ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO CUIDADO DO PACIENTE COM ALZHEIMER: VIVÊNCIAS EM GRUPO DE CUIDADORES 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO CUIDADO DO PACIENTE COM ALZHEIMER: VIVÊNCIAS EM GRUPO DE CUIDADORES 1"

Transcrição

1 ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO CUIDADO DO PACIENTE COM ALZHEIMER: VIVÊNCIAS EM GRUPO DE CUIDADORES 1 FRIEDRICH, J. 2 ; ONOFRIO, L. 2 ; LIMBERGER, J. B. 3 1 Trabalho de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmica do Curso de Farmácia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 3 Docente do Curso de Farmácia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO A Doença de Alzheimer (DA) é uma patologia crônica e progressiva, que consiste em manifestações características como declínio da memória recente, sinais neurológicos, sintomas psicológicos e do comportamento, ocorrendo um comprometimento não só da qualidade de vida dos portadores desta patologia, mas também à qualidade de vida de seus familiares e cuidadores. O Grupo AMICA (Assistência Multidisciplinar Integrada aos Cuidadores dos Portadores de Alzheimer) tem por objetivo congregar conhecimentos profissionais, acadêmicos e dos participantes do grupo para a melhoria da qualidade de vida, tanto do paciente quanto do cuidador. A participação do curso de farmácia no grupo objetiva, especialmente, contribuir para o bom uso da farmacoterapia e redimir dúvidas quanto a eventos adversos e condutas terapêuticas. Foram realizados, nos encontros, explanações sobre o tratamento dísponível e resolução de dúvidas, que contribuem para a vivência de acadêmicos na prática da assistência farmacêutica. Palavras-chave: Doença de Alzheimer; Cuidados Farmacêuticos. 1. INTRODUÇÃO A Doença de Alzheimer (DA) é uma forma de demência que compromete as funções cognitivas. É uma patologia de alta incidência e que afeta principalmente pessoas com mais de 65 anos de idade. Pode também ter um acometimento precoce, de incidência ao redor dos 40 anos, mostrando uma recorrência familiar. Em idosos, esta doença está entre uma das dez primeiras causas de morte (SMITH, 1999). A DA é caracterizada como sendo uma patologia crônica e progressiva, que consistem em manifestações características como o declínio da memória recente, sintomas psicológicos e do comportamento, sinais neurológicos e dificuldades na realização das atividades comuns da vida diária. Ocorrendo um comprometimento não só da qualidade de vida dos portadores de Alzheimer, mas também à qualidade de vida de seus familiares e cuidadores (ENGELHARDT et al., 2001; INOUYE e OLIVEIRA, 2004) 1

2 Esta desordem neuro-degenerativa, de grande impacto sócio-econômico, é responsável por cerca de 50-60% do número total de casos de demência dentre pessoas acima dos 65 anos (POLICASTRO, 2006). Afeta cerca de 1,5% da população em idade entre anos, 21% entre 85 anos e 39% acima dos 90 anos, acometendo aproximadamente 15 milhões de pessoas em todo o mundo. Estima-se que em 2050, a prevalência desta patologia será quadruplicada, onde uma em cada 85 pessoas no mundo todo, estará vivendo com esta doença (BROOKMEYER et al., 2007). Na fase leve (ou fase inicial), existe algumas evidências como esquecimentos, dificuldade de memorização, descuido da aparência pessoal e do trabalho, desorientação no tempo e espaço, alterações na personalidade, falta de atenção e concentração, perda da autonomia para a vida diária. Já na fase moderada (ou intermediária), verifica-se as seguintes constatações como dificuldade em reconhecer pessoas, perambulação, incapacidade de aprendizado, incontinência urinária e fecal, retenção de lembranças referentes ao passado remoto, comportamento inadequado, irritabilidade, hostilidade, agressividade, há um declínio acentuado da memória. Nesta fase o doente necessita de uma ajuda maior para a vida diária, pode-se também apresentar alucinações. Na última fase, a severa (ou final) observa-se que o doente apresenta uma perda de peso, mesmo com dieta adequada, possui uma total dependência, déficits de memória gravíssimos, dificuldade em caminhar e alimentar-se, mutismo, até vir a óbito (CAMARGO, 2003). Os indivíduos com Alzheimer necessitam, cada vez mais de supervisão e cuidados nas tarefas que antes realizavam rotineiramente, a medida que a doença avança, pois tanto a dependência física quanto a mental se tornam uma realidade, uma vez que as funções cognitivas tornam-se altamente comprometidas (INOUYE e OLIVEIRA, 2004). Em termos medicamentosos, os inibidores de acetilcolinesterase (AChE-I) estão entre os atuais tratamentos medicamentosos para a DA, pois têm apresentado resultados positivos, como melhor desempenho na realização das atividades da vida diária e melhora das funções cognitivas desses pacientes (ÁVILA, 2003). Cuidar de um idoso com DA pode ser uma das tarefas mais difíceis para a família, razão pela qual o cuidador necessita não só de informações sobre a doença e suas manifestações, mas, sobretudo, que suas inseguranças e limitações sejam conhecidas e valorizadas pela equipe de saúde, por meio de profissionais, dentre eles o farmacêutico, buscando conhecimentos das necessidades dos cuidadores, para que eles conseguissem prestar esses cuidados mais adequadamente (LUZARDO e WALDMAN, 20004). Frente a esta enfermidade, o farmacêutico possui um papel de orientar os cuidadores, ou os própios pacientes em fase inicial da doença, e ainda independentes, a fazer o acompanhamento farmacoterapêutico, estando atentos às interações medicamentosas, reações adversas aos medicamentos, para garantir a eficácia e segurança do tratamento em 2

3 cada um dos estágios na evolução da doença, no aparecimento das comorbidades ou de outras enfermidades, mesmo que não associadas a esta patologia (POLICASTRO, 2006). 2. METODOLOGIA Este trabalho constitui-se em uma pesquisa qualitativa. O universo empírico considerado foi de cuidadores de pacientes com Doença de Alzheimer que frequentam o grupo AMICA (Assistência Multidisciplinar Integrada aos Cuidadores de pacientes com Doença de Alzheimer). O recorte empírico do estudo foi constituído por 08 cuidadores que frequentaram o grupo na data da apresentação referente ao curso de farmácia, além de acadêmicos e professores dos cursos de Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Nutrição, Odontologia, Psicologia e Terapia Ocupacional. Foi realizada uma apresentação referente aos medicamentos comumente utilizados durante o tratamento de pacientes com Alzheimer, sendo aberta posteriormente a discussão e esclarecimento de dúvidas referentes ao tratamento farmacológico. Esta atividade é parte integrante do projeto de pesquisa Assistência multidisciplinar ampliada e integral aos portadores da doença de Alzheimer, teve aprovação do Comitê de Ética da Unifra. 3. RESULTADOS 3.1 Dados apresentados É de fundamental importância ressaltar que o processo de envelhecimento a que todo ser humano é submetido com o passar dos anos não se restringe à mudança de características externas, como surgimento de rugas e manchas de pele. O envelhecimento também acontece internamente, representado por mudanças fisiológicas importantes, que vão desencadear processos diferenciados no que tange, inclusive, o uso de medicamentos (BISSON, 2007). O organismo do indivíduo idoso sofre com a diminuição da superfície de absorção do trato gastrintestinal, a diminuição do volume sanguíneo, o aumento do ph gástrico com diminuição da acidez, a alteração da motilidade gastrintestinal tornando o intestino mais lento. Estes fatores contribuem negativamente para a diminuição da absorção de medicamentos bem como para o aumento da toxicidade destes. Quando falamos em distribuição de medicamentos, esta é influenciada pela diminuição da água corporal total, aumentando a concentração de fármacos em alguns tecidos, podendo, nestes locais, atingir níveis tóxicos. Neste quesito, a situação nutricional do idoso também é de relevante importância, pois a diminuição dos níveis de albumina sanguínea, resultantes de uma alimentação inadequada, tem por consequência o aumento de fármaco livre, potencializando efeitos farmacológicos e também adversos. 3

4 A diminuição do volume sanguíneo e do tamanho do fígado compromete a próxima etapa farmacocinética, denominada metabolismo. A capacidade de tornar os medicamentos mais polares através de reações químicas de conjugação, oxidação, redução e hidrólise são comprometidas, aumentando os níveis circulantes de fármacos. A deficiência na eliminação tem esta mesma consequência, uma vez que a atividade renal diminui de 30 a 50% em pessoas de 75 anos. Para diminuir o risco de utilização inadequada de medicamentos por indivíduos idosos, é de fundamental importância atentar para a dose do medicamento utilizada, o elevado número de medicamentos prescritos e/ou utilizados, o aumento dos efeitos adversos e a sua dificuldade de administração. O tratamento da DA é feito com estratégias medicamentosas e não medicamentosas, sendo necessaria a elaboração de um plano de cuidados específicos para cada doente, alterado regularmente no decurso da evolução. O esquema usual para o tratamento medicamentoso de pacientes com DA deve ser considerado a partir do estadiamento da doença. Para pacientes em fase inicial, se recomenda a utilização de Donezepila ou rivastigmina ou galantamina ou tacrina ou memantina associada à Vitamina E. No caso de pacientes em fase moderada a grave, o tratamento inclui donezepila ou rivastigmina ou galantamina ou tacrina associada a memantina e a Vitamina E (WELLS et al., 2006). Donezepila, rivastigmina, galantamina e tacrina são inibidores da colinesterase e atuam diminuindo a velocidade de deterioração dos neurônios, melhorando ou estabilizando a cognição. Esta melhora é transitória, dura de 6 a 12 meses, e tem por principais efeitos adversos a náusea, vômito e diarreia. A Memantina é mais usada na DA moderada à grave. Diminui a velocidade de deterioração dos neurônios e pode causar confusão, prisão de ventre, tontura, dor de cabeça, tosse e hipertensão. A Vitamina E e a seleginina: são antioxidantes, funcionando como um fator de proteção para os neurônios (SILVA, 2010). Outros fármacos estão sendo utilizados para o estancamento dos sintomas, tais como o estrogênio, apenas utilizado em mulheres quando o risco for menor que o benefício (SILVA e SÁ, 2006); a pravastatina e lovastatina, que são hipolipemiantes, porém de efeito ainda não comprovado (SILVA, GIRARDI e RAPOSO, 2010) e o ginko biloba, ainda sem evidências clínico sendo seu uso realizado com cautela (FORLENZA, 2003). Outras orientações importantes em relação ao medicamento dizem respeito à guarda correta, sendo imprescindível guardar o medicamento protegido do calor, ou seja, evitar lugares onde exista variação de temperatura (cozinha e banheiro), conservar os comprimidos na embalagem original e manter o medicamento fora do alcance de crianças. Na hora de tomar o medicamento é importante que se tome as cápsulas inteiras, sem abrilas ou mastigá-las, com um copo de água, seguir os horários estabelecidos pelo médico 4

5 assistente, e, em caso de esquecimento de uma dose, aguardar para tomar a próxima dose no horário usual, não administrando a dose dobrada. Cada fármaco possui características específicas que determinam a melhor forma de administração. O donepezil, por exemplo, pode ser tomado antes, durante ou após as refeições, assim como a galantamina e rivastigmina podem ser tomados junto com alimentos, no café da manhã e no jantar (CAETANO, 2010). O tratamento de problemas comportamentais também pode ser realizado por meio da utilização de medicamentos. Assim, a depressão pode ser tratada com 1) Citalopran ou sertralina; 2) Fluoxetina, paroxetina ou venlafaxina. Já a psicose pode exigir a utilização de 1) Olanzapina ou risperidona; 2) Quetiapina ou 3) Haloperidol. Outro distúrbio comum, a agitação, pode ser controlada com o uso de 1) Olanzapina ou risperidona; 2) Citalopran ou carbamazepina e 3) Oxazepan, buspirona, trazodona ou selegilina (SILVA, 2010). Como estes são medicamentos psicotrópicos é importante utilizar pequenas doses, observar de perto efeitos adversos e terapêuticos, ajustar devagar a dose, registrar cuidadosamente os efeitos e realizar tentativas periódicas de reduzir a medicação (BISSON, 2007). Vários estudos vêm contemplando a temática do tratamento da DA, tais como a imunoterapia, que tem se apresentado eficaz, porém, com efeitos adversos graves em grupo significativo de pacientes testados (FORLENZA, 2005). Para o devido acompanhamento de cada caso é necessário obter a história farmacoterapêutica do paciente, isto é, dos problemas de saúde que este apresenta, da medicação que utiliza, e da avaliação do seu estado de situação em uma data determinada, para que sejam identificados e resolvidos os possíveis problemas relacionados com os medicamentos (PRM) que o paciente apresenta (MACHUCA, FERNANDEZ-LUMÓS e FAUS, 2004.). Após esta identificação, são realizadas as intervenções farmacêuticas, para que os PRM sejam solucionados e, posteriormente sejam avaliados os resultados obtidos. Foi dado destaque à importância do manejo de interações medicamentosas, visto que os pacientes geralmente são polimedicados. 3.2 Demandas Observadas As principais dúvidas dos cuidadores de pacientes com DA são referentes à forma de administração de medicamentos, uma vez que a difuculdade de deglutição prejudica, também, a utilização dos medicamentos. As alterações mais frequentemente descritas na literatura são: desgaste ou perda dos dentes, diminuição da força muscular, lentidão mastigatória, diminuição da produção de saliva, alteração na mucosa e epitélio bucal e lingual, diminuição da percepção gustativa e olfativa, diminuição da capacidade para deglutir, entre outras (TAVARES e CARVALHO, 2011). Orientou-se individualmente para a 5

6 triturção do medicamento nos casos em que for possível, inclusão do medicamento ao alimento, ou mudança de forma farmacêutica. O manejo das interações medicamentosas também é fator preocupante para os cuidadores, que avaliam que o número de medicamentos utilizado pelos pacientes é elevado, e com alto índice de efeitos adveros. Como o arsenal terapêutico é limitado, muitas vezes a modificação da farmacoterapia não é possível, ou não resulta em efetiva eliminação de chances de interação medicamentosa. Nestes casos, é necessária a avaliação constante do quadro do paciente, para a busca ativa de eventos adversos ou de sinais que indiquem falha na terapia. A angústia na busca de novos tratamentos é um discurso constante dos cuidadores de pacientes com DA. Enxergar a doença como incurável é muito doloroso. O que se pode afirmar é que muitos grupos de pesquisa em todo mundo estão focados na busca da regressão das lesões que causam a doença, mas a curto prazo, não há outras alternativas terapêuticas disponíveis, uma vez que a maioria dos estudos estão em fase clínica inicial. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo permitiu compartilhar informações referentes à terapêutica do paciente de DA bem como conhecer as principais dúvidas em relação aos medicamentos constantes do tratamento destes. Foi possível evidenciar que há necessidades de ampliar o acesso à informação sobre o paciente com DA para o familiar ou outro cuidador, visto que, à medida que a enfermidade evolui, as demandas se diversificam e aumentam. A atuação do grupo junto ao cuidador é de fundamental importância á medida que a sobrecarga física, emocional e socioeconômica decorrente do cuidado de um familiar com DA é significativa. No grupo é importante que se vise proporcionar formas de ajudar tanto o paciente quanto sua família nas dificuldades cotidianas vivenciadas, no intuito de aliviar o desgaste emocional do cuidador e proporcionar uma intervenção de acordo com as demandas dos sujeitos enfermos. Neste contexto, a atuação do farmacêutico é de grande importância, visando á melhoria da qualidade de vida do paciente. 4. REFERÊNCIAS ÁVILA, R. Resultados da reabilitação neuropsicológica em paciente com Doença de Alzheimer leve. Revista de Psiquiatria Clínica, v.30, n.4, p , BISSON, M. Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica. São Paulo : Manole, 2ª edição, BROOKMEYER, R., JOHNSON, E.; GRAHAM, K. Z.; ARRIGHI, H. M. Forecasting the global burden of Alzheimeros disease. Alzheimer s & Dementia, n.3, p , CAETANO, N. Guia bde Remédios 2010/2011. Rio de Janeiro: BPR, 10ª edição,

7 CAMARGO, I. E. Doença de Alzheimer - um testemunho pela preservação da vida. Porto Alegre : Editora AGE, ENGELHARDT, E.; BRUCKI, S. M. T.; CAVALCANTI, J. L. S.; FORLENZA, O. V.; LAKS, J.; VALE, F. A. C... Doença de Alzheimer e espectroscopia por ressonância magnética do hipocampo. Arquivo de Neuropsiquiatria, v.65, n.4, p , FORLENZA, O. V. Ginkgo biloba e memória: mito ou realidade? Revista psiquiatria clínica, v.30, n.6, p Tratamento farmacológico da doença de Alzheimer. Rev. Psiq. Clín.. n.3, v.32. p , INOUYE, K. e OLIVEIRA, G. H. Avaliação crítica do tratamento farmacológico atual para Doença de Alzheimer. Revista Pharmacia Brasileira, v.15, n.11-12, p. 2004, LUZARDO, A. R.; WALDMAN, B. F.. Atenção ao familiar cuidador do idoso com Doença de Alzheimer. Acta Scientiarum. Health Sciences, v.26, n.1, p , MACHUCA, M., FERNANDEZ-LUMÓS, F. e FAUS, M. J. Manual de Acompanhamento farmacoterapêutico. Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica, Universidade de Granada POLICASTRO, A. Doença de Alzheimer. Revista Racine, v.16, n.95, p , 2006 SILVA, A. C.J. S. R.; SÁ, M.F.S.de. Efeitos dos esteróides sexuais sobre o humor e a cognição. Revista psiquiatria clínica, v.33, n.2, p.60-67, SILVA, A.F.da, GIRARDI, J.M.; RAPOSO, N. R.B.. Uso das estatinas na doença de Alzheimer: uma revisão. HU Revista, v.36, n.3, p , SILVA, P. Farmacologia. Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 8ª edição, SMITH, M. A. C. Doença de Alzheimer. Revista Brasileira de Psiquiatria, v.21, p.3-7, TAVARES, T.E.; CARVALHO, C.M.R.G.Características de mastigação e deglutição na doença de Alzheimer. Revista CEFAC, v.14, n.1, p WELLS, B. G, DIPIRO, J. T.; SCHWINGHAMMER; HAMILTON, C. W. Manual de Farmacoterapia. New York : Mc Graw-Hil, 6ª edição,

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa.

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. DOENÇA DE PARKINSON INTRODUÇÃO A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. Acomete homens e mulheres de diferentes etnias

Leia mais

INTERVENÇÕES FARMACÊUTICAS EM PACIENTE PORTADORA DE OSTEOARTROSE: ESTUDO DE CASO 1

INTERVENÇÕES FARMACÊUTICAS EM PACIENTE PORTADORA DE OSTEOARTROSE: ESTUDO DE CASO 1 INTERVENÇÕES FARMACÊUTICAS EM PACIENTE PORTADORA DE OSTEOARTROSE: ESTUDO DE CASO 1 FRIEDRICH, Jordana 2 ; ZANON, Jenifer 2 ; RIGÃO, Catieli 2 ; MATOS, Evelyn 2 ; BARCELLOS, Jiames 2 ; LIMBERGER, Jane 3

Leia mais

DOENÇA DE ALZHEIMER (CID 10: G30.0; G30.1; G30.8)

DOENÇA DE ALZHEIMER (CID 10: G30.0; G30.1; G30.8) Guia de Orientação ao Usuário 1. Medicamentos Donepezil 5 mg, comprimido; Donepezil 10 mg, comprimido; Galantamina 8 mg, cápsula; Galantamina 16 mg, cápsula; Galantamina 24 mg, cápsula; DOENÇA DE ALZHEIMER

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008 Mônica Yassuda Mônica Sanches Yassuda Gerontologia EACH USP EACH USP Ambulatório de Psicogeriatria

Leia mais

CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO

CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO Msc. Tatyana Xavier A. M. Ferreira Dispensação [...] ato profissional

Leia mais

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS 1Maria Isabel Ribeiro; 2 Carlos Ferreira; 2 Duarte Loio & 2 Luís Salsas 1Professora do Instituto Politécnico de Bragança, Investigadora do CETRAD e colaboradora

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

O que é Alzheimer? Perguntas frequentes. Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer

O que é Alzheimer? Perguntas frequentes. Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer O que é Alzheimer? Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer No Brasil, existem cerca de 15 milhões de pessoas com mais de 60 anos de idade. Seis por cento delas sofrem do Mal de Alzheimer, segundo

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO...

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... NT 102/2013 Solicitante: Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 21/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Nº do processo: 1.0433.13.014383-0/001 TEMA: Trazodona e Cloridrato

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO Cristina Bertochi 1 Alcy Aparecida Leite Souza 2 Daiane Morilha Rodrigues 3 INTRODUÇÃO A gravidez é um período de mudanças físicas e emocionais, que cada mulher vivência

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X Que recomenda ao governo a revisão da comparticipação estatal na aquisição de medicamentos específicos para o tratamento da Demência na Doença de Alzheimer. I EXPOSIÇÃO DE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

PARECER Nº 02 / 2010

PARECER Nº 02 / 2010 PARECER Nº 02 / 2010 ASSUNTO: Adequação técnico-científica da admissão das pessoas com demência nas unidades de dia e promoção da autonomia da RNCCI (art.º 21 do Dec. Lei. 101/2006 de 6 de Junho) 1. A

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER

RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER DOI: http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v6i18.209 96 Pesquisa RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER Rose Heidy Costa Silva (1) Luane Bitu Leal Alencar (2) Emanuel Tavares

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

Doença de Alzheimer sob um olhar bidimensional. ABRAz Caxias do Sul-RS Coordenação: Silvana Poltronieri Lamers Fernanda Bianca Ortiz

Doença de Alzheimer sob um olhar bidimensional. ABRAz Caxias do Sul-RS Coordenação: Silvana Poltronieri Lamers Fernanda Bianca Ortiz Doença de lzheimer sob um olhar bidimensional BRz Caxias do Sul-RS Coordenação: Silvana Poltronieri Lamers Fernanda Bianca Ortiz Col Dr Paulo Renato Canineu R O G S M O C I O N L E T B Ó L I C N D Ó C

Leia mais

TEMA: Cloridrato de Memantina para tratamento de Alzheimer

TEMA: Cloridrato de Memantina para tratamento de Alzheimer NTRR 80/2013 Solicitante: Juiz de Direito: Alexsander Antenor Penna Silva Número do processo: 0091428-11.2013.8.13.0183 Data: 30/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012)

Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012) Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012) EMoll van Charante E, Perry M, Vernooij-Dassen MJFJ, Boswijk DFR, Stoffels J, Achthoven L, Luning-Koster MN traduzido do original em holandês por Luiz F.G.

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 Define diretriz para a política de atenção integral aos portadores da doença de Alzheimer no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS

Leia mais

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE Página 1 de 6 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LÁBREA cloridrato de

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

Tratamento farmacológico dos sintomas comportamentais. Rodrigo Nicolato

Tratamento farmacológico dos sintomas comportamentais. Rodrigo Nicolato Tratamento farmacológico dos sintomas comportamentais Rodrigo Nicolato Sintomas comportamentais e psicológicos associados às demências Alterações Comportamentais INVENTÁRIO NEURO PSIQUIÁTRICO (NPI CUMMINGS

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio

23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio 23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio Enunciado Paciente do sexo feminino, 86 anos, previamente hígida, há 4 meses com queixas de problemas de memória, déficit de atenção, lentificação

Leia mais

AUTOMEDICAÇÃO EM IDOSOS NA REGIÃO SUL DO PARANÁ Gisele Weissheimer, Luciane Erzinger de Camargo

AUTOMEDICAÇÃO EM IDOSOS NA REGIÃO SUL DO PARANÁ Gisele Weissheimer, Luciane Erzinger de Camargo RESUMO AUTOMEDICAÇÃO EM IDOSOS NA REGIÃO SUL DO PARANÁ Gisele Weissheimer, Luciane Erzinger de Camargo Com o passar dos anos, vem aumentando a população idosa (PIERIN, 2004). Sem dúvida, há uma grande

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo DESAFIOS DE ENFERMAGEM: ATENDIMENTO DOMICILIAR A PACIENTES COM DEMÊNCIA Aristófenes Rolim de Holanda; Rosyara Lopes Vieira Sá; Aryslane Júlia Andrade Lustosa; Luis Henrique Rodrigues Nunes; Francisco Júnior

Leia mais

Doença de Alzheimer. Pedro Schestatsky MD, PhD. Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS

Doença de Alzheimer. Pedro Schestatsky MD, PhD. Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS Doença de Alzheimer Pedro Schestatsky MD, PhD Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS DEFINIÇÃO Piora adquirida e persistente da função intelectual com comprometimento de pelo menos três das seguintes esferas:

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: CLÍNICA AMPLIADA E AUTONOMIA

REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: CLÍNICA AMPLIADA E AUTONOMIA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: CLÍNICA AMPLIADA E AUTONOMIA Uma Estratégia de Tratamento e Reinserção Social em Dependentes de Crack REABILITAÇÃO LÍGIA DUAILIBI Terapeuta Ocupacional e Coordenadora do Grupo

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

Cuidar do Idoso com demência

Cuidar do Idoso com demência Cuidar do Idoso com demência Na atualidade, somos confrontados com um processo de envelhecimento demográfico caracterizado por um aumento progressivo de população idosa, em detrimento da população jovem,

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL Aline Santana dos Santos Graduanda em Enfermagem Maria Aparecida dos Santos Graduanda em Enfermagem Reginaldo Vicente

Leia mais

Alzheimer, a dor do esquecimento

Alzheimer, a dor do esquecimento Tipo de mídia: Internet Site: Época Online Duração da matéria: 12 57 Alzheimer, a dor do esquecimento A rotina e os desafios de pacientes e cuidadores NATHALIA TAVOLIERI 16/01/2014 Após perder a mulher,

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Betaserc dicloridrato de betaistina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos.

Leia mais

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg TYLALGIN CAF Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹

CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹ CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹ CASSALES, Lisiane²; SCHROEDER, Felipe³ 1 Programa de Iniciação Científica (PROBIC) 2 Curso de Psicologia do

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

Nausedron (cloridrato de ondansetrona)

Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Comprimidos Revestidos 8 mg Modelo de Bula para Paciente I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nausedron cloridrato de

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

Aesculus hippocastanum

Aesculus hippocastanum Novarrutina Aesculus hippocastanum FITOTERÁPICO Parte utilizada: semente Nomenclatura botânica Nome científico: Aesculus hippocastanum Nome popular: Castanha da Índia Família: Hippocastanaceae. Formas

Leia mais

DETRUSITOL LA tartarato de tolterodina. APRESENTAÇÕES Detrusitol LA cápsulas de liberação prolongada de 4 mg em embalagens contendo 7 ou 30 cápsulas.

DETRUSITOL LA tartarato de tolterodina. APRESENTAÇÕES Detrusitol LA cápsulas de liberação prolongada de 4 mg em embalagens contendo 7 ou 30 cápsulas. DETRUSITOL LA tartarato de tolterodina I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Detrusitol LA Nome genérico: tartarato de tolterodina APRESENTAÇÕES Detrusitol LA cápsulas de liberação prolongada

Leia mais

Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center

Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center I Simpósio de Farmácia A.C.Camargo Cancer Center Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center Regina Attiê Farmacêutica Coordenadora de Farmácia A.C.Camargo Cancer Center

Leia mais

cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg

cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 cloridrato de donepezila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

dicloridrato de betaistina

dicloridrato de betaistina dicloridrato de betaistina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica. Comprimidos 16 mg dicloridrato de betaistina Medicamento Genérico, Lei n o 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos simples: embalagem

Leia mais

Projecto de Lei nº 501/X

Projecto de Lei nº 501/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 501/X Altera a portaria n.º 1474/2004, de 21 de Dezembro, no que concerne ao escalão de comparticipação dos medicamentos destinados às pessoas que sofrem de Doença

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER

PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER Larissa da Silva Wathier 1 ;

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BENICAR olmesartana medoxomila APRESENTAÇÕES Benicar é apresentado em embalagens com 10 ou 30 comprimidos revestidos de olmesartana medoxomila nas concentrações de 20 mg ou

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Marcia Ferreira Amendola Patrícia Mara Danan ii OBJETIVO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimido revestido - extrato seco de folhas de Trifolium pratense L. - Embalagem contendo 30 comprimidos.

APRESENTAÇÃO Comprimido revestido - extrato seco de folhas de Trifolium pratense L. - Embalagem contendo 30 comprimidos. Promensil Trifolium pratense L. Nomenclatura botânica: Trifolium pratense L. Nomenclatura popular: red clover ou trevo vermelho Família: Leguminosae (Fabaceae) Parte utilizada: folhas APRESENTAÇÃO Comprimido

Leia mais

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias Para fazer o teste é preciso focar nas mudanças que eventualmente tenham ocorrido na capacidade cognitivas e funcionais do paciente. Em cada categoria, deve ser escolhida a frase que melhor descrever o

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

(inicia no slide 17) Bipolaridade

(inicia no slide 17) Bipolaridade (inicia no slide 17) Bipolaridade Os Transtornos do Humor Bipolar são transtornos crônicos, recorrentes e, muitas vezes, com remissão incompleta e potencialmente letais. Os pólos de apresentação são: *

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos. BETASERC (dicloridrato de

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012 FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA CURSO DE CLÍNICA MÉDICA 4º ANO / 2012 Coordenação: Dra. Elina Lika Kikuchi Professor Responsável: Prof. Dr. Wilson Jacob Filho

Leia mais

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 olmesartana medoxomila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Leia sem moderação. Alcoolismo

Leia sem moderação. Alcoolismo Leia sem moderação. Alcoolismo ALCOOLISMO O alcoolismo é uma doença grave causada pela ingestão contínua de bebidas alcoólicas. A pessoa torna-se prisioneira do ato de beber, sofrendo conseqüências sociais,

Leia mais

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g ONCICREM A Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Oncicrem

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais

DOENÇA DE ALZHEIMER: FATORES FISIOPATOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E GÊNICOS

DOENÇA DE ALZHEIMER: FATORES FISIOPATOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E GÊNICOS DOENÇA DE ALZHEIMER: FATORES FISIOPATOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E GÊNICOS Aracele Silva Cardoso, Jéssica Lorrayne Viana Ferreira, Larissa Godoy Del Fiaco e Rodrigo da Silva Santos Faculdade de Medicina Alfredo

Leia mais