Leiaute arquivo multifuncional - RTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leiaute arquivo multifuncional - RTO"

Transcrição

1 Nome do Atributo XML Atributo Tamanho Formato Domínio Descrição Obs <DOC> <BVMF> CodInst Participante de Registro 5 X(05) Número de identificação da instituição na BM&FBOVESPA NumCtlRms Número de Controle da Remessa 13 N(13) Número de controle interno de transferência do arquivo gerado pelo sistema. </BVMF> <SIS> <TIT> Funcao Função 2 N(2) 1 - Registro de Operação Indica a ação do Participante no sistema NumTit Número Registrador 20 X(20) Leiaute - Registro COE Identifica o número interno da operação na instituição N controle IF TpTit Tipo de Título 2 N(2) 9 - COE 10 - COE - ENTREGA FÍSICA DE ATIVOS Nome do produto previamente cadastrado DtEmis Data Emissão 10 X(10) Data de abertura/negociação do COE DtRfe Data de Referência 10 X(10) Data de referência DtVenc Data de Vencimento 10 X(10) Data de vencimento TpEmis Tipo de Emissão 2 N(2) 1 - Própria 2 - Mercado Própria ou Mercado Migr Migração 4 N(04) Instituição em que o título estava registrado - tabela S - Sim domínios (campo obrigatório somente quando o tipo N - Não operação for "Migração"). Instituição em que o título estava registrado - tabela InstOrig Instituição Origem 2 N(2) 10 - CETIP domínios (campo obrigatório somente quando o tipo operação for "Migração"). CodOrigTit Código origem do titulo 20 X(20) Código do título no Sistema de Registro anterior (campo obrigatório somente quando o tipo operação for "Migração"). Motvo Motivo da migração 150 X(150) Identifica o motivo da migração do título CPFCNPJEmit Dados do Emitente 14 N(14) Identifica o CNPJ/CPF do Emitente NomeEmit Nome do Emitente 150 X(150) Nome do emitente do título CodPartRegtdrPropt PR Proprietário - mercado 5 X(5) Identifica o Participante de Registro proprietário do título CtProp Conta do Proprietário 15 N(15) Conta indicada pelo participante de registro que será vinculada a estrutura CPFCNPJProp Dados do Proprietário 14 N(14) Identifica o CNPJ/CPF do Proprietário do título NomeProp Nome Do Proprietário 120 X(120) Nome do proprietário do título NatProp Natureza Proprietário 4 N(04) 1 - Pessoa Física 2 - Pessoa Jurídica Tipo de Documento (Pessoa Física / Pessoa Jurídica) TpEstrut Nome da Estrutura 4 N(04) Verificar anexo 1 - Código das Estruturas para Registro Nome da estrutura do COE <Estrut> QtdEmis Quantidade de Emissão 15 N(15) Quantidade de emissão

2 PUEmis Preço Unitário de Emissão 23 N(15,8) Preço Unitário de Emissão. Indexador Ativo Subjacente 4 N(04) 42 - IPCA 50 - IDI 51 - ITC PETR VALE ABEV BBAS BBDC BVMF ITSA ITUB PETR VALE BRFS GGBR BBSE CIEL KROT CCRO USIM CYRE CSNA ÍNDICE IBOVESPA ÍNDICE IBRX EUR USD JPY EURUSD USDJPY OURO DJIA NASDAQ S&P WTI SPOT Identifica o Ativo subjacente da operação. CodISIN Código ISIN 12 X(12) Código de ISIN associado ao COE, quando aplicável. TpFnteBVF Fonte de Informação 4 N(04) BM&FBOVESPA BACEN BLOOMBERG BOJ BCE WMReuters IBGE COMEX LBMA STANDARD & POOR'S NYMEX Nome do veículo oficial responsável pela divulgação do valor da moeda ou unidade base referenciada no preço de atualização do Ativo Subjacente.

3 IndrBol Boletim 4 N(04) Preço de Abertura Preço de Fechamento Preço Médio Preço Mínimo Preço Máximo Preço de Liquidação PTAXCompra PTAXVenda hs hs N/A 2162 AM- USD 2163 PM - USD Boletim/horário do veículo oficial que será utilizado como fonte de preço de atualização do Ativo Subjacente para o preço final e/ou na verificação da Barreira conforme estabelecido no Tipo de Verificação da Barreira, utilizados para cálculo do valor de liquidação. VlrAtvSubjacte Preço Inicial Ativo Subjacente 20 N(12,8) Preço inicial do Ativo subjacente de negociação. TpDtCotLiquid Data de Fixing do Ativo Subjacente 4 N(04) T-5 Indica o dia de referência utilizado para observação do T-4 preço de final e/ou verificação de Barreira conforme T-3 estabelecido no Tipo de Verificação da Barreira e T-2 Referência de Verificação, utilizados para cálculo do T-1 valor de liquidação N/A IndrAtvSubjactCotdME Quanto 4 N(04) TaxCotParid Conversão BRL Inicial 7 N(3,4) TpFnteBVFConvr Fonte de Informação Conversão BRL final 4 N(04) IndrBolConvr Boletim Conversão BRL final 4 N(04) TpDtCotConvr Data de Fixing Conversão BRL final 4 N(04) Sim Não BACEN BLOOMBERG WMReuters Preço Médio Preço Mínimo Preço Máximo PTAXCompra PTAXVenda hs hs T T T T T Sim Não Indica que ativo subjacente é cotado em moeda estrangeira e liquidada em BRL, não sendo impactado pela variação da cotação do BRL. Taxa de cambio utilizada para conversão do preço inicial. Fonte de Informação provedora do preço para conversão do BRL final.. Indica o horario de divulgação ou o tipo de formação de preço a ser utilizado como referência na conversão do BRL final. Indica o dia de referência utilizado para observação do preço de conversão do BRL final. IndrProtcProv Tratamento de Proventos 4 N(04) Se ativo subjacente = Ação, indicar se haverá ou não proteção sobre eventos corporativos. DtIni Data Início 10 X(10) Data de início DtLiquidFinanc Data de Liquidação 10 X(10) Data de Liquidação Financeira ModEstrutBVF Modalidade da Estrutura 4 N(04) Investimento com Valor Nominal Protegido Investimento com Valor Nominal em Risco Modalidade da Estrutura de COE. PercPartcAplicAlta Percentual de Participação Alta 7 N(3,4) Percentual de participação recebido pelo proprietário do COE nos casos onde o preço do ativo subjacente no vencimento fica acima do preço de exercício relevante.

4 PercPartcAplicBaixa Percentual de Participação Baixa 7 N(3,4) PrecoExerc1 Preço de exercício 1 22 N(15,7) PrecoExerc2 Preço de exercício 2 22 N(15,7) TpRegrLimdor Regra Limitador 4 N(04) VlrLimSup Valor do Limitador Superior 18 N(10,8) VlrLimInfr Valor do Limitador Inferior 18 N(10,8) Segue barreira Out Segue barreira In Percentual de participação recebido pelo proprietário do COE nos casos onde o preço do ativo subjacente no vencimento fica abaixo do preço de exercício relevante. Pimeiro preço utilizado para comparação com o preço final para cálculo do valor de liquidação/vencimento do COE. Segundo preço utilizado para comparação com o preço final para cálculo do valor de liquidação/vencimento do COE. Regras de observação do ativo subjacente, que determinam a eficácia do Limitador Superior ou Inferior. É o preço máximo que o ativo subjacente pode assumir, utilizado no cálculo do valor do COE no vencimento. É o preço mínimo que o ativo subjacente pode assumir, utilizado no cálculo do valor do COE no vencimento. TpVerfcLimdor Tipo Verificação Limitador 4 N(04) Discreta Contínua Contínua - Parâmetro de fixing do ativo subjacente é determinado pela observação intraday do ativo subjacente na(s) data(s) relevante(s) (análise de preço mínimo e máximo). Discreta - Parâmetro de fixing do ativo subjacente é determinado pela observação pontual do ativo subjacente na(s) data(s) relevante(s) utilizando o Boletim. TpProtcLimdor Tipo Proteção Limitador 4 N(04) Absoluta Proporcional Absoluta - No caso de pagamento de proventos em dinheiro o limitador é ajustado através da subtração do valor do provento. Proporcional - No caso de pagamento de proventos em dinheiro o limitador mantém a proporção inicial em relação ao preço de exercício. DtsVerfc Data de Verificação 10 X(10) Informação de data(s) para verificação de condições previamente combinadas entre as partes (por exemplo: Barreiras, recompra, vencimento antecipado). DtsPagtos Datas de Pagamento 10 X(10) PagtoPeriod Periodicidade de Pagamento 4 N(04) VlrBarUpIn Valor Barreira Up and In 18 N(10,8) VlrBarDownIn Valor Barreira Down and In 18 N(10,8) Somente no Vencimento Fluxo de Caixa Se Periodicidade Fluxo de Caixa, identificar as datas de pagamento. Definição de periodicidade de pagamento. Preço spot começa abaixo do preço da barreira e precisa subir para que o Payoff relacionado passe a existir. Preço spot começa acima do preço da barreira e precisa cair para que o Payoff relacionado passe a existir.

5 VlrBarUpOut Valor Barreira Up and Out 18 N(10,8) VlrBarDownOut Valor Barreira Down and Out 18 N(10,8) PercRebt Rebate 7 N(3,4) VlrBarUpInB Valor Barreira Up and In (B) 18 N(10,8) VlrBarDownInB Valor Barreira Down and In (B) 18 N(10,8) VlrBarUpOutB Valor Barreira Up and Out (B) 18 N(10,8) VlrBarDownOutB Valor Barreira Down and Out (B) 18 N(10,8) PercRebtB Rebate (B) 7 N(3,4) Preço spot começa abaixo do preço da barreira e precisa subir para que o Payoff relacionado deixe de existir. Preço spot começa acima do preço da barreira e precisa cair para que o Payoff relacionado deixe de existir. Percentual que incide sobre o Valor Nominal (conforme definido abaixo) associado à verificação de barreira(s) da estrutura, pago caso a barreira do tipo In não tenha sido atingida ou a barreira do tipo Out tenha sido atingida. Preço spot começa abaixo do preço da barreira e precisa subir para que o Payoff relacionado passe a existir. Preço spot começa acima do preço da barreira e precisa cair para que o Payoff relacionado passe a existir. Preço spot começa abaixo do preço da barreira e precisa subir para que o Payoff relacionado deixe de existir. Preço spot começa acima do preço da barreira e precisa cair para que o Payoff relacionado deixe de existir. Percentual que incide sobre o Valor Nominal (conforme definido abaixo) associado à verificação de barreira(s) da estrutura, pago caso a barreira do tipo In não tenha sido atingida ou a barreira do tipo Out tenha sido atingida. TpVerfcBar Tipo de Verificação da Barreira 4 N(04) Somente no vencimento Diária Determina a periodicidade da verificação da barreira. Diária: ao longo da vida da opção. Somente no vencimento: no vencimento da opção. Data de verificação: data pré-definida no registro. RefVerfcBar Referência de verificação 4 N(04) Discreta Contínua Contínua - Parâmetro de fixing do ativo subjacente é determinado pela observação intraday do ativo subjacente na(s) data(s) relevante(s) (análise de preço mínimo e máximo). Discreta - Parâmetro de fixing do ativo subjacente é determinado pela observação pontual do ativo subjacente na(s) data(s) relevante(s) utilizando o Boletim. TpProtcBar Tipo Proteção Barreira 4 N(04) Absoluta Proporcional Absoluta - No caso de pagamento de proventos em dinheiro a barreira é ajustada através da subtração do valor do provento. Proporcional - No caso de pagamento de proventos em dinheiro a barreira mantém a proporção inicial em relação ao preço de exercício.

6 TpFnteBVFBar Fonte de Informação Barreira 4 N(04) IndrBolBar Boletim Barreira 4 N(04) TpDtCotLiquidBar Data de Fixing da Barreira 4 N(04) BM&FBOVESPA BACEN BLOOMBERG BOJ BCE WMReuters IBGE FUT BVMF E BLOOMBERG CASADO COMEX LBMA STANDARD & POOR'S 2161 NYMEX Preço de Abertura Preço de Fechamento Preço Médio Preço Mínimo Preço Máximo Preço de Liquidação PTAXCompra PTAXVenda hs hs N/A AM - USD PM - USD T T T T T N/A Fonte de Informação provedora do preço de referencia utilizado para verificação da Barreira Indica o horario de divulgação ou o tipo de formação de preço a ser utilizado como referência na verificação da barreira. Indica o dia utilizado para observação do preço a ser utilizado como referência na verificação da barreira. TpBarParc Tipo Barreira Parcial 4 N(04) Alta Baixa Ambos Alta - Barreira relacionada apenas à variação de alta no preço ativo subjacente, de forma que a variação de alta deixa de ser repassada ao investidor (no caso de barreiras do tipo UO e DO) ou passa a ser repassada ao investidor (no caso de barreiras do tipo UI ou DI). Baixa - Barreira relacionada apenas à variação de queda no preço ativo subjacente, de forma que a variação de queda deixa de ser repassada ao investidor (no caso de barreiras do tipo UO e DO) ou passa a ser repassada ao investidor (no caso de barreiras do tipo UI ou DI). PercVlrNomlDevld Percentual do Valor Nominal Devolvido (Percentual do capital garantido) 7 N(3,4) Percentual aplicado ao valor nominal do COE para cálculo do valor a ser devolvido no vencimento ao Proprietário caso nenhuma das regras de remuneração do COE seja respeitada.

7 CodRegrRemun1 Regra de Remuneração 1 4 N(04) TpIndxRemun1 Indexador Remuneração 1 4 N(04) Acima Abaixo Dentro Fora Sempre Segue barreira Out Segue barreira In Maior Menor DI SELIC ABEV BBAS BBDC BVMF ITSA ITUB PETR PETR VALE VALE ÍNDICE IBOVESPA ÍNDICE IBRX IDI ITC IPCA EUR USD JPY EURUSD USDJPY BRLPRE Regras de observação sobre o ativo subjacente, que determinam o pagamento da remuneração. Indica o ativo subjacente de remuneração 1 da operação. PrecoInialIndxRemun1 Preço Inicial Indexador Remuneração 1 20 N(12,8) Preço inicial do Ativo subjacente de remuneração 1 TpFnteInfIndxRemun1 Fonte de Informação Indexador Remuneração 1 4 N(04) BM&FBOVESPA BACEN BLOOMBERG BOJ BCE WMReuters IBGE CETIP SELIC Fonte de Informação para captura do preço de remuneração.

8 TpIndrBolRemun1 Boletim Indexador Remuneração 1 4 N(04) TpCotIndxRemun1 Parâmetro de Fixing Indexador Remuneração 1 4 N(04) PercIndxRemun1 Percentual Indexador Remuneração 1 7 N(3,4) Preço de Abertura Preço de Fechamento Preço Médio Preço Mínimo Preço Máximo Preço de Liquidação PTAXCompra PTAXVenda hs hs N/A T T T T T-1 Boletim para captura do preço de remuneração. Data da observação do preço de liquidação do ativo subjacente de remuneração 1. Essa data deverá ser dia útil e estar compreendida entre a data de vencimento (V), inclusive, e o máximo de dias anterior a essa data (V- 5), inclusive. % aplicado sobre a variação do indexador de remuneração. TaxRemun1 Taxa de Remuneração 1 7 N(3,4) - Taxa de Remuneração 1. CodCovcTaxIndxRemun1 Convenção Taxa Indexador Remuneração 1 4 N(04) DU exp DC exp DC lin DC lin /360 lin Flat Base de cálculo para Taxa de Juros Prefixados. PrecExerc1RegrRemun1 Preço Exercício 1 Regra de Remuneração 1 22 N(15,7) Preço de exercício 1 para a Regra de Remuneração 1. PrecExerc2RegrRemun1 Preço Exercício 2 Regra de Remuneração 1 22 N(15,7) Preço de exercício 2 para a Regra de Remuneração 1. CodRegrRemun2 Regra de Remuneração 2 4 N(04) Acima Abaixo Dentro Fora Sempre Segue barreira Out Segue barreira In Maior Menor Regras de observação sobre o ativo subjacente, que determinam o pagamento da remuneração.

9 TpIndxRemun2 Indexador Remuneração 2 4 N(04) DI SELIC ABEV BBAS BBDC BVMF ITSA ITUB PETR PETR VALE VALE ÍNDICE IBOVESPA ÍNDICE IBRX IDI ITC IPCA EUR USD JPY EURUSD USDJPY BRLPRE Indica o ativo subjacente de remuneração 1 da operação. PrecoInialIndxRemun2 Preço Inicial Indexador Remuneração 2 20 N(12,8) Preço inicial do Ativo subjacente de remuneração 2 TpFnteInfIndxRemun2 Fonte de Informação Indexador Remuneração 2 4 N(04) TpIndrBolRemun2 Boletim Indexador Remuneração 2 4 N(04) TpCotIndxRemun2 Parâmetro de Fixing Indexador Remuneração 2 4 N(04) BM&FBOVESPA BACEN BLOOMBERG BOJ BCE WMReuters IBGE CETIP SELIC Preço de Abertura Preço de Fechamento Preço Médio Preço Mínimo Preço Máximo Preço de Liquidação PTAXCompra PTAXVenda hs hs T T T T T-1 Fonte de Informação para captura do preço de remuneração. Boletim para captura do preço de remuneração. Data da observação do preço de liquidação do ativo subjacente de remuneração 2. Essa data deverá ser dia útil e estar compreendida entre a data de vencimento (V), inclusive, e o máximo de dias anterior a essa data (V- 5), inclusive.

10 PercIndxRemun2 Percentual Indexador Remuneração 2 7 N(3,4) % aplicado sobre a variação do indexador de remuneração. TaxRemun2 Taxa de Remuneração 2 7 N(3,4) - Taxa de Remuneração 2. CodCovcTaxIndxRemun2 Convenção Taxa Indexador Remuneração 2 4 N(04) DU exp DC exp DC lin DC lin /360 lin Flat Bases de cálculo para Taxa de Juros Prefixados. PrecExerc1RegrRemun2 Preço Exercício 1 Regra de Remuneração 2 22 N(15,7) Preço de exercício 1 para a Regra de Remuneração 2. PrecExerc2RegrRemun2 Preço Exercício 2 Regra de Remuneração 2 22 N(15,7) Preço de exercício 2 para a Regra de Remuneração 2. CodRegrRemun3 Regra de Remuneração 3 4 N(04) Acima Abaixo Dentro Fora Sempre Segue barreira Out Segue barreira In Maior Menor Regras de observação sobre o ativo subjacente, que determinam o pagamento da remuneração. PercIndxRemun3 Percentual Indexador Remuneração 3 7 N(3,4) % aplicado sobre a variação do indexador de remuneração. TaxRemun3 Taxa de Remuneração 3 7 N(3,4) - Taxa de Remuneração 3. PrecExerc1RegrRemun3 Preço Exercício 1 Regra de Remuneração 3 22 N(15,7) Preço de exercício 1 para a Regra de Remuneração 3. PrecExerc2RegrRemun3 Preço Exercício 2 Regra de Remuneração 3 22 N(15,7) Preço de exercício 2 para a Regra de Remuneração 3. CodRegrRemun4 Regra de Remuneração 4 4 N(04) Acima Abaixo Dentro Fora Sempre Segue barreira Out Segue barreira In Maior Menor Regras de observação sobre o ativo subjacente, que determinam o pagamento da remuneração. PercIndxRemun4 Percentual Indexador Remuneração 4 7 N(3,4) % aplicado sobre a variação do indexador de remuneração. TaxRemun4 Taxa de Remuneração 4 7 N(3,4) - Taxa de Remuneração 4. PrecExerc1RegrRemun4 Preço Exercício 1 Regra de Remuneração 4 22 N(15,7) Preço de exercício 1 para a Regra de Remuneração 4. PrecExerc2RegrRemun4 Preço Exercício 2 Regra de Remuneração 4 22 N(15,7) Preço de exercício 2 para a Regra de Remuneração 4. TpDig Tipo Digital 4 N(04) Accrual Somente no vencimento Diária Indica o tipo de verificação do ativo subjacente, se ao longo da vida da operação ou somente no vencimento.

11 TpVerfcDig Tipo Verificação Digital 4 N(04) Discreta Contínua Contínua - Parâmetro de fixing do ativo subjacente é determinado pela observação intraday do ativo subjacente na(s) data(s) relevante(s) (análise de preço mínimo e máximo). Discreta - Parâmetro de fixing do ativo subjacente é determinado pela observação pontual do ativo subjacente na(s) data(s) relevante(s) utilizando o Boletim. CondResg1 Condições de Resgate 1 4 N(04) CondResg2 Condições de Resgate 2 4 N(04) TpPartDirResg2 Parte com Direito de Resgate 2 4 N(04) TpPeriodDtResg2 Periodicidade Data Resgate 2 4 N(04) DtResg2 Data(s) Resgate 2 10 X (10) TpRegrEspeccResg2 Tipo de Regra Específica de Resgate 2 4 N(04) RegrAtvSubjactResg2 Regra Ativo Subjacente para Resgate 2 4 N(04) PrecoExerc1RegrResg2 Preço Exercício 1 Regra Resgate 2 22 N(15,2) PrecoExerc2RegrResg2 Preço Exercício 2 Regra Resgate 2 22 N(15,2) Não há Condição de Resgate Resgate a Preço de Mercado Resgate a Preço Determinado Resgate com Condição Específica Ambos Emitente Proprietário A qualquer momento Em data(s) específica(s) Preço COE a mercado Ativo Subjacente Acima Abaixo Dentro Fora Condição de resgate acordada entre o Emitente e o Proprietário do COE Condição de resgate acordada entre o Emitente e o Proprietário do COE A parte da operação (se Emitente e/ou Proprietário) podem realizar o resgate antes do vencimento Em que momento pode ser realizado o resgate Caso tenha sido escolhida a Datas Específicas no campo Data Resgate, as datas específicas precisam ser determinadas nesse campo. Caso tenha sido escolhida a opção Resgate com Condição Específica no campo Condições de Resgate, o participante de registro determina nesse campo qual será o parâmetro de observação da regra Caso tenha sido escolhida a opção Resgate com Condição Específica no campo Condições de Resgate, a regra para o parâmetro de observação estabelecido no campo Aplicação Regra Resgate Específica deverá ser determinada nesse campo Preço de verificação 1 para a Regra Ativo Subjacente para Resgate, caso tenha sido escolhida a Resgate com condições específicas no campo Condições de Resgate. Preço de verificação 2 para a Regra Ativo Subjacente para Resgate, caso tenha sido escolhida a Resgate com condições específicas no campo Condições de Resgate. PUCondcResg2 Preço Unitário Condição Resgate 2 23 N(15,8) Preço de resgate caso as opções Resgate a Preço Determinado ou Resgate com Condição Específica tenham sido escolhidas no campo Condições de Resgate IndrTaxRemunResg2 Cupom Acruado Resgate 2 4 N(04) Sim Não Indicar a previsão de pagamento de remuneração acruada em caso de liquidação antes do vencimento. CodACTOrigem Agente de Custódia - Origem 14 N(14) Código e dígito da instituição custodiante das ações do emissor indicada pelo participante de registro

12 NumCtACTOrigem Custódia - Conta e Dígito Origem 13 N(13) CodACTDest Agente de Custódia - Destino 14 N(14) NumCtACTDest Custódia - Conta e Dígito Destino 13 N(13) QtdAtvEntr Quantidade de Ativos para Entrega 15 N(15) VlrFinancPagar Valor Financeiro a Pagar 17 N(15,2) </Estrut> </TIT> </SIS> </DOC> Conta e dígito da carteira de ações do emissor junto a seu agente de custódia indicada pelo participante de registro Código e dígito da instituição custodiante das ações do proprietário indicada pelo participante de registro Conta e dígito da carteira de ações do proprietário junto a seu agente de custódia indicada pelo participante de registro Quantidade de ações a ser entregue pelo Emissor ao Investidor no vencimento do COE Valor financeiro a ser pago pelo emissor ao investidor em complemento ou substituição da entrega de ações informada no parâmetro "Quantidade de Ações" no vencimento do COE

COE - Certificado de Operações Estruturadas. Biblioteca de Estruturas COE

COE - Certificado de Operações Estruturadas. Biblioteca de Estruturas COE COE - Certificado de Operações Estruturadas Biblioteca de Estruturas COE Versão 1.2 Maio/14 Data Versão Descrição Fev/2014 1.1. Versão Inicial Maio/2014 1.2. 1. Características Funcionais do COE Inclusão

Leia mais

Biblioteca de Estruturas COE

Biblioteca de Estruturas COE COE - Certificado de Operações Estruturadas Biblioteca de Estruturas COE Versão 1.1 Fevereiro/2014 Em caso de dúvidas, consultas ou para solicitação de novas estruturas favor contatar: Natalia Cristina

Leia mais

Leiaute arquivo multifuncional - RTO

Leiaute arquivo multifuncional - RTO Leiaute - Registro LF Número Identificação Instituição Número de Controle da Remessa 5 X(05) 13 N(13) Número de identificação da instituição no MTA Número de controle do arquivo

Leia mais

Introdução às Opções Flexíveis... 5. Registro... 9. Operações... 69. Consultas... 89. Informações Adicionais... 98

Introdução às Opções Flexíveis... 5. Registro... 9. Operações... 69. Consultas... 89. Informações Adicionais... 98 Versão:10/12/2012 Atualizado em: 07/08/2013 i Opções Flexíveis sobre Taxa de Câmbio, Ações ou Índices Conteúdo Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas...

Leia mais

Mercado a Termo de Ações

Mercado a Termo de Ações Prof Giácomo Diniz Módulo I Dfiiã Definição Tradicional i São acordos fechados entre partes de compra e venda de um determinadoativo. Nahoradacontrataçãoaspartesestabelecemo preço para a liquidação em

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA. Especificações

TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA. Especificações TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA Especificações 1. Definições Taxa de câmbio Objeto de negociação do contrato quando a relação for estabelecida em quantidade de reais por uma unidade de moeda estrangeira

Leia mais

INTRODUÇÃO 4 ELEGIBILIDADE 7 METODOLOGIA 9 CÁLCULOS DO DELTA ( ) 17 EXEMPLOS 18 I. TERMO DE MOEDAS 18 II. SWAP 22 III. OPÇÕES 24

INTRODUÇÃO 4 ELEGIBILIDADE 7 METODOLOGIA 9 CÁLCULOS DO DELTA ( ) 17 EXEMPLOS 18 I. TERMO DE MOEDAS 18 II. SWAP 22 III. OPÇÕES 24 13/01/2012 INTRODUÇÃO 4 DISPOSIÇÕES GERAIS SOBRE O IOF 4 RECOLHIMENTO DO TRIBUTO 5 RELATÓRIO ENVIADOS PELAS CÂMARAS 6 ELEGIBILIDADE 7 OPERAÇÕES ELEGÍVEIS À TRIBUTAÇÃO DO IOF 7 OPERAÇÕES INELEGÍVEIS À TRIBUTAÇÃO

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 i Conteúdo Conteúdo Introdução ao Swap... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos botões das telas... 5 Lançamento... 7 Registro de Contrato - Fluxo Constante...

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

DESTAQUES DO DIA RELATÓRIO DIÁRIO. Mercado Doméstico. Mercado Internacional

DESTAQUES DO DIA RELATÓRIO DIÁRIO. Mercado Doméstico. Mercado Internacional DESTAQUES DO DIA Mercado Doméstico A arrecadação federal de impostos registrou recorde para meses de novembro, mas os números não surpreendem, já que o governo antecipou amplamente os resultados. A alta

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Prefixado (LTN)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Prefixado (LTN) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Prefixado (LTN) O Tesouro Prefixado (LTN) é um título prefixado, o que significa que sua rentabilidade é definida no momento

Leia mais

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A. BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Conteúdo Introdução ao Termo de Moedas... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas... 4 Registros... 5 Registro de Contrato a Termo Simples -

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2012

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2012 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2012 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro de 2012 para a apuração dos

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Manual de. Brazil Risk Dept. Novembro /2015. Marcação a Mercado

Manual de. Brazil Risk Dept. Novembro /2015. Marcação a Mercado Manual de Brazil Risk Dept. Novembro /2015 Marcação a Mercado 1 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS ENVOLVIDAS... 4 3. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 6 3.1. COTA ABERTURA VS. COTA DE

Leia mais

Brasília Fevereiro 2011

Brasília Fevereiro 2011 Brasília Fevereiro 2011 0 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Perfil do Investidor Código de Ética STN Mudanças Recentes 1 O que é Tesouro Direto? Em 07

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BNP PARIBAS ASSET MANAGEMENT ÚLTIMA VERSÃO: 24/06/2010 RESPONSÁVEL: MARIA CARLOTA SENGER MARIA.SENGER@BR.BNPPARIBAS.COM SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de outubro de 2011 para a apuração dos

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Tesouro Direto. Títulos Públicos

[CONFIDENCIAL] Tesouro Direto. Títulos Públicos 1 Tesouro Direto Títulos Públicos Títulos Públicos Os títulos públicos possuem a finalidade primordial de captar recursos para o financiamento da dívida pública. Comprando títulos públicos, você emprestará

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants Academia de Warrants 3. Turbo Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Turbo Warrants 4. Como negociar - Direct Trade 1/281 Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LTN Letra do Tesouro Nacional A LTN é um título prefixado, o que significa que sua rentabilidade é definida no momento da compra.

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

As principais funcionalidades do SRTA no arquivo de Direitos Creditórios são:

As principais funcionalidades do SRTA no arquivo de Direitos Creditórios são: Externa 1/23 1 - CONCEITOS BÁSICOS O documento das regras de negócio visa permitir que os usuários do Sistema de Registro de Títulos do Agronegócio tenham um documento padronizado que descreva as regras

Leia mais

Atualizações da Versão... 3. Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas... 8. Lançamentos...

Atualizações da Versão... 3. Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas... 8. Lançamentos... Conteúdo Atualizações da Versão... 3 Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas... 8 Lançamentos... 9 Registro de Contrato... 10 Registro de Mercadoria...

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de abril 2014 para a apuração dos preços

Leia mais

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO INTRODUÇÃO Em 07 de janeiro de 2002, o Tesouro Nacional, com o suporte técnico e operacional da Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia - CBLC, (incorporada

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO Maio de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PRINCÍPIOS GERAIS...5 2.1. MELHORES PRÁTICAS...5 2.2. ABRANGÊNCIA...5 2.3. COMPROMETIMENTO...5 2.4. EQÜIDADE...5

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Manual para o Preenchimento do Layout de Posição de Fundos e Carteiras

Manual para o Preenchimento do Layout de Posição de Fundos e Carteiras Manual para o Preenchimento do Layout de Posição de Fundos e Carteiras Versão 4.01 Outubro de 2009 13/10/2009 1 ÍNDICE Objetivo do Layout de posição... 03 Regras para o Nome do Arquivo...... 04 Estrutura

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 13/08/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 13/08/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 13/08/2013 i Instrumentos de Crédito Conteúdo Introdução aos Instrumentos de Crédito... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas... 3 Registros... 5 Registro/Emissão...

Leia mais

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013 Estratégias Operacionais no Mercado de Ações Giácomo Diniz 01/10/2013 Agenda 1) Aluguel de Ações 2) Estratégia ShortSelling 3) Estratégia Long &Short a) Spread b) Ratio c) Apuração de Resultado 4) ETF

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações financeiras

Leia mais

REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU

REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU 24.9.2015 L 248/45 REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU que altera o Regulamento (UE) n. o de 10 de setembro de 2015 1333/2014 relativo às estatísticas de mercados monetários (BCE/2015/30)

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

Manual para Registro de Fundos de Investimento Imobiliários na ANBIMA

Manual para Registro de Fundos de Investimento Imobiliários na ANBIMA Manual para Registro de Fundos de Investimento Imobiliários na ANBIMA ANBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais 30/09/2015 INTRODUÇÃO O presente Manual de Registro

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Brasília 22 de Junho 0

Brasília 22 de Junho 0 Brasília 22 de Junho 0 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Perfil do Investidor Código de Ética STN Mudanças Recentes 1 O

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 034

CARTA CIRCULAR N.º 034 Aos Participantes do Sistema de Registro e de Liquidação Financeira de Títulos CARTA CIRCULAR N.º 034 A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP comunica aos participantes do Sistema

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Gerência Nacional de Controladoria de Ativos Passivos e Custódia Data de Vigência: 30/09/2015 SUMÁRIO 1 PRINCÍPIOS GERAIS E O PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO... 3 1.1 LEGISLAÇÃO

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 257. Ref.: trata dos procedimentos para abertura de conta individualizada por empresas vinculadas à SUSEP.

CARTA CIRCULAR N.º 257. Ref.: trata dos procedimentos para abertura de conta individualizada por empresas vinculadas à SUSEP. CARTA CIRCULAR N.º 257 Às Sociedades Seguradoras, Sociedades de Capitalização e as Entidades Abertas de Previdência Privada Ref.: trata dos procedimentos para abertura de conta individualizada por empresas

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco Tesouro Direto Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco 1Conheça o Tesouro Direto Criado pelo Tesouro Nacional em 2002, em parceria com a BM&FBOVESPA, o Tesouro Direto é um programa de

Leia mais

Instruções para Apuração e Preenchimento das Informações do Demonstrativo de Risco de Mercado (DRM) Carta-Circular 3.376/09

Instruções para Apuração e Preenchimento das Informações do Demonstrativo de Risco de Mercado (DRM) Carta-Circular 3.376/09 Instruções para Apuração e Preenchimento das Informações do Demonstrativo de Risco de Mercado (DRM) Carta-Circular 3.376/09 I. OBJETIVO: O Demonstrativo de Risco de Mercado (DRM) tem por objetivo apresentar

Leia mais

Layout arquivo multifuncional - RTA 23/06/2014

Layout arquivo multifuncional - RTA 23/06/2014 Layout - Arquivo para Envio de Títulos Número de identificação da instituição Número Identificação Instituição 5 X(5) na BM&FBovespa Registrador 4 X(4) É o código do registrador no SRCA

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - ) e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Demonstrações Contábeis BNB Seleção Fundo de Investimento Ações CNPJ: 63.375.216/0001-51

Demonstrações Contábeis BNB Seleção Fundo de Investimento Ações CNPJ: 63.375.216/0001-51 Demonstrações Contábeis BNB Seleção Fundo de Investimento Ações (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

renda fixa Certificado de Depósito Bancário

renda fixa Certificado de Depósito Bancário renda fixa Certificado de Depósito Bancário Certificado de Depósito Bancário Rentabilidade e proteção em um único investimento O produto Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um título de renda fixa,

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - DURATEX S.A. Versão : 6. 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1

Formulário de Referência - 2011 - DURATEX S.A. Versão : 6. 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1 Índice 3. Informações financ. selecionadas 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1 18. Valores mobiliários 18.5 - Descrição dos outros valores mobiliários emitidos 2 19. Planos

Leia mais

Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013

Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013 Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013 Conteúdo Introdução aos Ativos Imobiliários... 5 Conhecendo os Produtos... 6 Ações dos botões das telas... 10 Registro... 11 Registro/Emissão... 12 Dados Complementares...

Leia mais

RELATÓRIO DIÁRIO DESTAQUES DO DIA MERCADO DOMÉSTICO MERCADO INTERNACIONAL

RELATÓRIO DIÁRIO DESTAQUES DO DIA MERCADO DOMÉSTICO MERCADO INTERNACIONAL DESTAQUES DO DIA MERCADO DOMÉSTICO O Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa Selic em meio ponto percentual, de 11,25% para 11,75%. Essa é a maior taxa desde agosto de 2011. A decisão foi unânime.

Leia mais

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco Tesouro Direto Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco TesouroDireto.indd 1 2/21/11 3:30 PM 1Conheça o Tesouro Direto Criado pelo Tesouro Nacional em 2002, em parceria com a BM&FBOVESPA,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) 07 de Junho de 2013 MERCADOS Bolsa A Bolsa segue influenciada pela fragilidade do cenário externo e somente conseguiu uma recuperação no final da tarde, com alta de 0,16%, aos 52.845 pontos. O giro financeiro

Leia mais

Capítulo 7 Fundos de Investimentos

Capítulo 7 Fundos de Investimentos Capítulo 7 Fundos de Investimentos 7.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e classificações de um fundo de investimento. Ao final, você terá visto:

Leia mais

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - Investimento no Exterior CNPJ nº 19.909.560/0001-91 (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.)

Leia mais

C O E u m a n o v a a l t e r n a t i v a d e i n v e s t i m e n t o

C O E u m a n o v a a l t e r n a t i v a d e i n v e s t i m e n t o C O E u m a n o v a a l t e r n a t i v a d e i n v e s t i m e n t o Objetivos 1. Conceituar o Produto 2. Dados do Mercado Internacional e Local 3. Inserir a utilidade do produto no contexto dos Fundos

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Mercado a Termo de Ações

Mercado a Termo de Ações Prof Giácomo Diniz Módulo II Estratégias Operacionais Porque comprar ações a Termo 1) Obter Recursos (operação caixa): O Investidor D está trocando de imóvel. A construtora que comprou a sua casa vai pagar

Leia mais

Simulado CPA 20 Gratis

Simulado CPA 20 Gratis 1 Simulado CPA 20 Gratis Question 1. O risco de crédito está associado a capacidade do emissor de um título em não honrar os pagamentos: ( ) Somente dos Juros ( ) Dos juros e do principal da dívida ( )

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 3. Noções de Economia e Finanças pg 26 5 a 7 questões 3.1 Conceitos Básicos de Economia 3.2 Conceitos Básicos de

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

COMUNICADO SNA Nº 011/01. Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT.

COMUNICADO SNA Nº 011/01. Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT. COMUNICADO SNA Nº 011/01 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos SNA Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT. A Central de Custódia e de

Leia mais

Versão v 2.00 Outubro 2007 01/10/2007

Versão v 2.00 Outubro 2007 01/10/2007 Manual para o Preenchimento do Layout de Movimentação de Fundos e Carteiras Versão v 2.00 Outubro 2007 01/10/2007 1 ÍNDICE Objetivo do Layout de posição... 03 Valores Padrões e Fontes de Informação......

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Março de 2016 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA CC DI/RF IRFM1 IMAB5 SUBTOTAL 31/dez/2013 26.103,99 26.103,99

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

Módulo III Noções de Economia e Finanças

Módulo III Noções de Economia e Finanças Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo III Copyright 2011-2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 10% a 15% da prova 1. 4 1.1 Indicadores econômicos 4 1.1.1 PIB 4 1.1.2 Índices de Inflação:

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LFT A LFT é um título pós-fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa de juros básica da economia. Sua remuneração

Leia mais

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013 Veículo: Exame.com Os melhores e os piores investimentos de setembro Ibovespa fecha o mês com a maior alta, seguido pelos fundos de ações small caps; na renda fixa, a LTN, título do Tesouro prefixado,

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário Renda Fixa Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário Uma alternativa para diversificação de carteira de investimento O produto Letra de Crédito Imobiliário () é um título de crédito, lastreado

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Concórdia Set Fundo de Investimento em Ações CNPJ: 05.922.544/0001-24 (Administrado pela Concórdia S.A. Corretora de Valores Mobiliários, Câmbio e Commodities - CNPJ: 52.904.364/0001-08)

Leia mais

Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício findo em 30 de Setembro de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício findo em 30 de Setembro de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes MB Fundo de Investimento em Ações CNPJ nº 18.799.585/0001-17 (Administrado pela Mercantil do Brasil Distribuidora S.A. - TVM - CNPJ nº 17.364.795/0001-10) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) a MERCADOS Bolsa O Ibovespa teve mais um dia de volatilidade nos negócios, influenciado pelo vencimento do Ibovespa futuro e das opções sobre o índice e também pelos dados divulgados nos Estados Unidos

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Sumário 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1.1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 1.2. PRINCIPIOS DA MARCAÇÃO A MERCADO... 4 1.3. CONVENÇÕES ADOTADAS...

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Workshop Supervisão de Mercados ANBIMA 16.10.2014

Workshop Supervisão de Mercados ANBIMA 16.10.2014 Workshop Supervisão de Mercados ANBIMA 16.10.2014 AGENDA 1. Código de Negociação de Instrumentos Financeiros i. Escopo e Abrangência; ii. Histórico; iii. Regras Gerais; iv. Regras de Negociação entre Instituições

Leia mais

LCI Letra de Crédito Imobiliário. Manual do Produto. Versão 1.2. Fevereiro/2015

LCI Letra de Crédito Imobiliário. Manual do Produto. Versão 1.2. Fevereiro/2015 LCI Letra de Crédito Imobiliário Manual do Produto Versão 1.2 Fevereiro/2015 .2. Histórico de Versões Data Versão Descrição Fevereiro / 2014 1.1 Versão inicial Inclusão do Escalonamento; Inclusão de Eventos;

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 004/03

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 004/03 COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 004/03 Aos Participantes do Sistema de Contratos a Termo Ref.: Trata da inclusão do campo Data Emissão no layout do arquivo de posição de contratos de Termo de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos

Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos O Anexo III refere-se à informação a prestar previamente à comercialização do PFC

Leia mais

Telas de controle de posições e de liquidação

Telas de controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 5 Telas de controle de posições e de liquidação Agosto de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais