Compra e venda Transmissão de coisa corpórea. Cessão de direito Transmissão de coisa incorpórea.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Compra e venda Transmissão de coisa corpórea. Cessão de direito Transmissão de coisa incorpórea."

Transcrição

1 14 - CONTRATO DE COMPRA E VENDA CC, Art Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de certa coisa, e o outro, a pagar-lhe certo preço em dinheiro. Compra e venda Transmissão de coisa corpórea. Cessão de direito Transmissão de coisa incorpórea COMPRA E VENDA Natureza OBRIGACIONAL CC, Art A compra e venda, quando pura, considerar-se-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço. O contrato de compra e venda consiste em um contrato translativo que não gera transmissão da propriedade. é: No nosso ordenamento jurídico, o que transmite a propriedade Bem móvel Tradição Bem imóvel Registro do CRI O contrato de compra e venda não transmite a propriedade. Ele gera efeitos obrigacionais: Obrigação de transmitir a propriedade. Em outras palavras, o contrato é translativo no sentido de trazer como conteúdo a referida transmissão, que se perfaz pela tradição nos casos que envolvem bens móveis ou pelo registro, nas hipóteses de bens imóveis. Maria Helena Diniz citada por Flávio Tartuce.... no direito brasileiro, o contrato de compra e venda gera para os contratantes efeitos meramente obrigacionais: para o comprador impõe o dever de pagamento, enquanto para o vendedor gera, como consequência, a obrigação de transferir a propriedade da coisa para o comprador. Com isso, seguindo as pegadas de relevantes sistemas jurídicos que se perfilham ao modelo romano germânico, o direito brasileiro (CC, art. 481), expressamente, conferiu caráter obrigacional à compra e venda, negando-lhe eficácia

2 translativa de propriedade (caráter real), como preferem os sistemas jurídicos que seguem o modelo franco-italiano. Nos ordenamentos que seguem o Código da França (art c/c 1.583) e da Itália (art ), a compra e venda é suficiente para a transferência de propriedade, produzindo eficácia real. Reduzida a termos simplórios, esta tese admite, aceita o contrato como mecanismo de aquisição de propriedade. Entrementes, em nosso direito positivo, esta figura contratual não é mecanismo hábil para a aquisição da propriedade. Ou seja, a compra e venda origina uma obrigação de dar, não operando a transferência da propriedade que somente advirá com a tradição ou registro em cartório, seja móvel ou imóvel o seu objeto, respectivamente.... Em sendo assim, no Brasil, a compra e venda produz, tão somente, efeitos obrigacionais, impondo ao vendedor o dever de transferir, posteriormente, a propriedade da coisa vendida. (...) Caso o vendedor não transfira, espontaneamente, o domínio do bem objeto do negócio, caberá ao comprador exigir, em juízo, através de uma ação de obrigação de dar coisa certa (caráter pessoal), sem que possa promover uma ação real, pois ainda não é titular da coisa. Cristiano Chaves e Nelson Rosenvald O sistema brasileiro protege o COMPRADOR, através da TEORIA DOS RISCOS PELA PERDA OU DETERIORAÇÃO DA COISA. Se a compra e venda não transmite a propriedade do bem, seu DONO é o vendedor até que ocorrida TRADIÇÃO. Assim, segundo a regra res perit domino, o vendedor é o responsável por qualquer perda ou perecimento da coisa anterior à sua efetiva entrega. O contrato de compra e venda, além das obrigações principais de entrega da coisa e pagamento do preço, também impõe o cumprimento dos DEVERES ANEXOS provenientes do Princípio da boa-fé objetiva - Diretriz da Eticidade aplicada à relação contratual CONTRATO DE COMPRA E VENDA Elementos Partes e seu consentimento - consensus Coisa - res Preço - Pretium

3 Partes e seu consentimento consensus As partes devem ser CAPAZES e LEGITIMADAS. Se partes absolutamente incapazes não devidamente representadas Contrato NULO. Se partes relativamente incapazes não devidamente assistidas Contrato ANULÁVEL. Além de capazes, as partes devem ser legitimadas Devem cumprir requisito específico para a prática de ato específico. Exemplos Partes sem legitimação: CC, Art Ressalvado o disposto no art , nenhum dos cônjuges pode, sem autorização do outro, exceto no regime da separação absoluta: I - alienar ou gravar de ônus real os bens imóveis; (...) CC, Art A falta de autorização, não suprida pelo juiz, quando necessária (art ), tornará anulável o ato praticado, podendo o outro cônjuge pleitear-lhe a anulação, até dois anos depois de terminada a sociedade conjugal. Parágrafo único. A aprovação torna válido o ato, desde que feita por instrumento público, ou particular, autenticado. CC, Art Ainda com a autorização judicial, não pode o tutor, sob pena de nulidade: I - adquirir por si, ou por interposta pessoa, mediante contrato particular, bens móveis ou imóveis pertencentes ao menor; II - dispor dos bens do menor a título gratuito; III - constituir-se cessionário de crédito ou de direito, contra o menor. O consentimento há de ser livre, espontâneo e de boa-fé MANIFESTAÇÃO DE VONTADE LIVRE E DE BOA FÉ. Havendo vício, o contrato poderá ser nulo ou anulável: Erro, dolo, coação, lesão, estado de perigo (vícios do consentimento), fraude contra credores (Vício social) Contrato de compra e venda anulável. CC, Art. 171, II. Simulação (Vício social) Contrato de compra e venda NULO. CC, Art. 167

4 Coisa res A coisa deve ser: Lícita Possível Determinada (Coisa certa) ou determinável (coisa incerta indicada pela quantidade e pelo gênero/espécie). Alienável Compra e venda de coisa futura (Vendas sob encomenda): CC, Art A compra e venda pode ter por objeto coisa atual ou futura. Neste caso, ficará sem efeito o contrato se esta não vier a existir, salvo se a intenção das partes era de concluir contrato aleatório. Segundo a doutrina, pelo Princípio da boa-fé objetiva, na venda sob encomenda, o vendedor já deve ter a coisa à sua disposição no momento da realização do contrato. A coisa deve ser ALIENÁVEL. Ex: Bem de Família Voluntário Inalienabilidade relativa. Contrato de compra e venda que tenha como objeto bem de família voluntário será NULO por ilicitude do objeto (CC, Art. 166, II) ou por fraude à lei imperativa (CC, Art. 166, VI) Preço Pretium CC, Art As dívidas em dinheiro deverão ser pagas no vencimento, em moeda corrente e pelo valor nominal, salvo o disposto nos artigos subseqüentes. Em regra, o preço deve ser: certo e determinado, em moeda nacional corrente pelo valor nominal

5 O preço deve ser em moeda nacional corrente. CC, Art São nulas as convenções de pagamento em ouro ou em moeda estrangeira, bem como para compensar a diferença entre o valor desta e o da moeda nacional, excetuados os casos previstos na legislação especial. Exceção: Decreto-lei 857/69 Compra e venda internacional. O preço poderá ser cotado em ouro ou dólar, desde que conste o valor correspondente em Real, segundo CC, art. 487: CC, Art É lícito às partes fixar o preço em função de índices ou parâmetros, desde que suscetíveis de objetiva determinação. Dólar e ouro são exemplos de índices ou parâmetros suscetíveis de objetiva determinação (Preço por cotação). Preço por avaliação: CC, Art A fixação do preço pode ser deixada ao arbítrio de terceiro, que os contratantes logo designarem ou prometerem designar. Se o terceiro não aceitar a incumbência, ficará sem efeito o contrato, salvo quando acordarem os contratantes designar outra pessoa. Ex: Preço de bem imóvel avaliado por um especialista (corretor ou uma imobiliária). Preço por taxa de mercado ou de bolsa: CC, Art Também se poderá deixar a fixação do preço à taxa de mercado ou de bolsa, em certo e determinado dia e lugar. Havendo oscilação da taxa de mercado ou de bolsa na data determinada para a fixação do preço, levar-se-á em conta a média da variação. CC, Art. 488: CC, Art Convencionada a venda sem fixação de preço ou de critérios para a sua determinação, se não houver tabelamento oficial, entende-se que as partes se sujeitaram ao preço corrente nas vendas habituais do vendedor.

6 Parágrafo único. Na falta de acordo, por ter havido diversidade de preço, prevalecerá o termo médio. Isso não configura hipótese de contrato de compra e venda sem preço! Pelo contrário! O artigo determina um preço para o caso do contrato não estabelecê-lo. Assim, sempre haverá um preço. CC, Art. 489 X Contratos de adesão CC, Art Nulo é o contrato de compra e venda, quando se deixa ao arbítrio exclusivo de uma das partes a fixação do preço. E os contratos de adesão?? Segundo Flávio Tartuce, o Art. 489 deveria ter sido excluído do Código Civil, pois não se encontra em consonância com a prática atual dos contratos de adesão, em que apenas uma das partes determina previamente o preço. Como ainda permanece tal dispositivo, este deve ser interpretado apenas como uma proibição do preço cartelizado (preço estabelecido por cartéis de empresas) CONTRATO DE COMPRA E VENDA Classificação O contrato de compra e venda é: contrato típico e nominado contrato bilateral ou sinalagmático contrato consensual contrato formal ou informal contrato oneroso contrato comutativo ou aleatório contrato de execução instantânea ou de trato sucessivo Contrato típico e nominado Possui regulamentação própria no Código Civil 2002, Arts. 481 a 532.

7 Contrato bilateral ou sinalagmático Há direitos e deveres a cada uma das partes, sendo, portanto, credoras e devedoras entre si. Direito Receber coisa Direito Receber preço Comprador Vendedor Dever Pagar preço Dever Entregar coisa Mantém-se a bilateralidade do contrato de compra e venda mesmo nos casos de AUTOCONTRATO ou CONTRATO CONSIGO MESMO. O mesmo agente atua em nome e interesse próprio, e em nome próprio, mas no interesse de outrem (Ex. representante em um contrato de mandato): A comprador (atua em nome próprio e interesse próprio) A representante do vendedor B (atua em nome próprio, mas no interesse de B) CC, Art Salvo se o permitir a lei ou o representado, é anulável o negócio jurídico que o representante, no seu interesse ou por conta de outrem, celebrar consigo mesmo. Parágrafo único. Para esse efeito, tem-se como celebrado pelo representante o negócio realizado por aquele em quem os poderes houverem sido subestabelecidos Contrato consensual CC, Art A compra e venda, quando pura, considerar-se-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço.

8 Em regra, para que o contrato de compra e venda se aperfeiçoe basta o consenso entre as partes sobre o preço e a coisa, não havendo a necessidade de solenidades ou formalidades específicas. Há exceções como o CC, art. 108 Contrato formal e solene. CC, Art Não dispondo a lei em contrário, a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de valor superior a trinta vezes o maior salário mínimo vigente no País Contrato formal ou informal Segundo Flávio Tartuce, formalidade é gênero, solenidade é espécie. Formalidade Forma escrita Solenidade Escritura Pública O contrato de compra e venda pode ser: Formal e solene Segue a forma escrita, por escritura pública. Ex: Compra e venda de bem imóvel de valor superior a 30 salários mínimos - CC, Art Formal e não solene Segue a forma escrita, mas não precisa de escritura pública. Ex: Compra e venda de bem imóvel de valor inferior a 30 salários mínimos. Todo contrato de compra e venda de bem imóvel seguirá a forma escrita, pois necessário para o registro no CRI. Informal e não solene Não segue a forma escrita e nem a escritura pública. Ex: Compra e venda de bem móvel Contrato oneroso A compra e venda gera benefícios e sacrifícios patrimoniais para ambas as partes.

9 Um deles lucra o preço ajustado, mas perde um bem integrante de seu patrimônio, enquanto o outro acrescenta o objeto da avença ao seu acervo patrimonial, mas paga um valor determinado. Cristiano Chaves e Nelson Rosenvald. Por ser a compra e venda um contrato oneroso, o vendedor se responsabiliza pelos vícios redibitórios e pela evicção, o que gera garantias ao comprador. CC, Art Nas coisas vendidas conjuntamente, o defeito oculto de uma não autoriza a rejeição de todas. Exceção: Universalidades (rebanho, biblioteca) em que os bens defeituosos são vários ou se o defeito de um deles compromete todo o conjunto (Par de brincos, cartas de baralho) Contrato comutativo ou aleatório Em regra, o contrato de compra e venda é COMUTATIVO por serem as prestações previamente conhecidas pelas partes, havendo uma certeza recíproca das obrigações e direitos. Eventualmente, a compra e venda pode ser um contrato ALEATÓRIO (Álea, sorte), no qual há a presença de riscos. Não há certeza quanto aos ganhos e perdas: Venda de coisas futuras quanto à existência e à quantidade. CC, Art. 458 e 459. Venda de coisas existentes, mas expostas a risco. CC, Art Venda de coisas futuras quanto à existência: VENDA DA ESPERANÇA QUANTO À EXISTÊNCIA DA COISA ou VENDA DA ESPERANÇA ou SALE OF A HOPE (Emptio spei) CC, Art Se o contrato for aleatório, por dizer respeito a coisas ou fatos futuros, cujo risco de não virem a existir um dos contratantes assuma, terá o outro direito de receber integralmente o que lhe foi prometido, desde que de sua parte não tenha havido dolo ou culpa, ainda que nada do avençado venha a existir.

10 Não há a fixação de uma quantidade mínima. Alto risco Venda de coisas futuras quanto à quantidade: VENDA DA ESPERANÇA QUANTO À QUANTIDADE DA COISA ou VENDA DA ESPERANÇA COM COISA ESPERADA (Emptio rei speratae) CC, Art Se for aleatório, por serem objeto dele coisas futuras, tomando o adquirente a si o risco de virem a existir em qualquer quantidade, terá também direito o alienante a todo o preço, desde que de sua parte não tiver concorrido culpa, ainda que a coisa venha a existir em quantidade inferior à esperada. Parágrafo único. Mas, se da coisa nada vier a existir, alienação não haverá, e o alienante restituirá o preço recebido. Há a fixação de uma quantidade mínima para a compra. Há um objeto mínimo Venda de coisas existentes, mas expostas a risco: CC, Art Se for aleatório o contrato, por se referir a coisas existentes, mas expostas a risco, assumido pelo adquirente, terá igualmente direito o alienante a todo o preço, posto que a coisa já não existisse, em parte, ou de todo, no dia do contrato. CC, Art A alienação aleatória a que se refere o artigo antecedente poderá ser anulada como dolosa pelo prejudicado, se provar que o outro contratante não ignorava a consumação do risco, a que no contrato se considerava exposta a coisa Contrato de execução instantânea ou de trato sucessivo Execução instantânea Obrigação se cumpre por um ato único. Ex: Venda à vista. Execução por trato sucessivo Prestação é cumprida de forma diferida no tempo. Ex: Venda a prazo

11 CONTRATO DE COMPRA E VENDA Riscos Os riscos se vinculam aos deveres. Quem tem o dever, responde pelos seus riscos: Direito Receber coisa Direito Receber preço Comprador Vendedor Dever Pagar preço Comprador responde pelos riscos do PREÇO Dever Entregar coisa Devedor responde pelos riscos da COISA Riscos quanto à coisa correm pelo VENDEDOR até a efetiva entrega (Res perit domino). Riscos quanto ao preço correm pelo COMPRADOR. CC, Art Até o momento da tradição, os riscos da coisa correm por conta do vendedor, e os do preço por conta do comprador. 1 o Todavia, os casos fortuitos, ocorrentes no ato de contar, marcar ou assinalar coisas, que comumente se recebem, contando, pesando, medindo ou assinalando, e que já tiverem sido postas à disposição do comprador, correrão por conta deste. 2 o Correrão também por conta do comprador os riscos das referidas coisas, se estiver em mora de as receber, quando postas à sua disposição no tempo, lugar e pelo modo ajustados CONTRATO DE COMPRA E VENDA Despesas Despesas com TRANSPORTE e TRADIÇÃO correm por conta do VENDEDOR. Despesas com ESCRITURA e REGISTRO correm por conta do COMPRADOR.

12 CC, Art Salvo cláusula em contrário, ficarão as despesas de escritura e registro a cargo do comprador, e a cargo do vendedor as da tradição. Norma de ordem privada Pode ser alterada contratualmente, podendo gerar assunção convencional ou socialização dos riscos. A divisão das despesas de transportes é comum na compra e venda internacional, por meio dos INCOTERMS (international Commercial Terms ou Cláusulas Especiais de Compra e Venda no Comércio Internacional). A título de exemplo, cite-se a cláusula FOB (free on board), pela qual o vendedor responde pelas despesas do contrato até o embarque da coisa no navio. Flávio Tartuce CONTRATO DE COMPRA E VENDA Exceção do contrato não cumprido. CC, Art Não sendo a venda a crédito, o vendedor não é obrigado a entregar a coisa antes de receber o preço CONTRATO DE COMPRA E VENDA Local da entrega CC, Art A tradição da coisa vendida, na falta de estipulação expressa, dar-se-á no lugar onde ela se encontrava, ao tempo da venda. Norma de ordem privada Pode ser alterada contratualmente CONTRATO DE COMPRA E VENDA Expedição da coisa CC, Art Se a coisa for expedida para lugar diverso, por ordem do comprador, por sua conta correrão os riscos, uma vez entregue a quem haja de transportá-la, salvo se das instruções dele se afastar o vendedor. Se comprador determina erroneamente a expedição Responde pela coisa. Se o vendedor não cumprir as instruções dadas pelo comprador Responde pela coisa.

13 CONTRATO DE COMPRA E VENDA Insolvência de uma das partes CC, Art Não obstante o prazo ajustado para o pagamento, se antes da tradição o comprador cair em insolvência, poderá o vendedor sobrestar na entrega da coisa, até que o comprador lhe dê caução de pagar no tempo ajustado. Aplicação da Exceptio non rite adimpleti contractus (CC, Art. 477) no contrato de compra e venda. Aplica-se também quanto à insolvência do devedor Comprador poderá reter o pagamento até que lhe seja dada caução ou lhe seja entregue a coisa. Não sendo prestada a garantia, resolve-se o contrato por cláusula resolutiva tácita dependente de interpelação judicial LIMITAÇÕES AO CONTRATO DE COMPRA E VENDA Compra e venda de ascendente para descendente CC, Art É anulável a venda de ascendente a descendente, salvo se os outros descendentes e o cônjuge do alienante expressamente houverem consentido. Parágrafo único. Em ambos os casos, dispensa-se o consentimento do cônjuge se o regime de bens for o da separação obrigatória. Visa proteger o núcleo familiar. De fato, as relações familiares entre pais e filhos, infelizmente, são assaltadas por turbulências, decorrentes do desamor, do desafeto, da mágoa e da ingratidão, dentre outros sentimentos indignos. Por isso, motivos diversos podem conduzir um ascendente a beneficiar um de seus descendentes, em prejuízo dos demais. Por isso, tende o ordenamento a estabelecer uma blindagem protetiva dos descendentes, evitando que o seu ancestral venha a frustrar fraudulenta ou simuladamente a sua perspectiva patrimonial, com escopo de beneficiar outro filho. Seria o caso do pai que, sabendo que uma eventual doação para o filho predileto implicaria, por lei, antecipação da herança que caberia a este no futuro, resolve vender a este descendente a um preço completamente irrisório. Cristiano Chaves e Nelson Rosenvald

14 De forma oposta, o contrato de DOAÇÃO entre ascendentes e descendentes não depende da autorização dos demais, afinal, o controle da liberalidade acontecerá após a morte do doador, por meio da colação, igualando-se as legítimas. CC, Art A doação de ascendentes a descendentes, ou de um cônjuge a outro, importa adiantamento do que lhes cabe por herança. CC, Art , caput. A colação tem por fim igualar, na proporção estabelecida neste Código, as legítimas dos descendentes e do cônjuge sobrevivente, obrigando também os donatários que, ao tempo do falecimento do doador, já não possuírem os bens doados. Querendo o ascendente beneficiar um de seus descendentes, pode o fazer através da doação, dispensando a posterior colação, desde que a liberalidade saia de sua parcela disponível. Além da autorização dos demais descendentes, é também necessária a autorização do cônjuge do vendedor, salvo se casados pelo regime da separação obrigatória de bens. A justificativa para tal necessidade se encontra no art do Código Civil: A ordem de vocação hereditária. O cônjuge também é considerado como herdeiro necessário (CC, Art ), assim, também não poderá ser privado da legítima. Se o cônjuge for casado pelo regime da separação obrigatória de bens, desnecessária é a sua autorização, pois, segundo o CC, Art , I, não há a concorrência do cônjuge com os descendentes se casado por tal regime. CC, Art A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art , parágrafo único); ou se, no regime da comunhão parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares; II - aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge; III - ao cônjuge sobrevivente; IV - aos colaterais. A mesma ressalva não foi feita com relação ao cônjuge casado pelo regime da separação convencional de bens. Pela interpretação fria da lei, seria necessária a autorização desse cônjuge para a

