Gabinete da Ministra KEY POLICIES TO OVERCOME THE CRISIS. Lisboa, 25 Março 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gabinete da Ministra KEY POLICIES TO OVERCOME THE CRISIS. Lisboa, 25 Março 2011"

Transcrição

1 Lisboa, 25 Março 2011 Permitam-me que comece a minha brevíssima mensagem a este encontro internacional por agradecer aos organizadores a oportunidade que ofereceram a todos nós de debater as políticas chave para ultrapassar a crise iniciada em 2008 e criar, à saída da crise, mais e melhores condições de dignidade no mundo trabalho. O segundo apontamento que não quero deixar de fazer destina-se a lembrar apesar de pensar que ninguém o desconhece! que as políticas de combate à crise, desencadeada por grandes agentes financeiros globais, e aos seus efeitos económicos e sociais já conheceu duas fases. Na primeira fase, as prioridades políticas concentraram-se em limitar a dimensão da crise financeira, evitar a sua propagação ao sistema económico e limitar as suas consequências sociais. Foi justamente nessa fase que se conheceram algumas propostas visando a regulação supranacional dos bancos e de outros agentes financeiros globais, como foi nesse período que a OIT melhor conseguiu fazer ouvir a sua voz junto das instâncias supranacionais que a crise fez nascer. Nessa primeira fase, as políticas ativas de emprego, as políticas de proteção social e as políticas de regulação dos mercados de trabalho foram recalibradas em muitos países democráticos e desenvolvidos, americanos e europeus, e as estratégias de resposta à crise tinham prioridades muito claras: 1

2 tudo fazer para salvar tantos empregos viáveis quanto fosse possível; reforçar as políticas ativas de emprego, em particular para os grupos em posição de maior risco e; adotar medidas excecionais de proteção social, também elas prioritariamente destinadas às famílias e aos grupos com maiores vulnerabilidades ou que tinham visto a sua posição no mundo do trabalho degradada pela eclosão da crise financeira. Mas, como bem sabemos, já não estamos a viver nessa primeira fase de resposta à crise. A fase de resposta à crise que estamos a viver tem, na União Europeia, outra lógica e, sobretudo uma outra prioridade, na sequência das posições adoptadas por alguns Estados membros. Na verdade, ainda não vimos frutos das tentativas, que estiveram em curso, de regular o sistema financeiro e de criar uma agência europeia de rating ou mais recentemente os Eurobonds; Optou-se por adotar como prioridade absoluta a redução dos défices gerados na primeira fase de resposta á crise. Lançou-se um processo com vista a criar um governo económico europeu, com dimensão fundamental desde o lançamento da moeda única e até agora não implementada; E forçaram-se respostas casuísticas das crises das dívidas soberanas, parcialmente potenciadas pelas duas opções anteriores. A Grécia e a Irlanda constituem, até agora, as duas ilustrações mais dramáticas e as faces mais visíveis destas opções. 2

3 Mas não nos iludamos: as consequências destas opções não se resumem àqueles dois países. Pelo contrário, as consequências atingem todos os países europeus, Portugal incluído, como bem sabemos, com os ataques à divida soberana e às dúvidas sobre a capacidade de cumprirmos os nossos compromissos. No caso português, o Governo procurou, na medida das possibilidades que tem e não das que gostava ou era justo que tivesse! -, limitar as consequências das opções a que me referi. Por isso, se é inegável que a substância das políticas públicas é hoje diferente, também em Portugal, do que foi na primeira fase de resposta à crise, orgulho-me de poder afirmar que foi possível manter aberta a via do diálogo social tripartido, da negociação de compromissos entre o Governo, organizações sindicais e empresariais. Se é certo que o diálogo social e o desenvolvimento das relações laborais nunca foram domínios fáceis, em situações como aquela que estamos a viver a sua dificuldade e importância aumenta na proporção em que crescem os escolhos a que estão sujeitos. Por isso mesmo, quero aqui deixar uma palavra de reconhecimento aos sindicalistas e aos representantes empresariais que quiseram e souberam assumir, na passada terça feira, a responsabilidade de contribuir para soluções realizáveis na conjuntura atual e que, estou convencida, contribuirão para minorar as consequências económicas e sociais e a duração da crise e prepararão melhor as nossas empresas e os nossos trabalhadores para o pós-crise. Independentemente das actuais circunstâncias políticas, está nas mãos dos signatários, nas nossas mãos, levar à prática as medidas acordadas. Contou para isso com o emprenho do governo. E entro, assim, no terceiro tema desta brevíssima intervenção. 3

4 Em meu entender, se queremos que a resposta à crise seja compatível com a agenda do trabalho digno, deveríamos reconhecer que as questões que estruturam essas respostas políticas são a regulação socialmente justa da globalização e uma relação entre as prioridades das políticas públicas que não sacrifique a promoção do emprego e da equidade social a um endeusamento sem limites da disciplina orçamental. Porque os países europeus não estão sozinhos no mundo, nem para o bem, nem para o mal, não podemos que o espaço de manobra de que dispõem as democracias europeias desapareça, sabendo que este é, cada vez mais, um espaço de interdependências, e que estas interdependências são, muitas vezes, assimétricas e inigualitárias. Mas é exactamente nesse espaço e entro no meu quarto e último ponto que temos de criar uma nova articulação virtuosa entre crescimento económico, desenvolvimento social e protecção do meio ambiente. Deixem-me, portanto, ser inteiramente clara também neste ponto: não vale a pena imaginar políticas de emprego, de proteção social ou de regulação dos mercados de trabalho que sejam independentes da competitividade empresarial. Sem competitividade empresarial não há crescimento económico sustentável e, sem este, não há quaisquer possibilidades de reduzir duravelmente o desemprego, de promover a criação de empregos viáveis e de boa qualidade, de termos uma distribuição mais justa da riqueza gerada. Mas não é menos verdade que a relação entre emprego e crescimento económico está longe de ser automática e unívoca, como bem sabemos. 4

5 Até por isso, me parece fundamental que os poderes públicos, os representantes dos empregadores e os representantes dos trabalhadores construam uma nova e sublinho nova articulação virtuosa entre crescimento económico e trabalho digno. E sublinho que se trata de uma nova articulação porque não vale a pena tentar reconstruir soluções que são incompatíveis com o mundo globalizado em que vivemos. Do que precisamos, é de uma agenda renovada para o diálogo social tripartido, que parta do reconhecimento de que as interdependências entre as organizações que dele participam são hoje maiores e crescentes e não menores do que há uma década atrás. Do que precisamos é de complementar e de desenvolver as políticas públicas com relações laborais que são e devem permanecer o território onde os parceiros sociais e só eles são protagonistas ativos e em plena autonomia. Julgo que, por esse caminho que poderemos construir as políticas indispensáveis à agenda do trabalho digno, do desenvolvimento sustentado e sustentável depois desta crise global. Estou certa de que as discussões e as conclusões desta conferência contribuirão para assim fazermos. Muito obrigado pela vossa atenção. 5

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO I MAIO 2011 - NOTAS PARA A INTERVENÇÃO Caras e caros Companheiros e Amigos Aqui, somos muitos, muitos mil para dizer ao País que os trabalhadores estão mobilizados na defesa de um PAÍS PROGRESSO ECONÓMICO

Leia mais

Senhor Primeiro-Ministro de Portugal, Dr. António Costa

Senhor Primeiro-Ministro de Portugal, Dr. António Costa Senhor Primeiro-Ministro de Portugal, Dr. António Costa Senhor Vice-Presidente do Parlamento Europeu responsável por América Latina, Dr. Antonio Tajani Senhor Presidente do componente Latino-Americano

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro Comissão Executiva da Especialização em Engenharia de Segurança ORDEM DO 16 de Dezembro, 2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2015-2020 - Por um trabalho seguro, saudável e produtivo

Leia mais

A OIT E O BRASIL Prós e contras

A OIT E O BRASIL Prós e contras A OIT E O BRASIL Prós e contras Dagoberto Lima Godoy Membro-Empregador Titular Conselho de Administração Organização Internacional do Trabalho Brasil OIT (linha do tempo) 1919 - País-Membro Fundador 1944

Leia mais

O conceito de Trabalho Decente

O conceito de Trabalho Decente O Trabalho Decente O conceito de Trabalho Decente Atualmente a metade dos trabalhadores de todo o mundo (1,4 bilhão de pessoas) vive com menos de 2 dólares ao dia e portanto, é pobre quase 20% é extremamente

Leia mais

TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM

TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM UMA GERAÇÃO EM RISCO maio 2013 Estrutura da apresentação O que é a OIT. Origem e importância Emprego jovem Breve descrição. Porquê centrar a atenção nos jovens. Começar

Leia mais

Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa

Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa Abertura pelo Senhor Primeiro Ministro Lisboa, FIL (Junqueira), 31 de Outubro de 2007, 17H00 Senhor Director-Geral do BIT, Senhoras e Senhores, Saúdo

Leia mais

Seminário de Lançamento da Campanha de Prevenção de Riscos Profissionais em Máquinas e Equipamentos de Trabalho

Seminário de Lançamento da Campanha de Prevenção de Riscos Profissionais em Máquinas e Equipamentos de Trabalho Seminário de Lançamento da Campanha de Prevenção de Riscos Profissionais em Máquinas e Equipamentos de Trabalho Painel Assinatura de protocolo e intervenção dos parceiros sociais" Lisboa, 23 de janeiro

Leia mais

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O TRABALHO DIGNO, A JUSTIÇA SOCIAL E O FUTURO DO TRABALHO OIT: MISSÃO Desenvolve o seu trabalho no âmbito da redução da

Leia mais

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente Boletim Econômico Edição nº 61 maio de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A visão da OIT sobre o Trabalho Decente 1 1. CONCEITO DE TRABALHO DECENTE O conceito de Trabalho

Leia mais

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Lais Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, julho de 2012 Esquema da Apresentação 1. Trabalho decente e estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Visita do Ministro Francês da Economia e das Finanças, Michel Sapin

Visita do Ministro Francês da Economia e das Finanças, Michel Sapin INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS FINANÇAS, MÁRIO CENTENO Visita do Ministro Francês da Economia e das Finanças, Michel Sapin MINISTÉRIO DAS FINANÇAS, LISBOA 07 DE MARÇO DE 2017 É para mim um prazer receber

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 36/XII Exposição de Motivos O Estado Português, através da assinatura do Memorando de Políticas Económicas e Financeiras, assumiu perante a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL Conferência Estratégia Nacional Lisboa, ISCSP, 20 de junho de 2013 Só serão válidas as palavras proferidas pelo orador

Leia mais

INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO

INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO 1- O Mundo Global e os fenómenos de inserção colectiva O processo de globalização competitiva, o terrorismo religioso, a escassez do petróleo

Leia mais

RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO

RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO As eleições legislativas, ao darem maioria absoluta ao Partido Socialista, criaram condições de estabilidade e governabilidade. O Governo

Leia mais

Temos, por isso, um longo histórico de contributos em prol do progresso e desenvolvimento de Portugal.

Temos, por isso, um longo histórico de contributos em prol do progresso e desenvolvimento de Portugal. Conferência Envelhecimento Ativo Uma prioridade para Portugal Centro Cultural de Belém, Lisboa, 7 de junho de 2017 Intervenção do Presidente da CIP, António Saraiva Exmo. Senhor Provedor da Santa Casa

Leia mais

SEMINÁRIO PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS: PRESERVAR O PASSADO, PROTEGER O FUTURO A PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS 27 ABRIL 2011

SEMINÁRIO PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS: PRESERVAR O PASSADO, PROTEGER O FUTURO A PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS 27 ABRIL 2011 SEMINÁRIO PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS: PRESERVAR O PASSADO, PROTEGER O FUTURO A PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS 27 ABRIL 2011 Começo por agradecer Centro Nacional de Protecção Contra os Riscos

Leia mais

Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais

Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais Conferência Fulbrigth Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais Lisboa, 21 de Outubro Políticas de educação para vencer os desafios mundiais Maria de Lurdes Rodrigues Quero, em primeiro lugar,

Leia mais

XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos

XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS FINANÇAS, MÁRIO CENTENO XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos 7 DE JULHO DE 2017, HOTEL RITZ Senhor Presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros

Leia mais

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD SEMINÁRIO SINDICAL SOBRE O PLANO NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD Paulo Sergio Muçouçah Coordenador dos Programas de Trabalho Decente e Empregos Verdes Escritório da OIT no Brasil Roteiro da apresentação

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

CHECK AGAINST DELIVERY DISCURSO CONFERÊNCIA OIT SÓ FAZ FÉ A VERSÃO, EFECTIVAMENTE, LIDA -

CHECK AGAINST DELIVERY DISCURSO CONFERÊNCIA OIT SÓ FAZ FÉ A VERSÃO, EFECTIVAMENTE, LIDA - DISCURSO CONFERÊNCIA OIT 08.06.2015 - SÓ FAZ FÉ A VERSÃO, EFECTIVAMENTE, LIDA - SENHORA PRESIDENTE SENHOR DIRECTOR GERAL SENHORAS E SENHORES DELEGADOS, SRA. PRESIDENTE, PORTUGAL GOSTARIA DESDE JÁ DE DESTACAR

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL l REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A MINISTRA DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NA 105ª CONFERÊNCIA DA OIT, EM GENEBRA, SUÍÇA

Leia mais

A Igualdade de Género no Coração do Trabalho Digno

A Igualdade de Género no Coração do Trabalho Digno TRABALHO DIGNO Um mundo melhor começa aqui Organização Internacional do Trabalho 8 de Março Dia Internacional da Mulher A Igualdade de Género no Coração do Trabalho Digno Doze temas sobre Trabalho Digno

Leia mais

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 O REGIME DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS NO ÂMBITO DA CONVENÇÃO E DA RECOMENDAÇÃO SOBRE O TRABALHO DECENTE PARA OS TRBALHADORAS E OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO

Leia mais

Ao iniciar funções como presidente da UGT, e ao saudar nesta circunstância,

Ao iniciar funções como presidente da UGT, e ao saudar nesta circunstância, Caras e Caros Convidados Caras e Caros Delegados Amigas e Amigos, Ao iniciar funções como presidente da UGT, e ao saudar nesta circunstância, calorosa e fraternalmente, o IX Congresso da UGT, cumpre-me

Leia mais

Plano Nacional de Trabalho Decente -

Plano Nacional de Trabalho Decente - Plano Nacional de Trabalho Decente - PNTD Ministério do Trabalho e Emprego Setembro de 2009 Trabalho Decente Contar com oportunidades de um trabalho produtivo com retribuição digna, segurança no local

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

Discurso de Sua Excelência O Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Rui Machete

Discurso de Sua Excelência O Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Rui Machete Discurso de Sua Excelência O Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Rui Machete na Cimeira de Chefes de Estado e de Governo para a adoção da Agenda do Desenvolvimento Pós-2015 MOD07 PR07/V02 Senhor

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL A ação humana sobre a natureza faz parte da história da civilização. Neste inicio de século, porém, a consciência sobre os impactos desta intervenção tem adquirido

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM Módulo A1: Empregabilidade I: Comunicação e Relações Interpessoais 1º Período Estratégias de autoconhecimento e de promoção da auto-estima. A Comunicação nas relações interpessoais. Tipos de comunicação

Leia mais

Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento

Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento CONNECTING INNOVATION TO PEOPLE 5 de Junho de 2009 Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento GABINETE DO COORDENADOR NACIONAL DA ESTRATÉGIA DE LISBOA E DO PLANO TECNOLÓGICO TOPICOS Estratégia

Leia mais

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DE RECURSOS HUMANOS 1. DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO AO UN GLOBAL COMPACT A APESPE RH- Associação Portuguesa

Leia mais

CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO TRABALHO

CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO TRABALHO CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO TRABALHO Negociação Coletiva Clausulado sobre Álcool e Drogas em meio laboral A defesa da saúde dos trabalhadores é, desde sempre, um dos objetivos prioritários

Leia mais

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES CONFERÊNCIA INTERNACIONAL A CONSTITUIÇÃO

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES CONFERÊNCIA INTERNACIONAL A CONSTITUIÇÃO INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES CONFERÊNCIA INTERNACIONAL A CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA NA TERCEIRA VAGA DA DEMOCRATIZAÇÃO Palácio de São Bento 6 de dezembro de 2016 Senhoras e Senhores Deputados, Senhor

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO

POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO 2014-2020 A UGT deve, antes de mais, assinalar que o questionário apresentado se torna de difícil resposta num contexto

Leia mais

ABRIL DE Apoio

ABRIL DE Apoio PROPOSTA DE TRABALHO CAMPANHA CONTRA AS PRÁTICAS ANTI-SINDICAIS ABRIL DE 2008 Apoio I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJ ETO Título: Campanha Sindical contra as Práticas Anti-Sindicais (PAS) Duração do Projeto: 24

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO RELATÓRIO SOBRE A RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA (MAIO 2014)

COMENTÁRIOS DA UGT AO RELATÓRIO SOBRE A RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA (MAIO 2014) COMENTÁRIOS DA UGT AO RELATÓRIO SOBRE A RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA (MAIO 2014) A UGT regista a apresentação do Relatório sobre a Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG), que visa enquadrar

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL

RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL 1. Uma Situação Preocupante O nosso País tem tido um crescimento económico inferior à média da União Europeia desde 2002. Seis anos continuados de crise económica fizeram

Leia mais

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Os Ministérios das Finanças, da Economia e da Saúde, e a Indústria Farmacêutica, por intermédio

Leia mais

O Pacto Mundial para o Emprego:

O Pacto Mundial para o Emprego: O Pacto Mundial para o Emprego: Uma resposta à crise Escritório da OIT no Brasil Seminário sobre a Elaboração do PNTD e a Participação dos Trabalhadores São Paulo, 29 de setembro de 2009 Objetivo estratégico

Leia mais

Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT

Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT CES - Seminário sobre Apoio domiciliário e Trabalho doméstico: Perpectivas de emprego Lisboa, 29 de Novembro de 2013

Leia mais

DÉLÉGATION PERMANENTE DU PORTUGAL AUPRÈS DE L'UNESCO. Portugal. Debate de Política Geral da 39ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO

DÉLÉGATION PERMANENTE DU PORTUGAL AUPRÈS DE L'UNESCO. Portugal. Debate de Política Geral da 39ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO Portugal Debate de Política Geral da 39ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO Intervenção do Senhor Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues (1 de novembro de 2017- de tarde) Senhora Presidente da

Leia mais

Unidade-Disciplina-Trabalho MINISTÉRIO DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Gabinete do Ministro. 104ª Conferencia Internacional do Trabalho

Unidade-Disciplina-Trabalho MINISTÉRIO DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Gabinete do Ministro. 104ª Conferencia Internacional do Trabalho 104ª Conferencia Internacional do Trabalho Discurso do Ministro do Emprego e dos Assuntos Sociais de São Tomé e Príncipe (08 de Junho 2015) Senhora Presidente da centésima quarta Conferencia Internacional

Leia mais

A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES

A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES Construção de Governança para o Projeto Nacional de Desenvolvimento Apresentação : Jaques Wagner Governador da Bahia CDES situação atual

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 59 abril de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 59 abril de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 59 abril de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Economia informal e transição para a economia formal e as ferramentas da OIT 1 Perfil da economia

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

ALIANÇA PORTUGAL. Acordo de coligação para as eleições para o. Parlamento Europeu de 2014

ALIANÇA PORTUGAL. Acordo de coligação para as eleições para o. Parlamento Europeu de 2014 ALIANÇA PORTUGAL Acordo de coligação para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 As eleições para o Parlamento Europeu, que têm lugar no próximo dia 25 de Maio, realizam-se num momento especialmente

Leia mais

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014 R E L A Ç Õ E S I N T E R N A C I O N A I S Órgão Organização Internacional do Trabalho (OIT) Representação Eventual 18ª Reunião Regional Americana da OIT Representante Lidiane Duarte Nogueira Advogada

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Cooperação transfronteiriça Portugal Espanha 25 anos de cooperação Um território, um balanço, uma perspetiva de futuro

Cooperação transfronteiriça Portugal Espanha 25 anos de cooperação Um território, um balanço, uma perspetiva de futuro Cooperação transfronteiriça Portugal Espanha 25 anos de cooperação Um território, um balanço, uma perspetiva de futuro José Santos Soeiro A perspetiva de leitura Uma leitura baseada na experiência da gestão

Leia mais

Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010)

Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010) CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010) A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade,

Leia mais

Missão Empresarial Minas Gerais

Missão Empresarial Minas Gerais Faz negócio. Convite Missão Empresarial 3º Encontro Ourém 18 a 22 de Abril Belo Horizonte Brasil 29 de Junho a 2 de Julho Centro de Negócios de Ourém Portugal Missão Empresarial 3º Encontro Ourém / Convite

Leia mais

A Trajetória ria da Agenda de Trabalho Decente no Brasil

A Trajetória ria da Agenda de Trabalho Decente no Brasil A Trajetória ria da Agenda de Trabalho Decente no Brasil Andrea Rivero de Araújo Oficial de Projeto Programas de Trabalho Decente em Países do Mercosul Organização Internacional do Trabalho Boa Vista,

Leia mais

E essa margem de liberdade de ação está aqui presente em duas dimensões, duas dimensões complementares:

E essa margem de liberdade de ação está aqui presente em duas dimensões, duas dimensões complementares: [cumprimentos] Minhas Senhoras e meus Senhores, quero agradecer o convite para estar aqui presente nesta cerimónia. Todos os motivos são bons para vir a Coimbra, mas este é especial. Congratulo todos os

Leia mais

Intervenção Senhor Presidente da Direcção, Comendador Mário Pereira Gonçalves

Intervenção Senhor Presidente da Direcção, Comendador Mário Pereira Gonçalves Intervenção Senhor Presidente da Direcção, Comendador Mário Pereira Gonçalves Debatemos a sobrevivência das nossas milhares de empresas, e dos respectivos centenas de milhares de postos de trabalho. Concluímos

Leia mais

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD Ana Lúcia Monteiro Organização Internacional do Trabalho 28 de outubro de 2011 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O Conceito de Trabalho Decente 2. O compromisso

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Senhor Representante da República para a Região Autónoma da Madeira,

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Senhor Representante da República para a Região Autónoma da Madeira, Senhor Representante da República para a Região Autónoma da Madeira, Excelência, Senhor o Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência, Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara Municipal do

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA

PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA Recentes indicadores sociais confirmam a crescente e indisfarçável gravidade dos problemas da pobreza junto das crianças no nosso País. Os

Leia mais

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança Conclusões Senhor Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Demais autoridades

Leia mais

SESSÃO DE ABERTURA 1 OPENING SESSION

SESSÃO DE ABERTURA 1 OPENING SESSION SESSÃO DE ABERTURA 1 OPENING SESSION JEAN-FRANÇOIS AKANDJI-KOMBÉ Professor na Escola de Direito da Sorbornne Universidade de Paris 1 Panthéon-Sorbonne Coordenador-geral do RACSE /ANESC Minhas senhoras

Leia mais

O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL

O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL 1 - Legislação de protecção do emprego 1.1 Redução da indemnização por despedimento (despedimento colectivo, extinção do posto

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho (SST) em CIÊNCIAS

Segurança e Saúde no Trabalho (SST) em CIÊNCIAS Reunião de Trabalhadores de Ciências da ULisboa 24.2.2015 Edifico C3 Sala 3.2.16 11-13 h Objetivos: Ponto 1 da Ordem dos Trabalhos da reunião Segurança e Saúde no Trabalho (SST) em CIÊNCIAS * Defesa do

Leia mais

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção:

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: Projecto de Plano de Actividades do CNE para 2008 Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: - A escola, as suas finalidades, os seus contextos e parceiros; - Currículo

Leia mais

OIT-Lisboa. O Desemprego hoje: Realidades e Perspectivas. 2º Congresso Nacional do Emprego. APG - 50 anos

OIT-Lisboa.  O Desemprego hoje: Realidades e Perspectivas. 2º Congresso Nacional do Emprego. APG - 50 anos OIT-Lisboa www.ilo.org/lisbon O Desemprego hoje: Realidades e Perspectivas 2º Congresso Nacional do Emprego APG - 50 anos Universidade Lusófona Auditório Agostinho da Silva 20 de Setembro de 2014 O tema

Leia mais

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS 2011 2014 Ministério da Saúde Secretaria Executiva O Coletivo MS é um grupo de trabalhadores do Ministério da Saúde, coordenado pela Secretaria Executiva,

Leia mais

Uma estratégia para as pessoas e para o planeta: assegurando uma transição justa para empregos verdes dignos?

Uma estratégia para as pessoas e para o planeta: assegurando uma transição justa para empregos verdes dignos? Uma estratégia para as pessoas e para o planeta: assegurando uma transição justa para empregos verdes dignos? Judith Kirton-Darling Secretária Confederal da CES A actual situação é insustentável Socialmente:

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Documento de sessão 14.10.2013 B7-0000/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B7-0000/2013 nos termos do artigo 115.º,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO ( ) Cidadania não é apenas o conjunto de direitos e deveres que os cidadãos devem exercer e cumprir. O exercício da Cidadania é sobretudo um comportamento, uma atitude

Leia mais

Favaios pão e Vinho. Núcleo Museológico. Artur Cascarejo. Presidente da Câmara Municipal de Alijó

Favaios pão e Vinho. Núcleo Museológico. Artur Cascarejo. Presidente da Câmara Municipal de Alijó Favaios pão e Vinho. Núcleo Museológico Artur Cascarejo Presidente da Câmara Municipal de Alijó 1 Agradeço o convite ao Director do Museu do Douro, para em conjunto reflectirmos todos sobre os museus da

Leia mais

Trabalho decente em cadeias de fornecimento globais. Departamento de Políticas Setoriais

Trabalho decente em cadeias de fornecimento globais. Departamento de Políticas Setoriais Trabalho decente em cadeias de fornecimento globais Departamento de Políticas Setoriais Introdução Cadeias de fornecimento globais (ou cadeias globais de valor ou redes de fornecimento globais?) Desenvolvimentos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Of. GP/CM/427/2009 Canoas, 15 de outubro de 2009. Senhor Presidente, Temos a honra de submeter ao exame dessa egrégia Câmara Municipal o Projeto de Lei nº 57/09, que Institui o Sistema Municipal de Segurança

Leia mais

Senhor Ministro da Saúde, Professor Adalberto Campos Fernandes, Senhor Presidente da Divisão Farmacêutica da GROQUIFAR, Dr.

Senhor Ministro da Saúde, Professor Adalberto Campos Fernandes, Senhor Presidente da Divisão Farmacêutica da GROQUIFAR, Dr. Cerimónia de Assinatura do Memorando de Entendimento Sobre o Modelo de Criação e Gestão de um Sistema de Verificação de Medicamentos da responsabilidade das Partes Interessadas em Portugal 17 de Outubro

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Comunicação da Comissão Europeia sobre A sustentabilidade a longo prazo das finanças públicas na EU COM(2006) 574 final Relatório I Procedimento Nos termos do nº 1 do artigo 7.º da Lei n.º 43/2006, de

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Senhores Presidentes dos Parlamentos Nacionais. Senhoras e senhores profissionais da Comunicação Social

ASSEMBLEIA NACIONAL. Senhores Presidentes dos Parlamentos Nacionais. Senhoras e senhores profissionais da Comunicação Social ASSEMBLEIA NACIONAL DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL, ENGº JORGE PEDRO MAURÍCIO DOS SANTOS, NA 9ª CONFERÊNCIA DOS PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS AFRICANOS Senhor Presidente do PAP, Dr. Roger

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

Que Programas de Financiamento Diretos da Comissão Europeia?

Que Programas de Financiamento Diretos da Comissão Europeia? Que Programas de Financiamento Diretos da Comissão Europeia? Ponte de Lima, 17 de Julho de 2014 Está de parabéns a CIM do Alto Minho que, em boa hora, decidiu promover esta sessão sobre Programas de Financiamento

Leia mais

Dos ODM aos ODS com uma lente de CPD? Mónica Ferro,

Dos ODM aos ODS com uma lente de CPD? Mónica Ferro, Dos ODM aos ODS com uma lente de CPD? Mónica Ferro, mferro@iscsp.ulisboa.pt; mferro@psd.parlamento.pt Dos ODM aos ODS, à Agenda Pós-2015 O que é a Coerência A Coerência e a Agenda Pós-2015 Desafios atuais

Leia mais

AUDIÇÃO PÚBLICA SOBRE LICENÇA DE MATERNIDADE, LICENÇA DE PATERNIDADE E LICENÇA PARENTAL

AUDIÇÃO PÚBLICA SOBRE LICENÇA DE MATERNIDADE, LICENÇA DE PATERNIDADE E LICENÇA PARENTAL AUDIÇÃO PÚBLICA SOBRE LICENÇA DE MATERNIDADE, LICENÇA DE PATERNIDADE E LICENÇA PARENTAL COMITÉ DOS DIREITOS DAS MULHERES E DA IGUALDADE DE GÉNERO PARLAMENTO EUROPEU (BRUXELAS) 19 de Janeiro de 2009 Começo

Leia mais

Princípios Orientadores

Princípios Orientadores Escola de Engenharia Candidatura para a Eleição dos Representantes dos Professores e Investigadores ao Conselho de Escola da Escola de Engenharia da Universidade do Minho 2013-2016 Princípios Orientadores

Leia mais

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho 1 CONCLUINDO A SST e a defesa do trabalhador, da comunidade e do meio ambiente Na promoção da segurança e saúde no trabalho o indivíduo

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

Apresentação do Programa

Apresentação do Programa Apresentação do Programa A Região Lisboa e Vale do Tejo AML A Estratégia do Programa Operacional Afirmar Lisboa como uma região cosmopolita e competitiva no sistema das regiões europeias, contribuindo

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Comissão de Educação, Ciência e Cultura. Relatório

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Comissão de Educação, Ciência e Cultura. Relatório Relatório sobre a Comunicação da Comissão Europa Global: Competir a nível mundial. Uma contribuição para a Estratégia do Crescimento e do Emprego COM (2006) 567 dirigido à Comissão dos Assuntos Europeus

Leia mais

IX Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais da CPLP 18 a 20 de Março de Declaração de Óbidos

IX Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais da CPLP 18 a 20 de Março de Declaração de Óbidos Declaração de Óbidos Os Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa reunidos na Vila de Óbidos nos dias 18 e 19 de Março, Consideram que as disfuncionalidades

Leia mais

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE No mundo da globalização com todos os desafios que são colocados ao mundo do trabalho, as organizações sindicais do sector

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Oportunidades 16 de Dezembro de 2002 PE 323.514/1-49 ALTERAÇÕES 1-49 Projecto de relatório (PE 323.514) Lissy Gröner sobre

Leia mais

Senhores e Senhoras. Bom dia a todos.

Senhores e Senhoras. Bom dia a todos. Discurso para o Seminário organizado pelo Conselho Económico e Social de Portugal "Envelhecimento da população: consequências económicas, sociais e organizacionais" Fritz von Nordheim Nielsen Chefe adjunto

Leia mais

EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA

EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA 2006 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 65 / Spring 2006 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Diferentes Lutas e um inimigo comum Por Rita Freire Movimentos sociais e sindicatos europeus: não

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ATUAL DO SETOR DA CONSTRUÇÃO NO ENQUADRAMENTO DO SETOR PRODUTIVO NACIONAL 3

1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ATUAL DO SETOR DA CONSTRUÇÃO NO ENQUADRAMENTO DO SETOR PRODUTIVO NACIONAL 3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ATUAL DO SETOR DA CONSTRUÇÃO NO ENQUADRAMENTO DO SETOR PRODUTIVO NACIONAL 3. NECESSIDADE DE MEDIDAS SUAVIZADORAS DE EFEITO IMEDIATO 4. COMPROMISSO PARA A COMPETITIVIDADE

Leia mais