Índice. Introdução. ... Área Serviços de Rede. ... Serviço RCTS. ... Serviço Infra-estruturas Ópticas... Projecto GEANT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice. Introdução. ... Área Serviços de Rede. ... Serviço RCTS. ... Serviço Infra-estruturas Ópticas... Projecto GEANT ... ... ..."

Transcrição

1

2 Índice Introdução... Área Serviços de Rede... Serviço RCTS... Serviço Infra-estruturas Ópticas... Projecto GEANT... Projecto FEDERICA... Área Infra-estruturas Aplicacionais... Serviço Rede Local e Postos de Trabalho... Serviço Aplicações Administrativas... Serviço Gestão de Servidores e Salas Técnicas... Projecto Sala GRID... Área Segurança e Serviços à Comunidade... Serviço CERT.PT... Projecto Internet Segura... Serviço Utilizador RCTS... Serviço VoIP... Área Serviços Avançados... Serviço b-on... Projecto RCAAP... Projecto e Arquivos Web... Serviço Técnico de Vídeo... Projecto Linguateca... Área DNS... Serviço de apoio à Gestão e Qualidade... Serviço Administrativo DNS... Serviço de Infra-estrutura Técnica DNS... Programa Harvard Medical School - Portugal... Área Comunicação e Imagem... Serviço de comunicação interna... Serviço de comunicação externa... Assessoria Jurídica... Área Administrativa e Financeira... Serviço de Recursos Humanos... Serviço de Contabilidade... Serviço de Controlo de Gestão... Orçamento Global... Por Actividade e por Área

3

4

5 Introdução A missão central da FCCN consiste em "disponibilizar meios avançados de comunicações para a comunidade de investigação e de ensino nacional, contribuindo para a dinamização das tecnologias e serviços da Internet em Portugal". Esta missão insere-se num contexto para o desenvolvimento do País, no quadro do renovado Compromisso com a Ciência, visando contribuir para reforçar o desenvolvimento científico e tecnológico em Portugal, para estimular a colaboração entre instituições científicas, valorizar os resultados da investigação científica consolidando a e-ciência em Portugal, uma nova designação criada para identificar um novo paradigma de trabalho científico fortemente apoiado no recurso às tecnologias da informação e comunicação. A dinamização da e-ciência passa a ser uma das linhas orientadoras da actividade da FCCN disponibilizando aos nossos investigadores as infra-estruturas que a podem potenciar. Neste contexto a RCTS - Rede Ciência Tecnologia e Sociedade - a rede de investigação e de ensino nacional, tem sido alvo de muitos melhoramentos. Sobre esta rede têm vindo a ser concretizados vários projectos cujo objectivo central é facultar aos investigadores e estudantes portugueses um mais amplo acesso ao conhecimento, a meios de partilha deste conhecimento, a recursos científicos nacionais e estrangeiros, a recursos de computação e a meios de trabalho colaborativo. Assim a actividade da FCCN em 2010 continuará a enquadrar-se no apoio às políticas e acções nacionais na área da sociedade da informação, com especial incidência nas necessidades do sistema de investigação e de ensino. A principal actividade da FCCN centra-se no planeamento e gestão da rede RCTS, Rede Ciência Tecnologia e Sociedade, infra-estrutura de rede informática privativa, avançada, que liga as entidades do sistema científico e do sistema de ensino entre si e à Internet mundial. Em 2008 e 2009 a RCTS concluiu uma segunda fase de investimentos para uso mais extenso de fibra óptica própria da FCCN. O ano de 2010 procurará sedimentar a rede em torno desta nova realidade e iniciar uma terceira fase de investimentos em fibra óptica, visando levar esta infraestrutura a mais capitais de distrito onde estão localizadas instituições de investigação e de ensino superior. No âmbito da RCTS continuarão a ser desenvolvidas actividades de cooperação com as outras redes europeias de ensino e de investigação e com as organizações congéneres da FCCN no seio da TERENA (Trans-European Research Education Networking Association - associação europeia das Redes de Investigação e de Ensino Nacionais). A RCTS é, assim, a componente nacional das infraestruturas de comunicações que suportam as actividades de I&D nacionais e dos Programas Quadro de Investigação da União Europeia. A RCTS suporta ainda diversos serviços que são geridos pela FCCN em articulação com as instituições ligadas à RCTS. A infra-estrutura da RCTS continuará a ser gerida para estar disponível ao investigador individual que precisa de ter acesso ao seu ambiente de trabalho em qualquer situação: não só a partir do seu local de trabalho ou do seu laboratório mas, também, a partir de qualquer outro centro da investigação europeu onde se desloque, pelo que se manterá uma forte articulação com as iniciativas europeias de identificação federada do utilizador científico. A importância especial do paradigma de GRID Computing bem como o papel específico que as tecnologias de comunicações de alta capacidade reconhecidamente desempenham para atingir os objectivos da computação distribuída levaram a que a FCCN reforce os mecanismos de gestão da sala GRID e dos equipamentos aí alojados para benefício da comunidade GRID nacional. Em 2010 deverá ser concretizada a ligação em fibra da RCTS à RedIRIS, que já está concluída do lado português o que permitirá uma melhor conectividade com a rede GEANT3. Permitirá ainda, naturalmente, um aprofundamento da cooperação com Espanha, em especial na área do GRID- Computing. Em 2010 será reforçado o trabalho em prol do uso do IPv6, face à crescente urgência resultante do previsível esgotamento dos endereços IPv4 em 2012/13. 1

6 Introdução No que se refere aos serviços de acesso ao conhecimento científico para a comunidade de investigação e ensino superior serão continuados os serviços B-ON e RCAAP. A B-ON, Biblioteca do Conhecimento Online, entrará numa fase de consolidação com a assinatura de novos contratos que disponibilizam o acesso ilimitado e permanente nas instituições de investigação e do ensino superior aos textos integrais de mais de publicações científicas internacionais. No que se refere ao Repositório Científico de Acesso Aberto Português, RCAAP, será procurada a integração de mais instituições nacionais, bem como a interligação com projecto análogo no Brasil, contribuindo para a maior visibilidade do trabalho científico feito em Portugal. Em 2010 a FCCN prevê lançar a operação pública dos serviço de Arquivo da Web portuguesa e ainda colaborar com o Brasil para o desenvolvimento da sua iniciativa de arquivo da Web, e para a definição de cenários de implementação e manutenção sustentável de memória de arquivos da Web nos dois países e adopção de um sistema integrado de procura nesses arquivos. Na área da segurança e tendo em atenção as competências da FCCN e as infra-estruturas que gere, em especial o CERT.PT e o DNS, vai continuar a promover a sua articulação com outras iniciativas nacionais. Paralelamente serão acompanhadas as actividades internacionais nesta área. Sendo a segurança uma das áreas relevantes, quer no 7º Programa Quadro da União Europeia quer na Agenda de Lisboa, a FCCN deverá procurar alinhar as suas actividades nestes contextos. Além disso a FCCN procurará estreitar a colaboração com outras entidades a nível internacional, em especial com o CERT.BR do Brasil. Para o DNS e em 2010 a FCCN prosseguirá a política adoptada de melhoria contínua do serviço fornecido à Comunidade Internet nacional, através da gestão do domínio DNS de Portugal (serviço DNS de.pt), reforçando as vertentes de qualidade de serviço, segurança e tolerância a falhas, bem como a divulgação do serviço e das suas potencialidades para as organizações nacionais. Será implementado o protocolo DNSSEC na hierarquia de.pt. Finalmente, o ano de 2010 deverá continuar a visão da FCCN como uma organização com especiais responsabilidades de pioneirismo e de inovação nas suas áreas de intervenção. O Presidente do Conselho Executivo 2

7

8 4

9 Área Serviços de Rede A Área de Serviços de Rede tem como missão principal assegurar a prestação de serviços de transmissão e comutação da informação, à escala nacional e de forma integrada com as suas congéneres internacionais, de forma a satisfazer os requisitos de comunicações das diversas comunidades integradas na RCTS, bem como de todas as actividades desenvolvidas sobre esta. A prestação destes serviços orienta-se pelas melhores práticas estabelecidas em termos de inovação, desempenho, fiabilidade e transparência. A visão de médio prazo para esta área centra-se na maximização da exploração das novas capacidades ópticas e de comutação da rede, combatendo as assimetrias geográficas através do alargamento da rede óptica. A nível internacional manter-se-á a promoção da integração no grupo das redes de mais avançadas, com especial destaque para a cooperação a nível ibérico. Para o ano de 2010 as orientações gerais serão as seguintes: Combate ao Digital Divide; Automatização e optimização de processos de gestão operacional e de reporte; Comunicação dos serviços e projectos às potenciais comunidades utilizadoras. Estas orientações, transversais a toda a Área Serviços de Rede, serão conjugadas com os objectivos e planos de trabalho específicos de cada actividade, apresentados de seguida. Serviço RCTS Na RCTS, perspectiva-se para 2010 a continuação do aumento do número de entidades servidas por fibra óptica escura, através do alargamento deste tipo de ligações no interior e em zonas metropolitanas. Esta evolução possibilitará o aumento da largura de banda de acesso à RCTS, através de novos acessos de 10G. De forma a suportar estes aumentos será necessário reforçar os equipamentos de comutação no nó do Porto. Será analisada a necessidade de criação de um nó de comutação IP no interior do país. Será efectuado o upgrade da ligação redundante, entre o nó de Lisboa e do Porto, para um mínimo de 2.5Gbits. No último trimestre deverá ser feita a avaliação económica e técnica da passagem de algumas ligações para 40G, nomeadamente as de backbone. 5

10 Área Serviços de Rede Em relação à conectividade internacional, deverão operacionalizar-se ambas as ligações a 10G com a RedIRIS, em Badajoz e no Porto. Em termos da conectividade IP e Ethernet via GEANT, irá ser promovida a evolução para uma ligação simétrica, com backup a 10G será o ano de consolidação da sub-actividade L2-VPN, através de um levantamento dos projectos com requisitos de larguras de banda elevadas e de contactos directos com as potenciais comunidades utilizadoras desse serviço. Manter-se-á, de forma integrada na RCTS, a gestão e operação da Rede Solidária e da rede do MCTES, como conjunto de ligações com especificidades próprias. Em relação à Rede Solidária criar-se-ão, em 2010, mecanismos de reporte automático, quer para análise interna, quer para envio a entidades externas. Dado o crescimento do GigaPix, em 2010 será efectuada a segunda ligação a 10G à RCTS, através do reforço da capacidade de comutação existente no nó de Lisboa. A actividade 6DEPLOY, projecto europeu patrocinado pela Comissão Europeia, chegará ao seu término em Agosto de A FCCN planeia co-organizar uma workshop com o objectivo de estimular a implantação do IPv6 em redes de ISPs ou da indústria. Como objectivo de final de projecto, estaremos emprenhados em conseguir uma boa review do projecto. Tabela de Execução Técnica Nº Lista e Descrição dos Resultados Físicos Mês 1 a) Upgrade de software e hardware da solução QoSMetrics; b) Reestruturação do nó do Porto (comutação e encaminhamento); c) Implementação dos mecanismos operacionais de provisionig, monitorização e tratamento de incidentes do serviço L2-VPN. 3 2 a) Migração do HP Openview Service Desk para o HP Service Manager; b) Lançamento do procedimento de renovação dos serviços de comunicação; c) Implementação da ligação IP com RedIRIS no Porto; 6 3 a) Produção automatizada de relatórios, com indicadores da Rede Solidária e melhoramento dos relatórios de indicadores da RCTS; b) Passagem para 10G do segundo acesso ao GigaPIX; c) Estudo da topologia da RCTS, avaliação da criação de nós de comutação no interior do país; 9 4 a) Passagem dos novos acessos, das entidades de ensino superior público, em FO para 10G. b) Parametrização e entrada em produção do HP Network Node Manager; c) Avaliação económica e técnica da passagem de algumas ligações, nomeadamente de backbone, para 40G. 12 Tabela de Execução Financeira Repartição Orçamental Acumulado a Março Acumulado a Junho Acumulado a Setembro Acumulado a Dezembro

11 Área Serviços de Rede Serviço Infra-estruturas Ópticas As infra-estruturas ópticas englobam todas as actividades que, não estando incluídas em projectos ou serviços específicos, estão relacionadas com os recursos e funcionalidades próprias deste meio de transmissão. Em 2010 a rede óptica será alargada a novas capitais de distrito. De forma a diminuir as assimetrias existentes, a maior ênfase será no interior do país, visando-se a criação de um anel de fibra nacional. Para chegar aos diferentes locais, será promovida a celebração de acordos com entidades detentoras de fibra óptica, tais como as Cidades e Regiões Digitais. Numa primeira fase, o objectivo será ligar a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real e o Instituto Politécnico de Bragança à RCTS. O passo seguinte, dependente dos recursos disponíveis, consistirá em fazer chegar a fibra às cidades de Castelo Branco (IP Castelo Branco), Covilhã (UBI), Viseu (IP Viseu) e Guarda (IP Guarda), prolongando-se até à fibra já existente em Portalegre. Concluída esta fase, serão estudadas formas de dotar o anel de fibra óptica assim construído de funcionalidades avançadas de transmissão óptica, sempre na perspectiva de, com ele, ser possível salvaguardar o máximo de instituições em caso de falha. Pretende-se ainda em 2010 fechar o anel de fibra na zona da Asprela, no Porto. No plano internacional deverá finalmente ser possível a conclusão das interligações com Espanha, nomeadamente o aumento de capacidade do nó óptico em Badajoz e a ligação através da Galiza, com interligação dos equipamentos ópticos das duas redes no Porto. Disponibilizar-se-ão lambdas a todas as instituições ligadas em fibra óptica, e completar-se-á a integração com os processos operacionais da Área Serviço de Redes. Será dada ênfase à divulgação deste serviço junto dos centros informáticos e das comunidades relevantes de investigadores dentro de cada instituição. 7

12 Área Serviços de Rede Serão adquiridos dispositivos ópticos para as instituições ligadas em fibra, disponibilizando-se 4 x 10G em cada local. Será completado o levantamento cadastral SIG da fibra instalada pelos projectos de Cidades e Regiões Digitais e de Redes Comunitárias. Tabela de Execução Técnica Nº Lista e Descrição dos Resultados Físicos Mês 1 a) Lançamento do processo aquisitivo de fibra entre Porto, UTAD e RCTQT; b) Operacionalização das novas ligações em fibra em Lisboa; c) Implementação dos automatismos operacionais de provisioning, monitorização e tratamento de incidentes dos lambdas; 3 2 a) Operacionalização da fibra entre Porto, UTAD e RCTQT; b) Lançamento do processo aquisitivo de equipamentos de fibra os restantes locais. c) Realização de concurso público para consolidação dos contratos de manutenção de meios próprios de fibra óptica. 6 3 a) Lançamento do processo aquisitivo de equipamentos activos de transmissão e comutação. b) Finalização do anel de fibra óptica no Porto e ligação das restantes instituições na cidade; c) Operacionalização de novas ligações metropolitanas em fibra (Braga e outras) 9 4 a) Operacionalização dos equipamentos activos para os novos locais com fibra. b) Operacionalização das ligações a Espanha em N x 10G em Badajoz e Porto. c) Conclusão do carregamento dos dados do 12 Tabela de Execução Financeira Repartição Orçamental Acumulado a Março Acumulado a Junho Acumulado a Setembro Acumulado a Dezembro

13 Área Serviços de Rede Projecto GEANT O projecto europeu GN3, do tipo Integrated Infrastruture Iniciative (I3) tem como objectivo principal a criação de uma rede de última geração, capaz de suportar um conjunto alargado de serviços de rede e de valor acrescentado. Uma das principais metas deste projecto é a disponibilização de todos os serviços avançados de rede multi-domínio, solicitados pela comunidade de educação e investigação. O esforço da FCCN em 2010 estará focado em duas actividades de serviços (SA2 e SA3), abrangendo três tarefas (Tasks): Service Activity 2 (Multi-Domain Network Service Operation): Task 2 (Service Coordination & Operations);e Task 4 (Security Task). Service Activity 3 (End User Services in a Federated Environment): Task 2 - (European Authentication and Authorization Infrastructure) Esta actividade engloba também o projecto europeu 6DEPLOY, que deverá terminar no 1º semestre de Tabela de Execução Técnica Nº Lista e Descrição dos Resultados Físicos Mês 1 a) GN3-SA2T2: Condução das acções da responsabilidade das Sub-Tasks 1 e 2; b) GN3-SA2T4: Contribuição para o cumprimento dos objectivos da componente de segurança (de acordo com as solicitações); c) GN3-SA3T2: Operação da confederação eduroam, reporting. 3 2 a) GN3-SA2T2: Condução das acções da responsabilidade das Sub-Tasks 1 e 2; b) GN3-SA2T4: Contribuição para o cumprimento dos objectivos da componente de segurança (de acordo com as solicitações); c) GN3-SA3T2: Operação da confederação eduroam, reporting. 6 3 a) GN3-SA2T2: Condução das acções da responsabilidade das Sub-Tasks 1 e 2; b) GN3-SA2T4: Contribuição para o cumprimento dos objectivos da componente de segurança (de acordo com as solicitações); c) GN3-SA3T2: Operação da confederação eduroam, reporting 9 4 a) GN3-SA2T2: Condução das acções da responsabilidade das 12 Sub-Tasks 1 e 2; b) GN3-SA2T4: Contribuição para o cumprimento dos objectivos da componente de segurança (de acordo com as solicitações); c) GN3-SA3T2: Operação da confederação eduroam, reporting Tabela de Execução Financeira Repartição Orçamental Acumulado a Março Acumulado a Junho Acumulado a Setembro Acumulado a Dezembro

14 Área Serviços de Rede Projecto FEDERICA O projecto FEDERICA pretende construir uma infra-estrutura agnóstica relativamente a protocolos, serviços ou aplicações que possam vir a ser testados, potencialmente de forma disruptiva. Pretende-se desenvolver mecanismos que permitam este tipo de experiências sobre infra-estruturas de rede em produção, sem lhes causar efeitos adversos. Este projecto europeu tem término previsto para Junho de Em 2010 serão desenvolvidas as actividades previstas para a FCCN, nomeadamente as da actividade de Serviço SA2 - Participação na estrutura de operação e suporte a utilizadores Federica, com o objectivo de se assegurar os níveis de esforço contractualizados. A FCCN participará em eventuais prolongamentos temporais do projecto em curso, bem como na elaboração de projectos sucessores, aqui denominado FEDERICA-II. Tabela de Execução Técnica Nº Lista e Descrição dos Resultados Físicos Mês 1 a) Federica - SA2 - Participação na estrutura de operação e suporte a utilizadores. b) Apoio na elaboração de nova candidatura ou negociação da extensão do Federica. 3 2 a) Federica - SA2 - Participação na estrutura de operação e suporte a utilizadores. b) Apoio na elaboração de nova candidatura ou negociação da extensão do Federica. 6 3 a) Cumprimento das tarefas atribuídas a FCCN no ambito do 9 Federica II ou da extensão do FEDERICA I 4 a) Cumprimento das tarefas atribuídas a FCCN no ambito do 12 Federica II ou da extensão do FEDERICA I Tabela de Execução Financeira Repartição Orçamental Acumulado a Março Acumulado a Junho Acumulado a Setembro Acumulado a Dezembro

15

16 12

17 Área Infra-estruturas Aplicacionais A Área de Infra-estruturas Aplicacionais tem como missões essenciais a gestão da rede interna da FCCN, que compreende os postos de trabalho dos colaboradores e as aplicações informáticas administrativas; bem como a gestão das salas técnicas e os servidores lá instalados. É também responsável pelos desenvolvimentos infra-estruturais da sala-grid, que é um centro nacional para super-computação, instalado no campus do LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil. A médio prazo entende-se como prioritárias as seguintes orientações estratégicas para a área, que terá em 2010 o seu segundo ano de funcionamento pleno: Estabilização das competências asseguradas pela área, procurando realizar os desenvolvimentos essenciais ao bom funcionamento; Agregação dos contratos de manutenção de servidores, armazenamento ou outros cuja concentração tenha clara vantagem em termos de obtenção de melhores preços e qualidade no mercado; Prestação dos serviços de acordo com as melhores práticas da indústria, designadamente com enquadramento nas seguintes referências internacionais: ITIL- Information Technology Infrastructure Library, ISO Information security management systems e European Union Code of Conduct for Data Centres; Enquadramento de um plano de contingência com vista a proteger a informação e serviços telemáticos essenciais da FCCN contra a perda de serviços nas salas técnicas. Destaca-se para 2010 a realização das seguintes actividades: Constituição de uma equipa de helpdesk e operação com horário de funcionamento alargado, incluindo períodos nocturnos, bem como fins de semana e feriados; Reorganização da função de backup & restore com vista a satisfazer a evolução dos sistemas salvaguardados, cujo volume de dados tem vindo a aumentar;. Evolução do software service desk, para a nova versão service manager, com as funções de gestão de tratamento de ocorrências, constituição de inventários técnicos, bem como outras valências a explorar no futuro. 13

18 Área Infra-estruturas Aplicacionais Serviço Rede Local e Postos de Trabalho O Serviço Rede Local e Postos de Trabalho centra-se na gestão da rede informática, que inclui apoio ao utilizador e respectivos postos, serviço de correio electrónico, serviços partilhados de rede, redes virtuais (VLANs), firewall, antivírus/antispam e backups. Em 2010 irão realizar-se as seguintes actividades: renovação parcial dos postos de trabalho; instalação de um sistema de autenticação forte e simplificado, recorrendo a tecnologias específicas como por exemplo chaves físicas com mostrador digital ou certificados; melhoria do serviço de webmail; melhoria do serviço de VPN, com o objectivo de minimizar dependência do software no posto de trabalho; gestão mais eficiente do serviço de impressoras; melhoria do sistema de backup dos dados dos postos de trabalho; melhoria da metodologia de recuperação de sistemas operativos, com vista a uma recuperação mais rápida e completa do sistema operativo. Tabela de Execução Técnica Nº Lista e Descrição dos Resultados Físicos Mês 1 a) Melhoria do serviço de VPN 3 b) Melhoria da metodologia de recuperação de sistemas operativos 2 a) Implementação de um sistema de autenticação forte 6 b) Melhoria do sistema de backups dos postos de trabalho 3 a) Renovação de postos de trabalho 9 b) Reorganização do serviço de impressoras 4 a) Melhoria do serviço de Webmail b) Inquérito de satisfação aos utilizadores 12 Tabela de Execução Financeira Repartição Orçamental Acumulado a Março Acumulado a Junho Acumulado a Setembro Acumulado a Dezembro

19 Área Infra-estruturas Aplicacionais Serviço Aplicações Administrativas Ao Serviço Aplicações Administrativas cabe a gestão das aplicações informáticas específicas de suporte ao funcionamento interno da FCCN, focando-se em assegurar o desenvolvimento e exploração de um conjunto de sistemas de informação Em 2010 irão desenvolver-se as seguintes actividades: realização de upgrade à ferramenta HP ServiceDesk para o Service Manager (actual versão), incluindo a reengenharia dos processos com vista à exploração das potencialidades do novo produto; implementação de uma infra-estrutura integrada de suporte à facturação electrónica na óptica das compras; e participação no projecto de implementação do novo sistema de informação para o DNS, com especial enfoque na integração com o ERP - Adonix X3. Pretende-se migrar um conjunto de serviços e respectivos meios para a responsabilidade das aplicações administrativas que irão assegurar os seguintes serviços: alojamento Web, Wiki, Fórum, Inquéritos e Moodle (CITI e FCCN). Tabela de Execução Técnica Nº Lista e Descrição dos Resultados Físicos Mês 1 Adjudicação do projecto de upgrade ao HP ServiceDesk 3 2 a) Upgrade ao HP ServiceDesk 6 b) Inclusão no catálogo dos serviços prestados, dos seguintes serviços: alojamento Web, Wiki, Fórum, Inquéritos e Moodle (CITI e FCCN) 3 Facturação electrónica 9 4 Novo sistema de informação do DNS 12 Tabela de Execução Financeira Repartição Orçamental Acumulado a Março Acumulado a Junho Acumulado a Setembro Acumulado a Dezembro Serviço Gestão de Servidores e Salas Técnicas O Serviço Gestão Servidores e Salas Técnicas ocupa-se da gestão das salas técnicas e dos servidores da FCCN lá alojados. A FCCN gere três espaços técnicos principais, dois em Lisboa e outro no Porto, bem como mais de 300 servidores físicos. Pretende-se em 2010 passar a ter serviços técnicos para a RCTS em horário alargado, com cobertura total nocturna, bem como de fins de semana e feriados. Para esse efeito, será contratada uma equipa com perfil adequado. Atendendo ao valor e importância dos equipamentos alojados na sala técnica do edifício Manuel Rocha irá proceder-se à instalação nesse espaço de um sistema automático de supressão de fogo. Instalar-se-á uma infra-estrutura de máquinas virtuais, com os objectivos de: disponibilizar eficientemente sistemas operativos pré-instalados para projectos e serviços da FCCN; consolidar servidores existentes, desactivando equipamento com funcionamento deficiente; e ensaiar, em termos 15

20 Área Infra-estruturas Aplicacionais embrionários, um sistema de gestão de ambientes de computação tipo "cloud", com vista a potencial extrapolação futura para um ambiente mais alargado. Para a estabilidade das comunicações dos servidores, estes devem ter dois caminhos de rede alternativos, pretendendo-se em 2010 configurar esses caminhos, ou ramais, nas salas técnicas SE02, no Porto, e na SE05, na Refer-Telecom. Pretende-se ainda assegurar a gestão do hardware e sistemas operativos dos sistemas do arquivo da Web portuguesa. Tabela de Execução Técnica Nº Lista e Descrição dos Resultados Físicos Mês 1 Contratação de equipa de supervisão 24/7 3 2 a) Constituir documentação de suporte para a equipa de supervisão fora de horas; b) Passar a gestão de hardware e sistema operativo dos sistemas do arquivo da Web portuguesa para a responsabilidade do Serviço Gestão de Servidores e Salas Técnicas 6 3 a) Instalação de extinção automática de fogo na SE03 9 (sala técnica do edifício Manuel Rocha) b) Constituição de plataforma de máquinas virtuais 4 a) Realização de consulta ao mercado para contrato de suporte de servidores e storage, para reparação de avarias, para adjudicação em 2011 b) Configuração de ramais de comunicação secundários aos servidores, nas salas técnicas SE02 (Porto) e SE05 (Refer Telecom) 12 Tabela de Execução Financeira Repartição Orçamental Acumulado a Março Acumulado a Junho Acumulado a Setembro Acumulado a Dezembro Projecto Sala GRID A sala GRID é um espaço vocacionado para instalações informáticas de alta densidade, tendo actualmente instalados mais de microprocessadores para computação GRID e um sistema de armazenamento em banda magnética com capacidade de 2 Peta Bytes, bem como equipamentos afectos a projectos ou serviços para a RCTS. Para 2010 prevê-se realizar o seguinte conjunto de desenvolvimentos na infra-estrutura: Instalação de uma cobertura nas bombas de exterior, com vista a sua protecção contra a intempérie; Instalação de controlo de acessos e detecção de intrusão na saída de emergência; Alargamento de tele-vigilância a espaços críticos, como por exemplo, as entradas da sala, no exterior, a zona técnica exterior, a zona de tratamento de águas e o local de instalação dos cilindros para extinção de incêndio; Repetição dos alarmes ambientais para a portaria do LNEC. 16

21 Área Infra-estruturas Aplicacionais Projecto Sala GRID Proceder-se-á à disponibilização de storage para a RCTS, em regime de piloto, usando uma biblioteca de cassetes com capacidade de 1 Peta Byte. Este desenvolvimento deverá ser realizado em consonância com a iniciativa TF-Storage da TERENA. Tabela de Execução Técnica Nº Lista e Descrição dos Resultados Físicos Mês 1 Repetição de alarmes para a portaria do LNEC (software, 3 hardware e cablagens) 2 Alargamento de tele-vigilância às entradas da sala e outros 6 espaços críticos 3 Instalação de controlo de acessos e detecção de intrusão na 9 porta de emergência 4 a) Cobertura da central de bombagem 12 b) Disponibilização de storage para a RCTS baseado em biblioteca existente de 1 Peta Byte de capacidade Tabela de Execução Financeira Repartição Orçamental Acumulado a Março Acumulado a Junho Acumulado a Setembro Acumulado a Dezembro

22 18

23

24 20

25 Área Segurança e Serviços à Comunidade A segurança das redes e da informação assume um papel de extrema importância na vida dos cidadãos e das organizações. Alerta para este facto, a FCCN tem vindo a desenvolver um conjunto de serviços e projectos que focam a melhoria dessa segurança das redes e da informação e a protecção dos indivíduos e organizações contra incidentes e conteúdos ofensivos na Internet, designadamente o serviço CERT.PT e o projecto Internet Segura. Dentro dos serviços à comunidade inserem-se actividades de acesso remoto, independente da localização do utilizador, a infra-estruturas e serviços prestados na RCTS, tais como a mobilidade e-u/eduroam, a federação de serviços RCTSaai ou a rede privativa de voz para a RCTS. Serviço CERT.PT Com um conjunto de actividades de segurança pró-activas e reactivas, o CERT.PT visa a minimização de danos resultantes de incidentes de segurança das redes e da informação e a formação de uma consciência de segurança nos administradores de redes e sistemas e utilizadores em geral. Com esses objectivos em vista, manter-se-á a aposta no tratamento de incidentes dentro da comunidade académica nacional e na coordenação de incidentes dentro do território nacional. Na componente de alerta à comunidade, o CERT.PT continuará a analisar e validar a informação recebida através dos vários fora especializados e a disseminar, informação relevante de alerta e boas práticas de segurança, em língua portuguesa. Na vertente de cooperação nacional será desenvolvida a capacidade de resposta a incidentes e a troca de informação entre os membros actuais da rede nacional de CSIRTs e promovido o alargamento desta aos sectores da banca e da administração pública. Neste contexto, realizar-se-á um estudo de risco e uma proposta de medidas para contenção de ataques de grande dimensão do tipo DDoS em Portugal, promoverse-á a implementação de mecanismos de protecção do cidadão contra tentativas de roubo de identidade e de mecanismos de controlo de malware instalado. Dar-se-á, igualmente, continuidade aos trabalhos do CNPCE no âmbito da instalação da Comissão de Planeamento de Emergência do Ciberespaço. Neste contexto será ainda reforçada a componente de formação e capacitação técnica de membros de CSIRT já existentes com a criação de um novo workshop sobre tratamento de incidentes. Será igualmente dada continuidade no apoio à formação de magistrados e outros agentes judiciais nas temáticas relativas ao cibercrime. 21

FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt. Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt

FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt. Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt Agenda FCCN RCTS serviços e projectos internacionais Projecto SIG@Fibra Network Engineer Futuro Q&A

Leia mais

Índice. Introdução. ... Área Serviços de Rede. ... Serviço RCTS. ... Serviço Infra-estruturas Ópticas... Projecto GEANT ... ...

Índice. Introdução. ... Área Serviços de Rede. ... Serviço RCTS. ... Serviço Infra-estruturas Ópticas... Projecto GEANT ... ... Índice Introdução... Área Serviços de Rede... Serviço RCTS... Serviço Infra-estruturas Ópticas... Projecto GEANT... Área Infra-estruturas Aplicacionais... Serviço Rede Local e Postos de Trabalho... Serviço

Leia mais

Índice. Introdução Área Serviços de Rede Serviço RCTS Projecto GEANT

Índice. Introdução Área Serviços de Rede Serviço RCTS Projecto GEANT Índice Introdução Área Serviços de Rede Serviço RCTS Projecto GEANT............ Área Infra-estruturas Aplicacionais... Serviço Aplicações Administrativas, Rede Local e Postos de Trabalho... Serviço Gestão

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

melhor e mais inovador

melhor e mais inovador Conheça o melhor e mais inovador de Portugal. Prime TI s Mais de 2000 m2 850 Bastidores 4 Salas de alojamento 2 Salas networking Salas de staging Salas UPS Sala de clientes Sala bandoteca Serviços de storage,

Leia mais

A RCTS Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade - é a rede nacional de investigação e ensino (National Research and Education Network, NREN) e é

A RCTS Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade - é a rede nacional de investigação e ensino (National Research and Education Network, NREN) e é A RCTS Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade - é a rede nacional de investigação e ensino (National Research and Education Network, NREN) e é planeada, gerida e operada pela FCCN unidade da FCT (Fundação

Leia mais

E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access

E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access U. do Minho, Braga, 26 Nov 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Estratégia

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento 2013

Plano de Atividades e Orçamento 2013 Plano de Atividades e Orçamento 2013 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. ÁREA DE SERVIÇOS DE REDE... 6 2.1. SERVIÇO RCTS... 6 2.2. PROJETO GEANT... 7 3. ÁREA DE INFRAESTRUTURAS APLICACIONAIS... 9 3.1. SERVIÇO

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO

INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO ÍNDICE Introdução e enquadramento...3 Participantes no processo de mobilidade... 4 Instituição de origem...5 Instituição visitada...6 Utilizador em mobilidade...7 NREN... 8 ANEXO 1 Modelo de accounting...9

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Universidade do Minho, 15-16 Dez 2008

Universidade do Minho, 15-16 Dez 2008 3ª Conferência Openaccess Universidade do Minho, 15-16 Dez 2008 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Estratégia Nacional de e-ciência

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

Algarve Digital Sessão de trabalho. Janeiro de 2006. Algarve Digital

Algarve Digital Sessão de trabalho. Janeiro de 2006. Algarve Digital Algarve Digital Sessão de trabalho Janeiro de 2006 Agenda Sessão Informativa Ponto de Situação geral do Projecto Algarve Digital Lançamento do Projecto Redes Camarárias Lançamento dos Projectos Intranet

Leia mais

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 As entidades de supervisão do sistema financeiro internacional procederam ao longo dos últimos anos a profundas adaptações, por via legislativa e organizacional,

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

DNSSEC. Declaração de Política e Procedimentos

DNSSEC. Declaração de Política e Procedimentos Declaração de Política e Procedimentos Serviço de Registo de Domínios.PT Julho de 2009 Índice 1. INTRODUÇÃO... 6 1.1. ACERCA DO DNS.PT... 6 1.2. ÂMBITO... 7 1.3. CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA... 8 1.4. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

Instituto Politécnico de Viana do Castelo

Instituto Politécnico de Viana do Castelo Um percurso a caminho do futuro Instituto Politécnico de Viana do Castelo Rui Teixeira Vice-Presidente Criação do IPVC Processo:! Separado no tempo! Diferente nos Espaços! Diferentes pontos de partida

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

Centro degestão da RedeInformática do Governo

Centro degestão da RedeInformática do Governo 25 de Maio de 2005 O foi criado pelo Governo 15/12/1989 pelo Decreto-lei 429/89 Âmbito Modernização do sector público Objectivo Adopção dos meios que simplifiquem todo o processo de apoio à tomada de decisão

Leia mais

Aumentar 50% o número de novos licenciados por ano em áreas de ciências e engenharia.

Aumentar 50% o número de novos licenciados por ano em áreas de ciências e engenharia. O Programa do Governo aponta o rápido desenvolvimento científico e tecnológico do País como prioridade nacional e define as metas e indicadores desse desenvolvimento para o período da legislatura. Importa

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

Auditoria ISO 16363 a Repositórios Institucionais

Auditoria ISO 16363 a Repositórios Institucionais Disponível em www.bad.pt/publicacoes PAPER Auditoria ISO 16363 a Repositórios Institucionais José Carvalho Universidade do Minho, josecarvalho@sdum.uminho.pt Resumo Este artigo descreve o processo de auditoria

Leia mais

FTTH FORUM 2008. Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008. Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento

FTTH FORUM 2008. Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008. Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento FTTH FORUM 2008 Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Principais Orientações

Leia mais

Informação Útil Já disponível o SP1 do Exchange Server 2003

Informação Útil Já disponível o SP1 do Exchange Server 2003 Novidades 4 Conheça as principais novidades do Internet Security & Acceleration Server 2004 Membro do Microsoft Windows Server System, o ISA Server 2004 é uma solução segura, fácil de utilizar e eficiente

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação (Mozambique egovernment and Communication Infrastructure Project) (MEGCIP) 5º Fórum Lusófono das Comunicações Painel 4: Infra-estruturas

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Desenvolvimento regional e definição de um novo perfil regional/local. TIC no Alentejo Central

Desenvolvimento regional e definição de um novo perfil regional/local. TIC no Alentejo Central Desenvolvimento regional e definição de um novo perfil regional/local TIC no Alentejo Central Alentejo Central A Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central é composta pelos Municípios de Alandroal,

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

O ITIL e o Plano de Contingência. Lúcia Cerqueira & António Correia informatica@chts.min-saude.pt

O ITIL e o Plano de Contingência. Lúcia Cerqueira & António Correia informatica@chts.min-saude.pt Lúcia Cerqueira & António Correia informatica@chts.min-saude.pt A Equipa de IT do CHTS,E.P.E. Equipa composta por 12 Elementos Framework ITIL using RT ( linha Servicedesk (1ª e 2ª Reorganização da Equipa

Leia mais

RCTS Lambda. Manual de utilização

RCTS Lambda. Manual de utilização RCTS Lambda Manual de utilização Dezembro de 2009 RCTS Lambda Manual de utilização EXT/2009/Área de Redes Dezembro de 2009 ÍNDICE 1 SUMÁRIO EXECUTIVO... 1 2 INTRODUÇÃO... 2 2.1 Enquadramento... 2 2.2 Audiência...

Leia mais

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.06 Data: 2010-11-15 SO CAMES 1 ÍNDICE A Apresentação do CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server - Sistema Operativo de

Leia mais

Solução Base. Descrição do Serviço. A melhor solução de Internet e Voz para Profissionais e Empresas.

Solução Base. Descrição do Serviço. A melhor solução de Internet e Voz para Profissionais e Empresas. Solução Base Descrição do Serviço A melhor solução de Internet e Voz para Profissionais e Empresas. O acesso Internet Banda Larga que evolui com as suas necessidades. Características Solução adequada para:

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

A rede nacional de CSIRTs

A rede nacional de CSIRTs A rede nacional de CSIRTs Workshop ''Cibersegurança: aspectos económicos'' Lino Santos Agenda 1. CERT.PT 2. Rede Nacional de CSIRTs 3. Auto-avaliação 4. Conlcusões CERT.PT O CERT.PT tem como missão contribuir

Leia mais

Redes de Comunicações Case Study - Integração de Voz, Dados, Segurança e SVA s

Redes de Comunicações Case Study - Integração de Voz, Dados, Segurança e SVA s Redes de Comunicações Case Study - Integração de Voz, Dados, Segurança e SVA s IDC Banca & Seguros Lisboa, 06.Maio.2008 Nuno Miguel Nunes nuno.nunes@oni.pt Os Desafios Pressão da concorrência cada vez

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação CADERNO DE ENCARGOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJECTO DE ARQUIVO DIGITAL DE INFRA-ESTRUTURAS DE IT O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais

Lisboa, 20 de Maio de 2010. Construindo redes e infraestruturas. DRIVER e RCAAP

Lisboa, 20 de Maio de 2010. Construindo redes e infraestruturas. DRIVER e RCAAP Lisboa, 20 de Maio de 2010 Construindo redes e infraestruturas de repositórios: DRIVER e RCAAP Eloy Rodrigues eloy@sdum.uminho.pt Sumário Projecto DRIVER - Digital Repository Infrastructure Vision for

Leia mais

Porquê o DNSSEC? O que é o DNSSEC? Porque é o DNSSEC necessário? Para contribuir para uma Internet Segura.

Porquê o DNSSEC? O que é o DNSSEC? Porque é o DNSSEC necessário? Para contribuir para uma Internet Segura. Porquê o DNSSEC? Para contribuir para uma Internet Segura. 2009.11.11 O que é o DNSSEC? DNSSEC é o nome dado às extensões de segurança ao protocolo DNS (Domain Name System) concebidas para proteger e autenticar

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Supervisão das Politicas de Segurança Computação em nuvem Fernando Correia Capitão-de-fragata

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

As Redes de Investigação e de Ensino e o seu Contributo para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação

As Redes de Investigação e de Ensino e o seu Contributo para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação As Redes de Investigação e de Ensino e o seu Contributo para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação Pedro Veiga Faculdade de Ciências (FCCN), Pedro.veiga@fccn.pt Universidade de Lisboa, pedro.veiga@di.fc.ul.pt

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 113/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril de 2002 relativo à implementação do domínio de topo.eu

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

A Segurança Informática na FEUP. Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010

A Segurança Informática na FEUP. Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010 A Segurança Informática na FEUP Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010 Agenda I Introdução II O trabalho na área da Segurança Informática O ponto de partida As medidas O CSIRT.FEUP III - Resultados

Leia mais

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo HR BPO Desafios nos próximos anos Agenda Enquadramento Serviços HR BPO Selecção de parceiros Implementação e operação do HR BPO Exemplo prático Meta4 Agenda Enquadramento

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Livraria dos Mestres

Livraria dos Mestres Gestão de Projectos Informáticos Livraria dos Mestres 3ª Entrega Empresa B Grupo nº 11 João Maurício nº 53919 Ricardo Carapeto nº 53942 Nuno Almeida nº 53946 Page 1 of 28 Índice 1. Sumário para a Gestão

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Oprojecto SCS Sistemas de Continuidade de

Oprojecto SCS Sistemas de Continuidade de Interface Administração Pública 39 Iniciativas de Disaster Recovery e Business Continuity na AP Portuguesa O projecto SCS Sistema de Continuidade de Serviços Por António João P. Pina* Oprojecto SCS Sistemas

Leia mais

Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos

Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos Segurança Digital e Privacidade As organizações começam a apresentar uma crescente preocupação com a temática da segurança devido:

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS APLICAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS -1- AGENDA Quem somos Modelo de Gestão Gestão por Objectivos - BSC Conclusões e Resultados -2- AGENDA Quem somos -3- O QUE FAZEMOS

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

DSPACE GESTÃO DE. Características e requisitos técnicos REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS WHITE PAPER SERIES

DSPACE GESTÃO DE. Características e requisitos técnicos REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS WHITE PAPER SERIES DSPACE GESTÃO DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP11173 Autor Miguel Ferreira Contribuição Luís Miguel Ferros Distribuição

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas de Informação do MJ

Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas de Informação do MJ itsmf Conferência Anual 2012 22 de Maio de 2012 Estratégias de racionalização e sustentabilidade das TIC (setores público e privado) Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais