2. As Empresas. Conteúdo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. As Empresas. Conteúdo"

Transcrição

1 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos das Empresas 1

2 1. Empresas Visão Social de uma Empresa As empresas são organizações sociais cuja função é oferecer valor positivo para as pessoas e para o ambiente, e não apenas dar um retorno financeiro a seus proprietários Eticamente as empresas, como qualquer organização ou atividade humana, devem contribuir para o bem social. 1. Empresas Empresa é todo empreendimento procura reunir e integrar recursos humanos, não humanos (recursos financeiros, tecnológicos, mercadológicos etc.) e competências para alcançar objetivos de auto sustentação e lucratividade através da produção e comercialização de bens e/ou serviços. Uma empresa é uma atividade particular, pública, ou de economia mista, que produz e oferece bens e/ou serviços, com o objetivo de atender a alguma necessidade humana. As empresas podem ser individuais ou coletivas, dependendo do número de sócios que as compõem. 2

3 1. Empresas A empresa deve ser vista como algo que possibilita que o produto possa ser fabricado, chegue até o cliente e ofereça uma remuneração aos envolvidos. Não importa o nome que se dê à empresa (sistema, organização, micro, macro, organismo, sociedade etc.). Ela sempre terá o papel de fornecer os meios para que um produto possa ser produzido, distribuído e que com isso gere um retorno financeiro que torne o empreendimento lucrativo e sustentável. 1. Empresas Uma empresa não existe sem um produto, entendido este como resultado de um trabalho ou processo. Pode ser serviço, podem ser idéias etc. Um produto é algo que sempre acrescenta valor a quem o utiliza ou consome. Para ser bem sucedida, a organização deve satisfazer alguma necessidade da sociedade na qual está inserida. 3

4 1. Empresas De uma maneira holística uma organização pode ser entendida como um conjunto de atores que interagem segundo regras não totalmente herméticas. Um excelente sinônimo para caracterizar o tipo de organização abordada é a palavra empresa. Organizações são entidades que atuam num determinado contexto. A melhor metáfora para esse contexto é o mercado. 1. Empresas As organizações surgem da necessidade primária de cooperação. Toda organização é formada por duas ou mais pessoas que interagen entre si para atingirem objetivos comuns. Razões para Existência de Organizações 1. Razões Sociais: as pessoas são gregárias e precisam estar juntas uma das outras - A união faz a força 2. Razões Materiais: as pessoas se unem para alcançar: aumento de habilidades, compressão do tempo (rapidez) e acumulação de conhecimentos 3. Efeito sinergístico: as organizações apresentam um efeito multiplicador das interações de seus membros. 4

5 1. Empresas As organizações não colocam seus objetivos em si mesmas; os objetivos organizacionais costumas ser colocados for a das organizações, isto é, no ambiente em que estão inseridas, na sociedade maior que as envolve e condiciona seu comportamento. Se a sociedade absorve e aceita o que é produzido, porque necessita esse produto, então a organização está exercendo um função social. 1. Empresas Os interesses do indivíduo e os das organizações complementam-se, fazendo com que as boas organizações permaneçam no mercado e as constantes e renováveis necessidades dos indivíduos sejam satisfeitas. 5

6 1. Empresas Toda organização possui sua dinâmica. Caso uma organização permaneça estática no contexto das mudanças sociais, tecnológicas e políticas, ela tem tudo para fracassar. As organizações nunca podem ser estáticas, já que elas mesmas são compostas de seres humanos e voltadas para um mercado consumidor em constante mutação, além de operarem em um ambiente externo dinâmico. A evolução necessária das organizações traduz-se numa permanente readaptação das mesmas, para que possam atender às dinâmicas externas e internas. 1. Empresas Sinergia: a soma to todo é maior que a soma das partes É o resultado do multiplicador das partes de um sistema aberto. Essas partes não se somam, mas se ajudam mutuamente, produzindo um efeito superior ao de uma soma. Nossa sociedade é bem maior que a soma de suas partes (organizações). A soma dos esforços individuais dentro de uma organização produz um resultado maior do que seria matematicamente esperado. 6

7 1. Empresas Entropia Entropia significa perda de energia ou insumos que não são devidamente aproveitados Todo sistema, ao longo do tempo, tende a se desintegrar se não houver uma troca de energia (no caso de sistemas de informações, troca de informações) com seu sistema maior, ou seja, com o seu macro sistema. 2. Características das Empresas As empresas são orientadas para o lucro As empresas assumem riscos As empresas são dirigidas por uma filosofia de negócios As empresas em geral são avaliadas sob um ponto de vista contábil As empresas em geral são avaliadas sob um ponto de vista social As empresas devem ser reconhecidas como negócios As empresas constituem prpriedade privada 7

8 3. Rápida História das Organizações Uma organização nunca constitui uma unidade pronta e acabada, mas um organismo social vivo e sujeito continuamente a mudanças. 3. Rápida História das Organizações 8

9 3. Rápida História das Organizações 3. Rápida História das Organizações Modelo Shareholder Modelo Stakeholder 9

10 3. Rápida História das Organizações O termo Shareholders significa acionistas, é usado para designar todos aqueles que possuem parte da empresa ou da organização. O termo Stakeholders significa parte interessada e é mais amplo que os Shareholders. Foi usado pela primeira pelo americano R. Edward Freeman, no livro Strategic Management: A Stakeholder Approach. Os Stakeholders são os componentes, meio externo, interessados na empresa, ou seja, todos que são atingidos ou atingem de forma positiva ou negativa pelas ações que a empresa vem a praticar. 3. Rápida História das Organizações 10

11 4. Categorias de Empresas As empresas podem ser classificadas quanto à: Objetivos (comerciais, industriais, de prestação de serviços). Tamanho (grande, média, pequena, micro). Organização (Linear ou Militar, Funcional, Estado Maior ou Staff ). Estrutura: (individuais, coletivas, públicas, mistas). Volume de Trabalho Interno (simples, complexas). 4. Categorias de Empresas Tamanho das Empresas As empresas estão classificadas segundo seu porte: número de empregados e faturamento anual. O Sebrae Serviço Brasileiro de apoio às Micro e Pequenas Empresas e o BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social têm definições diferentes para classificar as micro e pequenas empresas. Sebrae: segue o Estatuto da Micro e Pequena Empresa (Portaria N 5028, de 31/3/2004 que alterou os valores dos limites fixados na Lei nº de 5/10/1999). BNDES: se baseia na receita operacional bruta. 11

12 4. Categorias de Empresas Microempresa Pequena Empresa Média Empresa Grande Empresa receita bruta anual igual ou inferior a R$ ,00 Até 19 empregados (indústria) ou 9 (comércio) Receita bruta anual superior a R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00. De 20 até 99 empregados (indústria) ou 10 a 49 (comércio) Receita operacional De 100 até 499 empregados (indústria) ou 50 a 99 (comércio). Mais de 500 empregados (indústria) ou mais de 100 (comércio). Receita operacional bruta anual ou anualizada até R$ mil. Receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ mil e inferior ou igual a R$ mil. Receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ mil e inferior ou igual a R$ 60 milhões. Receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ mil e inferior ou igual a R$ 60 milhões. 5. Empresas Como Sistemas Abertos Sistemas É um conjunto integrado de partes inter-relacionadas, que têm um objetivo comum. 12

13 5. Empresas Como Sistemas Abertos Exemplo: Sistema Respiratório 5. Empresas Como Sistemas Abertos Sistemas e seus Relacionamentos Ambiente Sistema Entradas ou Insumos A Saídas ou Resultados B D C Limites ou Fronteiras E Sub-sistemas A, B, C, D e E Retroalimentação (Feedback) 13

14 5. Empresas Como Sistemas Abertos Exemplo: Estrutura de um Sistema de Fabricação Ambiente Sinais de Controle Sinais de Feedback Controle pela Administração Sinais de Feedback Sinais de Controle Entrada de Matéria-Prima Fronteira do Sistema Processo de Produção Outros Sistemas Saída de Produtos Acabados 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Os sistemas podem ser classificados quanto à sua: Natureza: sistemas naturais e sistemas artificiais Origem: sistemas físicos e concretos e sistemas abstratos e conceituais Tipo: sistemas abertos e sistemas fechados 14

15 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto à sua natureza Sistemas Naturais Sistemas Artificiais 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto à sua natureza Sistemas Naturais Os sistemas naturais englobam coisas da natureza, como por exemplo, o sistema do corpo humano. 15

16 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto à sua natureza Sistemas Artificiais Os sistemas artificiais são aqueles criados pelo homem. 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto à sua Origem Sistemas Físicos e Concretos Sistemas Abstratos e Conceituais 16

17 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto à sua Origem Sistemas Físicos e Concretos Compostos de equipamentos, instalações e de objetos 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto à sua Origem Sistemas Abstratos e Conceituais Compostos de conceitos, abstrações, hipóteses e idéias 17

18 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto ao seu Tipo Sistemas Fechados Sistemas Abertos 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto ao seu Tipo Sistemas Abertos Apresentam intensas relações com o ambiente externo, através de múltiplas entradas e saídas. Como suas entradas e saídas não são completamente conhecidas, são sistemas probabilísticos. São conhecidos por sistemas orgânicos. Exemplo: Organizações 18

19 5. Empresas Como Sistemas Abertos Classificação de sistemas Quanto ao seu Tipo Sistemas Fechados São sistemas cujo intercâmbio com o ambiente (entradas e saídas) é pequeno e conhecido, sendo portanto determinísticos: a uma determinada entrada corresponde determinada uma saída. São conhecidos por sistemas mecânicos. Exemplo: Máquinas e equipamentos 5. Empresas Como Sistemas Abertos Características Gerais dos Sistemas Globalidade Entropia Homeostazia Propósito 19

20 5. Empresas Como Sistemas Abertos Globalidade Qualquer mudança, por menor que seja, feita em uma parte do sistema, provoca alterações em todo o sistema. 5. Empresas Como Sistemas Abertos Entropia Todo sistema, ao longo do tempo, tende a se desintegrar se não houver uma troca de energia (no caso de sistemas de informações, troca de informações) com seu sistema maior, ou seja, com o seu macro sistema. 20

21 5. Empresas Como Sistemas Abertos A entropia é importante para a idéia de sistemas de informações. Se as informações de uma organização são tratadas de forma que não reflitam o que a organização necessita, a organização deixa de usar essas informações e seu sistema de informação não sendo útil, deixará de ser usado e se desintegrará. 5. Empresas Como Sistemas Abertos Homeostazia Os sistemas se adaptam ao seu ambiente, ou seja, ao seu macro sistema 21

22 5. Empresas Como Sistemas Abertos Propósito Todo sistema tem um objetivo bem definido. 5. Empresas Como Sistemas Abertos Sistemas de Informação (SI) É um conjunto de componentes inter-relacionados que trabalham juntos coletando, processando, organizando e distribuindo informação 22

23 5. Empresas Como Sistemas Abertos Sistemas de Informação Objetivos dos SI Facilitar os processos de planejamento, controle, coordenação, e organização das organizações, com ênfase no apoio a tomada de decisão. 5. Empresas Como Sistemas Abertos Sistemas de Informação Um sistema de informação é um sistema aberto, uma vez que atua espelhando uma organização, que é também um sistema aberto, isto é, é afetado por mudanças externas nem sempre previstas. 23

24 5. Empresas Como Sistemas Abertos Sistemas de Informação Os sistemas de informação devem executar as tarefas para as quais eles foram planejados. Os sistemas de informação devem fornecer recursos que permitem às pessoas fazerem seu trabalho mais eficiente e eficazmente. 5. Empresas Como Sistemas Abertos Tipologia dos Sistemas de Informação Abertos Abstratos Artificiais 24

25 5. Empresas Como Sistema Abertos Sistemas de Informação Principais Papeis dos SIs Apoio nos Aspectos Estratégicos Apoio à Tomada de Decisão Gerencial Apoio às Operações Empresariais Baseado no livro Sistemas de Informação, Leite, J.C.S.P. e Leal Ferreira, S.M.B. 5. Empresas Como Sistemas Abertos Meio Ambiente Sistema Empresa Modificações nas leis e regulamentos Alterações nas reserves de recursos naturais. Sistema Empresa Condições de competição Sitema de Informação Entrada: materiais,, energia, informação Entrada: Dadoss Entrada : Dados Sistema de Software Saída: Dados Saída: Informaçã o Saída: produtos, bens, serviçcos Prloblemas econômicos inflação renda crescimento inovações tecnológicas Mudanças nas condições sócio-políticas 25

26 5. Empresas Como Sistemas Abertos Organização É visualizada como um sistema aberto, formado de subsistemas que são seus departamentos, divisões equipes etc. É um sistema que transforma recursos em serviços e produtos, interagindo dinamicamente com seu ambiente. Recursos Humanos Materiais Financeiros Informação Organização Processos de transformação Divisão do trabalho Coordenação Objetivos Produtos Serviços 5. Empresas Como Sistema Abertos Organização vista como um sistema aberto Ambiente Entrada ou Insumos (Recursos) Saída ou resultados (Objetivos) Organização Retroação 26

27 5. Empresas Como Sistema Abertos 5. Os Níveis Organizacionais As empresas podem ser analisadas sob o prisma de três diferentes partes ou níveis hierárquicos 1. Nível institucional (ou estratégico) 2. Nível intermediário (ou nível mediador ou gerencial) 3. Nível operacional (ou técnico) 27

28 5. Os Níveis Organizacionais Nível Institucional ou Estratégico É o nível mais alto de uma empresa, composto pelos diretos, proprietários, acionistas e altos executivos. Esse nível envolve as pessoas responsáveis pelas decisões a serem tomadas, pela definição dos objetivos a serem alcançados e definição das estratégias globais necessárias para atingir os objetivos da empresa. 5. Os Níveis Organizacionais Nível Intermediário ou Mediador É composto pela média administração; se localiza entre o nível institucional e o nível operacional. Ele amortece o impacto da incerteza trazida do ambiente externo pelo nível institucional, absorvendo-o para levar para o nível operacional. Esse nível cuida da articulação interna entre os outros dois níveis, Ele cuida da adequação das decisões tomadas no nível institucional com as operações realizadas no nível operacional. Esse nível envolve as pessoas responsáveis pelo gerenciamento do nível operacional, pois é ele que está frente à frente com as incertezas do ambiente, intervindo e amortecendo estes impactos. 28

29 5. Os Níveis Organizacionais Nível Operacional ou Técnico Esse nível lida com os problemas básicos do cotidiano; é onde as tarefas e operações são feitas, envolvendo os trabalhos relacionados com a produção de produtos e serviços. Esse nível comanda toda a operação da organização, de todas as áreas (fabril, finanças, mercadológicas, recursos humanos, processamento de dados etc.). É onde se localizam equipamentos, instalações, linha de montagem, escritórios etc. Dependendo da empresa, esse nível pode não se limitar aos níveis mais baixos e e pode atingir camadas dominadas pela especialização e racionalização técnica. Quando a tecnologia da empresa é sofisticada e instável e o ambiente externo também é instável e turbulento, o nível operacional pode se projetar para todos os níveis organizacionais. 5. Os Níveis Organizacionais 29

30 5. Os Níveis Organizacionais 5. Os Níveis Organizacionais Sistema Aberto Sistema Aberto Sistema Fechado 30

31 5. Os Níveis Organizacionais 5. Os Níveis Organizacionais 31

32 5. Os Níveis Organizacionais 6. O Alinhamento Organizacional Todo negócio deve ter uma visão do futuro que o norteie e deve deve definir os valores que pretende consagrar. A missão, a visão, os valores e os objeivos globais devem ser bem definidos e estabelecidos para que o negócio se torne mais racional. Quando esses conceitos são bem definidos, o negócio passa a ter uma racionalidade e ações e decisões passam a ser tomadas visando um certo fim. Depois desses valores definidos é que se define a estratégia para alcançar os objetivos estabelecidos. Os meios devem ser ajustados à racionalidade do negócio. 32

33 6. O Alinhamento Organizacional Missão das Empresas Todo negócio deve ter uma missão a cumprir, isto é, uma razão para existir. A missão é a bússola do negócio. Representa o seu papel na sociedade. Lucro não é uma missão, mas pode ser um objetivo. A fase de definição da missão é um elemento essencial para definir o posicionamento futuro. A missão do negócio precisa ser detalhada e explicitada. Ela deve ser compreendida por todas as pessoas da empresa A missão não é estática, mas ativa e dinâmica. Ela deve evoluir com o tempo. Da missão decorrem os princípios e valores organizacionais. 6. O Alinhamento Organizacional Missão das Empresas 33

34 6. O Alinhamento Organizacional Missão das Empresas Exemplos de Missão do Negócio MacDonald: servir Alimentos de qualidade com rapidez e simpatia, em um ambiente limpo e agradável. Revista Exame: transformar a informação em conhecimento; dar sentido as coisas aparentemente desconexas; antecipar idéias e conceitos Fiat: Produzir automóveis que as pessoas desejam comprar e tenham orgulho em ter. 6. O Alinhamento Organizacional Visão das Empresas A visão é a imagem definida pela organização sobre seu futuro, ou seja, do que ela pretende vir a ser. A visão organizacional indica quais os objetivos a serem alcançados nos próximo anos (em geral cinco anos) para orientar os seus membros quanto ao futuro que a organização pretende transformar em realidade. 34

35 6. O Alinhamento Organizacional 6. O Alinhamento Organizacional 35

36 6. O Alinhamento Organizacional Objetivos das Empresas Objetivos são estados desejáveis que se pretende alcançar e realizar. Enquanto um objetivo não é alcançado, ele constitui um alvo, uma meta. Quando um objetivo é atingido, ele deixa de ser uma algo desejável para se tornar realidade. Deve-se então definir um outro objetivo. Logo, os objetivos são efêmeros e passageiros. Eles são dinâmicos. 6. O Alinhamento Organizacional Objetivos das Empresas Toda empresa possui uma variedade de objetivos, alguns convergentes entre si e outros divergentes. A fim de organização, em geral a empresa define uma hierarquia de objetivos. As empresas podem ser estudadas do ponto de vista de seus objetivos 36

37 6. O Alinhamento Organizacional Objetivos das Empresas Tipos de Objetivos: Objetivos Globais ou Estratégicos: São os mais importantes. Envolvem toda empresa e são de longo prazo (em geral 5 anos). Objetivos Táticos ou Departamentais: São de médio prazo (em geral de um período contábil, isto é, um ano). São específicos de cada departamento ou divisão. Podem ser objetivos financeiros, mercadológicos, administrativos etc. Objetivos Operacionais: São os objetivos de cada tarefa ou atividade da empresa. São os objetivos relacionados ao cotidiano da organização. 7. Recursos das Empresas Os recursos de uma empresa são os meios empregados para possibilitar as ações e operações da empresa e proporcionar eficiência e eficácia no alcance dos resultados esperados. Os recursos são os bens ou serviços consumidos internamente na realização das atividades da empresa para produzir seus produtos ou serviços. Um recurso é um ativo, uma competência, um processo, uma habilidade ou um conhecimento controlado pela empresa 37

38 7. Recursos das Empresas Classificação dos Recursos Empresariais 38

8. Abordagem Sistêmica

8. Abordagem Sistêmica 8. Abordagem Sistêmica Conteúdo 1. Abordagem Sistêmica 2. Cibernética 3. Teria Geral dos sistemas 4. Sistema Empresa 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração - Teoria, Processo e Prática Chiavenato,

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http:// Teoria de Sistemas A Teoria Geral dos Sistemas tem por finalidade identificar as propriedades, princípios e leis

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas:

Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas: Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas: Sistema é um conjunto de elementos dinâicamente relacionados entre si, formando

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO. ORIGENS DA TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO A Teoria dos Sistemas foi introduzida na Administração, a partir da década de 1960, tornando-se parte integrante da

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 4º Encontro - 27/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - ATIVIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

TEORIA GERAL DOS SISTEMAS

TEORIA GERAL DOS SISTEMAS TEORIA GERAL DOS SISTEMAS 2 HISTÓRICO Gottfried Leibniz (1646-1716) chamava de Sistema: Repertório de conhecimentos que não se limitasse a ser um simples inventário, mas que contivesse suas razões ou provas

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional 1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional Conteúdo 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora Atlas Administração - Teoria, Processo e Prática

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof. Lillian Alvares O Planejamento

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

3 - O ambiente das organizações

3 - O ambiente das organizações Objetivos de aprendizagem 3 - O ambiente das organizações Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o ambiente das empresas e suas características principais. Descrever o ambiente

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968

TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968 TEORIA GERAL DE SISTEMAS Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968 Critica a visão de que o mundo se divide em áreas como física, biologia, química, psicologia, sociologia pregando

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Pessoas e negócios em evolução.

Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria desde 2001 Nossos Serviços: Pesquisa de Clima Cargos e Salários Avaliação de Desempenho Recrutamento Especializado Mapeamento

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 COMPETITIVIDADE Rentabilidade Fluxo de caixa Crescimento de mercado GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 2 FOCO EM RESULTADOS Gestão dos processos associados

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP)

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) OBRIGATÓRIAS (6 disciplinas de 60 h cada = 360 h) Estado, Sociedade e Administração Pública O Estado, elementos constitutivos, características

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

08/03/2009. Como mostra a pirâmide da gestão no slide seguinte... Profª. Kelly Hannel. Fonte: adaptado de Laudon, 2002

08/03/2009. Como mostra a pirâmide da gestão no slide seguinte... Profª. Kelly Hannel. Fonte: adaptado de Laudon, 2002 Pirâmide da Gestão Profª. Kelly Hannel Fonte: adaptado de Laudon, 2002 Diferentes tipos de SIs que atendem diversos níveis organizacionais Sistemas do nível operacional: dão suporte a gerentes operacionais

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider.

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider. Gestão Empresarial Aula 5 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br A Estrutura Estratégica Comércio Exterior Fornecedores Macro Ambiente Organizacional Ambiente Organizacional

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Teoria geral dos sistemas Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Necessário entender inicialmente os conceitos básicos e base filosófica que norteiam sistemas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Idalberto Chiavenato Conceitos; Evidências históricas; e Estruturando a administração. 1 Administração I Administração é criar um ambiente para o esforço grupal

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PESSOAL

PLANEJAMENTO DE PESSOAL GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO DE PESSOAL Planejamento estratégico de GP 1 Um dos aspectos mais importantes do planejamento estratégico de GP é o alinhamento da função de GP com a estratégia organizacional.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva

Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva Profa. Dra. Thelma Rocha 1 Administração dos Públicos Estratégicos Vê a empresa como o centro de uma rede de públicos chamados de públicos

Leia mais

1. Organizações e Propriedades

1. Organizações e Propriedades 1. Organizações e Propriedades Conteúdo 1. Organizações 2. Propriedades 3. Formas de Propriedades Privadas 4. Alguns Conceitos 5. Propriedades Públicas 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração

Leia mais

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Janniele Aparecida Conceitos Sistema de Informação Conjunto de componentes interrelacionados que coletam (ou recuperam), processam e armazenam e distribuem

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

1. Conceitos de sistemas. Conceitos da Teoria de Sistemas. Conceitos de sistemas extraídos do dicionário Aurélio:

1. Conceitos de sistemas. Conceitos da Teoria de Sistemas. Conceitos de sistemas extraídos do dicionário Aurélio: 1. Conceitos de sistemas Conceitos da Teoria de Sistemas OPTNER: É um conjunto de objetos com um determinado conjunto de relações entre seus objetos e seus atributos. TILLES: É um conjunto de partes inter-relacionadas.

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONHECIMENTO

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONHECIMENTO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO Qualidade da informação (QI) tornou-se um ponto crítico em empresas e em pesquisas da área de Sistemas de Informação. A falta de qualidade nas informações pode impactar severamente

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio.

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio. Gestão Corporativa Governança Corporativa é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis que regulam a maneira como uma empresa é dirigida, administrada ou controlada. PROCESSOS PESSOAS TECNOLOGIA

Leia mais