela que valorizam o aprofundamento das questões propostas e como consequência seu planejamento apresenta maior flexibilidade podendo ocasionar uma reformulação de seus objetivos ao longo da pesquisa. O estudo de campo tende a utilizar muito mais técnicas de observação do que interrogação. A pesquisa é desenvolvida basicamente por meio da observação direta das atividades do grupo estudado e de entrevista com informantes a fim de captar explicações e interpretações a respeito do que ocorre no grupo (Figueiredo, 2009, p.105) Pesquisa de campo na empresa RCJ Comércio de Produtos Saneantes Ltda., analisando captação de recursos financeiros e alocação recursos financeiros. Diagnostico da empresa referente fluxo de caixa. Desenvolvimento de projetos, tais como, compra de novo ativos, mudanças de prédios e etc. 4. RESULTADOS OBTIDOS NA PESQUISA A RCJ Comércio de Produtos Saneantes Ltda. Tem como nome fantasia Politec, situada na Av. Ouro, 256 Vila Oliveira CEP Rolândia/Pr, tendo como sócio Roni Carlos. A empresa surgiu no dia 13 de Setembro de 2007, na cidade de Rolândia Paraná, localizada na Av. Ouro, 256, Vila Oliveira. As atividades se iniciaram a partir do único proprietário da empresa, onde o mesmo era encarregado no período da noite e no período matutino realizava as vendas e entregas dos produtos químicos. Em torno de seis anos após, o proprietário decidiu se desligar da empresa onde trabalhava e ficar somente com a venda e entrega dos produtos químicos. Com o decorrer dos anos as vendas aumentaram, com isto houve a necessidade de contratação de um funcionário para efetuar as entregas. Como o proprietário ficou somente a cargo das vendas, o número de clientes se elevou, sendo assim a empresa efetuou a contratação de mais três funcionários, sendo um para a parte administrativa e financeira da empresa, um para efetuar a assistência técnica aos clientes e um químico para formular os produtos para cada cliente.

105 Figura nº 1: ORGANOGRAMA CONTADO R Fonte: Autor (2016) 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este Trabalho foi realizado para aprimorar e mudar a Organização de forma a atrair melhores resultados Projeto de mudança se faz necessário para melhor localização da RCJ Comércio de Produtos Saneantes Ltda. O Sócio Administrador será envolvido em todo o projeto de mudança. O treinamento do Sócio Administrador e do Assistente Administrativo se faz necessário para capacitação e atualização de novos mercados da atualidade, tendo em vista que os treinamentos só foram feitos na pratica. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS. GITMAN, LAURENCE J. Princípios de Administração Financeira: 12ª Edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, EHRHARDT, MICHAEL C.; BRIGHAM, EUGENE F. Administração Financeira: Teoria e pratica. 13ª Edição. São Paulo: Cegage, 2012.

Atendimento Emocional. Psicólogo Ivson Pereira

Atendimento Emocional. Psicólogo Ivson Pereira Atendimento Emocional Psicólogo Ivson Pereira Ivson da Silva Pereira Licenciatura em Psicologia pela Unesp/Assis. Formação de Psicólogo pela Unesp/Assis. Aperfeiçoamento em Ludoterapia. Especialista Profissional

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

Disciplina: Administração Financeira Ciências Contábeis

Disciplina: Administração Financeira Ciências Contábeis Disciplina: Administração Financeira Ciências Contábeis O termo finanças pode ser definido como a arte de administrar o dinheiro. O campo das finanças ocupa-se do processo, instituições, mercados e instrumentos

Leia mais

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA Senhores Acionistas, O Conselho de Administração da Metalfrio

Leia mais

D. (49) N, 2º

D. (49) N, 2º CONTROLLER (CÓDIGO 1896) Para empresa de médio porte Atividades a serem desenvolvidas: - Análise de produtividade da fábrica; - Elaborar e apresentar as análises de indicadores de resultados; - Análise

Leia mais

O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO

O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO Fernanda Zorzi 1 Catherine Chiappin Dutra Odir Berlatto 2 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema principal a gestão financeira através

Leia mais

Tomada de Decisões Relacionadas ao Balanço Patrimonial

Tomada de Decisões Relacionadas ao Balanço Patrimonial Tomada de Decisões Relacionadas ao Balanço Patrimonial Unidade 4 Hebert Sá 63 Sumário Introdução... 65 Objetivos... 66 Estrutura da Unidade... 66 Unidade 4: Tópico 1: Informações que Compõem o Passivo

Leia mais

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa.