15 compra e venda entre descendentes e ascendentes e isso vem do próprio texto do CC, Art , I, que não exclui a concorrência do cônjuge com os descendentes se casados pela separação convencional de bens, mantendo seus direitos sucessórios. Essa foi a interpretação do CC, Art , I por muito tempo. Ocorre que hoje a jurisprudência vem mudando seu entendimento e afastando o direito sucessório do cônjuge casado pelo regime da separação convencional de bens, afinal, leva-se em conta a autonomia privada, a vontade das partes manifestada em vida. Se em vida as partes demonstraram a vontade de não comunicar seus bens, por que a lei os comunicaria após a morte? Interessante e oportuna a análise da decisão: STJ, Ac. unân. 3ªT., REsp /MS, rel. Min. Nancy Andrighi, j , DJe , RSTJ 217:820. Pela nova posição jurisprudencial, dispensada também deve ser a autorização do cônjuge casado pelo regime da separação obrigatória de bens para a compra e venda entre ascendentes e descendentes. Havendo a compra e venda de ascendente para descendente sem as devidas autorizações, diz o CC, art. 496, que o contrato será ANULÁVEL. Sendo um contrato anulável, temos uma invalidade por nulidade relativa, ou seja, uma invalidade que afronta apenas interesses privados e não interesses públicos. Assim, essa anulabilidade (exercício do direito potestativo de desconstituir o contrato) poderá ser reclamada pelos legítimos interessados em um prazo decadencial de 2 anos contados a partir da celebração do negócio. Assim, acatada a tese da anulabilidade, as conseqüências mais evidentes da venda de ascendente a descendente, sem a anuência dos interessados, são as seguintes: i) possibilidade de ratificação do ato pelos familiares, através de posterior assentimento (CC, art. 176); ii) impossibilidade de constatação do vício pelo juiz ou pelo Ministério Público de ofício, havendo necessidade de ajuizamento de ação própria pelos interessados para a anulação do contrato (CC, art. 168); iii) a sentença produzirá efeitos ex tunc, desconstituindo-se retroativamente todos os efeitos transitórios até então produzidos (CC, art. 182); iv) o oficial do cartório de registro de imóveis não pode se recusar a lavrar a escritura pública, quando ausente a anuência

16 de todos os interessados, por se tratar de interesse meramente privado e patrimonial. Cristiano Chaves e Nelson Rosenvald Se judicialmente determinada a anulação, aquele ou aqueles que foram beneficiados pela compra e venda deverão restituir o bem ou o seu valor, não ocorrendo a solidariedade entre eles Compra e venda entre cônjuges CC, Art É lícita a compra e venda entre cônjuges, com relação a bens excluídos da comunhão. Se casados pelo regime da comunhão universal de bens, essa possibilidade de compra e venda entre cônjuges estará restrita aos bens elencados no CC, art (Bens excluídos da comunhão universal), afinal, fora estes bens, os demais se comunicam. Não se pode comprar aquilo que já se possui. CC, Art São excluídos da comunhão: I - os bens doados ou herdados com a cláusula de incomunicabilidade e os sub-rogados em seu lugar; II - os bens gravados de fideicomisso e o direito do herdeiro fideicomissário, antes de realizada a condição suspensiva; III - as dívidas anteriores ao casamento, salvo se provierem de despesas com seus aprestos, ou reverterem em proveito comum; IV - as doações antenupciais feitas por um dos cônjuges ao outro com a cláusula de incomunicabilidade; V - Os bens referidos nos incisos V a VII do art No regime da separação convencional de bens, a liberdade para a compra e venda entre cônjuges é praticamente total, afinal, em regra, os bens não se comunicam. Cuidado com o regime da separação obrigatória de bens, pela Súmula 377 STF: Súm No regime de separação legal de bens, comunicamse os adquiridos na constância do casamento Compra e venda de bens sob administração CC, Art Sob pena de nulidade, não podem ser comprados, ainda que em hasta pública:

17 I - pelos tutores, curadores, testamenteiros e administradores, os bens confiados à sua guarda ou administração; II - pelos servidores públicos, em geral, os bens ou direitos da pessoa jurídica a que servirem, ou que estejam sob sua administração direta ou indireta; III - pelos juízes, secretários de tribunais, arbitradores, peritos e outros serventuários ou auxiliares da justiça, os bens ou direitos sobre que se litigar em tribunal, juízo ou conselho, no lugar onde servirem, ou a que se estender a sua autoridade; IV - pelos leiloeiros e seus prepostos, os bens de cuja venda estejam encarregados. Parágrafo único. As proibições deste artigo estendem-se à cessão de crédito Compra e venda de bens em condomínio CC, Art Não pode um condômino em coisa indivisível vender a sua parte a estranhos, se outro consorte a quiser, tanto por tanto. O condômino, a quem não se der conhecimento da venda, poderá, depositando o preço, haver para si a parte vendida a estranhos, se o requerer no prazo de cento e oitenta dias, sob pena de decadência. Parágrafo único. Sendo muitos os condôminos, preferirá o que tiver benfeitorias de maior valor e, na falta de benfeitorias, o de quinhão maior. Se as partes forem iguais, haverão a parte vendida os comproprietários, que a quiserem, depositando previamente o preço.

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Compra e Venda Art. 481 a 532 Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Conceito Artigo 481 Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio

Leia mais

TÍTULO VI Das Várias Espécies de Contrato. CAPÍTULO I Da Compra e Venda. Seção I Disposições Gerais

TÍTULO VI Das Várias Espécies de Contrato. CAPÍTULO I Da Compra e Venda. Seção I Disposições Gerais TÍTULO VI Das Várias Espécies de Contrato CAPÍTULO I Da Compra e Venda Seção I Disposições Gerais Art. 481. Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de certa

Leia mais

CONTRATOS (COMPRA E VENDA)

CONTRATOS (COMPRA E VENDA) CONTRATOS (COMPRA E VENDA) Professor Dicler COMPRA E VENDA Contrato de compra e venda é aquele pelo qual um dos contratantes t t se obriga bi a transferir o domínio de certa coisa, e, o outro, a pagar-lhe

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

Art. 482 A compra e venda, quando pura, considerar-se-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço.

Art. 482 A compra e venda, quando pura, considerar-se-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço. 1 - Noções Gerais do Contrato de Compra e Venda 1.1 - Definição 1.2 - Partes 1.3 - Elementos 1.4 - Requisitos Formais 1.5 - Requisitos Objetivos 1.6 - Requisitos Subjetivos 1.7 - Efeitos 1.8 - Cláusulas

Leia mais

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes.

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 13 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: 3- Classificação; 4 - Princípios. 3. Classificação: 3.1

Leia mais

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares TÍTULO V Dos Contratos em Geral CAPÍTULO I Disposições Gerais Seção I Preliminares Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Art. 422. Os contratantes

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

DOAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 538 a 564 do CC. 2. Conceito e características da doação

DOAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 538 a 564 do CC. 2. Conceito e características da doação 1. Referência legal do assunto Arts. 538 a 564 do CC. DOAÇÃO 2. Conceito e características da doação O art. 538 do CC define a doação como um contrato pelo qual uma pessoa, por liberalidade, transfere

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

1ª FASE - EXTENSIVO MATUTINO Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 07/10/2008 Aula: 8/13

1ª FASE - EXTENSIVO MATUTINO Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 07/10/2008 Aula: 8/13 TEMAS TRATADOS EM SALA Contrato de Compra e Venda - bilateral; - oneroso; - comutativo; - consensual; Elementos - preço, não pode ser fixado a livre arbítrio de uma das partes. - mercadoria. Restrições

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Lição 12. Contratos em Espécie

Lição 12. Contratos em Espécie Lição 12. Contratos em Espécie VENDA E COMPRA É o contrato no qual uma das partes se compromete a transferir o domínio ou propriedade de um bem para a outra parte, mediante pagamento em dinheiro. Assim,

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS DIREITO CIVIL REGIME DE BENS 1 1. Princípios a) P. da autonomia da vontade (1.639); b) P. da garantia da ordem pública (1.640); c) P. da definitividade do regime (1.639); d) P. da vedação ao enriquecimento.

Leia mais

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Principais julgados do 1 o Semestre de 2013 Julgados

Leia mais

Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra.

Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. Lição 14. Doação Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. Na doação deve haver, como em qualquer outro

Leia mais

Aula 008 Da Sucessão Testamentária

Aula 008 Da Sucessão Testamentária Aula 008 Da Sucessão Testamentária 3.5 Disposições Testamentárias 3.5.1 Regras gerais 3.5.2 Espécies de disposições 3.5.2.1 Simples 3.5.2.2 Condicional 3.5.2.3 A Termo ou a prazo 3.5.2.4 Modal 3.5.2.5

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

Outubro/2011. Prof a. HELISIA GÓES. Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas

Outubro/2011. Prof a. HELISIA GÓES. Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas Contrato de Compra e Venda Outubro/2011 Prof a. HELISIA GÓES Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas Definição: é a troca de uma coisa por dinheiro

Leia mais

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal:

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal: 1 PONTO 1: Cláusula Penal PONTO 2: Formação dos contratos PONTO 3: Arras PONTO 4: Extinção PONTO 5: Classificação dos contratos PONTO 6: Vícios redibitórios 1. Cláusula Penal: Estrutura da cláusula penal:

Leia mais

Outubro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes

Outubro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes Contrato de Compra e Venda Outubro/2010 Prof a. Esp. Helisia Góes Definição: é a troca de uma coisa por dinheiro (VENOSA). É o negócio jurídico bilateral pelo qual uma das partes (vendedora) se obriga

Leia mais

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO doação Conceito: é negócio jurídico unilateral inter vivos, em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para

Leia mais

E) 06. TOMANDO POR BASE AS

E) 06. TOMANDO POR BASE AS 01. Se alguém fizer seguro de vida, omitindo moléstia grave, e vier a falecer poucos meses depois, vindo a prejudicar a seguradora e a beneficiar os sucessores, ter-se-á a configuração de: A) dolo positivo.

Leia mais

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Da doação como ato de liberalidade e das formas de sua celebração. 2. A doação de ascendente

Leia mais

a) Liberatória (art. 299 CC) o devedor originário está exonerado do vínculo obrigacional.

a) Liberatória (art. 299 CC) o devedor originário está exonerado do vínculo obrigacional. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 12 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: Obrigações: V - Transmissão das Obrigações: 2. Assunção de Dívida. Contratos: Teoria Geral

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC).

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC). Noção Contrato pelo qual uma Pessoa Jurídica, por espírito de liberalidade e à custa do seu património, dispõe gratuitamente de uma coisa ou de um direito, ou assume uma obrigação, em benefício do outro

Leia mais

IELF CURSO EXTENSIVO. DIREITO CONTRATUAL. PROFESSOR FLÁVIO FLÁVIO TARTUCE.

IELF CURSO EXTENSIVO. DIREITO CONTRATUAL. PROFESSOR FLÁVIO FLÁVIO TARTUCE. IELF CURSO EXTENSIVO. DIREITO CONTRATUAL. PROFESSOR FLÁVIO FLÁVIO TARTUCE. 1) EVICÇÃO (ARTS. 447 A 457 NCC). A evicção pode ser conceituada como sendo a perda da coisa diante de uma sentença judicial que

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA Para que você possa adquirir o seu imóvel com segurança, deve exigir do vendedor todos os documentos necessários, para que não seja surpreendido futuramente

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009 Aula 3: Validades dos Atos, Vícios, Erro, Dolo, Coação, Estado de Perigo, Lesão, Fraude contra credores, Simulação, Efeitos dos Negócios Jurídicos, Condição, Termo, Encargo, Prescrição e Decadência. Validade

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES Índice 1. Inadimplemento das Obrigações...4 1.1. Mora... 4 1.2. Das Perdas e Danos... 4 1.3. Juros moratórios ou juros

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR TURMA EXTENSIVA AOS SÁBADOS Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 12.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE II Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE DOAÇÃO

Leia mais

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima;

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima; Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 11 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: V- Transmissão das Obrigações: 1. Cessão de Crédito. V - Transmissão das Obrigações: 1. CESSÃO

Leia mais

1. Noções gerais: evolução social e o momento de formação do contrato de compra e venda (CC 482)

1. Noções gerais: evolução social e o momento de formação do contrato de compra e venda (CC 482) TURMA EXTENSIVA SEMANAL Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 15.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE COMPRA E VENDA

Leia mais

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO 01 Quanto aos Negócios Jurídicos, podemos dizer que: a) são seus elementos essenciais: agente capaz, objeto lícito, possível determinado ou determinável, consentimento

Leia mais

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal.

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 06 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009

OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009 4ª Aula: Teoria Geral dos Contratos e Extinção Contratual, Espécies de Contrato.

Leia mais

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83 1 Noções introdutórias, 1 1.1 Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões, 1 1.2 Direito das sucessões no direito romano, 2 1.3 Ideia central do direito das sucessões, 4 1.4 Noção de herança,

Leia mais

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade.

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade. Código Civil Parte Especial - Arts. 233 a 303 PARTE ESPECIAL LIVRO I DO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES TÍTULO I DAS MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES CAPÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES DE DAR Seção I Das Obrigações de Dar Coisa

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 PARTE GERAL DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º............. sem correspondência LIVRO I DAS PESSOAS TÍTULO I DA DIVISÃO DAS PESSOAS DAS PESSOAS

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

Destaca-se que as obrigações jurídicas, objeto do presente estudo, apresentam 3 elementos principais: sujeito, objeto e o vínculo jurídico.

Destaca-se que as obrigações jurídicas, objeto do presente estudo, apresentam 3 elementos principais: sujeito, objeto e o vínculo jurídico. 7. OBRIGAÇÕES A palavra obrigação pode assumir vários significados dependendo do contexto que estiver se referindo. Dessa forma, em sentido amplo, a obrigação é um dever, que pode estar ligado a uma acepção

Leia mais

Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4. Divisível. 5 - Indivisível

Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4. Divisível. 5 - Indivisível Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil - Obrigações / Aula 09 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4.

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Teoria Geral dos Contratos Professor: Thiago Godoy SABER DIREITO FORMULÁRIO DO CURSO TEORIA GERAL DOS CONTRATOS PROFESSOR THIAGO GODOY AULA 01 Conceito

Leia mais

Prescrição e decadência

Prescrição e decadência DIREITO CIVIL Professor Dicler A prescrição representa a perda da ação e da exceção (defesa) em razão do decurso de tempo. Tem como fundamento a paz social e a segurança jurídica que ficariam comprometidos

Leia mais

DA DOAÇÃO. É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra

DA DOAÇÃO. É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra DAS VÁRIAS ESPÉCIES DE CONTRATO DA DOAÇÃO É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra Unilateral, porque envolve prestação de uma só das

Leia mais

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 7. Aceitação e Renúncia da Herança (arts. 1.804 a 1.813,

Leia mais

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO DE DIREITO FAMÍLIA PONTO 1: SUCESSÃO PONTO 2: PRINCÍPIOS ORIENTADORES; SUCESSÃO LEGÍTIMA E TESTAMENTÁRIA, EXCLUSÃO DOS HERDEIROS; PONTO 3: ESPÉCIES DE HERDEIROS, CESSÃO DE DIREITOS;

Leia mais

E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com

E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 1 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Marcelo Coimbra E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com Parte Geral do Direito

Leia mais

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02 ANUÊNCIA PARA DOAÇÃO OU VENDA DE IMÓVEL ENTRE ASCENDENTE E DESCENDENTES Modelo 01 a quem confere poderes para o fim especial de, como interveniente na escritura de (doação, venda ) que seu(sua)(s) ( pai,

Leia mais

1. Defeitos do Negócio Jurídico continuação:

1. Defeitos do Negócio Jurídico continuação: 1 PONTO 1: Defeitos do Negócio Jurídico - continuação PONTO 2: Erro ou Ignorância PONTO 3: Dolo PONTO 4: Coação PONTO 5: Estado de perigo PONTO 6: Lesão PONTO 7: Fraude Contra Credores PONTO 8: Simulação

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

- Cessão de Crédito, - Cessão de Débito, - Cessão de Contrato, ou Cessão de Posição Contratual.

- Cessão de Crédito, - Cessão de Débito, - Cessão de Contrato, ou Cessão de Posição Contratual. 3 - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES As obrigações podem ser transmitidas por meio da cessão, a qual consiste na transferência negocial, a título oneroso ou gratuito, de uma posição na relação jurídica obrigacional,

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil 6. Tópicos Especiais em Obrigações Tópicos Especiais em Direito Civil Obrigações O professor Álvaro Villaça define a obrigação como a relação jurídica de caráter transitório que vai ser garantida pelo

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das obrigações; Introdução; Divisão patrimonial; Distinção entre os direitos reais e pessoais; Direitos mistos; Obrigações propter

Leia mais

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos)

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) INTERPRETAÇÃO Boa-fé e usos do lugar CC113 Os negócios jurídicos devem

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel.

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Dentre as inúmeras espécies contratuais previstas na legislação civil, emerge uma utilizada em larga escala no dia-a-dia tanto empresarial como

Leia mais

1. O que é procuração?

1. O que é procuração? Procuração Pública Plano de aula: 1. O que é procuração? 2. Forma Pública 3. Identidade e Capacidade 4. Pessoas Jurídicas 5. Poderes Gerais x Especiais 6. Ad judicia x Ad negotia 7. Substabelecimento 8.

Leia mais

~ ~ McTODO SÃO PAULO

~ ~ McTODO SÃO PAULO Flávio Tartuce :C I.. 'r1'i Direito das Sucessões B. a edição revista, atualizada e ampliada *** ~ ~ McTODO SÃO PAULO ~~::;'S 1: STJ00100365 A EDITORA Mt::TODO se responsabiliza pelos vlcios do produto

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

2.013. Direito Civil IV. Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013

2.013. Direito Civil IV. Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013 2.013 Direito Civil IV Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013 Inicio da aula 07/08/13 Contratos Parte Geral Personalidade Civil nascimento Nascimento Proteção - Direitos Animais Proteção Termino Morte

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo

DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo FORMAÇÃO DOS CONTRATOS Vontade contratual e consentimento das partes: a) CONCEITO: mais que mero elemento contratual, a vontade representa pressuposto à relação

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 1- ATOS DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS VALORES EM R$ ATO VALORES TOTAL BUSCA (POR PERÍODO

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O contrato sob o prisma da existência, da validade e da eficácia. Eduardo Monteiro de Castro Casassanta 1. Introdução. 2. O plano da existência. 3. O plano da validade. 4. O plano da eficácia. 5 Conclusão

Leia mais

CONTRATOS PARTE GERAL

CONTRATOS PARTE GERAL CONTRATOS PARTE GERAL Prof.Dicler Podemos definir contrato como sendo o acordo de duas ou mais vontades que visa à aquisição, resguardo, transformação, modificação ou extinção de relações jurídicas de

Leia mais

Direitos das Sucessões

Direitos das Sucessões Há 4 títulos do capítulo das sucessões: Sucessões em geral: aplicada a qualquer hipótese; Sucessão Legítima: prevista em lei; Sucessão testamentária: disposições de vontade; Inventário e partilha: regras

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Doação Art. 538 à 564 Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Conceito Artigo 538 Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Do contrato de troca ou permuta Maíra Santos Antunes da Silva Conceito Na permuta um dos contratantes promete uma coisa em troca de outra, ou seja, uma parte se obriga a dar uma

Leia mais

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA Sumário PARTE GERAL 1. LINDB, DAS PESSOAS, DOS BENS E DO NEGÓCIO JURÍDICO 1. Introdução (DL 4.657/1942 da LINDB) 2. Direito objetivo e subjetivo 3. Fontes do Direito 4. Lacuna da lei (art. 4.º da LINDB)

Leia mais

Legislação Instrumental. Aula 1. Legislação Aplicada à Logística. Legislação Aplicada à Logística Aula 1. Contextualização. Prof.

Legislação Instrumental. Aula 1. Legislação Aplicada à Logística. Legislação Aplicada à Logística Aula 1. Contextualização. Prof. Legislação Instrumental Aula 1 Prof. Guilherme Amintas Legislação Aplicada à Logística Tópicos desta disciplina por aula Aula 1 noções de Direito Aula 2 Direito Constitucional Aula 3 Direito Empresarial

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

AULA 7 CONTRATOS EM ESPÉCIE

AULA 7 CONTRATOS EM ESPÉCIE Introdução CURSO ON-LINE DIREITO CIVIL TRE-PE AULA 7 CONTRATOS EM ESPÉCIE Já estudamos na última aula os conceitos gerais aplicáveis às diversas espécies de contratos existentes, sejam eles previstos em

Leia mais

Dos contratos em geral

Dos contratos em geral Dos contratos em geral Disposições gerais As Disposições Gerais, constantes no Título V (dos Contratos em Geral) do Código Civil brasileiro (CC) consistem em cláusulas gerais aplicáveis a todo tipo de

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais