SER VEREADOR DO PT. 1- O modo petista de ser vereador(a)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SER VEREADOR DO PT. 1- O modo petista de ser vereador(a)"

Transcrição

1 1 1- O modo petista de ser vereador(a) SER VEREADOR DO PT Não importa seja uma cidade grande, média ou pequena, em qualquer estado do País, nossos vereadores defendem o mesmo projeto nacional, estratégico e conjuntural. Todos defendem o socialismo, a redistribuição da renda, a reforma agrária, os investimentos prioritários nas políticas sociais, a democracia para todos em todas as dimensões, a participação popular, o combate à violência, a recusa ao neolìberalismo. Todos se pautam pelo exercício de um mandato com moralidade e transparência, combatendo a corrupção. De outro lado, nossos vereadores e vereadoras são aliados dos movimentos populares e sindicais. A maior parte deles participa ativamente de organizações deste tipo. E, mesmo aqueles que não são militantes destes movimentos, defendem a sua importância decisiva para superar os grandes males atuais que atingem o nosso povo. Alguns chamam isto de modo petista de legislar, imitando a expressão modo petista de governar, usada para nossas prefeituras. Os debates ao longo da vida do PT consagraram a idéia do chamado tripé na atividade do vereador. A ação parlamentar deve-se dar em três frentes: nas tarefas próprias do poder legislativo (papel principal e insubstituível do vereador); nas ações, discussões e organização do partido (papel do vereador enquanto militante partidário); nos movimentos sociais (papel do vereador enquanto militante da luta social). Evidentemente, é muito trabalhoso cumprir todas estas funções. Por isso termina havendo temporadas em que predomina para o vereador a luta institucional, outras em que a luta social adquire mais força, outras em que a construção partidária absorve mais energias. No caso de 1989/90, quando da elaboração da Lei Orgânica Municipal, a atuação institucional ocupou muito os nossos vereadores. Acontece assim também quando ocorre a discussão do orçamento municipal ou de algum outro projeto de peso, quando há alguma comissão especial de inquérito ou uma crise nas instituições. Não se trata só de estar na Câmara Municipal. Trata-se também do tempo e dos esforços para preparar uma intervenção institucional competente. De outro lado, a existência de mobilizações populares ou sindicais exige bastante a presença de nossos vereadores na luta social. Da mesma forma, os meses de campanha eleitoral, ou os momentos de importantes definições partidárias, consomem o principal das energias diretamente para o partido. 2. A luta social e a luta institucional No início da década de 80, a eleição de vereadores petistas foi uma grande novidade. Levou as reivindicações coletivas para dentro das câmaras, acostumadas ao clientelismo, que trata as pessoas em particular e não com o movimento social. Os vereadores do PT, e uma pequena parte de parlamentares de outros partidos, expressavam na frente institucional a irrupção dos movimentos populares e sindicais, ocorrida desde a segunda parte da década de 70. A presença dos movimentos de massa exigia a formulação de alternativas para os problemas de transportes, saúde, educação, moradia, abastecimento e outros. Foram feitos para isso, ao longo dos anos, muitos seminários dedicados a formular políticas públicas, além dos debates sobre programa de governo. O salto mais marcante neste sentido deu-se a partir de 1988, com a conquista de muitas e importantes prefeituras, com a perspectiva de ganhar o governo federal em 89 e com as tarefas constituintes, que, depois de realizadas pelos deputados, foram cumpridas pelos vereadores na elaboração da Lei Orgânica de cada município. Nossos parlamentares - que já se destacavam nos papéis de porta-vozes do partido, de defensores dos movimentos sociais, de peças importantes na organização deles, de fiscais dos poderes públicos municipais - passaram também a se destacar na apresentação de respostas às reivindicações populares e às necessidades de mudanças dentro das instituições públicas. A regra vigente, que confere o poder principal ao Executivo, é um fator que enfraquece o peso da atividade institucional do vereador. E, mesmo quando temos a Prefeitura em nossas mãos, as limitações de toda ordem são muito grandes para cumprir os objetivos do PT e as expectativas da população. Junto vieram dúvidas e angústias, como aquela de estarmos nos afastando da luta social em troca da ação na institucionalidade. Há um esforço de superar o problema, com os movimentos populares e sindicais, através de conselhos, participando mais da elaboração das propostas institucionais (agindo com mais razão e menos emoção), e os vereadores vivendo mais de perto as reivindicações populares (injetar emoção nas nossas razões). Nossas propostas dependem, para se viabilizar, da força dos movimentos e idéias da sociedade, e a militância do partido deve estar presente nas duas frentes: na frente social e na frente institucional. Na luta institucional, a meta principal é consolidar a presença popular como sujeito principal das transformações. Isto significa ajudar na organização do povo e dar qualidade à sua organização. Significa transformar as nossas principais idéias sobre a cidade e a sociedade em idéias assumidas pela população. Quando uma Prefeitura nossa desenvolve o orçamento participativo, ela está promovendo a intervenção popular nas instituições e capacitando o povo para esta intervenção. Neste momento, estamos cumprindo o nosso papel de educador político. É um processo no qual nós também aprendemos. 0 projeto democrático-popular do PT para o govemo quer radicalizar a democracia e colocar as instituições a

2 serviço da maioria da população. A atuação do vereador petista deve refletir este projeto, juntando a ação nas instituições públicas (democratizando-as, buscando redirecioná-las) com a pressão popular (organizando, mobilizando o povo e ajudando-o a formular suas propostas) Vereador e Partido Outra questão importante é o peso que deve ter a delegação partidária e a delegação que os eleitores atribuem ao vereador. Haverá sempre uma contradição a ser administrada nesta relação entre as duas representações. 0 vereador representa principalmente o partido. Ele é eleito sobretudo pelo conteúdo político e pela força social da legenda. Representa também uma base social, que vai além da base partidária (uma parte do povo, uma parte da cidade, uma categoria profissional, o resultado de uma história de vida e de luta na comunidade). 0 partido lhe transmite força e, ao mesmo tempo, ele também reforça o partido. Por isso, haverá momentos em que o vereador será porta-voz do partido. Em outros momentos, expressará opiniões do setor da sociedade que representa. Em outros, falará por si mesmo. Afinal, foi assim que construiu sua liderança. Os nossos estatutos preconizam a subordinação direta do parlamentar na ação política aos organismos de direção partidária e aos organismos de base, que deveriam todos, pelas normas estatutárias, discutir e aprovar previamente programas, planos de ação, projetos, propostas e ações importantes dos vereadores. Os estatutos, na verdade, representam um reflexo dos anos iniciais do partido. Com a consolidação da atuação de nossos parlamentares, o partido deixou às bancadas a maior parte das decisões. Os vereadores gozam de grande liberdade de orientar sua atuação dentro das linhas gerais definidas pelo PT, interpretando e aplicando a cada caso concreto a política do partido. A instância partidária que de perto discute a atuação e orienta o vereador é a bancada de vereadores. A Executiva do partido tem sido o organismo dirigente mais próximo que tem compartilhado decisões importantes com os parlamentares. A mais recente resolução do Diretório Nacional sobre o assunto, em janeiro de 2000, encontra-se na Carta de Compromisso Eleitoral, que reafirma a subordinação da bancada parlamentar ao diretório respectivo, e estabelece que: Periodicamente - no mínimo, semestralmente os diretórios promoverão reunião com a bancada do nível correspondente, para balanço, prestação de contas, apresentação de propostas comuns e indicação de diretrizes. Os planos procurarão indicar os projetos polêmicos ou de grande relevância que devem passar por ampla discussão interna no partido antes de serem apresentados pelos parlamentares. No conflito entre as duas fidelidades (ao partido ou à base social), a teoria e a prática do PT é clara. Deve predominar a fidelidade partidária. As obrigações do vereador com o partido têm entre seus símbolos importantes a contribuição financeira e, onde há vários assessores, a destinação ao partido de parte das assessorias. Estas obrigações, além de muito úteis à construção partidária, simbolizam o caráter coletivo e partidário do mandato. Por isso, o partido tem sido muito rigoroso na exigência delas. E a prática vem demonstrando: parlamentar que deixa de contribuir financeiramente com o PT está se afastando politicamente dele. A liderança social e partidária conquistada pelo vereador tem como contrapartida um maior controle da sociedade e do partido sobre ele. Os dirigentes partidários, as personalidades do partido e os detentores de mandatos eletivos, por serem a face mais evidente do PT, são sujeitos a um maior controle e a uma maior disciplina do que os outros filiados. 4. Estar na oposição Na maior parte das cidades brasileiras a nossa experiência só nos ensinou a ser oposição. Não há outro caminho onde o poder persiste nas mãos das elites, que se tornaram donos das prefeituras e controlam as câmaras com folgada maioria. Sempre tivemos vontade de encontrar aliados nos outros partidos, pessoas que comunguem conosco alguns princípios essenciais, em especial a prioridade para os interesses da maioria da população e a honestidade. Após nossa consolidação como partido, desenvolvemos um grande esforço de alianças, principalmente a partir das eleições presidenciais de 89. Persistimos renovando os esforços na busca de aliados confiáveis, que respeitem princípios e programas bem definidos. Não é tarefa fácil. Nem podemos ser traídos pela ingenuidade. É muito comum haver grupos em posição de inferioridade nas elites, que, na pretensão de conquistar cargos com nossa ajuda, abrem dissidência, para depois repetir o que fazem os tradicionais donos do poder. Na história recente das câmaras municipais, os parlamentares petistas foram os que mais simbolizaram, na prática, o esforço para cumprir as duas tarefas que a teoria e a lei assinalam para o parlamento: legislar e fiscalizar. Ele é chamado de Poder Legislativo por uma figura de linguagem (a sinédoque) que, entre outras características, denomina o todo por uma de suas partes. Enquanto vereadores de oposição, temos nos destacado bastante nas atividades de fiscalização. A boa fiscalização é uma atividade que exige muito empenho e técnica, pois, neste país, onde os ricos são impunes, é mais fácil ser honesto do que investigar, descobrir e impedir a corrupção. Para obter informações e provas há uma dificuldade adicional: a barreira criada nas câmaras pelas maiorias

3 governistas. Nossos vereadores fizeram também muitos esforços para legislar, com projetos, substitutivos, emendas, mas tiveram como dificuldade neste aspecto a condição de ser minoria na Câmara. Além de que, há muitas limitações legais para que a Câmara e o vereador tenham direito de apresentar projetos de lei. As questões decisivas do município dependem de iniciativa do prefeito (leis relativas a impostos, taxas, isenções e todas aquelas que aumentam despesas, leis de organização do poder público e relativas aos servidores). Algumas prerrogativas do Legislativo, reconquistadas com a Constituição Federal de 88, anulam-se pela submissão das maiorias ao Executivo. Estas usam, comumente, o parlamento como um instrumento de acesso, de vantagens e de influência junto à Prefeitura e à burocracia. Pesa muito entre os políticos conservadores a política personalista, que se sobrepõe à política partidária. Predominam os interesses financeiros e eleitorais do vereador sobre os interesses coletivos. Aferrados a isso, eles nem sequer tiveram a coragem de aproveitar as novas condições para aumentar o poder de sua instituição. As câmaras, dominadas por eles, não deram o passo adiante de se equipar e contratar técnicos especializados para poder concorrer com o Executivo em informações e capacitação. A formulação de projetos importantes termina ficando só na mão das prefeituras. Sobram, normalmente, para os vereadores iniciativas de leis de importância secundária. As bancadas petistas e raros vereadores de outros partidos têm sido exceção. 0 PT sempre defendeu maiores poderes e maior capacitação para o Legislativo. Ligou isto à transparência, à democratização interna das câmaras e à participação popular. Para fugir à superficialidade legislativa, o vereador do PT deve dar preferência a poucos projetos, mas de grande alcance. A dificuldade de aprová-los é compensada pelo crescimento na capacidade de ir formulando políticas públicas, que desejaremos aplicar quando no poder municipal Estar no governo Com a nossa vitória em várias prefeituras, adquirimos também a experiência de ser situação. Aí perdeu destaque o papel principal de fiscalizador. Este papel passou a ser exercido de uma forma mais interna e discreta, aproximada à que fazem os filiados do PT em relação aos seus vereadores ou o partido em relação às administrações petistas. No embate político com nossos adversários e na mídia, qualquer denúncia feita por vereador do PT contra administração petista terá dez vezes mais destaque do que se feita por um oposicionista. Mas o papel fiscalizador da Câmara deve ser preservado. Nossos membros no Poder Executivo precisam estar bem conscientes disso. É normal que as iniciativas de instrumentos fiscalizadores, como comissões de inquérito, sejam da oposição. O que os vereadores petistas têm feito normalmente nestes casos é aprová-las, delas participar e, quando inconsistentes, procurar esclarecer disto a opinião pública. Estando o PT no governo, cresce a importância da atividade legislativa de nossos vereadores, atuando junto com o Executivo na formulação das propostas e lutando por sua aprovação. A negociação com os vereadores dos outros partidos assume um papel muito mais importante. Continua também tendo muito peso a ação do vereador nos movimentos sociais. Nesta hora eles podem crescer bastante no conhecimento da administração pública e na capacidade de propor soluções. O vereador do PT, quando situação, tem mais oportunidade de estimular a participação popular no governo, através de diversos mecanismos da democracia direta, como o orçamento participativo, os conselhos populares, o acesso do povo às informações. Os movimentos sociais devem, no entanto, continuar a ser entendidos como instrumento de pressão, mesmo quando estamos no governo. Na relação com a sociedade, ser vereador da situação vai trazer com mais intensidade o perigo de cairmos na tradicional relação clientelista, resolvendo, junto a administração pública, casos individuais ou casos coletivos trazidos por lideranças, em troca do apoio eleitoral. A melhor maneira de se precaver é preservar o papel do movimento popular como elemento essencial nas mudanças sociais. 6 - As idéias do PT versus as idéias predominantes no povo Há uma imagem negativa predominante na sociedade a respeito dos políticos em geral e dos vereadores em particular. A maioria considera que os vereadores são bem pagos para fazer pouca coisa e que eles pertencem à Prefeitura. Embora o voto seja obrigatório, cerca de um terço da população não comparece para votar, vota em branco ou vota nulo. Dos dois terços restantes, poderíamos dizer, a grosso modo, que um terço tem votado por convicção, na esquerda ou na direita. O terço restante tem constituído um eleitorado disponível às variações conjunturais. Boa parte da população não sabe qual a exata função dos vereadores, e forma idéia dela pelos costumes dos políticos tradicionais. A maioria dos políticos acostumou o povo a ter com eles uma relação clientelista. O vereador ajuda na resolução dos problemas individuais, familiares ou do bairro para, em troca, ter o voto dos beneficiados. A regra neste tipo de relação é manter a população desmobilizada, como dependente do vereador para encaminhar suas necessidades. O clientelismo, além de arma eleitoral, é um dos fundamentos da corrupção. Para distribuir favores ou doações de todo tipo, que lhe são solicitados pelos seus clientes-eleitores, o vereador procura garantir um bom volume de recursos por fora de seus vencimentos.

4 Esta caixinha é municiada normalmente por uma espécie de clientelismo vip: o vereador atua como intermediário das empreiteiras, prestadores de serviços e fornecedores junto à Prefeitura em negócios carimbados, recebendo em troca uma porcentagem, a ser usada no dia-a-dia da atividade política, no financiamento da campanha eleitoral e no enriquecimento pessoal. O clientelismo também está na base do empreguismo que incha as administrações públicas de funcionários, que lá são colocados por serem lideranças de bairro ou cabos eleitorais. O vereador clientelista é a regra nas nossas câmaras municipais. O normal é que ele seja um vereador governista, espelho da mesma prática política feita de forma macro pelo prefeito. Ser governista é essencial para que tenha sucesso sua intermediação para favores e para negócios. Derrotar o clientelismo é talvez o maior desafio para o PT, pois o vereador clientelista precisa do cliente, e o eleitor-cliente busca tirar proveito do vereador. A melhor forma de conter o clientelismo é mobilizar e organizar a população na conquista de direitos coletivos, para desmontar uma poderosa estrutura de corrupção, para transformar as câmaras em instituições democráticas. Não é tarefa fácil porque estes costumes estão enraizados no próprio povo, que pressiona o vereador petista nessa direção. Ser parlamentar do PT, além de ser educador, é lutar na resistência a esta poderosa lógica de política tradicional. Felizmente, uma parcela da população não adota estes costumes, e luta por seus direitos de cidadania. Estas práticas são tão fortes que exigem uma luta ideológica também dentro dos movimentos populares, sindicais e dentro do PT, para que os vereadores do partido não sejam levados a cair numa versão de esquerda do clientelismo. Mesmo com intenções sinceras de fortalecer o movimento, ganhar simpatia para o partido, assegurar a reeleição do vereador, o clientelismo leva à negação dos objetivos estratégicos do PT. Ele contribui para a eternização das práticas e das instituições que tratam o povo como objeto e não como sujeito da história. O vereador e a vereadora petista deverão ter muita sensibilidade para serem solidários com as necessidades da população e, ao mesmo tempo, não ceder à negação de nossa política. Parte de seu tempo terá que ser usada no paciente esclarecimento de nossa política. Além de evitar e combater o clientelismo, o vereador petista deve sempre ficar longe dos favorecimentos pessoais que as elites econômicas, os prefeitos e a própria instituição usam com o fim de ganhar os vereadores para elas. É preciso cuidar para não se envolver com as vantagens facilitadas ao vereador pelo prestígio e força do cargo. É preciso evitar o espírito de corpo que se instala na Câmara. Uma coisa é a convivência com os adversários sem ataques pessoais, necessária até pela constante conversação e negociação exigidas num parlamento que decide pela maioria. Outra coisa é a acomodação e o desarme ideológico. Para evitar isso, além da força das convicções pessoais do vereador, tem um papel importante o acompanhamento e a orientação da atividade do vereador pelas instâncias partidárias. 7 O vereador do PT e as eleições Assim como na disputa da Prefeitura nosso partido apresenta um programa e prioridades, também para a Câmara temos um programa e nossos candidatos e candidatas ao parlamento têm seu programa de mandato e prioridades, ligadas normalmente à sua atuação passada e ao meio social ou região em que são apoiados. Os programas e prioridades vão se referir à realidade concreta existente no município e relacionados à realidade concreta nacional. As eleições têm que ser encaradas como oportunidade de eleger vereadores, ou, no caso dos não eleitos, como ocasião para firmar lideranças no partido e na sociedade. Precisamos ir à campanha com uma visão de longo prazo. Devemos buscar na sociedade sobretudo: o voto ideológico, o voto que resulta da participação nas lutas sociais, o voto de repúdio aos costumes políticos predominantes, o voto que reconhece nosso compromisso com os excluídos, nossa seriedade, nossa dedicação, nossa competência, nossos valores. Todas as candidaturas devem se preocupar com a organização permanente do partido. Este é um momento muito propício para ampliar e retomar a organização partidária, pois é normal que muitos filiados e simpatizantes se remobilizem nesta época. Caberá principalmente às lideranças que se candidatam serem o motor na continuidade da organização do partido após as eleições. Também os candidatos devem se preocupar com a organização popular, para que depois prossiga e possa ser ampliada. As eleições servem também à arrecadação maior de recursos para se comunicar com a sociedade. As finanças devem ser feitas sem ferir a ética e a nossa independência política, sem temer a transparência que sempre foi defendida por nosso partido para as eleições em todos os níveis. 0 caráter coletivo e partidário dos mandatos de nossos vereadores já se expressa na política de finanças durante as eleições. O candidato deve contribuir como uma cota do que arrecada para o comitê unificado. Ela será utilizada na infra-estrutura coletiva e na diminuição das desigualdades de recursos entre os candidatos. Na questão das finanças, a experiência nos mostrou que é perniciosa a prática de o partido e o candidato se endividarem excessivamente no processo eleitoral. Daí resultará uma paralisia posterior do partido e a tentação do candidato de se desobrigar da contribuição partidária. 4

5 5 8 Alguns perigos para um(a) vereador(a) petista Enumeramos a seguir, sem intuito de esgotar o assunto e sem ordem de importância, uma série de riscos que rondam o mandato de um parlamentar petista: 1) Querer fazer tudo, ficando na superficialidade; 2) Interessar-se apenas pelo povo organizado, deixando para os nossos adversários o povo desorganizado, que forma a maioria; 3) Cair no clientelismo de esquerda; d) Estar sempre em conflito com todos, ou cair no denuncismo, banalizando a crítica; 4) Denunciar a corrupção na Câmara, que está mais próxima, e não fazê-lo quanto à Prefeitura, cuja fiscalização é mais difícil; 5) Entrar numa batalha estatística com outros vereadores, disputando com eles o número de projetos de lei, de requerimentos, de indicações, de moções, perdendo assim em qualidade; 6) Desprezar a importância da ação do PT nas instituições ou supervalorizá-la; 7)Deixar de fiscalizar porque o PT é governo, ou fazê-lo como se fosse vereador de oposição; 8) Aceitar financiamentos de campanha que comprometam a ação futura ou desgastem a imagem do partido; 9) Endividar-se durante a campanha eleitoral, e depois alegar as dívidas para não contribuir com o partido, tomando dele um empréstimo que ele não autorizou; 10) Julgar que o mandato serve para subir economicamente na vida. 9 - Virtudes do(a) vereador(a) petista Apresentamos a seguir, sem ordem de importância, um variado número de virtudes que deve ter o parlamentar petista e que constituem o maior orgulho do nosso partido: 1) Estimular e fortalecer a organização popular; 2) Ser um instrumento de educação do povo para seus direitos e para a democracia; 3) Ajudar o partido a se implantar e a formular políticas concretas para os problemas do município; 4) Saber conciliar atuação institucional com a presença no movimento social e no partido; 5) Defender a participação popular na administração municipal e na Câmara; 6) Distinguir as alianças pontuais com os adversários dentro da Câmara das alianças políticas que o partido deve fazer; 7) Conhecer o funcionamento da Prefeitura e da Câmara; 8) Ter o plano de governo do partido como fonte de inspiração do mandato; 9 ) Legislar e fiscalizar; 10) Usar o mandato para enraizar e organizar o PT; 11) Combater o clientelismo, que troca favores por votos; 12) Denunciar a corrupção, as irregularidades, as atitudes contrárias à população; 13)Criticar com objetividade os adversários; 14) Comunicar-se constantemente com a população; 15) Ser persistente, confiante e criativo, apesar das dificuldades; 16) Levar em conta que o PT é muito exigente e que o povo também é muito exigente com o PT; 17) Não querer estar presente em tudo, mas estar presente nos momentos decisivos; 18) Definir prioridades na atuação e planejar a atividade; 19) Investir na política de longo prazo; 20) Combater os privilégios pessoais dados aos vereadores e não se comprometer com qualquer vantagem que o cargo lhe dá; 22) Ser honesto sempre; 23) Ser competente para romper as barreiras dos meios de comunicação de massa; 24) Ser solidário com aqueles com quem convive na luta e no partido; 25) Buscar sempre aprender com quem tem idéias ou experiências a transmitir; 26) Representar o projeto coletivo do partido; 27) Ser fiel às expectativas do conjunto de seus eleitores; 28) Definir claramente os objetivos de seu mandato e discuti-los com seus apoiadores; 29) Sistematizar suas experiências e conhecimentos para passá-los adiante; 30) Ser um militante disciplinado, observando os estatutos e decisões partidárias; 31) Participar das reuniões da bancada, do planejamento de sua ação coletiva, e das reuniões e atividades do partido; 32) Pagar sempre em dia a contribuição partidária; 33) Ceder ao partido os assessores a que ele tem direito pela carta eleitoral e conforme decisão da direção partidária; 34) Não temer nem se irritar por ser fiscalizado. São Paulo, março de Elói Pietá Deputado Estadual, PT/SP

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS "As manifestações são parte indissociável do nosso processo de ascensão

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal de Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA AMANDA GURGEL

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal de Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA AMANDA GURGEL PROJETO DE LEI 103/2015 Dispõe sobre a redução do subsídio do(a) prefeito(a), do(a) vice-prefeito(a), e dos(as) vereadores(as), para o equivalente ao dobro do fixado como piso salarial nacional para os(as)

Leia mais

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar?

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar? O Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar CDCE tem amparo legal? Sim. A Lei 7.040/98 que estabeleceu a gestão democrática no Sistema de Ensino, instituiu o CDCE, na forma, composição e outros providências

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis O que é? Um mecanismo (ou processo) pelo qual a população

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República Mensagem de Ano Novo do Presidente da República Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2015 Boa noite. Desejo a todos um Feliz Ano de 2015. Os meus votos dirigem-se a todos os Portugueses, quer aos que residem

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR Heloísa Luck O trabalho escolar é uma ação de caráter coletivo, realizado a partir da participação conjunta e integrada dos membros de todos os segmentos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

PESQUISA CLIMA POLÍTICO. www.institutomethodus.com.br comercial@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400

PESQUISA CLIMA POLÍTICO. www.institutomethodus.com.br comercial@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400 PESQUISA CLIMA POLÍTICO www.institutomethodus.com.br comercial@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOCAL: Rio Grande do Sul PERÍODO DA COLETA: De 23

Leia mais

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA De: Gabinete do Vereador Jimmy Pereira Para: Ação Jovem Brasil Resposta à solicitação de Informações para a formação do Índice de Transparência da Câmara do Rio TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR

Leia mais

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011.

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Pág. 1 de 6 LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. ALTERA A LEI N 302, DE 28/12/2001, QUE DISCIPLINA SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL/AC E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Da Sra. Professora Dorinha Seabra Rezende) Dispõe sobre o preenchimento de vagas por mulheres nas eleições proporcionais. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Acrescente-se

Leia mais

Plano Municipal de Educação

Plano Municipal de Educação Plano Municipal de Educação Denise Carreira I Encontro Educação para uma Outra São Paulo 30 de novembro de 2007 O Plano Municipal de Educação e as reivindicações dos movimentos e organizações da cidade

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA POR QUE EXISTE TRIBUTO? QUEM TEM O PODER DE COBRAR TRIBUTO? COMO DEVEM SER APLICADOS OS RECURSOS ARRECADADOS? O QUE A POPULAÇÃO PODE FAZER PARA CONTROLAR A APLICAÇÃO DOS

Leia mais

VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA

VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA COM-VIDA Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola Criado a partir das deliberações da I Conferência

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 1 IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 O PAPEL DO FUNDO ROTATIVO NA FORMAÇÃO DE UMA NOVA CULTURA DE CRÉDITO Introdução Obedecendo a mesma dinâmica dos dois números anteriores, esse texto trata

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS REMI SCHORN PLANO DE TRABALHO DO CANDIDATO A DIRETOR DO CAMPUS DA UNIOESTE TOLEDO Docentes, Agentes Universitários e Acadêmicos Unidos Por Um Campus Melhor A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS Reunimos e

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Cem edições para informar e formar cidadãos!

Cem edições para informar e formar cidadãos! ParaTod Mandato do Deputado Tadeu Veneri-PT nº 100 Dezembro 2014 s Acesse: www.tadeuveneri.com.br facebook.com/tadeuveneri Edição Especial Número 100 Cem edições para informar e formar cidadãos! Do primeiro

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

Estabelecendo Prioridades para Advocacia

Estabelecendo Prioridades para Advocacia Estabelecendo Prioridades para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA TEMAS DA REFORMA POLÍTICA 1 Sistemas Eleitorais 1.1 Sistema majoritário. 1.2 Sistema proporcional 1.2 Sistema misto 2 - Financiamento eleitoral e partidário 3- Suplência de senador 4- Filiação partidária

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Lutar pelo êxito do governo Dilma e reforçar o papel do PCdoB

Lutar pelo êxito do governo Dilma e reforçar o papel do PCdoB Resolução da 5ª reunião do CC - eleito no 12º Congresso Lutar pelo êxito do governo Dilma e reforçar o papel do PCdoB A maioria da nação enalteceu a eleição de Dilma Rousseff para a presidência da República

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

A formação do Conselho de uma Organização *

A formação do Conselho de uma Organização * A formação do Conselho de uma Organização * O mundo vem testemunhando o fortalecimento da sociedade civil, por meio de sua atuação organizada. O Brasil é um dos países que se destaca nesse processo. A

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARA

GOVERNO DO ESTADO DO PARA MENSAGEM N 035/2011 -GG Belém, 31 de agosto de 2011 Excelentíssimo Senhor Deputado MANOEL PIONEIRO Presidente da Assembleia Legislativa do Estado Local Senhoras e Senhores Deputados, É com muita honra

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto.

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto. Agradecimentos: Cumpre-me inicialmente agradecer a toda Diretoria Executiva, especialmente ao Teruo, por confiarem no meu trabalho e me darem toda a autonomia necessária para fazer o melhor que fui capaz

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais