PROFESSORA: SÔNIA BARROSO BRANDÃO SOARES CARGA HORÁRIA: 60 H

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFESSORA: SÔNIA BARROSO BRANDÃO SOARES CARGA HORÁRIA: 60 H"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAMPUS MACAÉ DISCIPLINA: DIREITOS REAIS I - OBRIGATÓRIA PROFESSORA: SÔNIA BARROSO BRANDÃO SOARES CARGA HORÁRIA: 60 H OBJETIVOS DA DISCIPLINA: Tem por objetivo apresentar os conteúdos do Direito Civil relacionados à posse e à propriedade nas suas diversas formas de aquisição com vistas a levar o aluno a compreender e poder futuramente atuar na solução de conflitos que envolvam a regularização fundiária do espaço. METODOLOGIA DE TRABALHO: Aulas expositivas ministradas pela docente. Avaliação em prova no final do semestre, composta de questões de múltipla escolha, dissertativas e de análise e solução de casos concretos. Consulta somente à legislação não comentada. BIBLIOGRAFIA SUGERIDA: GOMES, Orlando. Direito das Coisas. Atual. Rio de Janeiro: Forense. GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro. Direito das coisas.são Paulo: Saraiva. V. V. MELLO, Marco Aurélio Bezerra de. Direito das Coisas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil. Direitos Reais. Rio de Janeiro: Forense. V. IV. RIZZARDO, Arnaldo. Direito das coisas. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro: Forense. VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil. Direito das coisas. São Paulo: Atlas. V. 5. PLANO DE AULAS: Aula 1 Direito das coisas. Conceito. Classificação. Natureza jurídica. Direitos Reais x Direitos obrigacionais. Obrigações propter rem. Ônus. Domínio. Objeto dos direitos reais. Características. Constituição de direitos reais. Aula 2 Posse. Conceito. Teorias justificativas. Natureza jurídica. Objeto da posse. Detenção.Atos de mera permissão e tolerância. Posse originiária e derivada. Direta e indireta. Justa e injusta. Vícios e obstáculos à posse. Posse de boa e de má-fe. Jus possessionis e jus possidendi. Composse. Aquisição e perda da posse. Caráter da posse. Legitimação e capacidade. Constituto possessório e traditio brevi manu. Efeitos da posse e defesa da posse. Ações possessórias e interditos. Aula 3 Usucapião. Aula 4 Propriedade. Conceito. Aquisição. Características. Classificação. Propriedade resolúvel. Inalienabilidade. Propriedade fiduciária. Aula 5 Modos de aquisição e perda da propriedade. Ocupação e tradição. Acessão (x benfeitoria) Abandono. Aula 6 Transmissão da propriedade. Registro. Defesa da propriedade. Ação reivindicatória. Embargos de terceiro. Aula 7 Direito de Vizinhança.

2 2 Aula 8 Condomínio em geral. Aula 9 Condomínio edilício. Assembléias de condomínio. Aula 10 Propriedade resolúvel e fiduciária. Aula 1: Noções Introdutórias 1.1Conceito de Direito Real - res = coisa # patrimônio Direito que vem das coisas (bens) 1.2 Classificação dos bens e implicações no estudo dos Direitos Reais: - móvel e imóvel > propriedade/posse, titularidade, RGI - material e imaterial > propriedade intelectual (royalties) - singular e coletivo > condomínio/composse - privado e público > possibilidade ou não do usucapião 1.3 Direito das coisas x Direitos obrigacionais Direitos Reais (das coisas) Direitos Obrigacionais iura in re > dominação sobre a coisa atribuída faculdade de exigir de sujeito passivo ao sujeito (titular) e oponível erga omnes determinado uma prestação relação de subordinação da coisa ao sujeito, relação bilateral ou plurilateral (obrigacional) sem intermediários > absolutos entre o(s) credor (es) e o(s) devedor(es) > relativos Teoria personalista > no direitos das coisas há No direito de crédito há um sujeito passivo um titular do direito que pode opô-lo erga contra quem o titular (credor) pode opor a omnes facultas agendi oponível erga omnes oponível a sujeito passivo determinado ou determinável exige a existência atual da coisa > objeto o objeto pode ser determinável determinado é exclusivo > o titular é um só (atributivo) comporta pluralidade de sujeitos com iguais direitos > cooperativo concede o gozo ou fruição de bens concede o direito a uma ou mais prestações adquire-se por usucapião ou transmissão adquire-se por transmissão ou cessão não se extingue pela inércia, a não ser que extingue-se pela inércia do titular (prescrição) favoreça a outrem (usucapião) é direito permanente é direito transitório admite o direito de seqüela > direito de o titular está sujeito ao concurso de credores reivindicar a coisa nas mãos de quem injustamente a possua atribui privilégio na execução e na falência > não há privilégios (pars conditio creditorum) preferência (do credor pignoratício) o titular que não mais o deseja pode abandonálo a não admite o abandono, mas sim a renúncia ou remissão

3 3 liga-se à estática patrimonial admite a posse são limitados e taxativos > numerus clausus> as normas atinentes são de ordem pública liga-se à dinâmica patrimonial > trânsito jurídico não admitem a posse são ilimitados e são definidos pelo contrato > as normas atinentes são predominantemente de ordem privada 1.4 Objeto dos Direitos Reais (das Coisas) - relação de senhorio, de poder ou domínio que a pessoa exerce sobre a coisa (bem) Titularidade - direito subjetivo que liga a pessoa às coisas Propriedade (bens corpóreos) x Domínio (bens corpóreos e incorpóreos) Ônus = gravame = restrição ao livre exercício de um direito real (Ex.: por cláusula de alienação fiduciária, por penhora, etc.) 1.5 Classificação dos Direitos das Coisas: sobre coisa própria - Ex.: propriedade > São ilimitados, mas devem atender à função social (art. 5º, XXII e XXIII CF/88) sobre coisa alheia - de fruição ou gozo e de garantia - Ex.: usufruto, hipoteca > São limitados principais (autônomos) e acessórios (relacionados a outro direito real) de aquisição - Ex.: promessa irretratável de compra e venda 1.6 Constituição dos direitos das coisas: posse - pelo exercício propriedade - posse + domínio de fruição/gozo ou garantia - pelo registro de aquisição - pelo registro ou posse prolongada Obs.: Todos eles podem ser usucapidos - por meio de ação de usucapião 1.7 Obrigações propter rem 1.8 Visão geral dos Direitos das Coisas no Novo Código Civil - arts a Aula 2: Da Posse 2.1 Introdução: Defesa de um estado de aparência juridicamente relevante - A posse é situação fática (aparência ou visualização de domínio) se tomada de boa-fé e de justa adequação social. Ex.: outras situações fáticas protegidas pela lei: credor putativo (art. 309), presunção de autorização para receber pagamento de quem é portador da quitação (art. 311), etc. Em nome da acomodação social, cabe ao Direito prever meios de proteção jurídica àquele que é aparentemente titular do direito, para tanto prevê a autotutela e desforço imediato (art º) e as ações possessórias (arts. 920 a 940 CPC). Pode também ser o estado de aparência o substrato jurídico para a aquisição da propriedade (posse prolongada - usucapião - arts. 941 a 946 CPC). A contrário senso, a posse nova (menos de ano e dia) já permite ao proprietário a obtenção de liminar initio litis na ação de reintegração de posse (art. 924 CPC) 2.2 Conceitos e Natureza jurídica da Posse:

4 Clássico - relação de fato entre a pessoa e a coisa Moderno - É estado de fato ou aparência juridicamente relevante para o direito que vincula a pessoa à coisa apropriável. 2.3 Posse x detenção - arts e fâmulo da posse - se acionado - nomeação à autoria (art. 62 CPC) 2.4 Principais efeitos da posse: proteção possessória (juízo possessório, caráter defensivo da posse) e a possibilidade de gerar usucapião (juízo petitório, caráter ofensivo, busca da propriedade). 2.5 Origem do termo posse: de possidere (por + sedere) = poder físico de alguém sobre a coisa. Uma segunda corrente, deriva o termo de potis (senhor, amo). 2.6 Teorias que explicam a posse: Teoria Objetiva - Von Jhering - a posse é o fato que permite e possibilita o exercício do direito de propriedade. Nesta teoria os elementos animus e corpus estão integrados na destinação econômica do bem. O ordenamento jurídico faria, discricionariamente, a distinção entre posse (situação fática protegida) e detenção (situação fática não protegida) Teoria Subjetiva - Savigny - a posse é a relação fática existente entre a coisa e a pessoa (titular do bem), é a faculdade jurídica de possuir, que possui dois elementos (o corpus - possibilidade de ter contato físico com a coisa - e o animus - intenção de possuir a coisa como sua) - Principal crítica: não explica as posses anômalas (Ex. do credor pignoratício, do usufrutuário e do enfiteuta) 2.7 Elementos da posse: corpus (elemento objetivo - relação material do homem com a coisa ou a exterioridade da propriedade) e animus (elemento subjetivo - é a intenção de proceder com a coisa como faz normalmente o proprietário). 2.8 Ius possidendi (é o direito de posse fundado em título ou direito real; é a faculdade jurídica de possuir) x ius possessionis (direito fundado no fato da posse) - art conceito de possuidor - tem proposta de alteração pelo PL 6.960/ Posse (sem título ou com justo título, este caracterizado pela falta do regirstro ou de qualquer outra soenidade a ele inerente) x propriedade (há título de propriedade) 2.10 Quem é o possuidor? Art c/c aquele que tem alguns dos poderes inerentes à propriedade: usar, fruir, dispor e reivindicar Posse de direitos - Ex.: direito real de uso de linha telefônica - Súmula 193 do STJ - e posse de estado Ex.: do estado de filho, do estado de casados Posse de boa e de má-fé - posse justa, posse precária (Ex.: posse do comodatário, do locatário e do depositário), posse clandestina e posse violenta - arts a (momento em que cessa a boa-fé) - Efeitos da posse injusta: art Justo título - art estado de aparência que permite concluir estar o sujeito gozando de boa posse. A posse com justo título é posse de boa-fé presumida.

5 Posse direta e posse indireta - art Composse - quando duas ou mais pessoas possuem a mesma coisa, com vontade comum e ao mesmo tempo. Classifica-se em simples (os composseiros possuem a coisa independente um dos outros) ou de mão comum (nenhum dos sujeitos tem poder fático independente dos demais). Composse de companheira Princípio da continuidade do caráter da posse - arts e Posse ad interdicta (toda posse suscetível de ser defendida por ação possessória) e posse ad usucapionem (aquela que for hábil a conferir, no decurso do tempo, a propriedade), 2.18 Posse nova x posse velha - a nova, a de menos de ano e dia, permite a concessão pelo juiz de medida liminar initio litis de manutenção ou reintegração de posse se houver ameaça ou esbulho possessório Evolução histórica: direito romano, direito natural, direito canônico e direito germânico Aquisição da posse: para Savigny - depende de um ato físico ou material (corpus), junto com um ato de vontade (animus); para Jhering, somente importa o dado objetivo da posse, ou seja, o fato de ser aparência de domínio e de ter o bem possuído destinação econômica. Logo, a posse pode ser adquirida: por apreensão, por exercício de direito, pelo fato de dispor da coisa ou do direito sobre ela ou por qualquer dos modos de aquisição (art ) > Pode ser originária e derivada(transmissão de um sujeito a outro - causa mortis - Ex.: princípio da saisine - transmissão da posse por força de lei, quando da morte do titular anterior, ou inter vivos - negócio jurídico bilateral Ex.: compra e venda ou cessão de direitos, ou ainda pela tradição) Traditio brevi manu - quem possuía em nome alheio passa a possuir em nome próprio - Ex.: o locatário que adquire o imóvel Constituto possessorio - o possuidor em nome próprio altera o animus e passa a possuir em nome de outrem - Não pode ser presumida, só se constituindo por contrato escrito.(não presente no NCC) Ex.: o proprietário que aliena a coisa mas fica com a posse como locatário ou arrendatário Res nullius - coisa sem dono x res derelicta - coisa abandonada - ambas podem legitimar o domínio do possuidor no futuro (usucapião) Quem pode adquirir a posse? - Art O menor pode adquirir a posse? Transmissão da posse: a título universal (mortis causa - herança) e a título singular (inter vivos - um bem singular pelo negócio jurídico bilateral) - Arts e Conservação e perda da posse: Perde-se a posse quando não mais se exerce ou se pode exercê-la - Arts e 1.224; Formas: pelo esbulho - perda violenta ou não dos poderes inerentes à posse; pelo abandono - aplica-se tanto à posse direta quanto à indireta; pela tradição da coisa; pela destruição ou pela inalienabilidade (coisa fora do comércio); pela perda ou pelo furto da coisa; pelo constituto possessorio; pelo usucapião Efeitos da posse:

6 Introdução Divergência doutrinária: IHERING/ORLANDO GOMES EFEITO ÚNICO: PRESUNÇÃO IURIS TANTUM DE PROPRIEDADE (propriedade putativa); SAVIGNY/ CAIO MARIO EFEITO DÚPLICE: INVOCAÇÃO DAS AÇÕES POSSESSÓRIAS E DOS INTERDITOS PARA A SUA DEFESA E POSSIBILIDADE DE VALER-SE DA USUCAPIÁO; LAFAYETTE RODRIGUES PEREIRA E SERPA LOPES EFEITO TRÍPLICE: PRESUNÇÃO DE PROPRIEDADE, DIREITO ÀS AÇÕES POSSESSÓRIAS E AOS INTERDITOS E DIREITO À USUCAPIÃO (presunção aquisitiva); CLÓVIS BEVILÁQUA, ARANALDO RIZZARDO, MARIA HELENA DINIZ, MIRANDA ROSA, NELSON ROSENVALD, CARLOS ROBERTO GONÇALVES, SÍLVIO VENOSA E OUTROS: MÚLTIPLOS SÁO OS EFEITOS DA POSSE QUE PODEM ASSIM SER DISCRIMINADOS: Efeitos: a) presunção do direito de propriedade art CC c/c Súmula 487 STF; b)direito de uso dos interditos possessórios (ações de defesa da posse e autodefesa - arts a 1.222); c) percepção dos frutos (para a posse de boa-fé, que não é clandestina - art CC); d)direito de ressarcimento e de retenção por benfeitorias (posse de boa-fé - as necessárias, as úteis e as voluptuárias (podem ser levantadas sem deterioração do principal) - arts. 96 e CC c/c art. 922 CPC; indenização pelo valor de custo atualizado ou pelo valor atual) e de má-fé - só as necessárias, em nome do não enriquecimento sem causa do possuidor indireto ou proprietário, mas sem direito de retenção - v. arts a CC, pelo valor atual); d) irresponsabilidade do possuidor de boa-fé por perda ou deterioração da coisa a que não deu causa (a prova da culpa incumbe a quem alega o prejuízo) e do de má-fé durante o período em que foi possuidor nesta condição, salvo se provar culpa de terceiro ou do próprio proprietárioinversão do ônus probatório (Arts , e tem natureza de responsabilidade civil subjetiva); e) direito de promover a usucapião (art e ss.); f) direito à utilização de desforço próprio ou autodefesa por meios aptos e proporcionais - 1º. do art CC; g) direito a promover as ações possessórias (manutenção em caso de turbação na posse e reintegração na hipótese de esbulho) e os interditos proibitórios (hipótese de ameaça ao pleno e manso exercício da posse) arts CC e 920 a 940 CPC); h) direito à indenização pela turbação ou esbulho arts CC c/c 922 CPC; i) inversão do efeito da instrução probatória para quem contesta a posse art. 922 CPC ; j) ser posição favorável em atenção à propriedade em ação possessória art º c/ c 923 CPC Defesa da Posse: Ações possessórias - Arts. 920 a 925 CPC - disposições gerais: Conceito. Princípio da fungibilidade das ações possessórias (art. 920 CPC). Natureza dúplice Arts. 921 e 929 CPC; Ação de força nova (posse nova (menos de ano e dia) procedimento especial e Ação de força velha (posse velha acima de ano e dia Procedimento Comum Ordinário) - art. 924 CPC) Arts. 926 a 931 manutenção (turbação) e reintegração da posse (esbulho); Concessão de liminar inaudita altera partem (art. 928 CPC). Servidões e proteção possessória (só as aparentes); Ação de reintegração (iuris possessionis ação possessória) x ação reivindicatória (iuris possidendi ação petitória- direito de seqüela do proprietário de reaver o bem das mãos de quem injustamente o possua) Interditos proibitórios: ameaça no exercício da posse arts. 932 e 933 CPC; Nunciação de obra nova Arts. 934 a 940 CPC. Conceito. Embargos extrajudiciais Art. 935 CPC Cominação de multa diária pela realização da obra embargada ou nunciada. Art. 936 II CPC.

7 7 Embargos de terceiro (arts a CPC). Ação de Dano Infecto - direitos de vizinhança - arts e CC Imissão na posse. (x Adjudicação compulsória- Art CC) 2.26 EXERCÍCIO: Assinale a alternativa correta: 1- Assinale a alternativa incorreta : a) O possuidor tem direito de ser mantido na posse em caso de turbação. b) Considera-se possuidor aquele que, achando-se em relação de dependência para com outro, conserva a posse em nome deste e em cumprimento de ordens ou instruções. c) O Código Civil reconhece como injusta a posse que for violenta, clandestina ou precária. d) A posse poderá ser desmembrada em direta e indireta. 2- A proteção preventiva da posse ante a ameaça de turbação ou esbulho, opera-se mediante a) ação de força nova espoliativa b) ação de dano infecto c) embargos de terceiro senhor e possuidor d) ação de imissão de posse e) ação de manutenção da posse com possibilidade de liminar initio litis. 3 O possuidor de má-fé: a) não tem direito à indenização independentemente do tipo de benfeitoria que tenha realizado no imóvel. b) tem direito à indenização das benfeitorias necessárias e das úteis, mas só pode reter o imóvel em razão das necessárias. c) tem direito à indenização só das benfeitorias necessárias, mas não tem direito de retenção do imóvel. d) tem direito à indenização das benfeitorias necessárias e das úteis sem direito de retenção do imóvel. e) tem direito à indenização só das benfeitorias necessárias com direito de retenção do imóvel. 4 - No que diz respeito à posse é correto afirmar: a) Para que haja composse é necessário que todos os compossuidores tenham ciência da posse dos demais. b) O possuidor direto pode exercitar a repulsa legítima à invasão de sua esfera possessória por parte do possuidor indireto, ainda que não mais vigente o título jurígeno autorizador do desdobramento da posse. c) Não se caracteriza a posse violenta quando alguém se apossa de propriedade onde não encontrou ninguém e depois tão-somente impede o dono de nela reentrar. d) A posse poderá ser adquirida por terceiro sem mandato, dependendo de ratificação. 5 Entende-se por cláusula constituti ou constituto possessório: a) Uma fórmula obrigatória em todos os atos dos tabeliães, consagrada pelo uso. b) É uma modalidade de tradição ficta da posse em que se opera a transferência da posse sem exercício de fato por quem adquire a propriedade (possuidor indireto). c) Só deve ser utilizada na escritura definitiva. d) Trata-se de antiga expressão de significado idêntico à evicção de direito.

8 8 Analise o caso a seguir e responda ao que se pede: 6 - Pedro, caseiro de Maria Luísa, reside no local de trabalho, uma fazenda no interior, em Itaperuna, há doze anos. Certo dia, cansada das crises de alcoolismo do empregado, Maria Luísa resolve pôr fim à relação empregatícia, por justa causa (encontrou o empregado completamente bêbado e com uma prostituta no interior da casa principal, fazendo uso da bebida do bar particular do marido de Maria Luísa). Pedro trabalha há 15 anos para o casal, mas somente há seis anos teve sua carteira assinada. Embora notificado para desocupar a casa utilizada por ele como moradia, Pedro se recusa a deixar o imóvel alegando que somente sairia se lhe fossem restituídas as benfeitorias feitas (conserto do telhado e ampliação da cozinha). Pergunta-se: Procedem as alegações de Pedro? Haveria o dever de indenizar? Pedro é possuidor? 7. É possível falar em legítima defesa da posse por terceiro? 8. Sérgio adquiriu um automóvel em uma revendedora, sem ter conhecimento de que o carro era produto de furto. Em posse da documentação de transferência do veículo, Sérgio não teve maiores dificuldades para regularizar sua compra, já que o chassis e os documentos tinham sido adulterados junto ao órgão competente. Com o automóvel em seu nome, devidamente vistoriado, Sérgio permaneceu utilizando-o normalmente durante três anos e quatro meses, ocasião em que foi vítima de uma colisão, tendo o veículo sido vistoriado por agentes policiais que constataram a adulteração. Apreendido o carro e apresentado a Antônio, pessoa indicada como vítima do furto e como verdadeiro proprietário do bem, é correto afirmar que: a)sérgio pode alegar que passou a ser proprietário do carro em virtude de posse mansa, pacífica e pública; b)sérgio não pode ser possuidor de boa-fé por ter tido o veículo apreendido e identificado como produto de furto; c)sérgio pode pedir ressarcimento de quem lhe vendeu o veículo por ser possuidor de boa-fé; d)sérgio não pode alegar usucapião porque a previsão legal não inclui veículos; e)sérgio passou a ser proprietário, não em decorrência de usucapião, mas sim em virtude da compra e venda, desde o momento que conseguiu regularizar o veículo, que, inclusive, foi vistoriado. 9. Adriano alugou para Cláudio um computador e uma impressora de propriedade de Lívia, que se encontravam em seu poder em decorrência de um contrato de comodato. Ao término do prazo pactuado para a locação, Adriano notificou Cláudio para que restituísse os aparelhos, tendo Cláudio se recusado a devolver sob o argumento de que Adriano não era o proprietário do bem. Pode-se afirmar que: a)assiste razão a Cláudio, pois os bens somente devem ser restituídos à proprietária; b)adriano somente poderá reaver os bens se estiver em companhia de Lívia; c)cláudio está descumprindo sem justificativa a obrigação contratual de restituir o bem locado; d)adriano tem o direito de, sozinho, reaver o bem através da força física pois é possuidor direto; e)adriano tem o direito de, na companhia de Lívia, possuidora indireta, reaver o bem através da autotutela. 10. O poder que o caseiro exerce sobre o bem que se encontra sob seus cuidados constitui: a)posse direta;

9 9 b)posse indireta; c)mera detenção; d)posse justa; e)ato de mera permissão. Aula 3: Usucapião 3.1 Introdução: o novo pressuposto da propriedade - deverá atingir a sua função social; originariamente era uma ação (a usucapião) que, historicamente seria a junção de dois institutos( a usucapio - capere=tomar e a longi temporis praescriptio - modalidade de defesa, de exceção - era utilizada tanto pelos cidadãos romanos quanto pelos estrangeiros - a prescrição era de 10 anos contra presentes - residentes na mesma cidade - e de 20 anos entre ausentes - residentes em cidades diversas). A Lei das XII Tábuas instituiu que quem (apenas cidadão romano) possuísse por dois anos um bem imóvel ou por um ano um bem móvel tornarse-ia proprietário. Mais tarde, já no período do Direito Romano pós-clássico, surgiu a longissimi temporis praescriptio, que os juristas modernos consideram a origem do usucapião extraordinário (20 anos e, agora, 15 anos). 3.2 Conceito de usucapião: modo de aquisição da propriedade mediante a posse suficientemente prolongada sob determinadas condições. É sinônima a expressão prescrição aquisitiva. À usucapião também se aplicam as regras de suspensão em interrupção da prescrição. (art CC): Ex.: Não corre o prazo de usucapião contra proprietário incapaz (art. 198, I NCC) 3.3 Requisitos de concessão do usucapião: res habilis (coisa hábil a ser usucapida), iusta causa (justa causa), bona fides (boa-fé), possessio (posse prolongada) e tempus (o correr do tempo sem haver demanda por parte do nu-proprietário para reaver o bem). 3.4 Fundamentos do usucapião: a utilização do bem, a função social da propriedade, a segurança das relações jurídicas e o fato de ser modo de aquisição originária do bem. 3.5 Elementos: posse prolongada, contínua e incontestada, boa-fé, ânimo de dono e passagem do tempo (decurso do prazo para que o proprietário entre com a Ação Possessória). 3.6 Aplicação do usucapião: bens móveis, imóveis, semoventes, domínio, enfiteuse, habitação, servidões, usufruto, uso, etc. 3.7 Modalidades de usucapião: Extraordinário - art prazo de 15 anos - independe de título e boa-fé art p. único - prazo cai para 10 anos - também independe de título de boa-fé - se houver fixação da moradia ou realização de obras de caráter produtivo (em ambos os casos prevalece o corpus) Ordinário - art prazo de 10 anos, mas com justo título e boa-fé Ordinário - art p. único - com registro anterior da aquisição onerosa que foi cancelado e com fixação da moradia ou construção (utilidade da coisa)- cai o prazo para 5 anos Especial - urbano - art. 183 CF/88 e art CC e art. 9º da Lei /01 - Estatuto da Cidade- usucapião especial pro misero - imóvel com área até 250 m² - por prazo de 5

10 10 anos, sem interrupção e sem ação do proprietário, e desde que não seja proprietário de outro imóvel Especial - rural ou pro labore- art. 191 CF/88 e art CC - prazo de 5 anos - imóvel para residência e cultivo de até 50 hectares aproximadamente m² Usucapião coletivo - art º e 5º CC e arts. 10 a 14 da Lei /01 - área urbana com mais de 250 m² ocupada por população de baixa renda para moradia - prazo de 5 anos ininterruptos e sem oposição podem ser usucapidas coletivamente, desde que os usucapientes não sejam proprietários de outro imóvel urbano ou rural; mesmo que sejam demandados por ação reivindicatória. Hipótese que se aproxima da desapropriação pois o juiz fixará a justa indenização devida ao proprietário (expropriação judicial). Pago o preço, a sentença valerá como título a ser registrado no RGI. A posse que se iniciou antes da vigência do CC será acrescida de dois anos (art NCC) JÁ SUPERADO. É necessária a participação do Ministério Público e será assegurada a assistência judiciária gratuita, inclusive perante o cartório do RGI (EXCETO NO RJ- LIMINAR PROCESSO ADMINISTRATIVO ANOREG Programa Minha Casa Minha Vida- Março/2010). O rito deste usucapião será sumário. 3.8 Processo - a ação de usucapião Procedimento Especial de Jurisdição Contenciosa- arts. 941 a 945 CPC e CC - foro competente é o da situação do imóvel (art. 95 CPC - competência absoluta em razão da matéria) - se a União demonstrar interesse, desloca-se a competência para a seção da Justiça Federal responsável pela área. Ação tramita em vara cível. Citação dos proprietários e confrontantes é obrigatória.(litisconsórcio passivo necessário e unitário) Intimação obrigatória da Fazenda Pública dos entes federativos (União, Estados, Distrito Federal, Territórios e Municípios). Intervenção obrigatória do Min. Público que pode recorrer, ainda que a parte ré não recorra (Súmula 99 STJ e art. 12 1º. da Lei /01 Estatuto da Cidade). Sentença é título hábil a ser transcrito no RGI. EXERCÍCIOS: Assinale a alternativa correta: Quanto ao registro do direito real imobiliário: a) Não está consagrado no direito brasileiro o princípio da correspondência entre a unitariedade da matrícula e a unidade do imóvel, relacionado com o da especialidade. b) O registro de imóveis é imutável. c) A presunção iuris et de jure de domínio é o efeito primordial do registro imobiliário comum. d) A especialidade consiste no fato de o registro assentar uma perfeita e minuciosa identificação do imóvel registrando, com o escopo de impedir que sua transmissão seja feita irregularmente. e) É ato registrável a cessão de direitos hereditários sem haver inventário proposto. Caso para análise: Após doze anos residindo em um imóvel alugado a Sra. Ilka Josefa de Castro, no Jardim Guanabara, Ilha do Governador, Pedro não mais recebe as boletas de cobrança dos aluguéis do contrato de locação já prorrogado indefinidamente, e, passados dois meses sem nada receber, procura a administradora do imóvel. Lá descobre que fora cancelado pelo advogado da antiga proprietária o contrato com a referida empresa para a cobrança dos encargos da locação há 2 anos e que a cobrança foi feita pelo banco sem autorização. Pedro procura, então, o advogado da proprietária do imóvel e descobre que o mesmo também falecera há um ano, sem transmissão de

11 11 clientela a outrem. Também é informado que a proprietária do referido imóvel falecera em 2001, vítima de acidente, sem haver herdeiros conhecidos. Sem saber o que fazer, Pedro procura a Defensoria Pública para saber se teria algum direito em relação ao imóvel que habita. Coloquese no lugar do(a) defensor(a) e, levando também em conta os aspectos processuais, instrua Pedro quanto às providências a serem tomadas, a hipótese legal em que se insere e seus direitos (se existirem) e possíveis soluções. Não se esqueça de fundamentar na legislação vigente. Aula 4: Propriedade 4.1 Introdução: posse(situação de fato) x propriedade(direito real - art , I CC Princípios: taxatividade, legalidade, publicidade e elasticidade) Histórico: surge a propriedade provavelmente com a Lei das XII Tábuas: o indivíduo recebia uma porção de terra para cultivar, mas finda a colheita voltava a terra a ser coletiva; com o passar dos anos, a terra é apropriada e o pater familias nela se instala para viver com sua família e tornando a terra propriedade individual e perpétua. O domínio sobre a terra é, então, absoluto. No Direito Romano Clássico (o Digesto) já se reconhece limites à propriedade absoluta por meio de alguns direitos de vizinhança. A influência grega torna a propriedade romana vinculada à família e à religião. O romano passa a associar a sua propriedade e a sua descendência ao culto dos deuses Lares (os deuses antepassados). A religião passa, então, a garantir a propriedade. Na Idade Média, por influência das invasões bárbaras, as terras voltam a ser coletivas, mas, com o fortalecimento das monarquias nacionais, a propriedade passa a ser associada ao conceito de soberania nacional. O Direito Canônico faz associar a aquisição da propriedade à aquisição da liberdade individual. Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino ensinam que a propriedade é inerente ao homem, mas que o mesmo deve fazer bom uso dela (função da propriedade). A partir do século XVIII, a escola de direito natural reclama leis que definam a propriedade. A Revolução Francesa defende a propriedade aos moldes romanos e o Código Napoleão dá sua feição individualista (a propriedade é sinônimo de liberadade). Com o advento do século XIX e a Revolução Industrial, além das doutrinas socialistas (Marx), a propriedade passa a reclamar uma função social. 4.2 Propriedade: Conceito: direito real sobre bem móvel ou imóvel que implica em titularidade (domínio) sobre o referido bem - arts e ss. CC 4.3 Função social da propriedade - A propriedade é um direito natural, mas que deve ser exercido não só em benefício de seu titular mas também no interesse da coletividade. O Estado, portanto, além de garantir o livre exercício do direito ao seu titular, tem também que assegurar que o mesmo o faça segundo a supremacia do interesse público (da coletividade). São, portanto, cabíveis medidas (normas) que possibilitem o controle do uso da propriedade emanadas do Estado (Ex.: IPTU progressivo para terrenos baldios em centros urbanos, parcelamento, edificação e utilização compulsórios, desapropriação para fins de reforma agrária de latifúndios improdutivos, expropriação coletiva, etc.) 4.4 Base Jurídica do direito de propriedade: Constituição Federal de 1988, arts. 5º, XXII e XXIII, 170, II e III, 182 1º e 186; Lei /2001 (Estatuto da Cidade) e Novo Código Civil, arts a CC; também as Leis 8.174/91 e 8.629/93 (tratam da terra, solo rural e reforma agrária). São assuntos inerentes à propriedade: sua aquisição (usucapião), suas limitações, condomínio, etc. 4.5 Natureza jurídica do direito de propriedade: é um direito real (emana da coisa).teoria da ocupação (propriedade primitiva - o solo seria de todos) e da natureza coletiva (comunismo e socialismo). Teoria do Estado soberano (propriedade individual). Teoria do consumidor (a

12 12 propriedade recebe a influência da massificação dos contratos e dos grandes conglomerados industriais - o contrato passa a ser a forma mais usada de aquisição de propriedade). Importância histórica das teorias. 4.6 Objeto do direito de propriedade - art NCC Propriedades:ius utendi, fruendi, abutendi - usar, gozar/fruir e dispor x direito ao solo/subsolo - art CC (x arts. 176 e 177 CF/88 e art CC). 4.7 Características do exercício do direito de propriedade: é pleno e exclusivo (art CC) e perpétuo (não se extingue pelo não uso, mas prescreve o exercício do direito subjetivo público de ação para a sua defesa - daí o porquê do usucapião). O direito de propriedade também é elástico, isto é, se retirados os limitadores ao seu pleno exercício (ônus reais: hipoteca, usufruto, etc.), ele volta a ser exercido plenamente. Engloba tanto os bens corpóreos quanto os incorpóreos, os móveis e os imóveis. Também é constituído das pertenças (frutos e produtos) da coisa (art CC) 4.8 Restrições ao pleno exercício do direito de propriedade: leis que desvinculam a propriedade do solo da do subsolo; leis de afetação e tombamento para o patrimônio histórico, cultural e ambiental (APAs e APARUs), leis que limitam o gabarito de construção (Plano Lúcio Costa), leis de vizinhança (distância do muro das construções, vedação a que se abram janelas sobre o muro alheio, etc.), leis de ordem militar (áreas restritas à Marinha, à Aeronáutica e ao Exército), requisição de bens em caso de urgência, de calamidade pública ou para uso eleitoral, desapropriação e, finalmente, pelo próprio proprietário ao impor cláusulas de inalinabilidade, impenhorabilidade e incomunicabilidade em doações ou testamentos. 4.9 Patrimônio: conjunto de direitos reais e obrigacionais, ativos e passivos, pertencentes a uma pessoa (universalidade). Aula 5 - Formas de aquisição da propriedade em geral: a) da propriedade imóvel: arts e ss. CC - compra, doação, usucapião (arts a CC), registro de título (art a CC) e acessão (arts a CC); exigem escrituração - atos solenes e formais; (RES MANCIPI - associada à idéia de soberania e poder) Obs.: O contrato e a promessa de C/V por si só não trazem a aquisição da propriedade, mas sim a transcrição do título aquisitivo no cartório da circunscrição do imóvel - RGI a que se refere (bem imóvel - arts e CC c/c 108 e 215 CC) e a tradição da coisa (bem móvel se for veículo vistoria de mudança de titularidade no DETRAN com o DUT/TRANSFERËNCIA assinado pelo vendedor e com firma de vista reconhecida). b) da propriedade móvel: arts e ss. CC - compra, doação, usucapião, ocupação (caça e pesca), achado de tesouro, especificação, confusão, comistão e adjunção - não exigem escrituação (exceto para veículos - DETRAN). (RES NEC MANCIPI) 5.1 Aquisição originária e derivada: é originária quando desvinculada de qualquer relação com o titular anterior (incluem-se as por usucapião e acessão natural); derivada, quando há relação jurídica com o antecessor, existindo transmissão de um titular a outro (inter vivos ou causa mortis), chega ao segundo proprietário com os vícios que já tinham com o primeiro. Ex.: alienação de bem hipotecado ou onerado com servidão, aquisição por direito hereditário, etc. 5.2 Aquisição a título singular (um só bem - Ex.: legado) e a título universal (universalidade de bens, direitos e obrigações - Ex.: transferência de estabelecimento comercial).

13 Registro da Propriedade Imóvel - Lei 6.015/73 (LRP), arts. 167 e ss. - princípios: publicidade, veracidade, presunção relativa, conservação e responsabilidade dos oficiais do registro; requisito da continuidade do registro (uma só matrícula original (art. 228 da LRP) identifica o bem de raiz, os atos de transferência são registrados ou averbados em seqüência e sem interrupção). Faculta-se aos imóveis rurais o chamado Registro Torrens - visa conferir presunção absoluta de propriedade a quem tenha o registro certificado (arts. 277 a 288 da LRP) 5.4 Acessão - em sentido amplo significa o aumento da coisa objeto de propriedade. É forma originária de aquisição da propriedade. Também significa acessório. Pela acessão, passa a pertencer ao dono da coisa principal o que se adere a ela. Aplica-se também aos frutos das árvores. Importância da acessão: quando a parte acrescida a coisa pertencia a proprietário diverso. Base legal: A matéria também vem tratada no Decreto /34 - Código de Águas - arts. 9º ao 27) Modalidades: a) de imóvel a imóvel - terra ou porção de prédio que se junta a outro solo ou imóvel (Ex.: formação de ilhas (art NCC), aluvião (art NCC), avulsão ( art NCC), álveo abandonado (art NCC); b) de móvel a imóvel - construções e plantações que decorrem da conduta humana - acessão x benfeitoria - na primeira, quem constrói sabe que não o faz com animus de dono. (arts a NCC) - geram direito de retenção e indenização se feitas de boa-fé; c) construções em imóvel alheio - gera indenização (boa-fé) ou multa e dever de restituir (máfé) - arts a 1.259; d) de animais perdidos - serão apropriados por quem os encontrar ou passam a ser acessórios da propriedade em que forem habitar (art. 596 do CCB/16). 5.5 Aquisição pelo direito hereditário - art NCC - princípio da saisine - com a morte a herança (posse e propriedade) transmite-se desde logo para os herdeiros legítimos e testamentários. Na primeira hipótese segue-se a ordem da vocação hereditária: descendentes em condomínio com o cônjuge supérstite (se o casamento não tiver o regime da separação obrigatória ou o da comunhão universal de bens e se for ascendente comum), os ascendentes, o cônjuge (nas demais hipóteses) e os colaterais (irmãos, tios e sobrinhos) e, finalmente, o Estado se não houver qualquer deles (arts e NCC) 5.6 Da Descoberta: Base legal: arts a NCCB - É tipo de aquisição imprópria da posse = encontrar algo; dever de restituir sob pena de responsabilidade civil; restituição implica em direito à recompensa de 5% do valor da coisa; se não encontrado o dono em 60 dias, a coisa será vendida em hasta pública. Se de pequeno valor, será abandonada pelo Município a quem a encontrou (art p. ún.) transmuta de posse para propriedade. Aula 6 Aquisição da propriedade móvel. Registro. Defesa da propriedade. Ação reivindicatória. Embargos de terceiro. 6.1 Modalidades: a) usucapião bens móveis. Prazos: 3 anos de posse mansa, pacífica, contínua e com justo título e boa-fé, ou 5 anos de posse mansa, pacífica e contínua - arts e CC; Aplicação da regra de perpetuação da posse dos antecedentes com a mesma qualidade arts e c/c CC; os bens móveis dominiais não podem ser usucapidos- Súmula 340 STF;

14 14 b) ocupação - arts CC c) achado de tesouro - arts a CC (distribuição entre o descobridor e o enfiteuta, no caso de imóvel aforado) c/c Lei 3.924/1961 p. ún descobertas fortuitas- arts. 17 a 19. d) tradição - arts e CC (constituto possessório hipótese do contrato de lease back traditio brevi manu); nulidade do negócio original torna nula também a tradição; e) especificação - arts a CC direito do melhorista Exs. pintura em relação à tela; escultura em relação ao metal; f) confusão, comistão e adjunção - arts a CC- Se de boa-fé: mantêm-se na titularidade do dono anterior se puderem ser separadas sem deterioração e se não tiver ele dado o consentimento para a mistura; se for impossível a separação, vale a regra do valor do quinhão que se agregou; se de má-fé: cabe ao dono original a escolha entre receber o todo e indenizar os outros, com exclusão da própria indenização ou renunciar a sua parte e receber indenização Obs.: O CC fala equivocadamente em comissão e não comistão Perda da propriedade: arts e NCCB - por alienação, por renúncia, por abandono, por perecimento da coisa e por desapropriação Ações de defesa da propriedade: juízo possessório (ações possessórias) x juízo petitório (ações de defesa de direitos reais/propriedade) - Exs.: mandado de segurança (p/ proteger a propriedade em face de autoridade pública); ação reivindicatória - art parte final NCCB - é ação petitória para o exercício do direito de seqüela: buscar a coisa onde se encontre e em poder de quem se encontre; ação declaratória - art. 4º, I CPC - mesmo que não desapossado, pode o proprietário pedir ação declaratória do seu direito de propriedade para assegurá-lo, que não sofre prescrição uma vez que é corolário do direito real de propriedade, e a sentença não é passível de registro; ação negatória - tem por finalidade dizer que o direito de propriedade é pleno e não sofre nenhum tipo de limitação tipo usufruto, servidão, uso ou habitação (direitos reais de terceiros) - art NCCB; ação confessória - reconhecimento ou o restabelecimento de servidão; retificação do registro imobiliário - arts. 212 e 213 da Lei 6.015/73 - Lei de Registros Públicos; ação de divisão da coisa comum e ação demarcatória - art. 569 CPC EXERCÍCIOS sobre PROPRIEDADE: 1. (PA-/02) Acerca do instituto da função social da propriedade rural, julgue os itens abaixo com relação à legislação em vigor, assinalando C (certo) ou E (errado): a) Para cumprir a função social da propriedade rural, não é suficiente que o proprietário aproveite racional e adequadamente a terra. ( ) b) Considera-se inadequada a utilização, em floresta tropical, de terra em que são feitos o desmatamento e queima da vegetação para uso pecuário. ( ) c) Considera-se preservação do meio ambiente a manutenção das características próprias do meio natural e da qualidade dos recursos ambientais por meio da qual se mantêm adequadamente o enquilíbrio ecológico da propriedade, bem como a saúde e a qualidade de vida das comunidades vizinhas. ( ) d) A atitude do patrão-fazendeiro que não paga em dia os salários de seus trabalhadores rurais ocasiona o não-cumprimento da função social da propriedade. ( ) e) A propriedade rural que não cumprir a função social é passível de desapropriação por necessidade pública. ( ) 2. (MP/MA 2002) A prova da propriedade imobiliária dá-se:

15 15 a) por escritura pública do ato translativo, escritos particulares autorizados por lei, e cartas de sentença formais de partilha e certidões de processos; b) por escritura pública de alienação do imóvel, sentença de usucapião e de ação reivindicatória e formais de partilha; c) através de qualquer documento público; d) através do registro do ato translativo no Registro de Imóveis; e) todas as alernativas estão corretas; 3. Com referência à continuidade, que é um dos princípios fundamentais do registro imobiliário, assinale a opção incorreta: a) O princípio da continuidade determina o imprescindível encadeamento entre assentos pertinentes a um dado imóvel. b) Constitui corolário desse princípio a norma da Lei 6.015/73, a qual estabelece que, se o imóvel não estiver matriculado ou registrado em nome do outrogante, o oficial exigirá a prévia matrícula e o regisro do título anterior, qualquer que seja a sua natureza. c) Consoante a Lei 6.015/73, deve o notário, ao lavrar a escritura, fazer referência à matrícula ou ao seu registro anteriro. d) Constitui conseqüência do referido princípio a previsão normativa da Lei de Registros Públicos no sentido de que os tabeliães, escrivães e juízes farão que, nas escrituas e nos autos judiciais, as partes indiquem, com precisão, os característicos, as confrontações e as localizações dos imóveis. e) Constitui irregularidade do título, por desrespeito à continuidade, aquela existente em título no qual a caracterização do imóvel não coincida com o registro existente. 4. (ESAF/AFTN/98) A aquisição da propiedade imóvel pelo acréscimo formado em razão do afastamento das águas que descobrem parte do álveo do rio deu-se por: a) abandono de álveo b) aluvião imprópria c) aluvião própria d) avulsão e) fomação de ilha 5. (ESAF/AGU/98) Quando houver acréscimo paultino de terras às margens de um rio em razão do afastamento das águas, que descobrem parte do álveo, ter-se-á o (a): a) abandono de álveo b) aluvião própria c) avulsão d) acessão artificial e) aluvião imprópria 6. (ESAF/AGU/98) Assinale a opção falsa. a) O sistema comum de registro imobiliário, ao entender que a todo imóvel perfeitamente individuado corresponde uma matrícula, veio consagrar o princípio da correspondência entre a unitariedade da matrícula e a unidade físico-jurídica do imóvel, relacionado com o da especialidade, visto reclamar exata caracterização e individuação do imóvel.

16 16 b) O sitema comum de registo de imóveis produz o efeito de presunção juris et de jure da existência da propriedade e dos direitos reais sobre o imóvel, ressalvados os direitos de terceiro, que adquire o bem de raiz por confiar na veracidade do registro. c) O registro imobiliário terá eficávia conservatória de documento. d) O registro Torrens, por ser facultativo e excepcional, é um sistema registrário especial, podendo ser requerido apenas para imóveis rurais. e) O registro stricto sensu é o ato subseqüênte à matrícula do imóvel. 7. (ESAF/PFN/98) Quando coisas sólidas ou secas pertencentes a pessoas diversas se mesclarem de tal forma que seria impossível separá-las, ter-se-á: a) adjunção b) especificação c) confusão d) tradição e) comistão 8. Se houver a necessidade de requisição de imóvel para a Prefeitura durante enchente, caracterizada está: a) a desapropriação. b) a autorização de uso sem remuneração. c) a servidão administrativa, sem indenização. d) a servidão administratia temporária, com indenização. e) a requisição pública por expropriação por utilidade pública. 9. Assinale a opção que prevê uma forma de aquisição da propriedade de bem imóvel: a) Conclusão de inventário. b) O registro do formal de partilha nos Cartórios do Registro de Imóveis competentes. c) Com o trânsito em julgado da sentença que homologa a partilha. d) Com a abertura da sucessão, pelo direito hereditário (princípio da saisine). e) Com a tradição. 10. Marineuza locou um imóvel em ruínas e obteve de João, o proprietário, autorização para demoli-lo e construir uma casa de dois andares no local da antiga construção. Vencido o contrato, João entrou com pedido de retomada na justiça (despejo), fundamentando a desnecessidade de indenizar Marineuza, uma vez que o contrato de locação vedava o direito de retenção por benfeitorias. Marineuza não se conformando o procura com o advogado, recebendo da sua parte a seguinte orientação: a) Marineuza é possuidora de má-fé pois tinha ciência de que as benfeitorias não seriam indenizadas. b) Marineuza terá direito à indenização, uma vez que não se trata de simples benfeitoria e sim de verdadeira acessão, edificada com autorização do proprietário. c) Diante do estabelecido no contrato e pelo princípio do pacta sunt servanda, Marineuza não tem direito a qualquer indenização. d) Marineuza somente tem direito de permanecer no imóvel compensando-se em aluguéis os gastos que efetuou com o imóvel.

17 Ismael residia com sua irma Berenice em imóvel da propriedade da Companhia Territorial do Brasil, em Vaz Lobo, Rio de Janeiro, há 8 anos, quando foram intimados por carta registrada a desocupar o imóvel. A intimação partiu do Dr. Júlio de Castilhos, advogado do Espólio de Ana Berenice Dias. Tanto o IPTU quanto as taxas de luz e água estão pagos por Ismael e sua irmã. Desesperados, os mesmos procuram a Defensoria Pública local para pedir aconselhamento. Coloque-se no lugar do advogado(a) e oriente seus clientes em seus direitos/obrigações e na melhor forma de defendê-los. 12. João adquiriu por compra ad corpus uma fazenda em Vargem Pequena, de propriedade de Altamiro Bento, grande latifundiário local. Imediatamente iniciou a construção dos tanques para a criação de carpas, seu negócio habitual. Seis meses após o término da construção, João recebe uma carta, com aviso de recebimento, notificando-o de que o mesmo invadira com a construção a propriedade vizinha, pertencente ao Sr. Benício Gama. A notificação vem asinada pelo Dr. Barbosa Siqueira, advogado do Sr. Benício. Realizada a medição, João descobre que, de fato, os limites informados pelo vendedor de sua propriedade, o Sr. Altamiro, estavam realmente incorretos, sendo 25% superiores ao seu direito. João procura, então, um advogado para saber que providências pode tomar. Coloque-se no lugar de advogado(a) e informe o direito material e processual envolvido nas tais providências a serem tomadas. Justifique. 13. Juvêncio vendeu a Mariovaldo um terreno de sua propriedade, mas que há cinco anos é ocupado por Josefina, que ali instalou sua residênia, julgando-o abandonado. No corpo da escritura pública de compra e venda o alienante transfiriu ao adquirente o domínio, posse, direito e ação, em virtude da cláusula constitui, ali expressamente referida. De que ação dispõe Mariovaldo, e em face de quem deve propô-la? Justifique sua resposta. Aula 7. Dos direitos de vizinhança: arts a NCCB - evitar-se o uso nocivo da propriedade é o objeto desses direitos (art ). São direitos que respaldam a convivência sadia ou interferência entre prédios. Aplicam-se não só aos proprietários mas também a possuidores, usuários e quem detém ou utiliza a coisa de modo geral. Duas são as possibilidades de solução de conflitos: se o dano já ocorreu (ação indenizatória) e em se tratando de situação presente ou continuativa de prejuízo à segurança, sossego e saúde do vizinho (ação de vizinhança - ação de obrigação de fazer ou não fazer com cominação de multa diária - ação de efeito cominatório (arts. 632 a 645 CPC), cumulável ao final com perdas e danos); independe de intenção ou ato volitivo do causador do dano (art ). A prevalência do interesse público pode gerar o dever de tolerar o incômodo (art ) ou impor a redução da mesma por requisição do incomodado (art ). As ações de vizinhança são imprescritíveis, pois podem ser propostas enquanto durar a turbação, e são regidas pelas regras dos direitos potestativos. Cessada a turbação, a ação é exclusivamente indenizatória. São suas matérias: árvores limítrofes (arts a 1.284), passagem forçada (art ), passagem de cabos e tubulações (arts e 1.287), águas (Decreto nº /34 - Código de Águas), limites entre prédios e direito de tapagem (art ) e direito de construir (arts a 1.313) EXERCÍCIOS: 1. Jovenal, fazendeiro, vendo-se em dificuldades em relação à água para irrigar sua plantação de alfaces, resolve construir pequen barragem no rio que banha não só a sua, mas também a propriedade do vizinho de baixo. Com a construção da referida barragem, o fluxo de água diminui e o imóvel vizinho passa a receber menos água que de costume. O vizinho pede a Jovenal que insira pequena abertura em sua barragem para que a água volte a passarcom mais

18 18 força e, assim, possa irrigar sua plantação de couves. Jovenal atende ao pedido do vizinho. Porém, vem a enchente e, por conta da pequena passagem feita na barragem, a mesma se rompe e inunda a plantação do vizinho de Jovenal. O vizinho pede indenização a Jovenal pelo prejuízo causado e, não recebendo nada, aciona Jovenal judicialmente. Coloque-se no lugar do juiz e julgue o feito sobre o cabimento ou não da indenização e seus fundamentos levando em consideração o direito de vizinhança. 2. Pedro construiu sua casa duplex com distância de 1 metro do muro do vizinho e abriu janela dando vista para o quintal do vizinho, André. Passados três anos da obra acabada, André retorna de viagem e vê a construção feita por Pedro. Pede ao vizinho que desfaça, o que foi recusado. Nesta hipótese: a) André não tem direito de exigir o desfazimento da obra pois o prazo legal de um ano e um dia já se expirou. b) Não tem o direito de exigir o desfazimento da obra pois o prazo legal de três anos já se expirou. c) Aina tem o direito de exigir o desfazimento da obra pois o prazo legal é de cinco anos. d) Não tem direito de exigir o desfazimento da obra porque a distância da construção feita está correta. e) Tem o direito de exigir o desfazimento da obra pois a distância permitida em lei é de 1,5m. Aula 8 Condomínio em Geral - Do condomínio geral: arts a NCCB 1.1 Conceito de condomínio - É modalidade de comunhão específica do direito das coisas. Trata-se de espécie de comunhão de propriedade. Para que haja condomínio só pode haver um objeto: bem ou direito, porém divididos em partes ou cotas ou frações ideais. 1.2 Modalidades: geral (tradicional ou comum) que pode ser voluntário (ou convencional) art e ss. - e forçada (necessária ou legal e eventual quanto à origem ) art e ss. e condomínio edilício. Quanto à forma, o condomínio pode ser pro diviso ou pro indiviso, conforme seja possível ou não a divisão das frações ideais em partes independentes. O condomínio eventual é transitório e o legal é permanente, visto que dura enquanto durar o motivo do condomínio (Ex. Paredes divisórias, valas comuns, muros limítrofes, etc.) Fontes: acordo de vontades, ato de última vontade (testamento, legado e herança), em decorrência da lei e em decorrência do usucapião após composse (pro indiviso ou de mão comum) continuada. 1.3 Objeto: móveis e imóveis. 1.4 Condomínios fechados - loteamentos 1.5 Direitos e deveres dos condôminos: art NCC; o condômino não pode alterar a coisa comum sem a anuência dos demais (arts c/c NCC), a maioria é calculada segundo o valor dos quinhões (arts e NCC), mas se presumem iguais as partes ideais dos condôminos (art p. ún. NCC), podendo o condômino pode eximir-se do pagamento de despesas e dívidas renunciando à sua fração ideal (art NCC), as dívidas são cotadas

19 19 segundo os quinhões ou frações ideais (arts e NCC), os frutos devem ser repartidos eqüitativamente entre os condôminos (art NCC), pode qualquer condômino defender a propriedade comum, independente da anuência dos demais, requerer a qualquer tempo a extinção do condomínio ou a venda de sua parte se pro diviso, mas terá de dar preferência aos condôminos, seguindo-se as regras da partilha da herança (arts.1.139, e e a NCC e e CPC) e também não pode o condômino gravar a coisa comum totalmente sem a anuência dos demais (art º NCC). A ação de divisão vem tratada no CPC, arts. 946 a 949 CPC, e deve a sentença ser registrada no RGI (art. 167, I da Lei 6.015/73) 1.5 Representação do condomínio: pelo síndico ou administrador ou por qualquer dos condôminos, desde que sem oposição dos demais (arts. 12, IX CPC e NCC) 1.6 Condomínio de paredes, cercas, muros e valas - arts e 1.298, a e a NCC 1.7 Compáscuo - comunhão de pastagens 1.8 Exercícios: 1 Entre João e Antônio celebrou-se contrato de compra e venda de imóvel pertencente a Maria. Em razão do direito de João e Antônio sobre o bem é INCORRETO afirmar que cada condômino pode a) a;terar a coisa comum para tornar seu uso mais adequado; b) gravar sua parte indivisa; c) alienar sua parte, respeitado o direito de preempção do outro condômino; d) contrair dívida em proveito da comunhão; e) requerer a cessação da indivisão, após 5 anos do seu estabelecimento, se tal estado foi previsto em testamento. 2 É direito dos condôminos requerer a divisão da coisa comum: a) contudo, a divisão terá sempre que ser judicial; b) porém, a instituição da indivisibilidade, ainda que possível, por convenção dos interessados, será feita por prazo não superior a 5 anos, suscetível o prazo de prorrogação ulterior; c) e contra tal faculdade não prevalece qualquer hipótese de indivisibilidade legal; d) sendo a divisão atributiva da propriedade e não meramente declaratória; e) todavia, se indivisível for a coisa, e não desejando manter tal situação, terão os condôminos de vender a coisa judicialmente e nenhum deles poderá adjudicá-la. 3 Olavo e Maurício são condôminos herdeiros da herança que seu pai lhes deixou. Como parte do quinhão, há uma casa que está alugada a Eunice, que está inadimplente com a locação por cerca de seis meses. Pergunta-se: pode Olavo, sem autorização expressa de Maurício, promover a competente notificação da dívida e exigir o pagamento de Eunice? Caso não surta efeito, pode o mesmo propor a competente ação de despejo cumulada com cobrança de aluguéis em atraso? Fundamente. 4 Juliana e Andreza são condôminas pro diviso de uma porção de terra adquirida junto a uma companhia de loteamento rural. Mês passado, a parte correspondente à sua fração de Juliana foi invadida por um grupo de sem-terra que lá acamparam. Pergunta-se: pode Andreza promover a

20 20 ação de reintegração de posse pelo todo da propriedade? Necessitaria a mesma de procuração da irmã? Fundamente. Aula 9 - Do condomínio edilício: arts a NCCB e Lei 4.591/64 9.1Conceito: É o condomínio que se estabelece horizontalmente porque partilha-se o solo em unidades autônomas construídas (propriedade exclusiva) sobre plano horizontal (laje) cuja comunhão se dá pelas partes comuns (solo, acessos, telhado (salvo disposição em contrário na convenção), elevadores, garagem, playgrounds, salões de festas, corredores, pátios internos, hall de entrada, portaria e dutos de água, luz e ventilação (art. 1º da Lei 4.591/64 e art º, 2º e 5º do Código Civil). Cada unidade possui uma fração ideal (parte do todo do terreno que é idealizada conforme o valor atribuído a cada unidade construída, assim, os apartamentos de cobertura ou os de frente em relação aos de fundos, mesmo que tenham a mesma medida interna, por serem mais valorizados, têm uma fração ideal maior e, conseqüentemente, pagam maior cota de condomínio (valor que é pago mensalmente para custeio das despesas de manutenção das áreas comuns e as taxas de água e luz, esta também da área comum). A cota é considerada obrigação propter rem (v. art CC) e, portanto, obriga o imóvel, independentemente de quem seja o seu titular, e pode ser cobrada judicialmente com garantia do próprio imóvel para seu pagamento, mesmo que seja o único bem imóvel daquela pessoa ver art. 3º, IV da Lei 8.009/90, Lei da Impenhorabilidade do Bem de Família) O termo edilício vem de edil (Vereador) para demonstrar sua aplicação prática aos imóveis em cidades, urbanos. 9.2 Base legal: Código Civil (arts a 1.358) e Lei 4.591/64 (arts. 1º a 27) OBS.: Majoritariamente, os doutrinadores defendem que a Lei de Condomínios e Incorporações Imobiliárias está plenamente em vigor em relação às incorporações e loteamentos, mas será aplicada de forma subsidiária ao Código Civil no que tange aos condomínios, nos termos do art. 2º 1º da Lei de Introdução ao Código Civil LICC. São exceção a este pensamento Nelson Rosenvald e Miranda Rosa que entendem que a referida lei, na parte de condomínios, teria sido revogada pelo Código Civil (Lei /02) 9.3 Natureza jurídica : Diversas são as teorias que tentam explicar a natureza jurídica do condomínio edilício: a) comunhão de bens; b) sociedade imobiliária; c) direito superficiário, de enfiteuse ou de servidão; d) teoria da personalização do patrimônio comum: o condomínio é desprovido de personalidade jurídica, entretanto, como pessoa jurídica formal ( tem CGC), ou fenômeno econômico e jurídico moderno, que é, tem legitimidade ativa e passiva em juízo, representado pelo síndico (art. 12, IX CPC), em situação similar à do espólio e à da massa falida. (ver art. 63 3º da Lei 4.591/64 e arts , e CC 9.4 Forma de instituição: por destinação do proprietário do edifício, por incorporação imobiliária (negócio jurídico de constituição da propriedade horizontal pela venda de imóveis na planta) ou por testamento em todos os casos deverá haver registro do ato no Registro Geral de Imóveis da área de situação do imóvel (art CC) Instituição x constituição instituição (art CC); já a Convenção de Condomínio é seu ato de constituição, documento escrito onde se estipulam os direitos e deveres de cada condômino, aprovada por dois terços das frações ideais. Tem caráter estatutário ou institucional. 9.5 O que deve conter o registro? V. art , I a III CC 9.6 Convenção e regimento interno Constituído o condomínio por meio de Convenção deve a mesma ser ratificada por quorum de maioria qualificada (2/3 das unidades representadas) e há obrigatorieade de registro para ter efeitos erga omnes. (art , par. un. CC) Porém, ainda que não registrada a convenção, a mesma produz efeitos entre os condôminos, tais como a possibilidade de cobrança de cotas e multas (Súmula 260 STJ e 1.333, parte final, CC).Conteúdo da Convenção: arts e CC ver esp. 2 o. Para ser alterada a Convenção depende de

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas.

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas. OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Civil Prof. Brunno Giancolli Data: 19/10/2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA Direito Reais Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte

Leia mais

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade CURSO EXTENSIVO FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 Disciplina DIREITO CIVIL Aula 07 EMENTA DA AULA 1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade GUIA

Leia mais

12.6.9 Servidão administrativa, requisição e ocupação provisória, 275

12.6.9 Servidão administrativa, requisição e ocupação provisória, 275 1 O universo dos direitos reais, 1 1.1 Relação das pessoas com as coisas, 1 1.2 Direitos reais e direitos pessoais, 4 1.3 Divagações doutrinárias acerca da natureza dos direitos reais, 11 1.4 Situações

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das Coisas; Introdução; Conceito e Distinção entre Direitos Reais e Pessoais; Conteúdo; Regime Constitucional dos Direitos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS

1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS Conceitos iniciais 1.1 Conceito de direito das coisas. A questão terminológica 1.2 Conceito de direitos reais. Teorias justificadoras e caracteres. Análise preliminar

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL V Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel.

OBJETIVO. Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel. PROPRIEDADE OBJETIVO Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel. n Introdução As formas de aquisição e perda da propriedade móvel estão tratadas nos capítulos III e IV do livro do direito

Leia mais

Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato.

Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato. DIREITOS REAIS Posse = corpus = conduta de dono (art.1196 C.C. Teoria Objetiva de Ihering) Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato. Excepcionalmente um proprietário

Leia mais

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO DO CONCEITO DE USUCAPIÃO Conceito: Usucapião é modo de aquisição da propriedade (ou outro direito real), que se dá pela posse continuada, durante lapso temporal, atendidos os requisitos de lei. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS 1 Rosivaldo Russo

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS 1 Rosivaldo Russo DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS 1 Rosivaldo Russo DIREITO DAS COISAS 1196 a 1510 CLASSIFICAÇÃO DOS DIREITOS a) Pessoais: Relações entre pessoas, abrangendo o sujeito ativo, o passivo e a prestação que

Leia mais

Curso de Atualização em Instituição, Convenção de Condomínio e Incorporação Imobiliária. Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com

Curso de Atualização em Instituição, Convenção de Condomínio e Incorporação Imobiliária. Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com Curso de Atualização em Instituição, Convenção de Condomínio e Incorporação Imobiliária Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com Condomínio - definição: Dar-se-á condomínio quando a mesma coisa pertencer

Leia mais

Teoria Geral das Coisas

Teoria Geral das Coisas 1 Teoria Geral das Coisas Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora e Professora do

Leia mais

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 PARTE GERAL DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º............. sem correspondência LIVRO I DAS PESSOAS TÍTULO I DA DIVISÃO DAS PESSOAS DAS PESSOAS

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO REAL - ÍNDICE Danilo D. Oyan

DIREITO CIVIL DIREITO REAL - ÍNDICE Danilo D. Oyan DIREITO CIVIL DIREITO REAL - ÍNDICE Danilo D. Oyan 1 O UNIVERSO DOS DIREITOS REAIS, 19 1.1 Relação reais e direitos pessoais, 23 1.2 Direitos reais e direitos pessoais, 23 1.3 Divagações doutrinárias acerca

Leia mais

Direito de Propriedade

Direito de Propriedade Direitos Reais Direito de Propriedade 75 LUIZ FERNANDO DE ANDRADE PINTO 1 O direito de propriedade possui uma noção jurídica complexa e dinâmica, que flutua no tempo de acordo com as realizações políticas,

Leia mais

TEORIA DAS AÇÕES POSSESSÓRIAS

TEORIA DAS AÇÕES POSSESSÓRIAS TEORIA DAS AÇÕES POSSESSÓRIAS Há duas teorias fundamentais voltadas à conceituação da posse -Teoria subjetiva (clássica): foi desenvolvida por Savigny, para esta teoria a posse decorre da conjugação de

Leia mais

GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila

GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila 01) Assertiva falsa de acordo com o 2º do art. 1420 do CC: Art. 1.420. Só aquele que pode alienar poderá empenhar, hipotecar ou dar em anticrese; só os bens

Leia mais

O ITBI e a Transmissão de Posse

O ITBI e a Transmissão de Posse O ITBI e a Transmissão de Posse Introdução Compete aos Municípios instituir imposto sobre a transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física,

Leia mais

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis.

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 23 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (IV) Direitos Reais

Leia mais

- Direito do promitente. - Concessão de uso especial para fins de moradia - Concessão de direito real de uso

- Direito do promitente. - Concessão de uso especial para fins de moradia - Concessão de direito real de uso Direitos Reais Rol taxativo previsto no artigo 1225 Direitos reais de gozo ou fruição - Propriedade - - - - - - - - - - - - único sobre coisa PRÓPRIA - Superfície - Servidões - Usufruto - Uso - Habitação

Leia mais

Direitos Reais De Garantia - introdução

Direitos Reais De Garantia - introdução Direitos Reais De Garantia - introdução Desde a Lei das XII Tábuas, o devedor respondia por suas dívidas com o próprio corpo ao credor (submetendo-se à escravidão, etc.) Com a evolução do direito, e, na

Leia mais

CÓDIGO CIVIL - LEI Nº

CÓDIGO CIVIL - LEI Nº CÓDIGO CIVIL - LEI Nº 10.406/2002 - Art. 1.229 151 conjunto ou separadamente, obras e serviços considerados pelo juiz de interesse social e econômico relevante. 5º - No caso do parágrafo antecedente, o

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Distribuição da Carga Horária. Ementa

Plano de Ensino. Identificação. Distribuição da Carga Horária. Ementa Plano de Ensino Identificação Curso: DIREITO Disciplina:DIREITO CIVIL V - DIREITO DAS COISAS 2012/1º semestre: Carga horária: Total: 80h Semanal:04h Professor: Thiago Felipe Vargas Simões Período/8º turno

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA 61 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA PALESTRA TEMA: O DIREITO DAS COISAS NO NOVO CÓDIGO CIVIL Palestrante: Noé de Medeiros São Paulo, abril de 2003. Obs.: o texto desta

Leia mais

Ações Possessórias e seus aspectos práticoscom base no CPC vigente e no novo CPC. Aula 1. Pedro Kurbhi

Ações Possessórias e seus aspectos práticoscom base no CPC vigente e no novo CPC. Aula 1. Pedro Kurbhi Ações Possessórias e seus aspectos práticoscom base no CPC vigente e no novo CPC Aula 1 Pedro Kurbhi 19 a 22 de outubro de 2015 Plano de Curso 19/10 segunda-feira - Posse: conceito, características, classificação,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Formas de aquisição da propriedade imóvel Alexandre Ferreira Classificação: Adquire-se a propriedade de forma originária e derivada: Originária Quando desvinculada de qualquer relação

Leia mais

STJ00100877 MARCO AURÉLIO BEZERRA DE MELO

STJ00100877 MARCO AURÉLIO BEZERRA DE MELO MARCO AURÉLIO BEZERRA DE MELO Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Mestre em Direito pela Universidade Estácio de Sá Professor Adjunto de Direito Civil e do Consumidor da Escola

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

Cessação da. turbação da posse.

Cessação da. turbação da posse. d) Ação Negatória: É aquela movida pelo proprietário que sofrer atos de turbação da posse. Visa, portanto, a cessação da turbação da posse. Portanto, é o mesmo pedido da ação de manutenção de posse, o

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

1.2. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO MATERIAL: 1.3. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO PROCESSUAL ART. 946.

1.2. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO MATERIAL: 1.3. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO PROCESSUAL ART. 946. 1 DIREITO PROCESSUAL CIVIL - Professora Mestre Afifi Habib Cury ROTEIRO -Arts 946 a 981, do CPC. AÇÃO DE DEMARCAÇÃO E DIVISÃO DE TERRAS PARTICULARES 1. INTRODUÇÃO. 1.1. SEDE. Arts 946 a 981, do CPC. 1.2.

Leia mais

ii. Fase da Proposta/Oferta:

ii. Fase da Proposta/Oferta: Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 3 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Marcelo Coimbra 1) Teoria Geral dos Contratos: a. Natureza Jurídica do Contrato (Aula

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 Amélia Rodrigues Machado ameliamachadoraa@itelefonica.com.br FAC São Roque - NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar INTROUÇÃO São direitos reais aqueles que recaem

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Partindo-se da premissa da instrumentalidade do processo, há diferença ontológica entre a jurisdição

Leia mais

DIREITO IMOBILIÁRIO. Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário:

DIREITO IMOBILIÁRIO. Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário: Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário: Nas palavras de Hércules Aghiarian 1 o direito imobiliário é o direito da coisa em movimento. 1.1. Direito das Coisas ou Direitos Reais: Direito da Coisa

Leia mais

DISCIPLINA: Direitos Reais SEMESTRE DE ESTUDO: 6º Semestre. CH total: 72h

DISCIPLINA: Direitos Reais SEMESTRE DE ESTUDO: 6º Semestre. CH total: 72h DISCIPLINA: Direitos Reais SEMESTRE DE ESTUDO: 6º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR140 1. EMENTA: Direitos Reais. Distinção entre Direitos Reais e Obrigacionais. Características.

Leia mais

1. DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS.

1. DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS. 1. DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS. O proprietário reúne sobre si os atributos de usar, gozar, dispor e reaver a coisa. Alguns entendem que esse direito é ilimitado, em virtude da possibilidade de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS. 1. Aquisição de Direitos

CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS. 1. Aquisição de Direitos CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS Disciplina: DIREITO CIVIL FATOS JURÍDICOS - 3º SEMESTRE Profª: ANA CLÁUDIA A. MOREIRA BITTAR DE DIREITOS AQUISIÇÃO,

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

CAPÍTULO VI - Do Condomínio Geral Seção I - Do Condomínio Voluntário Subseção I - Dos Direitos e Deveres dos Condôminos

CAPÍTULO VI - Do Condomínio Geral Seção I - Do Condomínio Voluntário Subseção I - Dos Direitos e Deveres dos Condôminos CAPÍTULO VI - Do Condomínio Geral Seção I - Do Condomínio Voluntário Subseção I - Dos Direitos e Deveres dos Condôminos Art. 1.314. Cada condômino pode usar da coisa conforme sua destinação, sobre ela

Leia mais

&RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH

&RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH &RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH GRQRXYHDX&yGLJR&LYLO Resumo: A posse é requisito fundamental, embora não o único para o usucapião. Sendo mesmo o usucapião um dos principais efeitos da posse, além de

Leia mais

Obs1: O possuidor direto pode fazer uso dos interditos possessórios contra o possuidor indireto e vice-versa.

Obs1: O possuidor direto pode fazer uso dos interditos possessórios contra o possuidor indireto e vice-versa. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Reais) / Aula 17 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Posse: Classificação; Formas de Aquisição. I) POSSE (cont.): 7. Classificação da Posse:

Leia mais

ITBI ITBI ITBI ITBI. Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º

ITBI ITBI ITBI ITBI. Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º ITBI Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º DECRETO Nº 27.576, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. RITBI ITBI O Código Tributário Nacional - CTN (Lei 5.172, de 25.10.1966), rege o Imposto sobre a Transmissão

Leia mais

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício Sumário Introdução 13 1. Escorço histórico 15 1.1. O surgimento da propriedade horizontal no mundo 16 1.2. Condomínio edilício no Brasil 17 2. Condomínio edilício 20 2.1. A questão do nome do instituto

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA Para que você possa adquirir o seu imóvel com segurança, deve exigir do vendedor todos os documentos necessários, para que não seja surpreendido futuramente

Leia mais

Índice Sistemático do Código Civil

Índice Sistemático do Código Civil 9 Índice Sistemático do Código Civil P A R T E G E R A L LIVRO I DAS PESSOAS Das Pessoas Naturais CAPÍTULO I - Da Personalidade e da Capacidade (arts. 1º ao 10) CAPÍTULO II - Dos Direitos da Personalidade

Leia mais

Graficamente temos o seguinte:

Graficamente temos o seguinte: DIREITOS REAIS DE GARANTIA 2- HIPOTECA - é um direito real de garantia que tem por objeto bens imóveis ou que a lei entende como hipotecáveis, pertencentes ao devedor ou a terceiro, e que, embora não entregues

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade.

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade. Código Civil Parte Especial - Arts. 233 a 303 PARTE ESPECIAL LIVRO I DO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES TÍTULO I DAS MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES CAPÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES DE DAR Seção I Das Obrigações de Dar Coisa

Leia mais

As exceções estão descritas no ordenamento, os chamados casos de detenção:

As exceções estão descritas no ordenamento, os chamados casos de detenção: Ações Possessórias (arts. 920-933) Características: Posse no Código Civil: Art. 1.196. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não, de algum dos poderes inerentes à propriedade.

Leia mais

Prof. Cristiano Colombo DIREITOS REAIS. 1. Da Conceituação

Prof. Cristiano Colombo DIREITOS REAIS. 1. Da Conceituação DIREITOS REAIS 1. Da Conceituação Na conceituação do célebre Clóvis Beviláqua: é o complexo das normas reguladoras das relações jurídicas referentes às coisas suscetíveis de apropriação pelo homem.. 2.

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina DIREITO DAS COISAS (4ª-feira

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial

Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial 1. O menor com dezesseis anos, titular de estabelecimento empresarial mantido com economia própria, (A) poderá ser empresário se for emancipado. (B) poderá

Leia mais

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial.

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. SÚMULAS DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - STJ DIREITO CIVIL 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. c Art. 105, III, da CF. c Art. 257 do RISTJ. 16. A legislação

Leia mais

USUCAPIÃO. bem pela usucapião. Sendo a usucapião um dos principais efeitos da posse, ela é também

USUCAPIÃO. bem pela usucapião. Sendo a usucapião um dos principais efeitos da posse, ela é também USUCAPIÃO Sumário 1. Histórico 2. Espécies de Usucapião 2.1. Bem Imóvel 2.1.1. Extraordinário 2.1.2. Ordinário 2.1.3. Especial 2.1.3.1. Especial: Impedimento de usucapir 2.1.3.2. Espécies 2.1.3.2.1. Urbano

Leia mais

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Usucapião Usucapião de Imóveis Usucapião de Móveis M Usucapião de outros direitos reais Processo Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Departamento de Direito Civil Professor Doutor Antonio

Leia mais

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito 1. Referência legal do assunto Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito DEPÓSITO O contrato de depósito importa na guarda temporária de um bem móvel pelo depositário até o momento em que o depositante

Leia mais

UFRJ/FND Monitoria 2013/2014 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE DISCIPLINAS DO DEPARTAMENTO DE DIREITO CIVIL. Direito Internacional Privado I

UFRJ/FND Monitoria 2013/2014 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE DISCIPLINAS DO DEPARTAMENTO DE DIREITO CIVIL. Direito Internacional Privado I UFRJ/FND Monitoria 2013/2014 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE DISCIPLINAS DO DEPARTAMENTO DE DIREITO CIVIL Direito Internacional Privado I PONTOS: 1. Introdução ao direito internacional privado: objeto, denominação

Leia mais

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP..., associação sem fins lucrativos, regularmente registrada no 4º Cartório de Registro de Títulos e Documentos,

Leia mais

Curso de Direito Imobiliário

Curso de Direito Imobiliário Curso de Direito Imobiliário Módulo 1 Parte Geral 2016 Prof. Dr. Ivanildo Figueiredo Mestre e Doutor em Direito Privado (UFPE) Especialista em Direito Registral Imobiliário (PUC-MG) Professor da Faculdade

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2014. Lei 11.331,

Leia mais

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios Jaques Bushatsky Setembro de 2015 Rateio das despesas: O Decreto nº 5.481, de 25/06/1928 possibilitou a alienação parcial dos edifícios

Leia mais

PROGRAMA DE DIREITOS REAIS Luís Menezes Leitão

PROGRAMA DE DIREITOS REAIS Luís Menezes Leitão PROGRAMA DE DIREITOS REAIS Luís Menezes Leitão INTRODUÇÃO Secção I. Os Direitos Reais. 1. A categoria de Direitos Reais. 2. Objecto e características dos Direitos Reais. 3. A tutela constitucional dos

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos.

Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos. Lei do Condomínio 10.406/2002 CAPÍTULO VII Do Condomínio Edilício Seção I Disposições Gerais Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

www.lekkerding.com.br Direitos Reais 2013

www.lekkerding.com.br Direitos Reais 2013 DIREITOS REAIS 1 Introdução Segundo Beviláqua, é o conjunto de normas reguladoras das relações jurídicas referentes às coisas suscetíveis de apropriação pelo homem. Coisa é gênero do qual bem é espécie.

Leia mais

CONDOMÍNIO. Msc. Diogo de Calasans www.diogocalasans.com

CONDOMÍNIO. Msc. Diogo de Calasans www.diogocalasans.com CONDOMÍNIO Msc. Diogo de Calasans www.diogocalasans.com CONDOMÍNIO Conceito: é a sujeição de uma coisa, divisível ou indivisível, à propriedade simultânea e concorrente de mais de uma pessoa. No condomínio

Leia mais

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Principais julgados do 1 o Semestre de 2013 Julgados

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.204.347 - DF (2010/0141637-8) RECORRENTE RECORRIDO : FLÁVIA LETÍCIA TREVISANI FAUSTINI GALLETTI : CRISTIAN FETTER MOLD E OUTRO(S) : RITA DE CASSIA TAARES DE LUNA FAUSTINI : LUIZ HUMBERTO

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83 1 Noções introdutórias, 1 1.1 Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões, 1 1.2 Direito das sucessões no direito romano, 2 1.3 Ideia central do direito das sucessões, 4 1.4 Noção de herança,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO OBRAS DO AUTOR PRÓLOGO

ÍNDICE SISTEMÁTICO OBRAS DO AUTOR PRÓLOGO ÍNDICE SISTEMÁTICO OBRAS DO AUTOR PRÓLOGO CAPÍTULO I DIREITO DAS COISAS 1.1. Direitos Reais e Direitos Pessoais 1.2. Classificação dos Direitos Reais 1.3. Constituição dos Direitos Reais e Escritura Pública

Leia mais

INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS. Uma análise sob a ótica contratual

INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS. Uma análise sob a ótica contratual INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS Uma análise sob a ótica contratual LEI ESPECIAL LEI Nº. 4.591, de 16 de dezembro de 1964 (com alterações da Lei nº. 10.931/04) Dispõe sobre o condomínio em edificações e as incorporações

Leia mais

1. COMPRA E VENDA OBJETO DE DIREITO CIVIL 1

1. COMPRA E VENDA OBJETO DE DIREITO CIVIL 1 1. COMPRA E VENDA OBJETO DE DIREITO CIVIL 1 1.1 COMPROMISSO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA (Modelo 1) Pelo presente instrumento particular, entre partes, como promitentes vendedores, doravante denominados

Leia mais

Tabela reajustada com índice de 23,67% - INPC (NOV/2004 FEV/2009) ANEXO I TABELA I - CUSTAS PROCESSUAIS I - DEPÓSITO PRÉVIO

Tabela reajustada com índice de 23,67% - INPC (NOV/2004 FEV/2009) ANEXO I TABELA I - CUSTAS PROCESSUAIS I - DEPÓSITO PRÉVIO Tabela reajustada com índice de 23,67% - INPC (NOV/2004 FEV/2009) I - DEPÓSITO PRÉVIO ANEXO I TABELA I - CUSTAS PROCESSUAIS 1. Nas causas de valor até R$ 3.000,00 ou inestimável R$ 70,28 R$ 14,06 R$ 84,34

Leia mais

Usucapião e suas Modalidades

Usucapião e suas Modalidades Direitos Reais Usucapião e suas Modalidades 51 DÉBORA MARIA BARBOSA SARMENTO 1 CONCEITO Conceitua-se usucapião como modo de aquisição da propriedade de bens móveis ou imóveis pelo exercício da posse, nos

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

ITCMD. Perguntas mais frequentes:

ITCMD. Perguntas mais frequentes: ITCMD Perguntas mais frequentes: 1. Quando nasce a obrigação de pagar o ITCMD? O ITCMD é o imposto estadual incidente sobre a transmissão de quaisquer bens ou direitos a título gratuito (ato não oneroso).

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO SUMÁRIO ABREVIATURAS CAT Certidão Autorizativa de Transferência CC - Código Civil CF - Constituição Federal CGC Corregedoria Geral de Justiça CPC Código de Processo Civil CSM Conselho Superior de Magistratura

Leia mais

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das obrigações; Introdução; Divisão patrimonial; Distinção entre os direitos reais e pessoais; Direitos mistos; Obrigações propter

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais