PLANO ESTRATÉGICO DA REDE DE NUTRIÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO ESTRATÉGICO DA REDE DE NUTRIÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE"

Transcrição

1 PLANO ESTRATÉGICO DA REDE DE NUTRIÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE RedeNutri é uma rede de relacionamento composta por diversos sujeitos relacionados à implementação da Política de Alimentação e Nutrição. A rede, ao longo dos seus oito anos de existência, caracterizou-se pela difusão de informações e uma estrutura verticalizada. Diante dos desafios atuais para intensificar a troca de experiências e formulação de estratégias que contribuam para qualificação da gestão e implementação das ações de alimentação e nutrição no Sistema Único de Saúde decidiu-se por reestruturar sua forma de funcionamento, privilegiando o relacionamento horizontal e o uso de ferramentas que facilitem a problematização e formulação de idéias. O presente documento, portanto, tem como objetivo apresentar a proposta de reformulação da RedeNutri. Missão: Constituir espaço para problematização, formulação e troca de experiências relacionadas à implementação da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e suas diretrizes. Visão: Ser referência para formação de agenda e tomada de decisão nas Políticas e programas públicos relacionados à Alimentação e Nutrição. Objetivos:

2 Contribuir com o processo de expansão e qualificação das ações de alimentação e nutrição nos diferentes níveis de atenção à saúde no SUS. Discutir os desafios para o aprimoramento dos programas e ações relacionados às diretrizes da PNAN Estimular o planejamento e a ação em alimentação e nutrição baseada em evidências. Promover e valorizar a ação do controle social em todas as etapas de planejamento e implementação das ações de alimentação e nutrição. Contribuir para a inserção ativa do setor saúde nas estratégias para realização do Direito Humano à Alimentação Adequada e garantia da Segurança Alimentar e Nutricional. Contribuir para a postura pró-ativa e de liderança dos gestores de alimentação em nutrição em todas as esferas de governo. Trocar experiências sobre a organização das ações de A&N nas esferas municipal, estadual e federal Contribuir para a educação continuada de profissionais envolvidos na realização de ações de alimentação e nutrição. 2 - Organização da rede A reestruturação da RedeNutri é um processo progressivo que à medida que avança poderá incorporara novos setores e ganhar complexidade em suas estratégias de discussão e troca de experiências. Inicialmente a RedeNutri será composta pelas seguintes organizações e setores: o Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição / Ministério da Saúde

3 o Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição - OPSAN/UnB o Organização Pan-Americana de Saúde OPAS/OMS o Coordenações Estaduais de Alimentação e Nutrição o Coordenações Municipais de Alimentação e Nutrição o Centros Colaboradores de Alimentação e Nutrição o Universidades o Organizações Não-Governamentais que possuem interface com a temática da rede o Nutricionistas vinculadas ao SUS o Nutricionistas dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família o Sistema CFN (comissões de ensino ou temática) o Conselheiros de Saúde (Comissões Intersetorias de Alimentação e Nutrição ou correlatos) o Conass (Comissões de Atenção Básica, Nutrição ou correlatos) o Conasems (Comissões de Atenção Básica, Nutrição ou correlatos) o Setor privado / produtivo 3. A estrutura de rede - Grupo Gestor Composto pela Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição - Departamento de Atenção Básica Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde e Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição/UnB. Tem o papel de propor agenda, monitorar as ações propostas e avaliar a sua execução. O grupo gestor se reunirá presencialmente de acordo com a necessidade existente.

4 - Facilitador Técnico: Tem a função de propor e fomentar as atividades permanentes ou eventuais a serem desenvolvidas pela RedeNutri. Acompanhar as mensagens enviadas no REDENUTRI primando por manter as normas de funcionamento estabelecidas; Zelar para que as mensagens e outros materiais em circulação na REDE respeitem e promovam os objetivos e princípios da REDE; Monitorar as mensagens trocadas de forma a identificar possíveis conflitos de interesses entre os membros do REDENUTRI; Essa função será exercida pela Organização Panamericana de Saúde e Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição OPSAN/UnB Administrador da Rede Tem a função de: Desenvolver o site da RedeNutri Gerenciar o site da RedeNutri e Listserv - RedeNutri Eventualmente, realizar funções atribuídas aos facilitadores técnicos Essa função será desenvolvida pela Coordenação Geral da Política Nacional de Alimentação e Nutrição 4. Normas de Funcionamento As normas de funcionamento da RedeNutri são:

5 1. As mensagens não podem violar a legislação brasileira 2. Os facilitadores não se responsabilizam pelo conteúdo das mensagens postadas nesta Rede. 3. Não são permitidas mensagens com conteúdo ou linguagem consideradas ofensivas ou desrespeitosas. Devem ser sempre respeitadas a ética profissional e pessoal. 4. A língua oficial da Rede é o português. 5. As mensagens postadas na Rede devem ser de interesse de todo o grupo. As que forem relevantes apenas para uma pessoa devem ser encaminhadas diretamente para o endereço eletrônico do interessado. 6. Não podem ser postadas mensagens de cunho comercial como vendas de serviços, recursos ou propagandas de empresas. 7. Não são permitidas mensagens com conteúdo político-partidário. 8. A divulgação de material na Rede não pode ser realizada sem autorização expressa do autor(es) ou daquele que detenha os direitos autorais. 9. Os materiais produzidos no âmbito da rede terão como autor a REDENUTRI e, quando aplicado, serão citados o grupo de participantes que participou diretamente da elaboração. Qualquer postagem desta natureza devera ser analisada pelo Grupo Gestor. 10. Qualquer mensagem que não observar as normas de funcionamento aqui expressas serão excluídas pelo Administrador da Rede. Em caso de reincidência o autor será excluído da rede.

6 5. Formas de relacionamento O ingresso à RedeNutri será feito por meio de convite aos possíveis participantes conforme as instituições e perfis de profissionais descritos na seção 2. Posteriormente, a adesão poderá ser feito diretamente na página da rede. O contato com membros se dará através de mensagens e por meio de espaço construído na página da rede. Se terá como princípio de relacionamento a promoção do protagonismo dos participantes. As ferramentas básicas de Chat, Fórum e Documento Colaborativo dinamizarão o contato entre os participantes. 6- Estratégias de divulgação Os produtos gerados a partir das atividades desenvolvidas na rede serão divulgadas por meio de materiais impressos ou de um espaço aberto na página da rede de acesso livre para integrantes e não integrantes. Também se buscará estabelecer interfaces com outras redes afins e com a Biblioteca Virtual de Saúde. 7- Plano financeiro e captação de recursos O Plano Financeiro da RedeNutri deve contemplar os gastos oriundos das seguintes ações: - Contratação do Administrador da Rede - Realização do Evento de Lançamento - Produção e impressão de materiais

7 O Ministério da Saúde apoiará a contratação do Administrador da Rede. Nesse período inicial está acordado que a Organização Pan-Americana da Saúde através do Termo de Cooperação disponibilizará o software Listserv para domiciliar a rede. À medida da necessidade serão desenvolvidas iniciativas que visem assegurar a sustentabilidade da rede. Brasília, 25 de junho de 2009.

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Organização Pan Americana de Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde Associação Brasileira da Rede Unida

Leia mais

CRIAÇÃO GRUPO DE TRABALHO ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO ÂMBITO DA ABRASCO

CRIAÇÃO GRUPO DE TRABALHO ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO ÂMBITO DA ABRASCO CRIAÇÃO GRUPO DE TRABALHO ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO ÂMBITO DA ABRASCO 1. Introdução Em 13 de julho de 2007, na cidade de Salvador/ BA, no IV Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e

Leia mais

CURSO AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA-A3P: CONHECENDO E APLICANDO NA PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE

CURSO AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA-A3P: CONHECENDO E APLICANDO NA PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE Unidade Acadêmica de Educação a Distância e Tecnologia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Gestão em Educação

Leia mais

Rede de Alimentação e Nutrição do Sistema Único de Saúde

Rede de Alimentação e Nutrição do Sistema Único de Saúde Rede de Alimentação e Nutrição do Sistema Único de Saúde Rede de Alimentação e Nutrição do Sistema Único de Saúde 1 Rede de Alimentação e Nutrição do Sistema Único de Saúde Sumário 10 4 Apresentação

Leia mais

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 SUMÁRIO 1. Apresentação... 02 2. Objetivo... 02 3. Princípios... 02 4. Documentos de Referencias... 03 5. Diretrizes... 03 6. Compromissos e Prestação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA

ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA Art.1 - A FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA, constituída de acordo com o Ato

Leia mais

ESTRUTURA DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

ESTRUTURA DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ESTRUTURA DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA OBJETIVO Estabelecer as bases de funcionamento do Programa de Educação Continuada sob responsabilidade da Comissão de Educação do Sistema/CES

Leia mais

EDITAL DE DIVULGAÇÃO 5ª Edição do Mapeamento de Experiências Exitosas de Gestão Pública no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa 2017

EDITAL DE DIVULGAÇÃO 5ª Edição do Mapeamento de Experiências Exitosas de Gestão Pública no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa 2017 EDITAL DE DIVULGAÇÃO 5ª Edição do Mapeamento de Experiências Exitosas de Gestão Pública no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa 2017 O Mapeamento de Experiências Estaduais, Municipais e Distrito

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró-Saúde - para os cursos de graduação da área

Leia mais

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org GT de Comunicação - Nota Conceitual O Grupo de Trabalho de Comunicação do Comitê Organizador do

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS A importância do PBQP-H para as construtoras Arq. Marcos Galindo 12/05/2106 INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA Portaria nº 134, de 18/12/1998, do Ministério do Planejamento e Orçamento Objetivo

Leia mais

SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO CHAMADA DE INTERESSADOS EM CONTRIBUIR COM A FORMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE RECEITAS CULINÁRIAS CASEIRAS PARA O GUIA ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS O Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois

Leia mais

Alimentação e Nutrição na Cidade do Rio de Janeiro. Instituto de Nutrição/UERJ

Alimentação e Nutrição na Cidade do Rio de Janeiro. Instituto de Nutrição/UERJ Construindo a Política Municipal de Alimentação e Nutrição na Cidade do Rio de Janeiro I tit t d N t i ã A Di /SPS/SUBPAV/SMSDC Instituto de Nutrição Annes Dias/SPS/SUBPAV/SMSDC Instituto de Nutrição/UERJ

Leia mais

Capacitação Macrorregional SISVAN

Capacitação Macrorregional SISVAN Capacitação Macrorregional SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção á Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição SISVAN - Diagnóstico descritivo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

DECRETO RIO Nº DE 4 DE ABRIL DE 2017(PUBLICADO NO DO DE 05/04/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO RIO Nº DE 4 DE ABRIL DE 2017(PUBLICADO NO DO DE 05/04/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO RIO Nº 42995 DE 4 DE ABRIL DE 2017(PUBLICADO NO DO DE 05/04/2017) Dispõe sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Cultura - SMC. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO

PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL VER-SUS SÃO PAULO 2016: VIVER A REALIDADE DA SAÚDE E MORADIA EM SÃO PAULO. 1- APRESENTAÇÃO Os estágios

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

Programa EaD em REDE

Programa EaD em REDE Programa EaD em REDE Regulamento Interno Regulamenta o Programa EaD em Rede da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais - ABRUEM. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

Nutrição: multiplicando experiências e definindo caminhos sustentáveis, nos locais de trabalho.

Nutrição: multiplicando experiências e definindo caminhos sustentáveis, nos locais de trabalho. EDITAL Nº 1, DE AGOSTO DE 2016, 1º CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EXITOSAS em Conhecimentos e Estratégias em Alimentação e Nutrição: multiplicando experiências e definindo caminhos sustentáveis, nos

Leia mais

ESTATUTO DA REVISTA FAZ CIÊNCIA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS

ESTATUTO DA REVISTA FAZ CIÊNCIA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS 191 ESTATUTO DA REVISTA FAZ CIÊNCIA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - A Revista Faz Ciência é um periódico interdisciplinar, de caráter científico, que publica artigos inéditos, de circulação

Leia mais

PARÂMETROS REGULAMENTADORES DA REDE REGIONAL DE JOVENS LÍDERES

PARÂMETROS REGULAMENTADORES DA REDE REGIONAL DE JOVENS LÍDERES PARÂMETROS REGULAMENTADORES DA REDE REGIONAL DE JOVENS LÍDERES Preâmbulo A Rede Regional de Jovens Líderes do Rio de Janeiro, com base nos princípios gerais que regem o escotismo, inseridos na lei e promessa

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assistente Técnico Junior No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado com a Secretaria

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto PENSAR O BRASIL E CONSTRUIR O FUTURO DA NAÇÃO 2 Coordenador(a) ENGENHEIRO CIVIL JOSÉ CARLOS XAVIER 3 Gestor(a) 4 Programa ENGENHEIRA QUÍMICA WANESSA SEVERINO BORGES ALMEIDA CAIS 5 Objetivo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

I. DAS INFORMAÇÕES PRELIMINARES SOBRE OS TEMAS PARA A SUBMISSÃO DAS EXPERIÊNCIAS

I. DAS INFORMAÇÕES PRELIMINARES SOBRE OS TEMAS PARA A SUBMISSÃO DAS EXPERIÊNCIAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE EXPERIÊNCIA PARA O LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO SOBRE A PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DAS MULHERES CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE (CNS) E ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

valor compartilhado, pelo qual pautamos nossas ações e desejamos ser parceiro no desen volvimento das pessoas e da sociedade.

valor compartilhado, pelo qual pautamos nossas ações e desejamos ser parceiro no desen volvimento das pessoas e da sociedade. 26. POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 26.1 Introdução Nossa visão é ser uma referência em performance sustentável e em satisfação dos associados. Para nós, performance sustentável

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL

AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL 2012-2015 Brasília DF Julho de 2011 1 A Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial e a SEPPIR Essa Política tem como objetivo principal

Leia mais

DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017

DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017 DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017 Cria o Programa Nacional de Voluntariado, institui o Prêmio Nacional do Voluntariado e altera o Decreto nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006, que institui a Política

Leia mais

AULA 4 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS

AULA 4 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS FACULDADE CATÓLICA RAINHA DO SERTÃO CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PROFESSOR: MÁRCIO BATISTA AULA 4 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS POLÍTICA Políticas configuram decisões

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se como atividade facultativa e tem como objetivos: I - Desenvolver

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011 A Reitoria, por intermédio da Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD, torna público e CONVIDA os professores da UNESP, interessados em Educação, a apresentarem propostas para obtenção de financiamento de projetos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

1º. Encontro Nacional sobre a Agenda Estratégica de Pesquisas em Alimentação e Nutrição no SUS 22 e 23 de agosto Fiocruz/ Brasília-DF

1º. Encontro Nacional sobre a Agenda Estratégica de Pesquisas em Alimentação e Nutrição no SUS 22 e 23 de agosto Fiocruz/ Brasília-DF Mesa I Pesquisas e Políticas Públicas em Alimentação e Nutrição A Agenda Estratégica de Pesquisas em Alimentação e Nutrição: instrumento orientador dos trabalhos de grupo do Encontro 1º. Encontro Nacional

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012.

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012. LEI Nº 11.226, DE 5 DE MARÇO DE 2012. Institui o Plano Municipal do Livro e da Leitura (PMLL) no Município de Porto Alegre, cria o Conselho Municipal do Livro e da Leitura (CMLL) e dá outras providências.

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Chamada de Apoio a Eventos Científicos em Saúde

Chamada de Apoio a Eventos Científicos em Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Ciência e Tecnologia Chamada de Apoio a Eventos Científicos em Saúde - 2014 1) TÍTULO DO TERMO DE REFERÊNCIA:

Leia mais

3º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas PRÓ-REITORIA DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

3º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas PRÓ-REITORIA DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 3º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas PRÓ-REITORIA DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo do presente edital é apoiar financeiramente projetos

Leia mais

COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GUARAMIRANGA A LÍNGUA PORTUGUESA NA INTERNET E NO MUNDO DIGITAL

COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GUARAMIRANGA A LÍNGUA PORTUGUESA NA INTERNET E NO MUNDO DIGITAL COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GUARAMIRANGA A LÍNGUA PORTUGUESA NA INTERNET E NO MUNDO DIGITAL CARTA DE GUARAMIRANGA Os participantes do Colóquio Internacional de Guaramiranga sobre o Português na Internet

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Resumo Executivo do Plano de Trabalho

OPAS/OMS Representação do Brasil Resumo Executivo do Plano de Trabalho Identificação da Atividade (ou Projeto) OPAS/OMS Representação do Brasil Resumo Executivo do Plano de Trabalho Cooperação técnica com países africanos de língua oficial portuguesa para o fortalecimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

Observatório Português dos Cuidados Paliativos

Observatório Português dos Cuidados Paliativos Observatório Português dos Cuidados Paliativos Regulamento 01-12-2015 Artigo 1º Natureza O Observatório Português dos Cuidados Paliativos (OPCP) está integrado no Instituto de Ciências da Saúde (ICS),

Leia mais

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Apresentação de propostas e formalização de Convênios com a SPM - PR Vitória, maio de 2011 Secretaria de Políticas para as Mulheres Criada

Leia mais

II WORSHOP DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segurança Alimentar no Direito e nas Politicas Públicas

II WORSHOP DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segurança Alimentar no Direito e nas Politicas Públicas II WORSHOP DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segurança Alimentar no Direito e nas Politicas Públicas II PARANÁ AGROECOLÓGICO Universidade Estadual de Maringá 21 de Novembro de 2016 CAISAN-PR Câmara

Leia mais

Programa Escola de Gestores Apresentação

Programa Escola de Gestores Apresentação Programa Escola de Gestores Apresentação PRODEGESP PPGAU APRESENTAÇÃO - A Escola de Gestores É um Programa de Capacitação vinculado a Linha de Gestão promovido pela PRODEGESP, por meio: Departamento de

Leia mais

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA INTRODUÇÃO Neste Caso Didático vamos relatar a experiência de organização dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de um município de grande

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 3.0 06/02/2017 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceito... 3 3 Princípios... 3 4 Diretrizes... 4 4.1 Áreas de atuação... 4 4.2 Restrições... 5 4.3 Modalidades

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO ADEQUADA

DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO ADEQUADA NOSSA MISSÃO Contribuir para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada, fiscalizando, normatizando e disciplinando o exercício profissional do nutricionista e do técnico em Nutrição e Dietética,

Leia mais

Saúde Pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro

Saúde Pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Saúde Pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Prof. Marcos Alex Mendes da Silva PhD, MsC, Especialista em Gestão em Saúde Prof. Adjunto FOUFF Nova Friburgo Ciência,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: 1.1 Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do Projeto de Saúde Familiar e Ciclo de Vida, especialmente

Leia mais

Bragança Paulista SP 2017

Bragança Paulista SP 2017 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Bragança Paulista SP 2017 Controle de Versão do Documento Versão Elaborador

Leia mais

2º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas

2º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas 2º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas PRÓ-REITORIA DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo do presente edital é apoiar financeiramente projetos

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras Versão 2.0 19/05/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceito de Patrocínio... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 4.1. Áreas de atuação... 4 4.2. Restrições...

Leia mais

SUMÁRIO. PROGRAMA SESIdeias Do Objetivo Da Participação Do Preenchimento do formulário para cadastramento da ideia 5

SUMÁRIO. PROGRAMA SESIdeias Do Objetivo Da Participação Do Preenchimento do formulário para cadastramento da ideia 5 REGULAMENTO 2016 1 2 SUMÁRIO PROGRAMA SESIdeias 4 1. Do Objetivo 5 2. Da Participação 5 3. Do Preenchimento do formulário para cadastramento da ideia 5 4. Da Classificação das ideias 5 5. Do Comitê de

Leia mais

O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Patrícia Maria de Oliveira Machado

O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Patrícia Maria de Oliveira Machado O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Patrícia Maria de Oliveira Machado Objetivos da webconferência - Apresentar os marcos históricos e legais da Política Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

Integre esta rede de relacionamento & amplie o alcance de sua marca! ENCONTROS DA CONSTRUÇÃO 2016

Integre esta rede de relacionamento & amplie o alcance de sua marca! ENCONTROS DA CONSTRUÇÃO 2016 Integre esta rede de relacionamento & amplie o alcance de sua marca! ENCONTROS DA CONSTRUÇÃO 2016 OS ENCONTROS Há 10 anos, o CTE realiza Encontros de profissionais da cadeia produtiva da construção. OS

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE EDERSON ALVES DA SILVA Vice-Presidente Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais conselhoestadualdesaudemg@gmail.com O Sistema

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 09/02/2009 07:57 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Projeto 2B Portal de Teses da BVS Saúde Pública 19 de janeiro de 2005

Projeto 2B Portal de Teses da BVS Saúde Pública 19 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ 19 de janeiro de 2005 Introdução Este documento descreve o projeto para continuidade do programa de desenvolvimento de um conjunto de dissertações e teses na área de saúde pública através

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014 APRESENTAÇÃO DO CEBC 201 QUEM SOMOS FUNDADO EM 200, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA,

Leia mais

Programa de Internacionalização de Empresas Apex-Brasil. Apresentação: Juarez Leal

Programa de Internacionalização de Empresas Apex-Brasil. Apresentação: Juarez Leal Programa de Internacionalização de Empresas Apex-Brasil Apresentação: Juarez Leal A APEX-BRASIL A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos é um Serviço Social Autônomo vinculado ao

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA A COMPETITIVIDADE

PLANEJAMENTO PARA A COMPETITIVIDADE PLANEJAMENTO PARA A COMPETITIVIDADE Guia da Disciplina Apresentação O desenvolvimento social e econômico dos países é cada vez mais dependente da qualidade de suas organizações e instituições e da sua

Leia mais

II ENCONTRO SOBRE ARQUIVOS DE GOIÁS. Preservação e difusão dos documentos arquivísticos digitais

II ENCONTRO SOBRE ARQUIVOS DE GOIÁS. Preservação e difusão dos documentos arquivísticos digitais II ENCONTRO SOBRE ARQUIVOS DE GOIÁS Preservação e difusão dos documentos arquivísticos digitais Promoção e Realização: Associação de Arquivologia do Estado de Goiás - AAG Centro de Informação, Documentação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento dos Integrantes do Plano

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional.

Vigilância Alimentar e Nutricional. Vigilância Alimentar e Nutricional. Disciplina: Políticas Públicas em Alimentação e Nutrição. Curso de Nutrição e Metabolismo FMRP/USP Luciana Cisoto Ribeiro Segurança Alimentar e Nutricional realização

Leia mais

Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil

Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil Assembleia Ordinária CONSEA-Rio 12 de julho de 2016 Juliana Casemiro Nutricionista Sanitarista Professora Adjunta DNS/INU/UERJ

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. 028/2013 Brasília, 21 de agosto de Desenvolvimento Social. O Planejamento da Assistência Social no Plano Plurianual.

NOTA TÉCNICA N. 028/2013 Brasília, 21 de agosto de Desenvolvimento Social. O Planejamento da Assistência Social no Plano Plurianual. NOTA TÉCNICA N. 028/2013 Brasília, 21 de agosto de 2013. ÁREA: TÍTULO: Desenvolvimento Social. O Planejamento da Assistência Social no Plano Plurianual. REFERÊNCIA: Lei 4.320, de 1964; Lei Complementar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017.

RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017. RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017. Dispõe sobre a criação do Núcleo de Informática em Ciências da Saúde, bem como aprova seu Regimento Interno. O CONSELHO DO INSTITUTO LATINO-AMERICANO

Leia mais

TUTORIAL DO EDITAL CNPq/MCTIC Nº 016/2016 SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ÂMBITO DA UNASUL

TUTORIAL DO EDITAL CNPq/MCTIC Nº 016/2016 SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ÂMBITO DA UNASUL TUTORIAL DO EDITAL CNPq/MCTIC Nº 016/2016 SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ÂMBITO DA UNASUL Outubro/2016 Chamada CNPq/MCTIC Nº 016/2016 Este tutorial tem por finalidade orientar sobre a referida Chamada

Leia mais

Ações Educativas na área do Patrimônio Cultural Rede Casas do Patrimônio Pará Conversa Pai D'égua: falando sobre patrimônio.

Ações Educativas na área do Patrimônio Cultural Rede Casas do Patrimônio Pará Conversa Pai D'égua: falando sobre patrimônio. Ações Educativas na área do Patrimônio Cultural Rede Casas do Patrimônio Pará Conversa Pai D'égua: falando sobre patrimônio. Acordo de Cooperação Técnica Nº 02/2012 CLAÚSULA PRIMEIRA DO OBJETO Este instrumento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS PROJETO PNUD BRA/07/019 TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 010/2012

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS PROJETO PNUD BRA/07/019 TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 010/2012 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS PROJETO PNUD BRA/07/019 1. Função no Projeto TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 010/2012 Prestar Consultoria Técnica Especializada - Modalidade Produto

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências Wanessa Dose Bittar Formação -Especializada em Engenharia de Produção ( UFJF) -Graduada em Educação Artística ( UFJF) -Técnica em Design ( CTU) Cursos Extras -Educação Empreendedora pelo Endeavor Brasil

Leia mais

REGIMENTO DA REVISTA HISTÓRIA & PERSPECTIVAS I - DA IDENTIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA REVISTA

REGIMENTO DA REVISTA HISTÓRIA & PERSPECTIVAS I - DA IDENTIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA REVISTA REGIMENTO DA REVISTA HISTÓRIA & PERSPECTIVAS I - DA IDENTIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA REVISTA Art 1º. A Revista História & Perspectivas foi criada em 1988, pelo Curso de Graduação em História e atualmente

Leia mais

Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença.

Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença. Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença. E/SUBE/CED/GPEC Semana de Meio Ambiente Mostra de Trabalhos de Educação Ambiental das Escolas da Rede Pública Municipal de Ensino Justificativa A Secretaria

Leia mais

POLÍTICA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL

POLÍTICA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO À PD.CA/BAK-26/2005 Aprovada pelo Conselho de Administração da Braskem S.A. em 4 de Outubro de 2005 PD.CA/BAK-26/2005 1. Objetivo ANEXO Reafirmar o compromisso da Braskem com o desenvolvimento sustentável,

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Prioridades e ações estratégicas para a BVS Brasil

Prioridades e ações estratégicas para a BVS Brasil XV Reunião da Rede Brasileira de Informação em Ciências da Saúde Rede BVS Brasil Prioridades e ações estratégicas para a BVS Brasil 2014-2016 Belo Horizonte, 17 e 18 novembro 2014 Verônica Abdala abdalave@paho.org

Leia mais

SIMULADO Lei 8142/90

SIMULADO Lei 8142/90 Mentoria de Legislação do SUS Turma de Mentoria: 3 Meses RESOLUÇÃO SIMULADO Lei 8142/90 1 1. Sobre a lei 8142/90, analise as sentenças abaixo e assinale a alternativa correta: 1ª. A representação dos usuários

Leia mais