Amplificador de Radiofreqüência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Amplificador de Radiofreqüência"

Transcrição

1 Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões de polarização. 2 Demonstrar a operação de um estágio amplificador de RF em um transmissor de baixa potência e ajustar a rede de casamento para correta carga refletida e potência de saída na freqüência de operação. 3 Verificar que o transistor conduz por menos de 180 o do sinal de entrada em um amplificador em classe C. 4 Verificar que a rede de casamento opera como um circuito de transferência de impedância. Conceitos Básicos 1 Um transmissor exige amplificação de tensão e potência de modo a irradiar sinais de radiofreqüência sobre grandes distâncias. 2 Amplificadores de potência, freqüentemente, operam em classe C para melhor eficiência. 3 Em um amplificador em classe C, a corrente de coletor flui em um ângulo menor do que 180 o do sinal de entrada. 4 Amplificadores em classe C utilizam a potência da fonte mais eficientemente do que em classe A ou B porque eles estão ora off e não consomem potência, ou on e consomem potência mínima. 5 Redes de casamento são utilizadas para proporcionar transformações de impedâncias entre impedâncias desiguais da antena e o estágio amplificador final de potência. 6 Rede de casamento também proporcionam filtragem das freqüências harmônicas indesejáveis (múltiplos da freqüência fundamental).

2 Laboratório de Telecomunicações 2 7 As redes de casamento utilizam componentes reativos para armazenagem de energia e minimizar as perdas de potência e freqüentemente possibilitam sintonização para o estágio amplificador final de potência. Informações Introdutórias O estágio amplificador de radiofreqüência em um transmissor amplia o sinal de RF a um nível bastante grande para entregar à antena. Dois tipos de estágios amplificadores de RF são comuns amplificadores de tensão precedem os amplificadores de potência e usualmente prestam-se a duas proposições: 1 eles isolam ou separam (buffer) a fonte de RF do amplificador de potência prevenindo a sobrecarga; 2 eles promovem amplificação de tensão para o drive do amplificador de potência. Amplificadores de tensão freqüentemente operam em classe A porque a linearidade é um fator importante para proposição a que eles servem. Figura 01 Os amplificadores de potência de RF são os últimos estágios ativos antes da antena transmissora. Eles proporcionam toda a amplificação de potência antes da antena transmissora. Eles proporcionam toda a amplificação de potência necessária para a irradiação do sinal de RF no espaço. Eficiência é de importância primária em um estágio amplificador de potência desde que qualquer perda de potência não desenvolvida significa menor potência disponível para a irradiação. Muitos amplificadores de potência de RF operam em classe C porque proporcionam melhor eficiência do que em classe A ou em classe B. Amplificadores em classe C são polarizados tal que estejam normalmente no corte. O sinal de entrada deve ser suficientemente po-

3 Laboratório de Telecomunicações 3 sitivo (considerando um transistor NPN) para levar o amplificador do corte para a saturação ou condução. Antes que o sinal de entrada complete inteiramente os 180 o do semiciclo positivo o amplificador retorna ao corte e permanece no corte para o semiciclo negativo completo. A corrente de saída é na forma de um pulso de curta duração que flui por menos de 180 o do sinal de entrada. Durante esse tempo uma parcela de energia é fornecida à carga do circuito. Por conseguinte, o transistor está no modo off na maior parte do tempo ou operando próximo à saturação, No estado de condução, pequena tensão é perdida através do transistor. Segue-se que a eficiência é melhor com operação em classe C desde que o tempo on seja menor comparado com o tempo off e muito pouca potência é consumida no transistor durante a condução. Amplificadores em classe C utilizados como amplificadores de potência em RF geralmente operavam com carga reativa ou carga sintonizada. A razão para isso é que a carga deve ser capaz de suprir sua própria energia enquanto o transistor está no corte, especialmente se uma forma de onda de saída simétrica é desejada. Circuitos reativos ou sintonizados são os únicos circuitos elétricos capazes de armazenar energia e supri-la quando a fonte de energia é removida. Uma rede de casamento construída de componentes reativos é utilizada entre o amplificador final de potência e a antena transmissora. A proposição dessa rede de casamento é o casamento de impedância de saída do amplificador de potência e a impedância da antena, e vice-versa, tanto que a máxima transferência de potência ocorre à carga perfeitamente casada. A esse respeito a rede de casamento pode ser vista como um transformador de impedância. Por exemplo, considere a impedância de saída do amplificador de potência de 1,0 kω e a impedância da antena seja de 50 Ω. A rede de casamento torna os 50 Ω da impedância da antena parecer 1,0 kω para o amplificador de potência e, ao mesmo tempo, torna os 1,0 kω da impedância do amplificador de potência parecer os 50 Ω para a antena. Desta forma, cada um apresenta-se ao outro como perfeitamente casado à suas impedâncias características e operam com mínima perda de potência e máxima eficiência. A rede de casamento é considerada parte do estágio amplificador de potência desde que ela é geralmente parte da carga sintonizada. Uma vez que ela é projetada para operar dentro de uma faixa específica de freqüência, a rede de casamento também serve para

4 Laboratório de Telecomunicações 4 filtrar e suprimir os sinais de saída indesejáveis (harmônios). Essa característica é particularmente benéfica quando utilizado com amplificadores em classe C, por causa de sua saída tipo pulso, onde gera-se um grande número de harmônios. Leituras Adicionais Veja a bibliografia no fim do manual para leituras adicionais relativas a esse assunto. Equipamentos e Materiais Fonte de alimentação de 0 9 VDC, 100 ma VOM eletrônico Osciloscópio Gerador de radiofreqüência Treinador de prática de eletrônica quadro B de experiência Procedimento do Exercício Objetivo A Identificar um estágio amplificador de potência de radiofreqüência em um transmissor típico de baixa potência e medida de tensão contínua de operação. 1A Examine o estágio amplificador de radiofreqüência mostrado na FIG. 02. Q1 é um amplificador de tensão em classe A utilizado para aumentar o sinal de radiofreqüência a um nível suficiente para alimentar Q2. O transistor Q2 é um amplificador de potência em classe C. A bobina L1 é a carga de coletor de Q2. O transformador de modulação T1, (no circuito coletor de Q2) não será utilizado nesse exercício; sua função será descrita em exercícios subseqüentes. O capacitor C4 desacopla as variações de radiofreqüência de T1 e da fonte de alimentação. O circuito consistindo de C5, C6 e L2 formam a rede de casamento. O resistor R7 serve como uma carga

5 Laboratório de Telecomunicações 5 fantasma para o amplificador de radiofreqüência em lugar da antena para prevenir irradiações do sinal de RF. O valor ôhmico de R7 é aproximadamente a impedância da antena. As bobinas L1 e L2 são ajustáveis tanto que o estágio amplificador de radiofreqüência pode ser sintonizado para a máxima saída na freqüência de operação. Os capacitores C7 e C8 são capacitores de desacoplamento para melhorar e reduzir a RF e desacoplar as variações de AF da fonte de tensão VCC. O amplificador de tensão Q1 não é sintonizado nesse circuito tanto que a sintonia simulada do amplificador de potência de Q2 pode ser observada. Em circuitos de transmissão de maior potência, múltiplos estágios sintonizados são comuns. Figura 02 C1 0,1µF C2 0,01µF C3 0,01µF C4 0,01µF C5 390pF C6 330pF C7 0,1µF C8-10µF R1 10kΩ R2 47kΩ R3 1kΩ R4-100Ω R5 4,7kΩ R6 4,7kΩ R7 4,7kΩ R8 1kΩ L1-215µH L2 215 µh Q1 2N2219 Q2 2N2219 Observe o circuito de base de Q2. Sem sinal aplicado, Q2 estará diretamente polarizado e conduzindo? Explique. Não, a base de Q2 está colocada em terra através de R6 e não existe tensão positiva que produza polarização direta. Desta forma, Q2 está no corte e não conduzirá.

6 Laboratório de Telecomunicações 6 1B Q2 conduzirá quando aplicarmos sinal? Se assim, que amplitude do sinal proporcionará a condução? Sim, Q2 conduzirá se o sinal de entrada for suficientemente positivo. Desde que aproximadamente 0,7 Volts é exigido para polarizar diretamente a junção base emissor de um transistor de silício, o semiciclo positivo do sinal de entrada deve exceder esse valor antes que Q2 conduza. 1C Q2 conduzirá na alternância negativa da tensão aplicada? Não, Q2 estará no corte para qualquer valor de tensão menor que +0,7 Volts. Por conseguinte, ele estará no corte para toda a alternância negativa. 1D Relembrando que para a operação em classe C a corrente de coletor flui por menos de 180 o do sinal de entrada, você afirmaria que Q2 opera em classe C? Explique. Sim, Q2 opera em classe C porque a base está polarizada diretamente apenas após o sinal de entrada exceder 0,7 Volts. Isso é, antes de completar 180 o da alternância positiva. Desta forma, a corrente de coletor flui por menos de 180 o do sinal de entrada. 1E Se uma polarização negativa for aplicada na base de Q2, descreva a operação do circuito em classe C.

7 Laboratório de Telecomunicações 7 O sinal de entrada não apenas terá de sobrepor os 0,7 Volts de queda de tensão na junção base emissor mas também terá de sobrepor a polarização negativa de modo que Q2 conduzirá a seguir. A corrente de coletor fluirá por ainda menos tempo do que sem a polarização negativa e o amplificador ainda assim operará em classe C. 1F Nesse circuito, o amplificador de tensão Q1 opera como um buffer para o sinal da fonte de radiofreqüência ou como um driver para Q2 ou ele estará operando como ambos? Realmente ele poderá operar como ambos. Se a fonte de radiofreqüência for um oscilador de portadora, Q1 atua como um buffer para prevenir que Q2 sobrecarregue o oscilador e afete sua freqüência de operação. Mas desde que Q2 está operando em classe C e exige um sinal de amplitude suficiente para produzir a condução, Q1 está promovendo um ganho de tensão, Assim, ele também é classificado como um driver para o amplificador Q2. 2A Conecte o circuito como mostrado na FIG. 02 utilizando a seção amplificadora de radiofreqüência da Placa de Experiência B. Conecte os jumpers J1 e J2 de modo que a rede de acoplamento C5, C6 e L2 e o resistor de carga fantasma R7 sejam conectados ao coletor de Q2. Assegure que o borne negativo da fonte de alimentação esteja diretamente aterrado pela conexão de um pequeno jumper ligado entre o terminal negativo de saída da fonte de alimentação e o mais próximo terminal de terra do equipamento. 2B Ajuste a fonte de alimentação DC para 9,0 VDC. 2C Meça e registre as tensões de coletor, base e emissor de Q1 e Q2 em relação ao terra. Use o VOM eletrônico. Vc1 = Vb1 = Ve1 = Vc2 = Vb2 = Ve2 =

8 Laboratório de Telecomunicações 8 2D Q1 está polarizado diretamente? Sim, as tensões de base e emissor estarão em torno de 1,7 e 1,0 Volts, respectivamente. Essas medidas mostram que Q1 está polarizado diretamente (a base é 0,7 Volts mais positiva do que o emissor). Existe aproximadamente 1,0 ma de corrente de emissor fluindo através do resistor de emissor R3 desde que Ie = E R3 / R3. Existe aproximadamente 4,3 Volts no coletor. 2E Q2 está cortado? Sim. As tensões de base e emissor serão iguais a zero Volts. A tensão de coletor será igual a tensão de VCC de 9,0 Volts. Essa medida mostra que Q2 está no corte. Objetivo B Demonstrar a operação do estágio de radiofreqüência em um transmissor de baixa potência e ajustar a rede de casamento para correta reflexão da carga e da potência de saída na freqüência de operação. 3A Observe o circuito da FIG. 02 novamente. A carga de coletor para Q2 consiste de L1 em paralelo com a rede de casamento C5, C6 e L2 e a carga fantasma R7. Quando Q2 conduz, o pulso de corrente de coletor faz a componente reativa da carga oscilar na freqüência do circuito ressonante. Essa ressonância é motivada por uma rápida reconstrução da energia armazenada fornecida diretamente pelos componentes reativos. Durante o período de condução a potência é fornecida diretamente à carga. Quando Q2 está no corte então os componentes reativos continuam a suprir com a energia armazenada à carga. Desta forma, o sinal através da carga aparece como uma forma de onda contínua na freqüência de ressonância do circuito sintonizado. A rede de casamento é realmente o circuito ressonante composto por C5 em paralelo com a combinação série de C6 e L2. Máxima potência é transferida

9 Laboratório de Telecomunicações 9 pela rede através de L2 em série com C6 para formar uma malha reativa indutiva para oscilar com C5 e simultaneamente refletir aproximadamente a impedância casada para o coletor de Q2. L1 apenas serve como elemento de armazenagem de energia e não é parte do circuito sintonizado. Isso pode ser verificado pela natureza não crítica de seu ajuste. O ajuste de L2 na rede de casamento é crítico, contudo, seu efeito é refletir a impedância de carga e por conseguinte a potência de saída do circuito. A proposição desse procedimento é para ajustar a rede de casamento para o correto casamento de impedância entre Q2 e a carga fantasma, tanto que Q2 opere com ótima eficiência e a exigida potência de saída seja desenvolvida através de R7. Esse é um ajuste típico no transmissor real, tanto que melhor eficiência do amplificador de potência é obtida e potência de saída exigida é fornecida à antena. Também será observado que o circuito utilizado é de resposta de freqüência um pouco larga (baixo fator de mérito, Q). Se maior atenuação de freqüências indesejáveis for desejado, um circuito de maior Q será utilizado. O circuito de maior Q será mais crítico na freqüência de ressonância e o casamento ainda será exigido. Em cada caso onde ótima sintonia e casamento são desejadas simultaneamente, ambos L2 e C5 serão feitos variáveis e simultaneamente sintonizados. 3B Ajuste a sintonia fina de L1 e L2 para aproximadamente o centro de suas faixas de sintonia. Use uma chave de fenda não metálica ou chave de sintonia para fazer todos os ajustes na sintonia. 3C Ajuste o gerador de radiofreqüência para a saída não modulada na freqüência de 800 khz. O gerador de radiofreqüência é utilizado como uma fonte de freqüência da portadora nesse exercício de laboratório no lugar do oscilador de radiofreqüência normalmente utilizado em um transmissor. 3D Conectar a saída do gerador de radiofreqüência no capacitor C1 de entrada do circuito amplificador de radiofreqüência. Ajuste o nível de saída do gerador de radiofreqüência para 200 mv de pico a pico, usando o osciloscópio com a ponta de prova x10.

10 Laboratório de Telecomunicações 10 3E Mova a ponta de prova do osciloscópio para o coletor de Q2. Utilizando a chave de sintonia, ajuste a sintonia fina da bobina L2 até que o osciloscópio indique a amplitude máxima. 3F Porque obtendo a máxima deflexão resulta no ajuste correto de L2? Ajustando L2, sintoniza a rede de casamento para a ressonância paralela (C5//C6- L2) na freqüência de operação (800 khz). Desde que a impedância através de um circuito ressonante paralelo é máxima na freqüência de ressonância, máxima tensão é desenvolvida através dele no coletor de Q2. 3G Aumente a saída do gerador de radiofreqüência para 600 mv de pico a pico. Use o osciloscópio para a medida do nível de tensão. 3H Observe ainda a saída de Q2. Está Q2 na saturação? Com Q2 operando entre o corte e a saturação a eficiência do circuito aumenta ou decresce? Explique. Q2 está impelido à saturação com o corte na forma de onda de saída como indicado. A eficiência será melhor nesse caso porque Q2 está indo a um corte completo para uma condução total, ou de uma condição de nenhuma dissipação de potência a uma condição de dissipação de mínima potência dissipada. 3I Conectar a ponta de prova do osciloscópio através do resistor R7, carga fantasma, de 4,7 kω. Utilizando a chave de sintonia, cuidadosamente ajuste a sintonia

11 Laboratório de Telecomunicações 11 fina de L2 até que o osciloscópio mostre um sinal de 40 Volts de pico a pico. Apenas um ajuste secundário será necessário. 3J Esse amplificador de potência de radiofreqüência foi projetado para transmitir uma potência média de 40 mw a uma carga (antena) de 4,7 kω. Calcule a potência desenvolvida através da carga usando o valor indicado de R7 e da tensão de 40 Volts de pico a pico. A maneira de encontrar a potência média você deve transformar a tensão de pico a pico em valor RMS. E = Po = R P o 2 Você calculou 42,5 mw. 3K A rede de casamento, quando apropriadamente sintonizada para a relativa potência de saída através da carga, reflete a correta impedância ao circuito coletor de Q2, tanto que ele opera com melhor eficiência. A correta impedância para Q2 nesse circuito é de 1,0 kω. Calcule a impedância refletida utilizando a seguinte expressão: R refletida 2 VCC = R refletida = 2 P o Você calculou 1,011 kω, no qual é tão próximo ao valor projetado como medido. 2 9 R refletido = = kΩ = 3 2 x 40 x10 3L Porque L2 foi dessintonizado levemente em 3I para proporcionar um sinal de 40 Volts de pico a pico através de R7? Ela foi dessintonizada de um pequeno valor para que a relação de potência de saída para carga fantasma de 4,7 kω aparecesse como 1,0 kω ao coletor de Q2. Convenientemente, ela também faz com que Q2 aparecesse como uma impedância de 1,0kΩ para a carga fantasma. Contudo, máxima potência foi transferida para a carga desde que ambos estão trabalhando em suas impedâncias características.

12 Laboratório de Telecomunicações 12 Objetivo C Verificar que o transistor conduz por menos de 180 o do sinal de entrada em um amplificador em classe C. 4A Desconectar a ponta de prova do osciloscópio do resistor R7. 4B Calibre o osciloscópio para uma deflexão vertical de 0,1 Volts/cm e varredura horizontal de 1 µs/cm. 4C Observe a forma de onda na base de Q2. A forma de onda no osciloscópio aparecerá similar a aquela mostrada na FIG. 03. A tensão e o período de tempo indicado na forma de onda são valores típicos. Figura 03 4D Meça os tempos off e on do transistor como indicado na FIG. 03. Meça o ponto justo onde uma porção da forma de onda foi arredondada no semiciclo positivo. Com uma varredura de 1µs/cm e magnitude x5, cada centímetro no eixo horizontal representam 0,2 µs/cm. t off = t on = Você mediu os tempos off e on de aproximadamente 0,7 e 0,55 µs, respectivamente.

13 Laboratório de Telecomunicações 13 4E Meça a amplitude da pequena tensão positiva que aparece na forma de onda acima do eixo X. Relembre, com a ponta de prova x10 e deflexão de 0,1 V/cm, cada centímetro na deflexão vertical representa 1,0 Volts. Amplitude positiva = Você mediu, aproximadamente, 0,7 Volts. 4F Porque a forma de onda é mais cortada na alternância positiva e qual o significado do aparecimento dessa pequena tensão positiva acima da linha de referência horizontal que não é cortada? A forma de onda acima do eixo X leva o transistor à saturação. Ela é cortada aproximadamente em 0,7 Volts, pela queda de tensão na junção base emissor de Q2. 4G Porque a porção negativa da forma de onda não é cortada? Durante o semiciclo negativo a junção base emissor está polarizada reversamente e Q2 está no corte. Contudo, a impedância de entrada de Q2 é muito alta e a tensão é desenvolvida através desta alta impedância. Na prática, a amplitude da tensão negativa não pode exceder a tensão de corte reversa da junção base emissor (V eb0 ) relacionada para o transistor (6,0 V min ); por outro lado o breakdown pode ocorrer e destruir o transistor. 4H Calcule o período de tempo de uma forma de onda completa pela adição dos tempos on e off medidos no item 4D. t total = t off + t on t total =

14 Laboratório de Telecomunicações 14 O período de tempo total foi de 1,25 µs, período do sinal de entrada de 800 khz. 4I Calcule o ângulo de condução de Q2 em graus em relação a um ciclo completo de 360 º Use o tempo on medido no item 4D e o tempo total do item 4H. Ângulo de condução = Um valor típico é 180 º Esse valor pode variar apreciavelmente mas será menor do que 180 o para a proposição de operação em classe C. 4J Baseado em suas medidas e cálculos, você pode afirmar que Q2 está operando em classe C. Explique. Sim, o ângulo de condução é consideravelmente menor do que 180 o, logo Q2 está operando em classe C. 4K Reduza a tensão da fonte a zero e desconecte o osciloscópio. Objetivo D Verificar que a rede de casamento opera como um circuito transformador de impedância. 5A Desconecte o jumper J1 entre o coletor de Q2 e a entrada da rede de casamento C5, C6 e L2 do circuito amplificador de radiofreqüência. Não desconecte o resistor de carga R7. 5B Conecte o gerador de radiofreqüência na entrada da rede de casamento no ponto A como apresentado na FIG C Observe que o gerador de radiofreqüência esteja ajustado para uma saída não modulada e na freqüência de 800 khz. Usando o osciloscópio com a ponta de prova x10, ajuste a saída do gerador de radiofreqüência para 400 mv de pico a pico.

15 Laboratório de Telecomunicações 15 5D Mova a ponta de prova para a junção R8, C5 e C6. Ajuste a sintonia fina da bobina L2 até que a forma de onda no osciloscópio apresente máxima deflexão. A rede de casamento está em ressonância paralela (C5//C6-L2) nesse ponto. Registre a amplitude de pico a pico da forma de onda. E = Figura 04 5E Se a metade da tensão de entrada é medida na junção de R8 e C5 C6 e o valor de R8 é de 1,0 kω, o que você poderá afirmar sobre a impedância de entrada da rede de casamento? O resistor R8 forma um divisor de tensão com a impedância de entrada da rede de casamento. Se a metade da tensão de entrada é medida na junção R8 e C5 C6, isso significa que R8 e a impedância de entrada da rede de casamento devem ser iguais em valor, se a metade da tensão corresponde à queda de tensão através de-

16 Laboratório de Telecomunicações 16 las. Desde que R8 é de 1,0 kω, a impedância de entrada da rede de casamento deve ser de 1,0 kω também. 5F Meça a tensão através da carga fantasma, resistor R7 utilizado o osciloscópio. E R7 = Você mediu, aproximadamente, 400 mv de pico a pico. 5G Calcule a potência de entrada na rede de casamento de impedância e a potência de saída através de R7. Use os valores de tensão medidos nos itens 5D e 5F. Use o valor de 1,0kΩ para a resistência de entrada da rede de casamento. Não deixe de converter a tensão de pico a pico em tensão RMS antes de fazer seus cálculos. P IN 2 E = P IN = R INPUT Você calculou 5,0 µw. E P OUT = R 2 7 R OUT = Você calculou 4,25 µw. 5H A potência de saída é, aproximadamente, igual a potência de entrada? Sim, os dois valores são, aproximadamente, iguais mas a potência de saída será ligeiramente menor do que a potência de entrada devido às perdas na rede de casamento. 5I Para a máxima transferência de potência suceder entre as duas impedâncias, seus valores devem ser iguais. Desde que a potência de entrada e de saída da rede

17 Laboratório de Telecomunicações 17 de casamento estão muito próximo da igualdade pela pequena perda na rede, você diria que a rede de casamento apresenta-se com igual impedância de entrada e de saída? Sim, o propósito de uma rede de casamento é transformar impedâncias tanto que a máxima potência será transferida. 5J Retorne o gerador de radiofreqüência para saída igual a zero. Sumário Nesse exercício de laboratório você pode familiarizar-se com o estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em transmissores de baixa potência. Você descobriu que existem basicamente dois tipos: amplificadores de tensão e amplificadores de potência. Amplificadores de tensão serve como buffer e driver e amplificadores de potência são utilizados nos estágios finais de saída para proporcionar toda a amplificação de potência. Amplificadores de potência são polarizados para operação em classe C para melhor eficiência e tem uma carga sintonizada ou reativa. Você determinou que na operação em classe C o transistor está no corte até que a base é forçada ao potencial positivo pelo sinal de entrada e então a corrente de coletor flui por menos de 180 o do sinal de entrada depois retornando ao corte. Você sintonizou uma rede de casamento utilizada para casar a impedância de saída do amplificador de potência à impedância da antena. Pela observação do sinal de base do amplificador em classe C no osciloscópio, você mediu o ângulo de condução do transistor e verificou que ele foi menor do que 180 º Finalmente, pela combinação de medidas de tensão e cálculos de potência com a teoria da divisão de tensão e princípio da transferência de potência, você verificou que a rede de casamento opera como um circuito transformador de impedâncias.

18 Laboratório de Telecomunicações 18 Questionário 1 Qual das seguintes classes de operação a amplificação é mais eficiente na utilização de fonte de potência? a) classe A b) classe B c) classe C d) classe AB 2 Porque os componentes reativos são geralmente utilizados em circuitos de carga de amplificadores de potência em classe C? a) eles apresentam mínima perda de potência. b) eles podem armazenar energia e retorná-la ao circuito. c) eles proporcionam sintonia e habilitam o casamento de impedância. d) todas as afirmativas acima são verdadeiras. 3 Amplificadores de tensão de radiofreqüência estão freqüentemente operando em a) classe A b) classe B c) classe A ou B d) nem classe A, nem classe B 4 A rede de casamento proporciona a) aumento da impedância. b) máxima transferência de potência. c) aumento da impedância e máxima transferência de potência. d) nem aumento da impedância, nem máxima transferência de potência.

19 Laboratório de Telecomunicações 19 5 Uma das seguintes sentenças é falsa: a) Amplificadores em classe C estão normalmente no corte sem sinal aplicado. b) A eficiência é melhor em um amplificador em classe C porque ele dissipa nenhuma potência no corte e mínima potência em plena condução. c) Um ângulo de condução maior do que 180 o significa que o transistor está operando em classe C. d) O amplificador de potência opera em classe C na ausência de polarização direta de base. 6 Uma das seguintes sentenças é verdadeiro: a) Uma rede de casamento pode ser chamada de transformador de impedâncias. b) Amplificadores em classe A são utilizados como amplificadores de potência em um transmissor. c) A impedância de antena e a impedância de saída do amplificador final de potência em um transmissor são freqüentemente iguais. d) Um ângulo de condução de exatamente 180 o significa que o transistor está operando em classe C.

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr.

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Eletrônica II Amplificadores de Potência Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Amplificadores Amplificador é um equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade

Leia mais

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Sumário Introdução 5 Amplificação com FET 6 Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Estágio amplificador com FET 8 Princípio de funcionamento 9 Características

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS INTRODUÇÃO Os osciladores são dispositivos cuja função principal é transformar energia CC aplicada, em energia AC. Para que haja essa transformação é necessário

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

Video Lecture RF. Laps

Video Lecture RF. Laps Video Lecture RF Laps Agenda 1. Considerações no projeto de circuitos RF 2. Casamento de impedância 3. Parâmetros S e Carta de Smith 4. Dispositivos/blocos comumente usados 5. Arquiteturas de transceptores

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

Introdução ao estudo dos osciladores

Introdução ao estudo dos osciladores Introdução ao estudo dos osciladores Os receptores de rádio modernos, que você usa em seu lar ou automóvel, contém osciladores. Todo transmissor usa um oscilador para produzir os sinais que transmite,.

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Montagem da Ponte H Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

Prof. Manoel Eusebio de Lima

Prof. Manoel Eusebio de Lima Eletrônica (Amplificador Push-Pull) Prof. Manoel Eusebio de Lima Operação classe B Estes amplificadores, denominados classe B permite que a corrente do coletor flua apenas por 180 o do ciclo ca em cada

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal.

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. 9 Osciladores Capítulo a Cristal Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. objetivos Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal; Analisar osciladores

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C O Capacitor Componente eletrônico constituído de duas placas condutoras, separadas por um material isolante. É um componente que, embora não conduza corrente elétrica entre seus terminais, é capaz de armazenar

Leia mais

Analise de Circuitos Horizontais. Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br

Analise de Circuitos Horizontais. Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Analise de Circuitos Horizontais Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Introdução Ao longo de nossa experiência em manutenção eletrônica, nos deparamos inúmeras vezes com dificuldades muito significativas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #12 (1) FILTRO PASSA-FAIXA Mostre que o circuito

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 3 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução de Eletrônica Analógica Laboratório No.

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #11 (1) O circuito a seguir é usado como pré-amplificador

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

Casamento de Impedância

Casamento de Impedância Disciplina: Ondas e ropaação Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnolóicas CCT Departamento de Enenharia Elétrica aboratório de Eletromanetismo E-3 Casamento de Impedância O casamento

Leia mais

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Introdução Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Os circuitos que estudamos até o momento

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal 2º Laboratório de Bases de Engenharia II 2005/2006 Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal Para este laboratório, as alíneas a) da Experiência 1 e da Experiência 2 devem ser calculadas préviamente,

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009 IFBA MOSFET CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 MOSFET s - introdução Semicondutor FET de óxido metálico, ou Mosfet (Metal Oxide

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.-----------------------------------------------------------------------------

CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.----------------------------------------------------------------------------- CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.----------------------------------------------------------------------------- Uma boa gama de aplicações atuais utiliza o controle de volume digital. Não nos referimos apenas

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

4. Estudo da Curva de Carga

4. Estudo da Curva de Carga 4 4. Estudo da Curva de Carga 4..Introdução No capítulo anterior foi introduzido o conceito de casamento de potencia de um gerador genérico que tem uma resistência interna e está conectado a uma carga

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

Capacitores. 1. Introdução

Capacitores. 1. Introdução Capacitores 1. Introdução 2. Tipos de Capacitores 3. Capacitores e suas marcações 4. Capacitores de cerâmica multicamadas 5. Capacitores de poliéster metalizado 6. Capacitores de tântalo 7. Capacitores

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens.

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens. Chave eletrônica Introdução O transistor, em sua aplicação mais simples, é usado como uma chave eletrônica, ou seja, pode ser usado para acionar cargas elétricas. A principal diferença entre o transistor

Leia mais

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

OSCILADOR ELETRÔNICO

OSCILADOR ELETRÔNICO 1 OSCILADORES Os osciladores são circuitos muito importantes e cujo conhecimento é fundamental para que possamos estudar o receptor superheterodino, que possui um oscilador interno. Um circuito oscilador

Leia mais

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Aula 05 Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Circuito Elétrico Básico e suas componentes. \ Resistores em Série Em uma associação de resistores em série, a corrente elétrica ( contínua)

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

AVIÔNICOS II - ELETRÔNICA

AVIÔNICOS II - ELETRÔNICA CAPÍTULO 1 - CIRCUITOS REATIVOS AVIÔNICOS II - ELETRÔNICA SUMÁRIO Circuito Reativo em série... 1-1 Circuito RC em série... 1-5 Circuito RCL em série... 1-8 Ressonância em série... 1-10 Circuito RL em paralelo...

Leia mais

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES 1. Associe as informações das colunas I, II, III e IV referentes às características do semicondutor I II III

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA Aplicações As três aplicações básicas dos transformadores e que os fazem indispensáveis em diversas aplicações como, sistemas de distribuição de energia elétrica, circuitos

Leia mais

AMPLIFICADORES DE POTÊNCIA

AMPLIFICADORES DE POTÊNCIA AMPLIFICADORES DE POTÊNCIA AMPLIFICADORES Recebem sinais de pequeno valor e amplificam esses sinais para alimentar algum dispositivo ou outro estágio amplificador. AMPLIFICADORES DE PEQUENOS SINAIS Como

Leia mais

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET FET AMPLIFIERS Amplificadores FET M-1106A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo (npn)

Transistores de Efeito de Campo (npn) Slide 1 FET porta dispositivo de 3 terminais corrente e - de canal da fonte para dreno controlada pelo campo elétrico gerado pelo porta impedância de entrada extremamente alta para base Transistores de

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6 1. Titulo: Prática 12 Filtros ativos 2. Objetivos: Estudo de montagem de filtros ativos passa-baixa e passa-alta. 3.

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos SEMICONDUCTOR I Semiconductor I Semicondutor I M-1104A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica 1 Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica João Alexandre da Silveira autor do livro Experimentos com o Arduino Apresentação Uma bancada de Eletronica é um pequeno laboratório de montagens

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP IFBA CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 NÃO-INVERSOR Amplificador CA Ganho de tensão de malha

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Diodos TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Sumário Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos Circuitos Retificadores O diodo retificador converte

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica Semicondutores, Diodos e Retificadores Questões sobre Semicondutores: 1) O que é um material semicondutor? Dê 2 exemplos. 2) O que é camada de valência? 3) O

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Fonte de Energia Hardware de Computadores Introdução As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia elétrica a todos os componentes do computador. Assim, uma fonte de qualidade é essencial

Leia mais