Direito de usar. Direito de gozar (jus fruendi) Direito de dispor (jus abutendi)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito de usar. Direito de gozar (jus fruendi) Direito de dispor (jus abutendi)"

Transcrição

1 DIREITO 07 A Propriedade 07.1 Introdução Noções gerais Conceito: A propriedade, palavra de origem latina (proprietas), que significa o que pertence à alguém, constitui-se juridicamente em um direito real em que há uma relação jurídica sobre um certo bem corpóreo ou incorpóreo. Compreende o direito de usar, gozar e dispor da coisa, bem como de reivindicá-la de quem quer que injustamente a possua ou detenha. Art O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha. PROPRIEDADE Direito de usar Direito de gozar (jus fruendi) Direito de dispor (jus abutendi) Direito de reivindicar É a possibilidade de exigir da coisa os serviços que ela possa prestar sem o comprometimento de sua substância. É o direito à percepção dos frutos e a utilização dos produtos da coisa. Consiste no poder de consumir, alienar, gravar de ônus, colocar a serviço de terceiro, dar o destino que melhor lhe aprouver à coisa. Não pode, porém, o proprietário abusar da coisa de forma ilimitada. O proprietário pode obter ou reaver a posse de coisa de sua propriedade e tem a ação reivindicatória como medida defensiva. 1

2 Limites gerais ao uso da propriedade: O direito de propriedade não é absoluto. Ele deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas. São também defesos os atos que não trazem ao proprietário qualquer comodidade, ou utilidade, e sejam animados pela intenção de prejudicar outrem (CC, art , 1 e 2 ). Privação da propriedade: O proprietário pode ser privado da coisa, nos casos de desapropriação promovida pelo Estado, por necessidade ou utilidade pública ou interesse social, bem como no de requisição, em caso de perigo público iminente (CC, art , 3 ). Além disso, o proprietário também pode ser privado da coisa no caso do usucapião. Características da propriedade: São características da propriedade: é um direito oponível erga omnes e o proprietário pode desfrutar e dispor do bem como quiser, dentro dos limites estabelecidos pela lei; é exclusiva, ou seja, o direito sobre um bem exclui o direito de outro sobre o mesmo bem; é perpétua, pois o domínio subsiste independentemente de exercício, enquanto não sobrevier causa extintiva legal ou pela própria vontade do titular. O condomínio não anula a característica da exclusividade, pois os condôminos são, conjuntamente, titulares do direito de propriedade sobre as áreas comuns. Extensão da propriedade do solo: A propriedade do solo abrange a do espaço aéreo e subsolo correspondentes, em altura e profundidade úteis ao seu exercício, não podendo o proprietário opor-se a atividades que sejam realizadas, por terceiros, a uma altura ou profundidade tais, que não tenha ele interesse legítimo em impedí-las. A propriedade do solo também sofre certas restrições previstas no art do Código Civil. Art A propriedade do solo não abrange as jazidas, minas e demais recursos minerais, os potenciais de energia hidráulica, os monumentos arqueológicos e outros bens referidos por leis especiais. Parágrafo único - O proprietário do solo tem o direito de explorar os recursos minerais de emprego imediato na construção civil, desde que não submetidos a transformação industrial, obedecido o disposto em lei especial. 2

3 Objeto da propriedade: Pode ser objeto da propriedade tudo aquilo que dela não for excluído por força de lei, bens móveis ou imóveis. Propriedade plena e limitada: A propriedade é plena quando todos os seus direitos elementares se acham reunidos na mão do proprietário: o uso, o gozo, a disposição e o direito de reivindicação. A propriedade é limitada quando um desses elementos passa a pertencer a um outro titular, como no caso de enfiteuse, servidão predial, superfície, usufruto, uso, habitação, penhor, hipoteca, anticrese ou compromisso de compra e venda. Conforme dispõe do art do Código Civil, a propriedade presume-se plena e exclusiva, até prova em contrário. Os frutos e produtos da coisa: Os frutos e mais produtos da coisa pertencem, ainda quando separados, ao seu proprietário, salvo se, por preceito jurídico especial, couberem a outrem (CC, art ). A descoberta Noções iniciais: Quem quer que ache coisa alheia perdida há de restituí-la ao dono ou legítimo possuidor. Não o conhecendo, o descobridor fará por encontrá-lo, e, se não o encontrar, entregará a coisa achada à autoridade competente. (CC, art ) Recompensa: Aquele que restituir a coisa achada terá direito a uma recompensa não inferior a 5% do seu valor, e à indenização pelas despesas que houver feito com a conservação e transporte da coisa, se o dono não preferir abandoná-la. Na determinação do montante da recompensa, considerar-se-á o esforço desenvolvido pelo descobridor para encontrar o dono, ou o legítimo possuidor, as possibilidades que teria este de encontrar a coisa e a situação econômica de ambos. (CC, art ) O descobridor responde pelos prejuízos causados ao proprietário ou possuidor legítimo, quando tiver procedido com dolo. (CC, art ) Procedimento: A autoridade competente dará conhecimento da descoberta através da imprensa e outros meios de informação, somente expedindo editais se o seu valor os comportar. Decorridos 60 dias da divulgação da notícia pela imprensa, ou do edital, não se apresentando quem comprove a propriedade sobre a coisa, será esta vendida em hasta pública e, deduzidas do preço as despesas, mais a recompensa do descobridor, pertencerá o remanescente ao Município em cuja circunscrição se deparou o objeto perdido. Sendo de pouco valor, poderá o Município abandonar a coisa em favor de quem a achou (CC, arts e 1.237). 3

4 07.2 Aquisição e Perda da Propriedade Imóvel Noções gerais Aquisição originária e derivada: A aquisição é originária quando a coisa não tem dono anterior, como na ocupação ou na acessão. É derivada quando houver a transmissibilidade do domínio, por ato causa mortis ou inter vivos. Aquisição a título singular e universal: A aquisição também pode ser a título singular, quando se refere a um bem específico ou a título universal, na herança, quando se transmitem todos os bens de uma pessoa. Pressupostos para a aquisição da propriedade: São pressupostos para a aquisição da propriedade ser agente capaz, o objeto ser lícito e a observância dos procedimentos legais. O usucapião Noções iniciais: Já no direito romano, o usucapião significava a captação ou aquisição de um bem pelo uso prolongado (usus capere). É considerado forma originária de aquisição da propriedade móvel ou imóvel por um transcurso de um lapso temporal e obedecendo certos requisitos legais: 1) Coisa hábil: É a coisa usucapível. Não podem ser usucapidas as coisas fora do comércio, como as insuscetíveis de apropriação (ar, luz do sol, água, etc.). Os imóveis públicos também não podem ser usucapidos. 2) Posse: A posse deve ser mansa e pacífica (sem contestação), com ânimo de dono (animus domini). A posse clandestina (oculta, não praticada à vista de todos), a posse violenta ou a posse precária não se prestam para a concessão de usucapião. 3) Tempo: A posse deve ser contínua, exercida sem intermitência ou intervalos. Após o tempo previsto em lei, pode o possuidor, trazendo as suas provas, pedir em juízo que lhe reconheça a aquisição da propriedade por usucapião. 4) Justo título: É o ato jurídico que preenche os requisitos formais para a transmissão da propriedade, mas que não é valido por ser anulável (nulidade relativa), ou porque quem vendeu não era dono. 4

5 5) Boa fé: Tem aquele que pensava correta a sua aquisição, ou seja, que pensava ser dono. A palavra usucapião é no latim feminina, mas usada geralmente no masculino, em português, como vemos no Código Civil. Os lexicógrafos a registram ora como feminina, ora como masculina. Assim, tanto é correto dizer o usucapião, como a usucapião, mas devese sempre observar a concordância. São incorretas as expressões "da usucapião extraordinário" ou "do usucapião extraordinária". Objetivos do usucapião: O usucapião tem como objetivos garantir a estabilidade e segurança da propriedade; estimular a função social da propriedade; desestimular o não uso da propriedade. Usucapião extraordinário: É uma modalidade de usucapião que gera o domínio em 15 ou 10 anos, tendo como requisitos apenas a posse e o tempo, independentemente de título e boa-fé; podendo o possuidor requerer ao juiz que assim o declare por sentença, a qual servirá de título para o registro no Cartório de Registro de Imóveis. Art Aquele que, por quinze anos, sem interrupção, nem oposição, possuir como seu um imóvel, adquire-lhe a propriedade, independentemente de título e boa-fé; podendo requerer ao juiz que assim o declare por sentença, a qual servirá de título para o registro no Cartório de Registro de Imóveis. Parágrafo único - O prazo estabelecido neste artigo reduzir-se-á a dez anos se o possuidor houver estabelecido no imóvel a sua moradia habitual, ou nele realizado obras ou serviços de caráter produtivo. Usucapião especial: Aquele que, não sendo proprietário de imóvel rural ou urbano, possua como sua, por 5 anos ininterruptos, sem oposição, área de terra em zona rural não superior a 50 hectares, tornando-a produtiva por seu trabalho ou de sua família, tendo nela sua moradia, adquirirlhe-á a propriedade. Aquele que possuir, como sua, área urbana de até 250 m², por 5 anos ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. Art Aquele que, não sendo proprietário de imóvel rural ou urbano, possua como sua, por cinco anos ininterruptos, sem oposição, área de terra em zona rural não superior a cinquenta hectares, tornando-a produtiva por seu trabalho ou de sua família, tendo nela sua moradia, adquirirlhe-á a propriedade. Art Aquele que possuir, como sua, área urbana de até duzentos e cinquenta metros quadrados, por cinco anos ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. 5

6 O título de domínio e a concessão de uso serão conferidos ao homem ou à mulher, ou a ambos, independentemente do estado civil. Este direito, entretanto, não será reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez. (CC, art , 1 e 2 ) Os parágrafos 4º e 5º do artigo do Código Civil fazem referência ao novo tipo de usucapião especial. De acordo com o texto, o proprietário será privado da coisa se o imóvel reivindicado consistir em extensa área, ocupada por mais de cinco anos - de boa fé e ininterruptamente - por considerável número de pessoas que nela realizaram - em conjunto ou separadamente - obras e serviços considerados pelo juiz de interesse social e econômico relevante, fazendo o proprietário jus à indenização. As regras esculpidas nestes parágrafos mantém relação com o artigo 10º e seus parágrafos da Lei n.º de 10 de julho de 2001, conhecida como o Estatuto da Cidade. Usucapião especial urbano familiar: Ainda há uma outra modalidade de usucapião mais recentemente introduzida pela Lei /2011. Ocorre no caso em que um casal, morando em casa própria de até 250 m², sendo este o único imóvel da família, há o fim do relacionamento conjugal. Nesta hipótese, quando um cônjuge sai da residência e o outro nela permanece, passados 2 anos, aquele que ficou passará a ser o único proprietário do imóvel, excluindo-se o outro, e adquirindo por usucapião o direito de propriedade do imóvel. Art A - Aquele que exercer, por 2 (dois) anos ininterruptamente e sem oposição, posse direta, com exclusividade, sobre imóvel urbano de até 250m² (duzentos e cinquenta metros quadrados) cuja propriedade divida com ex-cônjuge ou ex-companheiro que abandonou o lar, utilizando-o para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio integral, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. 1º - O direito previsto no caput não será reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez. Usucapião ordinário: Adquire também a propriedade do imóvel aquele que, contínua e incontestadamente, com justo título e boa-fé, o possuir por 10 ou 5 anos. (CC, art ) Art Adquire também a propriedade do imóvel aquele que, contínua e incontestadamente, com justo título e boa-fé, o possuir por dez anos. Parágrafo único - Será de cinco anos o prazo previsto neste artigo se o imóvel houver sido adquirido, onerosamente, com base no registro constante do respectivo cartório, cancelada posteriormente, desde que os possuidores nele tiverem estabelecido a sua moradia, ou realizado investimentos de interesse social e econômico. O justo título é a causa que, exteriormente, preenche os requisitos legais necessários à transferência de algum direito. A boa fé é a crença que tem o sujeito na lisura do negócio, fundado em elementos de convicção carecedores de qualquer vício. 6

7 Usucapião de imóveis Ordinário Extraordinário Especial Urbano Especial Familiar Especial Rural ART ART ART ART A ART Coisa hábil Coisa hábil Coisa hábil Coisa hábil Coisa hábil Posse ininterrupta Posse ininterrupta Posse ininterrupta Posse ininterrupta Posse ininterrupta Ânimo de dono Ânimo de dono Ânimo de dono Ânimo de dono Ânimo de dono Sem oposição Sem oposição Sem oposição Sem oposição Sem oposição Justo título e boa fé Sem Justo título e sem boa fé Sem justo título e sem boa fé Justo título e boa fé Sem justo título e sem boa fé Imóvel urbano ou rural particular Imóvel urbano ou rural particular Imóvel urbano particular Imóvel urbano particular Imóvel rural particular Qualquer área Qualquer área Até 250 m2 - moradia própria ou da família (Só pode ser pleiteado uma vez) Até 250 m2 - moradia própria ou da família (Só pode ser pleiteado uma vez) Até 50 hectares - moradia própria ou da família Produtividade agrícola própria ou da família 10 anos. 5 anos, se houver sido adquirido com base em registro cancelado. 15 anos. 10 anos, se for moradia habitual ou se realizado obras de caráter produtivo 5 anos 2 anos 5 anos Declaração judicial: Poderá o possuidor requerer ao juiz seja declarada adquirida, mediante usucapião, a propriedade imóvel. Esta declaração constituirá título hábil para o registro na serventia de Registro de Imóveis. (CC, art ) Contagem do tempo do antecessor: O possuidor pode, para o fim de contar o tempo exigido para o usucapião, acrescentar à sua posse a dos seus antecessores (art ), contanto que todas sejam contínuas, pacíficas e, nos casos do usucapião ordinário, com justo título e de boa-fé. (CC, art ) Causas que obstam, suspendem ou interrompem o usucapião: Estende-se ao possuidor o disposto quanto ao devedor acerca das causas que obstam, suspendem ou interrompem a prescrição, as quais também se aplicam à usucapião (CC, art ). 7

8 A aquisição pelo registro de título Sistema de aquisição da propriedade imóvel: Importante relacionar três sistemas de aquisição da propriedade imóvel: o sistema franco-italiano: a transmissão opera por qualquer maneira; o sistema germânico: a transmissão da propriedade ocorre sempre pelo registro; neste caso as duas partes comparecem ao registro e a presunção é absoluta (jures et de jures), não admitindo anulação; o sistema brasileiro: assemelha-se ao sistema germânico, porém apenas uma parte comparece ao registro, gerando uma presunção relativa. Art Transfere-se entre vivos a propriedade mediante o registro do título translativo no Registro de Imóveis. 1 - Enquanto não se registrar o título translativo, o alienante continua a ser havido como dono do imóvel. 2 - Enquanto não se promover, por meio de ação própria, a decretação de invalidade do registro, e o respectivo cancelamento, o adquirente continua a ser havido como dono do imóvel. Art O registro é eficaz desde o momento em que se apresentar o título ao oficial do registro, e este o prenotar no protocolo. Art Se o teor do registro não exprimir a verdade, poderá o interessado reclamar que se retifique ou anule. Parágrafo único - Cancelado o registro, poderá o proprietário reivindicar o imóvel, independentemente da boa-fé ou do título do terceiro adquirente. A aquisição por acessão Conceito: A acessão refere-se a acréscimos acontecidos em relação a um imóvel, pela mão do homem ou por causas naturais. A acessão pode ser natural ou artificial. Acessão artificial: A acessão artificial, resultado do trabalho do homem, dá-se pela construção de obras ou pelas plantações. Acessão natural: A acessão natural ocorre quando há uma movimentação de terra causada por circunstâncias da natureza. O Código Civil e o Código de Águas regulam de modo minucioso a atribuição da propriedade desses acréscimos naturais. Em regra, ficam pertencendo ao dono do imóvel ao qual aderiram, ou aos donos dos imóveis mais próximos, no caso da formação de ilhas, em proporção às suas testadas. Conforme o art do Código Civil, a acessão natural pode ser: por formação de ilhas; 8

9 por aluvião; por avulsão; por abandono de álveo. 1) Formação de ilhas. A formação de ilha é a aquisição do domínio pelo acréscimo ou incorporação de bem inesperado devido ao depósito de materiais, rebaixamento das águas ou movimentação da terra. Somente interessam ao Direito Civil as ilhas formadas em rios não navegáveis ou particulares, por pertencerem ao domínio particular. Art As ilhas que se formarem em correntes comuns ou particulares pertencem aos proprietários ribeirinhos fronteiros, observadas as regras seguintes: I - as que se formarem no meio do rio consideram-se acréscimos sobrevindos aos terrenos ribeirinhos fronteiros de ambas as margens, na proporção de suas testadas, até a linha que dividir o álveo em duas partes iguais; II - as que se formarem entre a referida linha e uma das margens consideram-se acréscimos aos terrenos ribeirinhos fronteiros desse mesmo lado; III - as que se formarem pelo desdobramento de um novo braço do rio continuam a pertencer aos proprietários dos terrenos à custa dos quais se constituíram. Nem todas as ilhas que se formam pertencem aos particulares. As ilhas em rios navegáveis ou que banhem mais de um Estado, são de domínio público (art. 20, IV, da Constituição Federal). 2) Aluvião: Aluvião é o acréscimo de terras devido ao depósito de material trazido pelas águas, que vão se acumulando junto a imóveis lindeiros, de modo contínuo e de forma quase imperceptível. Esses acréscimos formados por depósitos e aterros naturais ao longo das margens das correntes, ou pelo desvio das águas destas, pertencem aos donos dos terrenos marginais, sem indenização (CC, art ). O terreno aluvial, que se formar em frente de prédios de proprietários diferentes, dividir-se-á entre eles, na proporção da testada de cada um sobre a antiga margem. Aluvião impróprio são as partes descobertas de áreas de águas dormentes (lagos e represas que recuam e deixam um aumento na orla). 3) Avulsão: Avulsão é o deslocamento de uma porção considerável de terra, pela força das águas e o seu consequente arremesso de encontro a terras de outrem. O dono das terras assim acrescidas pode ficar com o acréscimo, pagando indenização ao reclamante ou consentir que a terra seja removida. Art Quando, por força natural violenta, uma porção de terra se destacar de um prédio e se juntar a outro, o dono deste adquirirá a propriedade do acréscimo, se indenizar o dono do primeiro ou, sem indenização, se, em um ano, ninguém houver reclamado. Parágrafo único - Recusando-se ao pagamento de indenização, o dono do prédio a que se juntou a porção de terra deverá aquiescer a que se remova a parte acrescida. 9

10 4) Abandono de álveo: Álveo ou leito abandonado do rio público ou particular se observa quando um rio seca ou se desvia de seu curso naturalmente. Pertence aos proprietários ribeirinhos das duas margens com divisa no meio. O álveo abandonado de corrente pertence aos proprietários ribeirinhos das duas margens, sem que tenham indenização os donos dos terrenos por onde as águas abrirem novo curso, entendendo-se que os prédios marginais se estendem até o meio do álveo (CC, art ). Acessões artificiais: São aquelas que derivam de um comportamento ativo do homem, dentre elas, as plantações e construções de obras. Art Toda construção ou plantação existente em um terreno presume-se feita pelo proprietário e à sua custa, até que se prove o contrário. Art Aquele que semeia, planta ou edifica em terreno próprio com sementes, plantas ou materiais alheios, adquire a propriedade destes; mas fica obrigado a pagar-lhes o valor, além de responder por perdas e danos, se agiu de má-fé. Art Aquele que semeia, planta ou edifica em terreno alheio perde, em proveito do proprietário, as sementes, plantas e construções; se procedeu de boa-fé, terá direito a indenização. Parágrafo único - Se a construção ou a plantação exceder consideravelmente o valor do terreno, aquele que, de boa-fé, plantou ou edificou, adquirirá a propriedade do solo, mediante pagamento da indenização fixada judicialmente, se não houver acordo. Art Se de ambas as partes houve má-fé, adquirirá o proprietário as sementes, plantas e construções, devendo ressarcir o valor das acessões. Parágrafo único - Presume-se má-fé no proprietário, quando o trabalho de construção, ou lavoura, se fez em sua presença e sem impugnação sua. Art O disposto no artigo antecedente aplica-se ao caso de não pertencerem as sementes, plantas ou materiais a quem de boa-fé os empregou em solo alheio. Parágrafo único - O proprietário das sementes, plantas ou materiais poderá cobrar do proprietário do solo a indenização devida, quando não puder havê-la do plantador ou construtor. Art Se a construção, feita parcialmente em solo próprio, invade solo alheio em proporção não superior à vigésima parte deste, adquire o construtor de boa-fé a propriedade da parte do solo invadido, se o valor da construção exceder o dessa parte, e responde por indenização que represente, também, o valor da área perdida e a desvalorização da área remanescente. Parágrafo único - Pagando em décuplo as perdas e danos previstos neste artigo, o construtor de má-fé adquire a propriedade da parte do solo que invadiu, se em proporção à vigésima parte deste e o valor da construção exceder consideravelmente o dessa parte e não se puder demolir a porção invasora sem grave prejuízo para a construção. Art Se o construtor estiver de boa-fé, e a invasão do solo alheio exceder a vigésima parte deste, adquire a propriedade da parte do solo invadido, e responde por perdas e danos que abranjam o valor que a invasão acrescer à construção, mais o da área perdida e o da desvalorização da área remanescente; se de má-fé, é obrigado a demolir o que nele construiu, pagando as perdas e danos apurados, que serão devidos em dobro. 10

11 A perda da propriedade imóvel Noções gerais: Conforme a perpetuidade do domínio, este remanescerá na pessoa do seu titular ou de seus sucessores causa mortis de modo indefinido ou até que por um meio legal seja afastado do seu patrimônio. São os meios descritos no art do Código Civil: a alienação; a renúncia; o abandono; o perecimento da coisa; a desapropriação. Nos casos da alienação e da renúncia, os efeitos da perda da propriedade imóvel serão subordinados ao registro do título transmissivo ou do ato renunciativo no Registro de Imóveis. Alienação: É a forma de extinção da propriedade em que o titular transmite a outrem seu direito sobre a coisa. Pode ser a título gratuito ou oneroso. Renúncia: Ocorre quando o proprietário declara o seu intuito de abrir mão de seu direito sobre a coisa, em favor de terceira pessoa que não precisa manifestar sua aceitação. Abandono: O abandono ocorre simplesmente quando o proprietário se desfaz voluntariamente de um imóvel com o propósito de não mais tê-lo para si. O imóvel urbano que o proprietário abandonar, com a intenção de não mais o conservar em seu patrimônio, e que se não encontrar na posse de outrem, poderá ser arrecadado, como bem vago, e passar, três anos depois, à propriedade do Município ou à do Distrito Federal, se se achar nas respectivas circunscrições (CC, art ). O imóvel situado na zona rural, abandonado nas mesmas circunstâncias, poderá ser arrecadado, como bem vago, e passar, três anos depois, à propriedade da União, onde quer que ele se localize. Será presumida de modo absoluto a intenção de abandonar o imóvel, quando, cessados os atos de posse, deixar o proprietário de satisfazer os ônus fiscais. Perecimento do imóvel: A propriedade se extingue com o perecimento do imóvel. Desapropriação: É o procedimento administrativo pelo qual o Poder Público, despoja alguém de uma propriedade e toma para si, mediante uma indenização. Deve ser necessariamente motivada por um interesse público. 11

12 07.3 Aquisição e Perda da Propriedade Móvel Noções gerais Formas de aquisição: São formas de aquisição da propriedade móvel: o usucapião; a ocupação; o achado do tesouro; a tradição; a especificação; a confusão; a comistão; a adjunção; a sucessão hereditária. Modos originários de aquisição Ocupação Usucapião Modos derivados de aquisição Tesouro Especificação Confusão Comistão Adjunção Tradição Sucessão Hereditária O usucapião Usucapião de coisa móvel: Para coisas móveis o usucapião é de 5 anos, independentemente de justo título ou boa fé, ou de 3 anos, com justo título e boa fé, não importando se entre presentes ou ausentes. Na prática, porém, não é comum o usucapião de coisas móveis. Art Aquele que possuir coisa móvel como sua, contínua e incontestadamente durante três anos, com justo título e boa-fé, adquirir-lhe-á a propriedade. Art Se a posse da coisa móvel se prolongar por cinco anos, produzirá usucapião, independentemente de título ou boa-fé. Art Aplica-se à usucapião das coisas móveis o disposto nos arts e

13 A ocupação A ocupação é o assenhoramento da coisa sem dono (res nullius) ou abandonada (res derelicta). Quem se assenhorear de coisa sem dono para logo lhe adquire a propriedade, não sendo essa ocupação defesa por lei (CC, 1.263). Não se confunde a coisa sem dono ou abandonada com a coisa perdida; esta última deve ser restituída ao dono ou entregue à autoridade. O tesouro O tesouro é o depósito antigo de coisas preciosas, oculto, de cujo dono não haja memória. Achado, o tesouro deve ser dividido por igual entre o proprietário do prédio e o que achar o tesouro casualmente. O tesouro pertencerá por inteiro ao proprietário do prédio, se for achado por ele, ou em pesquisa que ordenou, ou por terceiro não autorizado. Achando-se em terreno aforado, o tesouro será dividido por igual entre o descobridor e o enfiteuta, ou será deste por inteiro quando ele mesmo seja o descobridor. A tradição Conceito: Tradição é o meio pelo qual se transfere a propriedade da coisa móvel, com a sua entrega ao adquirente, em cumprimento a um contrato. Forma: Geralmente a entrega é efetiva ou real. Mas em certos casos poderá ser simbólica ou ficta, com a entrega de algo que represente a coisa, ou até mediante uma simples declaração do transmitente. Às vezes é necessário que a tradição seja registrada, para valer contra terceiros. Assim ocorre, por exemplo, na alienação fiduciária ou na compra e venda de automóveis. Art A propriedade das coisas não se transfere pelos negócios jurídicos antes da tradição. Parágrafo único - Subentende-se a tradição quando o transmitente continua a possuir pelo constituto possessório; quando cede ao adquirente o direito à restituição da coisa, que se encontra em poder de terceiro; ou quando o adquirente já está na posse da coisa, por ocasião do negócio jurídico. O constituto possessório é uma forma de tradição ficta, operada pelo próprio contrato, em que o proprietário aliena a coisa, mas continua da posse direta desta, que passa ao nome do adquirente e a outro título. 13

14 Art Feita por quem não seja proprietário, a tradição não aliena a propriedade, exceto se a coisa, oferecida ao público, em leilão ou estabelecimento comercial, for transferida em circunstâncias tais que, ao adquirente de boa-fé, como a qualquer pessoa, o alienante se afigurar dono. 1 - Se o adquirente estiver de boa-fé e o alienante adquirir depois a propriedade, considera-se realizada a transferência desde o momento em que ocorreu a tradição. 2 - Não transfere a propriedade a tradição, quando tiver por título um negócio jurídico nulo. A especificação A especificação é a transformação de matéria pertencente a uma pessoa pelo trabalho feito por outra. Os artigos a do Código Civil tratam do assunto. Art Aquele que, trabalhando em matéria-prima em parte alheia, obtiver espécie nova, desta será proprietário, se não se puder restituir à forma anterior. Art Se toda a matéria for alheia, e não se puder reduzir à forma precedente, será do especificador de boa-fé a espécie nova. 1 - Sendo praticável a redução, ou quando impraticável, se a espécie nova se obteve de má-fé, pertencerá ao dono da matéria-prima. 2 - Em qualquer caso, inclusive o da pintura em relação à tela, da escultura, escritura e outro qualquer trabalho gráfico em relação à matéria-prima, a espécie nova será do especificador, se o seu valor exceder consideravelmente o da matéria-prima. Art Aos prejudicados, nas hipóteses dos arts e 1.270, se ressarcirá o dano que sofrerem, menos ao especificador de má-fé, no caso do 1 do artigo antecedente, quando irredutível a especificação. A confusão, a comistão e a adjunção 1) Confusão: Segundo os romanos, era a união de líquidos, quer homogêneos, como vinhos de dois proprietários, quer heterogêneos, como vinho e mel. 2) Comistão: União de gêneros secos, como cereais ou legumes. 3) Adjunção: É a união de coisas alheias, de modo a não se poder separá-las sem detrimento do todo assim formado (ex.: reparações na casa de A com madeira pertencente a B). 14

15 Art As coisas pertencentes a diversos donos, confundidas, misturadas ou adjuntadas sem o consentimento deles, continuam a pertencer-lhes, sendo possível separá-las sem deterioração. 1 - Não sendo possível a separação das coisas, ou exigindo dispêndio excessivo, subsiste indiviso o todo, cabendo a cada um dos donos quinhão proporcional ao valor da coisa com que entrou para a mistura ou agregado. 2 - Se uma das coisas puder considerar-se principal, o dono sê-lo-á do todo, indenizando os outros. Art Se a confusão, comissão ou adjunção se operou de má-fé, à outra parte caberá escolher entre adquirir a propriedade do todo, pagando o que não for seu, abatida a indenização que lhe for devida, ou renunciar ao que lhe pertencer, caso em que será indenizado. Art Se da união de matérias de natureza diversa se formar espécie nova, à confusão, comissão ou adjunção aplicam-se as normas dos arts e A Propriedade Resolúvel Noções gerais É a propriedade que, no momento de sua constituição, tem uma causa de encerramento, seja através de um termo extintivo ou de uma condição resolutória (ou revogável). Realizada essa causa extintiva (advento do termo ou implemento de uma condição, por exemplo) a propriedade é resolvida, ou seja, será extinto o direito a que ela se opõe (não terá mais eficácia). Art Resolvida a propriedade pelo implemento da condição ou pelo advento do termo, entendem-se também resolvidos os direitos reais concedidos na sua pendência, e o proprietário, em cujo favor se opera a resolução, pode reivindicar a coisa do poder de quem a possua ou detenha. Art Se a propriedade se resolver por outra causa superveniente, o possuidor, que a tiver adquirido por título anterior à sua resolução, será considerado proprietário perfeito, restando à pessoa, em cujo benefício houve a resolução, ação contra aquele cuja propriedade se resolveu para haver a própria coisa ou o seu valor. 15

16 Questões de Concursos Nas questões a seguir, assinale a alternativa que julgue correta (Magistratura/MG 2005) De acordo com o Código Civil, são formas de aquisição da propriedade móvel, exceto: ( ) a) a usucapião. ( ) b) a ocupação. ( ) c) a tradição. ( ) d) a acessão (Magistratura/SP 2007) Em relação ao usucapião e à perda da propriedade, pode-se afirmar que I. são títulos justos a embasar o usucapião ordinário a escritura por instrumento particular, a escritura pública, o compromisso de compra e venda, a cessão de direitos hereditários e a sucessão em si mesma; II. no usucapião rural, tem legitimidade para usucapir a pessoa física, nata ou naturalizada, o estrangeiro aqui residente e a pessoa jurídica aqui sediada; III. o imóvel situado na zona rural que o proprietário abandonar com a intenção de não mais conservar em seu patrimônio, e que não se encontra na posse de outrem, poderá ser arrecadado como bem vago; IV. na servidão, o princípio consistente em serem os prédios vizinhos comporta restrições. Estão corretas apenas as afirmações ( ) a) I e II. ( ) b) III e IV. ( ) c) I, II e III. ( ) d) II e III (Notário e Registrador/AM ) Assinale a alternativa que complete corretamente a proposição a seguir: Adquire a propriedade do imóvel, não onerosamente, aquele que, contínua e incontestadamente, com justo título e boa-fé, o possuir por. ( ) a) dez anos. ( ) b) quinze anos. ( ) c) vinte anos. ( ) d) dez anos entre presentes e quinze anos entre ausentes. ( ) e) quinze anos entre presentes e vinte anos entre ausentes. 16

17 04 - (Ministério Público/SP 2005) Pode-se afirmar que constituem pressupostos da usucapião, a coisa hábil ou suscetível de ser usucapida, a posse mansa e prolongada, o decurso do tempo, o justo título e boa-fé. Diante de tal enunciado, indique a alternativa correta para as seguintes hipóteses: ( ) a) o justo título e a boa-fé apenas são exigidos nos casos de usucapião ordinária, dispensados os demais requisitos. ( ) b) os primeiros três requisitos acima referidos não são absolutamente indispensáveis e exigidos em apenas algumas situações de usucapião. ( ) c) o título anulável não é obstáculo para a obtenção da usucapião, porquanto sendo eficaz e capaz de produzir efeitos, válido será enquanto não for decretada a sua anulação. ( ) d) qualquer espécie de posse mansa pode conduzir à usucapião, desde que presentes a coisa hábil ou suscetível de ser usucapida, o decurso do tempo e o justo título. ( ) e) para a consumação da usucapião extraordinária exige-se que o possuidor ostente justo título e boa-fé (Notário e Registrador/AM ) Segundo o Código Civil, a aquisição por acessão não pode se dar: ( ) a) por avulsão. ( ) b) pela formação de ilhas. ( ) c) por aluvião. ( ) d) por usucapião. ( ) e) por plantações e contruções (Notário e Registrador/RJ 2005) Aquele que, de boa-fé, trabalhando matéria prima alheia, obtém espécie nova: ( ) a) adquire a propriedade, de forma originária, através da especificação; ( ) b) não adquire a propriedade, mas apenas tem direito à indenização pelo trabalho que realizou na coisa; ( ) c) adquire a propriedade, de modo derivado, através da adjunção; ( ) d) poderá requerer o usucapião da espécie nova; ( ) e) não tem qualquer direito sobre a coisa (Delegado/GO 2003) A propósito do direito de propriedade, marque a alternativa correta: ( ) a) O direito de propriedade abrange o solo e os cursos d água particulares, mas não as jazidas e demais recursos minerais. ( ) b) O direito de propriedade abrange o solo, o espaço aéreo e o subsolo. ( ) c) O direito de propriedade abrange o solo, e não só os cursos d água particulares, jazidas e outros recursos minerais. ( ) d) O direito de propriedade abrange o solo, os cursos d água particulares, o espaço aéreo e o subsolo em altura e profundidade úteis ao seu exercício. 17

18 08 - (Delegado/MG 2011) A Lei , de 16 de junho de 2011, inseriu no Código Civil, em seu artigo A e seu parágrafo 1, uma nova modalidade de usucapião em nosso ordenamento jurídico, o usucapião familiar. Sobre esta modalidade de usucapião, é incorreto afirmar que ( ) a) permite que um dos ex-cônjuges ou até mesmo ex-companheiros, oponha contra o outro o direito de usucapir a parte que não lhe pertence, possibilitando neste caso o usucapião entre condôminos. ( ) b) tem como requisito o exercícios de posse direta por 2 anos ininterruptos, sem oposição e com exclusividade, sobre imóvel urbano de até 250m² ou rural de até 50 hectares. ( ) c) a parte que propõe a ação de usucapião não pode ser proprietária de outro imóvel urbano ou rural, sendo que o direito de usucapir nesta modalidade não será reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez. ( ) d) tem como requisito o abandono do lar por um dos co-proprietários (Delegado/PI 2009) Quanto à aquisição da propriedade móvel, é correto afirmar que: ( ) a) quem quer que ache coisa alheia perdida, adquire-lhe a propriedade, caso transcorram 60 dias da publicação na imprensa; ( ) b) não será admitida a usucapião de bens móveis quando a posse não for de boa-fé; ( ) c) aquele que, trabalhando em matéria prima totalmente alheia, obtiver espécie nova, a perderá para o dono do material utilizado, ainda que haja boa-fé; ( ) d) a propriedade das coisas não se transfere pelos negócios jurídicos antes da tradição; ( ) e) não é admitido, na lei civil, o assenhoramento de coisa sem dono (Delegado/SP 2003) A propriedade ( ) a) móvel será adquirida pelo assenhoramento de coisa sem dono, desde que essa ocupação não seja proibida por lei. ( ) b) trata-se de direito constitucional individual, não podendo o seu exercício ser de forma alguma limitado. ( ) c) de área urbana, até duzentos e cinquenta metros quadrados, será adquirida por aquele que a possuir por cinco anos ininterruptos, independentemente de qualquer outra condição. ( ) d) do solo abrange a do espaço aéreo e do subsolo, incluindo as suas jazidas, minas e demais recursos minerais (Procurador/Município de Belo Horizonte 2008) São formas de aquisição ou perda da propriedade, exceto ( ) a) avulsão. ( ) b) compra e venda. ( ) c) desapropriação. ( ) d) perecimento da coisa. 18

19 12 - São formas de aquisição da propriedade imóvel, exceto: ( ) a) a usucapião. ( ) b) a adjunção. ( ) c) o registro do título. ( ) d) a formação de ilhas Em relação ao usucapião, é verdadeira a afirmação: ( ) a) Para a aquisição da propriedade por usucapião ordinário são necessários lapso de tempo, justo título e boa-fé. ( ) b) o Código Civil reconhece apenas duas espécies de usucapião: o ordinário e o extraordinário. ( ) c) o tamanho da área do imóvel para a aquisição pelo usucapião ordinário não pode ultrapassar o limite de 250 metros quadrados. ( ) d) o prazo para a aquisição da propriedade pelo usucapião extraordinário é de vinte anos Constituem justo título, para efeito de usucapião ordinário, exceto a: ( ) a) escritura pública ou particular de compra e venda. ( ) b) sentença no juízo divisório. ( ) c) sucessão aberta. ( ) d) escritura particular de doação, sem assinatura do transmitente A propriedade cujos direitos elementares se acham reunidos no do proprietário chama-se ( ) a) resolúvel. ( ) b) plena. ( ) c) limitada. ( ) d) imóvel, se está a natureza do bem. ( ) e) móvel, se está a natureza do bem A aquisição da propriedade imobiliária pela avulsão dá-se ( ) a) com o acréscimo paulatino de terras, às margens de um rio, por meio de lentos e imperceptíveis depósitos ou aterros naturais ou de desvio de águas. ( ) b) pela formação de ilhas em rios não navegáveis em virtude de movimentos sísmicos. ( ) c) pelo repentino deslocamento de uma porção de terra por força natural violenta, despreendendo-se de um terreno para juntar-se a outro. ( ) d) pelo rebaixamento de águas, deixando a descoberto e a seco uma parte do fundo ou do leito do rio Pode ocorrer pela formação de ilhas, por aluvião, por avulsão ou por abandono de álveo: ( ) a) a acessão artificial; ( ) b) a propriedade resolúvel; ( ) c) a aquisição por registro de título; ( ) d) a acessão natural. 19

20 18 - Tício esbulhou um imóvel urbano de 1.000m² de propriedade de Semprônio, ficando na posse por 08(oito) anos, quando foi esbulhado por Caio, que permaneceu no imóvel por 1(um) ano. Sabendo que Caio não estabeleceu no imóvel esbulhado sua moradia habitual e nem, tampouco, realizou qualquer tipo de obra ou serviço, diga, dentre as opções abaixo, qual representa o lapso temporal ainda necessário para que Caio venha a usucapir o imóvel: ( ) a) 1 (um) ano ( ) b) 6 (Seis) anos ( ) c) 14 (Quatorze) anos ( ) d) Caio nunca irá usucapir o imóvel 19 - Assinale a alternativa incorreta em relação ao direito de propriedade, previsto nos arts e seguintes do Código Civil brasileiro: ( ) a) O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha. ( ) b) A propriedade do solo abrange as jazidas, minas e demais recursos minerais, os potenciais de energia hidráulica, os monumentos arqueológicos e outros bens referidos por leis especiais, sem restrição. ( ) c) O proprietário pode ser privado da coisa, nos casos de desapropriação, por necessidade ou utilidade pública ou interesse social. ( ) d) Os frutos e mais produtos da coisa pertencem, ainda quando separados, ao seu proprietário, salvo se, por preceito jurídico especial, couberem a outrem. ( ) e) O proprietário pode ser privado da coisa, por requisição, em caso de perigo público iminente Há propriedade resolúvel: ( ) a) Na superfície e na anticrese. ( ) b) Na retrovenda e na alienação fiduciária em garantia. ( ) c) Na venda a contento sob condição suspensiva e no fideicomisso. ( ) d) Na venda a contento sob condição resolutiva e no usufruto ( ) e) Nenhuma das alternativas é correta Quanto ao usucapião, assinale a opção correta. ( ) a) Caso uma pessoa exerça com ânimo de dono a posse mansa, pacífica e ininterrupta do imóvel há 11 anos, adquirirá a sua propriedade por meio da usucapião extraordinária. ( ) b) Usucapião é modo originário de aquisição da propriedade e ocorre quando uma pessoa mantém a posse mansa e pacífica, por determinado espaço de tempo, de um bem, gerando, assim, a chamada prescrição aquisitiva, que lhe permite buscar, por meio de uma ação judicial, a declaração de seu domínio sobre aquele bem. ( ) c) O usucapião especial de imóvel localizado em área urbana possui como um dos requisitos o justo título, assim considerado o documento hábil à aquisição do domínio e a boa-fé, isto é, o desconhecimento do vício que lhe impede a aquisição do bem. ( ) d) No usucapião rural, o possuidor deve ser pessoa física ou jurídica que houver estabelecido no imóvel sua moradia habitual, ou nele realizado obras ou serviços de caráter produtivo, ou seja, que retire da terra a sua subsistência ou que torne a terra produtiva com atividade agrícola, extrativa ou agroindustrial. 20

CÓDIGO CIVIL - LEI Nº

CÓDIGO CIVIL - LEI Nº CÓDIGO CIVIL - LEI Nº 10.406/2002 - Art. 1.229 151 conjunto ou separadamente, obras e serviços considerados pelo juiz de interesse social e econômico relevante. 5º - No caso do parágrafo antecedente, o

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel.

OBJETIVO. Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel. PROPRIEDADE OBJETIVO Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel. n Introdução As formas de aquisição e perda da propriedade móvel estão tratadas nos capítulos III e IV do livro do direito

Leia mais

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas.

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas. OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Civil Prof. Brunno Giancolli Data: 19/10/2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA Direito Reais Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Formas de aquisição da propriedade imóvel Alexandre Ferreira Classificação: Adquire-se a propriedade de forma originária e derivada: Originária Quando desvinculada de qualquer relação

Leia mais

1. DIREITOS DAS COISAS - INTRODUÇÃO.

1. DIREITOS DAS COISAS - INTRODUÇÃO. 1. DIREITOS DAS COISAS - INTRODUÇÃO. Relação direta das pessoas com os bens, ou seja, conjunto de normas e institutos jurídicos que norteiam a superação de conflitos de interesses, relacionados, em ultima

Leia mais

Art. 1.196. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não, de algum dos poderes inerentes à propriedade.

Art. 1.196. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não, de algum dos poderes inerentes à propriedade. Código Civil Parte Especial - Arts. 1196 a 1296 LIVRO III Do Direito das Coisas TÍTULO I Da posse CAPÍTULO I Da Posse e sua Classificação Art. 1.196. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 3 Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela qual

Leia mais

Aula 04 Direitos Reais

Aula 04 Direitos Reais Propriedade: A propriedade consiste no direito real que confere ao seu titular a maior amplitude de poderes sobre a coisa. De acordo com os termos do artigo 1.228. do Código Civil, o proprietário tem a

Leia mais

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO DO CONCEITO DE USUCAPIÃO Conceito: Usucapião é modo de aquisição da propriedade (ou outro direito real), que se dá pela posse continuada, durante lapso temporal, atendidos os requisitos de lei. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

- Direito do promitente. - Concessão de uso especial para fins de moradia - Concessão de direito real de uso

- Direito do promitente. - Concessão de uso especial para fins de moradia - Concessão de direito real de uso Direitos Reais Rol taxativo previsto no artigo 1225 Direitos reais de gozo ou fruição - Propriedade - - - - - - - - - - - - único sobre coisa PRÓPRIA - Superfície - Servidões - Usufruto - Uso - Habitação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL V Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS

1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS Conceitos iniciais 1.1 Conceito de direito das coisas. A questão terminológica 1.2 Conceito de direitos reais. Teorias justificadoras e caracteres. Análise preliminar

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

Direito de Propriedade

Direito de Propriedade Direitos Reais Direito de Propriedade 75 LUIZ FERNANDO DE ANDRADE PINTO 1 O direito de propriedade possui uma noção jurídica complexa e dinâmica, que flutua no tempo de acordo com as realizações políticas,

Leia mais

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Usucapião Usucapião de Imóveis Usucapião de Móveis M Usucapião de outros direitos reais Processo Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Departamento de Direito Civil Professor Doutor Antonio

Leia mais

1.Considerações sobre o tema.

1.Considerações sobre o tema. Propriedade 1.Considerações sobre o tema. A propriedade é o direito real de maior conteúdo e o mais amplo. Todos os outros têm abrangência mais restrita. Consiste em um direito acerca do qual seu titular

Leia mais

a palavra é feminina porque vem do latim usus + capere, ou seja, é a captação/tomada/aquisição pelo uso.

a palavra é feminina porque vem do latim usus + capere, ou seja, é a captação/tomada/aquisição pelo uso. 1 a palavra é feminina porque vem do latim usus + capere, ou seja, é a captação/tomada/aquisição pelo uso. é modo de aquisição da propriedade pela posse prolongada sob determinadas condições. OUTRO CONCEITO:

Leia mais

DIREITO IMOBILIÁRIO. Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário:

DIREITO IMOBILIÁRIO. Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário: Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário: Nas palavras de Hércules Aghiarian 1 o direito imobiliário é o direito da coisa em movimento. 1.1. Direito das Coisas ou Direitos Reais: Direito da Coisa

Leia mais

Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato.

Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato. DIREITOS REAIS Posse = corpus = conduta de dono (art.1196 C.C. Teoria Objetiva de Ihering) Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato. Excepcionalmente um proprietário

Leia mais

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade CURSO EXTENSIVO FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 Disciplina DIREITO CIVIL Aula 07 EMENTA DA AULA 1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade GUIA

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA 61 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA PALESTRA TEMA: O DIREITO DAS COISAS NO NOVO CÓDIGO CIVIL Palestrante: Noé de Medeiros São Paulo, abril de 2003. Obs.: o texto desta

Leia mais

Atenção: Material em fase de criação e desenvolvimento, aguarde versão final. 2. Do Direito Real de Propriedade. Direito das Coisas

Atenção: Material em fase de criação e desenvolvimento, aguarde versão final. 2. Do Direito Real de Propriedade. Direito das Coisas Atenção: Material em fase de criação e desenvolvimento, aguarde versão final. 2. Do Direito Real de Propriedade Direito das Coisas Dos princípios constitucionais Dignidade da Pessoa Humana O princípio

Leia mais

CAPÍTULO II Da Aquisição da Propriedade Imóvel. Seção I Da Usucapião

CAPÍTULO II Da Aquisição da Propriedade Imóvel. Seção I Da Usucapião Art. 1.229. A propriedade do solo abrange a do espaço aéreo e subsolo correspondentes, em altura e profundidade úteis ao seu exercício, não podendo o proprietário opor-se a atividades que sejam realizadas,

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 PARTE GERAL DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º............. sem correspondência LIVRO I DAS PESSOAS TÍTULO I DA DIVISÃO DAS PESSOAS DAS PESSOAS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba) Altera a Lei n o 6.015, de 31 de dezembro de 1973, a fim de prever o registro de legitimação de posse e de ocupação urbanas no Registro de Títulos e

Leia mais

DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL MINAS GERAIS. PROVA OBEJTIVA COMENTADA (Data: 27/11/2011) DIREITO CIVIL PROF. BRUNO ZAMPIER

DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL MINAS GERAIS. PROVA OBEJTIVA COMENTADA (Data: 27/11/2011) DIREITO CIVIL PROF. BRUNO ZAMPIER DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL MINAS GERAIS PROVA OBEJTIVA COMENTADA (Data: 27/11/2011) DIREITO CIVIL PROF. BRUNO ZAMPIER 01. Considerando-se às obrigações de dar coisa certa, é INCORRETO afirmar que a) se

Leia mais

GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila

GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila 01) Assertiva falsa de acordo com o 2º do art. 1420 do CC: Art. 1.420. Só aquele que pode alienar poderá empenhar, hipotecar ou dar em anticrese; só os bens

Leia mais

Usucapião e suas Modalidades

Usucapião e suas Modalidades Direitos Reais Usucapião e suas Modalidades 51 DÉBORA MARIA BARBOSA SARMENTO 1 CONCEITO Conceitua-se usucapião como modo de aquisição da propriedade de bens móveis ou imóveis pelo exercício da posse, nos

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS 1 Rosivaldo Russo

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS 1 Rosivaldo Russo DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS 1 Rosivaldo Russo DIREITO DAS COISAS 1196 a 1510 CLASSIFICAÇÃO DOS DIREITOS a) Pessoais: Relações entre pessoas, abrangendo o sujeito ativo, o passivo e a prestação que

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

AULA 9 POSSE E PROPRIEDADE

AULA 9 POSSE E PROPRIEDADE AULA 9 POSSE E PROPRIEDADE O direito das coisas é o complexo das normas reguladoras das relações jurídicas concernentes aos bens corpóreos suscetíveis de apropriação pelo homem. O Código Civil divide a

Leia mais

12.6.9 Servidão administrativa, requisição e ocupação provisória, 275

12.6.9 Servidão administrativa, requisição e ocupação provisória, 275 1 O universo dos direitos reais, 1 1.1 Relação das pessoas com as coisas, 1 1.2 Direitos reais e direitos pessoais, 4 1.3 Divagações doutrinárias acerca da natureza dos direitos reais, 11 1.4 Situações

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

Direitos Reais De Garantia - introdução

Direitos Reais De Garantia - introdução Direitos Reais De Garantia - introdução Desde a Lei das XII Tábuas, o devedor respondia por suas dívidas com o próprio corpo ao credor (submetendo-se à escravidão, etc.) Com a evolução do direito, e, na

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE USUCAPIÃO

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE USUCAPIÃO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE USUCAPIÃO Esp. Andrea M. L. Pasold O (ou A, como preferem muitos doutrinadores a também o novo código civil) usucapião é também chamado de prescrição aquisitiva, por ser um direito

Leia mais

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis.

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 23 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (IV) Direitos Reais

Leia mais

Tanto bens móveis como imóveis podem ser usucapidos. Como nossa disciplina é direito imobiliário, dos imóveis é que estudaremos este instituto.

Tanto bens móveis como imóveis podem ser usucapidos. Como nossa disciplina é direito imobiliário, dos imóveis é que estudaremos este instituto. 1) Para o prof. Daniel Áureo: a usucapião é conceituada como modo de aquisição da propriedade pela posse continuada durante certo lapso de tempo somada aos requisitos estabelecidos em lei. É também chamada

Leia mais

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade Usucapião É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada Tem como fundamento a função social da propriedade!1 Requisitos da posse ad usucapionem Posse com intenção de dono (animus

Leia mais

Teoria Geral das Coisas

Teoria Geral das Coisas 1 Teoria Geral das Coisas Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora e Professora do

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais

ITBI ITBI ITBI ITBI. Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º

ITBI ITBI ITBI ITBI. Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º ITBI Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º DECRETO Nº 27.576, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. RITBI ITBI O Código Tributário Nacional - CTN (Lei 5.172, de 25.10.1966), rege o Imposto sobre a Transmissão

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES

9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES 9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES Autor(es) FABRICIA DE FREITAS AMÉRICO DE ARAUJO Orientador(es) VICTOR HUGO VELÁZQUES TEJERINA 1. Introdução Visto que

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial

Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial 1. O menor com dezesseis anos, titular de estabelecimento empresarial mantido com economia própria, (A) poderá ser empresário se for emancipado. (B) poderá

Leia mais

DIREITO IMOBILIÁRIO. Aula 4. Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária.

DIREITO IMOBILIÁRIO. Aula 4. Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária. Material Teórico DIREITO IMOBILIÁRIO Aula 4 Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária. Conteudista Responsável: Profª Marlene Lessa cod

Leia mais

Assim como ocorre com a posse, a. meio originário ou por um meio derivado.

Assim como ocorre com a posse, a. meio originário ou por um meio derivado. Meios de Aquisição da Propriedade: Assim como ocorre com a posse, a propriedade pode ser adquirida por um meio originário ou por um meio derivado. Meios de Aquisição da Propriedade: - Originário: a aquisição

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

Usucapião de Bens Imóveis

Usucapião de Bens Imóveis 9 Usucapião de Bens Imóveis Fabio Monteiro Pinheiro 1 Guilherme Luiz M. R. Gonçalves 2 Resumo Diante da realidade a cerca da regularização imobiliária no Brasil, que possui inúmeras propriedades que não

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 496, DE 19 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre o limite de endividamento de Municípios em operações de crédito destinadas

Leia mais

CONTRATOS (COMPRA E VENDA)

CONTRATOS (COMPRA E VENDA) CONTRATOS (COMPRA E VENDA) Professor Dicler COMPRA E VENDA Contrato de compra e venda é aquele pelo qual um dos contratantes t t se obriga bi a transferir o domínio de certa coisa, e, o outro, a pagar-lhe

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO 3ᴼ Ano Turmas A e B Prof. Ms: Vânia Cristina Teixeira CORREÇÃO PROVA 3ᴼ BIM Examine as proposições abaixo, concernentes à desapropriação, e assinale a alternativa correta: I. Sujeito

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das Coisas; Introdução; Conceito e Distinção entre Direitos Reais e Pessoais; Conteúdo; Regime Constitucional dos Direitos

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 Amélia Rodrigues Machado ameliamachadoraa@itelefonica.com.br FAC São Roque - NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar INTROUÇÃO São direitos reais aqueles que recaem

Leia mais

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP..., associação sem fins lucrativos, regularmente registrada no 4º Cartório de Registro de Títulos e Documentos,

Leia mais

O ITBI e a Transmissão de Posse

O ITBI e a Transmissão de Posse O ITBI e a Transmissão de Posse Introdução Compete aos Municípios instituir imposto sobre a transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física,

Leia mais

Prof. Cristiano Colombo DIREITOS REAIS. 1. Da Conceituação

Prof. Cristiano Colombo DIREITOS REAIS. 1. Da Conceituação DIREITOS REAIS 1. Da Conceituação Na conceituação do célebre Clóvis Beviláqua: é o complexo das normas reguladoras das relações jurídicas referentes às coisas suscetíveis de apropriação pelo homem.. 2.

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Distribuição da Carga Horária. Ementa

Plano de Ensino. Identificação. Distribuição da Carga Horária. Ementa Plano de Ensino Identificação Curso: DIREITO Disciplina:DIREITO CIVIL V - DIREITO DAS COISAS 2012/1º semestre: Carga horária: Total: 80h Semanal:04h Professor: Thiago Felipe Vargas Simões Período/8º turno

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO DA LEGISLAÇÃO

A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO DA LEGISLAÇÃO 87 A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO A Lei 12.424, de 16 de junho de 2011, ao introduzir o art. 1240-A no Código Civil, instituiu uma nova modalidade de usucapião no direito

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

Graficamente temos o seguinte:

Graficamente temos o seguinte: DIREITOS REAIS DE GARANTIA 2- HIPOTECA - é um direito real de garantia que tem por objeto bens imóveis ou que a lei entende como hipotecáveis, pertencentes ao devedor ou a terceiro, e que, embora não entregues

Leia mais

Cessação da. turbação da posse.

Cessação da. turbação da posse. d) Ação Negatória: É aquela movida pelo proprietário que sofrer atos de turbação da posse. Visa, portanto, a cessação da turbação da posse. Portanto, é o mesmo pedido da ação de manutenção de posse, o

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS. 1. Aquisição de Direitos

CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS. 1. Aquisição de Direitos CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS Disciplina: DIREITO CIVIL FATOS JURÍDICOS - 3º SEMESTRE Profª: ANA CLÁUDIA A. MOREIRA BITTAR DE DIREITOS AQUISIÇÃO,

Leia mais

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade.

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade. Código Civil Parte Especial - Arts. 233 a 303 PARTE ESPECIAL LIVRO I DO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES TÍTULO I DAS MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES CAPÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES DE DAR Seção I Das Obrigações de Dar Coisa

Leia mais

DOS BENS. BENS CORPÓREOS = Aquele que tem existência: física, material.

DOS BENS. BENS CORPÓREOS = Aquele que tem existência: física, material. DOS BENS CONCEITO: Bens são coisas materiais ou concretos, úteis aos homens e de expressão econômica, suscetível de apropriação. COISA É O GÊNERO DO QUAL O BEM É ESPÉCIE. A classificação dos bens é feita

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Compra e Venda Art. 481 a 532 Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Conceito Artigo 481 Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

&RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH

&RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH &RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH GRQRXYHDX&yGLJR&LYLO Resumo: A posse é requisito fundamental, embora não o único para o usucapião. Sendo mesmo o usucapião um dos principais efeitos da posse, além de

Leia mais

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares TÍTULO V Dos Contratos em Geral CAPÍTULO I Disposições Gerais Seção I Preliminares Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Art. 422. Os contratantes

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009 Aula 3: Validades dos Atos, Vícios, Erro, Dolo, Coação, Estado de Perigo, Lesão, Fraude contra credores, Simulação, Efeitos dos Negócios Jurídicos, Condição, Termo, Encargo, Prescrição e Decadência. Validade

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

Curso de Direito Imobiliário

Curso de Direito Imobiliário Curso de Direito Imobiliário Módulo 1 Parte Geral 2016 Prof. Dr. Ivanildo Figueiredo Mestre e Doutor em Direito Privado (UFPE) Especialista em Direito Registral Imobiliário (PUC-MG) Professor da Faculdade

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS

IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS Nesta edição, a Asscontas traz esclarecimentos acerca do cálculo e da incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital auferido

Leia mais

USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS. 1. Apresentação. 2. Introdução

USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS. 1. Apresentação. 2. Introdução USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS SILVA, Alexssandro Crivelli (Acadêmico, Finan) MARTINS, Eduardo (Docente, Finan) 1. Apresentação O presente artigo é fruto de uma pesquisa desenvolvida

Leia mais

Atos, fatos e negócios jurídicos

Atos, fatos e negócios jurídicos Conceito Ahyrton Lourenço Neto* As pessoas (naturais ou jurídicas), ao desenvolverem suas atividades na sociedade, podem com estas gerar consequências jurídicas. Essas atitudes juridicamente relevantes

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

ii. Fase da Proposta/Oferta:

ii. Fase da Proposta/Oferta: Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 3 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Marcelo Coimbra 1) Teoria Geral dos Contratos: a. Natureza Jurídica do Contrato (Aula

Leia mais

Direitos Reais de Garantia Material de Aula 2014

Direitos Reais de Garantia Material de Aula 2014 Para adentrar o assunto de Direitos Reais de Garantia, inicialmente vejamos as palavras do professor Rafael de Menezes: Vamos começar hoje a terceira e última parte do estudo dos direitos reais limitados.

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

NOVO CÓDIGO CIVIL LEI NO 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002

NOVO CÓDIGO CIVIL LEI NO 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 NOVO CÓDIGO CIVIL LEI NO 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 Augusto Polese Paulo Hajime Arimori Priscila Negrão Taís Jeane Ortolan CADASTRO TERRITORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ENGENHARIA CARTOGRÁFICA

Leia mais

ABORDAGEM ACERCA DA CONCESSÃO ESPECIAL DO DIREITO REAL DE USO E DE HABITAÇÃOAO À LUZ DO CÓDIGO CIVIL

ABORDAGEM ACERCA DA CONCESSÃO ESPECIAL DO DIREITO REAL DE USO E DE HABITAÇÃOAO À LUZ DO CÓDIGO CIVIL ABORDAGEM ACERCA DA CONCESSÃO ESPECIAL DO DIREITO REAL DE USO E DE HABITAÇÃOAO À LUZ DO CÓDIGO CIVIL Maria Ligia Coelho Mathias Maria Helena Marques Braceiro Daneluzzi ** RESUMO Abordagem acerca da concessão

Leia mais

Índice Sistemático do Código Civil

Índice Sistemático do Código Civil 9 Índice Sistemático do Código Civil P A R T E G E R A L LIVRO I DAS PESSOAS Das Pessoas Naturais CAPÍTULO I - Da Personalidade e da Capacidade (arts. 1º ao 10) CAPÍTULO II - Dos Direitos da Personalidade

Leia mais

Prof. Gustavo Eidt. www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br

Prof. Gustavo Eidt. www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br Prof. Gustavo Eidt www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br DOS BENS Conceito: bens são as coisas materiais ou imateriais, úteis aos homens e de expressão econômica, suscetíveis de apropriação.

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

Legislação Instrumental. Aula 1. Legislação Aplicada à Logística. Legislação Aplicada à Logística Aula 1. Contextualização. Prof.

Legislação Instrumental. Aula 1. Legislação Aplicada à Logística. Legislação Aplicada à Logística Aula 1. Contextualização. Prof. Legislação Instrumental Aula 1 Prof. Guilherme Amintas Legislação Aplicada à Logística Tópicos desta disciplina por aula Aula 1 noções de Direito Aula 2 Direito Constitucional Aula 3 Direito Empresarial

Leia mais

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 7. Aceitação e Renúncia da Herança (arts. 1.804 a 1.813,

Leia mais

DIREITO CIVIL PROPRIEDADE Rosivaldo Russo

DIREITO CIVIL PROPRIEDADE Rosivaldo Russo DIREITO CIVIL PROPRIEDADE Rosivaldo Russo DIREITO DE VIZINHANCA: - NADA MAIS É QUE UM LIMITADOR DE PROPRIEDADE - SÃO DIREITOS CONCEDIDOS PELA LEI OU POR CONTRATO, APLICAVEIS AQUELES QUE VIVEM COMO VIZINHOS

Leia mais