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aprender a Empreender Objetivo: Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes sobre

Leia mais

Etapas do Plano de Negócios

Etapas do Plano de Negócios Etapas do Plano de Negócios Etapa 7. Plano financeiro Detalhes Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Etapa 7 Plano Financeiro Investimento

Leia mais

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender DICAS Para a sua leitura: Os itens do índice são clicáveis, então sinta-se à vontade para ler o conteúdo que

Leia mais

A avaliação da magnitude, da distribuição no tempo e do risco dos fluxos de caixa futuros é a essência do orçamento de capital.

A avaliação da magnitude, da distribuição no tempo e do risco dos fluxos de caixa futuros é a essência do orçamento de capital. Fluxo de Caixa o administrador financeiro precisa preocupar-se com o montante de fluxo de caixa que espera receber, quando irá recebê-lo e qual a probabilidade de recebê-lo. A avaliação da magnitude, da

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Me. Evandro Rafael

Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Me. Evandro Rafael Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Me. Evandro Rafael Decisões de financiamento a curto prazo Serão examinadas, as condições para uma apropriada administração das contas que configuram o ativo circulante

Leia mais

AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO ETEC HORÁCIO AUGUSTO Não fique sem o conteúdo, acesse:

AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO ETEC HORÁCIO AUGUSTO Não fique sem o conteúdo, acesse: INTRODUÇÃO AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO A contabilidade gerencial utilizar-se de temas de outras disciplinas, ela se caracteriza pôr ser uma área contábil autônoma, pelo tratamento dado

Leia mais

Etapa 7 Plano Financeiro

Etapa 7 Plano Financeiro 17/10/12 Etapas do Plano de Negócios Etapa Detalhes 7. Plano financeiro Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Investimento é tudo

Leia mais

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios Uma empresa que está começando, ou até algumas mais maduras, sempre possuem dúvidas sobre quais ferramentas de gestão implementar para garantir eficiência no controle e execução de processos. Algumas tentam

Leia mais

Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro

Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro Julho 2012 METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Comércio Varejista de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa: 605 casos, gerando um

Leia mais

Disciplina: Orçamento Empresarial. Contextualização

Disciplina: Orçamento Empresarial. Contextualização Disciplina: Orçamento Empresarial Contextualização A complexidade do ambiente onde as empresas atuam requer a adoção de estratégias e ferramentas adequadas para lidar com os constantes desafios e com a

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguilherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-2031 OS RELATÓRIOS DA As empresas com ação na bolsa de valores têm a obrigação de publicação de seus

Leia mais

O que será visto neste tópico...

O que será visto neste tópico... FEA -USP Graduação em Ciências Contábeis EAC0511-2014/2 Turma 01 Profa. Joanília Cia 1. Introdução Tema 01 Introdução I. Evolução de Finanças II. Questões de Finanças x Oquestões Oportunidades de Carreira

Leia mais

Guia Rápido para Diagnóstico Empresarial. Compreenda melhor a sua empresa. Acerte na decisão.

Guia Rápido para Diagnóstico Empresarial. Compreenda melhor a sua empresa. Acerte na decisão. Guia Rápido para Diagnóstico Empresarial Compreenda melhor a sua empresa. Acerte na decisão. Índice Introdução Diagnóstico Empresarial Departamento Financeiro e Fiscal Departamento de Recursos Humanos

Leia mais

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Introdução à análise de risco Um projeto de TI, como qualquer outro projeto está sujeito a riscos no decorrer do seu desenvolvimento. Alguns

Leia mais

MBA EM CONTROLADORIA PÓS-GRADUAÇÃO DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

MBA EM CONTROLADORIA PÓS-GRADUAÇÃO DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C MBA EM CONTROLADORIA PÓS-GRADUAÇÃO 13 DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Negociação e Marketing Empresarial Gestão Estratégica Empresarial Planejamento Estratégico Orçamentário e Gestão do Fluxo de Caixa Autor:

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou pessoa.

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Aula 09 Prof. Ewerton Monti Objetivo principal das empresas: Satisfação das necessidades das pessoas. Incluindo consumidores, empregados, acionistas, sociedade, fornecedores

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

XIII ERIC (ISSN ) Eixo Temático Administração e Recursos Humanos sala nº 04 (ARTIGOS)

XIII ERIC (ISSN ) Eixo Temático Administração e Recursos Humanos sala nº 04 (ARTIGOS) XIII ERIC (ISSN 2526-4230) Eixo Temático Administração e Recursos Humanos sala nº 04 (ARTIGOS) XIII ERIC (ISSN 2526-4230) ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTARIA: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA DE PEÇAS AUTOMOTIVAS

Leia mais

XIII ERIC (ISSN ) Eixo Temático Qualidade dos Serviços Organizacionais sala nº 17 (RESUMO)

XIII ERIC (ISSN ) Eixo Temático Qualidade dos Serviços Organizacionais sala nº 17 (RESUMO) Eixo Temático Qualidade dos Serviços Organizacionais sala nº 17 () ANÁLISE DA ADMINISTRAÇÃO DO CLIMA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO DO HOSPITAL CRISTO REI DA CIDADE DE MANDAGUARI

Leia mais

Ao termino dos estudos desta disciplina o aluno deverá: Entender os conceitos de finanças; Interpretar o desempenho financeiro do negócio.

Ao termino dos estudos desta disciplina o aluno deverá: Entender os conceitos de finanças; Interpretar o desempenho financeiro do negócio. Gestão Financeira plano de ensino Área: Formação Profissional Carga horária: 80 horas/aula Ementa Fundamentos da Gestão Financeira, ambiente financeiro e conceitos financeiros. Fontes de Financiamento.

Leia mais

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço S A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMNSTRAÇÃO DE SUA EMPRESA ndústria Comércio Serviço S O GestãoPro foi desenvolvido para atender as empresas que atuam nos setores da indústria, comércio e serviço. O grande diferencial

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC Quais indicadores podem ser utilizados para avaliar um sistema operacional? Alguns Exemplos de Indicadores Qualidade; Eficiência Operacional; Grau de Inovação; Superávit;

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com ANTIGAMENTE... Administradores não precisam saber muito como a informação era coletada, processada

Leia mais

Sumário. Prefácio, xix

Sumário. Prefácio, xix Sumário Prefácio, xix 1 Introdução, 1 Objetivo do livro, 2 1.1 Citações importantes sobre planejamento financeiro com destaque para o fluxo de caixa no contexto empresarial, 2 2 Administração financeira

Leia mais

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade.

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. O QUE É? É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. OBJETIVO Fornecer informações adequadas para subsidiar as decisões que envolvam desembolso e/ou a captação

Leia mais

Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha

Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha Questões de Revisão Contabilidade: Sistema de Informação Gerencial 1. A demonstração contábil-financeira

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

QUAL O RESULTADO DO MEU NEGÓCIO?

QUAL O RESULTADO DO MEU NEGÓCIO? QUAL O RESULTADO DO MEU NEGÓCIO? RESULTADO OU LUCRO? O NEGÓCIO Missão É a razão de ser da empresa; Deve orientar os objetivos financeiros, humanos e sociais. Gerar valor para nossos clientes, acionistas,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

ADMINISTRADORA ADMINISTRAÇÃO QUE VALORIZA O SEU BEM

ADMINISTRADORA ADMINISTRAÇÃO QUE VALORIZA O SEU BEM ADMINISTRAÇÃO QUE VALORIZA O SEU BEM Histórico A M.N Dígitos Administradora de Condomínios é uma empresa voltada ao setor Administrativo que se preocupa com a vida de seus clientes. Uma empresa atuante

Leia mais

Capítulo Como é feita a análise da situação econômica? (fácil)

Capítulo Como é feita a análise da situação econômica? (fácil) Capítulo 1 1. O que é o processo contábil? (fácil) Resposta: O processo contábil se inicia com a ocorrência dos Fatos Administrativos na entidade. A partir desses fatos, apoiado em documentos idôneos,

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS I

PLANO DE BENEFÍCIOS I PLANO DE BENEFÍCIOS I Mensagem da Diretoria Transparência para um relacionamento positivo Quando falamos em administração de um plano de previdência é essencial a construção de um relacionamento duradouro

Leia mais

AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS

AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gestão de Projetos O que é um Projeto? O que é Gerência de Projeto? O que é um Projeto? Um empreendimento único e não-repetitivo, de duração determinada, formalmente organizado

Leia mais

Capítulo 12. Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais. Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111

Capítulo 12. Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais. Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111 1 Capítulo 12 Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111 Prof: Márcio Luiz Borinelli Monitor: Wilson Tarantin Junior

Leia mais

GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA

GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA? 6 COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA? 10 O QUE FAZ UM CONTROLLER? 14 COMO FAZER UMA CONTROLARIA DA MELHOR

Leia mais

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas Autora: Begail da Silva Casagrande (UNIC) * Co-autor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: Administrar uma empresa não é uma tarefa fácil.

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

CONSULTORIA SUA LOJA DE SUCESSO

CONSULTORIA SUA LOJA DE SUCESSO 1 2 Índice Sumário Página 10 Passos para montar sua loja de calçados...3 Passo 1 Pesquisa de mercado...3 Passo 2 Identificar seu público alvo...4 Passo 3 Localização da sua loja...4 Passo 4 Quanto investir

Leia mais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Empresa Deve: Ser organizada: padronização administrativa (planejamento e controle) Ter qualidade: atender a necessidade dos consumidores (prazo, preço,

Leia mais

Gestão de Finanças Pessoais. Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira

Gestão de Finanças Pessoais. Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira Gestão de Finanças Pessoais Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira AVISO Apresentação disponibilizada pelo Banco Central do Brasil para ações de educação financeira alinhadas às

Leia mais

Sistemas de Informação na Empresa

Sistemas de Informação na Empresa Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Prof. Marcos Vinicius CON 2015/2 DESEMBOLSOS Saídas de dinheiro do caixa ou das contas bancárias das empresas, ou seja, entrega a terceiros de parte dos numerários

Leia mais

CONTROLADORIA. Gabriele KLOH¹ Vanessa MALLMANN² Odir Luiz FANK³

CONTROLADORIA. Gabriele KLOH¹ Vanessa MALLMANN² Odir Luiz FANK³ CONTROLADORIA Gabriele KLOH¹ Vanessa MALLMANN² Odir Luiz FANK³ Palavras-chave: Controller. Gestão. Estratégia e Planejamento. INTRODUÇÃO A alta necessidade de manter uma empresa exige uma certa competitividade

Leia mais

Contas a pagar & Contas a receber. Gestão Orçamentária

Contas a pagar & Contas a receber. Gestão Orçamentária Contas a pagar & Contas a receber Gestão Orçamentária Roteiro Introdução Funcionamento Estudo de caso Controle Planejamento Contas a pagar Contas a receber Referências Introdução Orçamento É um dos objetivo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

+ PLANO DE NEGÓCIO = SUCESSO. Prof.ª Regis luiz gomes

+ PLANO DE NEGÓCIO = SUCESSO. Prof.ª Regis luiz gomes EMPREENDEDORISMO + PLANO DE NEGÓCIO = SUCESSO Prof.ª Regis luiz gomes PLANO DE NEGÓCIO O QUE É? É UM CONJUNTO DE INFORMAÇÕES QUE PERMITEM AO EMPREENDEDOR DECIDIR COM MAIS SEGURANÇA SOBRE O NEGÓCIO,

Leia mais

Orçamento 29/08/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final. Orçamento de custos indiretos de fabricação

Orçamento 29/08/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final. Orçamento de custos indiretos de fabricação Orçamento Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas e administrativas

Leia mais

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Apresentação Para praticar Inteligência Competitiva (IC), uma organização deve contar com o apoio de profissionais que priorizam uma administração

Leia mais

profissões tendências em 2017

profissões tendências em 2017 17 profissões tendências em 2017 Analista de compras.1 Especializado em negociações com fornecedores, prospecção de novos profissionais e gestão de insumos diretos ou indiretos. Perfil com forte organização,

Leia mais

Contabilidade Básica I Seção 1 Definições

Contabilidade Básica I Seção 1 Definições Contabilidade Básica I Seção 1 Definições Prof. Me. Hélio Esperidião Objetivos: Compreender os princípios elementares da contabilidade. Surgimento A Contabilidade teve seu surgimento reconhecido durante

Leia mais

GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DE ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA

GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DE ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DE ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA INÍCIO ESCRITÓRIO DEFINIÇÃO DOS SÓCIOS OBJETIVOS DA SOCIEDADE CRESCIMENTO E CONTRATAÇÃO ELABORAÇÃO DAS POLÍTICAS GESTÃO DEFINIÇÃO DE CARGOS E FUNÇÕES DIFERENCIAL

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Objetivos Entender o significado de orçamento. Identificar os princípios de planejamento. Conhecer as etapas

Leia mais

CAP - Curso de Aperfeiçoamento Profissional. Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico

CAP - Curso de Aperfeiçoamento Profissional. Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico Toda empresa deve conhecer sua REAL capacidade de produção para que seja eficiente e produtiva, isso em qualquer tipo de segmento. Não conhecer os limites da

Leia mais

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS Wagner Viana SL 01 SL 02 SL 03 Oficina Objetivos Distinguir gestão do Fluxo de Caixa da apuração e análise de resultados; Apresentar

Leia mais

Como manter um nível adequado de estoques?

Como manter um nível adequado de estoques? Como manter um nível adequado de estoques? 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que ao manter grandes volumes de estoques a empresa irá arcar com custos desnecessários em armazenagem, movimentações e controles, além de

Leia mais

ARTIGOS TÉCNICOS. 2 - Controle de custo variável

ARTIGOS TÉCNICOS. 2 - Controle de custo variável 2 - Controle de custo variável No artigo anterior iniciamos o assunto Planejamento Operacional conceituando-o como a aplicação de uma série de rotinas administrativas para permitir ao empresário planejar

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Palavras-chave: Organização sem fins lucrativos. Administrador de organização sem fins lucrativos. Terceiro setor.

Palavras-chave: Organização sem fins lucrativos. Administrador de organização sem fins lucrativos. Terceiro setor. O ADMINISTRADOR DE ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS Marcileia Costa dos Santos* RESUMO O Terceiro Setor compreende Organizações Sem Fins Lucrativos que buscam promover o bem estar social e mudanças na

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias SUMÁRIO 1. Introdução/ prefácio...9 2. O que faz o Gerente quando administra bem os Recursos Humanos da

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

PDCA UMA SIMPLES FERRAMENTA QUE PODE MUDAR SUA EMPRESA. Sobre o Autor:

PDCA UMA SIMPLES FERRAMENTA QUE PODE MUDAR SUA EMPRESA. Sobre o Autor: PDCA UMA SIMPLES FERRAMENTA QUE PODE MUDAR SUA EMPRESA Sobre o Autor: Meu nome é Guilherme Pereira Nunes Assunção Araújo. Sou graduado em Administração Empreendedora, tenho MBA em Gestão Empresarial com

Leia mais

O que é Fluxo de Caixa Projetado. O que é o Fluxo de Caixa Projetado

O que é Fluxo de Caixa Projetado. O que é o Fluxo de Caixa Projetado Toda empresa possui o seu fluxo de caixa. Pode ser feito à moda antiga, no papel, em uma simples planilha do Excel, com entradas e saídas, ou então com planilhas mais elaboradoras. A verdade é que o gestor

Leia mais

É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI

É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI Fones: (11) 3431-8113 * 4044-8144 * 4044-7448 Email: comercial@aoxti.com.br www.aoxti.com.br Apresentação Síntese das Atividades

Leia mais

Portfólio. (62)

Portfólio.  (62) Portfólio www.cessistemas.com.br (62) 3250-7700 SOBRE A C&S SISTEMAS Auto Peças A C&S Sistemas foi fundada em novembro de 1993, no decorrer de sua trajetória foi conquistando o mercado local, Goiânia e

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS RELATÓRIO DE ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS NOVEMBRO / 2016 1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de riscos da Biorc Financeira é acompanhado constantemente pela Diretoria, sendo

Leia mais

GST0071- Administração Financeira

GST0071- Administração Financeira GST0071- Administração Financeira Objetivos üentender como funciona e o que é Administração Financeira; üconhecer a relação das finanças com a contabilidade; üidentificar o objetivo da administração financeira.

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Em qualquer um desses casos, você precisa refletir sobre como utilizar bem esse dinheiro poupado.

Em qualquer um desses casos, você precisa refletir sobre como utilizar bem esse dinheiro poupado. Os 3 Passos de um Planejamento Financeiro Inteligente 1 Bom, então você é um dos raros brasileiros que consegue poupar? Ou você é um dos 8muitos brasileiros que deseja começar a poupar? Em qualquer um

Leia mais

V.4, N.1 (2013) ISSN

V.4, N.1 (2013) ISSN CONTROLE DE FLUXO DE CAIXA: ESTUDO DE CASO EM UMA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Daniela T. de Lima 1 Jaime Luiz Prux Junior 2 INTRODUÇÃO O objeto central de estudo desta pesquisa é o controle

Leia mais

Gestão e Empreendedorismo

Gestão e Empreendedorismo Unidade III Gestão e Empreendedorismo Eliomar Borges Furquim Plano de negócios (PN): uma Visão geral. Objetivo específico - Ao concluir este módulo, você vai ser capaz de compreender o que é um Plano de

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE I PANORAMA GERAL DA CONTABILIDADE 1) O que é contabilidade e qual o seu objetivo? 2) Onde a contabilidade pode ser aplicada? 3) Quais são os usuários

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

Contextualização da Contabilidade Gerencial

Contextualização da Contabilidade Gerencial Contextualização da Contabilidade Gerencial Prof. Flávio Smania Ferreira 4 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.worpress.com Contabilidade: A contabilidade

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Sistemas de Informação Gerenciais Seção 1.2 Conceitos e perspectivas em SI Seção 1.3 Classificação dos SI 1 EMPRESA E TECNOLOGIA 2 Contexto Já perceberam que as empresas no mundo moderno estão relacionadas

Leia mais

Etapas do processo de Administração Estratégica. DPS aula 3 Negócios

Etapas do processo de Administração Estratégica. DPS aula 3 Negócios Etapas do processo de Administração Estratégica Aula 3 Professor Douglas Pereira da Silva 1 2 As etapas envolvidas na administração estratégica Etapa 1: Análise do ambiente O processo de administração

Leia mais

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS 1. Introdução Os orçamentos que podem ocorrer em um projeto durante sua vida útil serão apresentados a seguir. Portanto, é importante estabelecer, também, a determinação da vida

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações Professora: Caroline Camera Origens da Contabilidade de Custos A preocupação com a Contabilidade nasceu desde que o homem passou a possuir

Leia mais

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção dos bens e serviços

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Planejamento Agregado: Maximizar os resultados das operações e minimizar os riscos de tomadas

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

D. (49) N, 2º

D. (49) N, 2º CONTROLLER (CÓDIGO 1896) Para empresa de médio porte Atividades a serem desenvolvidas: - Análise de produtividade da fábrica; - Elaborar e apresentar as análises de indicadores de resultados; - Análise

Leia mais

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana Elaboração da DFC Método Direto A fim de possibilitar melhor entendimento, vamos desenvolver um exemplo passo a passo da montagem da DFC pelo método direto, tomando por base as informações a seguir: Balanço

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital 2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 7 2 1. Introdução

Leia mais

BALANCED SCORECARD COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A CONTROLADORIA

BALANCED SCORECARD COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A CONTROLADORIA 87 BALANCED SCORECARD COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A CONTROLADORIA Vanilse Paula da Silva 1, Michele Rodrigues 2 Resumo: O presente estudo teve como objetivo demonstrar como o Balanced

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2. Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO

FLUXO DE CAIXA. Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2. Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO 1 FLUXO DE CAIXA Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2 Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO O estudo aqui apresentado visa pesquisar e apresentar informações e o funcionamento

Leia mais

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho pedro.carvalho@fmu.br Finanças para Empreendedores Prof. Simulação de um orçamento para o fornecimento de materiais e serviços para uma rede LAN, em uma empresa.

Leia mais

Soluções de Gestão Integrada e Infraestrutura para empresas de pequeno e médio porte

Soluções de Gestão Integrada e Infraestrutura para empresas de pequeno e médio porte Soluções de Gestão Integrada e Infraestrutura para empresas de pequeno e médio porte Kaio Yoshida Senior Consultant / IT Solutions Architect kaioyoshida@proversistemas.com.br Fone: (11) 96184-9400 / (19)

Leia mais